Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013"

Transcrição

1 Análise das relações trabalhistas no Brasil e em diferentes países Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ São Paulo 15/07/2013

2 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

3 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

4 Critérios: Padrões Tamanho Contraste Países escolhidos: Estados Unidos Alemanha Japão Elementos da comparação Contexto histórico/social Elementos característicos Processos de produção de normas e solução de conflitos Papel dos atores e importância do Direito do Trabalho Situação atual

5 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

6 Estados Unidos Contexto histórico/social Individualismo Século 19: ocupação da fronteira com distribuição de terras Salários altos (Marx percebeu) Educação universal Voto universal (exceto negros) Problemas básicos resolvidos (contrário da Europa) Consequência: sindicalismo de resultados ( business unionism )

7 Estados Unidos Elementos característicos Reconhecimento do sindicato recente (ilegal até 1932) Reconhecimento fez parte do New Deal Legislação reconhece diferença de poder (diferente do Brasil) Sindicalização por empresa e com plebiscito Contribuição compulsória Dois setores: sindicalizado e não sindicalizado Empresas sindicalizadas: paz armada Empresas não sindicalizadas: employment at will Sindicatos apartidários (identificação com Democratas) EUA não assinaram a Convenção 87

8 Estados Unidos Processos de produção de normas e solução de conflitos Pouca legislação, muita negociação Negociação descentralizada, referências (pattern bargaining) Representante sindical no local de trabalho Procedimento de reclamação com arbitragem (grievance procedure) Papel dos atores e importância do Direito do Trabalho Fonte principal de direitos: contrato coletivo Solução autônoma de conflitos Justiça acionada para direitos civis (discriminação)

9 Estados Unidos Situação atual Sindicatos em crise desde Reagan Taxa de sindicalização: 7% Dilemas do sindicato: Negociar concessões Aceitar esquemas participativos Crescimento da desigualdade Crise na aposentadoria complementar Temporários, jornada parcial: trabalhadores de segunda classe Debate atual: negociar apenas para os sindicalizados

10 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

11 Alemanha Contexto histórico/social Tragédia do nazismo: sindicatos resistiram Fim da 2ª. Guerra: emergem com enorme autoridade moral Legislação da Cogestão ( Codetermination ): evitar nova tragédia Solidariedade e busca de consensos

12 Alemanha Elementos característicos Cogestão: dois instrumentos Representantes eleitos no Conselho de Administração (diversos formatos) Conselho de Representantes também eleitos (Works Council - Comissão de Fábrica) E mais: sindicato (os três são conectados informalmente) Trabalhadores têm influência nas decisões estratégicas São representantes dos empregados (não do sindicato) CR não pode fazer greve

13 Alemanha Processos de produção de normas e solução de conflitos Assuntos tratados no CR (negociação com a empresa): Disciplina Jornada de trabalho e intervalos; Banco de horas Ritmo de trabalho Sistema de pagamento Esquemas de sugestões Calendário de feriados Monitoramento do desempenho dos trabalhadores Segurança/ambiente de trabalho Serviços sociais no estabelecimento; Gestão da habitação dos empregados Demissões Impasses: Acionistas decidem (raro, muito consenso)

14 Alemanha Papel dos atores e importância do Direito do Trabalho Taxa de sindicalização: aproximadamente 30% Central Sindical: DGB. Vinculada ao SPD (Partido Social Democrata) Associações Patronais Setoriais e/ou regionais Negociação Coletiva Centralizada por setores. Acordo estendido a todo o setor. Hoje, tendência a descentralização Pouco conflito Papel importante na reestruturação da Alemanha Oriental Educação Profissional com gestão bi-partite. Sucesso: força de trabalho qualificada e produtiva. Escolha aos 16 anos: educação geral, educação dirigida para Universidade, educação profissional (aprendizagem). 70% escolhem Educação Profissional

15 Alemanha Situação atual Economia Social de Mercado, iniciada antes do nazismo, retomada depois da 2ª. Guerra Mundial Modelo muito bem sucedido Desafio: administrar as restrições à demissão. Crescimento dos contratos de trabalho atípicos : jornada parcial e por prazo determinado Negociação de flexibilidade nas restrições à demissão

16 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

17 Japão Contexto histórico/social Início do século XX: escassez de mão-de-obra. Competição por trabalhadores. Muita rotatividade de mão-de-obra. Solução racional: benefícios de longo prazo para reter os empregados. Modelo japonês: causas culturais?

18 Japão Elementos característicos Emprego vitalício (1/3) com flexibilidade na alocação e na definição (ampla) de cargos. Pergunta: cultura ou racionalidade econômica? Muito, muito treinamento Alto nível de identificação Todos mensalistas (não há horistas). Sindicato representa todos. Leque salarial pouco amplo Aumentos salariais por tempo de serviço/idade/status civil Mas também: avaliação de desempenho com aumentos salariais Muito emprego temporário (1/3)

19 Japão Processos de produção de normas e solução de conflitos Consulta informal para resolver disputas sobre reclamações individuais Diálogo permanente na empresa. Informação, consulta, negociação com o sindicato da empresa. Poucas greves (outras formas de manifestação de descontentamento) Busca de consenso, impasses raros.

20 Japão Papel dos atores e importância do Direito do Trabalho Sindicatos de empresa, representam todos (trabalhadors da produção e da administração, exceto gerentes/executivos) Filiados a federações/confederações setoriais Contribuição compulsória, descontada em folha Taxa de sindicalização decrescente (ao redor de 20%) Associações empresariais organizadas também por setor Shuntô: Ofensiva da Primavera Federações de Sindicatos e Associações Empresariais definem parâmetros Negociação por empresa a partir dos parâmetros Preponderância da negocição como fonte de direitos

21 Japão Situação atual Modelo sob pressão: emprego vitalício enfraquecido Pós guerra: capitalismo coordenado (parecido com a Alemanha) SRI muito bem sucedido

22 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

23 Brasil Contexto histórico/social Economia rural, precisava se industrializar, de preferência sem conflito. Hipossuficiência para justificar intervenção do Estado. Elementos característicos CLT detalhista, chata, mas mercado extremamente flexível. Cooptação e falta de representatividade. Processos de produção de normas e solução de conflitos Externos à empresa. Não há mecanismos de representação no local de trabalho. Conflitos expelidos para a Justiça do Trabalho (2 milhões/ano). Papel dos atores e importância do Direito do Trabalho Advogados, Justiça do Trabalho, MPT e MTE substituem os atores.

24 Brasil Situação atual Fracasso da Reforma Sindical. Três erros: substituição processual, representação no local de trabalho e regra de desempate. Lula frustrou expectativas e voltou aos anos Reforma trabalhista: algum da? Duas práticas inovadoras: Metalúrgicos do ABC Contrato Coletivo Específico Indústria da Cana Compromisso Nacional Um novo padrão está emergindo? Traço comum: adesão voluntária.

25 1. Introdução 2. Estados Unidos 3. Alemanha 4. Japão 5. Brasil 6. Síntese e conclusões

26 Síntese e conclusões Modelos não se copiam, mas há elementos e funções recorrentes nos três países: Papel do litígio em Corte é secundário Negociação coletiva começa no local de trabalho. Conflito resolvido no nascedouro Sindicato/representantes dos trabalhadores colaboram com o RH Transição para dois segmentos: núcleo duro e periferia flexível. Desafio: criar instituições para administrar a mudança Estes elementos estão presentes nas duas tentativas brasileiras de modernização citadas: coincidência?

27 Muito obrigado pela atenção e pela paciência!

O Futuro das Relações Sindicais. 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006

O Futuro das Relações Sindicais. 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006 O Futuro das Relações Sindicais 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006 Revolução Trabalhista no Mundo China, Índia e ex-urss: oferta mundial de trabalho de baixos salários 1985-2005:

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

Trabalho. Indo de Encontro aos Desafios do Futuro. Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO)

Trabalho. Indo de Encontro aos Desafios do Futuro. Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO) Trabalho Indo de Encontro aos Desafios do Futuro Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO) O sistema japonês de trabalho desempenhou um papel central no forte crescimento econômico que

Leia mais

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não Por que esta cartilha? Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não foram concessões patronais ou de governos, como os patrões tentam nos fazer parecer. A história da classe trabalhadora

Leia mais

A Negociação Sindical em Tempos de Pleno Emprego

A Negociação Sindical em Tempos de Pleno Emprego A Negociação Sindical em Tempos de Pleno Emprego Flávio Obino Filho www.obinoadvogados.com.br fof@obinoadvogados.com.br Papel do Facilitador Contextualizar a discussão, coordenar e incentivar o debate

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL BASF AMÉRICA DO SUL BRASIL

DIÁLOGO SOCIAL BASF AMÉRICA DO SUL BRASIL DIÁLOGO SOCIAL NA BASF AMÉRICA DO SUL E NO BRASIL Convenção 87 e 98 da OIT 1986 1º Encontro (Brasil) dos Trabalhadores no Grupo BASF Solidariedade Internacional Seminário: Padrão da Indústria Química Maio/1993

Leia mais

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA.

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. INTRODUÇÃO Recentemente o Governo Federal, por seu Ministro do Trabalho e Emprego, Ricardo Berzoini, um mineiro de Juiz de Fora

Leia mais

CRIANDO UM AMBIENTE MAIS FAVORÁVEL A NEGÓCIOS NO BRASIL. Instituições do Trabalho

CRIANDO UM AMBIENTE MAIS FAVORÁVEL A NEGÓCIOS NO BRASIL. Instituições do Trabalho CRIANDO UM AMBIENTE MAIS FAVORÁVEL A NEGÓCIOS NO BRASIL Instituições do Trabalho Projeto realizado em parceria com a Confederação Britânica da Indústria CBI e o Governo Britânico, financiado pelo Fundo

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO 71 ANOS DA CLT - Cenário quando da edição Importante instrumento para reger as relações do trabalho no início da década de 40 Industrialização incipiente (Brasil Rural)

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL 1. Introdução: Atualmente, há três PEC(s) visando alterar Incisos do art.7º, da Constituição Federal que estabelecem: - XIII:

Leia mais

Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio

Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio Dr. WOLNEI TADEU FERREIRA novembro 2014 O que é a IBA e o que ela significa

Leia mais

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas.

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas. DIRETRIZES NORMATIVAS ELABORADAS PELO GRUPO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SOBRE ORGANIZAÇÃO SINDICAL, NEGOCIAÇÃO COLETIVA, APLICAÇÃO DO DIREITO DE GREVE, CUSTEIO E LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE

Leia mais

CARTA DE PIRACICABA. I Sindicato e autonomia frente ao Ministério Público do Trabalho e Emprego e a Justiça do Trabalho;

CARTA DE PIRACICABA. I Sindicato e autonomia frente ao Ministério Público do Trabalho e Emprego e a Justiça do Trabalho; CARTA DE PIRACICABA Nos dias 27 e 28 do mês de maio de 2014, na cidade de Piracicaba, Estado de São Paulo, os trabalhadores do ramo da alimentação do Brasil, representados por sua Confederação, Federações

Leia mais

Heli Gonçalves Moreira. Março.2015 Material de uso exclusivo HGM Consultores

Heli Gonçalves Moreira. Março.2015 Material de uso exclusivo HGM Consultores Heli Gonçalves Moreira Março.2015 UM NOVO OLHAR SOBRE O MUNDO DAS RELAÇÕES NO TRABALHO O CONTEXTO Reflexão O Brasil do passado x o Brasil de hoje Calamidade pública Vaca ir docemente para o brejo Nós frouxos

Leia mais

Perspectivas do Direito Sindical no Brasil. João de Lima Teixeira Filho

Perspectivas do Direito Sindical no Brasil. João de Lima Teixeira Filho Porto Alegre, Maio de 2014 Modelos de Relações Coletivas de Trabalho: 4 elementos Estado Sindicato NC Meios de Solução dos Conflitos Modelos de Relações Coletivas de Trabalho: 4 elementos Estado Sindicato

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Acordo de Desenvolvimento Sustentável. Preâmbulo

Acordo de Desenvolvimento Sustentável. Preâmbulo Acordo de Desenvolvimento Sustentável Preâmbulo A Umicore está comprometida com uma estratégia de desenvolvimento sustentável que engloba, coerentemente, objetivos econômicos, ambientais e sociais. Neste

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2012.

PROJETO DE LEI N.º, DE 2012. PROJETO DE LEI N.º, DE 2012. (Do Sr. Irajá Abreu) Altera a redação do art. 611 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovado pelo Decreto-lei nº 5452, de 1º de maio de 1943, para dispor sobre a eficácia

Leia mais

Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes. Brasília, 07 de maio de 2015

Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes. Brasília, 07 de maio de 2015 Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes 1 Brasília, 07 de maio de 2015 Quem Somos? A Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores - FENAVIST,

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

PESQUISA SOBRE TRABALHO DECENTE. COTEMINAS Companhia de Tecidos Norte de Minas

PESQUISA SOBRE TRABALHO DECENTE. COTEMINAS Companhia de Tecidos Norte de Minas PESQUISA SOBRE TRABALHO DECENTE COTEMINAS Companhia de Tecidos Norte de Minas Empresa do setor têxtil, fundada em 1967 em Montes Claros (MG) por José Alencar. Possui 14 unidades no Brasil, 5 nos EUA, uma

Leia mais

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4.

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4. Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4 2 Denominação, 6 3 Conceito e divisão da matéria, 8 4 Posição enciclopédica, 9 5 Fontes,

Leia mais

A. propor ao Conselho Nacional o ajuizamento de acoes visando a defesa dos interesses do Sindicato e seus filiados:

A. propor ao Conselho Nacional o ajuizamento de acoes visando a defesa dos interesses do Sindicato e seus filiados: Relatório da Diretoria de Assuntos Jurídicos Gestão 2013/2015 Será feita inicialmente uma descrição das atividades executadas nos últimos dois anos, de acordo com as atribuições da Diretoria de Assuntos

Leia mais

Liderança Sindical Empresarial ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Liderança Sindical Empresarial ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Liderança Sindical Empresarial ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Tocantins Advogados TERCEIRIZAÇÃO * * * * PROJETO DE LEI - 4.330/04 CENÁRIO ATUAL Não existe lei de terceirização, mas sim, lei de trabalho temporário (Lei 6.019/74)

Leia mais

Crises Econômicas e Flexibilidade no Trabalho

Crises Econômicas e Flexibilidade no Trabalho Crises Econômicas e Flexibilidade no Trabalho Os casos da Alemanha e do Brasil Werner Eichhorst e Paul Marx Instituto de Estudos do Trabalho de Bonn José Pastore Universidade de São Paulo Bonn São Paulo

Leia mais

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado 20 Anos de SINDEEPRES Anos de Terceirização no Brasil Seminário 20 Anos de Terceirização no Brasil SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado Marcio Pochmann www.sindeepres.org.br Relações do trabalho

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos 1 A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista em São Paulo, ex-advogado dos Sindicatos dos Metalúrgicos, Bancários e Comerciários, todos

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

Consultoria TRABALHISTA SINDICAL

Consultoria TRABALHISTA SINDICAL Café com Ideias Sindilojas Caxias do Sul Flávio Obino Filho -Maio 2015 Consultoria TRABALHISTA SINDICAL Regulamentação da Terceirização e as consequências nas relações empresariais e de trabalho Consultoria

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br CIDADANIA E PARTICIPAÇÃO Cidadania é o conjunto de DIREITOS: Civis (individuais, em que todos são indivíduos livres

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

PERDA INVOLUNTÁRIA DE EMPREGO

PERDA INVOLUNTÁRIA DE EMPREGO PERDA INVOLUNTÁRIA DE EMPREGO 1. OBJETIVO DA COBERTURA O objetivo desta cobertura é garantir ao beneficiário, dentro dos limites estabelecidos e observadas as demais condições contratuais, o pagamento

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO ABRIL DE 2015

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO ABRIL DE 2015 1 PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO ABRIL DE 2015 COMO SURGIU A IDEIA 2 Na crise internacional de 2008, um grupo de sindicalistas, empresários e representantes do governo, preocupados com os poucos instrumentos

Leia mais

Está em vigor a Medida Provisória n. 680, de 6 de julho de 2015, que institui o Programa de Proteção ao Emprego.

Está em vigor a Medida Provisória n. 680, de 6 de julho de 2015, que institui o Programa de Proteção ao Emprego. INFORMA TRABALHISTA Está em vigor a Medida Provisória n. 680, de 6 de julho de 2015, que institui o Programa de Proteção ao Emprego. Programa de Proteção ao Emprego comparado com o Lay Off ASPECTOS GERAIS

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

REFORMA SINDICAL QUADRO COMPARATIVO

REFORMA SINDICAL QUADRO COMPARATIVO REFORMA SINDICAL QUADRO COMPARATIVO Substitutivo do deputado Tarcísio Zimmerman (PT/RS), relator dos projetos que tratam da reforma sindical na Comissão de Trabalho, e o anteprojeto de relações sindicais

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

Nível de emprego e legislação trabalhista

Nível de emprego e legislação trabalhista Nível de emprego e legislação trabalhista Fernando Boarato Meneguin Sumário 1. Introdução. 2. O que está sendo proposto. 3. O Mercado de trabalho. 4. Por que é preciso uma reforma trabalhista? 5. Possíveis

Leia mais

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Organização sindical: Contribuições, Convenções e Acordos Coletivos do Trabalho, Dissídio Coletivo, Direito de Greve (Lei nº 7.783, de 28/6/89). Comissões de Conciliação

Leia mais

Visão estratégica e projetos futuros

Visão estratégica e projetos futuros Visão estratégica e projetos futuros 4 Encontro de Secretários Executivos de Sindicatos - FIESC 15 de setembro de 2010 PDA Visão Estratégica Panorama SC Projetos 2011 Objetivos Visão Estratégica 1/9 Mapa

Leia mais

S I N O P S E S I N D I C A L A B R I L D E 1 9 9 9

S I N O P S E S I N D I C A L A B R I L D E 1 9 9 9 S I N O P S E S I N D I C A L A B R I L D E 1 9 9 9 BANCÁRIOS. A Confederação Nacional dos Bancários da CUT está em tratativas negociais com a Federação Nacional dos Bancos - FENABAN de modo a obter uma

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA Conteúdo Programático Módulo I 1) Teoria das Organizações Imagens das Organizações como Paradigmas Científicos

Leia mais

Principais Desafios para a Gestão dos Cursos Superiores em. Everaldo Artur Grahl

Principais Desafios para a Gestão dos Cursos Superiores em. Everaldo Artur Grahl Principais Desafios para a Gestão dos Cursos Superiores em Computação e Informática Everaldo Artur Grahl Sumário Objetivo Estudo da FIESC Macrotendências Temas importantes Fatores Críticos Sugestões de

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega

Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega Njal Hoestmaelingen, Diretor do Instituto de Direito e Política Internacional (ILPI) Discurso feito por Njaal Hoestmaelingen no Seminário de

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB O Encontro Nacional do Ramo da Construção e do Mobiliário da CTB, este ano em sua 5ª edição, realizado nos dias 28 e 29 de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida)

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) Liderança é inata? Abordagem Genética - Antigamente acreditava-se que o indivíduo nascia com características, aptidões e valores próprios de um líder. Na moderna

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2.

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2. Sumário 1. Direito individual do trabalho - introdução 1.1 Conceito e denominação do direito individual do trabalho 1.2 Divisão do direito do trabalho 1.3 Características 1.4 Natureza jurídica 1.5 Autonomia

Leia mais

Agenda. Cenário da Indústria

Agenda. Cenário da Indústria Agenda Cenário da Indústria Retrato da Indústria Participação (%) Tributos (2009) PIB (2012) Salários (2012) 45 26,3 24,6 Emprego (2012) 24,6 51 Exportações (2012) Fonte: IBGE, RAIS/MTE, SECEX/MDIC, DECONTEC/FIESP;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino técnico Etec PAULINO BOTELHO - Extensão E.E. Arlindo Bittencourt Código: 092-02 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Ferramentas para Campanhas Globais

Ferramentas para Campanhas Globais Ferramentas para Campanhas Globais Coalisões sindicais globais Normas trabalhistas internacionais Ação direta Fortalecimento do relacionamento entre trabalhadores Engajamento de acionistas: investimento

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

REFORMAS DO ESTADO, RELAÇÕES DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO E NEGOCIAÇÃO COLETIVA

REFORMAS DO ESTADO, RELAÇÕES DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO E NEGOCIAÇÃO COLETIVA Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 REFORMAS DO ESTADO, RELAÇÕES DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO E NEGOCIAÇÃO COLETIVA Pedro Armengol de Souza 2 Painel 35/127 Negociação

Leia mais

PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL)

PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL) PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL) Brasília Junho de 2009 Organização do Estado Brasileiro República Federativa do Brasil (União Indissolúvel) Estados

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Negociação coletiva e greve. Dissídio individual e coletivo.

Resumo Aula-tema 07: Negociação coletiva e greve. Dissídio individual e coletivo. Resumo Aula-tema 07: Negociação coletiva e greve. Dissídio individual e coletivo. Negociação Coletiva de trabalho é o termo genérico a significar o ajuste feito entre as entidades sindicais e as entidades

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

Políticas Públicas e Parcerias com o Terceiro Setor. Claudia Costin

Políticas Públicas e Parcerias com o Terceiro Setor. Claudia Costin Políticas Públicas e Parcerias com o Terceiro Setor Claudia Costin Percepção recente sobre o Poder Público no Brasil Estado Brasileiro colocado em cheque por motivos éticos, dada a configuração clientelista

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação PRO-REG/IBI PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM REGULAÇÃO Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação Pedro Farias Especialista Lider em Modernização do Estado Banco Interamericano de Desenvolvimento Sebastian

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 5 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000882/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028482/2011 NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Quero também cumprimentar a Mesa e, em nome da Central Única dos

Quero também cumprimentar a Mesa e, em nome da Central Única dos A IMPORTÂNCIA DA CONVENÇÃO Nº 158 DA OIT PARA O TRABALHADOR BRASILEIRO Arthur Henrique * Quero também cumprimentar a Mesa e, em nome da Central Única dos Trabalhadores, agradecer ao Tribunal Superior do

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

FNV Mondiaal Observatório Social PROJETO MONITOR DE EMPRESAS

FNV Mondiaal Observatório Social PROJETO MONITOR DE EMPRESAS FNV Mondiaal Observatório Social PROJETO MONITOR DE EMPRESAS AKZO NOBEL NA ÁFRICA DO SUL Junho de 2003 1. Perfil da Akzo Nobel na África do Sul A presença da Akzo Nobel na África do Sul é relativamente

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

Sindicato Nacional do Ensino Superior - Associação Sindical de Docentes e Investigadores

Sindicato Nacional do Ensino Superior - Associação Sindical de Docentes e Investigadores PROGRAMA DA DIREÇÃO DO SNESup Lista A Mandato 2012-2014 Vivemos uma crise, um período em que as respostas às dificuldades sentidas já não são conseguidas no quadro em que nos situamos. Apesar dos naturais

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Abrangência da terceirização

Abrangência da terceirização Reportagem especial explica os pontos polêmicos do projeto da terceirização A proposta que regulamenta a terceirização no Brasil e derrubou a reunião da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Leia mais

Programa de Proteção ao Emprego PPE. Definição de regimento, critérios de adesão e funcionamento

Programa de Proteção ao Emprego PPE. Definição de regimento, critérios de adesão e funcionamento Programa de Proteção ao Emprego PPE Definição de regimento, critérios de adesão e funcionamento Kurzarbeit curto tempo de trabalho O Kurzarbeit é antigo na Alemanha. Ele fez a sua primeira aparição antes

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO

REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Definição) O (CAD) é um dos órgãos integrantes do Tribunal Arbitral do Desporto

Leia mais

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL Argileu Martins da Silva Secretário Adjunto/Diretor do DATER A FASE DA INOVAÇÃO Um Jeep, um homem, uma mulher desafiam os costumes

Leia mais

Texto para discussão. A Reforma Sindical e Trabalhista: as conclusões do FNT e as implicações para as MPE.

Texto para discussão. A Reforma Sindical e Trabalhista: as conclusões do FNT e as implicações para as MPE. Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

Número 31 - Agosto 2006 Nota Técnica. Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras

Número 31 - Agosto 2006 Nota Técnica. Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras Número 31 - Agosto 2006 Nota Técnica Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras Introdução Em 2001, as Centrais Sindicais brasileiras

Leia mais