ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS DE MARKETING: QUANDO O MERCADO ESTÁ EM GUERRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS DE MARKETING: QUANDO O MERCADO ESTÁ EM GUERRA"

Transcrição

1 1 ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS DE MARKETING: QUANDO O MERCADO ESTÁ EM GUERRA CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 RESUMO: O presente artigo objetiva discorrer acerca das estratégias de marketing utilizadas pelas empresas para enfrentar a concorrência. Os procedimentos metodológicos adotados constituem de pesquisas bibliográficas tendo como base as referências de teóricos reconhecidos academicamente, e pesquisa exploratória com aplicação de estudo de caso, para a análise e aplicação dos conceitos de marketing. Foram usados casos das empresas Apple, Wal-Mart, H.Stern, Louropel e a guerra entre as cervejas Brahma e Nova Schin. Palavras chave: marketing; concorrência; estratégia; vantagem competitiva. Uma empresa pode posicionar-se no mercado sobre varias posições, podendo adotar diversas estratégias que variam de acordo com seus interesses como: líder de mercado; desafiante de mercado, ou seguidora de mercado. Em um mercado competitivo, torna-se essencial conhecer a fundo as estratégias dos seus concorrentes para, assim, ganhar vantagem competitiva. Cada empresa possui a sua estratégia de acordo com suas necessidades e possibilidades. Conhecendo a concorrência e suas estratégias, uma empresa pode traçar sua própria estratégia competitiva e prever como seus oponentes reagirão à sua estratégia. If you have the same strategy as your competitors, you don t have a strategy. If the strategy is different, but easily copied, it is a weak strategy. If the strategy is uniquely different and difficult to copy, you have a strong and sustainable strategy (KOTLER, 2003, p. 171). Levitt (1960), em seu artigo Miopia em Marketing, diz que a visão limitada de alguns administradores é o que limita o mercado, que não se deve dar foco principal aos bens e serviços, mas sim às exigências do mercado, às necessidades de seus clientes. 1 Aluna regularmente matriculada no 5º período do curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Federal Fluminense sob a orientação da Profª. Drª. Arlete Eni Granero.

2 2 Do mesmo modo que Levitt pensa sobre a visão limitada, devemos também expandir a visão quando o assunto é a concorrência. Não podemos dar somente atenção ao produto e ao cliente, conhecer a concorrência é importante. Olhar a estratégia do outro é uma forma de se defender de ataques, de pensar diferente e maior do que o seu adversário. Conhecendo a estratégia de seu concorrente evitam-se surpresas desagradáveis, qualquer reação contra uma ação de seu oponente, será muito mais rápida. O estudo tem como objetivo discorrer acerca das estratégias de marketing utilizadas pelas empresas para enfrentar a concorrência. Os procedimentos metodológicos adotados constituem de pesquisas bibliográficas tendo como base as referências de teóricos reconhecidos academicamente, e pesquisa exploratória com aplicação de estudo de caso, para a análise e aplicação dos conceitos de marketing. Foram usados casos das empresas Apple, Wal-Mart, H.Stern, Louropel e a guerra entre as cervejas Brahma e Nova Schin 1 Conceitos Várias são as acepções encontradas para o termo concorrência, segundo Sacconi (1998, p.185) significa: Ação de concorrer: a concorrência ao prêmio; Competição, rivalidade; e, Grande número de pessoas que se dirigem simultaneamente para o mesmo ponto; afluência. Adequando esses conceitos ao marketing, concorrência é o ato de uma empresa concorrer, disputar, competir, com outras empresas do mesmo segmento que possuam objetivos similares, ou seja, que se dirijam simultaneamente para o mesmo ponto. A disputa entre produtos e serviços acontece com vistas a alcançar a maior parcela possível do mercado (SACCONI, 1998, p. 185). A vantagem que uma empresa possui em relação aos seus concorrentes denomina-se vantagem competitiva, onde a empresa prioriza maior valor aos clientes do que os seus concorrentes, obtendo assim maior destaque no mercado. Esse conceito foi desenvolvido por Porter (1985), ao estabelecer que esse sucesso competitivo esteja diretamente relacionado à escolha da estratégia pela organização. A estratégia é o caminho que a empresa deve seguir para atingir seus objetivos. É um plano cuidadosamente elaborado para definir como os recursos que

3 3 serão distribuídos. As estratégias de marketing devem considerar tanto as necessidades dos consumidores quanto as estratégias dos seus concorrentes para obter sucesso. Na esfera da concorrência, a estratégia competitiva ocorre quando uma empresa deseja competir no mercado e para isso preparam respostas às estratégias de seus competidores. Essas respostas são estratégias que, quando bem elaboradas, podem garantir à empresa vantagem competitiva diante da concorrência. Já o posicionamento é a posição relativa que o produto ocupa na mente do consumidor com relação ao produto de seus concorrentes. Ao se posicionar, a empresa define em quais vantagens competitivas deseja estabelecer sua posição. A estratégia de marketing, visando a competição mercadológica, depende da posição da empresa no setor. Dependendo da posição em que ela se encontra, poderá ser líder, desafiante ou seguidora de mercado. Desse modo, ao planejar suas estratégias, a empresa define um posicionamento que crie vantagem competitiva para ela perante os seus concorrentes. 1.1 Caso Apple A Apple revolucionou a telefonia celular criando novos modos de utilização. Ela se posiciona como uma empresa de alta qualidade sempre a frente da concorrência. Seguindo essa linha, ela pretende lançar uma nova versão do Iphone com preços populares, por volta de US$149 ou US$99. A estratégia da empresa com esse lançamento é a conquista de consumidores com menor poder de compra, aumentando a competitividade e reforçando o mercado. Reduzir em 50% o preço do Iphone levaria a um aumento de 50% das vendas, já ocorrendo uma redução de preço em US$ 100, as vendas teriam um salto de 100%. A Apple ampliaria assim seu percentual de venda de smartphone, que hoje representa 11% do mercado, buscando novos usuários e gerando uma maior utilização do produto (MOREIRA, 26/06/2009). A empresa aqui pretende adquirir vantagem competitiva, pois ao baratear o preço do Iphone expandirá ainda mais suas vendas, derrubando concorrentes com produtos similares e mais baratos. Se for possível ao cliente possuir um Iphone verdadeiro com baixo custo, porque compraria outra marca de

4 4 preço similar? Com certeza esse questionamento passará pela mente do consumidor. Criando uma Iphone com preço mais acessível, a Apple se protege dos concorrentes criando concorrência contra ela mesma. Preferencialmente, concorrer em preço com o seu próprio produto é melhor do permitir que empresas menores o façam. Diversos produtos similares e mais baratos foram lançados no mercado para fazer concorrência a Apple. Com a criação de um produto similar, de qualidade e mais barato, a Apple terá destaque entre as empresas menores. 2 As Cinco Forças de Porter Porter (1979) cria uma ferramenta para auxiliar na estratégia das empresas e analisar a competição entre elas. Com a finalidade de elaborar uma boa estratégia, a empresa precisa conhecer bem o setor e as características que governam suas forças competitivas. Através dessa ferramenta, são estudadas as cinco características que governam as forças competitivas. Segundo ele, a intensidade da competição depende de cinco forças competitivas, que serão esplanadas a seguir. a) Rivalidade entre as empresas existentes A existência de concorrência no mercado é determinante na competitividade. A agressividade com a qual os concorrentes lidam com o cliente determina a quantidade de investimento da empresa em publicidade, o número de concorrentes e a taxa de crescimento no setor. Na luta para alcançar melhores resultados junto aos clientes, a empresa investe em publicidade. Dependendo dos esforços da empresa no mercado, ela pode derrubar a concorrência, conquistando maior espaço e diminuindo o numero de rivais. b) Poder de negociação dos compradores Os clientes exigem mais qualidade por um preço cada vez menor. A fim de suprir suas necessidades, os clientes acabam por forçar os preços para baixo, colocando os concorrentes uns contra os outros. A intensidade dessa força depende do quanto os clientes exigem de qualidade, se eles têm a possibilidade de

5 5 negociar, o quanto de informação possuem sobre o produto ou serviço, se existem substitutos com preço inferior. c) Poder de negociação dos fornecedores Essa força refere-se ao mercado de insumos, ou seja, de bens e serviços utilizados na produção. O preço dos produtos e serviços de uma empresa depende do preço da matéria prima: se a produção tiver um custo alto, esse custo será transmitido ao consumidor na hora da venda. Para que isso não aconteça, é necessário que a empresa possua diversos fornecedores e uma boa relação com eles. Caso a empresa tenha um único fornecedor e ele resolva não mais atendê-la, haverá uma crise na produção podendo interferir no produto final. d) Concorrente potencial A constante ameaça da entrada de novos concorrentes no mercado é uma das forças a qual se deve estar atento. Muitas empresas desejam entrar no mercado, caso consigam se estabelecer, os ganhos de quem já estava no mercado poderão ser reduzidos: surgirão mais produtos e serviços para o mesmo número anterior de clientes. A desvantagem das empresas entrantes é que, muita das vezes, elas já ingressam no mercado com poucos recursos. Assim, qualquer ação que as empresas estabelecidas no mercado realizem contra elas, desestabilizará e criará barreiras que dificultarão a fixação desses novos concorrentes. e) Ameaça de produtos e serviços substitutos O surgimento de produtos que desempenham funções parecidas pode mexer com a empresa. Se esses produtos forem mais baratos e de boa qualidade, poderão ocasionar a perda de clientes da empresa que possuía o produto inicialmente. Outra possível conseqüência para produtos e serviços substitutos é a capacidade que eles possuem de reduzir o preço do produto no setor, pois caso os clientes constatem que é possível encontrar qualidade com preço baixo, a preferência pelo preço mais barato será estabelecido e as empresas que quiserem sobreviver terão que se adaptar.

6 6 Cada um dos cinco pontos analisados representa o desempenho da empresa no mercado. Essas cinco forças determinam o potencial de lucro de cada empresa e moldam a sua estratégia. Para enfrentar essas 5 forças são necessárias ações defensivas e ofensivas na estratégia competitiva da empresas. 2.1 As estratégias competitivas básicas Estratégias de marketing amplas também conhecidas como estratégias competitivas básicas, colaboram com o posicionamento da empresa frente ao mercado. Para enfrentar as 5 (cinco) forças explicadas anteriormente, Porter (1980, p. 34) sugere três abordagens genéricas: a) Liderança pelo custo total: consiste adotar uma posição de custos mais baixos do que os da concorrência, sem perder a qualidade. Esses preços altamente competitivos são resultados do empenho da empresa em reduzir os custos da produção e distribuição, deixando-os abaixo do custo dos seus adversários. Desse modo, a empresa obtém maior retorno financeiro e consegue ampliar sua participação no mercado. b) Diferenciação: a empresa busca ser única no mercado, oferecendo algo único ao segmento. Consiste em criar produtos e serviços considerados pelas pessoas únicos. A reputação da empresa, nesses casos, esta diretamente relacionada à qualidade, liderança em tecnologia e tradição no mercado. c) Foco: constitui-se de uma empresa que possui como objetivo atingir um públicoalvo determinado, ou seja, segmentos e nichos restritos ainda não atendidos. O foco também pode ser usado para mostrar segmentos do público no qual os concorrentes são fracos. O enfoque em um target especial supõe melhor qualidade no produto ou serviço. A empresa alcança a diferenciação por conhecer bem o setor ou, então, possuir baixos custos em atingir esse target. Assim, temos uma combinação das duas estratégias anteriores focadas em um público específico. O objetivo da estratégia básica competitiva é encontrar uma posição na qual a companhia consiga se defender dessas cinco forças ou influenciá-las ao seu

7 7 favor. Através da análise dessas forças, torna-se possível encontrar as melhores respostas para desenvolver uma estratégia. 2.2 Casos Wal-Mart O Wal-Mart (10/07/2009) é uma grande empresa do varejo, sendo considerada uma das maiores dos Estados Unidos e a terceira do Brasil. Sua missão é vender por menos para as pessoas viverem melhor, em inglês Save Money. Live Better. Ela adota uma posição de custos mais baixos do que a concorrência, porém mantendo a mesma qualidade. Preços baixos conseguem proteger a empresa das 5 forças. No caso do Wal-Mart os preços baixos criaram concorrentes voltados à minimização de preços. Assim, o Wal-Mart, segundo Goddwim (26/06/2009), Concorrência entre empresas: quem se beneficia?, afetou o seu ambiente econômico nos anos 90, sendo responsável até pela baixa taxa de inflação. Outras empresas foram forçadas a atuar como minimizadoras de custos, por estarem perdendo para o Wal-Mart. Todos os concorrentes que não foram capazes de baixar seus custos ao máximo, foram eliminados H. Stern Segundo Mello (26/06/2009), A jóia H. Stern, fundada no inicio dos anos 50 no Rio de Janeiro, a H.Stern hoje é sinônimo de qualidade, design exclusivo e tradição. O seu grande diferencial entre as joalherias de todo o mundo encontra-se no pioneirismo em inserir novas pedras na categoria de preciosas. A H.Stern enfrenta constantemente novos entrantes no mercado, porém consegue combatê-los mostrando sua tradição e inovação. Seus produtos já conquistaram a credibilidade dos consumidores, estão sempre se renovando e são considerados de alta qualidade no mundo inteiro. Apesar de serem caros e não poderem ser consumidos por todas as pessoas, são objetos de desejo de muitos. Produtos substitutos não compensarão anos de experiência.

8 8 Apesar de constantemente enfrentar a rivalidade das empresas existentes, ela busca sempre um diferencial, algo que inove e continue conquistando o mercado, porque a H. Stern possui mais que consumidores, possuem admiradores Louropel A Louropel é uma empresa portuguesa focada na fabricação de botões ecológicos e biodegradáveis, sendo considerada a maior fabricante de botões do mundo, produzindo 12 milhões de botões por dia (TORRES, 28/04/2009; BLOG F², 01/07/2009). O diferencial desse produto reside na sua fabricação que é a base de papel reciclado, sêmola de batata, milho, marfim vegetal, algodão, restos de madeira, plantas e frutos. O uso desse tipo de material torna o custo reduzido, o que barateia o custo final para consumidores. Diante dessas estratégias, os resultados para a empresa são muito positivos: a empresa vende diariamente 12 milhões de botões e tornou-se preferência de empresas situadas em todo o mundo. 3 Marketing de guerra O mundo do marketing é uma verdadeira guerra que tenta conter as cinco forças, tratadas anteriormente, e fazer da empresa a de maior vantagem competitiva no mercado. Diversas organizações buscam essa posição e desejam ser a líder no seu setor. Ries e Trout (1986) aplicam o pensamento militar a problemas de marketing e ressaltam que cada vez mais as campanhas de sucesso terão de ser planejadas como campanhas militares. Eles consideram que, para ter sucesso, uma empresa precisar ser orientada para os seus concorrentes e buscar os pontos fracos dos seus adversários objetivando atacá-los com estratégias de marketing. Encontrando os pontos fracos de seu rival torna-se mais fácil lançar-se contra eles ataques de marketing. As estratégias focadas na concorrência são estratégias de guerra e, na guerra de marketing, o planejamento estratégico é uma arma poderosa.

9 9 O planejamento estratégico se tornará cada vez mais importante. As empresas terão de aprender como atacar pela frente e pelos flancos sua concorrência, como defender suas posições e como e quando fazer guerrilha. Precisarão de melhor inteligência sobre como prever os movimentos competitivos (RIES; TROUT, 1986, p.6). O planejamento estratégico diz respeito à formulação de objetivos que levarão a empresa à evolução e ao sucesso. Permite que sejam fixadas as orientações para que a organização fortaleça sua posição frente a seus concorrentes. Considerada como uma ferramenta muito importante para a gestão, o planejamento estratégico desenvolve metas e elabora planos de ação para atingir seus os objetivos. Para tanto se leva em consideração não só o ambiente interno da empresa, mas também o ambiente externo, as situações atuais e as possibilidades futuras. Ries e Trout (1986) estabelecem princípios para a guerra defensiva, guerra ofensiva, guerra de flanqueamento e a guerrilha. No marketing de guerra o inimigo é o concorrente e o território a ser conquistado são os clientes. a) Princípios defensivos de guerra: enquadram-se as empresas lideres de mercado. Elas necessitam estar sempre em alerta contra quaisquer forças que a desafiem ou tentem tirar proveito de suas fraquezas. Quando se tratam de empresas líderes, os ataques da concorrência são constantes. Para evitar a perda da liderança, a empresa deve com freqüência criar novos produtos e novas linhas, mesmo que essa criação signifique concorrência para seu próprio produto. b) Princípio ofensivo: está diretamente relacionada à guerra defensiva. Enquanto o líder de mercado se defende, os desafiantes de mercado que aspiram à liderança atacam. Essas empresas também podem desafiar concorrentes do mesmo porte ou empresas menores, além de desafiar as líderes. Porém devem sempre considerar a força de posição do líder, atacá-lo possui risco alto, porem o potencial de ganho também é elevado. c) Princípio de flanqueamento: inova o combate, por ser um movimento ousado que exige uma atenvisão. Nela, um elemento inovador e exclusivo cria segmentos ou nichos, no qual o cliente coloca o produto em uma outra categoria. O risco que se corre é de não haver mercado firmado para essa inovação. O verdadeiro ataque de

10 10 flanco é aquele em que a empresa que ataca chega primeiro a esse novo segmento e consegue tirar proveito dessa situação até que a concorrência consiga reagir. Por isso, esse ataque deve ser surpresa, para que o concorrente demore mais tempo na reação e, que assim, fique desmoralizado. d) Princípio de guerrilha: deve ser utilizado por empresas menores para conseguir espaço diante das grandes empresas no mercado. Essa é uma maneira dos mais fracos sobreviverem ao mercado e sua forte concorrência. Uma empresa guerrilheira não pode agir como líder, mas sim defender um pedaço pequeno no mercado, o que a possibilita manter um domínio nesse pequeno segmento. Sua posição lhe permite mudar de mercado de acordo com as oportunidades sem ter o mesmo desgaste que uma grande empresa teria. Todas as empresas possuem oportunidade de vencer a guerra de marketing através da utilização desses princípios. Através do conhecimento profundo de cada principio, a sua implementação se torna mais efetiva no mercado, pois conhecendo a posição da concorrência fica mais fácil estabilizar a sua própria posição. 3.1 Caso: A guerra das cervejarias No mercado de cervejas a líder é a Ambev, que detém as marcas Skol, Antártica e Brahma. A Ambev possui a hegemonia no setor de bebidas: a cada 100 (cem) caixas de cerveja e refrigerante que são vendidas, 70 (setenta) são de suas marcas, segundo informações da noticia Contra 'gigante' Ambev, Schin aposta em cervejas. Sua desafiante de mercado é a Schincariol e, conforme a notícia Schincariol vai investir 1 bi em 2009, de Mauricio Beltramelli, a empresa possui 13% do mercado (G1, 01/07/2009). A Schincariol já tentou de diversas maneiras atacar a hegemonia da Ambev. Em 2003, fechou contrato com Zeca Pagodinho, apreciador confesso da cerveja Brahma, para ser garoto propaganda da cerveja Nova Shin. Na propaganda Zeca aprova a cerveja após experimentá-la sob o coro: Experiemtenta!. A Brahma, não gostando do ataque, resolveu revidar com uma comercial resposta usando Zeca Pagodinho. Nele a Brahma comparou a experiência do cantor com a Nova Schin a um amor de verão, algo passageiro, porque do que ele gosta mesmo é da Brahma.

11 11 Não satisfeita com a resposta de seu concorrente a Schincariol deu uma contra resposta fazendo um comercial com o sósia do Zeca pagodinho e insinuado que ele teria recebido US$ 3 milhões para trocar de opinião. No comercial, no fundo, havia uma placa com o escrito: Prato do dia: traíra.. Após diversas reclamações no Conar por ambas as partes, e brigas na justiça entre Schincariol, Brahma e Zeca Pagodinho, as propagandas são retiradas do ar e a Brahma fica proibida de utilizar o cantor em suas propagandas. Em 2009, volta à cena das propagandas a guerra entre Ambev e Schincariol. A Brahma realizou a campanha Brahmeiros utilizando em seu comercial pessoas com histórias de vida interessantes, que podem ser considerados guerreiros. Em uma das propagandas temos o jogador de futebol Ronaldinho, relatando as dificuldades que enfrentou e afirmando que não desistiu porque ele seria um Brahmeiro. A palavra Brahmeiro seria uma associação de Brahma com guerreiro. Descontente com a propaganda a Schincariol entrou com uma representação no Conar, que recebeu a ação e aceitou a denuncia. A Nova Schin afirma que houve interesse de associar valores a cerveja, alem de ocorrer a utilização da imagem do esporte para promover bebida alcoólica. Considerações Finais Nesse artigo discutiu-se a importância da concorrência para uma empresa. Todas as organizações sejam elas líderes, desafiantes ou de guerrilha, devem estar atentas a todas as movimentações, evitando que assim depare-se com uma ação surpresa. As empresas devem evitar a miopia e avaliar todas as oportunidades e brechas que possam surgir no mercado, para que assim não percam a chance de se destacar. Os casos apresentados ilustraram as diferentes atitudes e estratégias que as empresas podem adotar. Entende-se que tanto na teoria quanto na prática, o mercado é uma grande guerra na qual as empresas buscam a melhor posição.

12 12 Referências BELTRAMELLI, Mauricio. Schincariol vai investir 1 bi em Disponível em: <http://www.brejas.com.br/blog/ /schincariol-vai-investir-1-bi-em /> Acesso em 01/07/2009 às 15h15. BLOG F². Made in Portugal. Disponível em: < fashionsquare.blogspot.com/2008/11/made-in-portugal.html> Acesso em 01/07/2009 às 11h04. G1. Contra 'gigante' Ambev, Schin aposta em cervejas. Disponível em: < CONTRA+GIGANTE+AMBEV+SCHIN+APOSTA+EM+CERVEJAS+ESPECIAIS.html > Acesso em 01/07/2009 às 14h21. GOODWIN, Neva. Concorrência entre empresas: quem se beneficia? Disponível em: <http://www.surnorte.org.ar/oporto/51-2.htm> Acesso em 26/06/2009 às 10h39. KOTLER, Philip. Marketing Insights from A to Z: 80 concepts every manager needs to know. Publicado por John Wiley & Sons, Inc., Hoboken, New Jersey LEVITT, Theodore. Miopia em Marketing. Disponível em: <http://www.portaldomarketing.com.br/artigos/miopia_em_marketing.htm> > Acesso em 26/06/2009 às 13h50. MELLO, Bruno. A jóia H.Stern. Disponível em: <http://www.mundodomarketing.com.br/1,1473,a-joia-h.stern.htm> Acesso em 26/06/2009 às 11h04 MOREIRA, Daniela. Apple deve lançar iphone mais barato, diz FT. Disponível em: < shl > Acesso em 26/06/2009 às 13h50. PORTER, Michael. Como as forças competitivas moldam as estratégias. Harvard Business Review PORTER, Michael. Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors. New York. Free Press RIES, Al; TROUT, Jack. Marketing de Guerra. 9. ed. Cidade: Graw-Hill, SACCONI, Luiz Antonio. Minidicionário Sacconi da Língua Portuguesa. Editora atual. São Paulo TORRES, Fernanda. Louropel: Botões ecológicos de Portugal. Disponível em: <http://ecotrendstips.wordpress.com/tag/botoes/ > Acesso em: 28/04/2009 às 23h10 WAL MART BRASIL. Disponível em <http://www.walmartbrasil.com.br/institucional/> Acesso em 10/07/2009 às 16h56.

Análise dos Concorrentes

Análise dos Concorrentes Quando o assunto é monitorar as atividades dos concorrentes no mercado, não há espaço para complacência. ex: Lexmark X Epson (Print Market) 5 forças que determinam a atratividade intrínseca de lucro a

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

ARTIGO PUBLICADO NO SITE: WWW.RG9.ORG DENNYS MAYRINCK DE CARVALHO MONTEIRO POSICIONAMENTO HOLÍSTICO: UMA NOVA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO.

ARTIGO PUBLICADO NO SITE: WWW.RG9.ORG DENNYS MAYRINCK DE CARVALHO MONTEIRO POSICIONAMENTO HOLÍSTICO: UMA NOVA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO. ARTIGO PUBLICADO NO SITE: WWW.RG9.ORG DENNYS MAYRINCK DE CARVALHO MONTEIRO POSICIONAMENTO HOLÍSTICO: UMA NOVA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO. Petrópolis 2009 DENNYS MAYRINCK DE CARVALHO MONTEIRO POSICIONAMENTO

Leia mais

PENSAR GRANDE CATEGORIA INDÚSTRIA DE BEBIDAS

PENSAR GRANDE CATEGORIA INDÚSTRIA DE BEBIDAS EXPERIMENTA! NOVA SCHIN PENSAR GRANDE CATEGORIA INDÚSTRIA DE BEBIDAS Este bem poderia ser o lema do Grupo Schincariol, que teve origem na pitoresca cidade de Itu, no interior paulista, conhecida em todo

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 RESUMO: Esse estudo tem como objetivo mostrar a importância da promoção

Leia mais

APROFUNDANDO RAÍZES: PROTEÇÃO DAS INOVAÇÕES QUE GERAM VANTAGENS COMPETITIVAS

APROFUNDANDO RAÍZES: PROTEÇÃO DAS INOVAÇÕES QUE GERAM VANTAGENS COMPETITIVAS APROFUNDANDO RAÍZES: PROTEÇÃO DAS INOVAÇÕES QUE GERAM VANTAGENS COMPETITIVAS Amilton Fernando Cardoso, amilthon@terra.com.br Beatriz Fernanda Alves Heitkoetter, beatrizfernalves@hotmail.com Emanuel Alexandre

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Questão 1 A figura ao lado apresenta uma proposta de classificação de sistemas de informação, organizada tanto no que se refere ao nível hierárquico, no qual atuam os sistemas

Leia mais

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio 1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO Mauricio Sampaio Definições e Conceitos Visão Missão Administração Estratégica Planejamento Estratégico

Leia mais

Módulo 17 Estratégias mercadológicas

Módulo 17 Estratégias mercadológicas Módulo 17 Estratégias mercadológicas Todas as empresas para terem sucesso no mercado a longo prazo precisam de uma estratégia. Segundo Peter Druker, as estratégias são os planos de vôos das empresas. Analisando

Leia mais

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 04 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

COCA-COLA ZERO: ESTRATÉGIAS PARA SE MANTER EM UM MERCADO COMPETITIVO

COCA-COLA ZERO: ESTRATÉGIAS PARA SE MANTER EM UM MERCADO COMPETITIVO COCA-COLA ZERO: ESTRATÉGIAS PARA SE MANTER EM UM MERCADO COMPETITIVO KOLB, Daniel; ARAÚJO, Rafael de 1 Resumo: O objetivo deste artigo é proporcionar ao leitor uma visão pela ótica do marketing, de como

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Curso de Capacitação de Agentes Gestores em APLs ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Prof. Gustavo Martins Porto Alegre, abril 2012 Estudo Dirigido Estratégia Competitiva A partir dos conceitos e

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

ESTRATÉGIA DE MARKETING O BOTICÁRIO RESUMO

ESTRATÉGIA DE MARKETING O BOTICÁRIO RESUMO 1 ESTRATÉGIA DE MARKETING O BOTICÁRIO Adriana Fussiger Silveira 1 Aline Florisbal 2 Camila Pinzon 3 Dilson Borges 4 João Antonio Jardim Silveira 5 RESUMO O presente trabalho busca traçar um plano estratégico

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETO

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETO ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETO CLIENTE : Ricardo Bordeaux Doutorando da PUC Eduardo Luiz dos Santos da Silva Mestrando da COPPE/UFRJ Abr/2001 ÍNDICE Apresentação 2 1. Sumário Executivo 3 2. Aspectos de

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

Estudo de Caso da Nintendo

Estudo de Caso da Nintendo Estudo de Caso da Nintendo Roberto Paulo da Silva Pinto Junior robertjr@furnas.com.br 1 Universidade Federal Fluminense (UFF), Centro Tecnológico - Niterói, RJ, Brasil 2 Furnas Centrais Elétricas S.A.

Leia mais

Aula 6. Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter. Profa. Daniela Cartoni

Aula 6. Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter. Profa. Daniela Cartoni Aula 6 Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter Profa. Daniela Cartoni Planejamento estratégico É um processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido

Leia mais

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT McGraw-Hill/Irwin 2007 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. 6 Desenvolvimento Chapter Title da Estratégica Competitiva 15/e PPT Screen graphics created by: Jana F. Kuzmicki, Ph.D. Troy

Leia mais

O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS

O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS Júlio César Massuda Brasil Faculdade de Ciências Aplicadas de Minas UNIMINAS jmassuda@uniminas.br Vidigal Fernandes Martins Brasil Universidade Federal

Leia mais

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos Plano Aula 10 24/10/2011 - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos 1 Exercício de Desenvolvimento Pessoal O objetivo deste exercício é praticar os conceitos de Controle

Leia mais

PROPOSTA DE UM PRODUTO PARA O MERCADO BRASILEIRO DE TELEFONIA CELULAR

PROPOSTA DE UM PRODUTO PARA O MERCADO BRASILEIRO DE TELEFONIA CELULAR PROPOSTA DE UM PRODUTO PARA O MERCADO BRASILEIRO DE TELEFONIA CELULAR Gabriela de Oliveira May Professora do Departamento de Administração e Ciências Contábeis da UNISUL Av. Rubens A. Ramos, 1612/301 Fpolis/SC

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

3. Estratégia. Conteúdo

3. Estratégia. Conteúdo 3. Estratégia Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. A Empresa e seu Ambiente Geral e Ambiente Tarefa 3. Vantagem Competitiva 4 Estratégias Competitivas 5. Forças Competitivas de Porter 6. Falhas Fatais

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior A disciplina Nossa disciplina se divide em 4 unidades de aprendizagem: 1. Conceitos e contexto empresarial

Leia mais

Marketing. - Fatos históricos.

Marketing. - Fatos históricos. Marketing - Fatos históricos. Escambo. Produção e consumo baixos. Crescimento do consumo. Crescimento da produção = paridade. Explosão da produção. Marketing é o desempenho das atividades de negócios que

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA

ESTRATÉGIA COMPETITIVA ESTRATÉGIA COMPETITIVA OBRA ANALISADA: PORTER, Michael E. Estratégia Competitiva: Técnicas para Análise de Indústrias e da Concorrência. Editora Campus. Rio de Janeiro, 1986, 362 p. Por: LUCIANE NEVES

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

29/05/2012 13h37 - Atualizado em 30/05/2012 16h54

29/05/2012 13h37 - Atualizado em 30/05/2012 16h54 29/05/2012 13h37 - Atualizado em 30/05/2012 16h54 Empresa de cadeiras recruta talentos para superar concorrência chinesa Giroflex-Forma eleva produtividade em 30% com gestão e terceirização. Companhia

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL ALUNO RA TURMA SALA DATA / / 2014 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU FACULDADES DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE REVISÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO PRIAD 2014 MARKETING INTERNACIONAL PROF. MS ALEXANDRE

Leia mais

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS

Leia mais

Conceito de Marketing

Conceito de Marketing Conceito de Marketing Marketing é uma função organizacional e uma série de processos para a criação, comunicação e entrega de valor para clientes, e para a gerência de relacionamentos com eles de forma

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA Prof. Marcelo Lisboa Luz Aula 5 Análise do Ambiente Externo VISÃO Aonde a empresa quer chegar Explicitação do que se idealiza Envolve desejos,

Leia mais

Marco Antonio P. Gonçalves. Planejamento Estratégico na Advocacia + Workshop. 22 de Setembro, 2012

Marco Antonio P. Gonçalves. Planejamento Estratégico na Advocacia + Workshop. 22 de Setembro, 2012 Marco Antonio P. Gonçalves Planejamento Estratégico na Advocacia + Workshop 22 de Setembro, 2012 Marco Antonio P. Gonçalves Administrador especializado em estratégias de marketing e desenvolvimento de

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

1. FATOS QUE EVIDENCIAM EXPANSÃO DO SETOR

1. FATOS QUE EVIDENCIAM EXPANSÃO DO SETOR 1. FATOS QUE EVIDENCIAM EXPANSÃO DO SETOR O brasileiro toma refrigerante como água. Pelo menos, essa foi a constatação da Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes (ABIR) ao anunciar que, em

Leia mais

Gestão Empresas Módulo Estratégia Empresarial

Gestão Empresas Módulo Estratégia Empresarial Formação em Gestão Empresas Crescimento Pessoal Impacto Global 1 Índice 1. Introdução 3 2. Pensamento e planeamento estratégico 4 3. Análise do meio envolvente 7 4. A empresa 9 5. Alianças estratégicas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Marketing Estratégico

Marketing Estratégico Análise Competitiva Ambiente de Marketing Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Discutir a importância de analisar o ambiente externo à empresa Apresentar e compreender as metodologia de análise externa

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

15.834 Estratégia de Marketing. Casos e palestras Carta de Protesto

15.834 Estratégia de Marketing. Casos e palestras Carta de Protesto Casos e palestras Carta de Protesto Objetivos Identificar, avaliar e criar estratégias de marketing Avaliar as oportunidades da empresa Prever a dinâmica competitiva Avaliar a sustentabilidade das vantagens

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Como criar um clube de vantagens para seus clientes

Como criar um clube de vantagens para seus clientes Como criar um clube de vantagens para seus clientes Introdução Adquirir clientes no mundo competitivo atual é cada vez mais difícil e caro. Por este motivo, torna-se muito importante ações que fidelize

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Conceito, Análise de Concorrência 1. INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO INDÚSTRIA CONSTRUÇÃO Custos Prazo de execução /Esforço Qualidade EXTRAS Ambiente Socio-Políticos Imposições legais Segurança

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br

MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br Aula 3 Modelos de Estratégias de Crescimento MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br PRINCIPAIS MATRIZES DE ANÁLISE EM PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

Leia mais

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados.

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados. Comercialização de Produtos Agroindustriais -Professora: Graci Acadrolli Tozzo -Formação: Engª Agrônoma -Especialização: Qualidade Total na Agricultura Empresarial -Mestrado : Tecnologia em Produção de

Leia mais

Organização da Aula Empreendedorismo Aula 2 Competitividade: Século XXI Contextualização Vantagem Competitiva

Organização da Aula Empreendedorismo Aula 2 Competitividade: Século XXI Contextualização Vantagem Competitiva Empreendedorismo Aula 2 Prof. Me. Fabio Mello Fagundes Organização da Aula Competitividade Estratégia Ambiente das organizações Competitividade: Século XXI Hiperconcorrência Contextualização Economia globalizada

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial. Aula - 5

Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial. Aula - 5 Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial Aula - 5 Modelo de Porter do Ambiente Competitivo 1- Ameaças de novos concorrentes que ingressam no setor Ameaças de

Leia mais

2 A empresa e sua estratégia

2 A empresa e sua estratégia 19 2 A empresa e sua estratégia Este capítulo descreve a empresa (Telemar do grupo TNL PCS) identificando as oportunidades e problemas avaliados com a pesquisa de satisfação em torno do ciclo de serviço

Leia mais

O grande salto das marcas: a valorização das principais grifes nacionais

O grande salto das marcas: a valorização das principais grifes nacionais O grande salto das marcas: a valorização das principais grifes nacionais JUNIOR, M.E.F.O 1 LIMA, M.S 2 FREDERICO, V.M 3 LACERDA, T.A 4 RAMOS, C.P. 5 SANTOS, F.A.A 6 RESUMO Esse artigo abordará a crescente

Leia mais

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões São Paulo, 9 de outubro de 2006. 0 Apresentação da MKM Consulting 1 Mauro Martins Sócio Diretor da MKM Consulting MKM Consulting Mauro Martins

Leia mais

Exploring Corporate Strategy 7 th Edition

Exploring Corporate Strategy 7 th Edition Exploring Corporate Strategy 7 th Edition Parte III Opções estratégicas Opções estratégicas Opções estratégicas Estratégia competitiva ou de negócio (Cap. 5) Bases da estratégia competitiva Sustentabilidade

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO, FERRAMENTA PARA VANTAGEM COMPETITIVA

GESTÃO DA PRODUÇÃO, FERRAMENTA PARA VANTAGEM COMPETITIVA GESTÃO DA PRODUÇÃO, FERRAMENTA PARA VANTAGEM COMPETITIVA Érika Aparecida Freitas Roseli Guilhem dos Santos Prof. Esp. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Sarraceni Profª M.Sc. Máris de Cássia

Leia mais

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989 Comunicação Empresarial, 2º ano -Resumo- As estratégias de marketing são uma aposta importante tanto para

Leia mais

ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS ADOTADAS PELA EMPRESA

ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS ADOTADAS PELA EMPRESA ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS ADOTADAS PELA EMPRESA KILIMPO EM SOBRAL FELIPE LOPES SILVA 1 JOSÉ GERARDO SOUSA NETO 2 NARLA GABRIELLE OLYMPIO ARAÚJO 3 Resumo: Como micro e pequenas empresas inseridas no mercado

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA COMO CRIADORA DE VANTAGEM COMPETITIVA

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA COMO CRIADORA DE VANTAGEM COMPETITIVA A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA COMO CRIADORA DE VANTAGEM COMPETITIVA Paulo Alexandre da SILVA 1 Murilo Gustavo BOTT 2 Orientador: Prof.Alexandre Hideo SASSAKI 3 Resumo: Diante das constantes mudanças e dos intensos

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NAS CONCESSIONÁRIAS FIAT

SUSTENTABILIDADE NAS CONCESSIONÁRIAS FIAT SUSTENTABILIDADE NAS CONCESSIONÁRIAS FIAT EDITORIAL Desenvolvimento sustentável não é um tema novo para o Grupo Fiat. Atentas para o importante papel ocupado na sociedade e para os impactos causados pela

Leia mais

Visite o hotsite do livro: http://bit.ly/1ysv0da

Visite o hotsite do livro: http://bit.ly/1ysv0da Este ebook possui 5 dicas práticas avançadas de Facebook Ads que foram retiradas do novo livro que estamos escrevendo, chamado Facebook Marketing Avançado, que vai possuir muitas outras dicas práticas,

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 RESUMO O marketing é uma função da administração que

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação.

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação. Capítulo 2 1 Enfrentar a concorrência com tecnologias da informação 2 Objectivos ƒ Identificar estratégias de concorrência básicas e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Marketing de Causas Sociais

Marketing de Causas Sociais Marketing de Causas Sociais Denilson Motta denilson.motta@yahoo.com.br AEDB Lúcia Maria Aparecido Vieira lucivie3@hotmail.com UBM Vanderléia Duarte potter_van@yahoo.com.br AEDB Rayanna Mattos Viana rayannamviana@gmail.com

Leia mais

Gestão de Marketing Ricardo Almeida, Dr. 02/10/09

Gestão de Marketing Ricardo Almeida, Dr. 02/10/09 Administração Noturno - 5º período Gestão de Marketing Ricardo Almeida, Dr. 02/10/09 1 (Ricardo 2009 Vale 0,5) Foi comentado em sala que a propaganda do Supermercado Beira Rio em Gurupi, tinha sido mal

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica introdução Administração Estratégica 2. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO A administração estratégica envolve três níveis de análise: O Macroambiente da empresa. O Setor que a empresa opera.

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Roteiro do Plano de Negócio

Roteiro do Plano de Negócio Roteiro do Plano de Negócio 1. Componentes do Plano de Negócios a) Resumo Executivo b) A organização Visão estratégica/modelo de negócio c) Análise de mercado d) Planejamento de marketing - produto ou

Leia mais

CAPIÍTULO 1 O Comportamento do Consumidor Mudou... Seu Marketing também?

CAPIÍTULO 1 O Comportamento do Consumidor Mudou... Seu Marketing também? CAPIÍTULO 1 O Comportamento do Consumidor Mudou... Seu Marketing também? A principal tarefa dos profissionais de marketing é divulgar seus produtos e serviços para fazer com que as pessoas comprem. Para

Leia mais

1 Introdução 2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing

1 Introdução  2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing Diferenciação Informada: um Estudo sobre os Efeitos da Informação sobre a Disposição a Pagar João Roberto Lo Turco Martinez joaoadm01@yahoo.com.br UFG Lorena Estrela Peixoto lorenapeixoto18@yahoo.com.br

Leia mais

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS CARNEIRO, Carla Maria Bessa e STANCATO, Francine Teles 1 RESUMO: Este estudo tem como objetivo mostrar a eficácia da metáfora nos slogans para a construção de um anúncio.

Leia mais

Veremos também as formas de se estimar a participação das empresas no mercado.

Veremos também as formas de se estimar a participação das empresas no mercado. 1 - Principais Fórmulas de Mensuração de Demanda As organizações têm se empenhado em estudar muito detalhadamente o mercado em que estão inseridas buscando consolidar-se no cenário empresarial. Assim,

Leia mais

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES 1 CONQUISTAR E MANTER CLIENTES Historicamente, o marketing se concentrou na atração de novos clientes. O pessoal de vendas era mais recompensado por achar um novo cliente do que por prestar muita atenção

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais