Padrões de Contagem de Pontos de Função

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Padrões de Contagem de Pontos de Função"

Transcrição

1 Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente de desenvolvimento do Banco Central do Brasil, complementando os manuais e padrões definidos pelas organizações internacionais que regulamentam o assunto. Escopo Este documento se aplica a contagens de desenvolvimento de aplicações e manutenções evolutivas de aplicação. Manutenções que não envolvam alteração de requisitos funcionais não devem ser contadas de acordo com esse documento. Este documento apresenta, ainda, padrões que visam auxiliar na contagem de pontos de função de acordo com interpretações para situações e contextos específicos da instituição.

2 Índice 1. INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PROPÓSITO DA CONTAGEM DE PONTOS DE FUNÇÃO VERSÃO DO MANUAL DE APF UTILIZADA PADRÕES PARA CONTAGEM DE PONTOS DE FUNÇÃO PADRÕES PARA CONTAGEM DE PONTOS DE FUNÇÃO POR OBJETIVO DE CONTAGEM Tamanho de Aplicações em Produção Desenvolvimento de Aplicações Manutenções Evolutivas de Aplicações Solicitações de Mudança em Liberações PADRÕES GERAIS PARA CONTAGEM DE PONTOS DE FUNÇÃO NO CONTEXTO DO BANCO CENTRAL Fator de Ajuste Componentes corporativos de negócio Arquivos Lógicos - Mudança no Tamanho ou Tipo de Campos Funções de arquivamento de dados Mensagens e Sumários Resultantes de Processamentos em Lotes Múltiplos Canais Múltiplas Mídias Programas Batch Segurança Acesso à Aplicação e Perfis de Usuário LOG da aplicação LOG de exceções Filtros mutuamente excludentes Botões de seleção / Listas Drop-Down / Botão Check / Barra de rolagem Uso de Pacotes Adquiridos de forma integrada às aplicações desenvolvidas Campos somente leitura em funcionalidades de inclusão, alteração e exclusão Obrigatoriedade de campos Manutenção para exibir/ocultar botões e campos ATUALIZAÇÃO DO DOCUMENTO RESPONSABILIDADE CRITÉRIOS SOBRE O DOCUMENTO DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS HISTÓRICO DE REVISÕES Introdução A contagem de pontos de função no Banco Central do Brasil utiliza como principal referência os padrões de mercado definidos pelo IFPUG. Este documento apresenta os padrões específicos do Banco Central, em complementação a esses padrões de mercado, para torná-los mais adequados ao contexto da instituição e as características específicas de suas aplicações e serviços demandados. Banco Central do Brasil, 2015 Página 2 de 14

3 A análise de pontos de função mede o tamanho funcional e leva em consideração a aplicação, o objetivo da contagem e o escopo, porém não é ajustado em função do percentual correspondente as atividades/tarefas do processo que serão executadas e nem representa o esforço que será necessário para realizar tais atividades. As orientações deste documento podem ser aplicadas para obter uma contagem estimativa de pontos de função, não sendo necessário, nesse caso, calcular a quantidade de DER e ALR para as funções de transação e DER e RLR para as funções de dados. Ainda assim, o Manual de APF (vide item 2.2) deve ser aplicado de forma complementar, por exemplo, quanto à identificação de processos elementares, arquivos lógicos, impacto em funções de transação e de dados, entre outros. 2. Definições 2.1 Propósito da Contagem de Pontos de Função O propósito determina o tipo e o escopo da contagem de pontos de função e pode influenciar o posicionamento da fronteira entre a aplicação 1 que está sendo medida e as aplicações vizinhas. O principal propósito da utilização de pontos de função no contexto deste documento é auxiliar na resolução das seguintes questões de negócio: Apoiar o Banco Central do Brasil no relacionamento com os fornecedores facilitando a gestão dos contratos que envolvam os serviços de desenvolvimento e manutenção de aplicações; Auxiliar os gestores para tomada de decisões relacionadas ao desenvolvimento de aplicações. 2.2 Versão do Manual de APF utilizada O manual que contém as definições e práticas de contagem para análise de pontos de função é denominado neste documento genericamente como Manual de APF. O Banco Central do Brasil utiliza o seguinte manual como referência: Manual de APF do IFPUG: versão do CPM [1]. A critério do Banco Central poderá ser adotada atualização ou versão posterior deste manual. 3. Padrões para Contagem de Pontos de Função Esta seção descreve os padrões a serem adotados durante a execução da contagem de Pontos de Função e apresentam a interpretação do Banco Central do Brasil da forma de medição do tamanho funcional do escopo estabelecido para o objetivo de contagem. Na ocorrência de dúvidas sobre a exemplificação de tais regras, prevalecerão sempre as regras constantes do Manual de APF (item 2.2). 1 No contexto deste documento, o termo aplicação é utilizado como uma generalização para a categoria de software: sistemas de informação, componentes, entre outros. Banco Central do Brasil, 2015 Página 3 de 14

4 3.1 Padrões para Contagem de Pontos de Função por Objetivo de Contagem Esta seção apresenta as abordagens de contagem de pontos de função para cada um dos objetivos de contagem definidos no Banco Central Tamanho de Aplicações em Produção Conceituação Como devemos determinar o tamanho das aplicações em produção? Abordagem Não há interpretações específicas para este objetivo de contagem. Utilizar as orientações descritas no Manual de APF (item 2.2) Desenvolvimento de Aplicações Conceituação Como devemos contar desenvolvimento de aplicações? Abordagem O desenvolvimento de uma aplicação ocorre em Liberações e, a partir da segunda Liberação, pode haver necessidades de negócio que implicam em alterações em funcionalidades existentes na aplicação. Utilizar o Manual de APF (item 2.2) para contagem de projetos de desenvolvimento e as seguintes diretrizes adicionais: Funções Transacionais: o Se uma função transacional for compartilhada por várias Liberações, como uma consulta implícita (por exemplo), ela é contada apenas na primeira Liberação em que for mensurada. o A partir da segunda Liberação da aplicação, deve-se aplicar as orientações para Manutenções Evolutivas de Aplicações (item 3.1.3). Funções de dados: o A contagem de cada ALI/AIE é feita na totalidade junto com a primeira Liberação que o utiliza, mesmo que nesta Liberação nem todos os registros lógicos referenciados ou dados elementares referenciados sejam utilizados. o Se em uma Liberação seguinte a que o ALI/AIE tiver sido mensurado for identificada necessidade de alteração devido a necessidade de negócio, a alteração deve ser contada segundo os critérios de Manutenções Evolutivas de Aplicações (item3.1.3). o Eventualmente, a exclusivo critério do Banco Central, a contagem de determinado ALI/AIE pode ser realizada em Liberação anterior ou posterior a sua utilização pela aplicação. Banco Central do Brasil, 2015 Página 4 de 14

5 Caso ocorram solicitações de mudança, o tamanho da mudança deve ser obtido conforme item e somado ao tamanho da Liberação que está sendo mensurada Manutenções Evolutivas de Aplicações Conceituação Como contar Manutenções Evolutivas de Aplicações (Melhorias)? Abordagem Utilizar o Manual de APF (item 2.2) para contagem de projetos de melhoria e as seguintes diretrizes adicionais: Funções de Dados o No caso de mudança na característica de um atributo, devido a uma necessidade de negócio, a função de dados que teve o atributo alterado deverá ser identificada como alterada ; o A mudança na característica de um atributo na função de dados somente será considerada quando não houver outras manutenções na função em questão. Funções Transacionais o Quando em uma mesma função transacional ocorrerem várias manutenções (alteração da funcionalidade em virtude de mudança de lógica de processamento, alteração de DERs e/ou ALRs) a função será contada como alterada somente uma vez Solicitações de Mudança em Liberações Conceituação Durante a execução da Liberação é possível que as necessidades de negócio se modifiquem ou surjam novas para atender requisitos de negócio, devendo para isto ser registrada a solicitação de mudança Abordagem Do ponto de vista da contagem, as solicitações de mudança implicam em funções novas, alteração do que está em processo de desenvolvimento e/ou em exclusão de funções. Para determinar o tamanho da solicitação de mudança devem-se aplicar as orientações para Manutenções Evolutivas de Aplicações (item 3.1.3) e o escopo da contagem deve conter somente as funcionalidades impactadas pela solicitação de mudança. 3.2 Padrões Gerais para Contagem de Pontos de Função no Contexto do Banco Central Esta seção descreve a interpretação do Banco Central de como aplicar a Contagem de Pontos de Função para situações em que os padrões de mercado não se aplicam, geram margem para dupla interpretação ou apresentam itens opcionais que devem ser aplicados a critério da organização. Estes padrões são gerais e devem ser observados durante a contagem de qualquer categoria de aplicação e objetivo de contagem, sempre que estes forem aplicáveis. Banco Central do Brasil, 2015 Página 5 de 14

6 3.2.1 Fator de Ajuste Conceituação Como utilizar o Fator de Ajuste? Abordagem O Banco Central do Brasil adota o uso dos pontos de função não ajustados para representar o tamanho funcional dos softwares e pacotes externos. O valor do fator de ajuste identificado através da análise das 14 características gerais do sistema não será utilizado, pois: A técnica de pontos de função foi padronizada por meio da norma ISO/IEC :2007, como uma medida de tamanho funcional. Na versão 4.3 do CPM, as características gerais da aplicação e, consequentemente, o uso do fator de ajuste no cálculo do tamanho, são considerados opcionais conforme Apêndice C do referido manual Componentes corporativos de negócio Conceituação Como devemos contar Componentes 2? Abordagem Utilizar as regras definidas no documento Sizing Component-Based Development Using Function Points (Release 1.0)[3] e o Manual de APF. Um resumo delas está apresentado abaixo. Esta orientação refere-se aos componentes corporativos de negócio. Os componentes pertencentes a um sistema específico não são contados separadamente, uma vez que eles não têm vida própria, e sim representam soluções técnicas para implementação das funcionalidades definidas nos casos de uso. As contagens de componentes seguem a seguinte caracterização: Propósito: medir o tamanho em pontos de função de todos os serviços disponibilizados pelo componente para os usuários, não necessariamente os utilizados. Neste sentido, a perspectiva não é dos requisitos do usuário para o componente e sim das funcionalidades que são fornecidas. Fronteira da aplicação: o componente deve ser contado como uma aplicação individual. Usuário: desenvolvedor de software ou outra aplicação. Regras para contagem: Funções de Dados: estabeleça a fonte de dados referenciada e/ou atualizada pelo componente: o Contar um ALI quando a função transacional do componente criar, alterar ou excluir dados em um grupo lógico de dados; 2 Esta contagem diz respeito ao tamanho do componente e não da utilização do mesmo nos sistemas de informação Banco Central do Brasil, 2015 Página 6 de 14

7 o Contar um AIE quando a função transacional apenas ler ou referenciar o grupo lógico de dados; o Observar os grupos de dados que não estão fisicamente dentro do componente, mas que são logicamente necessários para serem atualizados por ele; o A análise da função de dados, com relação aos dados de código, quando se trata de componente, deve levar em consideração o objetivo do componente e a visão dos dados do ponto de vista do negócio do componente. Exemplo: uma tabela contendo sigla e descrição dos estados brasileiros é contada como dado de código em Sistemas de informação, devido ao seu caráter técnico. Já em um componente criado especificamente para centralizar a informação dos estados e fornecê-la de forma estruturada para uso nos sistemas, esta informação é de negócio, já que ela não tem como objetivo ser utilizada para substituir informações em outros ALI em função de normalização, nem facilitar preenchimento de dados. Funções Transacionais: o Contar uma função transacional para cada função fornecida tanto para o usuário quanto para outros componentes, por meio das interfaces do componente sendo contado; o Examinar e entender quais componentes são utilizados ou chamados pelo componente sendo analisado; o Não contar funções embutidas no componente para seu uso interno; o Evitar contagem duplicada: a mesma função de dados pode ser referenciada ou atualizada de diferentes formas, isto é, diretamente ou por meio de outro componente; o Se não tiver acesso à estrutura interna do componente, verificar, a partir das funções que mantêm dados, quais arquivos lógicos são mantidos; o Existem situações em que o componente não possui ALI nem acessa AIE, no entanto os métodos da interface externa executam cálculos matemáticos, transformações, validações, que permitem a sua caracterização como SE, conforme definido no Manual de APF Arquivos Lógicos - Mudança no Tamanho ou Tipo de Campos Conceituação O tamanho e/ou tipo do campo foi alterado em um arquivo lógico para atender a uma necessidade do negócio e algumas funções de transação que processam esses campos alterados foram impactadas, o que considerar na contagem? Abordagem O arquivo lógico que contém os campos alterados (tamanho e/ou tipo) em função de uma necessidade de negócio do Banco Central do Brasil deve ser incluído no escopo da contagem do projeto de desenvolvimento e/ou de melhoria. Adicionalmente, as funções transacionais em que haja alteração na lógica de processamento e que utilize o campo alterado devem ser incluídas. Banco Central do Brasil, 2015 Página 7 de 14

8 3.2.4 Funções de arquivamento de dados Conceituação Como devemos considerar os arquivos que armazenam dados para atender requisitos de negócio tais como normas de agentes reguladores ou outros agentes externos ou internos à organização, com impacto no negócio? Abordagem Quando os arquivos são criados para atender requisitos de negócio, normas de agentes reguladores ou outros agentes externos ou internos à organização, estes arquivos e os processos elementares que os geram devem ser incluídos no escopo da contagem Mensagens e Sumários Resultantes de Processamentos em Lotes Conceituação Como contar as mensagens e/ou totais gerados no final dos processamentos em lote? Abordagem As mensagens e/ou totais gerados em lote pelos processos elementares reconhecidos pelo usuário devem ser contados como dados elementares e não como processos elementares distintos Múltiplos Canais Conceituação Como devemos contar uma mesma funcionalidade que é fornecida ao usuário em diferentes interfaces (Canais ou Plataformas) e é classificada como um único processo elementar pela Análise de Pontos de Função (APF)? Abordagem Se uma mesma função de negócio for fornecida em diferentes interfaces (Canais ou Plataformas) dentro de uma mesma fronteira da aplicação, contar uma função de transação para cada interface distinta Múltiplas Mídias Conceituação Como contar quando o negócio requerer que um mesmo relatório seja fornecido em mais de um formato (ex: On-Line, Impresso ou Excel)? Abordagem Se uma mesma função de negócio tiver a sua saída em mais de uma mídia (ex: On-Line, Impresso ou Excel), mas for classificada como um único processo elementar pela Análise de Pontos de Função (APF) deve-se considerar como uma única função de transação Programas Batch Conceituação Como contar programas batch? Banco Central do Brasil, 2015 Página 8 de 14

9 Abordagem Normalmente, programas batch estão relacionados à lógica de processamento de funcionalidades do sistema medido. Com base no escopo do serviço, para identificar como contar, é necessário descobrir o papel do batch no sistema e identificar a função transacional relacionada. Se o batch está associado a mais de uma função, devem-se contar todas as funções impactadas com a manutenção. Caso não seja possível encontrar o processo elementar que encapsula o programa batch, investigar se trata de solução técnica. Se for solução técnica, não é possível aplicar a técnica de contagem. Exemplo: O usuário solicita um relatório mensal que exibe um resumo de informações das Instituições Financeiras. Solução técnica: Diariamente roda um programa que atualiza o resumo das Instituições Financeiras com os dados do dia. O objetivo é a Saída Externa (Relatório Mensal) e não a criação do programa batch (solução técnica) Segurança Acesso à Aplicação e Perfis de Usuário Conceituação Como contar a funcionalidade de segurança (acesso à aplicação) e perfis dos usuários? Abordagem Os usuários autenticam-se em uma aplicação para ganhar acesso a funções autorizadas de acordo com seu perfil. A função de autenticação (login) determina o acesso do usuário, que permanece com o mesmo nível (perfil) de acesso até o encerramento (logoff). Não se considera que os arquivos de segurança e perfis sejam referenciados em transações de negócio, exceto no caso de manutenção da segurança ou do login. A aplicação pode referenciar fisicamente os arquivos de segurança a cada transação, mas do ponto de vista lógico a função de login satisfez o respectivo requisito de segurança (acesso a aplicação e perfil do usuário). Exemplo: Dois usuários têm acesso a transações que apresentam uma lista de clientes. A implementação é realizada de forma que cada usuário autentica-se em um website diferente, porém com os mesmos layouts de tela. O usuário A autentica-se em um website que permite ver e atualizar todos os clientes. O usuário B autentica-se em um website que restringe os clientes que ele pode ver e atualizar. Quando o usuário A solicita a lista de clientes, todos os clientes são apresentados. Quando o usuário B solicita a lista de clientes, apenas os clientes que ele pode ver são mostrados. Há apenas um processo elementar no cenário descrito. A contagem dos arquivos referenciados e dos elementos de dados considera o caso mais abrangente LOG da aplicação Conceituação Como devemos contar os arquivos LOG que tem como objetivo registrar informações de auditoria? Banco Central do Brasil, 2015 Página 9 de 14

10 Abordagem Contar o arquivo de LOG de auditoria como um Registro Lógico Referenciado (RLR), do respectivo Arquivo Lógico Interno (ALI). Dentro deste Registro Lógico teremos as informações de auditoria. As funções transacionais que registram no LOG são as mesmas que registram informações no arquivo transacional e, portanto, já estão contadas. Contar as funções transacionais de consulta ao LOG de auditoria, caso estejam na fronteira no sistema. Os fundamentos para essa análise estão no CPM (versão 4.3 Parte 4 Páginas 1-9 a 1 14) LOG de exceções Conceituação Como devemos contar os arquivos LOG que tem como objetivo registrar erros decorrentes de problemas no sistema? Abordagem O Log de Exceções é um recurso arquitetural para o registro de erros não previstos no negócio ou erros decorrentes de problemas no sistema. Os erros negociais devem ser tratados pela própria aplicação. Não há evidências objetivas da utilização desse recurso, sob o ponto de vista dos usuários, nas aplicações corporativas. Portanto, não deve ser considerado na contagem de pontos de função Filtros mutuamente excludentes Conceituação Como devemos contar a combinação de vários campos para pesquisa, alguns deles mutuamente excludentes? Por exemplo: Abordagem ou campo A ou campo B ou campo C campo A (opcional) e campo B (opcional) e campo C (opcional). ou campo A ou campo B ou campos A (obrigatório) e C (opcional) Deve ser analisada a necessidade de negócio que está sendo atendida pela função transacional, independente de como a combinação de filtros foi implementada. Caso determinada combinação de filtros atenda uma necessidade de negócio distinta de outra combinação, considerar processos elementares distintos. Caso não seja possível identificar necessidades de negócio distintas, considerar apenas uma função transacional Botões de seleção / Listas Drop-Down / Botão Check / Barra de rolagem Conceituação Como contar botões de seleção, botões de lista drop-down, botão check, barra de rolagem? Abordagem Utilizar documento Dicas de Contagem Interface Gráfica - Hints Counting GUI White Paper IFPUG. Banco Central do Brasil, 2015 Página 10 de 14

11 Uso de Pacotes Adquiridos de forma integrada às aplicações desenvolvidas Conceituação Como contar pacotes adquiridos utilizados para desenvolvimento de sistemas (ou integrados ao sistema)? Abordagem Pacotes adquiridos incorporados ao sistema não são contados, pois são funcionalidades prontas disponíveis para uso Campos somente leitura em funcionalidades de inclusão, alteração e exclusão Conceituação Como contar os campos somente leitura exibidos nas funcionalidades de inclusão, alteração e exclusão? Abordagem Tais funcionalidades correspondem a entradas externas. Considera-se que o processamento de uma entrada externa inicia-se quando os dados ou informações de controle entram pela fronteira da aplicação. Para a funcionalidade de inclusão, os campos somente leitura, apresentados durante o processamento da função de transação, devem ser considerados. Os campos somente leitura apresentados antes do processamento da função de transação não devem ser considerados na contagem dessa função. Tais campos devem ser considerados na contagem de uma consulta implícita que exibe esses dados, caso solicitado pelo usuário. Para a funcionalidade de alteração, os campos somente leitura que forem considerados na consulta implícita de alteração e cujos valores não possam ser alterados após a realização da consulta implícita, não devem ser considerados na contagem. Para a funcionalidade de exclusão, os campos somente leitura fazem parte da consulta implícita e não devem ser considerados. Para esta funcionalidade, considerar somente os seguintes tipos de dados: identificador(es), comando e mensagem Obrigatoriedade de campos Conceituação A obrigatoriedade de preenchimento de um campo foi alterada em uma tela do sistema para atender a uma necessidade do negócio. O que considerar na contagem? Abordagem A obrigatoriedade é considerada uma característica do atributo (CPM 4.3, parte 3, pág 4-9). Nos casos em que a alteração visa atender uma necessidade de negócio, a função transacional deve ser considerada no escopo do projeto de melhoria. Banco Central do Brasil, 2015 Página 11 de 14

12 Manutenção para exibir/ocultar botões e campos Conceituação Como contar uma demanda que solicita que campos ou botões sejam exibidos (ou ocultos) de acordo com regras de negócio pré-definidas? Abordagem Esses botões podem corresponder a funcionalidades distintas, sob o ponto de vista de usuário. Por exemplo, em uma tela de consulta de proposta são exibidos os botões para acessar as funcionalidades de aprovar, rejeitar ou encaminhar a proposta. Em uma determinada manutenção foi solicitado que o botão aprovar seja exibido apenas para o gestor. Nesse caso, devemos considerar a consulta de proposta como alterada, pois a manutenção solicitada foi implementada nesta tela. A mesma premissa deve ser adotada caso a manutenção solicite que determinados campos sejam exibidos/ocultos de acordo com regras de negócio pré-definidas. Devemos identificar qual consulta está sendo impactada e considerá-la como alterada. A regra de negócio envolvida com a exibição dos campos é considerada como uma lógica de processamento da funcionalidade. 4. Atualização do documento 4.1 Responsabilidade A atualização deste documento é de responsabilidade da equipe de métricas do Banco Central do Brasil. 4.2 Critérios O documento poderá ser atualizado para: Incluir nova regra com vistas a padronizar solução de interpretação para situação para a qual os padrões de mercado vigentes não se aplicam. Exemplo: durante uma contagem, surgiu uma dúvida sobre como considerar as mensagens exibidas no final do processamento de rotinas batch. Este assunto foi debatido e chegou-se a uma conclusão para o caso específico. Considerando que outros casos similares podem acontecer, é necessário definir uma regra padrão e incluir neste documento para que esta interpretação seja mantida consistente nas próximas contagens; Alterar os padrões definidos caso exista mudança no contexto em que ela é aplicada ou por uma melhor interpretação do caso específico; Excluir padrões que não mais se aplicam ou que forem incluídos em versões futuras do CPM, evitando duplicidade de definições; Incluir ou alterar a abordagem a ser utilizada para a contagem de um tipo específico de aplicação; Alterar a abrangência do documento; Alterar a versão do manual a ser utilizada; Banco Central do Brasil, 2015 Página 12 de 14

13 Outras situações identificadas como necessárias pela equipe responsável por atualizar o documento, devidamente registradas. 5. Sobre o documento 5.1 Definições AIE - É um grupo lógico de dados relacionados ou informações de controle, identificável pelo usuário, que é utilizado apenas para referência. Os dados residem inteiramente fora da fronteira da aplicação e são mantidos por outro aplicativo. O AIE é um ALI para outro aplicativo. ALI - É um grupo lógico de dados relacionados ou informações de controle, identificável pelo usuário, que reside inteiramente dentro da fronteira da aplicação e é mantido por processos elementares. Arquivo Lógico - Um grupo lógico de dados permanentes na perspectiva do usuário. Pode ser um ALI ou um AIE. ALR - Um Arquivo Lógico Referenciado é um subgrupo de elementos de dados, reconhecido pelo usuário, para cada ALI mantido ou comportamento alterado ou para cada ALI ou AIE lido. CE - Consulta Externa é um processo elementar que envia dados ou informações de controle para fora da fronteira da aplicação. A intenção primária é apresentar informações ao usuário pela recuperação de dados ou informações de controle de ALI e/ou AIE. Code data Dados criados para implementação de requisitos técnicos. Fornecem uma lista de opções válidas que um determinado atributo pode ter. Tais atributos são código e descrição, entre outros comumente utilizados. DER - Um Dado Elementar Referenciado é um campo de dado lógico, não repetido, reconhecido pelo usuário, dentro do ALI ou do AIE. EE - Entrada Externa é um processo elementar no qual os dados cruzam a fronteira da aplicação de fora para dentro. Tais dados podem vir de uma tela de entrada de dados, por teleprocessamento ou por outro aplicativo. Os dados podem ser informações de controle ou do negócio. Fator de Ajuste - Indica a funcionalidade geral fornecida ao usuário da aplicação. É baseado na avaliação de 14 características gerais de sistemas que classificam as funcionalidades gerais da aplicação a ser contada. Fronteira Define o limite entre a aplicação que está sendo medida e o mundo externo, do ponto de vista do usuário. Informações de controle - Dados que influenciam um processo elementar, especificam o que, quando, ou como os dados devem ser processados (comandos de ação, parâmetros de consultas, por exemplo). RLR Um Registro Lógico Referenciado é um subgrupo de elementos de dados, reconhecido pelo usuário, dentro do ALI ou AIE Banco Central do Brasil, 2015 Página 13 de 14

14 SE - Saída Externa é um processo elementar que envia dados derivados ou informações de controle para fora da fronteira da aplicação. Tais dados criam relatórios ou arquivos de saída, que são enviados a outro aplicativo. Esses relatórios e arquivos são criados a partir de um ou mais ALI e AIE. Usuário Qualquer pessoa ou coisa que se comunica ou interage com o software a qualquer momento. 5.2 Referências 1. Manual de Práticas de Contagem do IFPUG versão Dicas de Contagem Interface Gráfica - Hints Counting GUI White Paper IFPUG 3. Sizing Component-Based Development Using Function Points (Release 1.0) 5.3 Histórico de revisões Data Versão Descrição 08/09/ Versão inicial. Banco Central do Brasil, 2015 Página 14 de 14

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

Análise de Ponto de Função

Análise de Ponto de Função Complemento para o Curso Análise de Ponto de Função FUNÇÕES DO TIPO DADO O termo Arquivo não significa um arquivo do sistema operacional, como é comum na área de processamento de dados. Se refere a um

Leia mais

Análise de Pontos por Função - O Processo de contagem

Análise de Pontos por Função - O Processo de contagem Análise de Pontos por Função - O Processo de contagem A seguir apresento uma versão do capítulo sobre o processo de contagem da APF que faz parte de minha monografia para conclusão do curso de especialização

Leia mais

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Pontos de Função André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Roteiro Introdução Métricas de Projeto Análise de Pontos de Função

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 13B DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar, discutir o conceito de métricas de software orientadas a função. DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO. Análise de Pontos de Função (APF) Análise de Pontos de Função (APF) @ribeirord @RIBEIRORD

ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO. Análise de Pontos de Função (APF) Análise de Pontos de Função (APF) @ribeirord @RIBEIRORD ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO @RIBEIRORD Análise de Pontos de Função (APF) É uma técnica de medição das funcionalidades fornecidas por um software do ponto de vista de seus usuários. Ponto de função (PF)

Leia mais

Histórico de Revisão. Data Versão Descrição Autor

Histórico de Revisão. Data Versão Descrição Autor Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 04/2015 1.0 Elaboração do manual. Márcia Regina Guiotti Bomfim José Romildo Andrade Página 2 de 45 Sumário SUMÁRIO... 3 1. OBJETIVO... 5 2. REFERÊNCIAS

Leia mais

Medição e Análise. Orientação Contagem de Pontos de Função Versão 2.7. PD-DATAPREV Processo de Desenvolvimento de Software da Dataprev

Medição e Análise. Orientação Contagem de Pontos de Função Versão 2.7. PD-DATAPREV Processo de Desenvolvimento de Software da Dataprev Medição e Análise Versão 2.7 ori_contagem_pontos_funcao.odt 1 de 54 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/05/2014 2.7 Adequação ao novo padrão visual da DATA- PREV. Dicas de contagens de

Leia mais

Diretrizes Propostas para Aplicação da APF em Programa Envolvendo Tecnologias Recentes Tais como Barramento, BPMS e Portal

Diretrizes Propostas para Aplicação da APF em Programa Envolvendo Tecnologias Recentes Tais como Barramento, BPMS e Portal Diretrizes Propostas para Aplicação da APF em Programa Envolvendo Tecnologias Recentes Tais como Barramento, BPMS e Portal Ricardo Gaspar, CFPS (21) 2172-8078 ricardo.gaspar@bndes.gov.br 29 de Novembro

Leia mais

Guia de Contagem de Pontos de Função para Sistemas de

Guia de Contagem de Pontos de Função para Sistemas de MDIC / CGMI 52004.000655/2015-36 29/04/2015 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

Pontos de Função na Engenharia de Software

Pontos de Função na Engenharia de Software Pontos de Função na Engenharia de Software Diana Baklizky, CFPS Este documento contém informações extraídas do Manual de Práticas de Contagem do IFPUG. Essas informações são reproduzidas com a permissão

Leia mais

Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD

Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD Ricardo Gaspar (21) 2172-8078 ricardo.gaspar@bndes.gov.br 10 de Junho de 2013 Agenda Contextualização Diretrizes de Contagem

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Julho/2010

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Julho/2010 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Julho/2010 Assunto: Estimativa de Aumento de Produtividade Data: 01/07/2010 Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/2577 Dúvida: Existe alguma

Leia mais

Roteiro de Métricas de Software da ANEEL - v1.0

Roteiro de Métricas de Software da ANEEL - v1.0 Roteiro de Métricas de Software da ANEEL - v1.0 Brasília DF Controle de Versão Data Versão Descrição Autor Revisor Aprovado por 24/09/2012 1.0 Emissão Inicial João Celestino 2 Sumário 1 Introdução... 4

Leia mais

Métricas e Medições de Software

Métricas e Medições de Software 391 Métricas e Medições de Software MTF-BC - Método para Medição de Tamanho Funcional de Sistemas de Informação do Banco Central do Brasil Versão 01.01 de 23/07/2008 392 R E V I S Õ E S Versão Dt. Versão

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2010. Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/3195

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2010. Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/3195 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2010 Assunto: Importação de Arquivos Data: 28/10/2010 Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/3184 Cenário: Existe uma tela de manutenção

Leia mais

Guia de Contagem. Análise de Pontos de Função ANEXO 10. Última atualização em: 18/09/2011

Guia de Contagem. Análise de Pontos de Função ANEXO 10. Última atualização em: 18/09/2011 ANEXO 10 Análise de Pontos de Função Guia de Contagem Última atualização em: 18/09/2011 Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS 0 -XX - 51-3210-3100 http://www.procergs.com.br Sumário

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL ETAPA 01 SEÇÃO IX GUIA DE CONTAGEM DE PONTOS DE FUNÇÃO SEÇÃO IX. Guia de Contagem de Pontos de Função

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL ETAPA 01 SEÇÃO IX GUIA DE CONTAGEM DE PONTOS DE FUNÇÃO SEÇÃO IX. Guia de Contagem de Pontos de Função SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL ETAPA 01 SEÇÃO IX GUIA DE CONTAGEM DE PONTOS DE FUNÇÃO SEÇÃO IX SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL ETAPA 01 Guia de Contagem de Pontos de Função Guia de

Leia mais

Guia de Contagem. Análise de Pontos de Função ANEXO 10

Guia de Contagem. Análise de Pontos de Função ANEXO 10 ANEXO 10 Análise de Pontos de Função Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS 0 -XX - 51-3210-3100 http:\\www.procergs.com.br i Sumário 1. Apresentação...1 Sobre este documento...1 Objetivos...1

Leia mais

Determinar o Tipo de Contagem. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação. Contagem das Funções de Dados. Calcular os PFs Ajustados

Determinar o Tipo de Contagem. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação. Contagem das Funções de Dados. Calcular os PFs Ajustados Análise de Pontos de Função (Hazan, 2001) A Análise de Pontos de Função (APF) é um método-padrão para a medição do desenvolvimento de software, visando estabelecer uma medida de tamanho do software em

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2.1 - ANÁLISE DE PONTO POR FUNÇÃO - APF 1. INTRODUÇÃO Criada em 1979 por Allan J. Albrecht (IBM), a APF - ANÁLISE DE PONTOS POR FUNÇÃO é uma técnica para medição de projetos cujo objeto seja o

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Abril/2012

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Abril/2012 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Abril/2012 Nessa síntese foram abordados, em 127 mensagens, os seguintes assuntos: Correlação entre a estimativa de tamanho do novo sistema, o projeto e a migração

Leia mais

Guia de Contagem de Pontos de Função do DATASUS. Versão 2.3

Guia de Contagem de Pontos de Função do DATASUS. Versão 2.3 Guia de Contagem de Pontos de Função do DATASUS Versão 2.3 Guia de Contagem de Pontos de Função do DATASUS Versão 2.3 Data de Impressão 29/04/13 16:04:04 Guia de Contagem de Pontos de Função do DATASUS

Leia mais

Guia de Contagem. Pontos de Função ANEXO XI. Última atualização em: 11/06/2015

Guia de Contagem. Pontos de Função ANEXO XI. Última atualização em: 11/06/2015 ANEXO XI Pontos de Função Guia de Contagem Última atualização em: 11/06/2015 Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS 0 -XX - 51-3210-3100 http:\\www.procergs.com.br Sumário 1. Apresentação...

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Abril/2011

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Abril/2011 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Abril/2011 Nessa síntese foram abordados, em 96 mensagens, os seguintes assuntos: Contagem em manutenção de Sistemas Legados Processos Elementares distintos de

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Agosto/2010

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Agosto/2010 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Agosto/2010 Assunto: Criação automática de chave primária Data: 02/08/2010 Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/2656 Cenário: Tem-se um Sistema

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Julho/2011

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Julho/2011 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Julho/2011 Nessa síntese foram abordados os seguintes assuntos: Contagem de ALI Auditoria Dados de Código Subjetividade Métrica x Escopo definido Consulta implícita

Leia mais

Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects

Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects Claudia Hazan Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) SGAN Quadra 601 Modulo V Brasilia, DF, CEP: 70836-900 BRAZIL 1 Agenda Cenário:

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2012

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2012 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2012 Nessa síntese foram abordados, em 57 mensagens, os seguintes assuntos: Contagem de Tipos de Dados de uma CE Contagem de PF de Componentes Contagem

Leia mais

Copyright Total Metrics

Copyright Total Metrics Introdução A contagem de pontos de função pode ser realizada em vários "níveis", os quais fornecem uma contagem que tem: Decisões documentadas para diferentes níveis de detalhe Resultados com diferentes

Leia mais

Guia de Contagem. Análise de Pontos de Função ANEXO 10. Última atualização em: 13/08/2014

Guia de Contagem. Análise de Pontos de Função ANEXO 10. Última atualização em: 13/08/2014 ANEXO 10 Análise de Pontos de Função Guia de Contagem Última atualização em: 13/08/2014 Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS 0 -XX - 51-3210-3100 http:\\www.procergs.com.br Sumário

Leia mais

Introdução - Cenário

Introdução - Cenário Como evitar Armadilhas em Contratos de Software Baseados na Métrica Pontos de Função Claudia Hazan Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) 1 Introdução - Cenário Demanda crescente por Sistemas

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

PFI. Pontos de Função de Implementação. BFPUG Brazilian Function Point Users Group. Versão 1.00 22/04/2004. Mauricio Aguiar.

PFI. Pontos de Função de Implementação. BFPUG Brazilian Function Point Users Group. Versão 1.00 22/04/2004. Mauricio Aguiar. PFI Pontos de Função de Implementação Equipe Mauricio Aguiar Valter Braghin Nelson Camargo Irapuã da Costa Jr. Gabriel Dalla Lana Elina Madeira Versão 1.00 22/04/2004 BFPUG Brazilian Function Point Users

Leia mais

Roteiro 2: (Planilhas Eletrônicas) - Função procv / manipulação de formulários

Roteiro 2: (Planilhas Eletrônicas) - Função procv / manipulação de formulários Roteiro 2: (Planilhas Eletrônicas) - Função procv / manipulação de formulários Objetivos Explorar funções de procura e referência; Explorar ferramentas para controle de formulários em planilhas; Importar

Leia mais

Realização de Estimativas utilizando Análise de Pontos de Função

Realização de Estimativas utilizando Análise de Pontos de Função CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE PROFESSOR(A): MONALESSA PERINI BARCELLOS CÓDIGO: INF281 EMAIL: MONALESSA@INF.UFES.BR Realização de Estimativas utilizando

Leia mais

Roteiro de Métricas de Software do SISP Versão 1.0

Roteiro de Métricas de Software do SISP Versão 1.0 Roteiro de Métricas de Software do SISP Versão 1.0 Brasília, 29 de novembro de 2010. Roteiro de Métricas de Software do SISP 2 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministério do Planejamento,

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. PONTOS DE FUNÇÃO Uma medida funcional de tamanho de software N 0 105 RELATÓRIOS TÉCNICOS DO ICMC

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. PONTOS DE FUNÇÃO Uma medida funcional de tamanho de software N 0 105 RELATÓRIOS TÉCNICOS DO ICMC Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 PONTOS DE FUNÇÃO Uma medida funcional de tamanho de software WAINE TEIXEIRA JÚNIOR ROSELY SANCHES N 0 105 RELATÓRIOS TÉCNICOS DO ICMC

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Junho/2012

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Junho/2012 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Junho/2012 Nessa síntese foram abordados, em 97 mensagens, os seguintes assuntos: Processamento Batch Transformação de Transações Offline para Online Contagem

Leia mais

Guia de Contagem. Análise de Pontos de Função ANEXO 12. Última atualização em: 03/09/2013

Guia de Contagem. Análise de Pontos de Função ANEXO 12. Última atualização em: 03/09/2013 ANEXO 12 Análise de Pontos de Função Guia de Contagem Última atualização em: 03/09/2013 Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS 0 -XX - 51-3210-3100 http:\\www.procergs.com.br Sumário

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

Análise de Pontos de Função. Por Denize Terra Pimenta dpimenta_aula@yahoo.com.br

Análise de Pontos de Função. Por Denize Terra Pimenta dpimenta_aula@yahoo.com.br Análise de Pontos de Função Por Denize Terra Pimenta dpimenta_aula@yahoo.com.br 1 Não se consegue controlar o que não se consegue medir. 2 Bibliografia "Function Point Analysis: Measurement Practices for

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Dezembro/2010. Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/3313

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Dezembro/2010. Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/3313 Assunto: Dados derivados Data: 02/12/2010 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Dezembro/2010 Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/3313 Cenário: Existem vários relatórios, nos

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Janeiro/2012

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Janeiro/2012 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Janeiro/2012 Nessa síntese foram abordados, em 81 mensagens, os seguintes assuntos: Separação de Requisitos em Projetos de Desenvolvimento Modelo de Entidades

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

Consultório Online. Manual de Utilização do Módulo Operacional. índice. Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4

Consultório Online. Manual de Utilização do Módulo Operacional. índice. Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4 índice Passo 1: Visão geral 3 Passo 2: Como acessar o Consultório Online? 3 Passo 3: Recursos disponíveis 4 Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4 Pesquisa de histórico

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Manual de Utilização Perfil Beneficiário 1. 2. Objetivo do Manual... 2 Siglas e Abreviações... 2 3. Perfil do Usuário... 2 4. Descrição Geral do Sistema...

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ÍNDICE 1. SEJA BEM-VINDO... 2 SOBRE O SISTEMA... 3 2. FUNCIONALIDADES DO SISTEMA... 4

ÍNDICE 1. SEJA BEM-VINDO... 2 SOBRE O SISTEMA... 3 2. FUNCIONALIDADES DO SISTEMA... 4 ÍNDICE 1. SEJA BEM-VINDO... 2 1.1 Seja Bem-Vindo!... 2 SOBRE O SISTEMA... 3 1.2 Sobre o sistema... 3 1.3 Navegação... 3 2. FUNCIONALIDADES DO SISTEMA... 4 2.1 Efetuar Login Internet... 4 2.1.1 Efetuar

Leia mais

5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis

5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis 5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis Este capítulo descreve orientações, sobre a utilização da métrica Ponto de Função, para medição e remuneração de

Leia mais

Volpe Enterprise Resource Planning

Volpe Enterprise Resource Planning Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado, reproduzido, traduzido ou reduzido a qualquer mídia eletrônica ou máquina de leitura, sem a expressa

Leia mais

Manual de Utilização Chat Intercâmbio

Manual de Utilização Chat Intercâmbio Manual de Utilização Chat Intercâmbio 1 INDICE 1 Chat Intercâmbio... 6 1.1 Glossário de Termos Utilizados.... 6 1.2 Definições de uma Sala de Chat... 7 1.3 Como Acessar o Chat Intercâmbio... 8 1.4 Pré-requisitos

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Setembro/2010. Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/2883

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Setembro/2010. Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/2883 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Setembro/2010 Assunto: Relacionamento e Entidade Data: 30/08-02/09 Link: http://br.groups.yahoo.com/group/livro-apf/message/2871 Cenário: Há um cadastro de alunos

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer Resumo Este artigo descreve os conceitos gerais relacionados a técnica de Análise

Leia mais

PORTAL SPA TISS. Manual do Credenciado. Manual do Credenciado para utilização do Portal SPA TISS do SPA Saúde.

PORTAL SPA TISS. Manual do Credenciado. Manual do Credenciado para utilização do Portal SPA TISS do SPA Saúde. PORTAL SPA TISS Manual do Credenciado Manual do Credenciado para utilização do Portal SPA TISS do SPA Saúde. Equipe de Treinamento de Desenvolvimento TIS SPA Saúde Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo...

Leia mais

TREINAMENTO DE USUÁRIO APROVADOR/HOMOLOGADOR. SIPPES Sistema de Pagamento de Pessoal

TREINAMENTO DE USUÁRIO APROVADOR/HOMOLOGADOR. SIPPES Sistema de Pagamento de Pessoal TREINAMENTO DE USUÁRIO APROVADOR/HOMOLOGADOR SIPPES Sistema de Pagamento de Pessoal Sumário CONFIGURAR ORGANIZAÇÃO MILITAR 1. USUÁRIOS... 6 1.1. Administrador de Parâmetros Cadastrais OM... 6 2. PRÉ-CONDIÇÕES...

Leia mais

SEAP / CAS. Manual V1.0

SEAP / CAS. Manual V1.0 SEAP / CAS Manual V1.0 Janeiro - 2013 Coordenadoria de Administração de Serviços - CAS Palácio das Araucárias Rua Jacy Loureiro de Campos, s/nº 80530-140 - Centro Cívico - Curitiba Paraná Fone: (41) 3313-6071

Leia mais

ÍNDICE. 2.1. Funcionalidades... 5

ÍNDICE. 2.1. Funcionalidades... 5 ÍNDICE 1. PRIMEIRO ACESSO AO SITE... 3 2. MAPA DO SITE... 4 2.1. Funcionalidades... 5 3. ENVIO DE COBRANÇAS ELETRÔNICAS... 5 3.1. Solicitações... 7 3.1.1. Internação... 7 3.1.2. Prorrogação... 8 3.1.3.

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Contact Center CPqD. Operação. Manual do Cliente. Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011

Contact Center CPqD. Operação. Manual do Cliente. Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011 Contact Center CPqD Operação Manual do Cliente Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011 Contact Center CPqD Operação Manual do Cliente Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Manual do AP_Conta. Manual do AP_Conta. Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS

Manual do AP_Conta. Manual do AP_Conta. Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS 2014 Manual do AP_Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS 0 Sumário 1. Sobre esse manual... 3 2. Habilitando e Configurando o AP_Conta... 4 3. Habilitação e Licenciamento...

Leia mais

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional P á g i n a 1 SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras Manual Operacional P á g i n a 2 1 SUMÁRIO 2 Orientações gerais... 3 2.1 Perfis de acesso... 4 2.2 Para acessar todas as funcionalidades

Leia mais

GUIA DE USUÁRIO - GU-

GUIA DE USUÁRIO - GU- 1/22 Revisão 00 de 20//12 1. OBJETIVO Orientar o usuário para a pesquisa e visualização detalhada de todas as ordens de compra emitidas, emitir confirmações de aceite, submeter solicitação de alteração,

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS SCP MANUAL DO USUÁRIO Novembro 2007 Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. REQUISITOS NECESSÁRIOS...3 3. INFORMAÇÕES SOBRE SENHAS...3 4. ACESSO AO

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN Guia de Capacitação Concessão de Cotas Financeiras Versão 1.0 outubro 2012 MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA INSTRUTOR: CARLOS ALBERTO PEREIRA LIMA COLABORADORES

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO - CORDILHEIRA VERSÃO 2

BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO - CORDILHEIRA VERSÃO 2 BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO - CORDILHEIRA VERSÃO 2 Cordilheira Recursos Humanos CRH 2.85A As rotinas de Retiradas de Pró-labore e Autônomos tiveram diversas alterações, com o objetivo

Leia mais

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

Proposta de Utilização de FDD e APF para Melhoria do Processo de Software

Proposta de Utilização de FDD e APF para Melhoria do Processo de Software Proposta de Utilização de FDD e APF para Melhoria do Processo de Software Cristiane Ribeiro da Cunha, Cristina D Ornellas Filipakis Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Consultoria e Sistemas

Consultoria e Sistemas 1 de 37 Glossário da Análise de Pontos de Função A ADD (Última edição: segunda, 23 março 2009, 21:50) É a contagem de pontos de função não-ajustados das funções que foram instaladas pelo projeto de desenvolvimento,

Leia mais

Unimed do Brasil Unidade de Serviços às Singulares Página 1 de 119. Unimed HILUM - Versão 3.0.0

Unimed do Brasil Unidade de Serviços às Singulares Página 1 de 119. Unimed HILUM - Versão 3.0.0 Página 1 de 119 Unimed HILUM - Versão 3.0.0 1 HILUM... 4 1.1 Consulta... 6 1.1.1 Execução... 6 1.2 SADT... 11 1.2.1 Solicitação... 11 1.2.2 Execução... 18 1.2.3 Execução On-Line... 26 1.2.4 Outras Despesas...

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Estimativa de Tamanho de Software Utilizando APF e a Abordagem NESMA

Estimativa de Tamanho de Software Utilizando APF e a Abordagem NESMA Estimativa de Tamanho de Software Utilizando APF e a Abordagem NESMA Werley Teixeira Reinaldo, Cristina D Ornellas Filipakis Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA)

Leia mais

Gerencie Carteira - PF

Gerencie Carteira - PF Gerencie Carteira - PF Mais negócios para a sua empresa, com melhor resultado e o risco sob controle. Manual do Produto Manual do Produto 1 Índice Produto 02 Meio de acesso 02 Carteira de Clientes Pessoa

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Atualização de Preços de Tabela de Venda

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Atualização de Preços de Tabela de Venda CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Atualização de Preços de Tabela de Venda Objetivo do projeto O projeto de atualização de preços de tabela de venda tem por objetivo permitir que a manutenção de preços de tabela

Leia mais

Desmistificando Pontos de Função: Entendendo a Terminologia por Carol A. Dekkers, Quality Plus Technologies, Inc. email: dekkers@qualityplustech.

Desmistificando Pontos de Função: Entendendo a Terminologia por Carol A. Dekkers, Quality Plus Technologies, Inc. email: dekkers@qualityplustech. Desmistificando Pontos de Função: Entendendo a Terminologia por Carol A. Dekkers, Quality Plus Technologies, Inc. email: dekkers@qualityplustech.com Abstrato: A análise de Pontos de Função é uma abordagem

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Segurança nas operações Responsabilidades e procedimentos operacionais Assegurar a operação segura e correta

Leia mais

GUIA ORIENTAÇÕES AOS CARTÓRIOS SOBRE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GERID: MÓDULOS GID E GPA

GUIA ORIENTAÇÕES AOS CARTÓRIOS SOBRE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GERID: MÓDULOS GID E GPA GUIA ORIENTAÇÕES AOS CARTÓRIOS SOBRE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GERID: MÓDULOS GID E GPA 28/07/2015 COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE SEGURADOS - CGAIS Divisão de Integração de Cadastros

Leia mais

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Manual de utilização do sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Sistema integrado de controle médico Acesso... 3 Menu principal... 4 Cadastrar... 6 Cadastro de pacientes... 6 Convênios... 10

Leia mais