REGIMENTO INTERNO DA FEDERAÇÃO UNICAFES PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO DA FEDERAÇÃO UNICAFES PARANÁ"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO DA FEDERAÇÃO UNICAFES PARANÁ DIRETRIZES DO COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO O Cooperativo Solidário se constitui para promoção do desenvolvimento social e econômico da Agricultura Familiar e Economia Solidária, fundamentando-se num conjunto de diretrizes geradoras de ambiente adequado para consolidação das cooperativas, as quais devem nortear as ações desenvolvidas pelas cooperativas e centrais filiadas a Federação de Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária do Estado do Paraná - Federação Unicafes Paraná: I- Organização social: Estimular o crescimento e fortalecimento do cooperativismo por meio do investimento social, econômico, cultural e ambiental, pautados no desenvolvimento do ser humano. Utilizando-se de processos permanentes e complementares de educação cooperativa, atendendo 100% dos dirigentes, funcionários e colaboradores, e abrangendo no mínimo 15% do quadro social. II- Controle Social e Autogestão: Fortalecer os espaços de participação na cooperativa, oferecendo condições para que o quadro social exerça o poder de autogestão nos espaços políticos, administrativos, estratégicos, operacionais e cargos estatutários das cooperativas, centrais e Federação Unicafes Paraná. Valorizando de maneira diferenciada nos processos eletivos, lideranças que vivenciam a Agricultura Familiar; Fortalecendo práticas de transparência cooperativa nas diversas instâncias organizativas do cooperativismo, garantindo exercício de valores éticos e democráticos. III- Desenvolvimento local sustentável: Promover desenvolvimento local sustentável com estratégias de fortalecimento do cooperativismo da agricultura familiar e economia solidária estimulando a dinâmica da horizontalização; fortalecendo mecanismos permanentes de combate á desigualdade social, estabelecendo relações de parceria com os poderes públicos e privados. IV- Organização em Rede: Fortalecer a organização local com estratégias para articulação em rede, constituindo normativas democráticas de aceso ao conhecimento em práticas sociais, culturais, econômicas e políticas, com definições e execução de diretrizes e serviços a serem implantados, para agregação de valor e fortalecimento das iniciativas locais. V- Valorização das relações de gênero, geração e etnia: Valorizar relações inclusivas as relações de gênero e geração com foco na inclusão cooperativa de mulheres, jovens e idosos, aprofundado formas de interação e respeito ás diversidades étnicas. VI- Sustentabilidade econômica, social e ambiental: Promover desenvolvimento econômico, amparado pelo respeito à diversidade social e ambiental. Estimular as cooperativas, centrais e associados e construir o desenvolvimento da agricultura familiar, com fundamentos sólidos na busca pela sustentabilidade com respeito e preservação meio ambiente, priorizando processos produtivos diversificados e agroecológicos.

2 VII- Relações organizacionais do cooperativismo: Desenvolver estratégias para fortalecimento dos diversos segmentos do cooperativismo da Agricultura Familiar e Economia Solidária, pautando-se pela relação de respeito á organicidade entre as singulares, centrais e Federação. Garantindo a governança, identidade e autonomia cooperativa, não incorrendo em desrespeito aos princípios cooperativos e normatizações definidas democraticamente nos sistemas cooperativos. VIII- Organização e interação cooperativa: Desenvolver ações para organização e fortalecimento cooperativo de sistemas produtivos importantes para fortalecimento da Agricultura Familiar. Buscar permanente interação entre as organizações cooperativas dos diferentes segmentos, como foco no desenvolvimento de ações conjuntas e complementares nas áreas de produção, comercialização, trabalho, crédito, acompanhamento técnico e outras, promovendo constante intercooperação entre os associados, cooperativas singulares, centrais e Federação. IX- Inclusão e interação Solidária: Implantar mecanismos de inclusão social como diretriz de ação permanente das cooperativas para promoção do desenvolvimento econômico e social, articulando relações entre a família, comunidade e cooperativa, fortalecendo práticas de solidariedade, prezando por ações de cooperação no campo social, cultural, político e econômico. X- Público associado: Atuar com a agricultura familiar e economia solidária. DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA FEDERAÇÃO Art. 1 Para o cumprimento do conjunto de diretrizes e princípios previstos no Estatuto Social e demais documentos da entidade fica estabelecido o regimento interno como instrumento complementar na organização e funcionamento das atividades aplicáveis ao conjunto de associadas vinculadas a Federação Unicafes Paraná. Art. 2 São instâncias deliberativas e executivas da Federação Unicafes Paraná: I - Assembléia Geral; II - Conselho Administrativo; III Diretoria; IV - Conselho Fiscal; Parágrafo primeiro: As instâncias deliberativas são a Assembléia Geral e Conselho Administrativo. Parágrafo segundo: As outras instâncias são executivas e fiscalizatória. Da Assembleia Art. 3º A Assembléia será coordenada pelo Presidente, ou por alguém indicado pelo mesmo. Art. 4º Os trabalhos nas Assembléias obedecerão à ordem: I - Aprovação e discussão da Pauta do dia em conformidade com o artigo 15 do Estatuto Social; II E demais situações que a Federação entender necessária.

3 Parágrafo Primeiro: As decisões serão tomadas pela maioria simples, exceto para os casos em que haja previsão diversa no Estatuto; Parágrafo Segundo: Poderão ocorrer votações simbólicas ou nominais, abertas ou secretas, a critério da Assembleia. Art. 5º Para o exercício de suas competências estatutárias e regimentais, a Assembléia poderá: I - Requisitar informações de quaisquer associadas; II - Determinar a continuidade, suspensão ou conclusão de estudos e atividades de interesse; III - Analisar recursos e pedidos de reconsideração. IV - Peticionar aos órgãos públicos ou privados. Do Conselho Administrativo Art. 6º O Conselho Administrativo será composto por lideranças dos diversos ramos cooperativos, proporcional ao número de cooperativas associadas em conformidade com o Art. 30 do Estatuto Social. Parágrafo Primeiro: Para que um segmento/ramo cooperativo tenha direito a representação na Federação Unicafes Paraná, necessita ter no mínimo cinco cooperativas filiadas organizadas em uma central de representação a nível Estadual; Parágrafo Segundo: Para que um Comitê Regional do Cooperativismo tenha direito a representação na Federação Unicafes Paraná, necessita ter no mínimo três ramos articulados com participação permanente em ação acordada para realização interativa. Estas ações necessitam ser formalizadas junto ao Conselho Administrativo, para aprovação do Comitê em Assembléia Geral; Do Conselho Fiscal Art. 7º O Conselho fiscal reunir-se-á ordinariamente ou extraordinariamente, conforme determinações do estatuto, bem como suas atividades deverão ser registradas em livro próprio. Da Diretoria Art. 8º A Diretoria reunir-se-á ordinariamente ou extraordinariamente, conforme determinações do estatuto ou a cada 15 dias, bem como suas atividades deverão ser registradas em livro próprio. Parágrafo Primeiro: A Diretoria será composta por lideranças que tenham representativamente em de acordo com regiões do estado. Do processo eleitoral Art. 9 A Eleição dos conselheiros serão convocada pelo Presidente ou seu substituto legal, nos termos do Estatuto, antes do término do mandato; Art. 10 Para aprofundamento das linhas e diretrizes orientadoras, serão realizadas Pré- Assembléias nas diversas microrregiões do Estado.

4 Art. 11 Caberá aos segmentos, secretarias e comitês regionais do cooperativismo, a indicação de candidatos para composição do Conselho Administrativo da Federação Unicafes-Pr. Parágrafo Primeiro: Os nomes indicados deverão passar pela aprovação das microrregiões de origem, com posterior aceitação dos comitês, centrais cooperativas e secretarias, respeitando o número de representantes por ramo associado e por região de abrangência. Art. 12 Concluída a apuração ou processo de votação, a critério da Assembléia poderá dar posse à nova Diretoria. DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS FILIADAS Das filiadas Competência das centrais e singulares Art. 13 As filiadas, além de se submeterem a este regimento interno deverão ter ciência de seus direitos e deveres conforme Estatuto Social da Federação. Art. 14 Poderão ingressar na Federação Unicafes Paraná, salvo impossibilidade técnica, todas aquelas que tenham vivência e disposição em levar adiante os princípios, diretrizes, finalidades, objetivos cooperativos da entidade e que respondam às seguintes condições: I - Não ter interesses contrários aos da Federação, nem pertencer à outra de fins idênticos; II - Atender todos os requisitos de documentações internos da Federação conforme o Estatuto; III - Cumprir todas as exigências do Estatuto, assumindo direitos e obrigações decorrentes da lei deste instrumento e das liberações tomadas pela Federação. IV - Comprometer-se a enviar documentos contábeis, relatórios anuais e outros documentos solicitados, assumindo padrões de gestão com utilização de métodos transparentes; V Comprometer-se a realizar reuniões do conselho bimestrais, com auditoria anual dos procedimentos administrativos. VI - Fortalecer a gestão participativa e o envolvimento com quadro social, realizando no mínimo Pré-Assembléias anuais, e, preservando a Governança com dirigentes vinculados ao quadro social da cooperativa, preferencialmente residentes na área rural. Parágrafo único: O Conselho de administração poderá rejeitar a proposta de admissão das associadas se entenderem o contrário aos interesses da mesma; Parágrafo segundo: A responsabilidade de prestar serviços para as cooperativas singulares é da cooperativa Central com apoio da Federação. Parágrafo terceiro: Quando houver cooperativas solteiras que não estão ligadas a uma cooperativa central, a responsabilidade de prestar serviços é da Federação, num determinado período até cooperativa singular se integrar numa cooperativa central; Art. 15 Caberá a Federação Unicafes Paraná articular a organização de novos segmentos/ramos, porém ficará sobre responsabilidade dos ramos cooperativos já existentes a Unicafes-pr o encaminhamento de filiação de novas cooperativas por estas constituídas.

5 COMPETÊNCIA DAS CENTRAIS Art. 16 O principal papel das centrais cooperativas filiadas a Federação é o fortalecimento das cooperativas de base, com destaque para a representação; realização de serviços ás cooperativas e promoção do desenvolvimento com interação entre os segmentos cooperativos. Parágrafo Primeiro: Em casos de dificuldade de interação entre Central e Cooperativas singulares, filiadas a Federação, serão realizados processos de análise junto ao Conselho Administrativo para definição de ações cabíveis a cada situação. Art. 17 As Centrais filiadas são responsáveis pelo desenvolvimento de ações que promovam o aperfeiçoamento da gestão, com processos educativos no campo social, cultural, político e financeiro, garantindo a governança participativa conforme diretrizes institucionais da Federação. Art. 18 Mediante análise de situações que firam os princípios e diretrizes organizacionais contido no regimento, a Federação Unicafes Paraná poderá desenvolver processos de reorganização estrutural e funcional das centrais, a qual será aprovada junto ao Conselho Administrativo e futuros comitês do cooperativismo, com posterior implantação junto ao ramo em estudo. COMPETÊNCIA DAS SINGULARES Dos Princípios e Diretrizes Art. 19 Cabe a Federação Unicafes Paraná defender e promover os princípios e diretrizes do cooperativismo solidário conforme Estatuto. Sendo dever das filiadas manterem-se coerente com a organização com base nas pessoas, participação e gestão democrática e local, solidariedade, ética, controle social, autonomia, pluralidade, valorização das relações de gênero, geração e etnia, descentralização das estruturas, integração entre os ramos, economia de proximidade, transparência, intercooperação e respeito ao meio ambiente. Das Assembléias Art. 20 As filiadas possuem o dever de encaminhar a Federação Unicafes Paraná, o edital de convocação das Assembléias Ordinárias e Extraordinárias, com prazo não inferior ao mínimo exigido nos procedimentos de publicidade. Parágrafo Único: A Federação Unicafes Paraná priorizará a participação nas Assembléias das Cooperativas filiadas, com repasse do plano de atividades e cenário da mesma. Do Capital Social Art. 21 As filiadas obrigam-se a subscrever em sua filiação pelo menos 200 quotaspartes, integralizadas em parcela única. Parágrafo primeiro: Caso alguma das cooperativas filiadas descumpram a obrigação do artigo 13 e parágrafo 2 do Estatuto Social e artigo 26 deste Regimento perde os direitos de filiada;

6 Parágrafo segundo: Se a cooperativa filia-se a Federação Unicafes Paraná deverá no máximo até aos 90 dias integralizar o capital social ou ficará sobre análise do conselho de administração, podendo sofrer sanções. Da perda dos direitos de filiada Art. 22 Terá a perca total dos direitos de filiada (as) quem não respeitar as normas, regras gerais e diretrizes da Federação Unicafes-Pr tendo cessadas todas as prerrogativas e direitos: I Por falta de fidelidade aos princípios, diretrizes e missão do cooperativismo solidário; II Por falta de contribuição social e negação de suas atribuições associativas; III Não estar em conformidade com aos deveres e padrões definidos na filiação. Dos procedimentos disciplinares Art. 23 Na hipótese de descumprimentos das obrigações sociais e financeiras definidas no estatuto e regimento da Federação, por decisão do Conselho Administrativo serão iniciados procedimentos disciplinares com o objetivo de apurar o fato determinado e aplicar a sanção da seguinte forma: I na cooperativa singular sempre a interferência será da cooperativa central, com apoio se for caso da Federação; II Caso as cooperativas singulares não forem organizadas em centrais ficam as mesma sobre a análise da Federação; III na cooperativa central a interferência da Federação poderá ser direta, desde que esta solicitação seja formalizada por 50% (+1) do quadro social da central em questão ou por 50% (+1) dos componentes do Conselho de Administração da Federação Unicafes-Pr; Art. 24 Os procedimentos disciplinares serão conduzidos pelo Conselho Administrativo especificadamente para apurar a ocorrência de qualquer das infrações mencionadas no artigo 29. Art. 25 De acordo com a gravidade da infração cometida poderá a filiada vir a sofrer as seguintes sanções: Parágrafo primeiro. ADVERTÊNCIA. Aplicável às infrações consideradas leves, infra descritas, sem prejuízo de outros que se possa verificar: I Ausências e/ou atrasos reiterados e injustificados dos diretores em atividades da Federação; II Desentendimento ocasionado por falta de compostura dos membros da direção, para com os outros das demais filiadas; III Atuação em desacordo com as diretrizes institucionais da Federação; Parágrafo segundo. SUSPENSÃO. Aplicável às infrações de natureza média, infra descritas, assim consideradas, sem prejuízo de outros que se possa verificar: I. Reincidência em advertência; Parágrafo terceiro. EXCLUSÃO. Aplicável às infrações consideradas graves, infra descritas, sem prejuízo de outros que se possa verificar: I. Reincidência em suspensão; II. Tentativa ou participação em lesar os interesses das demais filiadas e Federação; III. Descumprimento das demais cláusulas estatutárias e/ou legais.

7 Art. 26 Após a abertura de procedimento disciplinar deverá ocorrer comunicação escrita a filiada envolvida, indicando a infração que lhe é atribuída, com prazo nunca inferior a 05 (cinco) dias constando local para apresentação de defesa. Parágrafo primeiro A recusa ao recebimento, a não apresentação de defesa, a apresentação de defesa genérica ou relativa a fato diverso do contido na comunicação, implica em confissão e nos efeitos da revelia; Parágrafo segundo. As decisões serão materializadas em pareceres, que poderão determinar a aplicação ou não da sanção, sua natureza, bem como o prazo de sua vigência; Parágrafo terceiro. As sanções de ADVERTÊNCIA e SUSPENSÃO poderão ser aplicadas liminarmente pelo Conselho de Administração, cabendo recurso de sua decisão, cujo efeito será meramente devolutivo, à primeira Assembléia Geral subseqüente; Parágrafo quarto A sanção de EXCLUSÃO poderá ser aplicada somente pela Assembleia, cabendo recurso de sua decisão; Das contribuições Art. 27 A contribuição financeira das filiadas á Federação Unicafes-Pr, se dará em conformidade com o Estatuto Social, com reajustes de acordo com salário mínimo nacional e especificações a seguir: Parágrafo primeiro A referência mínima de contribuição das cooperativas, ou seja, 23% do salário mínimo nacional serão levados a 100%, do qual poderão se distribuir em dois valores porcentuais, que atenderão as especificações do Parágrafo segundo do artigo 65. Parágrafo segundo A integralidade deste percentual poderá ser aplicada em conformidade com o Parágrafo primeiro e/ou dar-se-á da seguinte forma: a) 75%; b) 50%. Parágrafo terceiro As porcentagens acima descritas dar-se-ão num limite máximo de 06 meses, que ficarão sob análise do Conselho de Administração. Art. 28 É dever das cooperativas filiadas o Pagamento das contribuições mensalmente, sendo atribuído perca dos direitos de filiada (representação, assessorias, acesso a projetos) caso não se mantenham em dia com as contribuições (em caso de não concretização deste item por três meses consecutivos, a mesma será posta em análise diante do Conselho Administrativo); Disposições gerais Art. 29 Os casos omissos, controversos e as dúvidas surgidas na aplicação deste Regimento Interno, serão solucionados por deliberação da Assembleia, em qualquer de suas reuniões, por maioria dos membros presentes, ad referendum da primeira Assembléia Geral subseqüente. Art. 30 Os casos omissos a este Regimento serão resolvidos de acordo com o Estatuto, Lei Especial e Leis Gerais do cooperativismo ou por deliberação da Assembléia Geral. Art. 31 O presente Regimento interno poderá ser alterado no todo ou em parte, mediante proposta do Conselho Administrativo sempre que as filiadas julgarem necessários.

8 Nós abaixo assinados e lista anexa de assinaturas declaramos para fins de registro do Regimento Interno da Federação Unicafes Paraná, de que o mesmo é fiel as deliberações aprovadas na Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária realizada em 30 de Março de Francisco Beltrão-PR. Luiz Ademir Possamai Presidente Adir Fioreze Vice Presidente Luiz Levi Tomacheski Secretário Maria Matilde Meurer Tesoureira

Parágrafo primeiro: As instâncias de deliberativas são a Assembléia Geral e a Diretoria.

Parágrafo primeiro: As instâncias de deliberativas são a Assembléia Geral e a Diretoria. REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PORTADORES DE CHARCOT MARIE TOOTH Aprovado em assembléia do dia 20/11/2010 Da organização e funcionamento da associação Art. 1. Para o cumprimento do conjunto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SINDAUMA SINDICATO DOS PROPRIETÁRIOS DOS CENTROS DE FORMAÇÃO DE CONDUTORES DO ESTADO DO MARANHÃO.

REGIMENTO INTERNO DO SINDAUMA SINDICATO DOS PROPRIETÁRIOS DOS CENTROS DE FORMAÇÃO DE CONDUTORES DO ESTADO DO MARANHÃO. REGIMENTO INTERNO DO SINDAUMA SINDICATO DOS PROPRIETÁRIOS DOS CENTROS DE FORMAÇÃO DE CONDUTORES DO ESTADO DO MARANHÃO. DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SINDICATO Art. 1. Para o cumprimento do conjunto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MÚTUO AUXÍLIO AMA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MÚTUO AUXÍLIO AMA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MÚTUO AUXÍLIO AMA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Art. 1 - A Associação de Mútuo Auxílio, também designada pela sigla AMA, é uma associação civil sem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DA VILA DOS POLICIAIS MILITARES DE PARACATU-MG DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ASSOCIAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DA VILA DOS POLICIAIS MILITARES DE PARACATU-MG DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ASSOCIAÇÃO REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DA VILA DOS POLICIAIS MILITARES DE PARACATU-MG DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ASSOCIAÇÃO Art. 1 - Para o cumprimento do conjunto de diretrizes e princípios previstos

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 Institui o Regimento Interno do Comitê Nacional de Educação Financeira. O COMITÊ

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Auditoria

Regimento Interno do Comitê de Auditoria 01. FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Auditoria (Coaud) rege-se pela legislação aplicável, pelo Estatuto Social do Banco do Brasil, por seu Regimento Interno e por decisões do Conselho de Administração. Art.

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o O Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 1994,

Leia mais

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 - O presente Regulamento disciplina a organização,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 2008,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO REGIMENTO INTERNO Brasília, 4 de junho de 2011 REGIMENTO INTERNO

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES. CAPÍTULO I - Da Natureza

Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES. CAPÍTULO I - Da Natureza Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES CAPÍTULO I - Da Natureza Art. 1º. O Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno,órgão colegiado de deliberação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES 1 NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1 o O Núcleo de Jovens Empreendedores da Associação Comercial e Empresarial de Suzano

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE, FORO E DURAÇÃO. Art. 1º - A União Nacional das Cooperativas

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC

CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC Regimento Interno CAPÍTULO I - Da Denominação, Natureza, Sede e Duração Art. 1º. O CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura.

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura. PORTARIA Nº DE DE NOVEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, nomeado pela Portaria nº 824, de 29 de agosto de 2005, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Ibmec-MG é o órgão responsável pela

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA Instituto de Física Instituto de Geociências Instituto de Matemática Observatório do Valongo CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA REGULAMENTO I DOS OBJETIVOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO INTERNO SUMÁRIO CAPITULO I Do fundamento legal CAPITULO

Leia mais

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 ASSOCIAÇÃO FÓRUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA FORTEC REGIMENTO INTERNO Sumário

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus.

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus. São Mateus. REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO HOSPITAL SÃO MATEUS LTDA [Digite EMISSÃO texto] Nº: 01 REVISÃO Nº: 02 DATA: 10/08/1998 DATA: 28/04/2011 Sumário Capitulo I : Das Definições e Objetivos do

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA - 1 - CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. A Associação Nacional de Pesquisadores em Dança, associação sem fins lucrativos

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

DATA 22 / 06 / 2006 PÁGINA : 02

DATA 22 / 06 / 2006 PÁGINA : 02 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.811, DE 21 DE JUNHO DE 2006. Dispõe sobre a composição, estruturação, competência e funcionamento do Conselho Nacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS REGIMENTO INTERNO CEP/ACCG COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS

ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS REGIMENTO INTERNO CEP/ACCG COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS REGIMENTO INTERNO CEP/ACCG COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS CAPÍTULO PRIMEIRO REGIME JURÍDICO ART. 1º - Criado em 22 de dezembro

Leia mais

1) Aprovar o Anexo Único do Regimento Interno, que disciplina as diretrizes para o funcionamento do Comitê de Investimentos.

1) Aprovar o Anexo Único do Regimento Interno, que disciplina as diretrizes para o funcionamento do Comitê de Investimentos. Portaria nº 008/2013/CARMOPREV. A Diretora Executiva do Fundo Financeiro Especial de Custeio da Previdência Municipal CARMOPREV, no uso de suas atribuições legais e na forma das disposições contidas no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado Estadual de Procuradores e Advogados Municipais de Santa Catarina, que passará a utilizar com exclusividade a denominação

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art 1º O presente Regimento disciplina a organização, o funcionamento

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL CAPÍTULO I Do Nome, Sede, Fins e Duração. Art. 1º - O Grêmio Estudantil Bom Conselho abreviadamente, Grêmio, é uma instituição sem fins lucrativos constituída pelos alunos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.811, DE 21 DE JUNHO DE 2006. Dispõe sobre a composição, estruturação, competência e funcionamento do Conselho Nacional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado de Fiscais de Tributos, Auditores

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇAO DE ARTESANATO

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇAO DE ARTESANATO REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇAO DE ARTESANATO Da organização e funcionamento da associação Art. 1. Para o cumprimento do conjunto de diretrizes e princípios previstos nos Estatutos

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS Art. 41, 42 e 43 do Estatuto 1. OBJETIVOS São objetivos das Seções Regionais: 1.1 Propiciar aos associados estabelecidos no Estado de São Paulo e fora da sua capital, uma

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DO PÓLO DE INFORMÁTICA DE CAXIAS DO SUL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO JURÍDICO

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DO PÓLO DE INFORMÁTICA DE CAXIAS DO SUL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO JURÍDICO ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DO PÓLO DE INFORMÁTICA DE CAXIAS DO SUL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO JURÍDICO Art. 1º. A Associação do Pólo de Informática de Caxias do Sul, fundada em 01 de dezembro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS ABRH NACIONAL CÓDIGO DE CONDUTA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS ABRH NACIONAL CÓDIGO DE CONDUTA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS ABRH NACIONAL CÓDIGO DE CONDUTA Somos uma entidade essencialmente associativa, sem fins lucrativos, que dissemina o conhecimento do mundo do trabalho para desenvolver

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 056/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO

TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO QUARTA VERSÃO 07/07/06. Dispõe sobre a gestão democrática e normatiza o processo de escolha de Diretor e Assessor(es) de Direção que integram a equipe gestora das unidades escolares da Rede Pública Estadual

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ nº 13.649.902/0001-03 DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º - A Associação Brasileira

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

LEI nº 5.766 de 20-12-1971

LEI nº 5.766 de 20-12-1971 LEI nº 5.766 de 20-12-1971 Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO Aprovado na 3ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da EMBRAPII, realizada em 25 de fevereiro de 2014 ÍNDICE

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Reitoria. Regimento da

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Reitoria. Regimento da Regimento da Comissão de Segurança da Informação e Comunicações do IFRS - CSIC/IFRS - Aprovado pela Resolução do Consup nº 114, de 18/12/2012 Reitora Cláudia Schiedeck Soares de Souza Pró-Reitor de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI TITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina a organização, o funcionamento e as atribuições do Núcleo

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING CONVOCAÇÂO Prezado Sócio, Conforme determina o estatuto social da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo, convocamos V.Sa. para participar da Assembléia Geral Ordinária e em seguida a Assembléia

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE DIREITO TITULO I DO DIRETÓRIO

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE DIREITO TITULO I DO DIRETÓRIO ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE DIREITO TITULO I DO DIRETÓRIO ART. 1º. O Diretório Acadêmico de Direito Moises Vianna é a associação representativa dos acadêmicos do curso de direito da Universidade

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA CAPÍTULO I DA CONCEITUAÇÃO E FINALIDADE Art.1º O Comitê de Auditoria, doravante denominado COAUD, é um órgão estatutário que se submete à regulamentação do Conselho

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 Resolução CMAS nº 16, 26 de setembro de 2011, revoga a Resolução CMAS nº 01/2002 e define os parâmetros para

Leia mais

Proposta de adequação do Estatuto Social.

Proposta de adequação do Estatuto Social. Proposta de adequação do Estatuto Social. Art. 23 A exclusão do Cooperado dar-se-á por: Texto atual: IV - Deixar de atender os requisitos estatutários para ingresso ou permanência na Cooperativa (neste

Leia mais