Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO. Bem Vindos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO. Bem Vindos"

Transcrição

1 Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO O QUE NÃO PODE SER NEGLIGENCIADO NO GERENCIAMENTO DA FÁBRICA DE RAÇÕES Bem Vindos Cascavel PR, Setembro de Obrigado Pelo Convite Obrigado Pelo Patrocínio

2 Mensagens Iniciais: 1) Nosso primeiro problema talvez não seja novas tecnologias e sim aplicar e praticar de verdade no dia a dia conceitos básicos de 5S; limpeza, organização e desinfeção; tapa furos; descompressão de equipamentos; gestão básica dos indicadores, etc. 2) Nas nossas visitas percebemos que, em geral, nem os conceitos mais primordiais ensinados pelo Prof. Tylor (pai da administração), que criou seus conceitos básicos de gestão a partir de 1890, ainda não aplicados. 3) Temos que planejar, pensar e organizar mais nos níveis gerenciais e de supervisão para aplicar conceitos simples, como os ensinados pelo professor Deming 4) Uma boa fábrica (processo) é uma fábrica simples Logo, antes de tudo, simplifique e não complique.

3 Produção Mundial Rações: +- 1 bilhão toneladas. Maiores Produtores (cerca 65%). China: 180 milhões tons. Estados Unidos: 165 milhões tons. União Europeia: 154 milhões tons. América Latina: 138 milhões tons (incluso Brasil). Brasil: 65 milhões tons (57% aves e suínos 24%). Valor Industria Mundo: +- US$ 370 bilhões Valor Industria Brasil: +- R$ 46 bilhões Fontes: IFIF - International Feed Industry Federation FEFAC European Feed Manufacturers Federation SINDERAÇÕES

4 PRODUÇÃO BRASILEIRA DE RAÇÕES (MIL TON) * 2015** Participação 2014 Var 2014/2000 Avicultura ,84% 183,37% Suinocultura ,66% 152,69% Bovinocultura ,29% 324,15% Outros ,22% 272,31% Total ,00% 188,93% Sal Mineral Total Geral Fonte: Adaptado SINDIRAÇÕES * Previsão 1 ** Estimativa Fonte: Adaptado SINDIRAÇÕES

5 PRODUÇÃO MUNDIAL DE CARNES Fonte: FAO

6 O QUE NÃO DEVERIA SER NEGLIGENCIADO NUMA FÁBRICA DE RAÇÕES????!!!!!???? 249 pontos identificados em processos que podem afetar os resultados Talvez poderíamos começar pelo questionamento: O que deveríamos entregar????

7 Expectativas da Nutrição numa Visão Holística Ração dentro das especificações: Nutricionais/bromatológicas: PB (<5%), Ca (<10%), P (< 10%), AAs, Vitaminas, etc. Físicas: Sem impurezas: inorgânicas, orgânicas, excesso umidade, etc. DGM, DPG, PDI, % Finos, etc. Microbiológicas: Bactérias e fungos totais (< 10 4 ufc/g), Enterobactérias (< 10 3 ). (Para aves de postura e reprodutoras buscar 100 ufc/g) Salmonela: ausente. Químicos: Micotoxinas, dioxina, metais pesados, medicamentos overdose, Pesticidas, etc.

8 Variáveis críticas x objetivos críticos: FORMULAS E ESPECIFICAÇÕES MATÉRIAS PRIMAS DE QUALIDADE FÁBRICA PROCESSOS = INFRAESTRUTURA PESSOAS SISTEMAS DE GESTÃO (MÉTODO) SUGURANÇA ALIMENTAR (BPF/HACCP/5S, ISOs) RISCOS FÍSICOS QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS GARANTIR NUTRIÇÃO ADEQUADA: RISCOS NUTRICIONAIS: NÃO ATENDER AS NECESSIDADES MELHOR CUSTO (PRODUTIVIDADE)

9 Conceitos Derivados: Temos que ter especificações para Matérias Primas Temos que ter especificações para Rações Temos que ter especificações para Processos O Que são Especificações: Padrões e desvios (limites) Que devem ser cumpridos na fábrica, pois foi a partir destas especificações que a formulação foi feita

10 Conceitos Derivados: Matéria Prima de Qualidade = matéria que está dentro das especificações e limites de desvios previamente definidas. Exemplos: Milho: umidade < 14%; impurezas < 1%; insetos ausentes, etc. Far. Soja: PB > 46%; urease < 0,1; solubilidade > 80%, etc. Far. Origem animal: acidez < 3; peróxido < 0; granulometria < 500 micras; etc. Microrganismos em geral: enterobactérias < 10 3 ufc/g, salmonela ausente, etc. Processo de Qualidade = processo que entrega os efeitos esperados dentro das especificações previamente definidas. Exemplo: Processo Peletização: PDI > 90% % Finos na saída do resfriador/secador < 8% % água livre saída resfriador/secador < 0,65% Microrganismos: * Saída do condicionador 10 ufc/g * Saída do resfriador < 10 2 max 10 3 ufc/g * Salmonela ausente

11 Conceitos Derivados: Matéria Prima de Qualidade é uma matéria que esta dentro das especificações previamente definidas: Exemplo PARÂMETRO UNIDADE Umidade (máximo) % 12,5 12,5 12,5 12,5 12,5 12,5 Proteína Bruta (mínimo) % 42,0 44,0 45,0 46,0 47,0 48,0 Extrato Etéreo (mínimo) % 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 Fibra Bruta (máximo) % 9,0 8,0 7,0 6,0 4,5 3,5 Matéria Mineral (máximo) Atividade Ureática (máximo) Solubilidade Proteica KOH 0,2% (mínimo) % 8,0 7,0 7,0 7,0 6,0 6,0 ph 0,1 0,1 0,1 0,08 0,08 0,08 % 80,0 80,0 80,0 80,0 80,0 80,0 Aflatoxinas ppb 20,0 20,0 20,0 20,0 20,0 20,0 Resíduos Pesticidas - Ausente Ausente Ausente Ausente Ausente Ausente Salmonella spp. em 25g ufc Ausente Ausente Ausente Ausente Ausente Ausente *Opcional - Produto deve conter antisalmonella (ácidos orgânicos + formaldeído) *Produto não transgênico conforme contrato Fonte: Adaptado de Compêndio Sindirações 2013 Apresentado por Adelar de Almeida Iº Curso Agropec_jul15

12 Conceito: Compressão do Efeito - Causa NÍVEL ESTRATÉGICO INDICADORES Custo animal vivo, logo da ração CPV EBITDA (Earnigs Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization) MARGENS (PLANO ESTRATÉGICO) NÍVEL TÁTICO INDICADORES PAINEL DE CONTROLE NÍVEL OPERACIONAL INDICADORES ITENS DE CONTROLE ICs (EFEITOS ESPERADOS) S) IVs EBITDA (LAJIDA): Lucros antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização CPV: Custo dos produtos Vendidos (neles entra o custo da ração e frango vivo) ICs: Itens de Controle = Efeitos Esperados nos processos IVs : Itens de Verificação = Causas que atuam sobre os efeitos Efeito: Algo que se não atingido afeta o resultado da empresa.

13 Aspectos Gerais (que afetam todos os processos)

14 Amostragem bem feita: Representatividade da amostra Procedimento de coleta de amostras Manejo das amostras Laboratório (informações e dados confiáveis)

15 Transferências Internas: Riscos de Contaminações e Contaminações Cruzadas: Efeitos Esperados: Manter a integridade das Matérias Primas Manter a integridade das Rações Não misturar umas com as outras Não contaminar com materiais estranhos Não contaminar com microrganismos.

16 Transporte Interno (Transportadores) Efeito Esperado: Manter a integridade física das Matérias Primas e Rações. Não desmisturar. Não contaminar: * Autolimpeza (pouco resíduo) e Regra Geral: * Facilidade de limpeza. Não agrega valor Ser o mais reduzido possível.

17 Vetores de Contaminação: Efeito Esperado: Que não contaminem ou re-contaminem as matérias primas e/ou as rações de tal forma que saiam fora das especificações estabelecidas.

18 Principais vetores de contaminação da Ração: Ar (pressurização, áreas limpas) Água Goteiras Água Livre?? Infiltrações Gerada ou usada nos processos. Animais (aves, roedores, insetos, microrganismos) Pessoas (Treinamento e Educação) Roupas Materiais de limpeza Área limpa X área suja.

19 Microbiologia: Base e criticidade: Plano (Limpeza - Organização Desinfecção = PPHO) Consciência: desde o Gerente até os colaboradores em geral Educação e Treinamento Conhecimento Proliferação e multiplicação Processos + Críticos Área suja e área limpa Níveis de contaminação Re contaminações Lembrar Conceito: COZINHA Avaliação em laboratório (fatos e dados)

20 Regras Limpeza: Base e criticidade: Alimento parado: Fonte de Contaminação cruzada e microbiologia ogia Não sujar. Lembrar Conceito: COZINHA Descompressão dos equipamentos: evitar fugas de poeiras Tapa buracos/frestas: evitar fugas de poeiras. Educação/treinamento/motivação/comprometimento Quem suja limpa Evitar alimento parado = Pontos de acúmulo. Projeto: *acabamento autolimpeza (pisos, paredes, equipamentos, etc.). *ângulos adequados *ausência de curvas presilhas na área de produção. Eficácia do programa de limpeza, organização e desinfeção Manutenção: bem feita Mapeamento e solução ou limpeza física destes pontos

21 SANITIZAÇÃO: LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SILOS, PULMÕES E EQUIPAMENTOS EM GERAL

22 MANEJO E SANITIZAÇÃO: Efeito Esperado: Manter a qualidade das Matérias Primas. (Manter MPs dentro das especificações) Não contaminar as matérias primas Manter um ambiente limpo e organizado (cozinha e condição de trabalho)

23 MANEJO E SANITIZAÇÃO: PALAVRAS CHAVES: LIMPEZA. ORGANIZAÇÃO. DESINFEÇÃO.

24 MANEJO E SANITIZAÇÃO: REGRAS GERAIS DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO: DESINFETANTES. Pré requisito: limpeza: A maioria dos desinfetantes são rapidamente neutralizados por matéria orgânica. Precisa seguir a legislação trabalhista de cada país. Cada vez mais restritas. Segurança das pessoas. Independente da legislação cuidar muito com a aplicação para não prejudicar as pessoas. Educação, treinamento, prevenção, etc. Precisa seguir rigorosamente as recomendações dos fabricantes dos desinfetantes. Precisa avaliar e acompanhar a eficácia dos produtos.

25 Efeitos Esperados nos PROCESSOS

GERENCIAMENTO DA FÁBRICA DE RAÇÕES

GERENCIAMENTO DA FÁBRICA DE RAÇÕES TEMA: Gerenciamento da Fábrica de Rações GERENCIAMENTO DA FÁBRICA DE RAÇÕES II CONGRESSO CBNA SOBRE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA ANIMAIS Introdução: Gerenciamento da Fábrica de Rações Produção

Leia mais

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA ANÁLISE DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS Fonte: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/racao.asp Para a realização dos ensaios foram utilizados os seguintes documentos:

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 17:19 horas do dia 25 de janeiro de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo, designado pela portaria 5.020/2011 após analise da documentação do Pregão

Leia mais

AGROPEC Consultoria LTDA

AGROPEC Consultoria LTDA Curso Intensivo Elaboração Projeto de Fabricação de Ração Organizado por Agropec Consultoria Ltda Problemática: Nos diagnósticos que fazemos nas mais diferentes empresas, mais da metade dos motivos ou

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

2009 PASSADO A LIMPO ALIMENTAÇÃO ANIMAL PRODUÇÃO 2009 E PROJEÇÕES 2010 PARTICIPAÇÃO DA DEMANDA POR ESPÉCIE EM 2009. Boletim Trimestral Maio 2010

2009 PASSADO A LIMPO ALIMENTAÇÃO ANIMAL PRODUÇÃO 2009 E PROJEÇÕES 2010 PARTICIPAÇÃO DA DEMANDA POR ESPÉCIE EM 2009. Boletim Trimestral Maio 2010 Boletim Trimestral Maio 2010 2009 PASSADO A LIMPO O ano de 2009 foi turbulento para toda a atividade econômica global e o setor de alimentação animal não foi exceção nem nos Estados Unidos sequer na União

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira Localização da Suinocultura Norte e Nordeste Abates: 2% Exportações: 0% Matrizes

Leia mais

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 28 Estados-Membros; 507 milhões de habitantes; Maior importadora mundial de alimentos; Alta demanda por qualidade, segurança

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja O farelo integral ou semi integral obtido através do processo de extrusão vem ganhando cada vez mais espaço em

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

EM EMBUTIDOS CÁRNEOS

EM EMBUTIDOS CÁRNEOS CONTROLE DE QUALIDADE EM EMBUTIDOS CÁRNEOS Prof. Nelcindo N.Terra Depto. de Tecnologia e Ciência dos Alimentos Centro de Ciências Rurais Universidade Federal de Santa Maria nelcindo@terra.com.br DIFERENCIAL

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Formulação e Viabilidade de Fabricação de Rações para Camarão em Pequenas Unidades Fabris

Formulação e Viabilidade de Fabricação de Rações para Camarão em Pequenas Unidades Fabris Formulação e Viabilidade de Fabricação de Rações para Camarão em Pequenas Unidades Fabris Bernard Devresse Fenacam, Nov 2015 XII Simpósio Internacional de Carcinicultura Conteúdo da apresentação: 1. Um

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE Data: Janeiro/2001 FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE...A soja é uma das mais importantes culturas agrícolas mundiais, sendo sua produção destinada para a obtenção de óleo e farelo, pela indústria

Leia mais

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA! O que é o EBITDA?! Como construir e analisar o EBITDA na prática? EBITDA! Que adaptações devem ser efetuadas nos DRE s para apresentar o cálculo do EBITDA?

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

Segurança de Alimentos: visão e legislação

Segurança de Alimentos: visão e legislação S & S Consultoria Implementação em Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Segurança de Alimentos: visão e legislação Nut. Dra. Sabrina Bartz Introdução O mundo tem 7 bilhões de pessoas e a garantia

Leia mais

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO Leonardo Sologuren Céleres Junho de 2008 Cresce o consumo de proteína animal no BRIC BRASIL RÚSSIA 108 4,000 60 3.000 kg/habitante/ano 90 72 54 36 18 3,800

Leia mais

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Produção Segura de Hortaliças Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Alimentos seguros Antes de mais nada, um direito do consumidor!! Práticas que buscam a Segurança do Alimento geralmente contribuem

Leia mais

Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro

Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro Myrna Sabino, E-mail: myrna.sabino@globo.com INTRODUÇÃO As micotoxinas são produzidas por várias espécies de fungos e são conhecidas por vários efeitos nocivos

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011

Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 AviagenBrief Dezembro / 2011 Otimizando a Taxa de Conversão Alimentar do Frango de Corte Este artigo foi elaborado especificamente para produtores de aves

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

Qualidade do milho para utilização na alimentação animal

Qualidade do milho para utilização na alimentação animal III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Qualidade do milho para utilização na alimentação animal Luiz Carlos MACHADO 1, Daviane Martinele

Leia mais

EM FÁBRICAS DE RAÇÃO

EM FÁBRICAS DE RAÇÃO FÁBRICA: Rua Valeriano Leão nº 63 Bairro Eldorado VENDAS: RIO RAÇÕES,Rua Goiânia, nº 971 Centro Telefax: (064) 621 4122 CEP: 75.901.020 Rio Verde GO CNPJ: 33.550.724/0001-68 Insc. Est: 10.208.832-2 CONTROLE

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias SEGURANÇA ALIMENTAR Prevenir a presença de agentes patogénicos nos alimentos agentes biológicos microrganismos parasitas agentes tóxicos origem microbiana origem no

Leia mais

Tributação na Indústria de Óleos Vegetais

Tributação na Indústria de Óleos Vegetais Câmara Setorial da Soja MAPA Tributação na Indústria de Óleos Vegetais Fabio Trigueirinho Secretário Geral Goiânia GO 12 de agosto de 2011 Estrutura da Apresentação Cadeia de produção da soja e seus derivados

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos Vinícius Cantarelli Objetivo Apresentar informações e resultados econômicos, ambientais e sociais da RACTOPAMINA e seus efeitos sobre a SUSTENTABILIDADE

Leia mais

ÁGUA O ALIMENTO ESQUECIDO

ÁGUA O ALIMENTO ESQUECIDO Nº 183 ÁGUA O ALIMENTO ESQUECIDO Todos os autores reconhecidos que já escreveram sobre o tema de alimentação em suínos começam pelo alimento. ÁGUA! Todos sabemos da importância da água na nossa sobrevivência

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de peso para os seus Frangos de Corte Cobb 700, juntamente com

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

22 de novembro de 2007. Apresentação dos Resultados 4T07

22 de novembro de 2007. Apresentação dos Resultados 4T07 22 de novembro de 2007 Apresentação dos Resultados 4T07 Aviso Importante Declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas dos negócios da Companhia, projeções de resultados operacionais

Leia mais

Portaria nº 795 de 15/12/93 D. O. U. 29/12/93 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA

Portaria nº 795 de 15/12/93 D. O. U. 29/12/93 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA Portaria nº 795 de 15/12/93 D. O. U. 29/12/93 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 01. OBJETIVO: Esta norma tem por objetivo definir as características de

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

índice 1. introdução...4 2. Controle de qualidade: a sua...4 importância e por que fazer

índice 1. introdução...4 2. Controle de qualidade: a sua...4 importância e por que fazer índice 1. introdução...4 2. Controle de qualidade: a sua...4 importância e por que fazer 3. Controle de qualidade de matérias primas...5 Como ferramenta na gestão da granja 4. qualidade dos ingredientes...6

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

DE ATOR HISTÓRICO NA AGRICULTURA ORGÂNICA EUROPÉIA 1991

DE ATOR HISTÓRICO NA AGRICULTURA ORGÂNICA EUROPÉIA 1991 DE ATOR HISTÓRICO NA AGRICULTURA ORGÂNICA EUROPÉIA 1991 A CERTIFICADOR EM 80 PAÍSES NOS CINCO CONTINENTES 2007 sociedade internacional fundada em 1991, na França 35.000 produtores / empresas certificadas

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria Financiamento ao Agronegócio Internacionalização da Agroindústria BRF Visão Geral BRF Principais Key Brands Marcas Dados Financeiros 3 Uma das maiores empresas de alimentos do Brasil e do mundo 7 a maior

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

FÁBRICAS DE RAÇÕES. I Encontro Técnico Frango de Corte Flávio Lage MV, Supervisor Técnico

FÁBRICAS DE RAÇÕES. I Encontro Técnico Frango de Corte Flávio Lage MV, Supervisor Técnico FÁBRICS DE RÇÕES I Encontro Técnico Frango de Corte Flávio Lage MV, Supervisor Técnico Segmento Industrial 2011 1 Brasil : Produção de Rações Milhões de ton. 70,0 65,0 60,0 60,8 60,2 63,6 66,4 55,0 53.4

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. Nº 225, sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Pág. 10 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 65, DE 21 DE NOVEMBRO

Leia mais

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Categorias do Controle Biológico e MIP Micro biológico Nutrição Vegetal Semio químicos Controle

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE GMP/BPF/BPM PRÉ-REQUISITOS (POP, PPHO, PPR E PPRO) HACCP/APPCC AGRADECIMENTOS AO COMITÊ AOS PATROCINADORES AOS PRESENTES

Leia mais

Trasix Soluções Ambientais

Trasix Soluções Ambientais A Empresa A Empresa A Trasix Soluções Ambientais surge da união de grandes expertises das empresas Trimap Business Management, especializada em representação de marcas estrangeiras para a comercialização

Leia mais

Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para Aves

Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para Aves MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

OTIMIZAÇÃO AVÍCOLA. Mix ótimo de Venda Rendimento de Fábrica Otimização Remessa de Ração Otimização de Apanha

OTIMIZAÇÃO AVÍCOLA. Mix ótimo de Venda Rendimento de Fábrica Otimização Remessa de Ração Otimização de Apanha OTIMIZAÇÃO AVÍCOLA Mix ótimo de Venda Rendimento de Fábrica Otimização Remessa de Ração Otimização de Apanha VISÃO GERAL DA SOLUÇÃO Gestão do Desempenho Gerenciamento de indicadores BI Otimização Campo

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 À COMISSÂO DE PREGÃO PREGÃO ELETRÔNICO - SRP 002 / 2010 Objeto: Alimento e Suplemento para Animais Processo: 23000.000155/2010-21 Seção Pública: 22/03/2010, segunda-feira às 09:00 hs À COMISSÂO DE PREGÃO PREZADOS SENHORES:

Leia mais

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS Benedito Marques da Costa 1, Maria do Carmo M. M. da Costa 2 RESUMO Formular rações não é difícil, porém gasta - se tempo nos cálculos. No método da tentativa

Leia mais

IMPACTO NA CADEIA PRODUTIVA DE CARNES. AVICULTOR 2015 - BH Junho 2015

IMPACTO NA CADEIA PRODUTIVA DE CARNES. AVICULTOR 2015 - BH Junho 2015 PERSPECTIVAS E CENÁRIOS PARA OS GRÃOS E O IMPACTO NA CADEIA PRODUTIVA DE CARNES AVICULTOR 2015 - BH Junho 2015 Aviso Legal A negociação de derivativos, tais como futuros, opções e swaps pode não ser adequada

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br INCUBAÇÃO ARTIFICIAL alexandreprosa@smail.ufsm.br Elenice Zucuni Franco elenicefranco@mail.ufsm.br QUALIDADE DA CASCA Segurança Considerações iniciais CUIDADOS NA INCUBAÇÃO ARTIFICIAL NA ARMAZENAGEM Posição:

Leia mais

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Prof. Luís Augusto Nero Departamento de Veterinária, Universidade Federal de Viçosa Tópicos Brasil: produtor e exportador Cadeias de produção

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

MEDIDAS DE GESTÃO QUE CONTRIBUEM PARA O RESULTADO OPERACIONAL DO NEGÓCIO SUÍNO MÁRIO FACCIN ¹

MEDIDAS DE GESTÃO QUE CONTRIBUEM PARA O RESULTADO OPERACIONAL DO NEGÓCIO SUÍNO MÁRIO FACCIN ¹ MEDIDAS DE GESTÃO QUE CONTRIBUEM PARA O RESULTADO OPERACIONAL DO NEGÓCIO SUÍNO MÁRIO FACCIN ¹ No ano de 98/99 a suinocultura americana viveu a sua pior crise que, culminou com a venda/compra de mais de

Leia mais

140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica

140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica 140 - Acompanhamento biométrico no desenvolvimento de frangos de corte Gigante Negro alimentados com rações comercial e orgânica SIGNOR, Arcângelo Augusto. UEM, angelo_signor@gmail.com; CORRÊIA, Arlindo

Leia mais

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES Pablo Zotti AMADOR 1 ; Maribel Barbosa da CUNHA 2 1 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC; 2 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP FAO-PT@fao.org www.fao.org/portugal 4 de dezembro de 2015

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

Inovações Ambientais do

Inovações Ambientais do Inovações Ambientais do Núcleo de Inovação Soluções para um futuro melhor. Qualidade doar Qualidade da Água Qualidade do Ambiente Escritórios Bl Belo Horizonte Salvador Blumenau Apresentam excelente relação

Leia mais