SOA (BPM e WS/RS) Módulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOA (BPM e WS/RS) Módulo"

Transcrição

1 1

2 Módulo G A.RIA, Extensions e SOA (BPM e WS/RS) Este módulo introduz novidades das versões 5.5.x e 6.0.x do jcompany Developer Suite, em áreas de grande impacto no desenvolvimento de sistemas atuais, tais como: o Rich Internet Application: incorporação de recursos Web 2.0 via jquery, jquery UI, jquery Plugins e jquery UI Theme Roller, para máxima usabilidade. o jcompany Extensions: mecanismos de extensão avançados que mesclam recursos de OO do novo padrão CDI com complementos de Geração de Código do jcompany para formarem um poderoso instrumento para arquitetos de software definirem novos padrões, do zero ou via customizações dos disponíveis no jcompany. o SOA - BPM: integração de referência com solução de Business Process Management (BPM), trazendo padrões de interação de formulários corporativos desenvolvidos em jcompany com motores externos de BPM, utilizando o jbpm. o SOA - JAX-WS 2.0: uso de Web-Services tradicionais, com protocolo SOAP, WSDL, etc., através de padrões Java EE robustos e de alta produtividade. o SOA - JAX-RS 1.0: uso de RESTful Web-Services sobre HTTP, com tráfego JSON, XML ou Text/Plain e também através de padrões Java EE robustos e de alta produtividade 2

3

4 A1Rich Internet Application (RIA) com jquery Capítulo 22 RIA (Rich Internet Application) no jcompany - Níveis de RIA no jcompany Aplicações de Internet são consideradas "ricas" quando incorporam características e funcionalidades mais típicas de softwares Desktop, ou mesmo superam recursos deste ambiente, como é o caso de Mashups (recursos que mixam dados de aplicações de negócio e serviços externos, como Google Maps, por exemplo). Soluções de RIA típicas transferem a maior parte do processamento da interface para o navegador (Browser), porém preservando a maior parte dos dados e as regras de negócio no servidor de aplicação. Em lugar de radicalizar neste aspecto, passando totalmente os recursos de visão para a máquina cliente (algo que traz também sequelas, como programação intensiva de Javascript ou linguagens menos robustas e disseminadas relacionadas a Flash, por exemplo), o jcompany oferece um suporte gradual ao uso de tecnologias RIA, em 3 níveis: o o o Basic: permite que se introduzam componentes de RIA em aplicações existentes, modo organizado, compreensivo e performático - tanto em tecnologia JSF/Facelets quanto JSF/Tiles ou mesmo Struts/Tiles, mais antigas. Alguns recursos embutidos e facilmente ativáveis são: autocomplete e seleção Popup modal para vinculados, máscaras mais flexíveis em campos, campos com altura dinâmica (autogrow), Google Maps para endereços, dentre outros Widgets jquery UI como datepicker, introduzidos com a tecnologia Unobstrusive Javascript do jquery, o que dispensa alterações em aplicações existentes para serem ativados (pouco intrusivos). Advanced: quando utilizando os novos leiautes via Facelets, o jcompany oferece o uso de Ajax e jquery mais refinado, complementando os recursos básicos acima com diversos outros: redução quase total de submissões "não Ajax" (eliminação de recargas total do navegador), substituições de trechos menores de formulários nas operações padrões de CRUD via Ajax (maior performance), processamento do "conforto visual" (esconder itens de menu, abas ou botões) "no cliente", sobre HTML estático, uso de Widgets jquery UI para Tab-Folder, Menus e outros componentes visuais. Extremme (Versão Futura): leva praticamente toda a camada controle para o cliente, eliminando a necessidade de JSF e outras tecnologias de "camada Visão no servidor", basicamente operando com HTML estático + Javascript/Widgets e recursos de JAX-RS/Atom- Publisher para operacionalizar os formulários - em uma arquitetura RIA mais purista ou extrema. Importante: o RIA Extremme ainda não está disponível na versão 6.0, sendo prevista para próximas grandes versões. A versão 6.0 tem foco na incorporação de tecnologias Java EE 6, mas já traz diversas "partes" do RIA Extremme disponíveis, como JAX-RS 2.0/Atom via jcompany Services e todos os recursos do RIA Advanced (é base para o RIA Extremme). Neste capítulo iremos introduzir os recursos "Basic" e "Advanced" para um uso diligente e progressivo de tecnologias RIA nas aplicações produzidas com jcompany. Isso evita armadilhas típicas de adoção precoce de uma versão mais extrema, pavimentando caminho para um balanceamento mais maduro destes recursos, na medida em que amadurecem no mercado. - jquery, jquery UI, jquery UI Theme Roller e jquery Plugins A principal tecnologia de "cliente RIA" adotada no jcompany é também a mais popular dentre as opções conhecidas: o jquery e sua arquitetura de Javascript "não intrusivo" ou "não obstrutivo". Esta elegante e performática arquitetura tomou de assalto o mercado por utilizar um tipo de Design Pattern "Decorator" para, sem intervenção em um documento HTML gerado (ou estático), introduzir componentes ricos e poderosos no cliente, conhecidos como Widgets. 4

5 Capítulo G22 A arquitetura extensível do jquery também produziu uma das comunidades mais vibrantes nesta área, que já disponibiliza, literalmente, milhares de plugins (Widgets, utilitários, etc.) para reuso, gratuitos em sua maioria - e facilmente incorporáveis ao jcompany, como veremos. A opção por fazer RIA com Browsers e HTML/Javascript, ao menos como primeira opção, é também natural já que se trata da plataforma mais exigida pelo mercado - e especialmente promissora com a evolução recente do mercado de navegadores através do Chrome, HTML 5, etc.. Além disso, linguagens de script como o Javascript estão mais populares e ganham presença mesmo em servidores e outras engines como o Eclipse BIRT. Finalmente, o jquery foi laureado em uma avaliação do Gartner Group de Dezembro/2008 como uma das tecnologias principais para RIA, dada sua arquitetura, comunidade, arquitetura elegante e aderente aos padrões Web. - JAX-RS/jBoss RestEasy e Atom Publishing Protocol (AtomPub) A maior parte dos componentes RIA precisam comunicar-se com o servidor e devem fazê-lo via Ajax, para o resultado esperado. A tecnologia de servidor para recepção de mensagens RIA adotada no jcompany foi o JAX-RS (padrão Java EE 6) via jboss RestEasy (implementação de referência do padrão JAX-RS). Portanto, serviços REST genericamente construídos estão disponíveis para servir dados para componentes RIA, funcionando quaisquer que sejam os grafos de entidades ou propriedades envolvidos. Estes serviços são automaticamente habilitados via declarações simples e servem dados nos formatos Text-Plain, JSON e AtomPub. Os dois últimos são utilizados quando se pretende fazer todo o CRUD (Incluir, Recuperar, Atualizar e Excluir) de agregações de objetos (Mestre/Detalhe/SubDetalhe) via REST, o que será melhor abordado nos próximos capítulos. Reutilizando componentes RIA "prontos para uso" - Reutilizando componentes RIA integrados a componentes JSF Componentes RIA "prontos para uso" no jcompany podem ser acionados através do uso de um novo atributo "riausa" disponíveis em diversos componente JSF. O desenvolvedor deve inserir a chamada ao componente com o seguinte padrão: riausa="nomecomponenteria(parâmetro1='valordoparâmetro1', etc.)". Essas configurações permitem que o XHTML, ao ser compilado, busque o componente utilizado e o renderize de maneira não obstrutiva. A Figura G22.1 mostra o exemplo da configuração RIA autocomplete e seus parâmetros. Figura G22.1. Configurações no riausa de um componente vinculado, para ativar o Widget "autocomplete". Note que o Widget chama "autocomplete" e que recebe como argumento, neste caso, apenas uma "url" (diversos outros argumentos podem estar disponíveis, conforme cada Widget). Apenas com esta declaração, um complexo comportamento de "Auto Complete" será ativado no campo de descrição de componentes "vinculado": a verificação de digitação, seguida por uma chamada Ajax/REST contra um serviço genérico no padrão JAX-RS e por fim a apresentação do resultado ao usuário através de um "combo dinâmico" que permite uma seleção dentre a lista de valores retornados, com filtro local, ao final dos resultados. No caso específico deste componente, argumentos como "mínimo de letras digitadas para a pesquisa", "máximo de itens apresentados no combo", dentre outros, podem ser informados, conforme documentação do próprio componente. - Implementando recursos de "auto-complete" em vinculados Vamos ver a facilidade para se incorporar recurso de auto-complete (típico de aplicações RIA, popularizado pelo Google), em todos os componentes do tipo "vinculado" (listas Popup), de nossa aplicação. A Figura G22.2 mostra um exemplo de auto-complete em um XHTML de manutenção que seleciona "cargo", com explicações sobre como é possível se definir este recurso, para quaisquer outros casos.

6 Rich Internet Application (RIA) com jquery Figura G22.2. Configuração para "auto-complete". O parâmetro "url" contém o caminho do serviço JAX-RS que será utilizado para recuperar as informações e a propriedade "nome" será o parâmetro de pesquisa utilizado. #1. O segredo para se ativar o auto-complete para qualquer caso é o parâmetro "url". Ele deve ser fornecido incluindo as partes fixas abaixo e substituindo-se as variáveis entre colchetes, de acordo com cada caso: '/[nome do projeto]/soa/service/autocomplete.[nome da colaboração]?[nome do campo]'. A Figura G22. mostra o resultado desta configuração do autocomplete. Figura G22.3. Widget "auto-complete" funcionando em um projeto jcompany. Vamos então aplicá-lo, customizando diversos elementos (total de caracteres digitados, máximo retornado, etc.), para um caso de uso que implementamos na aplicação rhtutorial, ficando o desenvolvedor incumbido de replicar esta implementação para os demais casos: 1. Selecione o projeto rhtutorial, abra o diretório "src/main/webapp/web- INF/fcls/unidadeorganizacional" para editar o arquivo "unidadeorganizacionalman.xhtml". A Figura G22.4 mostra o caminho até o XHTML de manutenção. Figura G22.4. Caminho para o formulário a ser editado. 2. Digite as propriedade "riausa" com parâmetros conforme abaixo, na tag "plcf:vinculado": riausa="autocomplete(url='/rhtutorial/soa/service/autocomplete.unidadeorganizacionalman?q=nom e', tamanhominimo='2', tamanholista='3')". Note que os parâmetros "tamanhominimo" e "tamanholista" não foram usados anteriormente por não serem obrigatórios. Eles tratam, respectivamente, do número mínimo de caracteres digitados para que o autocomplete funcione e do número máximo de resultados que aparecerão no "combo dinâmico" do auto-complete. A Figura G22.5 mostra as configurações feitas no XHTML de manutenção.

7 Capítulo G22 Figura G22.5. Alterações feitas no XHTML de manutenção da lógica "unidadeorganizacional" 3. Acesse a aplicação e verifique a funcionalidade do auto-complete. A Figura G22. mostra o vinculado da lógica "Unidade Organizacional" com o componente "autocomplete" ativado. Figura G22.6. Auto-complete sendo ativado com duas letras e mostrando apenas três resultados. - Implementando uma "seleção auto-complete". Esta é uma variação da funcionalidade acima, que também recupera dados de uma entidade através de uma popup e auto-complete, mas sem requerer um vinculado como componente. Ela funciona de maneira análoga ao vinculado, mas em campos texto comuns (plcf:texto), sem retornar uma chave primária associada à descrição, como no primeiro caso. A Figura G22.7 mostra um exemplo deste tipo de seleção caso quiséssemos buscar descrições de cidades de uma base para replicar no formulário (sem Object-Id referenciando esta base). Figura G22.7. Configurações no riausa de um projeto jcompany. #1. O parâmetro "url" fornece para o componente RIA o caminho da lógica de seleção que será recuperada. #2. O parâmetro propselpop fornece para a seleção o campo presente que fará a busca. A Figura G22.8 mostra o resultado visual deste componente. Figura G22.8. Widget "selecao" em um projeto jcompany. Não iremos aplicar no rhtutorial por se tratar de um recurso com funções equivalentes às do vinculado (e considerando que não existe caso aplicável). - Implementando "autogrowtextarea" (altura dinâmica) em campos tipo "area". Este outro plugin jquery modifica a altura de um campo "area" do jcompany (texto com múltiplas linhas) dinamicamente, em função de seu conteúdo. A Figura G22. mostra um exemplo deste plugin no XHTML de manutenção.

8 Rich Internet Application (RIA) com jquery Figura G22.9. Configuração de "altura dinâmica" para campo "textarea" #1. O parâmetro "tamanhomaximo" estabelece o maior tamanho em caracteres que o campo pode assumir. A Figura G22. mostra um exemplo de "autogrowtextarea" funcionando em uma aplicação jcompany. Figura G Widget "autogrowtextarea" em um projeto jcompany. Este é um componente trivial. Procure componentes "area" na aplicação que desenvolvemos para ativar este recurso nos locais desejados. - Implementando múltiplos componentes RIA em um mesmo componente (datemask e datepicker). O componente de "datepicker" (seleção de datas em calendário) possui diversos argumentos interessantes e o "datemask" oferece apoio durante a digitação livre. Para definir mais de um componente, como neste caso, separe-os com ponto e vírgula, conforme abaixo. A Figura G22. mostra um exemplo de datemask e datepicker no XHTML de manutenção, com argumentos customizados. Figura G Configurações no riausa de um projeto jcompany. A Figura G22. mostra o efeito da customização acima. Figura G Componentes RIA "datemask" e "datepicker" em um projeto jcompany. Agora vamos aplicar o componente "datemask" e "datepicker" no rhtutorial, aproveitando para fazer uma pequena customização, como o número de meses que aparecem no calendário, para o caso de uso padrão "funcionario", que implementamos na aplicação rhtutorial: 1. Selecione o projeto rhtutorial, entre no diretório "src/main/webapp/web-inf/fcls/funcionario" e abra o arquivo "funcionariomdt.xhtml". A Figura G22.3 mostra todo o processo.

9 Capítulo G22 Figura G Caminho para o formulário a ser editado. 2. Digite as propriedades riausa="datemask; datepicker(meses='3')" na tag "plcf:data". O novo parâmetro inserido, "meses", indica quantos meses aparecerão no componente para o usuário selecionar. A Figura G22.14 mostra o XHTML corretamente configurado. Figura G Widgets "datemask" e "datepicker" configurados no XHTML de manutenção. 3. Acesse a aplicação e verifique a funcionalidade do datepicker com a apresentação de 3 meses. Note que o parâmetro "meses" mostra o mês atual e posteriormente os outros meses configurados. A Figura G22.25 mostra o componente "datemask" e "datepicker" funcionando corretamente. Figura G Widgets "datemask" e "datepicker" funcionando em "/funcionariomdt". - Implementando "fckeditor" (edição multimídia) nas observações de funcionário. Este outro plugin jquery ativa o "fckeditor", editor que permite a gravação de texto em formato HTML em campos área, podendo incluir formatações, links, etc., via edição visual! A Figura G22.36 mostra um exemplo de Fckeditor no XHTML de manutenção. Figura G Ativação de editor multimídia em campo texto A Figura G22.47 mostra o resultado funcionando no antigo local onde somente texto era possível.

10 Rich Internet Application (RIA) com jquery Figura G Widget "fckeditor" em um projeto jcompany. Agora vamos aplicar o componente RIA "fckeditor" com pequenas customizações no caso de uso padrão "funcionario" do projeto rhtutorial: 1. Selecione o projeto rhtutorial, entre no diretório "src/main/webapp/web-inf/fcls/funcionario" e abra o arquivo "funcionariomdt.xhtml". 2. Digite, na tag "plcf:area", as seguintes propriedades: riausa="fckeditor(width='800',height='250')". Os novos parâmetros fornecidos, width e height, correspondem respectivamente à largura e altura da área em que estamos inserindo o componente RIA. Todo o processo é mostrado na Figura G Figura G XHTML de manutenção com componente riausa "fckeditor" configurado. 3. Acesse a lógica funcionário e verifique o componente RIA "fckeditor" funcionando com a altura e a largura estabelecidas, conforme 19. Figura G Caso de uso padrão "funcionario" com "fckeditor" implementado no campo "observacao". - Implementando um Mashup para exibição visual de endereço via Google Maps. Mashups são conhecidos por "mixar" dados de várias fontes distintas para um resultado novo e interessante. O exemplo mais conhecido é o de mixagem dos dados de endereço de uma aplicação corporativa, antes restritos à sua exibição "textual", com a apresentação do mesmo com os recursos multimídia do Google Maps. A Figura G22. mostra um exemplo de configuração do componente Google Maps em um XHTML de manutenção.

11 Capítulo G22 Figura G Configuração de "Mashup" para apresentação de endereço em um mapa do Google. #1. O parâmetro mapa fornece o mapa inicial que será exibido, como default deve-se preencher com "google-maps". #2. O parâmetro "campo" deve conter campos de referência para a busca do endereço correto no mapa. Note que podemos informar rua e número somente e algum resultado será retornado, porém com chances de erro devido a duplicidades. Quanto mais precisos forem os campos (UF, CEP, etc), melhores as chances de retorno da localização desejada. #3. Elemento "div" que cria o botão e provê o espaço para efetuar a pesquisa e apresentar o mapa, respectivamente. A Figura G22.6 mostra o resultado final ativado no cadastro de funcionário. Figura G22.6. Mapa exibindo endereço no Google Maps! Agora que já entendemos como funciona o Mashup Google Maps, vamos aplicá-lo em um formulário do rhtutorial: 1. Selecione o projeto rhtutorial, entre no diretório "src/main/webapp/web-inf/fcls/funcionario" e abra o arquivo "funcionariomdt2.xhtml". 2. Insira as seguintes propriedades do "googlemaps" na primeira tag "plcf:texto" do XHTML de manutenção de componente: riausa="googlemaps(mapa='google-maps', googlemapskey=[chave GERADA], campo='corpo:formulario:enderecoresidencial_logradouro, corpo:formulario: enderecoresidencial_numero, corpo:formulario:enderecoresidencial_bairro, corpo:formulario: enderecoresidencial_cep, corpo:formulario:enderecoresidencial_uf ')". Note que a declaração deste componente pode ser inserida em qualquer tag do formulário.

12 Rich Internet Application (RIA) com jquery 3. Insira o elemento "div" que irá gerar o botão de pesquisa do mapa no XHTML de manutenção, conforme Figura G Figura G Elemento "div" que renderiza o botão de pesquisa e a apresentação do mapa. 4. Execute a aplicação rhtutorial e teste na aba "Endereco", o componente RIA criado. - Implementando máscaras em textos com o componente RIA "textmask". Este outro plugin jquery permite que o desenvolvedor aplique diversos tipos de máscaras em campos textos. Tal funcionalidade é útil ao desenvolvedor, pois permite que campos como "CPF" ou "CNPJ" tenham suas características (pontos, underscore, etc) reproduzidas na aplicação. A Figura G22.8 mostra um exemplo de "textmask" em um campo "cpf". Figura G Widget "textmask" configurado para "cpf". #1. O parâmetro "mask" fornece a máscara criada para a aplicação. #2. Ao preencher o parâmetro "mask" os números que compõem a máscara devem ser preenchidos com o valor nove. Isso indica que o valor alocado naquele espaço estará entre zero e nove. Agora vamos aplicar a máscara de CPF no campo de mesmo nome da aplicação "funcionario" do projeto rhtutorial: 1. Selecione o projeto rhtutorial, entre no diretório "src/main/webapp/web-inf/fcls/funcionario" e abra o arquivo "funcionariomdt.xhtml". 2. Dentro da tag "plcf:texto", referente ao campo "CPF", insira a seguinte propriedade: riausa="textmask(mask=' ')". Note que a máscara criada é idêntica a usada em um CPF. 3. Acesse a colaboração de manutenção do funcionário, do projeto rhtutorial, e verifique no campo CPF o comportamento do componente RIA. A Figura G22.9 mostra o componente. Figura G22.9. Componente RIA "textmask". 4. Note que o campo "CPF" agora exige uma "rolagem lateral" para a exibição completa do valor. Isso ocorre porque inicialmente o campo "CPF" armazenaria 11 dígitos, e com a adição da máscara, o valor passou a ser de 14 dígitos! Para adequar o tamanho do campo da tabela à quantidade de dígitos com a máscara, basta alterar o tamanho do campo na entidade e proceder com a geração da

13 Capítulo G22 tabela novamente (menu Área Técnica, Geração de DDL/Esquema). A Figura G mostra a aplicação funcionário com o campo "CPF" ajustado. Figura G "textmask" funcionando após ajustes de tamanho. Criando novos ou reutilizando outros componentes RIA - Entendendo os padrões arquiteturais para incorporação de novos componentes RIA Como dito na introdução deste capítulo, existem milhares de outros plugins jquery disponíveis para download livre na Web dentre Widgets e utilitários diversos, além dos citados na seção anterior. Com tantas opções, uma das formas comuns de se deteriorar consideravelmente a compreensão (e, por consequência, a manutenibilidade) de uma aplicação é incorporando-se um "punhado" destes componentes RIA de maneira apressada e com critérios aleatórios, artesanais. Como estes plugins normalmente envolvem arquivos de Javascript/bibliotecas, mídias, CSS e código Javascript de Ativação, pode-se facilmente produzir um emaranhado de códigos de difícil leitura e em diversas linguagens/markups diferentes ao longo de um projeto - um verdadeiro caos! Em alguns casos estes novos componentes serão utilizados em apenas um formulário, mas o mais comum é que um mesmo componente tenha potencial de reúso por diversos pontos da aplicação ou mesmo da empresa. Por este motivo, é altamente recomendável que haja um padrão em nível arquitetural, bem definido, para sua incorporação. Para fazer frente a esta demanda, o jcompany provê, além dos componentes RIA prontos para uso que vimos na seção anterior, uma arquitetura apropriada para se introduzir componentes RIA de maneira compreensiva, produtiva e performática. Esta "mini-arquitetura" dentro da arquitetura maior definida pelo jcompany estabelece padrões para acomodação de todos os componentes de um novo plugin jquery, bem como para seu código de ativação, utilizando convenções que facilitam também a passagem de argumentos homologados de um Widget, de modo homogêneo. Com esta arquitetura, pode-se incorporar dezenas de componentes RIA sem incorrer em aumento excessivo da complexidade do código ou na introdução de problemas de performance, como downloads excessivos de arquivos Javascript, de CSS ou de mídia. Este processo de incorporação é baseado nos passos abaixo: 1. Identificação e download do componente reutilizável (ou codificação de um novo componente "do zero"). Para reuso, um excelente começo é pelo site 2. Distribuição dos arquivos envolvidos no componente, conforme seu tipo, em diretórios padrões da aplicação. Os principais diretórios são: CSS: [aplicacao]/res-plc/css/jquery/ Javascript do Componente: [aplicacao]/res-plc/javascript/jquery/ Mídia: [aplicacao]/plc/midia/jquery

14 Rich Internet Application (RIA) com jquery 3. Codificação do Javascript de ativação (unobstrusive) de modo genérico, seguindo os preceitos abaixo: o Selecionar dentre todos os argumentos possíveis do plugin aqueles argumentos mais comuns ou que se pretende disponibilizar para a empresa utilizar, colocando-os entre #{} no Javascript de ativação. Ex: "#{mask}" para receber um valor de máscara como utilizado no componente "textmask". o Salvar este pequeno trecho de javascript em um arquivo cujo nome define aquele a ser utilizado no atributo "riausa", disponível em todas as principais tags JSF do jcompany. o Ex: textmask.js para que se use riausa="textmask(...)" A Figura G22.14 mostra como exemplo o arquivo Javascript de ativação para o auto-complete. Salvar este arquivo Javascript de acionamento no diretório padrão: [aplicacao]/src/main/webapp/res-plc/javascript/un ("un" de unobstrusive). o Ativação/Uso destes componentes em tags JSF, passando os argumentos entre parênteses, conforme os exemplos que vimos. Figura G Exemplo de código RIA Javascript. #1. As variáveis entre "#{}" recebem os valores passados como argumento nas chamadas declaradas em "riausa". Veja exemplos dos códigos de ativação dos componentes homologados dentro do projeto "jcompany_visao/res-plc/javascript/un". Perceba que o "id" é utilizado no padrão #{id} mas não precisa ser passados nas chamadas do "riausa" - ele é substituído pelo jcompany pelo "id" do componente JSF onde o "riausa" é declarado. - Otimizando o download de CSS e Javascript Imagine que cada componente RIA de um total de 30 reutilizados em uma aplicação corporativa tenha 5 arquivos em média: 1 CSS, 1 Javascript e alguns de mídia (png, gif, etc), além do Javascript de ativação. Em certo momento da chamada desta aplicação pode-se demandar o download de mais de uma centena de recursos em diversas chamadas HTTP, degradando a performance consideravelmente. Para evitar esta escalada de degradação, a arquitetura do jcompany utiliza um recurso poderoso para garantir o máximo de performance no uso de CSS, Javascript e Mídias, em um ambiente RIA: 1. Um arquivo "plc.comuns.css" importa todos os arquivos "css" utilizados na aplicação em um único ponto, garantindo que apenas um download de CSS será realizado em uma única conexão HTTP (há algumas exceções, para os arquivos CSS trocados dinamicamente pelo usuário, específico de cada pele). 2. Outro arquivo "plc.comuns.js" importa todos os arquivos Javascript utilizados na aplicação, de forma similar ao CSS. 3. Além disso, o download dos dois arquivos acima ocorre uma única vez na vida da aplicação, graças a diretivas de caching incluídos automaticamente pelo jcompany no header de cada resposta HTTP,

15 Capítulo G22 definindo um "max-age" para estes recursos que evitam sua recarga a cada requisição, por exemplo. (exceto se o usuário clicar no "reload/refresh" do Browser) Para preservar este mesmo ganho de performance em sua aplicação, o desenvolvedor deve cadastrar todos os seus arquivos css (folha de estilo) e js (Javascript) nos seguintes facilitadores: "app.comuns.js" e "app.comuns.css". Esses arquivos possuem as mesmas funções do "plc.comuns.css" e do "plc.comuns.js". A Figura G22.12 e a Figura G22.13 mostram os arquivos CSS e Javascript declarados, para um hipotético componente "richwindow" que possua estes arquivos com mesmo nome: Figura G Padrão de declaração de um arquivo CSS no "app.comuns.css". #1. Função de importação padrão de códigos CSS. #2. Indica que será inserida uma URL. #3. Caminho de contexto, ou seja, ele irá pegar o caminho do projeto principal até as pastas em que se encontram os arquivos CSS. No caso do rhtutorial, o contextpath representaria o seguinte caminho: rhtutorial\src\main\webapp #4. Caminho para o arquivo CSS do componente. Figura G Padrão de declaração de um arquivo Javascript no "app.comuns.js". #1. Indica que será escrito no documento um script. Declaração padrão Javascript. #2. Início do script. Declaração padrão Javascript. #3. Caminho do contexto, funciona de maneira análoga ao contextpath do "app.comuns.css". #4. Caminho para o arquivo Javascript do componente. #5. Fim do script. É ainda importante que o desenvolvedor entenda e utilize corretamente o modo de execução de sua aplicação, pois ela influirá decisivamente na maneira como estes arquivos serão servidos em requisições HTTP. Quando utilizamos as rotinas Maven de desenvolvimento, a aplicação final (WAR ou EAR) é "carimbada" no "web.xml", com um parâmetro que indica para o framework que ela está executando "em modo de desenvolvimento". Este parâmetro é o "modoexecucao=d" (default). Neste caso,nenhuma otimização é feita, para facilitar a alteração e testes de CSS e Javascript. Já quando usamos alguma rotina de "Liberação para Produção", este parâmetro é alterado para "modoexecucao=p", e o download de CSS e Javascript é otimizado, conforme abaixo: 1. Modo de Desenvolvimento ("modoexecucao=d"): a aplicação continua servindo todos os arquivos declarados no "app.comuns.css" e no"app.comuns.js" em separado, bem como "plc.comuns.css" e "plc.comuns.js". Isso viabiliza com que mudanças sejam prontamente liberadas por hot-deploy, por exemplo. 2. Modo de Produção ("modoexecucao=p"): com a aplicação neste modo, um "Filter" do jcompany realiza uma leitura inicial de todos os arquivos CSS ou Javascript declarados, tanto em "plc.comuns.*" quando em "app.comuns.*", e os serve para o Browser como um único arquivo, reduzindo drasticamente o número de chamadas HTTP realizadas para se renderizar uma página. Existe ainda um estado de "modoexecucao=t", utilizado principalmente pelo jcompany QA Suite, que habilita facilitadores para testes funcionais e também usa a otimização para que possa ser averiguada em um ambiente de Integração Contínua, por exemplo.

16 Rich Internet Application (RIA) com jquery Sumário Neste capitulo, discutimos brevemente sobre RIA, envolvendo jquery e JAX-RS, utilizadas no jcompany para implementar duas modalidades (graduações) de RIA: Basic e Advanced. Conhecemos alguns dos principais componentes de RIA disponíveis e vimos a facilidade com que conseguimos ativá-los, com pouca intrusão e risco de problemas. Por fim, entendemos a arquitetura que o jcompany provê para que se incorpore um grande número de componentes RIA (plugins jquery) sem perda de controle e de performance/escalabilidade.

Web-Services com JAX-WS. Capítulo. Introdução aos Web-Services via JAX-WS. - Um breve histórico sobre Web-Services. - SOAP x REST. Provendo um Serviço

Web-Services com JAX-WS. Capítulo. Introdução aos Web-Services via JAX-WS. - Um breve histórico sobre Web-Services. - SOAP x REST. Provendo um Serviço A1Provendo e Consumindo Web-Services com JAX-WS Capítulo 22 Introdução aos Web-Services via JAX-WS - Um breve histórico sobre Web-Services Os Web-Services são uma tecnologia popular para apoiar iniciativas

Leia mais

Powerlogic Agosto / 2011.

Powerlogic Agosto / 2011. Formação de Profissionais para Desenvolvimento Java EE/Web 2.0 Orientações para capacitação de mão de obra especializada para atividades de Especificação, Arquitetura e Implementação de Aplicações Java

Leia mais

Figura C13.1. Diagrama de Casos de Uso para UC004 Registrar Proventos e Descontos!.

Figura C13.1. Diagrama de Casos de Uso para UC004 Registrar Proventos e Descontos!. A6Implementando o Padrão "Manter Coleção" Capítulo 13 Implementação o Caso de Uso UC004 Registrar Proventos e Descontos! - Analisando a Especificação Analisando o estereótipo do Caso de Uso da especificação

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br 2013 inux Sistemas Ltda. s MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br Sumário 1 Introdução... 2 2 Visão Geral do Sistema... 2 3 Tela de Configuração... 3 4 Tela de Mensagens... 5 5 Tela de Importação... 8 6 Tela

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 1 CDI - Curso de Webdesign - Prof. Paulo Trentin Objetivos para esta aula Debater sobre

Leia mais

Padrão "Arquivo Anexado"

Padrão Arquivo Anexado 6Implementando a Inclusão Padrão "Arquivo Anexado" Capítulo 9 - Prosseguindo na Implementação de UC002 Manter Funcionário! - Introdução No capítulo anterior, implementamos a manutenção de toda a Agregação

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT.

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. PÁGINA: 2 de 21 Nenhuma parte deste documento pode ser utilizado ou reproduzido, em qualquer meio

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

jcompany Service Capítulo Introdução aos RESTful Services via JAX-RS - Um breve histórico sobre REST - O padrão JAX-RS e o jcompany Service

jcompany Service Capítulo Introdução aos RESTful Services via JAX-RS - Um breve histórico sobre REST - O padrão JAX-RS e o jcompany Service A1RESTful com JAX-RS e jcompany Service Capítulo 26 Introdução aos RESTful Services via JAX-RS - Um breve histórico sobre REST Os RESTful Services, de certa maneira, foram a resposta dos programadores

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

MANUAL JOOMLA 2.5 PORTAL INTERNET. Ministério do Esporte

MANUAL JOOMLA 2.5 PORTAL INTERNET. Ministério do Esporte MANUAL JOOMLA 2.5 PORTAL INTERNET Ministério do Esporte SUMÁRIO 1.0 - Módulo Administração... 1 2.0 Banner randômico... 2 2.1 Adicionar novo slide... 2 2.2 Excluir slide... 6 3.0 Artigos... 7 3.1 Adicionar

Leia mais

1. Introdução... 2. 2. Instalação máquinas cliente... 2. 3. Configurações gerais... 3. 4. Cadastro de pessoas... 4

1. Introdução... 2. 2. Instalação máquinas cliente... 2. 3. Configurações gerais... 3. 4. Cadastro de pessoas... 4 MANUAL DE UTILIZAÇÃO Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Instalação máquinas cliente... 2 3. Configurações gerais... 3 4. Cadastro de pessoas... 4 5. Cadastro de usuários para o sistema... 6 6. Cadastro de

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras 1. Introdução O que é a Consulta ao SCR via Web Service? A consulta ao SCR via Web Service permite a consulta da posição consolidada

Leia mais

Capítulo 2 Web 2.0 22

Capítulo 2 Web 2.0 22 2 Web 2.0 Uma vez que o presente trabalho está intensamente relacionado à Web 2.0 (muitas tecnologias da mesma são utilizadas pela equipe estudada, que precisam de melhorias), torna-se necessário entender

Leia mais

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS Elaborado por: Bruno Duarte Nogueira Arquiteto de Software Data: 05/03/2012 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tecnologias... 3 2.1. Web Tier... 3 2.1.1. Facelets 1.1.14...

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Manual de utilização do Zimbra

Manual de utilização do Zimbra Manual de utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web ( Firefox, Chrome e Internet Explorer ) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário,

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

6 Aplicações Ricas para Internet

6 Aplicações Ricas para Internet 6 Aplicações Ricas para Internet DESENVOLVIMENTO WEB II - 7136 6.1. Evolução das aplicações para web O crescente número de pessoas que usufruem da informatização das tarefas cotidianas, viabilizadas na

Leia mais

Documentação do IBM Lotus Mashups

Documentação do IBM Lotus Mashups Documentação do IBM Lotus Mashups ii Documentação do IBM Lotus Mashups Índice Introdução............. 1 Perguntas Mais Freqüentes Gerais.......1 Perguntas Mais Freqüentes Sobre Criar, Montar e Explorar

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 Manual do Usuário Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 1. CONFIGURAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA ACESSO... 4 2 GUIAS... 11 2.1 DIGITANDO AS GUIAS... 11 2.2 SALVANDO GUIAS... 12 2.3 FINALIZANDO UMA GUIA... 13

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO - VISÃO DE EMPRESAS. Todos os direitos reservados à Softbox

MANUAL DE UTILIZAÇÃO - VISÃO DE EMPRESAS. Todos os direitos reservados à Softbox MANUAL DE UTILIZAÇÃO - VISÃO DE EMPRESAS 2012 Todos os direitos reservados à Softbox 1101001112211110000212451 Seja bem vindo! Você está recebendo o MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS. Este manual

Leia mais

Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Capacitar o aluno para o trabalho com o framework JQuery. INTRODUÇÃO JQuery é uma biblioteca

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA SERVLETS

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA SERVLETS PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA SERVLETS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o conceito aplicações orientada a serviços via web Apresentar o papel dos contentores

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1 Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1 Do inglês, Cascading Style Sheet, ou folha de estilo em cascata. É uma linguagem

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede OpenCart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 vqmod 4 4.2 Instalação e ativação

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

SIEP / RENAPI. Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento. de um Site/Portal Acessível

SIEP / RENAPI. Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento. de um Site/Portal Acessível SIEP / RENAPI Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento de um Site/Portal Acessível Setembro de 2009 Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento de um Site/Portal Acessível Cuidados em geral Separar adequadamente

Leia mais

Mozilla Firefox 2.0 Janeiro/ 2007

Mozilla Firefox 2.0 Janeiro/ 2007 Mozilla Firefox 2.0 Janeiro/ 2007 ESTE MATERIAL FOI DESENVOLVIDO EM PARCEIRA ENTRE A COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO METRÔ E A BARROS MARTINS CONSULTORIA E TREINAMENTO EM INFORMÁTICA LTDA E ESTÁ

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software O Animail é um software para criar campanhas de envio de email (email Marketing). Você pode criar diversas campanhas para públicos diferenciados. Tela Principal do sistema Para melhor apresentar o sistema,

Leia mais

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo Manual do Usuário Índice Conheça o Projeto...3 Apresentação...3 Finalidade...3 Objetivo...3 Histórico...4 Usando o Portal...5 Efetuando o cadastro na biblioteca digital...5 Logando na Biblioteca Digital...6

Leia mais

No artigo anterior explicamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso. Parte II: Especificando Caso de Uso

No artigo anterior explicamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso. Parte II: Especificando Caso de Uso Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte II: Especificando Caso de Uso Vinicius Lourenço de Sousa viniciuslsousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de 10 anos,

Leia mais

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de gestão de conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Conceitos de extensões Joomla!

Conceitos de extensões Joomla! capítulo 1 Conceitos de extensões Joomla! Entendendo o que é extensão Extensão pode ser entendida como uma pequena aplicação desenvolvida com regras de construção estabelecidas pelo ambiente Joomla!. É

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras Ajudando o Brasil a expandir fronteiras FUNCEXDATA 2.0 Manual do Usuário Maio/2012 Funcex Av. Rio Branco, 120, Gr. 707, Centro 20040-001 Rio de Janeiro RJ Instituída em 12 de março de 1976 CNPJ 42.580.266/0001-09.

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados Construtor Iron Web Manual do Usuário Iron Web Todos os direitos reservados A distribuição ou cópia deste documento, ou trabalho derivado deste é proibida, requerendo, para isso, autorização por escrito

Leia mais

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção Este procedimento corresponde ao fluxo de trabalho de Indexação de OCR com separação de código de correção no programa de treinamento do Capture Pro Software. As etapas do procedimento encontram-se na

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Novo projeto com NetBeans A partir de hoje, vamos trabalhar com projetos no NetBeans

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage SeçãodoCorpo Imagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger SeçãodoCorpo Imagens Índice

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO NF-e CONNECT - Versão 7 - Outubro/2009

MANUAL DE INSTALAÇÃO NF-e CONNECT - Versão 7 - Outubro/2009 Simplificando processos, Dinamizando negócios OOBJ-NF-E/CT-E MANUAL DE INSTALAÇÃO NF-e CONNECT - Versão 7 - Outubro/2009 E-Sales Soluções de integração Avenida França, 1162 Porto Alegre, RS Fone: (51)

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal)

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Acessando o Sistema Para acessar a interface de colaboração de conteúdo, entre no endereço http://paginapessoal.utfpr.edu.br. No formulário

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX. Vinícius Barreto de Sousa Neto

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX. Vinícius Barreto de Sousa Neto INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX Vinícius Barreto de Sousa Neto Libgdx é um framework multi plataforma de visualização e desenvolvimento de jogos. Atualmente ele suporta Windows, Linux,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 1 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA Documento de Arrecadação Estadual DAE Manual do Usuário Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 66.053-000 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Reduto Belém PA Tel.:(091)

Leia mais

Manual do Usuário Projeto DECOM DIGITAL Versão 1.0

Manual do Usuário Projeto DECOM DIGITAL Versão 1.0 Manual do Usuário Projeto DECOM DIGITAL Versão 1.0 Sumário 1 INTRODUÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA... 3 3 DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 4 COMO ACESSAR O SISTEMA... 3 5 COMO NAVEGAR

Leia mais

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa Adobe Flex Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa O que é Flex? Estrutura de Código aberto para a criação de aplicativos Web Utiliza o runtime do Adobe

Leia mais

Manual do Publicador. Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web

Manual do Publicador. Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web Manual do Publicador Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web Sumário Painel de Administração... 3 1 - Inserção de post... 5 2 Publicação de post com notícia na área headline (galeria de

Leia mais

Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CADASTRO DA EMPRESA... 8 3. CONTROLE DE PERMISSÕES... 14 4. CONFIGURAÇÕES DA EMPRESA... 19 5. CND...

Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CADASTRO DA EMPRESA... 8 3. CONTROLE DE PERMISSÕES... 14 4. CONFIGURAÇÕES DA EMPRESA... 19 5. CND... Sage CND Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. Primeiro Acesso... 2 1.2. Conhecendo a Plataforma Sage... 4 1.2.1. Seleção de Empresa de Trabalho... 4 1.2.2. Sair do sistema/minhas Configurações... 5 1.2.3.

Leia mais

VISUAL LIGHTBOX FERRAMENTA WEB DESIGN FABIANO KEIJI TAGUCHI

VISUAL LIGHTBOX FERRAMENTA WEB DESIGN FABIANO KEIJI TAGUCHI VISUAL LIGHTBOX FERRAMENTA WEB DESIGN FABIANO KEIJI TAGUCHI ESTE MATERIAL TEM UM OBJETIVO DE COMPLEMENTAR OS ASSUNTOS ABORDADOS DENTRO DE SALA DE AULA, TORNANDO-SE UM GUIA PARA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA

Leia mais

Módulo e-rede Prestashop v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede Prestashop v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede Prestashop v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Instruções iniciais 4 4.2 Instalação

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

HAT Programação Auditoria Pós. 12.1.x. abril de 2015. Versão: 2.0

HAT Programação Auditoria Pós. 12.1.x. abril de 2015. Versão: 2.0 HAT Programação Auditoria Pós 12.1.x abril de 2015 Versão: 2.0 1 Sumário 1 Introdução... 3 2 Visão do Processo... 3 3 Serviço... 5 4 Dataset... 7 5 Formulário Principal AuditoriaPos... 9 6 Arquitetura

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SRSAT e do Ambiente de Testes por Fabricantes

Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SRSAT e do Ambiente de Testes por Fabricantes 1 Índice Projeto SAT-CF-e Guia de Procedimentos para uso do SRSAT e do Ambiente de Testes por Fabricantes (Versão 1.4.4 atualizado em 14/05/2014) 1. Introdução... 1 2. Fluxo Geral... 1 3. Detalhamento

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web

Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web Sergio N. Ikeno¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sergioikn@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo.

Leia mais

Área de Administração

Área de Administração Área de Administração versão 1.1 Partir de 2012/01/14 aplica-se para a versão phpcontact 1.2.x www.phpcontact.net Geral A área de administração é utilizado para uma fácil configuração do software elaboraçao

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX?

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX? Nível - Avançado AJAX no GASweb Por: Pablo Hadler AJAX (Asynchronous Javascript and XML) foi criado com o princípio de ser uma maneira rápida e otimizada de podermos fazer requisições Web, sendo esta totalmente

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1

2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1 2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual da GVDASA Sistemas e toda a informação nele contida é confidencial. Nenhuma parte deste

Leia mais

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Manual do Usuário Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Índice INTRODUÇÃO E UTILIZAÇÕES GERAIS Funcionalidades...03 Introdução...04 Requisitos Necessários...04 Instalando o xconference...05-07

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Software cliente: browser e outros Protocolo HTTP Infraestrutura de transporte

Leia mais

Criando Aplicações PHP com. Zend e Dojo. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec

Criando Aplicações PHP com. Zend e Dojo. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec Criando Aplicações PHP com Zend e Dojo Flávio Gomes da Silva Lisboa Novatec Copyright 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Administração dos Portais

2015 GVDASA Sistemas Administração dos Portais 2015 GVDASA Sistemas Administração dos Portais AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta

Leia mais

Manual WordPress. Conteúdo Índice. Capítulo 1 Introdução. Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel. Capítulo 3 Gerenciamento de Posts ( Artigos)

Manual WordPress. Conteúdo Índice. Capítulo 1 Introdução. Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel. Capítulo 3 Gerenciamento de Posts ( Artigos) Manual WordPress Conteúdo Índice Capítulo 1 Introdução Sobre o WordPress Características principais Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel Logando no Painel de Controle Alterando Usuário e Senha Painel

Leia mais

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede OpenCart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 vqmod 4 4.2 Instalação e ativação do

Leia mais

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado da Fazenda

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado da Fazenda Manual do Usuário Sistema Notapará Programa Nota Fiscal Cidadã Objetivo: Estabelecer orientações aos usuários do sistema Notapará, tais como: usabilidade, funcionalidade e navegabilidade. Manual do Usuário

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO ANA PAULA CARVALHO LORENZONI MICHELINE PARIZOTTO PROFESSORA. MILENE SELBACH SILVEIRA ORIENTADORA

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Apostila da Ferramenta AdminWEB

Apostila da Ferramenta AdminWEB Apostila da Ferramenta AdminWEB Apostila AdminWEB SUMÁRIO OBJETIVO DO CURSO... 3 CONTEÚDO DO CURSO... 4 COMO ACESSAR O SISTEMA... 5 CONHEÇA OS COMPONENTES DA PÁGINA... 6 COMO EFETUAR O LOGIN... 9 MANTER

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo Introdução Recursos de acessibilidade principais Navegação usando

Leia mais