A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos."

Transcrição

1 As importações da Holanda I O Azul e Branco A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos. Concebidos por pintores qualificados, a superioridade técnica dos azulejos holandeses bem com a sua pintura a azul, citando a porcelana da China, foram do agrado do público português.

2 Século XVII/XVIII I As Importações da Holanda Palácio dos Marqueses de Fronteira Sala dos Painéis C. 1670

3 O Século XVIII I As importações da Holanda Igreja da Madre de Deus Museu Nacional do Azulejo 1686

4 O século XVIII I O Ciclo dos Mestres As importações de azulejos holandeses obrigaram à reacção das oficinas nacionais, que chamam a si pintores com formação na pintura académica, permitindo dar resposta a uma clientela cada vez mais exigente. Trata-se de um período áureo da azulejaria portuguesa, com a duração de cerca de três décadas, tendo os pintores aplicado às suas obras uma original espontaneidade na utilização mais livre das gravuras, e na criatividade das composições ajustadas aos espaços arquitectónicos. Destacam-se os nomes do espanhol Gabriel del Barco, do Mestre P.M.P, António Pereira, Manuel dos Santos, António de Oliveira Bernardes e seu filho Policarpo de Oliveira Bernardes.

5 O Século XVIII I O Ciclo dos Mestres Cena Mitológica Gabriel del Barco Lisboa, c Museu Nacional do Azulejo, inv. nº 900

6 O Século XVIII I O Ciclo dos Mestres Senhora ao Toucador Atribuído ao Mestre PMP Lisboa, Museu Nacional do Azulejo, Inv. nº 6341

7 O Século XVIII I O Ciclo dos Mestres Martírio de S. Lourenço Policarpo de Oliveira Bernardes Lisboa, c Museu da Cidade, Lisboa

8 O Século XVIII I O Ciclo dos Mestres Igreja de S. Lourenço, Almancil Policarpo de Oliveira Bernardes Lisboa, c. 1715

9 O Século XVIII I A Grande Produção Joanina No segundo quartel do século XVIII assistiu-se a um grande aumento no fabrico de azulejos, também em resultado de encomendas chegadas do Brasil. O aumento da produção conduziu à repetição das figurações, ao recurso a motivos seriados como as albarradas e à simplificação da pintura das cenas, ganhando as molduras grande importância cenográfica. Temas religiosos são encomendados pela Igreja enquanto que a Nobreza continua a encomendar cenas galantes, guerreiras, bucólicas, mitológicas e de caça.

10 O Século XVIII I A Grande Produção Joanina Palácio dos Marqueses de Minas Cena de Caça Lisboa, 2º quartel do séc. XVIII

11 O Século XVIII I A Grande Produção Joanina Capela de Santo António Antigo convento da Madre de Deus, Museu Nacional do Azulejo 2º quartel do séc. XVIII

12 O Século XVIII I A Gravura Palácio dos Marqueses de Tancos Pã e Sirinx Lisboa, 1º quartel do séc. XVII Pâ e Sirinx Gravura de Jean Lepautre

13 O Século XVIII I A Gravura Alexandre combatendo os Persas Lisboa, 2º quartel do séc. XVIII MNAz inv. nº 680 La Vertu Surmonte tout Obstacle Gravura de I. Audran, sobre pintura de Charles Le Brun

14 O Século XVIII I O Rocócó Em meados do século XVIII dão-se mudanças no gosto da sociedade portuguesa com a adopção de uma gramática decorativa influenciada pelo estilo Rocócó, através de gravuras europeias, nomeadamente cena galantes e bucólicas concebidas por Watteau. A preferência por formas orgânicas cujo exemplo típico é o concheado irregular, verifica-se em composições delicadas, muitas delas aplicadas em jardins, onde os efeitos decorativos são alcançados pelo emprego de dois tons contrastantes de azul, e depois pelo uso de várias cores.

15 O Século XVIII I O Rocócó Palácio dos Condes de Mesquitela Colégio Militar, Lisboa 3º quartel do séc. XVIII

16 O Século XVIII I O Rocócó Palácio dos Condes de Oeiras Escadaria, Jardins Lisboa, 3º quartel do séc. XVIII

17 O Século XVIII I O Rocócó Quinta dos Azulejos Colégio Manuel Bernardes, Lisboa Banco Lisboa,

18 O Século XVIII I O Rocócó Quinta dos Azulejos Colégio Manuel Bernardes, Lisboa Pérgula Lisboa,

19 O Século XVIII I O padrão pombalino Padrão Pombalino Lisboa, c Museu Nacional do Azulejo Inv. nº 925

20 O Século XVIII I O padrão pombalino Azulejos de padrão Pombalino Edifício na Baixa Lisboa, c

21 O Século XVIII I O Neoclássico No final do século XVIII, a azulejaria assimila o neoclassicismo, estilo internacional divulgado através das gravuras de Robert e James Adam, associado, no azulejo português, com paisagens de Jean Pillement. Os painéis são preenchidos com ornatos leves e são, sobretudo, silhares baixos que se articulam com pintura a fresco. Correspondendo ao gosto da nova burguesia, os azulejos narram histórias de ascensões sociais, embora a Igreja e a Nobreza mantenham a encomenda dos seus temas anteriormente preferidos.

22 O Século XVIII I O Neoclássico História do Chapeleiro António Joaquim Carneiro Lisboa, Real Fábrica de Louça, ao Rato MNAz. Inv. nº 227

23 O Século XVIII I O Neoclássico Silhar e enxalço com águias Lisboa, Real Fábrica de Louça (?) MNAz. Inv. nº 226

24 O Século XVIII I O Neoclássico Igreja de Santo António, Lisboa Sacristia Real Fábrica de Louça, ao Rato

25 O Século XVIII I O Neoclássico Antigo Convento de S. Francisco, Regimento de Infantaria, Estremoz Escadaria Real Fábrica de Louça, ao Rato

26 O Século XIX I As fachadas de azulejo Com a afirmação definitiva de uma burguesia ligada ao Comércio e à Indústria existe um novo uso do azulejo. Na segunda metade do século XIX, o azulejo de padrão, de menor custo, cobre milhares de fachadas, produzido por fábricas de Lisboa Viúva Lamego, Sacavém, Constância, Roseira do Porto e Gaia Massarelos e Devezas. A produção de motivos repetitivos não impediu a realização de composições de autor destacando-se Luís Ferreira, conhecido por Ferreira das Tabuletas.

27 O Século XIX I As fachadas de azulejo Fachadas de azulejos Rua Marquês de Abrantes, Lisboa 2ª metade do séc. XIX

28 O Século XIX I As fachadas de azulejo Fachada de azulejos, Porto Fábrica de Massarelos ou Devezas 2º metade do séc. XIX

Azulejo: Originalidade do seu uso em Portugal

Azulejo: Originalidade do seu uso em Portugal A HISTÓRIA DO AZULEJO EM PORTUGAL No site www.instituto-camoes.pt existe uma interessante história sobre o azulejo em Portugal que nos parece pertinente aproveitar neste trabalho sobra a arte da azulejaria,

Leia mais

A Tradição Islâmica I Século XVI

A Tradição Islâmica I Século XVI A Tradição Islâmica I Século XVI As primeiras utilizações conhecidas do azulejo em Portugal, como revestimento monumental das paredes, foram realizadas com azulejos hispanomouriscos, importados de Sevilha

Leia mais

Introdução. à do Azulejo em Portugal. João Pedro Monteiro. 3 de Março de 2009

Introdução. à do Azulejo em Portugal. João Pedro Monteiro. 3 de Março de 2009 à História do Azulejo em Portugal 3 de Março de 2009 João Pedro Monteiro A Arte do Azulejo em Portugal Sendo a utilização do azulejo comum a outros países, ela distinguiu-se em Portugal, assumindo especial

Leia mais

Azulejo Coleção do Museu de Évora

Azulejo Coleção do Museu de Évora Azulejo Coleção do Museu de Évora De facto, é a força cenográfica da arte do Azulejo, a sua disponibilidade para animar espaços arquitetónicos (vejam-se os revestimentos integrais de padronagem do século

Leia mais

CURRICULUM VITAE REFERÊNCIAS CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE AZULEJOS

CURRICULUM VITAE REFERÊNCIAS CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE AZULEJOS CURRICULUM VITAE REFERÊNCIAS CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE AZULEJOS 2012 Diagnóstico, coordenação e execução da intervenção de inventariação e conservação e restauro do conjunto azulejar pombalino existente

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

MUSEU DO AZULEJO APRESENTAÇÃO

MUSEU DO AZULEJO APRESENTAÇÃO MUSEU DO AZULEJO APRESENTAÇÃO O Museu Nacional do Azulejo tem por missão recolher, conservar, estudar e divulgar exemplares representativos da evolução da Cerâmica e do Azulejo em Portugal, promovendo

Leia mais

Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde

Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde 1 1545 1563 Concílio de Trento. 2 1567 Fundação da Congregação de S. Bento no reino de Portugal. 3 1569 O Mosteiro beneditino de São Martinho de Tibães torna-se

Leia mais

ARTE BARROCA. História

ARTE BARROCA. História História 01 : contexto 01 : MIGUEL ÂNGELO : David 02 : BERNINI : David : Surge em Itália : Difunde-se por quase toda a Europa : Implantada noutros continentes por europeus : Séc XVII XVIII : Século XVIII

Leia mais

PORTEFÓLIO. » eventos. Museu de Lamego Largo de Camões 5100-147 Lamego

PORTEFÓLIO. » eventos. Museu de Lamego Largo de Camões 5100-147 Lamego Museu de Lamego Largo de Camões 5100-147 Lamego (+351) 254 600 230 mlamego@culturanorte.pt www.museudelamego.pt www.facebook.com/museu.de.lamego PORTEFÓLIO O Museu de Lamego...... está instalado no antigo

Leia mais

Vitrais. Soluções inovadoras/criativas para ambientes em bibliotecas

Vitrais. Soluções inovadoras/criativas para ambientes em bibliotecas Soluções inovadoras/criativas para ambientes em bibliotecas Vitrais Secretaria Municipal de Cultura, Juventude e Lazer Biblioteca Pública Municipal Professor Abílio Fontes Santa Cruz do Rio Pardo/SP Envolvidos:

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

S c e n a r i u m G a l e r i a. Exposição Azul Cobalto, Azulejos e Memórias

S c e n a r i u m G a l e r i a. Exposição Azul Cobalto, Azulejos e Memórias S c e n a r i u m G a l e r i a Exposição Azul Cobalto, Azulejos e Memórias Azul Cobalto, Azulejos e Memórias...Ladrilhos eternos, como eterno para mim é o prédio número 13 da Rua do Lavradio e sua fachada

Leia mais

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre 8º Ano Artes 2º bimestre BARROCO A arte barroca desenvolveu-se no século XVII, num período muito importante da história da civilização ocidental, pois nele ocorreram mudança que deram nova feição à Europa

Leia mais

A pintura do azulejo em Portugal [1675-1725]. Autorias e biografias - um novo paradigma

A pintura do azulejo em Portugal [1675-1725]. Autorias e biografias - um novo paradigma UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA A pintura do azulejo em Portugal [1675-1725]. Autorias e biografias - um novo paradigma Anexo A Maria do Rosário Salema Cordeiro Correia

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES LICENCIATURA DE ARTE - CONSERVAÇÃO E RESTAURO HISTÓRIA DAS ARTES METÁLICAS ANO LECTIVO 2013/2014 Docente: Prof. Doutor Gonçalo de Vasconcelos e Sousa OBJECTIVOS:

Leia mais

Câmara Municipal do Seixal Fundação Manuel Cargaleiro. Museu-Oficina de Artes Manuel Cargaleiro. Seixal

Câmara Municipal do Seixal Fundação Manuel Cargaleiro. Museu-Oficina de Artes Manuel Cargaleiro. Seixal Câmara Municipal do Seixal Fundação Manuel Cargaleiro Museu-Oficina de Artes Manuel Cargaleiro Seixal Museu-Oficina de Artes Manuel Cargaleiro-Seixal apresentação do projecto Para além da exposição de

Leia mais

A AZULEJARIA BARROCA NOS CONVENTOS DA ORDEM DO CARMO E DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS EM PORTUGAL

A AZULEJARIA BARROCA NOS CONVENTOS DA ORDEM DO CARMO E DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS EM PORTUGAL A AZULEJARIA BARROCA NOS CONVENTOS DA ORDEM DO CARMO E DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS EM PORTUGAL Suzana Andreia do Carmo Carrusca Tese apresentada à Universidade de Évora para obtenção do Grau de Doutor

Leia mais

Programa de Incentivo em Lisboa Top Vip

Programa de Incentivo em Lisboa Top Vip Programa de Incentivo em Lisboa Top Vip Dia 1 Chegada dos participantes. Transfere para Belém em autocarro com acompanhamento de guia. Em Belém, área dedicada ao período das Descobertas, iremos encontrar

Leia mais

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Igreja Matriz de Almodôvar A matriz é o monumento mais visitado do Concelho de Almodôvar e é dedicada a Santo Ildefonso, sendo que D. Dinis doou-a à Ordem de Santiago,

Leia mais

A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período.

A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período. A Arquitetura Brasileira do século XIX A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período. Prof. Dr. Carlos Augusto Mattei Faggin Denis de Souza e

Leia mais

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: Romantismo Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: 1. ( C ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. 2. ( E ) O romantismo não valorizava a

Leia mais

CONVENTO DE SANTA MARIA DE MOSTEIRÓ

CONVENTO DE SANTA MARIA DE MOSTEIRÓ CONVENTO DE SANTA MARIA DE MOSTEIRÓ Fig. 269 Localização e orientação do Convento de Santa Maria de Mosteiró. Fig. 270 - Planta do Convento de Santa Maria de Mosteiró, primeiro piso, 1980. IHRU: DGEMN/DREMN,

Leia mais

Pharmacopeia Lusitana (D. Caetano de St.º António, 1704) Postilla Religiosa e Arte de Enfermeiro (Fr. Diogo de Sant Iago, 1741)

Pharmacopeia Lusitana (D. Caetano de St.º António, 1704) Postilla Religiosa e Arte de Enfermeiro (Fr. Diogo de Sant Iago, 1741) Pharmacopeia Lusitana (D. Caetano de St.º António, 1704) Postilla Religiosa e Arte de Enfermeiro (Fr. Diogo de Sant Iago, 1741) Postilla Anatómica (Doutor Manuel Constâncio, 1775) Augusto Moutinho Borges,

Leia mais

In A Minha segunda Casa.Lisboa: I.P.M., 2004. Cecília de Sousa Átrio de edifício na Av. Estados Unidos da América, Lisboa 1957

In A Minha segunda Casa.Lisboa: I.P.M., 2004. Cecília de Sousa Átrio de edifício na Av. Estados Unidos da América, Lisboa 1957 In A Minha segunda Casa.Lisboa: I.P.M., 2004. Cecília de Sousa Átrio de edifício na Av. Estados Unidos da América, Lisboa 1957 Cecília de Sousa Sinfonia 1989 MNAz Cecília de Sousa Grande Disco 1999 MNAz

Leia mais

Barroco. www.roginei.com.br

Barroco. www.roginei.com.br Barroco As origens da palavra são incertas. Talvez venha do português barroco ou do espanhol berrueco, que significa pérola de formato irregular. O Juízo Final (1536-1541) afresco de Michelangelo Capela

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Casa do Mundo Rural de Prados

Casa do Mundo Rural de Prados Casa do Mundo Rural de Prados A Casa do Mundo Rural de Prados, pretende retratar uma época em que a agricultura, associada à pastorícia eram as principais actividades económicas da população, praticando

Leia mais

ROCOCÓ Tem como principais características: Fonte: Wikipedia Diferenças entre o Rococó e o Barroco Fonte:Pitoresco Fonte: Suapesquisa

ROCOCÓ Tem como principais características: Fonte: Wikipedia Diferenças entre o Rococó e o Barroco Fonte:Pitoresco Fonte: Suapesquisa ROCOCÓ O rococó é um movimento artístico europeu, que aparece primeiramente na França, entre o barroco e o neoclassicismo. Visto por muitos como a variação "profana" do barroco, surge a partir do momento

Leia mais

Tempos Antigos. Barroco e o Rococó

Tempos Antigos. Barroco e o Rococó Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

Identificação do Monumento: Casa do Corpo Santo

Identificação do Monumento: Casa do Corpo Santo Identificação do Monumento: Casa do Corpo Santo Outra designação: Casa do Corpo Santo (Museu do Barroco) Localização: Terreiro de Santa Maria, Setúbal, Portugal Data: 1714 (palácio primitivo do século

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

Estação de Aveiro. 1 http://www.trainlogistic.com

Estação de Aveiro. 1 http://www.trainlogistic.com Estação de Aveiro 1 http://www.trainlogistic.com A Estação Ferroviária de Aveiro, também conhecida como Estação de Aveiro, é uma interface ferroviária da Linha do Norte, que serve a localidade de Aveiro,

Leia mais

Vila Cova de Alva. São Pedro do Sul

Vila Cova de Alva. São Pedro do Sul Pinhel Vila Cova de Alva São Pedro do Sul Fig. 895 Tipologias das fachadas principais, com três variantes, duas com um eixo de vãos, uma rematando em empena e outra em frontão triangular, vazado por óculo,

Leia mais

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU»

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» «ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» No espólio museológico da CGD A partir do século XVI Macau tornou-se um ponto central na comunicação e divulgação entre a Civilização Europeia e Chinesa, uma fronteira

Leia mais

Roteiros Turísticos. [arte colonial]

Roteiros Turísticos. [arte colonial] Roteiros Turísticos [arte colonial] Ouro Preto [Arte Colonial] A Praça Tiradentes é o ponto central da cidade, como se fosse um divisor. A partir dela, podem-se programar as visitas. Como Ouro Preto possui

Leia mais

Arte e Arquitetura Sacra

Arte e Arquitetura Sacra Arte e Arquitetura Sacra A história da Festa do Divino, considerada uma das festas de caráter popular mais antigas do Brasil, tem a sua origem nas festas religiosas da Europa, mais especificamente na tradição

Leia mais

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Neoclassicismo e o Romantismo Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética predominou nas criações

Leia mais

Programa de acompanhantes

Programa de acompanhantes Quinta-feira, 20 de Setembro de 2012 9:30 Saída em autocarro do Hotel Axis 10:00 Chegada a Barcelos Visita ao centro Histórico de Barcelos Programa de acompanhantes O concelho de Barcelos é um exemplo

Leia mais

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti Palácio de Versailles Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti O Palácio de Versalhes (em francês Château de Versailles) é um château real localizado na cidade de Versalhes, uma aldeia

Leia mais

RELATÓRIO DA VISITA REALIZADA AO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO. 7 de março de 2012

RELATÓRIO DA VISITA REALIZADA AO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO. 7 de março de 2012 RELATÓRIO DA VISITA REALIZADA AO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO 7 de março de 2012 No dia 7 de março de 2012, pelas 11 horas, uma delegação da Comissão para a Ética, a Cidadania e a Comunicação, composta pelos

Leia mais

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico.

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico. CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL 8 de Abril a 1 de Julho (interrupção no dia 10 de Junho que é feriado) 4ª feira, das 18h 30m às 20h 30m 24h, 12 sessões PROGRAMA 1. A Idade Média 1.1.

Leia mais

Neoclassicismo, Romantismo e Realismo

Neoclassicismo, Romantismo e Realismo 2º ano - ENSINO MÉDIO Aula dia 20/02/15 Neoclassicismo, Romantismo e Realismo Professora Alba Fim do século XVIII e início do século XIX. Período complexo e inquietante de profundas mudanças. A Revolução

Leia mais

Fig. 3 Mapa do percurso para a Igreja de São Pedro (12)

Fig. 3 Mapa do percurso para a Igreja de São Pedro (12) Local nº: 12 Zona Histórica: Escadaria e Igreja de São Pedro Rua do Castelo Coordenadas GPS: 38º53 59.733 ; 9º2 19.614 38.899901, -9.038814 Fig. 1 Igreja de São Pedro Fig. 2 Quadro de azulejos da Igreja

Leia mais

Iconografias nos revestimentos de azulejos da casa senhorial no século XVIII em Lisboa

Iconografias nos revestimentos de azulejos da casa senhorial no século XVIII em Lisboa Iconografias nos revestimentos de azulejos da casa senhorial no século XVIII em Lisboa Ana Paula Rebello Correia (Escola Superior de Artes Decorativas / Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva / Instituto

Leia mais

MUSEUS Casa Fernando Pessoa Casa Museu João da Silva Casa Museu Dr. Anastácio Gonçalves Centro de Arte Moderna Convento dos Cardaes Museu Antoniano

MUSEUS Casa Fernando Pessoa Casa Museu João da Silva Casa Museu Dr. Anastácio Gonçalves Centro de Arte Moderna Convento dos Cardaes Museu Antoniano Casa Fernando Pessoa Salas de exposições, visionamentos, conferências, colóquios e gabinetes de estudos Pessoanos. Biblioteca de poesia. Acesso a micro-filmes sobre temas necessários para os estudos. Aberto:

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE II. Século XIX

HISTÓRIA DA ARTE II. Século XIX HISTÓRIA DA ARTE II Século XIX O Neoclassicismo na Europa Contexto Histórico - Século XVIII: Idade das Luzes - Descoberta de Herculano (1713) e Pompéia (1748) - Na Europa: guerras (esgotamento das riquezas)

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 Pintura 452 "CENA DA PAIXÃO DE CRISTO", óleo sobre tela, moldura em madeira pintada de negro e

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A A TEMPESTADE É um quadro que mostra um profundo senso de

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

RENASCIMENTO ITALIANO

RENASCIMENTO ITALIANO ARTES / 2º ANO PROF.MÍLTON COELHO RENASCIMENTO ITALIANO Contexto histórico O termo significa reviver os ideais greco-romanos; na verdade o Renascimento foi mais amplo, pois aumentou a herança recebida

Leia mais

PEDDY PAPER. carta de prova. à descoberta do centro histórico de Beja. centro histórico. facebook.com/camaramunicipaldebeja

PEDDY PAPER. carta de prova. à descoberta do centro histórico de Beja. centro histórico. facebook.com/camaramunicipaldebeja PEDDY PAPER à descoberta do centro histórico de Beja carta de prova PEDDY PAPER centro histórico www.cm-beja.pt facebook.com/camaramunicipaldebeja Esta aventura tem como ponto de partida o Núcleo Museológico

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª Criação da Freguesia do Pragal, no Concelho de Almada, Distrito de Setúbal A freguesia do Pragal tem 2,27 km² de área e 7.156

Leia mais

Ciclo Obra Aberta * Visitas guiadas a obras da autoria do arquitecto José Marques da Silva

Ciclo Obra Aberta * Visitas guiadas a obras da autoria do arquitecto José Marques da Silva Ciclo Obra Aberta * Visitas guiadas a obras da autoria do arquitecto José Marques da Silva 17 de Outubro Sábado 10h30 - Estação de S. Bento (1896-1916), por Nuno Tasso de Sousa - Teatro Nacional S. João

Leia mais

Índice das imagens. Antiga igreja da Misericórdia de Estremoz 8. Igreja da Misericórdia de Évora

Índice das imagens. Antiga igreja da Misericórdia de Estremoz 8. Igreja da Misericórdia de Évora Índice das imagens Antiga igreja da Misericórdia de Estremoz 8 Fig. 1 - Esquema da planta da antiga igreja da Misericórdia de Estremoz, com a indicação da representação das obras de misericórdia... 9 Fig.

Leia mais

BIBLIOTECA MUNICIPAL DA FIGUEIRA DA FOZ AGENDA DE ANIMAÇÃO CULTURAL. abril 2013 DIA 2

BIBLIOTECA MUNICIPAL DA FIGUEIRA DA FOZ AGENDA DE ANIMAÇÃO CULTURAL. abril 2013 DIA 2 BIBLIOTECA MUNICIPAL DA FIGUEIRA DA FOZ AGENDA DE ANIMAÇÃO CULTURAL abril 2013 DIA 2 COMEMORAÇÕES DO DIA INTERNACIONAL DO LIVRO INFANTIL ERA UMA VEZ!... ATELIER DE CONSTRUÇÃO DE HISTÓRIA No Dia Internacional

Leia mais

A Arte do Renascimento

A Arte do Renascimento A Arte do Renascimento Estas duas pinturas têm o mesmo tema mas são muito diferentes. Porquê? Nossa Senhora e Criança (Idade Média) Nossa Senhora e Criança (Renascimento) Surgiu em Itália: Séc. XV (Quattrocento)

Leia mais

IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA

IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA A partir do século XII, após as cruzadas, tem início na Europa uma economia fundamentada no comércio. Isso faz com que o centro da vida social se desloque do campo para a cidade

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira Docente(s) Paulo Augusto Castagna Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Música Créditos 0 60

Leia mais

O barroco O caso Francês e o barroco no mundo

O barroco O caso Francês e o barroco no mundo O barroco O caso Francês e o barroco no mundo O caso Francês Em França, as concepções renascentistas permaneceram até mais tarde, pois houve uma grande resistência ao Barroco por parte das academias. Quando

Leia mais

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1 Introdução Você iniciará agora uma viagem ao mundo da História. Anote tudo que achar interessante, os patrimônios que conhece, as dúvidas que tiver e, depois, debata em sala de aula com seus colegas e

Leia mais

Fig. 189 Sé de Elvas, fachada lateral poente em 1942, IHRU/DGEMN, Sistema de Informação, Fontes Documentais, Fotografias e Desenhos, Sé de Elvas/Igreja de Nossa Senhora da Assunção, FOTO.0178427, N.º IPA

Leia mais

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II Profª Me. Márcia Moreno 1 Conhecendo o Louvre... Foi no fim do século XII que Filipe Augusto mandou construir um castelo num local já chamado Louvre.

Leia mais

Museu Nacional do Traje e da Moda

Museu Nacional do Traje e da Moda Museu Nacional do Traje e da Moda Palácio Angeja-Palmela História O Palácio Angeja-Palmela foi mandado construir por D. Pedro José de Noronha, 3º Marquês de Angeja, durante o Século XVIII, perto do local

Leia mais

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I União Educacional do Norte Faculdade Uninorte Professora: Edinete Oliveira Arquiteta e Urbanista Tema: A ignorância da Arquitetura & As várias idades do

Leia mais

Data: (interior) Tipologia do monumento: Arquitectura religiosa

Data: (interior) Tipologia do monumento: Arquitectura religiosa Identificação do Monumento: Igreja da Misericórdia de Viana do Castelo Localização: Praça da República 4900-5321 Viana do Castelo, Viana do Castelo, Portugal Data: (interior) Photograph: João Paulo Artistas:

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

PORTUGAL PROGRAMA I Co-financiamento Co-financiamento www.rdtours.com

PORTUGAL PROGRAMA I Co-financiamento Co-financiamento www.rdtours.com Co-financiamento DIA 1 - LISBOA Chegada ao Aeroporto de Lisboa e translado para o hotel. Tempo livre para os primeiros contatos com esta maravilhosa Capital Europeia, conhecida pela sua luminosidade única

Leia mais

FICHA DE APOIO À CARTOGRAFIA

FICHA DE APOIO À CARTOGRAFIA Designação: Conjunto dos edifícios da Associação Académica de Coimbra e jardins, Teatro Académico Gil Vicente e Cantinas da Universidade de Coimbra Categoria / Tipologia: Arquitectura Civil / Edifício

Leia mais

O ranking elaborado pela Renascença tem por base dados divulgados pelo Ministério da Educação e tratados pelo jornal Público.

O ranking elaborado pela Renascença tem por base dados divulgados pelo Ministério da Educação e tratados pelo jornal Público. O ranking elaborado pela Renascença tem por base dados divulgados pelo Ministério da Educação e tratados pelo jornal Público. Para o ensino básico foram tidos em conta as escolas com mais de 100 provas

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

Museu de Arte Sacra da Sé

Museu de Arte Sacra da Sé 1 Museu de Arte Sacra da Sé Algumas notas sobre a história deste Museu e também sobre a filosofia que presidiu ao actual projecto museológico Fig.1 Museu de Arte Sacra de Évora - Exterior 1. Sua história

Leia mais

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL 349 A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL Jacinta Bugalhão O conjunto monumental militar designado globalmente como Cidadela de Cascais (e que engloba, nesta acepção,

Leia mais

A arte da Europa Ocidental no início da Idade Média

A arte da Europa Ocidental no início da Idade Média Natal, RN / /2014 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 7º D V DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - III 1º trimestre TATIANE A arte da Europa Ocidental no início

Leia mais

Pegue no carro e parta à descoberta de Portugal!

Pegue no carro e parta à descoberta de Portugal! Criamos três itinerários pensando em quem procura a autenticidade e valoriza a liberdade... Pegue no carro e parta à descoberta de Portugal! Tenha a liberdade de conhecer, de desfrutar de cada lugar, ao

Leia mais

Vinha, Vinho e Turismo na Região do Douro

Vinha, Vinho e Turismo na Região do Douro Vinha, Vinho e Turismo na Região do Douro Rosa Amador REGIÃO DO DOURO Vinha domina a paisagem REGIÃO DO DOURO REGIÃO DO DOURO REGIÃO DO DOURO Solo feito de xisto REGIÃO DO DOURO REGIÃO DO DOURO Quinta

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DA ARTE LICENCIATURA E MESTRADO EM HISTÓRIA DA ARTE DOCENTE: PROFESSOR DOUTOR CARLOS MOURA VIAGEM A MADRID:

Leia mais

Patrimônio da Humanidade BRASIL

Patrimônio da Humanidade BRASIL Patrimônio da Humanidade BRASIL Patrimônio da Humanidade BRASIL Um local denominado patrimônio mundial é reconhecido pela UNESCO (Organização das Nações Unidas ara a Educação, a Ciência e a Cultura) como

Leia mais

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura -RJ Inventário de Identificação de Bens de Interesse Cultural

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura -RJ Inventário de Identificação de Bens de Interesse Cultural Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura -RJ Inventário de Identificação de Bens de Interesse Cultural Denominação: Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia Localização:

Leia mais

CATEDRAL DE VISEU Abóbada dos nós.

CATEDRAL DE VISEU Abóbada dos nós. CATEDRAL DE VISEU A Sé Catedral de Viseu, domina de forma alternativa o Centro Histórico de Viseu. Nela estão quase dez séculos de história. A Catedral de Viseu é um ímpar mosaico de estilos arquitectónicos.

Leia mais

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira A ARQUITETURA Professor H. Oliveira Quando os primeiros colonizadores portugueses fortificaram o litoral brasileiro e as ordens religiosas construíram os conventos e as igrejas, a arquitetura figurou como

Leia mais

RARIDADES BIBLIOGRÁFICAS

RARIDADES BIBLIOGRÁFICAS RARIDADES BIBLIOGRÁFICAS As obras abaixo indicadas podem ser adquiridas e enviadas contra reembolso, após encomenda para palacio.vilavicosa@fcbraganca.pt ou Fax 268 989 808 ABRANTES, Ventura Ledesma, 1883-1956

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

2 CERÂMICA DE COIMBRA séc. XVI a XX

2 CERÂMICA DE COIMBRA séc. XVI a XX 2 CERÂMICA DE COIMBRA séc. XVI a XX Confesso que era um desejo antigo o de ver organizada uma exposição sobre a cerâmica de Coimbra. Sabia como é importante a colecção existente no Museu Machado de Castro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Patrimônio Histórico/Conservação de Artefatos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Patrimônio Histórico/Conservação de Artefatos i UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Patrimônio Histórico/Conservação de Artefatos Trabalho Acadêmico REFLEXÃO SOBRE A AZULEJARIA PORTUGUESA NA CIDADE DO RIO GRANDE/RS: O CASO

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

LNEC 1990-2005: estudo estratigráfico de ver revestimentos e acompanhamento a dezenas de casos de estudo.

LNEC 1990-2005: estudo estratigráfico de ver revestimentos e acompanhamento a dezenas de casos de estudo. LNEC 1990-2005: estudo estratigráfico de ver revestimentos e acompanhamento a dezenas de casos de estudo. A PROCURA DE ABORDAGENS CIENTÍFICAS 1993: DMRU-CML Seminário A COR DE LISBOA J. Aguiar, J; Henriques

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

ARTE BRASILEIRA PÓS SEMANA DE 1922

ARTE BRASILEIRA PÓS SEMANA DE 1922 ARTE BRASILEIRA PÓS SEMANA DE 1922 A Semana de Arte Moderna de 1922 foi um momento de ruptura que dividiu a arte brasileira entre academicismo e modernismo. Não foi, porém, uma unanimidade nacional e gerou

Leia mais

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens Jean Baptiste Debret nasceu em Paris, na França, em 18 de abril de 1768. Formado pela Academia de Belas Artes de Paris, Debret foi um dos membros da Missão

Leia mais

A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DO TURISMO PEDAGÓGICO: o exemplo do Museu Regional de Olinda PE.

A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DO TURISMO PEDAGÓGICO: o exemplo do Museu Regional de Olinda PE. A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DO TURISMO PEDAGÓGICO: o exemplo do Museu Regional de Olinda PE. Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA Introdução A atividade turística perpassa por diversa áreas do conhecimento

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

Convento de Nossa Senhora do Carmo. IPA Monumento Nº IPA PT010303490087. Designação Convento de Nossa Senhora do Carmo

Convento de Nossa Senhora do Carmo. IPA Monumento Nº IPA PT010303490087. Designação Convento de Nossa Senhora do Carmo Page 1 of 6 Convento de Nossa Senhora do Carmo IPA Monumento Nº IPA PT010303490087 Designação Convento de Nossa Senhora do Carmo Localização Braga, Braga, São Vicente Acesso R. do Carmo, Tv. do Carmo,

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA Richebourg/La Couture, 13 de abril de 2012 Monsieur le Préfet du Pas-de-Calais

Leia mais