CORTISOL ÀS 8h. Mnemônico: CO8 CORTISOL ÀS 16h. Mnemônico: C16 CORTISOL SOB SUPRESSÃO (teste de supressão noturna com dexametasona).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORTISOL ÀS 8h. Mnemônico: CO8 CORTISOL ÀS 16h. Mnemônico: C16 CORTISOL SOB SUPRESSÃO (teste de supressão noturna com dexametasona)."

Transcrição

1 POP n.º: B39 Página 1 de 7 1. Sinonímia:, HIDROCORTISONA. Mnemônico: COR ÀS 8h. Mnemônico: CO8 ÀS 16h. Mnemônico: C16 SOB SUPRESSÃO (teste de supressão noturna com dexametasona). Mnemônico: CSS 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do cortisol em soro ou plasma humano. 4. Princípio do teste: Eletroquimioluminescência (ECLIA): Princípio de competição. Duração do ensaio: 18 minutos. 1ª incubação: 20 µl de amostra são incubados com um anticorpo biotinilado específico do cortisol e um complexo de rutênio marcado com derivado do cortisol. Conforme a concentração do analito na amostra e a formação do respectivo complexo imune, o local de ligação do anticorpo marcado é ocupado em parte com analito de amostra e em parte com hapteno marcado com rutênio. 2ª incubação: Após a incorporação das micropartículas revestidas de estreptavidina, o complexo formado liga-se à fase sólida pela interação da biotina e da estreptavidina. A mistura de reação é aspirada para a célula de leitura, onde as micropartículas são fixadas magneticamente à superfície do eletrodo. Os elementos não ligados são removidos com ProCell M. A aplicação de uma corrente elétrica ao eletrodo induz uma emissão quimioluminescente que é medida por um foto multiplicador. Os resultados são determinados com base numa curva de calibração, que é gerada especificamente pelo analisador por uma calibração de 2 pontos e uma curva principal incluída no código de barras do reagente. 5. Amostra: 5.1 Preparo do paciente: Sem restrições (coleta preferencial pela manhã: 7-10h e a critério médico: 16-20h). 5.2 Tipo de amostra:

2 POP n.º: B39 Página 2 de 7 Soro ou plasma. Tubos sem anticoagulante e com gel separador ou tubos com anticoagulante: EDTA e heparina (Li, Na, NH 4 + ). 5.3 Colheita: Quantidade mínima de sangue: 1 ml. Quantidade ideal: 5 ml. 5.4 Preservação e transporte: Transportar o material colhido à temperatura ambiente e dentro das normas de segurança legais. 5.5 Identificação da amostra: Etiqueta com código de barras gerado pelo sistema de gerenciamento de dados do LAC (Sistema Pleres). A etiqueta deve ser posicionada nos frascos de colheita a partir da tampa para o fundo em linha reta de forma que o código de barras fique visível e alinhado, sem enrugamentos. 5.6 Estabilidade e armazenamento: A estabilidade da amostra colhida é de 5 dias se refrigerada (2 a 8 C) e 3 meses a -20 C. Congelar apenas uma vez. Amostras descongeladas devem ser invertidas várias vezes e estar a temperatura ambiente antes da análise. 5.7 Amostras Inadequadas: Amostras mal identificadas. Amostras inativadas pelo calor. Amostras com volume insuficiente. Amostras com fibrina. Amostras com anticoagulante citrato (<10%). 6. Reagentes e materiais: Reagentes para automação Roche / E411: Dispositivo de reagentes Cortisol 100 testes. M Micropartículas revestidas de estreptavidina (tampa transparente), 1 frasco, 6,5 ml: micropartículas revestidas de estreptavidina, 0,72 mg/ml, capacidade de fixação: 470 ng/biotina/mg micropartículas; conservante. R1 Anticorpo anti-cortisol-biotina (tampa cinza), 1 frasco, 9 ml: anticorpo anti-cortisol policlonal biotinilado (ovino) 90 ng/ml, tampão MES: 100 mmol/l, ph 6,0; conservante. R2 Cortisol-peptídio-Ru (tampa preta), 1 frasco, 9 ml, derivado de cortisol (sintético), marcado com complexo de rutênio 25 ng/ml; danasol 20 µg/ml; tampão MES 100 mmol/l, ph 6,0; conservante. Reagentes para calibração e controle de qualidade: Calibrador: Elecsys Cortisol CalSet. Preparação: pronto para uso. Estabilidade: a 20 C: 12 semanas. ProCell M: tampão do sistema E 170. CleanCell M: solução de limpeza para célula de leitura do sistema E 170. Elecsys Precicontrol Universal 1 e 2: soros controles. Elecsys Diluent Universal: diluente da amostra. Preparação, estabilidade e conservação: Ver POP Calibradores/Controles.

3 POP n.º: B39 Página 3 de Preparo: pronto para uso. 6.2 Estabilidade: estável até o fim do prazo de validade, quando fechado e acondicionado entre 2 e 8 C. Após abertura: 12 semanas. No analisador: 8 semanas. 6.3 Armazenamento: Entre 2 e 8 C. 7. Equipamentos: E 601(Roche). Para maiores detalhes vide POPE-B20 E Calibração: O dispositivo de reagente contém um código de barras com informações específicas para a calibração do lote de reagentes em questão. A curva principal previamente definida é adaptada ao analisador através do código de barras do Cortisol CalSet. O software do analisador verifica automaticamente a validade da curva e alerta para eventuais desvios. 8.1 Freqüência das calibrações: Uma calibração por lote de reagente dentro de um máximo de 24h após ter sido registrado no analisador. Passado 1 mês (28 dias) quando se utiliza o mesmo lote de reagentes. Passados 7 dias quando se utiliza o mesmo dispositivo de reagentes no analisador. Sempre que necessário, quando os resultados de ensaios de controle de qualidade estiverem fora dos limites específicos. 9. Procedimento: 9.1 Fluxo: As amostras devem ser centrifugadas. O auxiliar de laboratório as leva para a estante da mesa do E601, onde será realizada a análise pelo bioquímico. E601: Após a manutenção diária do equipamento, colocar o reagente, com a tampa destravada, no disco dos reagentes do analisador evitando a formação de espuma. O sistema regula automaticamente a temperatura do reagente e a abertura dos frascos. Selecionar a tecla REAGENTE SCAN para a leitura do código de barras do Kit (onde serão lidos os parâmetros específicos do teste) e a ressuspensão das micropartículas automaticamente antes de ser usada. Após a corrida dos soros controles, colocar o tubo primário com identificação da amostra por código de barras na rack e autorizar a corrida na tecla START. Caso não seja possível utilizar tubo primário, transferir a amostra para copinhos específicos informando a rack e a posição respectivamente na tela WORKPLACE Test Selection. O analisador calcula automaticamente a concentração do analito de cada amostra e envia para o LINK do interfaceamento para ser avaliado e liberado pelo operador. Rotina: 5ªs feiras.

4 POP n.º: B39 Página 4 de Definição do teste: Intervalo do teste: 0,018-63,4 µg/dl Intervalo pós-diluição: 0, µg/dl Sensibilidade analítica: 0,018 µg/dl Os valores inferiores ao limite de detecção são liberados como < 0,018 µg/dl Nº do teste no E601: 24. Unidade: µg/dl 9.2 Diluição: As amostras poderão ser diluídas automaticamente com diluente universal na proporção de 1:10. O equipamento calcula automaticamente o resultado. 10. Controle de qualidade: 10.1 Interno: Controles: Precicontrol Universal 1 e 2. Freqüência: Quintas; a cada troca de lote; após calibração. Preparo: dissolução em 3 ml de água destilada e armazenamento em 20 C em alíquotas de 450 µl Externo: Ver tabela de CQE / POP B Resultados: 11.1 Unidades: Os resultados são expressos em micrograma por decilitro: µg/dl Cálculos: O aparelho calcula automaticamente a concentração do analito de cada amostra Critérios de aceitação: Resultados cujas amostras foram coletadas, preparadas e processadas dentro das condições estabelecidas, dentro dos limites de normalidade e sem nenhum alarme dos equipamentos podem ser liberadas diretamente na rede, via interfaceamento. Resultados fora dos limites de normalidade ou com alarmes do equipamento devem ser liberados após avaliação com exames anteriores e se necessário repetição do processo anotando nas observações: exame confirmado após repetição.

5 POP n.º: B39 Página 5 de Valores de referência: 7-10h: 6,2 a 25 µg/dl 16-20h: 2,3 a 13 µg/dl 13. Valores críticos: N/A 14. Especificações de Desempenho: 14.1Linearidade: Até 63,4 µg/dl 14.2Precisão: - Fabricante: interensaio: PC Universal 1: 1,70% PC Universal 2: 1,40% - Validação pelo Laboratório: - PC Universal 1: 4,23% PC Universal 2: 2,18% (Módulo 1-Célula1) - PC Universal 1: 3,26% PC Universal 2: 2,49% (Módulo 1-Célula2) - PC Universal 1: 3,69% PC Universal 2: 3,36% (Módulo 2-Célula1) - PC Universal 1: 3,53% PC Universal 2: 3,19% (Módulo 2-Célula2) 15. Limitações do método: 15.1 Interferentes: Ligados à amostra: Icterícia: o ensaio não é afetado pela icterícia (bilirrubina até 60 mg/dl). Lipemia: o ensaio não é afetado pela lipemia (triglicerídios até 2700 mg/dl). Hemólise: o ensaio não é afetado pela hemólise (hemoglobina até 1,9 g/dl) Nos pacientes em tratamento com doses elevadas de biotina (> 5 mg/dia), as amostras só deverão ser colhidas após intervalo mínimo de 8h da última administração. Títulos extremamente elevados de anticorpos para estreptavidina e para rutênio podem causar interferência. Anticoagulante citrato de sódio fornece resultados 10% menores. Gravidez, contraceptivos com estrogênios dão origem a concentrações de cortisol elevadas. Em amostras de pacientes tratados com prednisona, prednisolona ou metilprednisolona, podem ser determinadas concentrações falsas elevadas de cortisol. O stress grave também pode dar origem a níveis elevados de cortisol. Ligados ao equipamento de automação: Aspiração de volumes inadequados de amostra ou reagentes. Antes da determinação, certifique-se que as amostras dos pacientes, os calibradores e os controles estejam à

6 POP n.º: B39 Página 6 de 7 temperatura ambiente (20-25 C). Devido a possíveis efeitos de evaporação, as amostras, os calibradores e os controles colocados no equipamento deverão ser analisados no prazo de duas horas. 16. Interpretação dos resultados: O Cortisol (Hidrocortisona) é o glicocorticosteróide mais proeminente, e é essencial para a manutenção de várias funções do organismo. À semelhança de outros glicocorticoesteróides, o cortisol é sintetizado a partir do precursor comum colesterol da zona fasciculada do córtex da supra-renal. Para o transporte do cortisol no sangue, cerca de 90% do cortisol liga-se à globulina ligante dos corticosteróides (CBG) e à albumina. Apenas uma pequena quantidade do cortisol circula não ligado no sangue, e está livre para interagir com os seus receptores. Os efeitos fisiológicos mais importantes do cortisol são o aumento dos níveis de glicose no sangue (aumento da gliconeogênese) e da sua ação antiinflamatória e imuno-supressora. A síntese e a secreção do cortisol pela supra-renal são controladas por um mecanismo de feedback negativo do eixo do córtex hipotálamo-hipófise-suprarenal. Se o nível do cortisol for baixo, o hormônio de liberação da corticotropina (CRH) é liberado pelo hipotálamo, o que faz com que a hipófise libere o hormônio adrenocorticotrópico (ACTH). Isto estimula a síntese e a secreção do cortisol pela supra-renal. O próprio cortisol atua num mecanismo de feedback negativo na hipófise e no hipotálamo. Além disso, o stress é seguido de um aumento da secreção de cortisol. As concentrações de cortisol no soro apresentam normalmente variações diurnas. As concentrações máximas são normalmente atingidas de manhã cedo e depois vão diminuindo durante o resto do dia até atingirem um nível noturno que é cerca da metade da concentração observada de manhã. Por isso, para a interpretação dos resultados, é importante saber a que horas foi feita a colheita da amostra de sangue. O nível do cortisol de um paciente é utilizado para o diagnóstico da função ou da disfunção da supra-renal, da hipófise e do hipotálamo. Assim, a concentraçãos sérica de cortisol é utilizada para monitorizar várias doenças caracterizadas pela hiperprodução (síndrome de Cushing) ou pela hipoprodução (doença de Addison) do cortisol. 17. Biossegurança: Usar equipamento de proteção individual (luvas, óculos etc.). Fazer a descontaminação de bancadas e equipamentos conforme as normas de segurança do laboratório. Vide Manual de biossegurança.

7 POP n.º: B39 Página 7 de Anexos: 18.1 Teste de Estímulo com ACTH (Teste da Cortrosina): Mnemônico: TCS Coleta de sangue basal, a coleta é realizada pelo setor de Medicina Nuclear. Administração por via endovenosa de 250 µg de ACTH (produto: Cortrosina). Coleta de sangue 30 e 60 minutos após a administração de ACTH (agendamento na Medicina Nuclear). Dosagem de : basal, 30 e 60 minutos. Obs: informar medicamentos em uso nos últimos 30 dias, em especial glicocorticóides. Interpretação: Considera-se uma resposta normal quando ocorre aumento mínimo de 50% em relação ao valor basal ou valores absolutos de cortisol acima de 18 µg/dl. É o principal teste diagnóstico para a insuficiência adrenal primária (doença de Addison). Nesta, a resposta ao teste está diminuída ou ausente. Adenomas e carcinomas de adrenal apresentam respostas variadas. Indivíduos com atrofia adrenal pelo uso crônico de corticosteróides ou por lesão hipofisiária de longa duração podem também não responder ao teste. Nos casos de doença de Cushing dependentes de ACTH há uma resposta exagerada Teste de Liberação do Cortisol* (Hipoglicemia Insulínica com dosagem de Cortisol): Mnemônico: TCI Coleta de sangue basal. Administração por via endovenosa de insulina 0,1 UI/Kg (0,15 a 0,2 UI/Kg se houver resistência insulínica). Coleta de sangue: 30, 60, 90 e 120 minutos após a administração de insulina. Dosagem de cortisol e glicemias basais, 30, 60, 90 e 120 minutos. Interpretação: É um teste utilizado na avaliação do ACTH hipofisiário. O Cortisol deve atingir um valor maior que µg/dl após hipoglicemia. Nos casos de doença de Cushing dependentes do ACTH há uma resposta exagerada. Adenomas e carcinomas de adrenal apresentam respostas variadas. Casos de doença de Addison apresentam respostas subnormais ou ausentes. (* Necessita acompanhamento médico) 18.3 Teste de Supressão Noturna com Dexametasona (Cortisol sob Supressão): Mnemônico: CSS Administração por via oral de dexametasona às 23h do dia anterior. No dia seguinte, coleta de sangue para coleta de Cortisol às 8h. Dose: adultos: 1 mg de dexametasona; crianças: 10 µg/kg de peso de dexametasona (máximo de 1 mg). Interpretação: É o principal teste de triagem para o diagnóstico da síndrome de Cushing. Indivíduos normais apresentam níveis de Cortisol abaixo de 5 µg/dl após a administração de dexametasona. 19. Bibliografia: Bula do kit Cortisol / E601 / Roche.

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano. POP n.º: B44 Página 1 de 6 1. Sinonímia:, HORMÔNIO LUTEINIZANTE. Mnemônico: 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B35 Página 1 de 6 1. Sinonímia: FOLATO Mnemônico: FOL 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do Ácido Fólico

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano. POP n.º: B07 Página 1 de 5 1. Sinonímia: CKMB, MB. Mnemônico: MB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro da atividade

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

4RUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA LACTATO SANGUE TOTAL/LCR

4RUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA LACTATO SANGUE TOTAL/LCR POP n.º: B31 Página 1 de 6 1. Sinonímia: ÁCIDO LÁCTICO, ÁCIDO LÁTICO. Mnemônico: LTQ (Lactato no LCR). O Lactato no sangue faz parte do menu da gasometria arterial ou venosa (não tem um mnemônico exclusivo).

Leia mais

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro POPE: B04 Página 1 de 7 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador para eletroforese capilar automatizada. 1.2 Modelo: Capillarys Flex Piercing / SEBIA. 1.3 Número de série: Equipamento 5: SN

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015 PT-LB-IM-1 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O vírus da imunodeficiência humana é o agente causador da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). A AIDS foi pela primeira vez descrita nos Estados

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-010 BILIRRUBINA TOTAL 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-010 BILIRRUBINA TOTAL 22/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO A bilirrubina é o produto da quebra da hemoglobina. Depois de formada pelo sistema reticuloendotelial, ela circula no sangue sob a forma não-conjugada ligada à albumina (bilirrubina indireta).

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo

Leia mais

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh.

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 2. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Grupo Sanguíneo,

Leia mais

1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c.

1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c. 1/5 1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c. 2. APLICAÇÃO CLÍNICA Hemoglobina Glicada, também abreviada como Hb A1c, é

Leia mais

Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii.

Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii. POP n.º: I 111 Página 1 de 8 1. Sinonímia Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii. 2. Aplicabilidade Bioquímicos do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS SBAC QUIMIOLUMINESCÊNCIA pg/ml 5,6 1,9 ACTH B-HCG CALCITONINA CORTISOL ESTRADIOL DPC MEDLAB / IMMULITE / SIEMENS pg/ml 6,5 2,4 TODOS OS PARTICIPANTES pg/ml 6,7 2,5 TODOS OS ANALISADORES pg/ml 5,6 2,1 ELISA

Leia mais

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC.

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. POP: H-05 Página 1 de 7 1. Sinonímia: Dosagem de hemoglobina. Mnemônico HB. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Útil no

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-023 CREATININA 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-023 CREATININA 22/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO A creatinina e a ureia são provas de função renal que avaliam o funcionamento dos rins. Rins e Coração funcionam de forma paralela, uma vez que o coração gera a propulsão sanguínea até

Leia mais

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml ScanGel ScanBrom 86445 12 ml BROMELINA PARA TESTE DE COMPATIBILIDADE IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos a um sistema de garantia de qualidade, desde

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 01/09/2009 DE ACORDO Renato de Lacerda Diretor Técnico 05/09/2009 APROVADO POR Jose Carlos Santos

Leia mais

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC.

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. POP: P-09 Página 1 de 6 1. Sinonímia: Pesquisa de sangue oculto nas fezes. Mnemônico SOF. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica:

Leia mais

Preparo para Exames Laboratoriais

Preparo para Exames Laboratoriais Preparo para Exames Laboratoriais Seção: Bioquímica 1) Dosagem de Colesterol 1.1) Dosagem de colesterol (sangue) :Dosagem de Colesterol Total 2.1) Permanecer em jejum, à exceção de água, durante 12 a 14

Leia mais

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O Trichomonas vaginalis é um parasita flagelado e é o agente causador da tricomoníase. Existe em apenas em uma única forma (trofozoíto), que é simultaneamente infecciosa

Leia mais

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para Utilizar no Diagnóstico In Vitro PI-TT.610-PT-V5 Informação sobre o produto

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE PROCESSAMENTO DE SANGUE Responsável(is): -Joana Batuca ELABORADO: -Joana Batuca APROVADO: Sérgio Dias 16-05-2014 Pag. 1/5 PROCESSAMENTO DE SANGUE ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. INFORMAÇÃO

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum, que possui a capacidade de invadir as mucosas inatas ou a pele em áreas de abrasão. O contato sexual

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos Aula 11 Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos As amostras com resultados reagentes, na etapa de triagem, devem ser submetidas à etapa complementar. Nessa etapa,

Leia mais

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit Instruções para o médico Para uso em diagnóstico in vitro. Exclusivamente para exportação dos EUA. Instruções 1. Pode ser útil pedir ao paciente que beba uma

Leia mais

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS O ensaio de endotoxinas bacterianas (EEB) é um ensaio para detectar ou quantificar endotoxinas de bactérias gram negativas usando um lisado de amebócitos de caranguejo

Leia mais

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo Material Necessário Seringa 5ml com agulha 25x7 Alcool 70% (iodado) Garrote Tubo vacuun EDTA ( tampa roxa ) microscópio lâminas para microscopia

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 140 Página 1 de 6 1. Sinonímia Detecção qualitativa do DNA bacteriano de Chlamydia trachomatis (CT) e Neisseria gonorrhoeae (NG) por PCR ( Polymerase Chain Reaction) em urina de homens e mulheres,

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

Órgão/Entidade : SECRETARIA DA SAUDE Unidade Licitação : FUNDO ESTADUAL DE SAUDE - HOSPITAL GERAL DO ESTADO. Preço Total: Preço Total: Preço Total:

Órgão/Entidade : SECRETARIA DA SAUDE Unidade Licitação : FUNDO ESTADUAL DE SAUDE - HOSPITAL GERAL DO ESTADO. Preço Total: Preço Total: Preço Total: Licitação : PP154/2014 Data e Hora da Entrega das Propostas: 03/10/2014-09:00 Grupo :027-Materiais e Equip. de Uso Hospitalar, Odontológico, Veterinário e de Laboratório Órgão/Entidade : SECRETARIA DA

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE DA HEMATOLOGIA 1. OBJETIVO

PLANO DA QUALIDADE DA HEMATOLOGIA 1. OBJETIVO 22/10/25 1/14 1. OBJETIVO Definir todas as rotinas executadas no setor da hematologia, como também as ações pertinentes ao Controle de Qualidade Interno e aos testes de Proficiência (Programas de Controle

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

Fator Anti-hemofílico A, Teste para Hemofilia A, Atividade do Fator VIII, Fator VIII Funcional, Globulina Anti-hemofílica. Mnemônico: F08.

Fator Anti-hemofílico A, Teste para Hemofilia A, Atividade do Fator VIII, Fator VIII Funcional, Globulina Anti-hemofílica. Mnemônico: F08. POP: H-27 Página 1 de 10 1. Sinonímia: Fator Anti-hemofílico A, Teste para Hemofilia A, Atividade do Fator VIII, Fator VIII Funcional, Globulina Anti-hemofílica. Mnemônico: F08. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos

Leia mais

DATA DE APROVAÇÃO: CONTROLE DE COPIA: PT-LB-MC-008 23/10/2015

DATA DE APROVAÇÃO: CONTROLE DE COPIA: PT-LB-MC-008 23/10/2015 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O método de semeadura e incubação do material de secreção uretral, vaginal e de urina de 1ª jato em ágar sangue é o método mais utilizado em laboratório clínico

Leia mais

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 Imuno-Hematologia Conceito: é o estudo relacionado com imunologia de grupos sanguíneos presentes nas hemácias, e imunologia de plaquetas e leucócitos. É

Leia mais

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS GLICOCORTICÓIDES - Hormônios esteroidais: Hormônios sexuais e Hormônios do Córtex da Adrenal. - Hormônios do Córtex da Adrenal: o Adrenocorticosteróides [glicocorticóides e (cortisol) e Mineralocorticóides

Leia mais

Preparo para Exames Laboratoriais

Preparo para Exames Laboratoriais Preparo para Exames Laboratoriais Seção: Hormônios 1) Vitamina B12 1.1) Dosagem de Vitamina B12 1.2) Sinonímia: Dosagem de B12 Não ingerir álcool 24h antes do exame. Paciente não deve fazer uso de antagonistas

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU Pré- requisitos: - Perfil de acesso do funcionário - Cadastro do funcionário na farmácia que poderá ocorrer a dispensação. - Cadastro das unidades de internação.

Leia mais

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo Página 1 de 6 Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo 1- Objetivo Verificar a confiabilidade de medição da concentração de Flúor pelo método ISE 2- Aplicação Aplicável aos equipamentos

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

Protocolos de Aplicação

Protocolos de Aplicação Protocolos de Aplicação IN VITRO Diagnóstica MEGA Rua Cromita 278 - Distrito Industrial - Itabira - MG Telefax: 31 3834-6400 e.mail: dsa@invitro.com.br ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO Cat: 10687 Volume: 100 ml

Leia mais

7900003 24 Tests Circulating Tumor Cell Control Kit

7900003 24 Tests Circulating Tumor Cell Control Kit 7900003 24 Tests Circulating Tumor Cell Control Kit 1 UTILIZAÇÃO Para diagnóstico In Vitro O CELLSEARCH Circulating Tumor Cell Control Kit destina-se a ser utilizado como um controlo de ensaio para garantir

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Sorologia

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Sorologia Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Rita de Cássia Azevedo Martins Especialista em Regulação e Vigilância

Leia mais

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS AEQ-FUNED 1. INTRODUÇÃO Ensaio de proficiência avalia o desempenho de um laboratório, comparando-o com os de mesma

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

GLICÉMIA E GLICOSÚRIA

GLICÉMIA E GLICOSÚRIA GLICÉMIA E GLICOSÚRIA A glucose é o principal açúcar existente no sangue, que serve como "fonte de energia" aos tecidos. A glicémia é a taxa de glucose existente no sangue, e o seu nível é em geral mantido

Leia mais

Controle de Qualidade de Laboratório

Controle de Qualidade de Laboratório Controle de Qualidade de Laboratório de Ensaio Aliado à Tecnologia Paulo Henrique Muller Sary Diretor Técnico SaaS Ambiental Porto Alegre, 25 de julho de 2014. Garantia da Qualidade O programa de garantia

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - A Importância de se padronizar tarefas nas BPLC Por Renato Lima Duarte

Procedimento Operacional Padrão - A Importância de se padronizar tarefas nas BPLC Por Renato Lima Duarte Introdução à Qualidade: Curso de BPLC Rio Branco-AC/2005 Procedimento Operacional Padrão - A Importância de se padronizar tarefas nas BPLC Por Renato Lima Duarte Qualidade, Qualidade, Qualidade... Nunca

Leia mais

CATÁLOGO DE MATERIAIS DE LABORATÓRIO - HEMATOLOGIA

CATÁLOGO DE MATERIAIS DE LABORATÓRIO - HEMATOLOGIA CATÁLOGO DE MATERIAIS DE LABORATÓRIO - HEMATOLOGIA Descrição Simplificada Azul de cresil brilhante em solução Câmara de Fuchs-Rosenthal Câmara de Neubauer Conjunto de mangueiras para o equipamento Hematek

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FEMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO EM HEMATOLOGIA SYSMEX XT 4000i

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FEMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO EM HEMATOLOGIA SYSMEX XT 4000i POPE n.º: H 01 Página 1 de 6 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador Hematológico Automatizado Sysmex 1.2 Modelo: XT 4000i 1.3 Número de série: 12780 1.4 Número de patrimônio: Não se aplica

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico.

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. PERFIL HEPATITE Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. TLA - Total Lab Automation Agilidade e Confiança TAT (Turn Around Time) de produção de 2 horas. Quatro linhas de produção totalmente

Leia mais

Coleta de material biológico

Coleta de material biológico Coleta de material biológico Coleta de Material Biológico Este manual provê informações para todos os profissionais envolvidos com a coleta de sangue, dando orientações que possam minimizar as dificuldades,

Leia mais

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA

Leia mais

ADRENAL subdivisões da glândula adrenal

ADRENAL subdivisões da glândula adrenal Função adrenal ADRENAL A glândula adrenal é uma glândula endócrina (secreta hormonas na corrente sanguínea, as quais são mensageiros químicos dentro do corpo) localizada na superfície anterior do rim.

Leia mais

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar 1- Resumo O desequilíbrio das funções normais da hemostasia sangüínea resulta clinicamente em trombose

Leia mais

Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA

Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA ao alcance do seu laboratório A Labtest, maior indústria brasileira de diagnósticos in vitro, traz mais uma inovação para o mercado.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO Marina

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE

REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE Fabricante da tira:...lote:... Amostra-controle:...Lote:... Freqüência: Diária Semanal Mensal Por lote CRITÉRIOS DE ACEITABILIDADE Limites

Leia mais

GLUCO CALEA. Seguro e preciso MEDIDOR DE GLICOSE NO SANGUE PARA WELLIONVET GLUCO CALEA

GLUCO CALEA. Seguro e preciso MEDIDOR DE GLICOSE NO SANGUE PARA WELLIONVET GLUCO CALEA MEDIDOR DE GLICOSE NO SANGUE PARA WELLIONVET Seguro e preciso Esforçámo-nos para tornar a vida mais fácil para pacientes e parceiros. Através de idéias inovadoras, aconselhamento e serviço. Werner Trenker,

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE: CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO E EXTERNO

MONITORAMENTO DA QUALIDADE: CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO E EXTERNO MONITORAMENTO DA QUALIDADE: CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO E EXTERNO Dra. Patrícia Regina Araújo Laboratório de Sorologia Associação beneficente de Coleta de Sangue-COLSAN Controle da Qualidade Toda ação

Leia mais

Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais

Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais Sistema Accu-Chek Inform II Controle em tempo real Leitor de código de barras integrado Leitura avançado do código de barras com confirmação

Leia mais

O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015

O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015 O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015 Testes Rápidos Diagnóstico de HIV Deverão ser solicitados para uso na Campanha com antecedência; O GVE deverá propor um fluxo de entrega dos kits

Leia mais

FRAÇÕES DO PSA IMUNO-DETERMINÁVEIS:

FRAÇÕES DO PSA IMUNO-DETERMINÁVEIS: PSA - LIVRE E TOTAL PSA - COMPLEXADO CBHPM 4.07.12.14-1 AMB 28.06.251-5/99 CBHPM 4.07.12.15-0 Sinonímia: tpsa. PSA total. PSA EQM. PSA Equimolar. PSA total imunologicamente detectável. fpsa. PSA livre.

Leia mais

INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA

INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA A principal finalidade da investigação de acidentes e / ou das reações adversas relacionados aos produtos de saúde, em especial no caso da Tecnovigilância, os equipamentos,

Leia mais

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes?

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes? Quais são os sintomas? Muita sede, muita fome, muita urina, desânimo e perda de peso. Esses sintomas podem ser observados antes do diagnóstico ou quando o controle glicêmico está inadequado. O aluno com

Leia mais