CENÁRIO ATUAL DA UTILIZAÇÃO DOS SOFTWARES DE VOIP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENÁRIO ATUAL DA UTILIZAÇÃO DOS SOFTWARES DE VOIP"

Transcrição

1 CENÁRIO ATUAL DA UTILIZAÇÃO DOS SOFTWARES DE VOIP CRUZ, Alexander Junio Felipe da (1); SANTOS, Danilo Fernandes dos (1); ARAÚJO, Diego Castell Vieira de (1); ARAÚJO, Fábio Edson Rabelo de (1); SANTOS, Carlos José Giudice dos (2); MAIA, Luis Claudio Gomes (2). (1) Graduandos do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores da Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte (DEZ/2012). (2) Orientadores da pesquisa e professores do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores da Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte (DEZ/2012). Resumo A utilização da tecnologia VoIP dentro de ambientes corporativos vem crescendo cada dia mais e isso está contribuindo para o surgimento de alguns softwares livres e proprietários para gerenciar essa tecnologia. Este estudo tentou identificar o tipo de software mais adotado para gerenciar o serviço de telefonia sobre IP dentro das organizações e alguns fatores que foram determinantes para o responsável pelo gerenciamento deste serviço optar pelo software utilizado. A metodologia utilizada na pesquisa foi explicativa em relação aos objetivos. A coleta e análise de dados se basearam em questionários enviados para responsáveis pelo setor de telecomunicações de diversas empresas que utilizam a tecnologia VoIP como meio de comunicação. Palavras- chave: VoIP; Software de gerenciamento de VoIP; Asterisk. 1 Introdução Com o desenvolvimento tecnológico no ramo das telecomunicações, surge na década de 90 o chamado Voice over Internet Protocol (VoIP) ou simplesmente telefonia IP. A telefonia IP ou VoIP se refere à transmissão de chamadas telefônicas de voz através de uma rede IP. Comer (2005) afirma que os principais motivos para implantar a tecnologia de telefonia IP são o custo menor em relação à telefonia tradicional e a qualidade de transmissão. Dois elementos são fundamentais para que o VoIP funcione corretamente: a largura de banda e a Quality of Service (QoS - Qualidade de Serviço). À medida que o uso

2 2 da tecnologia cresce e as empresas passam a adotar o VoIP como alternativa à telefonia convencional, deve-se levar em consideração a QoS e os softwares que irão gerenciar esta aplicação, seja em plataforma livre ou proprietária. As empresas que optarem por softwares livres devem escolher preferencialmente os de código aberto. Este tipo de software pode ser modificado de acordo com as necessidades da empresa. Estas modificações podem contribuir para o desenvolvimento do programa, mas exigem um conhecimento muito específico. As empresas que optarem por softwares proprietários não terão acesso ao código fonte do programa. Deste modo, elas não podem alterar o programa de acordo com suas necessidades. Por outro lado é feito um contrato de suporte com a empresa responsável, que formaliza a garantia de uso e as possíveis alterações e atualização do software. Porém, essas facilidades elevam o custo do projeto de implantação dessa tecnologia. Analisando estes conceitos envolvidos em softwares livres e proprietários, surgiu a seguinte dúvida: Qual é o cenário atual de utilização de softwares de gerenciamento em aplicações VoIP? Essa pesquisa teve como objetivo geral levantar, dentro do cenário atual, qual a plataforma mais utilizada para gerenciar as aplicações VoIP dentro de algumas empresas que adotaram este tipo de tecnologia na região sudeste. 2 A tecnologia VoIP e a QoS Com a crescente evolução da tecnologia VoIP, surgem alguns fatores que devem ser levados em consideração desde a parte física até a lógica, fatores estes que abordam o tipo de hardware e o software de gerenciamento desta aplicação. O hardware usado para organizar o tráfego dos pacotes de voz na rede também é um fator importante nesse processo, pois de acordo com Moraes (2008), devido ao fato dos pacotes passarem por rotas diferentes, pode ocorrer deles não chegarem na ordem correta, podendo não ser reproduzido naquele momento da chamada, e esse pacote então é descartado.

3 3 Conforme Tanenbaum (2003), o mesmo número de bits de dados transferidos em uma rede é utilizado também para transferir dados de voz, ou seja, em uma rede que há tempos atrás trafegava apenas dados, começou a trafegar voz. O que devemos observar é que a infraestrutura de dados e voz é a mesma, podendo impactar no desempenho de envio dos bits. Comer (2005) esclarece que uma chamada de voz digitalizada produz dados a uma taxa de 64 Kbps, e várias chamadas de voz sendo realizadas ao mesmo tempo pode levar lentidão a uma rede tanto no tráfego de dados como no tráfego de voz. Portanto, esse fato deve ser observado no momento da implantação para que não haja transtornos futuros. O mesmo autor ainda afirma que uma chamada telefônica é interativa, ou seja, é uma troca em tempo real, porque o áudio precisa ser distribuído sem retardo significativo. Se isto não acontecer, os usuários acharão o sistema insatisfatório. Como consequência disso, de acordo com Tanenbaum (2003), muitas operadoras de redes de comutação de dados ficaram interessadas em transportar voz sobre suas redes de dados, tendo em vista que a largura de banda adicional exigida é minúscula em relação à rede de dados, o que torna o VoIP uma alternativa atraente em relação à telefonia convencional, se levado em conta a largura de banda exigida para que o VoIP funcione adequadamente. Almeida (2008) exemplifica as características e a definição das topologias existentes na comunicação VoIP. A topologia ponto-a-ponto não tem um controlador ou intermediário para executar as chamadas e a identificação personalizada. Nesse contexto, Santos (2006) esclarece que a topologia multiponto tem o servidor que controla as chamadas através de um ou mais terminais inteligentes. Assim o terminal consegue interligar-se à telefonia convencional e habilitar mais recursos, tais como identificação de chamadas, espera de chamada, secretária eletrônica, por voz, entre outros. Portanto, após definir a arquitetura, suas necessidades de largura de banda, QoS e topologia, é necessário analisar o software de gestão, seja este proprietário ou livre. Paternostro (2004) comenta as vantagens do software de código aberto, que permite fazer alterações de acordo com as necessidades da empresa. Um dos softwares de

4 4 código aberto para gestão de VoIP mais utilizados é o Asterisk. Para explorar o Asterisk, os autores Meggelen et al (2005) abordam algumas definições da infraestrutura VoIP: o Private Brand Exchange (PABX), a telefonia convencional, o gateway, o Media Gateway Control (MGC), a Multipoint Control Unit (MGU) e a rede IP. O que podemos notar, de acordo com Wirth (2009), é que as redes convergentes estão invadindo o mercado de uma forma agressiva e as operadoras começam a ter uma preocupação maior com a QoS, investindo pesado em roteadores para comutação dos dados que estão conectados tanto na rede IP, quanto na rede Public Switched Telephone Network (PSTN - Rede Pública de Telefonia Comutada). De acordo com Tanenbaum (2003), esse fator supostamente seria o que levou as operadoras a terem essa preocupação com a QoS. Com o passar dos anos, o que se nota é que as pessoas começam a consumir mais largura de banda. Wirth (2009) ainda afirma que o outro fator interessante são os roteadores permitirem comutações inteligentes, ou seja, em chamadas em tempo real de um VoIP para uma PSTN, caso haja um congestionamento na rede IP, eles bloqueiam a rede IP e fazem o roteamento dos pacotes para PSTN, fazendo com que as chamadas não sejam perdidas ou fique ruim a qualidade devido a alguma falha no processo de comutação dos dados. Não só o mundo corporativo, mas os usuários que utilizam o VoIP, de acordo com Tanenbaum (2003) vêm crescendo muito. Ilustrando este fato, Wirth (2009) aponta que o Centro de Informações Públicas da China, responsável pela distribuição de informações tecnológicas através de toda rede pública popular da China, implementou o VoIP em sua rede e desenvolveu um conjunto de requerimentos para a arquitetura da sua rede. É interessante notar a preocupação com a QoS, mesmo em ambientes em que há pouca largura de banda disponível. Os requerimentos primordiais são a qualidade na voz, a confiabilidade através de backup, a habilidade de comutação inteligente e uma ótima compressão da voz. Percebe-se com o passar dos anos que a QoS se tornou um fator primordial para que essa tecnologia funcione atendendo aos padrões básicos para o seu uso, não apenas para as grandes corporações, mas também para todos os usuários que

5 5 utilizam dessa tecnologia. O atual cenário de desenvolvimento tecnológico aponta o VoIP como uma possibilidade de vir a se tornar o principal sistema de telefonia do mundo, podendo realizar chamadas internacionais com alta definição de voz sem que ocorram atrasos ou cortes nas chamadas. 3 Softwares VoIP utilizados O Asterisk é um software baseado na plataforma Linux. Para funcionar basta ser instalado em um servidor operacional e, com algumas configurações técnicas, a sua rede está apta para utilizar a comunicação via IP. Tem a opção de interligar telefones convencionais ou analógicos, realizar videoconferências, etc. Atualmente o Asterisk é um software que vem ganhando o mercado pelas soluções que vem oferecendo, graças aos esforços de desenvolvimento e aprimoramento do produto pela comunidade Linux. A plataforma do Asterisk foi originalmente desenvolvida para Linux, mas atualmente pode ser executado no OpenBSD, FreeBSD, Mac OS X, NetBSD e em sistemas operacionais desenvolvidos pela Microsoft. O outro software de gerenciamento é o Call Manager Cisco, um software proprietário que oferece seu serviço em estações de trabalho garantindo usabilidade, segurança e alto desempenho. Todavia, este software foi criado para atender servidores que possuem hardwares robustos de acordo com o manual Cisco IP Communicator versão 2.0 (2012). 4 Metodologia da pesquisa Com relação aos objetivos, esta pesquisa teve caráter explicativo. Gil (2002) afirma que [...] esse tipo de pesquisa é a que mais aprofunda o conhecimento da realidade, porque explica a razão, o porquê das coisas. Essa pesquisa analisou os motivos pelos quais algumas empresas adotam o software livre ou software proprietário para gerenciar suas aplicações VoIP. Para avaliar o cenário atual do uso dos softwares nas aplicações VoIP nas empresas, a coleta de dados foi feita por meio de questionários, buscando possíveis argumentos que justifiquem a escolha do software livre e proprietário.

6 6 A análise de dados da pesquisa teve caráter qualitativo. 4.1 Coleta de dados A coleta de dados foi iniciada com o envio de 80 s para responsáveis pelo setor de telecomunicações de empresas na região Sudeste do país (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo), solicitando que respondessem a um questionário contendo 9 perguntas sobre a utilização, funcionamento e manutenção dos softwares que gerenciam a aplicação VoIP dentro dessas empresas. O objetivo pretendido era levantar indicadores sobre a utilização dos softwares que gerenciam as aplicações VoIP. Dos 80 s enviados, apenas 11 foram respondidos. 4.2 Análise dos dados coletados Ao analisar os questionários respondidos, constatamos que as empresas que utilizam software livre adotaram o Asterisk. As demais empresas que utilizam software proprietário optaram pelo Call Manager Cisco. De acordo com os resultados da pesquisa, com a escolha do software livre Asterisk, as empresas visam a redução de custo e a praticidade. Este fato é confirmado por PEREIRA (2010), quando ele nos esclarece que: O Asterisk é uma ferramenta sensacional, pois somente com a instalação do sistema em um computador é possível disponibilizar uma grande quantidade de recursos e funcionalidades, dependendo apenas de uma operadora de telefonia para efetuar as ligações externas e isso é possível de diversas maneiras [...]. Por outro lado as empresas que adotaram o software proprietário Call Manager Cisco priorizam a segurança, melhor gerenciamento e suporte qualificado. As empresas entrevistadas responderam que não trocariam o software utilizado por outro de outra plataforma. Em uma das questões tentamos verificar o nível da importância do VoIP nas empresas. Das onze empresas pesquisadas, dez empresas acreditam que o VoIP é importante para o negócio, e uma empresa que utiliza software livre, acredita que é vital ao seu negócio. Esse fato comprova os benefícios que as redes convergentes

7 7 oferecem e a facilidade em fazer ligações de qualquer parte geográfica. Nesse sentido, SATO (2004) afirma que: Uma solução PABX IP diminui o custo das ligações de longa distância para telefones fixos ou celulares, utilizando-se de provedores ITSPs (Provedores de Serviços de Telefonia IP), pois o custo dessas ligações são menores por utilizar a Internet como meio de transmissão, além da possibilidade de programar o PABX IP para utilizar sempre a rota de menor custo. Uma das perguntas da pesquisa questionou a frequência de ocorrência de problemas nas ligações durante o expediente de trabalho. Dez empresas responderam que não tem nenhum problema com as ligações. Apenas uma empresa (que utiliza software livre) apontou que ocorrem poucos incidentes de degradação de desempenho. De acordo com os questionários respondidos nas empresas fizemos a análise e constatamos que 45% das empresas utilizam o software livre e 55% utilizam software proprietário. Notamos que a escolha da plataforma a ser utilizada depende de vários fatores como: porte da empresa, necessidade do uso da aplicação, custobenefício, segurança e disponibilidade. Constatamos também que metade das empresas entrevistadas utilizam a telefonia convencional como contingência. 5 Considerações finais A partir dos questionários respondidos, verificamos que algumas empresas vêm fazendo o uso desse serviço há anos. Entretanto, somente recentemente esta tecnologia tornou-se madura e com um custo acessível às pequenas e médias empresas, ou seja, começou a se consolidar o uso da tecnologia VoIP. Portanto, as empresas confiam nos benefícios que o VoIP oferece para o seu negócio. Foi consenso também que as empresas que utilizam software livre ou software proprietário confiam que o software responsável pelo gerenciamento do PABX não é o culpado por problemas durante os horários de congestionamento. Este estudo não alcançou os resultados esperados, devido à baixa adesão das empresas à pesquisa. Verificamos também que deveríamos ter nos preocupado em questionar as empresas sobre os provedores de serviço. Diante deste cenário, a pesquisa não foi conclusiva.

8 8 Referências ALMEIDA. Fernando Luís Ferreira de. O impacto do software na telefonia IP Disponível em: <http://www.iadis.net/dl/final_uploads/200819c 061.pdf>. Acesso em: 25 maio Cisco IP Communicator versão 2.0: Requisitos de hardware e de plataforma.estados Unidos. Disponível em: <http://www.cisco.com/en/us/docs/ voice_ip_comm/cipc/2_0/brazilian_portuguese/user/guide/ipcf1ptb.pdf>. p. 8. Acesso em: 14 nov COMER, Douglas E. Interligações de redes: TCP/IP. In:. Redes de computadores. 5. ed. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, cap. 28, p GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa: como classificar as pesquisas?. 4. ed, São Paulo: Atlas, 2002.p MEGGELEN, Jim Van; SMITH, Jared; MADSEN, Leif. Asterisk: o futuro da telefonia. Rio de Janeiro: Alta Books, MORAES, Alexandre Fernandes. Redes de computadores: fundamentos. 6. ed. São Paulo: Érica, PATERNOSTRO, Luiz Carlos Brito. Escondendo o código aberto, ou O esoterismo esclarecido. DataGramaZero Revista de Ciência da Informação, v.5, n.4, ago/2004. Disponível em: < ago04/art_04.htm>. Acesso em: 22 nov PEREIRA. Alberto Rodrigo. Asterisk - O sistema de telefonia open source Disponível em: <http://www.vivaolinux.com.br/artigo/asterisk-o-sistema-de-telefoniaopen-source>. Acesso em: 22 nov SANTOS. Daniel Lima. Estudo de soluções VoIP baseadas em software livre: Topologias. Fortaleza Disponível em: <http://www.dnocs.gov.br/php/util/downloads_file.php?dir=&file=/home/util/livres/ebo oks/monografias/estudos_de_solucoes_voip_baseadas_em_software_livre.pdf>. Acesso em: 25 mai SATO. Alberto Mitsuo. PABX IP Disponível em: <http://www.teleco.com.br/pdfs/tutorialpabx.pdf>. Acesso em: 22 nov TANENBAUM, Andrew S: Redes de computadores. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus, WIRTH, Almir. IT Master: tecnologias de redes e comunicação de dados. 2. ed. São Paulo: Alta Books, 2009.

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Equipe: Afonso Sousa, Jhonatan Cavalcante, Israel Bezerra, Wendel Marinho Professor: Fabio

Leia mais

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas BoF VoIP Experiências de Perspectivas RNP, Rio de Janeiro, 22 Agosto 2011 Edison Melo SeTIC/UFSC PoP-SC/RNP edison.melo@ufsc.br 1 Histórico Serviço VoIP4All

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FÓRUM TÉCNICO CONSULTIVO TELEFONIA IP Carlos José Rosa Coletti AI Reitoria Lazaro Geraldo Calestini Rio Claro Tatiana Pinheiro de Brito IA São Paulo Valmir Dotta FCLAr - CSTI Walter Matheos Junior IFT

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Marcelo de Souza Araujo

Marcelo de Souza Araujo Marcelo de Souza Araujo Cidade: Palhoça/SC/Brasil Telefone: (48) 9914 8434 E-Mail: araujo@freebsd.org http://www.arjmobile.com Objetivos Meu principal interesse é Pesquisa e Desenvolvimento em software

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do hardware, software e usuários para monitorar, configurar, analisar,

Leia mais

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas, Carlos Alberto Malcher Bastos, Marcos Tadeu von Lutzow Vidal, Milton Martins Flores Quem somos? Laboratório

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Paraná

Tribunal Regional Eleitoral do Paraná Tribunal Regional Eleitoral do Paraná STI - Secretaria de Tecnologia da Informação CPROD Coordenadoria de Produção Seção de Rede Projeto: Redução de custos com telefonia usando VoIP Tema: Tecnologia da

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens:

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens: Caro cliente, atendendo a sua solicitação de auxílio no processo de configuração da placa VoIP na central Impacta, segue um passo-a-passo para ajudar a visualização. Abra o software de programação. Clique

Leia mais

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Apresentação Epaminondas de Souza Lage Epaminondas de Souza Lage popo@planetarium.com.br Formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas Industriais

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 1

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 1 Arquitetura de Redes de Computadores - aula 1 Prof. Celso Rabelo Universidade Castelo Branco 1 Objetivo Programa Bibliografia 2 3 Um pouco de história Termos Utilizados 4 LAN MAN WAN 5 Latência QoS Jitter

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina

Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina Plano de Ensino - 2014 I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina Redes de Computadores Professor MÁRCIO DE SANTANA Período Noturno Módulo Organização

Leia mais

A Sothis é uma empresa provedora de voz e dados com suporte a gestão de economia. para sua empresa. Através da Tecnologia de IP, dispomos de soluções

A Sothis é uma empresa provedora de voz e dados com suporte a gestão de economia. para sua empresa. Através da Tecnologia de IP, dispomos de soluções C O M U N I C A Ç Ã O D I G I T A L A Sothis é uma empresa provedora de voz e dados com suporte a gestão de economia para sua empresa. Através da Tecnologia de IP, dispomos de soluções para o trafego de

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2015.1

PLANO DE ENSINO 2015.1 FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA CENTRO DE CIENCIAS TECNOLOGICAS PLANO DE ENSINO 2015.1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Disciplina/Módulo: Redes Comput Sist Distribuídos Código/Turma: T008-84(74)

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Formato de Frame FR Frame Relay Circuitos Virtuais É um circuito de dados virtual bidirecional configurado entre 2 portas

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Rede WAN da Codevasf. Histórico, Características e Recursos. Área de Gestão Estratégica Gerência de Tecnologia da Informação

Rede WAN da Codevasf. Histórico, Características e Recursos. Área de Gestão Estratégica Gerência de Tecnologia da Informação Rede WAN da Codevasf Histórico, Características e Recursos Área de Gestão Estratégica Gerência de Tecnologia da Informação Junho / 2011 Rede WAN Definição Uma rede WAN (Wide Area Network) ou Rede de longa

Leia mais

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil Apresentação Líder em Soluções Samba 4 no Brasil A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Programa de Parceria

Programa de Parceria SUMÁRIO O PROGRAMA DE PARCERIA 2 1 - Procedimentos para tornar-se um parceiro Innovus 2 2 - Benefícios oferecidos aos Parceiros 2 2.3 - Revenda de Equipamentos 3 2.4 - Cursos Técnicos e Comerciais 3 2.5

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

Redes de Computadores Sistemas de Informação 3SINA/05.2 1º Sem/2008 Aula 00: Apresentação da Disciplina. Prof. Msc. Ricardo Slavov

Redes de Computadores Sistemas de Informação 3SINA/05.2 1º Sem/2008 Aula 00: Apresentação da Disciplina. Prof. Msc. Ricardo Slavov Redes de Computadores Sistemas de Informação 3SINA/05.2 1º Sem/2008 Aula 00: Apresentação da Disciplina Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br By Slavov Unidade Sorocaba Planejamento Conceitos

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS Esclarecimento I PERGUNTA 1: PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS 7.5.3. documentação técnica do fabricante dos componentes cotados, incluindo partes de manuais e catálogos, que comprovem o atendimento

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS.

MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS. MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS. MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. Caro cliente, Para reduzir

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Diretoria de Operações RNP

Diretoria de Operações RNP Alexandre Grojsgold Diretoria de Operações RNP I Workshop POP-RS julho/2005 O que é VoIP? Conversas telefônicas feitas sobre a Internet, sem passar pela rede de telefonia convencional em oposição a...

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22 DEPARTAMENTO: Sistemas de Informação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Redes de Computadores I PROFESSOR: SERGIO ROBERTO VILLARREAL SIGLA: RED I E-MAIL: sergio.villarreal@udesc.br CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA:

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. O que esperar dos Serviços VoIP Este tutorial tem por objetivo apresentar os principais conceitos dos serviços VoIP e o que se pode obter desses serviços considerando principalmente as características

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA Pioneirismo tecnológico e FLEXIBILIDADE na migração O é uma plataforma de comunicação convergente, aderente às principais necessidades das

Leia mais

abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO

abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO OBJETIVO: O Acordo de Nível Operacional, é um acordo entre equipes de TI internas, para que o provedor possa entregar o requisito estabelecido

Leia mais

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA)

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) Código do Serviço: 3005001 Nome do Serviço: Data de Publicação: 30/04/2013 Entrada em Vigor: SAN AUTENTICAÇÃO 01/06/2013 Versão: 1.0000 Status: Publicado

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

FÁBRICA DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS FÍSICOS

FÁBRICA DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS FÍSICOS FÁBRICA DE SOFTWARE Quem somos A Fábrica de Software da Compugraf existe desde 1993 e atua em todas as etapas de um projeto: especificação, construção, testes, migração de dados, treinamento e implantação.

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ÊNFASE EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ARTHUR HENRIQUE DO PRADO FRANQUELO ALLAN ESTEVAM DE SOUZA CARLOS

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Bem vindos a mais um semestre. Vamos construí-lo em conjunto. Redes II - Heterogêneas e Convergentes 2 Semestre 2012. Sistema de Avaliação.

Bem vindos a mais um semestre. Vamos construí-lo em conjunto. Redes II - Heterogêneas e Convergentes 2 Semestre 2012. Sistema de Avaliação. Redes II - Heterogêneas e Convergentes 2 Semestre 2012 Apresentação dos Objetivos e Sistema de Avaliação Bem vindos a mais um semestre. Vamos construí-lo em conjunto. 2 Wellington W. Teixeira Formação

Leia mais

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br VoIP Voice Over IP lmedeiros@othos.com.br Índice O que Significa? Como funciona? Porque utilizar? Equipamentos VoIP Desvantagens Provedores VoIP Conclusão O que significa? VoIP é uma tecnologia que usa

Leia mais

O PROXY SQUID E SUAS MELHORIAS NO DESEMPENHO DAS REDES CORPORATIVAS

O PROXY SQUID E SUAS MELHORIAS NO DESEMPENHO DAS REDES CORPORATIVAS O PROXY SQUID E SUAS MELHORIAS NO DESEMPENHO DAS REDES CORPORATIVAS MOREIRA, Davisson Ronaldo (1); DAVID, Felipe Ferraz (1); OLIVEIRA, Ramon Gonçalves de (1); SOUZA, Reinaldo Alessandro de (1); AGOSTINHO,

Leia mais

Caso de sucesso. A implementação de infraestrutura Cisco garante à MGR maior eficiência e qualidade nos serviços de Supply Chain. Impacto no Negócio

Caso de sucesso. A implementação de infraestrutura Cisco garante à MGR maior eficiência e qualidade nos serviços de Supply Chain. Impacto no Negócio Alta disponibilidade e segurança para a indústria automotiva A implementação de infraestrutura Cisco garante à MGR maior eficiência e qualidade nos serviços de Supply Chain. Caso de sucesso A Empresa Impacto

Leia mais

Serviços Técnicos de Campo

Serviços Técnicos de Campo Serviços Técnicos de Campo Advanta possui um amplo portfólio de serviços técnicos de campo disponível em todo o território nacional por meio de seu corpo técnico especializado. As competências multi-vendor

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP SOPHO is3000 Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP Benefícios Soluções de comunicação híbrida para telefonia TDM e IP Convergência de voz e dados em uma plataforma de alto desempenho

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Redes de Computadores 2011-2 EXPANSÃO E MELHORIA NA REDE DE COMPUTADORES DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais