Especificações Técnicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especificações Técnicas"

Transcrição

1 Especificações Técnicas Suíte Integrada de Servidor de Aplicação para o ambiente de processamento central da Dataprev. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 1/42

2 1. Objeto Aquisição de licenças de suíte integrada de servidor de aplicação, incluindo serviços de instalação, implantação, orientação técnica, capacitação inicial, com garantia de atualização de versões e suporte técnico remoto aos produtos contratados, em conformidade com as especificações técnicas e demais condições constantes do Edital e seus Anexos. 2. Contexto Os sistemas de informações a serem desenvolvidos para suporte tecnológico ao Novo Modelo de Gestão do INSS (NMG) deverão prover completa automação e integração dos processos de trabalho da organização previdenciária para operações predominantemente on-line e em tempo real, implementando as complexas e numerosas regras de negócio da Previdência Social e armazenando grandes volumes de dados que deverão ser disponibilizados tempestivamente para subsidiar decisões em todos os níveis da organização. A arquitetura de sistemas prevista no Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) apresenta requisitos de integração não encontrados, em geral, em modelos federados de bases de dados e isso se deve à necessidade de controle mais rigoroso dos processos de trabalho baseados em fluxos de informações, como é o caso da Previdência Social. Esse tipo de arquitetura, aqui apresentada de modo genérico, pode ser observada na figura abaixo, extraída do PDTI e atualizada. Observa-se na figura a necessidade de aplicação de algumas tecnologias como ERP (Enterprise Resource Planning) referente ao grupo GRP; CRM (Customer Relationship Management); BI (Business Intelligence); e aplicações de colaboração, todos integrados aos sistemas de negócio. Alinhado com esta arquitetura de sistemas, este projeto engloba recursos para execução e monitoramento/gestão das aplicações Java com segurança, facilidades de integração de aplicações, recursos de disponibilidade, apresentadas de forma facilitada ao cliente por meio de Portal com recursos de Especificação Técnica Servidor de Aplicação 2/42

3 colaboração. O Relatório da 1ª Fase do Projeto 11 do PDTI de 2002, que tratou da questão SELEÇÃO DE TECNOLOGIA PARA OS AMBIENTES, indicou o padrão J2EE como tecnologia capaz de prover portabilidade as aplicações permitindo a independência de fornecedor e oferecendo maturidade suficiente para suportar aplicações de missão critica. Este projeto concretiza a teoria de independência de fornecedor para a camada de aplicação visto que se propõe a adquirir requisitos calcados em padrões e não uma determinada solução de mercado. O Projeto 16 (Portal Integrador de Interfaces de Sistemas) definido no Plano de Execução do PDTI de 2001 prevê a criação de um portal interno Web, que possibilite o acesso único a todas as funções dos sistemas da Previdência Social. Este projeto prevê a disponibilização de produto de software que viabiliza esta necessidade. Dentre as Diretrizes Tecnológicas do PDTI destacamos algumas de relevância ao contexto deste documento do grupo Arquitetura de Aplicações e Middleware: 13.Desenvolver arquitetura utilizando N-camadas. 15.Utilizar aplicações com integração por middleware. 16.Não utilizar o banco de dados como middleware para comunicação em aplicações. 17.Quando possível, desenvolver aplicações utilizando comunicação assíncrona. 18.Utilizar extensible Markup Language (XML) como padrão para a comunicação de dados estruturados entre programas e aplicações. 19.Projetar para gerenciamento. 23.Atualizar dados através de regras de negócio. Observando mais das Diretrizes Tecnológicas do PDTI destacamos outras de relevância ao contexto deste documento do grupo Computação Colaborativa: 71.Selecionar ferramentas de colaboração que implementem padrões de mercado. 76.Implementar aplicações de Workflow aderentes aos processos de negócio. 77.Definir as aplicações de Workflow baseando-se nos conceitos de regras, rotas e papéis. 78.Utilizar um gerenciador de Workflow para prover a infraestrutura de gerenciamento para as aplicações de Workflow. 3. Sistemas de Informação 3.1 Arquitetura de Sistemas A nova arquitetura de sistemas da Dataprev para suportar os processos da Previdência Social deverá ser orientada tanto a serviços como a eventos. De um modo bastante simples, pode-se dizer que as características "orientadas a serviços" dessa arquitetura deverão atender aos serviços operacionais enquanto as características "orientadas a eventos" deverão atender às necessidades de controle de processos e informações. Em suma, essa nova arquitetura deverá apresentar as seguintes características estruturantes e funcionais: a) Interoperabilidade e portabilidade que a torne pronta para evoluir junto com o próprio negócio, primando pela conectividade das aplicações no conjunto dos sistemas. Sistemas de colaboração, tais como mensageria, workflow, calendário e GED, serão onipresentes nesse novo ambiente tecnológico. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 3/42

4 b) Adaptabilidade e facilidade para mudanças, conforme o ritmo de mudanças do negócio e do mundo circundante. c) Ênfase no monitoramento em tempo real, onde os controles estarão na integração de aplicativos e dados, principalmente nas entradas e saídas e na intercomunicação entre as camadas da arquitetura. d) Prioridade para o atendimento das estratégias do negócio. Isto significa que a arquitetura tecnológica deverá servir ao negócio e não o contrário. e) Composição estilo lego, significando que a arquitetura deverá ser integrada por componentes menores montados de modo inteligente e funcional, mas que poderão ser trocados sem muito esforço, quando necessário. O que deverá garantir essa composição inteligente são os estilos estruturais de processos de negócio e softwares, padrões e a granularidade dos seus objetos fundacionais, ou tijolos (bricks). f) Abertura para o resto do mundo, onde as palavras-chave são operar on-line, integrar tudo e falar uma linguagem comum com as demais entidades do ecossistema informacional. g) Incorporação dos princípios e das regras do negócio como seus próprios princípios, fundamentando as decisões de TIC nas decisões do negócio. h) Comportamento de parceria em relação aos gestores do negócio, procurando sempre demonstrar (e não simplesmente mostrar) e vender suas vantagens para os gestores, com visão da evolução do negócio. i) Seleção rigorosa dos parceiros responsáveis pela integração dos componentes da arquitetura e dos serviços. j) Construção incremental. k) Evolução contínua, sem paradas. 3.2 Camada de Acesso e Apresentação A arquitetura dos sistemas para suporte aos processos da Previdência Social prevê uma camada de acesso e apresentação de sistemas na Web que deverá se responsabilizar por todas as necessidades de processamento de dados originadas dos aproximadamente (cinquenta e dois mil) potenciais usuários internos do MPS e do INSS na organização previdenciária. Também devem ser incluídos os clientes na Internet: cerca de 26 milhões de pessoas cadastradas como aposentadas, pensionistas e outras situações com percepção de benefícios; cerca de 29 milhões de organizações e pessoas cadastradas como contribuintes ao fisco previdenciário e mais de 3,3 milhões de empregadores sendo uma parcela destes com acesso a Internet. Os números relativos a pagamentos de benefícios também são dessa grandeza: em torno de 4 milhões de benefícios concedidos anualmente, além da manutenção de um estoque de mais de 23 milhões de benefícios continuados, relativos a aposentadorias e pensões. O levantamento estatístico mais abrangente sobre a quantidade de usuários de Internet no Brasil foi feito pelo suplemento do PNAD-Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio em 2005 (IBGE) que pesquisou 408 mil pessoas e 142,5 mil unidades domiciliares que apontou a existência de 32,1 milhões Especificação Técnica Servidor de Aplicação 4/42

5 de usuários de Internet em 2005 (21% da população de 10 anos ou mais de idade). A pesquisa realizada pelo Ibope indicou que o total de pessoas com mais de 16 anos com acesso à internet em qualquer ambiente (casa, trabalho, escolas, universidades e outros locais) era de 36,9 milhões em Jun/07. O Núcleo de Informação e Coordenação (NIC) do Comitê Gestor de Internet (CGI) (Indicadores sobre Internet no Brasil) realizou em 2005 e 2006 pesquisa com cerca de 10 mil entrevistas utilizando o mesmo critério do PNAD. A Pesquisa TIC Domicílios estimou que 24,4% da população com mais de 10 anos de idade acessou a Internet nos últimos 90 dias em 2005 e 27,8% em Este percentual implicaria em 43,5 milhões de usuários de Internet em A UIT estimou em 42,6 milhões a quantidade de usuários de Internet no Brasil em Com esses dados, ressalta-se a necessidade de componentes computacionais bastante escaláveis na web, sujeitos a todas as oscilações de demanda de acesso e riscos de segurança característicos desse tipo de ambiente de sistemas. E, também, "janelas" de processamento batch adequadas para a preparação de uma folha de pagamentos gigantesca, acessando uma enorme massa de dados para sua execução. Outra informação importante é que os acessos aos sistemas da Previdência Social têm uma natural tendência a apresentar dois ou mais "picos" mensais, de acordo com datas preestabelecidas que se reportam a eventos típicos do negócio (principalmente datas de pagamento de benefícios e de recolhimento de contribuições). Espera-se, com essa solução, que quaisquer falhas computacionais dessa camada de sistemas possam ser prontamente superadas mediante o acionamento dos recursos de contingência, de modo inteiramente transparente e com um mínimo de transtorno para os usuários dos sistemas. Essa camada de apresentação deverá atender tanto à demanda de conexões dos sistemas transacionais (OLTP) como dos sistemas gerenciais (OLAP/BI), a partir de uma aplicação de Web Portal a ser adquirida. Os novos sistemas deverão ser desenvolvidos com linguagem Java, no padrão JEE, devendo ser processados nesse ambiente protocolos típicos de páginas Web estáticas, desenvolvidas em HTML (Hyper Text Markup Language), como HTTP (Hyper Text Transfer Protocol), e dinâmicas, como JSP (Java Server Pages). 3.3 Camada de Aplicação A camada de aplicações dos sistemas deverá processar código padrão JEE com as regras de negócio da Previdência Social, cuja portabilidade, fator decisivo para sua escolha, permitirá independência de plataforma tecnológica e a portabilidade. Os projetistas de infraestrutura computacional deverão, portanto, prestar a devida atenção para algumas questões típicas de processamento com Java, especialmente quando integrados a bancos de dados relacionais: a) consumo acentuado de memória de servidores devido ao processamento paralelo dos "coletores de lixo" (garbage colectors) para limpeza periódica de objetos persistidos em memória; b) necessidade de nós (equipamentos servidores) adequados ao empacotamento de aplicativos, visando-se uma otimização do desempenho da conectividade entre objetos mais acessados e entre objetos que operam em colaboração síncrona muito intensiva (exemplo: classes de acesso a bancos de dados e classes de geração de registros para auditoria); c) necessidade de alocação adequada de recursos computacionais para o processamento de aplicativos de mapeamento objeto-relacional; d) necessidade de alocação adequada de recursos computacionais para o processamento de componentes de serviço do tipo WebServices que podem ser consumidos por aplicações Especificação Técnica Servidor de Aplicação 5/42

6 hospedadas fora da Dataprev Camada de serviços Além do servidor de aplicação responsável pela execução da lógica de negócio e apresentação das novas aplicações, outros serviços agregam funcionalidade a este ambiente, provendo uma série de facilidades que tornam o desenho dos sistemas mais simples e gerenciáveis. Dentre eles temos o de Portal, barramento de serviços, gerenciador de filas, BPM e monitoração. A inclusão destes itens neste edital tem como objetivo prover a Previdência Social com um ambiente integrado e otimizado, permitindo reduzir os custos de infraestrutura e operação, além de prover as equipes de desenvolvimento de facilidades que reduzam a complexidade e o custo de desenvolvimento dos sistemas. A ferramenta de Portal permite disponibilizar a lógica das aplicações através de uma visão integrada e flexível, com facilidades como personalização. A existência de funcionalidades como gestão de formulários e pesquisa permitem disponibilizar rapidamente aplicações e regras de negócio que de outra forma teriam que ser desenvolvidas programaticamente, com um consequente aumento nos custos e prazos dos Projetos. O gerenciador de filas e barramento de serviços são facilidades que permitem integrar subsistemas de forma otimizada, reduzindo o acoplamento entre as partes e melhorando o gerenciamento. Algumas soluções de integração, sobretudo no novo sistema de Benefícios, utilizam mecanismos customizados para comunicação assíncrona entre diferentes módulos. A utilização de um gerenciador de filas e a API JMS permite padronizar este mecanismo de integração com a solução nativa da plataforma Java EE, reduzindo a quantidade de código customizado nas aplicações com uma consequente redução do custo de manutenção. O barramento de serviços introduz uma série de facilidades que vão além do gerenciador de filas, permitindo a racionalização das dependências entre os componentes de negócios em uma arquitetura distribuída. Além do enfileiramento de mensagens o barramento de serviço provê funcionalidades como roteamento, transformação e agregação de mensagens. Isto permite integrar componentes distribuídos com maior flexibilidade e com menos necessidade de adaptadores. Uma das principais vantagens na utilização do barramento é a facilidade de gestão tanto no que diz respeito a indisponibilidade de um determinado serviço quanto na monitoração do desempenho, permitindo um efetivo gerenciamento dos níveis de serviço. A ferramenta de BPM disponibiliza uma série de recursos que permitem uma efetiva análise e controle com uma consequente otimização dos processos de negócio. A partir do ciclo de projeto, monitoração, análise e otimização dos processo de negócio é possível implementar a melhoria contínua dos processos de negócio e a otimização dos sistemas. As facilidades propostas na camada de serviços tem como objetivo prover os desenvolvedores com recursos que facilitem a construção de sistemas com o aumento de desempenho e qualidade dos mesmos, considerando que soluções padronizadas e testadas serão utilizadas em detrimento de soluções pontuais. Para as equipes de infraestrutura estas ferramentas permitirão uma efetiva monitoração dos processos e sistemas, otimizando o uso dos recursos e a garantia dos níveis de serviço. 3.4 Camada de Dados O volume de dados corporativo dos sistemas atuais ocupam em Agosto/2010 aproximadamente 20 TB, prevendo-se que esse volume poderá aumentar com a evolução dos modelos de dados dos sistemas do NMG e da migração para bases de dados relacionais. A previsão inicial é que se atinja aproximadamente 700 TB em 5 anos. Outro aspecto importante a ser considerado é que o Modelo Especificação Técnica Servidor de Aplicação 6/42

7 Lógico de Dados apresenta uma concepção de integração no sentido de se evitar redundâncias e melhorar a qualidade dos dados da Previdência Social. Isso significa que, quando não comprometer o desempenho, deve-se evitar distribuição de bases de dados com redundâncias, preferindo-se bases mais consolidadas e centralizadas. 3.5 Infraestrutura A nova infraestrutura tecnológica da Previdência Social deverá implementar em dois sites, um primário destinado ao ambiente de produção e outro secundário para contingência (standby), uma arquitetura de processamento em três camadas, divididas em: camada de apresentação, camada de aplicação, camada de serviços e camada de banco de dados. Em caso de falha de um destes dois ambientes, o outro deve estar pronto para assumir as responsabilidades do primeiro de forma transparente para as aplicações. Os novos ambientes de processamento central apresentados possuirão as seguintes características mais relevantes: Os ambientes de desenvolvimento, homologação (de requisitos funcionais), testes (de requisitos não funcionais), treinamento e produção serão implementados de forma segregada evitando interferências entre os processos produtivos do ciclo de desenvolvimento. O ambiente de processamento central deve ser dotado de recursos de alta disponibilidade, escalabilidade, portabilidade e de recursos failover (ou de recuperação de falhas) para processamento centralizado dos sistemas transacionais, gerenciais e de colaboração. As camadas de processamento (apresentação, aplicação e serviços) serão atendidas por um pool de servidores padrão CISC (ou similar), de 64 bits (arquitetura computacional IA-64), com todos os produtos de software agregados para operações de servidores Web (Web servers). O pool de servidores secundário, tem as mesmas características do pool principal, com recurso de contingência, em outro Data Center disponível na Dataprev. Este ambiente poderá utilizar recursos de virtualização visando uma melhor consolidação e aproveitamento dos recursos. 3.6 Arquitetura da suíte integrada de aplicação A suíte integrada de aplicação está alinhada a arquitetura de sistemas e a arquitetura de desenvolvimento de aplicações Java. Para atender a todos os requisitos é necessário que a suíte de aplicação seja composta por elementos (produtos e tecnologias) que funcionem de forma integrada, segura e coordenada. Desta forma a suíte integrada se define por meio dos componentes conforme apresentado na figura abaixo. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 7/42

8 Obs: A organização das funcionalidades nesta figura é meramente ilustrativa, não representa a forma como os produtos ofertados serão instalados fisicamente, nem demonstra a comunicação entre os elementos. Fazendo um paralelo com a Arquitetura de sistemas apresentada acima, as caixas HTTP e cache representam a Camada de Apresentação. A caixa Servidor de Aplicação Java representa a Camada de aplicação. As demais caixas fazem parte da Camada de serviços. Detalhando a Camada de serviços : a caixa SSO controla o ponto único de controle de acesso ao Portal na Intranet. O barramento de serviços e o gerenciador de filas proveem a integração entre as aplicações. A caixa Autoria de Conteúdo é o local de desenvolvimento das páginas/conteúdo do Portal (Internet e Intranet). BPM executa o motor que controla os processos de negócio. E a caixa gerência e monitoração contém todos os elementos de monitoração e suporte de todos os elementos da arquitetura. 3.7 Recursos de Hardware O conjunto de equipamentos onde se pretende instalar a suíte é composto por máquinas virtuais ou físicas baseadas em tecnologia CISC para, a princípio, executar a lógica de negócio das aplicações e outros serviços que exijam um maior poder de processamento como o de portal. E outro conjunto de equipamentos também CISC para, a princípio, executar a camada de apresentação (HTTP, cache e monitoração/administração) com menor poder de processamento. Embora o planejamento atual aponte para o uso de equipamentos CISC, espera-se que esta solução seja capaz de ser hospedada, toda ou parte da solução, em servidores com arquitetura RISC e EPIC também. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 8/42

9 4. Requisitos Básicos 4.1 Deverão ser informados todos os componentes de software que compõem a solução ofertada, com o respectivo quantitativo e custo unitário. 4.2 Todos o(s) produto(s) ofertado(s) deverão ser de um único fabricante. 4.3 Todos os produtos de software necessários ofertados deverão ser suportados pelo fabricante durante toda a vigência do contrato. As licenças são de uso perpétuo, sendo o prazo de 36 meses referente ao período de suporte e manutenção oferecido pelo fornecedor e/ou fabricante. A Dataprev se reserva o direito de fazer uso das licenças adquiridas em qualquer arquitetura de processador existente em seu parque tecnológico, levando em consideração a prática de licenciamento adotada pelo fornecedor. É de responsabilidade do fornecedor informar qual a prática de licenciamento adotado para cada arquitetura de processador comercializado. 4.4 A solução deve disponibilizar os manuais técnicos do software, editados em língua inglesa ou língua portuguesa (Brasil). 4.5 A solução deve disponibilizar manuais técnicos do software, on-line em formato PDF de modo que os mesmos sejam livremente distribuídos dentro da empresa. 4.6 A solução deve suportar os idiomas português e inglês. 4.7 Deverá ser fornecido 1 conjunto de mídias (CD ou DVD) e documentação (incluindo manual de operação) para cada componente de software da solução ofertada. 4.8 O conjunto de mídias deverá conter, no mínimo, as versões correspondentes aos ambientes operacionais indicados no subitem relativo a Recursos de Hardware. 4.9 Correrá por conta da contratada toda e qualquer despesa, independente da sua natureza, decorrente dos serviços de entrega / instalação da solução ofertada O licitante deverá informar para cada item dos requisitos constantes desta especificação técnica, os itens e respectivas páginas de sua proposta técnica que comprovem o atendimento de cada requisito A solução deve ser suportada e homologada pelo fabricante para executar em ambiente virtualizado com VMWare Server ESX 4.0 ou superior O proponente deverá ser representante ou revendedor autorizado a sublicenciar o(s) produto (s) ofertado(s) em sua proposta. A comprovação deverá ser feita por meio de declaração do detentor da propriedade do(s) produto(s). Especificação Técnica Servidor de Aplicação 9/42

10 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1 Servidor de Aplicação JEE 1.1 Padrões Suporte completo ao padrão JEE 5 e suporte retroativo a J2EE JSE 6 e suporte a versões anteriores JSR 116, SIP Servlets JSR 168 e 286, Portlets WSRP 1.0 e SAAJ versão 1.2 e WS-Security versão WS-I Basic Profile versão WS-I Attachment Profile versão JAX-R versão WS-Addressing JSR-127 e JSR-252 (JSF 1.0, JSF 1.1 e JSF 1.2) JSR-224 (JAX-WS 2.0) MTOM A solução deve ser compatível com os seguintes Sistemas Operacionais: Red Hat Enterprise Linux Advanced Server 4.0; Red Hat Enterprise Linux Advanced Server 5.0 ou superior; SUSE Linux Enterprise Server p/ Intel (x86) 9 ou superiores; IBM AIX 5.3; IBM AIX 6.1 ou superior; HP-UX 11i V2; HP-UX 11i V3 ou superior; 1.3 Administração Interface de Administração Permitir que várias instâncias de servidores em execução espalhados em vários nós possam ser administrados a partir de um ponto central, mesmo estando estes nós em ambientes operacionais heterogêneos Possuir interface web para administrar o servidor de aplicação que não exija a instalação de nenhum software adicional além de um browser comum Possuir compatibilidade com Mozilla Firefox e Microsoft Internet Explorer. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 10/42

11 Permitir via interface gráfica iniciar, parar e reiniciar o servidor de aplicação Permitir via interface gráfica iniciar e parar aplicações do servidor de aplicação Permitir via interface web instalar, configurar e remover aplicações do servidor de aplicação Permitir a implantação (deploy) ou atualização de aplicações sem a necessidade de reiniciar o servidor de aplicações Permitir adicionar, atualizar ou remover partes da aplicação Possuir interface web para administrar o cluster do servidor de aplicação Permitir via interface gráfica iniciar, parar e reiniciar os servidores de aplicação de um cluster Permitir via interface web a instalação, configuração e remoção de servidor de aplicação no cluster Permitir via interface web a visualização e configuração dos arquivos de metadados das aplicações J2EE (application.xml, web.xml, ejb-jar.xml, rar.xml) Permitir via interface web a visualização e configuração de Data Sources Permitir via interface web a visualização e configuração de Filas JMS Permitir via interface web a visualização e configuração de Adaptadores JCA Permitir via interface web a visualização e configuração de Login Modules Permitir via interface web a visualização e configuração de bibliotecas compartilhadas Permitir via interface web a visualização dos parâmetros de inicialização da Máquina Virtual Java Possuir browser JNDI Possuir browser JMX Permitir que a autenticação dos usuários da interface de administração web seja feita contra um diretório padrão LDAP v Permitir que a autorização dos usuários da interface de administração web seja feita contra um diretório padrão LDAP v Permitir configurar o acesso com base em perfil de usuário Permitir diferenciar o escopo de atuação de administradores com o mesmo perfil Permitir via interface web a visualização, consulta e configuração dos arquivos de log Permitir a convivência de mais de uma versão da mesma aplicação no mesmo servidor de aplicação Construção de Scripts de Administração Possuir interface de administração via CLI (Command Line Interface) Permitir que a interface de administração via linha de comando controle remotamente vários servidores de aplicação Permitir instalar, configurar e remover aplicações do servidor de aplicação por Especificação Técnica Servidor de Aplicação 11/42

12 meio de tasks Ant Permitir acesso as funcionalidades de administração via JMX Permitir a construção de scripts de administração customizados via linguagens de script como Jython ou Groovy ou Shell script Arquivos de Log Possuir mecanismo para rotacionar os logs do servidor de aplicação Permitir que os logs do servidor de aplicação sejam rotacionados por tempo Permitir que os logs do servidor de aplicação sejam rotacionados por tamanho dos arquivos Possuir mecanismo para consolidar o log de vários servidores de aplicação Permitir que os logs do servidor de aplicação sejam gerados em formato xml Permitir o rastreamento de erros a partir do correlacionamento dos arquivos de log, caso o servidor de aplicação grave informações de log em arquivos separados. 1.4 Desempenho e Disponibilidade Desempenho Gerenciar clusters dinâmicos, ou seja, alocar servidores para aplicações com base em uma política de serviços definidos previamente Permitir a análise do desempenho de aplicações J2EE em ambientes clusterizados e distribuídos de servidores de aplicação, automaticamente detectando todos os servidores de aplicação em execução em múltiplas máquinas virtuais Java (JVM) dentro do ambiente definido Alocar e realocar servidores para determinadas aplicações visando garantir um nível de serviço determinado Controlar a ordem em que as requisições serão feitas para a camada do servidor de aplicações e, usando uma classificação predefinida para cada serviço, decidir como e quando despachará a requisição HTTP para a próxima camada Balanceamento de Carga Possuir mecanismo para controlar o balanceamento de carga entre o browser e o servidor HTTP Permitir que o mecanismo de balanceamento de carga entre o browser e o servidor HTTP detecte a falha dos servidores HTTP e redistribua a carga de trabalho Permitir que o mecanismo de balanceamento de carga entre o browser e o servidor HTTP seja capaz de distribuir a carga de trabalho segundo a capacidade de conexão do servidor HTTP Permitir que o mecanismo de balanceamento de carga entre o browser e o servidor HTTP seja capaz de distribuir a carga de trabalho conforme URL Permitir que o mecanismo de balanceamento de carga entre o browser e o servidor HTTP seja capaz de distribuir a carga de trabalho conforme expressão regular Permitir que o mecanismo de balanceamento de carga entre o browser e o Especificação Técnica Servidor de Aplicação 12/42

13 servidor HTTP mantenha afinidade entre a sessão do browser e o servidor HTTP Possuir mecanismo para controlar o balanceamento de carga entre o servidor HTTP e o servidor de aplicações Permitir que o mecanismo de balanceamento de carga entre o servidor HTTP e o servidor de aplicação detecte a indisponibilidade dos servidores de aplicação e redistribua a carga de trabalho Permitir que mecanismo de balanceamento de carga entre o servidor HTTP e o servidor de aplicações distribua a carga de trabalho de forma aleatória Permitir que mecanismo de balanceamento de carga entre o servidor HTTP e o servidor de aplicações distribua a carga de trabalho de forma igualitária Permitir que mecanismo de balanceamento de carga entre o servidor HTTP e o servidor de aplicação distribua a carga de trabalho conforme métricas coletadas do sistema operacional e servidores de aplicação Permitir que o mecanismo de balanceamento de carga entre o servidor HTTP e o servidor de aplicação mantenha afinidade de sessão entre o browser e o servidor de aplicação Possuir mecanismo para balanceamento de carga entre os clientes Java através de RMI sobre IIOP e os servidores de aplicação Possuir mecanismo para alta disponibilidade do serviço JMS do servidor de aplicação Possuir mecanismo para controlar dinamicamente o número de instâncias do servidor de aplicação conforme carga de trabalho Alta Disponibilidade Permitir a formação de cluster com instâncias instaladas em plataformas de hardware (Sistema operacional e hardware) heterogêneos Possuir mecanismo para reinicialização automática dos componentes do servidor de aplicação em caso de morte ou inatividade Possuir mecanismo para propagar e sincronizar alterações entre os servidores de aplicação clusterizados Possuir mecanismo para replicar o estado das sessões HTTP entre os servidores de aplicação clusterizados Possuir mecanismo para replicar o estado dos Enterprise Java Beans entre os servidores de aplicação clusterizados Possuir mecanismo para replicar o estado da árvore JNDI entre os servidores de aplicação clusterizados Permitir que a replicação de estado seja disparada ao final de cada requisição Permitir que a replicação de estado seja disparada quando um atributo do objeto de sessão for alterado Permitir o atendimento da requisição do usuário por outra JVM numa eventual falha da JVM que estava atendendo, garantindo o estado Permitir que o mecanismo de replicação de estado dos objetos utilize o protocolo IP Multicast para sincronização dos servidores de aplicação. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 13/42

14 1.4.4 Virtualização de Aplicações Ser capaz de priorizar ou rotear requisições entres os servidores de aplicações, de forma inteligente, de acordo com classificadores das aplicações J2EE e políticas de níveis de serviço pré-definidas Ser capaz de dinamicamente alocar ou desalocar servidor de aplicações J2EE em um cluster para atender níveis de serviço previamente definidos, garantindo disponibilidade e performance das aplicações Ser capaz de virtualizar as aplicações J2EE definindo dinamicamente qual o servidor mais apto para executá-la de acordo com níveis de serviço pré-definidos Ser capaz de proativamente detectar problemas no servidor de aplicações (notificando os administradores no formato de alertas), executando automaticamente ações corretivas minimizando custos administrativos e prevenindo a indisponibilidade das aplicações Ser capaz de instalar novas versões das aplicações J2EE sem precisar interrompê-las, de forma atômica ou parcial, garantindo sua disponibilidade Ser capaz de manter diversas versões de uma mesma aplicação J2EE e gerenciar qual versão deve estar em execução, trocando de versões sem precisar interromper as aplicações J2EE, garantindo sua disponibilidade. 1.5 Cache Possuir cache de conteúdo estático e dinâmico compatível com o padrão ESI (Edge Side Includes) Permitir que o cache de conteúdo estático e dinâmico seja configurado como um proxy reverso localizado a frente dos servidores HTTP Possuir mecanismo para invalidação do cache de conteúdo estático e dinâmico Possuir mecanismo de compressão do cache de conteúdo estático e dinâmico Permitir a construção de CDN (Content Delivery Network) através da distribuição hierárquica dos mecanismos de cache Possuir mecanismo de cache de Web Services Suportar mecanismo de cache de JPA de segundo nível. 1.6 Cache de dados e objetos em memória Solução deve prover funcionalidades de cache distribuído de objetos em memória principal Suporte nativo a cache de objetos para as seguintes linguagens: Java C NET Fornecer API's de desenvolvimento em Java, C++ e.net Possuir suporte a particionamento dinâmico dos objetos em memória com adição de novos nós no cluster Possuir suporte a replicação dinâmicos dos objetos em memória com adição de novos nós no cluster. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 14/42

15 1.6.6 Possuir suporte aos seguintes frameworks de persistência para cache de objetos segundo nível: Hibernate JPA Possuir suporte a processamento em paralelo, através do mecanismo de pesquisa em paralelo Possuir interface de gerenciamento baseada em JMX para os caches de objetos Possuir ferramental de gerenciamento para os caches de objetos Possuir suporte a gerenciamento e replicação de sessão HTTP para aplicações J2EE Possuir suporte ao protocolo TCMP ou oferecer suporte a gerenciamento autônomo do cluster utilizando protocolo Multicast suportando: descoberta de novos membros, detecção de falha, distribuição automática de objetos e partições de objetos dentro do cluster, sincronização e replicação de dados entre os membros do cluster Possuir suporte a compartilhar o cache dos objetos em diversos servidores, sejam físicos ou virtuais Possuir suporte a adicionar ou remover membros do cluster automaticamente, sem parada dos serviços. 1.7 Outras Características Fornecer um mecanismo de integração para o Apache HTTP Server e o Microsoft IIS Recuperação de Desastres (Disaster Recovery) Possuir mecanismo para implementar rotinas de backup dos servidores de aplicação Possuir mecanismo para clonar servidores de aplicação. 2 Portal 2.1 Requisitos Básicos O portal server deve ser uma aplicação JEE 5 (desenvolvida ou suportada), Web Based e totalmente baseada em padrões abertos de mercado O serviço de portal deve executar na mesma solução de servidor de aplicação ofertada no item 1 desta especificação A solução de Portal deve ser escalável a no mínimo usuários para a Intranet e 32 milhões de usuários na Internet Suportar arquitetura de alta disponibilidade em todas as camadas da solução, através de clusters ativo-ativo Suportar escalabilidade horizontal em todas as camadas com a adição de servidores às diferentes camadas da solução de modo a suportar maiores níveis de carga no sistema Suportar instalação em ambiente de hosting - Federação de Portais onde uma única infraestrutura pode ser utilizada para criação de múltiplos Portais, cada um com configurações, conteúdo, usuários e grupos próprios. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 15/42

16 2.1.7 Ser totalmente baseado em ambiente Web, sem necessidade de instalação de plugins para visualização das páginas ou administração do Portal Possuir mecanismos de exportação e importação de objetos do Portal para migração entre diferentes ambientes (ex.: desenvolvimento, homologação, produção) Permitir o uso de Java Tag Libraries em Portlets Permitir a criação e manutenção automatizada de usuários a partir de catálogo de diretórios central, com respectivos direitos de acesso A solução deve suportar alta disponibilidade (Clusterização e Backup Failover com balanceamento de carga), permitindo o uso das características de escalabilidade e tolerância a falha A solução deve ser capaz de autenticar usuários utilizando a tecnologia de certificado digital X509 v A solução deve ser compatível com os seguintes Sistemas Operacionais: Red Hat Enterprise Linux Advanced Server 4.0 ou superior; SUSE Linux Enterprise Server p/ Intel (x86) 9 ou superior; IBM AIX 5L; HP-UX 11i V3 ou superior; A solução deve suportar os seguintes sistemas de Bancos de Dados: Oracle Database Enterprise Edition 9i Release 2 ou superior SQL Server Enterprise Edition A solução deve ser capaz de integrar com os seguintes Diretórios de usuários, aderentes a especificação LDAP v3: Microsoft Windows Active Directory 2003 e superior; IBM Tivoli Directory Server 6.0 ou superior IBM Lotus Domino Enterprise Server Novell e-directory 8.7 ou superior Sun Java Directory Server A solução deve ser capaz de executar com os seguintes Servidores Web: Apache Server Microsoft Internet Information Server 6.0 ou superior A solução deve suportar os seguintes navegadores Web (Browser) Microsoft Internet Explorer 7 ou superior Firefox 3 ou superior Safari 3 ou superior 2.2 Padrões Suporte a especificação Content Repository for Java API - JSR Suporte a especificação JSF 1.2 ou superior A solução deve possibilitar o uso de framework Struts 1.1 na construção de portlets, Especificação Técnica Servidor de Aplicação 16/42

17 inclusive para portlets compatíveis com a JSR A solução deve suportar o padrão OASIS WSRP 1.0 e 2.0 (Web Services for Remote Portlets). 2.3 Acessibilidade e Virtualização Suportar o conceito de Portal Virtual permitindo reaproveitar a mesma estrutura de Portal para apresentação de diferentes conteúdos para diferentes grupos de usuários Permitir disponibilizar a construção de portais e sub-portais/sub-sites por meio da própria ferramenta, visualmente e sem necessidade de codificação Fornecer URLs amigáveis aos usuários para que eles possam acessar seus portais virtuais e páginas Fornecer funcionalidades que viabilizem a criação de sites aderentes pelo menos ao nível de acessibilidade de prioridade 1 do Modelo de Acessibilidade apresentado nas recomendações de acessibilidade para a construção e adaptação de conteúdo do Governo Brasileiro (e-mag/governo Eletrônico). 2.4 Personalização Possibilidade de criação de regras de personalização para definir a apresentação e conteúdo baseado em informações do usuário Restrição de acesso a páginas e portlets do portal conforme o papel do usuário (direito de acesso) Mecanismo de personalização de usuários. Se o usuário se auto-cadastrar, as características coletadas serão persistidas em seu perfil Mecanismo de personalização da apresentação do portal pelo próprio usuário, permitindo configurar elementos como cores, fontes, imagens, disposição de portlets conforme autorizado pelo administrador do ambiente Possibilitar a personalização dos padrões visuais para cada portlet (borda, título) em uma página Possibilitar a criação de estruturas de navegação hierárquicas como menus e páginas dentro de páginas Disponibilizar um mecanismo de personalização baseado em regras definido pelo administrador do ambiente A solução deve possibilitar a criação de regras de personalização de apresentação e conteúdo em função de dados do usuário definido pelo administrador do ambiente Possibilitar a personalização de páginas por meio da seleção ou remoção de portlets, pelo próprio usuário, desde que autorizado pelo administrador do portal Possibilitar a seleção pelo próprio usuário dos elementos de apresentação do portal como temas e idioma, desde que autorizado pelo administrador do portal Suporte a múltiplas línguas na apresentação diretamente no portal, sem necessidade de conjunto de portlets e portais diferenciados Permitir selecionar automaticamente o idioma de apresentação do portal, em função das preferências dos usuários finais, e conforme configurações do dispositivo de acesso Suporte ao I18N. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 17/42

18 Suporte a Unicode Portlets para submissão de conteúdo e processo de aprovação pelos usuários nãotécnicos Controle de versão de conteúdo Armazenamento de todas as versões de conteúdo para acesso rápido em checkouts Disposição de metadados de conteúdo como: nome do conteúdo, autor, data da última modificação, comentário e status Processo de aprovação de conteúdo baseado no papel do usuário no portal Armazena o histórico de ações sobre o conteúdo publicado Disponibilidade de browsing do conteúdo Inclusão de diferentes tipos de conteúdo (gifs, bmps, jpgs, html, texto, DOC, ODT, documentos PDF, por exemplo) Conteúdo do repositório com metadado que descreve validade do conteúdo, público/privado, palavra-chave, resumo e autor, podendo ser customizado para acomodar outras informações Permite o upload de documentos em PDF, XLS, PPT, DOC e ODT através de mecanismo nativo do portal Permite customização dos atributos dos documentos de acordo com o perfil do administrador de conteúdo Possuir interface aberta para integração com outras ferramentas de gerenciamento de documentos. (ex.: API ou Webservice) Criação de páginas baseado em wizards Criação de páginas sem necessidade de programação, na própria ferramenta de Portal. 2.5 Administração Possibilitar administração e configuração local por meio de navegador Web Possibilitar a administração e configuração remota por meio de navegador Web Permitir a delegação de direitos de administração do Portal Suportar múltiplos níveis de delegação de administração Geração de log das atividades administrativas Possuir interface Web para o deployment de portlets Possuir interface Web para o catálogo de portlets instalados Permitir a ativação e desativação pelo administrador de um portlet instalado. 2.6 Segurança e Controle Permitir a atribuição de direitos de acesso em um portal a usuários, grupos ou papéis (roles) Modelo de segurança de conteúdo, portlets e páginas baseado em usuários e grupos do diretório LDAP, com diferentes graus de permissões (globais e específicas para cada objeto do Portal visualizar, adicionar, modificar, gerenciar, etc.). Especificação Técnica Servidor de Aplicação 18/42

19 2.6.3 Apresentar uma tela/página/portlet para a entrada de usuário e senha, e esta tela/página/portlet deverá suportar a utilização de certificação digital baseada em SSL seguindo os padrões de HTTPS handshake Suportar certificados digitais X509 v3 compatíveis com ICP-Brasil Integrar com as seguintes ferramentas externas de autenticação de Mercado: Oracle Identity Manager Tivoli Access Manager for e-business A solução deve disponibilizar autenticação única single sign-on (SSO), permitindo que o usuário autenticado no portal ou em uma aplicação J2EE acesse outra aplicação J2EE no mesmo domínio administrativo sem a necessidade de realizar login novamente Possuir servidor de diretório padrão LDAP v3 nativo para armazenamento de quantidade ilimitada de usuários e grupos Possuir funcionalidade de login único (single sign-on) com outras aplicações web sem necessidade de alteração no código das aplicações, através de um repositório seguro de senhas Possuir funcionalidade de login único (single sign-on) com outras aplicações através de mecanismos de confiança, sem transmissão de senha Possuir funcionalidade de login único (single sign-on) com aplicações Java que utilizem o padrão JAAS sem necessidade de alteração do código destas aplicações Suporte a autenticação através de certificados digitais X Suporte a autenticação através do protocolo Kerberos para autenticação transparente em ambiente de rede Windows Possuir console Web de administração delegada de usuários e grupos Possuir console self-service para administração de perfil e senha pelo usuário final Possibilidade de permitir o auto-registro de usuários Possibilitar a customização do processo de autenticação, permitindo a integração com a ferramenta de gestão de identidades e acessos utilizada pela Dataprev na definição de políticas com relação à utilização de senhas (histórico, bloqueio de contas, alteração forçada no primeiro login, bloqueio de contas com base em endereço IP) Permitir a integração nativa em duas vias com servidores padrão LDAP v3, OpenLDAP, MS Active Directory Permitir a integração com bases de dados e outros diretórios através do desenvolvimento de conectores Suportar criptografia SSL em todos os canais de comunicação de dados entre os diferentes componentes da solução (entre navegador e o servidor de cache, entre o servidor de cache o servidor web, entre o servidor web e o servidor de aplicações, entre o servidor de aplicações e o banco de dados, entre o diretório LDAP, o banco de dados e o servidor de aplicações), sempre que os componentes de destino assim o permitirem Possuir facilidade de Virtualização de Diretórios com acesso a bancos de dados, servidores padrão LDAP v3, MS-AD sem a necessidade de replicação ou sincronização de dados Permitir o aprovisionamento de usuários a partir de bancos de dados, servidores Especificação Técnica Servidor de Aplicação 19/42

20 padrão LDAP, MS-AD sem a necessidade de replicação ou sincronização de dados entre estes componentes Possuir funcionalidade de controle de acesso a recursos web (portlets e aplicações) através de definição de políticas Possuir funcionalidade de gestão de usuários baseadas em grupos estáticos Possuir funcionalidade de delegação de administração de usuários e grupos sem limite dos níveis de delegação Possibilitar a geração de relatórios sobre os principais eventos de segurança, como por exemplo, estatísticas de autenticação, autorização, falhas de login, mudanças de senha e controle de acessos entre outros de mesma natureza. 2.7 Pesquisa e Busca Possuir mecanismo de busca integrado ao Portal, com respeito às permissões definidas sobre o conteúdo do Portal O mecanismo de busca deve indexar o conteúdo de documentos nos principais formatos (XLS, DOC, ODT, PPT, PDF) Incluir mecanismo de busca federada, com a possibilidade de programar buscas em um número ilimitado de repositórios como bancos de dados, servidores de IMAP, servidores de arquivos, web sites Possuir modo de busca avançada com possibilidade de parametrização por atributos de conteúdo (autor, data, etc.) Permitir a criação de portlets de busca customizada, com definição de campos a serem disponibilizados aos usuários, campos pré-configurados e buscas automáticas (que rodam automaticamente quando o usuário acessa a página) Pesquisar conteúdo em repositórios contendo informações estruturadas e não estruturadas, eliminando as redundâncias e combinando tudo em um único resultado A ferramenta de busca deve executar sobre o mesmo servidor de aplicações do Portal Suportar a criação de índices a partir da indexação de informações provenientes de sistemas de arquivos Suportar a criação de índices a partir da indexação de informações provenientes de bancos de dados relacionais Os itens exibidos nos resultados da busca devem obedecer às restrições de acesso de acordo com o perfil do usuário Buscar informações não estruturadas através de meta-dados Apresentar os resultados das buscas ordenados por ordem de relevância Permitir o agendamento da criação/atualização dos índices. 2.8 Gestão de Formulários Os formulários eletrônicos da solução de portal devem executar no mesmo servidor de aplicações do Portal Devem ser inclusas ferramentas de desenvolvimento de formulários que sejam integradas às ferramentas de desenvolvimento do Portal. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 20/42

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Suíte Integrada de Servidor de Aplicação para o ambiente de processamento central da Dataprev. Especificação Técnica Servidor de Aplicação 1/26 1. Objeto Aquisição de suíte integrada

Leia mais

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação Diretoria Técnica-Operacional Gerência de Tecnologia da Informação Termo de Referência Anexo II Especificação Técnica 1 - INTRODUÇÃO Página 2 de 9 do TR-007-3700 de Este anexo tem por objetivo detalhar

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Desempenho de Aplicações JEE

ESPECIFICAÇÕES. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Desempenho de Aplicações JEE Departamento de Planejamento e Projetos de Infraestrutura - DEPI ESPECIFICAÇÕES Aquisição de Solução de Gerenciamento de Desempenho de Aplicações JEE Especificação Técnica - Aquisição de Solução de Gerenciamento

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE

A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE Belo Horizonte, 06 de Maio de 2010 A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE Referente: CONSULTA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO DE GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

SEÇÃO IV. Documento de Plataforma Tecnológica SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL ETAPA 01 SEÇÃO IV DOCUMENTO DE PLATAFORMA TECNOLÓGICA

SEÇÃO IV. Documento de Plataforma Tecnológica SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL ETAPA 01 SEÇÃO IV DOCUMENTO DE PLATAFORMA TECNOLÓGICA SEÇÃO IV SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL ETAPA 01 Documento de Plataforma Tecnológica SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL ETAPA 01 1 CONTEÚDO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PLATAFORMA TECNOLÓGICA...

Leia mais

Automidia Service Management Desbloqueio de Contas e Provisionamento via Autoatendimento

Automidia Service Management Desbloqueio de Contas e Provisionamento via Autoatendimento Automidia Service Management Desbloqueio de Contas e Provisionamento via Autoatendimento Automidia Quem Somos Empresa Brasileira, fundada em 1992 Desenvolvimento de Softwares Centrais de Serviços, Service

Leia mais

Alfresco Content Management

Alfresco Content Management Alfresco Content Management Alfresco é um sistema ECM (Enterprise Content Management) também conhecido como GED (Gestão Eletrônica de Documentos) em nosso mercado de porte corporativo para atender a empresas

Leia mais

Violin Tours Management

Violin Tours Management vtm Violin Tours Management Violin Tours Management tm vviolin Tours Management Visão Geral Bem-vindo ao Violin Tours Management, uma aplicação completa para que você automatize canais de relacionamento,

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Automidia Service Management Provisionamento para o AD integrado ao Service Desk

Automidia Service Management Provisionamento para o AD integrado ao Service Desk Automidia Service Management Provisionamento para o AD integrado ao Service Desk Agenda Objetivos Agenda Histórico e Motivação 05 mins Características da Aplicação 20 mins Apresentação Software 15 mins

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Configuração SERVIDOR.

Configuração SERVIDOR. REQUISITOS MINIMOS SISTEMAS FORTES INFORMÁTICA. Versão 2.0 1. PRE-REQUISITOS FUNCIONAIS HARDWARES E SOFTWARES. 1.1 ANALISE DE HARDWARE Configuração SERVIDOR. Componentes Mínimo Recomendado Padrão Adotado

Leia mais

Introdução ao Oracle Identity Management

Introdução ao Oracle Identity Management Introdução ao Oracle Identity Management White Paper Oracle Junho de 2008 Introdução ao Oracle Identity Management página 1 Introdução ao Oracle Identity Management INTRODUÇÃO A suíte Oracle Identity Management

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

PESQUISA DE PREÇOS 01/2014

PESQUISA DE PREÇOS 01/2014 PESQUISA DE PREÇOS 01/2014 Considerando a necessidade de aquisição de software integrado de gestão, para atender as necessidades desta Prefeitura Municipal de Porto Alegre, solicitamos que as empresas

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE FITOTECA AUTOMATIZADA Substituição dos Silos Robóticos Storagetek 9310

ESPECIFICAÇÃO DE FITOTECA AUTOMATIZADA Substituição dos Silos Robóticos Storagetek 9310 Especificação Técnica 1. A Solução de Fitoteca ofertada deverá ser composta por produtos de Hardware e Software obrigatoriamente em linha de produção do fabricante, não sendo aceito nenhum item fora de

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 TI APPLICATION DELIVERY CONTROLLER ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto: PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA

INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA O InterLIMS se apresenta

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET AQUISIÇÃO DE SOLUÇÃO DE ANTIVÍRUS MCAFEE PARA PLATAFORMA DE SERVIDORES VIRTUALIZADOS VMWARE DA REDE CORPORATIVA PRODAM Diretoria de Infraestrutura e Tecnologia-

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes.

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes. SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO Características Técnicas: 1.1 Deverá ser ofertada Solução de Storage com capacidade mínima de 100 TB (cem Terabyte) líquido, sendo 80TB (oitenta Terabytes)

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

PLANO DO PROJETO. TÍTULO: Novos sites Grupo Promon e Promon Engenharia. GERENTE DO PROJETO: Ricardo Mantovani

PLANO DO PROJETO. TÍTULO: Novos sites Grupo Promon e Promon Engenharia. GERENTE DO PROJETO: Ricardo Mantovani PLANO DO PROJETO TÍTULO: GERENTE DO PROJETO: Ricardo Mantovani HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Revisão Data Descrição das alterações Autor/Editor i V1R0 23/01/2012 Versão inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO Nome

Leia mais

CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION

CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CADERNO DE PERGUNTAS ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Termos e Condições...2 2.1 Publicidade 2 2.2 Responsabilidades 2 3. Cronograma e Contato...3 3.1 Cronograma

Leia mais

ANEXO III - REQUISITOS TÉCNICOS (O presente documento não reflete, necessariamente, com exatidão o conteúdo do Edital a ser publicado posteriormente)

ANEXO III - REQUISITOS TÉCNICOS (O presente documento não reflete, necessariamente, com exatidão o conteúdo do Edital a ser publicado posteriormente) 1 ANEXO III - REQUISITOS TÉCNICOS (O presente documento não reflete, necessariamente, com exatidão o conteúdo do Edital a ser publicado posteriormente) A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Rafael O. Lamari Jr. IBM WebSphere Portal Family Sales Mastery Lotus Solution Sales Professional Tel. 11-3254.6200. Portal Corporativo

Rafael O. Lamari Jr. IBM WebSphere Portal Family Sales Mastery Lotus Solution Sales Professional Tel. 11-3254.6200. Portal Corporativo Rafael O. Lamari Jr. IBM WebSphere Portal Family Sales Mastery Lotus Solution Sales Professional Tel. 11-3254.6200 Portal Corporativo Agenda Desafio A Proposta O Produto Exemplos Cases Perguntas Agenda

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Apresentação 3. Sobre a Módulo Risk Manager Academy 3. Portfólio 4

Apresentação 3. Sobre a Módulo Risk Manager Academy 3. Portfólio 4 2 Apresentação 3 Sobre a Módulo Risk Manager Academy 3 Portfólio 4 RM-01 Conheça o Módulo Risk Manager 4 RM-02 Meu Espaço e Navegação Básica 6 RM-03 Modelando a Organização 8 RM-05 Conhecimentos para Gestão

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

PESQUISA DE PREÇOS 02/2014

PESQUISA DE PREÇOS 02/2014 PESQUISA DE PREÇOS 02/2014 Considerando a necessidade de aquisição de software integrado de gestão, para atender as necessidades desta Prefeitura Municipal de Porto Alegre, solicitamos que as empresas

Leia mais

Ficha de Produto. Características gerais. Descrição do produto. Disponível em Licencia ou SaaS (software como um serviço).

Ficha de Produto. Características gerais. Descrição do produto. Disponível em Licencia ou SaaS (software como um serviço). Ficha de Producto Produto Descrição do produto ServiceTonic é um Software 100% web para gestão de serviços que sob as premissas de usabilidade e flexibilidade torna sua ampla funcionalidade em plataforma

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SRSAT e do Ambiente de Testes por Fabricantes

Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SRSAT e do Ambiente de Testes por Fabricantes 1 Índice Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SRSAT e do Ambiente de Testes por Fabricantes (Versão 1.4.4 atualizado em 14/05/2014) 1. Introdução... 1 2. Fluxo Geral... 1 3. Detalhamento

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

iextranet A solução inovadora em gerenciamento e compartilhamento seguro de arquivos e de ambiente colaborativo www.oodrive.com

iextranet A solução inovadora em gerenciamento e compartilhamento seguro de arquivos e de ambiente colaborativo www.oodrive.com A solução inovadora em gerenciamento e compartilhamento seguro de arquivos e de ambiente colaborativo www.oodrive.com Nunca foi tão simples administrar e compartilhar arquivos! Colabore com eficácia e

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

Parceiro Oficial de Soluções Zimbra no Brasil

Parceiro Oficial de Soluções Zimbra no Brasil Apresentação A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se ao desenvolvimento e criação de

Leia mais

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition 1 Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition Sobre o Autor Carlos Eduardo G. Tosin (carlos@tosin.com.br) é formado em Ciência da Computação pela PUC-PR, pós-graduado em Desenvolvimento

Leia mais

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente Servidor Lista de Preparação de OpenLAB do Data Local Store A.02.01 Objetivo do Procedimento Assegurar que a instalação do Servidor de OpenLAB Data Store pode ser concluída com sucesso por meio de preparação

Leia mais

vgf Violin Gerenciador de Franquias

vgf Violin Gerenciador de Franquias vgf Violin Gerenciador de Franquias Violin Gerenciador de Franquias vgf Violin Gerenciador de Franquias Visão Geral Bem-vindo ao Violin Gerenciador de Franquias, uma poderosa aplicação vertical que dá

Leia mais

Benefícios INFORMAÇÕES DO PRODUTO: SOFTWARE DELIVERY O CA. IT Client Manager fornece recursos de distribuição de software. plataformas.

Benefícios INFORMAÇÕES DO PRODUTO: SOFTWARE DELIVERY O CA. IT Client Manager fornece recursos de distribuição de software. plataformas. INFORMAÇÕES DO PRODUTO: SOFTWARE DELIVERY CA IT Client Manager Software Delivery O CA IT CLIENT MANAGER FORNECE RECURSOS AUTOMATIZADOS DE DISTRIBUIÇÃO DE SOFTWARE PARA GARANTIR QUE LAPTOPS, DESKTOPS, SERVIDORES

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGFN Departamento de Gestão Corporativa - DGC Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação - CTI CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Infraestrutura

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades

Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Treinamento técnico KL 202.10 Treinamento técnico KL 202.10 Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Migração

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

PESQUISA DE PREÇOS 03/2014

PESQUISA DE PREÇOS 03/2014 PESQUISA DE PREÇOS 03/2014 Considerando a necessidade de aquisição de software integrado de gestão, para atender as necessidades desta Prefeitura Municipal de Porto Alegre, solicitamos que as empresas

Leia mais

Informe técnico: Proteção de dados Clientes e agentes do Veritas NetBackup 6.5 Plataforma do Veritas NetBackup - Proteção de dados de próxima geração

Informe técnico: Proteção de dados Clientes e agentes do Veritas NetBackup 6.5 Plataforma do Veritas NetBackup - Proteção de dados de próxima geração Plataforma do Veritas NetBackup - Proteção de dados de próxima geração Visão geral O Veritas NetBackup oferece um conjunto simples porém abrangente de clientes e agentes inovadores para otimizar o desempenho

Leia mais

DeltaV Logbooks. Benefícios. Introdução. Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas.

DeltaV Logbooks. Benefícios. Introdução. Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas. Sistema Digital de Controle Distribuido DeltaV Especificação do produto DeltaV Logbooks Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas. Melhore

Leia mais

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido.

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido. Respostas aos Questionamentos Nº Itens Pergunta Resposta 1 R T-1. 2. 4. 4; R T-1.3.2. 2; R T-1.3.3. 3; RT-2. 2.8; RT-5.7; RT-1.2.4. 3; RT-1. 3.2.1; RT-1. 3. 3. 2; R T- 2. 1. 2; R T-2. 2. 11; O sistema

Leia mais

1.1. REQUISITOS NÃO FUNCIONAIS & CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

1.1. REQUISITOS NÃO FUNCIONAIS & CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1. Anexo III - Requisitos Técnicos e de Segurança A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos nos itens deste anexo. Os requisitos não

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados Desenvolvimento de Aplicações Desenvolvimento de Aplicações Dificuldades no uso de Bancos de Dados Um leigo não sabe o que é e como funciona um BD Mesmo um profissional da área de informática pode ter

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A

Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A Índice ANTES DE VOCÊ COMEÇAR... 4 PRÉ-REQUISITOS... 4 SCREEN SHOTS... 4 A QUEM SE DESTINA ESTE MANUAL... 4 COMO UTILIZAR ESTE MANUAL... 4 Introdução... 5 INSTALANDO

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Título do Projeto Fortalecimento do Controle de Precursores Químicos

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Título do Projeto Fortalecimento do Controle de Precursores Químicos Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD TERMO DE REFERÊNCIA 1. Título do Projeto Fortalecimento do Controle de Precursores Químicos 2. Número do Projeto UNODC/AD/BRA/98/D33 3. Objetivo Contratação

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

O QUE É O ZIMBRA? CONFIGURAÇÃO, IMPLANTAÇÃO E SUPORTE

O QUE É O ZIMBRA? CONFIGURAÇÃO, IMPLANTAÇÃO E SUPORTE O QUE É O ZIMBRA? Zimbra é uma solução corporativa de e-mail, calendário e colaboração criado para a nuvem. Com uma interface web totalmente redesenhada, o Zimbra oferece, atualmente, a experiência com

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P06.002 Revisão v. 2014 Plataformas Web 2. PUBLICAÇÃO Recursos Tecnológicos Versão Data para adoção Publicação v. 2014 23 de dezembro de 2014 PORTARIA N Nº 225 de

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

Solução completa de gerenciamento online de embalagens

Solução completa de gerenciamento online de embalagens Solução completa de gerenciamento online de embalagens WebCenter O WebCenter é uma poderosa plataforma baseada na web para gerenciamento de embalagens que administra seu processo de negócios e aprova ciclos

Leia mais

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services Microsoft Corporation Publicação: 14 de março de 2005 Autor: Tim Elhajj Editor: Sean Bentley Resumo Este documento fornece instruções

Leia mais

Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP

Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP Parceria: Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. Parceria Union e Quest Software... 3 2. Foglight Gerenciando

Leia mais

PANORAMA. O Panorama fornece gerenciamento centralizado de políticas e dispositivos em uma rede de firewalls de próxima geração da Palo Alto Networks.

PANORAMA. O Panorama fornece gerenciamento centralizado de políticas e dispositivos em uma rede de firewalls de próxima geração da Palo Alto Networks. PANORAMA O Panorama fornece gerenciamento centralizado de políticas e dispositivos em uma rede de firewalls de próxima geração da Palo Alto Networks. Exiba um resumo gráfico dos aplicativos na rede, os

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

IBM Business Process Manager Versão 7 Release 5. Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft SharePoint

IBM Business Process Manager Versão 7 Release 5. Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft SharePoint IBM Business Process Manager Versão 7 Release 5 Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft SharePoint ii Instalando Manuais PDF e o Centro de Informações Os manuais

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços

Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços Visão Geral Desafio Solução Uma implementação SOA (Service Oriented Architecture) bem-sucedida

Leia mais

Documento de Visão do Projeto

Documento de Visão do Projeto Documento de Visão do Projeto 1. Objetivo O propósito deste documento é coletar, analisar e definir as necessidades de alto-nível e características do projeto de software do Módulo Editor de Estruturas

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Especificação do KAPP-PPCP

Especificação do KAPP-PPCP Especificação do KAPP-PPCP 1. ESTRUTURA DO SISTEMA... 4 1.1. Concepção... 4 2. FUNCIONALIDADE E MODO DE OPERAÇÃO... 5 3. TECNOLOGIA... 7 4. INTEGRAÇÃO E MIGRAÇÃO DE OUTROS SISTEMAS... 8 5. TELAS E RELATÓRIOS

Leia mais

A melhor ferramenta para criar e gerenciar Nota Fiscal Eletrônica

A melhor ferramenta para criar e gerenciar Nota Fiscal Eletrônica A melhor ferramenta para criar e gerenciar Nota Fiscal Eletrônica Gestor NFe Características Tecnologia Diferenciais Como Instalar e Licenciar Custos Contatos Características O objetivo do Gestor NFe é

Leia mais

Introdução ao. Linux do MEC

Introdução ao. Linux do MEC Introdução ao Linux do MEC Abril/2006 ÍNDICE Software Livre 3 Linux do MEC 4 Inicializando e finalizando o sistema 5 Área de trabalho 6 Operações com arquivos 7 Administração do ambiente 9 Navegador Internet

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais