INVENTário da Ictiofauna do rio Santa catarina, bacia do Rio são francisco) no município de vazante, minas gerais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVENTário da Ictiofauna do rio Santa catarina, bacia do Rio são francisco) no município de vazante, minas gerais"

Transcrição

1 ISSN DOI: /ecb.v4i1.53 Acesso livre em 14 INVENTário da Ictiofauna do rio Santa catarina, bacia do Rio são francisco) no município de vazante, minas gerais CHECKLIST OF THE ICHTHYOFAUNA THE SANTA CATARINA RIVER, SÃO FRANCISCO RIVER BASIN IN MUNICIPALITY OF VAZANTE, MINAS GERAIS Nathan Pereira Lima Amorim¹, Patrícia Giongo¹ ³, Frederico Belei² ³, Wagner Martins Santana Sampaio² ³. 1 - LagEEvo - Laboratório de Genética Ecológica e Evolutiva, Universidade Federal de Viçosa- campus de Rio Paranaíba 2- IPEFAN Instituto de Pesquisa em Fauna Neotropical 3- DBA - Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal, Departamento de Biologia Animal, Universidade Federal de Viçosa. Resumo A bacia hidrográfica do Rio São Francisco é a terceira maior em extensão do Brasil. O Rio Paracatu é um dos grandes afluentes do rio São Francisco, e tem como um de seus tributários o rio Santa Catarina, principal rio presente no município de Vazante, Minas Gerais. A Ictiofauna da bacia do São Francisco é composta por aproximadamente 244 espécies, destas 173 ocorrem no estado de Minas Gerais, sendo que as famílias Characidae, Loricariidae, Rivulidae e Anostomidae são mais diversas. O presente trabalho buscou inventariar a ictiofauna do Rio Santa Catarina no município de Vazante. Foram capturados 177 indivíduos, distribuídos em 61 espécies, 45 gêneros, 22 famílias e 6 ordens. O Rio Santa Catarina apresenta inúmeros habitats que são essenciais para manutenção da biodiversidade aquática da bacia do Rio São Francisco, tais como veredas, dolinas naturais e rios intermitentes, que constituem um habitat bastante específico para peixes ameaçados de extinção. Palavras-chave: Bacia do rio Paracatu, rio Santa Catarina, Ictiofauna Abstract The São Francisco river basin is the third largest in extension in Brazil. The Paracatu river is a major contributor of the São Francisco river, having as one of its tributary the Santa Catarina river, this being the main river of the city of Vazante, Minas Gerais. The ichthyofauna of the São Francisco basin comprises about 244 species, 173 of these occur in the state of Minas Gerais, and the families Characidae, Loricariidae, Rivulidae Anostomidae and are more diverse. The present study sought to inventory the fish fauna of the river in the municipality of Santa Catarina Vazante. We captured 177 individuals belonging to 61 species, 45 genera, 22 families and 6 orders. The Santa Catarina river has numerous habitats that are essential for maintenance of aquatic biodiversity of the São Francisco river, such as lowlands, natural sinkholes and intermittent streams that constitute a very specific habitat of some endangered fish species. Key-words: Paracatu River Basin, Santa Catarina River, Ichthyofauna

2 15 Introdução A bacia hidrográfica do Rio São Francisco é a terceira maior em extensão do Brasil. Esta faz parte da grande bacia do Leste, abrangendo os estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe e sendo dividida em quatro segmentos: alto, médio, submédio e baixo. O médio São Francisco, com km, estendese desde a cidade de Pirapora (MG) até Remanso (BA) (Paiva e Bastos, 1982; Godinho e Godinho, 2003). No trecho mineiro a bacia do Rio São Francisco é abastecida por grandes afluentes, como por exemplo o Rio Carinhanha, o Rio Paracatu e o Rio Urucuia. O Rio Paracatu é um dos principais contribuintes do Rio São Francisco, e assim como outros tributários, sofre influência das represas de Sobradinho e Três Marias, e também dos cursos d água que formam a microbacia do Paracatu. O Rio Santa Catarina é afluente esquerdo do Rio Paracatu, sendo o principal rio presente no município de Vazante, em Minas Gerais. A ictiofauna da bacia do São Francisco é representada por cerca de 244 espécies de água doce, sendo que destas 173 ocorrem em Minas Gerais sendo as famílias Characidae, Loricariidae, Rivulidae e Anostomidae as mais diversificadas em número de espécies (Britski et al., 1988; Barbosa & Soares, 2009; Langeani et al., 2009; Alves & Leal, 2010). A região do Rio Paracatu é considerada como área prioritária para conservação, pois apresentam alto grau de endemismo e também porque é habitada por espécies ameaçadas de extinção (Sá et al.,2001; Drummond et al., 2005; Nogueira et al., 2010). Na região do Rio Santa Catarina, mais especificamente no município de Vazante (MG), as atividades ligadas à mineração representam a principal atividade econômica da região, estas que acarretam em vários tipos de impactos ambientais aos ecossistemas aquáticos. O uso intensivo do solo potencializa um processo natural de erosão e assoreamento dos cursos de água, que em última instância, podem afetar os rios do São Francisco, além de trazer problemas à saúde pública. Este tipo de atividade pode também alterar o equilíbrio dos sistemas fluviais através da redefinição dos limites do canal e mudanças no padrão de fluxo e de transporte de sedimentos (Bizerril e Primo, 2001; Oliveira e Mello, 2007; Borges-Jr et al., 2008). Dessa forma, as atividades de mineração juntamente com a introdução de espécies exóticas e a construção de barragens são uma das principais ameaças à ictiofauna de Minas Gerais (Drummond et al., 2005). O presente trabalho busca caracterizar a ictiofauna do Rio Santa Catarina, no município de Vazante, Minas Gerais, e desta forma propor medidas de conservação da ictiofauna da bacia do Rio Santa Catarina. Material e Métodos O estudo foi realizado no Rio Santa Catarina (bacia do Rio Paracatu), no município de Vazante, no estado de Minas Gerais. Foram realizadas duas campanhas (uma no período de seca, Setembro de 2011 e uma no período chuvoso, Janeiro de 2011), em dez estações amostrais sendo que em seis foram realizadas amostragens quantitativas e qualitativas e em outras quatro estações amostrais apenas amostragem qualitativas devido ao porte dos cursos de água (Tabela 01). As coletas foram realizadas sob licença do IBAMA e tombados no Laboratório de Genética Ecológica e Evolutiva da Universidade Federal de Viçosa, Campus de Rio Paranaíba. Em cada local de amostragem foi utilizado um conjunto de seis redes de espera, cada uma com 10 metros de comprimento e altura de 1,6 metros, com as malhas 15, 20, 25, 30, 35, 40, 45, 50, 55, e 60 mm, entre nós adjacentes. Métodos de coleta ativa utilizaram tarrafas, redes de arrasto e peneiras. As tarrafas foram operadas com dez lances, sendo cinco lances para cada malha (2,4 mm e 4 mm); as peneiras (1 mm) e a rede de arrasto (1.30 x 1.40 m com 2 mm) foram operadas 20 vezes por estação amostral. Espinhéis foram montados em fios de nylon com 20 anzóis de tamanhos variados e iscados com

3 16 Tabela 1. Estações Amostrais na subbacia do rio Santa Catarina (Bacia do rio Paracatu). Estação Amostral Coordenada Geográfica PSC ; PSC ; PSC ; PSC ; PSC ; PSC S; O Al ; Al S; O Al S; O Al S; O diferentes atrativos, sendo instalado um espinhel para gêneros, 22 famílias e 6 ordens (Tabela. 02). As famílias cada estação amostral. Para complementar o inventário que apresentaram maior número de espécies foram ainda foi adotada metodologias de inventário rápido Characidae (14), Loricariidae (6), Anostomidae (6) e de acordo com Latini & Petrere (2004) considerando Pimelodidae (5). visualizações de peixe a olho nu, além de entrevistas com moradores locais e levantamento por dados Discussão e Conclusões secundários nos estudos feitos nas áreas do Rio Santa Catarina. A referência utilizada como dado secundário foi o estudo utilizado de impacto ambiental realizado Os resultados encontrados estão dentro do no rio Santa Catarina, Brandt (2008). Após as capturas, esperado para a bacia do São Francisco e para a região os peixes foram anestesiados com óleo de cravo, Neotropical (Sato & Godinho, 1999; Lowe-McConnel, sacrificados, fixados e conservados em formaldeído a 1999; Barbosa & Soares, 2009). A bacia do Rio São 10% da solução comercial, sendo acondicionado em Francisco no estado é mais diversa entre todas as bacias sacos contendo etiquetas com anotações sobre o tipo que cortam o estado de Minas Gerais e juntamente com de aparelho de pesca, malha, ponto de amostragem a drenagem do rio Jequitinhonha é uma das poucas e período de captura. O material testemunho foi drenagens em que o número de espécies não decresceu depositado na coleção de ictiologia do Laboratório de no estado (Drummond et al., 2005). Genética Ecológica e Evolutiva da Universidade Federal de Viçosa, Campus de Rio Paranaíba. A determinação O trabalho de Nogueira et al. (2010) apresenta taxonômica foi obtida com o auxílio dos trabalhos um estudo sobre as principais regiões hidrográficas científicos disponíveis (Britski et al., 1988;) e consulta Brasileiras onde o aumento de atividades antrópicas a especialistas. O estudo taxonômico buscou identificar (avanço de hidrelétricas; atividades agropecuárias) os indivíduos até espécie. apresenta uma ameaça iminente à ictiofauna nativa. De Resultado: acordo com Nogueira et al., (2010) a bacia do Rio São Francisco apresenta 16 áreas de vida em estado crítico Foram capturados 177 indivíduos (Voucher: que incorporam aproximadamente 60 espécies e fazem Lote 66 - nº 2290; ; ; dessas áreas prioritárias para conservação. 2502). Estes estão distribuídos em 61 espécies, 45

4 17 A bacia do São Francisco apresenta muitas espécies endêmicas, várias restritas a um habitat bastante específico, como é o caso de peixes anuais da família Rivulidae. Estes apresentam seu ciclo de vida intrinsecamente relacionada à dinâmica hídrica de veredas, poças temporárias e rios intermitentes, ambientes presentes no local de estudo e que deveriam ser prioritários à conservação. O Presente trabalho levantou para região do Rio Santa Catarina as espécies Simpsonichthys alternatus, S.auratus e S. trilineatus, todas ameaçadas e de vida restrita a estas veredas e poças temporárias. de importância econômica do Rio São Francisco, como as Bicudas (Prochilodus sp.), o Pacamã (Lophiosilurus alexandri), a Tabarana (Salminus hilarii) e os Piaus (Leporinus reinhardti, L. elongatus). Entre as espécies de importância econômica na região destacamos a influência dos peixes exóticos como a Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Porém os peixes de melhor valor no mercado da bacia do São Francisco ainda são os nativos como o Surubim (Pseudoplatystoma corruscans), o Dourado (Salminus brasiliensis) e o Pacamã (Lophiosilurus alexandri) (Godinho e Godinho 2003). A incidência de espécies introduzidas (14%) O trecho estudado do Rio Santa Catarina para o Rio Santa Catarina foi relativamente baixa apresenta uma comunidade de peixe bem estruturada quando comparada com outras bacias hidrográficas com representantes em diversas cadeias tróficas em Minas Gerais, mas sempre deve-se tratar de (Wootton, 1994). Estão presente as espécies invasões biológicas como fenômenos complexos e generalistas, como é o caso da tabarana, espécies que podem gerar respostas ambientais irreversíveis. frugívoras como o piau (Leporinus reinhardti), piscívoras Dentre as preocupações com invasões, estão alterações como o pacamã (Lophiosilurus alexandri), e detritívoras, no habitat, na estruturação da comunidade, nas como os cascudos (Hypostomus francisci) e iliófagas relações tróficas, processos de hibridização, perda de como as bicudas (Prochilodus sp.), responsáveis pelo patrimônio genético original, introdução de doenças e maior aporte e aproveitamento da matéria vegetal parasitas, e aceleração de processos de homogenização depositado no rio, assim veiculando energia para toda a (Vitule, et al., 2009; Vitule et al., 2012). No presente cadeia trófica. trabalho foram capturadas espécies exóticas, comumente consideradas de importância econômica, A região do Rio Santa Catarina em Vazante como o Bagre Africano (Clarias gariepinus), Tilápia do (MG) atualmente se encontra com trechos de matas Nilo (Oreochromis niloticus). Além destes, espécies ciliares bem preservadas, com vegetação de médio e como o Sarapó (Gymnotus carapo) e o Tamboatá grande porte e trechos desmatados (Figura 01). O Rio (Hoplosternum littorale) também foram encontradas, Santa Catarina apresenta inúmeros habitats que são estas apresentando histórico de introdução ligado à sua essenciais para manutenção da biodiversidade aquática utilização como iscas vivas. Em geral, essas espécies são da bacia do Rio São Francisco, como veredas, dolinas introduzidas buscando melhoria nas atividades de pesca naturais e rios intermitentes que apresentam peixes esportiva e pesca de subsistência, fato que nem sempre de vida restrita e ameaçados de extinção (Drummond é atingido já que as espécies introduzidas competem et al., 2005; Nogueira et al., 2010), além de poder com as nativas e desorganizam a cadeia alimentar do apresentar uma importante rota migratória para os local de introdução (Vitule et al., 2009). peixes que ocorrem no Rio Paracatu um dos principais afluentes do Rio São Francisco em Minas Gerais. Sato A bacia do Rio São Francisco é conhecida et al., (2003) relata que o rio Paracatu representa uma historicamente como uma das principais fontes de das principais rotas de migração para peixes do rio São pescado brasileiro (Godinho e Godinho, 2003). O Rio Francisco. Sato e Godinho in Godinho e Godinho (2003) Santa Catarina incorpora algumas das principais espécies

5 18 Figura 01) Caracterização das áreas de estudo no rio Santa Catarina. sugerem diferentes status de conservação ao longo da bacia para peixes migradores e o trecho que incorpora a bacia do rio Paracatu é considerado vulnerável. A ictiofauna do trecho mineiro da bacia do rio São Francisco é relativamente bem estudada principalmente nas proximidades na porção superior do Alto São Francisco até as áreas de influência da UHE Três Marias, porém muitos trechos ainda são carentes de dados consolidados para ictiofauna, como os da sub-bacia do rio Paracatu (Godinho e Godinho, 2003; Alves e Leal, 2010). Nesse sentido o presente trabalho contribui para o conhecimento da ictiofauna da subbacia do rio Paracatu e a captura de espécies migradoras e de importância comercial reforçam a necessidade de estudos mais específicos para auxiliar na criação de estratégias específicas para a conservação dos peixes do rio Santa Catarina. Referência Bibliográfica Alves CBM, Leal CG. (2010) Aspectos da conservação da fauna de peixes da bacia do rio São Francisco em Minas Gerais. MG. Biota, 2: Barbosa JM, Soares EC. (2009). Perfil da ictiofaua da bacia do São Francisco: Estudo Preliminar. Rev. Bras. Enga. Pesca 4(1): Bizerril CRSF, Primo PBS. (2001) Peixes de Águas Interiores do Estado do RJ. Rio de Janeiro, FEMAR/ SEMADS. 5: 417. Borges Júnior M, Mello JWV, Shaefer CE, Dussin TM, Amim Júnior J. (2008) Distribuição e formas de ocorrência de zinco em solos no município de Vazante - MG. R. Bras. Ci. Solo, Viçosa, 32(5): Brandt Meio Ambiente. (2008) Estudo de Impacto Ambiental da Expansão da área de Lavra da Mina Subterrânea de Willemita - Extremo Norte da Votorantim Metais Zinco S.A. Relatório Técnico, vol 1: Xp. Britski HÁ, Sato Y, Rosa ABS. (1988) Manual de identificação de peixes da região de Três Marias, (3 ed.). Brasília: Câmara dos Deputados-CODEVASF, 115p. Drummond GM, Martins CS, Machado ABM, Sebaio FA, Antonini Y. (2005) Peixes. in: Machado, Angelo Barbosa Monteiro (Org.); Martins, Cassio Soares (Org.); Sebaio, Fabiane (Org.) ; Drummond, Gláucia Moreira (Org.); Antonini, Y. (Org.). Biodiversidade em Minas Gerais: um atlas para conservação sua conservação. 2º. ed. Belo Horizonte: Ed. Fundação Biodiversitas, v. 1: p Godinho AL, Godinho HP. (2003) Uma breve visão sobre o São Francisco. In: Hugo Pereira Godinho; Alexandre Lima Godinho. (Org.). Águas, peixes e pescadores do São Francisco das Minas Gerais. Belo Horizonte: PUC Minas, v.1: p Langeani F, Buckup PA, Malabarba LR, Py-Daniel LHR, Lucena CAS, Rosa RS, Zuanon JAS, Lucena ZMS, Britto MR,Oyakawa OT, Gomes-Filho G. Peixes de Água

6 19 Doce(2009). In: Rosana M. da Rocha ; Walter A. Boeger. (Org.). Estado da arte e perspectivas para a zoologia no Brasil. Curitiba: Sociedade Brasileira de Zoologia, v. 1: p Latini, A.O. and M. Petrere Reduction of a native fish fauna by alien species: an example from Brazilian freshwater tropical lakes. Fisheries Management and Ecology, 11(2): Lowe-McConnell RH. (1999) Estudos ecológicos de comunidades de peixes tropicais. São Paulo: EDUSP: p Nogueira C, Buckup PA, Menezes NA, Oyakawa OT, Kasecker TP, Ramos-Neto MB, Silva JMC. (2010) Restricted-Range Fishes and Conservation of Brazilian Freshwaters. Plos-One, 5(6):1-10. Paiva MP, Bastos SA. (1982) Marcação de Peixes nas regiões do Alto e Médio São Francisco (Brasil). Ciência e Cultura,34 (10): Paiva MP, Bastos SA. (1982) Marcação de Peixes da nas regions do Alto e Médio São Francisco (Brasil). Ciência e Cultura,34 (10): Sá MFP, Fenerich-Verani N, Fragoso EN. (2001) Peixes do Cerrado em Perigo. Ciência Hoje, 34: Sato Y, Godinho HP. (1999) Peixes da bacia do rio São Francisco. In: Lowe-McConnell, R.H. Estudos ecológicos de comunidades de peixes tropicais. São Paulo: EDUSP: p Sato Y, Fenerich-Verani N, Nuner U. (2003) Padrões reprodutivos de Peixes da Bacia do São Francisco. In:. GODINHO, HP; GODINHO, AL (Eds) Águas, Peixes e pescadores do São Francisco das Minas Gerais. Belo Horizonte: PUC Minas. 1: p Vitule JRS, Freire CA, Simberloff D. (2009) Introduction of non-native freshwater fish can certainly be bad. Fish and Fisheries, 10: Vitule JRS, Skóra F, Abilhoa V. (2012) Homogenization of freshwater fish faunas after the elimination of a natural barrier by a dam in Neotropics. Diversity and Distributions, 18: Wootton RJ. (1994) Ecologia de peixes teleósteos. Londres, Chapman & Hall, 404pp. Tabela 2 - Descritores taxonômicos dos peixes da região do rio Santa Catarina. Grau de ameaça. NA nativa; ALO Alóctone; - Autóctone; EXO- Exótica; *Ameaçada de Extinção; **Registro Secundário. FAMÍLIA ESPÉCIE NOME COMUM ORIGEM Acestrorhynchidae Acestrorhynchus lacustris (Lütken, 1875) Peixe Cachorro Anostomidae Leporinus taeniatus Agassiz, 1829 Piau-jejo Leporellus vittatus sp 2 Agassiz, 1829 Piau Leporinusreinhardti Lütken, 1875 Piau três pintas Leporinus elongatus Valenciennes, 1850 Piau verdadeiro Schizodon knerii Steindachner, 1875 Piau branco

7 20 Auchenipteridae Schizodon sp. Piau vara Parauchenipterus galeatus (Linnaeus, 1766)* Cumbaca Callichthyidae Hoplosternum littorale (Hancock, 1828) Tamboatá ALO Characidae Astyanax bimaculatus (Linnaeus, 1758) Lambari, tambiú Astyanax fasciatus (Cuvier, 1819) Astyanax rivularis (Lütken, 1875) Lambari do rabo vermelho Lambari do amarelo com pinta Astyanax scabripinnis(jenyns, 1842) Lambari prata Astyanax sp1 Baird& Girard, 1854 lambari Roeboides xenodon (Reinhardt, 1852) Lambari Bryconamericus sp.eigenmann, 1907 Piaba Psellogrammus kennedy (autor) Piaba Hemigrammus marginatus Ellis, 1911* Lambari do olho vermelho Serrasalmus brandti (Lütken, 1875) Pirambeba Serrapinus heterodon (Eigenmann, 1915)* Piaba Piabina argêntea Reinhardt,1867 Piaba Salminus hilarri Valenciennes, 1850 Tabarana Brycon lundii Lütken, 1875 Matrinchã * Salminus brasiliensis (Cuvir, 1816) Dourado Triportheus guenteri (Garman, 1890) Piaba facão Cichlidae Oreochromis niloticus (Linnaeus, 1758)* Tilápia EXO Cichlasoma sp.swainson, 1839: * Acará Crenicichla sp (Castelnau, 1855) * João bobo Geophagus brasiliensis Kner, 1865* Acará Clariidae Clarias gariepinus (Burchell, 1822)* Bagre africano EXO Crenuchidae Characidium fasciatum Reinhardt, 1867 Marizinha Curimatide Steindachnerina elegans (Steindachner, 1875) Turrú Erythrinidae Hoplias malabaricus (Bloch 1794) Traíra Hoplias aff.intermedius Miranda Ribeiro, 1908 Traírão /ALO Gymnotidae Gymnotus carapo Linnaeus 1758 Sarapó Heptapteridae Ceptosorhamdiai heringi Schubart & Gomes,1959 Bagrinho Imparfinis minutus (Lütken, 1874) Bagrinho Rhamdia quelen (Quoy & Gaimard, 1824) Bagre Ictaluridae Ictalurus punctatus (Rafinesque, 1818) Bagre Americano Loricariidae Hypostomus francisci LaCepède, 1803 Cascudo amarelo EXO

8 21 Hypostomus affinis LaCepède, 1803 Cascudo amarelo Pterygoplichthys etentaculatus (autor) Cascudo Hypostomus sp1 LaCepède, 1803 Cascudinho Hypostomus sp2 LaCepède, 1803 Rineloricaria sp Bleeker, 1862 Cascudo aviador Cascudo viola Parodontidae Parodon hilarii Reinhardt, 1867 Canivete Pimelodidae Pimelodus fur Lacépède, 1803 Mandi chorão Pimelodus maculatus (Lütken, 1874) Mandi amarelo Pimelodella sp. Eigenmann & Eigenmann, 1888 Mandi amarelo pintado Bergiaria westermanni (Lütken, 1874)* Mandi prata Duopalatinus emarginatus (Valenciennes, 1840)** Mandi-açu Poeciliidae Poecilia vivipara Bloch & Schneider, 1801 Barrigudinho ALO Prochilodontidae Pseudopimelodidae Sternopygidae Prochilodus argenteus Spix & Agassiz, 1829 Bicuda Vermelha ALO Prochilodus costatus Valenciennes, 1850 Bicuda, Prochilodus vimboides Kner, 1859 Bicuda Lophiosilurus alexandri Steindachner, 1876 Sternopygus macrurus (Bloch & Schneider, 1801) Eigenmannia virescens (Valenciennes 1836)* Pacamã Sarapó branco Sarapó Vermelho Synbranchidae Synbranchus marmoratus Bloch,1795** Mussum Rivulidae Simpsonichthys alternatus (Costa & Brasil, 1994)** Simpsonichthys auratus Costa & Nielsen, 2000** Simpsonichthys trilineatus Costa & Brasil, 1994)** Peixe de vereda Peixe de vereda Peixe de vereda * * * O periódico Evolução e Conservação da Biodiversidade, ISSN , foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Com base no trabalho disponível em DOI: /issn

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL Siqueira, R.C.; Oliveira Júnior, P.R.; Silveira, V.C; Melo, R S.; Teixeira, T.M.; Guedes, E.A; Sousa,

Leia mais

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS Foto 01: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 02: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 03: Estação de coleta P02 localizada no rio Itaquiraí no eixo Foto

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL

COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL Tiago Debona 1, Evelini Arsego 1, Vinicius Valiente dos Santos 1, Daniele Zaneratto Damasceno 2, Norberto Castro

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 45 2013 COORDENAÇÃO

Leia mais

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC,

Leia mais

Projeto de apoio à revitalização do Rio dos Cochos, Januária MG.

Projeto de apoio à revitalização do Rio dos Cochos, Januária MG. Estudo da Fauna de Peixes do Rio dos Cochos e da Relação com a Comunidade em seu Entorno. Deborah Mattos Guimarães Apgaua¹; Paulo dos Santos Pompeu²; Áureo Eduardo Magalhães Ribeiro³ ¹Estudante de graduação

Leia mais

Ana Cecília Hoffmann 1, Mario L. Orsi 2 & Oscar A. Shibatta 1

Ana Cecília Hoffmann 1, Mario L. Orsi 2 & Oscar A. Shibatta 1 Diversidade de peixes do reservatório da UHE Escola Engenharia Mackenzie... 319 Diversidade de peixes do reservatório da UHE Escola Engenharia Mackenzie (Capivara), Rio Paranapanema, bacia do alto rio

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA 27 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA ESTUDO ICTIOFAUNÍSTICO PARA

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 42 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco

Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco Carlos Bernardo Mascarenhas Alves Projeto Manuelzão - UFMG Roteiro da apresentação Aspectos gerais Plano Diretor de Recursos Hídricos Ictiofauna

Leia mais

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE Dr. Rodrigo Silva da Costa (rdgcosta@ufersa.edu.br) Dr. José Luís Costa Novaes (novaes@ufersa.edu.br) Universidade Federal Rural

Leia mais

Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP

Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP Realização: ENERGEST - PCH Fruteiras Elaboração: Água Viva Coordenação do Projeto: Catálogo das Espécies de Peixes

Leia mais

ICTIOFAUNA DO BAIXO RIO MANHUAÇU (BACIA DO MÉDIO RIO DOCE) ICHTHYOFAUNA OF THE LOWER MANHUAÇU RIVER (MIDDLE DOCE RIVER BASIN)

ICTIOFAUNA DO BAIXO RIO MANHUAÇU (BACIA DO MÉDIO RIO DOCE) ICHTHYOFAUNA OF THE LOWER MANHUAÇU RIVER (MIDDLE DOCE RIVER BASIN) ISSN 2236-3866 DOI: 10.7902/ecb.v4i1.63 Acesso livre em www.simposiodabiodiversidade.com.br/ecb 32 ICTIOFAUNA DO BAIXO RIO MANHUAÇU (BACIA DO MÉDIO RIO DOCE) ICHTHYOFAUNA OF THE LOWER MANHUAÇU RIVER (MIDDLE

Leia mais

Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil.

Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil. Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil. Welber Senteio Smith 1 Miguel Petrere Jr. 2 Valter Barrella 3 1 Instituto Manchester Paulista de Ensino Superior (IMAPES) / Universidade Paulista

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP.

CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP. CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP. Cruz, B. B. 1 ; Teshima, F. A. 1 ; Cetra, M. 1 ¹ Universidade federal de São Carlos, Campus Sorocaba.

Leia mais

A ictiofauna do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil) e áreas adjacentes

A ictiofauna do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil) e áreas adjacentes Lundiana 6(supplement):77-87, 2005 2005 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 A ictiofauna do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil) e áreas adjacentes Fábio Vieira 1,

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PESCADO NA BAIXADA MARANHENSE São Bento/MA

DESCRIÇÃO DO PESCADO NA BAIXADA MARANHENSE São Bento/MA DESCRIÇÃO DO PESCADO NA BAIXADA MARANHENSE São Bento/MA Resumo: Diego Carvalho Viana¹ Amilton Cesar dos Santos² Rennan Lopes Olio³ Luís Miguel Lobo 4 Carlos Eduardo Malavasi Bruno 5 Douglas de Jesus Soares

Leia mais

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu Considerado morto dentro dos limites da cidade de São Paulo, o rio Tietê abriga a menos de 80 km do centro da capital espécies de peixes não descritas pela

Leia mais

Revista Agrogeoambiental - v.7, n.1 - Março 2015

Revista Agrogeoambiental - v.7, n.1 - Março 2015 COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA COMUNIDADE DE PEIES DE UM AFLUENTE DO RIO TIETÊ, BACIA DO ALTO RIO PARANÁ 1 Jane Piton Serra Fabio de Faria e Souza Campos 3 André Luis da Silva Castro 2 Resumo A América do Sul

Leia mais

Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil:

Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil: Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil: dificuldades e necessidades do usuário Alexandre Godinho Centro de Transposição de Peixes (CTPeixes) UFMG agodinho@ufmg.br Sumário da Apresentação Espécies

Leia mais

A ictiofauna de cabeceiras do rio Tietê, São Paulo, Brasil

A ictiofauna de cabeceiras do rio Tietê, São Paulo, Brasil Biota Neotrop., vol. 11, no. 3 A ictiofauna de cabeceiras do rio Tietê, São Paulo, Brasil Alexandre Pires Marceniuk 1,3, Alexandre Wagner da Silva Hilsdorf 1 & Francisco Langeani 2 1 Laboratório de Genética

Leia mais

Lima, F.C.T. & Caires, R.A.

Lima, F.C.T. & Caires, R.A. Peixes da Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins, bacias dos rios Tocantins e São Francisco, com observações sobre as implicações biogeográficas das águas emendadas dos rios Sapão e Galheiros Biota

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA E ICTIOPLÂNCTON NA UHE SÃO DOMINGOS - MS

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA E ICTIOPLÂNCTON NA UHE SÃO DOMINGOS - MS RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA E ICTIOPLÂNCTON NA UHE SÃO DOMINGOS - MS Janeiro de 2015. SUMÁRIO 1 EQUIPE TÉCNICA... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 Ictiofauna... 5 Ictioplâncton... 6 2.1. OBJETIVO

Leia mais

Chec List Journal of species lists and distribution

Chec List Journal of species lists and distribution Check List 9(3): 482 486, 2013 2013 Check List and Authors ISSN 1809-127X (available at www.checklist.org.br) Chec List Journal of species lists and distribution L i s t s of Species Assessment of fish

Leia mais

Fish, Barra Bonita River, upper Paraná River basin, state of Paraná, Brazil.

Fish, Barra Bonita River, upper Paraná River basin, state of Paraná, Brazil. Fish, Barra Bonita River, upper Paraná River basin, state of Paraná, Brazil. Álvaro Maier 1 Cláudio Henrique Zawadzki 2 Weferson Júnio da Graça 2 Alessandro Gasparetto Bifi 2 1 Universidade Estadual do

Leia mais

ANÁLISE CITOGENÉTICA DE PYGOCENTRUS NATTERI

ANÁLISE CITOGENÉTICA DE PYGOCENTRUS NATTERI ANÁLISE CITOGENÉTICA DE PYGOCENTRUS NATTERI EM ÁREA DE TRANSIÇÃO CERRADO-FLORESTA AMAZÔNICA (MICRO BACIA DO ARAGUAIA-BANANAL). Wagner Martins Santana Sampaio 1, Patrícia Giongo 1, Anderson Fernandes 1,

Leia mais

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA RELATÓRIO 2007 USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO Água e Terra Planejamento Ambiental Ltda. PATOS DE MINAS, MARÇO DE 2008. 1 RESPONSABILIDADE TÉCNICA Água e Terra Planejamento Ambiental

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL Levantamento da ictiofauna e caracterização da pesca comercial na área do reservatório e a jusante da Usina Hidrelétrica de São Simão Vista de jusante da barragem da UHE São Simão rio Paranaíba (MG/GO)

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO CONTRATO Nº 4570010988/510 ÁGUA E TERRA PLANEJAMENTO AMBIENTAL JULHO/2011 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

ICTIOFAUNA DO RIO DA PRATA (MICROBACIA DO RIO APORÉ, BACIA DO PARANAÍBA)

ICTIOFAUNA DO RIO DA PRATA (MICROBACIA DO RIO APORÉ, BACIA DO PARANAÍBA) ISSN 2236-3866 2012 Evolução e Conservação da Biodiversidade e autores Acesso livre em www.simposiodabiodiversidade.com.br/ecb 1 ICTIOFAU DO RIO DA PRATA (MICROBACIA DO RIO APORÉ, BACIA DO PARAÍBA) Ichthyofauna

Leia mais

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011 Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna Dezembro de 2011 Consultas realizadas pelo Programa Peixe Vivo Foram realizadas várias consultas, no 2º semestre de 2007, à comunidade científica,

Leia mais

LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO

LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO Bolina, V. A. (1) ; Pessano, E. F. C. (1) ; Gralha, T. S. (1) ; Querol, M. V. (1) viniciusbolina@aol.com (1) Universidade Federal do Pampa

Leia mais

A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil

A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 26:25-46. Dezembro de 2009 25 A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1* & Ronaldo

Leia mais

Peixes de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia

Peixes de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia Peies de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia MAURICIO CETRA 1, LUISA MARIA SARMENTO-SOARES 2 & RONALDO FERNANDO MARTINS-PINHEIRO 2 1 UFSCar - Universidade Federal de São Carlos, Ciências

Leia mais

ICTIOFAUNA PRESENTE NO RESERVATÓRIO DE CHAVANTES, MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO CLARO PR. RESUMO

ICTIOFAUNA PRESENTE NO RESERVATÓRIO DE CHAVANTES, MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO CLARO PR. RESUMO ICTIOFAUNA PRESENTE NO RESERVATÓRIO DE CHAVANTES, MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO CLARO PR. Dyego Leonardo Ferraz Caetano (PG UEL GEPRHEA CCHE UENP/CJ) Estevão Gottlieb Gatzke (G GEPRHEA CCHE UENP/CJ) Luís Carlos

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ictiofauna do Rio Guaporé e áreas adjacentes

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ictiofauna do Rio Guaporé e áreas adjacentes PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ictiofauna do Rio Guaporé e áreas adjacentes Marcos Antonio de Oliveira 1, Angela Emi Takamura 2, Raquel Gonçalves Barbosa 3, Amorésio Souza Silva

Leia mais

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA MONITORAMETO DE ICTIOFAUNA NO RESERVATÓRIO E A JUSANTE DA UHE DE SÃO SIMÃO, RIO PARANAÍBA, BACIA DO PARANÁ RELATÓRIO ANUAL OUTUBRO / 2006 1 RESPONSABILIDADE TÉCNICA TECNEVES

Leia mais

Belo Horizonte ganha o maior aquário de água doce do Brasil - Publicadas - IBAMA - Instituto Brasileiro d

Belo Horizonte ganha o maior aquário de água doce do Brasil - Publicadas - IBAMA - Instituto Brasileiro d Belo Horizonte (08/03/2010) - Belo Horizonte ganhou na sexta-feira, dia 5, o maior aquário de água doce do Brasil. A Prefeitura, por meio da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte (FZB-BH), inaugurou

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

GUIA FOTOGRÁFICO E ASPECTOS DA BIOLOGIA DOS PRINCIPAIS PEIXES DE ÁGUA DOCE DO PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE, RS

GUIA FOTOGRÁFICO E ASPECTOS DA BIOLOGIA DOS PRINCIPAIS PEIXES DE ÁGUA DOCE DO PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE, RS GUIA FOTOGRÁFICO E ASPECTOS DA BIOLOGIA DOS PRINCIPAIS PEIXES DE ÁGUA DOCE DO PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE, RS Fabiano CORRÊA 1, Marlucy Coelho CLAUDINO 2, Alexandre Miranda GARCIA 3 Laboratório de

Leia mais

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 339 Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CENTRO DE AQÜICULTURA (CAUNESP) Ictiofauna da Represa Municipal de

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CENTRO DE AQÜICULTURA (CAUNESP) Ictiofauna da Represa Municipal de unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CENTRO DE AQÜICULTURA (CAUNESP) Ictiofauna da Represa Municipal de São José do Rio Preto, SP, rio Preto, afluente do rio Turvo, drenagem do rio Grande: Diversidade

Leia mais

RIOS E PEIXES DO ESPÍRITO SANTO. Estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no estado PINHEIRO 2

RIOS E PEIXES DO ESPÍRITO SANTO. Estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no estado PINHEIRO 2 RIOS E PEIXES DO ESPÍRITO SANTO Estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no estado LUISA MARIA SARMENTO-SOARES 1,2 & RONALDO FERNANDO MARTINS- PINHEIRO 2 1 UERJ. Laboratório de Ecologia

Leia mais

A ictiofauna de cabeceiras do rio Tietê, São Paulo, Brasil

A ictiofauna de cabeceiras do rio Tietê, São Paulo, Brasil Biota Neotrop., vol. 11, no. 3 A ictiofauna de cabeceiras do rio Tietê, São Paulo, Brasil Alexandre Pires Marceniuk 1,3, Alexandre Wagner da Silva Hilsdorf 1 & Francisco Langeani 2 1 Laboratório de Genética

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ICTIOPLÂNCTON

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ICTIOPLÂNCTON PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ICTIOPLÂNCTON CONSÓRCIO AMBIENTAL ELETROSUL - IJUÍ ENERGIA 2º RELATÓRIO PARCIAL NOV-14/ABR-15 Rua Santos Dumont, 1515 - CEP: 38400-062 Bairro Lídice Uberlândia - MG Programa

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil BOL. MUS. BIOL. MELLO LEITÃO (N. SÉR.) 24:119-142. DEZEMBRO DE 2008 119 A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1,2*, Rosana Mazzoni 1 & Ronaldo

Leia mais

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE 2012 Estabelece normas e define os locais, formas e quantidades de captura de peixes oriundos da pesca amadora e profissional nas bacias hidrográficas dos Rios Paraná,

Leia mais

Reservatórios do Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso (Moxotó, PA I, II, III e IV) CT-I 92.2007.3540.00

Reservatórios do Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso (Moxotó, PA I, II, III e IV) CT-I 92.2007.3540.00 Inventário dos Ecossistemas Aquáticos do Baixo São Francisco Reservatórios do Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso (Moxotó, PA I, II, III e IV) CT-I 92.2007.3540.00 1º. Relatório Anual Dezembro/07 a Novembro/08

Leia mais

Checklist Preliminar da Fauna de Peixes da Ordem Characiformes da Bacia do Rio São Mateus, Brasil

Checklist Preliminar da Fauna de Peixes da Ordem Characiformes da Bacia do Rio São Mateus, Brasil III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 329 Checklist Preliminar da Fauna de Peixes da Ordem Characiformes da Bacia do Rio São Mateus, Brasil I. M. Mazzini 1, 2* ; L. F. Duboc 1, 3

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL. Sumário. EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO... vi. RESGATE DE ICTIOFAUNA E COMPOSIÇÃO DO RELATÓRIO... vi

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL. Sumário. EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO... vi. RESGATE DE ICTIOFAUNA E COMPOSIÇÃO DO RELATÓRIO... vi PROGRAMA AMBIENTAL DE RESGATE DE ICTIOFAUNA DA PCH SALTO MAUÁ - KLABIN NO RIO TIBAGI - RELATÓRIO TÉCNICO FINAL - Dezembro / 2013 PROGRAMA AMBIENTAL DE RESGATE DE ICTIOFAUNA DA PCH SALTO MAUÁ - KLABIN,

Leia mais

SÃO FRANCISCO DAS MINAS GERAIS

SÃO FRANCISCO DAS MINAS GERAIS ÁGUAS, PEIXES E PESCADORES DO SÃO FRANCISCO DAS MINAS GERAIS ORGANIZADORES: HUGO PEREIRA GODINHO ALEXANDRE LIMA GODINHO ÁGUAS, PEIXES E PESCADORES DO SÃO FRANCISCO DAS MINAS GERAIS ORGANIZADORES: HUGO

Leia mais

Composição ictiofaunística do Rio Turvo, Pilar do Sul, São Paulo, Brasil

Composição ictiofaunística do Rio Turvo, Pilar do Sul, São Paulo, Brasil Composição ictiofaunística do Rio Turvo, Pilar do Sul, São Paulo, Brasil Ichthyofaunistic composition of the Rio Turvo, Pilar do Sul, São Paulo, Brazil Vitor Loreno de Almeida Cerqueira 1, Welber Senteio

Leia mais

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS MG.BIOTA Belo Horizonte v.2, n.6 fev./mar. 2010 SUMÁRIO Editorial... 3 Apresentação... 4 A ictiofauna da

Leia mais

Variações espaciais na assembléia de peixes no Rio Paraíba do Sul (Barra Mansa, Barra do Piraí), Rio de Janeiro, Brasil

Variações espaciais na assembléia de peixes no Rio Paraíba do Sul (Barra Mansa, Barra do Piraí), Rio de Janeiro, Brasil Variações espaciais na assembléia de peixes no Rio Paraíba do Sul (Barra Mansa, Barra do Piraí), Rio de Janeiro, Brasil Francisco Gerson Araújo 1 liana Fichberg 1 Benjamin Carvalho Teixeira Pinto 1 Magna

Leia mais

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS MG.BIOTA Belo Horizonte v.2, n.5 dez./jan. 2009/2010 SUMÁRIO Editorial... Apresentação... Distribuição, impactos

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

A PESCA ARTESANAL NO AMBIENTE DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL

A PESCA ARTESANAL NO AMBIENTE DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL A PESCA ARTESANAL NO AMBIENTE DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL Dannilo Carneiro Lima Depto. de Ciências Geográficas, UFPE. Bolsista/Pibic/CNPq/ Fundaj-BRA dannilolips@hotmail.com Lígia Albuquerque de Melo

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Silva Filho, Edgar G. da; Silva Santana, Fábio M. da; Severi, William

Leia mais

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Mato Grosso - MT Julho/2013 a Setembro/2013 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13

Leia mais

O limite é a margem? 10/11/2010. Iola G. Boëchat Grupo de Pesquisa em Limnologia Aplicada PROBE / PPBE - UFSJ

O limite é a margem? 10/11/2010. Iola G. Boëchat Grupo de Pesquisa em Limnologia Aplicada PROBE / PPBE - UFSJ Mesa Redonda: Ecossistemas lacustres - desafios e potencialidades Iola G. Boëchat Grupo de Pesquisa em Limnologia Aplicada PROBE / PPBE - UFSJ O limite é a margem? Fonte: Allan, 2004 1 O limite é a margem?

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

A disputa desigual entre peixes nativos e exóticos do semiárido

A disputa desigual entre peixes nativos e exóticos do semiárido Carolina Levis Telton Pedro Anselmo Ramos Sergio Maia Queiroz Lima Paradidático A disputa desigual entre peixes nativos e exóticos do semiárido A disputa desigual entre peixes nativos e exóticos do semiárido

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

A fauna de peixes na bacia do Rio Itanhém, leste de Minas Gerais e extremo Sul da Bahia

A fauna de peixes na bacia do Rio Itanhém, leste de Minas Gerais e extremo Sul da Bahia A fauna de peixes na bacia do Rio Itanhém, leste de Minas Gerais e extremo Sul da Bahia LUISA MARIA SARMENTOSOARES 1, ROSANA MAZZONI 2 & RONALDO FERNANDO MARTINSPINHEIRO 1 1 Museu de Biologia Prof. Mello

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

RELATÓRIO DE RESGATE DE ICTIOFAUNA DURANTE A PARADA PROGRAMADA DE MÁQUINAS (UG-01) - UHE SÃO JOSÉ - Empresa Executora:

RELATÓRIO DE RESGATE DE ICTIOFAUNA DURANTE A PARADA PROGRAMADA DE MÁQUINAS (UG-01) - UHE SÃO JOSÉ - Empresa Executora: RELATÓRIO DE RESGATE DE ICTIOFAUNA DURANTE A PARADA PROGRAMADA DE MÁQUINAS (UG-01) - UHE SÃO JOSÉ - Empresa Executora: Novembro de 2013. 1. INTRODUÇÃO Nos dias 25, 26 e 27 de novembro de 2013 foi realizado

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades PROJETO MORRO DO PILAR Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas Belo Horizonte / MG Junho/2014 EMPRESA RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO

RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. DATAS DAS COLETAS: 29 de agosto de 2011 e 28 de fevereiro de 2012 DATA DA EMISSÃO DO RELATÓRIO:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº 154, 13 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação da pesca na Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, no Estado de Minas Gerais, no período da piracema, e dá outras providências. O

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

Invasões Biológicas em Águas

Invasões Biológicas em Águas Invasões Biológicas em Águas Odete Rocha Laboratório rio de Limnologia Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva, Universidade Federal de São Carlos Biodiversidade em Águas Doces e a Invasão Biológica

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº 155, 13 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação da pesca nas Bacias Hidrográficas do Leste, no Estado de Minas Gerais, excetuando-se as bacias dos rios Grande, Paranaíba e São Francisco,

Leia mais

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil BOL. MUS. BIOL. MELLO LEITÃO (N. SÉR.) 24:119-142. DEZEMBRO DE 2008 119 A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1,2*, Rosana Mazzoni 1 & Ronaldo

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Bacias Hidrográficas de Minas Gerais O desenvolvimento dos recursos hídricos não pode ser visto dentro de um sistema limitado onde a complexidade dos usos múltiplos

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998

PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998 PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA, no uso das atribuições previstas posto no Art. 35 do Decreto

Leia mais

Projetos selecionados no primeiro edital de 2014

Projetos selecionados no primeiro edital de 2014 Projetos selecionados no primeiro edital de 2014 No primeiro edital de Apoio a Projetos de 2014, 17 iniciativas foram selecionadas para receber apoio da Fundação Grupo Boticário totalizando um investimento

Leia mais

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática Odete Rocha Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos O que sabemos e o que devemos fazer?" O funcionamento dos ecossistemas aquáticos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

RUANNY CASARIM CORRÊA PRADO DINÂMICA DA MIGRAÇÃO E REPRODUÇÃO DOS PEIXES NA REGIÃO DA FOZ DO RIO ABAETÉ, ALTO SÃO FRANCISCO, MG

RUANNY CASARIM CORRÊA PRADO DINÂMICA DA MIGRAÇÃO E REPRODUÇÃO DOS PEIXES NA REGIÃO DA FOZ DO RIO ABAETÉ, ALTO SÃO FRANCISCO, MG RUANNY CASARIM CORRÊA PRADO DINÂMICA DA MIGRAÇÃO E REPRODUÇÃO DOS PEIXES NA REGIÃO DA FOZ DO RIO ABAETÉ, ALTO SÃO FRANCISCO, MG LAVRAS MG 2014 RUANNY CASARIM CORRÊA PRADO DINÂMICA DA MIGRAÇÃO E REPRODUÇÃO

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE NOMES VULGARES DE PEIXES COMERCIAIS DO BRASIL: 1. ESPÉCIES DULCIAQÜÍCOLAS. José Milton Barbosa*; Kelly de Souza Ferraz

SISTEMATIZAÇÃO DE NOMES VULGARES DE PEIXES COMERCIAIS DO BRASIL: 1. ESPÉCIES DULCIAQÜÍCOLAS. José Milton Barbosa*; Kelly de Souza Ferraz SISTEMATIZAÇÃO DE NOMES VULGARES DE PEIXES COMERCIAIS DO BRASIL: 1. ESPÉCIES DULCIAQÜÍCOLAS VULGAR NAMES SYSTEMATIZATION OF THE COMMERCIAL FISH FROM BRAZIL: 1. FRESHWATER SPECIES José Milton Barbosa*;

Leia mais

2. OBJETIVOS 3. ÁREA DE INTERESSE

2. OBJETIVOS 3. ÁREA DE INTERESSE TERMO DE REFERÊNCIA Impactos ambientais potenciais e áreas terrestres e aquáticas vulneráveis e críticas para a conservação na área de influência do terminal portuário de Miritituba (Itaituba, PA) e na

Leia mais

Plano de Ação Nacional para Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna Aquática da Bacia do Rio São Francisco

Plano de Ação Nacional para Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna Aquática da Bacia do Rio São Francisco Plano de Ação Nacional para Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna Aquática da Bacia do Rio São Francisco OBJETIVO GERAL Aprimorar o conhecimento sobre as espécies ameaçadas e mitigar

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO O Brasil como país megadiverso é responsável pela gestão do maior patrimônio natural do mundo. São mais de 120 mil

Leia mais