UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PET - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Beamer Maurício Oliveira Haensch

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PET - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Beamer Maurício Oliveira Haensch"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PET - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Apresentações com Beamer Maurício Oliveira Haensch Florianópolis, Junho de 2009

2 Contents 1 Introdução 2 2 O que são L A TEX e Beamer? 3 3 Primeiros Passos O preâmbulo Pacotes Título, autor, data e instituição Template e cores A apresentação Slides Estrutura de seções Customizando a sua apresentação Modificações no preâmbulo Cores de texto Escolhendo as cores Cores do template Blocos e itens Outros comandos Comandos na apresentação Começando a apresentação Itens Blocos Imagens Os comandos alert e pause Finalizações 18

3 1 Introdução Um dos projetos de 2009 do PET Computação da UFSC é a realização de seminários individuais dos bolsistas, abertos à comunidade e com tema livre. Além da apresentação oral, um documento escrito (banner, apostila ou tutorial) faz parte dos resultados desse projeto. Esta apostila corresponde ao seminário Apresentações com Beamer, ministrado no dia 18 de Junho de 2009 pelo bolsista Maurício Oliveira Haensch. Nesta apostila estarão alguns trechos da apresentação, mas com um pouco mais de detalhes para aqueles que se interessaram pela ferramenta apresentada e queiram se aprofundar mais na elaboração de apresentações com Beamer. Iniciando com uma explicação rápida sobre L A TEX e Beamer, para aqueles que ainda não conhecem, e passando por uma ajuda básica na elaboração de uma apresentação e finalizando com algumas dicas de customização da aparência da sua apresentação. 2

4 2 O que são L A TEX e Beamer? Donald Ervin Knuth, autor da série de livros The Art of Computer Programming, criou na década de 70 o sistema de tipografia TEX[1], que acabou sendo utilizado em meio acadêmico por físicos, matemáticos e cientistas da computação, devido à sua capacidade de reproduzir fórmulas matemáticas de forma simples e elegante. Na década de 80, Leslie Lamport desenvolveu o L A TEX[1], que nada mais é que um conjunto de macros para TEX. Isso fornece um conjunto de comandos de mais alto nível para o usuário, que acaba por facilitar o uso da ferramenta. O L A TEX é uma linguagem de marcação para formatar documentos de uma maneira mais profissional. A diferença entre documentos editados com outras ferramentas e com o L A TEX é o foco que é dado à elaboração do produto final. Com outros editores, você se preocupa com a forma visual do documento sendo escrito. Utilizando L A TEX, o foco principal é a estrutura lógica do documento. O que ocorre de fato é um compilador que processa um arquivo de texto e gera uma saída, que pode ser html, pdf, postscript ou várias outras. Devido ao fato dos documentos L A TEX possuirem uma estrutura lógica como característica principal, o desenvolvimento de ferramentas de conversão é fácil e comum. Além disso, você pode estruturar seu documento com vários tipos pré-definidos, ou criar um novo. Por exemplo, temos as classes article, book e report. Beamer é uma classe de documentos L A TEX criada para gerar apresentações em slides. O Beamer não é a primeira classe desenvolvida para essa finalidade, mas atualmente é muito utilizada. Apresentações geradas com Beamer seguem o mesmo princípio do L A TEX, ou seja, seguem o princípio do foco na estrutura lógica. Com Beamer, você define os slides (que são chamados de frames) e o conteúdo deles, além de algumas configurações básicas da sua apresentação, como template e cores sendo utilizadas. A instalação das ferramentas necessárias para utilizar Beamer depende do seu sistema operacional. Existem várias distribuições de L A TEX disponíveis, como o TeXLive (multi-plataforma), MacTeX (para usuários de Mac OS) e MiKTeX [2] (para Windows). Além do L A TEX, procure instalar uma ferramenta de edição de texto especializada ou adicione algum plugin para o editor de sua preferência (existem plugins para os mais diversos editores, como Vim, Emacs e gedit). Para usuários de Windows, uma boa opção é o LEd[3] (L A TEX Editor), que é gratuito mas não é open-source. Feita esta breve introdução ao que é L A TEX e beamer, vamos ver como se monta uma apresentação. 3

5 3 Primeiros Passos Assim como outros tipos de documentos feitos em L A TEX, uma apresentação feita em Beamer pode ser dividida em duas partes básicas, o preâmbulo e a apresentação. No preâmbulo é que você define várias características do documento sendo gerado, como o template, as cores, o tipo de fonte, é até mesmo define que será um documento do tipo beamer. Na segunda parte, a apresentação é feita de fato, estruturando as seções, subseções e slides que serão o resultado final. 3.1 O preâmbulo Diversas informações estarão presentes no preâmbulo do arquivo. Para quem já conhece L A TEX, aqui vão as mesmas definições de título, autor, instituição, data e a lista de pacotes que serão usados (como o pacote que contém símbolos matemáticos, por exemplo). Além dessa parte comum à outros tipos de documento L A TEX, você vai poder definir aqui o template da apresentação e o esquema de cores sendo utilizados, assim como pode personalizar as cores da sua apresentação e algumas outras características como o tipo de marcador de itens (círculo simples, bola ou quadrado, por exemplo). Primeiramente, será mostrado aqui apenas o realmente necessário para se criar uma apresentação com Beamer. A primeira coisa a ser feita é declarar o tipo de documento de um arquivo.tex como sendo Beamer, com o comando. Em seguida, você declara os pacotes que serão usados no seu arquivo (para codificação e inclusão de símbolos matemáticos, por exemplo). Porém, a menor apresentação que eu consegui fazer gerar um.pdf foi essa: \frame{oi} Isso gera exatamente um slide apenas com o texto Oi. Desse modo podemos ver que gerar uma apresentação não precisa de muitos recursos no preâmbulo. Entretanto, dificilmente você fará uma apresentação que não utilize nem mesmo palavras acentuadas, um link para alguma página, um template, uma imagem ou algum símbolo matemático. Começarei demonstrando a utilização de alguns pacotes mais comuns: Pacotes \usepackage[utf8]{inputenc} \usepackage{hyperref} \usepackage{graphicx} \usepackage{amssymb} \usepackage{amsmath} 4

6 O pacote inputenc com o parâmetro utf8 define a codificação sendo utilizada. Logo abaixo, hyperref é um pacote para fazer links em suas referências, assim como linkar também o seu sumário às seções presentes na apresentação. O pacote seguinte, graphicx é necessário para a utilização de imagens e os dois últimos, amssymb e amsmath, permitem o uso de carcateres especiais e símbolos matemáticos. Além desses representados, existe uma quantidade enorme de outros pacotes para incrementar seus documentos e apresentações. Nas referências dessa apostila há um catálogo de pacotes[4] muito útil para procurar um pacote que seja adequado para a sua necessidade Título, autor, data e instituição No preâmbulo do arquivo você também coloca definições de título, autor, instituição e data. Essas informações serão utilizadas para gerar a página de título da sua apresentação, assim como, dependendo do template que você utiliza na sua apresentação, esses dados também ficarão presentes no topo ou rodapé dos seus slides. Para demonstração dos comandos utilizados: \usepackage{...} \title{título da apresentaç~ao} \author{autor 1 \\ Autor 2} \institute{universidade Federal de Santa Catarina} \date{\today} Esses comandos são bem simples e intuitivos. Você pode colocar inúmeros autores, separando cada um com \\ e a data pode ser fixa, como 19 de Janeiro ou Junho de 2009, ou com a utilização do comando \today, como demonstrado, a data inserida será a data do seu computador no momento em que a apresentação for gerada Template e cores No preâmbulo do seu arquivo também são incluídos alguns comandos para definir características da sua apresentação. Isso inclui, template, esquema de cores, redefinição de cor para textos, blocos e partes do template, tipo de marcadores de itens, e várias outras opções. Neste trecho da apostila, apenas demonstrarei os dois comandos mais básicos. Em outra seção, serão mostrados outros comandos para modificar mais a aparência da sua apresentação. Veja a seguir: \usepackage{...} \title{...} \author{...} \usetheme{nome do Template} \usecolortheme{nome do esquema de cores} 5

7 O primeiro dos comandos, \usetheme{nome do template}, é responsável pelo template que será utilizado para a sua apresentação. Esse template define a existência e a posição das barras com nome de seções e subseções, título do slide e barras com nome de autor, instituição e título da apresentação. Por exemplo, o tema chamado Ilmenau possui uma barra ao topo com o nome das seções, logo abaixo uma outra barra com subseções e uma terceira barra com o título do slide atual. O comando \usecolortheme{nome do esquema de cores} modifica o esquema de cores que será utilizado. Existem uma séria de esquemas já existentes para sua escolha, e a ausência desse comando utiliza o esquema de cores default. A modificação das cores independente de um esquema será mostrada numa seção mais adiante desta apostila. Nas referências, há um link para uma matriz[5] bem interessante, que mostra os diversos templates existentes para beamer em combinação com os esquemas de cores pré-definidos. Esses foram alguns dos comandos mais básicos necessários para gerar uma apresentação já bem interessante e ao mesmo tempo simples, não exigindo nenhum conhecimento muito grande do usuário. Agora, vamos deixar o preâmbulo de lado e partir para os primeiros passos na sua apresentação propriamente dita. 3.2 A apresentação Agora que a estrutura básica do preâmbulo já está montada, podemos começar a fazer o conteúdo da sua apresentação. Os comandos e delimitam o que será esse conteúdo. Tudo que você inserir entre os dois comandos, fará parte da sua apresentação Slides Primeiramente, vamos exemplificar como definir um slide. Existem duas maneiras para se fazer isso: a primeira delas já foi mostrada e consiste em utilizar o, colocando entre { e } o conteúdo do seu slide (texto, imagens, itens, etc). Outra maneira é utilizar os comandos e. De modo similar, tudo que ficar entre esses dois comandos fará parte de seu slide. Um exemplo utilizando a segunda maneira: Texto do slide 1. Texto do slide 2. Seguindo esta ideia, você deve definir cada slide da sua apresentação e seu conteúdo. Se você seguir o exemplo acima, seu slide possuirá apenas texto puro. Na próxima seção desta apostila, novas possibilidades de se organizar e apresentar um slide serão demonstrados. Agora, vamos ver como se insere um título para um determinado slide. 6

8 \frametitle{título do slide de exemplo.} Texto do slide. Como visto no exemplo acima, o comando para inserção de um título é simples. Basta colocar o título desejado entre { e } no comando \frametitle{...}, que deve ficar em algum lugar dentro do seu slide (dentro do \begin e \end, ou entre { e } do \frame). Existe também o comando \framesubtitle{...}, que coloca, em letras menores junto ao título, um subtítulo para seu slide Estrutura de seções Agora que a construção de um slide básico já foi demonstrada, a estrutura de seções e subseções será mostrada, para que você possa organizar melhor a sua apresentação. A idéia é bem simples: você utiliza o comando \section{} para fazer com que a partir daquele ponto, todos os slides que forem definidos façam parte desta seção. A seção só será finalizada quando começar a próxima. Exemplo: \section{} Slide 1. Slide 2. \section{título opcional} Slide 3. Através da utilização de seções, o conteúdo da sua apresentação ficará mais bem estruturado. Isso ajuda tanto no produto final, quanto auxilia no processo de elaboração. As seções que forem definidas, podem ou não ter um nome. Isso é mostrado no exemplo acima, em \section{título opcional}. Apenas insira o nome desejado, ou deixe-o em branco para dar ou não um nome à seção. De modo similar, cada seção definida no seu arquivo pode conter diversas subseções dentro dela. As subseções funcionam da mesma forma, todos os slides que forem criados após uma subseção pertencem à ela, e uma subseção só termina quando é iniciada a próxima (ou ao surgir uma nova seção). O título de uma subseção também é opcional, e é inserido da mesma forma que na seção. Vale lembrar que sua apresentação pode conter uma quantidade ilimitada de slides, separados em quantas seções e subseções você desejar. 7

9 \section{} \subsection{1} \subsection{2} Dependendo do template que você está utilizando, as seções e subseções são enumeradas de formas diferentes nas barras no topo ou rodapé dos slides. Mantenha sempre uma estrutura bem organizada para a sua apresentação para evitar problemas estéticos quanto a enumeração das seções/subseções. Agora que você já sabe o básico e essencial para criar uma apresentação com Beamer, tanto no que diz respeito ao preâmbulo do seu documento quanto à organização do conteúdo da sua apresentação, vamos partir para algumas dicas para personalizar os seus slides. Uma boa ideia é criar algum arquivo de teste apenas com as informações passadas até agora, para poder gerar uma simples apresentação e fixar alguns dos comandos e conceitos demonstrados até o momento. Isso também ajuda a pensar em modificações a serem feitas, como um novo esquema de cores ou a escolher algum template de sua preferência, por exemplo. 8

10 4 Customizando a sua apresentação Através do que já foi passado até agora, é possível fazer apresentações simples porém elegantes com Beamer. Esta seção é destinada a mostrar alguns comandos para incrementar a sua apresentação, e também será dividida em dois trechos, preâmbulo e apresentação. Na primeira parte, serão mostrados alguns comandos relacionados à cores e definições relativas ao preâmbulo. Na segunda, alguns comandos para efeitos nos seus slides (caixas de texto, itens, imagens, por exemplo). Isso aumentará as possibilidades de apresentações que você pode gerar, ajudando na originalidade dos seus slides, mas sem perder toda a elegância, simplicidade e organização do Beamer. 4.1 Modificações no preâmbulo Com os comandos que já foram apresentados na seção anterior da apostila, você já aprendeu a escolher um template e utilizar um esquema de cores existente para Beamer. Mas nem sempre as cores podem te agradar. Aqui, demonstrarei alguns comandos para modificar as cores sendo utilizadas pelo template (como as barras no topo/rodapé), os textos (normal e em destaque) e o fundo da sua apresentação Cores de texto \setbeamercolor{normal text}{fg=black} \setbeamercolor{alerted text}{fg=red} \setbeamercolor{author}{fg=blue} \setbeamercolor{institute}{fg=gray} \setbeamercolor{date}{fg=gray} As definições apresentadas acima definem as cores utilizadas em textos da sua apresentação. Todos esses comandos são do tipo \setbeamercolor{parâmetro}{cor}, e o parâmetro passado define qual tipo de texto você quer redefinir. Por exemplo, normal text muda a cor do texto comum dos seus slides e institute muda a cor do título da instituição (definido no comando do preâmbulo \institute{...}, já apresentado na apostila) no slide de título da sua apresentação. O parâmetro alerted text definirá a cor do texto em destaque, que será exemplificado na próxima subseção da apostila. A cor escolhida é passada como segundo parâmetro dos comandos apresentados, e segue a estrutura fg=color. O fg vem de foreground (primeiro plano) e geralmente as definições relacionadas a cor recebem um outro parâmetro, {bg=cor} (bg vem de background). No caso dos textos, apenas um parâmetro é suficiente. Ao tentar colocar uma cor de fundo, modificando para {fg=cor1, bg=cor2}, você terá um efeito bem estranho, pintando o fundo das áreas onde há texto Escolhendo as cores Existe uma série de cores pré-definidas que podem ser utilizadas para esses comandos de redefinição, como as mostradas no exemplo (red, blue, black e gray). Essas cores já existentes são: 9

11 Você pode também combinar essas cores do seguinte forma: cor1!x!cor2. Isso mistura as cores cor1 e cor2 com x% para a primeira cor e o restante para a segunda. Por exemplo: black!80!red deixará a cor muito próxima de preto, e levemente vermelha e ao fazer red!50!yellow você obterá um tom de laranja. Experimente diversas combinações para descobrir novas cores. Outra forma de escolher cores é definí-las com RGB. Isso acontece do seguinte modo: \definecolor{nomedacor}{rgb}{x,y,z} Através do comando apresentado, \definecolor{nomedacor}{rgb}{x,y,z}, inserido no preâmbulo, você cria uma cor com um nome à sua escolha. O {rgb} deve ser incluído e entre as últimas { e } você coloca os fatores de vermelho, verde e azul para sua cor. Porém, os valores x, y e z devem ser um número entre 0 e 1. Para descobrir qual é esse número, divida a quantidade de cada cor por 255, e o resultado é o valor de x, y e z. Por exemplo, a cor em RGB (31,58,142) vira {0.12,0.22,0.55}. Essa atribuição de cores é muito útil, e com isso você pode usar essas cores em outras definições. Exemplo: \definecolor{minhacor}{rgb}{0.12,0.22,0.55} \definecolor{outracor}{rgb}{0.25,0.40,0.83} \setbeamercolor{normal text}{fg=minhacor!30!outracor} \setbeamercolor{alerted text}{fg=outracor} Cores do template Agora que já vimos um pouco mais sobre as cores e como mudar a cor de textos, vamos ver alguns comandos para mudar as cores de partes do template da sua apresentação. \setbeamercolor{section in head/foot}{fg=cor1,bg=cor2} \setbeamercolor{subsection in head/foot}{fg=cor3,bg=cor4} \setbeamercolor{frametitle}{fg=cor5,bg=cor6} 10

12 Todos se iniciam com \setbeamercolor{parâmetro}{cores} e como parâmetro recebem qual parte está sendo modificada. Os três comandos apresentados mudam, respectivamente, a cor da barra com as seções, a cor da barra com subseções e a cor da barra com o título do slide atual. Como varia de template para template, o parâmetro da primeira atribuição é section in head/foot, já que alguns dos templates utilizam a barra com as seções no topo e outras no rodapé dos slides. As cores dos comandos apresentados acima funcionam do mesmo modo que dos outros comandos já apresentados. A diferença é que agora você pode inserir o background (bg). Combinando o background com o foreground, você redefine as cores que serão utilizadas nos seus slides para uma determinada parte do template. Por exemplo: \setbeamercolor{frametitle}{fg=red,bg=black} fará com que a barra com o título do seu slide atual (caso você tenha definido um) fique com a cor de fundo preto e com o texto (o título do slide) em vermelho. \setbeamertemplate{background canvas}[vertical shading][top=cor1, bottom=cor2] \beamersetaveragebackground{cor} Os comandos acima são destinados à definição da cor de fundo dos seus slides. A diferença entre eles é que o primeiro faz um efeito de degradê, começando no topo do slide com a cor definida no parâmetro top=cor1 e terminando na parte inferior dos slides com a cor definida no parâmetro bottom=cor2, enquanto o segundo comando usa apenas uma cor, passada como parâmetro, para preencher todo o fundo da sua apresentação. Se você tentar usar os dois comandos num mesmo documento, o comando que prevalece é o de degradê, ignorando a cor definida no segundo comando apresentado. Portanto, escolha o comando que mais lhe agrada para a sua apresentação Blocos e itens \setbeamercolor{block title}{bg=cor1,fg=cor2} \setbeamercolor{block body}{bg=cor3,fg=cor4} \setbeamercolor{item}{fg=cor5} \setbeamertemplate{items}[circle] Os comandos acima são responsáveis por mudanças nos blocos e itens (ambos serão demonstrados na seção seguinte da apostila). Apenas para dar uma visão geral, o bloco é uma das estruturas que pode ser usada em slides, e é uma caixa dividida em duas partes, uma com o título e outra com texto. Os itens também são um meio de apresentar o conteúdo num slide, podendo conter também subitens. O primeiro e segundo comandos demonstrados modificam a cor dos blocos. O comando \setbeamercolor{block title}{bg=cor1,fg=cor} modifica a cor do título do bloco (bg para fundo e fg para cor do texto) e o segundo comando modifica a cor da parte com texto (também fundo e cor do texto). 11

13 Os outros dois comandos apresentados acima são relativos aos itens. O \setbeamercolor{item}{fg=cor} muda a cor do marcador utilizado para os itens dos slides. O tipo de marcador utilizado é definido através do comando subsequente. As opções são: [triangle], [circle], [square] e [ball] Outros comandos Existem outros comandos úteis que eu irei apresentar nesta apostila. Antes gostaria de relembrar que existe uma grande variedade de comandos que não foram demonstrados aqui, mas você pode conferir nos links passados como referência em [6], [7] e [8]. As referências tratam tanto de Beamer, quanto de L A TEX. O objetivo era mostrar apenas alguns comandos básicos e suficientes para criar apresentações interessantes e bem organizadas. Vamos então aos últimos comandos desta seção da apostila. \setbeamercolor{palette primary}{fg=cor1,bg=cor2} \logo{\includegraphics[scale=x]{imagem.png}} \setbeamertemplate{navigation symbols}{} \setbeamertemplate{footline}[page number] O primeiro comando, \setbeamercolor{palette primary}{fg=cor1,bg=cor2}, é resonsável por modificar a cor da caixa com o título da apresentação no slide de abertura, e as cores são definidas do mesmo modo que qualquer outro comando que as utilize. O segundo comando é útil para quem vai fazer apresentações dentro de algum órgão, empresa ou universidade. Com ele, você inclui uma imagem no canto inferior direito da sua apresentação, que irá aparecer em todos os slides. Com o parâmetro [scale=x], você passa x como fator de escalonamento da sua imagem e deixá-la do tamanho ideal para sua apresentação. O terceiro comando é responsável por retirar pequenos símbolos de navegação que aparecem nos slides gerados. Esses símbolos são levemente transparentes e servem para passar ou voltar um slide. Por não serem tão úteis e por vezes poluirem visualmente suas apresentações, você pode retirá-los com esse comando inserido no preâmbulo do seu documento. O quarto e último comando insere no canto inferior direito um contador de slides, do tipo x/y, onde x é o slide atual e y é o total de slides na sua apresentação. Já foram demonstrados alguns comandos úteis para mudar a aparência da sua apresentação e deixá-la a seu gosto e estilo. A partir de agora, a próxima subseção é destinada a demonstração de algumas maneiras de apresentar o conteúdo dos seus slides. 4.2 Comandos na apresentação Todos os comandos apresentados até agora se encontravam no preâmbulo do seu documento.tex. A partir de agora, iremos trabalhar apenas na parte com o conteúdo dos slides, após o comando, que define o início desse trecho da apresentação. 12

14 4.2.1 Começando a apresentação Duas coisas muito úteis para qualquer apresentação são um slide de título, com o nome da apresentação, dos autores, data e instituição, e uma agenda da sua apresentação. Ambos utilizam informações contidas no preâmbulo do seu documento, como já foi comentado na apostila. Esses dois slides especias serão exemplificados a seguir. \frame{\titlepage} \frametitle{título} \tableofcontents Como pode ser visto, os dois são fáceis de se fazer. Para o primeiro, de título da apresentação, basta criar um slide, utilizando uma das duas estruturas já mencionas (\frame{} ou e ) e utilizar o comando \titlepage. Isso irá gerar uma página de título que contém os dados definidos no preâmbulo. O segundo slide demonstrado no exemplo de código acima monta uma agenda da sua apresentação, utilizando as seções e subseções definidas no seu arquivo para gerá-la. O título desse slide especial é opcional (com o comando \frametitle{título}) Itens Uma estratégia de apresentação muito interessante e bastante utilizada é apresentar o seu conteúdo através de pequenos tópicos, e uma estrutura perfeita para isso é o itemize, enumerate ou description. O primeiro deles utiliza o marcador definido no comando apresentado na seção O modo enumerate coloca uma ordem numérica nos tópicos que forem criados (com o parâmetro [i] ou [I] serão números romanos, e com [a] ou [A] serão letras). O terceiro modo irá destacar cada tópico de acordo com o parâmetro passado entre [ e ] na definição dos mesmos. Vamos aos exemplos: \begin{itemize} \item Primeiro tópico \item Segundo tópico \item Terceiro tópico \end{itemize} O trecho acima irá apresentar três itens, todos marcados com o que foi definido no preâmbulo do arquivo (o padrão é um triângulo). \begin{enumerate}[i] \item Primeiro tópico \item Segundo tópico \item Terceiro tópico \end{enumerate} 13

15 O trecho de código acima irá criar os três itens iguais ao modelo anterior, mas marcados com números romanos minúsculos (i, ii, iii). Com [I] seriam I, II, III, com [a] seriam a, b, c, com [A] seriam A, B, C e sem nenhum parâmetro seriam 1, 2, 3. O conjunto C = {L, n} pode ser descrito como: \begin{description} \item[l:] letras maiúsculas do alfabeto \item[n:] números de 0 a 9 \end{description} O terceiro tipo de estrutura de tópicos (description) é mais útil para descrever algum conjunto de itens. O trecho acima demonstra bem isso, fazendo um slide que tem o texto O conjunto C = {L, n} pode ser descrito como: e logo abaixo apresenta a estrutura com a descrição dos itens do conjunto citado no exemplo. Porém você pode utilizar esse tipo de estrutura para fazer qualquer de marcador de seu interesse, inclusive algum símbolo ou texto. O resultado do exemplo acima é: Blocos Os blocos são uma boa opção para se destacar algum trecho da sua apresentação. As cores de um bloco podem ser modificadas, como já foi demonstrado nessa apostila, e é possível utilizar mais de um por por slide. Apenas tome cuidado com a quantidade de texto inserido nos blocos, para que não fiquem muito grandes e não caibam em um único slide. \begin{block}{titulo opcional}...conteúdo do bloco... \end{block} 14

16 A definição de um bloco é feita com os comandos \begin{block} e \end{block}. Logo após a declaração do começo de um bloco, é possível adicionar um título ao bloco, colocando-o entre { e }. Caso você não deseje adicionar um título, o resultado será um bloco sem a barra superior, apenas com a parte inferior onde se localiza o resto do conteúdo. Para fazer o conteúdo de um bloco, você está livre para inserir qualquer tipo de estrutura: texto puro, itens, imagens ou até mesmo outros blocos Imagens Agora vamos ver como se insere uma imagem em um slide. Não esqueça de adicionar no preâmbulo o comando \usepackage{graphicx}, para permitir o uso de imagens na sua apresentação. \includegraphics[scale=x]{imagem.jpg} A inserção de uma imagem em um slide é feita com o comando demonstrado acima, \includegraphics[scale=x]{imagem.jpg}. O primeiro parâmetro passado entre [ e ] é responsável por escalonar a imagem, sendo x o fator de escala. O arquivo da imagem a ser inserida é passada como parâmetro entre { e } Os comandos alert e pause Existem dois comandos, \alert e \pause, que podem ser utilizados em conjunto para dar um efeito de transição do conteúdo de um slide. Sozinho, o \alert destaca um pedaço de texto ou um item (caso esteja utilizando o \itemize), utilizando a cor definida no preâmbulo para texto em destaque. O \pause divide seu slide em frames, e será demonstrado mais abaixo. Primeiro vamos ao \alert. \begin{itemize} \item \alert {Texto em destaque} \item \alert Letra em destaque \end{itemize} O exemplo acima demonstra bem a utilização do comando. No primeiro item, o texto todo entre { e } ficará destacado na cor definida. O segundo item, que está fora do escopo de { e } acabará por ter o primeiro caractere após o comando \alert destacado. \begin{itemize} \item Item antes da pausa 15

17 \pause \item Item depois da pausa \end{itemize} O comando \pause divide seu slide de acordo com sua inserção. No caso acima, dois slides serão gerados para o conteúdo dentro do frame definido. O primeiro mostrará apenas o primeiro item e o segundo mostrará o primeiro e segundo itens. Esse recurso de pausa é muito utilizado quando se quer mostrar aos poucos algum conteúdo durante a sua apresentação. A combinação destes dois comandos pode atingir melhor o objetivo de mostrar aos poucos o conteúdo de um determinado slide, fazendo-o aparecer gradativamente e ao mesmo tempo destacando o que irá aparecer. Para isso, é necessário utilizar mais um recurso junto ao comando alert. O que se faz é adicionar o número do slide em que se quer o trecho ou item destacado entre < e >, como no exemplo abaixo. \begin{itemize} \item \alert<1> {Item destacado antes da pausa} \pause \item \alert<2> {Item destacado depois da pausa} \end{itemize} O trecho acima irá fazer o mesmo efeito com relação ao pause, ou seja, serão criados dois slides, um apenas com o primeiro item e o segundo com os dois itens sendo mostrados. A diferença é a utilização do alert. Segundo o exemplo acima, foi definido que o primeiro alert irá de fato destacar o trecho entre { e } apenas no primeiro slide gerado, enquanto o segundo comando alert irá destacar o seu escopo no segundo slide gerado. Caso tivéssemos colocado 3 ao invés de 2 no segundo alert, seriam gerados três slides: um apenas com o primeiro item aparecendo e destacado, o segundo sem nenhum item destacado e os dois aparecendo, e o terceiro com os dois itens aparecendo, sendo o último destacado. Também é possível deixar um trecho destacado por todos os slides gerados. Isso é feito acrescentando um - após o número entre < e > do alert. Por exemplo, no trecho acima, ao trocarmos o primeiro alert por \alert<1->, o primeiro item apareceria destacado no primeiro e segundo slides gerados. Você pode optar por não utilizar o \pause, utilizando esse mesmo recurso (com -) apresentado para o \alert. Basta você adicionar na definição de um item o slide em que você deseja que ele apareça. Confira o exemplo abaixo: \begin{itemize} \item<1-> \alert<1> {Primeiro item} 16

18 \item<2> \alert<2> {Segundo item} \item<3-> \alert<3> {Terceiro item} \end{itemize} O trecho acima irá gerar três slides para o conteúdo definido no frame. Seguindo as definições feitas nos comandos \item, o primeiro item será visível a partir do primeiro slide, o segundo será visível apenas no segundo slide e o terceiro será visível a partir do terceiro slide (apesar de serem apenas três). Seguindo o uso dos comandos \alert, o primeiro item será destacado no primeiro slide, o segundo item no segundo slide e o terceiro item no terceiro slide. Desse modo, utizando os comandos \pause e \alert, ou substituindo o \pause pelo uso dos < e >, podemos fazer inúmeras combinações para um dado slide, trazendo várias possibilidades de apresentação do seu conteúdo. 17

19 5 Finalizações Considerações finais O objetivo desta apostila é apenas demonstrar os comandos mais básicos e suficientes para gerar uma apresentação simples e elegante com beamer. Existem diversos comandos que não foram apresentados aqui, como efeitos de transição de slides e suporte para animações, mas você pode conferir em alguns dos links passados logo abaixo por esses e outros comandos. Links interessantes e referências [1] Algumas informações sobre TEX e L A TEX: [2] MiKTeK (distribuição para Windows): [3] LEd - editor para Windows: [4] Catálogo de pacotes: [5] Matriz de templates X cores: [6] Uma apresentação feita em Beamer sobre Beamer: [7] Um guia bem completo: doc/beameruserguide.pdf [8] Curso de L A TEX do PET Computação UFSC: 18

Tutorial de Beamer: apresentações em L A TEX

Tutorial de Beamer: apresentações em L A TEX Tutorial de Beamer: apresentações em L A TEX Carlos A. P. Campani 24 de abril de 2006 1 Introdução Beamer é uma classe L A TEX para produzir apresentações. Outras classes L A TEX com o mesmo propósito

Leia mais

Comandos básicos do L A T E X. Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Educação do Planalto Norte - CEPLAN

Comandos básicos do L A T E X. Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Educação do Planalto Norte - CEPLAN Comandos básicos do L A T E X Luís Felipe Bilecki felipe436@gmail.com Vivian Cremer Kalempa vivian.kalempa@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Educação do Planalto Norte - CEPLAN

Leia mais

Minicurso L A TEX PET-ECO. Curitiba, PR - Março 2011. Universidade Teconlógica Federal do Paraná

Minicurso L A TEX PET-ECO. Curitiba, PR - Março 2011. Universidade Teconlógica Federal do Paraná Minicurso L A TEX PET-ECO Universidade Teconlógica Federal do Paraná Curitiba, PR - Março 2011 Parte I Aula 4 Sumário I 1 Aula 4 Modo Matemático Estruturas matemáticas Equações Apresentações (BEAMER) Modo

Leia mais

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word PowerPoint 2013 Sumário Introdução... 1 Iniciando o PowerPoint 2013... 2 Criando Nova Apresentação... 10 Inserindo Novo Slide... 13 Formatando Slides... 15 Inserindo Imagem e Clip-art... 16 Inserindo Formas...

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

Criando apresentações com o Beamer

Criando apresentações com o Beamer Criando apresentações com o Beamer Porque formatações são chatas!! Diego Marczal Josiel Neumann Kuk Universidade Estadual do Centro-Oeste 18 de agosto de 2011 1 / 65 Sumário 1 Intro O que é o Beamer História

Leia mais

Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização

Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização Sumário 1. Configurações Iniciais...2 1.1. Configurando o Menu Personalizado...2 1.2. Configurando os Widgets...3 2. Localize o nome de

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial.

Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial. Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Tutorial Beamer Autor: Jonny Willian Luiz Andrade Corrêa (PET-Tele) Tutor: Alexandre Santos de la Vega Niterói-RJ

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Como Formatar ebooks. para Kindle usando o Word. Luis B. Sampaio

Como Formatar ebooks. para Kindle usando o Word. Luis B. Sampaio Como Formatar ebooks para Kindle usando o Word Luis B. Sampaio Como Formatar ebooks para Kindle usando o Word Luis B. Sampaio 1ª Edição: setembro de 2015 Luis B. Sampaio 2015 Edição: www.comopublicarebooksnaamazon.com

Leia mais

BrOffice.org - Impress

BrOffice.org - Impress BrOffice.org Impress 1 BrOffice.org - Impress Programa de apresentação, utilizado para criação e manipulação de slides. Os slides criados para uma eletrônica podem conter texto, gráficos, objetos, formas,

Leia mais

Roteiro 2: Conceitos de Tags HTML

Roteiro 2: Conceitos de Tags HTML Roteiro 2: Conceitos de Tags HTML Objetivos Detalhar conceitos sobre TAGS HTML: elementos, atributos, elemento vazio, links. Implementar páginas de internet com uso da linguagem HTML; Ferramentas Necessárias

Leia mais

Prática 3 Microsoft Word

Prática 3 Microsoft Word Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba, Campus Sousa Disciplina: Informática Básica Prática 3 Microsoft Word Assunto: Tópicos abordados: Prática Utilização dos recursos

Leia mais

FERRAMENTAS DO BR.OFFICE.ORG WRITER DE APOIO PARA UTILIZAÇÃO DO TDINPE.DOT

FERRAMENTAS DO BR.OFFICE.ORG WRITER DE APOIO PARA UTILIZAÇÃO DO TDINPE.DOT INPE-14780-MAN/49 FERRAMENTAS DO BR.OFFICE.ORG WRITER DE APOIO PARA UTILIZAÇÃO DO TDINPE.DOT Maria do Rosário Gifoni Tierno INPE São José dos Campos 2007 Publicado por: esta página é responsabilidade do

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA OFICINA Nº8

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA OFICINA Nº8 SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA OFICINA Nº8 Desenvolver juntamente aos professores, alunos, equipe diretiva e demais participantes atividades que auxiliem no uso do aplicativo KlogoTurtle e KPresenter assim os

Leia mais

IPAHN Novo Portal 4 ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal Dezembro 2014

IPAHN Novo Portal 4 ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal Dezembro 2014 IPAHN Novo Portal 4 ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal Dezembro 2014 Relação de itens verificados e propostas de alteração que consideramos fundamental para a continuidade dos trabalhos de transição

Leia mais

XXIV SEMANA MATEMÁTICA

XXIV SEMANA MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Minicurso: Criação e Desenvolvimento de Cursos Online via Moodle Projeto de Extensão: Uma Articulação entre a Matemática e a Informática como Instrumento para a Cidadania

Leia mais

Configurações. Padronizando. Conteúdos

Configurações. Padronizando. Conteúdos Configurações Padronizando Conteúdos Crie padrões para seus links de visualização externa e descadastro. Inclua textos e ícones para compar lhamento em redes sociais. Padronizando Conteúdos Na seção de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente Nereu Agnelo Cavalheiro contato@nereujr.com Tutorial UFMG Virtual Primeiros passos do docente Este

Leia mais

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA LEIAME Apresentação Nenhuma informação do TUTORIAL DO MICRO- SOFT OFFICE POWER POINT 2003 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do Programador Roberto Oliveira Cunha.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS PROJETO TELECENTROS COMUNITÁRIOS Writer É um aplicativo do pacote BrOffice.org

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Manual do usuário Desenvolvendo páginas em Drupal Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Conteúdo Primeiro Passo... 3 1.1 Login... 3 1.2 Recuperando a Senha...

Leia mais

NTI Núcleo de Tecnologia de Informação / UNIFAL-MG Drupal Manual do Usuário DRUPAL MANUAL DO USUÁRIO

NTI Núcleo de Tecnologia de Informação / UNIFAL-MG Drupal Manual do Usuário DRUPAL MANUAL DO USUÁRIO DRUPAL MANUAL DO USUÁRIO Primeiros passos para inserir conteúdo no site. 1. Logar-se no site através de seu usuário e senha. 2. Criar um novo menu. 3. Ativar o menu criado, colocando-o em alguma região

Leia mais

Manual de Uso Wordpress

Manual de Uso Wordpress Manual de Uso Wordpress Olá! Seja bem vindo ao igual. Agora você pode transmitir todas as notícias importantes da sua comunidade de forma mais simples e eficiente. Mas para que isso aconteça, primeiro

Leia mais

O OpenOffice.org Impress

O OpenOffice.org Impress 1 O OpenOffice.org Impress O OpenOffice.org Impress é uma ferramenta excelente para a criação de apresentações multimídia realmente eficientes. Suas apresentações vão brilhar com figuras, efeitos especiais,

Leia mais

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho REITORA Ulrika Arns VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho COORDENAÇÃO DE APOIO AO USUÁRIO Pierre Correa Martin 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA NTIC NÚCLEO

Leia mais

Tutorial Colocar Frete no Template Mercado Livre

Tutorial Colocar Frete no Template Mercado Livre Tutorial Colocar Frete no Template Mercado Livre 1 Configurar seu template Incluindo seu CEP no simulador Link para cadastrar seus produtos no calculador de frete: http://frete-facil.com/ Para personalizar

Leia mais

Glossários em Moodle (1.6.5+)

Glossários em Moodle (1.6.5+) Glossários em Moodle (1.6.5+) Athail Rangel Pulino 2 Ficha Técnica Título Glossários em Moodle Autor Athail Rangel Pulino Filho Copyright Creative Commons Edição Agosto 2007 Glossários em Moodle 3 Índice

Leia mais

Manual da Administração do site Abrasel 2.0

Manual da Administração do site Abrasel 2.0 Manual da Administração do site Abrasel 2.0 Caro usuário, Você está recebendo o manual que lhe dará acesso ao administrador do site 2.0 onde será possível fazer as seguintes alterações: Inserir notícias

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

Como usar HTML em seus anúncios. ncios no MercadoLivre

Como usar HTML em seus anúncios. ncios no MercadoLivre Como usar HTML em seus anúncios ncios no MercadoLivre Conteúdo Apresentação Como editar os novos templates O que é necessário para editar os novos templates sem usar o MercadoLivre Como salvar uma imagem

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice CAPA Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE Índice 1. Página da área administrativa... 1.1 Botões e campo iniciais... 2. Explicar como funcionam as seções... 2.1. Seções dinâmicos... 2.1.1 Como

Leia mais

Voltado para novos usuários, este capítulo fornece uma instrução para edição de Leiaute do SILAS e suas funções.

Voltado para novos usuários, este capítulo fornece uma instrução para edição de Leiaute do SILAS e suas funções. 13. Editor de leiautes Voltado para novos usuários, este capítulo fornece uma instrução para edição de Leiaute do SILAS e suas funções. Neste capítulo uma breve explicação será apresentada sobre a organização

Leia mais

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados Construtor Iron Web Manual do Usuário Iron Web Todos os direitos reservados A distribuição ou cópia deste documento, ou trabalho derivado deste é proibida, requerendo, para isso, autorização por escrito

Leia mais

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação Universidade de São Paulo/Faculdade de Saúde Pública Curso de Saúde Pública Disciplina: HEP 147 - Informática Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação 1 Introdução ao Microsoft PowerPoint

Leia mais

Manual do Usuário. www.ezsites.com.br. Manual de operação do sistema ezsites. ezsites Versão 3.0 Manual do Usuário Versão 1.0

Manual do Usuário. www.ezsites.com.br. Manual de operação do sistema ezsites. ezsites Versão 3.0 Manual do Usuário Versão 1.0 Manual do Usuário Manual de operação do sistema ezsites ezsites Versão 3.0 Manual do Usuário Versão 1.0 www.ezsites.com.br Índice 1. Apresentação... 3 2. Visão geral... 4 3. Sistema de gestão de conteúdo...

Leia mais

Guia de Edição/Formatação

Guia de Edição/Formatação Introdução Seu modelo contém uma série de estilos para fazer a formatação de seu documento mais fácil. Um estilo é um conjunto de elementos de formato que se aplica a um texto selecionado para modificar

Leia mais

Powerdotices. 20 de Junho de 2006. Explica-me como se eu fosse muito burra 2. Como... 4 Hello, World!... 5 Hello, World! o código...

Powerdotices. 20 de Junho de 2006. Explica-me como se eu fosse muito burra 2. Como... 4 Hello, World!... 5 Hello, World! o código... Powerdotices Margarida Pinto Virgínia Amaral Luís Sequeira 20 de Junho de 2006 Explica-me como se eu fosse muito burra 2 O quê....................................................................... 3 Como.......................................................................

Leia mais

1. INICIANDO NO FOTOÍ

1. INICIANDO NO FOTOÍ 1. INICIANDO NO FOTOÍ Após ter criado uma conta no site Fotoí (www.fotoi.com.br) e efetuado a contratação de um plano do tipo PRO (com venda de arquivos digitais, impressão de fotos e seleção de fotos),

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Conteúdo

Manual de Gerenciamento de Conteúdo Manual de Gerenciamento de Conteúdo 1 Sumário 1) O que é um Gerenciador de Conteúdo...3 2) Como o Site está Estruturado...3 3) Como Gerenciar o Conteúdo do Site...5 3.1) Adicionar Itens no Menu de Navegação...6

Leia mais

Professor Paulo Najar www.aprenderdigital.com.br

Professor Paulo Najar   www.aprenderdigital.com.br ~ 1 ~ O QUE É O BROFFICE? Broffice.org é o nome de um conjunto de programas de escritório livre (free software), disponível na internet gratuitamente (no site www.broffice.org) que oferece ferramentas

Leia mais

Guia de referência rápida

Guia de referência rápida Guia de referência rápida www.sciencedirect.com O ScienceDirect é a base de dados de texto completo e revisado por pares da Elsevier com aproximadamente.000 livros e mais de.00 periódicos. Além de buscas

Leia mais

Manual do Plone (novo portal do IFCE)

Manual do Plone (novo portal do IFCE) Manual do Plone (novo portal do IFCE) Dezembro/2015 Índice Como criar submenus... 3 Como criar banner rotativo... 4 Como remover um banner... 5 Como criar uma notícia... 6 Como inserir imagem na notícia...

Leia mais

Introdução ao L A TEX e ao pacote de normas para trabalhos acadêmicos da UTFPR

Introdução ao L A TEX e ao pacote de normas para trabalhos acadêmicos da UTFPR Introdução ao L A TEX e ao pacote de normas para trabalhos acadêmicos da UTFPR Kaya Sumire Abe kaya.sumire@gmail.com petcoce-ct@utfpr.edu.br Programa de Educação Tutorial Computando Culturas em Equidade

Leia mais

Sumário. Computação Gráfica Illustrator

Sumário. Computação Gráfica Illustrator 1 Sumário Área de trabalho... 2 Barra de tarefas... 5 Menu ajuda... 6 Menu janela... 7 Menu exibir... 8 Menu efeito... 9 Menu selecionar... 10 Menu tipo... 10 Menu objeto... 12 Menu editar... 13 Menu arquivo...

Leia mais

Minicurso de L A TEX

Minicurso de L A TEX Minicurso de L A TEX Grupo de Educação Tutorial da Engenharia Computacional Semana de Minicursos do GET-EngComp 11 de julho, 2012 GET da Engenharia Computacional Minicurso de LATEX 1/37 L A TEX é um sistema

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL MEDIAWIKI Manual Media Wiki Página 2 Sumário O que é MediaWiki... 4 Acesso ao sistema... 5 Criação do índice principal... 7 Criação de página... 14 Bloqueio/Proteção de página... 17 Manual Media

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice Índice Apresentação...2 Barra de Título...2 Barra de Menus...2 Barra de Ferramentas Padrão...2 Barra de Ferramentas de Formatação...3 Barra de Fórmulas e Caixa de Nomes...3 Criando um atalho de teclado

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

Turma. PowerPoint 2003

Turma. PowerPoint 2003 PowerPoint 2003 Apresentação O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações. Com ele você poderá criar rapidamente slides com esquemas, textos animados, sons e

Leia mais

Montando um Site. Wordpress

Montando um Site. Wordpress Montando um Site Wordpress O Sistema Wordpress O Wordpress é uma plataforma de vanguarda para publicação pessoal, com foco na estética, nos Padrões Web e na usabilidade. Ao mesmo tempo um software livre

Leia mais

Agente Administrativo do MTE

Agente Administrativo do MTE PowerPoint 2003 Apresentação O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações. Com ele você poderá criar rapidamente slides com esquemas, textos animados, sons e

Leia mais

Manual do Instar Mail Sumário

Manual do Instar Mail Sumário Manual do Instar Mail Sumário 1 - Apresentação do sistema... 2 2 - Menu cliente... 2 3 - Menu Importação... 5 4 - Menu Campanhas... 9 5 - Menu banco de arquivos... 16 6 - Menu agendamento... 16 7 - Menu

Leia mais

Tutorial de HTML. O que é HTML? Aprendendo

Tutorial de HTML. O que é HTML? Aprendendo Tutorial de HTML Tutorial: O que é HTML? Aprendendo Títulos Textos Imagens Links Imagens Clicáveis Explorando o TAG BODY Música de Fundo Gifs Animados Tabelas Testando sua Página O que é HTML? HTML é uma

Leia mais

Manual de configuração do sistema

Manual de configuração do sistema Manual de configuração do sistema (v.1.5.x Beta) Rua México, 119 Sala 2004 Centro Rio de Janeiro, RJ www.doctors-solution.com.br www.simdoctor.com.br contato@simdoctor.com.br Sumário 1. Fazendo seu primeiro

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

Seminários I - Introdução ao LATEX

Seminários I - Introdução ao LATEX Seminários I - Introdução ao L A TEX Salvador, Agosto - 2013 Agenda 1 Introdução 2 Requisitos 3 Instalação O que é LATEX? Pacote criado para preparação de textos impressos de alta qualidade Pode ser utilizado

Leia mais

1 - Corrigir o deslocamento da caixa que contem os itens do Menu principal; está deslocada para baixo em relação ao template do fundo; - OK

1 - Corrigir o deslocamento da caixa que contem os itens do Menu principal; está deslocada para baixo em relação ao template do fundo; - OK IPHAN Novo Portal 4ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal 22/Dez/2014 - Revisão e acréscimo do texto enviado no dia 16/12/2014 Relação de itens verificados e propostas de alteração que consideramos fundamental

Leia mais

Tutorial: Gestão da Central de Serviços

Tutorial: Gestão da Central de Serviços Tutorial: Gestão da Central de Serviços Orientação para acesso e edição de conteúdos de ofertas de serviços da Central de Serviços da UFABC Novembro de 2014 Autor: Nilson José Zoccaratto Versão 2 Conteúdo

Leia mais

Tutorial USERADM. Inserindo conteúdos no site

Tutorial USERADM. Inserindo conteúdos no site Tutorial USERADM Inserindo conteúdos no site Como acessar o Administrador de Conteúdos do site? 1. Primeiramente acesse o site de sua instituição, como exemplo vamos utilizar o site da Prefeitura de Aliança-TO,

Leia mais

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO TUTORIAL PARA TUTORES PLATAFORMA MOODLE OURO PRETO 2014 1 SUMÁRIO 1. PRIMEIRO ACESSO À PLATAFORMA... 03 2. PLATAFORMA DO CURSO... 07 2.1 Barra de Navegação...

Leia mais

1) Existem diferenças entre os painéis da loja virtual? 2) Quais são os tipos de Produtos da loja? 3) Como cadastrar um Produto Simples?

1) Existem diferenças entre os painéis da loja virtual? 2) Quais são os tipos de Produtos da loja? 3) Como cadastrar um Produto Simples? FAQ Loja Virtual 1) Existem diferenças entre os painéis da loja virtual? Sim, há diferenças entre os painéis da loja virtual. Abaixo segue uma imagem exemplificando as diferenças entre os painéis. 2) Quais

Leia mais

Tutorial USERADM Como inserir conteúdo no Portal Transparência

Tutorial USERADM Como inserir conteúdo no Portal Transparência Portal Transparência / Acesso a Informação Tutorial USERADM Como inserir conteúdo no Portal Transparência Como acessar? 1. Primeiramente acesse o site de sua instituição, como exemplo vamos utilizar o

Leia mais

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS OFICINA BLOG DAS ESCOLAS Créditos: Márcio Corrente Gonçalves Mônica Norris Ribeiro Março 2010 1 ACESSANDO O BLOG Blog das Escolas MANUAL DO ADMINISTRADOR Para acessar o blog da sua escola, acesse o endereço

Leia mais

Conceitos básicos do Painel

Conceitos básicos do Painel Básico Wordpress Conceitos básicos do Painel Logando no Painel de Controle Para acessar o painel de controle do Wordpress do seu servidor siga o exemplo abaixo: http://www.seusite.com.br/wp-admin Entrando

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

A seguir voce vai poder acompanhar, em 10 passos, como gerenciar o conteúdo das páginas pelas quais voce é responsável.

A seguir voce vai poder acompanhar, em 10 passos, como gerenciar o conteúdo das páginas pelas quais voce é responsável. A seguir voce vai poder acompanhar, em 10 passos, como gerenciar o conteúdo das páginas pelas quais voce é responsável. Índice Geral TULogarUT 3 TUConhecer e VisualizarUT 6 TUÁrea de Edição / Blocos e

Leia mais

Webdesign HTML. Introdução a HTML e as principais tags da linguagem. Thiago Miranda dos Santos Souza

Webdesign HTML. Introdução a HTML e as principais tags da linguagem. Thiago Miranda dos Santos Souza Webdesign HTML Introdução a HTML e as principais tags da linguagem Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Objetivos Apresentar a HTML

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA 3. SEQÜÊNCIA DA AULA. 3.1 Iniciando o PowerPoint

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA 3. SEQÜÊNCIA DA AULA. 3.1 Iniciando o PowerPoint PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO Apresentar o PowerPoint, que é o software para montar apresentações na forma de slides da Microsoft. Isso será feito seguindo-se uma seqüência mostrando

Leia mais

Manual do Publicador. Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web

Manual do Publicador. Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web Manual do Publicador Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web Sumário Painel de Administração... 3 1 - Inserção de post... 5 2 Publicação de post com notícia na área headline (galeria de

Leia mais

L A TEX Aula de Exercícios básicos

L A TEX Aula de Exercícios básicos L A TEX Aula de não tão 26 de Novembro de 2013 UFES Sumário Parte 1 - L A TEXa ferramenta editorial que tudo faz não tão Histórica e Filosofia (do TEXe L A TEX). Instalação e os primeiros passos (de vagar

Leia mais

Formatando trabalhos acadêmicos com Word2007

Formatando trabalhos acadêmicos com Word2007 IESAP INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Formatando trabalhos acadêmicos com Word2007 Prof. MARCOS MENDES Profa. MILENA MENDES MACAPÁ-AP 2008 Sumário O QUE É FORMATACÃO COMO CRIAR E SALVAR UM ARQUIVO

Leia mais

MANUAL JOOMLA 2.5 PORTAL INTERNET. Ministério do Esporte

MANUAL JOOMLA 2.5 PORTAL INTERNET. Ministério do Esporte MANUAL JOOMLA 2.5 PORTAL INTERNET Ministério do Esporte SUMÁRIO 1.0 - Módulo Administração... 1 2.0 Banner randômico... 2 2.1 Adicionar novo slide... 2 2.2 Excluir slide... 6 3.0 Artigos... 7 3.1 Adicionar

Leia mais

BrOffice.org Impress 2.0. Apresentador de Slides

BrOffice.org Impress 2.0. Apresentador de Slides BrOffice.org Impress 2.0 Apresentador de Slides SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. FORMAS DAS APRESEÇÕES...4 2.1. Apresentação Vazia...4 2.2. A partir do modelo...6 3. MENUS:...7 3.1. Arquivo...7 3.2.Editar...8

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS 2. ENTRADA DE DADOS Os dados digitados em uma célula são divididos em duas categorias principais: constantes ou fórmulas. Um valor constante é um dado digitado diretamente na célula e que não é alterado.

Leia mais

Passo-a-Passo Curso do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas para Editor-Gerente

Passo-a-Passo Curso do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas para Editor-Gerente Passo-a-Passo Curso do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas para Editor-Gerente Versão do OJS/SEER 2.3.4 Universidade Federal de Goiás Sistema de Bibliotecas da UFG (SiBi) Gerência de Informação

Leia mais

Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress.

Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress. 1 TUTORIAL PARA DEIXAR POSTAGENS E PÁGINAS BEM POSICIONADAS Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress. Conhecimento básico de Html

Leia mais

Copyright 2010, MundoClick Produtora de Internet. Todos os Direitos Reservados

Copyright 2010, MundoClick Produtora de Internet. Todos os Direitos Reservados 1 Apresentação Este manual tem o intuito de orientar a utilização da ferramenta Loja Virtual. Através de descrições, passo a passo e imagens o objetivo é facilitar o uso, oferecer dicas e mostrar os pontos

Leia mais

APÊNDICES. Curso de Word Avançado Adicione um apêndice ao seu documento

APÊNDICES. Curso de Word Avançado Adicione um apêndice ao seu documento Curso de Word Avançado Adicione um apêndice ao seu documento Você precisa adicionar um apêndice ao seu livro, trabalho, relatório, manual ou outro documento? O apêndice é um conjunto de informações úteis

Leia mais

TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO DE SEU SITE SITES GRÁTIS

TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO DE SEU SITE SITES GRÁTIS TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO DE SEU SITE SITES GRÁTIS Prezado cliente, Parabéns por ter escolhido o SUPERMODULAR SITES GRÁTIS como primeiro site para você ou sua empresa. Temos certeza que, com a leitura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE

CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE Life Sistemas Manual do Professor 1. Introdução O Centro Universitário Geraldo Di Biase apresenta, neste manual, os serviços do Sistema Life Educacional que você,

Leia mais

FKB Biblioteca Padre Lambert Prins Tutorial de formatação MS-Word Agary Veiga Graf CRB/8-3809

FKB Biblioteca Padre Lambert Prins Tutorial de formatação MS-Word Agary Veiga Graf CRB/8-3809 1 INTRODUÇÃO Tutorial é um programa ou texto, contendo ou não imagens, que ensina passo a passo, didaticamente, como um aplicativo funciona. Regra geral a maioria dos educandos já conhece o Microsoft Office

Leia mais

Curso de L A TEX. Parte IV. Pedro Quaresma. Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

Curso de L A TEX. Parte IV. Pedro Quaresma. Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Curso de L A TEX Parte IV Pedro Quaresma Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra 1 e 8 de Outubro de 2014 P. Quaresma (DM/FCTUC) Curso de LATEX- IV (versão

Leia mais

Capítulo 12 Criando Páginas Web

Capítulo 12 Criando Páginas Web Guia do Iniciante Capítulo 12 Criando Páginas Web Salvando documentos como arquivos HTML Direitos Autorais Este documento é protegido por Copyright 2010 por seus contribuidores listados abaixo. Você pode

Leia mais

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal)

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Acessando o Sistema Para acessar a interface de colaboração de conteúdo, entre no endereço http://paginapessoal.utfpr.edu.br. No formulário

Leia mais

Aula 04 Word. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 04 Word. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 04 Word Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Agenda da Aula Editor de Texto - Word Microsoft Office Conjunto de aplicativos para escritório que contém programas

Leia mais

Table of Contents. PowerPoint XP

Table of Contents. PowerPoint XP Table of Contents Finalizando a apresentação...1 Usando anotações...1 Desfazer e repetir...1 Localizar e substituir...2 Substituir...2 Efeitos de transição...3 Esquema de animação...6 Controlando os tempos

Leia mais

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Como ler mais rapidamente Usando o leitor do SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Enquanto lê, você muitas vezes: "Ouve" cada palavra

Leia mais

Curso básico de LibreOffice/Impress

Curso básico de LibreOffice/Impress Curso básico de LibreOffice/Impress O Impress é o aplicativo de criação e edição de apresentações da família BrOffice.org que possibilita realizar as seguintes tarefas: Criação de gráficos vetoriais (imagens);

Leia mais

Tutorial Plone 4. Manutenção de Sites. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados

Tutorial Plone 4. Manutenção de Sites. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados Tutorial Plone 4 Manutenção de Sites Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados Sumário Introdução 1 Como fazer a autenticação do usuário 1.1 Através do

Leia mais

Manual de uso do Gerente

Manual de uso do Gerente Manual de uso do Gerente Manual do Hypnobox: www.hypnobox.com.br/manual Índice Acessar o Hypnobox Endereço o www Login e Senha Tela Principal Perfil de acesso Editar Dados pessoais Fila de corretores Gerenciar

Leia mais

GUIA DE USO FRAMEWORK APLANAR Versão 0.1 21/07/2014 Cópia distribuída e controlada

GUIA DE USO FRAMEWORK APLANAR Versão 0.1 21/07/2014 Cópia distribuída e controlada GUIA DE USO SUMÁRIO 1. Utilizando o FrameWork Aplanar... 2 1.1 GRID... 2 1.1.1 Barra de menus:... 2 1.1.2 Barra de ferramentas:... 3 1.1.3 Barra de pesquisa:... 3 1.2 MENU ADMINISTRATIVO... 4 1.2.1 Usuário:...

Leia mais