O MUNDO NÃO É, O MUNDO ESTÁ SENDO : PAULO FREIRE UM EDUCADOR E FILÓSOFO DE UMA EXISTÊNCIA ENGAJADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MUNDO NÃO É, O MUNDO ESTÁ SENDO : PAULO FREIRE UM EDUCADOR E FILÓSOFO DE UMA EXISTÊNCIA ENGAJADA"

Transcrição

1 O MUNDO NÃO É, O MUNDO ESTÁ SENDO : PAULO FREIRE UM EDUCADOR E FILÓSOFO DE UMA EXISTÊNCIA ENGAJADA Edgar Pereira Coelho Autor (Professor de Filosofia no Departamento de Educação UFV.) 1 Marcelo Loures dos Santos Co-autor (Professor de Psicologia no Departamento de Educação da UFV.) 2 Willer Araujo Barbosa Co-autor (Professor de Filosofia no Departamento de Educação UFV.) 3 Resumo: Este texto visa problematizar alguns aspectos filosóficos do debate em torno das questões do SER e da EXISTÊNCIA, experienciados por inúmeros filósofos e educadores, desde a tradição grega, percorrendo os lampejos dos períodos antigo, medieval e contemporâneo. Apresenta uma discussão sem uma pretensão conclusiva em torno do Ser e do Sendo, buscando compreender os diversos olhares, em favor de um debate tão antigo e ao mesmo tempo contemporâneo. Em um segundo momento explicita a práxis freiriana, que inclui e problematiza filosoficamente a antiga questão no processo educacional mundial. Palavras-Chave: Ser, Existência, Libertação. J á nos primórdios da filosofia antiga grega, havia grandes debates sobre as idéias filosóficas em torno do Ser e do não Ser, o que perdura até hoje sem soluções definitivas, mas com um elevado interesse dialógico entre as pessoas. Dentre os representantes de modos diferentes de pensar, destacam-se Heráclito e Parmênides. Para o primeiro tudo estava em constante devir, numa permanente metamorfose; para o segundo tal afirmação não era possível, pois afirmava que o Ser é e o não Ser não é. A partir desse embate se discute o princípio de identidade e se abre a questão para os filósofos vindouros. De lá para cá muitas águas passaram debaixo da ponte, inúmeros outros levantaram questões semelhantes, como é o caso de Shakespeare ser ou não ser, eis a questão. Heidegger desenvolveu longo pensamento sobre o Ser e o tempo e tantos outros na história da filosofia se debruçaram sobre esta temática. Os Pré-Socráticos, de um modo geral, filósofos cosmológicos, buscavam encontrar a origem material de todas as coisas. Era um primeiro esforço de saída de uma visão meramente mítica para algo mais racional e filosófico. De algum modo buscavam 1 Graduação em Filosofia, PUCMG. (Diplomado em Educação UAU-Chile. Mestrado em Filosofia, UFJF. Doutorado em Educação/Filosofia da Edcuação, USP. 2 Graduação em Psicologia, UFMG. Mestrado em Psicologia Social, USP. Doutorado em Psicologia, PUCCAMP. 3 Graduação em Filosofia, UFMG. Especialização em Filosofia Contemporânea, UFMG. Doutorado em Educação, UFSC.

2 COELHO, Edgar Pereira; BARBOSA, Willer Araujo; SANTOS, Marcelo Loures dos -2- explicações sobre a origem da vida, que para alguns era a água, o ar, o calor, a terra, para outros, os números ou apeíron, que em grego significa o indeterminado. Com um enfoque mais antropológico sobre a existência, o velho Sócrates implementa a idéia de parturição da boa idéia, ou seja, a crítica a partir da ignorância e das contradições. O Ser da verdade é aquele que age pela verdade por tê-la conhecido. Nesta linha de pensamento, os dois mais importantes filósofos depois de Sócrates continuam no diálogo em torno desse Ser ainda indesvendável. Platão, com sua marca histórica do dualismo, supervaloriza o Ser espiritual em detrimento da corporalidade. Possivelmente para ele o que era e o que deveria ser considerado tinha como ápice o espírito, uma vez que o corpo não passava de um cárcere, de uma prisão da alma. Para Aristóteles havia uma unicidade do Ser. Morrer em Platão significava a morte do corpo, e para Aristóteles o Ser morria como um todo, uma vez que não era uma duplicidade. A partir da citação logo a seguir fica um pouco mais evidente a idéia de como se dava a compreensão desse binômio, ainda no mundo grego. A metafísica de Aristóteles reformula a noção de ser. Essa noção era interpretada por Parmênides e pelos seguidores da escola eleática de modo unívoco: no seu poema Sobre o ser Parmênides de Eléia (século VI a.c.) afirmava que o que é é o que é, concluindo que o ser era necessariamente único, pois a multiplicidade significaria a admissão da existência do Não-ser, o que seria absurdo e inadmissível (PESSANHA. 1978, p. XX). Como se percebe, ao contrário de Parmênides, Heráclito se coloca radicalmente oposto a esse pensamento, uma vez que todas as coisas estariam em um fluxo contínuo em um eterno movimentar-se. Essa polêmica exercerá influências no pensamento dos demais filósofos gregos, como de resto em toda filosofia. Os atomistas (Leucipo e Demócrito) quebraram essa unicidade do ser eleático quando afirmaram que tanto era ser o corpóreo (os átomos) quanto o incorpóreo (o vazio). Mas a solução atomista permanecia no plano da física e não atingira toda a dimensão da questão levantada pelo eleatismo. Platão retoma o problema e, na fase final de sua obra (particularmente no diálogo Sofista), considera o ser e o não-ser como dois dos gêneros supremos dentro da hierarquia das idéias e o importante é que Platão renova a noção de não-ser, entendendo-o não como um nada ou como o vazio: o não-ser seria o outro, a alteridade. Cada existente surge assim como um jogo, em variadas proporções, do mesmo (o que ele é) como o outro (o que não é ele, os demais existentes (id.ibid.). A trama continua, ao mesmo tempo, que se transforma em um problema filosófico e antropológico de um embate permanente entre o Ser e o não Ser, dá bases inclusive para o campo religioso buscar suas possíveis explicações para a existência da

3 O MUNDO NÃO É, O MUNDO ESTÁ SENDO : PAULO FREIRE UM EDUCADOR E FILÓSOFO DE UMA EXISTÊNCIA ENGAJADA -3- transcendência. Daí o estagirita e peripatético Aristóteles, na tentativa de movimentar o conhecimento, o faz na academia e nos bosques daquele tempo caminhando, e tem seu ponto de vista diferente de seu mestre Platão. Aristóteles não considera satisfatória a solução platônica. Para fundamentar a ciência do mundo físico mundo múltiplo e mutável seria preciso romper mais fundo com o eleatismo. Substitui, então, a concepção unívoca de ser, que o considera de modo único e absoluto impedindo a compreensão racional do movimento e da multiplicidade pela concepção analógica: o ser seria análogo, isto é, dotado de diferentes sentidos. Essas diversas acepções do ser poderiam, segundo Aristóteles, ser classificadas, da maneira mais ampla, segundo várias categorias. Assim, qualquer termo que designa algo que é, designa ou uma substância (um ser) ou um acidente (um modo de ser); porém os modos de ser são vários e os acidentes podem significar uma quantidade, ou uma qualidade, ou uma relação (duplo, menor, pai e filho), ou o onde, ou o quando ou ainda uma posição (sentado), ou um estado (vestido, equipado), ou uma ação (escrever), ou então uma paixão (estar doente) (id.ibid). Dificilmente o debate sobre o Ser passará fora dessa matriz grega e na maioria das vezes é dela oriundo. Com o passar do tempo ela continua na reflexão de importantes filósofos como Agostinho e Tomás de Aquino. Este buscará resgatar os princípios aristotélicos e os cristianiza, assim como fez Agostinho com o pensamento platônico. Dado que o ser de todas as coisas (exceto Deus) é sempre um ser criado, a criação, se é verdade de fé como início das coisas no tempo, é além disso verdade demonstrada como produção das coisas do nada e como derivação, de Deus, de todo o ser. De fato, e tal como vimos, Deus é o único ser que é tal pela sua própria essência, isto é, que existe necessariamente e por si mesmo: as outras coisas obtêm dele o seu ser, por participação; tal como o ferro se torna ardente pelo fogo. Também a matéria-prima é criada. E todas as coisas do mundo formam uma hierarquia ordenada segundo a sua maior ou menor participação no ser de Deus (ABBAGNANO, 1984, p. 37, v. 4). Como se percebe, São Tomás parte dos princípios aristotélicos e afirma a existência de um Ser supremo de onde são emanadas todas as coisas. Diferentemente de Agostinho que tem como base principal a fé, ele acrescenta a racionalidade como também como um dos pressupostos para explicar a existência de um Ser chamado Deus, sem com isso desvalorizar a experiência da fé. Dando alguns saltos podemos focar os tempos mais atuais e verificar outros autores que também tiveram uma ampla preocupação com os diversos aspectos do Ser.

4 COELHO, Edgar Pereira; BARBOSA, Willer Araujo; SANTOS, Marcelo Loures dos -4- Na contemporaneidade nos deparamos com Heidegger, que desenvolve um pensamento que nos ajuda a pensar o Ser, o tempo e inúmeras questões sobre a existência. Desde a sua concepção este Ser está inexoravelmente submetido à temporalidade. Já nascemos como seres para a morte. Apresenta em sua filosofia da existência algumas possibilidades em torno do existir. O SER pode ser autêntico ou inautêntico. A autenticidade consiste em o Ser assumir sua condição inexorável para a morte ou a angústia cotidiana como um Ser que vive e se engaja, mas que ao mesmo tempo é um Dasein, um Ser aí para a morte: a existência autêntica é, assim segundo, Heidegger, a única que compreende claramente e realiza emotivamente a nulidade radical da existência (ABBAGNANO, 1984, p. 147). O inautêntico estará sempre fugindo desta complexidade em sua existência. Negando Ser uma faticidade a própria vida, delegando para um segundo momento a sua própria morte, ao mesmo tempo, que tenta negá-la, considerando que seja sempre algo para o outro e nunca para si. O nada será, portanto, como um véu para os existentes. Daí pode-se notar a dificuldade em se comparar o nada em Heidegger e o nada em Sartre, pois, pensando sartrianamente a vida do Ser terá como seu último momento as despedidas funerais, e ali terminaria tudo. Para Heidegger vive-se em um processo de nadificações e o nada é um véu, e se é um véu é alguma coisa. Enquanto que para Sartre a morte põe fim em tudo, em Heidegger permanece uma incógnita já que o nada é o véu. II - E aí podemos nos inquirir o que tem a ver com isso o educador Paulo Freire? Já na epígrafe deste texto iniciamos com ele mesmo dizendo em Pedagogia da Esperança, o que nos leva a pensar. Não sou se você não é, não sou, sobretudo, se proíbo você de ser! (FREIRE, 1997, p. 100). Não posso viver a minha vida proibindo que o outro viva a sua, mas, mais que isso. É na medida em que minha existência busca viabilizar, sustentar, contribuir para que a existência do outro aconteça, é que realmente somos. O estar no mundo freiriano é para além dos quietismos e completudes; é uma permanente busca de Ser mais. Jamais o Ser será completo, estará terminado, um Ser utópico já ainda não. Uma permanente inconclusão, uma metamorfose, daí uma ligação explícita de Paulo Freire com os antigos filósofos e sua longa tradição quando afirma que o mundo não é, o mundo está sendo e se assim o é, o Ser também não é, está Sendo e estar Sendo é mais amplo que Ser, o que se nos parece algo estático. A esperança freiriana nos revela um movimento para uma busca de Ser no Sendo das constantes incompletudes do que ele denominou de inédito viável.

5 O MUNDO NÃO É, O MUNDO ESTÁ SENDO : PAULO FREIRE UM EDUCADOR E FILÓSOFO DE UMA EXISTÊNCIA ENGAJADA -5- São inúmeros os momentos em que Paulo Freire pratica uma filosofia da libertação. O que não se dá meramente no campo filosófico educacional, mas na medida em que assumimos os conflitos e incorporamos as diversidades do viver e do conviver. Buscava afirmar o ser humano como em uma constante transitividade das consciências o que nos reporta aos antigos filósofos que também realizavam um trânsito da consciência alienada para uma consciência racional, filosófica na busca do arché. Não é o resultado exclusivo da transitividade de sua consciência, que o permite auto-objetivar-se e, a partir daí, reconhecer órbitas existenciais diferentes, distinguir um eu e um não eu. A sua transcendência está também, para nós, na raiz de sua finitude. Na consciência que tem desta finitude. Do ser inacabado que é e cuja plenitude se acha na ligação com seu Criador. Ligação que, pela própria essência, jamais será de dominação ou de domesticação, mas sempre de libertação (FREIRE, 2000, p. 48). A partir desta perspectiva ele dialogará, praticamente em todas as suas obras, a partir da ótica de um Ser oprimido. Partindo desta perspectiva escreveu Pedagogia do oprimido e não uma pedagogia para o oprimido. Preocupado com a existência humana verifica que a relação de opressão se faz presente em todas as realidades humanas. Além de ser uma questão social é também uma questão relacional. O mesmo Ser que oprime em determinado momento pode ser oprimido em outra circunstância. O que ele buscava era, sobretudo, que as pessoas se colocassem a caminho e construíssem um rompimento com esse estado de injustiças e, num processo educativo, sobrepujasse por meio de uma educação como uma prática libertadora, e não domesticadora. E esta luta somente tem sentido quando os oprimidos, ao buscarem recuperar sua humanidade, que é uma forma de criá-la, não se sentem idealistamente opressores, nem se tornam, de fato, opressores dos opressores, mas restauradores da humanidade em ambos. E aí está a grande tarefa humanista e histórica dos oprimidos libertar-se a si e aos opressores. Estes que oprimem, exploram e violentam, em razão de seu poder, não podem ter, neste poder, a força de libertação dos oprimidos nem de si mesmos. Só o poder que nasça da debilidade dos oprimidos será suficientemente forte para libertar a ambos (FREIRE, 2000, p. 30). A preocupação de Paulo Freire, como se pode observar, vai na linha do Ser-Sendo, de um engajamento constante na sociedade onde se está inserido. O Ser é o Ser da consciência na existência. Para isso há a necessidade de que o Ser se conscientize, caia na conta de que não vive só, mas é como um Ser planetário e que todas as suas ações, sejam elas positivas ou negativas, afetam de algum modo alguém, em algum lugar, como se fora o imperativo categórico kantiano. Compreendendo essa complexidade da vida, faz-se necessário assumir também a conflitividade inerente ao individual e ao coletivo,

6 COELHO, Edgar Pereira; BARBOSA, Willer Araujo; SANTOS, Marcelo Loures dos -6- já que não se vive senão em sociedade. Busca-se uma conectividade planetária. Para o enfrentamento dessas situações e circunstâncias há de marcar um lugar, uma opção política, o que fica claro em um diálogo de Paulo Freire com Edmardo Serafim. Quando eu disse que só quem pode viabilizar os processos de conscientização e libertação é a esquerda política me refiro a uma esquerda que não se sectarizou, porque uma sectarizada ela se faz tão reacionária quanto à direita. Lembra que na introdução da Pedagogia do Oprimido eu critico os dois tipos de reacionalismos quando ambos pretendem apoderar-se da história. O sectário da direita pretende fazer do amanhã a repetição do hoje, enquanto o sectário de esquerda pretende que o amanhã esteja já pré-estabelecido. Estes dois tipos de reacionalismos não podem fazer conscientização. Assim, só o homem de esquerda radical, que é o crítico, aquele que corresponde em sua reflexão ao que se entrega a um filosofar constante, pode, de fato, ser agente da conscientização (FREIRE, apud, Oliveira et.al., 1981, p ). Paulo Freire foi aos poucos se tornando um sujeito planetário e sua obra se expandiu aos quatro cantos do mundo, ao mesmo tempo que sua existência foi se tornando referência para inúmeros autores globais de renome internacional e, com eles escreveu seus inúmeros livros. Apenas para ilustrar citamos algumas co-autorias: escreveu com Moacir Gadotti, Sérgio Guimarães, Carlos Torres, Ira Shor, Adriano Nogueira, Frei Betto, Donaldo Macedo, Pichón-Rivière, Faundez. Em um dos livros com textos diversos, organizado pelo Gadotti e Torres, escreve com mais de 10 autores, dentre tantos se faz presente Romão, Brandão, Wanderley, Gutiérrez e o companheiro Luiz Inácio Lula da Silva (o Lula), além de tantos outros. A grande maioria com quem escrevia advinha de áreas diversas do conhecimento e o mais relevante é já é perceptível o seu gosto pela escrita coletiva. O que é notável na obra de Paulo Freire é que, ao mesmo tempo em que é nitidamente dirigida a educadores e alfabetizadores, continua a ser vigorosamente empregada por docentes em inúmeras disciplinas: teoria literária, composição, filosofia, etnografia, ciência política, sociologia, pedagogia, teologia etc. Ele deu à palavra educador um novo significado, flexionando o termo de modo a abraçar múltiplas perspectivas: intelectual fronteiriço, ativista social, pesquisador crítico, agente moral, filósofo radical, revolucionário político. Mais do que qualquer outro educador deste século, Freire conseguiu desenvolver uma pedagogia de resistência à opressão. Além disso, ele viveu aquilo que ensinava. Sua vida foi uma história de coragem, padecimento, perseverança e crença inquebrantável no poder do amor (MCLAREN, 1999, p. 21). Como se pode observar quem confirma as idéias gerais levantadas neste texto é Peter McLaren, um americano freirianista que escreveu utopias provisórias, atualmente é professor da Universidade de Los Angeles.

7 O MUNDO NÃO É, O MUNDO ESTÁ SENDO : PAULO FREIRE UM EDUCADOR E FILÓSOFO DE UMA EXISTÊNCIA ENGAJADA -7- Ao mesmo tempo que é reconhecido como um dos mais importantes filósofos da libertação e como um pioneiro da alfabetização crítica e da pedagogia crítica, seu trabalho continua a ser assumido principalmente por grupos marginais de educadores, que trabalham fora da corrente educacional dominante (op.cit. p. 22). Neste sentido, Paulo Freire pode ser considerado como um filósofo preocupado com que os analfabetos aprendam para além da escrita a fazerem uma leitura de mundo. Colocase ao lado dos que ele mesmo chamou de lascados do mundo e assim se torna o problematizador de uma existência atual e para o existir no futuro. A idéia de que os filósofos sejam meramente pensadores da realidade não coaduna com a práxis freiriana, que neste ponto se compatibiliza ao princípio marxista de que a tarefa filosófico-educativa é a transformação do mundo. Ao construir suas obras o fez em meio aos inúmeros desafios que vivia em seu tempo. Para se ter uma idéia, visitamos recentemente o Campo de Concentração de Tarrafal, em Cabo Verde, África, por ocasião do VII Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire. Para se ter uma idéia, realizamos uma entrevista com o professor Pedro Rolando dos Reis Martins, que esteve nas prisões na cidade da Praia, em Cabo Verde, e posteriormente no Campo de Concentração de Tarrafal e escreveu Testemunho de um combatente (1995). Ele nos relatou que Paulo Freire visitou aquele campo de concentração e passara por lá na ocasião que apoiava os projetos de libertação em Cabo Verde e Guiné Bissau. Contribuiu juntamente com os guineenses na construção de projetos de alfabetização de adultos daquele povo que trazia no corpo a marca de uma longa guerra e de muitas destruições. Foram inúmeros círculos de cultura ali compartilhados. Naquele período como se pode confirmar pelas Cartas à Guiné Bissau, (1977), houve um grande avanço no processo de alfabetização e de gentificação daquele povo. Nos dias atuais não podemos dizer a mesma coisa, pois a situação política e social daquele país ainda é muito crítica e sofreu alguns retrocessos e tiveram o seu presidente assassinado. Tinha grande apreço às idéias do líder africano Amílcar Cabral, que deu a própria vida pela libertação de Guiné Bissau e Cabo Verde. A luta de libertação, que é a expressão mais complexa do vigor cultural do povo, de sua identidade e de sua dignidade, enriquece a cultura e lhe abre novas perspectivas de desenvolvimento. As manifestações culturais adquirem um conteúdo novo e novas formas de expressão. Tornam-se assim um instrumento poderoso de informação e de formação política,

8 COELHO, Edgar Pereira; BARBOSA, Willer Araujo; SANTOS, Marcelo Loures dos -8- não somente na luta pela independência mas ainda na batalha maior pelo progresso. (CABRAL, apud FREIRE, p. 90, 1977). Assim podemos perceber nas diversas incursões realizadas por Paulo Freire, o quanto o seu pensamento estava ligado às questões filosóficas e sociais de seu tempo: para Gramsci, como para Freire, o indivíduo é importante, mas a sociedade está acima do sujeito. O homem é um Ser social, é um Ser de relações e só pode realizar-se na sociedade (SOUZA, 2003, p. 187). Paulo Freire, na linha de Marx, vai afirmar que no princípio de tudo está a ação, mas, como agir, se o mundo não está as suas mãos; se ele (o homem) não se torna responsável sobre ele (op.cit. p. 188). Já no final da vida, Freire lança um pequeno livro que desejava ver conhecido e lido pelos professores e então solicita aos editores, que fosse construído em papel jornal e que custasse $3,00 e assim se fez e o livro atinge um milhão de cópias. Estava lançada a Pedagogia da autonomia (1997). Quando sua saúde já estava frágil, lá vem Paulo Freire afirmando a importância da autonomia do existente. A existência só tem sentido se vivida para a autonomia. O educando constrói junto com o educador a sua própria autonomia. O método de Paulo Freire reafirma-se não como um método de ensino, tampouco de uma aprendizagem qualquer, mas da aprendizagem significativa do Ser, de um Ser mais. A educação que ele divulga e acredita é diferente dos processos de domesticação e treinamento de pessoas. É uma educação para que o sujeito se mude e se torne transitivo no seu jeito de Ser. Como ele mesmo afirmava uma educação que procurava desenvolver a tomada de consciência e a atitude crítica, graças à qual o ser humano escolhe e decide, liberta-o em lugar de submetê-lo, de domesticá-lo, de adaptá-lo (FREIRE, 1980, p. 35). Uma das características dos grandes filósofos era e ainda é o diálogo e para Freire, o diálogo foi mais do que um instrumento da comunicação humana, constituindo-se em verdadeira categoria de Razão Dialético-dialógica. Não há, realmente, uma obra freiriana sequer, que não passe necessariamente por um processo dialógico; como há, em todas elas, uma preocupação reiterativa com os menosprezados do mundo. Ele buscava, incondicionalmente, escutar e colocar no palco da história o sujeito oprimido dialogal, não para se manter oprimido, mas para romper com os processos de opressão. Favorecia inarredavelmente o trânsito das consciências, da ingenuidade para a consciência crítica, sem que isso se tornasse uma violência para os existentes aprendentes, afinal, o mundo não é, mas está sendo...

9 O MUNDO NÃO É, O MUNDO ESTÁ SENDO : PAULO FREIRE UM EDUCADOR E FILÓSOFO DE UMA EXISTÊNCIA ENGAJADA -9- Referências: ABBAGNANNO, Nicola. História da filosofia. Lisboa: Presença, COELHO, Edgar Pereira. Cartas de Paulo freire: o diálogo como caminho e pedagogia. São Paulo: USP, tese de doutorado, FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, A Educação na Cidade. São Paulo: Cortez, A mensagem de Paulo Freire: Textos de Paulo freire selecionados pelo I. N. O. D. E. P. Porto: Nova Crítica, À Sombra desta Mangueira. 5. ed. São Paulo: Olho d Água, Ação Cultural para a Liberdade. São Paulo: Paz e Terra, Cartas a Cristina. 4. ed., São Paulo: Paz e Terra, Cartas à Guiné-Bissau. Registros de uma experiência em processo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Professora sim tia não: cartas a quem ousa ensinar. 12. ed. São Paulo: Olho d Água, Conscientização: Teoria e Prática da Libertação uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Moraes, Educação como prática da liberdade. 24. ed. São Paulo: Paz e Terra, Educação e atualidade brasileira. São Paulo: Cortez, Educação e mudança. 21. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, Para trabalhar com o povo. 2. ed. São Paulo: Centro de Capacitação da Juventude, Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, Pedagogia da Esperança. São Paulo: Paz e Terra, Pedagogia da Indignação. Cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, MARTINS, Pedro Rolando dos Reis. Testemunho de um combatente. Praia: Mindelo, OLIVEIRA, Admardo Serafim, et. al. Introdução ao pensamento filosófico. São Paulo: Loyola, PENSSANHA, José Américo. (org). Aristóteles. Col. Os pensadores. São Paulo: Victor Civita, SOUZA, Geraldo Lopes. Dialética - a terceira via da educação: de Heráclito a Paulo Freire. Brasília: Alpha, 2003.

PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO POPULAR NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO POPULAR NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO POPULAR NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Cezar Luiz De Mari cezar.demari@ufv.br Edgar Pereira Coelho edgar.coelho@ufv.br Geraldo M. Alves dos Santos gema.sanatos@ufv.br Marcelo Loures

Leia mais

TEORIA FREIRIANA. 1. A Dialogicidade

TEORIA FREIRIANA. 1. A Dialogicidade TEORIA FREIRIANA ALMEIDA, Laura Isabel Marques Vasconcelos de 1 laura.isabel@terra.com.br 1. A Dialogicidade Este é um dos eixos principais e fundantes de toda a teoria freiriana, o diálogo, nascido na

Leia mais

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Avanay Samara do N. Santos. Pedagogia - UEPB-CAMPUS III avanaysamara@yahoo.com.br Lidivânia de Lima Macena. Pedagogia -

Leia mais

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito)

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) 1- EXPLIQUE o que argumenta a Teoria do Conflito Social. 2- Em que consiste as teses defendidas pelo interacionismo simbólico? 3- O que

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Estudos filosóficos em educação I - JP0003 PROFESSOR: Dr. Lúcio Jorge Hammes I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60 (4 créditos) II EMENTA Aborda os pressupostos

Leia mais

BUSCANDO EM PAULO FREIRE AS CONCEPÇÕES DE INDIVÍDUO E MUNDO

BUSCANDO EM PAULO FREIRE AS CONCEPÇÕES DE INDIVÍDUO E MUNDO BUSCANDO EM PAULO FREIRE AS CONCEPÇÕES DE INDIVÍDUO E MUNDO Introdução Profª. Dra. Edna Gusmão de Góes Brennand A obra de Freire não possui uma estrutura teórica academicista. O fato de ter vivido e experimentado

Leia mais

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte pereiradirlei@gmail.com Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Paulo Freire (2000, p.

Leia mais

A PAIDÉIA FREIREANA: A UTOPIA DA FORMAÇÃO COMO PRÁTICA DA LIBERDADE. Resumo

A PAIDÉIA FREIREANA: A UTOPIA DA FORMAÇÃO COMO PRÁTICA DA LIBERDADE. Resumo A PAIDÉIA FREIREANA: A UTOPIA DA FORMAÇÃO COMO PRÁTICA DA LIBERDADE Peri Mesquida: Mestrado em Educação PUCPR Rosane Wandscheer: Mestranda em Educação PUCPR Resumo A paidéia na Grécia clássica e, em particular,

Leia mais

Palavras-chave: Filosofia da educação. Conhecimento. Subjetividade. Educação.

Palavras-chave: Filosofia da educação. Conhecimento. Subjetividade. Educação. GT 21 Filosofia da Educação CONHECIMENTO, EDUCAÇÃO E SUBJETIVIDADE: REFLEXÕES FILOSÓFICAS SOBRE O PERÍODO CLÁSSICO, MODERNO E PÓS- MODERNO Fernanda Antônia Barbosa da Mota / UFPI RESUMO Partimos do princípio

Leia mais

HISTÓRIA DA FILOSOFIA

HISTÓRIA DA FILOSOFIA HISTÓRIA DA FILOSOFIA Períodos da história da filosofia Antiga Patrística Escolástica Renascimento Moderna Iluminismo Contemporânea Filosofia grega Períodos da filosofia grega Cosmológico Antropológico

Leia mais

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Adriano José da Silva, Patrícia Hetti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em geografia adriano_hist@hotmail.com.

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Resumo. 1 - Introdução

Resumo. 1 - Introdução Este artigo, disponível em http://www.nied.unicamp.br/oea/, refere-se ao curso de construção de páginas para a Internet desenvolvida para professores, realizado por pesquisadores da PUCSP em 2000, junto

Leia mais

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA Fábio de Araújo Aluno do Curso de Filosofia Universidade Mackenzie Introdução No decorrer da história da filosofia, muitos pensadores falaram e escreveram há cerca do tempo,

Leia mais

A PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE INSERIDA NO CONTEXTO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS Sônia Fátima Schwendler 274

A PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE INSERIDA NO CONTEXTO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS Sônia Fátima Schwendler 274 A PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE INSERIDA NO CONTEXTO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS Sônia Fátima Schwendler 274 O Movimento dos Sem-Terra, tão ético e pedagógico quanto cheio de boniteza, não começou agora, nem a

Leia mais

Vamos compreender a História na linha do tempo...

Vamos compreender a História na linha do tempo... Vamos compreender a História na linha do tempo... Idade Idade Idade Idade Antiga Média Moderna Contemp L i n h a d o T e m p o 1. Antes da Idade Antiga, a Pré-História: antes dos registros escritos. 2.

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

Leucipo de Mileto e Demócrito de Abdera. Pércio Augusto Mardini Farias

Leucipo de Mileto e Demócrito de Abdera. Pércio Augusto Mardini Farias Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA

O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA 1072 O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA Ana Cristina da Silva Ambrosio Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE-UNESP/PP). E-mail:

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

O Surgimento da filosofia

O Surgimento da filosofia O Surgimento da filosofia Prof. Victor Creti Bruzadelli Prof. Deivid O surgimento da filosofia Conceitos de Mito: O mito conta uma história sagrada; ele relata um acontecimento ocorrido no tempo primordial,

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 Introdução O presente estudo tem por objetivo refletir sobre o ensino da didática, inspirado no pensamento de Paulo Freire, no contexto

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL Márcia Regina de Andrade Universidade Federal de Sergipe - UFS Este trabalho pretende refletir sobre a importância

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. Albertino José da Silva 1 Anderson Alves da Silva 2 Faculdade Mauricio de Nassau 1 Universidade Estadual da Paraíba 2 RESUMO Analisaremos o ensino

Leia mais

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET 1 HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET Marlesson Castelo Branco do Rêgo IFPE Doutorando em Ciências Humanas pela UFSC Introdução Em 2004, o governo federal lançou

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire)

Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire) Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire) Diego Chabalgoity 1 Resumo A pesquisa de doutorado aqui relatada apresentou como objetivo a realização

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 5 Sumário Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 Educação ambiental crítico transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana Juliana Rezende

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Helena Beatriz de Moura Belle *

Helena Beatriz de Moura Belle * 196 PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto políticopedagógico da escola. 2 ed. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2002 (Guia da Escola Cidadã, v. 7). Helena Beatriz

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC 1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC DIVERSIDADE CULTURAL RELIGIOSA NO COTIDIANO ESCOLAR: OS DESAFIOS PARA A CONSTITUIÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CURRÍCULO DO ENSINO FUNDAMENTAL. Profa.

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: UM EXERCÍCIO DE CONSTRUÇÃO SISTÊMICA E COMPLEXA 1

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: UM EXERCÍCIO DE CONSTRUÇÃO SISTÊMICA E COMPLEXA 1 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: UM EXERCÍCIO DE CONSTRUÇÃO SISTÊMICA E COMPLEXA 1 Jorge Antônio da Silva Sitó 2 Resumo: O artigo pretende refletir sobre a perspectiva do Projeto Político e Pedagógico de uma

Leia mais

EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE

EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE INTRODUÇÃO Aflânia Dantas Diniz de Lima UFRPE aflanialima@hotmail.com Jackson Diniz Vieira UFRPE Jacksondv.sb@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO E FELICIDADE EM SANTO AGOSTINHO

EDUCAÇÃO E FELICIDADE EM SANTO AGOSTINHO EDUCAÇÃO E FELICIDADE EM SANTO AGOSTINHO Fabio Luciano Bueno Coelho 1 Ricardo Antonio Rodrigues 2 Resumo: A proposta deste trabalho é levantar questionamentos a respeito do papel da educação, tendo por

Leia mais

Posfácio: Paulo Freire, tecendo o amanhã.

Posfácio: Paulo Freire, tecendo o amanhã. Godotti, Moacir. Posfácio: Paulo Freire, tecendo o amanhã. En publicación: Paulo Freire. Contribuciones para la pedagogía. Moacir Godotti, Margarita Victoria Gomez, Jason Mafra, Anderson Fernandes de Alencar

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

Segui buscando en la Red de Bibliotecas Virtuales de CLACSO http://biblioteca.clacso.edu.ar

Segui buscando en la Red de Bibliotecas Virtuales de CLACSO http://biblioteca.clacso.edu.ar Posfácio: Paulo Freire, tecendo o amanhã Titulo Gadotti, Moacir - Autor/a Autor(es) Paulo Freire. Contribuciones para la pedagogía En: Buenos Aires Lugar CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas.

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. O ideário ético é um conjunto essencial de valores que deve ser conscientizado por todos na Organização para que se consiga implantar

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

PAULO FREIRE E O MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS

PAULO FREIRE E O MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS PAULO FREIRE E O MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS Introdução Professor Elias Celso Galvêas O analfabetismo no Brasil é uma mancha que envergonha a Nação. Embora não existam estatísticas atualizadas,

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Claudio C. Conti www.ccconti.com Congresso Espiritismo 150 de O Evangelho Segundo o Espiritismo ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Como funcionamos A mente é a ferramenta para compreender questões que transcendem

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

LEITURA DO MUNDO EM PAULO FREIRE 1

LEITURA DO MUNDO EM PAULO FREIRE 1 LEITURA DO MUNDO EM PAULO FREIRE 1 Ângela Antunes 2 Linha severa da longínqua costa quando a nau se aproxima ergue-se a encosta em árvores onde o Longe nada tinha; mais perto, abre-se a terra em sons e

Leia mais

O DIÁLOGO ENTRE PAULO FREIRE E A ECOPEDAGOGIA

O DIÁLOGO ENTRE PAULO FREIRE E A ECOPEDAGOGIA O DIÁLOGO ENTRE PAULO FREIRE E A ECOPEDAGOGIA Eixo temático: 11 - Educação Ambiental Modalidade: Produção textual Géssica Camargo Müller 1 Marcia Helena Koboldt Cavalcante 2 RESUMO O presente estudo faz

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

marcelo@sombraealegria.com.br Aula 03 Filosofia 3 Colegial

marcelo@sombraealegria.com.br Aula 03 Filosofia 3 Colegial Aula 03 Filosofia 3 Colegial Os Primeiros Filósofos Busca por uma explicação racional do mundo Filósofos Físicos Explicação na própria natureza Substância básica que formariam todas as coisas: Arkhé A

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

FILOSOFIA. a) Tales de Mileto; b) Anaximandro de Mileto; c) Pitágoras de Samos; d) Anaxímenes de Mileto; e) Zenão de Eléia

FILOSOFIA. a) Tales de Mileto; b) Anaximandro de Mileto; c) Pitágoras de Samos; d) Anaxímenes de Mileto; e) Zenão de Eléia FILOSOFIA 01 - Nem a água nem algum dos elementos, mas alguma substancia diferente, ilimitada e dela, nascem os céus e os mundos neles contidos. In Fundamentos da Filosofia. O texto acima se refere à busca

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

Pré-socráticos - Questões de Vestibulares - Gabarito

Pré-socráticos - Questões de Vestibulares - Gabarito Pré-socráticos - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uncisal 2012) O período pré-socrático é o ponto inicial das reflexões filosóficas. Suas discussões se prendem a Cosmologia, sendo a determinação

Leia mais

A PRESENÇA DOS PARES CONCEITUAIS OPRESSÃO/LIBERTAÇÃO; EXCLUSÃO/INCLUSÃO NAS OBRAS DOS COMENTADORES DE PAULO FREIRE DOS ANOS 80 E 90

A PRESENÇA DOS PARES CONCEITUAIS OPRESSÃO/LIBERTAÇÃO; EXCLUSÃO/INCLUSÃO NAS OBRAS DOS COMENTADORES DE PAULO FREIRE DOS ANOS 80 E 90 A PRESENÇA DOS PARES CONCEITUAIS OPRESSÃO/LIBERTAÇÃO; EXCLUSÃO/INCLUSÃO NAS OBRAS DOS COMENTADORES DE PAULO FREIRE DOS ANOS 80 E 90 Priscila Fernandes Palacio 1 Gomercindo Ghiggi 2 Resumo: Este texto origina-se

Leia mais

Revista Pandora Brasil Número 40, Março de 2012 ISSN 2175-3318 O HOMEM E A CONSTRUÇÃO DE SUA HUMANIDADE

Revista Pandora Brasil Número 40, Março de 2012 ISSN 2175-3318 O HOMEM E A CONSTRUÇÃO DE SUA HUMANIDADE O HOMEM E A CONSTRUÇÃO DE SUA HUMANIDADE RESUMO: Este artigo reflete sobre a ideia da humanidade no homem. Visamos demonstrar que o ato de existir para o homem pode implicar em alguns questionamentos,

Leia mais

PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA

PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Resumo Jean Cauê, Huppes Sistema Huppes de Aprendizagem, Santa Maria/RS Brasil jeancaue@gmail.com.br Mariza de Andrade Brum Sistema

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

ESCOLAS FILOSÓFICAS JÔNICA

ESCOLAS FILOSÓFICAS JÔNICA ESCOLAS FILOSÓFICAS Depois das reflexões iniciais sobre ética, moral e suas relações, vejamos resumidamente as escolas filosóficas. A melhor forma de se compreender a história do pensamento humano, é através

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 31 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Explicar a abrangência da Teoria dos valores e sua evolução histórica Analisar

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

DIALOGANDO COM PAULO FREIRE E VYGOTSKY SOBRE EDUCAÇÃO MARQUES,

DIALOGANDO COM PAULO FREIRE E VYGOTSKY SOBRE EDUCAÇÃO MARQUES, DIALOGANDO COM PAULO FREIRE E VYGOTSKY SOBRE EDUCAÇÃO MARQUES, Luciana Pacheco UFJF lupmarques@uol.com.br MARQUES, Carlos Alberto UFJF carlos.marques@pesquisador.cnpq.br GT: Educação Fundamental / n. 13

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Filosofia Questão 01... a filosofia não é a revelação feita ao ignorante por quem sabe tudo, mas o diálogo entre iguais que se fazem cúmplices

Leia mais

Tales de Mileto. Tudo é água. Tales

Tales de Mileto. Tudo é água. Tales precisa. Afinal, nunca houve, na Antigüidade, um Estado grego unificado. O que chamamos de Grécia nada mais é que o conjunto de muitas cidades-estado gregas (pólis), independentes umas das outras, e muitas

Leia mais