SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS"

Transcrição

1 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 4EN 2013/1 SOLIVAN ALTOÉ

2 SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS

3 SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

4 Transmissão de energia elétrica A tensão elétrica que normalmente sai das unidades geradoras normalmente varia entre 6,5 KV e 20 KV Devida à alta potência das geradoras, transmitir essa energia na tensão gerada constitui altas perdas por efeito joule. É preciso então aumentar a tensão Em função disso, próximos às usinas geradoras existem subestações elevadoras, que elevam a tensão para valores padronizados: 69kv, 88 kv, 138 kv, 230 kv, 345 kv, 440 kv, 500 kv, 600 kv (em CC), 750 kv. Quando a energia elétrica chega pelas linhas de transmissão próximo aos centros consumidores, ela precisa iniciar o processo de redução do nível de tensão. Essa tarefa é realizada pelas ETT Estações Transformadoras de Transmissão

5 Transmissão de energia elétrica Essas estações, além de reduzir o nível de tensão, iniciam o processo de distribuição da energia elétrica Por exemplo: uma LT de tensão igual ou superior a 230 kv, que chega em uma ETT, se transforma em várias LTs de 69, 88 ou 138 KV na saída dessa subestação

6 Figura 1 Percurso da energia elétrica desde a geração até o consumo

7 SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

8 Distribuição de energia elétrica As LTs de menor tensão percorrem as cidades até chegarem às Estações Transformadoras de Distribuição (ETD), que rebaixam a tensão para níveis capazes de serem distribuídos pelos postes existentes nas ruas. Alguns valores padronizados: 3,8 kv, 11,9 kv, 13,2 kv, 13,8 kv, 20 kv, 23,5 kv, 34,5 kv

9 Distribuição de energia elétrica Os limites de variação de tensão definidos pela ANEEL estão regulamentados no PRODIST. Abaixo, as tabelas:

10 SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA

11 Unidades consumidoras Para efeito de aplicação das tarifas de energia elétrica, a ANEEL identifica os consumidores em classes e subclasses de consumo: residencial, industrial, comercial e serviços, rural poder público, iluminação pública, serviço público e Consumo próprio. Cada classe tem uma estrutura tarifária distinta de acordo com as suas peculiaridades de consumo e de demanda de potência, conforme relacionado no próximo slide.

12 Unidades consumidoras Alta tensão Baixa tensão A1 tensão de fornecimento igual ou superior a 230 kv A2 tensão de fornecimento de 88 kv a 138 kv A3 tensão de fornecimento de 69 kv A3a tensão de fornecimento de 30 kv a 44 kv A4 tensão de fornecimento de 2,3 kv a 25 kv AS tensão de fornecimento inferior a 2,3 kv B1 residencial e residencial de baixa renda B2 rural, cooperativa de eletrificação rural e serviço público de irrigação B3 demais classes B4 Iluminação pública

13 Unidades consumidoras Alta tensão Baixa tensão A1 tensão de fornecimento igual ou superior a 230 kv A2 tensão de fornecimento de 88 kv a 138 kv A3 tensão de fornecimento de 69 kv A3a tensão de fornecimento de 30 kv a 44 kv A4 tensão de fornecimento de 2,3 kv a 25 kv AS tensão de fornecimento inferior a 2,3 kv B1 residencial e residencial de baixa renda B2 rural, cooperativa de eletrificação rural e serviço público de irrigação B3 demais classes B4 Iluminação pública

14 Unidades consumidoras de alta tensão Uma unidade consumidora de alta tensão pode se conectar no sistema elétrico em três pontos, conforme a demanda e disponibilidade do SEP no local: Se a demanda for entre 75 KW e 2500 KW a conexão deve ocorrer em uma tensão inferior a 69 KV, ou seja após a ETD Se a demanda exceder 2500 KW, a conexão pode ocorrer entre a ETT e a ETD, ou Se a demanda exceder 2500 kw, a conexão pode ocorrer antes da ETT na tensão igual ou superior a 230 KV

15 Unidades consumidoras de alta tensão Caso uma unidade consumidora possua uma demanda superior a 2500 kw e queira se conectar em uma tensão inferior a 69 kv (após a ETD), fica a critério da distribuidora local avaliar a disponibilidade da rede e aceitar ou não a conexão Se for necessário realizar a extensão da rede elétrica ou reforçar os condutores existentes para atender uma unidade consumidora, provavelmente o consumidor poderá pagar uma parte dos custos Em qualquer um dos pontos de conexão, o responsável pela unidade consumidora deve providenciar a construção de uma subestação capaz de receber a energia elétrica no nível de tensão contratado e realizar todas as transformações necessárias até a tensão de utilização Comumente, as subestações construídas após as ETDs, na faixa de tensão de 3,8 a 34,5 kv, são chamadas de cabines primárias

16 Unidades consumidoras de baixa tensão Uma unidade consumidora de baixa tensão pode se conectar no sistema elétrico apenas em um ponto: Após a ETD com circuitos de ligação provenientes de transformadores situados nos postes da rede de distribuição da concessionária local.

17 Categorias de ligação EDP ESCELSA Baixa tensão: 127/220 V e 220/380 V U1: até 5 kw, fase + neutro (monofásica) U2: de 5 a 9 kw, fase + neutro (monofásica ) D1: até 9 kw, 2 fases + neutro (bifásica) D2: de 9 a 15 kw, 2 fases + neutro (bifásica)

18 Categorias de ligação EDP ESCELSA Baixa tensão: 127/220 V e 220/380 V T1: até 15 kw, 3 fases + neutro (trifásica) T2: de 15 a 26 kw, 3 fases + neutro (trifásica ) T3: de 26 a 34 kw, 3 fases + neutro (trifásica) T4: de 34 a 41 kw, 3 fases + neutro (trifásica) T5: de 41 a 47 kw, 3 fases + neutro (trifásica) T6: de 47 a 57 kw, 3 fases + neutro (trifásica) T7: de 57 a 75 kw, 3 fases + neutro (trifásica)

19 Categorias de ligação EDP ESCELSA Alta tensão: classe 15 kv Aplica-se ao fornecimento de energia elétrica em média tensão com tensões nominais da classe de 15 kv, sistema trifásico, com carga instalada superior a 75 kw ou até o limite de kw de demanda contratada, a serem ligadas nas redes aéreas de distribuição primárias da EDP ESCELSA A distribuidora pode ainda estabelecer tensão de fornecimento em MT, sem observar os critérios referidos, quando: A unidade consumidora tiver equipamento que, pelas características de funcionamento ou potência, possa prejudicar a qualidade do fornecimento a outros consumidores; Houver conveniência técnica e econômica para o subsistema elétrico da distribuidora, desde que haja anuência do consumidor.

20 Categorias de ligação EDP ESCELSA Alta tensão: classe 15 kv É permitido também os casos onde o titular da unidade consumidora com características de atendimento em tensão secundária, exceto nos casos de sistemas subterrâneos em tensão secundária, optar por tensão primária de distribuição, desde que haja viabilidade técnica do subsistema elétrico e assuma os investimentos adicionais necessários ao atendimento, conforme previsto na Resolução ANEEL 414. Para os demais casos que se enquadrarem na Resolução ANEEL 414 de 09 de setembro de 2010, consultar previamente a Concessionária.

21 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS CONCEITOS E SISTEMATIZAÇÃO

22 Definição Uma subestação elétrica pode ser definida como um conjunto de condutores, aparelhos e equipamentos destinados a modificar as características de energia elétrica (corrente e tensão), permitindo a sua distribuição aos pontos de consumo em níveis adequados de utilização.

23 Definição São instalações elétricas e civis destinadas a alojar medição, proteção e transformação. É formada por um conjunto de equipamentos que devem atender às necessidades de fornecimento de energia elétrica das instalações por ela alimentadas, permitindo sempre a flexibilidade de manobras, a acessibilidade para manutenção, a confiabilidade quanto à proteção e à operação. E a segurança tanto para os equipamentos quanto para o pessoal envolvido

24 Funções Uma subestação pode ter a função de manobrar, transformar, seccionar e distribuir. 1.Uma única pode ter todas estas funções ou ter algumas apenas. 2.Pra todas as funções, sua operação deve garantir máxima segurança à todo o sistema 3.Parte defeituosa ou sob falta deve ser desligada imediatamente 4.O reestabelecimento da energia elétrica deve ser o mais breve.

25 Classificação Quanto ao sistema Central de transmissão Receptora de transmissão (ETT) Subtransmissão (ETD) De consumidor Quanto à instalação Abrigada (instalação interior) De alvenaria Ramal de entrada subterrâneo Ramal de entrada aéreo Modular metálica Ao tempo (instalação exterior) Aérea em plano elevado De instalação no nível do solo Quanto ao nível de tensão Baixa tensão: até 1KV Média tensão: entre 1KV e 66KV Alta tensão: entre 69KV e 230KV Extra alta tensão: entre 231KV e 800KV Ultra alta tensão: acima de 800KV

26 Subestação central de transmissão É aquela normalmente construída ao lado das usinas geradoras de energia elétrica, cuja finalidade é elevar o nível de tensão fornecido pelos geradores para transmitir a potência gerada aos grandes centros de consumo

27 Subestação central de transmissão

28 Subestação central de transmissão

29 Subestação receptora de transmissão (ETT) É aquela construída próxima aos grandes blocos de carga e que está conectada, através de linhas de transmissão, à subestação central de transmissão ou a outra subestação receptora intermediária

30 Subestação de subtransmissão (ETD) É aquela construída em geral, no centro de um grande bloco de carga, alimentada pela SE receptora e de onde se originam os alimentadores de distribuição primários, suprindo diretamente os transformadores de distribuição e/ou SE de consumidor

31 Subestação de subtransmissão (ETD)

32 Subestação de subtransmissão (ETD)

33 Subestação de consumidor É aquela construída em propriedade particular suprida através de alimentadores de distribuição primários, originados das SEs de subtransmissão, que suprem os pontos finais de consumo. A resolução nº 414 de 2010 da ANEEL diz que a tensão de fornecimento aos consumidores deve obedecer o que segue: 1. tensão secundária em rede aérea: quando a carga instalada na unidade consumidora for igual ou inferior a 75 kw; 2. tensão secundária em sistema subterrâneo: até o limite de carga instalada conforme padrão de atendimento da distribuidora; 3. tensão primária de distribuição inferior a 69 kv: quando a carga instalada na unidade consumidora for superior a 75 kw e a demanda a ser contratada pelo interessado, para o fornecimento, for igual ou inferior a kw; e 4. tensão primária de distribuição igual ou superior a 69 kv: quando a demanda a ser contratada pelo interessado, para o fornecimento, for superior a kw.

34 Sistema simplificado de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

35 SUBESTAÇÃO DE CONSUMIDOR TENSÃO IGUAL OU SUPERIOR A 69 KV

36 Subestação de consumidor 69 kv A proteção da entrada de energia dessa subestação deve ser sempre realizada por meio de disjuntor e relés. Caso a subestação tenha dois circuitos de entrada, é recomendado que exista um disjuntor para cada circuito Os equipamentos de medição são sempre de fornecidos pela distribuidora mas instalados pelo consumidor. Todos esses equipamentos, inclusive o cubículo onde estão instalados, serão lacrados. Na entrada da subestação deve haver um para-raios para cada fase, especificado de acordo com a norma da distribuidora. Por questões de confiabilidade do fornecimento de energia elétrica é comum essas subestações possuírem dois circuitos de alimentação. Entretanto, apenas um deverá estar ligado A mesma premissa serve para transformador. Pode-se ter trafos reserva, e fica a critério do consumidor utilizá-los permanentemente ou deixá-los em stand-by

37 Subestação de consumidor em tensão superior a 69 kv

38 Diagrama típico de uma SE com tensão igual ou superior a 69 kv Com duas entradas de alimentação e intertravamento

39 Legenda do diagrama anterior

40 SUBESTAÇÃO DE CONSUMIDOR TENSÃO INFERIOR A 69 KV

41 Subestação de consumidor < 69 kv É alimentada em tensão primária de distribuição Destinada a alojar medição e proteção, facultativamente, proteção Deve ser construída no limite da propriedade com a via pública, preferencialmente próximo à entrada principal da unidade consumidora para facilitar o acesso dos representantes da distribuidora Todas as partes condutoras não destinadas a conduzir eletricidade devem estar equipotencializadas ao terra

42 Subestação de consumidor < 69 kv Estão divididas em: Tipo da subestação e características Simplificada Medição na BT Proteção da AT por fusível Somente 1 trafo de potência máxima de 300 kva Tipo construtivo Alvenaria Blindada Poste Alvenaria Blindada Entrada Aérea ou subterrânea Subterrânea Aérea ou subterrânea Aérea ou subterrânea Subterrânea

43 Subestação simplificada Instalação em poste A sua montagem é externa a qualquer construção e feita em poste de concreto com cruzeta ou outros elementos de fixação para o ramal de entrada, chave fusível, para-raios, transformador e eletrodutos para o ramal de alimentação secundário

44 Subestação simplificada Instalação em poste

45 Subestação simplificada Instalação em poste No compartimento de medição devem ser fixados o medidor e os TCs (quando necessários) fornecidos pela distribuidora e a barra de equipotencialização terra e neutro. Esse compartimento pode ser embutido em parede de alvenaria levantada sobre o nível do solo ou embutido em espaço próprio nos postes

46 Subestação simplificada Instalação em poste No compartimento de proteção deve ser instalado o disjuntor ou a chave com fusível

47 Subestação simplificada Instalação em poste No nível do solo deve estar a caixa de ligação quando saída é subterrânea e o aterramento

48 Subestação simplificada Instalação em alvenaria Pode ser construída uma edificação específica para a SE ou pode ser montada no interior de outra edificação no nível do solo. Em pavimento abaixo ou acima deve ser consultada a concessionária Todo material deve ser incombustível, as paredes de alvenaria, o teto de laje de concreto Possui um único cubículo que abriga todos equipamentos. Os equipamentos de AT são cercados por tela

49 Subestação simplificada Blindada Para essa SE, seu projeto devem ser homologadas previamente na distribuidora Apresentam equipamentos e montagens eletromecânicas alojadas em cubículo construído de chapa metálica, com seu ramal de entrada subterrâneo Devem impedir o acesso de animais no seu interior Possui os seguintes compartimentos: 1. De entrada 2. De proteção primária 3. De transformação 4. De medição 5. De proteção secundária Podem ser instaladas em recinto ou ao tempo Existem SEs blindadas que em vez de ar, utilizam SF 6 para garantir a isolação entre fases e entre fases e carcaça.

50 Subestação convencional Podem ter um ou mais trafos trifásicos Medição na AT Proteção geral através de disjuntor com desligamento automático e acionado através de relés A unidade transformadora pode estar na SE primária ou em SEs secundária Devem estar dividas em cubículos Se o transformador instalado for do tipo imerso em óleo e possuir potência igual ou superior a 500 kva deve haver um sistema de drenagem e contenção

51 Subestação convencional Em alvenaria Construída o mais próximo da entrada principal Ramal de entrada aéreo ou subterrâneo. Caso a SE esteja recuada do limite da propriedade, deverá ser subterrâneo Na área entre e SE e a via pública não deverá ter qualquer edificação ou ser utilizada para qualquer fim Preferencialmente deve ser construída no nível do solo. Para ser construída em pavimento acima ou abaixo, deverá justificar à concessionária Dividida em compartimentos. Todos os compartimentos devem ser protegidos por anteparos (telas, grades etc) e devem ser dimensionados suficientemente para abrigar os equipamentos, garantir a remoção e a circulação de pessoas durante a manutenção.

52 Subestação convencional Blindada Para essa SE, seu projeto devem ser homologadas previamente na distribuidora Apresentam equipamentos e montagens eletromecânicas alojadas em cubículo construído de chapa metálica, com seu ramal de entrada subterrâneo Devem impedir o acesso de animais no seu interior Possui os seguintes compartimentos: 1. De entrada 2. De proteção primária 3. De transformação 4. De medição 5. De proteção secundária Podem ser instaladas em recinto ou ao tempo Existem SEs blindadas que em vez de ar, utilizam SF 6 para garantir a isolação entre fases e entre fases e carcaça.

53 LEGISLAÇÃO NORMA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO EDP ESCELSA

54 Definições

55 Definições

56 Definições

57 Procedimento de ligação

58 Procedimento de ligação Consulta de viabilidade Primeiramente o consumidor deve solicitar uma análise de viabilidade técnica para a distribuidora a fim de verificar se há possibilidade de a rede elétrica suportar a carga solicitada pelo consumidor, na tensão em que foi solicitada.

59 Procedimento de ligação

60 Procedimento de ligação

61 Procedimento de ligação Participação financeira Caso a distribuidora precise realizar alguma alteração em sua rede para alimentar essa subestação, o consumidor talvez tenha de pagar parte dessa alteração. As regras que definem a participação financeira do consumidor no custo que a distribuidora terá para atender ao pedido de fornecimento estão estabelecidas pela Resolução 250/07 da ANEEL

62 Procedimento de ligação Participação financeira Se houver custo para o consumidor ele deve avaliar o cálculo efetuado pela distribuidora. Caso não seja aceito, o processo é encerrado, porém se o aceita, a distribuidora emite a cobrança. Posteriormente o consumidor apresenta a distribuidora um documento de acordo, independente se houve custos. Se houve custos, apresentará junto do comprovante de pagamento. Ultrapassada esta etapa, o consumidor elabora o projeto e apresenta à distribuidora.

63 Procedimento de ligação

64 Procedimento de ligação Construção e testes da subestação Somente após a aprovação do projeto é que pode ser iniciada a compra dos materiais para a construção da subestação. Os materiais não podem ser adquiridos antes porque pode haver solicitações de alterações por parte da distribuidora mesmo após a aprovação do projeto. Recebidos os materiais é iniciada a construção. É importante que o projeto seja seguido fielmente, salvo imprevistos não contemplados nele, os quais devem ser objeto de consulta do projetista e ada concessionária posterior as built. As built: Termo em inglês que significa como construído, ou seja, trata-se da revisão do projeto que contempla todas as modificações realizadas durante a construção da subestação.

65 Procedimento de ligação Construção e testes da subestação Depois de terminada a montagem, é importante a realização de alguns testes a fim de verificar se todos os equipamentos estão funcionando perfeitamente.

66 Procedimento de ligação Pedido de inspeção Depois dos testes e adequações, a distribuidora deve ser acionada para inspecionar a subestação. Um técnico da distribuidora vai ao local para verificar se toda a construção seguiu o projeto Durante esta vistoria a distribuidora pode exigir alguns relatórios de comissionamento, bem como efetuar medições próprias a fim de verificar algumas informações.

67 Procedimento de ligação Mostrar o fluxograma..\material de apoio\fluxograma pedido de ligação.jpg

68 Procedimento de ligação Sistema de tarifação de uma ligação em AT (ANEEL) Alta tensão A1 tensão de fornecimento igual ou superior a 230 kv A2 tensão de fornecimento de 88 kv a 138 kv A3 tensão de fornecimento de 69 kv A3a tensão de fornecimento de 30 kv a 44 kv A4 tensão de fornecimento de 2,3 kv a 25 kv AS tensão de fornecimento inferior a 2,3 kv Baixa tensão B1 residencial e residencial de baixa renda B2 rural, cooperativa de eletrificação rural e serviço público de irrigação B3 demais classes B4 Iluminação pública

69 Procedimento de ligação Sistema de tarifação de uma ligação em AT (ANEEL) Classificam-se no grupo A as unidades consumidoras com tensão de fornecimento igual ou superior a 2,3 kv e os que são fornecidos com tensão abaixo de 2,3 kv a partir de sistema subterrâneo de distribuição Classificam-se no grupo B as unidades consumidoras com tensão de fornecimento inferior a 2,3 kv, mas que não sejam alimentadas por redes de distribuição subterrâneas.

70 Procedimento de ligação Sistema de tarifação de uma ligação em AT A tarifação é crescente do subgrupo A1 para o AS. A tarifação é mais cara para um consumidor de tensão menor porque a concessionária gasta mais para fornecer a energia elétrica em tensões mais baixas pois a corrente cresce com a redução da tensão. Ao mesmo tempo, o consumidor tem que investir mais para construir uma SE em nível mais alto de tensão Para as unidades consumidoras de BT (grupo B) a tarifa é monômia (único componente energia) e para aquelas unidades em AT (grupo A), a tarifa é binômia (energia e demanda) A unidade consumidora do grupo A deve contratar uma demanda, que significa a capacidade da rede de distribuição que está disponível para sua utilização

71 Procedimento de ligação Formas da faturar a demanda (ANEEL) Exemplo A demanda inferior Demanda contratada: 100 kw Demanda máxima registrada: 90 kw Faturamento: 100 x tarifa Exemplo B demanda superior menor que 5% Demanda contratada: 100 kw Demanda máxima registrada: 104 kw Faturamento: 104 x tarifa Exemplo C demanda superior maior que 5% Demanda contratada: 100 kw Demanda máxima registrada: 120 kw Faturamento: (120 x tarifa) + (20 x tarifa x 2)

72 Procedimento de ligação Modalidades de tarifa (ANEEL) Existem três modalidades de tarifa que uma unidade consumidora de alta tensão pode escolher -Convencional; -Horossazonal azul; -Horossazonal verde.

73 Procedimento de ligação Modalidades de tarifa (ANEEL) As diferentes modalidades são diferenciadas da seguinte forma: Convencional Verde Azul Demanda Única Única Ponta Fora de ponta Energia Única Ponta Ponta Fora de ponta Fora de ponta A modalidade convencional possui tarifas fixas para demanda e energia consumida. As modalidades horossazonais possuem valores variáveis de tarifas segundo os horários ao longo do dia (ponta e fora de ponta) e períodos do ano (seco e úmido). Horário de ponta: compreende um período de três horas consecutivas do dia definido pela distribuidora, exceção feita aos sábados, domingos e feriados nacionais.

74 Procedimento de ligação Modalidades de tarifa (ANEEL) Para ilustrar as diferenças de tarifas entre as três modalidades existentes, estão representados a seguir os valores praticados pela AES Eletropaulo no primeiro trimestre de 2011 para o subgrupo A4. Esses valores diferem para cada distribuidora e são reajustados anualmente. Demanda (R$/kW) Energia (R$/MWh) Convencional 31,31 161,32 Horossazonal azul Ponta seca 32,39 249,04 Ponta úmida 32,39 226,21 Fora de ponta seca 7,99 159,12 Fora de ponta úmida 7,99 145,87 Horossazonal verde Ponta seca 7, ,06 Ponta úmida 7,99 958,23 Fora de ponta seca 7,99 159,12 Fora de ponta úmida 7,99 145,87

75 Procedimento de ligação Modalidades de tarifa (ANEEL) A principal diferença entre as tarifas azul e verde está nos valores dos horários de ponta e fora de ponta. Para a tarifa verde o valor da demanda é único independente do horário, mas a energia consumida no HP é muito mais cara que no horário HFP. A demanda da tarifa azul no HP é mais cara que no HFP, porém a energia consumida no HP não é tão alta em relação ao HFP comparando com a tarifa verde Demanda (R$/kW) Energia (R$/MWh) Convencional 31,31 161,32 Horossazonal azul Ponta seca 32,39 249,04 Ponta úmida 32,39 226,21 Fora de ponta seca 7,99 159,12 Fora de ponta úmida 7,99 145,87 Horossazonal verde Ponta seca 7, ,06 Ponta úmida 7,99 958,23 Fora de ponta seca 7,99 159,12 Fora de ponta úmida 7,99 145,87

76 Procedimento de ligação Escolha entre as modalidades de tarifa Demanda de até 300 kva e tensão inferior a 69 kv O consumidor escolhe entre as três. Demanda >= 300 kva e tensão inferior a 69 kv O consumidor escolhe entre as horossazonais. Tensão >= 69 kv Compulsoriamente o consumidor pagará a horossazonal azul. Demanda (R$/kW) Energia (R$/MWh) Convencional 31,31 161,32 Horossazonal azul Ponta seca 32,39 249,04 Ponta úmida 32,39 226,21 Fora de ponta seca 7,99 159,12 Fora de ponta úmida 7,99 145,87 Horossazonal verde Ponta seca 7, ,06 Ponta úmida 7,99 958,23 Fora de ponta seca 7,99 159,12 Fora de ponta úmida 7,99 145,87

77 MONOFÁSICAS DE ATÉ 37,5 KVA SE tipo III - Escelsa

78 MONOFÁSICAS DE ATÉ 37,5 KVA Medição na BT Poste de madeira circular ou concreto DT de 300 kgf, mínimo Potências de 5, 10, 15, 25 e 37,5 kva Proteção geral na AT: chaves fusíveis Proteção geral na BT por DTM Em locais de pedestres, os postes deverão ser de 9 m e distância do solo de 3,5 m para os condutores de BT e 4,5 para os transformadores Em locais com trânsito de veículo, poste de 11 m, distância dos condutores BT ao solo de 5 m e 6 m do trafo ao solo Lista de materiais conforme norma da EDP ESCELSA

79 TRIFÁSICAS DE ATÉ 45 KVA

80 TRIFÁSICAS DE ATÉ 45 KVA Medição na BT Poste de madeira circular ou concreto DT de 300 kgf, mínimo Cruzeta de madeira de 2,4 m por 90 x 112,5 mm Haste de terra cobreada diâmetro 5/8 comprimento 2,4 m Potências de 15, 30, 45 kva Proteção geral na AT: chaves fusíveis Proteção geral na BT por DTM Em locais de pedestres, os postes deverão ser de 9 m e distância do solo de 3,5 m para os condutores de BT e 4,5 para os transformadores Em locais com trânsito de veículo, poste de 11 m, distância dos condutores BT ao solo de 5 m e 6 m do poste ao solo Lista de materiais conforme norma da EDP ESCELSA

81 TRIFÁSICAS DE 75 ATÉ 112,5 KVA

82 TRIFÁSICAS DE 75 A 112,5 KVA Medição na BT e horossazonal, uso de TC, kvar e kwh Poste de madeira circular ou concreto DT, 600 kgf, mínimo Cruzeta de madeira de 2,4 m por 90 x 112,5 mm Haste de terra cobreada diâmetro 5/8 comprimento 2,4 m Potências de 75 e 112,5 kva Proteção geral na AT: chaves fusíveis Proteção geral na BT por DTM ou chave faca blindada Em locais de pedestres, os postes deverão ser de 9 m e distância do solo de 3,5 m para os condutores de BT e 4,5 para os transformadores Em locais com trânsito de veículo, poste de 11 m, distância dos condutores BT ao solo de 5 m e 6 m do poste ao solo Lista de materiais conforme norma da EDP ESCELSA

83 TRIFÁSICAS DE 112,5 ATÉ 225 KVA

84 TRIFÁSICAS DE 112,5 A 225 KVA Medição na BT e horossazonal, uso de TC, kvar e kwh 2 Postes de madeira circular ou concreto DT, 300 kgf, mínimo, em estrutura HT Cruzeta de madeira de 2,4 m por 90 x 135 mm Haste de terra cobreada diâmetro 5/8 comprimento 2,4 m Potências de 112,5, 150 e 225 kva Proteção geral na AT: chaves fusíveis Proteção geral na BT por DTM ou chave faca blindada Em locais de pedestres, os postes deverão ser de 9 m e distância do solo de 3,5 m para os condutores de BT e 4,5 para os transformadores Em locais com trânsito de veículo, poste de 11 m, distância dos condutores BT ao solo de 5 m e 6 m do poste ao solo Lista de materiais conforme norma da EDP ESCELSA

85 Cubículo de medição para potência de até 300 kva Usado em unidade com mais de um transformador e potência igual ou inferior a 300 kva e que tenha suas cargas situadas em diversos pontos do terreno e supridas por rede de distribuição de tensão primária interna.

86 Cubículo de medição para potência de até 300 kva

87 Cubículo de medição para potência de até 300 kva Proteção geral na AT: chaves fusíveis Quando após a SE, houver linha aérea com menos de 100 m é dispensável o uso de pára-raios na saída Deverão ser instaladas chaves seccionadoras, In:200 A, monopolar ou tripolar

88 Cubículo de medição para potência superior a 300 kva

89 Cubículo de medição para potência superior a 300 kva Proteção geral na AT: chaves fusíveis Quando após a SE, houver linha aérea com menos de 100 m é dispensável o uso de pára-raios na saída Deverão ser instaladas chaves seccionadoras, In:200 A, monopolar ou tripolar

90 SE tipo II Escelsa

91 SE tipo II Escelsa Entrada AT aérea e saída AT aérea Proteção geral na AT: chaves fusíveis Quando após a SE, houver linha aérea com menos de 100 m é dispensável o uso de pára-raios na saída Deverão ser instaladas chaves seccionadoras, In:200 A, monopolar ou tripolar antes do disjuntor e antes do trafo

92 SE tipo III - Escelsa

93 SE tipo III Escelsa Entrada AT aérea e saída AT inexistente Proteção geral na AT: chaves fusíveis Deverão ser instaladas chaves seccionadoras, In:200 A, monopolar ou tripolar antes do disjuntor e antes do trafo No caso de um trafo de 300 kva, dispensase o cômodo do disjuntor e trafo reserva. Para um trafo de igual ou inferior a 225 kva, dispensa-se também o cômodo de medição na AT

94 SE tipo IV Escelsa Entrada AT subterrânea e saída AT inexistente Proteção geral na AT: chaves fusíveis Deverão ser instaladas chaves seccionadoras, In:200 A, monopolar ou tripolar antes do disjuntor e antes do trafo No caso de um trafo de 300 kva, dispensase o cômodo do disjuntor e trafo reserva. Para um trafo de igual ou inferior a 225 kva, dispensa-se também o cômodo de medição na AT

95 SE tipo IV Escelsa

96 SE tipo IV Escelsa

97 Barramento com barra simples

98 Barramento com barra simples seccionada

99 Barramento com barra principal e barra de transferência

100 Barramento com barra dupla

101 Barramento com barra dupla e by-pass

102 Barramento com barra dupla e barra de transferência

103 Barramento com barra tripla

104 Barramento em anel a 4 circuitos

105 SE móvel

106 SE móvel SEs compactas montadas em semi-reboques. Potência de até 12,5 MVA e tensão de até 138 kv. São adequadas para: Cargas sazonais By-pass em SEs existentes em casos de manutenção Reforço em SEs existentes

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 2 Capítulo 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO Figura 01 Entrada de energia residencial Figura 02 Quadro de Distribuição Monofásico com DR (Disjuntor ou Interruptor) Geral 3 Figura

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética Demanda e Fator de Potência Qualidade e Eficiência Energética 4 Agenda Agenda Qualidade e Eficiência Energética 7 Legislação sobre Eficiência Energética Plano Nacional de Energia ISO 51000 Sistemas de

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-321.00XX MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA PEP 1/27 1- OBJETIVO O presente manual tem o objetivo de orientar

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1 a 6 1. OBJETIVO Definir as especificações necessárias para instalação de padrão de entrada em baixa tensão para atendimento a núcleos habitacionais. 2. APLICAÇÃO Instalação de padrão de entrada em tensão

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO CSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBATO INDIVIDUAL E COLETIVO 1. OBJETIVO Padronizar entrada da unidade consumidora com a caixa tipo modular, fabricado em policarbonato e tampa transparente, para medição

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

Cap. 14 Medição de Demanda

Cap. 14 Medição de Demanda Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 14 Medição de Demanda Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Instalações elétricas resumo

Instalações elétricas resumo Instalações elétricas resumo Na instalação elétrica de um prédio (residencial, comercial ou industrial), temos basicamente: - Equipamentos relacionados com a alimentação da instalação, tais como geradores,

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Março 2007 DT 001_REV 01

Março 2007 DT 001_REV 01 Março 2007 DT 001_REV 01 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 CONCEITO BÁSICO SOBRE TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA... 2.1 Classes e subclasses de consumo... 2.2 Componentes das Tarifas de Energia Elétrica... 3 ESTRUTURA

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01 29/07/2014 01/08/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTESES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-02 CONTROLE DE VERSÕES NTD 02- FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA Nº.: DATA VERSÃO 01 09/2001 Revisão 4 02 05/2010

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

Entenda a Indústria de Energia Elétrica

Entenda a Indústria de Energia Elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 transmissão Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 5 O transporte da energia elétrica:

Leia mais

NORMA DE FORNECIMENTO

NORMA DE FORNECIMENTO NORMA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA REVISÃO: JULHO/2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 DEFINIÇÕES 3.1 - Aterramento 3.2 - Caixa de Barramentos 3.3 - Caixa de Medição 3.4 - Carga Instalada

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Previsão de Alimentação a Sistema de Combate a Incêndio

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Previsão de Alimentação a Sistema de Combate a Incêndio Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão de Distribuição à Edificação Individual Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-01.003 7ª Folha 1 DE 50

Leia mais

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição ID-6.016 Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia de Medição Elaborado por: Colaboradores: Verificado

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO S istema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA 01 18/11/2013 22/11/2013 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTESES) MARCELO POLTRONIERI DTESES SUMÁRIO 1. RESUMO...

Leia mais

As Subestações de Entrada de Energia e Entradas de Serviço no Brasil

As Subestações de Entrada de Energia e Entradas de Serviço no Brasil VII CITTES - Congreso Internacional sobre: TRABAJOS CON TENSIÓN y SEGURIDAD EN TRANSMISIÓN Y DISTRIBUCIÓN DE ENERGÍA ELÉCTRICA Y MANTENIMIENTO SIN TENSIÓN DE INSTALACIONES DE AT. 15 al 18 de Septiembre

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

RECON MT Até 34,5 kv

RECON MT Até 34,5 kv RECON MT Até 34,5 kv Regulamentação para Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Média Tensão Coordenação de Engenharia Gerência de Planejamento da Expansão e Engenharia da Distribuição Diretoria

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO CSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBATO INDIVIDUAL E COLETIVO 1. OBJETIVO Padronizar entrada da unidade consumidora com a caixa tipo modular, fabricado em policarbonato e tampa transparente, para medição

Leia mais

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Resolução Normativa N. 414/2010 Nacional de Energia Elétrica (ANEEL): Agência Estabelece as condições gerais de Fornecimento de

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão à Edificações de Uso Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação AT Código Edição Data SM04.08-01.002 8ª Folha 1 DE 67 22/08/2014 HISTÓRICO

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO I

AVISO DE RETIFICAÇÃO I AVISO DE RETIFICAÇÃO I EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº. 742/2012 O SESI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna pública RETIFICAÇÃO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO CT - 59 CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw Diretoria de Engenharia Diretoria de Operações e Planejamento Diretoria Comercial Gerência

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 KV NORTEC01 Capítulo Descrição Página 1 Finalidade 01 2 Âmbito

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE 750kVA DESTINADA AO PRÉDIO DA PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DE PERNAMBUCO, SITUADO NO MUNICÍPIO DE RECIFE NO ESTADO DE PERNAMBUCO. MEMORIAL DESCRITIVO 1. FINALIDADE:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA CLIENTE: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS- DR/PE CNPJ 34.028.316/0021-57 LOCAL: AVENIDA GUARARAPES Nº250-SANTO ANTÕNIO RECIFE-PE.

Leia mais

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO II 1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (RDU) Os serviços de Melhoria e Ampliação de Rede de Distribuição Urbana executados conforme projeto executivo elaborado serão

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2012 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas CONSIDERAÇÕES INICIAIS AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas Quando planejamos construir uma subestação, o aspecto de maior importância está na escolha (e, conseqüentemente, da definição)

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada. Processo Realizar Novas Ligações Atividade Código Edição Data SM04.00-00.03 5ª Folha 1 DE 46 30/11/2012 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior 1ª 06/11/2007 Edição

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada. Processo Realizar Novas Ligações Atividade Código Edição Data SM04.00-00.03 7ª Folha 1 DE 48 26/08/2014 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior 1ª 06/11/2007 Edição

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA 1. OBJETIVO O presente comunicado técnico tem como objetivo oferecer orientação aos projetistas

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

23/02/2011 CABINE PRIMÁRIA. CONJUNTOS DE MANOBRA E CONTROLE PARA TENSÕES DE 1,0 kv até 36,2kV. Introdução.

23/02/2011 CABINE PRIMÁRIA. CONJUNTOS DE MANOBRA E CONTROLE PARA TENSÕES DE 1,0 kv até 36,2kV. Introdução. CABINE PRIMÁRIA CONJUNTOS DE MANOBRA E CONTROLE PARA TENSÕES DE 1,0 kv até 36,2kV Introdução. Os consumidores que necessitam de uma potência instalada superior a 75 kw e demanda igual ou inferior a 2500

Leia mais