Um Pouco de História

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Pouco de História"

Transcrição

1 Telefonia IP

2 Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps Banda alocada completamente para voz Sem filas ou atrasos intermediários Conversão digital-analógica para o assinante

3 Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telecos dos Anos 90 Otimizada para voz Sistemas fechados Bastante confiáveis (99,999%) Largura de banda reservada (64 kbps) Crescimento lento Implementação cara Crescimento em torno e 3-5% / ano

4 Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Rede de Dados dos Anos 90 Otimizada para dados em tempo não real Largura de banda sob demanda Menor confiabilidade Rede de dados multiserviços Evolução rápida Cada vez mais aberto Crescimento em torno de % / ano

5 Um Pouco de História Uma Breve Introdução a Telecomunicações Expansão de Dados e Voz % bits por segundo Dados Voz Fonte: Vint Cerf, MCI

6 VoIP VoIP significa Voice over IP. Sistema que possibilita a transmissão de voz sobre o protocolo IP Protocolo IP é o mecanismo de envio de informações pela Internet. Portanto: Voip é a transmissão de voz pela Internet

7 VoIP x Telefonia IP VoIP Tecnologia para transformar voz em dados com a transmissão em redes de pacotes IP; Telefonia IP usa VoIP e fornece diversos serviços agregados

8 Telefonia IP Convergência de serviços de voz, dados, fax e vídeo; Infraestrutura para serviços complexos Call center

9 Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional Uma conexão de voz = 64 Kbps

10 Telefonia IP PBX Internet PBX Tráfego de voz (pacotes) navega pela Internet (ou outra rede IP) -VoIP Rede pública de telefonia é usada somente em último caso Sistema de Telefonia IP também pode ser integrado ao sistema de telefonia tradicional (TDM)

11 Telefonia IP PBX Internet PBX Telefonia IP Chamadas são tratadas da mesma forma, indiferente de serem locais, interurbanas ou internacionais Usuários finais podem nem perceber a diferença

12 Por que Telefonia IP? Banda larga disponível a baixo custo Serviços em IP permitem a integração de soluções heterogêneas Maior processamento disponível nos aparelhos, possibilitando maior compressão de voz Interoperabilidade com soluções existentes, inclusive com a telefonia tradicional (TDM) Implantação em curto prazo

13 Por que Telefonia IP? Expande a opção de comunicação de voz além dos limites do PABXs A integração de voz e dados em uma única infraestrutura de comunicação Possibilita o compartilhamento dos meios e equipamentos, além de convergir os recursos humanos para uma única estrutura técnica. Ponto Principal: Retorno sobre investimento garantido

14 Vantagens do VoIP Ligações Ramal-Ramal inter-unidades Ligações Ramal-Ramal entre instituições participantes da mesma rede IP *Transforma uma ligação DDD em local Permite ligação internacional via Internet

15 Desvantagens do VoIP Expectativa de qualidade pelos usuários Adequação da rede de dados. Robustez e estabilidade do sistema tradicional (TDM)

16 Cenários de Uso

17 Arquitetura Telefonia IP

18 Componentes da Telefonia IP PABX Gateways Adaptadores para telefones convencionais (ATA) Software phones Telefones IP Protocolos (H.323, SIP, IAX) Codecs (g729, g723, etc)

19 PBX IP Hardware com software que implementa a função da central telefônica IP (PBX IP); Suporta hardware especializado para conectar o PBX IP a linhas, centrais telefônicas e aparelhos telefônicos; Encaminha chamadas entre aparelhos conectados e deles para a rede pública de telefonia; Suporta correio de voz, conferências, URA, distribuição automática de chamadas, música de espera etc.

20 PABX x PBX IP PABX (Telefonia Tradicional) Equipamento caro Tecnologia proprietária Usuários ficam limitados ao mesmo fabricante para adicionar outras funcionalidades. Quaisquer modificações na programação ou conserto dependem de técnicos especializados Manutenção cara Crescimento caro Precisa de mais uma linha, deve comprar mais placa

21 PABX x PBX IP PBX IP Equipamento mais barato Pode ser um computador com software para central telefônica Tecnologia e software abertos (Asterisk) Usuários podem adquirir qualquer placa para telefonia, qualquer ATA ou Telefone IP Modificações na programação podem ser feitos pelo usuário Crescimento barato e conforme as necessecidades da empresa Mobilidade de ramais

22 Gateway Função: prover a interconexão das redes de telefonia convencional (PSTN) e de Telefonia IP Telefone PSTN Rede Telefônica Convencional Fax Telefone Central Telefônica Central Telefônica Telefone Telefone IP em software Servidor Telefonia IP Gateway IP/PSTN Laptop Rede Local Instituição 1 Laptop Laptop INTERNET Rede WAN Institucional Laptop Rede Local Instituição 2 Laptop Gateway IP/PSTN Laptop Telefone IP em software Servidor Telefonia IP PBX IP

23 Analog Terminal Adapter - ATA ATA: Conecta telefones analógicos à Telefonia IP

24 Analog Terminal Adapter - ATA

25 Software Phones Versão do telefone em software; Software de comunicação por voz e vídeo baseado em P2P (peer-to-peer) Exemplo: Skype Correio de voz, mensagens instantâneas, redirecionamento de chamadas, conferências (até 4 participantes) e transferência de arquivos Código fonte e protocolo proprietários Protocolo incompatível com SIP e H.323 Disponível em várias plataformas

26 Mais exemplo de Softphones Sysmaster.com VoIP SoftPhone

27 Softphones: multiplataforma

28 Telefones IP

29 Linksys WIP 300 Telefones IP

30 Protocolos Sinalização de chamadas protocolos para criação, alteração e encerramento de sessões com um ou mais participantes. H.248/MEGACO (Media Gateway Control) H.323 IAX (IAX rev.2 = Asterisk VoIP PBX) Jingle MGCP SIP (RFC 3261, RFC 3329 e RFC3372)

31 SIP (Session Iniciation Protocol ) SIP é um protocolo de comunicação que define como equipamentos (computadores, telefones IP, celulares) trocarão informações entre si Principais Características: Comunicação em tempo Real Escalável Pode ser ligado a qualquer tecnologia via IP (celulares, telefones IP, videos...) O controle sobre os serviços é colocado no terminal Baseado em texto (UTF-8) Usa portas 5060/udp e 5060/tcp

32 H.323 O padrão H.323 [3] é uma recomendação da ITU-T (International Telecommunication Union Telecommunication Standardization sector) A recomendação H.323 tem o objetivo de especificar sistemas de comunicação multimídia em redes baseadas em pacotes e que não provêem uma Qualidade de Serviço (QoS) garantida. Além disso, estabelece padrões para codificação e decodificação de fluxos de dados de áudio e vídeo, garantindo que produtos baseados no padrão H.323 de um fabricante interopere com produtos H.323 de outros fabricantes.

33 Comparativo: H.323 e SIP Arquitetura: O H.323 cobre quase todos os serviços, como capacidade de troca, controle de conferência, sinalização básica, QoS, registro e outros O SIP é modular e cobre todas as sinalizações de chamada básica, locação de usuários e registro. Outras características estão separadas em outros protocolos relacionados. Tranferências de chamadas : suportados pelos dois; Chamada em espera : suportados pelos dois; Indicação de chamada em espera: só é suportado pelo H323; Endereçamento: Mecanismo de endereçamento flexível, incluindo URL e E.164 (H323) O SIP apenas entende endereços do tipo URL

34 Transporte de mídia Protocolos RTP - Real-time Transport Protocol RTCP - Real-time Control Protocol Perda de pacotes Variância (jitter) Atraso (delay) Metricas de Qualidade de Chamada etc.

35 RTP Real-time Transport Protocol Formato de pacote padrão para aplicações multimídia Uso de protocolo UDP a) Localização do RTP no modelo TCP/IP b) Encapsulamento RTP

36 Codecs Convertem sinais de voz analógicos para uma versão codificada digitalmente. qualidade do áudio consumo de banda processamento etc. Cada serviço, telefone, gateway etc, suporta vários codecs e negociam qual vão usar em uma chamada. Ex.: o Cisco ATA-186 suporta G.723.1, G.711a, G.711u, G.729a e o Cisco 7960 suporta G.711a, G.711u, G.729a

37 Codecs Codec BR NEB G Kbps 87.2 Kbps G Kbps 31.2 Kbps G Kbps 21.9 Kbps G Kbps 20.8 Kbps G Kbps 55.2 Kbps G Kbps 47.2 Kbps G Kbps 31.5 Kbps ilbc 15 Kbps 27.7 Kbps BR = Bit rate NEB = Nominal Ethernet Bandwidth (unidirecional)

38 Cenário de uso da Telefonia IP São Carlos São Paulo Servidor IP PSTN IPPhones PSTN SoftPhone

39 Qualidade de Serviço (QoS) A qualidade de serviço é afetada por: Codec Jitter Atraso fim a fim (M2E - Mouth to Ear) Perda de Pacotes Como é difícil medir a qualidade de forma objetiva, usase a medida de qualidade subjetiva MOS (Medium Opinion Score)

40 Qualidade de Serviço - Codec A qualidade dos codecs pode ser mensurada através do MOS: G G b it G b it 3.3 G b it E xc elle n t G oo3 d.5 F air P o o r B a d G G S M -F R G G

41 Qualidade de Serviço - Jitter O jitter é a variação de atraso: Rede de dados time time Necessário um buffer para eliminá-lo. Consequência: aumento do atraso fim a fim

42 Qualidade de Serviço - Atraso O Atraso fim a fim tem várias componentes (Definido pelas G.114 e G.131): Atraso de codificação/decodificação Atraso de pacotização Atraso no transporte (rede) Atraso do Jitter Buffer aceitável tolerável inaceitável 150 ms 400 ms

43 Qualidade de Serviço - Perda de Pacotes A perda de pacotes influencia na qualidade dependendo do codec usado. Pode-se usar um algoritmo PLC (packet Loss Concealment) para que a maior parte das perdas passem despercebidas pelo usuário. Cada codec usa um PLC. Quando maior a redundância de informações de um codec, mais eficiente será o ocultamento da perda.

44 Desafios Serviços TCP/IP = melhor esforço, sem garantias para atrasos e variância ( jitter). Fluxo contínuo (streaming) = tipicamente, são aceitáveis atrasos (delay) entre 5s e 10s Congestionamentos nas redes degradam o desempenho

45 Soluções Aumento de largura de banda Uso de UDP, evitando o slow-start do TCP Uso de buffers no cliente Controle de playback para minimizar o jitter Níveis de compressão adaptadas à banda disponível

46 Aumento de banda Uso de QoS Soluções nas redes IP Protocolos: reservas de recursos - banda, processamento e buffers Controle de níveis de serviços entre aplicativos Serviços Diferenciados ( Differentiated Services ) - classes de tráfego e acordos de níveis de serviços Largura de banda adequada para a classe premium nos roteadores e switches

47 QoS Técnicas Buffering; Modelagem de Tráfego (Traffic Shaping); Policiamento de Tráfego (Traffic Policing); Reserva de Recursos (Resource Reservation); Controle de Admissão (Admission Control); Escalonamento (Packet Scheduling)

48 Regulamentação ANATEL-Agência Nac. de Telecomunicações Art. 61 da Lei Geral das Telecomunicações Regulamento do Serviço de Comunicações Multimídia: que possibilita a oferta da capacidade de transmissão, emissão e recepção de informações multimídia utilizando quaisquer meios (Art. 3º) multimídia: sinais de áudio, vídeo, dados, voz e outros sons, imagens, textos e outras informações de quaisquer natureza VoIP é considerado serviço de valor adicionado, não é telefonia.

49 Regulamentação Art. 66º do Regulamento estabelece que na prestação de SCM não é permitida a oferta de serviço com características de ServiçoTelefônico Fixo Fonte. Você até pode falar de: computador > telefone fixo ou de telefone fixo > computador do interlocutor. Mas não pode usar a Internet (ou rede de SCM ) para ligar de um telefone da rede pública para outro também da rede pública.

50 Pontos de atenção em projetos de Telefonia IP A Telefonia IP será tão bom quanto a rede Projeto de rede de alta disponibilidade; QoS fim a fim + segurança; Supresas: modems, faxes, consoles de operadoras, aplicações de call center etc. Não há um modelo que atenda a todos; Projeto detalhado é necessário até a implementação; Voz é um serviço e gateways e PBX IP são aplicações rodando em servidores eles precisam ser administrados Suportes de TI integrados (dados e voz); Indentificar ferramentas de gerência: relatórios, monitoramento, administração, provisionamento etc.

51 Pontos de atenção em projetos de Telefonia IP Distribuição estratégica de equipamentos: Servidores Balancear carga e redundância No-breaks e geradores Gateways Alocados em NOCs No-breaks e geradores

52 Conclusão Telefonia IP já é uma realidade; Muitas empresas estão usando; Economia de até 90% nos custos com ligações; Padrão aberto; Wi-Fi +VoIP = Mobilidade; Convergência; Wi-Max +VoIP = Alta mobilidade Tendências VoIP como padrão de telefonia mundial!

VoIP: Falando Sobre IP

VoIP: Falando Sobre IP VoIP: Falando Sobre IP Introdução De Alexander Graham Bell à Telefonia IP Alexander Graham Bell ao telefone no lançamento do serviço telefônico entre Nova York e Chicago em 1892. Foto: NASA Introdução

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Apresentação Epaminondas de Souza Lage Epaminondas de Souza Lage popo@planetarium.com.br Formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas Industriais

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FÓRUM TÉCNICO CONSULTIVO TELEFONIA IP Carlos José Rosa Coletti AI Reitoria Lazaro Geraldo Calestini Rio Claro Tatiana Pinheiro de Brito IA São Paulo Valmir Dotta FCLAr - CSTI Walter Matheos Junior IFT

Leia mais

Comutação por pacotes

Comutação por pacotes VOIP O mercado Sistema Telebrás; Privatização ocorrida em 1.998; Abertura do setor, concorrência; Explosão da industria: Ericsson, Nortel, Siemens, Lucent, Avaya; Convergência; Comutação por circuito;

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos de um PABX IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos de um PABX IP, suas características e aplicações. PABX IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos de um PABX IP, suas características e aplicações. Alberto Mitsuo Sato Engenheiro de Eletrônica e Telecomunicações (CEFET-PR 88), com certificado da

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Atualmente existem 3 formatos mais comuns de serviços VoIP sendo oferecidos:

Atualmente existem 3 formatos mais comuns de serviços VoIP sendo oferecidos: VoIP VoIP (Voice over Internet Protocol) é uma tecnologia que permite a transmissão de voz, como dados através da internet. A tecnologia funciona capturando a voz, que é analógica, e a transforma em pacotes

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br VoIP Voice Over IP lmedeiros@othos.com.br Índice O que Significa? Como funciona? Porque utilizar? Equipamentos VoIP Desvantagens Provedores VoIP Conclusão O que significa? VoIP é uma tecnologia que usa

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

Principais conceitos sobre a tecnologia VoIP

Principais conceitos sobre a tecnologia VoIP Principais conceitos sobre a tecnologia VoIP Emily Oliveira Rocha 1, Miguel Messias C. Lima², Rafael Santos³, Renato Gomes 4 Curso de Graduação em Sistemas de Informação Centro Universitário da Bahia (FIB)

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Flavio Gomes Figueira Camacho. QoS e VoIP no Mikrotik Flavio Gomes Figueira Camacho

Flavio Gomes Figueira Camacho. QoS e VoIP no Mikrotik Flavio Gomes Figueira Camacho Flávio Gomes Figueira Camacho Diretor de TI da Vipnet Baixada Telecomunicações e Informática LTDA, operadora de SCM e STFC. Engenheiro de Telecomunicações e professor do MBA da Universidade Federal Fluminense.

Leia mais

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens tendências EDIÇÃO 05 Dezembro/2012 Comunicação Unificada Introdução Como Implementar Quais as Vantagens Componentes das Comunicações Unificadas 02 04 05 06 Introdução Nos últimos anos, as tecnologias para

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas, Carlos Alberto Malcher Bastos, Marcos Tadeu von Lutzow Vidal, Milton Martins Flores Quem somos? Laboratório

Leia mais

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP SOPHO is3000 Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP Benefícios Soluções de comunicação híbrida para telefonia TDM e IP Convergência de voz e dados em uma plataforma de alto desempenho

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

Sumário. VoIP - Vantagens e Desafios. Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos. Rui Ribeiro. sip:racr@fccn.

Sumário. VoIP - Vantagens e Desafios. Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos. Rui Ribeiro. sip:racr@fccn. VoIP - Vantagens e Desafios Rui Ribeiro sip:racr@fccn.pt 19 Janeiro 2006 1 Sumário Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos 2 VoIP Introdução ao VoIP Definição

Leia mais

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS José Francisco Nonato Filho 1 Resumo. O presente trabalho versa sobre uma proposta de utilização da tecnologia de Voz sobre Internet Protocol (VoIP)

Leia mais

COMUNICAÇÃO ATRAVÉS DA TECNOLOGIA VoIP

COMUNICAÇÃO ATRAVÉS DA TECNOLOGIA VoIP COMUNICAÇÃO ATRAVÉS DA TECNOLOGIA VoIP Por: Sidney Ribeiro de Andrade1 Pérolla Chrystie Carvalho Dondo Gonçalves2 Júnior César Costa de Sousa2 Aline Martins Figueredo2 Patrícia Souza Pereira2 Nilma Campos2

Leia mais

Capítulo 08 VoIP Sumário

Capítulo 08 VoIP Sumário Capítulo 08 VoIP Sumário Conceitos... 341 Funcionalidade... 341 Funcionamento... 342 Dificuldades... 343 Confiabilidade... 344 Qualidade de Serviço... 344 Chamadas de Emergência... 345 Envio de Fax...

Leia mais

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz A tecnologia Voz sobre IP (VoIP) permite que o tráfego de uma comunicação telefônica ocorra numa rede de dados, como a Internet. Portanto, as ligações podem

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Manual básico de configuração ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Índice 1 Objetivo deste documento... 3 2 Entendendo o que é um ATA... 3 3 Quando utilizar o ATA... 4 4 Requisitos

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Thiago Santos de Amorim. IMPLANTAÇÃO DE QUALIDADE DE SERVIÇOS (QoS) EM UM AMBIENTE DE COMUNICAÇÕES UNIFICADAS (UC)

Thiago Santos de Amorim. IMPLANTAÇÃO DE QUALIDADE DE SERVIÇOS (QoS) EM UM AMBIENTE DE COMUNICAÇÕES UNIFICADAS (UC) Thiago Santos de Amorim IMPLANTAÇÃO DE QUALIDADE DE SERVIÇOS (QoS) EM UM AMBIENTE DE COMUNICAÇÕES UNIFICADAS (UC) Palmas 2010 Thiago Santos de Amorim IMPLANTAÇÃO DE QUALIDADE DE SERVIÇOS (QoS) EM UM AMBIENTE

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP NCE - UFRJ Leandro C. G. Lustosa Paulo Henrique de A. Rodrigues Fabio David Douglas G. Quinellato Importância de Estatísticas de Qualidade Monitoramento

Leia mais

REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES

REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES 26/07/12 09:56 REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES das vantagens das redes convergentes valor agregado B) simplicidade C) praticidade D) operacionalização E) manutenção das vantagens do VoIP manutenção de

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

1. ITENS 4.3 ALÍNEAS A,B,C,D E ITEM 14.4 DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

1. ITENS 4.3 ALÍNEAS A,B,C,D E ITEM 14.4 DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC 1. ITENS 4.3 ALÍNEAS A,B,C,D E ITEM 14.4 DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Quanto ao item 4.3, entendemos que os prazos expostos no edital são para

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

TRABALHO DE TELEFONIA IP

TRABALHO DE TELEFONIA IP 1 Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP QoS - Serviços Diferenciados Equipe: Afonso Sousa Jhonatan Cavalcante Israel Bezerra Wendel Marinho Professor: Fabio Fortaleza/2014.1

Leia mais

Estudo e Implantação de Solução de Voz Sobre IP Baseadas em Softwares Livres

Estudo e Implantação de Solução de Voz Sobre IP Baseadas em Softwares Livres Estudo e Implantação de Solução de Voz Sobre IP Baseadas em Softwares Livres Felipe Nogaroto Gonzalez Bacharelado em Sistemas de Informação Instituto Superior Tupy Orientador:

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Guia do usuário Placa VoIP

Guia do usuário Placa VoIP Guia do usuário Placa VoIP Versão 02/07 Caro usuário, Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa VoIP é um acessório que poderá ser utilizado em todas as

Leia mais

RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS NAS INSTALAÇÕES DO CRSPE/INPE - MCT

RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS NAS INSTALAÇÕES DO CRSPE/INPE - MCT MINISTERIO DA CIENCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS CENTRO REGIONAL SUL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE/CRSPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UFSM RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS

Leia mais

2ª Edição Alexandre Keller

2ª Edição Alexandre Keller Asterisk na prática 2ª Edição Alexandre Keller Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra,

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIX GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP 1. Introdução Muitas empresas ao redor do mundo estão conseguindo economizar (e muito) nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. Tudo isso se deve a uma tecnologia chamada (Voz sobre IP).

Leia mais

IPv6@ESTG-Leiria Projecto de VoIP em IPv6

IPv6@ESTG-Leiria Projecto de VoIP em IPv6 IPv6@ESTG-Leiria Projecto de VoIP em IPv6 Hugo Alexandre de Oliveira Eng. Informática e Comunicações 21 de Fevereiro de 2006 1 Sumário Enquadramento e Objectivos Introdução teórica Arquitecturas de telefonia

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Série SV8000 UNIVERGE 360 UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Tudo a ver com mudança E estar preparado para ela Com UNIVERGE360 você estabelece a direção. O ambiente de trabalho está

Leia mais

Acessando o ATA. Essa configuração pode ser realizada através dos seguintes passos:

Acessando o ATA. Essa configuração pode ser realizada através dos seguintes passos: CONFIGURAÇÃO DO ATA SIEMENS SPEEDSTREAM 3610 o computador para acessar o ATA Acessando 1. o computador para acessar. Para realizar a configuração d, é necessário que o computador que será utilizado esteja

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

CENÁRIO ATUAL DA UTILIZAÇÃO DOS SOFTWARES DE VOIP

CENÁRIO ATUAL DA UTILIZAÇÃO DOS SOFTWARES DE VOIP CENÁRIO ATUAL DA UTILIZAÇÃO DOS SOFTWARES DE VOIP CRUZ, Alexander Junio Felipe da (1); SANTOS, Danilo Fernandes dos (1); ARAÚJO, Diego Castell Vieira de (1); ARAÚJO, Fábio Edson Rabelo de (1); SANTOS,

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente Sistema M75S Sistema de comunicação convergente O sistema M75S fabricado pela MONYTEL foi desenvolvido como uma solução convergente para sistemas de telecomunicações. Com ele, sua empresa tem controle

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito GUIA RÁPIDO DARUMA Viva de um novo jeito Dicas e Soluções para IPA210 Leia atentamente as dicas a seguir para configurar seu IPA210. Siga todos os tópicos para que seja feita a configuração básica para

Leia mais

MODELOS XDS TRDS RDS

MODELOS XDS TRDS RDS MODELOS XDS RDS TRDS FLEXIBILIDADE Modelo Slots Troncos IP Ramais IP XDS 14 160 300 Portas TDM Portas IP Portas Total 160TIP + 300RIP 0 460 460 1 E1 + 312RA 342 0 342 2 E1 + 288RA 348 0 348 3 E1 + 264RA

Leia mais

Soluções Corporativas usando VoIP. Este tutorial apresenta algumas das soluções corporativas de comunicação de Voz baseadas em VoIP.

Soluções Corporativas usando VoIP. Este tutorial apresenta algumas das soluções corporativas de comunicação de Voz baseadas em VoIP. Soluções Corporativas usando VoIP Este tutorial apresenta algumas das soluções corporativas de comunicação de Voz baseadas em VoIP. Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79), tendo atuado nas áreas

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Vídeo Sob Demanda Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Agenda Introdução Definição do Serviço VoD Desafios do Serviço Tecnologia Necessária Estudo de

Leia mais