Redes convergentes de alta velocidade. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes convergentes de alta velocidade. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com www.alessandrobianchini.com.br"

Transcrição

1 Redes convergentes de alta velocidade Eng. Alessandro Coneglian Bianchini

2 Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança da informação; formado em engenharia elétrica com ênfase em telecomunicações pela Escola de Engenharia Mauá-SP, pós-graduado em segurança da informação pelo IBTA-SP e também pós-graduado em engenharia de rede e sistema de telecomunicações pelo INATEL-MG; Possui certificações de fabricantes como Cisco,Allied Telesyn, Fortinet e Vmware. 2

3 Certificações VCP 4 Vmware Certified Professional 4.0 VCP 3 Vmware Certified Professional 3.0 ITIL v3 Foundation CCNP - Cisco Certified Network Professional CCDP - Cisco Certified Design Professional CCVP - Cisco Certified Voice Professional CCSP - Cisco Certified Security Professional CCNA - Cisco Certified Network Associate CCDA - Cisco Certified Design Associate CAWDS Cisco Advanced Wireless Design Specialist CAWFS Cisco Advanced Wireless Field Specialist CISS - Cisco Information Security Specialist CIOSSS - Cisco IOS Security Specialist CFWS - Cisco Firewall Specialist CIPSS - Cisco IPS Specialist FCNSA- Fortinet Certified Network Security Administrator FCNSP - Fortinet Certified Network Security Professional CAIR Certified Allied installation Router CAIS Certified Allied installation switch CASE Certified Allied system engineer 4011 Recognition - CNSS (Committee on National Security Systems) 4013 Recognition CNSS (Committee on National Security Systems) 3

4 Redes Convergentes de Alta Velocidade Rede Digital de Serviços Integrados - RDSI (ISDN). Redes Frame Relay. Redes ATM(Asynchronous Transfer Mode). MultiProtocol Label Switching (MPLS) Qualidade de Serviço (QoS). Voz sobre IP. Tecnologias DSL: ADSL, SDSL, VDSL. Power Line Communications (PLC). Redes HFC (Hybrid Fiber-Coaxial). 4

5 VOIP e QOS

6 Agenda Objetivo Requisitos da telefonia tradicional Requisitos da infra-estrutura física para VOIP Conceito de VoIP x ToIP Conceitos gerais de VoIP QOS Marcação de pacote Política de QOS Aplicação das políticas Analise de funcionalidade dos dispositivos de rede existentes Switch Roteador Wireless Firewall Gerenciamento 6

7 Objetivo Tutorial tem por objetivo demonstrar de uma maneira prática e objetiva os cuidados que devemos ter em projetos de Voz sobre IP nos mais diversos ambientes. 7

8 Requisitos da telefonia tradicional PSTN DG Ramais par 8

9 Requisitos da infra-estrutura física para VOIP PABX IP switch Fonte Alternativa de energia 9

10 Interligação de Telefonia Tradicional Matriz Filial PSTN 10

11 TOIP x VOIP O que é VOIP? Voz sobre IP O que é TOIP? Telefonia sobre IP 11

12 VoIP x ToIP Matriz Filial PSTN V V PABX IP WAN PABX IP 12

13 Arquitetura Centralizada x Distribuída Distribuída PABX IP WAN PABX IP Centralizada PABX IP WAN 13

14 Conceitos Básicos de VoIP

15 Pacote de VOZ IP 20B UDP 8B RTP 12B VOZ 160B G.711 (20 ms) 20B G.729 (20 ms) 15

16 Pacote de VOIP IP UDP RTP VOZ Codificada IP UDP RTP VOZ VOZ VOZ VOZ 16

17 RTP Real Time Protocol Foi projetado para permitir que os receptores compensem o jitter, a perda de seqüência dos pacotes introduzidos pela rede IP Pode ser usado para qualquer fluxo de dados em tempo real como voz e vídeo É usado em cima do UDP É sempre uma porta PAR 17

18 Pacote RTP V P X CC M Tipo de payload Numero de seqüência Timestamp Identificador de fonte de sincronização (SSRC) Identificador de fonte Contribuinte (CSRC) não usado no H323 Depende do perfil Tamanho Dados (voz e Vídeo) 18

19 Pacote RTP V são 2 bits que indica a versão do RTP P Indica se o payload sofreu algum enchimento para fins de alinhamento X Indica a presença de extensões do cabeçalho CC contador de 4 bits que informa quantos identificadores CSRC vem após o cabeçalho fixo M marcador de 1 bit é definido pelo perfil do RTP, informa que para codificações de áudio que supressão de silencio, ele deve ser colocado em 1 19

20 Pacote RTP cont. Tipo de payload 7 bits que indica o tipo de dado que esta sendo carregado, este payloads estáticos estão definidas na RFC 1889 e na RFC

21 Tipo de payload PT Codec Aplicação 0 PCM u-law Voz 8 PCM A-LAW Voz 9 G.722 Voz 4 G.723 Voz 15 G.728 Voz 18 G.729 Voz 34 H.263 Vídeo 31 H.261 Vídeo 21

22 Pacote RTP Numero de seqüência 16 bits, e começa com um valor aleatório e é incrementado a cada pacote RTP Timestamp 32 bits, uma forma de mostrar o timestamp é a quantidade de segundos passado desde 01/01/1900 às 00:00 Identificador de fonte de sincronização(ssrc) fonte de fluxo RTP identificada, identificada por 32 bits, todos os pacote RTP com um SSRC comum possuem a mesma referencia de tempo Identificador de fonte contribuinte (CSCR) Quando um fluxo RTP é resultado de uma combinação de vários fluxos contribuintes feita por um misturador (mixer)rtp a lista com os SSRC de cada um dos fluxos contribuintes é adicionadas ao cabeçalho RTP do fluxo resultante, como uma lista de CSRCs. 22

23 Data-Link Overhead Frame-Relay Ethernet 802.1Q 6 Bytes 18 Bytes 22 Bytes 23

24 Outros Overhead Protocolo Overhead IPSEC Modo transporte 30-53B IPSEC Modo Túnel 50-73B L2TP/GRE 24B MPLS 4B PPoE 8B 24

25 Propriedade da fala Silence Compression fala silêncio fala sem pacote pacote pacote Economia de ± 35% Com VAD 25

26 CODEC Padrão G.711 G.729 G.723 GSM TDMA CDMA Data aprovação Taxa de transmissão Tipo de codificador 64K 8K 6.3K/5. 3K PCM CS- ACELP CS- ACELP 5.6K 7.95K 8/4/2/1 VCELP VCELP Qualcom CELP Qualidade de voz (MOS) /

27 Ocupação de Banda 27

28 QoS Qualidade de Serviço CONCEITO 28

29 Conceitos de QOS Identificação: Marcação de Pacote(TOS),Frame (COS), Protocolo (TCP,UDP,etc) e Porta(http/80) Política (regras): Limitação de Banda Níveis de prioridade Descarte Aplicação da politica: Aplicação da politica na interface Mecanismo de fila 29

30 QoS MODELO OSI 30

31 QoS MARCAÇÃO CAMADA 2 Bits de prioridade dos TAGs IEEE 802.1Q Campo CoS: Class of Service (IEEE 802.1p) 31

32 QoS MARCAÇÃO CAMADA 3 Campos TOS Campo ToS (Type of Service) 32

33 Analise da marcação do pacote 33

34 MECANISMO DE QoS 34

35 PERFIL DE TRÁFEGO X REQUISITOS DE QoS 35

36 Políticas de QOS Existem diversas maneiras de criar as políticas de QOS, isto é dependente de cada Fabricante. Exemplo: Tráfego Banda Fila Prioridade Voz 512Kbps PQ Alta Vídeo 256Kbps WRR Media Internet 256Kbps FIFO Baixa 36

37 Algoritmos de Filas FIFO (Firt in, First out) PQ (Priority queuing) RR (Round Robin) Weighted Round Robin (WRR) 37

38 Filas de QOS 38

39 Gerenciamento congestionamento Tail drop Random Early Detection (RED) Weighted Early Detection (WRED) 39

40 Aspectos gerais de QOS CODEC fila serialização fila Buffer Tx WAN IP Rx propagação CODEC 40

41 Recomendação ITU-T (G.114) 0 a 150 ms - Aceitável para a maioria das aplicações 150 a 400 ms - Deve ser avaliado o impacto na qualidade da aplicação acima de 400 ms - Geralmente inaceitável 41

42 Fragmentação 56K FXS R1 s0 WAN s0 R2 FXS X X4321 Tempo de espera de um pacote VOIP = 188 ms Pacote de DADOS de 1500 Bytes Fragmentação e Interleaving com FRF

43 Recomendação Banda (Kbps) Fragmentos (byte) acima Não é necessário 43

44 Efeito Jitter mesmo tempo entre pacotes tempos diferentes entre pacotes WAN IP Jitter = Variação do Atraso 44

45 Conceito de Buffer Estático Dinâmico 45

46 Efeito Jitter mesmo tempo entre pacotes tempos diferentes entre pacotes Buffer WAN IP Recomendado: Inferior 30ms mesmo tempo entre pacotes 46

47 Perda de pacote Enviou 6 pacotes WAN Recomendado: Inferior 1% Recebeu 5 pacotes

48 Analise dos requisitos 48

49 QOS em Switch com suporte 802.1p COS5 COS0 Entrada P1 Buffer P2 Buffer Analise / marcação COS3 Swich Política de QOS Fila 1 Fila 0 Fila 1 Fila 0 Scheduler Scheduler Saída DG Analise/marcação P1 - nada P2 - COS3 Política Cos5 fila1 alta prioridade Cos3 fila 0 - média prioridade 49

50 QoS Switches 2960/3560/3750 INGRESS 2 FILAS ENTRADA POR PORTA EGRESS 4 FILAS SAÍDA POR PORTA 4Q3T or 1P3Q3T Fila 1 pode ser configurada como Priority-Queue 50

51 QoS Switches 2960/3560/3750 HABILITAR QoS Habilitar qos no switch; Switch(config)# mls qos Switch(config)# show mls qos OBS: Alterar tabela de mapeamento cos-dscp se necessário (mapeamento default do switch converte cos=5 para dscp=40) Switch#sh mls qos maps cos-dscp Cos-dscp map: cos: dscp: Switch(config)# mls qos map

52 QoS Switches 2960/3560/3750 CLASSIFICAÇÃO E MARCAÇÃO PACOTES - Switches Catalyst: QoS em hardware (ASIC) - Marcação dos pacotes devem ser feitos o mais próximo da camada de acesso - Interconexão dos switches: Confiar na marcação ( trust ) para não perder a marcação QoS - Criar ACLs para classificar e marcar os pacotes 52

53 QoS Switches 2960/3560/3750 CLASSIFICAÇÃO E MARCAÇÃO PACOTES Exemplo 1) Classificar tráfegos: Voz classe Voz Sinalização de voz classe Sinalização Banco de Dados classe BcoDados 2) Marcar Pacotes: Voz Já marcado pelo PABX (ef), confiar na marcação Sinalização de Voz Já marcado pelo PABX (CS3), confiar na marcação Banco de Dados Marcar como af21 53

54 QoS Switches 2960/3560/3750 CLASSIFICAÇÃO E MARCAÇÃO PACOTES ip access-list extended Bco_Dados permit ip any any eq 1521 permit ip any any eq 1810 permit ip any any eq 2481 permit ip any any eq 7778 class-map Voz match ip dscp ef! Classifica tráfego Voz class-map Sinalizacao match ip dscp cs3! Classifica tráfego Sinalizaçao Voz class-map BancoDados match access-group name Bco_Dados! Classifica tráfego Banco Dados policy-map Exemplo_QoS class Voz trust dscp! Confia na marcação class Sinalizacao trust dscp! Confia na marcação class BancoDados set dscp af21! Marca tráfego Banco Dados para af21 Interface gigabitethernet 1/0 service-policy input Exemplo_QoS! Aplica politica Exemplo_QoS criada na interface 54

55 QoS Switches 2960/3560/3750 POLICING Permite adequar o tráfego em torno de uma taxa média, com rajadas de intensidade controlada Ação: - Descartar excedente (exceed action drop) - Marcar com prioridade menor (exceed action dscp) EXEMPLO: Policiar tráfego de Dados em 10Mbps com DSCP AF11. Descartar excedente policy-map Exemplo_QoS class Dados set ip dscp af11 police exceed-action drop 55

56 QoS Switches 2960/3560/3750 QUEUING Configuração Default para as Filas de Entrada e Saída 56

57 QoS Switches 2960/3560/3750 QUEUING fila mls qos srr-queue output cos-map queue 1 threshold 3 5 mls qos srr-queue output cos-map queue 2 threshold mls qos srr-queue output cos-map queue 3 threshold cos mls qos srr-queue output cos-map queue 4 threshold 2 1 mls qos srr-queue output cos-map queue 4 threshold 3 0 mls qos srr-queue output dscp-map queue 1 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 2 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 2 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 2 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 3 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 3 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 4 threshold 1 8 mls qos srr-queue output dscp-map queue 4 threshold mls qos srr-queue output dscp-map queue 4 threshold dscp 57

58 QoS Switches 2960/3560/3750 Shaped Round-Robin (SRR) Shaper (Especifica Banda MAXIMA) Shared (especifica Banda MINIMA) Controla a taxa no qual os quadros são retirados das filas SRR pode ser configurado como: SHAPED MODE: Cada fila de saída possui uma quantidade de banda limitada Mesmo que a banda de outras filas não esteja sendo utilizada, a banda de uma fila nunca é excedida. Suportado somente na fila de saída. SHARED MODE: Garante um mínimo de banda para cada fila (em porcentagem) mas permite uma maior utilização caso as outras filas estejam ociosas. Suportado nas filas de entrada e saída 58

59 QoS Switches 2960/3560/3750 Shaped Round-Robin (SRR) SHAPED MODE: Filas 1 e 2 Shaped Mode - Fila 1 pode usar no máximo 1/8 da banda (12,5%) - Fila 2 pode usar no máximo 1/4 da banda (25%) Filas 3 e 4 Shared Mode 59

60 QoS Switches 2960/3560/3750 Shaped Round-Robin (SRR) SHARED MODE: Filas 1, 2, 3, 4 Shared Mode - Fila 1 pode usar no mínimo 10% da banda - Fila 2 pode usar no mínimo 20% da banda - Fila 3 pode usar no mínimo 30% da banda - Fila 4 pode usar no mínimo 40% da banda OBS: Shape tem precedência sobre Share srr-queue bandwidth share srr-queue bandwidth shape

61 QoS Switches 2960/3560/3750 SHAPING X POLICING 61

62 QoS Switches 2960/3560/3750 Shaped Round-Robin (SRR) As 4 Filas participam do SRR, a menos que seja habilitada Priority Queue (Fila 1). Os pacotes do Priority Queue são encaminhados antes das outras filas até esvaziamento do buffer. interface gi 1/0/1 priority-queue out 62

63 QoS Switches 2960/3560/3750 WTD WEIGHTED TAIL DROP WTD: as filas utilizam um algoritmo de descarte ponderado, baseado na classificação dos quadros: Novos quadros com Cos 4-5 são descartados quando a fila atinge 60% da taxa de ocupação 63

64 QoS Switches 2960/3560/3750 AUTOQoS Configuração de QoS para VOZ Habilita QoS Trust em cisco-phone, cisco-softphone and cos Altera tabela COS-DSCP Configuração filas 64

65 QoS Switches 2960/3560/3750 AUTOQoS Com voip trust 65

66 QoS Switches 2960/3560/3750 AUTOQoS Com voip trust 66

67 QoS Switches 2960/3560/3750 AUTOQoS Com voip cisco-softphone 67

68 QoS Switches 2960/3560/3750 AUTOQoS Com voip cisco-softphone 68

69 QoS Switches 2960/3560/3750 AUTOQoS Com voip cisco-softphone 69

70 QoS Switches 2960/3560/3750 AUTOQoS Com voip cisco-softphone 70

71 QoS Switches 2960/3560/3750 AUTOQoS Com voip cisco-phone 71

72 Análise de funcionalidade dos dispositivos de rede

73 Dispositivos de Rede Switch VLAN Spanning-tree QOS Redundância Power Over Ethernet(POE) 73

74 Efeito do Broadcast 74

75 VLAN 75

76 Efeito do Broadcast com VLAN Vlan 2 Vlan 1 Vlan 2 Vlan 1 Vlan 1 76

77 VLAN 77

78 Spanning-tree 78

79 Spanning-tree 79

80 Funcionalidade de QOS do Switch 802.1P Mapeamento de IP precedence para COS Mapeamento de DSCP para COS Rate-limit ACL (lista de Acesso) MIB especifica de QOS Mecanismo de descarte RED/WRED 80

81 Análise de QOS D V 81

82 Redundância Cluster Fonte Alternativa De energia 82

83 Alimentação do Telefone IP Fonte AC/DC Power Injector Switch com Power Over Ethernet 83

84 Power Over Ethernet Tipos Cisco Inline power (CILP) proprietário Cisco IEEE 802.3af - padrão 84

85 Dispositivos de Rede Roteador / gateway Tipos de interface de Voz QOS Remarcação de pacote Tipos de Fila Fragmentação Manipulação de dígitos 85

86 Interface de Voz Analógicas FXS Foreign Exchange Station Interface que gera tom de linha FXO Utilizada para conexão de aparelhos telefônicos e posição de tronco em PABX's Foreign Exchange Office Interface que recebe tom de linha Utilizada para conexão de posição de ramais de PABX's e de linhas telefônicas analógicas E&M Ear and Mouth Eficiência depende de parametrizações detalhadas no PABX e no GW 86

87 Interface de Voz Digitais E1 30 Canais de voz R2 MFC (Brasil) T1 24 canais de voz PRI Primary rate interface T1 (23B + 1 D) E1 (30B + 1D) B (64Kbps) + D (64Kbps) BRI Basic rate interface 2B (64Kbps) + D (16Kbps) 87

88 QOS roteador / gateway Funcionamento similar dos switch Tipos de fila LLQ WFQ Política de descarte RED WRED Velocidades baixas Frame-Relay PPP HDLC ISDN (BRI ou PRI) 88

89 Remarcação de pacote DSCP AF31 EF IP3 IP5 89

90 Fragmentação 56K FXS R1 s0 WAN s0 R2 FXS X X4321 Tempo de espera de um pacote VOIP = 188 ms Pacote de DADOS de 1500 Bytes Fragmentação e Interleaving com FRF

91 Recomendação Banda (Kbps) Fragmentos (byte) acima Não é necessário 91

92 Manipulação de dígitos Transformação dos dígitos do usuário ,

93 Dispositivos de Rede Wireless Interferência Roaming Site survey QOS Wireless Outdoor 93

94 802.11b/g 94

95 a Lower band: 5.15Ghz à 5.25Ghz Uso indoor 4 canais nonoverlapping Middle band: 5.25Ghz à 5.35Ghz Uso indoor e outdoor 4 canais nonoverlapping Upper band: 5.725Ghz à 5.825Ghz Uso outdoor 4 canais nonoverlapping 95

96 Interferência Wireless Controller RF canal 1 RF canal 6 RF canal 11 96

97 Wireless handoff Subnet A Router Subnet B Wireless Cont. ))))) ))))) ))))) ))))) Recomendado: inferior 50 ms Intersecção: Dados: 5% à 10 % Voz 15% à 25% 97

98 Site survey Requisitos de survey para dados e voip são diferentes. Potência de transmissão e sensibilidade dos terminais wireless, podem ser diferentes dos notebooks. 54M 54M 48M 36M 48M 36M 98

99 Site survey Throughput a Distancia da (Mbps) Ap (m) b/g Distancia da Ap (m) x ,5 x x x

100 QOS em wireless e 8 filas padrão WMM Subset e 4 filas 100

101 QOS em Wireless 101

102 Mapeamento DSCP / 802.1P/802.11e 102

103 Enlace Wireless outdoor Tipo de enlace: Ponto à ponto Ponto-Multiponto (HUB and Spoke) 103

104 Ponto à ponto Freqüência utilizada Obstáculos Interferência Mecanismo de QOS 104

105 Ponto - Multiponto 105

106 Dispositivos de Rede Firewall ALG (Application layer gateway) NAT Segurança 106

107 H.323 Define principalmente a sinalização necessária para estabelecimento, conferencia,controle da chamada e escolha do CODEC É um conjunto de protocolo: Q.931,H.225,H.245,H

108 M ode m Bank Modem B ank Exemplo de uma chamada simples entre dois terminais 3344 GW1 GW * 8 # * 8 # Gateway FXS \24 Gateway FXS \24 108

109 Inicialização da chamada O H.323 usa um subconjunto do protocolo Q931 utilizado em ISDN, mensagem de sinalização para controle de chamada na interface Usuáriorede As seguintes mensagem fazem parte do núcleo do H323 e devem ser suportados por todos os terminais: Setup Alerting Connect Release complete Status Facility 109

110 Mod em Bank Modem Ban k * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # H.225 Endereço H :

111 Estabelecendo o canal de controle Canal H245 é mantido durante toda a chamada Negociação de capacidades Canal H245 é único entre dois terminais, mesmo se existir vários fluxo de mídia 111

112 Mod em Bank Modem Ban k * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # H.245 G.711 A-LAW G.729 G.711 A-LAW G

113 Inicio da chamada GW1 abre canal de mídia de vos no GW2 Canal é unidirecional Utiliza-se os codecs negociados na fase anterior 113

114 Mod em Bank Modem Ban k * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # H.245 Canal lógico 1 RR RTCP 7771 RTP 7770 G711 A LAW Canal lógico 1 SR RTCP 9345 RTP

115 Dialogo O usuário com o telefone 1122 está falando com o usuário do telefone 3344 Os pacotes RTCP SR enviados por GW1 são usado por GW2 para que este sincronize os múltiplos fluxos RTP e também para estimar a taxa de espera Os pacotes RTCP RR enviados por GW2, permite que GW1 meça a qualidade de serviço entre eles 115

116 Mod em Bank Modem Ban k * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # Fluxo RTP GW1 para GW2 Canal lógico 1 RR RTCP 7771 RTP 7770 RTCP RR RTCP SR Canal lógico 1 SR RTCP 9345 RTP 9344 Canal H245 TCP 8999 Mensagens de controle Canal H245 TCP

117 Finalização de uma chamada Quem for finalizar a chamada deve enviar uma mensagem H245 Close Logical Channel para cada canal lógico que foi aberto E o destino enviar Close Logical Channel ACK Depois todos os canais lógicos devem ser fechados, O GW1 envia o comando EndSessionCommand Espera a confirmação do GW2 e canal de controle H.245 é fechado E os dois terminais devem enviar uma mensagem H225 release complete 117

118 Mod em Bank Modem Ban k * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # Canal H245 TCP 8999 Close Logical Channel Close Logical Channel ACK Canal H245 TCP 8741 Canal lógico 1 RR RTCP 7771 RTP 7770 Canal H225 TCP 1720 Fluxo RTP GW1 para GW2 X RTCP RR RTCP SR End Session Comand End Session Comand Release Complete Release Complete Canal lógico 1 SR RTCP 9345 RTP 9344 Canal H225 TCP

119 Modem Bank Mo dem B ank Chamadas utilizando Gatekeeper Gatekeeper Server GW1 GW * 8 # * 8 # Gateway FXS \24 Gateway FXS \24 119

120 Gateway se registra no Gatekeeper O gateway envia uma mensagem RAS RRQ (registration Request) porta UDP 1719 O gatekeeper confirma com uma mensagem RCF (registration Confirm), na qual o gatekeeper designa um identificador único para esse terminal e deverá ser copiado em em todas as mensagens RAS subseqüentes 120

121 Modem Bank Mo dem B ank Registro no gatekeeper Gatekeeper Server 1122 RRQ RCF 3344 GW1 GW * 8 # * 8 # Gateway FXS \24 Gateway FXS \24 121

122 Pedindo permissão para fazer uma chamada ARQ (Admission Request) Numero sequencial Identificador do terminal Tipo de chamada (fim-fim) Informação de destino E.164 CallID Estimativa de largura de banda ACF (Admission Confirm) 122

123 Modem Bank Modem Bank 1122 Server Gatekeeper * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # ARQ quero falar 3344 ACF :1720 SETUP ARQ ACF Alerting Connect 123

124 Finalizando uma chamada DRQ (Disangage Request) para avisar para o gatekeeper que a largura de banda foi liberada DCF (Disangage Confirm) 124

125 M o d em B a n k M o d em B a n k * 8 # * 8 # Canal H245 TCP 8999 Canal lógico 1 RR RTCP 7771 RTP 7770 G W 1 G W 2 G a t e w a y F X S \ 2 4 S e r v e r Frame Relay G a t e k e e p e r Close Logical Channel Close Logical Channel ACK Fluxo RTP GW1 para GW2 X RTCP RR RTCP SR End Session Comand End Session Comand G a t e w a y F X S \ 2 4 Canal H245 TCP Canal lógico 1 SR RTCP 9345 RTP 9344 Canal H225 TCP 1720 Release Complete Release Complete DRQ Canal H225 TCP 1720 DRQ DCF DCF 125

126 FAX sobre IP T.30 T

127 Serviços suplementares H.450 H descreve o protocolo funcional genérico para o suporte de serviço suplementares no H.323 H descreve o serviço suplementar para transferência de chamada H Desvio de chamada H450.4 Hold H Call park H Call Waiting H Message Waiting indication MWI H Name Identification H Call Completation H Call Offer H Call Intrusion 127

128 SIP ( Session Initiation Protocol) Definido pela RFC 3261 SDP (Session Description Protocol) RFC2237 SAP (Session Announcement Protocol) RTSP (Real Time Stream Protocol) para controlar os servidores de dados de tempo real. SCCP(Simple Conference Control Protocol) 128

129 Modem Ba nk Modem Bank Exemplo de uma chamada simples entre dois terminais 3344 GW1 GW * 8 # * 8 # Gateway FXS \24 Gateway FXS \24 129

130 Mod em Bank Modem Bank * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # Invite C=IN IP M=áudio RTP/AVP OK ACK Porta G.711 INVITE 200 -OK ACK G.729 Porta

131 Mod em Bank Modem Bank Rejeição de CODEC * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # 0 G.711 Invite C=IN IP M=áudio RTP/AVP Not Acceptable Aviso: 370 insufucient bandwith C=IN IP M=áudio RTP/AVP GSM 4 G

132 Mod em Bank Modem Bank Proxy de Transcodificação * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # Invite C=IN IP M=áudio RTP/AVP Not Acceptable Aviso: 370 insufucient bandwith C=IN IP M=áudio RTP/AVP 3 4 Invite C=IN IP M=áudio RTP/AVP 0 Server Invite C=IN IP M=áudio 23432RTP/AVP 3 GSM

133 Mod em Bank Modem Bank Chamada - Ocupado * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # Invite C=IN IP M=áudio RTP/AVP Busy Here ACK 133

134 Mod em Bank Modem Bank Finalizando uma chamada * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # BYE OK 134

135 Mod em Bank Modem Bank Sinalização de uma chamada completa * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # INVITE OK ACK BYE Conversa Ativa OK 135

136 Modem Bank Modem Bank 1122 Server Proxy SIP * 8 # GW1 Gateway FXS \24 Frame Relay GW2 Gateway FXS \ * 8 # INVITE INVITE OK OK ACK ACK 136

137 Chamada entre gateways atrás de Firewall Firewall bloqueia ou libera o pacote através de por exemplo IP, Porta, etc. As portas das aplicações são bem defindas. VOIP utiliza portas dinâmica Como eu faço para implementar VOIP atras de um Firewall? 137

138 Modem Bank Modem Ban k 3344 GW1 GW INTERNET * 8 # * 8 # Gateway FXS \24 Gateway FXS \24 H.225 Endereço H :

139 Chamada entre gateways atrás de NAT Endereços privados não são roteados na internet O Payload traz informação do endereço ip do canal de voz Como posso ter uma conexão de voz atras de NAT? 139

140 Modem Bank Modem Ban k 3344 GW1 GW INTERNET * 8 # * 8 # Gateway FXS \24 Gateway FXS \24 H.225 Endereço H :

141 Modem Bank Modem Bank Protocolo H GW1 GW Frame Relay * 8 # * 8 # Gateway FXS \24 Gateway FXS \24 H.225 Endereço H :

142 Modem B ank Modem B ank Protocolo H GW1 NAT NAT GW * 8 # * 8 # Gateway FXS \ Gateway FXS \24 H.225 Endereço H :

143 Exemplo H

144 Mode m Ba nk Modem Bank Protocolo SIP 3344 GW1 GW Frame Relay * 8 # * 8 # Gateway FXS \24 Gateway FXS \24 Invite C=IN IP M=áudio RTP/AVP OK ACK Porta G

145 Exemplo - SIP 145

146 Segurança Registration of Terminal (First REGISTER Process) NEAX 2400 IPX/SV7000 Tentative Encryption Key Send Signaling Encryption Key Making a Call ( Session Establishment) Signaling Encryption Key NEAX2400 IPX/SV7000 Signaling Encryption Key Call Established Voice RTP Encryption Key Voice RTP Encryption Key will be sent by each call. NEAX2400 IPX/SV7000 Voice RTP Encryption Key Secure RTP(SRTP) 146

147 Gerenciamento Protocolo SNMP MIB especificas de QOS Roteador Switch Firewall Wireless 147

148 Protocolo SNMP Ethernet Frame IP Packet UDP Datagram SNMP Message CRC UDP Port SNMP Messages UDP Port SNMP Trap Messages SNMP tem basicamente seis comandos (1) GetRequest (GET) (2) GetNextRequest (GetNext) (3) GetResponse (Response) (4) SetRequest (Set) (5) Trap (6) SNMP Walk 148

149 SNMP - GET manager get agent MIB response Get Response ( PABX IP) Gerenciador SNMP -NMS 149

150 SNMP - TRAP manager agent trap Gerenciador SNMP -NMS

151 Gerenciamento 151

152

Infra-estrutura de telefonia IP. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Infra-estrutura de telefonia IP. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Infra-estrutura de telefonia IP Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de

Leia mais

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com VOIP H323 e SIP Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Projeto e Desempenho de Redes - aula 1 e 2. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Projeto e Desempenho de Redes - aula 1 e 2. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Projeto e Desempenho de Redes - aula 1 e 2 Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração

Leia mais

Segurança da Informação Parte 3. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Segurança da Informação Parte 3. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Segurança da Informação Parte 3 Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Wireless 802.11n. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Wireless 802.11n. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Wireless 802.11n Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Tecnologia 802.1X. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Tecnologia 802.1X. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Tecnologia 802.1 Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Gerenciamento de rede. Alessandro C. Bianchini

Gerenciamento de rede. Alessandro C. Bianchini Gerenciamento de rede Alessandro C. Bianchini Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless,

Leia mais

Teste de invasão. alessanc@gmail.com

Teste de invasão. alessanc@gmail.com Teste de invasão alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

VoIP com QoS (Linux e Cisco)

VoIP com QoS (Linux e Cisco) VoIP com QoS (Linux e Cisco) Sistemas Telemáticos, 2005 costa@di.uminho.pt, macedo@di.uminho.pt Sumário l Caso de estudo: VoIP Telefone VoIP com sinalização SIP l Definição de uma política de QoS adequada

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

TRABALHO DE TELEFONIA IP

TRABALHO DE TELEFONIA IP 1 Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP QoS - Serviços Diferenciados Equipe: Afonso Sousa Jhonatan Cavalcante Israel Bezerra Wendel Marinho Professor: Fabio Fortaleza/2014.1

Leia mais

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Consumo de Banda Codec Taxa de Amostragem (ms) Payload de voice (bytes) Pacotes por segundo Largura de banda consumida G.711 20 160 50 80 kbps G.711

Leia mais

Eng. Alessandro Coneglian Bianchini

Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Apresentação Alessandro ConeglianBianchiniexerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança

Leia mais

Conceitos de RF e Wireless Outdoor. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Conceitos de RF e Wireless Outdoor. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Conceitos de RF e Wireless Outdoor Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ H.323 Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Histórico de H.323 Início: SG-16 do ITU-T (Maio 1995) H.323 v1, Jun 1996 H.323 v2, Fev 1998 H.323: Packet-based multimedia communication systems

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Qualidade de serviço de voz sobre IP

Qualidade de serviço de voz sobre IP Qualidade de serviço de voz sobre IP Índice Qualidade de serviço de voz sobre IP Visão Geral de QoS para VoIP Largura de Banda Suficiente Classificação de pacote Visão Geral da Classificação de Pacotes

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

I WORKSHOP DE TECNOLOGIA DE REDES Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis

I WORKSHOP DE TECNOLOGIA DE REDES Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 Serviço QoS PoP-SC Rodrigo Pescador/Guilherme Rhoden PoP-SC/RNP Inserir

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

Disciplinas. Conservativa. Não conservativa

Disciplinas. Conservativa. Não conservativa Políticas de Filas Fila FCFS ou FIFO Serve pacotes na ordem de chegada e descarta quando fila está cheia Não discrimina pacotes O atraso médio de uma fila FIFO é usado para comparação com outras disciplinas

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Criptografia e Certificação digital. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Criptografia e Certificação digital. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Criptografia e Certificação digital Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos

Leia mais

Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos para se prover QoS Dejitter buffer Classificação do tráfego Priorização do tráfego Controle de congestionamento Policiamento

Leia mais

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF)

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Abstract. This paper describes a little bit of the VoIP tecnologie.

Leia mais

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy Convergentes e Heterogêneas Prof. Marcos Argachoy REDES CONVERGENTES Cont./ Principais preocupações: Disponibilidade de Banda Valor Máximo de Atraso (ligação com sinal de câmbio) Jitter Perda de Pacotes

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP)

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) Capítulo 9 Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) 9.1 Introdução A rede de computadores foi utilizada nos seus primórdios do seu funcionamento, principalmente, para transmitir e receber mensagens

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Rede ethernet. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini

Rede ethernet. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Rede ethernet Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless,

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

Application Notes: QoS Básico. Exemplo para aplicação de QoS

Application Notes: QoS Básico. Exemplo para aplicação de QoS Application Notes: QoS Básico Exemplo para aplicação de QoS Application Notes: QoS Básico Exemplo para aplicação de QoS. Data 15/03/2010, Revisão 1.2 Introdução Topologia e configurações do DmSwitch Aplicação

Leia mais

Protocolos Multimídia na Internet

Protocolos Multimídia na Internet Parte 2 Transporte de Mídia Tópicos em Sistemas de Computação Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Protocolos para transportar mídia Protocolos de aplicação Prof. Dr. Adriano Mauro

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

ESTUDO DOS PROTOCOLOS DA TELEFONIA IP E ANÁLISE DE UMA REDE DE VOZ SOBRE IP

ESTUDO DOS PROTOCOLOS DA TELEFONIA IP E ANÁLISE DE UMA REDE DE VOZ SOBRE IP ESTUDO DOS PROTOCOLOS DA TELEFONIA IP E ANÁLISE DE UMA REDE DE VOZ SOBRE IP Ronaldo Mafra Salgado rmsalgado@yahoo.com.br Thelma Virginia Rodrigues thelma@pucpcaldas.br Marcos Trevisan Vasconcelos marcostv@pucpcaldas.br

Leia mais

Qualidade de Serviço (QoS): Estudo de Caso de Otimização de Recursos na Rede

Qualidade de Serviço (QoS): Estudo de Caso de Otimização de Recursos na Rede Qualidade de Serviço (QoS): Estudo de Caso de Otimização de Recursos na Rede Este tutorial apresenta o estudo de uma solução baseada em problemas encontrados na rede de dados da empresa Eletrozema Ltda,

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Alessandrobianchini.com.br

Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Alessandrobianchini.com.br Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Alessandrobianchini.com.br Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com)

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) INF-207 Sistemas Computacionais para Processamento Multimídia Sistemas Multimídia Aula 04 Redes Multimídia 2 Q-20102010 Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) Prof. Marcelo Z. do Nascimento (marcelo.ufabc@gmail.com)

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

TP 318 Introdução às Redes Multimídia

TP 318 Introdução às Redes Multimídia Especialização em Telecomunicações TP 318 Introdução às Redes Multimídia Prof. Antônio M. Alberti Prof. José Marcos C. Brito 1 Tópicos Introdução RTP RSTP RTCP Arquitetura SIP Arquitetura OPT Referências

Leia mais

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO O crescimento vertiginoso que a Internet experimentou nos últimos anos colocou o protocolo IP em uma posição

Leia mais

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução Parte 3 1 2 1 - Introdução VoIP - Voz sobre IP Uma revolução está para acontecer no ambiente de telecomunicação. Há décadas, desde a invenção do telefone, que a exigência básica para uma comunicação telefônica

Leia mais

Guia do usuário Placa VoIP

Guia do usuário Placa VoIP Guia do usuário Placa VoIP Versão 02/07 Caro usuário, Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa VoIP é um acessório que poderá ser utilizado em todas as

Leia mais

Cap. 2 O nível aplicação. (3ª parte)

Cap. 2 O nível aplicação. (3ª parte) Cap. 2 O nível aplicação (3ª parte) Nota prévia A estrutura da apresentação é semelhante e utiliza algumas das figuras, textos e outros materiais do livro de base do curso James F. Kurose and Keith W.

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Equipe: Afonso Sousa, Jhonatan Cavalcante, Israel Bezerra, Wendel Marinho Professor: Fabio

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONTROLE QUALIDADE DE SERVIÇOS QOS

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONTROLE QUALIDADE DE SERVIÇOS QOS INSTRUÇÃO NORMATIVA CONTROLE QUALIDADE DE SERVIÇOS QOS Dispõe acerca de normas referentes à segurança da informação no âmbito da CILL Informática S/A. Goiânia-Go, novembro de 2015 Política de Segurança

Leia mais

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 CAPÍTULO 01 I TRODUÇÃO O crescimento vertiginoso que a Internet experimentou nos últimos anos colocou o protocolo IP em uma posição

Leia mais

REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES

REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES 26/07/12 09:56 REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES das vantagens das redes convergentes valor agregado B) simplicidade C) praticidade D) operacionalização E) manutenção das vantagens do VoIP manutenção de

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Gestão de tráfego Novembro de 2014 1 Tratamento diferenciado do tráfego de rede As ligações de rede são recursos de capacidade limitada, partilhadas por um grande número

Leia mais

Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz Cancelamento de eco. Ideal para operadoras VoIP que trabalham com venda de CDR personalizável

Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz Cancelamento de eco. Ideal para operadoras VoIP que trabalham com venda de CDR personalizável USER MEDIA GATEWAY E1 AND VOIP Principais Características Aplicações Típicas Transcoding nos 30 canais Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz Cancelamento de eco por rede IP. Suporte SNMP

Leia mais

Universidade Santa Cecília - UNISANTA. Voz Sobre IP. Aspectos de Qualidade. Qualidade de Serviço

Universidade Santa Cecília - UNISANTA. Voz Sobre IP. Aspectos de Qualidade. Qualidade de Serviço Universidade Santa Cecília - UNISANTA Voz Sobre IP Aspectos de Qualidade Prof. Hugo Santana 2004 Qualidade de Serviço 1. Introdução: conceitos e definições. 2. Mecanismos utilizados: Classificação e priorização

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere:

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere: TE090 - Prof. Pedroso 30 de novembro de 2010 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Considere: I. O serviço de DNS constitui-se, em última instância, de um conjunto de banco de dados em arquitetura

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

QoS and Dynamic Shaping and Dynamic Shaping

QoS and Dynamic Shaping and Dynamic Shaping QoS and Dynamic Shaping Eficiência End to End Bart Van Utterbeeck 1 Agenda O que é Quality of Service Impacto do VCM/ACM sobre QoS? Diferentes modelos de Shaping em VCM/ACM? Conclusão 2 What s in the cloud?

Leia mais

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas, Carlos Alberto Malcher Bastos, Marcos Tadeu von Lutzow Vidal, Milton Martins Flores Quem somos? Laboratório

Leia mais

GWM 1420 N. INFORMÁTICA - networks. Roteador ADSL 2+ Wireless N 150 Mbps BANDA LARGA. Características

GWM 1420 N. INFORMÁTICA - networks. Roteador ADSL 2+ Wireless N 150 Mbps BANDA LARGA. Características INFORMÁTICA - networks BANDA LARGA GWM 1420 N A solução mais inteligente em banda larga. O Roteador GWM 1420 N Intelbras é um 3 em 1 que integra a função de modem ADSL 2+ de alta velocidade, roteador Wireless

Leia mais

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Latência Tempo entre o início de um evento e o momento que ele se torna perceptível no destino Ex: filmar um relógio

Leia mais

QoS for voice applications

QoS for voice applications QoS for voice applications MUM Brazil 2011 Currículo Antonio Nivaldo F. Leite Junior Graduação em Ciências da Computação; Graduação em Comunicação Social c/ ênfase em Pub. e Propaganda; Pós-graduação em

Leia mais

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Visão geral sobre Desempenho Descrição do Conteúdo Os roteadores de serviços integrados de nova geração (ISR G2) proporcionam uma plataforma para serviços

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps

Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps Especificações Técnicas Característica/Configurações/Requisitos mínimos: Descrição do Material Switch

Leia mais

Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC

Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC André M. Zenun 1, Diego L. Kreutz 2, Rafael R. Righi 1 1 Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis SENAI-SC Rodovia

Leia mais