Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013"

Transcrição

1 Análise das relações trabalhistas no Brasil e em diferentes países Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ São Paulo 15/07/2013

2 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

3 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

4 Critérios: Padrões Tamanho Contraste Países escolhidos: Estados Unidos Alemanha Japão Elementos da comparação Contexto histórico/social Elementos característicos Processos de produção de normas e solução de conflitos Papel dos atores e importância do Direito do Trabalho Situação atual

5 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

6 Estados Unidos Contexto histórico/social Individualismo Século 19: ocupação da fronteira com distribuição de terras Salários altos (Marx percebeu) Educação universal Voto universal (exceto negros) Problemas básicos resolvidos (contrário da Europa) Consequência: sindicalismo de resultados ( business unionism )

7 Estados Unidos Elementos característicos Reconhecimento do sindicato recente (ilegal até 1932) Reconhecimento fez parte do New Deal Legislação reconhece diferença de poder (diferente do Brasil) Sindicalização por empresa e com plebiscito Contribuição compulsória Dois setores: sindicalizado e não sindicalizado Empresas sindicalizadas: paz armada Empresas não sindicalizadas: employment at will Sindicatos apartidários (identificação com Democratas) EUA não assinaram a Convenção 87

8 Estados Unidos Processos de produção de normas e solução de conflitos Pouca legislação, muita negociação Negociação descentralizada, referências (pattern bargaining) Representante sindical no local de trabalho Procedimento de reclamação com arbitragem (grievance procedure) Papel dos atores e importância do Direito do Trabalho Fonte principal de direitos: contrato coletivo Solução autônoma de conflitos Justiça acionada para direitos civis (discriminação)

9 Estados Unidos Situação atual Sindicatos em crise desde Reagan Taxa de sindicalização: 7% Dilemas do sindicato: Negociar concessões Aceitar esquemas participativos Crescimento da desigualdade Crise na aposentadoria complementar Temporários, jornada parcial: trabalhadores de segunda classe Debate atual: negociar apenas para os sindicalizados

10 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

11 Alemanha Contexto histórico/social Tragédia do nazismo: sindicatos resistiram Fim da 2ª. Guerra: emergem com enorme autoridade moral Legislação da Cogestão ( Codetermination ): evitar nova tragédia Solidariedade e busca de consensos

12 Alemanha Elementos característicos Cogestão: dois instrumentos Representantes eleitos no Conselho de Administração (diversos formatos) Conselho de Representantes também eleitos (Works Council - Comissão de Fábrica) E mais: sindicato (os três são conectados informalmente) Trabalhadores têm influência nas decisões estratégicas São representantes dos empregados (não do sindicato) CR não pode fazer greve

13 Alemanha Processos de produção de normas e solução de conflitos Assuntos tratados no CR (negociação com a empresa): Disciplina Jornada de trabalho e intervalos; Banco de horas Ritmo de trabalho Sistema de pagamento Esquemas de sugestões Calendário de feriados Monitoramento do desempenho dos trabalhadores Segurança/ambiente de trabalho Serviços sociais no estabelecimento; Gestão da habitação dos empregados Demissões Impasses: Acionistas decidem (raro, muito consenso)

14 Alemanha Papel dos atores e importância do Direito do Trabalho Taxa de sindicalização: aproximadamente 30% Central Sindical: DGB. Vinculada ao SPD (Partido Social Democrata) Associações Patronais Setoriais e/ou regionais Negociação Coletiva Centralizada por setores. Acordo estendido a todo o setor. Hoje, tendência a descentralização Pouco conflito Papel importante na reestruturação da Alemanha Oriental Educação Profissional com gestão bi-partite. Sucesso: força de trabalho qualificada e produtiva. Escolha aos 16 anos: educação geral, educação dirigida para Universidade, educação profissional (aprendizagem). 70% escolhem Educação Profissional

15 Alemanha Situação atual Economia Social de Mercado, iniciada antes do nazismo, retomada depois da 2ª. Guerra Mundial Modelo muito bem sucedido Desafio: administrar as restrições à demissão. Crescimento dos contratos de trabalho atípicos : jornada parcial e por prazo determinado Negociação de flexibilidade nas restrições à demissão

16 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

17 Japão Contexto histórico/social Início do século XX: escassez de mão-de-obra. Competição por trabalhadores. Muita rotatividade de mão-de-obra. Solução racional: benefícios de longo prazo para reter os empregados. Modelo japonês: causas culturais?

18 Japão Elementos característicos Emprego vitalício (1/3) com flexibilidade na alocação e na definição (ampla) de cargos. Pergunta: cultura ou racionalidade econômica? Muito, muito treinamento Alto nível de identificação Todos mensalistas (não há horistas). Sindicato representa todos. Leque salarial pouco amplo Aumentos salariais por tempo de serviço/idade/status civil Mas também: avaliação de desempenho com aumentos salariais Muito emprego temporário (1/3)

19 Japão Processos de produção de normas e solução de conflitos Consulta informal para resolver disputas sobre reclamações individuais Diálogo permanente na empresa. Informação, consulta, negociação com o sindicato da empresa. Poucas greves (outras formas de manifestação de descontentamento) Busca de consenso, impasses raros.

20 Japão Papel dos atores e importância do Direito do Trabalho Sindicatos de empresa, representam todos (trabalhadors da produção e da administração, exceto gerentes/executivos) Filiados a federações/confederações setoriais Contribuição compulsória, descontada em folha Taxa de sindicalização decrescente (ao redor de 20%) Associações empresariais organizadas também por setor Shuntô: Ofensiva da Primavera Federações de Sindicatos e Associações Empresariais definem parâmetros Negociação por empresa a partir dos parâmetros Preponderância da negocição como fonte de direitos

21 Japão Situação atual Modelo sob pressão: emprego vitalício enfraquecido Pós guerra: capitalismo coordenado (parecido com a Alemanha) SRI muito bem sucedido

22 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

23 Brasil Contexto histórico/social Economia rural, precisava se industrializar, de preferência sem conflito. Hipossuficiência para justificar intervenção do Estado. Elementos característicos CLT detalhista, chata, mas mercado extremamente flexível. Cooptação e falta de representatividade. Processos de produção de normas e solução de conflitos Externos à empresa. Não há mecanismos de representação no local de trabalho. Conflitos expelidos para a Justiça do Trabalho (2 milhões/ano). Papel dos atores e importância do Direito do Trabalho Advogados, Justiça do Trabalho, MPT e MTE substituem os atores.

24 Brasil Situação atual Fracasso da Reforma Sindical. Três erros: substituição processual, representação no local de trabalho e regra de desempate. Lula frustrou expectativas e voltou aos anos Reforma trabalhista: algum da? Duas práticas inovadoras: Metalúrgicos do ABC Contrato Coletivo Específico Indústria da Cana Compromisso Nacional Um novo padrão está emergindo? Traço comum: adesão voluntária.

25 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

26 Síntese e conclusões Modelos não se copiam, mas há elementos e funções recorrentes nos três países: Papel do litígio em Corte é secundário Negociação coletiva começa no local de trabalho. Conflito resolvido no nascedouro Sindicato/representantes dos trabalhadores colaboram com o RH Transição para dois segmentos: núcleo duro e periferia flexível. Desafio: criar instituições para administrar a mudança Estes elementos estão presentes nas duas tentativas brasileiras de modernização citadas: coincidência?

27 Muito obrigado pela atenção e pela paciência!

A Negociação Sindical em Tempos de Pleno Emprego

A Negociação Sindical em Tempos de Pleno Emprego A Negociação Sindical em Tempos de Pleno Emprego Flávio Obino Filho www.obinoadvogados.com.br fof@obinoadvogados.com.br Papel do Facilitador Contextualizar a discussão, coordenar e incentivar o debate

Leia mais

CRIANDO UM AMBIENTE MAIS FAVORÁVEL A NEGÓCIOS NO BRASIL. Instituições do Trabalho

CRIANDO UM AMBIENTE MAIS FAVORÁVEL A NEGÓCIOS NO BRASIL. Instituições do Trabalho CRIANDO UM AMBIENTE MAIS FAVORÁVEL A NEGÓCIOS NO BRASIL Instituições do Trabalho Projeto realizado em parceria com a Confederação Britânica da Indústria CBI e o Governo Britânico, financiado pelo Fundo

Leia mais

O Futuro das Relações Sindicais. 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006

O Futuro das Relações Sindicais. 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006 O Futuro das Relações Sindicais 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006 Revolução Trabalhista no Mundo China, Índia e ex-urss: oferta mundial de trabalho de baixos salários 1985-2005:

Leia mais

Trabalho. Indo de Encontro aos Desafios do Futuro. Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO)

Trabalho. Indo de Encontro aos Desafios do Futuro. Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO) Trabalho Indo de Encontro aos Desafios do Futuro Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO) O sistema japonês de trabalho desempenhou um papel central no forte crescimento econômico que

Leia mais

Heli Gonçalves Moreira. Março.2015 Material de uso exclusivo HGM Consultores

Heli Gonçalves Moreira. Março.2015 Material de uso exclusivo HGM Consultores Heli Gonçalves Moreira Março.2015 UM NOVO OLHAR SOBRE O MUNDO DAS RELAÇÕES NO TRABALHO O CONTEXTO Reflexão O Brasil do passado x o Brasil de hoje Calamidade pública Vaca ir docemente para o brejo Nós frouxos

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL BASF AMÉRICA DO SUL BRASIL

DIÁLOGO SOCIAL BASF AMÉRICA DO SUL BRASIL DIÁLOGO SOCIAL NA BASF AMÉRICA DO SUL E NO BRASIL Convenção 87 e 98 da OIT 1986 1º Encontro (Brasil) dos Trabalhadores no Grupo BASF Solidariedade Internacional Seminário: Padrão da Indústria Química Maio/1993

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas.

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas. DIRETRIZES NORMATIVAS ELABORADAS PELO GRUPO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SOBRE ORGANIZAÇÃO SINDICAL, NEGOCIAÇÃO COLETIVA, APLICAÇÃO DO DIREITO DE GREVE, CUSTEIO E LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE

Leia mais

Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio

Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio Dr. WOLNEI TADEU FERREIRA novembro 2014 O que é a IBA e o que ela significa

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL 1. Introdução: Atualmente, há três PEC(s) visando alterar Incisos do art.7º, da Constituição Federal que estabelecem: - XIII:

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não Por que esta cartilha? Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não foram concessões patronais ou de governos, como os patrões tentam nos fazer parecer. A história da classe trabalhadora

Leia mais

Agenda. Cenário da Indústria

Agenda. Cenário da Indústria Agenda Cenário da Indústria Retrato da Indústria Participação (%) Tributos (2009) PIB (2012) Salários (2012) 45 26,3 24,6 Emprego (2012) 24,6 51 Exportações (2012) Fonte: IBGE, RAIS/MTE, SECEX/MDIC, DECONTEC/FIESP;

Leia mais

Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações. Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP

Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações. Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP Conceito de Cultura Conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou descobriu ou desenvolveu ao aprender

Leia mais

Crises Econômicas e Flexibilidade no Trabalho

Crises Econômicas e Flexibilidade no Trabalho Crises Econômicas e Flexibilidade no Trabalho Os casos da Alemanha e do Brasil Werner Eichhorst e Paul Marx Instituto de Estudos do Trabalho de Bonn José Pastore Universidade de São Paulo Bonn São Paulo

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO 71 ANOS DA CLT - Cenário quando da edição Importante instrumento para reger as relações do trabalho no início da década de 40 Industrialização incipiente (Brasil Rural)

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

Principais Desafios para a Gestão dos Cursos Superiores em. Everaldo Artur Grahl

Principais Desafios para a Gestão dos Cursos Superiores em. Everaldo Artur Grahl Principais Desafios para a Gestão dos Cursos Superiores em Computação e Informática Everaldo Artur Grahl Sumário Objetivo Estudo da FIESC Macrotendências Temas importantes Fatores Críticos Sugestões de

Leia mais

CARTA DE PIRACICABA. I Sindicato e autonomia frente ao Ministério Público do Trabalho e Emprego e a Justiça do Trabalho;

CARTA DE PIRACICABA. I Sindicato e autonomia frente ao Ministério Público do Trabalho e Emprego e a Justiça do Trabalho; CARTA DE PIRACICABA Nos dias 27 e 28 do mês de maio de 2014, na cidade de Piracicaba, Estado de São Paulo, os trabalhadores do ramo da alimentação do Brasil, representados por sua Confederação, Federações

Leia mais

Ferramentas para Campanhas Globais

Ferramentas para Campanhas Globais Ferramentas para Campanhas Globais Coalisões sindicais globais Normas trabalhistas internacionais Ação direta Fortalecimento do relacionamento entre trabalhadores Engajamento de acionistas: investimento

Leia mais

Relações do Trabalho no Brasil Cenários e Dificuldades

Relações do Trabalho no Brasil Cenários e Dificuldades Relações do Trabalho no Brasil Cenários e Dificuldades Alexandre Furlan 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO Belo Horizonte, 28.09.11 O CENÁRIO TRABALHISTA NO BRASIL O Cenário Trabalhista no Brasil Discussão

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes. Brasília, 07 de maio de 2015

Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes. Brasília, 07 de maio de 2015 Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes 1 Brasília, 07 de maio de 2015 Quem Somos? A Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores - FENAVIST,

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

SUSTENTAÇÃO DO EMPREGO EM PERÍODOS DE CRISE

SUSTENTAÇÃO DO EMPREGO EM PERÍODOS DE CRISE SUSTENTAÇÃO DO EMPREGO EM PERÍODOS DE CRISE - Boas Práticas Empresariais - 14 de Junho de 2010 Objectivos 1. Identificar boas práticas nacionais Sustentação do emprego Manutenção da competitividade 2.

Leia mais

Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato

Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato Muito se discute hoje acerca das contribuições compulsórias destinadas aos Sindicatos, em especial das contribuições assistencial e confederativa.

Leia mais

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA.

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. INTRODUÇÃO Recentemente o Governo Federal, por seu Ministro do Trabalho e Emprego, Ricardo Berzoini, um mineiro de Juiz de Fora

Leia mais

PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL)

PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL) PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL) Brasília Junho de 2009 Organização do Estado Brasileiro República Federativa do Brasil (União Indissolúvel) Estados

Leia mais

Perspectivas do Direito Sindical no Brasil. João de Lima Teixeira Filho

Perspectivas do Direito Sindical no Brasil. João de Lima Teixeira Filho Porto Alegre, Maio de 2014 Modelos de Relações Coletivas de Trabalho: 4 elementos Estado Sindicato NC Meios de Solução dos Conflitos Modelos de Relações Coletivas de Trabalho: 4 elementos Estado Sindicato

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

XI SIMPÓSIO DE RELAÇÕES DE TRABALHO GRAMADO 22-24/10/2015

XI SIMPÓSIO DE RELAÇÕES DE TRABALHO GRAMADO 22-24/10/2015 MERCADO DE TRABALHO E DESCOMPASSO INSTITUCIONAL NO BRASIL: COMO SUPERAR? Hélio Zylberstajn (FEA/USP e Fipe) XI SIMPÓSIO DE RELAÇÕES DE TRABALHO GRAMADO 22-24/10/2015 MERCADO DE TRABALHO E DESCOMPASSO INSTITUCIONAL

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

JUVENTUDE PERDAS E GANHOS SOCIAIS NA CRISTA DA POPULAÇÃO JOVEM. Carlos Henrique Corseuil (IPEA) Miguel Foguel (IPEA) Gustavo Gonzaga (PUC-Rio)

JUVENTUDE PERDAS E GANHOS SOCIAIS NA CRISTA DA POPULAÇÃO JOVEM. Carlos Henrique Corseuil (IPEA) Miguel Foguel (IPEA) Gustavo Gonzaga (PUC-Rio) JUVENTUDE E risco RISCO PERDAS E GANHOS SOCIAIS NA CRISTA DA POPULAÇÃO JOVEM EFEITOS DE UM PROGRAMA DE APRENDIZ SOBRE SALÁRIOS E EMPREGABILIDADE DE JOVENS NO BRASIL Carlos Henrique Corseuil (IPEA) Miguel

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

REFORMA SINDICAL QUADRO COMPARATIVO

REFORMA SINDICAL QUADRO COMPARATIVO REFORMA SINDICAL QUADRO COMPARATIVO Substitutivo do deputado Tarcísio Zimmerman (PT/RS), relator dos projetos que tratam da reforma sindical na Comissão de Trabalho, e o anteprojeto de relações sindicais

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad A importância do RH estratégico para as empresas familiares Sheila Madrid Saad Anos 30... Pagadoria Registros e controles Enfoque jurídico FOCO NA MANUTENÇÃO DA LEGALIDADE Anos 50... Pagadoria Registros

Leia mais

Políticas Públicas e Parcerias com o Terceiro Setor. Claudia Costin

Políticas Públicas e Parcerias com o Terceiro Setor. Claudia Costin Políticas Públicas e Parcerias com o Terceiro Setor Claudia Costin Percepção recente sobre o Poder Público no Brasil Estado Brasileiro colocado em cheque por motivos éticos, dada a configuração clientelista

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 Agenda 1. Demanda por profissionais e a estratégia de gestão de pessoas 2. Gestão de pessoas tendências

Leia mais

4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011

4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011 4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011 ABIMAQ: > 4500 empresas e > 260 mil empregos diretos Fotografia do Mercado de Trabalho - RS Dados do Ministério do Trabalho (2010):

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB O Encontro Nacional do Ramo da Construção e do Mobiliário da CTB, este ano em sua 5ª edição, realizado nos dias 28 e 29 de

Leia mais

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL Argileu Martins da Silva Secretário Adjunto/Diretor do DATER A FASE DA INOVAÇÃO Um Jeep, um homem, uma mulher desafiam os costumes

Leia mais

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS)

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) Brasília, 20 de novembro de 2014 II Encontro Nacional das Mesas de Negociação do SUS Agenda Nacional de Trabalho

Leia mais

Liderança Sindical Empresarial ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Liderança Sindical Empresarial ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Liderança Sindical Empresarial ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Visão estratégica e projetos futuros

Visão estratégica e projetos futuros Visão estratégica e projetos futuros 4 Encontro de Secretários Executivos de Sindicatos - FIESC 15 de setembro de 2010 PDA Visão Estratégica Panorama SC Projetos 2011 Objetivos Visão Estratégica 1/9 Mapa

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

A. propor ao Conselho Nacional o ajuizamento de acoes visando a defesa dos interesses do Sindicato e seus filiados:

A. propor ao Conselho Nacional o ajuizamento de acoes visando a defesa dos interesses do Sindicato e seus filiados: Relatório da Diretoria de Assuntos Jurídicos Gestão 2013/2015 Será feita inicialmente uma descrição das atividades executadas nos últimos dois anos, de acordo com as atribuições da Diretoria de Assuntos

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

1.1.1 Instituições: o que são? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem?

1.1.1 Instituições: o que são? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? PARTE I A análise económica das instituições. 1. Dos dilemas sociais e das instituições para os resolver 1.1 Instituições 1.1.1 O que são? 1.1.3 Como avaliá-las?

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Tocantins Advogados TERCEIRIZAÇÃO * * * * PROJETO DE LEI - 4.330/04 CENÁRIO ATUAL Não existe lei de terceirização, mas sim, lei de trabalho temporário (Lei 6.019/74)

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº ÍNDICE DO MANUAL DE ROTINAS TRABALHISTAS TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº INTRODUÇÃO 6 SIGLAS UTILIZADAS 7 ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL E GERÊNCIA DE REC HUMANOS 8 ABANDONO DE EMPREGO 19 ACIDENTE NO

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Existe escassez de mão de obra qualificada no Brasil?

Existe escassez de mão de obra qualificada no Brasil? Seminário Os caminhos da qualificação técnica e profissional no Brasil Existe escassez de mão de obra qualificada no Brasil? Paulo A. Meyer M. Nascimento Técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea paulo.nascimento@ipea.gov.br

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação PRO-REG/IBI PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM REGULAÇÃO Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação Pedro Farias Especialista Lider em Modernização do Estado Banco Interamericano de Desenvolvimento Sebastian

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

POLITICAS PUBLICAS DE QUALIFICAÇÃO. Da concepção a concertação

POLITICAS PUBLICAS DE QUALIFICAÇÃO. Da concepção a concertação POLITICAS PUBLICAS DE QUALIFICAÇÃO Da concepção a concertação 1 Cenário da qualificação nos países em desenvolvimento constatação 1. Desarticulação das políticas de emprego, desenvolvimento e educação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011. A referência para instruir o presente plano

Leia mais

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br CIDADANIA E PARTICIPAÇÃO Cidadania é o conjunto de DIREITOS: Civis (individuais, em que todos são indivíduos livres

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito (Abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista Os sistemas de seguro depósito, a par dos problemas de perigo moral e seleção adversa

Leia mais

Acordo de Desenvolvimento Sustentável. Preâmbulo

Acordo de Desenvolvimento Sustentável. Preâmbulo Acordo de Desenvolvimento Sustentável Preâmbulo A Umicore está comprometida com uma estratégia de desenvolvimento sustentável que engloba, coerentemente, objetivos econômicos, ambientais e sociais. Neste

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais