Palavras chaves: Logística, gerenciamento, tecnologia, cadeia de suprimentos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras chaves: Logística, gerenciamento, tecnologia, cadeia de suprimentos."

Transcrição

1 O USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADO À LOGÍSTICA INTEGRADA E AO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O WMS ÁREA TEMÁTICA Logística Empresarial: Gestão da Cadeia de Suprimentos Allan Alves de Almeida, FATEC Carapicuíba Daiane Araújo Martins, FATEC Carapicuíba Jeany Ferreira da Silva, FATEC Carapicuíba Lucas Samuel Souza Nolasco Costa, FATEC Carapicuíba RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar a importância da tecnologia da informação para o desenvolvimento da gestão da Logística Integrada e do Supply Chain, enfatizando o uso do Warehouse Management System (WMS) aplicado à logística para gerenciar grandes centros de distribuição, mostrando um estudo de caso da maior empresa de e-commerce da América Latina. A integração dos processos e o gerenciamento coordenado das atividades em conjunto com as tecnologias de informação garantem vantagens frente aos concorrentes, pois com as mudanças estruturais das últimas décadas, os consumidores buscam níveis elevados de serviço, com padrões que atendam as expectativas, portanto, através deste estudo é possível identificar como o WMS contribui para o bom gerenciamento da cadeia de suprimentos garantindo assim, maior satisfação do consumidor final. Palavras chaves: Logística, gerenciamento, tecnologia, cadeia de suprimentos. ABSTRACT The purpose of this article is to present the importance of technology information for the management of Integrated Logistics and Supply Chain development, emphasizing the use of the Warehouse Management System (WMS) applied to logistics to manage the large distribution centers, showing a case study of the largest e-commerce in Latin America. The integration of processes and coordinated management of activities in conjunction with information technologies ensure some advantages against competitors, due to structural changes of recent decades, consumers seek high levels of service with standards that meet the expectations, therefore, through this study can be identified as the WMS contributes to the good management of the supply chain ensuring greater consumer satisfaction.

2 Keywords: Logistics, management, technology, supply chain. 1. INTRODUÇÃO O atual cenário empresarial apresenta relevantes mudanças em relação às estruturas mercadológicas das décadas anteriores em função do gradativo crescimento da globalização. O mercado consumidor tornou-se mais exigente com o passar do tempo obrigando as empresas a buscarem recursos que otimizassem seus processos produtivos e de atendimento sem perda de qualidade no nível de serviço oferecido. Devido a essas grandes mudanças, as empresas viram a necessidade de retomar o conceito de logística empresarial, que consiste no gerenciamento do fluxo de bens, serviços e informações para garantir vantagens competitivas em relação aos concorrentes. É de suma importância analisar o atual cenário empresarial, para entender a evolução dos modos de gerenciamento e o quanto isso reflete na qualidade do serviço prestado e do produto adquirido. Este artigo tem como objetivo principal apresentar o uso de um Sistema de Gerenciamento de Armazéns - Warehouse Management System (WMS), como peça fundamental na administração das diversas fases que compõem o ciclo logístico dentro de um Centro de Distribuição, constatando que a Tecnologia da Informação aplicada aos conceitos de Logística Integrada e Supply Chain Management garantem vantagens competitivas. Grande parte do desenvolvimento empresarial deve-se a necessidade de minimizar os custos por meio da redução de estoques além da obtenção de novos mercados, o que consequentemente torna obrigatório o investimento em transportes, tecnologias e também na automação dos processos que proporcionam maior eficiência na obtenção de resultados positivos e lucrativos. Portanto, até que ponto a ferramenta da Tecnologia da Informação, o WMS, aplicada a Logística Integrada e ao SCM permite adquirir vantagens competitivas? Segundo Ribeiro e Gomes (2004), a logística visa gerir de maneira estratégica os processos de: aquisição, armazenagem, movimentação e distribuição de materiais, pela organização dos canais de marketing, visando sempre aumentar os lucros. Um dos pilares que sustentam o acompanhamento das mudanças referidas e a gestão adequada das atividades logísticas é o uso da tecnologia da informação voltada à problemática da cadeia de suprimentos. A metodologia adotada neste artigo é fundamentada em pesquisas bibliográficas: leitura e levantamento de conceitos teóricos que serviram de base para o desenvolvimento do artigo, análise do problema de pesquisa, estudo de caso para embasamento dos dados levantados. 2. LOGÍSTICA INTEGRADA: COMPONENTE FUNDAMENTAL DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Para começarmos o estudo da estrutura da cadeia de suprimentos precisamos nos familiarizar com o conceito de logística integrada, que se diferencia dos outros métodos de administração de materiais utilizados para gerenciar as atividades inter-relacionadas, pois seu fundamento parte do principio de que as atividades devem ser geridas de forma coordenada. Segundo Slongo (2002), a logística integrada consiste no relacionamento entre todos os integrantes da cadeia, sendo necessário o estreitamento deste relacionamento, objetivando reforçar todos os diversos pontos do canal, agregando valor ao cliente final e sendo considerada uma estratégia competitiva além de ser responsável por coordenar todas as variáveis que compõem o gerenciamento da cadeia de suprimentos.

3 A logística integrada explora a ideia de que ela deve ser vista como um instrumento de marketing, uma ferramenta gerencial, capaz de agregar valor por meio de serviços prestados (FLEURY, 2009, p. 31). Produto Preço Promoção Praça Serviço ao Cliente Compras ou vendas Transporte Estoques Armazenagem Processamento de pedidos Fonte: Fleury, P..F., Wanke,P.,Figueredo, K.F. Logística Empresarial, Figura 1: Modelo conceitual de logística integrada Um conceito que ajuda a explicar os fundamentos da logística integrada é o marketing mix, ou composto mercadológico. Esse conceito apresenta quatro variáveis que fundamentam sua estratégia: produto, preço, promoção e praça. Esta ultima definirá a política dos canais de distribuição, que são as vias intermediárias, através das quais os produtos chegam ao consumidor final (GRECCO, 1977, p. 35) e pode ser caracterizada por um aspecto que merece destaque: a validação dos padrões de serviços utilizados nos diferentes canais do processo de distribuição. Segundo FLEURY (2009), padrões de serviços são um conjunto de variáveis como disponibilidade de produtos, prazos de entrega, estruturação dos prazos, flexibilidade do serviço, serviços de pós-venda, etc. Quando os canais de distribuição e os padrões de serviços são estabelecidos, tem início a função da Logística, adaptar-se para garantir que essas diretrizes sejam cumpridas. O modelo da logística integrada serve de base para fundamentar os padrões de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos que prima pela comunicação entre as funções de Marketing, Fluxo de Informações e Produção e deve ser entendida e utilizada como um sistema, no qual há uma inter-relação entre os integrantes, tendo a necessidade de gerenciamento coordenado. Não é possível alcançar os objetivos estipulados se pensarmos em apenas um dos pontos da cadeia, os resultados positivos serão provisórios, pois uma ação não coordenada, provavelmente refletirá negativamente em todos os outros componentes do sistema. 3. GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

4 Há um novo modo de gerenciamento que se sobrepõe ao da Logística Integrada, conhecido como Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, que segundo a definição adotada pelo Fórum de Supply Chain Management realizado na Ohio State University implica que: é a integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores iniciais, gerando produtos, serviços e informações que agreguem valor para o cliente (Novaes, 2007, p. 40). Figura 2: Modelo conceitual de Supply Chain Management O SCM (Supply Chain Management) engloba todos os departamentos de uma empresa, desde o marketing até o setor financeiro e também é responsável por tomar decisões que envolvem desde a escolha do melhor lugar do armazém até o investimento em tecnologias para atender com excelência o cliente final. Ou seja, enquanto a Logística Integrada, apenas foca nas atividades produtivas o Supply Chain tem uma visão da organização como um todo, principalmente no que se refere às tendências do mercado. Esta nova percepção de administração tem início na necessidade de atender o consumidor, prestando um serviço de qualidade, para que isso ocorra há todo um estudo de otimização de cada componente da cadeia, mas claro, sempre mantendo uma visão ampla de todos os processos, planejando todas as ações e tendo conhecimento de possíveis reações. Este modo inovador de gerenciar utiliza-se de muitos indicadores que medem a qualidade de cada etapa do processo, buscando a excelência máxima. No atual conceito de Logística há quatro variáveis determinantes na cadeia de suprimentos: Lugar, Tempo, Qualidade e Informação. Todas interferem diretamente em cada elo da cadeia. A primeira variável implica nas distâncias de cada fase do Supply Chain e no objetivo de toda empresa, a satisfação do cliente final. Em suma, significa disponibilizar a mercadoria no lugar desejado pelo consumidor. Já o segundo fator determinante na cadeia de suprimentos, corresponde ao Tempo, que consiste na necessidade de cumprimento de prazos, que possam minimizar custos. É nítido, que atualmente o consumidor está mais exigente e procura um nível de qualidade, seja na prestação de serviço ou na aquisição de produtos, extremamente elevado. Sendo assim, o terceiro fator intrínseco da cadeia, é de extrema importância, já que não basta estar no lugar certo e cumprir os prazos, o cliente exige que a qualidade do serviço prestado, ou do produto adquirido, seja excelente. E a última variável fundamental no Supply Chain é a Informação. É essencial que haja um acompanhamento de cada elo da cadeia, tendo em vista, que a qualquer momento podem ocorrer imprevistos, o que obrigará o gestor a tomar decisões que serão fundamentais para a finalização satisfatória do processo. Há também, a questão de evoluir com as mudanças de mercado, é necessário conhecer a necessidade e as tendências do público consumidor, para manter-se sempre a frente dos concorrentes.

5 O fato é que a constante instabilidade no mercado faz com que as empresas busquem novas alternativas para não sucumbirem e o Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, que está sendo considerado por muitas uma vantagem competitiva. As empresas que conseguem implantar este conceito destacam-se e são líderes de mercado. No entanto, é importante salientar que a maior dificuldade na implantação do SCM é quebrar paradigmas presentes na cultura de cada empresa. 4. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA A LOGÍSTICA Atualmente o valor da Informação é imensurável, principalmente quando se refere a processos gerenciais. Com esta percepção o investimento em Sistemas que viabilizem o fluxo e a exatidão desta Informação vem aumentando consideravelmente no decorrer dos anos. De acordo, com PEREIRA e FONSECA (1997, p. 239), a tecnologia da informação surgiu da necessidade de se estabelecer estratégias e instrumentos de captação, organização, interpretação e uso das informações. Segundo BATISTA (2004, p. 59), Tecnologia de Informação é todo e qualquer dispositivo que tenha a capacidade para tratar dados e/ou informações, tanto de forma sistêmica como esporádica, independentemente da maneira como é aplicada. Torna-se notório que para uma estrutura gerencial eficiente e de sucesso, a tecnologia da informação é consequência de uma gestão estratégica de informação. A agilidade no processamento e na assimilação da informação pode ser considerada fonte de sucesso de algumas empresas, já que o tempo é fundamental nas questões logísticas. Porém não basta ter rapidez, é essencial possuir qualidade no decorrer de todas as etapas do processo logístico e para que isso ocorra há necessidade de sistemas de informação que comportem tal responsabilidade. A Logística Integrada e o Supply Chain, não poderiam abster-se desta evolução tecnológica, já que grande parte das atividades que envolvem a Cadeia de Suprimentos é fundamentada em ferramentas de tecnologia da informação, como exemplos podemos elencar: O Código de Barras, que propicia a facilidade de armazenamento de produtos, além de permitir um controle mais minucioso do estoque; O EDI (Electronic Data Interchange) que funciona como um tradutor de dados, para otimizar e facilitar a comunicação entre fornecedor e empresa, diminuindo burocracias e reduzindo o tempo nas transações. E também o GPS (Global Positioning System), que permite escolher a melhor rota e ter o acompanhamento do transporte. Para Názaro (1999) os sistemas de informação funcionam como elos que ligam as atividades logísticas em um processo integrado e têm-se mostrado fundamentais para seu avanço. A tecnologia da informação, não está presente apenas nas questões operacionais, ela é parte fundamental do planejamento estratégico, permitindo que o gestor tenha acesso a índices de qualidade e desempenho da empresa, que posteriormente o auxiliarão na tomada de decisões. Logo não é possível implantar o Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, que vimos ter como principal foco a inter-relação de cada etapa do processo, sem que haja ferramentas que propiciem a coordenação das atividades, objetivando: redução de tempo, otimização dos recursos, qualidade no serviço prestado e eficiência dos componentes da cadeia. Portanto, assim como a Logística, a Tecnologia da Informação tem suma importância no desenvolvimento das empresas, e grande responsabilidade por mantê-las em patamares cada vez mais elevados.

6 5. WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM (WMS) O WMS surgiu com a função de proporcionar melhores resultados dos processos de informação dentro do armazém ou centro de distribuição e reduzir custos operacionais. Com o avanço da tecnologia da informação no setor da logística, surgiram novas técnicas para melhoria do processo, desde o recebimento da mercadoria, armazenagem, separação de materiais e expedição. Segundo Sucupira (2003) o WMS passou a existir devido à necessidade de aperfeiçoar os fluxos de informação e de materiais dentro de um depósito, armazém ou centro de distribuição, alcançando como resultados principais a redução de custos e o aumento de nível do serviço oferecido aos clientes. De acordo com Arozo (2003), os sistemas de WMS têm a responsabilidade de administrar as operações do dia-a-dia de um armazém. Mesmo possuindo alguns algoritmos, sua utilização está ligada a decisões totalmente operacionais, tais como: definição de rotas de coleta, definição de endereçamento dos produtos, etc. O quadro descrito abaixo ilustra as funcionalidades do Sistema de Gerenciamento de Armazéns utilizadas na Logística: Funções do WMS Programação e entrada de pedido Planejamento e alocação de recurso Portaria Recebimento Inspeção e controle de qualidade Estocagem Transferências Logística Coloca os pedidos de modo rápido e acurado no armazém, melhora o desempenho do sistema corporativo (ERP) quanto ao planejamento do atendimento. Planeja automaticamente a alocação de mão de obra diária, além do método de movimentação de material e o equipamento a ser utilizado por cada operador. Controla todos os veículos envolvidos nas operações de recebimento, gerenciando a fila de espera e designação de docas, além de controlar dados do fornecedor, ordem de chegada, prioridade de descarga, etc. Identifica e seleciona o recebimento a ser processado, indica os itens e quantidades a serem recebidos, imprime e identifica o produto, confirma o recebimento da quantidade de cada produto e libera os itens para a estocagem. Notifica o operador de inspeção das necessidades dos materiais recebidos, permitindo a entrega imediata de produtos à inspeção ou à notificação imediata para que um inspetor venha à recepção; confirma e libera a inspeção quando os produtos ficam estocados em quarentena, evitando a separação física do material. Analisa o melhor método de estocagem, considerando local, tipo de equipamento, momento oportuno para estocar; possibilita o conhecimento do que está estocado; apoia o recebimento do material que entra; a consolidação de números de mesmo item e inventário rotativo. Gerencia os fluxos de transferência de itens entre áreas, ou de um depósito para outro,

7 Separação de Pedidos Expedição Inventários Controle de Contenedores seja próprio ou terceirizado. Transmite os pedidos de mais alta prioridade aos separadores de pedidos; se as prioridades forem iguais, transmite as solicitações de separação com base nos critérios pré-definidos. Inclui a roteirização dos produtos separados para as devidas áreas de separação de cargas na expedição; a geração automática dos conhecimentos de embarque e atualização automática de arquivos de pedidos abertos de clientes. Permite realizar os inventários físicos de forma rápida e precisa, executando-o por tipo de produtos ou localizações físicas, também podem ser feitas auditorias internas sem bloqueio de movimentação e de acordo com os critérios da empresa, além de acertos de inventários, tais como: quebra; mudança de status de produtos, etc. Controla os contenedores como paletes, racks, berços, cestos aramados, caixas plásticas, etc. Relatórios Fornece relatórios de desempenho e informações operacionais que subsidiam o processo de gerenciamento do armazém. Fonte: Chrusciak D. et al(2006,p. 7 apud Adaptado de Banzato 1998) Quadro 1: Adaptação do WMS tradicional para o gerenciamento da logística A otimização proporcionada pelo WMS permite que haja uma evolução na precisão das informações de estoque, na velocidade e qualidade das operações do centro de distribuição e na produtividade do pessoal e equipamentos. Isto se tornou possível devido ao surgimento de novas tecnologias de informação tanto em hardware (computadores, dispositivos periféricos de entrada e saída, e meios de armazenagem de dados), quando em software (sistemas, programas e aplicativos). Pela definição de Banzato (1998), o WMS pode aperfeiçoar os negócios de uma empresa com redução de custo e melhoria do nível de serviço oferecido ao cliente. A redução de custo está associada à melhoria da eficiência de todos os recursos operacionais, tais como: equipamentos e mão de obra. Por outro lado, a melhoria do nível de serviço pode ser atribuída ao fato de erros e falhas de separação e entrega serem minimizados, bem como ganho de agilidade em todo o processo de atendimento ao cliente, combinando melhorias do fluxo de materiais com melhorias no fluxo de informações. De acordo com o exposto acima podemos dizer que o WMS traz os seguintes benefícios: Maior índice de controle e de acuracidade do estoque; Maior produtividade; Menores índices de erros operacionais; Verticalização do armazém, aumentando espaço físico; Maior controle do processo logístico. O WMS como todos os outros sistemas de gerenciamento, só poderão alcançar o máximo de êxito se as etapas envolvidas nos processos forem devidamente coordenadas e interligadas, desde o correto registro dos itens no armazém no ato do recebimento, da

8 precisa separação e conferência dos produtos e do cumprimento de prazos de entrega na expedição. Com um sistema WMS utilizado por uma mão de obra devidamente treinada para operá-lo, obtemos melhores resultados, diminuindo os erros operacionais, reduzindo custos logísticos, e custos de transportes. 6. ESTUDO DE CASO Neste estudo de caso, acompanhamos os processos dentro do centro de distribuição de umas das maiores empresas de comércio eletrônico da América Latina, a empresa possui três filiais, sendo duas em São Paulo e uma em Recife. Todas possuem localização estratégica, ou seja, de fácil acesso as principais rodovias das cidades onde se encontram. A complexidade das operações dentro deste centro de distribuição é imensa, pois precisa haver uma ponte entre a lógica usada para operar as lojas virtuais (sites) e os sistemas de informação utilizados para gerenciar as operações do armazém. No caso da empresa estudada, a estocagem de produtos torna-se necessária, pois o que garante a disponibilidade de determinado item no site é justamente a confirmação de que este item também esteja disponível e em condições de revenda dentro de seu estoque. Para que esse controle seja feito de forma vigorosa e eficaz, visto que o sortimento de itens armazenados ultrapassa a casa de 500mil itens, ela utiliza-se de um Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS (Warehouse Management System) que tem por finalidade garantir a acuracidade do estoque. Para melhor entendimento explicaremos como esse modelo de sistema de gerenciamento atua no controle de entradas (recebimento), movimentações e saídas (expedição) dos itens que compõem seu estoque. A incorporação dos itens no estoque é feita por meio do lançamento das informações contidas nas notas fiscais tais como fornecedor, descrição, quantidade, custo unitário, cubagem, código de barras, peso entre outras. Por meio desse lançamento o Sistema de Gerenciamento faz uma vistoria no seu banco de dados que informa quais destes itens que estão sendo recebidos nunca havia sido antes, o que significa que este não está cadastrado e isso precisará ocorrer para que o recebimento dos materiais seja concluído. Uma vez cadastrados e recebidos, os produtos são disponibilizados para que sejam armazenados de acordo com suas características físicas. A empresa dispõe de vários tipos de estrutura de locais para acondicionamento desses itens, dentre elas estão: portapaletes para armazenagem de móveis, utensílios domésticos, eletrodomésticos; estanterias que abrigam principalmente cd s, dvd s e livros; estruturas blocadas acondicionam itens de linha branca como refrigeradores, lavadoras; ambientes refrigerados para estocagem de produtos perecíveis. Cada produto contém um código de barras que servirá como sua identidade e o tornará único, além disso, ele será transferido para um endereço fixo dessas estruturas de armazenagem que possibilitará o total rastreamento das peças e o controle de estoques. Depois de infusos no estoque da empresa, os produtos também são disponibilizados no site de compras com a mesma quantidade de peças que estão fisicamente armazenadas, esse processo é feito por meio de uma interface de dados executada por um sistema auxiliar que faz a transferência de informações entre o Sistema de Gerenciamento de Armazéns e a loja virtual que é o site. Quando determinado item é comprado no site, esse sistema auxiliar também faz o caminho inverso com as informações, o que implica em reservá-lo para o cliente que o comprou impossibilitando movimentações físicas desse produto e fazendo com que seja disparado um pedido de venda para a operação que deverá atendê-lo em um prazo determinado. Quando um pedido de venda é recebido, analisado e aprovado, este é enviado do sistema auxiliar, que estabelece um link com o site e gerencia essa parte do processo, para o Sistema de Gerenciamento de Armazéns que será o responsável por fazer sua

9 programação e garantir que os itens integrantes dessa compra sejam encontrados no estoque a fim de que o cliente seja atendido. A primeira etapa a ser concluída depois que o pedido está disponível no Sistema Operacional é o Picking (separação), que consiste na atividade exercida pelos operadores de procurarem os itens que formarão cada pedido utilizando um leitor de código de barras e uma etiqueta que contém informações como: número de pedido, quantidade de itens, quantidade de peças, grupos de locais onde será feita a coleta, nome do cliente, endereço, código da transportadora, etc. Para que o separador possa retirar os itens dos seus locais de origem ele terá de informar ao sistema o código de barras do produto e os endereços onde estes estão armazenados, isso fará com que a quantidade de peças retirada destes endereços seja debitada do estoque total daquele item. Quando esse processo é concluído, os pedidos são depositados em esteiras que os transportam até a área de conferência e embalagem. Este setor é o responsável por garantir que os itens separados sejam realmente aqueles que foram comprados no site, para que isso seja certificado é feita uma nova leitura do código de barras de cada produto. Depois dessa conferência os itens são envoltos em embalagens específicas, dependendo da característica de cada produto e enviados para a área de expedição de pedidos consolidados. Ao final de todos os processos anteriores, os pedidos já consolidados serão enviados para as docas de expedição também por meio de esteiras que farão a leitura do código de barras da transportadora existente na etiqueta, isto possibilitará que todos os pedidos de uma mesma transportadora sejam agrupados facilitando o processo de expedição já que cada uma delas ocupam docas específicas. Por fim o funcionário da empresa expedirá um documento que comprove a saída do material do armazém, que será vistoriado pelo transportador, caso não haja nenhuma divergência com os pedidos, este se responsabilizará pelo transporte e entrega ao consumidor final. Nota-se a importância do uso do WMS para o gerenciamento dos estoques da companhia estudada, pois o sistema garante a exatidão da informação e a eficiência nos processos logísticos dentro dos centros de distribuição, além de proporcionar maior agilidade nas atividades necessárias para o total atendimento do serviço prometido ao consumidor, o que é fundamental para uma empresa de e-commerce. Foi observado, também, que a ferramenta Warehouse Management System não possui muitas complexidades para que possa ser usada, sendo necessário apenas que os operadores sejam devidamente treinados. 7. CONCLUSÃO Neste trabalho conclui-se que as constantes mudanças de mercado, decorrentes da globalização proporcionou algo positivo para o desenvolvimento da gestão estratégica, inovando conceitos e melhorando o nível de serviço. A Logística Integrada e o Supply Chain Management são modos de gerenciamento que agregam valor, pois minimizam custos e otimizam recursos. Em suma, são políticas administrativas que prezam pela gestão coordenada de todas as áreas de uma organização, já que não é possível investir em melhorias de um setor sem que isto reflita nos demais. Ambos os conceitos são vistos como vantagens competitivas, já que o início de todo o processo é focado na necessidade do consumidor, que é identificada por meio de pesquisas mercadológicas, logo a probabilidade de atender satisfatoriamente o cliente é significativamente grande. O que torna isso possível é a Tecnologia da Informação, que possibilita, por meio de ferramentas como o WMS, o melhor gerenciamento das atividades logísticas. Vimos que o Warehouse Management System permite que a administração do armazém seja minuciosa, reduzindo perdas de desempenho e falhas no processo, além de garantir a velocidade e a qualidade nas operações. Porém, é importante salientar que para o

10 sucesso de uma organização, não basta investimentos em tecnologias e novos modelos de gerenciamento, é fundamental que haja valorização do capital humano, por meio de treinamentos e qualificações. 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BANZATO, E. WMS Warehouse management system: Sistema de gerenciamento de armazéns.são Paulo: IMAN, Disponível em Acesso em 10/03/2012 às 16:20. BANZATO, José Maurício. A Integração das Embalagens dentro do Sistema Logístico. Abril, Disponível em Acesso em 12/03/2012 às 20:40. CHRUSCIAK, D. et al WMS Warehouse Management System (Sistema de Gerenciamento de Armazéns): Uma proposta de adaptação para o gerenciamento da logística reversa em armazéns, São Paulo, Disponível em Acesso em 10/03/2012 às 10:00. FLEURY, P.F, WANKE, P e FIGUEIREDO, K.F. Logística Empresarial: A Perspectiva Brasileira. São Paulo: Atlas S.A, GOMES, C.F.S e RIBEIRO P.C.C. Gestão da Cadeia de Suprimentos Integrada à Tecnologia da Informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, GRECCO, C. Administração Mercadológica. São Paulo: Ibrasa, NOVAES, A.G. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição. Rio de Janeiro: Elsevier, REZENDE, D.A e ABREU A.F Tecnologia da Informação: Aplicada a Sistema de Informação Empresariais. São Paulo: Atlas S.A,2009. ROSINI, A.M e PALMISANO, A. Administração de Sistemas de Informação e a Gestão do Conhecimento. São Paulo: Cengage Learning, SUCUPIRA, César. Gestão de Depósitos e Centros de Distribuição através dos Softwares WMS Disponível em Acesso em 15/02/2012 às 17:15.

3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM

3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM 3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM (SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉNS): UMA PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DA LOGÍSTICA REVERSA EM ARMAZÉNS Patrícia Guarnieri Kazuo Hatakeyama Daniele

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem Nádia Veríssimo (EESC-USP) nadiaverissimo@hotmail.com Prof. Dr. Marcel Andreotti Musetti (EESC-USP) musetti@prod.eesc.sc.usp.br Resumo Este trabalho

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA A Evolução do Conceito de Armazenagem - Warehouse Management System (WMS) José Milton Balbino Junior Junior.egp@hotmail.com Roberto Prado roprado17@yahoo.com.br Thiago Cardoso dos Santos thiagocs.eng@gmail.com

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu Pós Graduação Latu Senso Gestão Integrada da Logística

Universidade São Judas Tadeu Pós Graduação Latu Senso Gestão Integrada da Logística Universidade São Judas Tadeu Pós Graduação Latu Senso Gestão Integrada da Logística Adriana dos Santos Gomes Estela Paulino da Silva Luiz Cássio Jorquera Wesley Felipe de Oliveira ARMAZENAGEM E TI São

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

3. Warehouse Management System (WMS)

3. Warehouse Management System (WMS) 3. Warehouse Management System (WMS) A necessidade de aprimorar as operações logísticas fez com que a empresa selecionada para o estudo de caso adotasse em seu Centro de Distribuição um sistema gerenciador

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

4 Warehouse Management System (WMS)

4 Warehouse Management System (WMS) 4 Warehouse Management System (WMS) O WMS (Warehouse Management System ou Sistema de Gerenciamento de Armazéns) surgiu da necessidade de se melhorar as informações e processos dentro de um armazém ou CD,

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE ISSN 1984-9354 ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE Área temática: Logística Erika Ribeiro erika.thais2510@gmail.com Myriã Lozano myricapopis@hotmail.com

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Aspectos Gerais da Tecnologia da Informação na Logística

Aspectos Gerais da Tecnologia da Informação na Logística Aspectos Gerais da Tecnologia da Informação na Logística Tiago César Palombo Cabrera 1 (FECILCAM) kimi.cabrera@hotmail.com Tainara Rigotti de Castro 2 (FECILCAM) tayrigotti@hotmail.com Rosimeire Expedita

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda Supply Chain Management e TI aplicada à Logística 24 de Junho de 2004 SCM e Ti aplicada à Logística Cenário de Competição... Operações Globalizadas Operações Integradas Introdução LOGÍSTICA Tecnologia

Leia mais

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉNS WMS (WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEMS): ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR ALIMENTÍCIO

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉNS WMS (WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEMS): ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR ALIMENTÍCIO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Tatiane Vaz Ferreira Daudte 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

ENTENDENDO A LOGÍSTICA E SEU ESTÁGIO ATUAL

ENTENDENDO A LOGÍSTICA E SEU ESTÁGIO ATUAL ENTENDENDO A LOGÍSTICA E SEU ESTÁGIO ATUAL Fernando Luiz E. Viana Mestre em Engenharia de Produção Professor Adjunto do Instituto de Ensino Superior do Ceará IESC e-mail: flviana@terra.com.br Resumo: Esse

Leia mais

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso 63 A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso Marcelo Rodrigues Fernando de Souza Cáceres (fscaceres@yahoo.com.br) Jean Carlos Cavaleiro (ajean@ig.com.br)

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

WMSL Warehouse Management System Lite

WMSL Warehouse Management System Lite WMSL Warehouse Management System Lite Tela Inicial Esta é a tela inicial do sistema WMSL (Warehouse Management System - Lite) da Logistock. Cadastro Administrativo Pesquisa Movimentação Encerrar Cadastro

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 SISTEMA LOGÍSTICO EMPRESARIAL Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 Creonice Silva de Moura Shirley Aparecida Fida Prof. Engº. Helder Boccaletti Fatec Tatuí

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

LOGISTICA EMPRESARIAL

LOGISTICA EMPRESARIAL 1 UM POUCO DA HISTÓRIA DA LOGÍSTICA (GOMES & RIBEIRO, 2004), afirmam que a palavra logística é originária do vocábulo francês loger, que significa alocar. As operações logísticas iniciaram na Grécia Antiga,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO SISTEMA DE ARMAZENAGEM DE ESTOQUES Por: Ângela Remesar Rocha Orientador JORGE TADEU VIEIRA LOURENÇO

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Automação da armazenagem: o caso da Multi Distribuidora

Automação da armazenagem: o caso da Multi Distribuidora Automação da armazenagem: o caso da Multi Distribuidora Igor Heyner Bezerra da Silva Melo (FAFICA) igorheyner@bol.com.br Marcus Vinicius de Souza Silva Oliveira (FAFICA; UFPE) mvsoli@uol.com.br Resumo

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Os produtos da Royal 4 têm como base as ferramentas PROGRESS, banco de dados e linguagens de quarta geração (4GL), bastante atuais e abertas.

Os produtos da Royal 4 têm como base as ferramentas PROGRESS, banco de dados e linguagens de quarta geração (4GL), bastante atuais e abertas. Nos mais de 16 anos passados desde sua fundação, Royal 4 tem disponibilizado soluções de software empresariais para companhias de médio e grande porte dos segmentos de manufatura, varejo, atacado e distribuição.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente.

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente. 116 5. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING LOGÍSTICO 5.1. LOGÍSTICA Na atualidade, devido a acirrada concorrência no mercado globalizado, as empresas necessitam ser altamente competitivas. Não se pode

Leia mais

Centros de Distribuição: armazenagem estratégica

Centros de Distribuição: armazenagem estratégica Centros de Distribuição: armazenagem estratégica Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este trabalho pretende abordar

Leia mais

Tecnologia da informação

Tecnologia da informação Tecnologia da informação Jonathan Lucas Schwambach Fernandes (FAHOR) jf000554@fahor.com.br Guilherme Ferrari (FAHOR) gf000596@fahor.com.br Fabrício Desbessel (FAHOR) fabricio@fahor.com.br Resumo O estudo

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Automação de Almoxarifado Com Mobilidade

Automação de Almoxarifado Com Mobilidade SAP FORUM 2014 Automação de Almoxarifado Com Mobilidade Daniel Costa Bezerra ArcelorMittal Tubarão - Especialista de TI Ricardo Rodrigues Grizotti ArcelorMittal Tubarão - Especialista de Suprimentos 11/02/2014

Leia mais

Artigo publicado. na edição 09. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. março/abril de 2009

Artigo publicado. na edição 09. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. março/abril de 2009 Artigo publicado na edição 09 Assine a revista através do nosso site março/abril de 2009 a : : Artigos A Importância da TI nos Processos Logísticos Tecnologia da Informação: a base sólida dos processos

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 3. Contextualização. Principais Atribuições. Controles de Estoque. Plano de Ação. Instrumentalização

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 3. Contextualização. Principais Atribuições. Controles de Estoque. Plano de Ação. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 3 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Controles de Estoque Principais Atribuições Planejamento Controle Gestão de estoques PDCA Sistema de administração

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Aula I Introdução à Logística

Aula I Introdução à Logística Aula I Introdução à Logística Professor Argélio Lima Paniago COMO PODEMOS DEFINIR A LOGÍSTICA? 2 1 O inicio da Logística teve sua interpretação relacionada com as operações militares (movimentaçãode tropas,

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

Centros de distribuição como vantagem competitiva

Centros de distribuição como vantagem competitiva Centros de distribuição como vantagem competitiva Anderson Santos Especialista em Logística Empresarial - UNIMEP Professor da Faculdade Comunitária de Limeira Professor da Faculdade Comunitária de Santa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais