GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA GOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA GOL"

Transcrição

1 1 GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA GOL TÍTULO MODELO DE CANAL REVERSO PARA BATERIAS DE CELULARES: ESTUDO SOBRE OS CANAIS EXISTENTES NO CENTRO DE ANGRA DOS REIS/RJ

2 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo propor um modelo de canal reverso para baterias de celulares em Angra dos Reis/RJ. Para alcançar este objetivo foi preciso identificar como está organizado o fluxo reverso para esse tipo de material no município, verificando a existência de informações sobre as quantidades vendidas e devolvidas, os pontos de devolução/recebimento, e o tempo médio que este volume leva até ser encaminhado para tratamento ou disposição final em local adequado. Para a coleta de dados, utilizou-se de entrevistas com perguntas abertas e não estruturadas. Os resultados obtidos apontaram para a existência de um canal reverso para as baterias, porém com 50% de funcionalidade, mostrando-se também em desacordo com a Resolução CONAMA Nº.257 (junho/1999) que exige a prestação do serviço por todos os comerciantes e assistência técnica para este material. No entanto, mesmo ineficiente, possui capacidade ociosa, pois apenas 8,77% do montante vendido, ou seja, inserido no meio, é devolvido em forma de descarte nos pontos de recebimento identificados, levando, aproximadamente, 1,4 mês até serem coletados. Palavras Chave: Logística Reversa, Bateria de Telefone Celular, Canal Reverso. ABSTRACT The aim of this work is to propose a model of reverse channel for cell phone batteries in Angra dos Reis/RJ. First, we had to know how the reverse flow of this type of material was organized, verifying all information about quantities sold and returned, the points of return/receipt, and the average time that this takes up to be sent for treatment or final disposal in the appropriate place. For data collection, we used interviews with open and unstructured questions. The results pointed to the existence of a reverse channel for cell phone batteries, but with only 50% of functionality, since the regulations imposed by CONAMA (Resolution 257/June 1999) requires the service provided by all traders and technical assistance for this material. However, even inefficient, it has idle capacity, because only 8.77% of the amount sold, return in the form of disposal, spending 1.4 months, approximately, until being collected. Key-Words: Reverse Logistics, Phone Cell Battery, Reverse Channel

3 3 1 Introdução Com a velocidade dos avanços tecnológicos, o acesso rápido aos mesmos e a estabilidade econômica do país, grande parte da população desfruta de poder de compra que lhe permite adquirir e renovar os bens de consumo com maior facilidade e rapidez. Como resultado, o que até pouco tempo se considerava como artigo de luxo ou representativo de status vem se tornando aquisições comuns e corriqueiras. Essa transformação de valores e cultura consumidora muda também o cenário do mundo produtivo, resultando em grandes quantidades de resíduos gerados por esses produtos que se acumulam diariamente ao nosso redor. Nesse contexto, problemas associados ao destino final dado a esses materiais passam a representar uma preocupação, uma vez que estes estão se avolumando nos vazadouros clandestinos aumentando o risco de contaminação do solo, nascentes e águas subterrâneas. A crescente preocupação com as questões ecológicas, e as novas legislações ambientais, vem incentivando a criação de canais reversos que solucionem esse problema. Assim, a logística reversa, dentre seus propósitos, visa à redução, a disposição e o gerenciamento desses resíduos, tóxicos e não tóxicos. (GOMES e RIBEIRO apud OLIVEIRA e GUARNIERI, 2004). Ballou (2001) alega que embora seja fácil pensar em logística para o gerenciamento do fluxo de produtos até os clientes, há um canal logístico reverso que também deve ser gerenciado. Complementando, Lambert et al apud Daher et al (1998) alegam que o reaproveitamento e remoção de refugo e a administração de devoluções fazem parte diretamente da logística reversa. Neste sentido e influenciado pelos fatores legislativos e ecológicos, a logística reversa de pilhas e baterias são regulamentados no Brasil pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), através da Resolução Nº.257 de junho de Segundo esta resolução, as pilhas e baterias que possuam chumbo, cádmio, mercúrio e seus compostos devem ser entregues aos comerciantes que as comercializam, ou à rede de assistência técnica, para serem processadas, ou, de uma forma adequada, descartadas. No entanto, parece não haver um canal logístico reverso bem definido para este tipo de material. Assim, tendo em vista o grande consumo de baterias e aparelhos telefônicos celulares, este estudo tem como objetivo propor um modelo de canal reverso para este tipo de material em Angra dos Reis/RJ. Porém, para alcançar este objetivo foi preciso identificar como está organizado o fluxo reverso para esse tipo de material no município, verificando a existência de informações sobre as quantidades vendidas e devolvidas, os pontos de devolução/recebimento, e o tempo médio que este volume leva até ser encaminhado para tratamento ou disposição final em local adequado. 2 Revisão bibliográfica 2.1 Logística reversa Logística reversa engloba todas as operações e atividades de coletar, desmontar e processar produtos, materiais e peças usadas visando assegurar uma recuperação sustentável, ou seja, amigável ao meio ambiente (LEITE, 2003). Neste mesmo contexto, porém focada num aspecto diferente, Bowersox e

4 Closs apud Chrusciak (2006) alegam que as necessidades da logística reversa também provêm das legislações que proíbem o descarte indiscriminado de resíduos no meio ambiente. É importante lembrar que a logística reversa pode ser ainda dividida em duas áreas de atuação: logística reversa de pós-venda e logística reversa de pósconsumo. A primeira pode ser entendida como a área da logística reversa que trata do planejamento, do controle e da destinação dos bens sem uso ou com pouco uso, que retornam à cadeia de distribuição por diversos motivos: devoluções por problemas de garantia, avarias no transporte, excesso de estoques, prazo de validade expirado, entre outros. Já a logística reversa de pósconsumo pode ser vista como a área da logística reversa que trata dos bens no final de sua vida útil, dos bens usados com possibilidade de reutilização (embalagens) e os resíduos industriais (GUARNIERI et al, 2005). No que diz respeito ao fluxo reverso de pós-consumo, Leite (2003) alega que existem cinco fatores que corroboram para a sua prática, sendo eles divididos em dois grupos: a) Fatores necessários: Econômicos, tecnológicos e logísticos; b) Fatores modificadores: Ecológicos e legislativos O fator econômico está diretamente ligado ao resultado da operação ser economicamente interessante. Não basta apenas o valor do produto ser vantajoso, é necessário um sistema de captação, transporte, armazenagem e manipulação eficiente para tornar o produto interessante sob o aspecto econômico. Alguns materiais exigem um tipo de transporte especial, manuseio seletivo ou outro componente cujos custos oneram muito o processo tornando a sua captação inviável ou desinteressante financeiramente. O fator tecnológico se refere à existência de métodos e tecnologia de processamento a um custo compatível, independente de haver abundância de materiais. Já o fator logístico está ligado a existência e disponibilidade de uma estrutura logística que possibilite a concretização da cadeia reversa, desde o consumidor final até a sua origem, possibilitando o retorno dos materiais com qualidade e a um custo compatível. O fator ecológico está voltado à consciência empresarial, governamental e do próprio consumidor por meio de suas práticas e postura, e o fator legislativo, como regulamentador da cadeia reversa, visando reduzir custos sociais importantes como a geração de resíduos nocivos à sociedade. (MORO et al, 2007). Rogers e Tibben-Lembke (1998) alegam que a logística reversa deve ser vista e gerenciada da mesma forma que a logística tradicional, ou seja, tendo como objetivo a criação/recuperação de valor. Os autores destacam ainda a importância de se prever e criar canais reversos bem definidos, pois em algum momento e de alguma forma os bens serão descartados. Os canais reversos podem ser para: retornar ao fornecedor; revender; recondicionar; reciclar; descarte (figura 1). 4

5 5 Figura 1: Processo logístico reverso Fonte: Adaptado de Rogers e Tibben-Lembke, 1998 Assim, Rogers e Tibben-Lembke (1998) definem logística reversa como sendo o processo de planejar, implementar e controlar o ativo, o custo efetivo do fluxo de matérias-primas, o processo de inventário, produtos acabados e informações relativas do ponto de consumo até o ponto de origem, com o propósito de recapturar valor ou destinar a disposição apropriada. 2.2 Canais reversos O canal de distribuição reverso se caracteriza pelas formas e meios necessários para que os produtos, devido a defeitos de fabricação, prazo de validade ultrapassado ou após extinta a sua vida útil retornam ao ciclo produtivo ou de negócios, pelo reuso ou pela reciclagem, ou sejam tratados e adequadamente encaminhados para uma disposição final (LEITE, 2003). Para Dowlatshahi apud Estival e Távora (2004), pode-se considerar o estudo dos canais reversos como um novo conceito na logística e no gerenciamento da cadeia de suprimentos, ganhando notoriedade como uma estratégia de negócio lucrativa e sustentável, como sendo uma forma de se obter vantagem competitiva para as indústrias, serviços e gerenciamento de resíduos. Conforme apontado por Mendes e Silva (2005), as destinações principais dadas aos materiais deste canal são: Retorno ao fornecedor ou fabricante: são os bens ou produtos devolvidos por apresentarem defeito, insatisfação do consumidor ou para reparo; Revenda: materiais descaracterizados com valor agregado de retorno muito alto, sendo comercializados no estado em que estiverem; Recondicionamento: produtos que necessitam de retrabalho para novamente serem comercializados em sua forma original; Reciclagem: produtos e materiais que podem ser segregados, reprocessados e reciclados para geração de matéria prima ou novos produtos; Descarte: materiais e produtos que chegam ao final da vida útil, não havendo tecnologia ou processos de reciclagem que permitam sua reconfiguração para novas utilizações.

6 6 2.3 Ciclo de vida útil de produto O mercado de telefonia móvel, por exemplo, vem em constante evolução, sendo esta acompanhada pela também constante adaptação dos modelos e recursos oferecidos pelos aparelhos celulares. Estas inovações aceleram a obsolescência dos produtos, reduzindo os seus ciclos de vida, caracterizando uma clara tendência de descartabilidade. Desta forma, esta linha de produtos se mantém quase que permanentemente no estágio de maturidade, promovendo e estimulando o desejo de consumo em intervalos muito curtos de tempo, sendo este mais um fator contribuidor da geração de produtos pós-consumo (CHURCHILL, 2000). Segundo Leite (2003), a análise do ciclo de vida útil dos produtos estuda o impacto ambiental gerado por estes desde o momento da extração das matériasprimas e outros insumos utilizados para a sua fabricação até sua disposição final, motivo pelo qual também é conhecida como análise do produto do berço ao túmulo. Os produtos de pós-consumo podem ser destinados para disposições finais seguras ou inseguras do ponto de vista ambiental. Os aterros sanitários e a incineração são considerados disposições finais seguras, e as demais formas são consideradas inseguras, uma vez que acarretam poluição ambiental. A redução do ciclo de vida mercadológico dos bens de consumo de utilidade, devido à inclusão de novos materiais, à obsolescência planejada, à grande variedade de novos lançamentos, à busca de redução de custos de distribuição, à redução de custos de embalagens, e ao elevado custo relativo dos serviços de manutenção, tem gerado excessos de bens e materiais descartados pela sociedade e contribuído para o esgotamento acelerado dos meios tradicionais de disposição final dos mesmos, e em conseqüência, aumentado as disposições inseguras, geradoras de poluição ambiental (ANSOFF apud LEITE, p. 40, 2003). 3 Metodologia Para Silva e Menezes (2005), uma pesquisa pode ser classificada quanto a sua natureza, quanto à forma de abordagem, quanto a seus objetivos e quanto aos seus procedimentos técnicos. No que diz respeito à natureza deste trabalho, caracteriza-se como uma pesquisa aplicada. A pesquisa aplicada objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática e dirigida à solução de problemas específicos, evolvendo verdades e interesses locais. Os autores acima citados alegam que a pesquisa quanto a sua forma de abordagem pode ser classificada como quantitativa ou qualitativa. Esta pesquisa possui predominantemente uma abordagem qualitativa, pois a mesma, conforme a definição destes, possui uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade que não pode ser traduzida em números. Quanto aos objetivos da pesquisa, Silva e Menezes (2005) afirmam que a mesma pode ser uma pesquisa exploratória, descritiva ou explicativa. Pode-se

7 7 considerar esta como sendo do tipo descritiva, pois visa descrever as características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis. Relativo aos procedimentos técnicos, este estudo adotou a pesquisa de campo. Para Silva e Menezes (2005), a pesquisa de campo envolve um estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que se permita o seu amplo e detalhado conhecimento. Como técnica de coleta de dados primários, esta pesquisa se utilizou de entrevistas com perguntas abertas e não estruturadas, objetivando capturar as estruturas dos canais reversos de cada estabelecimento entrevistado. Foram entrevistados doze estabelecimentos, entre lojas comerciais, de departamentos e lojas de assistência técnica dentro da região central de Angra dos Reis/RJ. Os dados coletados sofreram análise de conteúdo de forma a se obter os dados que permeassem o objetivo da pesquisa. 4 Análise dos dados 4.1 Características dos estabelecimentos quanto à logística reversa de baterias de celulares Os dados e informações coletados pelo estudo estão traduzidos em análises e resultados categorizados e numéricos no quadro comparativo da figura 2, apresentando percentuais e proporcionalidades dos elementos do serviço de coleta de baterias de celulares. Através da interpretação a ser dada nos tópicos subseqüentes será possível o melhor entendimento das representações expressas na figura.

8 8 Estabelecimento Ponto de Recebiment o Registra Devolução? Tempo de Coleta (Mês) Quantidad e Vendida (Mês) Quantidad e Rotornada (Mês) Casa e Vídeo Não possui Ponto TIM Possui Não Ponto Frio Não possui Angra Data Não possui Casas Bahia Não possui - - N/C 0 Lojas CEM Não possui Loja Própria VIVO Loja OI Technocell Possui Não 0, Possui Não Loja TCI Celular Não possui Loja Digital Lasy Possui Não 0,5 N/C 40 Angra Cell Possui Não Angra Fone Possui Não Proporções 50% 0% 1, (8,77%) Figura 2 - Quadro Comparativos: Elementos do Serviço de Recebimento de Baterias Celulares Pode-se observar que somente 50% dos estabelecimentos entrevistados possuem ponto de recebimento de baterias de celulares. Porém, destes 50%, nenhum deles registram a devolução do material. A média de freqüência de recolhimento das baterias nos estabelecimentos é de 1,4 mês, ou seja, este é o tempo máximo que uma bateria fica no estabelecimento após ser devolvida. A pesquisa mostrou também que em média são colocados no mercado mensalmente cerca de novas baterias (acopladas aos celulares). Em contrapartida, somente 214 baterias em média no mês são devolvidas, ou seja, do total de baterias de celulares colocados no mercado, somente 8,77% retornam (figura 3).

9 9 Não Coletam (50% dos pontos) Canal Reverso (50% dos pontos) Capacidade Ociosa 82,46% Volume Total 2440 unidades vendidas por mês 2226 Não Recolhido 91,23% 8,77% 214 Recolhido Canal Reverso x Capacidade Vendido x Recolhido Figura 3 - Quantidades x Capacidade do Canal Reverso 4.2 Modelo de Canal Reverso A partir de uma análise dos procedimentos de coleta e destino das baterias pelos estabelecimentos que oferecem este serviço, pode-se desenvolver um modelo de canal reverso genérico para este material (figura 4).

10 10 Usuário Modelo Proposto de Fluxo Reverso Estabelecimento Terceirizado INÍCIO Depositar bateria na URNA da loja Recolher baterias da URNA Isolar pontos de contato e envelopar as baterias Atividades preferencialmente diárias, de forma a manter dados atualizados e evitar acúmulo de trabalho no momento da coleta, além de manter o controle e monitoramento das quantidades e do estado e condição do material depositado Transp. para emp. de tratamento FINAL Identificando marca e nome da loja no envelope Registrar dados: data, marca e quantidade Transferir para depósito Após as atividades anteriores, esvaziar a URNA da loja e transferir as baterias para um compartimento de maior capacidade e com isolamento adequado, preferencialmente no depósito da loja Armazenar A indicação para uso de empresa terceirizada se deve ao fato de as mesmas possuírem forma de transporte segura e adequada para o tipo de material (bateria) Solicitar coleta por empresa terceirizada Registrar informações de data, destino e quantidades são para utilização estatística e de análise para auxílio à planos de melhoria do mecanismo Registrar montantes despachados Legenda: Terminal Processo Armazenamento Espera Transferência Decisão Comunicação oral Figura 3: Modelo Proposto de Canal Reverso O modelo inicia com a conscientização do cliente (usuário) em devolver (descartar de forma correta) a bateria que não será mais utilizada em uma urna dos estabelecimentos que possuem pontos de coleta. No estabelecimento, as baterias devem ser recolhidas diariamente da urna, isolando os pontos de contato e envelopando as baterias. Após estes procedimentos, o estabelecimento deve transferir as baterias para um compartimento de maior capacidade e com isolamento adequado. Próximo de alcançar a capacidade máxima do compartimento de baterias, deve-se solicitar a coleta do material por uma empresa especializada, que possua um transporte seguro e adequado. Deve-se também registrar os montantes despachados de forma que se possa mensurar o processo e buscar uma constante melhoria. Após o recolhimento, a empresa responsável pelo mesmo deve dar o tratamento final às baterias, seja para reciclagem, seja para descarte.

11 11 Para melhoria dos aspectos ainda pouco eficientes encontrados pelo estudo, conforme designado pela Resolução CONAMA Nº.257 de junho de 1999, primeiramente em cumprimento da determinação legal, e não menos importante, pela responsabilidade social e ambiental, sugere-se, na forma de um fluxo padrão, um processo de coleta que contemple locais adequados de armazenamento, deslocamento seguro e apropriado e o registro do mínimo necessário de informações sobre as atividades do funcionamento de um canal reverso na região pesquisada, seguindo os seguintes passos: Informar aos usuários de aparelhos celulares, e também a comunidade de uma forma geral, através de campanhas informativas e instrutivas, inseridas nas campanhas promocionais ou de divulgação promovidas pelos estabelecimentos, sobre a importância de uma forma adequada de descarte destes produtos, incentivando a utilização dos recipientes adequados e disponíveis nos pontos de recebimento, que farão a guarda do material até a sua coleta, de forma a não oferecerem risco ao ambiente e nem às pessoas durante o período em que estiverem no local de depósito. Ainda dentro desse fluxo proposto, aliar a adoção de uma forma, de registro mínimo dos dados das devoluções ocorridas, possibilitando a geração de informações estatísticas dos principais aspectos e elementos desse caminho reverso. A partir desse novo modelo, uma base poderá ser constituída, servindo como parâmetro comparativo para medições e projeções do comportamento do canal, orientando a formulação de medidas necessárias para sua melhoria, ou de ações corretivas em virtude de desvios ou de alterações das diretrizes legais reguladoras. 5. Conclusões Pelas análises e resultados obtidos por este estudo, se pôde chegar aos objetivos propostos, tendo sido identificada a existência do canal reverso para baterias de aparelhos celulares na região central da cidade de Angra dos Reis/RJ, e as formas e quantidades desse material que são movimentadas em períodos mensais. Algumas relações puderam ser estabelecidas, mostrando aspectos como um número muito pequeno de baterias devolvidas, frente ao montante vendido no mesmo período de tempo, o que demonstra uma área com um potencial muito grande ainda por ser explorado. A relações entre a capacidade de operação do canal e a amplitude que o mesmo deveria ter, aponta para sua ineficiência, uma vez que apenas metade dos estabelecimentos que comercializam baterias e aparelhos celulares recebem esse material descartado ou devolvido pelos usuários e consumidores. Este estudo permitiu perceber nos entrevistados um entendimento da importância em se estar retirando de circulação, e dos locais de depósito comuns, o material que não tem mais utilidade, porém impõem risco de contaminação. No entanto, se mostraram totalmente alheios às formas adequadas, e mais importante, a legislação ambiental que prevê penalidades pelo descumprimento das normas e obrigações desses estabelecimentos. Não existe a preocupação nem o interesse em divulgar os meios oferecidos de captação de baterias. O consumidor é ávido por realizar seus desejos, adquirir tecnologia, mas precisa ser orientado para como dispensar o refugo do seu

12 12 consumo, e que benefícios isso trará. Para tanto, é necessário informar aos usuários de aparelhos celulares, e também a comunidade de uma forma geral, através de campanhas informativas e instrutivas, inseridas nas campanhas promocionais ou de divulgação promovidas pelos estabelecimentos, sobre a importância de uma forma adequada de descarte destes produtos, incentivando a utilização dos recipientes adequados e disponíveis nos pontos de recebimento, que farão a guarda do material até a sua coleta, de forma a não oferecerem risco ao ambiente e nem às pessoas durante o período em que estiverem no local de depósito. Essa providência não só trará um aumento do material recolhido como, estrategicamente, pode representar ganho para as empresas, colocando-as no hall das contribuidoras para com as questões ambientais, e até mesmo um ganho financeiro pela possibilidade encaminhamento para reprocessamento e reciclagem. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALIGLERI, L; CÂMARA, M. R.; ALIGLERI, L. A. Responsabilidade Social na Cadeia Logística: Uma Visão Integrada para o Incremento da Competitividade. In: Encontro Nacional de Estudos Organizacionais, 2, 2002, Recife. Anais..., Recife: Observatório da Realidade Organizacional: UFPE: ANPAD, maio BALLOU, R. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Planejamento, Organização e Logística Empresarial, Editora Bookman, Porto Alegre, CHRUSCIAK Szilagyi, D.; GUARNIERI, P.; SCANDELARI, L.; HATAKEYAMA, K.; OLIVEIRA, I. L.; BELMONTE, D. L. WMS- Warehouse Management System: Adaptação Proposta para o Gerenciamento da Logística Reversa. Rev. Produção, São Carlos - SP, v. 16, n. 01, p , DAHER, C. E.; SILVA, E. P. S.; FONSECA, A. P. Logística Reversa: Oportunidade para Redução de Custos através do Gerenciamento da Cadeia Integrada de Valor. Universidade de Brasília, Brasília, ESTIVAL, K. G. S.; TÁVORA Júnior, J. L. Análise do Canal de Distribuição Reverso de Pós-Consumo da Embalagem de Vidro no Brasil. XXIV Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Florianópolis, 3 a 5 nov GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, HERRERA, V. É.; TEIXEIRA, M. A.; BARBOSA, D. H.; LOPES, L. O. A Logística Reversa Como Fonte de Vantagem Competitiva no Segmento de Máquinas e Equipamentos Agrícolas: Estudo de Caso da Empresa X. XIII SIMPEP, Bauru, 6 a 8 nov MENDES, J.; SILVA, P. M. C. Uma Visão do Gerenciamento de Suprimentos para a Questão Ambiental, suas Práticas e seus Conceitos Operacionais. Trabalho de Conclusão de Curso (MBA International Program) Programa FGV Management, Fundação Getúlio Vargas, Campus Jacarandás, 2005.

13 s 13 KOTLER, P. Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle. São Paulo: Atlas, LEITE, P. R. Canais de Distribuição Reversos: Fatores de Influência sobre as Quantidades Recicladas de Materiais. III SIMPOI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, set LEITE, P. R. Logística Reversa: Meio Ambiente e Competitividade. São Paulo: Pearson Prentice Hall, OLIVEIRA, I. L.; GUARNIERI, P. A Caracterização da Logística Reversa no Ambiente Empresarial em suas Áreas de Atuação: Pós-Venda e Pós-Consumo Agregando Valor Econômico e Legal. Tecnologia e Humanismo, Curitiba, RECICLAGEM de Pilhas e Baterias. GloboNews: Cidades e Soluções, Arquivo de vídeo (22 min), AVI, son., col. ROGERS, D. S.; TIBBEN-LEMBKE, R. S. Going Backwards: Reverse Logistics Trends and Practices. Reno, University of Nevada: SILVA, E. L., MENEZES, E. M., Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Florianópolis: UFSC/PPGEP/LED, VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2007.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE BATERIAS SUELY M.V. G. DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional SETEMBRO/2003 2 ÍNDICE

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R.

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R. . CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MONOGRAFIA ÁREA: LOGÍSTICA LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS

Leia mais

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo Logística Prof: Roberto Macedo Canais de Distribuições Reversos Objetivos Apresentar os conceitos da logística reversa e os canais utilizados; Evidenciar a importância destes canais e as formas corretas

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil.

Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil. Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil. Cristiane Duarte de Souza Graduada em Administração cridrds@ig.com.br Natália Pecorone de Sá Graduada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A logística reversa é importante instrumento de desenvolvimento econômico e social previsto na Política Nacional de Resíduos

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final Disposição inadequada

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora

A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora Resumo Leozenir Betim (CEFET PR) leobetim@visaonet.com.br Patrícia Guarnieri (CEFET PR) patriciaguarnieri@ibest.com.br

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA.

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. 7. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇAO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. SCHWEIGERT, Romacir

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS)

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) A Logística Reversa tem sido motivo de muitas manifestações seja na mídia em geral, seja nas empresas, academias e do publico em geral

Leia mais

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015.

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015. PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015 MEIO AMBIENTE Fevereiro/2015 ESTRUTURA DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE Diretoria de Engenharia e Construção

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag Paulo Daniel Pessoa (FAGEN/UFU) pd.pessoa@hotmail.com Claúdio Luis Miotto (FAGEN/UFU) miotto@ufu.br Resumo Estudo

Leia mais

3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM

3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM 3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM (SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉNS): UMA PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DA LOGÍSTICA REVERSA EM ARMAZÉNS Patrícia Guarnieri Kazuo Hatakeyama Daniele

Leia mais

André Luis Saraiva. andresaraiva@prac.com.br (11) 3511.3889 WWW.PRAC.COM.BR

André Luis Saraiva. andresaraiva@prac.com.br (11) 3511.3889 WWW.PRAC.COM.BR André Luis Saraiva andresaraiva@prac.com.br (11) 3511.3889 WWW.PRAC.COM.BR Seja bem vindo!! O PRAC - Programa de Responsabilidade Ambiental Compartilhada foi idealizado em 2000, em virtude da publicação

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas

Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas Adriano Nguyen Ngoc Phuoc Nhan (CEFET/RJ) nhan@ig.com.br Cristina Gomes de Souza (CEFET/RJ) cgsouza@cefet-rj.br Ricardo Alexandre Amar de Aguiar (CEFET/RJ)

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais.

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. O F I C I N A D E ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. Walter Françolin DMA FIESP Agosto 2010 ou outra destinação final ambientalmente adequada; Art. 3º - XII

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Warlei Laurindo Martins¹; Andriele de Oliveira Bernades¹; Juliana de Souza Santos¹;Pedro H. Gomes Lima¹; Diego

Leia mais

Destinação dos Resíduos Sólidos

Destinação dos Resíduos Sólidos Palestrante João Salles Neto Engenheiro de produção Mecânica Pós Graduação em Logística Empresarial Universidade Mackenzie Pós Graduação em Administração Fundação Vanzolini Sócio Diretor da Consultoria

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO 40 Logística Reversa como Política Pública para o Desenvolvimento Regional: Uma Proposta de Pesquisa sobre a Aplicabilidade da Política Nacional de Resíduos Sólidos no município de Franca (SP) Fernando

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Raquel Ströher 1, Ana Paula Ströher 2, João Walker Damasceno 3 RESUMO: No Brasil,

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÂ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA: CONCEITOS, LEGISLAÇÃO E SISTEMA DE CUSTEIO APLICÁVEL

LOGÍSTICA REVERSA: CONCEITOS, LEGISLAÇÃO E SISTEMA DE CUSTEIO APLICÁVEL LOGÍSTICA REVERSA: CONCEITOS, LEGISLAÇÃO E SISTEMA DE CUSTEIO APLICÁVEL RESUMO Mariana Muller Wille 1 Orientador: Jeferson Carlos Born 2 Considerando o crescimento do consumo, o volume de matéria-prima

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais