Técnicas para ocultamento de perdas de pacotes em aplicações do tipo Voz sobre IP (VoIP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas para ocultamento de perdas de pacotes em aplicações do tipo Voz sobre IP (VoIP)"

Transcrição

1 Técnicas para ocultamento de perdas de pacotes em aplicações do tipo Voz sobre IP (VoIP) Rafael Seidi Shigueoka¹, Fábio Sakuray¹ ¹Departmento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal CEP Londrina PR Brasil Abstract. In this work, techniques are analyzed and implemented to conceal packet loss on applications like Voice over IP (VoIP). This technology eventually became popular because of its low cost compared to traditional telephone network. Despite having some obstacles such as packet loss that degrade audio quality, there are techniques called Packet Loss Concealment (PLC) that help mask these losses. Keys-word: VoIP; PLC; packet loss. Resumo. Neste trabalho são implementadas e analisadas técnicas para ocultar perdas de pacotes em aplicações do tipo Voz sobre IP (VoIP). Essa tecnologia acabou se tornando popular devido ao seu baixo custo em relação à tradicional rede de telefonia. Apesar de possuir alguns obstáculos como a perda de pacotes que degradam a qualidade do áudio, existem técnicas chamadas Packet Loss Concealment (PLC) que ajudam a mascarar essas perdas. Palavras-chaves: VoIP; PLC; perda de pacote

2 1. Introdução As últimas décadas trouxeram avanços tecnológicos inimagináveis, os quais, por sua vez, requerem contínuas adequações no sentido de atender às demandas de um mercado cada vez mais exigente no que diz respeito à informação e à comunicação. VoIP (Voz sobre IP) é a transmissão de dados de voz em uma rede de pacotes IP (Walker & Hicks, 2004). Parte-se do fato de que aplicações dessa natureza estão se tornando cada vez mais populares devido à sua flexibilidade e seu custo reduzido em relação aos serviços de telefonias existentes (Sonwane & Chandavarkar, 2013). Essa tendência é observada pelo software Skype (um aplicativo do tipo VoIP), que em agosto de 2013 superou a marca de 300 milhões de usuários, sendo utilizado diariamente por cerca de 50 milhões de pessoas no mundo (Agência EFE, 2013) (Folha de São Paulo, 2013). Justifica-se a realização deste estudo diante da emergência de novas possibilidades de aplicação dos recursos tecnológicos atualmente disponíveis em situações da vida cotidiana. Busca-se, assim, comparar as técnicas de ocultamento das perdas de pacotes de dados, visando evidenciar os potenciais resultados que cada uma pode trazer, tendo em vista categorias como o custo/benefício de processamento, bem como facilidades e/ou dificuldades de implementação. Ainda que a tecnologia VoIP esteja se tornando cada vez mais popular, há fatores como perdas de pacotes, atrasos e variação no atraso da rede (jitter) que degradam a qualidade do áudio (Kim, Kim, Jeong, & Kim, 2013). A ocorrência desses fatores deve-se ao excesso de tráfego, interferência, ruído (alteração no conteúdo do pacote) e sobrecarga do buffer no receptor (Ali, Liang, Sun, & Cruickshank, 2009). As perdas de pacotes criam lacunas nos trechos de áudio (Ofir & Malah, 2006) que afetam a qualidade do som. Para ocultar essas descontinuidades nos trechos de voz, são utilizadas técnicas como o Packet Loss Concealment (PLC) ou Frame Erasure Concealment (FEC) (Chen, 2007). O que diferencia uma técnica da outra é que a FEC ocorre quando o bit de erro não está correto (Kim & Kang, 2001). Para mascarar ou restaurar os pacotes perdidos foram desenvolvidos métodos que podem ser divididos em duas classes principais: Packet Loss Concealment baseado no transmissor (PLC sender-based) onde é adicionada alguma redundância ou informação adicional que depois pode ser usado pelo receptor e o Packet Loss Concealment baseado no receptor (PLC receiver-based) que em caso de falha na recuperação do pacote produz um substituto no lugar para encobrir a perda (Kim, Kim, Jeong, & Kim, 2013) (Ofir & Malah, 2006). Nesta dimensão, o objeto de estudo do presente trabalho volta-se para os métodos de PLC.

3 2. Fundamentação Teórico-metodológica VoIP é uma tecnologia que torna capaz a transmissão de dados de voz em uma rede de pacotes IP. O processo da transmissão consiste basicamente em transformar os trechos de voz analógicos em digitais, dividi-los em vários pacotes e depois transportá-los sobre a rede IP. Após alcançar seu destino, os pacotes são reorganizados e convertidos para o sistema analógico novamente (Raake, 2006) (Walker & Hicks, 2004). Sabe-se que o sistema de comunicação de telefones convencionais utiliza comutação de circuitos e quando é realizada alguma ligação, é reservado um circuito dedicado entre os dois telefones para a conversa, enquanto a tecnologia VoIP utiliza comutação de pacotes e trabalha sobre uma rede conectada a vários computadores. Assim sendo, não há um caminho único para que os pacotes de voz possam percorrer (Walker & Hicks, 2004). Dada a amplitude deste novo sistema de comunicação, os telefones tradicionais estão aos poucos sendo substituídos pela nova tecnologia VoIP (Radhakrishnan & Larijani, 2010) (Ghiata & Marcu, 2011). Segundo (Walker & Hicks, 2004)são os componentes mais importantes do VoIP podem ser observados no quadro a seguir. Quadro 1- Principais componentes do VoIP Codecs São responsáveis pela codificação ou decodificação do áudio. Esse hardware ou software transforma o áudio analógico em digital. Alguns codecs também realizam a tarefa de compressão para poupar banda. Os codecs mais utilizados em VoIP são G.711, G.723, G.729 e G Codecs G.711a e G.711u utilizam mais banda, entretanto o tempo gasto para codificar para digital e empacotar os trechos de voz é de 1ms. Os codecs G.726, G.729 e G.723 consomem menos banda, pois além da conversão do áudio realizam também a compressão do mesmo. Apesar de poupar banda com processo de compressão, a qualidade do áudio é reduzida, pois perde algumas características do áudio original. Protocolos TCP/IP e VoIP: Servidores de telefonia IP e PBXs TCP/IP é um conjunto de protocolos que desempenham a função de troca de informações entre os computadores, informações sobre o datagrama e o que fazer caso seja danificado ou perdido. Os protocolos VoIP utilizados para a realização da chamada são divididos em duas fases, protocolos de configuração da chamada e de transmissão de voz. Session Initioation Protocol (SIP), H.232, Skinny Client Control Protocol (SCCP), Media Gateway Control Protocol (MGCP) e Media Gateway Protocol (Megaco) são protocolos usados para iniciar e finalizar chamada. Eles realizam funções como mapear os números de telefones para endereço IP, gerar toques das chamadas, soar o toque no aparelho do receptor e desligar a chamada. Após atender a chamada, o Real-time Transport Protocol (RTP) é utilizado durante a toda a conversa para transmitir o áudio. Private Branch exchange (PBX) é um sistema onde os telefones de uma empresa são conectados formando uma rede para transmissão de voz, permitindo que alguns telefones fora da empresa sejam conectados a essa rede e também possibilita funções como reencaminhamento da chamada, chamada em espera e teleconferência.

4 IP PBX age como um servidor. Ele possui as características e funções do PBX só para telefones VoIP, além de possibilitar o recebimento de voice mail e em um mesmo lugar devido ao unified messaging. Gateways VoIP e roteadores Telefones IP e softphones Para que a comunicação entre protocolos, codecs e até redes diferentes possa ser realizada, é necessária a utilização de gateways VoIP. Analisando o cabeçalho IP, os roteadores decidem qual caminho os pacotes de dados devem percorrer, cada roteador escolhe o roteador seguinte a mandar o pacote e através desses saltos contínuos chega-se ao destino. Os telefones IP têm aparência semelhante aos telefones convencionais, mas em sua parte traseira possuem uma entrada para ethernet LAN. Softphones são softwares instalados no computador que juntamente com um headset funcionam como um telefone IP. Tanto os telefones IP quanto os softphones dependem de um servidor de telefonia IP. Uma das maiores dificuldades da tecnologia VoIP é manter uma boa qualidade do áudio, pois os pacotes de voz percorrem sobre a mesma estrutura dos pacotes de dados e existe ainda o fato de a rede IP ser um serviço de melhor esforço. Caso ocorra o congestionamento da rede ou erro na transmissão, pacotes de áudio transmitidos podem chegar atrasados, serem descartados ou demorar a chegar no destino a ponto de não poderem mais ser utilizados e precisarem ser descartados. Essas perdas de dados criam lacunas nos trechos do áudio e prejudicam sua qualidade (Ghiata & Marcu, 2011) (Radhakrishnan & Larijani, 2010) (Maheswari & Punithavalli, 2010) (Xu & Zhang, 2011). (De Cristofaro, et al., 2009) e (Ghiata & Marcu, 2011) referem que a qualidade do áudio é influenciada por três importantes fatores: Latência tempo que o pacote demora para sair da origem e chegar ao seu destino; Jitter - variação no tempo de chegada dos pacotes; Perda de pacotes pacotes descartados devido ao congestionamento da rede. Ainda conforme (De Cristofaro, et al., 2009), o teste da qualidade de voz pode ser realizado através de dois modos de avaliação. No método subjetivo, a qualidade da chamada é analisada por uma pessoa, enquanto o método objetivo é realizado por diferentes algoritmos e/ou softwares. Como o modo subjetivo é custoso e dispendioso e no objetivo não há intervenção humana para avaliar, outro método de avaliação desenvolvido é a utilização de redes neurais para avaliação do áudio (Ghiata & Marcu, 2011). Para restaurar ou encobrir as perdas de pacotes, foram criadas técnicas de PLC que podem ser categorizadas em duas classes: PLC baseado no transmissor (PLC transmitter-based) e PLC baseado no receptor (PLC receiver-based). Nas técnicas baseadas no transmissor geralmente alguma redundância ou informação adicional é acrescentada nos pacotes a

5 serem enviados, para ajudar o receptor na recuperação dos dados perdidos. Neste caso, o transmissor trabalha em conjunto com o repector para recuperar os pacotes de vozes perdidos. As técnicas baseadas no receptor geralmente tentam mascarar as perdas do áudio inserindo uma onda de áudio substituta na lacuna, nessa classe não há participação do transmissor (Walker & Hicks, 2004) (Pedram, Vaseghi, & Langari, 2013) (Xu & Zhang, 2011) (Nagireddi, VoIP Voice and Fax Signal Processing, 2008). Tanto as técnicas de PLC baseadas no transmissor como as baseadas no receptor possuem duas subclasses. Na figura a seguir são apresentadas as singularidades das duas técnicas mencionadas, conforme classificação proposta por (Nagireddi, VoIP Voice and Fax Signal Processing, 2008).

6 Figura 1. Classificação das técnicas de PLC baseado no transmissor e técnica s de PLC baseado no receptor No primeiro esquema, apresentamos as técnicas de PLC baseadas no transmissor, que são: Redundância - O pacote de voz a ser transmitido é concatenado a uma quantidade de pacotes anteriores, que variam dependendo do valor da redundância. Apesar de aumentar a banda de acordo com o nível de redundância escolhido, essa é uma boa opção para perdas de pacotes desde que não excedam o nível. (Nagireddi, VoIP Voice and Fax Signal Processing, 2008).

7 Forward Error Correction (FEC) Técnicas FEC produzem pacotes de dados adicionais que auxiliam o receptor na recuperação dos pacotes de vozes perdidos durante a transmissão. É mais eficiente que o esquema de redundância pois utiliza menos banda além de ser mais seguro uma vez que os dados são encriptados (Nagireddi, VoIP Voice and Fax Signal Processing, 2008). Interleaving Nesse método os pacotes de vozes são fragmentados em trechos menores e depois dispersados. Essa técnica é eficaz contra rajada de perdas, pois caso algum pacote se perca haverá pequenas falhas no áudio ao invés de um grande intervalo. Diferente da redundância e do FEC, o interleaving não aumenta a banda, entretanto aumenta o atraso, o uso de processamento e a memória (Nagireddi, VoIP Voice and Fax Signal Processing, 2008). Retransmissão Se o receptor perceber que ocorreu a perda de algum pacote ele solicita ao transmissor que faça o reenvio do mesmo. Apesar do longo atraso nas chamada de voz, o método de retransmissão é eficaz quando a perda de pacotes é baixa, já que não aumenta a banda como o FEC e a redundância. Caso a perda dos dados comece a aumentar, o FEC se torna mais efetivo (Nagireddi, VoIP Voice and Fax Signal Processing, 2008). Já no segundo esquema apresentado, são evidenciadas as técnicas baseadas no receptor. São elas: Baseado no pitch (G.711) Fornece uma qualidade melhor e mais razoável com uma baixa complexidade computacional (Nagireddi, VoIP Voice and Fax Signal Processing, 2008). Linear prediction Este esquema realiza uma derivação utilizando 20 coeficientes LPC (Linear Prediction Coding) no modelo e excitação da parte que foi perdida com base no histórico da fala para procurar um sinal parecido com o orginal para substituir (Nagireddi, VoIP Voice and Fax Signal Processing, 2008). Time frequency modifications No lugar do pacote perdido o pacote anterior e o seguinte são esticados para preencher a lacuna. Silence substitution Nas falhas do áudio são inseridos silêncio para manter o tempo entre os pacotes. Caso a perda dos pacotes comece a aumentar, seu desempenho diminui drasticamente. Apesar disso, ele é muito utilizado já que é fácil de ser implementado (Perkins, Hodson, & Hardman, 1998). Packet repetition Faz uso do último pacote bom recebido para inserir na lacuna aberta pela perda do pacote, seu custo computacional é baixo e desempenha razoavelmente bem (Perkins, Hodson, & Hardman, 1998).

8 3 Objetivos O objetivo geral do presente trabalho consiste em analisar técnicas para ocultar perdas de pacotes em aplicações do tipo Voz sobre IP (VoIP). Os objetivos específicos podem ser assim destacados: a) Comparar as técnicas contidas nos métodos Packet Loss Concealment baseado no transmissor (PLC sender-based) e Packet Loss Concealment baseado no receptor (PLC receiver-based); b) Selecionar e implementar algumas dessas técnicas em um programa previamente definido; c)avaliar os resultados da aplicação de cada uma das técnicas selecionadas. 4. Procedimentos metodológicos/métodos e técnicas O presente estudo parte de uma pesquisa bibliográfica em diferentes bases de dados. Segundo Lakatos e Marconi (2003), a pesquisa bibliográfica é o levantamento de toda a bibliografia já publicada, em forma de livros, revistas, publicações avulsas e imprensa escrita. A sua finalidade é fazer com que o pesquisador entre em contato direto com todo o material escrito sobre um determinado assunto, auxiliando o cientista na análise de suas pesquisas ou na manipulação de suas informações. Ela pode ser considerada como o primeiro passo de toda a pesquisa científica. Em uma segunda etapa, serão analisadas e implementadas técnicas para ocultar perdas de pacotes em aplicações do tipo Voz sobre IP (VoIP). Para a realização desta etapa, serão definidos posteriormente as técnicas e programas a serem utilizadas.

9 5. Cronograma de Execução Elaboração do projeto Entrega do Projeto Revisão Bibliográfica Estudo do VoIP JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV X X X X X X X X X X X X Implementação X X X Ajustes Finais na Implementação X X X Testes X X X Escrita e Revisão do Trabalho Entrega da Versão Preliminar Entrega da Versão para a Banca Banca X X X X X X X X X X

10 6. Contribuições e/ou Resultados esperados Pretende-se com o presente trabalho, contribuir, com, a realização das ações das técnicas de PLC previstas neste trabalho, para a ampliação dos conhecimentos sobre a temática de PLC, tendo em vista a atualidade do tema e a importância de avaliar as técnicas já existentes no ocultamento das perdas de dados de voz. Que possa contribuir didaticamente para a criação de futuros projetos.

11 Referencias Agência EFE. (29 de Agosto de 2013). Info. Fonte: Ali, M., Liang, L., Sun, Z., & Cruickshank, H. (2009). SIP signaling and QoS for VoIP over IPv6 DVB-RCS satellite networks International Workshop on Satellite and Space Communications (pp ). Tuscany: IEEE. Chen, J.-H. (2007). Packet Loss Concealment for Predictive Speech Coding Based on Extrapolation of Speech Waveform. Conference Record of The Forty-First Asilomar Conference on Signals, Systems & Computers (pp ). Pacific Grove, CA: IEEE. De Cristofaro, N., McGill, G., Sallahi, A., Davis, M., Alsibai, A., & St-Hilaire, M. (2009). QoS evaluation of a voice over IP network with video: A case study Canadian Conference on Electrical and Computer Engineering (pp ). St. John's: IEEE. Folha de São Paulo. (30 de Agosto de 2013). Fonte: Ghiata, N., & Marcu, M. (2011). Measurement methods for QoS in VoIP review. Ultra Modern Telecommunications and Control Systems and Workshops (ICUMT) (pp. 1-6). Budapest: IEEE. Kim, B. H., Kim, H.-G., Jeong, J., & Kim, J. Y. (2013). VoIP Receiver-Based Adaptive Playout Scheduling and Packet Loss Concealment Technique. IEEE Transactions on Consumer Electronics (pp ). IEEE. Kim, H. K., & Kang, H.-G. (2001). A Frame Erasure Concealment Algorithm Based on Gain Parameter Re-estimation for CELP Coders. Signal Processing Letters, IEEE (pp ). IEEE. Lakatos, Eva Maria; Marconi, Marina de Andrade.( 2003) Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. - São Paulo: Atlas. Maheswari, K., & Punithavalli, M. (2010). Enhanced Packet Loss Recovery in Voice Multiplex-MUlticast based VoIP Networks. Proceedings of the 1st Amrita ACM- W Celebration on Women in Computing in India (pp. 1-4). Coimbatore: ACM. Nagireddi, S. (2008). VoIP Voice and Fax Signal Processing. New Jersey: John Wiley & Sons, Inc. Ofir, F., & Malah, D. (2006). Packet loss concealment for audio streaming based on the GAPES and MAPES algorithms th IEEE Convention of Electrical and Electronic Engineers (pp ). Eilat: IEEE. Pedram, S. K., Vaseghi, S., & Langari, B. (2013). Audio Packet Loss Concealment using Motion-Compensated Spectral Extrapolation IEEE International Symposium on Signal Processing and Information Technology (pp ). Athens: IEEE.

12 Perkins, C., Hodson, O., & Hardman, V. (1998). A survey of packet loss recovery techniques for streaming audio. Network, IEEE (pp ). IEEE. Raake, A. (2006). Speech Quality of VoIP - Assessment and Prediction. Chicester: John Wiley & Son Ltd. Radhakrishnan, K., & Larijani, H. (2010). A Study on QoS of VoIP networks: A Random Neural Network (RNN) Approach. Proceedings of the 2010 Spring Simulation Multiconference (pp. 114:1-114:6). Orlando, Florida: Society for Computer Simulation International. Sonwane, G. D., & Chandavarkar, M. B. (2013). Security Analysis of Session Initiation Protocol in IPv4 and IPv6 Based VoIP Network. Second International Conference on Advanced Computing, Networking and Security ADCONS 2013 (pp ). Mangalore: IEEE. Walker, J. Q., & Hicks, J. (2004). Taking charge of your VoIP project. Indianapolis: Cisco Press. Xu, J., & Zhang, C. (2011). Research of an Improved Packet Loss Compensation Algorithm in VoIP. Communication Software and Networks (ICCSN), 2011 IEEE 3rd International Conference on Communication Software and Networks (pp ). Xi'an: IEEE.

RAFAEL SEIDI SHIGUEOKA ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS PARA OCULTAMENTO DE PERDAS DE PACOTES EM APLICAÇÕES DO TIPO VOZ SOBRE IP (VOIP)

RAFAEL SEIDI SHIGUEOKA ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS PARA OCULTAMENTO DE PERDAS DE PACOTES EM APLICAÇÕES DO TIPO VOZ SOBRE IP (VOIP) RAFAEL SEIDI SHIGUEOKA ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS PARA OCULTAMENTO DE PERDAS DE PACOTES EM APLICAÇÕES DO TIPO VOZ SOBRE IP (VOIP) LONDRINA PR 2016 RAFAEL SEIDI SHIGUEOKA ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS NAS INSTALAÇÕES DO CRSPE/INPE - MCT

RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS NAS INSTALAÇÕES DO CRSPE/INPE - MCT MINISTERIO DA CIENCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS CENTRO REGIONAL SUL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE/CRSPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UFSM RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Aplicação da tecnologia VoIP sobre o protocolo ISDN

Aplicação da tecnologia VoIP sobre o protocolo ISDN Faculdade de Tecnologia IBTA Aplicação da tecnologia VoIP sobre o protocolo ISDN VIEIRA, Anderson BAIÃO JUNIOR, Edson Carlos LIMA DE DEUS, Régis Alberto RESUMO Este artigo tem por objetivo demonstrar a

Leia mais

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação 1 Intelbras GKM 2210T 1. Instalação 1º Conecte a fonte de alimentação na entrada PWR, o LED Power acenderá; 2º Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Criado por Mark Spencer em 1999. Criador do GAIM (actualmente Pidgin) e do daemon L2TP t2tpd (ambos para Linux) In computer networking, Layer 2

Criado por Mark Spencer em 1999. Criador do GAIM (actualmente Pidgin) e do daemon L2TP t2tpd (ambos para Linux) In computer networking, Layer 2 Criado por Mark Spencer em 1999. Criador do GAIM (actualmente Pidgin) e do daemon L2TP t2tpd (ambos para Linux) In computer networking, Layer 2 Tunneling Protocol (L2TP) is a tunneling protocol used to

Leia mais

Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC

Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC André M. Zenun 1, Diego L. Kreutz 2, Rafael R. Righi 1 1 Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis SENAI-SC Rodovia

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Codificadores de voz do MPEG-4 Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Roteiro Introdução Waveform Codecs Source Codecs Hybrid Codecs Áudio no MPEG-4 Comparação entre alguns codecs Codificadores de Voz Introdução

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Equipe: Afonso Sousa, Jhonatan Cavalcante, Israel Bezerra, Wendel Marinho Professor: Fabio

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Atualmente existem 3 formatos mais comuns de serviços VoIP sendo oferecidos:

Atualmente existem 3 formatos mais comuns de serviços VoIP sendo oferecidos: VoIP VoIP (Voice over Internet Protocol) é uma tecnologia que permite a transmissão de voz, como dados através da internet. A tecnologia funciona capturando a voz, que é analógica, e a transforma em pacotes

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução A convergência, atualmente um dos temas mais discutidos na indústria de redes,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

VoIP: Falando Sobre IP

VoIP: Falando Sobre IP VoIP: Falando Sobre IP Introdução De Alexander Graham Bell à Telefonia IP Alexander Graham Bell ao telefone no lançamento do serviço telefônico entre Nova York e Chicago em 1892. Foto: NASA Introdução

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens tendências EDIÇÃO 05 Dezembro/2012 Comunicação Unificada Introdução Como Implementar Quais as Vantagens Componentes das Comunicações Unificadas 02 04 05 06 Introdução Nos últimos anos, as tecnologias para

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Recursos, Características e Especificações Técnicas. Telefonia

Recursos, Características e Especificações Técnicas. Telefonia Telefonia 2 Canais de ligação 1 Conta SIP Rediscar Lista dos últimos números discados Histórico de ligações Suspender Microfone Suspender Alto-falante Hold Transferência de ligações Configuração automática

Leia mais

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching SWITCHING Quando o ethernet foi originalmente desenhado, os computadores eram lentos e as redes eram pequenas. Portanto, uma rede rodando a 10 mbps era mais que suficiente para qualquer aplicação. Atualmente,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

Intelbras TIP 100. 1. Instalação

Intelbras TIP 100. 1. Instalação 1 Intelbras TIP 100 1. Instalação É necessário que o TIP 100 e seu computador estejam conectados à Internet através de banda larga. A conexão pode ser feita com hub ou switch ligado ao modem roteador ou

Leia mais

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GLT - 30 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIFICAÇÕES ENUM MARÇO DE 2015 1 CHAMADAS ENTRE ORGANISMOS DA AP COM RECURSO A ENUM ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS 1 - As comunicações de voz, chamadas de voz com

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Multimédia Prof. António Casimiro / José Rufino Email: docentes rcp@listas.di.ciencias.ulisboa.pt 2015/2016 Multimédia e Qualidade de Serviço Aplicações multimédia: Áudio e vídeo

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Avaliação de técnicas de codificação de voz para VoIP

Avaliação de técnicas de codificação de voz para VoIP Avaliação de técnicas de codificação de voz para VoIP Márcio A. de Souza 1, Anderson D. Schicorski 1, Kleber Z. A. Ferreira 1, Luciano J. Senger 1, Omar A. C. Cortes 2 1 Departamento de Informática Universidade

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Luis Eduardo Pereira Bueno Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Trabalho elaborado como parte da avaliação da disciplina Processamento Digital de Sinais, ministrada pelo prof. Marcelo

Leia mais

Push Technologies. Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970 Londrina PR Brasil. sean.alvarenga@gmail.com, brunozarpelao@uel.br

Push Technologies. Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970 Londrina PR Brasil. sean.alvarenga@gmail.com, brunozarpelao@uel.br Push Technologies Sean Carlisto de Alvarenga 1, Bruno Bogaz Zarpelão 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970 Londrina PR Brasil sean.alvarenga@gmail.com,

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas, Carlos Alberto Malcher Bastos, Marcos Tadeu von Lutzow Vidal, Milton Martins Flores Quem somos? Laboratório

Leia mais

200.1045.00-4 REV 020

200.1045.00-4 REV 020 Manual do Usuário VoIP XT-50 200.1045.00-4 REV 020 Sumário 1. Introdução...3 1.1. Hardware...3 1.2. Software...4 2. Configurador WEB...4 2.1. Login...4 2.2. Informações do Sistema...5 2.3. Agenda...5 2.4.

Leia mais

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279 Relatório Asterisk Unidade Curricular: SCOM Ano Letivo: 2014/2015 Docente: João Manuel Couto das Neves Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Índice Introdução... 2 Instalação e Configuração

Leia mais

OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi

OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi 1 OpenFlow: abrindo portas para inovações nas redes de nossos campi Leandro Haruo Aoyagi Universidade Federal de São Carlos, Campus Sorocaba Sorocaba, São Paulo Email: aoyagi.haruo@gmail.com Resumo A comunidade

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Fatores de Impacto para alguns Periódicos Base JCR-2003 /ISI 1

Fatores de Impacto para alguns Periódicos Base JCR-2003 /ISI 1 Fatores de Impacto para alguns Periódicos Base JCR-2003 /ISI 1 O Journal Citation Reports (JCR) publica anualmente o índice conhecido por fator de impacto de um periódico para medir a freqüência com que

Leia mais

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br VoIP Voice Over IP lmedeiros@othos.com.br Índice O que Significa? Como funciona? Porque utilizar? Equipamentos VoIP Desvantagens Provedores VoIP Conclusão O que significa? VoIP é uma tecnologia que usa

Leia mais

Principais conceitos sobre a tecnologia VoIP

Principais conceitos sobre a tecnologia VoIP Principais conceitos sobre a tecnologia VoIP Emily Oliveira Rocha 1, Miguel Messias C. Lima², Rafael Santos³, Renato Gomes 4 Curso de Graduação em Sistemas de Informação Centro Universitário da Bahia (FIB)

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais