UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ"

Transcrição

1 0

2 1 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LEONEL TEIXEIRA ALVES ARMAZENAGEM E GESTÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS DE UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO E SEU PAPEL NA CADEIA DE SUPRIMENTO. Queimados 2012

3 2 LEONEL TEIXEIRA ALVES ARMAZENAGEM E GESTÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS DE UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO E SEU PAPEL NA CADEIA DE SUPRIMENTO. Trabalho de conclusão de curso, apresentado à Universidade Estácio de Sá como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel em Administração. Orientadora: Profª. Andreia Karina Gendera. Coorientador: Prof. Dimas Vidal. Queimados 2012

4 3 A474a Alves, Leonel Teixeira. Armazenagem e gestão de movimentação de materiais de um centro de distribuição e seu papel na cadeia de suprimento./ Leonel Teixeira Alves. Queimados, f. il.; 30 cm. Trabalho monográfico (Graduação em Administração) - Universidade Estácio de Sá, Queimados, 2012.

5 Dedico este trabalho aos meus pais, Maria da Aparecida Teixeira Alves e Leonel Furtado Alves. 4

6 5 AGRADECIMENTOS A Deus por dar-me a oportunidade de chegar até aqui, completar mais uma etapa das várias que ainda virão na minha vida. Agradeço também aos meus pais, toda a minha família que, com muito carinho e apoio, não mediram esforços para que eu chegasse até esta etapa de minha vida. Os professores Dimas Vidal e Luiz Lobato que pela paciência na orientação e incentivo que tornaram possível a conclusão deste trabalho. A professora e orientadora Andreia Karina por seu apoio e inspiração no amadurecimento dos meus conhecimentos e conceitos que me levaram a execução e conclusão desta monografia. Aos amigos e colegas, em especial, Marco Antônio, Isis Brasil, Carlos Alberto, Cíntia Daniele, Cleide Dantas, Eduardo Marcelino, João Paulo, pelos incentivos e pelo apoio constantes.

7 6 Posso todas as coisas naquele que me fortalece (Filipenses 4,1)

8 7 RESUMO A base teórica do presente trabalho abordou o gerenciamento de mercadorias na cadeia de suprimentos, a movimentação e a distribuição de forma adequada dos produtos. Segundo Russo a armazenagem e movimentação das mercadorias aparece como forma de agregar valores no processo logístico pois sua base é estar preparado para atender as exigências e mudanças do mercado competitivo. Através da análise de utilização da tecnologia da informação na cadeia logística, conforme mencionou Rodrigues podemos constatar que proporciona informações que visam uma tomada de decisão a curto prazo a fim de minimizar custos e maximizar os lucros da organização. O ambiente e as operações são características de um bom planejamento de armazenagem conforme mencionou Russo. Portanto através de pesquisas bibliográficas em livros, artigos e internet podemos mencionar que o processo de armazenagem e movimentação de mercadorias constitui um conjunto de fatores que ao longo dos anos torna-se cada vez mais exigente e somente as organizações que investirem em recursos que possam minimizar os seus custos e oferecer serviços com qualidade, rapidez, segurança e garantia, é que poderão estar capacitadas a competir no mercado globalizado. Palavras-chave: Armazenagem, Logística, Cadeia de Suprimentos, Movimentação.

9 8 ABSTRACT The theoretical basis of this study addressed the management of goods in the supply chain, handling and distribution of the products adequately. According to Russian storage and handling of goods appears as a way to add value in the logistics process since its base is to be prepared to meet the demands and changes in the competitive market. By analyzing the use of information technology in the logistics chain, as mentioned we can see that Roberts provides information aimed at decision-making in the short term in order to minimize costs and maximize profit organization. The environment and the operations are characteristics of a good planning of storage as mentioned Russian. So through literature searches in books, articles and internet can be mentioned that the process of storage and handling of goods is a set of factors that over the years become increasingly demanding and only those organizations that invest in resources that can minimize their costs and provide services with quality, speed, safety and security, will they be trained to compete in the global market. Keyword: Warehousing, Logistics, Supply Chain, Movement.

10 9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos intermediários TIPOS DE PESQUISA JUSTIFICATIVA REFERÊNCIAL TEÓRICO 2.1. A LOGÍSTICA NA CADEIA DE SUPRIMENTO SISTEMA DE INFORMAÇÕES LOGÍSTICAS GESTÃO DE ARMAZENAGEM E MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA GESTÃO DE MATERIAIS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 32

11 10 1. INTRODUÇÃO O processo de 1 gerir a movimentação de materiais em uma organização permite importantes conquistas com eficiência, reduzindo custos e falhas operacionais, gerando rapidez, confiança e capacidade de localização de mercadorias. Atualmente as organizações estão niveladas em relação ao aspecto tecnológico, sendo a logística um dos principais diferenciais para a sua sobrevivência, através de procedimentos que buscam minimizar custos e maximizar lucro, estará o diferencial em uma organização. Na realidade o estoque é constituído de mercadorias que estão armazenadas para serem utilizadas no presente ou futuro conforme a solicitação dos clientes. O estoque de materiais pode ser considerado como o pulmão da organização apresentando, em alguns casos frustações inesperadas decorrentes a sua demanda, porém oferecendo a segurança indispensável na compensação das incertezas no processo de suprimento de mercadorias. Através de novas tecnologias é possível armazenar mercadorias que possam atender a clientes em um curto prazo, com o surgimento dos centros de distribuição permite aos gestores uma movimentação de mercadorias que visa a 2 otimização de espaços, e mão de obra gerando dessa forma os lucros planejados DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Como utilizar de forma eficaz a armazenagem, a movimentação, e a distribuição de materiais em um centro de distribuição no gerenciamento da cadeia de suprimentos? 1 Gerir, reduzir as despesas, gastos desnecessários, e aumentar os lucratividade no local de trabalho e conseqüentemente a da empresa. 2 Otimizar, É o ato de buscar a melhor condição para ser executada.

12 OBJETIVOS Objetivo geral A principal finalidade deste trabalho é analisar a gestão de movimentação de materiais de um centro de distribuição, apresentando praticas de controles em sistemas cada vez mais avançado, que visem à melhoria nos estoques de mercadorias de uma organização, agregando valores na cadeia de suprimentos Objetivos intermediários Conceituar logística; Descrever os processos de armazenagem; Demonstrar a importância da gestão de materiais na cadeia de suprimentos TIPOS DE PESQUISA A pesquisa neste trabalho foi descritiva, quanto aos fins, qunato aos meios, pesquisa bibliografia, através de materiais publicados em livros, internet e artigos, buscando desta forma estar desenvolvendo meios de informações que possam ser exemplos de uma logística na cadeia de suprimentos JUSTIFICATIVA O referido trabalho foi desenvolvido com a finalidade de verificar a evolução do estudo e a aplicação da logística nos processos gerenciais, apresentando os conceitos básicos de estoque de materiais, suas principais classificações, apontando a necessidade de cada um no contexto empresarial. Através de pesquisas bibliográficas o estudo ganhou formas de se analisar os modelos de integração de gestão de mercadorias e logística, a utilização de forma eficaz da tecnologia da informação no gerenciamento do estoque de materiais de uma organização, fazendo com que a logística na

13 12 cadeia de suprimentos contribua para minimizar os custos operacionais, utilizando assim ferramentas essenciais na tomada de decisões. As grandes empresas estão buscando processos de padronização visando o controle dos estoques de mercadorias podendo desta forma atender rapidamente a cada pedido solicitado mantendo uma relação de confiança com seus clientes. Desta forma a prática de melhorias continua é de suma importância na implementação, de estratégias empresariais relacionadas ao estoque de uma organização, a fim de se evitar prejuízos futuros.

14 13 2. REFERÊNCIAL TEÓRICO 2.1. A LOGÍSTICA NA CADEIA DE SUPRIMENTO Para Chopra e Meindi (2010) uma cadeia de suprimentos consiste em todas as partes envolvidas, direta ou indiretamente, na realização do pedido de um cliente. O crescimento da população, o compromisso em um melhor padrão de vida seguindo das constantes exigências por parte dos clientes, tende a ser uma das maiores demandas direcionadas ao serviço logístico. Através do avanço dos processos tecnológicos, o fluxo de informações, a necessidade de estar cada vez mais atualizado, vem ocorrendo em um menor espaço de tempo devido a grande concorrência no mercado. Para o autor a visão estratégica na tomada de decisões seguindo dos recursos de infraestrutura no qual as empresas utilizam permitem cada vez mais a eficácia dos resultados gerando menores custos a fim de satisfazer os seus consumidores. Segundo Taylor (2005) a forma errada em gerenciar a cadeia de suprimentos no processo logístico pode elevar ou levar a falência de uma empresa. Desta forma tem-se apresentado que não apenas o fabricante e os fornecedores estão envolvidos, mas sim um conjunto de pessoas que exercem diversas atividades buscando consolidar a satisfação do cliente a um menor tempo e custos. Novais cita (2007, p. 35) Logística é o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do consumidor. Segundo o autor, as empresas estão cada vez mais investindo em tecnologias, estabelecendo padrões de constantes melhorias a fim de buscar a otimização de seus processos. O gerenciamento e o planejamento no setor da cadeia de suprimentos são formas fundamentais para o processo de execução

15 14 de um empreendimento, seguindo da aquisição de materiais a contratação de serviços, conforme é ilustrada na figura 1 abaixo. Figura 1: A cadeia de suprimento imediata da empresa Fonte: Ballou 2004 Campos (2007) afirma que a logística interliga um conjunto de relações, tendo em vistas o fluxo de informações nas operações de uma organização. Segundo o autor, a logística vem sendo utilizada pelas organizações como forma primordial e estratégica no alcance de resultados, integrando valores na cadeia de suprimento, como matérias-primas, produtos e serviços, até que cheguem ao consumidor. Segundo o autor o foco principal é a integração entre os setores da organização, para que os processos possam ser executados com rapidez e segurança todos os setores precisam estar envolvidos e comprometidos com o resultado final, mas para que isso venha acontecer o autor demonstra alguns pontos a serem observados em redução de perdas, aumento da produtividade, aumento no giro das mercadorias, entregas mais rápidas e redução nos custos operacionais.

16 15 Acompanhado de incrementos tecnológicos o setor da logística no Brasil vem evoluindo nos últimos anos, gerando novas oportunidades de crescimento para as empresas que buscam a otimização de seus processos, conforme demonstra a figura 2 abaixo: Figura 2: Escopo da cadeia de suprimento moderna Fonte: Ballou 2004 Campos (2007) afirma que o processo logístico envolve diversos fatores a serem executados, entre eles a compra de materiais, o transporte, a armazenagem, a fabricação, o manuseio das mercadorias e a distribuição, desta forma a logística procura alcançar as metas nos processos de cadeia de suprimentos, de forma a atingir os objetivos planejados resultando na otimização de custos, garantindo a satisfação total do cliente. Figura 3: Componentes do ciclo do pedido do cliente Fonte: Ballou 2004

17 16 Segundo Ballou (2004) os componentes de um sistema logístico estão ligados a uma variedade de funções, podendo destacar os serviços de atendimento a clientes, a previsão de demanda, os relacionamentos de comunicações na distribuição, o controle das mercadorias, o manuseio dos materiais, o processamento dos pedidos, o transporte, a armazenagem, a reciclagem de sucatas, e a embalagem dos produtos, conforme demonstra a figura 3, acima. Para o autor Campos (2007), a seqüência de mercadorias está voltada para a movimentação física de materiais, insumos, produtos acabados e não acabados, do fornecedor ao cliente final, passando por um processo de transformações. Podemos destacar como exemplo o processo de fabricação do refrigerante que dá o inicio com a fabricação das garrafas de plásticos para que possam acondicionar o refrigerante para o consumo. Segundo o Farah (2002). centros de distribuição são alternativas que podem proporcionar de forma competitiva a circulação de mercadorias vindas dos fornecedores até que sejam distribuídas aos seus clientes. Um centro de distribuição por sua vez, deve apresentar formas de minimizar custos, um melhor aproveitamento no uso de seus recursos, e um apoio constante no processo de venda e pós-venda. Os centros de distribuição que apresentam uma posição avançada em relação a sua localização, constitui um ponto de apoio mais rápido na entrega de suas mercadorias, podendo atender a pequenos, médios e grandes clientes 2.2. SISTEMA DE INFORMAÇÕES LOGÍSTICAS Para o autor Laudon (2004) o sistema de informações é considerado tecnicamente a união de componentes que estão inter-relacionados para que possam coletar (recuperar) processa, armazena e distribui informações, sendo elas responsáveis na tomada de decisões, e no controle da empresa. Através de inovações e melhorias constantes no processo logístico de uma organização, a tecnologia da informação surge como forma de controle de estoques de mercadorias em uma empresa, visando a busca pela redução de custos e a otimização dos processos. O fluxo de informações no ambiente

18 17 atual torna-se como ferramenta chave a gestão logística interessante para os empresários. Segundo Ballou (2009) o sistema de informações gerenciais refere-se a todo equipamento, procedimentos e pessoal que criam um fluxo de informações utilizadas nas operações diárias de uma organização e no planejamento e controle global das atividades da mesma. A forma de gerenciar uma organização através do fluxo de informações logísticas tem o objetivo de capacitação e inovação, criando assim condições competitivas para as empresas. Ainda para o autor os sistemas de informação permitem que diretores, gerentes e a outros trabalhadores possam analisar problemas, assuntos complexos, criar novos produtos, facilitar e tornar a administração das empresas cada dia melhor e mais dinâmica. Rodrigues (2006, p. 139) Os sistemas de gerenciamento eletrônico da armazenagem do tipo WMS (Warehouse management system) são softwares de gerenciamentos de informações que controlam eletronicamente as operações em áreas de armazenagem, reduzem o nível de interveniência humana no processo, eliminando erros e agilizando enormemente os procedimentos. São modernas ferramentas gerenciais, que planejam eficientemente a execução das tarefas, com alto nível de controle e acuracidade do inventario. A eficiência é obtida por meio do planejamento, roteirização e tarefas múltiplas dos diversos processos executados no terminal. Para o autor com o sistema Warehouse management system é possível agilizar o fluxo de informações dentro de uma instalação de armazenagem em grandes centros de distribuição melhorando de forma cuidadosa a operacionalidade no conceito de armazenar as mercadorias, promovendo a otimização dos processos pelo gerenciamento eficiente das informações e de recursos, permitindo a empresa obter o máximo de lucro com essa atividade. Segundo o autor, o sistema Warehouse management system possui varias função a fim de apoiar os procedimentos de organização do estoque de uma empresa, entre elas, podem destacar as seguintes: estocagem, separação de pedidos, expedição, inventários, relatórios, inspeção, controle de qualidade e recebimento. O sistema de gestão com toda a sua complexibilidade acabam criando demandas permanentes pelo sistema de informações, precisando ser

19 18 completadas para que possam desempenhar melhorias nas atividades da empresa. Desta forma o autor menciona que a tecnologia da informação é indispensável em gerar a integração de vários setores da empresa, permitindo a consolidação da globalização desenvolvendo a possibilidade de trabalhar com grandes números e negócios através de menores custos, obtendo rapidez e confiabilidade. Cassarro (2001) menciona que as noticias atuais são valiosas no mundo, tornando as empresas mais dinâmicas, mais competitivas, conforme vão adquirindo bons sistemas de informação, tendo em vista pessoas capacitadas e treinadas para usá-los, segundo o autor os sistemas de informações funcionam com elos que fazem o ligamento de atividades logísticas dentro de um processo integrado, através da utilização de hardwares e softwares para o controle das operações, podendo estar em uma só empresa ou em uma cadeia de suprimentos, conforme demonstra a figura 4, a seguir. Sistema Transacional: É representado pela base das outras operações, de onde fornecidas às informações das atividades de planejamento e coordenação. É o local onde são compartilhadas as informações logísticas com as outras áreas da empresa ou da cadeia de suprimento. Controle Gerencial: Para poder gerenciar as atividades logísticas, neste nível o sistema busca as informações incluindo neste patamar as ferramentas de mensuração como indicadores em geral. Apoio à Decisão: Esta posição da pirâmide dos sistemas de informações logísticas utiliza-se softwares como ferramenta decisória para as atividades operacionais e estratégicas. Planejamento Estratégico: As informações logísticas alcançadas dos três níveis abaixo do topo entram como suporte para o desenvolvimento e para a melhoria contínua da estratégia logística.

20 19 Figura 4: Níveis funcionais de um sistema de informações logísticas. Fonte: GELOG-UFSC 2006 Chiavenato (2004, p. 338) cita que: Os sistemas de informações gerenciais constituem sistemas computacionais capazes de proporcionar informação como matériaprima para as decisões a serem tomadas pelos tomadores de decisão dentro da organização. Os sistemas de informação gerencial constituem uma combinação de sistemas de computação, de procedimentos e de pessoas, e tem como base um banco de dados, que nada mais é que um sistema de arquivos (coleção de registros correlatos) interligados e integrados. Todo sistema de informação gerencial possui três tipos de componentes: banco de dados, sistema de processamento de dados e canais de comunicação. Para Chiavenato (2004) as empresas nos dias atuais para se manter competitiva no mercado em evolução, cada vez mais estão investindo na integração de seus processo produtivos para que desta forma possam permanecer em processo contínuo no seguimento na qual atual. A informática é a forma mais sistemática para se trabalhar com a informação, pois através dela são tratadas relações entre coisas e suas características de forma a apresentá-las, fornecendo regras para a informação. Segundo Chiavenato, a rapidez no processo de informação torna a comunicação dentro da organização eficiente atingindo assim a eficácia no alcance dos resultados, os procedimentos bem elaborados produzem pedidos feito com sucesso, gerando assim a satisfação de clientes interno e externo.

21 20 Para Goebel (1996, p. 4) O controle geralmente é realizado como auxílio do computador, tendo em vista que há programas especificamente desenvolvidos para emissão de ordem de compra que consideram as quantidades em estoque e realizam as ordens de compras em função das quantidades de produção previstas ao invés de atender as necessidades operacionais a partir dos estoques. Três razões justificam a importância na rapidez das informações nos processos logísticos segundo Fleury (2000), através da percepção dos clientes em relação às informações sobre a situação dos pedidos, a disponibilidade das mercadorias, a programação de entrega e faturas são elementos importantes do serviço ao cliente. A segunda razão está relacionada no uso das informações a fim de reduzir os estoques e minimizar as duvidas relacionada à demanda. Por fim a informação aumenta a tolerância permitindo a identificação de recursos que possam ser utilizados a fim de auferir um ganho estratégico. As vantagens da aplicação da tecnologia da informação nos processos logísticos são inúmeras, englobando uma variedade de informações como podemos verificar na figura 5 abaixo: Figura 5: Fluxo de informações e materiais. Fonte: Pereira Filho, GESTÃO DE ARMAZENAGEM E MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Russo (2009) Afirma que estocar mercadorias em quantidades inferiores, reduz os custos aumentando assim a eficiência nos processos

22 21 operacionais. Em muitos produtos sua demanda não é nem grande e nem constante o suficiente para compensar uma linha de fluxo de mercadorias, geralmente esses produtos são feitos em lotes tornando melhor a sua utilização. Os estoques de mercadorias em uma organização é um investimento que o gestor precisa estar atento ao seu nível devido aos seus custos, analisando diariamente sob o ponto de vista custo/benefício para que as mercadorias não venham faltar e que ele não seja estocado exageradamente a fim de se evitar perdas e problemas futuros. Russo (2009) afirma que a qualidade da armazenagem começa com a preocupação da administração em planejar as operações e o ambiente. Para que se possa ter uma estocagem ordenada, de boa qualidade é preciso preparar o estoque para que as mercadorias possam ser armazenadas com perfeição e segurança, principalmente com os produtos perecíveis, que em muitos casos depende de clima favorável no estoque para que não venha a estragar. Os princípios básicos de armazenagem são: planejamento, flexibilidade operacional, preço, controle, otimização do espaço físico e a segurança. Para este autor a armazenagem aparece como uma das funções em que se agrega ao processo logístico, pois na área de suprimentos existe a necessidade em adotar um sistema de armazenagem de matérias primas e de insumos. No processo produtivo são gerados mercadorias em processo, e em conseqüência a necessidade de armazenagem dos produtos acabados, este processo acaba sendo em termos logísticos complexo, por exigir uma grande velocidade na operação, tendo em vista a 3 flexibilidade para atender as exigências e as mudanças de um mercado cada vez mais exigente. Na concepção de Moura (1997) a armazenagem de materiais estará bem estruturada através dos seguintes objetivos: Permitir uma boa organização, proporcionar a máxima flexibilidade do sistema que atenda as necessidades de mudança de estocagem e de movimentação, permitir estocagem mais econômica, minimizando as despesas de equipamentos, espaço, danos de materiais e mão-de-obra no centro de distribuição, 3 Flexibilidade, capacidade de mudar uma determinada atitude ou forma de pensar adaptando-se a determinadas circunstâncias, sem necessariamente representar uma mudança de opinião ou convicções mais profunda.

23 22 proporcionar a movimentação de materiais de forma eficiente, assegurar a utilização máxima do espaço. Rodrigues (2006, p. 59) menciona que: Para maximizar a utilização do espaço e garantir um rápido fluxo de escoamento das cargas, o prestador de serviços de armazenagem necessita formular políticas e utilizar-se de métodos modernos e eficazes. Nesse mister, é imprescindível levar em conta a natureza predominante das mercadorias a serem armazenadas, pois para cada uma delas haverá um tipo de armazenagem adequado, podendo inclusive orientar o emprego de áreas de armazenagem completamente diferentes entre si. Para Rodrigues (2006) existe uma preocupação em apresentar uma integração total da função de armazenagem com o sistema logístico na cadeia de suprimentos, pois essa ligação torna-se importante o equilíbrio no fluxo de materiais, possibilitando uma entrada e saída de mercadorias sem perder de vista a segurança, qualidade e controle dos produtos. O autor ainda menciona que é preciso que a mercadoria seja movimentada com total segurança sem que haja perda ou dano para que possa chegar intacta a mão do consumidor. Segundo Santos (2005) a armazenagem de mercadorias merece um planejamento diferenciado, já que as condições não apropriadas de materiais acabam gerando desperdícios, devido ao impedimento no acesso, e ao controle do estoque das mercadorias, o autor afirma também que o processo de armazenagem é uma opção em que não há acréscimo de valor ao produto, porém aumenta o seu custo. Todavia faz-se necessário um sistema de armazenagem que seja eficiente apresentando o menor custo possível. Contudo o processo de movimentação de mercadorias deve portanto estar interligado no investimento de equipamentos conforme a sua necessidade. Darse-á preferencia aos carrinhos manuais, caso o processo não exija equipamentos de custos e sofisticação de valores agregados. Moura (1997), menciona que a maior parte do trabalho executado em um centro de distribuição consiste na movimentação de materiais, exercendo uma tarefa de grande esforço, por isso existe a necessidade em utilizar equipamentos que proporcione ao funcionário uma melhor execução da tarefa proposta. É nessa área que as soluções para os problemas devem ser buscadas. O modo pelo qual os materiais são localizados, estocados e

24 23 movimentados, tem uma influência decisiva sobre como é efetivamente utilizado o espaço, conforme podemos observar na figura 6 abaixo: Figura 6: Armazenagem e distribuição Fonte: (Adaptado de Bowersox & Closs, 2001) Segundo Russo 2009, Just in Time, tem como finalidade minimizar os estoques de mercadorias permitindo uma melhor administração, pois para o autor existem dois fatores importantes no processo de estocagem de mercadorias o primeiro está relacionado em função das características de material explorando a possibilidade de agrupamento por tipo, tamanho e por frequência de movimentação ou até mesmo a estocagem de materiais aos quais serão utilizados em departamentos específicos, já na segunda alternativa em função das características do espaço e a forma com que o espaço será utilizado, considerando a estrutura física, ou seja, as características da construção, pisos, paredes etc. Na visão de Vidossich (1999), Just in Time é uma expressão inglesa que significa No momento exato, preciso corresponde ao processo de fabricação das mercadorias em quantidades adequadas, na quantidade certa, no momento oportuno apresentando um menor custo possível. Segundo o autor para que esse objetivo venha a ser alcançados é preciso minimizar ou até mesmo eliminar caso possível os estoques e os tempos de setup. Estão inclusos nos tempos de setup as paradas, transportes desnecessários e tempos de espera. O objetivo principal do Just in Time é proporcionar a melhoria continua nos processos operacionais. Ressalta-se também que quando é mencionado processo a referencia é justificada não somente a produtos, más também a serviços oferecidos, pois é levada em consideração uma filosofia trabalhista.

25 24 Segundo este autor, o Just-in-time proporciona trabalhar com estoques de mercadorias visando à redução na variabilidade da demanda e na realização de constantes reposições, dividindo as compras, reforçando o tratamento com os fornecedores, garantindo desta forma produtos de qualidade e pedidos zelosos. Moura (2005), afirma que o processo de armazenagem trata-se de um conjunto de funções logísticas envolvendo o tratamento de materiais entre o tempo de produção e sua venda, neste caso o consumidor. Para que este procedimento seja executado, várias funções de movimentação são envolvidas, entre elas destacam-se: a separação de mercadorias, 4 consolidar os lotes e preparar as mercadorias a fim de expedi-las para os clientes, segundo o autor os processos de armazenagem 5 agrega uma importância em equilibrar a produção com a demanda produzida, garantindo assim a continuidade da cadeia de suprimento, onde são acumulados grandes valores na oferta de serviços, diferenciado ao cliente, como a eliminação de avarias, acesso on-line, eliminação de prejuízos e rastreamento via satélite. O processo de circulação de mercadorias está dividido em cinco etapas: A entrada das mercadorias, a armazenagem, a separação, a embalagem e a expedição conforme ilustra a figura 7 abaixo: Figura 7: O fluxo de movimentação de mercadorias 4 Consolidar, estabilizar, firmar, fixar. 5 Agregar, processo de possibilitar a inserção de dados de criação / autoria através de diferentes ferramentas e sistemas. Figura 6: Adaptado de Bowersox e Closs, 2001

26 25 Ballou (2001) cita que alguns procedimento são 6 eficazes no uso dos espaços para armazenagem, destacando os seguintes: Coordenar oferta e demanda, auxiliar no processo de produção, reduzir custos de transporte e de produção. Diante dessas informações as organizações passam a ter mudanças no comportamento do varejo, com o surgimento de novos centros de distribuição, a política da armazenagem acaba elevando importantes inovações, os pedidos passam a ser freqüentes, porém em quantidades menores ocasionando o aumento das atividades que vai do recebimento até a expedição das mercadorias, por isso os processos de armazenagem cada vez mais estão exigindo o conhecimento de seus gestores, visando à busca em estudos específicos em relação à localização, capacidade de armazenagem e os custos com a mão-de-obra A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA GESTÃO DE MATERIAIS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Segundo Fontana e Cavalcanti (2010), o principal objetivo da utilização de um sistema, ou da combinação de sistemas de localização de materiais, é estabelecer os parâmetros para a perfeita identificação e facilidade dos itens estocados. A boa gestão de estoques de materiais acaba passando por um processo de conhecimento em relação aos custos que envolvem seus controles. Podem-se classificados alguns custos que estão ligados diretamente aos estoques de produtos, entre eles: Custo de pedir, custos para manter o estoque e o custo total. Para Oliveira (2008) a administração de estoques de mercadorias é um conjunto de atividades com a finalidade de assegurar os suprimentos de materiais necessários ao funcionamento da organização, no tempo correto, na quantidade necessária, na qualidade requerida pelo menor preço. Para que se possa ter uma estocagem ordenada, de boa qualidade é preciso preparar o estoque afim de que as mercadorias possam ser armazenadas com perfeição e segurança, principalmente com os produtos perecíveis que em muitos casos depende de clima favorável no estoque para que não venha a estragar. Desta forma, pequenas médias e grandes empresas atuam no seguimento inovador 6 Eficaz é conseguir atingir um dado objetivo.

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen Logística Empresarial Aula 2 Evolução da Disciplina O papel da Logística Empresarial Aula 1 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Aula 2 Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO

MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO Augusto Cesar Giampietro, Unisalesiano de Lins, e-mail: guto.mkt@gmail.com Bruno Bodoia, Unisalesiano de Lins, e-mail: bruno.bodoia@bertin.com.br Carlos Silva,

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais