CAPACITAÇÃO DIAGNÓSTICO 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPACITAÇÃO DIAGNÓSTICO 2015"

Transcrição

1 CAPACITAÇÃO DIAGNÓSTICO 2015 Projeto Conhecendo a Reaidade based on side docs tempate

2 ÍNDICE DE CONTEÚDO INTRO Pag Participantes Informações e Perguntas e expectativas estudo de para o Caso diagnóstico Combinados e próximos passos Pag Pág Faciitadores + Participantes + Expectativas Pág O diagnóstico em inhas gerais + Estudo de caso Pág Perguntas para Compiação das perguntas + Refexões + Combinados e próximos passos + Espaço virtua

3 25 ANOS DO ECA Com a promugação do Estatuto da Criança e do Adoescente (ECA), crianças e adoescentes são reconhecidos como sujeitos de direitos, em pecuiar condição de desenvovimento. Criado há 25 anos, o ECA foi um marco histórico na conquista de garantia de direitos das crianças e adoescentes no Brasi. O diagnóstico é um passo importante para a construção de ações que visem acançar os direitos preconizados no ECA. A partir dee, diversos avanços em poíticas púbicas nesta área foram possíveis, porém, ainda existem grandes desafios na consoidação do Sistema de Garantias de Direitos de Crianças e Adoescentes. LINK:FAN PAGE DO PROJETO

4 JUSTIFICATIVA Quando uma criança ou adoescente encontra-se em situação de vioação de direitos, configura-se uma grave situação de risco socia, que pode estar reacionada a um contexto famiiar permeado por inúmeras vunerabiidades, ferindo o direito à Proteção Integra desses indivíduos. Durante os útimos vinte anos temos presenciado a necessidade crescente de aperfeiçoamento das poíticas púbicas, essenciamente aqueas votadas à popuação infanti e adoescente, cuja demanda vem se tornando cada vez mais compexa, exigindo intervenções que abarquem não apenas souções imediatistas, mas as causas arraigadas no tecido socia, cerne de nossas probemáticas atuais. Poíticas de desenvovimento humano demandam esforços de todos: da gestão púbica, da sociedade civi e do setor privado. Este é o espírito que deve permear a promoção dos direitos de crianças e adoescentes. LINK:FAN PAGE DO PROJETO O sucesso de quaquer iniciativa depende de pontos fundamentais: o conhecimento da reaidade, a eaboração de panos bem construídos, o acance do púbico beneficiário, o controe e o monitoramento das ações, etc. Para tanto, todo processo necessita de cuidado e acompanhamento, evitando que, o que foi produzido não seja apenas mais um documento e na pior das hipóteses um documento desacreditado, sem bons resutados para o município. A efetivação dos direitos humanos se constrói no dia a dia da municipaidade e vai aos poucos, produzindo transformações sociais que mehoram a quaidade de vida da popuação. No caso dos direitos humanos de crianças e adoescentes, cabe ao Conseho Municipa dos Direitos de Crianças e Adoescentes a tarefa de coordenar o panejamento e o controe dessa poítica e, para fazêo, necessita produzir um bom diagnóstico da situação da criança e do adoescente de seu município.

5 PROJETO CONHECENDO A REALIDADE O CMDCA de Birigui, ciente de suas responsabiidades como instância deiberativa e controadora das poíticas púbicas votadas à garantia dos direitos da criança e do adoescente no município, eaborou um projeto para captação de recursos para a reaização de um diagnóstico que possibiite a eaboração de um pano vincuado as reais necessidades do município. O Projeto Conhecendo a Reaidade foi contempado pea CPFL Energia e prevê a eaboração do diagnóstico de vioações de direitos envovendo crianças e adoescentes de nosso município. Este projeto irá reaizar de forma participativa o evantamento das necessidades de atenção as crianças e adoescentes no âmbito da educação, saúde, sociocutura, entre outras poíticas púbicas adjacentes, reaizando um diagnóstico da situação atua e, assim, orientar as ações estratégicas transformadoras da reaidade por meio de ações educativas. LINK:FAN PAGE DO PROJETO

6 ASSESSORIA DA ORION PARA A COMISSÃO DE DIAGNÓSTICO O CMDCA contratou a assessoria da Orion Souções em Gestão da cidade de Birigui - SP para auxiiar na definição de estratégias para eaboração do diagnóstico e articuação da comissão que reaizará o processo. O principa desafio do projeto é construir de forma participativa, em um período 6 meses, um diagnóstico que seja quente e que se mantenha vivo. Quente pea a participação ativa de todos os atores do SGDCA - Sistema de Garantias dos Direitos da Criança e do Adoescente e Vivo no sentido do disgnóstico poder continuar atuaizado atuaizado mesmo após o término deste projeto. Será essencia neste processo a definição de prioridades para que o prazo seja cumprido com o níve de exceência que toda a rede do SGDCA espera. O diagnóstico é um instrumento de educação com uma ação poítica e pedagógica em toda a rede de proteção. No fina do processo as pessoas precisarão se reconhecer no diagnóstico para que ee se efetive e vire agenda tanto dos consehos da criança como da poítica do município. LINK:FAN PAGE DO PROJETO

7 ROTEIRO PARA REFLEXÃO ANTES DA CAPACITAÇÃO 1) Como participante da comissão de disgnóstico como posso inserir as tarefas da comissão em minha rotina de trabaho? O que preciso pactuar com a minha chefia para que possa assumir ou não eventuais atribuições? 2) Como premissa básica o diagnóstico será construído de forma participativa. O que é ser participativo? 3) Em que medida os direitos estão sendo vioados ou garantidos no município? 4) Quais as capacidades e fragiidades do SGDCA Sistema de Garantias e dos Direitos da Criança e do Adoescente no município? Traga para a reunião quaquer informação que nos ajude a conhecer mais sobre a reaidade de Birigui com reação a situação das crianças e adoescentes. 5) Como fortaecer as reações do SGDCA? Como manter o diaogo aberto e constante na rede de proteção? 6) Que informações eu já possuo que contribuem com este diagnóstico e que outras informações eu gostaria de obter? 7) Quais as dificudades que teremos neste processo? 8) Com que parceiros e aiados podemos contar? 9) Como garantir que o diagnóstico seja reconhecido e egitimado pea comunidade? 10) Como manter o diagnóstico vivo e atuaizado, mesmo após o projeto? A capacitação será reaizada no dia 28/10, quarta-feira, das 9h as 17h30m com intervao para amoço, na saa de capacitação do Sinbi Sindicato das Indústrias do Caçado e Vestuário de Birigui, na rua Roberto Cark, 460, Centro.

8 Participantes e expectativas +Faciitadores +Participantes + Expectativas 01

9 + Faciitadores 01

10 Giany Povoa Há 20 anos atua junto às Poíticas Púbicas votadas à área socia, dentre eas: Sistema de Garantia de Direitos Humanos de Crianças e Adoescentes, Juventude, Sistema Único de Assistência Socia, Economia Soidária, Participação Popuar e Governança. Assessora em Gestão Púbica e Desenvovimento Socia, Psicóoga, Mestranda em Estado em Gestão Púbica pea Fundação Perseu Abramo, Especiaista em Gestão Estratégica para Governantes pea UNICAMP, Especiaista em Psicanáise peo Instituto Sedes Sapientiae\Triep. Foi Secretária de Desenvovimento Socia na Prefeitura do Município de Várzea Pauista. Assessora governos, fundações e institutos. Mora atuamente em Jundiaí SP.

11 Antonio Luiz Empreendedor socia, faciitador e educador com mais de 20 anos de experiência em consutoria e desenvovimento de organizações, grupos e pessoas. Associado do Instituto Fonte de São Pauo, feow da Ashoka Empreendedores Sociais (1988) e mestre pea Administração de Empresas pea FEA/USP (2001). Autor do ivro Utiizando o Panejamento como Ferramenta de Aprendizagem, editado pea Editora Goba em 2000 ( SILVA, A.L.P. 2000), e de outros artigos igados a gestão e desenvovimento. Já trabahou com diversos tipos de organizações, como: CEARAH Periferia, Escoa de Gente, Fundação Vae, GIFE, Instituto C&A, Instituto Sadia, Liga Soidária, Museu da Pessoa, Oxfam GB, WWF Brasi, entre outros. Mora atuamente na cidade de Bauru SP.

12 + Participantes 01

13 PARTICIPANTES DA CAPACITAÇÃO Licia Figaro CMDCA, APAC, CEMADI Maria Regina Ave Cristo Andressa Bigatão CMDCA, Casa Abrigo Rosei Rodrigues CREAS Livia Bottura CREAS Veridiana Matiazzo Depto. Jurídico Jean Rambadi CMDCA e Sec. Esportes Michee Norberto CMDCA Bruna Cristovam Bombeiro Mirim Ana Céia APAC Regina Doná Orion Sivia Poize CEMADI Ivanete Possani CMDCA, APAE Antonio Luiz Orion Miene Souza CT Daiane Vargas Orgão Gestor e CMAS Aessandra Jordão Poícia Mirim Mariany Barbosa IPIS Eiane Andrade Pró-Criança Marciene Souza CREAS Rafae Tegon CT Andressa Caretta CMDCA Patrícia Guerreiro CMDCA Marie Oiveira Pró-Criança Ricardo Azevedo Orion Thiago Facão Orion Giany Povoa Orion

14 + Expectativas 01

15 TROCA DE INFORMAÇÕES E EXPECTATIVAS Andressa 1o. Diagnóstico em 2010 e 2012 Processo angustiante, processo de icitação / Saída Regina. / CMDCA sobrecarregado. Já tem dados de Lícia Contato com a rede desde Acúmuo de trabaho das pessoas da comissão. CMDCA com pouca incidência junto as poíticas púbicas. Regina Conseho num casuo, tabuação de dados sem eitura dos mesmos. Exp. apresentar deficiência e montar pano de ação. Marie Vê o CMDCA se fortaecendo. Diferentes interesses entre o púbico e o privado. Entregar ago incríve. Esperam reconhecimento e autonomia. Unificar a rede. Jean Se tivermos bom banco de dados, Livia Caminhar para frente, essencia o envover mais as pessoas, impressão de víncuo com a promotoria. que estamos derrotados. Dificudade no diáogo com judiciário, promotoria, 3o. Marciene Concuir passo à passo. Setor, Prefeitura. Maria Regina Vencer entraves, faciitar Andressa Dificudade com a peça reacionamento entre as entidades. orçamentária, recursos utiizados em outras áreas. O orçamento executivo x Sivia Todo o trabaho precisa ser financeiro é um ponto de atenção. Pano vaidado, pessoas comprometidas. de apicação compatíve com pano de ação / importância de ohar para o Mariany Concuir o diagnóstico com orçamento. foco e juntos no mesmo objetivo. Miene Conseho Tutear tem a percepção da reaidade. A cada 6 meses encaminha dados para o CMDCA. As votas com impementação do SIPIA. Ampiação do diáogo com a Rede. Resutado fina irá organizar as informações e ampiar a capacidade de pressão socia. Michee Conseho forte, ativo, dados tabuados, referência para atuação. Rafae Trocar a roda do carro andando. CMDCA e CT trabahando mehor. Ivanete Caminhar com mais agiidade. Eiane Referência para o dia a dia Bruna Caminhar no objetivo Ana Dificudade com o prazo, muitas tarefas, mudança de conseheiros, poucas pessoas envovidas. Veridiana Angústia com a morosidade do processo, ficaram perdidos. Prefeitura é imitada, está sujeita a regras, Daiane Suma caminhar com ee. Aessandra Trabahar conseguir resutado. importância, com foco,

16 Informações e estudo de caso + O diagnóstico em inhas gerais + O diagnóstico enquanto ação poítica e pedagógica + Redes e o SGDCA + O ECA para definição de prioridades + Estudo de caso 02

17 + O diagnóstico em inhas gerais 02

18 A PRIMAZIA DO CMDCA - A centraidade do município - Criação e execução da poítica oca de proteção integra - Gestão democrática e participativa - Pape gestor, atribuído peo ECA - Panejamento e controe: natureza deiberativa - Integração do SGDCA - Diagnóstico como ponto de partida

19 DIAGNÓSTICO ENQUANTO AÇÃO POLÍTICA E PEDAGÓGICA - A eaboração do diagnóstico está estritamente reacionada à função de panejamento - Permite a interação com entes ocais - Propicia a refexão coetiva ao anaisar o cenário oca e ao propor ações - Diagnóstico anaisa probemas e deficiências, mas também identifica recursos e potenciaidades - Anaisa e considera características territoriais - Permite a organização da agenda de atuação do CMDCA - Instrumentaiza o CMDCA para propor e participar da formuação de poíticas púbicas

20 REDES E O SGDCA - Artigo 86 do ECA - Resoução 113, 2006 CONANDA - SGDCA, vem incuída a ideia de rede - Atuação na proteção integra que incui: - Defesa de direitos - Promoção de direitos - Controe e efetivação dos direitos - Articuação dos subsistemas de operacionaização das poíticas púbicas nas áreas de educação, saúde, assistência socia, trabaho, segurança púbica, etc - Participação coaborativa da rede

21 O ECA PARA DEFINIÇÃO DE PRIORIDADES DO DIAGNÓSTICO O ECA e os direitos fundamentais de crianças e adoescentes: 1. Direito à vida, à saúde e a aimentação. 3. Direito à convivência famiiar e comunitária. 2. Direito à iberdade, ao respeito e à dignidade. 4. Direito à educação, à cutura e ao azer. 5. Direito à profissionaização e a proteção no trabaho.

22 O TEMPO COMO ELEMENTO FUNDAMENTAL - O tempo é o seu mehor amigo - O importante e o reevante - Diagnóstico como atividade contínua - Definição de metas, distribuídas no tempo - Execução e financiamento

23 + Estudo de Caso 02

24 ESTUDO DE CASO VÁRZEA PAULISTA - Emancipada em 21 de março de 1965 média de 5000 habitantes habitantes IBGE 2010

25 ESTUDO DE CASO VÁRZEA PAULISTA - 36 km² - sendo mais de 5 km ² de área de preservação e proteção ambienta. - Basicamente casses C e D - IDH 0,795 - Densidade demográfica hab\km² (2003) - Estação de tratamento de esgoto inaugurada em 2013 (92% esgoto tratado)

26 DESAFIOS DE 2010 EMANCIPAÇÃO Diversific ar ofertas Proporcion ar novas possibiidad es Democrati zar o acesso aos serviços

27 INDICADORES Eas, as Muheres 50,4% da popuação do município A juventude de várzea pauista 21% deas são chefes de famíia Mais de 80% trabaham como empregadas assaariadas, com saários em média 30% mais baixos que os dos homens. Nas regiões oeste e norte da cidade 12% das trabahadoras são empregadas domésticas. Visão pessimista da cidade Não veem oportunidades de crescimento e desenvovimento Sonham em morar em outro ugar Baixa participação na poítica municipa em 47 anos a cidade contou apenas com uma vereadora eeita e duas supentes. Pesquisa: O que é ser jovem em Várzea Pauista? 27,5% tem até 29 anos Não querem ser reconhecidos como o menino do CRAS ou a menina do Bosa Famíia que vai no programa socia 59% das vítimas de vioência são do sexo feminino.

28 RECUSOS FINANCEIROS Vaores recebidos por território dos programas de transferência de renda/2011 CRAS Centra Bosa Famíia BPC Renda Cidadã Ação Jovem Tota do Território Tota do Município Cras Norte Cras Oeste , , , , , , , , , , , , , , , ,00

29 ECONOMIA SOLIDÁRIA COMO EIXO DA INCLUSÃO PRODUTIVA - Levantamento dos potenciais produtivos e de consumo no território, parceria com o OP - Descentraização da equipe da ecoso, através do articuador em economia soidária, nos equipamentos e territórios - Atividades Socioeconômicas votadas à Educação Financeira - Criação de empreendimentos coetivos auto gestionários fomentados pea prefeitura: artesanato, aimentação e estética - Fomento às ações de microcrédito - Banco Comunitário (Banco Orquídea moeda Progresso)

30 Perguntas para o diagnóstico + Para quem? + O quê? Perguntas + Como? O que ohar? O que já temos? + Quais combinados devemos manter? +Compiação das perguntas 03

31 + Perguntas para

32 PERGUNTAS PARA O DIAGNÓSTICO 2015 Para quem? Crianças Adoescentes Comunidade, município, rede / SGDCA Consehos DCA Poder Executivo, Legisativo. Judiciário Conseho Tutear Entidades do 3o. Setor Sociais, Assistenciais ] Poícia Cubes de Serviço Empresas?

33 PERGUNTAS PARA O DIAGNÓSTICO 2015 O quê? Como? O que já temos? Quais combinados devemos manter? Divisão em 3 grupos com base nas pergunta principais definirem quais perguntas querem ver respondidas peo diagnóstico da criança e do adoescente de 2015.

34 PERGUNTAS PARA O DIAGNÓSTICO 2015 O quê? Como? O que já temos? Quais combinados devemos manter?

35 + Compiação das perguntas 03

36 COMPILAÇÃO DAS PERGUNTAS SOBRE O DIAGNÓSTICO O quê? Como? O que já temos? Quais combinados devemos manter? Saúde Rede de Proteção / SGDCA - No. de gestantes que reaizam Pré-nata? Gestação precoce / no. de pré-nata reaizados e não reaizados UBS - Crianças / Adoescentes em descumprimento c/ as vacinas obrigatórias e esporádicas UBS - Como estão os indicadores de saúde: nutriciona, vacinação, notificações? - Número de crianças e adoescentes infectados por DST / AIDS? Vigiância Epidemioógica - Ações Preventivas e Quantidade de Crianças / Adoescentes c/ Diabetes precoce e doenças decorrentes da obesidade ou não (hipertensão / trigicérides / coestero) UBS - Há serviço de saúde para adoescentes? - Quais os equipamentos existentes em cada território? - Qua a defasagem de serviços que o município enfrenta desde a 1a. Infância? - Quais as potenciaidades e fragiidades do SGDCA? Características da Popuação - Qua o perfi das crianças e adoescentes em nosso município (idade, gênero, serviços em que está inserido, necessidades especiais, composição famiiar? - Quantidade de Crianças / - Adoescentes por Bairros? IBGE, 3o. Setor, Cad. Único Vioações de Direito - Quais os indicadores do Conseho Tutear? CT - Há exporação sexua de crianças e adoescentes? - Qua o índice de ocorrência de ato Infraciona? - Quais as principais vioações de direitos? Educação - Demanda reprimida em creches? Sec. Munic. Educação - Evasão escoar no Ensino Fundamenta I, II e Médio Sec. Educação Munic. e Estadua Protagonismo - Abertura para participação de Crianças e Adoescentes Trabaho e Renda - No. de Crianças e Adoescentes em situação de trabaho infanti? CREAS / CadÚnico / Cons. Tutear - Há serviços que atendam ao direito de profissionaização e trabaho adoescentes? São suficientes? Pergunta eaborada todos os grupos Pergunta eaborada por 2 grupos

37 Concusões e próximos passos +Refexões +Combinados e próximos passos +Espaço virtua 04

38 + Refexões 04 38

39 REFLEXÕES Muitas Refexões... Por quê existe evasão? Impressão de que já estamos derrotados. Precisamos ohar aém do dado. Os dados não batem! A rede deve criar um ritmo e se aguém sair do ritmo devemos ajudar A rede está se fortaecendo! O diagnóstico define a agenda do CMDCA e deve virar agenda poítica. Não podemos trabahar em cima de imitações. O diagnóstico ajuda a definir o uso do fundo. A reaidade é esta porque as pessoas querem que seja assim, Precisamos caminhar com mais agiidade. Estamos aqui pea causa! Desejo de reaizar. Me sinto angustiada! Desperta uma inquietação. Quer saber o que acontece? Vá ao CT Precisamos envover o egisativo e cobrar o judiciário. O orçamento não é rea.

40 É com dor no coração que digo isto: agumas dessas crianças que evadiram da escoa nós já perdemos! Nosso trabaho agora é proteger as demais crianças e garantir que as que virão também estejam protegidas. Giany Povoa Faciitadora da equipe da Orion no Processo de Diagnóstico

41 + Combinados e próximos passos 04 41

42 COMBINADOS Quais combinados devemos manter? Somente um grupo descreveu os combinados.

43 COMBINADOS E PRÓXIMOS PASSOS Considerar a trajetória que já foi construída Anaisar materiais prontos Organizar as informações Construção da inha do tempo Como éramos há 10 anos? Como éramos há 5 anos? E hoje? Não é tudo que entrará na agenda Definir prioridades Diagnóstico será instrumento de mobiização e sensibiização Encontro com a comissão para definição do processo. 20/11/2015

44 + Espaço virtua 04 44

45 Facebook: https://www.facebook.com/diagnosticocriancabirigui/

46 Obrigado! Continue conectado(a)

47 CONTATO Se você quiser entrar na Fan Page do Projeto de Diagnóstico: Facebook: https://www.facebook.com/diagnosticocriancabirigui/ Se você quiser contatar a Orion: Se você quiser faar com o Ricardo: +55 (18) Facebook: Orion Souções em Gestão LinkedIn: Orion Souções em Gestão Ltda - EPP Facebook: https://www.faceboo k.com/ricardo.azeve do.9216 LinkedIn: https://br.inkedin.co m/in/ricardoaz

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence)

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence) Rua Eucides da Cunha, 377 Centro de Osasco 0800 771 77 44 www.fipen.edu.br Centra de Informações Gestão Estratégica de Pessoas Gestão da Produção e Logística Gestão do Comércio e Negócios Gestão de Serviços

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Política do grupo para HIV/AIDS

Política do grupo para HIV/AIDS Poítica do grupo para HIV/AIDS A Ango American pc reconhece a tragédia humana causada pea epidemia de HIV/AIDS, particuarmente na África sub-saariana. Estamos preocupados com a gravidade e as impicações

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA SOCIAL SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE DIRETORIA DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Centra de Apoio e Acompanhamento

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Ms. Waleska Ramalho Ribeiro - UFPB A concepção republicana do SUAS requer

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Coaching, treinamentos e palestras

Coaching, treinamentos e palestras Coaching, treinamentos e paestras Somos Couto Nós acreditamos que o potencia humano é o fator determinante do sucesso nas organizações e na sociedade. Dessa forma, nossa missão e visão nos inspiram em

Leia mais

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN CONCURSO DE DESIGN A Fábrica do Empresário é um projeto promovido pea Associação de Desenvovimento Empresaria da Benedita ADEB, que pretende assumirse como a oportunidade de promover o tecido empresaria

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado Cadernos MARE da Reforma do Estado A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado MARE

Leia mais

sumário AUDITORIA VOLUNTÁRIA O verbo é coletivizar 27 Visão, Missão, Crenças e Valores 03 Onde estamos 28

sumário AUDITORIA VOLUNTÁRIA O verbo é coletivizar 27 Visão, Missão, Crenças e Valores 03 Onde estamos 28 reatório anua 2010 sumário PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO Visão, Missão, Crenças e Vaores 03 Mensagem do Presidente do Conseho Deiberativo (Vountário) 04 Mensagem da Presidente (Vountária) 05 Disseminar a cutura

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 2/213 A Presidente do Conseho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, consoante o deiberado na 99ª Reunião Ordinária, reaizada no dia 1 de dezembro

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

MANUAL ORIENTADOR. Orientações aos Conselhos de Assistência Social sobre. O Relatório de Execução Orçamentária e Financeira

MANUAL ORIENTADOR. Orientações aos Conselhos de Assistência Social sobre. O Relatório de Execução Orçamentária e Financeira MANUAL ORIENTADOR Orientações aos Consehos de Assistência Socia sobre O Reatório de Execução Orçamentária e Financeira dos Fundos de Assistência Socia COMPOSIÇÃO CNAS - GESTÃO 212/214 PRESIDENTE: Luziee

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas Objetivos: Traduzem os resultados que se pretende atingir com a execução

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas.

O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas. Página1 Curso de extensão universitária: O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas. Apresentação: Em 2015, comemorando 25 anos do ECA,

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS.

REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS. REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS. OFICINA 2 Ofertas da Assistência Social: Serviços por níveis de proteção básica e especial de média

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 2

CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 2 CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 2 Nome de urna: Elda Clavé Número: 2413 - Exerceu o cargo de Conselheira Tutelar Substituta; - Membro da Rede de Leitura para Crianças em Bibliotecas Comunitárias; - Serviço

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS

GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS I. PERFIL DO/A INTERLOCUTOR/A DESIGNADO PELA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO 1.Nome 2.

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293 CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA INFORMAÇÕES: www.viaveha.es.gov.br Te: 3149-7293 Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação Habite-se A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

estender-se para outras áreas, tais como a assistência social, cultura, esporte e lazer, consolidando a participação e o protagonismo local.

estender-se para outras áreas, tais como a assistência social, cultura, esporte e lazer, consolidando a participação e o protagonismo local. Tudo o que acontece no mundo, seja no meu país, na minha cidade ou no meu bairro, acontece comigo. Então, eu preciso participar das decisões que interferem na minha vida. Herbert Souza, Betinho O lugar

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

PENSE NISSO: Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um é capaz de começar agora e fazer um novo fim.

PENSE NISSO: Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um é capaz de começar agora e fazer um novo fim. Abril 2013 Se liga aí, se liga lá, se liga então! Se legalize nessa c o m u n i c a ç ã o. Se liga aí, se liga lá, se liga então! Se legalize a liberdade de expressão! Se Liga aí - Gabriel Pensador PENSE

Leia mais

Competências de Professores: um Fator Competitivo Darcy Mitiko Mori Hanashiro Doutora em Administração pea FEA-USP; Mestre em Administração pea Universidade Federa do Rio Grande do Su; Professora do Programa

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Propostas Educação Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José

Leia mais

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social - CRAS Unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual

Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual Desde 2008, o Conselho Nacional do SESI, em parceria com o empresariado, promove a inserção desse público

Leia mais

Parceiros estratégicos

Parceiros estratégicos PROJETO Parceiros estratégicos Danie Ravioo - Júio Lira - Karina Mota ENSINANDO E APRENDENDO COM O JORNAL ESCOLAR REDE JORNAL ESCOLA 2006 Redação: Danie Ravioo, Júio Lira e Karina Mota Capa e Editoração

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

A comunidade promovendo o DL

A comunidade promovendo o DL A comunidade promovendo o DL O que eu faço que contribui com o desenvolvimento de meu município? Vamos entender melhor a importância do local! Políticas Macro Econômicas As políticas macro econômicas são

Leia mais

GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista

GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista CRAS- CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSITÊNCIA SOCIAL Março, 2012 I-IDENTIFICAÇÃO: Nome Projeto:

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Mídia e representação da Violência: Análise quantitativa de notícias de agressões homofóbicas nas mídias hegemônica e LGBT

Mídia e representação da Violência: Análise quantitativa de notícias de agressões homofóbicas nas mídias hegemônica e LGBT Mídia e representação da Vioência: Anáise quantitativa de notícias de agressões homofóbicas nas mídias hegemônica e LGBT João Fiipe Cruz, graduando do terceiro ano de Ciências Sociais, Universidade de

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

Coordenação Técnica. Iniciativa

Coordenação Técnica. Iniciativa Coordenação Técnica Iniciativa Características do programa Conjunto de ações de formação para jovens entre 16 a 21 anos moradores das periferias das grandes metrópoles. Objetivos compartilhados Coordenação

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Elementos de uma Proposta REDE? SISTEMA? Beneficiários do Bolsa Família não conseguem financiamento para iniciar atividades produtivas Os Fundos Solidários

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Elaboração de Projetos FECOP 2014. Everton Cabral Maciel everton.maciel@seplag.ce.gov.br

Elaboração de Projetos FECOP 2014. Everton Cabral Maciel everton.maciel@seplag.ce.gov.br Elaboração de Projetos FECOP 2014 Everton Cabral Maciel everton.maciel@seplag.ce.gov.br O que vamos fazer? Pensar em Projetos Organizar o pensamento Conectar com a realidade e a legislação Estruturar projeto

Leia mais

Juventude com Arte, Saúde e Cidadania Autores: Ellen da Silva Mourão; Giovanna Grasiane de Sousa; Preceptora de Serviço: Maria Regina de Paula Fagundes Netto; Preceptora Acadêmica: Lêda Maria Leal de Oliveira.

Leia mais

Roda de Conversa 30/06/2015

Roda de Conversa 30/06/2015 Aconteceu em Uberaba, na Associação de Bairro São Benedito, no dia 30/06/2015 a décima nona edição da Roda de Conversa. O Evento teve a participação de aproximadamente 50 profissionais de diversos órgãos

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação TEMA: CREAS: SERVIÇOS OFERTADOS, INTERSETORIALIDADE,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

Políticas Públicas no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude

Políticas Públicas no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude Políticas Públicas no Brasil Secretaria Nacional de Juventude Prioridades 2012 PPJ como política de Estado Articulação Intersetorial (Comitê, Avaliação do Projovem) Marcos Legais Estatuto da Juventude

Leia mais

Os aplicativos e sua utilização

Os aplicativos e sua utilização Os apicativos e sua utiização Baixando, Instaando e usando o Avast A B C D Os Apicativos Tipos de Apicativos Baixando e Instaando Usando o apicativo Tipos de Apicativos/Programas Os apicativos são programas

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor Missão Promover e realizar ações que contribuam para a melhoria da qualidade da educação pública e que fomentem o desenvolvimento social de comunidades de baixa renda. Visão Ser referência como fundação

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode?

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode? A UA UL LA Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Quaquer mistura de gás de cozinha e ar expode? Oxigênio presente na atmosfera está próximo do imite máximo de segurança O que você vai aprender Por que combustíveis

Leia mais