Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF)"

Transcrição

1 Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Abstract. This paper describes a little bit of the VoIP tecnologie. VoIP tecnology is evoluating, especially by the difusion of the Internet.Other reason is the progress of the new network tecnologies.it will have a huge competition in the telecomunications market. VoIP has 2 types of protocols: the H. 323 standart gives some base for audio, video and data comunications through IP network and SIP is a protocol based on text that has the power of the Internet, as: HTTP format, DNS and the address style. Resumo. Este artigo descreve um pouco sobre a tecnologia de voz sobre IP. A tecnologia VoIP está evoluindo nos últimos anos, devido especialmente pela difusão da Internet. Mas não somente por isso, mas também pelo progresso das tecnologias de rede. Assim teremos uma grande competitividade no mercado. O VoIP tem 2 tipos de protocolos: H. 323 O padrão H.323 fornece uma base para comunicação de áudio, vídeo e dados através de uma rede baseada em IP, inclusive a Internet e o SIP é um protocolo baseado em texto que possui a força da Internet, fazendo uso de elementos comuns, tais como: o formato do HTTP, DNS e o estilo de endereçamento Introdução Nos dias de hoje, temos presenciado uma grande revolução acontecendo nas telecomunicações, resultante do incrível crescimento das redes baseadas em pacotes, especialmente pela Internet. Esta revolução está unificando os mundos de Dados e Telecomunicações em uma só rede convergente ubiqüa. Esta mudança não se trata apenas de um movimento do mercado, mas demonstra o progresso da tecnologia de rede. A telefonia baseada em redes de pacotes já dá passos concretos de maturidade, e muitos "Fornecedores de Telefonia IP" e "Serviços 0800 na Rede" estão sendo construídos dentro deste novo paradigma. A implementação de VoIP nos permite o tráfego de voz (exemplo, chamadas telefônicas e faxes) sobre uma rede IP. A proposta de convergência tornou-se tão interessante e importante para a manutenção da competitividade, que mesmo as operadoras telefônicas tradicionais estão se rendendo a esta tecnologia. E desenvolvendo soluções para racionalizar o uso de suas infraestruturas baseadas em circuitos fazendo a atualização para comutação de pacotes. Não

2 somente pelo apelo da redução de custos decorrentes da fusão de duas áreas, mas também pela possibilidade de prover uma melhor qualidade no transporte da voz, e ao mesmo tempo economizar em banda passante nacional e internacional. As principais causas para evolução do mercado de VoIP são as seguintes: o Baixo custo das chamadas telefônicas, o Serviços de valores agregados e mensagem unificada, o União da infra-estrutura de dados/voz. O sistema de VoIP consiste de um número de diferentes componentes: o Gateway/Media Gateway, o Gatekeeper, o Call Agent, o Media Gateway Controller, o Signaling Gateway, o Call Manager. O gateway converte a mídia por um tipo de rede para o formato requerido por um outro tipo de rede. O gateway também pode executar mensagens de áudio/vídeo e outras funções IVR, ou até mesmo executar conferência de mídia. No VoIP, o processador de sinal digital (DSP Digital Signaling Processor) segmenta o sinal de voz em quadros (frames) e os armazena em pacotes de voz. Estes pacotes de voz são transportados usando IP de acordo com uma das especificações para transmissão de multimídia (voz, vídeo, fax e dados) através da rede: o H.323 ITU o MGCP Level3, Bellcore, Cisco, Nortel o MEGACO/H2.48 IETF o SIP IETF o T.38 ITU Dois padrões principais disputam a hegemonia da Telefonia IP: ITU-T H.323 (International Telecommunications Union), presente em muitos dos equipamentos e softwares VOIP, e o SIP, proposto pela IETF (Internet Engineering Task Force), que, apesar do curto tempo do processo de padronização, tem mobilizado muitos fabricantes da área da telefonia e dados, por causa da sua flexibilidade, aderência com padrões genuinamente Internet e arquitetura aberta.

3 Os protocolos ITU-T H.323 e SIP serão descritos nas próximas sessões. 2. Arquitetura H Introdução O padrão H.323 fornece uma base para comunicação de áudio, vídeo e dados através de uma rede baseada em IP, inclusive a Internet. O H.323 é um leque de recomendações da ITU que seta padrões para comunicação de multimídia sobre LANs (Local Area Networks) que não fornecem uma garantia de qualidade de serviço. Estas redes dominam o mercado desktops e incluem TCP/IP e IPX sobre as tecnologias de rede Ethernet, Fast Ethernet e Token Ring. Os padrões H.323 são importantes peças para um novo range de aplicações para multimídia baseadas em LAN. Isto inclui partes do H RAS, Q.931/Q.932, H.245, RTP/RTCP e codecs de áudio/vídeo. 2.2 Elementos da Rede A arquitetura H.323 possui os seguintes elementos: Terminal Gateway Gatekeeper MCU Terminal Um terminal ou um cliente, é um endpoint onde dados e sinalização H.323 se originam e terminam. Este pode ser um PC multimídia com aplicação H.323 ou um equipamento standalone (como um telefone IP conectado a uma porta USB). Um terminal deve suportar comunicação de áudio, enquanto o suporte a comunicação de vídeo e dados é opcional Gateway Um gateway fornece a tradução do formato dos dados, tradução de sinalização de controle, tradução de codecs de áudio e vídeo, e funcionalidade de call setup e terminação de chamada em ambos os lados da rede Gatekeeper Elemento opcional da rede H.323. São necessários para assegurar a confiabilidade e uma comunicação comercialmente viável. É comumente chamado de cérebro de uma rede H.323 por causa dos serviços de controle e gerenciamento centralizado que oferece. Quando existe um gatekeeper, todos os endpoints (terminais, gateways e MCUs) devem se registrar com ele. Mensagens de controle de registro de endpoints são roteadas através do gatekeeper. O gatekeeper e os endpoints por ele administrados formam um zona de gerenciamento. Serviços oferecidos pelo gatekeeper a todos os endpoints em sua zona:

4 Tradução de endereçamento O gatekeeper mantém uma base de dados para a tradução entre aliases, tais como números telefônicos internacionais e endereços de rede. Admissão e controle de acesso de endpoints Este controle pode ser baseado em disponibilidade de banda, limitação do número de chamadas H.323 simultâneas ou privilégios de registro de endpoints. Gerenciamento de banda Administradores de redes podem gerenciar a banda apenas especificando limitações no número de chamadas simultâneas e limitando a autorização de terminais específicos a realizar chamadas em horários específicos. Capacidade de roteamento Um gatekeeper pode rotear todas as chamadas originadas ou terminadas em sua zona. Esta capacidade fornece numerosas vantagens. Primeiro, informação de accouting das chamadas podem ser mantidas para cobrança e segurança. Segundo, um gatekeeper pode re-rotear uma chamada para um gateway apropriado baseado na banda disponível. Terceiro, re-roteamento pode ser usado para desenvolver vários serviços avançados, tais como: endereçamento móvel, call forwarding e voice mail MCU Multipoint Control Unit Uma MCU possibilita a conferência entre três ou mais endpoints. Consiste obrigatoriamente de uma controladora multiponto (MC) e zero ou mais processadores multipontos (MP). Apesar da MCU ser uma unidade lógica separada esta pode ser combinada dentro de um terminal, gateway ou gatekeeper. A MCU é um componente opcional de uma rede H.323. A controladora multiponto fornece uma localização centralizada para call setup multiponto. Sinalização de chamada e de controle são roteadas através da MC para que as capacidades dos endpoints possam ser determinadas e parâmetros de comunicação possam ser negociados. Uma MC também pode ser usada em uma chamada ponto-a-ponto que mais tarde pode ser extendida em uma conferência multiponto. O processador multiponto é responsável pela mixagem, chaveamento e processamento de áudio, vídio e dados entre os endpoints da conferência. A MCU é necessária em uma conferência multiponto centralizada onde cada terminal estabelece uma conexão ponto-a-ponto com a MCU. A MCU determina a capacidade de cada terminal e envia para cada um feixe de mídia mixado. No modelo de conferência descentralizada, uma MC assegura a compatibilidade da comunicação mas os feixes de mídia são multicast e a mixagem é realizada em cada terminal. 2.3 Conceitos dos Protocolos As mídias são transportadas pelos protocolos RTP/RTCP. O RTP transporta a mídia e RTCP transporta as informações de status e controle. A sinalização é transportada de forma confiável sobre TCP. Os seguintes protocolos lidam com a sinalização: RAS gerencia registro, admissão, status. Q.931 gerencia call setup e terminação.

5 H.245 negocia o uso de canais e a capacidade. Relação dos protocolos H.323 com o modelo OSI RTP / RTCP O RTP (Real-time Transport Protocol) fornece um conjunto de funções de transporte de rede fim-a-fim para aplicações transmitindo dados em tempo real, tais como: áudio, vídeo ou dados, sobre serviços de rede multicast ou unicast. RTP não garante qualidade de serviço para serviços em tempo real. O RTCP (Real-time Transport Control Protocol) é baseado na transmissão periódica de pacotes de controle para todos os participantes da sessão, usando o mesmo mecanismo de distribuição que usado no pacote de dados. O protocolo da camada inferior deve fornecer multiplexação de pacotes de dados e controle, por exemplo: usando portas UDP separadas.

6 O RTP e RTCP foram projetados para serem independentes das camadas de transporte e rede H225.0 RAS O canal RAS (Registration, Admission, Status) é usado para transportar mensagens usadas para descobrir o gatekeeper e processos de registros de endpoints que associa um endereço de um endpoint com seu endereço de transporte do canal de sinalização da chamada. O canal RAS é um canal não confiável. Já que as mensagens RAS são transmitidas em um canal não confiável, o H recomenda contadores de timeout e retry para várias mensagens. Um endpoint ou gatekeeper que não pode responder a um pedido com o timeout específico deve usar a mensagem RIP (Request In Progress) para indicar que ainda está processando a solicitação. Um endpoint ou gatekeeper que recebe uma mensagem RIP deverá resetar os contadores de timeout e retry. No item Sinalização de Chamada será apresentada o procedimento H com mais detalhes H.245 O H.245 é a linha de transmissão de outros sinais que não são de voz. Estes incluem capacidade de recepção e transmissão bem como o modo de preferência do ponto de recepção, canais lógicos de sinalização de controle e indicação. Procedimentos de confirmação de sinalização são especificados para assegurar comunicação de dados e audiovisual confiáveis. As mensagens H.245 são em sintax ASN1. Os tipos de mensagens podem ser definidos como request, response, command ou indication. O seguinte conjunto de mensagens estão disponíveis: Mensagem de determinação Master Slave Mensagem de capacidade de terminal Mensagem de sinalização de canal lógico Mensagem de sinalização de tabela de multiplexação Mensagem de Modo Request Mensagem de RTD (Round Trip Delay) Mensagem de Loop de manutenção Mensagens de Request e Responde de conferência TerminalID Commands e Indications 2.4 Sinalização da chamada Sinalização da chamada são as mensagens e procedimentos usados para estabelecer uma chamada, solicita mudanças na banda da chamada, recebe status dos endpoints da chamada e disconecta a chamada. Sinalização da chamada usa mensagens definidas na

7 H e os procedimentos descritos no item Procedimentos de Sinalização de Chamada. 2.5 Canal RAS O canal RAS deverá ser usado para transportar mensagens usadas para descobrir gatekeeper e processo de registro de endpoints, já introduzido anteriormente. A seguir serão descritos estes dois processos Descoberta do gatekeeper A descoberta de um gatekeeper é o processo que um endpoint usa para determinar com qual Gatekeeper deverá se registrar. Este pode ser feito manualemte ou automaticamente. A descoberta manual não é padronizada. O método automático permite a associação do endpoint Gatekeeper a qualquer momento. O endpoint pode não conhecer quem é seu gatekeeper, ou pode ser necessário identificar outro gatekeeper devido a uma falha. O endpoint deverá enviar uma mensagem Gatekeeper Request (GRQ) multicast, perguntando Quem é meu Gatekeeper? Um ou mais gatekeepers podem responder com a mensagem Gatekeeper Confirmation (GCF) indicando Eu posso ser seu Gatekeeper, e retorna o Endereço de Transporte do canal RAS do gatekeeper. Se um gatekeeper não quer que um endpoint se registre, este deverá retornar uma mensagem Gatekeeper Reject (GRJ). Se mais de um gatekeeper responde, o endpoint deverá escolher qual gatekeeper quer usar. Descoberta Automática H.323 Endpoint Gatekeeper GRQ GCF/GRJ Registro do endpoint Registro é o processo pelo qual um endpoint se junta a uma zona e informa ao gatekeeper do seu endereço de transporte e endereço associado. Como parte de seu processo de configuração, todos os endpoints deverão se registrar com o gatekeeper

8 descoberto. O registro deverá acontecer antes de que qualquer tentativa de uma chamada e pode acontecer periodicamente caso seja necessário. Um endpoint deverá enviar um Registration Request (RRQ) a um gatekeeper. Este é enviado ao endereço de transporte do canal RAS do gatekeeper. O gatekeeper deverá responder com um Registration Confirmation (RCF) ou um Registration Reject (RRJ). Um endpoint deverá se registrar com um único gatekeeper. Um endpoint poderá cancelar seu registro enviando uma mensagem Unregister Request (URQ) ao gatekeeper. O gatekeeper deverá responder com uma mensagem Unregister Confirmation (UCF). Isto permite ao endpoint mudar o endereço alias associado com o endereço de transporte, ou vice-versa. Se um endpoint não foi registrado com o gatekeeper, o mesmo deverá retornar uma mensagem Unregister Reject (URJ) ao endpoint. O gatekeeper também poderá cancelar o registro de um endpoint enviando uma mensagem URQ ao endpoint e o endpoint deverá responder com uma mensagem UCF. Registro H.323 Endpoint Gatekeeper RRQ RCF or RRJ URQ UCF/URJ Endpoint initiated iniciou Unregister Request Unregister Request URQ UCF Gatekeeper initiated iniciou Unregister Request Request 2.6 Canal de Sinalização da Chamada O canal de sinalização da chamada é usado para transportar mensagens de controle de chamada H O canal de sinalização deve ser um canal confiável.

9 Em redes que não possuem um gatekeeper, as mensagens de sinalização da chamada são passadas diretamente entre os pontos chamador e chamado usando o Endereço de Transporte de Sinalização de Chamada. Nestas redes, é assumido qie o endpoint chamador conheça o Endereço de Transporte de Sinalização de Chamada do endpoint chamado e assim possam se comunicar diretamente. Nas redes que possuem um gatekeeper, é trocada a mensagem de admissão inicial entre o endpoint chamador e o gatekeeper usando o endereço de transporte do canal RAS do gatekeeper. Dentro das mensagens de adimissão trocadas, o gatekeeper indica na mensagem ACF se a sinalização da chamada será enviada diretamente ao outro endpoint ou ser será roteada pelo gatekeeper. No H é especificado o uso obrigatório de mensagens Q.931 para a sinalização de chamada na H Canal de sinalização de chamada roteada Mensagens de sinalização de chamada poderão ser trocadas de duas maneiras. O primeiro método é o roteamento da sinalização de chamada pelo gatekeeper. Neste método, as mensagens de sinalização de chamada são roteadas através do gatekeeper entre os endpoints. Sinalização de Chamada Roteada pelo Gatekeeper Call Signalling Channel Messages RAS Channel Messages Gatekeeper Cloud ARQ 2 - ACF/ARJ 3 - Setup 4 - Setup 5 - ARQ 6 - ACF/ARJ 7 - Connect 8 - Connect Endpoint 1 Endpoint 2 O segundo método é a Sinalização de Chamada Diretamente entre Endpoints. Neste método as mensagens de sinalização de chamada são trocadas diretamente entre os endpoints. A escolha de qual método será usado é feita pelo gatekeeper.

10 Sinalização de Chamada Diretamente entre Endpoints Call Signalling Channel Messages RAS Channel Messages Gatekeeper Cloud 1 - ARQ 2 - ACF/ARJ 3 - Setup 4 - ARQ 5 - ACF/ARJ 6 - Connect Endpoint 1 6 Endpoint Roteamento do canal de controle Quando a sinalização de chamada roteada pelo gatekeeper é usada, existem dois métodos para rotear o canal de controle H.245. No primeiro método, o canal de controle H.245 é estabelecido diretamente entre os endpoints. Conexão Direta do Canal de Controle H.245 entre os Endpoints H.245 Control Channel Messages Call Signalling Channel Messages RAS Channel Messages Gatekeeper Cloud ARQ 2 - ACF/ARJ 3 - Setup 4 - Setup 5 - ARQ 6 - ACF/ARJ 7 - Connect 8 - Connect 9 - H.245 Channel 9 Endpoint 1 Endpoint 2

11 No segundo método, o canal de controle H.245 é roteado entre os endpoints através do gatekeeper. Este método permite que o gatekeeper redirecione o canal de controle H.245 para uma MC quando uma conferência ponto-a-ponto é trocada para uma conferência multiponto. Esta escolha é feita pelo gatekeeper. Quando é usada a Sinalização de Chamada Diretamente entre Endpoints, o canal de controle H.245 é obrigatoriamente diretamente conectado entre os endpoints. Conexão do Canal de Controle H.245 roteado através do Gatekeeper H.245 Control Channel Messages Call Signalling Channel Messages RAS Channel Messages Gatekeeper Cloud ARQ 2 - ACF/ARJ 3 - Setup 4 - Setup 5 - ARQ 6 - ACF/ARJ 7 - Connect 8 - Connect 9 - H.245 Channel 10 - H.245 Channel Endpoint 1 Endpoint Procedimentos de sinalização de chamada O provisionamento da comunicação é realizada da seguinte maneira: 1) Call setup 2) Comunicação inicial e troca de capacidade 3) Estabelecimento de comunicação audio visual 4) Serviços de chamada 5) Terminação de chamada

12 2.8.1 Call Setup É realizada usando as mensagens de controle de chamada definidas no H de acordo com uma série de procedimentos de controle de chamad, abaixo serão descrito dois procedimentos o call setup básico e call setup onde ambos os endpoints são registrados e a sinalização de chamada é roteada por ambos os gatekeepers Call Setup Básico Neste tipo de call setup, nenhum dos endpoints é registrado a um gatekeeper. Os dois endpoints se comunicam diretamente. O Endpoint 1 (chamador) envia a mensagem setup (1) para o conhecido identificador TSAP do canal de sinalização de chamada do Endpoint 2. O Endpoint 2 responde com a mensagem Connect (4) que contém o Endereço de Transporte do Canal de Controle H.245 para uso na sinalização H.245. Call Setup Básico, Sem Gatekeepers Endpoint 1 Endpoint 2 Setup(1) Call proceeding(2) Alerting(3) Connect(4) Call Signalling Messages Call Setup Roteada Pelos Gatekeepers Neste tipo, ambos os endpoints são registrados por gatekeepers diferentes e ambos os gatekeepers escolheram rotear a sinalização da chamada. Endpoint 1 (chamador) inicia a troca de ARQ (1)/ACF (2) com o gatekeeper 1. O gatekeeper 1 retorna o Endereço de Transporte do Canal de Sinalização da Chamada dele mesmo na ACF (2). Então, o Endpoint 1 envia a mensagem de Setup (3) usando aquele Endereço de Transporte. Então, o gatekeeper 1 envia a mensagem de Setup (4) para o Endereço de Transporte do Canal de

13 Sinalização da Chamada conhecido do Endpoint 2. Se o Endpoint 2 deseja aceitar a chamada, este inicia a troca de ARQ (6)/ACF (7) com o gatekeeper 2. Se aceitável, o gatekeeper 2 retornará seu Endereço de Transporte do Canal de Sinalização da Chamada na ARJ (7) com o código de causa de routecalltogatekeeper. O Endpoint 2 responde ao Gatekeeper 1 com uma mensagem Facility (8) contento o Endereço de Transporte de Sinalização da Chamada do Gatekeeper 2. Então, o Gatekeeper 1 envia a mensagem de Release Complete (9) ao Endpoint 2. O Gatekeeper 1 envia a mensagem de Setup (10) para o Endereço de Transporte do Canal de Sinalização da Chamada do Gatekeeper 2. O Gatekeeper 2 envia mensagem de Setup (11) ao Endpoint 2. O Endpoint 2 inicia a troca de ARQ (12)/ACF (13) com o Gatekeeper 2. Então, o Endpoint 2 responde ao Gatekeeper 2 com a mensagem Connect (15) que contém seu Endereço de Transporte do Canal de Controle H.245 para uso da sinalização H.245. O Gatekeeper 2 envia a mensagem Connect (16) ao Gatekeeper 1 contendo o Endereço de Transporte do Canal de Controle H.245 do Endpoint 2, ou um Endereço de Transporte do Canal de Controle H.245 do Gatekeeper 2 (MC), baseado na escolha do Gatekeeper 2 do roteamento ou não do Canal de Controle H.245. O Gatekeeper 1 envia a mensagem de Connect (17) ao Endpoint 1 que deverá conter o Endereço de Transporte do Canal de Controle H.245 enviado pelo Gatekeeper2, ou um Endereço de Transporte do Canal de Controle H.245 do Gatekeeper 1 (MC), baseado na sua escolha do roteamento ou não do Canal de Controle H.245. Ambos Endpoints Registrados Sinalização de Chamada Roteada por Ambos os Gatekeepers Endpoint 1 Gatekeeper 1 Gatekeeper 2 Endpoint 2 ARQ(1) ACF(2) Setup(3) Call Proceeding(5) Setup(4) Call Proceeding(5) Facility(8) ARQ(6) ARJ(7) Release Complete(9) Setup(10) Call Proceeding(5) Setup(11) Call Proceeding(5) ARQ(12) Alerting(14) Connect(17) Alerting(14) Connect(16) ACF/ARJ(13) Alerting(14) Connect(15) RAS Messages Call Signalling Messages

14 2.9 Terminação da Chamada Qualquer Endpoint pode terminar a chamada seguindo os seguintes procedimentos: 1) Descontinuar a transmissão audio visual e então fechar todos os canais lógicos. 2) Transmitir a mensagem H.245 endsessioncommand no Canal de Controle H ) Esperar o recebimento da mensagem endsessioncommand do outro endpoint e então fechar o Canal de Controle H ) Enviar uma mensagem Release Complete para fechar o Canal de Sinalização de Chamada. 5) Usar os procedimentos abaixo para desconectar a chamada Terminação da Chamada Sem um Gatekeeper Em redes que não possuem um Gatekeeper, após os 4 passos acima descritos a chamada é terminada. Nenhum procedimento adcional é requerido Terminação da Chamada com um Gatekeeper Em redes que contém um Gatekeeper, o Gatekeeper precisa ter conhecimento do release da banda. Após a execução dos passos de 1 a 4 acima, cada endpoint transmite uma mensagem H Disengage Request (DRQ) (3) para o Gatekeeper. O Gatekeeper responde com uma mensagem Disengage Confirm (DCF) (4). Neste ponto a chamada é terminada. A figura abaixo mostra o modelo da Chamada Direta, um procedimento similar é realizado para o modelo Roteado pelo Gatekeeper. As mensagens DRQ e DCF deverão ser enviadas no canal RAS. Terminação da Chamada Iniciada pelo Endpoint Gatekeeper 1 Endpoint 1 Endpoint 2 EndSessionCommand(1) Gatekeeper 2 EndSessionCommand(1) DRQ(3) DCF(4) Release Complete (2) DRQ(3) DCF(4) RAS messages Call Signalling messages H.245 messages Note: Gatekeeper 1 and Gatekeeper 2 may be the same Gatekeeper.

15 2.9.3 Terminação da Chamada pelo Gatekeeper O gatekeeper pode terminar uma chamada enviando uma DRQ para um endpoint. O Endpoint imediatamente segue os passos de 1 a 4 e então responde ao Gatekeeper com uma DCF. O outro endpoint, recebendo endsessioncommand deve seguir os procedimentos descritos acima. A figura abaixo mostra o modelo de Chamada Direta, um procedimento similar é realizado para o modelo Roteado pelo Gatekeeper. Terminação de Chamada Iniciada pelo Gatekeeper Gatekeeper 1 Endpoint 1 Endpoint 2 Gatekeeper 2 DRQ(3) EndSessionCommand(1) EndSessionCommand(1) Release Complete (2) DCF(4) DRQ(3) DCF(4) RAS messages Call Signalling messages H.245 messages Note: Gatekeeper 1 and Gatekeeper 2 may be the same Gatekeeper. 3. SIP 3.1Introdução SIP (Session Initiation Protocol) é um protocolo baseado em texto que possui a força da Internet, fazendo uso de elementos comuns, tais como: o formato do HTTP, DNS e o estilo de endereçamento . SIP, geralmente, usa o SDP (Session Description Protocol) para especificar parâmetros da sessão. O SIP fornece os elementos dos protocolos necessários para fornecer serviços, tais como: call forwarding, call diversion etc. O endereço SIP (URL) pode ser usado em páginas web e pode então ser integrado como parte de poderosas aplicações, como por exemplo click-to-talk. O SIP possui um mecanismo próprio de segurança. Ele cria, modifica e termina sessões com um ou mais participantes. Estas sessões incluem conferências de multimída na

16 Internet, chamadas telefônicas via Internet e distribuição de multimídia. O SIP não está amarrado a nenhum protocolo de controle de conferências em particular. Este foi projetado para ser independente dos protocolos de transporte da camada inferior e pode ser extendido com capacidade adcional. SIP suporta 5 tipos de estabelecimento e terminação de comunicações de multimídia: User location User capabilities User availability Call setup Call handling. A operação do SIP é baseada em mensagens do tipo Request e Response. O modelo de básico de operação do SIP consiste em dois SIP UA (user agent) se comunicando diretamente. Onde os UAs podem ser telefones, aplicações ou gateways interfaceando a PSTN. O UA chamado pode aceitar o convite confirmando-o com uma resposta de OK. Finalmente, o UA chamador vai fechar loop com o UA chamado enviando de volta uma confirmação ao UA chamado. Operação Básica O Servidor SIP suporta telefonia baseada em SIP fornecendo um único ponto de acesso para clientes, mapeando nomes amigáveis em endereços, roteando mensagens de sinalização entre UAs e redirecionamento de chamadas. Existem dois tipos de servidores SIP, o Servidor Proxy e o Servidor Redirect. A operação do SIP depende do tipo de servidor usado. No modelo proxy, o servidor proxy SIP é o único ponto de contato que os UAs possuem para troca de mensagens de sinalização. No modelo de redirecionamento, o servidor redirect SIP deixa que o UA chamador conheça

17 a localização do UA chamado e então deixa que as mensagens de sinalização subsequentes sejam trocadas diretamente entre UAs chamador e chamado. No item Operação SIP estas operações serão melhor descritas. 3.2 Endereçamento Os endereços SIP, também chamados como SIP URL (Universal Resource Locator), existe na forma de Similar ao endereço de , uma SIP URL é identificado pelo A parte do endereço referente ao user pode ser um nome de usuário ou um número telefônico, e a parte do endereço referente ao host pode ser um nome de domínio ou endereço de rede. Voce pode identificar uma SIP URL do usuário através do seu endereço Protocolos SIP fornece os elementos básicos da telefonia: call setup e terminação, configuração da chamada e transferência de dados. Estes são alcançados usando SIP para a parte de call setup e terminação, SDP para descrição da configuração da chamada e RTP para transferência de dados. RTCP também é usado para o gerenciamento do transporte de dados. SIP pode ser executado sobre qualquer datagrama ou protocolo de transporte, tais como: UDP, TCP, ATM e Frame Relay. SIP é usualmente executado sobre TCP/IP por causa da conectividade amplamente difundida, serviços de diretórios, serviços de nomes e um ambiente de desenvolvimento mundialmente conhecido. O pacotes de áudio e vídeo são transportados usando o RTP sobre o UDP. As mensagens de sinalização da chamada SIP podem ser transportadas sobre UDP ou TCP, com o UDP sendo o método preferido devido a melhor performance a escalabilidade. Uma consideração importante quando estamos usando SIP sobre UDP é que a mensagem inteira deve ocupar um único pacote. Caso a mensagem SIP seja fragmentada em múltiplos datagramas, a probabilidade de perda de toda a mensagem aumenta com o número de fragmentos. Quando as mensagens SIP são transmitidas sobre WAN, as retransmissões que resultam da perda de fragmentos podem seriamente degradar a performance da sinalização da chamada. A porta padrão para SIP é 5060 embora qualquer porta disponível possa ser usada. A porta para ser usada pelo RTP/RTCP é especificada nas mensagens de sinalização da chamada SIP. Pilha de Protocolos SIP

18 3.4 SDP O SIP geralmente faz uso do SDP (Session Description Protocol) para descrever os atributos das sessões SIP. Os parâmetros SDP são encapsulados como corpo da mensagem de um request SIP. SDP executa uma regra similar àquela do H.245 no mundo H.323. Como o SIP, os cabeçalhos SDP são codificados em texto ASCII. O cabeçalho SDP são da forma <type>=<value>. O <type> (tipo) é sempre um único caracter e <value> (valor) é uma string texto cujo formato depende do <type>. O cabeçalho SDP especifica: Nome da sessão e propósito. Tempo que a sessão está ativa. A mídia que compreende a sessão. Endereço de transporte e formato da mídia da sessão. Largura de banda que será usada pela sessão. Informação de contato para a pessoa responsável pela sessão. 3.5 Mensagens SIP Mensagens do tipo REQUEST: Invite - Inicia uma sessão. ACK - Confirma a resposta final a um INVITE. Bye - Termina uma sessão. Cancel - Cancela buscas e ringing. Options - Comunica features suportadas. Register - Registra um cliente com um serviço de localização Mensagens do tipo RESPONSE:

19 Indica tanto uma chamada em progresso ou uma informação de final de chamada. Este tipo de mensagem contém um Código-Status e uma Frase-Razão ou Categoria. O Código-Status é um número que indica o resultado de um request e a Categoria fornece uma descrição textual referente ao Código-Status. Código-status 1xx Progress 2xx Successful Request 3xx Redirection 4xx Incorrect Request 5xx Server Failure 6xx Global Failure Categoria 3.6 Operação SIP O SIP funciona da seguinte forma: Origem e destino são identificados por endereços SIP. Ao efetuar uma chamada SIP, o chamador primeiro localiza o servidor apropriado e então envia um request SIP. A operação mais comum é a INVITATION. Ao invés de alcançar diretamente o destino, um SIP request pode ser redirecionado ou pode desencadear um série de novos SIP requests pelos proxies. Usuários podem registrar suas localizações com servidores SIP. 3.7 Servidor Proxy O modelo de chamada proxy faz uso de um servidor proxy. Este servidor usa uma regra similar ao servidor proxy usado em um sistema HTTP. O servidor proxy roteia as mensagens de sinalização entre os UAs de destino e origem. Os pacotes RTP de áudio e/ou vídeo são enviados diretamente entre os UAs após o estabelecimento da chamada. 3.8 Servidor Redirector O servidor redirect SIP informa ao UA de origem a SIP URL do UA de destino. O UA de origem então procede com o setup da chamada diretamente com o UA de destino.

20 Operação com Servidor Proxy Operação com Servidor Redirect

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução Parte 3 1 2 1 - Introdução VoIP - Voz sobre IP Uma revolução está para acontecer no ambiente de telecomunicação. Há décadas, desde a invenção do telefone, que a exigência básica para uma comunicação telefônica

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Redes com Integração de Serviços

Redes com Integração de Serviços Instituto Superior Técnico Redes com Integração de Serviços 4ª Parte Voz sobre IP 1 Introdução...3 2 Codificação da voz...4 3 Recomendação H.323...5 3.1 Arquitectura de H.323...6 3.2 Componentes do sistema...8

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

Redes com Integração de Serviços

Redes com Integração de Serviços Instituto Superior Técnico Redes com Integração de Serviços 4ª Parte Voz sobre IP 1 Introdução...3 2 Codificação da voz...4 3 Recomendação H.323...5 3.1 Arquitectura de H.323...6 3.2 Componentes do sistema...8

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 CAPÍTULO 01 I TRODUÇÃO O crescimento vertiginoso que a Internet experimentou nos últimos anos colocou o protocolo IP em uma posição

Leia mais

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO O crescimento vertiginoso que a Internet experimentou nos últimos anos colocou o protocolo IP em uma posição

Leia mais

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ H.323 Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Histórico de H.323 Início: SG-16 do ITU-T (Maio 1995) H.323 v1, Jun 1996 H.323 v2, Fev 1998 H.323: Packet-based multimedia communication systems

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

H.323 E SIP - COMPARATIVO

H.323 E SIP - COMPARATIVO H.323 E SIP - COMPARATIVO Jean Seidi Ikuta Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói RJ 24210-040 Brasil jeanseidi@yahoo.com.br Abstract. This paper

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Protocolo SIP Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL Comunicação de Dados Resumo Neste documento pretende-se explicar o funcionamento do protocolo

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO INSTITUTO PAULISTA DE ENSINO E PESQUISA

FACULDADES INTEGRADAS DO INSTITUTO PAULISTA DE ENSINO E PESQUISA FACULDADES INTEGRADAS DO INSTITUTO PAULISTA DE ENSINO E PESQUISA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA - DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE CAMPUS CAMPINAS Voz sobre IP ( Voip ) RODRIGO CAMPOS DO AMARAL

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP)

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) Capítulo 9 Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) 9.1 Introdução A rede de computadores foi utilizada nos seus primórdios do seu funcionamento, principalmente, para transmitir e receber mensagens

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

VoIP H.323 x SIP. Conteúdo. Daniel Moutinho Pataca (0 19) 705 6741 pataca@cpqd http://www.cpqd. cpqd.com..com.br/lip/ Introdução H.

VoIP H.323 x SIP. Conteúdo. Daniel Moutinho Pataca (0 19) 705 6741 pataca@cpqd http://www.cpqd. cpqd.com..com.br/lip/ Introdução H. VoIP x SIP Daniel Moutinho Pataca (0 19) 705 6741 pataca@cpqd cpqd.com..com.br http://www.cpqd cpqd.com..com.br/lip/ D i r e i t o s R e s e r v a d o s a o C P q D - 1 9 9 9 Conteúdo Introdução SIP 2

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA ESTUDOS DE DOMÍNIO DE APLICAÇÃO Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP por VICTOR MANAIA GONÇALVES

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy Convergentes e Heterogêneas Prof. Marcos Argachoy REDES CONVERGENTES Cont./ Principais preocupações: Disponibilidade de Banda Valor Máximo de Atraso (ligação com sinal de câmbio) Jitter Perda de Pacotes

Leia mais

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com VOIP H323 e SIP Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Atualmente dedica-se ao mestrado no Departamento de Microondas e Ótica DMO, na Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação- FEEC, Unicamp.

Atualmente dedica-se ao mestrado no Departamento de Microondas e Ótica DMO, na Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação- FEEC, Unicamp. Push-to-Talk no Celular II: Protocolos Esta série de tutoriais sobre Push-to-Talk no Celular apresenta a descrição dessa funcionalidade para o uso do Celular como um equipamento para realização de chamadas

Leia mais

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Administração de Sistemas Licenciatura em: - Tecnologias e Sistemas de Informação 5. Serviços de Voz sobre IP Docente: Prof. Joel Rodrigues Ano

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos Princípios gerais Sinalização de assinante analógico Sinalização de canal associado entre comutadores Sinalização de canal comum entre comutadores Sinalização

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP 1. Introdução Muitas empresas ao redor do mundo estão conseguindo economizar (e muito) nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. Tudo isso se deve a uma tecnologia chamada (Voz sobre IP).

Leia mais

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS José Francisco Nonato Filho 1 Resumo. O presente trabalho versa sobre uma proposta de utilização da tecnologia de Voz sobre Internet Protocol (VoIP)

Leia mais

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz A tecnologia Voz sobre IP (VoIP) permite que o tráfego de uma comunicação telefônica ocorra numa rede de dados, como a Internet. Portanto, as ligações podem

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

H323 : serviços suplementares

H323 : serviços suplementares H323 : serviços suplementares Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica e Departamento de Computação /IM da UFRJ Serviços Suplementares (SS) Estabelece

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

Construção de Redes de Voz sobre IP

Construção de Redes de Voz sobre IP Capítulo 1: Construção de Redes de Voz sobre IP 11 Capítulo 1 Construção de Redes de Voz sobre IP Arthur Callado, Gabriel Fernandes, Auristela Silva, Rodrigo Barbosa, Djamel Sadok, Judith Kelner. Abstract

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

3 Gerenciamento de Mobilidade

3 Gerenciamento de Mobilidade Gerenciamento de Mobilidade 38 3 Gerenciamento de Mobilidade A Internet não foi originalmente projetada para suportar a mobilidade de dispositivos. A infra-estrutura existente e o conjunto dos principais

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

ESTUDO DOS PROTOCOLOS DA TELEFONIA IP E ANÁLISE DE UMA REDE DE VOZ SOBRE IP

ESTUDO DOS PROTOCOLOS DA TELEFONIA IP E ANÁLISE DE UMA REDE DE VOZ SOBRE IP ESTUDO DOS PROTOCOLOS DA TELEFONIA IP E ANÁLISE DE UMA REDE DE VOZ SOBRE IP Ronaldo Mafra Salgado rmsalgado@yahoo.com.br Thelma Virginia Rodrigues thelma@pucpcaldas.br Marcos Trevisan Vasconcelos marcostv@pucpcaldas.br

Leia mais

Implementação de Gateway de Sinalização entre Protocolos de Telefonia IP SIP/H.323

Implementação de Gateway de Sinalização entre Protocolos de Telefonia IP SIP/H.323 Implementação de Gateway de Sinalização entre Protocolos de Telefonia IP SIP/H.323 Bruno F. M. Ribeiro bruno@land.ufrj.br Paulo H de Aguiar Rodrigues aguiar@ufrj.br Cesar A. C. Marcondes cesar@posgrad.nce.ufrj.br

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

ANÁLISE DE PARAMETRIZAÇÕES DE QUALIDADE DE SERVIÇO EM UMA REDE METROPOLITANA PARA TRÁFEGO VOIP CARLOS HENRIQUE BACELLAR BON

ANÁLISE DE PARAMETRIZAÇÕES DE QUALIDADE DE SERVIÇO EM UMA REDE METROPOLITANA PARA TRÁFEGO VOIP CARLOS HENRIQUE BACELLAR BON UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ANÁLISE DE PARAMETRIZAÇÕES DE QUALIDADE DE SERVIÇO EM UMA REDE METROPOLITANA PARA TRÁFEGO VOIP CARLOS HENRIQUE BACELLAR

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO SOLUÇÕES DE VIDEOCONFERÊNCIA H.323 E SIP por CLEBER MACHADO ORTIZ TI CPGCC - UFRGS Trabalho Individual

Leia mais

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados Introdução Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados 1 Objetivo Apresentar os conceitos básicos do: Modelo de referência OSI. Modelo de referência TCP/IP.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM GATEWAY VOIP PARA COMUNICAÇÃO DE TELEFONE IP COM TELEFONE STFC

PROTÓTIPO DE UM GATEWAY VOIP PARA COMUNICAÇÃO DE TELEFONE IP COM TELEFONE STFC UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICACÕES PROTÓTIPO DE UM GATEWAY VOIP PARA COMUNICAÇÃO DE TELEFONE IP COM TELEFONE STFC BRUNO TRISOTTO MARCHI

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP TRABALHO

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

1 Introdução 1.1. Contexto Atual

1 Introdução 1.1. Contexto Atual 1 Introdução 1.1. Contexto Atual Recentemente, o mercado de telecomunicações mundial tem enfrentado muitos dilemas. Como reduzir os custos, aumentar as receitas com novos serviços e manter a base de assinantes

Leia mais

2 Fundamentação Conceitual

2 Fundamentação Conceitual Fundamentação Conceitual 19 2 Fundamentação Conceitual Este capítulo apresenta alguns conceitos importantes que são utilizados ao longo do trabalho. Primeiramente, é apresentado o Session Initiation Protocol

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

Redes Inteligentes e a Internet

Redes Inteligentes e a Internet Redes Inteligentes e a Internet Integração e interacção com os serviços sobre a Internet Com o protocolo: Service Initiation Protocol- SIP Com a arquitectura: H.323 Multimedia over Packet Networks Media

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução A convergência, atualmente um dos temas mais discutidos na indústria de redes,

Leia mais

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP Jeremias Neves da Silva 1 RESUMO Este artigo traz uma forma simplificada para a compreensão de todos os que desejam conhecer um pouco mais sobre segurança em protocolos SIP,

Leia mais

Aplicação que usa Protocolo de Perfil Leve para Transferência de Arquivos

Aplicação que usa Protocolo de Perfil Leve para Transferência de Arquivos Aplicação que usa Protocolo de Perfil Leve para Transferência de Arquivos Cleber Machado Ortiz (UFRGS) ortiz@inf.ufrgs.br Lisandro Zambenedetti Granville (UFRGS) granville@inf.ufrgs.br Liane Margarida

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais