MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS"

Transcrição

1 MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS 1

2 MEMÓRIA DESCRITIVA Legenda: 1 Introdução 2 Descrição dos Arranjos Exteriores 3 Requalificação do Espaço de Estacionamento 4 Reperfilamento e Requalificação de arruamento Viário 5 Criação de Percurso Pedonal de Fruição Ribeirinha 6 Tratamento Paisagístico 7 Sinalética 8 Notas finais 2

3 1. INTRODUÇÃO A área de intervenção designada por Arranjos Exteriores do Centro de Incubação da Base Tecnológica do Minho (adiante designado por CIBTM) abrange uma área envolvente delimitada am planta anexa, em Arcos de Valdevez. Imagem da relação entre o CIBTM e a área de estacionamento anexa 3

4 Do ponto de vista urbanístico toda esta área está afecta à classificação de área para equipamentos, pelo que a acção é compatível com os instrumentos eficazes em vigor ( PDM e PU da sede do concelho). Em termos de objectivos esta intervenção visa criar condições operacionais adequadas e uma requalificação da envolvência urbana (1) e, num outro conjunto de acções, proceder a um upgrade físico (2). As acções relativas aos arranjos exteriores (1) abrangem a reconfiguração e requalificação do arruamento principal que serve o equipamento, bem como a requalificação arquitectónica do espaço que serve de estacionamento de apoio e o tratamento paisagístico da envolvente um upgrade físico. Abrangem ainda a criação de sinalética de acesso e identificação exterior do CIBTM. O outro grupo de acções (2) tem a ver com instalação de um sistema de produção de energia eléctrica a partir de painéis fotovoltaicos a instalar em estrutura preparada para o efeito, com a instalação de um sistema de videovigilância e control de intrusão e ainda com a instalação de rede de fibra óptica no edifício. 2. DESCRIÇÃO DOS ARRANJOS EXTERIORES Em termos específicos, ao nível dos arranjos exteriores prevêem-se as seguintes acções: a) Requalificação dos espaços de estacionamento; b) Reperfilamento e requalificação do arruamento viário principal; c) Criação de percursos de fruição pedonal ribeirinha; d) Tratamento paisagístico. Cada uma destas acções está individualizada e traduzida em projecto. 4

5 3. REQUALIFICAÇÃO DO ESPAÇO DE ESTACIONAMENTO O espaço actual de estacionamento apresenta-se como um local degradado e pouco operacional. O pavimento tem ondulações superficiais que decorrem previsivelmente da inconsistência do sub-solo (antigo aterro e depósito de lixos) e da deficiente drenagem. As imagens seguintes mostram o local no seu estado actual. Imagens do espaço da feira A cada 15 dias, este espaço é também usado para feira, pelo que a proposta compatibiliza a manutenção do número de lugares necessários a esta utilização complementa, sem prejudicar o objectivo principla de garantir uma área de estacionamento automóvel de apoio. No total teremos 320 lugares normais e 22 lugares para veículos prioritários, articulados ou outros de maiores dimensões. Assim, o lugar base de estacionamento fica com 2,5 m de largura com 5 m de comprimento, assente numa via de 5 m de largura. Os lugares para veículos especiais passam a ter 3 m de largura e 10 m de comprimento. 5

6 4. REPERFILAMENTO E REQUALIFICAÇÃO DE ARRUAMENTO VIÁRIO O arruamento actual foi não possui as características necessárias para garantir uma acessibilidade conveniente ao CIEBTM a partir da EN 101 e da EN 202. Nesse sentido impõe-se a sua requalificação, que implica uma reconstrução quase integral de um novo piso de circulação e de passeios onde não existem. Mostra-se o exemplo do arruamento que confina com o CIEBTM a poente, que ainda não possui passeio do lado poente. Neste caso, impede-se o estacionamento lateral ao longo da via, ficando relegado para áreas próprias definidas em planta. À face do edifício apenas se admite a paragem para cargas e descargas nas entradas directas dos armazéns do CIBTM. 6

7 A parte mais alterada será a zona onde se faz a ligação à EN 202, garantindo boas condições de operacionalidade neste entroncamento. 5. CRIAÇÃO DE PERCURSO PEDONAL DE FRUIÇÃO RIBEIRINHA No âmbito do projecto propõe-se a construção de um percurso de fruição pedonal, ao longo da área de intervenção e que dará continuidade aos percursos desse tipo já construídos a montante e que permite melhorar as condições de enquadramento paisagístico do edifício e da sua relação com o Rio Vez. 7

8 Uma parte desse percurso, ao longo da margem correspondente ao parque de estacionamento será em passadiço sobrelevado em madeira palafitado, de forma a não interferir com a vegetação existente e com a galeria ripícola, incluindo as árvores de bordadura. Passadiço já construído a montante Caminho existente a reconfigurar em passeio público A outra parte, a jusante desta, será mantida num pavimento rígido no solo, permeável, até ao limite da área de intervenção, junto à localização prevista para o novo atravessamento previsto sobre o Vez. 6. TRATAMENTO PAISAGÍSTICO A envolvente privada e pública adjacente é muito pouco condicente com a importância do novo equipamento. Falta concluir a bolsa de estacionamento privada, proceder a demolições de edificações existentes nesse perímetro e promover a requalificação paisagística das áreas próprias e residuais envolventes. A construção existente será demolida para permitir o tratamento integral de toda a área de logradouro e dar saída ao parque de estacionamento privativo. 8

9 O parque de estacionamento tardoz (privativo) irá ter continuidade e ligação ao parque de estacionamento público, com um sistema de controle de acessos. A continuidade física será promovida no local identificado na fotografia inferior. imagem actual do parque privativo extracto da planta da proposta O projecto propõe ainda o tratamento paisagístico de todas as áreas naturais residuais envolventes. Dentro destas releva-se uma área em talude, adjacente à antiga EN 202, que será ampliada como espaço natural, aproveitando a deslocalização do local de entrosamento do actual arruamento de serventia do CIEBTM.O seu tratamento paisagístico a modelação do talude, a criação de uma escada de ligação transversal e a minimização do impacto visual do PT e de outras construções existentes no local. 9

10 No grande recinto de estacionamento público propõe-se a remoção das árvores existentes no espaço do actual estacionamento público e a sua transladação para novos alinhamentos. No geral, pretende-se obter um tratamento de todos os espaços naturais de forma a valorizar e qualificar paisagística e ambientalmente todo o conjunto de equipamentos instalados e a própria frente ribeirinha. A arborização de bordadura do plano de água em articulação com estas bolsas naturalizadas e tratadas, criam uma estrutura verde contínua e proporcionarão condições aprazíveis de fruição. Nesse sentido, tendo em atenção a considerável população flutuante que usa os equipamentos recentemente construídos, e a polarização que resulta periodicamente da própria feira quinzenal, acredita-se que estes espaços irão seguramente ser muito procurados. 7. SINALÉTICA Por imperativo funcional de apoio aos utilizadores do CIEBTM, importa configurar uma sinalética informativa e de orientação funcional capaz de disciplinar os acessos e as demandas. Nesse sentido, propõe-se uma sinalética que identifique desde logo o próprio edifício do CIBTM, na fachada voltada ao parque de estacionamento, com um lettering de grandes dimensões na fachada: Centro de Incubação da Base Tecnológica do Minho e um grupo de 3 bandeiras para anúncio de acções a desenvolver. Complementarmente prevê-se a criação de placas individuais que identifique as várias empresas e locais de recepção acoplados às fachadas do edifício. 10

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

DISPONIBILIZAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO NA INTERNET. Investimento Elegível: 52.031,42 Comparticipação FEDER: 31.

DISPONIBILIZAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO NA INTERNET. Investimento Elegível: 52.031,42 Comparticipação FEDER: 31. DISPONIBILIZAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO NA INTERNET Tipologia 01.0526 Sistema de Apoio à Modernização Administrativa Beneficiário: Globalgarve, Cooperação e desenvolvimento,

Leia mais

PROPOSTA # 7 CICLOVIA DO CARREGADO AO TEJO

PROPOSTA # 7 CICLOVIA DO CARREGADO AO TEJO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE ALENQUER ǀ OPA 2015 CICLOVIA DO CARREGADO AO TEJO Divisão de Obras Municipais Departamento Operativo 1 DESCRIÇÃO DA PROPOSTA 2 FOTOGRAFIA AÉREA / PLANTA DE LOCALIZAÇÃO Com esta

Leia mais

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003 GAPTEC Departamento de Planeamento Estratégico Divisão do Plano Director Municipal Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas Maio 2003 Relatório Final Volume II EQUIPA Coordenadores

Leia mais

Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente

Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente I. Situação actual e características do ambiente Planta: Área de intervenção

Leia mais

BAIRRO DA PALMEIRA. Dossier de imprensa 2.ª FASE DA REABILITAÇÃO. Continuar a investir nas pessoas IHM INVESTIMENTOS HABITACIONAIS DA MADEIRA, EPERAM

BAIRRO DA PALMEIRA. Dossier de imprensa 2.ª FASE DA REABILITAÇÃO. Continuar a investir nas pessoas IHM INVESTIMENTOS HABITACIONAIS DA MADEIRA, EPERAM Dossier de imprensa CARACTERIZAÇÃO O Bairro da Palmeira, construído no início da década de 80 para resolver situações de gravíssima carência habitacional de famílias do centro de Câmara de Lobos, sobretudo

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA)

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) CAPÍTULO l Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito territorial e regime 1. O Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque)

Leia mais

DIVISÃO DE OBRAS; PLANEAMENTO E URBANISMO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LICENCIAMENTO

DIVISÃO DE OBRAS; PLANEAMENTO E URBANISMO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LICENCIAMENTO DIVISÃO DE OBRAS; PLANEAMENTO E URBANISMO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LICENCIAMENTO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO URBANO Parque de Exposições do Recinto da Feira de Alpiarça 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO

Leia mais

O Programa de Acção Territorial do Escarpão

O Programa de Acção Territorial do Escarpão O Programa de Acção Territorial do Escarpão João Telha CEDRU - Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano, Lda Seminário Indústria Extractiva Ordenamento Territorial e Licenciamento de Pedreiras

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ 4 DE OUTUBRO DE 2011. AVEIRO EQUIPA: Câmara Municipal de Aveiro

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DA PONTE DA VÁRZEA

PLANO DE INTERVENÇÃO DA PONTE DA VÁRZEA PLANO DE INTERVENÇÃO DA PONTE DA VÁRZEA 1 A Junta de Freguesia de Labruja, tendo definido como uma das suas prioridades para este mandato, a requalificação de toda a área da Ponte da Várzea, junto às margens

Leia mais

0327.PJ13.05.LU.EP08_CE_1

0327.PJ13.05.LU.EP08_CE_1 PLANO DE PORMENOR DA ZONA INDUSTRIAL DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA PROPOSTA DO PLANO VERSÃO ELEMENTOS QUE CONSTITUEM O PLANO VOLUME 1 037.PJ13.0.LU.EP08_CE_1 MOD PJ 0 E01 INDICE Peças Escritas: Regulamento

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE

PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE ÁGUEDA: A INDÚSTRIA E A CIDADE AO SERVIÇO DA INOVAÇÃO

Leia mais

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Breve descrição do projecto Constituem-se como objectivos estratégicos do projecto do Terminal de Cruzeiros

Leia mais

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito e aplicação Para efeitos de uso do solo e de licenciamento de quaisquer obras de

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO Novembro 2011 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º Objectivo e Âmbito Territorial... 3 Artigo 2.º Relação com Outros Instrumentos de Gestão

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

CAMPO DE FUTEBOL DE SETE - RELVADO SINTÉTICO REGENERAÇÃO URBANA DA ENVOLVENTE SUL DAS PISCINAS MUNICIPAIS

CAMPO DE FUTEBOL DE SETE - RELVADO SINTÉTICO REGENERAÇÃO URBANA DA ENVOLVENTE SUL DAS PISCINAS MUNICIPAIS CAMPO DE FUTEBOL DE SETE - RELVADO SINTÉTICO REGENERAÇÃO URBANA DA ENVOLVENTE SUL DAS PISCINAS MUNICIPAIS PROJETO EXECUÇÃO J U N H O 2 0 1 4 CAMPO DE FUTEBOL DE SETE - RELVADO SINTÉTICO REGENERAÇÃO URBANA

Leia mais

Destaque ARQUITECTURA

Destaque ARQUITECTURA ARQUITECTURA ARQUITECTURA Edificio Bloom Space for Business Localização Este edifício situa-se na Rua de Campolide em Lisboa. Com sua localização privilegiada sobre o Parque do Monsanto, coração verde

Leia mais

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO SÍNTESE METODOLÓGICA Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO

Leia mais

RECLAMAÇÃO1: Queremos o fim da revisão do PDM e sua aplicação imediata!

RECLAMAÇÃO1: Queremos o fim da revisão do PDM e sua aplicação imediata! Alertas, reivindicações e sugestões sobre questões ambientais, culturais, de mobilidade, patrimoniais e urbanísticas para 2008-2009 RECLAMAÇÃO1: Queremos o fim da revisão do PDM e sua aplicação imediata!

Leia mais

Técnicas de Demolições. Construções Antigas. Construções com Estrutura de Betão Armado

Técnicas de Demolições. Construções Antigas. Construções com Estrutura de Betão Armado UNIVERSIDADE DO ALGARVE INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 4 Demolições de Edifícios Técnicas de Demolições Construções Antigas Construções com Estrutura de Betão Armado 1 Construções

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

What We re Doing For Cycling no município do Seixal

What We re Doing For Cycling no município do Seixal What We re Doing For Cycling no município do Seixal SEIXAL Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados e estudantes 47 800 ficam no concelho (50%) Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados

Leia mais

1474 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 63 16-3-1999

1474 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 63 16-3-1999 1474 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 63 16-3-1999 Resolução do Conselho de Ministros n. o 18/99 A Assembleia Municipal de Santarém aprovou, em 26 de Junho de 1998, o Plano de Pormenor do Troço Norte

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Lisboa. predominante. Constituem áreas de enquadramento e valorização dos núcleos históricos edificados. Tipologia dominante dos edifícios.

Lisboa. predominante. Constituem áreas de enquadramento e valorização dos núcleos históricos edificados. Tipologia dominante dos edifícios. Classes Subclasses Categorias Subcategoria Espaço urbano Históricas Áreas históricas habitacionais Consolidadas De estruturação De reconversão Espaços urbanos cujas características morfológicas, arquitectónicas

Leia mais

VOLUME I SUMÁRIO EXECUTIVO

VOLUME I SUMÁRIO EXECUTIVO i DE EXE RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO DA CONSTRUÇÃO CENTRO COMERCIAL DO JUMBO DE SINTRA VOLUME I SUMÁRIO EXECUTIVO MAIO 2014 RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO

Leia mais

PROJECTO DE INFRAESTRUTURAS PARA TELECOMUNICAÇÕES

PROJECTO DE INFRAESTRUTURAS PARA TELECOMUNICAÇÕES OBRA: REDE VIÁRIA FAQUÊLO ARCOS (S. PAIO) PROJECTO DE INFRAESTRUTURAS PARA TELECOMUNICAÇÕES CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS EIXO 2 AMBIENTE E ESPAÇO PÚBLICO OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS Intervenção de ordenamento e requalificação do centro da vida social do bairro, criando condições para o seu desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CONCELHO DE CAMINHA

REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CONCELHO DE CAMINHA CÂMARA MUNICIPAL DE CAMINHA REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA DO CONCELHO DE CAMINHA 1992 1 REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO Cargo/Carreira/Categoria Atribuições/Competências/Actividades UNIDADE DE AMBIENTE, SERVIÇOS URBANOS, INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS

Leia mais

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS ÍNDICE CAPITULO I DISPOSIÇÕES COMUNS ART. 1º ÂMBITO DE APLICAÇÃO 6 SESSÃO I LOTEAMENTOS, OBRAS DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO ART. 2º

Leia mais

Medidas correctivas da erosão superficial reestruturação e requalificação das ilhas barreira e espaços terrestres contíguos

Medidas correctivas da erosão superficial reestruturação e requalificação das ilhas barreira e espaços terrestres contíguos ITERVEÇÃO DE REQUALIF ICAÇÃO E VALOR IZAÇÃO DA RIA FORMOSA PLAO ESTRATÉGICO AEXO II PLAO DE ITERVEÇÃO FICHAS DE EIXO 1 DESIGAÇÃO DE PROTECÇÃO E REQUALIFICAÇÃO DA ZOA COSTEIRA VISADO A PREVEÇÃO DE RISCO

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

POSTO TERRITORIAL DA G.N.R. RESENDE

POSTO TERRITORIAL DA G.N.R. RESENDE D.G.I.E.- DIRECÇÃO GERAL DE INFRA- ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS POSTO TERRITORIAL DA G.N.R. RESENDE VOLUME 1 - ARQUITECTURA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA PROJECTO DE EXECUÇÃO - ARQ. PAISAGISTA (Imagem)

Leia mais

Melhoramento dos Arruamentos do Centro Antigo. Tratamento e Valorização da Frente Urbana Poente

Melhoramento dos Arruamentos do Centro Antigo. Tratamento e Valorização da Frente Urbana Poente PROALGARVE Eixxo 2 Acções Inttegrradas I de Base Terrrri ittorri iall Medida 2 Acção Inttegrrada I de Qualiffi icação e Competti itti ividade das Cidades Componentte Terrrri ittorri iall Melhoramento dos

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

Disposições de Natureza Administrativa

Disposições de Natureza Administrativa PLANO DE PORMENOR DO POÇO QUENTE EM VIZELA REGULAMENTO (Alteração em Outubro de 2013) Capítulo I Disposições de Natureza Administrativa Artigo 1º Objecto O Plano de Pormenor do Poço Quente, adiante designado

Leia mais

Execução Anual do Plano Plurianual de Investimentos

Execução Anual do Plano Plurianual de Investimentos do Plano Plurianual de Investimentos 01 FUNÇÕES GERAIS 01 001 Administração geral 01 001 2007/3 Instalações municipais de Vale Pedras de Ano Anos seguintes Anos Anteriores Ano 01 001 2007/3 3 Construção

Leia mais

Hotel 4 estrelas + Moradias em Malanje -Estudo Prévio

Hotel 4 estrelas + Moradias em Malanje -Estudo Prévio Tendo como base o programa fornecido, o presente estudo tem como objectivo dar a conhecer as intenções da nossa proposta para a elaboração do projecto para um Hotel 4 estrelas, mais moradias em Malanje

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS I SISTEMAS EM RUPTURA?... Urbano: fragmentado, densidades extremadas Natural: pressão, desarmonia, descontinuidade Residencial: dormitório unifamiliar ou massivo Económico:

Leia mais

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia USOS PARA AS PONTUAÇÕES DE NÍVEL 4 / ESTADIAS Nº Concelho Km 0 VR 00+000 1 VR 00+370 2 VR 00+773 3 VR 02+256 4 VR 04+018 5 VR 04+893 Uso proposto (segundo requisitos Observações para a pontuação 4) com

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LISBOA TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º (Objectivo e Âmbito)

REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LISBOA TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º (Objectivo e Âmbito) REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LISBOA TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Objectivo e Âmbito) 1. O Plano Director Municipal (P.D.M.) de Lisboa, tem por objectivo estabelecer as regras a

Leia mais

requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa.

requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa. AIRES MATEUS E ASSOCIADOS RUA SILVA CARVALHO, 193, 1250-250 LISBOA TEL 21 381 56 50 35/79 requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa. O edifício

Leia mais

Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro

Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime jurídico da urbanização e da edificação, estipula nos n. os 1 e 2 do artigo 43.º que os projectos

Leia mais

ELDUK ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO LOTEAMENTO DO NORTE CENTER

ELDUK ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO LOTEAMENTO DO NORTE CENTER ecoserviços ELDUK Compra e Venda de Imóveis, Lda. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO LOTEAMENTO DO NORTE CENTER FASE DE ESTUDO PRÉVIO RESUMO NÃO TÉCNICO SETEMBRO 2014 ELDUK COMPRA E VENDA DE IMÓVEIS, LDA.

Leia mais

2/16. 1. Memória Descritiva. 1.1. Introdução

2/16. 1. Memória Descritiva. 1.1. Introdução 1. Memória Descritiva 1.1. Introdução Tendo em conta o Estudo Prévio executado pelo Arquitecto Paisagista João Ceregeiro em Março 2003, e os esboços do Arquitecto Paisagista Álvaro Manso realizados em

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) O plano plurianual de investimentos para 2009 tem subjacente um planeamento financeiro que perspectiva a execução dos

Leia mais

REQUALIFICAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DE S.MARTINHO DE MOUROS RESENDE

REQUALIFICAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DE S.MARTINHO DE MOUROS RESENDE MEMÓRIA DESCRITIVA REQUALIFICAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DE S.MARTINHO DE MOUROS RESENDE PROJECTO DE EXECUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A presente Memória é parte integrante do Projecto de Requalificação Urbana

Leia mais

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas.

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas. 1. Conectividade Em que medida o ambiente urbano/pedonal dispõe de uma rede integrada que permite conectar origens e destinos, que passa, por exemplo, pela existência e continuidade de uma infra-estrutura

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINES Plano de Pormenor da Cidade Desportiva. Proposta de Plano. Regulamento

CÂMARA MUNICIPAL DE SINES Plano de Pormenor da Cidade Desportiva. Proposta de Plano. Regulamento CÂMARA MUNICIPAL DE SINES Plano de Pormenor da Cidade Desportiva Proposta de Plano Regulamento Novembro de 2011 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 ARTIGO 1º OBJECTIVO E ÂMBITO 2 ARTIGO 2º RELAÇÃO COM OUTROS

Leia mais

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 150/2001 A Assembleia Municipal de Santarém aprovou em 20

Leia mais

Plano PluriAnual de Investimentos do ano 2014

Plano PluriAnual de Investimentos do ano 2014 Plano PluriAnual Investimentos do ano (b)=+ finido não finido previsto +++ 1 FUNÇÕES GERAIS 1 001 ADMINISTRAÇÃO GERAL 1 001 2002/2 Aquisição mobiliário 0102 070109 O 01 01/2002 12/ 4 17.288 1 001 2002/3

Leia mais

Área de Reabilitação Urbana de Vila Nova de Cerveira. Proposta de Delimitação

Área de Reabilitação Urbana de Vila Nova de Cerveira. Proposta de Delimitação Área de Reabilitação Urbana de Vila Nova de Cerveira Proposta de Delimitação Fevereiro de 2015 Índice Introdução... 2 Memória Descritiva e Justificativa... 4 Critérios Subjacentes à delimitação da ARU...

Leia mais

1 Polis Litoral Ria Formosa 2 Intervenções Concluídas 3 Intervenções em Curso 4 Planos em Curso 5 Projectos em Curso. Março de 2011 1 35

1 Polis Litoral Ria Formosa 2 Intervenções Concluídas 3 Intervenções em Curso 4 Planos em Curso 5 Projectos em Curso. Março de 2011 1 35 1 Polis Litoral Ria Formosa 2 Intervenções Concluídas 3 Intervenções em Curso 4 Planos em Curso 5 Projectos em Curso Março de 2011 1 35 1 Polis Litoral Ria Formosa Março de 2011 2 35 1 Polis Litoral Ria

Leia mais

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Luís Matas de Sousa Director do Projecto de Requalificação Urbana da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Área

Leia mais

1. REGULAMENTO DO PLANO CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE MAYER, JARDIM BOTÂNICO E ZONA ENVOLVENTE

1. REGULAMENTO DO PLANO CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE MAYER, JARDIM BOTÂNICO E ZONA ENVOLVENTE AIRES MATEUS E ASSOCIADOS RUA SILVA CARVALHO, 193, 1250-250 LISBOA TEL 21 381 56 50 1/20 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO URBANO PLANO DE

Leia mais

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196. 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.916,00 1 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E DO 1º CICLO 116.500,00 93.625,00 100.574,00 103.487,00 1 Apoios e subsídios CM 13 18 5 05-06-02-03-99 1.000,00 1.030,00 2.122,00

Leia mais

PARTE H TÍTULO I. 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008. Disposições Gerais CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA

PARTE H TÍTULO I. 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008. Disposições Gerais CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008 PARTE H CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA Aviso n.º 24658/2008 João Agostinho Pinto Pereira, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO Regulamento n.º S/N.º Data de Publicação em D.R. 2.ª Série, n.º 198: a 12/10/2012 (Aviso n.º 13640/2012). Aprovado em Assembleia

Leia mais

Orientações para a identificação de necessidades de acessibilidade Espaço público

Orientações para a identificação de necessidades de acessibilidade Espaço público OBJECTIVO DO DOCUMENTO Informar acerca dos elementos-chave a ter em consideração na avaliação das barreiras à acessibilidade numa casa e espaços comuns. No caso da intervenção é crítico o envolvimento

Leia mais

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA Mestrado em Geografia, Esp. em Urbanização e Ordenamento do Território O planeamento urbano e o ordenamento territorial estratégico: O papel das politicas de

Leia mais

QUINTA DE VALE DO FREIXO

QUINTA DE VALE DO FREIXO Área de Reabilitação Urbana QUINTA DE VALE DO FREIXO Freguesia de Peral Município do Cadaval Divisão de Urbanismo e Ordenamento do Território 2014 Introdução: Pretende a Câmara Municipal do Cadaval proceder

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Construção do Campo Polivalente do Clube da Cruz de Cristo Coselhas 2. LOCALIZAÇÃO Coselhas Freguesia de Santo António dos Olivais 3. SCRIÇÃO GERAL

Leia mais

Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas. (alteração) Artigo 1.º

Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas. (alteração) Artigo 1.º Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas (alteração) Artigo 1.º 1 [...]. 2 [...]. 4 Os limites da ADT da UNOR 4 estão definidos na planta de implantação à escala

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

REQUALIFICAÇÃO DA PAMPILHOSA BAIXA ESTUDO PRÉVIO JUNHO 2011 DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANÍSTICO CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA

REQUALIFICAÇÃO DA PAMPILHOSA BAIXA ESTUDO PRÉVIO JUNHO 2011 DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANÍSTICO CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA ESTUDO PRÉVIO JUNHO 2011 DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANÍSTICO CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA FICHA TÉCNICA: Rute Sousa Peças Gráficas: Nuno Duarte - 2 - INDICE I. INTRODUÇÃO... 4 II. CARACTERIZAÇÃO... 6 A1.

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

DEFESA E CONSERVAÇÃO DAS ESPÉCIES VEGETAIS E DOS ESPAÇOS VERDES. Índice

DEFESA E CONSERVAÇÃO DAS ESPÉCIES VEGETAIS E DOS ESPAÇOS VERDES. Índice Índice Capítulo I - Disposições Gerais... Capítulo II - Bens Sob Jurisdição do Município... Capítulo III - Bens Protegidos de Particulares... Capítulo IV - Sanções... Capítulo V - Disposições Finais...

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃODE RUÍDO DA PÓVOA DE VARZIM

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃODE RUÍDO DA PÓVOA DE VARZIM PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃODE RUÍDO DA PÓVOA DE VARZIM Equipa Técnica: Luís Conde Santos, Director Técnico Márcia Melro, Técnica Superior RUA ENG. FREDERICO ULRICH, 1583, 1º ESQ., 4475-130 MAIA * TEL: 22

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Plano de Ordenamento da Albufeira do ERMAL

Plano de Ordenamento da Albufeira do ERMAL www.dhv.pt Plano de Ordenamento da Albufeira do ERMAL Relatório Maio 2010 E17109 Fase 3 Volume III Programa de Execução DHV, S.A. Estrada de Alfragide, nº 92 Alfragide 2610-015 Amadora - PORTUGAL T +351

Leia mais

E N T I D A D E EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS ANO CONTABILÍSTICO 2008 MUNICIPIO DE REDONDO. Pagina : 1

E N T I D A D E EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS ANO CONTABILÍSTICO 2008 MUNICIPIO DE REDONDO. Pagina : 1 Pagina : 1 1. Funções gerais 610.500,00 610.500,00 334.850,49 334.850,49 54.85 54.85 1.1. Serviços gerais de administração pública 525.500,00 525.500,00 334.640,59 334.640,59 63.68 63.68 1.1.1. Administracao

Leia mais

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras Artº 1º Do licenciamento 1. A ocupação ou utilização de vias ou locais públicos com quaisquer materiais, objectos, equipamentos

Leia mais

Município de Estarreja 1

Município de Estarreja 1 Apreciação de pedidos I 0 0 0 0 I 1 0 0 0 I 1.1 0 0 0 I 1.1 a) 0 0 I 1.1 b) 0 0 I 1.2 0 0 0 I 2 0 0 0 I 2.1 0 0 0 I 2.2 0 0 0 I 3 0 0 0 I 3.1 0 0 0 I 3.2 0 0 0 I 3.3 0 0 0 Informação Prévia Loteamentos

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA HERDADE DO PINHAL

PLANO DE PORMENOR DA HERDADE DO PINHAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCÁCER DO SAL PLANO DE PORMENOR DA HERDADE DO PINHAL REGULAMENTO JULHO 2009 ÍND ICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 Artigo 1º Objecto e âmbito territorial... 1 Artigo 2º Objectivos...

Leia mais