Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta"

Transcrição

1 Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta Apontaentos da Disciplina de Dinâica e Engenharia Sísica Mestrado e Engenharia de Estruturas Instituto Superior Técnico Luís Guerreiro Março de 1999

2

3 Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta 1 Forulação das equações de equilíbrio dinâico As equações de oviento de u sistea de últiplos graus de liberdade pode ser estabelecidas a partir do equilíbrio das forças associadas a cada grau de liberdade. Dua fora geral pode-se considerar aplicadas no grau de liberdade genérico i, quatro tipos de forças: as forças aplicadas exteriorente p(t), as forças resultantes do oviento e que se divide e forças de inércia, f I, forças devidas ao aorteciento, f A, e forças de deforação elástica, f E. Assi, o sistea de equações de equilíbrio dinâico pode ser escrito na seguinte fora: {f I } + {f A } + {f E } = {p(t)} (1) Cada u destes vectores de forças resultantes do oviento depende das variáveis que descreve o oviento e que são o deslocaento, a velocidade e aceleração e cada grau de liberdade. Estas relações pode ser descritas a partir das seguintes expressões: {f E } = [ K ] q(t) (2) {f A } = [ C ] q. (t) (3) e que: {f I } = [ M ] q.. (t) (4) [ K ] - é a atriz de rigidez da estrutura relativa aos grau de liberdade considerados; [ C ] - é a atriz de aorteciento; [ M ] - é a atriz de assa. Introduzindo estas relações na equação (1) o sistea de equações de equilíbrio dinâico pode ser escrito na fora que se apresenta: [ M ] {q.. (t)} + [ C ] {q. (t)} + [ K ] {q(t)} = {p(t)} (5) 2 Cálculo das frequências e odos de vibração O problea da identificação das frequências de vibração de u deterinado sistea é resolvido co base na análise do oviento e regie livre e se aorteciento. Nestas condições as equações de equilíbrio dinâico toa ua fora ais siplificada: Dinâica e Engenharia Sísica 1

4 [ M ] {q.. (t)} + [ K ] {q(t)} = {0} (6) Adita-se que o oviento da estrutura quando vibra co ua dada frequência p é do tipo harónico traduzido por ua equação do tipo, {q(t)} = {v}cos(pt φ) (7) {v} vector que representa a configuração deforada da estrutura (não varia co o tepo); p frequência de vibração; φ - fase. Derivando duas vezes a equação (7) e orde ao tepo obte-se a expressão das acelerações ao longo do tepo: {q.. (t)} = - p 2 {v}cos(pt φ) (8) Substituindo as equações (7) e (8) na equação do oviento (6) obte-se: - p 2 [ M ] {v}cos(pt φ) + [ K ] {v}cos(pt φ) = {0} (9) - p 2 [ M ] {v}+ [ K ] {v} = {0} (10) [ K - p 2 M ] {v}= {0} (11) Para que o sistea de equações (11) tenha ua solução não trivial (esta seria {v} = {0}), é necessário que se anule o deterinante da atriz [K - p 2 M]. Logo a deterinação de frequências e odos de vibração resulta nu problea tradicional de deterinação de valores e vectores próprios, e que os valores próprios representa as frequências e os vectores próprios os odos de vibração. Assi, a cada frequência p n corresponde u odo de vibração {v n }. 3 Condições de ortogonalidade Os vectores que representa os odos de vibração apresenta u conjunto de propriedades designadas por condições de ortogonalidade e que são traduzidas nas seguintes equações: {v n } T [ M ] {v }= 0 n (12) que representa a ortogonalidade e relação à atriz de assa, e {v n } T [ K ] {v }= 0 n (13) que se refere à ortogonalidade e relação à atriz de rigidez. Para deonstrar a ortogonalidade e relação à atriz de assa considere-se a equação (11) escrita para os odos de vibração n e : [ K ] {v n }= p n 2 [ M ] {v n } (14) 2 Dinâica e Engenharia Sísica

5 [ K ] {v }= p 2 [ M ] {v } (15) Multiplicando a equação (14) por {v } T, obte-se: {v } T [ K ] {v n }= p n 2 {v } T [ M ] {v n } (16) Transpondo a equação (15) e tendo e conta que as atrizes [K] e [M] são siétricas, logo verificando-se as seguintes relações [K] T = [K] e [M] T = [M], obte-se a seguinte expressão: {v } T [ K ] = p 2 {v } T [ M ] (17) Multiplicando à direita por {v n } obte-se u expressão seelhante à equação (16): {v } T [ K ] {v n }= p 2 {v } T [ M ] {v n } (18) Se se subtrair a equação (18) da equação (16) é-se conduzido ao seguinte resultado: ( p n 2 - p 2 ){v } T [ M ] {v n }= 0 n (19) Este resultado deonstra o que se entende por ortogonalidade dos odos de vibração e relação à atriz de assa, já que p n e p são diferentes. De fora seelhante é possível deonstrar a propriedade de ortogonalidade dos odos de vibração e relação à atriz de rigidez. A partir das condições de ortogonalidade é possível estabelecer as seguintes relações: [ V ] T [ M ] [ V ] = [ M G ] (20) [ V ] T [ K ] [ V ] = [ K G ] (21) [ V ] atriz odal (cada coluna é u odo de vibração) Coo consequência das condições de ortogonalidade as atrizes [M G ] e [K G ] são atrizes diagonais. É tabé fácil de deonstrar que, se os odos de vibração são ortogonais às atrizes de assa e de rigidez, tabé o serão e relação a qualquer atriz que resulte da cobinação linear daquelas duas. 4 Noralização dos odos de vibração Os odos de vibração representa soente a configuração da estrutura quando esta vibra co deterinada frequência. Assi, o valor absoluto das coponentes que constitue o vector odo de vibração não te qualquer significado, sendo soente iportante a relação entre eles. Desta fora existe infinitas representações possíveis do eso odo de vibração. Face a esta situação é habitual representar os odos de vibração através dua deterinada nora que facilite a interpretação e a coparação entre eles. Dinâica e Engenharia Sísica 3

6 Ua das foras ais siples de noralizar os odos é considerar o aior valor do vector igual à unidade. Outra é considerar sepre igual à unidade o eso eleento dos vários vectores dos odos de vibração. Qualquer ua destas foras de noralização te vantagens e desvantagens que não iporta aqui referir. A fora de noralização dos odos de vibração ais usada, essencialente e virtude das siplificações na representação da equação de oviento, é a noralização e relação à atriz de assa. Esta noralização consiste e considerar os odos de vibração escritos de tal fora que perita obter a seguinte relação: {φ n } T [ M ] {φ n } = 1 (22) Recordando que cada u dos teros da atriz diagonal [M G ], apresentada na equação (20) é obtido através da relação, {v n } T [ M ] {v n } = M Gn (23) pode-se concluir que, para obter a noralização pretendida basta aplicar a seguinte relação ao vector que representa a configuração odal: {φ n } = {v n} M Gn = {v n } {v n } T [ M ] {v n } (24) Coo consequência desta noralização verifica-se a seguinte igualdade: [φ ] T [ M ] [φ ] = [ I ] (25) [φ ] - atriz de odal (atriz co os odos noralizados); [ I ] - atriz identidade. A partir desta noralização tabé é possível obter u outro resultado iportante, desta vez envolvendo a atriz de rigidez na fora [K G ], atriz que resulta da operação descrita e (21). Se se toar a equação (14) e ultiplicar abos os ebros pela transposta do odo de vibração, aditindo que este está na sua fora noralizada, obte-se a seguinte relação: {φ n } T [ K ] {φ n }= p n 2 {φ n } T [ M ] {φ n } (26) Considerando a condição apresentada e (22), e relebrando a designação indicada na equação (21), deonstra-se que, {φ n } T [ K ] {φ n }= p n 2 K Gn = p n 2 (27) ou seja, que cada eleento da atriz diagonal [K G ], representa o quadrado da frequência de vibração do odo de vibração correspondente, desde que os odos esteja noralizados à atriz de assa. 4 Dinâica e Engenharia Sísica

7 5 Definição de coordenadas odais O sistea de equações de equilíbrio dinâico traduzido pela expressão (5), é u sistea de equações diferenciais. Estas equações são dependentes entre si pois, dua fora geral, a atriz de rigidez [K] te teros fora da diagonal, e nada obriga a que a atriz de assa [M] seja ua atriz diagonal (recorde-se que a atriz de assa [M] é na aioria dos casos ua atriz diagonal porque noralente se opta por considerar u sistea co distribuição discreta de assas, ou seja assas concentradas). É possível, no entanto, através dua udança de referencial a após alguas transforações, representar o eso sistea de equações diferencias de fora a que estas seja independentes entre si, facilitando uito a resolução do problea. De seguida são apresentados, e justificados, os passos que leva à representação do sistea de equações nu novo referencial, o referencial das coordenadas odais. Se se ultiplicar abos os teros da equação (5) pela transposta da atriz odal, e se introduzir o produto indicado pela expressão (29), que constitui u eleento neutro do produto atricial, o sistea de equilíbrio dinâico pode ser descrito na fora representada pela expressão (30). [ M ] {q.. (t)} + [ C ] {q. (t)} + [ K ] {q(t)} = {p(t)} (5) [φ ] T [ M ] {q.. (t)} + [φ ] T [ C ] {q. (t)} + [φ ] T [ K ] {q(t)} = [φ ] T {p(t)} (28) [φ ] [φ ] -1 = [ I ] (29) [φ ] T [ M ][φ ] [φ ] -1 {q.. (t)} + [φ ] T [ C ][φ ] [φ ] -1 {q. (t)} + + [φ ] T [ K ][φ ] [φ ] -1 {q(t)} = [φ ] T {p(t)} (30) Substituindo os resultados expressos e (25) e (27), que resulta das propriedades de ortogonalidade dos odos de vibração e da noralização destes e relação à atriz de assa, obte-se a seguinte expressão: [ I ] [φ ] -1 {q.. (t)} + [φ ] T [ C ][φ ] [φ ] -1 {q. (t)} + [ p 2 ] [φ ] -1 {q(t)} = [φ ] T {p(t)} (31) [ I ] atriz identidade; [ p 2 ] atriz diagonal e que cada eleento representa o quadrado da frequência do odo correspondente à posição do eleento na atriz. Se se aditir a hipótese de que é possível obter a atriz de aorteciento nua fora tal que verifique as condições de ortogonalidade odal (32), à seelhança do que acontece co as atrizes de assa e de rigidez, a expressão (31) pode ser siplificada. À seelhança do que acontecia coa as atrizes [M G ] e [K G ], a atriz [C G ] é ua atriz diagonal. Cada u dos eleentos da atriz [C G ] representa o aorteciento do correspondente odo. Se os odos de vibração estivere noralizados à atriz de assa, então a atriz de aorteciento diagonal [C G ] toa a fora apresentada na equação (33). Dinâica e Engenharia Sísica 5

8 [ V ] T [ C ] [ V ] = [ C G ] (32) [φ ] T [ C ] [φ ]= [ 2 p ζ ] (atriz diagonal) (33) ζ p percentage do aorteciento crítico odal do odo correspondente à posição do eleento na atriz; - frequência do odo de vibração correspondente à posição do eleento na atriz. Introduzindo esta nova representação da atriz de aorteciento na equação (31), as equações de oviento dinâico toa o seguinte aspecto: [ I ] [φ ] -1 {q.. (t)} + [ 2 p ζ ] [φ ] -1 {q. (t)} + [ p 2 ] [φ ] -1 {q(t)} = [φ ] T {p(t)} (34) Este conjunto de equações está referido aos graus de liberdade dinâicos da estrutura representados pelo vector {q(t)}, envolvendo ainda as suas derivadas no tepo. Se se interpretar o produto da atriz [φ ] -1 pelo vector {q(t)} coo ua operação de transforação de coordenadas (ver figura 1), então pode iaginar-se u novo referencial que se designa por referencial das coordenadas odais ou generalizadas, {q G (t)}. Neste referencial, o sistea de equações de equilíbrio dinâico te u aspecto ais siples, que se descreve de seguida: [ I ]{q.. G(t)} + [ 2 p ζ ]{q. G(t)} + [ p 2 ]{q G (t)} = [φ ] T {p(t)} (35) {q G (t)} = [φ ] -1 {q(t)} (transforação para coordenadas odais) (36) {q(t)} = [φ ]{q G (t)} (transforação para as coordenadas da estrutura) (37) De acordo co o que foi exposto anteriorente, todas as atrizes envolvidas neste sistea de equações são atrizes diagonais. Deste odo o sistea de equações representado é u sistea de equações diferenciais independentes, podendo ser representado, para cada odo de vibração:.. qgn(t) + 2 p n ζ n q. Gn(t) + p 2 n q Gn (t) = {φ } T n {p(t)} para o odo n (38) A resolução deste sistea de equações perite obter a solução do problea dinâico expressa e teros das coordenadas odais. Se se pretender obter a solução referida ao referencial dos graus de liberdade dinâicos da estrutura é necessário fazer a transforação de coordenadas representada pela equação (37). A seelhança entre as equações (38) e a equação de equilíbrio dinâico de u sistea de u grau de liberdade, representada e (39), é evidente. É tirando partido desta seelhança que é possível obter a solução para u sistea de últiplos graus de liberdade a partir da solução para sisteas de u grau de liberdade.... q (t) + 2 p ζ q (t) + p 2 q(t) = p(t) (39) 6 Dinâica e Engenharia Sísica

9 [φ ] Matriz odal [φ ] = [φ ] -1 = Coordenadas Modais Coordenadas da Estrutura {q G } = [φ ] -1 {q} q G (1) = 1 q(1) = 1 ( ) q(2) = 1 ( ) q(3) = 1 ( ) {q} = [φ ]{q G } q G (1) = 1 ( ) q G (2) = 1 ( ) q G (3) = 1 ( ) q(1) = 1 Figura 1 Transforação de coordenadas da estrutura para coordenadas odais e vice-versa. Exeplo co estrutura co 3 graus de liberdade. Neste texto optou-se por fazer a apresentação de toda a forulação referente à representação das equações de equilíbrio dinâico e coordenadas odais utilizando os vectores das configurações odais noralizados à atriz de assa. Convé referir que tal não é necessário, sendo no entanto preferível pois o sistea de equações fica ais siples e é ais fácil de interpretar o significado físico dos vários eleentos envolvidos. Se for utilizada qualquer outra noralização odal, se ser a noralização Dinâica e Engenharia Sísica 7

10 à atriz de assa, o sistea de equações de equilíbrio dinâico toa o seguinte aspecto: [ M G ]{q.. G(t)} + [ C G ]{q. G(t)} + [ K G ]{q G (t)} = [φ ] T {p(t)} (40) {q G (t)} = [ V ] -1 {q(t)} (transforação para coordenadas odais) (41) {q(t)} = [ V ]{q G (t)} (transforação para as coordenadas da estrutura) (42) 6 Análise da resposta dinâica por sobreposição odal 6.1 Resposta e regie livre As equações de oviento e regie livre de u sistea de últiplos graus de liberdade referida ao sistea de coordenadas odais, tê o seguinte aspecto:.. qgn(t) + 2 p n ζ n q. Gn(t) + p 2 n q Gn (t) = 0 para o odo n (43) A resposta de u sistea de u grau de liberdade, e regie livre e co aorteciento sub-crítico (ζ < 1), é traduzida por: co, q(t) = e -ζpt ( q. (0) + ζ p q(0) p d sen( p d t) + q(0) cos( p d t)) (44) p d = p 1-ζ 2 (45) p d q(0) q. (0) - frequência aortecida; - deslocaento inicial (no instante t=0); - velocidade inicial (no instante t=0). Por analogia, a resposta du sistea de últiplos graus de liberdade será a seguinte, para cada ua das coordenadas odais: q Gn (t) = e -ζp n t ( q. Gn(0) + ζ p n q Gn (0) p dn sen( p dn t) + q Gn (0) cos( p dn t)) (46) É preciso ter e atenção que as condições inicias do oviento indicadas na equação (46) estão referidas ao sistea de coordenadas odais. Coo uito provavelente o que se conhece são as condições iniciais do oviento relativaente aos graus de liberdade da estrutura, é necessário fazer a correspondente transforação de coordenadas para obter estas condições iniciais referidas ao sistea de coordenadas odais. {q G (0)} = [φ ] -1 {q(0)} (transforação para coordenadas odais) (47) 8 Dinâica e Engenharia Sísica

11 Após o calculo da resposta nas coordenadas odais é necessário fazer a transforação de coordenadas para obter a resposta expressa e teros das coordenadas da estrutura. 6.2 Resposta a ua força de excitação harónica Para a análise da resposta dinâica de u oscilador de últiplos graus de liberdade e regie forçado, pode-se considerar o sistea de equações representado e (38)... qgn(t) + 2 p n ζ n q. Gn(t) + p 2 n q Gn (t) = {φ } T n {p(t)} para o odo n (38) Se as forças de excitação que copõe o vector de forças {p(t)} fore excitações harónicas, a resposta pode ser calculada através das funções de aplificação dinâica β 1 definidas para osciladores de u grau de liberdade. Estas funções perite calcular a aplitude da resposta e regie forçado de u oscilador de u grau de liberdade, co assa unitária, sujeito a ua excitação harónica de frequência ω e a respectiva fase θ. q(t) = β P 1 2 p cos (ωt - θ) (48) β 1 = 1 (1 - ω _ 2 ) 2 + (2 ζ ω _ ) 2 (49) θ = arctg ( 2 ζ ω_ 1 - ω _ ) (50) 2 ω _ = ω p (51) P - aplitude da força de excitação [p(t) = P cos(ωt)]; Nu sistea de últiplos graus de liberdade te de considerar-se a hipótese ais geral de haver forças harónicas p i (t), aplicadas e todos os graus de liberdade da estrutura. Assi, o tero da direita da equação (38) pode toar a seguinte fora: {φ } T n {p(t)} = φ in P i cos(ω i t) (52) i = 1 φ in - coponente i do odo de vibração n; P i - aplitude da força harónica aplicada no grau de liberdade i da estrutura; ω i - frequência da força harónica aplicada no grau de liberdade i da estrutura; - núero total de odos de vibração (ou de graus de liberdade dinâicos da estrutura). A resposta no odo de vibração n de u sistea de graus de liberdade é traduzida pela seguinte equação: Dinâica e Engenharia Sísica 9

12 q Gn (t) = i = 1 φ in β 1in P i p n 2 cos(ω i t - θ in ) (53) β 1in = 1 (1 - ω _ in 2 ) 2 + (2 ζ n ω _ in) 2 (54) θ in = arctg ( 2 ζ n ω _ in 1 - ω _ 2) (55) in ω _ in = ω i p n (56) Após o calculo da resposta nas coordenadas odais é necessário fazer a transforação de coordenadas para obter a resposta expressa e teros das coordenadas da estrutura. 6.3 Resposta a ua força não periódica A análise de u sistea de últiplos graus de liberdade sujeito a u conjunto de forças não periódicas pode ser feita utilizando o integral de Duhael. A resposta de u oscilador de u grau de liberdade, co assa unitária, a ua força Q(t) qualquer, é traduzida através da seguinte equação: co, q(t) = e -ζpt ( q. (0) + ζ p q(0) p d sen( p d t) + q(0) cos( p d t)) + + e -ζpt t p d 0 e ζpτ Q(τ) sen (p d (t - τ)) dτ (57) p d = p 1-ζ 2 (45) p d q(0) q. (0) Q(t) - frequência aortecida; - deslocaento inicial (no instante t=0); - velocidade inicial (no instante t=0); - força aplicada. A equação (57) perite calcular a resposta de u oscilador de u grau de liberdade sujeito a ua força dinâica Q(t) considerando a influência de condições iniciais do oviento. Coo a análise da resposta de ua estrutura e regie livre sujeita a condições iniciais já foi abordada na secção 6.1, nesta secção será soente calculada a resposta à força aplicada Q(t). Assi a equação (57) pode siplificar-se: q(t) = e -ζpt t p d 0 e ζpτ Q(τ) sen (p d (t - τ)) dτ (58) 10 Dinâica e Engenharia Sísica

13 Coo já foi referido na secção anterior, a equação (38), que representa a equação de equilíbrio dinâico para u deterinado grau de liberdade, pode ser resolvida tirando partido da analogia desta equação co a equação de u sistea de u grau de liberdade. Se se assuir que existe forças Q i (t) aplicadas e todos os graus de liberdade, o tero da direita da equação (38) toa o seguinte aspecto: {φ } T n {p(t)} = φ in Q i (t) (59) i = 1 φ in - coponente i do odo de vibração n; Q i (t) - força aplicada no grau de liberdade i da estrutura; A resposta no odo de vibração n de u sistea de graus de liberdade é traduzida pela seguinte equação: q Gn (t) = exp(-ζ n p n t) p dn i = 1 t [ exp(ζ n p n τ ) φ in Q i (τ) sen(p dn (t - τ)) dτ] (60) 0 Após o calculo da resposta nas coordenadas odais é necessário fazer a transforação de coordenadas para obter a resposta expressa e teros das coordenadas da estrutura. 6.4 Resposta a u conjunto de acelerações na base A forulação que perite o cálculo da resposta de u sistea de últiplos graus de liberdade a u conjunto de acelerações no solo é seelhante à forulação utilizada para o cálculo da resposta a u conjunto de forças de excitação, desde que se escreva as equações e coordenadas relativas. Neste contexto entende-se coo coordenadas relativas aquelas que perite descrever o oviento da estrutura e relação ao oviento do solo. q r (t) = q(t) q s (t) (61) q r (t) q(t) q s (t) - deslocaento relativo; - deslocaento absoluto; - deslocaento do solo. Coo só a parcela correspondente às forças de inércia {f I } depende das coordenadas absolutas, para u sistea de últiplos graus de liberdade o sistea de equações de equilíbrio dinâico toa o seguinte aspecto, quando escrito e coordenadas relativas: [ M ] {q.. r(t)} + [ C ] {q. r(t)} + [ K ] {q r (t)} = - [ M ] {q.. s(t)} (62) É habitual oitir na representação das equações o facto de se tratare de coordenadas relativas, representando as equações na seguinte fora: [ M ] {q.. (t)} + [ C ] {q. (t)} + [ K ] {q(t)} = - [ M ] {q.. s(t)} (63) Dinâica e Engenharia Sísica 11

14 Para que a forulação apresentada fique clara é necessário definir o que representa o vector das acelerações do solo {q s(t)}. Dua fora geral todos os pontos de ligação da estrutura ao exterior pode ter deslocaentos independentes uns dos outros. Coo esta situação é pouco provável que aconteça e estruturas de diensões correntes, adite-se a hipótese de haver soente três deslocaentos independentes da base, u e cada direcção (q sx (t), q sy (t) e q sz (t)). Ao introduzir estes deslocaentos do solo na equação (63) só faz sentido considerar cada u deles nas posições do vector {q s(t)} correspondentes às respectivas direcções. Assi, se se pretende considerar u oviento no solo segundo a direcção X, deverá ser considerado u vector {q s(t)}, co valor diferente de zero soente nos graus de liberdade segundo X. Ua fora prática de construir u vector de acelerações no solo co estas características, e que seja válida se se aditir que, e cada direcção, todos os pontos da base da estrutura tê o eso deslocaento, é criar para cada direcção u vector co valor unitário nas posições correspondentes à direcção desejada e zero nas restantes. Serão assi construídos três vectores, sendo u para cada ua das direcções. {1 x } - vector co valores unitários nas posições correspondentes à direcção X e zero nas restantes; {1 y } - vector co valores unitários nas posições correspondentes à direcção Y e zero nas restantes; {1 z } - vector co valores unitários nas posições correspondentes à direcção Z e zero nas restantes; Desta fora, para construir o vector de acelerações no solo para, por exeplo a direcção X, basta ultiplicar o vector {1 x } pela aceleração no solo segundo X, q sx (t). Co base nestes pressupostos a equação (63) poderá ser alterada e, na hipótese de se considerare ovientos no solo e todas as direcções, toará a seguinte fora: [M]{q.. (t)} + [C]{q. (t)} + [K]{q(t)} = = -[M]({1 x }q.. sx(t) + {1 y }q.. sy(t) + {1 z }q.. sz(t)) (64) Particularizando a equação soente para o caso de ovientos no solo segundo a direcção X, e referindo a equação às coordenadas odais, aditindo configurações odais noralizados à atriz de assa, a equação (64) transfora-se na seguinte: [ I ]{q.. G(t)} + [ 2 p ζ ]{q. G(t)} + [ p 2 ]{q G (t)} = - [φ ] T [M]{1 x }q.. sx(t) (65) Esta equação é seelhante à equação (35) definida anteriorente. Coo o sistea de equações representado e (65) é u sistea de equações diferenciais independentes, pode ser representada, para cada odo de vibração, pela seguinte equação:.. qgn(t) + 2 p n ζ n q. Gn(t) + p 2 n q Gn (t) = -{φ } T n [M]{1 x }q.. sx(t) para o odo n (66) No tero da direita da equação (66), o factor que ultiplica a aceleração do solo é habitualente designado por Factor de Participação Modal, para a direcção e que actua essa aceleração. 12 Dinâica e Engenharia Sísica

15 {φ } n T [M]{1 x } = P nx (Factor de participação do odo n segundo x) (67) A seelhança entre a equação (66) e a equação (38) revela que a resolução do problea dinâico de iposição de acelerações na base pode ser resolvido da esa fora que o problea da iposição de forças dinâicas nos graus de liberdade da estrutura. As soluções indicadas nas secções anteriores para o problea das forças ipostas pode ser utilizadas no cálculo da resposta a acelerações na base, desde que se faça a seguinte substituição: {p(t)} = - [M]{1 x }q.. sx(t) (para acelerações no solo segundo X) (68) Esta substituição é válida para qualquer direcção da aceleração iposta na base, e se houver oviento iposto e ais do que ua direcção a resposta total pode ser calculada por sobreposição da resposta e cada ua das direcções, tal coo é sugerido na expressão (64). Nesta secção assuiu-se que o oviento do solo era representado através du conjunto de acelerações ao longo do tepo. Todo este problea pode no entanto ser reforulado para resolver o eso problea as co o oviento do solo descrito através da evolução dos deslocaentos ao longo do tepo. 7 Análise sísica por espectros de resposta Designa-se por análise sísica dua estrutura a análise da resposta dessa estrutura quando solicitada por u oviento na base representativo dua acção sísica. Na secção 6.4 foi apresentada a etodologia necessária para a resolução deste problea quando a acção sísica é representada através dua série de acelerações ao longo do tepo. No entanto, na aioria dos casos e que se pretende fazer a análise sísica de estruturas co coportaento linear, o objectivo não é conhecer a evolução da resposta ao longo do tepo, as apenas calcular os valores extreos desta resposta. Nestes casos é ais prático recorrer a ua análise sísica por espectros de resposta. Espectro de resposta pode ser definido coo a representação gráfica do valor áxio da resposta (edida e teros de deslocaento, aceleração, esforços, etc.) de u conjunto de osciladores de u grau de liberdade, quando solicitados por ua deterinada acção sísica. Estes valores áxios são representados e função da frequência própria dos osciladores (ou do seu período) e do valor do coeficiente de aorteciento considerado. Recorde-se a equação de equilíbrio dinâico para u oscilador de u grau de liberdade sujeito a u oviento na base,... q (t) + 2 p ζ q (t) + p 2 q(t) = - q.. s(t) (69) Se se conhecer, por exeplo, o espectro de resposta de acelerações copatível co a série de acelerações iposta na base (q s(t)), então o valor áxio da resposta do oscilador pode ser obtida directaente a partir do espectro. O valor pretendido será a Dinâica e Engenharia Sísica 13

16 ordenada do espectro correspondente à frequência própria p do oscilador e ao seu aorteciento traduzido através de ζ... qax = S a ( p, ζ) (70) S a ( p, ζ) - valor do espectro de resposta de acelerações, para a frequência p e coeficiente de aorteciento ζ. Se se coparar a equação (69) co a equação (66), que traduz o equilíbrio dinâico para u deterinado odo de vibração, verifica-se que, a enos de u factor de escala que ultiplica as acelerações na base, estas duas equações são iguais. Este factor de escala corresponde ao Factor de Participação Modal atrás referido... qgn(t) + 2 p n ζ n q. Gn(t) + p 2 n q Gn (t) = -{φ } T n [M]{1 x }q.. sx(t) (66) {φ } n T [M]{1 x } = P nx (67).. qgn(t) + 2 p n ζ n q. Gn(t) + p 2 n q Gn (t) = - P nx q.. sx(t) para o odo n (71) Se as duas equações só difere du factor de escala que afecta a solicitação, então, visto estaros a trabalhar e regie linear, a solução tabé corresponderá à solução obtida para u sistea de u grau de liberdade afectada do eso factor de escala, ou seja: (q.. Gn) ax = P nx S ax ( p n, ζ n) (72) S ax ( p, ζ) - espectro de resposta de acelerações para a direcção X. O valor (q.. Gn) ax corresponde ao valor áxio da aceleração na coordenada generalizada correspondente ao odo de vibração n. Desta fora é possível calcular os valores áxios de aceleração correspondentes a todos os odos de vibração. De fora idêntica se poderia calcular a resposta e teros de deslocaentos ou velocidades, para isso bastando ter acesso aos espectros de resposta correspondentes. (q. Gn) ax = P nx S vx ( p n, ζ n) (73) (q Gn ) ax = P nx S dx ( p n, ζ n) (74) S vx ( p, ζ) - espectro de resposta de velocidades para a direcção X. S dx ( p, ζ) - espectro de resposta de deslocaentos para a direcção X. Os valores representados nas equações (72), (73) e (74), corresponde à resposta e coordenadas odais. Para obter a resposta de cada odo nas coordenadas da estrutura é necessário proceder à respectiva transforação de coordenadas traduzida pela a equação (37): {q n } ax = {φ n }(q Gn ) ax = {φ n }P nx S dx ( p, ζ) (75) 14 Dinâica e Engenharia Sísica

17 {q. n} ax = {φ n }(q. Gn) ax = {φ n }P nx S vx ( p, ζ) (76) {q.. n} ax = {φ n }(q.. Gn) ax = {φ n }P nx S ax ( p, ζ) (77) Para cada odo de vibração, os valores áxios da resposta da estrutura relativos a ua grandeza qualquer, pode ser calculados a partir dos vectores de deslocaento, velocidade ou acelerações obtidos através das três equações anteriores. Seguidaente coloca-se o problea de coo obter u valor aceitável da resposta global da estrutura ou seja, coo é que deve ser cobinados os resultados obtidos para cada u dos odos. A hipótese de soar os valores áxios de cada ua das respostas odais corresponde de certeza a u liite superior da resposta global e co baixa probabilidade de ocorrência, pois é uito pouco provável que os valores áxios da resposta e cada odo ocorra siultaneaente. Ua das regras de cobinação odal ais utilizadas é a Raiz Quadrada da Soa dos Quadrados (RQSQ). De acordo co esta regra o valor áxio da resposta de ua deterinada grandeza pode ser estiado através da raiz quadrada da soa dos quadrados da resposta dessa grandeza e cada odo: G (Gn ) 2 (78) n = 1 Esta regra de cobinação odal dá bons resultados desde que as frequências dos vários odos esteja suficienteente afastadas. Se tal não acontecer, isto é, se houver odos co frequências próxias então é ais adequado utilizar a regra designada por Cobinação Quadrática Copleta (CQC), traduzida pela seguinte equação: G n = 1 i = 1 ρ in G i G n (79) ρ in = 8ζ 2 (1 + β in ) β in 3/2 (1- β in 2 ) 2 + 4ζ 2 β in (1+ β in ) 2 (coeficiente de correlação) (80) β in = p i p n (81) Na figura 2 está representada e evolução do coeficiente de correlação ρ in e função da relação entre frequências β in. Pode-se verificar que, para u aorteciento de 5%, se a relação entre frequências for superior a 1.5 (ou inferior a 0.67, se se toar a relação inversa), os valores do coeficiente de correlação entre odos diferentes são inferiores a 6%. Para esta gaa de valores de β in é irrelevante o uso do CQC, sendo suficiente considerar a regra de cobinação pela raiz quadrada da soa dos quadrados (78). Dinâica e Engenharia Sísica 15

18 Coeficiente de Correlação in % 2% 10% b in = p i / p n Figura 2 Variação do coeficiente de correlação ρ in (CQC), co a relação entre frequências β in, para vários valores do coeficiente de aorteciento (2%, 5% e 10%). A razão pela qual o étodo CQC garante elhores resultados quando os odos tê frequências próprias próxias, te a ver co o facto de considerar na cobinação o efeito da correlação entre as respostas dos vários odos, enquanto que o étodo RQSQ assue que estas respostas são independentes. Na realidade se dois odos de vibração tivere frequências próprias próxias a resposta deles não é independente. É necessário no entanto realçar que o facto do CQC considerar a correlação entre os odos de vibração não significa que todos os valores resultantes deste tipo de cobinação seja superiores aos que se obteria co outros étodos de cobinação, noeadaente o RQSQ. Situações e que o CQC conduz a valores inferiores ao RQSQ ocorre, por exeplo, quando nu deterinado grau de liberdade, os deslocaentos odais dos odos e cobinação tê sinais contrários, o que torna o tero cruzado ρ ij G i G j (i j) negativo. Este tipo de resultado não é afectado de algu odo pela ultiplicação da configuração de u dos odos intervenientes por (-1). Esta ultiplicação tabé afectaria necessariaente o Factor de Participação Modal, pelo que o resultado e teros de deslocaentos na estrutura devido ao referido odo de vibração teria exactaente o valor obtido antes da ultiplicação por (-1). Coo foi atrás referido, quer o CQC quer o RQSQ perite calcular o valor áxio da resposta de ua deterinada variável. Infelizente existe uitas situações onde o que se pretende é avaliar a resposta e teros de duas ou ais variáveis siultaneaente coo por exeplo, quando se pretende fazer a verificação dos pilares à flexão coposta. Neste caso o que se pretende não é conhecer os valores áxios do esforço axial (N) e do oento flector (M), as si conhecer a cobinação ais desfavorável do par (N,M), sob a condição de que N e M seja siultâneos. 16 Dinâica e Engenharia Sísica

19 De acordo co Gupta (Gupta, 1990), o valor provável da variável Y siultâneo co o valor áxio da variável X pode ser calculado através da seguinte relação: Y = R YX exx (82) co, R YX = n = 1 i = 1 ρ in X i Y n (83) exx = n = 1 i = 1 ρ in X i X n (84) X i e Y i valores odais das variáveis X e Y Nas equações (83) e (84) pressupõe-se a aplicação do étodo de cobinação odal CQC. Para obter as correspondentes equações para o étodo de cobinação RQSQ basta considerar unitário o valor do coeficiente de correlação ρ in. O eso autor conclui que os valores siultâneos da resposta de u conjunto de variáveis reunidas nu vector {A} deve obedecer à seguinte condição: {A} T [G] -1 {A} = 1 (85) e que a atriz [G] te o seguinte aspecto: [G] = (exx 1 ) 2 R Xi X 2. R Xi X n R X2 X 1 (exx 2 ) 2. R Xi X n.... R Xn X 1 R Xn X 2. (exx n ) 2 8 Referências bibliográficas Gupta, A.K. Response Spectru Method in Seisic Analysis and Design of Structures, CRC Press, Inc., Dinâica e Engenharia Sísica 17

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS CICUIOS EÉICOS EGIME PEMANENE SENOIDA, EPESENAÇÃO FASOIA E As análises de circuitos até o presente, levou e consideração a aplicação de fontes de energia elétrica a u circuito e conseqüente resposta por

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos ª aula Suário: licação da conservação da energia ecânica a ovientos e caos gravíticos. nergia oteial elástica. Forças não conservativas e variação da energia ecânica. licação da conservação da energia

Leia mais

5 de Fevereiro de 2011

5 de Fevereiro de 2011 wwq ELECTRÓNICA E INSTRUMENTAÇÃO º Exae 010/011 Mestrado Integrado e Engenharia Mecânica Licenciatura e Engenharia e Arquitectura Naval 5 de Fevereiro de 011 Instruções: 1. A prova te a duração de 3h00

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II 10 Lajes Fungiformes Análise Estrutural

Estruturas de Betão Armado II 10 Lajes Fungiformes Análise Estrutural Estruturas de Betão Arado II 10 Lajes Fungifores Análise Estrutural A. P. Raos Out. 006 1 10 Lajes Fungifores Análise Estrutural Breve Introdução Histórica pbl 1907 Turner & Eddy M (???) 50 1914 Nichols

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais

Existemcorposdeordemq se, e somente se, q éumapotência de primo.

Existemcorposdeordemq se, e somente se, q éumapotência de primo. Corpos Finitos U corpo é, grosso odo, u conjunto no qual podeos soar, subtrair, ultiplicar e dividir por não nulo, no qual vale todas as propriedades usuais de tais operações, incluindo a coutativa da

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES XIV CONRESSO NACIONAL DE ESUDANES DE ENENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica LOCALIZAÇÃO ÓIMA DE AUADORES E SENSORES EM ESRUURAS INELIENES Sione Nishioto

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1 CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1. Introdução Seja u vetor à nu sistea de coordenadas (x, y, z), co os versores T,], k, de odo que - - - A = A 1 i + A 2 j + A 3 k. A derivada

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS 1º Lucas de Castro Valente*, 2º Raphael Marotta, 3º Vitor Mainenti 4º Fernando Nogueira 1

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE Tatiana Turina Kozaa 1 Graziela Marchi Tiago E diversas áreas coo engenharia, física, entre outras, uitas de suas aplicações

Leia mais

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ Departaento de Física, ITA, CTA, 18-9, São José dos

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Transformadores e bobinas de alta frequência

Transformadores e bobinas de alta frequência Transforadores e bobinas de alta frequência 007 Profª Beatriz Vieira Borges 1 Transforadores e bobinas de alta frequência ideal v 1 v úcleo de ferrite i 1 i + + v 1 v - - v 1 1 1 v i 1 i 007 Profª Beatriz

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

Modelagem, similaridade e análise dimensional

Modelagem, similaridade e análise dimensional Modelage, siilaridade e análise diensional Alguns robleas e MF não ode ser resolvidos analiticaente devido a: iitações devido às silificações necessárias no odelo ateático o Falta da inforação coleta (turbulência);

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem.

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem. POTÊNCIA EM CARGAS GENÉRICAS Prof. Antonio Sergio C. de Menezes. Depto de Engenharia Elétrica Muitas cargas nua instalação elétrica se coporta de fora resistiva ou uito aproxiadaente coo tal. Exeplo: lâpadas

Leia mais

Movimento oscilatório forçado

Movimento oscilatório forçado Moviento oscilatório forçado U otor vibra co ua frequência de ω ext 1 rad s 1 e está ontado nua platafora co u aortecedor. O otor te ua assa 5 kg e a ola do aortecedor te ua constante elástica k 1 4 N

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

Aula 4. Inferência para duas populações.

Aula 4. Inferência para duas populações. Aula 4. Inferência para duas populações. Teos duas aostras independentes de duas populações P e P : população P aostra x, x,..., x n população P aostra y, y,..., y Observação: taanho de aostras pode ser

Leia mais

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS Pedro Massanori Sakua, Álvaro José Noé Fogaça, Orlete Nogarolli Copel Copanhia Paranaense de Energia Paraná Brasil RESUMO Este

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO ANÁISE DE ESTRUTURAS APONTAMENTOS DE INHAS DE INFUÊNCIA Eduardo Pereira 1994 NOTA INTRODUTÓRIA Pretende-se com estes apontamentos fornecer aos alunos da disciplina de Análise

Leia mais

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5 Truques e Dicas O que se segue serve para esclarecer alguma questão que possa surgir ao resolver um exercício de matemática. Espero que lhe seja útil! Cap. I Fracções. Soma e Produto de Fracções Para somar

Leia mais

Ano. p. 59-68 USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS P. 1. Cláudio Sérgio SARTORI

Ano. p. 59-68 USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS P. 1. Cláudio Sérgio SARTORI N., Março Ano Cláudio Sérgio SARTORI n. USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS p. 59-68 Instituto de Engenharia Arquitetura e Design INSEAD Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES Mecânica plicada Engenharia iomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇS INERES Versão 0.2 Setembro de 2008 1. Peça linear Uma peça linear é um corpo que se pode considerar gerado por uma figura plana cujo centro

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Nuérico Faculdade de ngenhari Arquiteturas e Urbaniso FAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronoia) VI Integração Nuérica Objetivos: O objetivo desta aula é apresentar o étodo de integração

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

= C. (1) dt. A Equação da Membrana

= C. (1) dt. A Equação da Membrana A Equação da Mebrana Vaos considerar aqui ua aproxiação e que a célula nervosa é isopotencial, ou seja, e que o seu potencial de ebrana não varia ao longo da ebrana. Neste caso, podeos desprezar a estrutura

Leia mais

ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA

ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA Laboratório de Broatologia e Análises Broatológicas ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA Trabalho realizado por: Ana Gonçalves José Nogueira Luís Tavares Laboratório de Broatologia e Análises Broatológicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR Assuntos: Matrizes; Matrizes Especiais; Operações com Matrizes; Operações Elementares

Leia mais

Recordamos que Q M n n (R) diz-se ortogonal se Q T Q = I.

Recordamos que Q M n n (R) diz-se ortogonal se Q T Q = I. Diagonalização ortogonal de matrizes simétricas Detalhes sobre a Secção.3 dos Apontamentos das Aulas teóricas de Álgebra Linear Cursos: LMAC, MEBiom e MEFT (semestre, 0/0, Prof. Paulo Pinto) Recordamos

Leia mais

Física C. Milan Lalic

Física C. Milan Lalic Física C Milan Lalic São Cristóvão/SE 11 Física C Elaboração de Conteúdo Milan Lalic Projeto Gráfico e Capa Hereson Alves de Menezes Copyright 11, Universidade Federal de Sergipe / CESAD. Nenhua parte

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS

M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS ESCOLA SUPEROR NÁUCA NFANE D. HENRQUE DEPARAMENO DE ENGENHARA MARÍMA M4 - SSEMAS E NSALAÇÕES ELÉCRCAS DE NAVOS EM EM CORRENE ALERNADA Eleentos coligidos por: Prof. Luís Filipe Baptista E.N..D.H. 011/01

Leia mais

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA EM PORTFOLIOS PCH E BIOMASSA 48 4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA Confore explicado no capitulo anterior, a decisão do agente hidráulico de coo sazonalizar

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

Identificação modal estocástica de estruturas de engenharia civil

Identificação modal estocástica de estruturas de engenharia civil Monografías de Ingeniería Sísmica Editor A. H. Barbat Identificação modal estocástica de estruturas de engenharia civil F. Magalhães A. Cunha E. Caetano Monografía CIMNE IS-54, 5 CENTRO INTERNACIONAL DE

Leia mais

5 Circuitos Equivalentes

5 Circuitos Equivalentes 5 Circuitos Equivalentes 5.1 Circuitos Equivalentes Nos capítulos anteriores já se apresentaram diversos exemplos de circuitos equivalentes, por exemplo, resistências em série e em paralelo ou a chamada

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares

Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática I - 1 o Semestre 2011/2012 Matemática I 1/

Leia mais

Medidas de Desempenho em Computação Paralela

Medidas de Desempenho em Computação Paralela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Capus Curitiba Prograa de Pós-graduação e Engenharia e Inforática (CPGEI) Laboratório de Bioinforática Medidas de Desepenho e Coputação Paralela Heitor

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

x = Acos (Equação da posição) v = Asen (Equação da velocidade) a = Acos (Equação da aceleração)

x = Acos (Equação da posição) v = Asen (Equação da velocidade) a = Acos (Equação da aceleração) Essa aula trata de ovientos oscilatórios harônicos siples (MHS): Pense nua oscilação. Ida e volta. Estudando esse oviento, os cientistas encontrara equações que descreve o dito oviento harônico siples

Leia mais

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Aente e Desenvolviento 2 a 5/09/06 Goiânia, GO UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER E. Vendraini Universidade Estadual

Leia mais

Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares

Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática I - 1 o Semestre 2011/2012 Matemática I 1/

Leia mais

ALTITUDES E GEOPOTENCIAL 1 S. R. C. de Freitas 1 & D. Blitzkow 2

ALTITUDES E GEOPOTENCIAL 1 S. R. C. de Freitas 1 & D. Blitzkow 2 ALTITUDES E GEOOTENCIAL 1 S. R. C. de Freitas 1 & D. Blitzkow 1 Universidade Federal do araná, Curso de ós-graduação e Ciências Geodésicas, Cx. ostal 19011, 81531-990, Curitiba, R, Brasil, e-ail: sfreitas@ufpr.br

Leia mais

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 1 a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 2... a n1 x 1 + a

Leia mais

7.4 As nuvens de perfis

7.4 As nuvens de perfis 7.4 As nuvens de perfis Cada perfil de linha, ou seja, cada linha da matriz de perfis de linha, P L, define um ponto no espaço a b dimensões, R b. A nuvem de a pontos em R b assim resultante pode ser designada

Leia mais

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L setor 1302 13020508 Aulas 39 e 40 CONCENTRAÇÃO COMUM, PORCENTAGEM EM MASSA DE SOLUTO E NOÇÃO DE PPM (PARTES POR MILHÃO) Concentração Concentração Cou (C) C 1 Densidade (d) g/l; g/ 3, etc d 1+ 2 g/c 3,

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo Eliana S. de Souza raa Índice Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico... Exercícios... Gabarito... Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico Lançaento horizontal x oiento ertical queda

Leia mais

Anexo 4 Regras de faturação

Anexo 4 Regras de faturação Anexo 4 Regras de faturação Data: 01 Dezebro 2014 Página: 1/8 Versão: V0 Índice 1 Introdução 3 2 Regras de facturação 3 2.1 Análise de Viabilidade de Ocupação 3 2.1.1 Pedido de Viabilidade 3 2.2 Serviço

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15 Ondas (continuação) Ondas propagando-se em uma dimensão Vamos agora estudar propagação de ondas. Vamos considerar o caso simples de ondas transversais propagando-se ao longo da direção x, como o caso de

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

2. O número de vectores da base de L construída na alínea anterior é a soma do número de vectores das bases de M e N.

2. O número de vectores da base de L construída na alínea anterior é a soma do número de vectores das bases de M e N. 2.4. PROJECÇÕES 2. dim(l)=dim(m)+dim(n) Demonstração. Se L=M N, qualquer vector x L se pode escrever de forma única como a soma de um vector x M M e outro vector x N N. 1. Dada uma base de M, x M pode

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas www.engenhariafacil.weebly.co Resuo co exercícios resolvidos do assunto: Sisteas de Partículas (I) (II) (III) Conservação do Moento Centro de Massa Colisões (I) Conservação do Moento Na ecânica clássica,

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T3 Física Experimental I - 2007/08 CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA 1. Objectivo Verificar a conservação da energia mecânica de

Leia mais

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200 NOVOS PRODUTOS Micróetro Laser Scan USB co leitor incorporado LSM 5200 Inforação detalhada na página 336. Micróetros Laser Scan Micróetros Laser Unidades de Medição Páginas 333 335 Micróetros Laser LSM

Leia mais

E A D - S I S T E M A S L I N E A R E S INTRODUÇÃO

E A D - S I S T E M A S L I N E A R E S INTRODUÇÃO E A D - S I S T E M A S L I N E A R E S INTRODUÇÃO Dizemos que uma equação é linear, ou de primeiro grau, em certa incógnita, se o maior expoente desta variável for igual a um. Ela será quadrática, ou

Leia mais

Algoritmo para a simulação computacional da colisão tridimensional de dois corpos

Algoritmo para a simulação computacional da colisão tridimensional de dois corpos Algorito para a siulação coputacional da colisão tridiensional de dois corpos André C. Sila, Aérico T. Bernardes Departaento de Engenharia de Minas Uniersidade Federal de Goiás (UFG) A. Dr. Laartine Pinto

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais

1.5 O oscilador harmónico unidimensional

1.5 O oscilador harmónico unidimensional 1.5 O oscilador harmónico unidimensional A energia potencial do oscilador harmónico é da forma U = 2 2, (1.29) onde é a constante de elasticidade e a deformação da mola. Substituindo (1.29) em (1.24) obtemos

Leia mais

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções:

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções: FÍSICA DADOS 9 N. g = 0 k 0 = 9,0 0 s C 8 c = 3,0 0 v so = 340 /s T (K) = 73 + T( o C) s 0) d = d 0 + v 0 t + at 4) E p = gh 6) 0) v = v 0 + at 5) E c = v 03) v = 04) T= f 05) 0 PV P V = 38) T T V = k0

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

CAPÍTULO 7. Seja um corpo rígido C, de massa m e um elemento de massa dm num ponto qualquer deste corpo. v P

CAPÍTULO 7. Seja um corpo rígido C, de massa m e um elemento de massa dm num ponto qualquer deste corpo. v P 63 APÍTLO 7 DINÂMIA DO MOVIMENTO PLANO DE ORPOS RÍGIDOS - TRABALHO E ENERGIA Neste capítulo será analisada a lei de Newton apresentada na fora de ua integral sobre o deslocaento. Esta fora se baseia nos

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

Exemplo E.3.1. Exemplo E.3.2.

Exemplo E.3.1. Exemplo E.3.2. Exeplo E.1.1. O bloco de 600 kn desliza sobre rodas nu plano horizontal e está ligado ao bloco de 100 kn por u cabo que passa no sistea de roldanas indicado na figura. O sistea parte do repouso e, depois

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

Exercícios 1. Deduzir a relação:

Exercícios 1. Deduzir a relação: setor 1322 13220509 13220509-SP Aula 35 RELAÇÕES ENTRE ÁRIOS TIPOS DE CONCENTRAÇÃO Tipo de concentração Cou E ol/l As conversões entre esses tipos de concentração pode ser feitas: Aditindo-se 1,0 L de

Leia mais

Análise de Circuitos Elétricos III

Análise de Circuitos Elétricos III Análise de Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais Introdução à Transformada de Laplace A Transformada

Leia mais

Oscilações e Ondas Oscilações forçadas

Oscilações e Ondas Oscilações forçadas Oscilações e Ondas Oscilações forçadas Oscilações e Ondas» Oscilações forçadas 1 Oscilações livres e forçadas Exainaos até aqui a dinâica de osciladores harônicos e oviento a partir de ua condição inicial

Leia mais

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau MATEMATICA 13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR OBJETIVO O objetivo desta atividade é trabalhar com as propriedades de igualdade, raízes

Leia mais

INCORPORAÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS POSITIVOS RELACIONADOS AOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA NOS ESTUDOS DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO

INCORPORAÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS POSITIVOS RELACIONADOS AOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA NOS ESTUDOS DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO INCORPORAÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS POSITIVOS RELACIONADOS AOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA NOS ESTUDOS DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO Katia Cristina Gacia 1 ; Jorge M. Daázio; Silvia Helena Pires; Denise

Leia mais

Valter B. Dantas. Geometria das massas

Valter B. Dantas. Geometria das massas Valter B. Dantas eoetria das assas 6.- Centro de assa s forças infinitesiais, resultantes da atracção da terra, dos eleentos infinitesiais,, 3, etc., são dirigidas para o centro da terra, as por siplificação

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO Modelage e Siulação de u Sistea de Counicação Digital via Laço Digital de Assinante no Abiente SIMOO Luciano Agostini 1 Gaspar Steer 2 Tatiane Capos 3 agostini@inf.ufrgs.br gaspar@inf.ufrgs.br tatiane@inf.ufrgs.br

Leia mais

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA Escrever a equação do movimento corresponde a escrever a 2ª Lei de Newton (F = ma) numa forma que possa ser aplicada à oceanografia. Esta Lei diz-nos que como resultado

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 11

Problemas de Mecânica e Ondas 11 Problemas de Mecânica e Ondas 11 P. 11.1 ( Exercícios de Física, A. Noronha, P. Brogueira) Dois carros com igual massa movem-se sem atrito sobre uma mesa horizontal (ver figura). Estão ligados por uma

Leia mais