Módulo 2: multisim 7 Circuitos em CA - Eletrônica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 2: multisim 7 Circuitos em CA - Eletrônica"

Transcrição

1 Módulo 2: multisim 7 Circuitos em CA - Eletrônica Esta é a segunda parte do trabalho sobre o MultiSIM 7 e é dirigida para o estudo de circuitos em corrente alternada e eletrônica básica, desta forma os instrumentos e componentes aqui descritos são básicos nos estudo e simulação de circuitos em CA. A licença usada para fazer este trabalho tem o texto em inglês, desta forma toda vez que for feito referência em inglês o mesmo será colocado em itálico e entre parênteses e antes o termo equivalente em português. Devemos reiterar mais uma vez que você deve ter conhecimentos mínimos de eletricidade e eletrônica básica para que possa compreender este trabalho. O Gerador de Funções Para mostrar como usar instrumentos em corrente alternada vamos partir de um exemplo de um circuito RC alimentado por uma tensão senoidal. Para obter uma tensão (corrente) alternada (AC) temos duas alternativas: Podemos usar o Gerador de Funções (GF) ou a Fonte de Tensão Alternada Senoidal. Um gerador de funções gera diversas formas de onda, principalmente senoidal, triangular e quadrada. A seguir na figura01 o ícone e o símbolo do gerador de funções na caixa de instrumentos. ( a ) ( b ) ( c ) Figura01: ( a ) ícone na caixa de instrumentos ( b ) Símbolo na área de trabalho ( c ) Gerador de funções aberto Como indicado na figura01c são possíveis os seguintes ajustes: MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 1

2 Freqüência São modificados o valor e a faixa. ( a ) ( b ) Figura02: ( a ) Mudando valor e faixa ( b ) Dois sinais de freqüências diferentes (vermelho 1KHz e azul 4KHz) Ciclo de Trabalho Só definido para onda quadrada e triangular, podendo variar de 1% a 99%. Para a onda quadrada é definido como sendo: onde TH é o tempo no nível alto e T é o período da onda. ( a ) ( b ) ( c ) Figura03: ( a ) onda quadrada com CT=80% ( b ) CT=50% e (c) CT=20% Para a onda triangular é definido como sendo: onde T+ é o tempo que a onda fica com inclinação positiva e T é o período. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 2

3 ( a ) ( b ) ( c ) Figura04: ( a ) onda triangular com CT=80% ( b ) CT=50% e (c) CT=20% Amplitude Podem ser modificados o valor e a faixa. ( a ) ( b ) ( c ) Figura05: ( a ) Valor de pico onda senoidal ( b ) onda quadrada ( c ) onda triangular Offset Se a uma tensão alternada for adicionado uma tensão CC, ela passa a ter um offset (deslocamento), o qual pode ser positivo ou negativo. A figura a seguir mostra as três situações possíveis: sinal sem offset (0V), com offset positivo (4V) e com offset negativo (-4V). ( a ) ( b ) ( c ) Figura06: ( a ) onda senoidal sem offset ( b ) com 4V de offset ( c ) com -4V de offset MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 3

4 Ajustar Tempos de Subida/Descida (Set Rise-Fall Time) O tempo de subida é definido somente para onda quadrada o seu valor default depende da freqüência da onda quadrada. Por exemplo se a freqüência da onda quadrada é 1KHz então os limites são 1ps e 0,5ms e o valor default é 100ps. A seguir na figura07 uma onda quadrada de freqüência 1KHz e tempos de subida e descida de 0,1ms. ( a ) ( b ) Figura07: ( a ) Janela de ajuste do tempo de subida (Rise time)e tempo de e descida (fall time) ( b ) Onda quadrada de f=1khz com tempo de subida/descida igual a 0,1ms A Saída de Sinal Atenção!! A amplitude especificada em Amplitude, é para o sinal obtido entre os terminais + e common ou entre e common. Para o sinal obtido entre + e a amplitude será o dobro da especificada na caixa Amplitude. Exemplo1: Ajustemos portanto o GF em 10V de pico e 1KHz (para mudar aponte o cursor para a caixa onde está indicado Hz ela se transforma em uma mão, clique mudando para KHz) e o liguemos a um resistor de 1K em série com um capacitor de 0,1uF, figura08a. Insira um amperímetro e três voltímetros como na figura08b. Não se esqueça de configura-los para medir em CA. ( a ) MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 4

5 ( b ) Figura08: ( a ) Circuito RC série em CA ( b ) Circuito RC série em CA com instrumentos Obs: Os instrumentos já indicam os valores da resistência interna. Compare os valores obtidos com a simulação com os valores calculados (ver livro Circuitos em Corrente Alternada Rômulo Oliveira Albuquerque - Editora Érica). A Fonte de Tensão Alternada Senoidal A outra alternativa de gerador é usar a Fonte de Tensão Alternada Senoidal (AC Power) que se encontra na caixa de componentes Fonte (Source). A figura09a mostra o seu símbolo. Dando duplo clique no seu símbolo será aberta a caixa de configuração da figura09b. Nessa figura os principais ajustes são: Voltage (RMS): valor eficaz da tensão. Voltage Offset: valor da tensão CC adicionada à tensão alternada. Frequencia (F): frequencia da onda senoidal Fase inicial (phase): ângulo de fase inicial da tensão em graus. ( a ) ( b ) Figura09: (a) Símbolo da Fonte de Tensão Alternada (b) Caixa de configuração MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 5

6 O circuito resultante é o da figura10. Figura10: Analisando o circuito com a fonte de tensão alternada senoidal medida das tensões e corrente Observe que usamos o amperímetro e o voltímetro da caixa Indicadores. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 6

7 O Osciloscópio É o instrumento usado para medir e visualizar formas de onda de tensão. Permitindo ver até duas formas de onda ao mesmo tempo. Existem diversos tipos de osciloscópios no MultiSIM 7. Daremos ênfase ao osciloscópio de dois canais. A figura11 mostra os símbolos usados na barra de instrumentos e na área de trabalho. ( a ) ( b ) ( c ) ( d ) Figura11: ( a ) símbolo dos osciloscópios na barra de instrumentos ( b ) osciloscópio de dois canais ( c ) osciloscópio de quatro canais ( d ) osciloscópio Agilent Dando duplo clique no símbolo abrimos os osciloscópios. A seguir na figura12 o osciloscópio de dois canais aberto. Figura12: Osciloscópio de dois canais aberto Atenção!! A cor da forma de onda apresentada no osciloscópio depende da cor do fio conectado à entrada do mesmo. Use sempre que possível esse recurso. A seguir a descrição dos ajustes. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 7

8 Base de Tempo (Timebase) Os ajustes na base de tempo permitem controlar a escala do osciloscópio na horizontal (tempo) quando Y/T (tensão em função do tempo) é escolhido. Figura13: A base de tempo (time base) Escala (Scale): Aqui você escolhe a escala do eixo de tempo (horizontal) em segundos. Na figura13 está selecionado 10ms/Div. (cada divisão na horizontal representa 10ms). Figura14: Escala horizontal com 10ms/Div X Position: Provoca deslocamento no eixo horizontal da forma de onda. Y/T: Quando for feita essa seleção, na tela será mostrada a forma de onda com tensão em função do tempo. É o caso mais comum. A/B: Quando for feita essa seleção, a tela mostrará a composição das formas de onda em A e em B sendo A no eixo vertical e B no eixo horizontal. B/A: Quando for feita essa seleção, a tela mostrará a composição das formas de onda em B e em A sendo B no eixo vertical e A no eixo horizontal. As duas últimas opções são usadas quando desejamos ver figuras de Lissajour. Como exemplo seja uma forma de onda quadrada com freqüência 200Hz (período 5ms) Figura15: ( a ) Forma de onda quadrada de 200Hz ( b ) Ajustes da base de tempo MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 8

9 Os Canais de Entrada - Canal A e Canal B Esse osciloscópio possui dois canais de entrada desta forma sendo possível mostrar até duas formas de onda simultaneamente. Os ajuste aqui feitos permitem especificar uma escala para o eixo Y (eixo de tensão), posicionar a forma de onda em relação ao zero e escolher como conectar o sinal ao osciloscópio. A figura a seguir mostra o osciloscópio de dois canais conectado a um gerador de funções (XFG1) e a uma fonte de tensão senoidal (V1). Figura16: Duas fontes de sinais conectadas ao osciloscópio - os canais de entrada do osciloscópio As Chaves de Entrada O osciloscópio tem três chaves que permitem selecionar como o sinal é conectado ao amplificador vertical.a figura17 mostra a posição dessas chaves e como elas agem internamente. ( a ) ( b ) Figura17: ( a ) Chaves de entrada do osciloscópio ( b ) Circuito equivalente para as chaves de entrada AC: Quando esta opção for selecionada (dar clique no botão correspondente) o sinal será acoplado através de um capacitor o que remove qualquer nível DC (Contínuo) que o sinal tiver. Esta opção é adequada para ver somente a componente alternada de um MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 9

10 sinal, como por exemplo o ripple de uma tensão retificada ou a parte alternada de uma tensão no coletor de um amplificador classe A. DC: Quando esta opção for selecionada o sinal será mostrado por completo (nível DC mais componente alternada). É o caso mais comum. 0 (zero) ou GND: Em alguns osciloscópios essa chave vem com o nome de GND. Nessa opção a entrada é aterrada.é usada quando desejamos estabelecer a referencia zero. Y Position: Provoca o deslocamento no eixo vertical da forma de onda. Ajustando Adequadamente Volts/Div e Time/Div Para obter uma boa visualização da forma de onda é importante fazer ajustes adequados. A seguir mostramos isso. Seja um sinal senoidal de freqüência 1KHz e amplitude 10V de pico. Na seqüência mostraremos diferentes ajustes para essa forma de onda. ( a ) ( b ) Figura18: ( a ) Forma de onda senoidal 10Vpico/1KHz ( b ) Volts/Div=5V Se V/Div é aumentado a forma de onda na tela diminui, diminuindo a precisão da medida. ( a ) ( b ) Figura19: ( a ) Forma de onda senoidal 10Vpico/1KHz ( b ) Volts/Div=20V Caso Volts/Div seja muito pequeno a forma de onda não aparecerá totalmente na tela impossibilitando a medida. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 10

11 ( a ) ( b ) Figura20: ( a ) Forma de onda senoidal 10Vpico/1KHz ( b ) Volts/Div=2V A seguir diferentes ajustes da base de tempo para a mesma forma de onda. ( a ) ( b ) Figura21: ( a ) Forma de onda senoidal 10Vpico/1KHz ( b ) TimeBase (Time/Div)=50us/Div Diminuindo a base de tempo um menor número de ciclos será mostrado na tela, eventualmente impedindo de ver a forma de onda. Diminuindo a base de tempo um menor número de ciclos será mostrado na tela, eventualmente impedindo de ver a forma de onda. ( a ) ( b ) Figura22: ( a ) Forma de onda senoidal 10Vpico/1KHz ( b ) TimeBase (Time/Div)=50us/Div O Gatilho do Osciloscópio (Trigger) O nível do gatilho (trigger) determina as condições de inicio da forma de onda na tela. A figura a seguir mostra onde deve ser feito o ajuste. O nível de gatilho é o valor da tensão no eixo Y que deve ser cruzado pela forma de onda antes de ser mostrado na tela. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 11

12 O gatilhamento é normalmente feito pelo próprio sinal que esta sendo mostrado (gatilho interno)ou pode ser usado um sinal externo (gatilho externo) a ser conectado através da entrada T logo abaixo da entrada de terra (G). O botão Sing. permite visualizar uma única vez a forma de onda na tela. Uma vez atingido o fim da tela, o traço não variará mais até que Sing seja apertado novamente. O botão Nor. é usado para fazer a varredura normal do traço toda vez que o nível de gatilho é encontrado. As figuras a seguir mostram diversas formas de onda para diversos níveis de gatilho. ( a ) ( b ) ( c ) Figura23: Formas de onda para diferentes níveis de gatilho e borda de disparo (Edge Trigger) ( a ) 0V borda de subida ( b ) 1V borda de subida ( c ) 0V borda de descida MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 12

13 Os Cursores São dois cursores, o curso 1 (vermelho) e o cursor 2 (Azul) e são usados para medir com precisão tensão, diferença de tensão entre os dois cursores, tempo e diferença de tempo entre os dois cursores. A figura 24 mostra a tela com duas formas de onda e os dois cursores. Figura24: Medindo tensão e tempo com os cursores ( a ) tela com duas formas de onda ( b ) indicações dos cursores Com relação à figura24b temos: T1: Medida de tempo com o cursor 1. Observar que o valor é em relação à origem. No exemplo temos T1=714,286µs T2: Medida de tempo com o cursor 2. Observar que o valor é em relação à origem. No exemplo temos T2=1,811ms T2 T1: Diferença de tempo entre cursor 2 e cursor 1. No exemplo temos T2-T1=1,097ms. Canal A (Channel A): A medida de tensão feita pelo cursor 1, no canal A: No exemplo temos 11,055V A medida de tensão feita pelo cursor 2, no canal A. No exemplo temos -7,904V Diferença entre as medidas de tensões efetuadas pelos cursores no canal A. No exemplo 18,959V Canal B (Channel B): A medida de tensão feita pelo cursor, no canal B 1: No exemplo temos 10,000V A medida de tensão feita pelo cursor 2, no canal B: No exemplo temos -10,000V MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 13

14 Diferença entre as medidas de tensões efetuadas pelos cursores no canal B. No exemplo 0,000V Reverso (Reverse) e Salvar ( Save) Clicando em Reverso (Reverse) o fundo mudar de cor. Experimente. Clicando em Salvar ( Save) as formas de onda da tela serão salvas como um arquivo ASCII. Uma alternativa de ajuste para o osciloscópio é especificar o tempo de simulação. Indo em Simular (Simulate) >>> Ajuste Padrão dos Instrumentos (Default Instrument Setting) se abrirá a janela da figura25, nesta existem vários ajustes que podem ser feitos: Figura25: Janela de ajustes dos instrumentos Condições Iniciais (Initial Conditions): Existem quatro opções para especificar as condições iniciais. Deixar que as condições iniciais sejam automaticamente determinadas pela simulação, impor condição inicial igual a zero, definida pelo usuário e calcular o ponto de operação DC. Em Analise dos Instrumentos (Instrument Analysis) temos: Tempo Inicial (Inicial time): o mais comum é especificar zero. Tempo Final (End time): o valor default é muito grande em termos de forma de onda significa que a mesma ficará se deslocando quando a forma de onda for mostrada na tela em Auto. Para parar você pode especificar um tempo final ou usar sing como já explicado anteriormente. Passo de tempo máximo (Maximum time step): é aqui que você especifica a precisão do gráfico. Um valor muito pequeno dá uma maior precisão, mas demora mais aumenta o tempo de simulação. Um valor grande a sua forma de onda não sairá perfeita. Experimente mudar esse valor para ver o que acontece. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 14

15 Para exemplificar consideremos uma tensão senoidal de 1V de pico e freqüência 1KHz (1ms de período), com os ajustes: Condições Iniciais: Deixar que as condições iniciais sejam automaticamente determinadas pela simulação. Tempo Inicial: 0 Tempo Final: 0,001s (1ms) A forma de onda aparecerá como na figura26. Figura26: Forma de onda para os ajustes especificados acima em Ajuste Padrão dos Instrumentos O Osciloscópio de Quatro Canais Os principais ajustes tais como base de tempo, volts/divisão e outros, são iguais ao do osciloscópio de dois canais e portanto não serão repetidos. A principal diferença é que deveremos selecionar qual deve ser o canal ativo (observe que acima de Volts/Div temos o nome do canal selecionado pela chave que está à direita) num determinado instante, por exemplo na figura27 o canal ativo é o A. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 15

16 Figura27: Osciloscópio de quatro canais aberto canal A selecionado O Osciloscópio Agilent É um osciloscópio digital de 100MHz, 2 canais para sinais analógicos e 16 canais para sinais digitais, não está disponível em todas as versões. Figura28: Osciloscópio Agilent Tem dois canais analógicos, e mais 16 canais digitais e quando aberto (duplo clique) apresenta a mesma interface do osciloscópio real, figura29. Figura29: Osciloscópio Agilent aberto e desligado MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 16

17 Para ver as formas de onda clicar em Ligar/Desligar (Power) Iniciada a simulação e ligada a chave de Ligar/Desligar basta efetuar os ajustes para que as formas de onda sejam visualizadas. A seguir na figura30 as duas formas de onda. Figura30: Formas de onda com a indicação de medidas relativas à fonte1 (source1) MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 17

18 O Traçador do Diagrama de Bode (Bode Plotter) O Traçador do diagrama de Bode (Bode Plotter)é uma ferramenta que permite obter a curva de resposta em freqüência (ganhoxfrequencia) de um circuito, é útil na determinação da freqüência de corte de um circuito. XBP1 IN OUT ( a ) ( b ) Figura31: (a) Símbolos do Bode Ploter na barra de instrumentos e (b) na área de trabalho. A seguir o bode plotter aberto mostrando uma curva de resposta em freqüência. Figura32: Bode Ploter aberto e com uma curva de resposta do ganho Na figura32 temos os seguintes ajustes: Magnitude: Clicando nesse botão será mostrado o gráfico do ganho em função da freqüência. Phase: Clicando nesse botão será mostrado o gráfico da fase em função da freqüência. Vertical (com Magnitude selecionado) Log: Clicando nesse botão a escala vertical (Ganho) será especificada em db (é a forma mais usual). Lin: Clicando nesse botão a escala vertical será especificada de forma linear (não use essa alternativa). Vertical (com Phase selecionado) MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 18

19 Lin: Clicando nesse botão a escala vertical será especificada de forma linear em graus. Limites: São os limites inicial (I) e final (F) para o ganho ou fase conforme seleção. Horizontal (com Magnitude ou Phase selecionados) Log: Clicando nesse botão a escala horizontal (freqüência) logarítmica (é a forma mais usual). Lin: Clicando nesse botão a escala horizontal será especificada de forma linear não use essa alternativa). Limites: São os limites inicial (I) e final (F) para a freqüência para Magnitude ou Phase selecionados. Indicação do Cursor: A indicação do valor do ganho e a correspondente freqüência é feita no quadro ao lado das setas horizontais. Na figura32 as indicações são: -3,068dB e 161,268Hz. Exemplo2: Para exemplificar o uso desse instrumentos consideremos o filtro passa baixas da figura33. Obs: Para que esse instrumento funcione é necessário que na entrada esteja conectado um GF ou a fonte de tensão alternada. Figura33: Filtro Passa Baixas de exemplo Você pode usar o Bode Plotter para determinar, por exemplo, a freqüência de corte de um filtro ou amplificador. A freqüência de corte é a freqüência na qual o ganho será 3dB abaixo do ganho no patamar (no caso 0dB). Desta forma, no exemplo, é a freqüência para a qual o ganho será -3dB. Tente então ajustar os limites (de ganho e freqüência) para obter uma indicação a mais precisa possível. A figura a seguir mostra a curva do ganho e da fase. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 19

20 ( a ) ( b ) Figura34: Filtro Passa Baixas (a) Curva do ganho (b) curva da fase Como exercício determine a freqüência de corte dos circuitos a seguir, usando o Bode Plotter. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 20

21 A Analise Gráfica A analise gráfica é outra alternativa para visualizar gráficos gerados pelos instrumentos (osciloscópio e Bode Plotter) ou por outras análises existentes no MultiSIM 7 (Analise Transiente e Analise AC). O uso desses gráficos permite medidas com maior precisão. Para exemplificar consideremos o filtro da figura35. Após ter iniciado a simulação para ativar a análise gráfica vá em Ver (View) >> Gráfico (Grapher) aparecerá a janela da figura36. Nesta janela o número de abas (tabs) dependerá do numero de simulações executadas. Toda vez que for feita uma simulação será adicionada uma aba correspondente ao instrumento usado. No caso temos dois instrumentos, portanto teremos dois gráficos, um para o Bode Plotter e outro para o osciloscópio. Figura35: Circuito com Bode plotter e osciloscópio inseridos para analise gráfica A figura36 a seguir mostra a janela Analise Gráfica (Analysis Graphs) sem configuração. Figura36: Janela Analise Gráfica (Analysis Graphs) com os gráficos do ganhoxfrequencia e fasexfrequencia, sem configuração MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 21

22 Obs: Caso deseje apagar um dos gráficos, clique com o botão direito no gráfico em seguida Editar (Edit)>>Cortar (Cut). Caso deseje apagar a aba clique com obotão direito no nome da aba (Bode Plotter-XBP1 ou Oscilloscope-XSC1). Para apagar todas as abas ir em Editar (Edit)>> Limpar Páginas (Clear Pages), selecione as páginas que deseja apagar, dê OK. Figura37: Apagando as abas (páginas) de uma análise gráfica Com relação à janela da figura36 temos duas abas (páginas): Bode Plotter-XBP1 São os mesmos gráficos representados no Bode plotter com maior precisão. Oscilloscope-XSC1 São as mesma formas de onda vistas no osciloscópio com maior precisão. Observe que existe uma marca vermelha que indica a seleção do gráfico e da página (aba). Mudando As Propriedades da Página (Aba) Existem algumas propriedade da página que podem ser modificadas como por exemplo o nome da página. Para mudar essas propriedades clique com o botão direito em cima do título padrão (no caso Bode Plotter-XBP1) aparecerá a janela da figura38. ( a ) ( b ) Figura38: (a) Janela para entrar em Propriedades (b) Janela para editar as propriedades da página MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 22

23 Clicando em Propriedades da Página (Page Properties) aparecerá a janela da figura38, nesta você poderá mudar os ítens: Nome da página (Tab Name), Título do gráfico (Title), Cor da fonte (Font) e Cor do fundo (Background color), além disso pode Esconder/Mostrar (Show/Hide) os gráficos. Experimente mudar o Nome da página (Tab Name),Título do gráfico (Title) e a Cor do fundo (Background color). Figura39: Janela de configuração da página Mudando o nome da página Figura40: Página renomeada Mudando As Propriedades do Gráfico Para modificar determinadas propriedade de um gráfico você deve primeiro seleciona-lo (Clique nele, observe a marca vermelha de seleção do lado esquerdo do gráfico). Em MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 23

24 seguida clique com o botão direito no gráfico, aparecerá uma janela igual à da figura31. Escolha Propriedades (Properties) aparecerá a janela da figura41. Figura41: Janela Propriedades do Gráfico (Graph Properties) com aba Eixo Esquerdo (Left Axis) selecionada Dica: A janela da figura41 também pode ser acessada clicando com o botão direito na linha do gráfico vertical (eixo esquerdo). Experimente. A janela da figura41 tem as seguintes abas das quais serão detalhadas apenas as mais relevantes : Geral (General) Eixo Esquerdo (Left Axis) Eixo do Fundo (Bottom Axis) Eixo Direito (Right Axis) Eixo de Cima ( Top Axis) Linhas (Traces) Eixo Esquerdo (Left Axis) Selecionada a aba Eixo Esquerdo (Left Axis) será mostrada a janela a seguir onde podemos fazer mudanças. A figura42 a seguir mostra como configurar o eixo esquerdo. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 24

25 Figura42: Aba Eixo Esquerdo (left axis) aberta mostrando as possíveis configurações Atenção!! Para que a mudança seja efetivada é necessário clicar em Aplicar Eixo do Fundo (Bottom Axis) Selecionada a aba Eixo do Fundo (Bottom Axis) será mostrada a janela a seguir onde poderemos configurar o eixo x, Eixo do Fundo (Bottom Axis). Figura43: Aba Eixo de Baixo (Bottom axis) aberta mostrando as possíveis configurações MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 25

26 Janela Geral (General) da Propriedades do Gráfico Selecionada a aba Geral (General) aparecerá a janela a seguir, nela podemos especificar o nome do gráfico e a fonte usada bem como definir a grade e os cursores. Figura44: Aba Geral (General) aberta mostrando as possíveis configurações Os Cursores São dois e são usados para medir com precisão as grandezas dos eixos vertical e horizontal. Para habilitá-los ir na aba Geral (General)e selecionar Cursor ativado (Cursor On). Você pode também clicar no ícone a seguir. A seguir o gráfico da curva do ganho da figura45 configurado. Figura45: Curva de resposta em freqüência do circuito da figura30 com os cursores ativados MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 26

27 Observe na figura45 as indicações dos cursores. A seguir a descrição das indicações relevantes: X1: Indicação no eixo X do ponteiro 1. No exemplo 136,4674Hz Y1: Indicação no eixo Y do ponteiro 1. No exemplo -31,8175mdB X2: Indicação no eixo X do ponteiro 2. No exemplo 1,7378KHz Y2: Indicação no eixo Y do ponteiro 2. No exemplo -3,4089dB dx: Diferença entre as indicações dos ponteiros no eixo X. No exemplo 1,6013KHz dy: Diferença entre as indicações dos ponteiros no eixo Y. No exemplo -3,3770dB Modelo de um Dispositivo Eletrônico Para compreender o comportamento de determinados dispositivos tais como diodos e transistores, precisamos saber o que é o modelo de um componente. Para exemplificar consideremos os circuitos da figura46. Na figura46a temos um diodo e uma resistência de 1K conectados a uma bateria de 100V e na figura46b uma chave que substitui o diodo. Diodos são encontrados na caixa de componentes Diodos (Diodes), figura46. Nesta caixa de componentes encontramos além de diodos encontramos: SCR, DIAC,TRIAC, ZENER, Ponte Retificadora e o LED. Figura46: Caixa de componentes Diodos (Diodes), com diodo virtual selecionado Selecione uma dentre as família de componentes indicadas na figura46 em seguida um componente desta família, dê OK. Monte os circuitos da figura47 e inicie a simulação. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 27

28 ( a ) ( b ) Figura47: ( a ) Circuito com diodo ( b ) circuito com chave - Modelo adequado Como podemos ver da figura47 os resultados das duas correntes são praticamente iguais. O erro é desprezível. Podemos então afirmar que o modelo aproximado de um diodo quando em condução é o de uma chave fechada. Consideremos que a bateria agora é de 1,5V, figura48. ( a ) ( b ) Figura48: ( a ) Circuito com diodo ( b ) circuito com chave - O modelo não serve Observe que neste caso o erro entre as duas corrente é de aproximadamente 100%. A corrente no circuito com diodo é 849,13µA e no circuito com chave 1,5mA, neste caso não podemos mais usar o modelo da chave fechada para representar o diodo em condução. Melhoremos o nosso modelo, para isso consideremos em série com a chave uma bateria de 0,6V. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 28

29 ( a ) ( b ) Figura49: ( a ) Circuito com diodo ( b ) circuito com chave e bateria - Melhorando o modelo Se adicionarmos em série com a bateria uma resistência estaremos representando de forma mais real um diodo quando em condução. ( a ) ( b ) Figura50: ( a ) Circuito com diodo ( b ) circuito com chave, bateria e resistência - melhorando o modelo mais ainda Modelar um dispositivo eletrônico, de uma forma simplificada, é portanto usar componentes básicos tais como resistências, fontes de tensão fontes de corrente e capacitâncias para representa-lo. Obs: O modelo que estamos considerando é para CC, não considerando as capacitâncias parasitarias associadas à junção, portanto é um modelo simplificado. O construtor do simulador então modela o componente eletrônico a partir das informações fornecidas pelo fabricante do componente, desta forma ao simular um circuito os resultados serão muito semelhantes aos obtidos em um circuito real. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 29

30 A seguir a figura51 apresenta um diodo (1N4001GP da General Instruments ) polarizado reversamente. Figura51: Diodo 1N4001GP da General Instruments polarizado reversamente. Como podemos verificar da figura51 a corrente indicada é 669,812nA (atenção, ajuste a resistência interna do amperímetro em 1mOhm) que é o valor da corrente reversa indicada no modelo A definição dos parâmetros do modelo de um dispositivo é feita através de uma sintaxe própria. Por exemplo para o diodo 1N4001GP da General Instruments o seu modelo é definido através dos parâmetro e da declaração a seguir:.model D1N4001GP DIODE 5 D + IS = 6.698e-07 RS = CJO = 1.949e-11 VJ = TT = 4.933e-06 M = BV = 50+ N = EG = 1.11 XTI = 3 +KF = 0 AF = 1 FC = 0.5 IBV = TNOM = 27 Para obter os parâmetros que definem o modelo do diodo dê duplo clique no símbolo do diodo aparecerá a janela da figura52a na qual selecionando Editar Modelo (Edit Model) você poderá modificar esses parâmetros (por exemplo a corrente de saturação IS) figura52b. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 30

31 ( a ) ( b ) Figura52: ( a ) Janela Diodo ( b ) Janela de edição do modelo do diodo Como exercício experimente mudar o valor da corrente de saturação e simular novamente. A Caixa de Componentes Transistores Nesta caixa encontramos transistores bipolares e de transistores efeito de campo (MOS e JFET). Para editar os parâmetros de um transistor o procedimento é idêntico ao usado para mudar a corrente reversa de saturação do diodo. Mudando o Beta de um Transistor Selecione a família Transistor na figura53 e o componente BJT_NPN_VIRTUAL, dê OK. MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 31

32 Figura53: Caixa de componentes Transistores (Transistors) com a família Transistor selecionada e o componente Transistor de 4 terminais selecionado Para mudar o beta de um transistor dê duplo clique no transistor se abrirá a janela da figura54 Figura54: Janela transistor virtual. Como Editar o modelo do transistor Após ter clicado em Editar Modelo (Edit Model) aparecerá a janela da figura55 MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 32

33 . Figura55: Janela de Edição do Modelo - Mudando o beta do transistor Observe que o beta aparece como BF (ideal maximum forward beta) e com valor padrão de 100. Caso você deseje mudar somente o transistor que está na área de trabalho clique em Mudar Modelo da Parte (Change Part Model), caso deseje mudar para todos os transistores, deste modelo, colocados na área de trabalho, clique em Mudar Todos os Modelos (Change All Models). Para voltar para os valores originais clique em Restaurar (Restore). A seguir um circuito com o transistor com os parâmetros da figura55. Figura56: Circuito de polarização por divisor de tensão na base - transistor com beta=200 Experimente repetir com beta=400 MultiSIM 7 Ferramenta de Auxílio ao Ensino da Eletrônica Módulo 2 33

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

Módulo 3: multisim 7 Circuitos Digitais

Módulo 3: multisim 7 Circuitos Digitais Módulo 3: multisim 7 Circuitos Digitais Esta é a terceira parte do trabalho sobre o MultiSIM 7 e é dirigida para o estudo de circuitos eletrônicos digitais básicos, desta forma os instrumentos e componentes

Leia mais

Gerador de funções e osciloscópio

Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 2.1 Material Osciloscópio digital; Gerador de funções. 2.2 Introdução Na aula anterior utilizamos instrumentos de medida (amperímetro e voltímetro) e fontes

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 555 M-1108A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Experiência

Leia mais

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA OBJECTIVO Familiarização com os instrumentos a usar nos trabalhos práticos posteriores (osciloscópio, painel didáctico, gerador de sinais, fonte de alimentação

Leia mais

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC)

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Introdução teórica aula 5: Osciloscópio e Gerador de Sinais Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Ao final do século XIX o sistema de distribuição de energia Edison (Edison General Electric)

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC)

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) Circuitos AC (RL/RC/RLC) M-1103A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+ Teoria de Fourier Domínio da Freqüência e Domínio do Tempo A teoria de Fourier estabelece que uma forma de onda periódica pode ser decomposta em harmônicos relacionados; senos ou cossenos em diferentes

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA Uma das grandes dificuldades que os técnicos enfrentam na reparação de circuitos eletrônicos é esta: os fenômenos que ocorrem nos componentes eletrônicos são abstratos; ou

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

UTILIZANDO O MuLTISIM. laboratório de tecnologia. Newton C. Braga. Instituto

UTILIZANDO O MuLTISIM. laboratório de tecnologia. Newton C. Braga. Instituto laboratório de tecnologia Instituto ensino médio ensino fundamental disciplina tecnologia UTILIZANDO O MuLTISIM Introdução ao Multisim Software de Simulação de Circuitos da National Instruments ESCOLA:

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Módulo 1: multisim 7 Introdução Análises em CC

Módulo 1: multisim 7 Introdução Análises em CC Módulo 1: multisim 7 Introdução Análises em CC Esta é a primeira parte do trabalho sobre o MultiSIM 7 e é dirigida para o estudo de circuitos em corrente contínua, desta forma os instrumentos e componentes

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Terminais banhados à ouro Fácil visualização dos circuitos 18 Módulos envolvendo os principais conceitos de elétrica e eletrônica

Leia mais

Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais

Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais Prof. Alan Petrônio Pinheiro Apostila de MultiSim 17 Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais O primeiro passo para se trabalhar com circuitos digitais é inserir portas lógicas. Para isto, dispomos

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Laboratório de. Eletrônica Analógica II

Laboratório de. Eletrônica Analógica II UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Laboratório de Eletrônica Analógica II Professor Volney Coelho Vincence, 2014/1 Vincence Eletrônica

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Prof. Hamilton Klimach Janeiro de 2002 OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Introdução Esse osciloscópio, como qualquer outro, tem por função apresentar a representação visual da tensão

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

DISPOSITIVOS ESPECIAIS

DISPOSITIVOS ESPECIAIS DISPOSITIVOS ESPECIAIS 1 DISPOSITIVOS ESPECIAIS BUFFERS/DRIVERS TRI-STATE PORTAS EXPANSÍVEIS/EXPANSORAS SCHMITT - TRIGGER OBJETIVOS: a) Entender o funcionamento de dispositivos lógicos especiais como:

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

4 PARÂMETROS DINÂMICOS

4 PARÂMETROS DINÂMICOS 4 PARÂMETROS DINÂMICOS Nesta experiência iremos medir os parâmetros do amp op que podem prejudicar o desempenho dos circuitos em alta freqüência. Os dois parâmetros Produto Ganho-Largura de Banda GBP (também

Leia mais

Conhecendo o Proteus

Conhecendo o Proteus Conhecendo o Proteus Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Em uma série de 3 artigos, veremos como usar o Proteus. Introdução Iremos neste momento iniciar nosso estudo no Proteus usando para isso as

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica Semicondutores, Diodos e Retificadores Questões sobre Semicondutores: 1) O que é um material semicondutor? Dê 2 exemplos. 2) O que é camada de valência? 3) O

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Interface USB DE 50 ATÉ Display: LCD de 7 (400 x 240) colorido. Largura de Banda: Inicial de 50MHz podendo ser atualizada para 70MHz e. Contraste: Ajustável

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a Electrónica P1 - Osciloscópio. Objectivo Iniciação ao osciloscópio Material necessário 1 osciloscópio, 1gerador de sinais, 1 fonte de tensão. Procedimento experimental Siga o procedimento para cada uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V

OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V APLICAÇÕES Este instrumento foi projetado para proporcionar uma análise rápida de sinais através de sua Unidade de Aquisição de Dados Rápida. Dotado

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução de Eletrônica Analógica Laboratório No.

Leia mais

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios Instrumentos de Medidas II Nesta prática iremos nos familiarizar com o uso de osciloscópios, mostrando algumas das funcionalidades desses instrumentos. Através de exemplos específicos mostraremos como

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

Notas sobre os instrumentos

Notas sobre os instrumentos 8 ircuitos de corrente alternada Notas sobre os instrumentos A. Precisão de alguns instrumentos: Antes de desperdiçar tempo querendo medir com mais precisão do que os instrumentos permitem, tenha presente

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS. Tutorial de Teste

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS. Tutorial de Teste Tutorial de Teste Tipo de Equipamento: Disjuntor Marca: Siemens Modelo: 3AH Ferramenta Utilizada: CE-6006 ou CE-6003 Objetivo: Teste do tempo da abertura/fechamento desde o comando até a abertura/fechamento

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V...

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V... 1 Considere o sinal periódico indicado na fig. 1: +30-10 -30 0 1 2 3 4 5 6 7 Fig. 1. a) Esboce a imagem que observaria num osciloscópio com ecrã de 10 10 divisões, utilizando uma ponta de prova atenuadora

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação apresenta experimentos planejados para desenvolver comunicações eletrônicas fundamentais. O é

Leia mais

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima O que são sistemas eletrônicos? Sistemas elétricos, como os circuitos da sua casa, usam corrente elétrica para alimentar coisas como

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: ED-2110. www.minipa.com.br USB CARACTERÍSTICAS ED-2110

SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: ED-2110. www.minipa.com.br USB CARACTERÍSTICAS ED-2110 SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: PROPOSTA TÉCNICA CARACTERÍSTICAS Display de LCD TFT Touch. Realiza experimentos sem necessidade de um sistema de medição a parte. Possibilidade de programação

Leia mais

Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC Universidade Estadual de Campinas Unicamp EE531 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA BÁSICA I EXPERIÊNCIA 2

Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC Universidade Estadual de Campinas Unicamp EE531 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA BÁSICA I EXPERIÊNCIA 2 Faculdade de ngenharia létrica e de Computação FC Universidade stadual de Campinas Unicamp 531 LABORATÓRIO D LTRÔNICA BÁSICA I XPRIÊNCIA 2 TRANSISTOR BIPOLAR Prof. Lee Luan Ling 1 o SMSTR D 2010 1 Objetivo:

Leia mais

LEE 2006/07. Guia de Laboratório. Trabalho 3. Circuitos Dinâmicos. Resposta no Tempo

LEE 2006/07. Guia de Laboratório. Trabalho 3. Circuitos Dinâmicos. Resposta no Tempo Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 3 Circuitos Dinâmicos Resposta no Tempo INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores

Leia mais

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos Conteúdo P1 - Erro experimental....3 P2 - Osciloscópio.... 5 P3 - Divisor de tensão. Divisor de corrente.... 13 P4 - Fonte de tensão.

Leia mais

CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP

CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP IFBA CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 NÃO-INVERSOR Amplificador CA Ganho de tensão de malha

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE MÁRCIO PORTES DE ALBUQUERQUE OUTUBRO 2007-1 - SUMÁRIO RESUMO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PARTE I: O QUE É UM AMPLIFICADOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CURSO DIDÁTICO SOBRE O SIMULADOR DE CIRCUITOS ELÉTRICOS E ELETRÔNICOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CURSO DIDÁTICO SOBRE O SIMULADOR DE CIRCUITOS ELÉTRICOS E ELETRÔNICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - DEE CURSO DIDÁTICO SOBRE O SIMULADOR DE CIRCUITOS ELÉTRICOS E ELETRÔNICOS Prof. Fortaleza, Agosto de 2003 ORCAD

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula

Leia mais

Microsoft Excel 2010

Microsoft Excel 2010 Microsoft Excel 2010 Feito por Gustavo Stor com base na apostila desenvolvida por Marcos Paulo Furlan para o capacitação promovido pelo PET. 1 2 O Excel é uma das melhores planilhas existentes no mercado.

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 6

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 6 Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 6 1. Titulo: Prática 12 Filtros ativos 2. Objetivos: Estudo de montagem de filtros ativos passa-baixa e passa-alta. 3.

Leia mais

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS 1 CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS INTRODUÇÃO Basicamente tem-se dois tipos de multivibradores: os monoestáveis e os astáveis ou osciladores. Como o próprio nome indica, um monoestável tem somente um

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PSPICE. Usaremos o PSPICE para simular o circuito mostrado na Figura 1. Figura 1. Exemplo No. 1

INTRODUÇÃO AO PSPICE. Usaremos o PSPICE para simular o circuito mostrado na Figura 1. Figura 1. Exemplo No. 1 INTRODUÇÃO AO PSPICE 1. O QUE É O PSPICE? O programa PSPICE (ORCAD) é um simulador digital de circuitos eletrônicos, que emula os comportamentos de um circuito real. Deste modo ele permite fazer todos

Leia mais

FET AMPLIFIERS Amplificadores FET

FET AMPLIFIERS Amplificadores FET FET AMPLIFIERS Amplificadores FET M-1106A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução a Eletrônica Analógica Laboratório No. 6

Leia mais

O circuito integrado 555 (ART011)

O circuito integrado 555 (ART011) O circuito integrado 555 (ART011) Pela utilidade do circuito integrado 555, este artigo é um dos mais acessados deste site. Nele explicamos quase tudo (pois tudo que ele pode fazer é impossível de descrever)

Leia mais

EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS Nesse experimento você aprenderá os princípios básicos de funcionamento e manuseio de um osciloscópio digital e realizará medidas simples de sinais

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 2000

Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 2000 Laboratório de Sistemas Digitais /0 Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 000 OBJETIVO Aprender a utilizar o Editor de Esquemáticos e o Simulador Lógico Criar e simular os esquemáticos

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

10. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA

10. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA Prereguladores de Fator de Potência Cap 10 J A Pomilio 10 CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA Nos últimos anos, uma variedade

Leia mais

MYOSYSTEMBR1 PXX MyosystemBr1_Pxx DataHominis Tecnologia Ltda

MYOSYSTEMBR1 PXX MyosystemBr1_Pxx DataHominis Tecnologia Ltda MYOSYSTEMBR1 PXX O MyosystemBr1_Pxx é um sistema completo para eletromiografia e foi projetado para suprir suas necessidades em uma grande variedade de trabalhos. Suas possibilidades de aplicação vão desde

Leia mais

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz.

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz. Ciências Experimentais P5: Osciloscópio. Sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho. 1. Objectivos Iniciação ao osciloscópio. Estimativas de sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho.

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Introdução 5 Introdução ao osciloscópio 6 O painel do osciloscópio e a função dos seus controles 7 Controles de ajuste do traço ou ponto na tela 8 Brilho ou luminosidade (brightness ou intensity)

Leia mais

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre 17:47:08 Introdução à Informática com Software Livre 1 17:47:09 Audacity 2 Audacity 17:47:09 Audacity é um Software Livre de edição digital de áudio, disponível principalmente nas plataformas: Windows,

Leia mais