Redes de cerco. Redes de cerco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de cerco. Redes de cerco"

Transcrição

1 Redes de cerco Capturam os peixes, rodeando pelos lados e por baixo Com algumas exceções trata-se de rede de superfície São sustentadas por números flutuadores Se manobram com um ou dois barcos Redes de cerco Redes de cerco com linha de saco na parte inferior da rede que permite fechá-la como uma bolsa e reter os peixes capturados Pode ser com um ou dois barcos O barcoquemanobraé o quetem maior autonomia de movimento em geral, tem hélices laterais e também na popa 1

2 Rede de cerco (purse seine) Cerco de um cardume O cabo guia (retinida) no entralhe inferior é puxado para que a rede seja fechada antes da parte superior, formando um saco que aprisiona o cardume, que é içado pelo barco maior Rede de cerco (purse seine). 2

3 Rede de cerco (purseseine) Espécie: tunídeos, cavala, pequenos peixes pelágicos, como sardinha, anchova, arenque e peixes migradores. Amazônia: peixes que formam cardumes, como: jaraqui, curimatã, matrinchã, etc. Rede de cerco (purse seine) Içamento da rede de Cerco 3

4 Cerco de argolas Linha de flutuação Barco cercador chalandra Bóias Linha guia: retinida Linha de chumbada 4

5 REDE DE CERCO USADA COM BÓIA com uma só embarcação Rede de cerco sem linha guia possui um copo em forma de colher e duas abas laterais os cardumes ficam presos no fechar das asas da rede ao mesmo tempo Trecho que forma o copo 5

6 Dispositivo excludente para golfinhos em rede de cerco sensores que alteram o formato das linhas dos flutuadores REDE DE CERCO, REDINHA AMAZÔNIA Aparelho mais utilizado na pesca comercial da região redes fabricadas com fio multifilamento em nylon escuro, com bóias no entralhe superior e chumbadas na inferior. Apetrecho mais caro empregado no Amazonas Ambiente: rios e lagos Locais fundos e livres de obstáculos Espécies migradoras que formam grandes cardumes: jaraqui, pacu, branquinha, curimatã, etc. Período: Piracema 6

7 EMPREGO: Duas canoas com 5 pescadores Redinha Função dos pescadores da 1 a Canoa Proeiro localizar e fechar o cardume é o pescador mais experiente, capaz de identificar, monitorar e definir o momento certo de cercar o cardume normalmente o encarregado do barco. Largador da rede é o responsável por liberar a rede na água na hora do cerco Segundo lanceiro- remar e puxar o chumbo da rede Popeiro- calçar a canoa para que está não entre na rede no processo de recolher o entralhe superior Função dos pescadores da 2 a Canoa Cambiteiro- segurar o cabo da rede e bater na água com remo ou bater no fundo da canoa Outro popeiro-função calçar a canoa para que está não entre na rede no processo de recolher o entralhe superior 7

8 Redinha Procedimento Ao avistar o cardume a 1 a canoa faz um círculo largando a rede e vai se aproximando da 2 ª canoa Início do cerco Após fechar o cardume o entralhe inferior é puxado para dentro da canoa maior fechamento As canoas ficam lado a lado durante o processo de despesca para dar maior estabilidade Içamento e apoio Escolhedeira: Função: Permitir que os peixes escapem com vida selecionar os peixes capturados pela redinha Tamanho Espécie Tipos: Puçá grande Seleção: pelo tamanho pela espécie Similar a redinha Seleção: pelo tamanho 8

9 Emprego da Escolhedeira tipo puçá Recolhimento parcialmente da rede de cerco, dois pescadores seguram na extremidade superior do apetrecho ainda imerso na água e ao lado da canoa, um terceiro pescador com um rapiché, transporta os peixes da rede para a escolhedeira Peixes são devolvidos a água Rapiché Puçá \ Emprego da Escolhedeira tipo redinha Recolhimento parcialmente da rede de cerco, a escolhedeira é lançada na água por 2 pescadores da canoa auxiliar Estes seguram as extremidades do aparelho outro pescador mergulha na água para envolver a rede inicial, Quando a extremidade superior e inferior do utensílio estiverem fora da água retira-se a rede inicial Espera-se com a escolhedeira na água até que os peixes de tamanho não indicado para comercialização tenham escapado. 9

10 Rede de cerco Redes de içar ou de suspensão Capturam no momento de içamentodo apetrecho Consiste em um pano de rede em forma de: paralelepípedo pirâmide cone Com a boca aberta para cima 10

11 Redes de suspensão (lift net) com emprego de luzes Espécies: lula e vários pelágicos LUZ Redes de Içar Após submergir a uma certa profundidade Pode ser utilizada colocando-se uma luz fora da água para atrair os peixes ou alimento Podem ser suspensas mecanicamente ou manualmente Pode ser utilizada: sem embarcação, próximo a costa ou margem embarcado Pode ter ou não armação de suporte 11

12 Redes de suspensão (lift net) O peixe é capturado no momento de suspensão da rede Rede manual portátil Redes fixas Alagem mecânica Redes de içar manual luz pescadores 12

13 Redes içada manobradas da embarcação luz luz Podem ser operadas por um ou Dois barcos Procedimento para utilização de rede de suspensão, com auxílio de 2 embarcações 13

14 Procedimento para utilização de rede de suspensão, com auxílio de 2 embarcações Procedimento para utilização de rede de suspensão, com auxílio de 2 embarcações 14

15 Procedimento para utilização de rede de suspensão, com auxílio de 2 embarcações Redes de suspensão 15

16 Redes de suspensão manual Estrutura fincadas no fundo Redes de içar de alagem mecânica 16

17 Redes de içar portáteis Puçás -São redes de suspensão portáteis Redes de içar portáteis São redes que não precisam de instalação fixa ou de embarcação 17

18 Redes de suspensão: Puçá gigante Puçá de fibras naturais-artesanal 18

19 Redes de içar -rapiché Empregado na Amazônia para captura de peixes ornamentais É utilizado com o auxílio de um remo. Submerge-se o apetrecho, nas proximidades do peixe ou Cardume e com a outra mão tenta-se empurrar o peixe com remo de forma que esse se dirija para dentro da rede Redes de içar manobradas na costa em águas pouco profundas Estruturas fincadas no fundo As vezes possuem um sistema mecânico para sua suspensão 19

20 Redes de suspensão (lift net) Emprego juntamente com lançamento de comida para os peixes Redes de içar Fundo da canoa Luz 20

21 Rede em forma de envelope Com luz ou iscas Rede de suspensão tipo pá Este é apetrecho é armado em áreas onde se detectou cardumes, ao suspender captura-se os peixes 21

22 Redes de caída -tarrafas TARRAFAé uma rede em forma de disco, com chumbada na área das bainhas e dotada de um cordel no centro. Os chumbos além de auxiliarem na descida mais rápida do apetrecho, quando este é puxado para cima faz com que os peixes não possam escapar ficando presos na bolsa que se forma próxima a bainha. Cordel ou cabo Bainha com chumbada 22

23 Redes de caída - tarrafas Capturam o peixe ao cair, aprisionando-os Utilizado em águas pouco profundas Podem ser empregadas: da margem de um rio, lago ou mar ou de uma embarcação Redes de caída - tarrafas 23

24 1-2 -o cordel é amarrado à mão do tarrafeadore arrumada em voltas 3 -Divide-se a tarrafa ao meio colocando-a na mesma mão em que é amarrado o cabo, segura-se também uma parte da bainha 4-Se a rede for muito grande coloca-se a metade que fica nas proximidades do cabo no ombro e segura na bainha em posição oposta a contida na mão anterior e com a mão oposta a amarração Lança-se o apetrecho na água movimentando lateralmente as mãos e o toráx, solta-se primeiro a bainha da rede da mão sem o cabo e alguns segundos após o lançamento solta-se a bainha que está na outra mão a outra 5 24

25 A tarrafa ao ser jogada é aberta como uma teia de aranha apanhado os peixes que ser encontram naquele círculo. Confeccionada principalmente por fios de nylon de multifilamento de náilon grosso. Limitação quando há galhos e pedras Ambiente: lagos e rios Espécies alvo: todos os que podem se encontrar dentro da área de captura e que são grandes demais para passar na malha, principalmente os mais lentos Artes de caída para águas muito rasas 25

26 OUTROS TIPOS DE REDE: Rede de emboscada (Luring lift net) Apetrecho semelhante a um saco, colocado em áreas de correnteza para que peixes que passem pelo trajeto entrem dentro da rede movimentando o entralhe superior, neste momento o pescador recolhe o entralhe inferior e junta ao superior aprisionando o peixe Espécies alvo: peixes migradores corrente OUTROS TIPOS DE REDE: Rede dirigida A rede é manipulada em direção do cardume localizado por equipamentos no barco 26

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 159/06 de 26 de Dezembro Nos termos da Lei dos Recursos Biológicos Aquáticos constitui obrigação do Estado adoptar medidas necessárias para prevenir danos aos

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

Termos Náuticos Básicos

Termos Náuticos Básicos Termos Náuticos Básicos Adriças: Cabos usados para levantar ou içar as velas Alheta: Parte da embarcação entre o Través e a Popa Amantilho: Cabo preso ao topo do mastro, que suporta a retranca prevenindo

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 26, de 2 de SETEMBRO de 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

Indice de palavras chaves

Indice de palavras chaves Indice de palavras chaves A Abertura da malha Aberturas de redes de arrasto Aberturas de redes de arrasto peldgico Aberturas de redes de arrasto pelo fundo Acessorios forjados Afastamento de portas de

Leia mais

PROJETO Avaliação dos impactos do manejo dos estoques pesqueiros sob diferentes sistemas de gestão.

PROJETO Avaliação dos impactos do manejo dos estoques pesqueiros sob diferentes sistemas de gestão. Rede de pesquisa Rede de pesquisa Manejo Integrado dos Recursos Pesqueiros na Várzea Amazônica. Estudo comparativo de duas regiões: Baixo Amazonas e Baixo Purus. PROJETO Avaliação dos impactos do manejo

Leia mais

CAIAQUES, SUPS E ACESSORIOS CATÁLOGO DE PRODUTOS

CAIAQUES, SUPS E ACESSORIOS CATÁLOGO DE PRODUTOS CAIAQUES, SUPS E ACESSORIOS CATÁLOGO DE PRODUTOS LAMBARI Caiaque para lazer sit on top para 1 pessoa - Capacidade 85 kg Adequado para lazer e passeios no mar em lagos e rios até grau 2 O caiaque Lambari

Leia mais

ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ

ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ Autores Antonio Mauro Lisboa Renó José Antonio Carneiro Saturnino Nunes Neto CESP Companhia Energética de São Paulo RESUMO A UHE Jupiá

Leia mais

PISTAS DE TREINAMENTO PARA CANOAGEM SLALOM.

PISTAS DE TREINAMENTO PARA CANOAGEM SLALOM. PISTAS DE TREINAMENTO PARA CANOAGEM SLALOM. Construção, montagem e desmontagem fácil. Guto Merkle, abril de 2008 (Ultima atualização: maio/2008) Esta apostila está disponível em: Português, Español, English

Leia mais

TEORIA. Vento Real. Quando a velocidade aumenta, o vento aparente vai-se deslocando para a proa.

TEORIA. Vento Real. Quando a velocidade aumenta, o vento aparente vai-se deslocando para a proa. TEORIA Daniel Bernoulli em 1738 demonstrou que para um dado perfil o ar circulava mais rápido de um lado que de outro. Este efeito produz uma diferença de pressão e é esta diferença de pressão é que vai

Leia mais

Regulamento. Capítulo I Direção, Objetivos e Programação.

Regulamento. Capítulo I Direção, Objetivos e Programação. Regulamento Capítulo I Direção, Objetivos e Programação. Art. 1º - O 6º Festival de Pesca de Lucas do Rio Verde-MT 6º FEST LUCAS é uma iniciativa da Prefeitura do Município de Lucas do Rio Verde por meio

Leia mais

Termómetro de Máxima e de Mínima

Termómetro de Máxima e de Mínima Abrigo O Abrigo da estação Agro-meteorológica da Escola Secundária de Cinfães encontrase a uma altura de 1,5 metros e é construído por ripas de madeira branca, que permitem uma ventilação natural e ao

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais

AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2

AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2 AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2 2.1 A MESA 2.1.1 A parte superior da mesa, chamada superfície de jogo, deve ser retangular, com 2,74 m de comprimento por 1,525 m de largura, e situar-se em um plano

Leia mais

PÓRTICO LIMPA GRADES E CARRO LIMPAS GRADES. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DISPOSITIVO LIMPA GRADES E CARRO LIMPA GRADE.

PÓRTICO LIMPA GRADES E CARRO LIMPAS GRADES. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DISPOSITIVO LIMPA GRADES E CARRO LIMPA GRADE. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DISPOSITIVO LIMPA GRADES E CARRO LIMPA GRADE. DESCRIÇÃO. Existem inúmeros tipos e modelos de equipamentos limpa grades no mercado, para que o cliente possa escolher. Mas é verdade

Leia mais

Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA

Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA A A Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. 2 A A Habilidades: Reconhecer os jogos com heranças indígenas. 3 A A O esporte indígena na cultura não indígena: A cultura brasileira

Leia mais

Já tinha muito tempo que queríamos pescar no rio Uruguai, é claro, buscando os esportivos Dourados.

Já tinha muito tempo que queríamos pescar no rio Uruguai, é claro, buscando os esportivos Dourados. Relato da pescaria em Porto Xavier - Março de 2013 Texto: Jamanta. Fotos: Jamanta, Klaus, Cristiano e Ike. Já tinha muito tempo que queríamos pescar no rio Uruguai, é claro, buscando os esportivos Dourados.

Leia mais

CAPA DO RELATÓRIO DE VIAGEM

CAPA DO RELATÓRIO DE VIAGEM CAPA DO RELATÓRIO DE VIAGEM - A preencher por cada saída. ID_OBSERVADOR(ES) NOME DO BARCO MATRÍCULA Nome do observador, nome e matrícula do barco respectivamente. TRÂNSITO: Data e hora de saída/entrada

Leia mais

Lista B - Data da prova: 01/11/2011. 4. Calcular o momento de inércia de uma

Lista B - Data da prova: 01/11/2011. 4. Calcular o momento de inércia de uma Universidade Estadual do Centro-Oeste Campus Universitário Centro Politécnico - CEDETEG Setor de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Física Curso: Química Série: 1 o Ano de 2011 Disciplina:

Leia mais

Automatização. de Persianas

Automatização. de Persianas Automatização de Persianas Externas Índice Motores... 3 Motor para Tubo Octogonal 40 mm... 4 Motor para Tubo Octogonal 60 mm... 6 Fixação da Esteira... 8 Controles Remotos... 9 Transmissores Portáteis...

Leia mais

Encarregado. Encarregado e Eletricistas

Encarregado. Encarregado e Eletricistas 1/11 Passo 01: Receber a ordem de serviço e formulário de preenchimento dos serviços executados. Passo 02: Planejar a execução da tarefa: - Separar materiais e ferramentas necessários para a execução da

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Pescas. 26.7.2005 PE 360.334v01-00

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Pescas. 26.7.2005 PE 360.334v01-00 PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão das Pescas 2009 26.7.2005 PE 360.334v01-00 ALTERAÇÕES 19-35 Projecto de relatório (PE 353.759v01-00) Zdzisław Kazimierz Chmielewski sobre a proposta de regulamento

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 11 EQUILÍBRIO: DO PONTO MATERIAL E CORPO EXTENSO REVISÃO

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 11 EQUILÍBRIO: DO PONTO MATERIAL E CORPO EXTENSO REVISÃO FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 11 EQUILÍBRIO: DO PONTO MATERIAL E CORPO EXTENSO REVISÃO Fixação F 1) (CESGRANRIO) A figura a seguir mostra uma peça de madeira, no formato de uma forca, 2 utilizada para suspender

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

BARRACA BÁSICA ESPECIFICAÇÃO

BARRACA BÁSICA ESPECIFICAÇÃO INSTRUÇÁO NORMATIVA / DIRETORIA DE ABASTECIMENTO BARRACA BÁSICA ESPECIFICAÇÃO IN / D Abst / C1 II no 0041 201 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... I 2. NORMAS CONIPLENIENTARES... I 3. CARACTER~STICAS GERAIS... 2 4.

Leia mais

Foto: Captura de tartaruga marinha em Curral de Pesca na Praia de Almofala Município de Itarema/Ceará (Banco de Imagem Projeto TAMAR/CE)

Foto: Captura de tartaruga marinha em Curral de Pesca na Praia de Almofala Município de Itarema/Ceará (Banco de Imagem Projeto TAMAR/CE) Foto: Captura de tartaruga marinha em Curral de Pesca na Praia de Almofala Município de Itarema/Ceará (Banco de Imagem Projeto TAMAR/CE) LEVANTAMENTO DAS PRINCIPAIS ARTES DE PESCA UTILIZADAS NAS COMUNIDADES

Leia mais

Segurança em Operações com Pórticos Hidráulicos

Segurança em Operações com Pórticos Hidráulicos Segurança em Operações com Pórticos Hidráulicos INTRODUÇÃO A UM SISTEMA DE PÓRTICO HIDRÁULICO Os pórticos hidráulicos são um tipo de equipamento extremamente útil para o içamento e movimentação de cargas

Leia mais

SR-15 LX. Características Gerais

SR-15 LX. Características Gerais SR-15 LX Características Gerais Excelente para o lazer em família, pesca, apoio de grandes embarcações e prática de ski. Muito utilizado também pelas forças armadas. É seguro, ágil, leve e econômico Número

Leia mais

Caminhão Munck. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Caminhão Munck. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caminhão Munck Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho O munck é um guindaste comandado hidraulicamente instalado sobre o chassi de um caminhão. Tem grande utilização na movimentação,

Leia mais

No sentido da marcha. Manual de instruções. Grupo Peso Idade 2-3 15-36 kg 4-12 anos

No sentido da marcha. Manual de instruções. Grupo Peso Idade 2-3 15-36 kg 4-12 anos No sentido da marcha Manual de instruções ECE R44 04 Grupo Peso Idade 2-3 15-36 kg 4-12 anos 1 ! Obrigado por optar pela BeSafe izi Up FIX A BeSafe desenvolveu esta cadeira com todo o cuidado, para proteger

Leia mais

EnErgia Elétrica Em tudo Ensino Fundamental I

EnErgia Elétrica Em tudo Ensino Fundamental I em tudo Energia elétrica Ensino Fundamental I Em tudo, energia elétrica. 1 Para chegar até nossas casas, ela passa pelos cabos elétricos instalados nas torres e nos postes e deve sempre percorrer seu caminho

Leia mais

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque.

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque. REGRAS OFICIAIS 1. A QUADRA 1.1. A área de jogo trata-se de um retângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este retângulo será dividido na sua metade por uma rede, formando em

Leia mais

O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho. Carlos Bastos

O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho. Carlos Bastos O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho Carlos Bastos Índice 1 - Introdução 2- As actividades marítimas como prática destrutiva do ecossistema marinho 2.1 - Como se caracteriza a

Leia mais

RESGATE EMBARCADO DA FAUNA TERRESTRE

RESGATE EMBARCADO DA FAUNA TERRESTRE RESGATE EMBARCADO DA FAUNA TERRESTRE SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. MATERIAL UTILIZADO... 2 3. EQUIPE... 2 4. PROCEDIMENTO OPERACIONAL... 3 5. RESULTADOS OBTIDOS... 5 1. INTRODUÇÃO A presente etapa do resgate

Leia mais

STAR. Modelo N106 Grupos I, II e III. SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br

STAR. Modelo N106 Grupos I, II e III. SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br STAR Modelo N106 Grupos I, II e III SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br Conheça seu Assento de Segurança Cuidados e Manutenção A B C Encosto Guia lateral do cinto de segurança Braçadeiras do cinto (pres.

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

É época de cheias sinônimo de muitos peixes no Rio Telles Pires

É época de cheias sinônimo de muitos peixes no Rio Telles Pires Texto: Rubinho de Almeida Prado Fotos: Arquivo Pescaventura É época de cheias sinônimo de muitos peixes no Rio Telles Pires Revista Pesca 30 Por aspectos diversos, parte dos pescadores brasileiros crê

Leia mais

Pregão 003/2006 Alteração 01 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES

Pregão 003/2006 Alteração 01 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES Pregão 003/2006 Alteração ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES ITEM O1 Sistema de arquivamento composto de módulos de arquivos deslizantes, com acionamento

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

Calculando distâncias sem medir

Calculando distâncias sem medir alculando distâncias sem medir UUL L No campo ocorrem freqüentemente problemas com medidas que não podemos resolver diretamente com ajuda da trena. Por exemplo: em uma fazenda, como podemos calcular a

Leia mais

Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Campus - Osório. Alavancas. Lucas Mesquita. lucasvargasmesquita@hotmail.com. Info-Manhã

Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Campus - Osório. Alavancas. Lucas Mesquita. lucasvargasmesquita@hotmail.com. Info-Manhã Instituto Federal do Rio Grande do Sul Campus - Osório Alavancas Lucas Mesquita lucasvargasmesquita@hotmail.com Info-Manhã Introdução Neste artigo será relatada, de forma clara e precisa, a aplicação existente

Leia mais

Manual de Instalação do Encoder

Manual de Instalação do Encoder Status do Documento: Código de Referência do LS-CS-M-028 Documento Versão: 1 Liberado em: 16-03-2010 Histórico de Revisão do Documento Data Versão Resumo da Alteração 16-03-2010 1 Manual Novo Informação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES ABRIDOR DE VINHOS ELÉTRICO SEM FIO BIVOLT

MANUAL DE INSTRUÇÕES ABRIDOR DE VINHOS ELÉTRICO SEM FIO BIVOLT MANUAL DE INSTRUÇÕES ABRIDOR DE VINHOS ELÉTRICO SEM FIO BIVOLT WO-50DBR INFORMAÇÕES IMPORTANTES Ao usar aparelhos elétricos, seguir sempre precauções básicas de segurança, incluindo o seguinte: AVISO 1.

Leia mais

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 2 1 100 1 132 1 000 FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 1. Coloque a caverna do meio sobre o picadeiro a frente da traverssa. Para o barco de 5,2 m a caverna 2, para os barcos maiores a caverna 3. 2. Alinhe

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

Um momento, por favor

Um momento, por favor Um momento, por favor A UU L AL A Outro domingo! Novo passeio de carro. Dessa vez foi o pneu que furou. O pai se esforça, tentando, sem sucesso, girar o parafuso da roda. Um dos filhos então diz: Um momento,

Leia mais

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO 2015 MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO Passo 1: O primeiro passo é determinar qual versão do Sensor de Ângulo foi incluído no seu kit. Existe uma versão Direita

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

PORTUGUES - BR INTRODUÇÃO

PORTUGUES - BR INTRODUÇÃO 1 Obrigado por adquirir o BBZ252 Carro RC Bluetooth da BEEWI. Por favor, leia as seguintes instruções para aprender a configurar e utilizar de forma mais eficaz o seu produto. INTRODUÇÃO O BBZ252 Carro

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n :16 Data: 01 A 04 MARÇO 2010. Professor: Conhecer os locais de treino.

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n :16 Data: 01 A 04 MARÇO 2010. Professor: Conhecer os locais de treino. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n :16 Data: 01 A 04 MARÇO 2010. Conhecer os locais de treino. Levar aos alunos a conhecer os locais de treino e explicar suas

Leia mais

Barramento Elétrico Blindado KSL70

Barramento Elétrico Blindado KSL70 Barramento Elétrico Blindado KSL70 PG: 2 / 19 ÍNDICE PÁG. 1.0 DADOS TÉCNICOS 03 2.0 - MÓDULO 04 3.0 SUSPENSÃO DESLIZANTE 05 4.0 TRAVESSA DE SUSTENTAÇÃO 06 5.0 EMENDA DOS CONDUTORES E DOS MÓDULOS 07 6.0

Leia mais

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES EM BARRAGENS DE RIOS CASO DA

Leia mais

Caracterização dos petrechos e embarcações usados na pesca artesanal em parte do litoral sul do Paraná, entre Guaratuba (PR) e Barra do Saí (SC).

Caracterização dos petrechos e embarcações usados na pesca artesanal em parte do litoral sul do Paraná, entre Guaratuba (PR) e Barra do Saí (SC). MAURÍCIO DE CASTRO ROBERT Caracterização dos petrechos e embarcações usados na pesca artesanal em parte do litoral sul do Paraná, entre Guaratuba (PR) e Barra do Saí (SC). Monografia apresentada ao Curso

Leia mais

Pontes Rolantes - Aplicações

Pontes Rolantes - Aplicações Pontes Rolantes Pontes rolantes são máquinas transportadoras utilizadas, em meio industrial, no içamento e locomoção de cargas de um local para o outro. Conta com três movimentos independentes ou simultâneos

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR. www.praxair-crd.pt. Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 24 HORAS

MANUAL DO UTILIZADOR. www.praxair-crd.pt. Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 24 HORAS MANUAL DO UTILIZADOR www.praxair-crd.pt Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 24 HORAS 800 201 519 Sistema de Nebulização Pneumático Eletrónico eflow rapid 3 Sistema de Nebulização

Leia mais

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo Instrumentos Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo particular de anemómetros metros de rotação), em que três ou mais

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

Tecidos Técnicos e Feltros Agulhados. Filtração Industrial. A linha completa de tecidos filtrantes para sua empresa

Tecidos Técnicos e Feltros Agulhados. Filtração Industrial. A linha completa de tecidos filtrantes para sua empresa Tecidos Técnicos e Feltros Agulhados Filtração Industrial A linha completa de tecidos filtrantes para sua empresa O grupo Casfil A Casfil Tecidos Filtrantes é uma empresa especializada na fabricação e

Leia mais

O Projeto de Lei nº 6.958, de 2013, de autoria do Deputado Esperidião Amin, tem por objetivo conceder o título de Capital

O Projeto de Lei nº 6.958, de 2013, de autoria do Deputado Esperidião Amin, tem por objetivo conceder o título de Capital COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI N o 6.526, DE 2013 Confere o título de Capital Nacional dos Golfinhos à cidade de Laguna, no Estado de Santa Catarina. Autor: Deputado Esperidião Amin Relator: Deputado

Leia mais

ANEXO IX ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Referente ao Pregão nº 038/2010

ANEXO IX ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Referente ao Pregão nº 038/2010 ANEXO IX ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Referente ao Pregão nº 038/2010 LOTE 01: ESPECIFICAÇÕES DO ITEM 1: Blusa para usuários do sexo feminino, colarinho, com pence de busto no sentido horizontal frente e pence

Leia mais

Plataforma de Plano Vertical:

Plataforma de Plano Vertical: 38 - CARTILHA SANTOS PARA TODOS CONDEFI Plataforma de Plano Vertical: A Plataforma Vertical é indicada quando não se pode construir uma rampa, mas há um espaço para fazer uma abertura lateral no plano

Leia mais

BARGOA. Conjunto de Emenda Aérea Selada Vertical - CEASV

BARGOA. Conjunto de Emenda Aérea Selada Vertical - CEASV O CEASV consiste de um conjunto para a acomodação e proteção de emendas de cabos de rede externa de telefonia, em montagem de topo, para instalações aéreas. Trata-se de um sistema versátil, de fácil instalação

Leia mais

Instruções de montagem do Elevador de Pacientes HL4020

Instruções de montagem do Elevador de Pacientes HL4020 1 Instruções de montagem do Elevador de Pacientes HL4020 O Elevador de paciente é desenhado para que os assistentes dos pacientes possam transferi-los ergonomicamente. Ele ajuda a evitar acidentes que

Leia mais

PIRACEMA. Contra a corrente

PIRACEMA. Contra a corrente PIRACEMA A piracema é um fenômeno que ocorre com diversas espécies de peixes ao redor do mundo. A palavra vem do tupi e significa subida do peixe. A piracema é o período em que os peixes sobem para a cabeceira

Leia mais

07/12/2012 Agosto/2012 1

07/12/2012 Agosto/2012 1 07/12/2012 Agosto/2012 1 Arranjo e Detalhamento de Tubulações Industriais 07/12/2012 2 Tipos de Desenhos de Tubulação Os principais tipos de desenhos que compõem um projeto de tubulação, são: 1. Fluxogramas

Leia mais

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT REGRAS OFICIAIS 1. O CAMPO 1.1. A área de jogo é um rectângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este rectângulo será

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV004 Aerobarco Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Prof. Ventura Ensina Tecnologia Aerobarco Neste interessante experimento montaremos

Leia mais

EN 1 EN. Documento oficioso MEDIDAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA ÁGUAS DO SUDOESTE. INTRODUÇÃO

EN 1 EN. Documento oficioso MEDIDAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA ÁGUAS DO SUDOESTE. INTRODUÇÃO EN EN Documento oficioso MEDIDAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA ÁGUAS DO SUDOESTE. INTRODUÇÃO O Conselho, nas suas conclusões de Junho de 2004 para promover métodos de pesca mais respeitadores do ambiente,

Leia mais

ÍNDICE Componentes do Produto... 01 Informações Gerais... 02 1. Abrir o CRR... 03 2. Fechar o CRR... 03 ... 03

ÍNDICE Componentes do Produto... 01 Informações Gerais... 02 1. Abrir o CRR... 03 2. Fechar o CRR... 03 ... 03 ÍNDICE Componentes do Produto... 01 Informações Gerais... 02 1. Abrir o CRR... 03 2. Fechar o CRR... 03 2.1. Usuários Administrador e Operador... 03 2.2. Usuário Receptor... 03 3. Cadastrar, Alterar e

Leia mais

IAGC. Associação Internacional dos Contratistas de Geofísica. Possui um Comitê Ambiental cuja missão é:

IAGC. Associação Internacional dos Contratistas de Geofísica. Possui um Comitê Ambiental cuja missão é: IAGC Associação Internacional dos Contratistas de Geofísica Possui um Comitê Ambiental cuja missão é: Estabelecer um fórum no qual se facilite o intercâmbio dos aspectos ambientais e assuntos relacionados

Leia mais

Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M

Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Revisão 1.0 Alfa Instrumentos Eletrônicos Ltda R. Cel. Mário de Azevedo, 138 São Paulo - SP 02710-020

Leia mais

I RALLY DE PESCA À TILÁPIA

I RALLY DE PESCA À TILÁPIA I RALLY DE PESCA À TILÁPIA REGULAMENTO ARTIGO 1º - DA ORGANIZAÇÃO O I Rally de Pesca à Tilápia é uma realização de Farol Eventos no qual participarão qualquer pessoa que se enquadre neste regulamente e

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS 2 DESCRIÇÃO A movimentação de cargas pesadas, compreende as operações de elevação, transporte e descarga de objectos,

Leia mais

REMANUFATURA OKIDATA C 3400 TONER E CILINDRO

REMANUFATURA OKIDATA C 3400 TONER E CILINDRO REMANUFATURA OKIDATA C 3400 TONER E CILINDRO 1. Identifique se você tem um cartucho starter (cartucho inicial que acompanha a impressora) ou cartucho de reposição. Verifique a seção de resíduos e o compartimento

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 1. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA Precauções MANUAL OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 - O processador de alimentos deve ser manipulado

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 250

Manual de Referência Técnica ELEVAC 250 Manual de Referência Técnica ELEVAC 250 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s ESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Plataforma Elevac 250 traz comodidade e praticidade para todas as pessoas com dificuldades permanentes

Leia mais

Garantia e FAQ. Bem-vindo! Descubra e partilhe tudo o que pode fazer em diwo.bq.com

Garantia e FAQ. Bem-vindo! Descubra e partilhe tudo o que pode fazer em diwo.bq.com Garantia e FAQ Bem-vindo! Descubra e partilhe tudo o que pode fazer em diwo.bq.com Ciclop 3D Scanner Kit Parabéns!! Faz agora parte da comunidade RepRap. O Ciclop é um kit de scanner 3D Do It Yourselft

Leia mais

O BRAÇO DIREITO DO ROBOT

O BRAÇO DIREITO DO ROBOT O BRAÇO DIREITO DO ROBOT COMPONENTES 1. Parte anterior do braço direito 2. Cabo de ligação com o módulo Braços 3. Tampa do ombro direito 4. Parte posterior do braço direito 5. 4 parafusos de 3x10 mm 6.

Leia mais

2. Experiências na água e no ar

2. Experiências na água e no ar 2. Experiências na água e no ar Suponhamos que Arquimedes está à beira de um lago e segura, preso por um fio, um saco de plástico cheio de água (com, digamos, 10 kg de água) mergulhado dentro do lago.

Leia mais

Proteção do corpo estradal - estruturas de arrimo com gabião

Proteção do corpo estradal - estruturas de arrimo com gabião MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

TORNEIO DE PESCA RECANTO MATA VERDE

TORNEIO DE PESCA RECANTO MATA VERDE TORNEIO DE PESCA RECANTO MATA VERDE APRESENTAÇÃO O Torneio de Pesca no Recanto Mata Verde, localizado na Colônia Cambará Km 18,50 da estrada Alexandra Matinhos/PR 508. Esta aberta a todos, e tem como objetivos

Leia mais

1/6 1 2 "SUPORTE RETRÁTIL PARA INSTALAÇÃO DE TELA FACHADEIRA". Apresentação Refere-se a presente invenção ao campo técnico de suportes para telas fachadeiras de edifícios em construção ou em reformas,

Leia mais

Mais aplicações das Leis de Newton

Mais aplicações das Leis de Newton Mais aplicações das Leis de Newton Disciplina: Física Geral I Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: A natureza dos diversos tipos de força de atrito

Leia mais

SISTEMA DE SEGURANÇA TIPO FORCA NR 18 SISTEMA LIMITADOR DE QUEDA DE ALTURA REDES TIPO FORCA - NR 18

SISTEMA DE SEGURANÇA TIPO FORCA NR 18 SISTEMA LIMITADOR DE QUEDA DE ALTURA REDES TIPO FORCA - NR 18 SISTEMA DE SEGURANÇA TIPO FORCA NR 18 SISTEMA LIMITADOR DE QUEDA DE ALTURA REDES TIPO FORCA - NR 18 SISTEMA DE SEGURANÇA TIPO FORCA NR 18 Para a segurança no trabalho são necessárias técnicas que tenham

Leia mais

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08 PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 1. OBJETIVO: O objetivo deste documento é definir técnicas e procedimentos para intervenções e reparos sobre pisos de concreto moldado in loco, em conformidade

Leia mais

Jetpik Modelo JP- 50/200 Fio- Dental Inteligente Escova Power

Jetpik Modelo JP- 50/200 Fio- Dental Inteligente Escova Power Jetpik Modelo JP- 50/200 Fio- Dental Inteligente Escova Power 1. Informações importantes. 1 2. Descrição do aparelho. 5 3. Como começar. 7 4. Cuidados com seu aparelho Jetpik. 12 5. Solução de problemas.

Leia mais

UNIFORME SESI. Especificação Técnica

UNIFORME SESI. Especificação Técnica UNIFORME SESI Especificação Técnica 2015 SUMÁRIO 1. CAMISETA MANGA CURTA 3 2. CAMISETA MANGA LONGA 10 3. REGATA 17 4. POLO MASCULINA 24 5. POLO FEMININA 32 6. JAQUETA MASCULINA - TACTEL 40 7. JAQUETA MASCULINA

Leia mais

WORX AEROCART MODELO WG050

WORX AEROCART MODELO WG050 WORX AEROCART MODELO WG050 Avisos Gerais de Segurança AVISO Leia todos os avisos e instruções de segurança. Não seguir os avisos e instruções pode resultar em lesão séria. Guarde todos os avisos e instruções

Leia mais

Objetivo/Resumo: Como proceder para coletar amostras deformadas e indeformadas.

Objetivo/Resumo: Como proceder para coletar amostras deformadas e indeformadas. Objetivo/Resumo: Como proceder para coletar amostras deformadas e indeformadas. 1. Objetivo: Procedimento para coleta de amostras deformadas e indeformadas Segue observações gerais a serem observadas:

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL)

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MEDIDAS DE SEGURANÇA QUANTO À MONTAGEM E USO DE ANDAIMES SUSPENSOS 1. O andaime não deve ser montado muito próximo à redes de energia elétrica. 2. Não utilizar o andaime

Leia mais

NIAGARA Acompanhe as figuras no original em inglês Uma alucinante aventura rio abaixo, para canoeiros destemidos a partir de 10 anos

NIAGARA Acompanhe as figuras no original em inglês Uma alucinante aventura rio abaixo, para canoeiros destemidos a partir de 10 anos NIAGARA Acompanhe as figuras no original em inglês Uma alucinante aventura rio abaixo, para canoeiros destemidos a partir de 10 anos Nas correntezas selvagens do rio Niagara, os aventureiros embarcam em

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

Identificando áreas de atolamento de papel

Identificando áreas de atolamento de papel Selecionando cuidadosamente os materiais de impressão e carregando-os adequadamente, será possível evitar atolamento de papel na maioria das vezes. (Veja as sugestões em Dicas para evitar atolamentos de

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

PREVENÇÃO ATIVA SOBRASA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SALVAMENTO AQUÁTICO

PREVENÇÃO ATIVA SOBRASA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SALVAMENTO AQUÁTICO Prevenção PREVENÇÃO AQUÁTICA São as ações baseadas em advertências e avisos a banhistas no sentido de evitar ou ter cuidado com os perigos relacionados ao lazer, trabalho, ou esportes praticados na água.

Leia mais

Kit de Carregador de Bicicleta Nokia. Edição 3.0

Kit de Carregador de Bicicleta Nokia. Edição 3.0 Kit de Carregador de Bicicleta Nokia 2 3 6 1 4 5 8 7 9 10 11 Edição 3.0 12 13 15 14 16 17 18 20 19 21 22 PORTUGUÊS 2010 Nokia. Todos os direitos reservados. Introdução Com o Kit de Carregador de Bicicleta

Leia mais

Projeto 5 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores

Projeto 5 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores Projeto 5 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores Monitorização de lixo marinho flutuante pelos observadores do POPA Descrição O conhecimento sobre macro e mega lixo marinho flutuante no mar dos Açores inexistente.

Leia mais