APOIO NO DESENVOLVIMENTO. Transformando conhecimento em resultado.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOIO NO DESENVOLVIMENTO. Transformando conhecimento em resultado. www.bblink.com.br"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E TRIBUTÁRIOS DO PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO CAIS MAUÁ PORTO ALEGRE Junho 2015

2 APOIO NO DESENVOLVIMENTO Transformando conhecimento em resultado 2

3 PORTO ALEGRE, 08 DE JUNHO DE Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia da PUCRS FACE Desenvolvimento: Gustavo Inácio de Moraes Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Economia PPGE PUCRS. Adelar Fochezatto Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Economia PPGE PUCRS. Apoio: Eugênio Lagemann Professor do Departamento de Economia da UFRGS e Ex-Fical de Tributos Estaduais do Estado do Rio Grande do Sul. Pedro Vassalo Maia da Costa Gestor de Projetos da BBLink. Bruno Cesar Thiengo S. M. Rego Gestor de Projetos da BBLink. Editoração: Sopa 3

4 SUMÁRIO 1 - RESUMO EXECUTIVO METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS IMPACTOS ECONÔMICOS: APLICAÇÃO DA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO Exemplo Numérico INFORMAÇÕES DO PROJETO Fase de Construção Fase de Operação PREMISSAS Shopping Centers Torres de Escritório Estacionamentos Hotéis Centro de Convenções Roda 360 e Everfly TRATAMENTO DE IMPOSTOS GERAÇÃO DE EMPREGOS DIRETOS E INDIRETOS Distribuição dos Empregos por Faixas de Escolaridade e Salário RELAÇÃO DE TABELAS DA FASE A CONSTRUÇÃO DO EMPREENDIMENTO RELAÇÃO DE TABELAS DA FASE B OPERAÇÃO DO EMPREENDIMENTO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 44 4

5 SUMÁRIO DOS QUADROS QUADRO 1: EXEMPLO DE UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO DE TRÊS SETORES 13 QUADRO 2: EXEMPLO NUMÉRICO DE UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO DE TRÊS SETORES 16 QUADRO 3: COMPOSIÇÃO DE INSUMOS INTERMEDIÁRIOS E DE FATORES PRIMÁRIOS 17 QUADRO 4: VALORES DOS INVESTIMENTOS NA FASE DE CONSTRUÇÃO (FASE A) EM R$ 19 QUADRO 5: VALORES DAS RECEITAS ANUAISNA FASE DE OPERAÇÃO (FASE B) EM R$ 21 5

6 SUMÁRIO DAS TABELAS TABELA 1: RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPACTOS - FASE A - CONSTRUÇÃO E IMPLANTAÇÃO 10 TABELA 2: RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPACTOS - FASE B FUNCIONAMENTO E OPERAÇÃO 11 TABELA 3: VALORES DAS DESPESAS DE CONSUMO E COM OUTROS COMPONENTES DO CUB DESAGREGADOS PARA OS SETORES DA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO DO RIO GRANDE DO SUL (FASE A) - EM R$ 20 TABELA 4: VALORES ANUAIS DAS OPERAÇÕES DAS INSTALAÇÕES AGREGADOS PARA OS SETORES DA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO DO RIO GRANDE DO SUL (FASE B) - EM R$ 22 TABELA 5: IMPOSTOS DISCRIMINADOS EM R$ 25 TABELA 6: COEFICIENTES DOS IMPOSTOS SOBRE A PRODUÇÃO E CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS (VALOR ARRECADADO DIVIDIDO PELO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO DOS SETORES) DE ACORDO COM A MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO DO RIO GRANDE DO SUL(*) 26 TABELA 7: NÚMERO DE EMPREGOS DIRETOS E INDIRETOS GERADOS NA CONSTRUÇÃO E IMPLANTAÇÃO (FASE A 2 ANOS) EM QUANTIDADE DE PESSOAS 27 TABELA 8: NÚMERO DE EMPREGOS DIRETOS E INDIRETOS GERADOS NA OPERAÇÃO DO EMPREENDIMENTO (FASE B) EM QUANTIDADE DE PESSOAS 27 TABELA 9: DISTRIBUIÇÃO DOS EMPREGOS POR FAIXA DE SALÁRIO EM QUANTIDADE DE PESSOAS 28 6

7 TABELA 10: DISTRIBUIÇÃO DOS EMPREGOS POR FAIXA DE ESCOLARIDADE EM QUANTIDADE DE PESSOAS 28 TABELA 1A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE A PRODUÇÃO 29 TABELA 2A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE O VALOR ADICIONADO 30 TABELA 3A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE O EMPREGO 31 TABELA 4A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE IMPOSTOS (ICMS) 32 TABELA 5A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE IMPOSTOS (IPI) 33 TABELA 6A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE IMPOSTOS (OUTROS IMPOSTOS INDIRETOS SOBRE A PRODUÇÃO E CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS) 34 TABELA 7A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE IMPOSTOS (TODOS OS IMPOSTOS) 35 TABELA 1B: RESULTADOS IMPACTOS ANUAIS SOBRE A PRODUÇÃO 36 TABELA 2B: RESULTADOS IMPACTOS ANUAIS SOBRE O VALOR ADICIONADO 37 TABELA 3B: RESULTADOS IMPACTOS ANUAIS SOBRE O EMPREGO 38 TABELA 4B: RESULTADOS IMPACTOS ANUAIS SOBRE IMPOSTOS (ICMS) 39 TABELA 5B: RESULTADOS IMPACTOS ANUAIS SOBRE IMPOSTOS (IPI) 40 TABELA 6B: RESULTADOS IMPACTOS ANUAIS SOBRE IMPOSTOS (OUTROS IMPOSTOS INDIRETOS SOBRE A PRODUÇÃO E CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS) 41 TABELA 7B: RESULTADOS IMPACTOS ANUAIS SOBRE IMPOSTOS (TODOS OS IMPOSTOS) 42 7

8 1 - RESUMO EXECUTIVO Este estudo analisa os impactos econômicos, sociais e tributários do projeto de revitalização do complexo Cais Mauá em Porto Alegre RS em dois momentos distintos: durante a sua fase de construção e revitalização da área e, posteriormente, durante a sua fase de exploração plena. Utilizando-se a Matriz de Insumo-Produto do Rio Grande do Sul (MIP-RS/FEE), disponibilizada no site da FEE Fundação de Economia e Estatística da Secretaria de Planejamento do Rio Grande do Sul, foram calculados os impactos econômicos do empreendimento sobre a produção, emprego, renda, valor adicionado (PIB) e sobre os impostos federais, estaduais e municipais. Destacam-se os seguintes pontos: O investimento bruto na fase de Construção soma aproximadamente R$ 675,4 milhões, distribuídos em dois anos de execução; O complexo, operando na sua plenitude, poderá injetar na economia gaúcha aproximadamente R$ 927,2 milhões por ano; A fase de construção e implantação do empreendimento poderá gerar mais de 19 mil postos de trabalho durante os dois anos de execução do investimento previsto [1], sendo mais de 8 mil diretos e os demais 11 mil, indiretos (nos setores fornecedores de insumos para a construção civil); 87% dos empregos gerados na fase de construção são para trabalhadores com nível educacional básico ou médio; A remuneração dos empregos diretos e indiretos gerados na fase de construção do complexo Cais Mauá poderá alcançar mais R$ 177 milhões, durante o período de execução da obra; Poderão ser gerados aproximadamente R$ 172 milhões de impostos, na fase de construção, nos três níveis de governo, sendo R$ 57,5 milhões de ICMS; No momento em que o complexo estiver operando na plenitude da sua capacidade poderão ser gerados quase 28,1 mil empregos diretos e indiretos na economia gaúcha, sendo mais de 15 mil diretamente ligados ao complexo instalado (shoppings, escritórios, lojas, restaurantes, entre outros) e o restante, indiretos; 84% do emprego gerado, na fase de operação, é para trabalhadores com nível básico e médio de educação. Os demais 16% são para trabalhadores de nível superior. O grupo que mais se beneficia é o de nível médio, ocupando aproximadamente 56% das vagas; Durante a sua operação plena, o complexo poderá gerar mais de R$ 216 milhões em tributos todos os anos. Deste valor, aproximadamente R$ 73 milhões em ICMS. 8

9 A remuneração dos empregos diretos e indiretos gerados na fase de construção do complexo Cais Mauá poderá alcançar mais R$ 275 milhões, durante o período de operação do complexo; Observa-se, portanto, que este empreendimento pode gerar impactos econômicos, sociais e tributários relevantes na economia do estado desde sua fase de construção, mas principalmente na sua fase operacional. Na sequência do documento são apresentados os resultados dos impactos sobre o valor bruto da produção, valor adicionado (PIB), tributos que incidem sobre a produção e circulação de mercadorias (ICMS, IPI, outros tributos indiretos) por setor econômico conforme classificação dada na Matriz de Insumo-Produto do Rio Grande do Sul. Além das tabelas de resultados, é indicado a metodologia do estudo, fontes de dados e premissas adotadas quando necessário. 9

10 TABELA 1: IMPACTOS NA FASE DE CONSTRUÇÃO E IMPLANTAÇÃO (FASE A 2 ANOS) 1.1. Principais Valores Valores em R$ Faturamento Bruto das Empresas de Construção e Consultoria Criação de Empregos Diretos e Indiretos Quantidade de pessoas Empregos Diretos Básico (quantidade de pessoas) Médio (quantidade de pessoas) Superior (quantidade de pessoas) Empregos Indiretos Básico (quantidade de pessoas) Médio (quantidae de pessoas) Superior (quantidade de pessoas) Total Empregos Diretos e Indiretos Remuneração dos Empregados Diretos e Indiretos Valores em R$ Remuneração Bruta Total Empregos Diretos Remuneração Bruta Total Empregos Indiretos Total Remuneração Bruta Empregos Diretos e Indiretos Recolhimento de Impostos e Contribuições Valores em R$ Municipal (ISS) Estadual (ICMS) Federal (IPI, PIS, COFINS, IR e CSLL) Contribuições Previdenciárias Outros Impostos Total do Recolhimento dos Impostos e Contribuições IPTU,Taxas de Licenciamento, Contribuições de Melhoria, Impostos de Importação e Exportação, Taxa de Desembaraço Alfandegário, Taxa de Liberação de Documentos, entre outros. 10

11 TABELA 2: IMPACTOS ANUAIS NA FASE DE OPERAÇÃO (FASE B) 2.1. Principais Valores Valores em R$ Faturamento Bruto de todos os empreendimentos funcionando plenamente Criação de Empregos Diretos e Indiretos Quantidade de pessoas Empregos Diretos Básico (quantidade de pessoas) Médio (quantidae de pessoas) Superior (quantidade de pessoas) Empregos Indiretos Básico (quantidade de pessoas) Médio (quantidade de pessoas) Superior (quantidade de pessoas) Total Empregos Diretos e Indiretos Remuneração dos Empregados Diretos e Indiretos Valores em R$ Remuneração Bruta Total Empregos Diretos Remuneração Bruta Total Empregos Indiretos Total Remuneração Bruta Empregos Diretos e Indiretos Recolhimento de Impostos e Contribuições Valores em R$ Municipal (ISS) Estadual (ICMS) Federal (IPI, PIS, COFINS, IR e CSLL) Contribuições Previdenciárias Outros Impostos Total do Recolhimento dos Impostos e Contribuições IPTU,Taxas de Licenciamento, Contribuições de Melhoria, Impostos de Importação e Exportação, Taxa de Desembaraço Alfandegário, Taxa de Liberação de Documentos, entre outros. 11

12 2 - METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS IMPACTOS ECONÔMICOS: APLICAÇÃO DA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO O modelo insumo-produto foi desenvolvido por Wassily Leontief e publicado em 1936, com o objetivo de fornecer mecanismos para analisar as relações produtivas intersetoriais, tendo, até os dias de hoje, grande utilidade no apoio à formulação de políticas público-setoriais. Este modelo é denominado como fechado quando alguns componentes da demanda final são considerados variáveis endógenas ao modelo, e aberto quando esses componentes são entendidos como variáveis exógenas ao sistema. Uma característica do modelo aberto é que este identifica somente as relações setoriais diretas e indiretas do sistema econômico, enquanto o modelo fechado permite identificar também os efeitos induzidos pelo incremento no nível de renda quando há uma variação na demanda final. O modelo é de grande importância para o planejamento econômico, sendo possível, por exemplo, comparar as estruturas econômicas de produção ou produtividade, entre um país ou uma região. Ele também possibilita a comparação entre os impactos que a adoção de determinadas políticas teriam em diferentes regiões. Além disso, torna-se possível verificar que repercussões ocorreriam em diferentes setores, caso houvesse alterações na demanda final de um determinado setor. Ou seja, dado o encadeamento dos setores da economia em questão, pode-se analisar quais setores são impactados e em qual grau a produção de um determinado setor se eleva ou se reduz, quando estimulado por uma variação na demanda final. Neste estudo, as tabelas 1A, 2A, 3A, 4A, 5A, 6A e 7A (fase de construção) e as tabelas 1B, 2B, 3B, 4B, 5B, 6B e 7B (fase de operação) mostram os resultados desagregados pelos 37 setores da Matriz de Insumo-Produto do Rio Grande do Sul dos impactos do empreendimento. Neste relatório são apresentados os impactos setoriais no Valor Bruto da Produção, Valor Adicionado (PIB), Emprego e Tributos. Para facilitar a compreensão, considere, como exemplo, uma economia composta por: três setores produtivos - agricultura, indústria e serviços; dois fatores primários - trabalho e capital; e todos os componentes da demanda final. Para uma economia com essas características, o marco analítico básico do sistema de Leontief pode ser representado pelos fluxos que aparecem no Quadro 1. 12

13 QUADRO 1: EXEMPLO DE UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO DE TRÊS SETORES Setores Agricul tura Indús tria Servi ços Demanda final C GE GF I ERB ERM Demanda total Agricultura X11 X12 X13 Y11 Y12 Y13 Y14 Y15 Y16 X1 Indústria X21 X22 X23 Y21 Y22 Y23 Y24 Y24 Y26 X2 Serviços X31 X32 X33 Y31 Y32 Y33 Y34 Y34 Y36 X3 Valor adicionado Trabalho V11 V12 V13 Capital V21 V22 V23 Produção bruta X1 X2 X3 Fonte: FOCHEZATTO, A. O modelo de insumo-produto regional. ANIPES: Boletim Estatísticas Públicas, Nº 04, p.23-30, Disponível em: Para produzir seu produto, cada um dos setores requer insumos intermediários (fornecidos pelo próprio setor e pelos demais) e o uso de fatores primários, capital e trabalho. O produto produzido por cada setor, por sua vez, tem como destinos a demanda intermediária, do próprio setor e dos demais, e a demanda final, composta por consumo das famílias (C), consumo do Governo Estadual (GE), consumo do Governo Federal (GF), investimento (I), exportações líquidas para o resto do país (ERB) e para o resto do mundo (ERM). A equação (1) mostra que a demanda total do produto do setor i é igual à soma da Demanda Intermediária e da Demanda Final. A equação (2) mostra que a produção bruta do setor j é igual ao Consumo Intermediário mais os Fatores Primários (valor adicionado). Finalmente, a equação (3) mostra que, para cada setor da economia, a produção bruta é igual à sua Demanda Total. Demanda Total = Demanda Intermediária + Demanda Final X1 = X11 + X12 + X13 + Y11 + Y12 + Y13 + Y14 + Y15 + Y16 X2 = X21 + X22 + X23 + Y21 + Y22 + Y23 + Y24 + Y25 + Y26 X3 = X31 + X32 + X33 + Y31 + Y32 + Y33 + Y34 + Y35 + Y36 Xi = Ʃ3j =1 Xij + Ʃ6s =1 Yis (1) Oferta Total = Consumo Intermediário + Fatores Primários (valor adicionado) X1 = X11 + X21 + X31 + V11 + V21 X2 = X12 + X22 + X32 + V12 + V22 X3 = X13 + X23 + X33 + V13 + V23 Xj = Ʃ3i =1 Xij + Ʃ2r =1 Vrj (2) Demanda Total = Oferta Total 13

14 Ʃ3j =1 Xij + Ʃ6s =1 Yis = Ʃ3i =1 Xij + Ʃ2r = 1 Vrj (3) Em termos agregados, a soma do valor adicionado dos setores fornece a Renda Agregada da economia, e a soma da Demanda Final dos setores resulta no Dispêndio Agregado. Aplicando essa identidade para o conjunto dos setores obtém-se: Renda Agregada = Dispêndio Agregado Ʃ3j=1 (Ʃ3i=1 Xij + Ʃ2r=1 Vrj) = Ʃ3i=1 (Ʃ3j=1 Xij + Ʃ6s=1 Yis) Ʃ3j=1 (Ʃ2r=1 Vrj ) = Ʃ3i=1 (Ʃ6s=1 Yis) (5) No modelo de insumo-produto, supõe-se que os coeficientes de produção são fixos, ou seja, os requerimentos de insumos intermediários têm uma participação fixa em relação à produção bruta dos setores. Os coeficientes técnicos (aij) representam a quantidade do produto do setor i requerida para produzir uma unidade de produto do setor j. Assim: aij = Xij / Xj (6) Xij = aij Xj (7) Os requerimentos de fatores primários também têm uma relação fixa com respeito à produção total do setor j. Os coeficientes técnicos (brj) representam a quantidade do fator primário r requerida para produzir uma unidade de produto do setor j. Assim: brj = Vrj / Xj (8) Vrj = brj Xj (9) Substituindo as equações (7) e (9) na equação (2) obtém-se a equação (10) que, dividida por Xj, resulta na equação (11). Xj = S3i =1 aij Xj + S2r = 1 brj Xj (10) Ʃ3i = 1 aij + Ʃ2r = 1 brj = 1 (11) No modelo aberto de Leontief, as categorias de demanda final são consideradas exógenas. O propósito do modelo aberto é determinar o nível de produção setorial que corresponde a um nível particular de demanda final. Substituindo a equação (7) pela equação (1) e fazendo S6s = 1Yis = Yi, obtém-se o sistema de n equações e n incógnitas (12). 14

15 X1 - a11x1 - a12x2 - a13x3 = Y1 X2 - a21x1 - a22x2 - a23x3 = Y2 (12) X3 - a31x1 - a32x2 - a33x3 = Y3 A solução do modelo aberto de Leontief para a produção setorial passa a ser a expressão matricial (13), que na forma compacta equivale à expressão (14), cuja solução é dada pela equação (15): (1-a11) a12 a13 X1 Y1 a21 (1-a22) a23 x X2 = Y2 (13) a31 a32 (1-a33) X3 Y3 X = AX + Y (14) X = (I A) - 1 Y (15) Os coeficientes da matriz inversa (I A) - 1 são chamados de requerimentos diretos e indiretos de produção. Eles indicam as mudanças necessárias na produção setorial para atender a uma determinada variação da demanda final. Além dos requerimentos de produção, é possível definir os requerimentos de fatores primários. Como já foi visto na equação (8), os fatores primários também possuem uma relação fixa com a produção bruta dos setores. O total de fatores primários usados em cada setor pode ser expresso pela equação (16) que, na forma matricial compacta, pode ser representada conforme a equação (17). Vr = [S2r = 1] brj Xj (16) V = B X (17) Onde V é um vetor de fatores primários de r componentes e B é uma matriz (r x j) de coeficientes de fatores primários. Substituindo a equação (15) pela (17), resulta-se no modelo (18): V = B (I A) - 1 Y (18) A matriz B (I A) -1 é chamada de matriz de requerimentos diretos e indiretos de fatores primários. Seus coeficientes medem o impacto de um aumento da demanda final sobre os componentes do valor adicionado ou fatores primários. 15

16 2.1 Exemplo Numérico O Quadro 2 quantifica as transações do sistema econômico simplificado do Quadro 1. A demanda final é considerada de forma agregada. QUADRO 2: EXEMPLO NUMÉRICO DE UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO DE TRÊS SETORES (valores hipotéticos) Setores Agricultura Indústria Serviços Demanda final Demanda total Agricultura Indústria Serviços Valor adicionado Trabalho Capital Produção bruta Nesse sistema econômico, a agricultura, por exemplo, produz 100 unidades, sendo que, 65 das quais são absorvidas como demanda intermediária (5 unidades são consumidas na própria agricultura, 40 unidades são vendidas para a indústria e 20 unidades para o setor de serviços) e 35 unidades são absorvidas como demanda final. Para produzir as 100 unidades, a agricultura absorve 45 unidades de produtos como consumo intermediário (5 unidades de si próprio, 15 unidades do produto industrial e 25 unidades do setor de serviços) e 55 unidades de fatores primários ou valor adicionado (25 unidades de trabalho e 30 de capital). Para a agricultura, a soma do consumo intermediário (45 unidades) e do valor adicionado (55 unidades) corresponde ao valor bruto da produção (100 unidades) e a soma da demanda intermediária (65 unidades) e final (35 unidades) corresponde à demanda total do produto do setor (100 unidades). Além disso, a produção bruta de cada setor é idêntica à demanda total. Para os demais setores, a interpretação se faz da mesma maneira. Os coeficientes técnicos e de fatores correspondentes à estrutura intersetorial do Quadro 2 são mostrados no Quadro 3. 16

17 QUADRO 3: COMPOSIÇÃO DE INSUMOS INTERMEDIÁRIOS E DE FATORES PRIMÁRIOS Setores Agricultura Indústria Serviços Agricultura 0,05 0,2 0,07 Indústria 0,15 0,25 0,13 Serviços 0,25 0,15 0,28 Valor adicionado Trabalho 0,25 0,18 0,28 Capital 0,3 0,23 0,23 Produção bruta Utilizando os valores do Quadro 3, a expressão (13) pode ser escrita na forma numérica: 0,95-0,2-0,07 X1 Y1-0,15 0,75-0,13 x X2 = Y2-0,25-0,15 0,72 X3 Y3 Calculando a matriz inversa correspondente, (I A) - 1, a equação (15) fica: X1 1,15 0,34 0,17 Y1 X2 = 0,31 1,48 0,3 x Y2 X3 0,46 0,43 1,51 Y3 Com a expressão anterior, é possível determinar os efeitos multiplicadores de variações na demanda final sobre a produção dos setores (ΔX/ΔY). As variações na demanda do produto de cada setor têm os seguintes impactos sobre a produção: Efeito multiplicador sobre a produção do setor Agricultura Efeito multiplicador sobre a produção do setor Indústria Efeito multiplicador sobre a produção do setor Serviços Efeito multiplicador total sobre a produção dos setores ΔX1 / ΔY1 = 1,15 ΔX2 / ΔY1 = 0,31 ΔX3 / ΔY1 = 0,46 ΔX / ΔY1 = 1,92 ΔX1 / ΔY2 = 0,34 ΔX2 / ΔY2 = 1,48 ΔX3 / ΔY2 = 0,43 ΔX / ΔY2 = 2,25 ΔX1 / ΔY3 = 0,17 ΔX2 / ΔY3 = 0,30 ΔX3 / ΔY3 = 1,51 ΔX / ΔY3 = 1,98 Nesse exemplo, se a demanda do produto da Agricultura aumenta uma unidade, a produção dos setores Agricultura, Indústria e Serviços aumentam, respectivamente, 1,15, 0,31 e 0,46, perfazendo um efeito multiplicador total sobre a produção de 1,92. A mesma análise pode ser feita para os 17

18 outros setores. Os requerimentos de fatores também podem ser calculados. Usando os dados do Quadro 3, pode-se expressar a equação (18) em termos numéricos na qual a demanda de fatores primários é definida como uma função das demandas finais dos setores: V1 0,25 0,18 0,28 1,15 0,34 0,17 Y1 V2 = 0,3 0,23 0,23 x 0,31 1,48 0,3 x Y2 0,47 0,43 1,52 Y3 Com isso, é possível determinar os efeitos multiplicadores de variações na demanda final sobre os componentes do valor adicionado dos setores (ΔV/ΔY). De acordo com o exemplo numérico, as variações na demanda final do produto de cada setor têm os seguintes impactos sobre os fatores: Efeitos multiplicadores sobre o fator trabalho Efeitos multiplicadores sobre o fator capital ΔV1 / ΔY1 = 0,48 ΔV2 / ΔY1 = 0,52 ΔV1 / ΔY2 = 0,46 ΔV2 / ΔY2 = 0,54 ΔV1 / ΔY3 = 0,53 ΔV2 / ΔY3 = 0,47 Os multiplicadores utilizados neste trabalho são derivados do modelo insumo-produto fechado, no qual a variável consumo das famílias é considerada endógena no sistema econômico. Nesta especificação, é possível avaliar os efeitos diretos, indiretos e o efeito-renda (induzido) decorrente de variações na demanda final dos setores. Tais efeitos são mensurados através de multiplicadores de impacto intersetorial, os quais podem ser calculados para a produção, o valor adicionado, o emprego e o rendimento das famílias. Um multiplicador de impacto setorial consiste numa expressão numérica dos efeitos diretos, indiretos e induzidos propagados sobre o sistema econômico quando uma determinada atividade apresenta incremento de demanda final. O multiplicador direto expressa o impacto de variações na demanda final de um determinado setor quando são consideradas apenas as atividades que fornecem insumos diretos ao setor em questão. Já o multiplicador indireto mede o impacto de variações na demanda final de um determinado setor, quando se consideram apenas as atividades fornecedoras de insumos indiretos ao setor analisado. Por fim, o multiplicador induzido fornece o impacto de variações na demanda final de um determinado setor, considerando a variação adicional da demanda ocasionada pelo incremento no nível de rendimento da economia quando se estimula determinado setor. 18

19 3 - INFORMAÇÕES DO PROJETO Os resultados estão organizados em duas partes: FASE A construção das instalações; e FASE B operação das instalações. 3.1 Fase de Construção Os dados referentes às obras de construção, reformas e implementação das estruturas a serem exploradas no Complexo Cais Mauá estão especificados no Quadro 4 e seguiram as informações contidas em estudos realizados por instituições privadas reconhecidas e independentes, especializadas em suas respectivas áreas de atuação (engenharia, pesquisa de mercado no ramo imobiliário e hoteleiro), e repassados pela Contratante. QUADRO 4: VALORES DOS INVESTIMENTOS NA FASE DE CONSTRUÇÃO (FASE A) EM R$ Empreendimento Investimento Anual Investimento Total Shoppings Torres Estacionamento Armazéns Centro de Convenções Atrações Total Fonte: Elaboração própria a partir de estudos de órgãos independentes fornecidos pelo Cais Mauá do Brasil. A Tabela 3 mostra os valores usados nas simulações da FASE A (Construção e Implementação). 19

20 TABELA 3: VALORES DAS DESPESAS DE CONSUMO E COM OUTROS COMPONENTES DO CUB DESAGREGADOS PARA OS SETORES DA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO DO RIO GRANDE DO SUL (FASE A) - EM R$ Setores Valor do consumo anual Total Agricultura, silvicultura e exploração florestal Pecuária e pesca Indústria extrativa Alimentos e bebidas Produtos do fumo Têxteis, artef. do vestuário e do couro, acessórios e calçados Produtos de madeira exclusive móveis Celulose e produtos de papel Jornais, revistas, discos Refino de petróleo e gás e produtos químicos Álcool Artigos de borracha e plástico Produtos de minerais não metálicos Fabricação de aço e derivados - - Metalurgia de metais não ferrosos - - Produtos de metal exclusive máquinas e equipamentos Máquinas e equip., inclusive manutenção e reparos Eletrodomésticos Máquinas para escritório e equipamentos de informática Máquinas, aparelhos e materiais elétricos Material eletrônico e equipamentos de comunicações Aparelhos/instrum. médico-hospitalar, medida e óptico Indústria automobilística Outros equipamentos de transporte Móveis e produtos das indústrias diversas Prod. e dist. de eletric. e gás, água, esgoto e limp. urbana Construção civil Comércio e serviços de manutenção e reparação Serviços de alojamento e alimentação Transporte, armazenagem e correio Serviços de informação Int. Financ., seguros e previd. compl. e serv. Relacionados Serviços prestados as empresas Atividades imobiliárias e aluguéis Adm., saúde e educação públicas e seguridade social - - Serviços prestados às famílias e associativa Outros serviços Total Os custos com mão de obra na construção civil foram transformados em despesas de consumo. 20

21 3.2 Fase de Operação O complexo Cais Mauá será formado por (1) um shopping tradicional, (1) um shopping a céu aberto, (3) três torres de escritórios, estacionamentos, (2) dois hotéis, (1) um centro de convenções e atrações turísticas. O Quadro5 mostra os valores globais usados nas simulações de impactos econômicos na FASE B (Operação do Empreendimento). QUADRO 5: VALORES DAS RECEITAS ANUAIS NA FASE DE OPERAÇÃO (FASE B) EM R$ Empreendimento Receita Shopping Tradicional Shopping a Céu Aberto Estacionamento Torres Hotel Hotel Centro de Convenções Roda Everfly Total Fonte: Elaboração própria a partir de estudos de órgãos independentes fornecidos pelo Cais Mauá do Brasil. A Tabela 4 mostra os valores usados nas simulações da FASE B (Operação do Empreendimento). 21

22 TABELA 4: VALORES ANUAIS DAS OPERAÇÕES DAS INSTALAÇÕES AGREGADOS PARA OS SETORES DA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO DO RIO GRANDE DO SUL (FASE B) - EM R$ Setores Total Agricultura, silvicultura e exploração florestal Pecuária e pesca Indústria extrativa Alimentos e bebidas Produtos do fumo Têxteis, artef. do vestuário e do couro, acessórios e calçados Produtos de madeira exclusive móveis Celulose e produtos de papel Jornais, revistas, discos Refino de petróleo e gás e produtos químicos Álcool Artigos de borracha e plástico Produtos de minerais não metálicos Fabricação de aço e derivados - Metalurgia de metais não ferrosos - Produtos de metal exclusive máquinas e equipamentos Máquinas e equip., inclusive manutenção e reparos Eletrodomésticos Máquinas para escritório e equipamentos de informática Máquinas, aparelhos e materiais elétricos Material eletrônico e equipamentos de comunicações Aparelhos/instrum. médico-hospitalar, medida e óptico Indústria automobilística Outros equipamentos de transporte Móveis e produtos das indústrias diversas Prod. e dist. de eletric. e gás, água, esgoto e limp. urbana Construção civil Comércio e serviços de manutenção e reparação Serviços de alojamento e alimentação Transporte, armazenagem e correio Serviços de informação Int. Financ., seguros e previd. compl. e serv. Relacionados Serviços prestados as empresas Atividades imobiliárias e aluguéis Adm., saúde e educação públicas e seguridade social - Serviços prestados às famílias e associativa Outros serviços Total Os custos com mão de obra na construção civil foram transformados em despesas de consumo. 22

23 4 - PREMISSAS Abaixo estão descritas as premissas assumidas para estimação dos valores de faturamento de cada uma das áreas do complexo durante a sua fase de exploração plena. As opções priorizaram as informações contidas em estudos especializados realizados por organismos privados reconhecidos e independentes, repassadas pela Contratante. Nos casos não informados nos referidos estudos, a opção foi por utilizar premissas baseadas em dados de pesquisas oficiais disponíveis ao público. 4.1 Shopping Centers As premissas assumidas partem dos dados da ABRASCE Associação Brasileira de Shopping Centers, que informa que o Brasil possui de metros quadrados de ABL Área Bruta Locável em Shopping Centers. Em paralelo, o faturamento desses shoppings, em 2013, foi de R$ 129 bilhões, segundo a mesma ABRASCE. Assim, cada metro quadrado da ABL dos shoppings brasileiros, em média, fatura R$ ,77 por ano. Dessa forma, os metros quadrados previstos para o shopping renderiam R$ ,22 na sua integralidade. Porém, considerando uma ocupação de 95% da área, a receita anual estimada seria de R$ , Torres de Escritório Para o caso das torres comerciais, considerou-se o total de metros quadrados locáveis, ou o equivalente a 320 empresas localizadas no complexo de torres. Nesse caso, prevê-se que as torres podem comportar unidades das seguintes atividades (seguindo a classificação da Matriz de Insumo-Produto do Rio Grande do Sul): Atividades de ensino continuado; Atividades imobiliárias; Serviços de manutenção e reparação; Outras atividades de serviços; Serviços prestados às famílias; Serviços de informação e comunicação; Serviços profissionais, administrativos e complementares; Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correios. Essas atividades, segundo a Pesquisa Anual de Serviços PAS/IBGE, faturaram, em 2012, o total de R$ 1,129 trilhão. Da mesma forma, essas atividades, também em 2012, somaram

24 empresas. Assim, as empresas desses setores faturaram em média R$ ,49/ano. Supondo, por fim, que o espaço de metros quadrados, seja ocupado por 320 empresas, que em média teriam 196,5 metros quadrados, cada uma com o faturamento médio indicado acima, teríamos R$ 115,250 milhões/ano no espaço. Contudo, é razoável pensar em uma ociosidade de 0,91%, o que finalizaria a conta das atividades gerando R$ ,80 / ano. 4.3 Estacionamentos Adicionalmente, estudos contratados de consultorias independentes indicam que o estacionamento renderia R$ ,00/ano, supondo a existência de vagas, a um preço médio de R$ 5,00, funcionando 365 dias ao ano e a uma taxa de ocupação de 2 veículos por dia em cada uma das vagas (premissa utilizada no estudo). 4.4 Hotéis No caso dos hotéis (upscale e midscale) foram consideradas as projeções apontadas em relatório contratado de consultoria independente, que demonstra rendimentos anuais, após estabilização do projeto, de R$ ,00 e R$ ,00, respectivamente. Como premissa do estudo, foram utilizadas as receitas do sexto ano de cada um dos empreendimentos, dado que neste período estas se estabilizam. 4.5 Centro de Convenções O centro de convenções contará com ABL de metros quadrados, com área de metros quadrados destinada a restaurantes. Estima-se que o empreendimento terá receita anual de R$ , Roda 360 e Everfly As duas atrações somadas gerariam um fluxo de faturamento de R$ ,00, conforme estudos encomendados pelo Cais Mauá do Brasil. 24

25 5 - TRATAMENTO DE IMPOSTOS A Matriz de Insumo-Produto considera na sua estrutura todos os impostos que incidem sobre a produção e circulação de mercadorias. Para atender o escopo do estudo, que pretende apurar o impacto na geração de impostos de forma segregada por nível de Governo (Federal, Estadual e Municipal) foram aplicados os seguintes pressupostos para os itens de tributos que não puderam ser estimados diretamente pela Matriz: IRPJ: 25% do lucro presumido, que equivale a 3% do faturamento ou VBP (0,75%) (lucro equivalente a 60% do Valor Adicionado); CSSL: 10% de 3% do lucro presumido (0,30%) (lucro equivalente a 60% do Valor Adicionado); COFINS: 3% do faturamento ou VBP; PIS: 0,65% do faturamento ou VBP; ISS: 5% do faturamento (VBP) do estacionamento; 2% do faturamento (VBP) da Construção Civil; 5% do faturamento (VBP) da Hotelaria e Restaurante; 20% sobre a massa salarial (40% do Valor Adicionado) para Contribuições Previdenciárias. Desse modo, chegou-se ao total de impostos por tipo, conforme a Tabela 5: TABELA 5: IMPOSTOS DISCRIMINADOS EM R$ Impostos e Contribuições Construção Operação ICMS IPI Outros impostos COFINS PIS ISS IRPJ CSLL Contribuições previdenciárias Total Fonte: Elaboração própria a partir de dados de estudos de órgãos independentes e fontes oficiais públicas. 25

26 A Tabela 6 apresenta os coeficientes dos impostos sobre a produção e circulação de mercadorias. TABELA 6: COEFICIENTES DOS IMPOSTOS SOBRE A PRODUÇÃO E CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS (VALOR ARRECADADO DIVIDIDO PELO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO DOS SETORES) DE ACORDO COM A MATRIZ DE INSUMO- PRODUTO DO RIO GRANDE DO SUL 5 Setores ICMS IPI Outros Total Agricultura, silvicultura e exploração florestal 0,026-0,01 0,037 Pecuária e pesca 0,035-0,021 0,056 Indústria extrativa 0,184-0,039 0,223 Alimentos e bebidas 0,051 0,01 0,018 0,079 Produtos do fumo 0,058 0,143 0,014 0,215 Têxteis, artef. do vestuário e do couro, acessórios e calçados 0,048 0,001 0,024 0,072 Produtos de madeira exclusive móveis 0,042 0,002 0,025 0,069 Celulose e produtos de papel 0,082 0,011 0,031 0,123 Jornais, revistas, discos 0,021 0,005 0,037 0,064 Refino de petróleo e gás e produtos químicos 0,061 0,001 0,049 0,111 Álcool Artigos de borracha e plástico 0,017 0,004 0,03 0,052 Produtos de minerais não metálicos 0,07 0,019 0,024 0,113 Fabricação de aço e derivados 0,018 0,001 0,026 0,045 Metalurgia de metais não ferrosos 0,018 0,001 0,026 0,045 Produtos de metal exclusive máquinas e equipamentos 0,048 0,014 0,024 0,086 Máquinas e equip., inclusive manutenção e reparos 0,035 0,029 0,029 0,092 Eletrodomésticos 5,263 0,062 0,029 5,353 Máquinas para escritório e equipamentos de informática 0,125 0,013 0,025 0,163 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos 0,072 0,028 0,025 0,125 Material eletrônico e equipamentos de comunicações 0,084 0,052 0,028 0,165 Aparelhos/instrum. médico-hospitalar, medida e óptico 0,086 0,056 0,021 0,163 Indústria automobilística 0,033 0,028 0,044 0,106 Outros equipamentos de transporte 0,007 0,007 0,015 0,028 Móveis e produtos das indústrias diversas 0,058 0,059 0,017 0,133 Prod. e dist. de eletric. e gás, água, esgoto e limp. urbana 0,207-0,036 0,243 Construção civil (*) ,021 0,021 Comércio e serviços de manutenção e reparação - - 0,002 0,002 Serviços de alojamento e alimentação 0,103-0,009 0,113 Transporte, armazenagem e correio 0,023-0,027 0,05 Serviços de informação 0,146-0,041 0,187 Int. Financ., seguros e previd. compl. e serv. Relacionados - - 0,053 0,053 Serviços prestados as empresas - - 0,03 0,03 Atividades imobiliárias e aluguéis - - 0,006 0,006 Adm., saúde e educação públicas e seguridade social Serviços prestados às famílias e associativa - - 0,055 0,055 Outros serviços - - 0,032 0,032 Total 0,037 0,008 0,024 0,068 5 Na matriz de insumo-produto os valores referem-se aos produtos, os quais foram agregados para setores. 6 Os custos com mão de obra na construção civil foram transformados em despesas de consumo. 26

27 6 - GERAÇÃO DE EMPREGOS DIRETOS E INDIRETOS A quantidade de empregos diretos e indiretos indica, respectivamente, quanto dos empregos foi gerado a partir do próprio estímulo dos efeitos, tanto da construção, como da fase de operações. A quantidade de empregos indiretos é a consequência dos impactos iniciais na cadeia de suprimentos para as indústrias que atendem os setores impactados pelo empreendimento. TABELA 7: NÚMERO DE EMPREGOS DIRETOS E INDIRETOS GERADOS NA CONSTRUÇÃO E IMPLANTAÇÃO (FASE A 2 ANOS) EM QUANTIDADE DE PESSOAS Setores Emprego diretos anuais Empregos diretos Total Empregos indiretos anuais Empregos indiretos Total Emprego Total Construção civil Total TABELA 8: NÚMERO DE EMPREGOS DIRETOS E INDIRETOS GERADOS NA OPERAÇÃO DO EMPREENDIMENTO (FASE B) EM QUANTIDADE DE PESSOAS Setores Empregos diretos Empregos indiretos Emprego Total Comércio varejista Hotéis e restaurantes Serviços prestados as empresas Estacionamentos Outros Total

28 6.1. Distribuição dos Empregos por Faixa de Escolaridade e Salário A partir do total de empregos estimados e considerando os dados da RAIS MTE, é possível distribuir o número de empregos por faixa de salário e por escolaridade a partir da distribuição do perfil de empregos, em 2013, no estado do Rio Grande do Sul. TABELA 9: DISTRIBUIÇÃO DOS EMPREGOS POR FAIXA DE SALÁRIO EM QUANTIDADE DE PESSOAS Faixas de salário Construção (FASE A) Operação (FASE B) 0 a 0, ,51 a 1, ,01 a 1, ,51 a 2, ,01 a 3, ,01 a 4, ,01 a 5, ,01 a 7, ,01 a 10, ,01 a 15, ,01 a 20, Mais de 20, Não classificados Total TABELA 10: DISTRIBUIÇÃO DOS EMPREGOS POR FAIXA DE ESCOLARIDADE EM QUANTIDADE DE PESSOAS Faixas de escolaridade Construção (FASE A) Operação (FASE B) Analfabeto Até 5º incompleto º completo fundamental ª a 9ª fundamental Fundamental completo Médio incompleto Médio completo Superior incompleto Superior completo Mestrado Doutorado Total

29 7 - RELAÇÃO DE TABELAS DA FASE A CONSTRUÇÃO DO EMPREENDIMENTO As tabelas 1A, 2A, 3A, 4A, 5A, 6A e 7A mostram os resultados das simulações da fase de construção. TABELA 1A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE A PRODUÇÃO Setores Valor bruto anual da produção em R$ Valor bruto total da produção em R$ Agricultura, silvicultura e exploração florestal ,26 Pecuária e pesca ,65 Indústria extrativa ,27 Alimentos e bebidas ,22 Produtos do fumo ,41 Têxteis, artef. do vest. e do couro, acessórios e calçados ,79 Produtos de madeira exclusive móveis ,65 Celulose e produtos de papel ,29 Jornais, revistas, discos ,50 Refino de petróleo e gás e produtos químicos ,47 Álcool ,22 Artigos de borracha e plástico ,43 Produtos de minerais não metálicos ,78 Fabricação de aço e derivados ,25 Metalurgia de metais não ferrosos ,04 Produtos de metal exclusive máquinas e equip ,87 Máquinas e equip., inclusive manutenção e reparos ,17 Eletrodomésticos ,59 Máquinas para escritório e equip. de informática ,13 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos ,21 Material eletrônico e equip. de comunicações ,25 Aparelhos/instrum. médico-hosp., medida e óptico ,28 Indústria automobilística ,66 Outros equipamentos de transporte ,19 Móveis e produtos das indústrias diversas ,06 Prod. e dist. de eletric. e gás, água, esgoto e limp. urbana ,82 Construção civil ,25 Comércio e serviços de manutenção e reparação ,30 Serviços de alojamento e alimentação ,90 Transporte, armazenagem e correio ,83 Serviços de informação ,10 Int. Financ., seguros e previd. compl. e serv. Relacionados ,22 Serviços prestados as empresas ,08 Atividades imobiliárias e aluguéis ,74 Adm., saúde e educação públicas e segur. social ,12 Serviços prestados às famílias e associativa ,47 Outros serviços ,53 Total % 7 Os custos com mão de obra na construção civil foram transformados em despesas de consumo. 29

30 TABELA 2A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE O VALOR ADICIONADO Setores Valor adicionado anual em R$ Valor adicionado total em R$ Agricultura, silvicultura e exploração florestal ,072,201 4,30 Pecuária e pesca ,70 Indústria extrativa ,26 Alimentos e bebidas ,83 Produtos do fumo ,08 Têxteis, artef. do vest. e do couro, acessórios e calçados ,03 Produtos de madeira exclusive móveis ,65 Celulose e produtos de papel ,18 Jornais, revistas, discos ,62 Refino de petróleo e gás e produtos químicos ,40 Álcool Artigos de borracha e plástico ,24 Produtos de minerais não metálicos ,06 Fabricação de aço e derivados ,14 Metalurgia de metais não ferrosos ,03 Produtos de metal exclusive máquinas e equip ,78 Máquinas e equip., inclusive manutenção e reparos ,10 Eletrodomésticos ,35 Máquinas para escritório e equip. de informática ,12 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos ,13 Material eletrônico e equip. de comunicações ,22 Aparelhos/instrum. médico-hosp., medida e óptico ,34 Indústria automobilística ,81 Outros equipamentos de transporte ,12 Móveis e produtos das indústrias diversas ,91 Prod. e dist. de eletric. e gás, água, esgoto e limp. urbana ,67 Construção civil ,11 Comércio e serviços de manutenção e reparação ,12 Serviços de alojamento e alimentação ,51 Transporte, armazenagem e correio ,94 Serviços de informação ,30 Int. Financ., seguros e previd. compl. e serv. Relacionados ,85 Serviços prestados as empresas ,61 Atividades imobiliárias e aluguéis ,84 Adm., saúde e educação públicas e segur. social ,17 Serviços prestados às famílias e associativa ,63 Outros serviços ,88 Total % 8 Os custos com mão de obra na construção civil foram transformados em despesas de consumo. 30

31 TABELA 3A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE O EMPREGO Setores Geração anual de empregos qtde de pessoas Geração total de empregos qtde de pessoas Agricultura, silvicultura e exploração florestal ,82 Pecuária e pesca ,74 Indústria extrativa ,29 Alimentos e bebidas ,88 Produtos do fumo 3 6 0,03 Têxteis, artef. do vest. e do couro, acessórios e calçados ,40 Produtos de madeira exclusive móveis ,71 Celulose e produtos de papel ,11 Jornais, revistas, discos ,48 Refino de petróleo e gás e produtos químicos ,33 Álcool 0 0 0,00 Artigos de borracha e plástico ,16 Produtos de minerais não metálicos ,07 Fabricação de aço e derivados 2 5 0,03 Metalurgia de metais não ferrosos 2 4 0,02 Produtos de metal exclusive máquinas e equipamentos ,52 Máquinas e equip., inclusive manutenção e reparos ,05 Eletrodomésticos ,34 Máquinas para escritório e equipamentos de informática 4 9 0,04 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos ,07 Material eletrônico e equipamentos de comunicações ,08 Aparelhos/instrum. médico-hospitalar, medida e óptico ,12 Indústria automobilística ,30 Outros equipamentos de transporte ,07 Móveis e produtos das indústrias diversas ,74 Prod. e dist. de eletric. e gás, água, esgoto e limp. urbana ,39 Construção civil (*) ,21 Comércio e serviços de manutenção e reparação ,32 Serviços de alojamento e alimentação ,43 Transporte, armazenagem e correio ,94 Serviços de informação ,82 Int. Financ., seguros e previd. compl. e serv. Relacionados ,82 Serviços prestados as empresas ,11 Atividades imobiliárias e aluguéis ,65 Adm., saúde e educação públicas e seguridade social ,08 Serviços prestados às famílias e associativa ,66 Outros serviços ,16 Total % 9 Os custos com mão de obra na construção civil foram transformados em despesas de consumo. 31

32 TABELA 4A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE IMPOSTOS (ICMS) Setores ICMS anual - ICMS total - em R$ em R$ % Agricultura, silvicultura e exploração florestal ,47 Pecuária e pesca ,98 Indústria extrativa ,84 Alimentos e bebidas ,39 Produtos do fumo ,40 Têxteis, artef. do vest. e do couro, acessórios e calçados ,25 Produtos de madeira exclusive móveis ,47 Celulose e produtos de papel ,41 Jornais, revistas, discos ,18 Refino de petróleo e gás e produtos químicos ,87 Álcool Artigos de borracha e plástico ,12 Produtos de minerais não metálicos ,49 Fabricação de aço e derivados ,07 Metalurgia de metais não ferrosos ,01 Produtos de metal exclusive máquinas e equipamentos ,70 Máquinas e equip., inclusive manutenção e reparos ,10 Eletrodomésticos ,97 Máquinas para escritório e equipamentos de informática ,28 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos ,25 Material eletrônico e equipamentos de comunicações ,36 Aparelhos/instrum. médico-hospitalar, medida e óptico ,41 Indústria automobilística ,93 Outros equipamentos de transporte ,02 Móveis e produtos das indústrias diversas ,04 Prod. e dist. de eletric. e gás, água, esgoto e limp. urbana ,37 Construção civil Comércio e serviços de manutenção e reparação Serviços de alojamento e alimentação ,32 Transporte, armazenagem e correio ,13 Serviços de informação ,19 Int. Financ., seguros e previd. compl. e serv. Relacionados Serviços prestados as empresas Atividades imobiliárias e aluguéis Adm., saúde e educação públicas e seguridade social Serviços prestados às famílias e associativa Outros serviços Total Os custos com mão de obra na construção civil foram transformados em despesas de consumo. 32

33 TABELA 5A: RESULTADOS IMPACTOS SOBRE IMPOSTOS (IPI) Setores IPI anual em IPI total em R$ R$ % Agricultura, silvicultura e exploração florestal Pecuária e pesca Indústria extrativa Alimentos e bebidas ,46 Produtos do fumo ,01 Têxteis, artef. do vest. e do couro, acessórios e calçados ,43 Produtos de madeira exclusive móveis ,25 Celulose e produtos de papel ,80 Jornais, revistas, discos ,65 Refino de petróleo e gás e produtos químicos ,41 Álcool Artigos de borracha e plástico ,45 Produtos de minerais não metálicos ,64 Fabricação de aço e derivados ,06 Metalurgia de metais não ferrosos ,01 Produtos de metal exclusive máquinas e equipamentos ,00 Máquinas e equip., inclusive manutenção e reparos ,21 Eletrodomésticos ,85 Máquinas para escritório e equipamentos de informática ,41 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos ,37 Material eletrônico e equipamentos de comunicações ,14 Aparelhos/instrum. médico-hospitalar, medida e óptico ,81 Indústria automobilística ,41 Outros equipamentos de transporte ,31 Móveis e produtos das indústrias diversas ,94 Prod. e dist. de eletric. e gás, água, esgoto e limp. urbana Construção civil Comércio e serviços de manutenção e reparação Serviços de alojamento e alimentação Transporte, armazenagem e correio Serviços de informação Int. Financ., seguros e previd. compl. e serv. Relacionados Serviços prestados as empresas Atividades imobiliárias e aluguéis Adm., saúde e educação públicas e seguridade social Serviços prestados às famílias e associativa Outros serviços Total ,00 11 Os custos com mão de obra na construção civil foram transformados em despesas de consumo. 33

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CNS/FESESP RELATÓRIO - ANO 2004 São Paulo, 4 de setembro de 2007 EQUIPE Diretor

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo.

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo. SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CHEFE DO CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR DE PREVISÃO E ANÁLISE Raimundo Eloi

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence MPRA Munich Personal RePEc Archive Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence Umberto Antonio Sesso Filho and Joaquim José Martins Guilhoto and Antonio Carlos

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira 2 Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira Confederação Nacional dos Serviços - CNS Federação de Serviços

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL. Resumo. Abstract. Maria Helena Zockun

UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL. Resumo. Abstract. Maria Helena Zockun 1 UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL Maria Helena Zockun Resumo O trabalho estima a parcela da atividade econômica que não declarou seu faturamento à tributação em 1996, por setor. A

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato a Dois Setores Sem Formação de Capital a Dois Setores Com Formação de Capital a Três Setores: O Setor Público a Quatro Setores: O Setor Externo 1 2 Contas Básicas: - Produto

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades Tecnologia da Informação No, 72,34% das empresas industriais pesquisadas afirmaram utilizar computadores. As categorias fabricação e refino de petróleo e álcool, fabricação de máquinas, aparelhos e material

Leia mais

MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003

MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003 MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003 Adelar Fochezatto 1 Cristiano Ponzoni Ghinis 2 Resumo O objetivo deste trabalho é identificar

Leia mais

Análise dos resultados Panorama geral

Análise dos resultados Panorama geral Análise dos resultados Panorama geral Durante o período de 2005 a 2008, o Produto Interno Bruto - PIB brasileiro passou de cerca de R$ 2,2 trilhões para R$ 3,0 trilhões, a valores correntes, com uma taxa

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

Pesquisa Anual de Serviços

Pesquisa Anual de Serviços 1 Pesquisa Anual de Serviços Perguntas e Respostas Qual o destaque da pesquisa? O setor movimentou R$ 1,1 trilhão em receita operacional líquida i, respondeu por 11 993 942 mil pessoas ocupadas e pagou

Leia mais

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Para aa Fornecedores Rede de Obras Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Informações de acordo com a sua necessidade Com o objetivo de atender a sua empresa

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira !"#"#!$%&"'()* * " + # (, " - --.&"- "/"& 0+- &#"./" - "0 - () " 1 # 2- (, - 34/ % - &5"() #-6 $ 7-" &"'()"" (,8 32- )-" 8 7- & () 98 % ) #- 2-

Leia mais

Aplicação da Matriz Insumo Produto para o Município de Criciúma. Por: MSc. Thiago R. Fabris

Aplicação da Matriz Insumo Produto para o Município de Criciúma. Por: MSc. Thiago R. Fabris Aplicação da Matriz Insumo Produto para o Município de Criciúma Por: MSc. Thiago R. Fabris OBJETIVOS A MIP foi um trabalho solicitado pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico. C.M.D.E., para

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O INFORME-SE ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O SETORES INTENSIVOS EM MÃO-DE-OBRA: Uma atualização do Modelo de Geração de Emprego do BNDES O Modelo de Geração

Leia mais

No período considerado, cerca de 17% das unidades produtivas faziam uso de equipamentos de automação industrial no Estado de São Paulo.

No período considerado, cerca de 17% das unidades produtivas faziam uso de equipamentos de automação industrial no Estado de São Paulo. Automação Industrial A Pesquisa da Atividade Econômica Regional disponibiliza informações sobre a difusão de automação industrial nas indústrias paulistas que, em seu conjunto, expressa as dinâmicas comportamentais

Leia mais

A Transformação e a Reciclagem de Material Plástico. Estrutura e desafios

A Transformação e a Reciclagem de Material Plástico. Estrutura e desafios A Transformação e a Reciclagem de Material Plástico Estrutura e desafios 14 - Estados representados 21 - Sindicatos Associados Representa : 100% dos Estados do Sul e Sudeste e 65% dos Estados do Nordeste

Leia mais

Avaliação de rotas tecnológicas de reciclagem de resíduos sólidos urbanos para a cidade de Salvador

Avaliação de rotas tecnológicas de reciclagem de resíduos sólidos urbanos para a cidade de Salvador Avaliação de rotas tecnológicas de reciclagem de resíduos sólidos urbanos para a Julia Trindade Alves de Carvalho (Mestre em Economia PPGE/UFBA); Gervasio F. Santos (Prof. Dr. Depto. de Economia, PPGE

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Índice 1. O Sistema Tributário Brasileiro...3 1.1. Breve histórico do sistema tributário brasileiro... 3 1.1.1. A reforma dos

Leia mais

Tema IV. Tópicos Especiais de Finanças Públicas

Tema IV. Tópicos Especiais de Finanças Públicas Tema IV Tópicos Especiais de Finanças Públicas Tópicos Especiais de Finanças Públicas Menção Honrosa Rozane Bezerra de Siqueira * José Ricardo Bezerra Nogueira ** Evaldo Santana de Souza *** Alíquotas

Leia mais

Circuito Económico e Contabilidade Nacional

Circuito Económico e Contabilidade Nacional Circuito Económico e Contabilidade Nacional Visão das actividades económicas em termos de circuito. Relacionamento dos agentes pelas operações: - relacionamento em termos de equilíbrio ou, - desequilíbrio.

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

Taller sobre remesas, educación financiera y microemprendimiento en Goíanía, Brasil, 26 y 27 de Noviembre 2014.

Taller sobre remesas, educación financiera y microemprendimiento en Goíanía, Brasil, 26 y 27 de Noviembre 2014. Fortalecimiento del diálogo y de la cooperación entre la Unión Europea (UE) y América Latina y el Caribe (ALC) para el establecimiento de modelos de gestión sobre migración y políticas de desarrollo www.migracion-ue-alc.eu

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Campinas 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico

Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Planejamento da política econômica

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Grandes empresas familiares brasileiras Uma análise da publicação VALOR 1000

Grandes empresas familiares brasileiras Uma análise da publicação VALOR 1000 Grandes empresas familiares brasileiras Uma análise da publicação VALOR 1000 VALOR 1000 é uma publicação anual do jornal Valor Econômico Copyright 2004 Prosperare SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO PANORAMA

Leia mais

Agregados macroeconômicos:

Agregados macroeconômicos: 2.1 Introdução Agregados macroeconômicos: Contabilidade social Capítulo II Macroeconomia: ramo da teoria econômica que estuda a determinação e o comportamento dos agregados nacionais. a parte relativa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA DEMANDA E DA TECNOLOGIA PARA O CRESCIMENTO ECONÔMICO REGIONAL: UMA ANÁLISE MULTISSETORIAL

CONTRIBUIÇÕES DA DEMANDA E DA TECNOLOGIA PARA O CRESCIMENTO ECONÔMICO REGIONAL: UMA ANÁLISE MULTISSETORIAL CONTRIBUIÇÕES DA DEMANDA E DA TECNOLOGIA PARA O CRESCIMENTO ECONÔMICO REGIONAL: UMA ANÁLISE MULTISSETORIAL Adelar Fochezatto 1 Cristiano Ponzoni Ghinis 2 Resumo O objetivo deste trabalho é identificar

Leia mais

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Umberto Antonio Sesso Filho * Joaquim José Martins Guilhoto ** Rossana Lott Rodrigues *** Antonio Carlos

Leia mais

Taxa de desemprego se eleva

Taxa de desemprego se eleva MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC 1 Taxa de desemprego se eleva 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego - PED, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese, em parceria com o Consórcio

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Sorocaba 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

SHOPPING CENTERS Evolução Recente

SHOPPING CENTERS Evolução Recente ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Maio/98 N o 16 SHOPPING CENTERS Evolução Recente Este informe apresenta a evolução recente da indústria de shopping

Leia mais

Aspectos Tributários

Aspectos Tributários Aspectos Tributários Principais Tributos IMPOSTOS Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre serviços de qualquer natureza

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção

As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção Divonsir de Jesuz da Silva Dutra (CEFET-PR) divonsirdutra@terra.com.br Dr. Kazuo Hatakeyama (CEFET-PR) kazuo@ppgte.cefetpr.br

Leia mais

Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste Ministério da Integração Nacional

Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste Ministério da Integração Nacional Fundo de & Incentivos Fiscais Finalidade Assegurar recursos para investimentos na área de atuação da SUDENE, em infra-estrutura e serviços públicos e em empreendimentos produtivos com grande capacidade

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 6 Conta da Produção das Atividades (versão para informação e

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás O presente informe técnico tem o objetivo de mostrar a importância da micro e pequena empresa para o Estado de Goiás, em termos de geração de emprego

Leia mais

APOIO: AGRADECIMENTOS:

APOIO: AGRADECIMENTOS: RELATÓRIO ANUAL - 2013 APOIO: AGRADECIMENTOS: BOLETIM DO COMÉRCIO Relatório Anual - 2013 Pág. 2 RELATÓRIO ANUAL - 2013 Prezados Comerciantes, Esse boletim é uma edição especial sobre o comportamento do

Leia mais

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL Gilberto Luiz do Amaral INTRODUÇÃO A REFERÊNCIA PRINCIPAL deste trabalho

Leia mais

PESQUISA DA DEMANDA NACIONAL POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS

PESQUISA DA DEMANDA NACIONAL POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PESQUISA DA DEMANDA NACIONAL POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS RELATÓRIO TÉCNICO O conteúdo deste documento é de exclusiva responsabilidade da equipe técnica do Estudo da Demanda Nacional por Serviços Tecnológicos.

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

SINAPI Modelo de Apresentação

SINAPI Modelo de Apresentação SINAPI Modelo de Apresentação Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil Administrado pela CAIXA Precisão do Preço de Referência Margem de erro elevada MÉTODO DE CÁLCULO DO

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0.

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0. Sistema PED Maio 2012 Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Governador do

Leia mais

Impactos da Redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de Automóveis. Diretoria de Estudos Macroeconômicos/Dimac

Impactos da Redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de Automóveis. Diretoria de Estudos Macroeconômicos/Dimac Impactos da Redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de Automóveis Diretoria de Estudos Macroeconômicos/Dimac NOTA TÉCNICA IPEA Impactos da Redução do Imposto sobre Produtos Industrializados

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS O setor de serviços é, tradicionalmente, a principal porta de entrada no mercado de trabalho. Responsável por aproximadamente 60% do produto interno

Leia mais

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65%

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65% Prestação de serviço de assessoria em importação Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% Faturamento (Receita Bruta) R$ 20.000,00 Alíquota PIS 0,65% Valor da propriedade imobiliária

Leia mais

NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO

NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO Abril de 2015 1 Sumário Executivo O trabalho utiliza a mesma base de dados e metodologia que o elaborado pela CUT/DIEESE, ou seja, agregações de setores terceirizados e contratantes

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira Confederação Nacional dos Serviços - CNS Federação de Serviços

Leia mais

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010 II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010 Base 2010 Coordenação de Contas Nacionais (São Paulo, 19 de junho de 2013) 1 MUDANÇA DE BASE Por que uma mudança na série? Atualização de pesos não faz

Leia mais

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 Comércio Varejista 2000 Comércio a Varejo e por Atacado de VeículosAutomotores 50 Manutenção e Reparação de VeículosAutomotores

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 11 Administração Pública (versão para informação e comentários)

Leia mais