DAS PISTAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS, BRASIL OBJETIVOS ROTEIRO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DAS PISTAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS, BRASIL OBJETIVOS ROTEIRO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS"

Transcrição

1 MANUTENÇÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS DAS PISTAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS, BRASIL AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS VI SEMINÁRIO ALACPA DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS 26 a 30 de outubro de 2009 São Paulo - Brasil Março/2009 Ivilen C. Gonçalves Martins Gomes Outubro/2009 OBJETIVOS 1) Apresentar conceitos relativos ao atrito em pavimentos aeroportuários; rios; 2) Freqüência de medição de atrito e de remoção de borracha com base nas normas nacionais e internacionais; 3) Métodos de medições de atrito, macrotextura e de remoção de borracha nas pistas do Aeroporto Internacional de São Paulo Guarulhos. ROTEIRO 1.Histórico 2.Objetivo das ações de manutenção nas pistas 3.Conceito básico de atrito 4.Conceito básico de hidroplanagem 5.Legislações e normas 6.Medidores de atrito 7.Histórico de atrito das pistas de Guarulhos 8.Remoção de borracha 9.Histórico de remoção de borracha das pistas de Guarulhos 10.Macrotextura

2 Primeira etapa do aeroporto HISTÓRICO Obras e Inauguração HISTÓRICO As pistas 09R/27L: o Início m - Reforço o da pista da Base Aérea de Cumbica; 11 de agosto de Inauguração oficial 20 de janeiro de o Atual m. Foto de 1980 HISTÓRICO HISTÓRICO As pistas 09L/27R: o Início m - TWY e pousos de emergência; o Atual m - PP Foto de 1984

3 Maior aeroporto do Brasil; Hub na América do Sul; HISTÓRICO Situação atual Maior da América Latina no transporte de carga; OBJETIVO DAS AÇÕES A DE MANUTENÇÃO NAS PISTAS Minimizar os efeitos das condições climáticas; Manter os níveis de aderência adequados; Contribuir para evitar acidentes e Diminuir a gravidade dos acidentes inevitáveisveis Resultado: Nível de segurança a da atividade aeroportuária. ria. CONCEITO BÁSICO B DE ATRITO CONCEITO BÁSICO B DE ATRITO As superfícies dos corpos, por mais polidas que possam parecer do ponto de vista macroscópico, apresentam rugosidade quando analisadas microscopicamente. Em conseqüência, se duas superfícies em contato apresentarem tendência a se mover uma em relação à outra, surge uma força ''resistente'': a força de atrito. Atrito: Um dos fatores determinantes na prevenção de acidentes aéreos. Atua no procedimento de pouso e decolagem de Aeronaves

4 CONCEITO BÁSICO B DE HIDROPLANAGEM CONCEITO BÁSICO B DE HIDROPLANAGEM Pavimento molhado Zona 3 - Maior área de contato entre o pneu e o pavimento Zonas na interface pneu-pavimento: pavimento: Velocidade, zona 3 o Zona 1 - Molhada, Zona 3, zonas 1 e 2 o Zona 2 - intermediária ria e o Zona 3 - seca. Zonas 2 e 3 = 0 Hidroplanagem LEGISLAÇÕES E NORMAS BRASILEIRAS INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC IAC-4302 (Instrução da Aviação Civil) -Resolução 88 da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) -IAC (Manual de Operações do Aeroporto) item MP de 30/10/2007 (Manual de Procedimentos da Infraero) Substitui a IAC de novembro de /05/ Aprovação pelo DAC (Departamento de Aviação Civil) Base: o NASA - National Aeronautics and Space Agency o FAA - Federal Aviation Administration o USAF - United States Air Force oicao International Civil Aviation Organization

5 Estabelece requisitos: INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC-4302 INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC-4302 Principal determinação: o De resistência à decolagem derrapagem para pistas de pouso e m o Para a medição de atrito e textura, o Para o monitoramento das características superficiais e o Para a manutenção da resistência à derrapagem nas pistas de pouso e decolagem dos aeródromos nacionais. Atrito < Nível de Manutenção INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC-4302 Principal determinação: RESOLUÇÃO Nº N 088 DE 11/05/2009 ANAC Revoga o item 3.1, do capítulo 3 da IAC (28/05/01), que trata: das medições de atrito, do equipamento a ser utilizado, da velocidade do teste, dos locais de medição na pista, do tipo de teste, da freqüência das medições,, e Tratativas: Estabelece parâmetros em testes de calibração e de monitoramento de atrito em pistas de pouso e decolagem. 1. Solicitação de expedição de NOTAM (Notice To AirMen Aviso aos Aeronavegantes) e 2. Iniciar, prontamente, as ações corretivas apropriadas. o Medições dos coeficientes de atrito: 1. Realizadas em toda sua extensão, 2. Em ambos os sentidos, 3. Em alinhamentos paralelos, 4. De acordo com as distâncias do eixo e 5. Considerando a aeronave crítica de projeto.

6 RESOLUÇÃO Nº N 088 DE 11/05/2009 ANAC RESOLUÇÃO Nº 088 DE 11/05/ ANAC Conforme referência da ADVISORY CIRCULAR AC150/ C 12C (FAA) e AIRPORT SERVICES MANUAL PART 2 (ICAO) para pousos de aeronaves a jato INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC-4302 POUSOS DIÁRIOS DE AERONAVES À REAÇÃO NA PISTA FREQÜÊNCIA DAS MEDIÇÕES DE ATRITO Pavimentos não Estriados Pavimentos Estriados ou (Sem Tratamento Com Camada Porosa de Superficial) Atrito Menos de 50 Cada 12 meses Cada 12 meses 51 a 250 Cada 6 meses Cada 9 meses 251 a 450 Cada 4 meses Cada 6 meses 451 a 700 Cada 3 meses Cada 4 meses 701 ou mais Cada 3 meses Cada 3 meses RESOLUÇÃO Nº 088 DE 11/05/ ANAC Conforme referência da ADVISORY CIRCULAR AC150/ C 12C (FAA) e AIRPORT SERVICES MANUAL PART 2 (ICAO) para pousos de aeronaves a jato RESOLUÇÃO Nº N 088 DE 11/05/2009 ANAC INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC-4302 POUSOS DIÁRIOS DE AERONAVES À REAÇÃO NA PISTA FREQÜÊNCIA DAS MEDIÇÕES DE ATRITO Pavimentos não Estriados Pavimentos Estriados ou (Sem Tratamento Com Camada Porosa de Superficial) Atrito Menos de 50 Cada 12 meses Cada 12 meses 51 a 250 Cada 6 meses Cada 9 meses 251 a 450 Cada 4 meses Cada 6 meses 451 a 700 Cada 3 meses Cada 4 meses 701 ou mais Cada 3 meses Cada 3 meses

7 MEDIDORES DE ATRITO Métodos e equipamentos utilizados variam significativamente, conforme a origem do fabricante Dificulta a comparação das informações. Encontra-se em estudo pela NASA/FAA o estabelecimento de uma grandeza de atrito padronizada IRFI como medida oficial MEDIDORES DE ATRITO Equipamentos com rodas bloqueadas, tipo Skiddometer; Equipamentos com rodas em ângulo de deslizamento lateral, tipo Mu-MeterMeter Equipamentos portáteis, teis, tipo Grip Tester e pêndulo britânico MEDIDOR DE ATRITO DO AEROPORTO DE GUARULHOS Guarulhos: o início das operações: Mu-meter MK-4 MEDIDOR DE ATRITO DO AEROPORTO DE GUARULHOS MI-90 (Skiddometer) Sinais da célula de carga - Software Friclog - Valores de atrito o Agosto de BV-11: Skiddometer

8 HISTÓ HISTÓRICO DE ATRITO 09R/27L Recapeamento total concluí concluído em junho/2006 HISTÓ HISTÓRICO DE ATRITO 09L/27R REMOÇ ¾PORQUÊ? DATA DA MEDIÇÃO Recapeamento de 2/3 da pista de agosto a novembro/2007

9 Atividade de manutenção, Freqüência: A A remoção não é completa, A A eficácia: cia: o o Inspeções visuais periódicas e Experiência acumulada em cada aeroporto, o o Não deve ser avaliada por. inspeção visual, Medição de Atrito. ADVISORY CIRCULAR AC150/ C 12C (FAA) e AIRPORT SERVICES MANUAL PART 2 (ICAO) Referência da FAA/ICAO para planejar a freqüência de remoção de contaminantes: Número de aterrissagens diárias de aeronaves a jato por cabeceira MENOR QUE 15 Frequência mínima de avaliação de atrito 2 ANOS - HISTÓRICO Até junho/2007: o Guarulhos Caminhão com acessórios de operação manual DE 16 A 30 DE 31 A 90 DE 91 A 15 DE 151 A 210 MAIOR QUE ANO 6 MESES 4 MESES 3 MESES 2 MESES

10 - ANTES - ANTES Aplicação de detergente diluído do para facilitar a remoção da borracha impregnada na superfície e de água sob pressão. Capacidade do tanque de água Peso total veículo Pressão de trabalho Litros Kg até 750 bar por meio de motor estacionário de 150 hp - ATUAL Operação 02 (dois) chuveiros rotativos: o 600 mm de diâmetro cada, o Dotados de bicos espargidores Capacidade do tanque de água Peso total veículo Litros e do reservatório rio de resíduos sólidos de Litros, Kg, sendo Kg no eixo dianteiro e Kg nos eixos traseiros. Caixa de transmissão automática tica e sistema hidrostático tico para deslocamento contínuo nuo e uniforme (piloto automático) tico)

11 PRESSÃO DE TRABALHO DA BOMBA ATUAL de até PSI (2068,42 bar) sem auxílio de produto químico ANTERIOR de até ,83 PSI (750 bar) com auxílio de produto químico Operadores 02 De 04 a 05 REMOÇÃO DE RESÍDUOS PRODUÇÃO ATUAL Por meio de bomba de vácuo com reservatório rio próprioprio ANTERIOR Lavagem da pista com remoção dos resíduos para área lateral De a m²/h De 480 a 600 m²/h ATUAL ANTERIOR REMOÇÃO DE FAIXAS Sem utilização de produto químico e alto rendimento Com auxílio de produto químico e baixo rendimento

12 - Método de execução: Capítulo 3.2 e anexo 1 da IAC 4302; A cada 100 metros de pista, a 3 metros do eixo, alternadamente à esquerda e a direita deste, iniciando a 100 metros de uma das cabeceiras. - Frequência : sempre que forem realizadas medições de atrito; MACROTEXTURA Material utilizado: o Cilindro metálico V interno = 24cm 3 MACROTEXTURA o Espalhador tipo carimbo manual o Areia Granulometria entre #50 e #100. MACROTEXTURA Nº de Medições Distância (m) Lado Distância do Eixo (m) Diâmetros (mm) D1 D2 D3 D médio Profundidade da Textura (mm) Nível de Textura D 3, E 3, D 3, E 3, D 3, E 3, D 3, E 3, D 3, E 3, D 3,00 - Não deve ser inferior a 0,50 mm, exceto quando atender plano especial de manutenção, - Pavimento novo : 1 milímetro. metro.

13 REFERÊNCIAS -IAC Resolução 88 da ANAC -IAC Anexo 14- ICAO -Tese de Mestrado de Oswaldo Sansone Obrigada!!! Arq. Ivilen C. G. Martins Gomes Coordenadora de Manutenção de Sistemas de Operações

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. Estabelece requisitos de aderência para pistas de pouso e decolagem. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício da competência que lhe

Leia mais

DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM

DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM OACI - SEMINÁRIO INTERNACIONAL Santa Cruz de La Sierra - Bolívia 22 à 27 JUL 2002 Julio E. Velasco Ardúz Engenheiro Civil AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO

Leia mais

ANÁLISE DA PROFUNDIDADE MÉDIA DA MACROTEXTURA POR ENSAIO DE MANCHA DE AREIA E COEFICIENTE DE ATRITO DOS PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS

ANÁLISE DA PROFUNDIDADE MÉDIA DA MACROTEXTURA POR ENSAIO DE MANCHA DE AREIA E COEFICIENTE DE ATRITO DOS PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS 1 ANÁLISE DA PROFUNDIDADE MÉDIA DA MACROTEXTURA POR ENSAIO DE MANCHA DE AREIA E COEFICIENTE DE ATRITO DOS PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS Francisco Heber Lacerda de Oliveira - Universidade de Fortaleza. heber@unifor.br

Leia mais

44ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA. Foz do Iguaçu, PR 18 a 21 de agosto de 2015

44ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA. Foz do Iguaçu, PR 18 a 21 de agosto de 2015 44ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA Foz do Iguaçu, PR 18 a 21 de agosto de 2015 ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA ADERÊNCIA PNEU-PAVIMENTO AEROPORTUÁRIO

Leia mais

44ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA. Foz do Iguaçu, PR 18 a 21 de agosto de 2015

44ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA. Foz do Iguaçu, PR 18 a 21 de agosto de 2015 44ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 18º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA Foz do Iguaçu, PR 18 a 21 de agosto de 2015 ANÁLISE DA PROFUNDIDADE MÉDIA DA MACROTEXTURA E COEFICIENTE DE

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA. Edimar de Lima dos Santos. Análise Histórica de Medição de Atrito das Pistas do Aeroporto Santos Dumont - RJ

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA. Edimar de Lima dos Santos. Análise Histórica de Medição de Atrito das Pistas do Aeroporto Santos Dumont - RJ INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Edimar de Lima dos Santos Análise Histórica de Medição de Atrito das Pistas do Aeroporto Santos Dumont - RJ Trabalho de Graduação Ano 2004 Infra-Estrutura II CDU 625.8

Leia mais

SEGURANÇA EM PISTAS DE POUSO DE AEROPORTOS BRASILEIROS (SAFETY RUNWAYS OF AIRPORTS IN BRAZIL)

SEGURANÇA EM PISTAS DE POUSO DE AEROPORTOS BRASILEIROS (SAFETY RUNWAYS OF AIRPORTS IN BRAZIL) SEGURANÇA EM PISTAS DE POUSO DE AEROPORTOS BRASILEIROS (SAFETY RUNWAYS OF AIRPORTS IN BRAZIL) MARCIA FREITAS ABAD GONZAGA 1 RÉGIS MARTINS RODRIGUES 1 1 Mestre em Engenharia de Infra-estrutura Aeronáutica,

Leia mais

Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio

Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio Caracterização e Reabilitação de Pavimentos Aeroportuários APVP EDUARDO FUNG Coordenador de Projectos da COBA e Director Técnico

Leia mais

43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO

43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO 43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 17º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA Maceió, AL - 27 a 30 de maio de 2014 ANÁLISE DA CORRELAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ADERÊNCIA DA PISTA DO AEROPORTO

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

Pavimentadora da classe de 10 m com uma ampla gama de aplicações. Pavimentadora de Concreto SP 850

Pavimentadora da classe de 10 m com uma ampla gama de aplicações. Pavimentadora de Concreto SP 850 Pavimentadora da classe de 10 m com uma ampla gama de aplicações Pavimentadora de Concreto SP 850 Pavimentadora de concreto SP 850 para uma pavimentação em concreto com qualidade superior Ampla variedade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS

CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS Objetivo Descrever o processo de certificação operacional dos aeroportos no Brasil, regido pelo RBAC 139. Roteiro 1. Apresentar as recomendações da OACI e as normas

Leia mais

43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO

43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO 43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 17º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA Maceió, AL 29 de julho a 1º de agosto de 2014 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ADERÊNCIA DA PISTA DE POUSO E DECOLAGEM

Leia mais

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária Helipontos em São Paulo: Segurança, Irregularidades e Caminhos para Regularização Anderson Ribeiro Correia Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Leia mais

Segurança dos Pneus. Data de validade

Segurança dos Pneus. Data de validade Segurança dos Pneus Dirigimos diariamente e quase nunca prestamos atenção a uma das partes mais importantes do automóvel, O PNEU. Veja a seguir como ler e entender a fabricação e o uso correto de um pneu.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027 1 AEROPORTO REGIONAL CLASSIFICAÇÃO PAESP 27-227 São os aeroportos destinados a atender as áreas de interesse regional e/ou estadual que apresentam demanda por transporte aéreo regular, em ligações com

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS LICITAÇÃO Nº PP03060001/2013. Item Especificação Unid Vr. Unit Vr. Total

ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS LICITAÇÃO Nº PP03060001/2013. Item Especificação Unid Vr. Unit Vr. Total ANEXO III 1 ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS LICITAÇÃO Nº PP03060001/2013 Item Especificação Unid Vr. Unit Vr. Total 1 CAMINHÃO TOCO COM CAPACIDADE DE CARGA ÚTIL VARIANDO DE 10.000 A 12.000KG. DEVERÁ COMPOR

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014

Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014 VI Seminário ALACPA de Pavimentos Aeroportuários e IV FAA Workshop Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014 28 Outubro 2009 Arq. Jonas M. Lopes INFRAERO Aeroportos - Copa do Mundo 2014 Belo Horizonte

Leia mais

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL Luiz Munaretto - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 330 de 1112 - - -

Leia mais

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE-

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE- PORTARIA ANAC N o 280/SIA, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. Cria projeto piloto para monitoramento de Indicadores de Desempenho da Segurança Operacional em aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

Leia mais

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Definições: Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas de materiais

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi HISTÓRICO AEROPORTOS 1. PRINCÍPIOS GERAIS: Cinco Liberdades do Ar: 1. Uma aeronave tem direito de sobrevoar um outro país, sem pousar, contanto que o país

Leia mais

Aeroportos. Prof. Alexandre Duarte Santos. Tecnologia da construção Fau/UFRJ

Aeroportos. Prof. Alexandre Duarte Santos. Tecnologia da construção Fau/UFRJ Aeroportos Prof. Alexandre Duarte Santos Tecnologia da construção Fau/UFRJ LIMITAÇÕES DOS AEROPORTOS Aeroporto de Congonhas Aeroporto Santos Dumont ACIDENTES ACIDENTES ACIDENTES ACIDENTES ACIDENTES

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Estudo de Caso Levantamentos de FWD e para Avaliação Estrutural dos Pavimentos Introdução Necessidade de conhecer a condição estrutural

Leia mais

Belo Horizonte, 6 de junho, 2011. Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais

Belo Horizonte, 6 de junho, 2011. Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais Belo Horizonte, 6 de junho, 2011 Infraestrutura Aeroportuária de Belo Horizonte Região metropolitana: Aeroporto Carlos Prates Aeroporto da Pampulha Aeroporto Internacional Tancredo Neves Movimento operacional

Leia mais

ORGANISMOS DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS

ORGANISMOS DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS Pág. 1 de 6 1. OBJECTIVO O presente documento tem como objetivo definir o serviço de acreditação para o setor Organismos de Inspeção de Veículos (OIV) inserido no esquema de acreditação de organismos de

Leia mais

Linha de Pavimentadoras SD Dynapac

Linha de Pavimentadoras SD Dynapac Linha de Pavimentadoras SD Dynapac Dynapac SD2500C / SD2500CS - Esteiras Dynapac SD2500W / SD2500WS - Rodas Nova linha de pavimentadoras D inovação e alta performance a se necessidades de sua obra. IMPACTO

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros 01 (Instalado sobre reboque agrícola). 1 1 TANQUE RESERVATÓRIO: Tanque

Leia mais

veículos de capacidade e cinqüenta

veículos de capacidade e cinqüenta 12 CATEGORIA PRO MOD PM 12.1) DEFINIÇÃO: Participam destas categorias veículos bipostos nacionais e importados, turismo, de produção em série, réplicas e protótipos, coupê, sedan ou pick upp de 2, 3, 4

Leia mais

SEGURANÇA OPERACIONAL EM PAVIMENTOS

SEGURANÇA OPERACIONAL EM PAVIMENTOS Ver 03c 241007 SEGURANÇA OPERACIONAL EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS E AEROPORTUÁRIOS ATRITO José Augusto Degrazia Campedelli Alberto José Aulicino Neto 1 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS LRC KSC SLF STS RTLS

Leia mais

55MR. Escavadeira Compacta PC55MR-3. POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm. PESO OPERACIONAL 5.160-5.350 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,07-0,18 m³

55MR. Escavadeira Compacta PC55MR-3. POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm. PESO OPERACIONAL 5.160-5.350 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,07-0,18 m³ PC 55MR As fotos neste folheto são meramente ilustrativas, podendo incluir opcionais ou configurações diferentes do equipamento padrão. Escavadeira Compacta PC55MR-3 POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm PESO OPERACIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL ADERÊNCIA PNEU-PAVIMENTO EM REVESTIMENTOS ASFÁLTICOS AEROPORTUÁRIOS. JOÃO PAULO SOUZA SILVA ORIENTADOR: MÁRCIO

Leia mais

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos e flexíveis, e hidrovariadores de velocidade, produtos destinados a atender os mais

Leia mais

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11 Introdução Nos trabalhos sobre aeroportos e transporte aéreo predominam análises específicas que tratam, por exemplo, do interior do sítio aeroportuário, da arquitetura de aeroportos, da segurança aeroportuária,

Leia mais

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Gerência de Planos Diretores - Sede Abril/2010 Documento de Planejamento Plano Diretor Aeroportuário rio Objetivo Definição Objetivos

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA NA

ENGENHARIA MECÂNICA NA ENGENHARIA MECÂNICA NA Gonçalo Falcão Marta Ramos Paulo Fernandes Pedro Lima Pedro Forte Pedro Seabra 1M05_03 Supervisor: Monitor: Ana Reis Mário Silva Mestrado Integrado Engenharia Mecânica Motores Energy

Leia mais

QUESTÃO 01. a) Qual a temperatura do forno? b) Qual a variação de energia interna do bloco do latão. QUESTÃO 02

QUESTÃO 01. a) Qual a temperatura do forno? b) Qual a variação de energia interna do bloco do latão. QUESTÃO 02 Quando necessário considere: g = 10 m/s 2, densidade da água = 1 g/cm 3, 1 atm = 10 5 N/m 2, c água = 1 cal/g. 0 C, R = 8,31 J/mol.K, velocidade do som no ar = 340 m/s e na água = 1500 m/s, calor específico

Leia mais

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Diretoria de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e Eventos Críticos DPIFE Palestrante: JARBAS JORGE DE ALCÂNTARA Téc.

Leia mais

Computação Embarcada Projeto e Implementação de Veículos Autônomos Inteligentes

Computação Embarcada Projeto e Implementação de Veículos Autônomos Inteligentes XXV CONGRESSO DA SBC JAI 2005 Computação Embarcada Projeto e Implementação de Veículos Autônomos Inteligentes - GPVA http://www.eletrica eletrica.unisinos..unisinos.br/~autonom Dr. Christian R. Kelber

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

MANUAL DE REFORMA SEÇÃO UM

MANUAL DE REFORMA SEÇÃO UM MANUAL DE REFORMA SEÇÃO UM PNEU RADIAL DE CARGA, BÁSICO Pagina 1 de 7 1.1 MATERIAIS USADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM PNEU RADIAL CARGA São usados diferentes tipos de componentes e compostos de borracha para

Leia mais

Linha de TECNOLOGIA PARA CONCRETO

Linha de TECNOLOGIA PARA CONCRETO Linha de TECNOLOGIA PARA CONCRETO 2010 2 Cortadora de Pisos HCC14 I HCC16 O design da Cortadora de Pisos Menegotti foi desenvolvido para aumentar a performance, força e vida útil do produto. É um equipamento

Leia mais

UC SYSTEM (PATENTEADO)

UC SYSTEM (PATENTEADO) UC SYSTEM (PATENTEADO) Solução única para a rápida e eficaz limpeza interna, a seco e em segundos de tubulações industriais. Desenvolvido para utilização em tubulações de indústrias farmacêuticas, químicas,

Leia mais

Shurflo série 8000. * Para recalque acima de 20 metros deverá ser usado 02 módulos de 85Wp.

Shurflo série 8000. * Para recalque acima de 20 metros deverá ser usado 02 módulos de 85Wp. Shurflo série 8000 A shurflo série 8000 é ideal para aplicações residenciais e rurais que necessitem de alta pressão com fluxo superior a 4,6 l/min com baixa amperagem, podendo recalcar até 42,0 metros.

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015 25 de Abril de 2014 1. PISTA DE POUSO E DECOLAGEM (*) CAPACIDADE DE PISTA Período Hora (LT) Capacidade (mov/hora) 26/10/2014

Leia mais

METROLOGIA APLICADA AOS CENTROS DE INSPEÇÃO E CONCESSIONÁRIOS AUTOMÓVEL

METROLOGIA APLICADA AOS CENTROS DE INSPEÇÃO E CONCESSIONÁRIOS AUTOMÓVEL SEMINÁRIO: A ENGENHARIA MECÂNICA E OS DESAFIOS DA MEDIÇÃO METROLOGIA APLICADA AOS CENTROS DE INSPEÇÃO E CONCESSIONÁRIOS AUTOMÓVEL PEDRO GOMES RESPONSÁVEL DO DEPARTAMENTO DE METROLOGIA FÍSICA TECNOLÓGICA

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL

SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL Obrigado por escolher equipamentos FLUHYDRO SYSTEMS. Os sistemas óleo hidráulicos são hoje, as melhores, mais seguras e econômicas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-201-R02

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-201-R02 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-201-R02 ANÁLISE DE SOLICITAÇÕES DE HOTRAN 02/2014 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 28 de fevereiro de 2014. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani 3 PÁGINA

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

NORMA DA INFRAERO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO

NORMA DA INFRAERO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO NORMA DA INFRAERO ASSUNTO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE OPERAÇÕES (DO) SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO OPERACIONAL (DOGP)

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS Ricardo Peres Mestrando UNICAMP Gilberto Teixeira da Silva Prof. Universidade Presbiteriana Mackenzie/ doutorando UNICAMP/ São Paulo/Brasil Joao Virgílio Merighi Prof. Universidade Presbiteriana Mackenzie/

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43 012 Aprovação: Portaria Nº 786/SAR, de 25 de março de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2013, Seção 1, pág. 2, republicada no Diário Oficial

Leia mais

1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES. 06 de Junho de 2013

1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES. 06 de Junho de 2013 01 1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES 06 de Junho de 2013 02 Índice A Indústria Brasileira de Pneus ANIP pg 03-09 Pneus Verdes ou Biopneus

Leia mais

ESP- 09/92 IMPRIMAÇÕES BETUMINOSAS

ESP- 09/92 IMPRIMAÇÕES BETUMINOSAS INTRODUÇÃO Especificações de serviços definem os critérios da utilização de imprimações betuminosas em camadas de pavimento, de obras sob a fiscalização da Prefeitura do Município de São Paulo. 1. DESCRIÇÃO

Leia mais

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Motor Motor CAT C6.6 ACERT Motor CAT C7 ACERT Motor CAT C7 ACERT Comp. Classe III Comp. Classe III Comp. Classe III Potência Bruta 129 kw (173

Leia mais

Categoria Desafio IMPORT

Categoria Desafio IMPORT Categoria Desafio IMPORT 1 - NORMAS TÉCNICAS: A categoria Desafio IMPORT deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 2 - DEFINIÇÃO: a) Poderão participar desta categoria veículos

Leia mais

Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil. Documento informativo

Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil. Documento informativo Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil Documento informativo Treinamento como ferramenta na mitigação de problemas ambientais

Leia mais

Prezado Cliente, www.hidrojatobrasil.com.br

Prezado Cliente, www.hidrojatobrasil.com.br Prezado Cliente, No intuito de fazermos parte do cadastro de fornecedores desta conceituada empresa, servimo-nos da presente, para levar ao seu conhecimento o perfil de nossa empresa. A HIDROJATO BRASIL,

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 Conj. 1 Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 Porto Alegre

Leia mais

FS400 FS400 CARACTERÍSTICAS BENEFÍCIOS RECOMENDAÇÃO DE APLICAÇÃO INFORMAÇÕES TÉCNICAS

FS400 FS400 CARACTERÍSTICAS BENEFÍCIOS RECOMENDAÇÃO DE APLICAÇÃO INFORMAÇÕES TÉCNICAS FS400 O Firestone FS400 é um pneu radial sem câmara desenvolvido para uso em eixos direcionais, livres e tração moderada de caminhões e ônibus em rodovias pavimentadas de média e longa distância. Ombros

Leia mais

Lastragem do trator Agrícola Lastragem Prof. Luiz Atilio

Lastragem do trator Agrícola Lastragem Prof. Luiz Atilio do trator Agrícola FORMAS PARA AUMENTAR A ADERÊNCIA ENTRE O RODADO E O SOLO: - Aumento da área de contato: - Pneu mais largo - Rodagem dupla -: - Lastro Líquido ( água nos pneus) - Lastro metálico ( pesos

Leia mais

Para controles de peso móveis e precisos.

Para controles de peso móveis e precisos. Para controles de peso móveis e precisos. Proteja suas estradas. Evite: - Acidentes Veículos com excesso de peso apresentam um maior risco de acidentes. - Danos às estradas Eixos com excesso de peso causam

Leia mais

Segurança Operacional no Brasil

Segurança Operacional no Brasil Rio de Janeiro, 28 de abril de 2014 Segurança Operacional no Brasil O futuro já chegou Carlos Eduardo Pellegrino Diretor de Operações de Aeronaves Estrutura Governamental Presidência CONAC Conselho Nacional

Leia mais

CATÁLOGO DAS MÁQUINAS DE PRESSÃO ÁGUA FRIA E QUENTE

CATÁLOGO DAS MÁQUINAS DE PRESSÃO ÁGUA FRIA E QUENTE CATÁLOGO DAS MÁQUINAS DE PRESSÃO ÁGUA FRIA E QUENTE K2195 / 2175 TS KRANZLE Máquinas profissionais monofásicas de água fria. Com bomba profissional de baixa rotação, lanças de jato regulável e rotativa

Leia mais

O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2014

O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2014 Anais do 15 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 2009 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a 22 2009. O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

Provas de carga de estacas de grande porte no Cais C do Porto de Montevidéu

Provas de carga de estacas de grande porte no Cais C do Porto de Montevidéu Provas de carga de estacas de grande porte no Cais C do Porto de Montevidéu Gutiérrez, A. Facultad de Ingeniería, Montevideo, Uruguay, agutierr@fing.edu.uy Neme, M. Facultad de Ingeniería, Montevideo,

Leia mais

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Desafios, Necessidades e Perspectivas da Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica (Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura)

Leia mais

Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos

Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos 1 Concepção O que é a bancada de testes da Valeq? Esta bancada foi desenvolvia com a intenção de agilizar os testes de campo e de bancada que envolvem pressão.

Leia mais

ÍNDICE DE APRESENTAÇÃO: -OBJETIVO DO TESTE -METODOS UTILIZADOS -RESULTADOS. www.oter.com.br

ÍNDICE DE APRESENTAÇÃO: -OBJETIVO DO TESTE -METODOS UTILIZADOS -RESULTADOS. www.oter.com.br ÍNDICE DE APRESENTAÇÃO: -OBJETIVO DO TESTE -METODOS UTILIZADOS -RESULTADOS www.oter.com.br OBJETIVOS: Para fixação de Rodas em veículos de transportes utiliza-se de porcas comuns para a fixação da roda

Leia mais

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo Instrumentos Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo particular de anemómetros metros de rotação), em que três ou mais

Leia mais

ESTUDOS PARA APLICAÇÃO DE SMA (STONE MATRIX ASFALT) NAS OBRAS DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO DE ARACAJU/SE.

ESTUDOS PARA APLICAÇÃO DE SMA (STONE MATRIX ASFALT) NAS OBRAS DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO DE ARACAJU/SE. ESTUDOS PARA APLICAÇÃO DE SMA (STONE MATRIX ASFALT) NAS OBRAS DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO DE ARACAJU/SE. Autor 1: Fábio Rangel Queiroz Ramos, Mestrando, UFOP Empresa Brasileira de Infraestrutura

Leia mais

FLY CENTER ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL

FLY CENTER ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL Saudações a todos Devido as mudanças ocorridas no sistema de aviação civil segue em anexo as questões alteradas na matéria de SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL INTERNACIONAL E SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRO.

Leia mais

T20. Melhore a produtividade com uma maior autonomia de operação, fácil troca das escovas e rápida recuperação do tanque de drenagem.

T20. Melhore a produtividade com uma maior autonomia de operação, fácil troca das escovas e rápida recuperação do tanque de drenagem. CRIANDO UM MUNDO MAIS LIMPO, SEGURO E SAUDÁVEL equipamento T20 Lavadora Industrial com Operador a Bordo obtenha resultados superiores de limpeza mesmo em ambientes difíceis, utilizando a eficiente tecnologia

Leia mais

Elementos de Transmissão Correias

Elementos de Transmissão Correias Elementos de Transmissão Correias Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Transmissão por polias e correias Transmissão por polias e correias As polias são peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 161.55-001 Aprovação: Assunto: Portaria nº 1408/SIA, de 29 de maio de 2013, publicada no Diário Oficial da União nº 103, Seção 1, p. 4, de 31 de maio de 2013. Projeto de

Leia mais

PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece procedimento adicional à concessão de código marca/modelo/versão a veículos classificados na espécie misto, tipo utilitário, carroçaria jipe, com motores

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

A gente aprendeu na prática: a vida em duas rodas exige muita resistência.

A gente aprendeu na prática: a vida em duas rodas exige muita resistência. A gente aprendeu na prática: a vida em duas rodas exige muita resistência. Fomos pra rua e enfrentamos de tudo: buracos, trânsito pesado, as piores condições climáticas. O resultado? A linha de pneus mais

Leia mais

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO Equipamento: COLETOR COMPACTADOR DE LIXO 10 m³ Modelo : CCL-10 Aplicação: Coleta de resíduos domésticos e/ou industriais,selecionados ou não Fabricante: VEMAQ - Indústria Mecânica de Máquinas Ltda 1 -

Leia mais

PORTA-PALETES PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS

PORTA-PALETES PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS Porta-Paletes Manuais Porta-Paletes Elétricos Porta-Paletes de Tesoura Porta-Paletes em Inox Porta-Paletes com Balança Porta-Paletes TODO-O-TERRENO Porta-Paletes Aplicações Específicas Compre Produtos

Leia mais

Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane

Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane Plataformas Tesoura Elétrica Características operacionais - Ideal para serviços que demandam maior espaço no deck de trabalho ou baixos níveis de ruído,

Leia mais

Grupo 09 Centrais de testes e limpeza

Grupo 09 Centrais de testes e limpeza Grupo 09 Centrais de testes e limpeza Fornecedor: Tipo Descrição Página CPR Central de teste para circuitos de refrigeração 01 Descrição 01-01 CPC Central de teste para circuitos de refrigeração 02 Descrição

Leia mais

Válvula de Governo e Alarme 2.1/2 e 3

Válvula de Governo e Alarme 2.1/2 e 3 DESCRIÇÃO: A Válvula de Alarme Modelo E atua como um dispositivo de alarme de fluxo de água em sistemas espargidores de tubo úmido. O projeto permite instalação sob condições de fornecimento de pressão

Leia mais

Equipamentos Bosch para manutenção e reciclagem de sistemas de ar condicionado automotivo

Equipamentos Bosch para manutenção e reciclagem de sistemas de ar condicionado automotivo Equipamentos Bosch para manutenção e reciclagem de sistemas de ar condicionado automotivo Atendimento profissional e econômico para a linha de segurança e conforto. refrigerante, com verificação de vazamento

Leia mais

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná 0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná Santa Catarina. São Paulo. Rio Grande do Sul. Tocantins ÍNDICE Confiança

Leia mais

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação?

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação? O que é a aerodinâmica? Aerodinâmica é o estudo do ar em movimento e das forças que actuam em superfícies sólidas, chamadas asas, que se movem no ar. Aerodinâmica deriva do grego "aer", ar, e "dynamis",

Leia mais

Conheça nossa empresa

Conheça nossa empresa Conheça nossa empresa Empresa Damaeq Integridade, Vontade de Superar-se, Satisfação do Cliente. Varredora Coletora Rebocável. A varredora Mecânica Coletora de Lixo Damaeq, é ideal para varrição de ruas,

Leia mais