Treinamento sobre carregadores KM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Treinamento sobre carregadores KM suporte@kmcarregadores.com.br"

Transcrição

1 Treinamento sobre carregadores KM

2 O que é um carregador de baterias Carregador convencional... 3 Transformador:... 3 Retificador:... 3 Controle eletrônico:... 4 Diagrama completo... 5 Carregadores KM... 6 Carregadores monofásico/bifásico... 6 Mudança de tensão de entrada... 6 Painel e seus elementos... 6 Curva de carga... 7 Funcionamento Programação... 9 Pequenos defeitos e soluções Carregador trifásico Mudança de tensão de entrada Painel e seus elementos Curva de carga Funcionamento Programação Dessulfatação Preventiva Dessulfatação corretiva Partida com bateria em descarga profunda Códigos de erro Opcionais Sonda térmica Logger Agitador de eletrólito...17 KM Carregadores de baterias Página 1

3 Dicas para prevenção e solução de problemas Carregador não liga Carregador não sente a bateria conectada Carregador queimando fusível ou fazendo ruído Carregador enviando corrente baixa para bateria KM Carregadores de baterias Página 2

4 O que é um carregador de baterias. Um carregador de baterias é responsável por repor de forma correta a energia na bateria, para que possa ser utilizada posteriormente. Existem diversos tipos de carregadores, alguns simples e antigos outros mais modernos e totalmente automáticos. Entre os automáticos existem os modelos chamados de carregadores chaveados, ou carregadores de alta frequência, que trabalham em freqüências elevadas na ordem de khz(quilo Hertz), e os convencionais que são a maioria, que trabalham com a frequência da rede elétrica que no Brasil é de 60Hz, ou 50Hz como em outros países. Carregador convencional Um carregador de baterias convencional, que trabalha com a frequência de rede elétrica 50Hz ou 60Hz, pode ser construído com SCRs(Silicon Controlled Rectifiers) e/ou diodos e são divididos em 3 partes básicas: transformador, retificador e controle. Transformador: É responsável por abaixar a tensão da rede elétrica, que normalmente pode ser 127V ou 220V para redes monofásica e 220V, 380V ou 440 Volts para redes trifásicas. Redes trifásicas normalmente são utilizadas em ambientes industriais. A tensão de entrada é abaixada para um valor compatível com a bateria que será carregada, ou seja, um valor próximo a tensão nominal dela, ex. 12 Volts. Retificador: Retificador é onde a corrente elétrica que sai do transformador será polarizada, deixando de ser alternada, e se tornando contínua. A corrente alternada na tomada de energia elétrica, varia KM Carregadores de baterias Página 3

5 de um valor negativo a outro positivo, por isso a necessidade de se retificar e transformar em um valor contínuo, é normalmente chamada de corrente DC. Ao sair do retificador a tensão terá dois cabos distintos, sendo um positivo e outro negativo, estes deverão ser ligados na polaridade correta da bateria. Controle eletrônico: Pode-se dizer que é o cérebro do carregador, os dois estágios anteriores estão presentes na maioria dos carregadores convencionais, já o controle eletrônico é que varia de acordo com o modelo e fabricante do carregador. É o objeto responsável pela curva de carga da bateria, deixando o carregador automático e inteligente. De acordo com o modelo, fabricante ou a maneira de trabalhar, ele pode controlar a corrente, tensão e tempo do processo de carga. Há ainda que ressaltar que alguns modelos mais simples de carregador, podem não contemplar esta etapa, deixando o controle de corrente a cargo do projeto do transformador, e as vezes dependendo do operador para fazer o desligamento manual do carregador após a carga estar completa. A principal função do controle eletrônico é manter estável a corrente que está sendo enviada para a bateria, em um valor que é calculado e estipulado como sendo ideal. Os valores de corrente dependem do tipo de curva de carga que será utilizado para carregar a bateria. Este valor pode variar dependo do estágio de carga que se encontra o processo. O valor de tensão da bateria também deve ser monitorado, para este, existem valores que devem ser seguidos, e também existem limites de acordo com o estágio de carga. O controle deve monitorar e ser inteligente para tomar decisões caso o limite seja extrapolado. Dependendo da sua idade, cada bateria reage de certa maneira quando submetida a carga, por isso importância dos valores de limites serem seguidos a risca. KM Carregadores de baterias Página 4

6 Além destes valores, ainda deve ser monitorado também, o tempo de carga, tempos excessivos ou muito curtos não proporcionarão uma carga correta. Na verdade a maioria destes limites tem como finalidade proteger a bateria, principalmente da alta temperatura que ocorre durante o processo de carga. A temperatura é a pior inimigo da bateria e a causadora da diminuição da vida útil da mesma. Existem situações em que, se for possível monitorar a temperatura da bateria, ou seja, do eletrólito (ácido) dentro dela, é melhor ainda. Por exemplo, quando a bateria está com muito tempo de uso, costuma-se aplicar correntes baixas durante muitas horas, a fim de se fazer um processo chamado de equalização, este processo gera uma grande liberação de calor, então monitorar a temperatura é imprescindível. Diagrama completo Abaixo, o esquema básico do carregador de baterias, acrescentado os disjuntores de entrada, que ligam e desligam o equipamento, além de proteger; a placa de mudança de tensão, que faz a compatibilidade do transformador à rede elétrica existente, e o fusível de saída. DISJUNTORES MUDANÇAO DE TENSÃO FUSÍVEL KM Carregadores de baterias Página 5

7 Carregadores KM A seguir uma explicação mais detalhada, com as funções e características de cada modelo de carregador KM. Carregadores monofásico/bifásico O carregador monofásico utiliza uma placa um pouco mais simples que o modelo trifásico, porém também com recursos importantes que serão explicados a seguir. Mudança de tensão de entrada Normalmente carregadores monofásicos acima de 40A são somente 220V. Verifique no manual do mesmo mais detalhes. Painel e seus elementos O Painel frontal dos carregadores possui teclas e display para monitoração do ciclo de carga. Estes elementos servem apenas como auxiliares, pois todo o processo de carga é automático. KM Carregadores de baterias Página 6

8 LED4 DISPLAY LED3 LED2 OCULTA LED1 FUNÇÕES DESLIGA Display É exibido valores de corrente, tensão e tempo LED1 - Bateria desconectada ou com polaridade invertida LED2 - Estágio inicial de carga LED3 - Estágio final de carga LED4 - Fim de carga TECLA VERMELHA Interrompe a carga TECLA VERDE Muda os parâmetros exibidos no display (corrente, tensão e tempo, e habilita para COM ou SEM resfriamento. TECLA OCULTA Utilizada quando se está programando os valores de ajuste. Curva de carga KM Carregadores de baterias Página 7

9 I1 2,4 VPE T1 T2 I1 Corrente de primeiro estágio, e tem o valor igual ao valor nominal do carregador. (ex. 24V 50A I1 é 50A). No inicio da carga este valor sobe gradativamente, levando cerca de 1 minuto para alcançar o valor máximo. 2,4Vpe (Tensão por elemento) é o valor em que a corrente começa a cair. Neste estágio a bateria está com aproximadamente 80% de sua carga. T1 e T2 são os tempos relativos a cada estágio de carga. Funcionamento. O carregador pode ter ou não tempo de resfriamento. Para alterar isto, utilize a tecla de funções (VERDE), com a bateria desconectada. Carregador COM tempo resfriamento e SEM,respectivamente. Ao ser conectado à bateria descarregada, o equipamento KM Carregadores de baterias Página 8

10 fornece a corrente nominal até que a ela atinja a tensão 2,4Vpe ou ocorra o limite de tempo T1. Durante este estágio permanecerá aceso o LED 2. Após entrar no 2º estágio acenderá o LED 3, e o tempo de 2º Estágio (T2) passará a ser contabilizado. Este estágio costuma ter a tensão de 2,45Vpe também como limite. Ao término do tempo T2 o LED 4 acenderá indicando o fim do ciclo de carga e o display indicará a quanto tempo isso ocorreu. T1 Tempo limite para o 1º estágio é de 4 horas T2 Tempo de equalização é de 5 horas Programação Não é aconselhável modificar a programação sem realmente ter conhecimentos técnicos sobre a curva de carga e os limites da bateria. Qualquer mudança feita de forma errada pode causar danos a bateria e ao carregador. Para entrar na programação, é necessário que o técnico ligue para o suporte técnico na KM, assim ele poderá ser instruído corretamente sobre o procedimento. Para um carregador 24V-50A a programação está nesse formato: 80 Fusível Eletrônico 50 Corrente de Carga 28,5 Tensão 1º Estágio 50 Corrente de Início do 2º Estágio, que irá decrescer 29,4 Tensão de 2º Estágio, limite para a tensão da bateria 100 Tempo de Resfriamento 400 Tempo de 1º Estágio 500 Tempo de 2º Estágio KM Carregadores de baterias Página 9

11 Pequenos defeitos e soluções 1 Ligando o aparelho e não acendendo LED ou Display: -Verificar tomada de rede -Verificar Disjuntores -Conexão com a placa eletrônica 2 Liga, porém não envia corrente: -Verificar rede elétrica 220 V. -Conexões no comando. 3 LED 1 piscando : -Sem bateria -Carregador conectado à máquina ao invés da bateria. -Polaridade invertida -Fusível queimado 4- Desarme de Disjuntor: -Isolar retificador, caso o problema desapareça verificar os tiristores. Se persistir, isolar o transformador, desaparecendo o problema, o transformador está com problemas. Carregador trifásico O carregador trifásico da mesma maneira que o monofásico utiliza um software para o controle de carga, porém esta placa é um pouco mais avançada e com características diferentes na curva de carga. Mudança de tensão de entrada Todo equipamento trifásico é fornecido com fechamento para 440 V. Para sua alteração para 220 V ou 380 V, retire a tampa lateral esquerda e proceda a mudança conforme desenho fixado na parte interior do equipamento, similar ao desenho abaixo: KM Carregadores de baterias Página 10

12 Painel e seus elementos Painel frontal há teclas e display para monitoração do ciclo de carga. Como no carregador anterior estes elementos servem apenas como auxiliares, pois todo o processo é automático. LED5 LED4 DISPLAY FUNÇÕES LED3 LED2 LED1 EQUALIZAÇÃO DESLIGA KM Carregadores de baterias Página 11

13 Display: Indica corrente, tensão e tempo (temperatura quando utilizado sonda térmica. Tecla Funções (Verde): Seleciona grandezas a serem visualizadas no display e habilita tempo de resfriamento. Tecla Interromper (Vermelha): Interrompe o processo de carga. Tecla Equalização (Amarela): Habilita os processos de dissulfatação da bateria. LED 5- Fim de ciclo de carga. LED 4- Piscante: 2º estágio de carga, corrente caindo. Aceso: 3º estágio de carga LED 3- Ciclo de carga em 1º estágio LED 2- Indica o processo de resfriamento anterior a carga LED 1- Processo de dissulfatação habilitado. Curva de carga 2,65Vpe I1 2,4Vpe I2 T1 T2 T3 I1 Corrente de primeiro estágio, e tem o valor igual ao valor nominal do carregador. (ex. 24V 100A I1 é 100A). No início da carga este valor sobre gradativamente, levando cerca de 1 minuto para alcançar o valor máximo. 2,4Vpe (Tensão por elemento) é o valor em que a corrente começa a cair. Neste estágio a bateria está com aproximadamente 80% de sua carga. 2,65Vpe é o valor limite de tensão da bateria, se a tensão tentar KM Carregadores de baterias Página 12

14 ultrapassar esse valor, a corrente começa a decrescer. T1, T2 e T3 são os tempos relativos a cada estágio de carga. Esta talvez seja a mais eficiente curva de carga para baterias chumbo acidas, é conhecida pela sigla IUIa e segue o padrão estabelecido pelas normas DIN e DIN que padronizaram este tipo de curva. Ela se caracteriza por ter 3 estágios de carga sendo o primeiro com corrente constante (I), o segundo com tensão constante (U) e o ultimo novamente com corrente constante (I) com finalização programada por tempo (a). Funcionamento. Ao conectar o carregador em uma bateria descarregada, o equipamento faz a leitura da bateria e compara com valores mínimos e máximos, isto serve para estipular a faixa aceitável de tensão que a bateria deve estar para que seja identificada como uma bateria correta para aquele modelo de carregador. Assim, impede que o carregador inicie a carga em uma bateria errada, ex. Bateria de 24V ligada a um carregador de 36V, o que faria com que a bateria nunca atingisse a tensão de entrada para segundo estágio, ficando várias horas submetida a corrente alta. Este valor é de 1,7 Vpe para tensão mínima e 2,6 Vpe para tensão máxima. Estando a bateria dentro da faixa aceitável o processo tem continuidade. O ideal é que a bateria descanse sempre após o trabalho, para então ser recarregada. Os carregadores são ajustados para terem duas horas de descanso, porém saem com este tempo de descanso habilitado somente a pedido do cliente. Independente de sair da fábrica com tempo de resfriamento ou não, é possível alterar este estado, basta utilizar a tecla de funções (VERDE) com a bateria desconectada. Carregador SEM o tempo de resfriamento. KM Carregadores de baterias Página 13

15 E COM tempo de resfriamento Ao iniciar a carga, o equipamento fornece a corrente nominal até que a ela atinja a tensão 2,4Vpe, sendo que este valor de corrente será elevado gradativamente, podendo levar até um minuto para que alcance o valor máximo. Caso a bateria não alcance o valor de tensão em 9 horas, o carregador entenderá que há alguma coisa errada com a bateria, e sinalizara Erro 2 no painel. Para a corrente de primeiro estágio utiliza-se o valor de 15% a 20% da capacidade da bateria. No segundo estágio a tensão passa a ser constante mantendo-se fixa em 2,4 Volts. Com isso a corrente tende a decrescer lentamente. Este estágio costuma ter duração de aproximadamente uma hora, porém ele é limitado em 3 horas, para garantir que baterias ruins também sejam carregadas sem que o ciclo fique travado neste estágio. Quando a corrente decrescer até o valor de corrente programado, que costuma ser de 30% do valor programado no primeiro estágio, e que é aproximadamente 5% da capacidade da bateria, o carregador entra em estágio final de carga, acionando um timer interno que determinará o tempo final de carga. Neste estágio a corrente volta a ser constante, fazendo com que a tensão volte a subir, porém limitada ao valor de 2,5Vpe. Se a bateria atingir valores maiores que este, a KM Carregadores de baterias Página 14

16 corrente que é constante neste estágio, irá ser decrementada para que a tensão seja mantida no limite programado. O tempo do estágio final de carga (T3) é estipulado em no máximo três horas, porém o software analisa o tempo de carga dos estágios anteriores para estipular o tempo final. Este tempo é maior ou igual há 1 hora, e menor ou igual ao que foi programado como tempo máximo, neste caso 3 horas. O carregador soma o tempo do primeiro estágio (corrente constante) com o tempo do estágio de tensão constante, se a soma for até 1 hora, então este estágio terá tempo de 1 hora (valor mínimo), se a soma for maior que o programado, o tempo será o programado (valor máximo), se o tempo estiver entre o mínimo e máximo então este será o tempo de carga final. Em resumo, e observando o gráfico da curva mostrado acima se tem que T3(tempo final) = T1(tempo inicial) + T2(tempo de transição) sendo que (1 hora <= T3 <= tempo programado) Ex. T1 + T2 = 15 minutos = T3 será 1 hora T1 + T2 = 2:15 minutos = T3 será 2:15 horas T1 + T2 = 5:15 minutos = T3 será o valor programado, neste caso 3 horas. Isto é feito para que ao se conectar uma bateria já carregada ao equipamento, ou ao acabar a energia elétrica quando a carga estava perto do seu fim, a bateria fique pouco tempo ligada ao carregador e não tenha que refazer todo o processo novamente, fazendo o operador pensar que a mesma está ou estava descarregada. Como proteção adicional, caso a corrente de carga exceda o valor de 25% a mais que o ajustado em fábrica, é acionado o fusível eletrônico. Este desliga o envio de corrente para a bateria e sinaliza o Erro7 no painel. Se o carregador estiver com a sonda térmica opcional conectada, será monitorado também os valores de temperatura. KM Carregadores de baterias Página 15

17 Programação Assim como para o monofásico não aconselhamos modificar a programação sem realmente ter conhecimentos técnicos sobre a curva de carga e os limites da bateria. Qualquer mudança feita de forma errada pode causar danos a bateria e ao carregador. Para entrar na programação, é necessário que o técnico ligue para o suporte técnico na KM, assim ele poderá ser instruído corretamente sobre o procedimento. Dessulfatação Preventiva Pode ser feito a cada 10 ou 15 ciclos de carga. Após a bateria conectada e o ciclo de carga iniciado aperte a tecla amarela até que o LED 5 acenda. Quando o ciclo se completar o equipamento permanecerá ligado por mais quatro horas com corrente baixa a fim de equalizar possíveis variações entre os vasos da bateria. Dessulfatação corretiva Deverá ser executado de acordo com as orientações do fabricante da bateria. Para acionar esse processo após o ciclo de cargas estar completo, mantenha a bateria conectada, desligue os disjuntores do equipamento, segure a tecla amarela pressionada e religue os disjuntores. Os LED s 2, 3 e 4 acenderam em seqüência e será enviada à bateria uma corrente de 3% de sua capacidade por 18 horas, a fim de dessulfatar as placas do elemento ativo da bateria. Partida com bateria em descarga profunda Se uma bateria ficar parada por muito tempo, haverá uma descarga profunda. Neste caso, ao ser conectada ao carregador, ocorrerá o erro 3. Neste momento pressione as três teclas simultaneamente e o processo se iniciará recuperando a carga. KM Carregadores de baterias Página 16

18 IMPORTANTE: Antes de executar esta função certifique-se de que a bateria é compatível ao carregador a ser utilizado e realmente está com descarga profunda. Códigos de erro Erro 1: Quando a bateria conectada ao carregador possui tensão nominal maior do que a programada no carregador. Erro 2: Quando o tempo T1 foi excedido. Erro 3: Quando a bateria conectada ao carregador possui tensão nominal menor do que a programada no carregador. Erro 4: Bateria desconectada antes do término do ciclo de carga Erro 5: Carregador não consegue fornecer a corrente para qual foi programado. Erro 6: Ciclo de carga interrompido pelo operador. Erro 7: Fusível eletrônico acionado. Opcionais São itens que são vendidos separadamente, sem eles os carregadores trabalham perfeitamente, porém o seu uso pode ajudar em determinados trabalhos. Sonda térmica A sonda é colocada dentro do vaso da bateria para monitorar a temperatura do eletrólito e este não deve ultrapassar 45 graus, valor este estipulado pela maioria dos fabricantes de baterias. O uso da sonda é interessante principalmente no processo de dessulfação corretiva. Logger Todo carregador KM, durante o processo de carga armazena dados ocorridos durante a curva. São valores de corrente, tensão, tempo e no uso da sonda térmica valores de temperatura também. São armazenadas as últimas 20 cargas. KM Carregadores de baterias Página 17

19 Para retirar estes valores do carregador, é necessário o uso do Logger. Com ele o usuário retira os dados do carregador e carrega no computador através de um software próprio que permite visualizar o gráfico de carga e qualquer erro que tenha ocorrido durante o ciclo. Agitador de Eletrólito Equipamento Opcional da Linha Tracionária KM que auxilia no processo de recarga através do bombeamento de ar diretamente nos vasos da bateria por meio de uma mangueira específica. Ao introduzí-la, o sistema colabora com o desprender dos eletrólitos das placas de chumbo da bateria e otimiza o processo de recarga. Para utilizá-lo, caso tenha o opcional instalado em seu carregador, o operador deve colocar a mangueira do agitador em um dos vasos da bateria e ele acionará automaticamente durante o processo de recarga. OBS: Sempre verificar o nível de água da bateria. Dicas para prevenção e solução de problemas Sempre, antes de qualquer coisa, leia o manual de instruções e instrua que os operadores façam o mesmo. Muitos problemas são solucionados facilmente, porém é necessário que se conheça o carregador e a maneira como ele trabalha. Para verificar problemas e fazer pequenos reparos nos carregadores, é necessário conhecimentos técnicos quanto a utilização de multímetro e alicate amperímetro, além de conhecimentos em segurança. Cuidado, risco de choque elétrico! Ferramentas necessárias: Um multímetro para medições de energia elétrica, um alicate amperímetro, para medir corrente elétrica, chaves de fenda e chave canhão, para caso haja necessidade de abrir o carregador. KM Carregadores de baterias Página 18

20 Abaixo o carregador trifásico: A, B e C Dissipadores de alumínio onde são fixados os diodos e SCRs. D, E e F São os diodos G, H e I SCRs, ou também chamados de tiristores. J Fusível de saída. K, L e M São pontos de entrada de tensão de rede na placa de mudança. N Disjuntor de entrada O - Transformador Verificar SEMPRE antes de instalar, a tensão da rede elétrica da tomada. KM Carregadores de baterias Página 19

21 Carregador não liga Em situações que o carregador não ascende o display, ou parece não estar carregado corretamente a bateria, comece verificando a entrada de rede elétrica. Verifique se a tensão está compatível com a tomada, mesmo sendo comunicado que a tensão está correta, faça as medições com multímetro para ter certeza. Verifique as ligações de fase e terra, se estiverem trocadas, o carregador poderá dar choques elétricos. Verifique se a placa de mudança de tensão está ajusta para uma tensão compatível com a tomada. Dentro do carregador existe um adesivo amarelo com o esquema de ligação. Confira Coloque o ajuste do multímetro em uma posição VAC (Volts AC) em um valor de ajuste acima de 500V, normalmente existe uma de 750V. Meça as entre os pontos K e L, K e M, L e M, nestes pontos, deve haver tensões com os valores da rede elétrica. - Muitos problemas em campo são relacionados a tomada elétrica errada, fio terra trocado, tensão incompatível com o carregador, mau contato na tomada. KM Carregadores de baterias Página 20

22 Caso a tensão esteja abaixo do esperado, verifique se as tensões estão chegando e saindo do disjuntor, item N. Se já estiver chegando valores errados neste ponto, o problema é na tomada. Se chegar correto e não sair, o problema é nos disjuntores. Carregador não sente a bateria conectada Ao trocar cabos do carregador, da bateria ou substituir conectores, verifique a polaridade dos cabos. Verifique se o operador não está conectando o carregador na maquina ao invés de conectar na bateria. - É comum acontecer os erros acima, podendo ocasionar inclusive queima do carregador. Com a bateria conectada ao carregador desligado, fixe a ponta de prova preta do multímetro no cabo negativo da bateria. Coloque-o próximo ao barramento, ou seja, no terminal fixado dentro do carregador. Com a ponta vermelha do multímetro vá seguindo a tensão até achar o ponto em falta. KM Carregadores de baterias Página 21

23 Meça no ponto J, embaixo do fusível, depois acima. Nos dois pontos deve haver tensão da bateria. Se na parte de baixo não houver, verifique o conector (bateria/carregador), talvez não esteja passando por ele. Se na parte de baixo do fusível houver tensão, mas na parte de cima não, o fusível pode estar queimado. Carregador queimando fusível ou fazendo ruído. Pode ser transformador ou semicondutores em curto. Solte os fios do transformador (item O), que estão fixados nos dissipadores, se o barulho desparecer o curto pode estar nos semicondutores. Meça a continuidade dos semicondutores, com o multímetro na posição para medir diodos, não pode haver curto. Sem a bateria estar conectada meças as tensões nos saídas do transformador, devem ter valores de tensões bem parecidas e próximas ao valor nominal de tensão do carregador (24V, 36V etc.). Se encontrar valores diferentes, o transformador pode estar com problemas. KM Carregadores de baterias Página 22

24 Carregador enviando corrente baixa para bateria Se o carregador envia corrente baixa para bateria, acompanhado de ruído ou não, pode ser que algum semicondutor não esteja funcionando, ou até mesmo desregulado. Com o carregador ligado enviando carga a bateria, meça com o alicate amperímetro a corrente que circula pelos semicondutores, não se preocupe com valores, apenas tenha certeza que em todos eles estão passado correntes de valores próximos. Se por algum não circular corrente, ele pode estar aberto. Verifique também se a tensão da bateria não está subindo muito rapidamente, fazendo com que o carregador tenha que mandar corrente de valor menor. KM Carregadores de baterias Página 23

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES FONTE DE ALIMENTAÇÃO AUTOMOTIVA USINA MODELO: SUV-14460BV Fonte Chaveada Usina 60A-14,4V Antes de Efetuar qualquer ligação em sua fonte, leia atentamente o manual de instruções. Apresentação

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

MANUAL REDE CABEADA UTP

MANUAL REDE CABEADA UTP MANUAL REDE CABEADA UTP volt.ind.br 1-QUADRO COMPLETO 2-DISJUNTOR 3-PROTETOR ELÉTRICO 4-FONTE PRIMÁRIA VT 800 5-BATERIAS 6-PD (PONTO DE DISTRIBUIÇÃO) volt.ind.br Pág. 1 1-QUADRO COMPLETO: Equipado por

Leia mais

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Atenção: Antes de operar o equipamento, leia o manual do usuário, qualquer dano causado decorrente de utilização errônea do mesmo implicará na perda imediata

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento =1= ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Regras de segurança...01

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 PAINEL... 4 FUNÇÕES DO PAINEL... 4 FUNÇÕES INTERNAS PLACA DE CONTROLE... 6 FUNÇÕES INTERNAS

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções, para evitar possíveis danos ao multímetro, ao equipamento sob teste ou choque elétrico

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. FONTE NoBreak 360W

MANUAL DO USUÁRIO. FONTE NoBreak 360W MANUAL DO USUÁRIO FONTE NoBreak 360W 2 1 Contém: 1 cabo tripolar; 1 manual do usuário; 1 fonte NoBreak Fonte NoBreak Online 24V/10A 360W: Procedimento de instalação: Ao receber a fonte, verificar a integridade

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Manual do Usuário Versão 3.9f 2 ÍNDICE PÁG. 1 APRESENTAÇÃO...03 2 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO...04 2.1 ROTINA INICIAL DE AVALIAÇÃO DA REDE ELÉTRICA...04 2.2 TROCA DE

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. REGRAS DE SEGURANÇA...3

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CARACTERÍSTICAS BÁSICAS 8 Zonas programáveis sendo 4 mistas, ou seja, com fio e sem fio e 4 com fio; 1 senha mestre; 1 senha de usuário; Entrada para teclado

Leia mais

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC.

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC. Manual de Instruções Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C A&C Automação e Controle Rua: Itápolis nº 84 SBC. SP CEP: 09615-040 Tel: (11) 4368-4202 Fax: (11) 4368-5958 E-mail: aec@aecautomacao.com.br

Leia mais

P á g i n a 2. Avisos Importantes

P á g i n a 2. Avisos Importantes P á g i n a 1 P á g i n a 2 Avisos Importantes Todas as instruções contidas neste manual devem ser seguidas, caso contrário o produto perderá a garantia. Faça primeiro as conexões dos cabos de alimentação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-1500

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-1500 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-1500 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Especificações...02 2.1. Gerais...02

Leia mais

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-201

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-201 CENTRAL DE ALARME COM FIO AW201 CARACTERÍSTICAS DO APARELHO Central de alarme de 1 setor com fio; Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; Carregador de bateria incorporado; Tempo de

Leia mais

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO PARA RESFRIAMENTO EVAPORATIVO TEMPER UMIDADE 1. DESCRIÇÃO Controlador microprocessado de alta performance, o Humitech aplica-se em conjunto a sistemas de resfriamento evaporativo para conforto térmico

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 SUMÁRIO Descrição do Rastreador ST-240... 03 Descrição das entradas e saídas... 03 Led indicador GPS - Vermelho... 04 Led indicador GPRS - Azul... 04 Dicas de instalação... 05

Leia mais

MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro

MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro Geração: equipe técnica Metalfrio. Revisão: Alexandre Mendes, Fernando Madalena, Gustavo Brotones e Rafael Atílio. http://treinamento.metalfrio.com.br treinamento@metalfrio.com.br

Leia mais

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO Sumário Página 4: Quadro completo Disjuntores Transformador isolador Protetor elétrico Fonte primária VT CFTV Funcionalidades Baterias Página 6: Ponto de distribuição

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do gerador ÍNDICE 1. Introdução... 01 2. Regras de segurança... 02

Leia mais

Leia atentamente este manual antes de usar o Multímetro

Leia atentamente este manual antes de usar o Multímetro MULTÍMETRO DIGITAL EM369 Leia atentamente este manual antes de usar o Multímetro GARANTIA Este aparelho de medição está coberto de garantia sobre possíveis defeitos de fabricação e de funcionamento durante

Leia mais

PORTEIROS ELETRÔNICOS COLETIVOS

PORTEIROS ELETRÔNICOS COLETIVOS 9.0 - INTRODUÇÃO AOS PORTEIROS ELETRÔNICOS Os Porteiros Eletrônicos Coletivos THEVEAR são sistemas constituídos de quatro componentes básicos. 9.1 - PRIMEIRO COMPONENTE: A PLACA DE RUA É um painel instalado,

Leia mais

Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO. AlbaLED Cores Piscina

Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO. AlbaLED Cores Piscina Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO AlbaLED Cores Piscina Copyright G2N Automação Indústria e Comércio Ltda. 2009. AlbaLED Cores Piscina Este Guia do Instalador e Manual do Usuário foi publicado pela

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO

FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO Sat5 Telecom www.sat5.com.br Última Revisão: 25/01/2012 Manual Técnico.:. Fonte No-Break.:. Sat5 Telecom 1 1. Modelos e diferenças As fontes no-break, são fornecidas em 2

Leia mais

AC1024 AC1424 / AC2524 AC1212 / AC2512 AC5012 / AC0848

AC1024 AC1424 / AC2524 AC1212 / AC2512 AC5012 / AC0848 Carregador de Baterias Manual do Usuário Modelo: Top Gear AC1024 AC1424 / AC2524 AC1212 / AC2512 AC5012 / AC0848 INSTRUÇÃO PARA INSTALAÇÃO E USO Aviso: A não observação destas informações, poderá causar

Leia mais

Carregador de baterias. Manual do usuário. Antes de iniciar a operação do dispositivo, recomenda-se a leitura atenta deste manual do usuário.

Carregador de baterias. Manual do usuário. Antes de iniciar a operação do dispositivo, recomenda-se a leitura atenta deste manual do usuário. BATERIA PORTÁTIL MULTIFUNCIONAL 13.600 ma h Partida EM VEÍCULOS Carregador de baterias LANTERNA LED MULTIFUNÇÕES Manual do usuário Antes de iniciar a operação do dispositivo, recomenda-se a leitura atenta

Leia mais

Manual Do Usuário SHP-5000 SHP-5000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda

Manual Do Usuário SHP-5000 SHP-5000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Modelo Controle SHP-5000 Nº A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período de 6 meses, a partir

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO CENTRAL MC - 4

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO CENTRAL MC - 4 Central de Alarme MC-4 1. Apresentação 3 2. Características 3 3. Conhecendo a Central de Alarme MC-4 4 4. Instalação 4 4.1 Especificações Técnicas 4 4.2 Especificação da Fiação 5 4.3 Escolha dos Sensores

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

A iluminação além da imaginação

A iluminação além da imaginação A iluminação além da imaginação 2014 Índice Introdução... 4 Aplicações...5 Conhecendo o Iluminador... 6 Instalação e Uso... 7 Recomendações Elétricas... 8 Solucionando problemas... 13 Especificações técnicas...

Leia mais

Retificador No Break duo

Retificador No Break duo Retificador No Break duo Manual do Usuário ccntelecom.com.br O Retificador No Break duo O Retificador No Break duo é um equipamento desenvolvido para facilitar a alimentação e organização de redes de dados

Leia mais

Duplo Indicador de Temperatura com Alarme T204i/2T0-AL HNI Cód. 90.506.0082

Duplo Indicador de Temperatura com Alarme T204i/2T0-AL HNI Cód. 90.506.0082 MANUAL DE OPERAÇÃO Duplo Indicador de Temperatura com Alarme T204i/2T0-AL HNI Cód. 90.506.0082 Programa Executivo: T204AP_2T0AL Modelos: 220VAC, 127VAC e 24VAC. 40.000.0181 Rev. A maio 2011. ÍNDICE 1.

Leia mais

CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12

CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12 CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12 INSTALAÇÃO DO CONTROLADOR DE TEMPERATURA Atenção: A Montagem e manutenção devem ser realizadas apenas por profissionais

Leia mais

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a. Rev. B

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a. Rev. B Manual de Instruções C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a Rev. B 1. Descrição Índice 1.Descrição... pág 1 2.Dados Técnicos... pág 2 3.Instalação... pág 3 4.Ajuste e Operação...

Leia mais

Central de alarme ANM 2004 MF / ANM 2008 MF

Central de alarme ANM 2004 MF / ANM 2008 MF Central de alarme ANM 2004 MF / ANM 2008 MF Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A central de alarme ANM 2004/2008 MF é compacta e de fácil programação, possui

Leia mais

Manual de Instruções. Controle Remoto para Ventiladores e Lâmpadas Fan Controller

Manual de Instruções. Controle Remoto para Ventiladores e Lâmpadas Fan Controller Controle Remoto para Ventiladores e Lâmpadas Fan Controller Atendimento ao consumidor msn: sac@forceline.com.br skype: sac.forceline Casos Diferenciados (011) 6099-7747 Manual de Instruções Force Line

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO RASTREADOR DE FIOS E CABOS NÃO ENERGIZADOS MODELO LT-2012

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO RASTREADOR DE FIOS E CABOS NÃO ENERGIZADOS MODELO LT-2012 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO RASTREADOR DE FIOS E CABOS NÃO ENERGIZADOS MODELO LT-2012 fevereiro de 2010 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1.

Leia mais

www: toppoalarmes.com.br SAC: 0800-643-6680

www: toppoalarmes.com.br SAC: 0800-643-6680 Prezado cliente, Muito obrigado por escolher o alarme residencial TPS-100: você adquiriu um produto de alta qualidade, confiabilidade e sofisticação. Por favor leia todas as instruções relacionadas ao

Leia mais

ÍNDICE. 1.0 Introdução. 2.0 Descrição. 3.0 Instalação e Aplicação. 4.0 Programação. 5.0 Características Técnicas. 6.0 Principais Problemas e Soluções

ÍNDICE. 1.0 Introdução. 2.0 Descrição. 3.0 Instalação e Aplicação. 4.0 Programação. 5.0 Características Técnicas. 6.0 Principais Problemas e Soluções ÍNDICE 1.0 Introdução 2.0 Descrição 3.0 Instalação e Aplicação 4.0 Programação 5.0 Características Técnicas 6.0 Principais Problemas e Soluções Termo de Garantia 5 6 9 16 18 18 21 4 1.0 Introdução A TRANSSEN

Leia mais

CONTROLE REMOTO VEICULAR

CONTROLE REMOTO VEICULAR Hamtronix MCR300EA Manual de Instalação e Operação Software A Hardware Revisão E ÍNDICE Índice... 02 Suporte Online... 02 Termo de Garantia... 02 COMO FUNCIONA Funcionamento das saídas... 03 Funcionamento

Leia mais

MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V

MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V 1 MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V Cuidado Perigo A utilização imprópria do equipamento assim como a não observância das normas de segurança, pode agravar em ferimentos graves. Leia o manual

Leia mais

Controlador de Segurança para chamas de Gás

Controlador de Segurança para chamas de Gás Controlador de Segurança para chamas de Gás Para queimadores de gás atmosféricos de 2 estágios: Detecção de chamas: - Sonda de Ionização - Detector de Infra-vermelho IRD 1020 - Sensor de chamas Ultravioleta

Leia mais

Como utilizar um multímetro digital

Como utilizar um multímetro digital 1 Como utilizar um multímetro digital Um multímetro digital oferece a facilidade de mostrar diretamente em seu visor, que chamamos de display de cristal líquido, ou simplesmente display, o valor numérico

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Rev. A PRODUTOS ELETRÔNICOS

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Rev. A PRODUTOS ELETRÔNICOS MANUAL DE INSTRUÇÕES Rev. A Produzido por TCS Industria de Componentes de Comunicação e Sistema de Segurança Ltda. Rua João Aluysio Jacobs, 301 - Canoas - RS - CEP 92200-710 - Fone (51) 3464.2400 CNPJ

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Revisão 03 INSTALAÇÃO DO DISCO SOLAR Parabéns por adquirir um dos mais tecnológicos meios de aquecimento de água existentes no mercado. O Disco Solar é por sua natureza uma tecnologia

Leia mais

O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como:

O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como: Resumo - Alternador O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como: Não ligar a bateria com polaridade invertida; Não ligar o alternador sem carga ou retirar a carga com alternador

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD ÍNDICE A. Introdução B. Informações de segurança C. Símbolos elétricos internacionais D. Características E. Especificações F. Painel de operação G. Como

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MDC 305ED +55 (16) 33833818

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MDC 305ED +55 (16) 33833818 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

ERRO. Ao ligar e se deparar com o erro E4, devem ser feitos os testes abaixo indicados antes de trocar a placa da evaporadora:

ERRO. Ao ligar e se deparar com o erro E4, devem ser feitos os testes abaixo indicados antes de trocar a placa da evaporadora: ERRO E-4 O erro ocorre quando o sensor de imersão da serpentina da evaporadora informa à placa principal da própria evaporadora que a serpentina está numa temperatura anormal (ou muito fria ou muito quente

Leia mais

ANALISADOR DE ENERGIA CEM 1000

ANALISADOR DE ENERGIA CEM 1000 ANALISADOR DE ENERGIA CEM 1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES ANALISADOR DE ENERGIA CEM1000 1.- INTRODUÇÃO: O analisador de energia CIBER modelo CEM1000, mede, calcula e totaliza as principais grandezas elétricas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...2

Leia mais

RT1400. Display IRIG-B. Manual de Instruções

RT1400. Display IRIG-B. Manual de Instruções RT1400 Display IRIG-B Manual de Instruções Código do firmware: 07vrr Documento: rt1400.fw07-manual-pt-v02 Reason Tecnologia S.A. Todos os direitos reservados. Os produtos Reason são melhorados continuamente.

Leia mais

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por:

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por: Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES Desenvolvido por: Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. FUNÇÕES BÁSICAS... 4 3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 5 4. CONDIÇÕES DE SEGURANÇA... 7 5. COMPONENTES

Leia mais

Horímetro Digital H100-A HNI

Horímetro Digital H100-A HNI MANUAL DE OPERAÇÃO Horímetro Digital H100-A HNI Programa Executivo: H100A HNI v.1.2 Modelos: 220VAC, 127VAC, 24VAC e 12-24VDC 40-000-0101 Rev. C dezembro 2008. ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO:... 3 2. INSTALAÇÃO

Leia mais

SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES. Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas.

SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES. Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. SEVEN SKATE ELÉTRICO SAC: (11) 5660.2600 Uso doméstico

Leia mais

Controle de acesso FINGER

Controle de acesso FINGER Controle de acesso FINGER MANUAL DE INSTRUÇÕES Sobre esse Guia Esse guia fornece somente instruções de instalação. Para obter informações sobre instruções de uso, favor ler o Manual do usuário.. ÍNDICE

Leia mais

DESCRIÇÕES GERAIS SL A X 4 - MT

DESCRIÇÕES GERAIS SL A X 4 - MT DESCRIÇÕES GERAIS SL A X 4 - MT Sua central de alarme SL AX4 - MT, é microcontrolada, com quatro setores independentes, com fios ou sem fios (dependendo dos opcionais instalados), com opções monitoráveis

Leia mais

Verifique se todos os itens descritos no Kit de Rastreamento estão presentes na embalagem do produto.

Verifique se todos os itens descritos no Kit de Rastreamento estão presentes na embalagem do produto. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Com o intuito de fornecer ao mercado um dispositivo de rastreamento seguro e confiável, com base na mais alta tecnologia de rastreamento de veículos, seguindo rígidos padrões de

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO POWERTRANS Eletrônica Industrial Ltda. Rua Ribeiro do Amaral, 83 Ipiranga SP - Fone/Fax: (11) 2063-9001 E-mail: powertrans@powertrans.com.br Site: www.powertrans.com.br Manual Técnico de Instalação e Operação

Leia mais

Termo de Garantia. Extinção da Garantia

Termo de Garantia. Extinção da Garantia OBS IMPORTANTE: Você esta adquirindo um produto de segurança. Verifique com o Engenheiro responsável da obra, se ele atende as necessidades para o local onde será Instalado, pois todo o equipamento de

Leia mais

MANUAL DO INSTALADOR. CENTRAL DE ALARME SUPÉRIA 3000 D4 e SUPÉRIA 3000 D8

MANUAL DO INSTALADOR. CENTRAL DE ALARME SUPÉRIA 3000 D4 e SUPÉRIA 3000 D8 1 2 MANUAL DO INSTALADOR CENTRAL DE ALARME SUPÉRIA 3000 D4 e SUPÉRIA 3000 D8 Parabéns, você adquiriu um sistema de alarme da CS Eletrônica. Os nossos equipamentos foram projetados para lhe oferecer anos

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 CENTRAL DE E SEM FIO AS- CARACTERÍSTICAS DO APARELHO - Central de alarme sem fio com setor misto ( com e/ou sem fio ); - Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; - Carregador de bateria

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES USUÁRIO

MANUAL DE INSTRUÇÕES USUÁRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES USUÁRIO SISTEMA DE SEGURANÇA TERMINAL DSC INSTRUÇÕES DE USO: PARA INIBIR ZONAS (#), (*), (1), (Senha de acesso), (nº da zona: 01 a 16), a zona selecionada acende no teclado. (#) para

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

2-Instalação da cuba. 1-Apresentação. Cuba de Ionização Abraçadeira s. Cano. Mangote

2-Instalação da cuba. 1-Apresentação. Cuba de Ionização Abraçadeira s. Cano. Mangote Manual de Instalação Índice 1- Apresentação 2- Instalação da cuba. 3- Instalação do painel de controle 4- Ligação elétrica 5- Dispositivo de segurança 6- Características do Purilaqua 7- Tempo de filtragem

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

Central de Alarme de Oito Zonas

Central de Alarme de Oito Zonas Central de Alarme de Oito Zonas R02 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS GERAIS:... 3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:... 3 CONHECENDO A CENTRAL:... 4 COMO A CENTRAL FUNCIONA:... 4 COMO APAGAR A MEMÓRIA DA CENTRAL:... 4 COMO

Leia mais

VÍDEO PORTEIRO SENSE MEMORY PORT Manual de Instalação

VÍDEO PORTEIRO SENSE MEMORY PORT Manual de Instalação VÍDEO PORTEIRO SENSE MEMORY PORT Manual de Instalación Installation Manual HDL da Amazônia Indústria Eletrônica LTDA. Av. Abiurana, 1150 - Distrito Indústrial Manaus - AM - Cep: 69075-010 Tel: (11)4025-6500

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do megôhmetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS AUTO

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS AUTO MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS AUTO N de Homologação: 1703-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS AUTO 2 Índice Página 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 4 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL LTDA MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO SOFT STARTER

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL LTDA MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO SOFT STARTER MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO SOFT STARTER SOFT STARTER - NUM. SÉRIE... - POTÊNCIA... - TENSÃO AC DE BARRAMENTO... - TENSÃO AUXILIAR... Cliente: Projeto: Conv. Resp: Olaia Arq:.MANUAL_SOFTmP.doc

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

Manual de Instruções do Senha Light

Manual de Instruções do Senha Light Manual de Instruções do Senha Light 2 Sumário 1. Apresentação... 4 2. Especificações Técnicas... 4 3. Configuração do Sistema... 5 4. Esquema de Ligação... 5 4.1. Ligação da Fechadura Eletroímã... 6 4.1.1.

Leia mais

MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO

MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO 1 - INSTRUÇÕES INICIAIS IMPORTANTE LEIA COM ATENÇÃO!. Certifique-se de que a voltagem no equipamento é compatível com a tensão da rede elétrica. Este equipamento foi desenvolvido

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

BADISCO PROFISSIONAL PT-1000 EQUIPAMENTO DE TESTE DE LINHA

BADISCO PROFISSIONAL PT-1000 EQUIPAMENTO DE TESTE DE LINHA BADISCO PROFISSIONAL PT-1000 EQUIPAMENTO DE TESTE DE LINHA DISCAGEM POR PULSO E TOM INDICAÇÃO DE POLARIDADE DE LINHA MEMORIZA ÚTIMO NÚMERO DISCADO MONITORAÇÃO EM ALTA IMPEDÂNCIA PROTEÇÃO CONTRA REDIOINTERFERÊNCIA

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do gerador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1 3.

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

AUTO-DIAGNÓSTICO KOC G1

AUTO-DIAGNÓSTICO KOC G1 AUTO-DIAGNÓSTICO KOC G1 Unidade Interna Sensor de temperatura do evaporador em (somente frio/quente) Bóia ou bomba do dreno DEF./FAN ALARM Unidade Externa Os modelos Cassete Trifásicos possuem uma placa

Leia mais

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em "espera" ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc.

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em espera ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc. 1 Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores de sinais de TV via satélite. Estamos certos de que o receptor Century USR 1900 lhe proporcionará a melhor imagem e também bons momentos

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

Manual Técnico. www.bombac.com.br Industria Brasileira

Manual Técnico. www.bombac.com.br Industria Brasileira Manual Técnico www.bombac.com.br Industria Brasileira SUPERVISOR Menú Menu Sensor de Nível Cabo do Detector de água Cabo do Sensor de nível Fixar o Controle Instalação Elétrica a 1 etapa Teste dos equipamentos

Leia mais

Manual do Usuário SPI- 720 SPI- 720 Sistema de som sem fio para Iphone/Ipod ou computador

Manual do Usuário SPI- 720 SPI- 720 Sistema de som sem fio para Iphone/Ipod ou computador SPI- 720 Sistema de som sem fio para Iphone/Ipod ou computador Ler este manual completamente antes de utilizar o produto e guardá- lo para futuras referências. 1. Características do Produto O SPI- 720

Leia mais

REDE CABEADA UTP MINI MANUAL DO USUÁRIO

REDE CABEADA UTP MINI MANUAL DO USUÁRIO REDE CABEADA UTP MINI MANUAL DO USUÁRIO Quadro de Distribuição Completo 1 DISJUNTOR 2 FONTE PRIMÁRIA VT200 3 BATERIAS (4) 4 PD 02 MINI 5 PD 03 MINI QUADRO COMPLETO: Equipado por, uma Fonte Primária nobreak

Leia mais