UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SISTEMA PARA APOIO A APRENDIZAGEM DE ÁLGEBRA RELACIONAL Área de Banco de Dados por Renato Vidal Kinaipp Adriana Gomes Alves, M. Eng. Orientadora Itajaí (SC), junho de 2009

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SISTEMA PARA APOIO A APRENDIZAGEM DE ÁLGEBRA RELACIONAL Área de Banco de Dados por Renato Vidal Kinaipp Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação para análise e aprovação. Orientadora: Adriana Gomes Alves, M. Eng. Itajaí (SC), junho de 2009

3 AGRADECIMENTOS Agradeço em primeiro lugar a Deus que durante toda essa caminhada iluminou o meu caminho e me deu força de vontade para nunca desistir. Aos meus pais, Eloy Vidal Kinaipp e Maria Lúcia Kinaipp, por toda a educação que tornaram a pessoa que sou e por toda confiança. E ao meu irmão, Rubens, por todo apoio e companheirismo. Ao professor André Luís Alice Raabe pelo auxílio no desenvolvimento do compilador que teve grande importância no funcionamento do sistema. A minha orientadora Adriana Gomes Alves, pela orientação durante este ano de trabalho, com diversas contribuições e cobranças que tornaram possível a realização deste trabalho. Ao meu amigo Romero Piske, pelo auxílio na utilização do ambiente de desenvolvimento Microsoft Visual Studio A todas as pessoas, professores, avaliadores e amigos que de certa forma apoiaram e contribuíram para a realização deste projeto. ii

4 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...v LISTA DE FIGURAS...vi LISTA DE TABELAS...viii RESUMO...ix ABSTRACT...x 1 INTRODUÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema Solução Proposta OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA BANCO DE DADOS Modelo Relacional Linguagens de Consulta COMPILADORES Processo de Tradução do Compilador Tratador de Erros FERRAMENTAS SIMILARES Interactive Data Flow Query Language Ferramenta para o Ensino de Álgebra Relacional Comparativo PROJETO ANÁLISE DE REQUISITOS Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Regras de Negócio DIAGRAMAS DE CASOS DE USO PCT01. Controle de Usuários PCT02. Controle do Professor PCT03. Controle do Site DIAGRAMA DE CLASSE MÉTODO DE CORREÇÃO DA ÁLGEBRA RELACIONAL IMPLEMENTAÇÃO...40 iii

5 4.1 MICROSOFT VISUAL STUDIO MICROSOFT SQL SERVER 2005 EXPRESS GOLD PARSER BUILDER CORREÇÃO DOS EXERCÍCIOS APRESENTAÇÃO DA FERRAMENTA INSERIR MODELO DE BASE DE DADOS CADASTRO DE PROFESSOR ELABORAÇÃO DE EXERCÍCIOS RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS TESTES E VALIDAÇÃO CONCLUSÕES TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...60 A FONTES GERADOS NA FERRAMENTA GOLD...63 B CÓDIGO FONTE DA CORREÇÃO DOS EXERCÍCIOS...65 C DOCUMENTO E RESULTADOS DE TESTE...67 iv

6 LISTA DE ABREVIATURAS DDL DML HTML IBM idfql RF RN RNF SGBD SQL TCC UNIVALI Data Definition Language Data Manipulation Language Hyper Text Markup Language International Business Machines Interactive Data Flow Query Language Requisito Funcional Regra de Negócio Requisito Não Funcional Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Structured Query Language Trabalho de Conclusão de Curso Universidade do Vale do Itajaí v

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Operadores da álgebra relacional...2 Figura 2. Relações utilizadas nos exemplos...10 Figura 3. Exemplo de seleção Figura 4. Exemplo de projeção Figura 5. Exemplo de junção...11 Figura 6. Exemplo de divisão...12 Figura 7. Exemplo de união Figura 8. Exemplo de interseção Figura 9. Exemplo de diferença Figura 10. Exemplo de produto cartesiano...15 Figura 11. Um compilador Figura 12. Fases de um compilador Figura 13. Árvore sintática...19 Figura 14. Interface da ferramenta idfql...21 Figura 15. Exemplo de consulta utilizando a ferramenta idfql Figura 16. Interface da ferramenta mostrando a aba Figura 17. Pct01. Controle de usuários...29 Figura 18. Pct02. Controle do professor...33 Figura 19. Pct03. Controle do site...37 Figura 20. Diagrama de classe...38 Figura 21. Método de correção da álgebra relacional...39 Figura 22. Interface da ferramenta GOLD Parser Builder Figura 23. Gerando o programa modelo no GOLD Figura 24. Modelo de processo de execução da ferramenta GOLD Figura 25. Etapa de compilação Figura 26. Seqüência da resposta Figura 27. Modelo de base de dados Figura 28. Enviar um script com os comandos SQL...47 Figura 29. Inserindo um novo modelo de base de dados Figura 30. Fornecer privilégios aos usuários Figura 31. Elaboração de exercícios Figura 32. Resolução de exercícios...51 Figura 33. Resolução de exercício com a resposta correta Figura 34. Resolução de exercício com a resposta incorreta Figura 35. Resolução de exercício com a uma expressão mal formulada...54 Figura 36. Gráfico apresentando a dificuldade dos alunos na utilização do sistema Figura 37. Gráfico apresentando a compreensão da lógica da álgebra relacional com a utilização do sistema...56 Figura 38. Código fonte da gramática...63 Figura 39. Fonte do código intermediário...64 Figura 40. Código fonte da correção dos exercícios Parte Figura 41. Código fonte da correção dos exercícios Parte Figura 42. Documento de teste...67 Figura 43. Gráfico apresentando se o sistema pode motivar o interesse do aluno pela álgebra Figura 44. Gráfico apresentando se o aluno ficou perdido na utilização do sistema Figura 45. Gráfico apresentando se as cores e as imagens foram bem exploradas...69 vi

8 Figura 46. Gráfico apresentando como seriam melhores as aulas de álgebra relacional vii

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Álgebra Relacional - Notação e Sintaxe dos operadores....9 Tabela 2. SQL Cláusulas...17 Tabela 3. Comparativo das Ferramentas Similares...25 Tabela 4. UC01.01 Cadastro Usuário...30 Tabela 5. UC01.02 Responde Exercícios...31 Tabela 6. UC01.04 Responde Prova...32 Tabela 7. UC01.05 Se cadastra na turma...32 Tabela 8. UC02.01 Cria Turmas...34 Tabela 9. UC02.02 Cria Exercícios...35 Tabela 10. UC02.03 Cria Prova...36 Tabela 11. UC02.05 Aceita Aluno na Turma...37 viii

10 RESUMO KINAIPP, Renato Vidal. Sistema para Apoio à aprendizagem de Álgebra Relacional. Itajaí, f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, A Álgebra Relacional é um conteúdo abordado na disciplina de Banco de Dados nos cursos de computação. Trata-se de uma linguagem formal de consultas procedurais para o modelo relacional, e seus conceitos são baseados na teoria da matemática e na lógica de predicados. Como o conteúdo da Álgebra Relacional é conceitual e muito complexo, para que os alunos tenham um bom entendimento dela, é necessária muita prática através de exercícios de fixação, normalmente realizada sem o uso de qualquer ferramenta. Os professores encontram, nesta tarefa, dificuldades na correção e na avaliação dos alunos. Devido a esses problemas, este trabalho propõe uma ferramenta que visa a auxiliar os alunos na aprendizagem da Álgebra Relacional através da resolução de exercícios, permitindo a correção automática das expressões e visualização dos resultados. A ferramenta permite a geração de relatórios com o desempenho dos alunos na resolução dos exercícios, e, com isso, o professor pode verificar onde cada aluno está errando e pode ajudá-los da melhor maneira possível, tornando a assimilação da Álgebra Relacional pelos alunos mais fácil e agradável. Palavras-chave: Álgebra Relacional. Informática na Educação. Banco de Dados. ix

11 ABSTRACT Relational Algebra is a content addressed to in the Database discipline, in computing courses. This is a formal language of procedural consultations for the relational model, and its concepts are based on the theory of mathematics and the logic of predicates. As the contents of Relational Algebra are very conceptual and complex, for students to have a good understanding of it, they need much practice through fixing exercises, usually without using any tool. In this task, difficulties in correcting and assessing the students are found. Due to these problems, this study suggests a tool which aims at helping students learn Relational Algebra by solving exercises, allowing the automatic correction of expressions and the visualization of results. The tool will allow the generation of reports with the student s performance in solving the exercises, thus the teacher will be able to check where each student is missing and may help them in the best possible way, making the assimilation of Relational Algebra easier and more enjoyable. Keywords: Relational Algebra. Computing in Education. Database. x

12 1 INTRODUÇÃO A disciplina de banco de dados tem por objetivo introduzir aos alunos conceitos que permitam usar, projetar e implementar sistemas de banco de dados. Um banco de dados possui um conjunto de operações que permitem manipular os dados do banco, podendo ser de incluir novos registros, alterar dados, buscar por dados registrados, excluir, entre várias outras. Para fazer a manipulação no banco de dados, os sistemas de banco de dados comerciais oferecem uma linguagem padrão de consulta que se chama SQL (Structured Query Language Linguagem de consulta Estruturada). Ela foi concebida e desenvolvida pela IBM. A SQL proporciona uma interface de alto nível, com uma sintaxe mais amigável (ELMASRI; NAVATHE, 2005). A SQL é baseada na linguagem formal Álgebra Relacional, a qual é o conjunto básico de operações para o modelo relacional de um sistema de banco de dados. Ela é muito importante por diversas razões (ELMASRI; NAVATHE, 2005): Provê um fundamento formal para operações do modelo relacional, que são os SGBDs (Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Relacionais); É usada como base para implementar as consultas nos sistemas gerenciadores de banco de dados relacionais; e Seus conceitos são incorporados na linguagem de consulta padrão SQL. As operações da álgebra relacional atuam nas tabelas, também chamadas de relações, para chegar ao resultado desejado. Ela trabalha de uma forma onde pega uma ou mais relações como entrada de dados e gera uma nova relação como resultado, após a aplicação das operações (SILBERCHATZ, 2006). A Figura 1 mostra de uma forma simples de como as operações da álgebra relacional funcionam.

13 Figura 1. Operadores da álgebra relacional Fonte: Adaptado de Faria (2005). No início da disciplina de Banco de Dados I na Univali (Universidade do Vale do Itajaí), os alunos estudam os conceitos da álgebra relacional, no entanto, por ser uma linguagem muito complexa, há a necessidade de muita prática para a fixação da mesma. Mesmo com todos os exercícios fornecidos pelos professores, os alunos têm certa dificuldade no aprendizado e não conseguem assimilá-la de maneira satisfatória, como informado pelos professores. Estes, por sua vez, ficam sobrecarregados com a correção dos exercícios. Pensando nestes problemas surgiu a idéia de fazer este trabalho, o qual se propõe a desenvolver um sistema que visa auxiliar os alunos na aprendizagem da álgebra relacional, e também auxiliar os professores na correção dos exercícios, ou seja, o sistema deve corrigir automaticamente os exercícios feitos pelos alunos. Neste sistema os professores criarão uma lista de exercícios, para que os alunos possam fixar os conceitos da álgebra relacional. No momento em que os alunos estiverem respondendo as questões, o sistema deverá corrigir automaticamente, auxiliando os alunos e mostrando onde estão seus erros. Após os alunos terem concluído, o sistema deve ser capaz de gerar um relatório onde registrará os acertos e erros dos alunos, onde foram os erros, entre outros dados, no qual auxiliará o professor a acompanhar o aprendizado do aluno. 2

14 O propósito deste trabalho é implementar um sistema on-line, onde só os alunos e professores cadastrados poderão ter acesso, utilizando uma linguagem de programação para internet para os arquivos de código e a linguagem HTML (Hyper Text Markup Language) para os arquivos de modelo, juntamente com algum software de Banco de Dados, tendo como principais funcionalidades: Cadastro de exercícios pelo professor; Correção dos exercícios resolvidos pelos alunos; e Geração de relatórios para o professor. No módulo do professor, ele pode cadastrar exercícios, verificar quais alunos responderam os exercícios e verificar os relatórios de cada aluno, onde serão informados quais exercícios o aluno acertou e errou, quantidade de erros e acertos, tempo de resolução dos exercícios, entre outras informações. O professor também terá acesso a relatórios gerais, ou seja, relatórios que informarão o aproveitamento da turma toda em relação à matéria passada pelo professor. Já no módulo do aluno, ele só terá acesso aos exercícios a serem resolvidos. 1.1 PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema Por se tratar de uma matéria com um embasamento teórico muito grande, e por ser muito complexa, há a necessidade de muita prática para a fixação da Álgebra Relacional. O ensino desta matéria é feito através de muitos exercícios fornecidos pelos professores, porém, os alunos resolvem estes exercícios em sala de aula, e atualmente, sem nenhum software para auxiliá-los. Com isso, os alunos têm certa dificuldade no aprendizado e não conseguem assimilá-la de maneira satisfatória. Os professores, por sua vez, ficam sobrecarregados na correção dos exercícios Solução Proposta Analisando os problemas descritos acima, surgiu a idéia de desenvolver um sistema baseado nos conceitos da álgebra relacional, que visa auxiliar os alunos na aprendizagem, resultando num embasamento sólido da álgebra relacional. Também auxiliará os professores na correção dos exercícios, isto é, o sistema deve corrigir automaticamente os exercícios feitos pelos alunos, tendo como resultado aulas com uma elaboração melhor. 3

15 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo geral deste trabalho é desenvolver um sistema on-line que visa auxiliar a aprendizagem de álgebra relacional para alunos da disciplina de banco de dados Objetivos Específicos Foram considerados objetivos específicos para este trabalho: Estudar e compreender os conceitos relacionados à Álgebra Relacional; Pesquisar e analisar soluções similares; Pesquisar os conceitos e as tecnologias necessárias à implementação do sistema; Determinar os requisitos exigidos pelo sistema; Realizar a análise e projeto do sistema; Implementar o sistema; Testar e validar a implementação do sistema; e Documentar o sistema desenvolvido, e os seus resultados. 1.3 METODOLOGIA A metodologia utilizada para a realização do presente projeto foi dividida em etapas para melhor compreensão, que estão listadas abaixo: Fundamentação Teórica: Constitui em pesquisar e estudar os conceitos necessários. o Fornecer uma introdução de banco de dados, juntamente com alguns conceitos importantes como modelo de dados e linguagens de consultas; o Fornecer uma visão geral sobre a álgebra relacional e mostrar como formular algumas expressões; o Fornecer uma introdução de compiladores; e o Apresentar um comparativo entre as soluções similares e a ferramenta proposta. 4

16 Projeto: Definição dos requisitos e funcionalidades do sistema proposto. o Definição dos requisitos funcionais, requisitos não funcionais e regras de negócio que contemplam o funcionamento do sistema; o Definição dos casos de uso: controle de usuários, controle do professor e controle do site; o Definição do diagrama de classe; e o Definição do método de correção dos exercícios de álgebra relacional. Desenvolvimento: Desenvolvimento do sistema, que posteriormente passará por testes e validação. o Implementação dos módulos propostos, de acordo com a definição dos requisitos. o Desenvolvimento da estrutura do banco de dados necessário para suprir a necessidade do sistema. Testes e Validação: Realização de testes sobre a solução proposta, verificando suas funcionalidades e corrigindo-as se necessário. o Realização de testes com alunos do curso de Ciência da Computação da Univali, que estejam cursando a disciplina de Banco de Dados. Será avaliado o módulo de correção dos exercícios. Documentação: Ao longo do projeto são registrados todos os processos executados desde o levantamento do problema, a fundamentação teórica, os requisitos necessários ao sistema, o desenvolvimento, os testes, os resultados finais e conclusões. 1.4 ESTRUTURA DO TRABALHO No primeiro capítulo é apresentada uma introdução sobre o projeto, fazendo uma descrição geral do trabalho, identificando o problema e a sua solução, os objetivos gerais e específicos a se alcançar, e a metodologia utilizada para disposição do trabalho. No segundo capítulo (Fundamentação Teórica) são abordados alguns conceitos sobre banco de dados, sobre o modelo relacional, sobre as linguagens de consulta, dentre ela a SQL, o cálculo relacional, e a álgebra relacional. Fornece alguns conceitos sobre compiladores e para finalizar a 5

17 fundamentação teórica, é abordada duas soluções similares, e traçado um comparativo entre elas e a ferramenta proposta. O terceiro capítulo (Projeto) compreende na apresentação do sistema proposto, sua modelagem e especificações. No quarto (Implementação) e quinto (Apresentação da Ferramenta) capítulos são apresentados as ferramentas utilizadas no processo de desenvolvimento dos módulos, descrevendo as funcionalidades implementadas. O sexto capítulo apresenta os resultados dos testes aplicados com os alunos da disciplina de Banco de Dados do curso de Ciência da computação. No sétimo capítulo são apresentadas as conclusões, as dificuldades encontradas e as sugestões para trabalhos futuros. 6

18 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A fundamentação deste trabalho aborda os seguintes temas: (i) introdução à banco de dados, apresentando as linguagens de consulta, principalmente a álgebra relacional; (ii) conceitos de compiladores; e (iii) apresentação de ferramentas similares de correção automática de álgebra relacional. 2.1 BANCO DE DADOS Banco de Dados é um sistema computadorizado que tem a finalidade de armazenar informações e permitir que as mesmas sejam buscadas e alteradas quando solicitado pelo usuário. Um sistema de banco de dados envolve os dados (que ficam armazenados no banco de dados), o hardware (volumes de armazenamento secundário, processadores), o software e os usuários (programadores, administradores e usuários finais) (DATE, 2003). Os usuários que utilizam um sistema de banco de dados podem realizar diversas operações com os registros gravados no banco, como exemplo, acrescentar novos registros, inserir, excluir ou alterar dados de registros existentes, dentre outras operações. Para os usuários realizarem tais operações, utiliza-se a camada de software, chamada de SGBD, que trata todas as requisições de acesso ao banco de dados. O SGBD, portanto, isola os usuários dos detalhes de nível de hardware, oferecendo uma visão mais elevada, admitindo expressões de alto nível, como o SQL (DATE, 2003). Cada tipo de SGBD tem seu modelo de dados. O modelo de dados é um conjunto de conceitos que determina como os dados serão organizados e representados no BD (banco de dados). O modelo de dados mais popular é o modelo relacional, que é baseado na lógica e na matemática, e por conseqüência, ideal para o ensino de princípios de banco de dados (DATE, 2003) Modelo Relacional O modelo relacional é a base da tecnologia moderna de banco de dados, e é essa base que faz essa área de banco de dados uma ciência (DATE, 2003). O seu conceito foi introduzido por Ted Codd, da IBM Research, em 1970, e pela sua simplicidade e base matemática atraiu muita atenção (ELMASRI; NAVATHE, 2005).

19 O modelo relacional é um modelo onde os dados são representados como linhas em tabelas. Nesse modelo, os operadores que ficam a disposição dos usuários geram novas tabelas a partir das tabelas antigas (DATE, 2003). Ele é baseado teoricamente na teoria dos conjuntos e na lógica de predicados de primeira ordem, e se dedica principalmente ao exame da estrutura de dados, a integridade de dados e a manipulação de dados (ELMASRI; NAVATHE, 2005). A estrutura de dados apresenta todo o conceito do modelo (determinando o domínio, os atributos, as tuplas, as relações e as chaves). A integridade faz as restrições básicas para os dados e os relacionamentos, mantendo a consistência do modelo. Também faz a garantia de acesso a todos os dados sem ambigüidade, e a garantia de relacionamentos válidos (PIREZ, 2006). A manipulação de dados é a parte do modelo relacional que, além de manipular os dados, inclui os conceitos de modelos de dados que definem as restrições do banco de dados (ELMASRI; NAVATHE, 2005). A manipulação é feita através das linguagens de consultas formais e também pelo SQL Linguagens de Consulta Linguagem de consulta é a linguagem que o usuário utiliza para fazer requisições no banco de dados. Elas podem ser procedurais ou não procedurais. Na linguagem procedural o usuário deve ensinar ao sistema como realizar uma seqüência de operações no banco de dados para que obtenha o resultado desejado. Enquanto que na linguagem não procedural, o usuário apenas escreve as informações que deseja obter, sem precisar fornecer nenhum procedimento específico (SILBERCHATZ, 2006) Álgebra Relacional A álgebra relacional é uma linguagem formal de consultas procedural e faz parte da manipulação no modelo relacional. Ela basicamente consiste em um conjunto de operações, que geram uma nova relação a partir de uma ou mais relações já existentes no banco de dados. Assim, as operações da álgebra relacional nada mais são do que produção de novas relações que podem ser manipuladas pelas mesmas operações da álgebra (SILBERCHATZ, 2006). Uma seqüência dessas operações forma uma expressão de álgebra relacional. A álgebra relacional é muito importante por diversas razões (ELMASRI; NAVATHE, 2005): (i) provê um fundamento formal para operações do modelo relacional; (ii) é usada como 8

20 base para implementar as consultas nos sistemas gerenciadores de banco de dados relacionais; e (iii) seus conceitos são incorporados na linguagem de consulta padrão SQL. O objetivo fundamental da álgebra é permitir a escrita de expressões relacionais. Essas expressões servem a uma variedade de propósitos, dentre eles (DATE, 2003): Busca de dados - com base nas operações de busca, definir os dados a serem pesquisados; e Atualização de dados - fazer a inserção, alteração ou eliminação dos dados com alguma operação de atualização; A álgebra relacional define algumas operações, que servem para fazer as consultas e as alterações no banco de dados. As principais operações da álgebra relacional podem ser divididas em dois grupos (ELMASRI; NAVATHE, 2005): 1. O grupo das operações da teoria de conjunto matemática: união (union), interseção (intersection), diferença de conjunto (set difference) e produto cartesiano (cross product). 2. E o grupo das operações desenvolvidas especificamente para os bancos de dados relacionais: seleção ou restrição (select), projeção (project), junção (join) e divisão (division). sintaxe: A Tabela 1 apresenta a funcionalidade de cada operação, com suas respectivas notações e Tabela 1. Álgebra Relacional - Notação e Sintaxe dos operadores. Operação Notação Sintaxe Seleção (Select) σ σ <condição de seleção> (Relação) Projeção (Project) π π <lista de atributos> (Relação) Junção natural (Join) (Relação A Relação B) Divisão (Division) (Relação A Relação B) União (Union) (Relação A Relação B) Interseção (Intersection) (Relação A Relação B) Diferença (Set difference) (Relação A Relação B) Produto Cartesiano (Cross product) (Relação A Relação B) 9

21 Exemplos das Operações da Álgebra Relacional operação. A Figura 2 contém duas relações. Serão utilizadas estas relações para os exemplos de cada Figura 2. Relações utilizadas nos exemplos. Seleção (Select): Retorna um subconjunto de tuplas que satisfaçam uma condição de seleção pré-definida. Seguido da notação σ, que denota a seleção, vem o predicado, que descreve a condição da consulta. Após, entre parênteses, vem a relação de onde será feita a consulta. Exemplo: σ Sexo = F (ALUNOS) A seleção acima busca na relação ALUNOS todas as tuplas onde o atributo Sexo for igual a F. Esta consulta nos apresentará como resultado as informações contidas na Figura 3. Figura 3. Exemplo de seleção. Projeção (Project): Retorna determinadas colunas de uma relação. Só pode ser executada em apenas uma relação. Após a notação π, que denota a projeção, lista-se os atributos que se deseja buscar, seguido da relação entre parênteses. 10

22 Exemplo: π Nome, Cidade, Id_Professor (ALUNOS) A expressão acima projetará numa nova relação os atributos Nome, Cidade e Id_Professor da relação ALUNOS. A Figura 4 apresenta o resultado desta operação. Figura 4. Exemplo de projeção. Junção Natural (Join): Retorna uma combinação de tuplas de duas relações, partindo dos atributos em comum nas relações. É usado o operador entre duas relações para denotar esta operação. Exemplo: (ALUNOS PROFESSORES) A operação acima retorna uma combinação de todos os atributos das relações ALUNOS e PROFESSORES, onde o Id_Professor das duas relações sejam idênticos. Esta consulta apresentará como resultado as informações contidas na Figura 5. Figura 5. Exemplo de junção. Além da junção natural há outros tipos de junção: Junção Theta: Combina os registros de duas relações conforme as condições do predicado. Sintaxe: (RelaçãoA <condição de seleção> Relação B) 11

23 Equijunção: É uma junção semelhante à junção Theta, onde o predicado é sempre uma igualdade. Junção Externa: É utilizada para manter todas as tuplas das relações em uma junção, mesmo ela não tendo tuplas correspondentes na outra relação. Divisão (Division): Retorna uma relação contendo elementos da primeira relação que se relacionam com todos os elementos da segunda relação. Os atributos resultantes são os atributos da relação A que não existem na relação B. Os registros existentes na relação final são os registros da relação A combinados com os registros da relação B. É identificada pelo operado entre duas relações. Para utilizar esta operação é necessário que as relações sejam logicamente equivalentes. Exemplo: π Sexo, Id_Professor (ALUNOS) π Id_Professor (PROFESSORES) Não se pode utilizar a operação de Divisão nas relações ALUNOS e PROFESSORES, pois elas são logicamente diferentes. Então, antes da Divisão, será feito uma Projeção, para fazer duas relações logicamente equivalentes. Logo após será feita a União dessas duas relações projetadas. A consulta acima apresentará como resultado as informações da Figura 6. Figura 6. Exemplo de divisão. União (Union): Cria uma nova relação, a partir de duas ou mais relações, contendo todas as tuplas dessas relações. É identificada pelo símbolo entre duas relações. Para utilizar esta operação é necessário que as relações sejam logicamente equivalentes. 12

24 Exemplo: (π Nome, Sexo, Cidade (ALUNOS)) (π Nome_P, Sexo_P, Cidade_P (PROFESSORES)) Não se pode utilizar a operação de União para unir a relação ALUNOS e PROFESSORES, pois as relações são logicamente diferentes. Então, antes da União, será feito uma Projeção, para fazer duas relações logicamente equivalentes. Logo após será feita a União dessas duas relações projetadas. A expressão acima apresentará como resultado as informações da Figura 7. Figura 7. Exemplo de união. Interseção (Intersection): Retorna todas as tuplas que pertencem a ambas as relações. É identificada pelo símbolo entre duas relações. Para utilizar esta operação é necessário que as relações sejam logicamente equivalentes. Exemplo: (π Id_Professor (σ Sexo = M (ALUNOS))) (π Id_Professor (σ Sexo_P = F (PROFESSORES))) 13

25 Não se pode utilizar a operação Interseção diretamente nas relações ALUNOS e PROFESSORES, pois elas são logicamente diferentes. Então, antes da Interseção, será feito uma Projeção e uma Seleção, para fazer duas relações logicamente equivalentes. Logo após será feita a Interseção entre essas duas relações novas. A expressão acima apresentará como resultado as informações contidas na Figura 8. Figura 8. Exemplo de interseção. Diferença (Difference): Retorna todas as tuplas que estão na primeira relação, mas não estão na segunda relação. É identificada pelo símbolo entre duas relações Assim como a União e a Interseção. É necessário que as relações sejam logicamente equivalentes para que se possa fazer seu uso. Exemplo: (πid_professor, Sexo (ALUNOS)) (π Id_Professor, Sexo_P (PROFESSORES)) Não se pode utilizar a operação de Diferença diretamente nas relações ALUNOS e PROFESSORES, pois elas são logicamente diferentes. Então, antes da Diferença, será feito uma Projeção, para fazer duas relações logicamente equivalentes. Logo após será feita a Diferença entre essas duas relações projetadas. A Figura 9 apresenta o resultado da consulta acima. 14

26 Figura 9. Exemplo de diferença. Produto Cartesiano (Cross Product): Retorna a combinação de todas as tuplas das relações em questão. É usado o operador entre duas relações para denotar esta operação. Exemplo: (ALUNOS PROFESSORES) A consulta acima retorna uma combinação de todas as tuplas da relação ALUNOS com a relação PROFESSORES. A Figura 10 mostra o resultado desta consulta. Figura 10. Exemplo de produto cartesiano. 15

27 Cálculo Relacional O cálculo relacional é uma linguagem de consulta baseada na lógica matemática. Essa linguagem é não-procedural, ou seja, a partir de uma expressão do cálculo relacional, pode-se descrever uma consulta sem precisar especificar os procedimentos para obtenção das informações. Existem dois tipos de cálculo relacional: Cálculo Relacional de Tuplas e Cálculo Relacional de Domínio (DATE, 2003). As diferenças entre o cálculo relacional e a álgebra relacional são apenas superficiais, pois eles são logicamente equivalentes, isto é, cada expressão do cálculo relacional há uma expressão equivalente em álgebra relacional, e vice-versa Structured Query Language A Structured Query Language (SQL Linguagem de consulta estruturada) foi desenvolvida na IBM Research no início da década de É uma linguagem comercial que utiliza uma combinação de construções da álgebra e do cálculo relacional, e fornece uma linguagem declarativa de alto nível, facilitando as consultas aos usuários (SILBERCHATZ, 2006). Tornou-se uma linguagem padrão, pela fácil migração de aplicações de banco de dados, e pela sua independência de hardware e software. Com isso, passou a ser a linguagem mais apropriada e utilizada em SGBDs relacionais comerciais. A SQL é especificada por duas linguagens (SILBERCHATZ, 2006): 1. Linguagem de definições de dados (DDL Data Definition Language): permite ao usuário definir novas relações, como também excluí-las e modificá-las. 2. Linguagem de manipulação de dados (DML Data Manipulation Language): permite ao usuário selecionar, inserir, excluir e modificar dados no banco de dados. A DML é baseada na álgebra e no cálculo relacional. A estrutura de uma consulta SQL basicamente se dá por três cláusulas: select, from e where. Segue um exemplo de expressão em SQL utilizando essas cláusulas: SELECT Nome FROM TabAluno WHERE Nome=Maria 16

ProgramAR - Ferramenta para auxiliar o ensino em Álgebra Relacional

ProgramAR - Ferramenta para auxiliar o ensino em Álgebra Relacional ProgramAR - Ferramenta para auxiliar o ensino em Álgebra Relacional Arley Prates, Daniela Barreiro Claro, Edlane Proencia, João Queiroz 1 Instituto de Matemática (IM) Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

EnsinAR: FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ÁLGEBRA RELACIONAL

EnsinAR: FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ÁLGEBRA RELACIONAL EnsinAR: FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ÁLGEBRA RELACIONAL Ederson Luiz Paes Resumo O EnsinAR é uma ferramenta para o apoio do ensino de álgebra relacional e banco de dados. Baseia-se na conversão

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Abstração Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser utilizados para descrever a estrutura lógica e física

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Manual do Instar Mail Sumário

Manual do Instar Mail Sumário Manual do Instar Mail Sumário 1 - Apresentação do sistema... 2 2 - Menu cliente... 2 3 - Menu Importação... 5 4 - Menu Campanhas... 9 5 - Menu banco de arquivos... 16 6 - Menu agendamento... 16 7 - Menu

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL 232 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL Stevan D. Costa1, Alexandre T. Lazzaretti1, Anubis

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Especificação dos Requisitos do Software. White Label

Especificação dos Requisitos do Software. White Label Ubee Especificação dos Requisitos do Software White Label Review 0.3 Autores: Airton Sampaio de Sobral (asds@cin.ufpe.br) Alan Gomes Alvino (aga@cin.ufpe.br) Glauco Roberto Pires dos Santos (grps@cin.ufpe.br)

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR MANUAL E DICAS DO ASSISTENTE VIRTUAL (AV) POR ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 ÍNDICE Introdução...3 Requisitos e Restrições do Assistente...3 Diferenças da Versão

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento.

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento. Roteiro Modelo de Dados Relacional Posicionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Introdução

Leia mais

Sistema para aprendizado de Álgebra Relacional e Linguagem SQL

Sistema para aprendizado de Álgebra Relacional e Linguagem SQL Sistema para aprendizado de Álgebra Relacional e Linguagem SQL André Martins dos Santos Prof. Roosevelt dos Santos Junior, Orientador Roteiro da apresentação Introdução Fundamentação teórica Especificação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Controle de Viaturas por Pablo Wasculewsky de Matos Orientador: Prof. Me. André Vinicius

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 1 1- Bancos de dados compreendem desde agendas telefônicas até sistemas computadorizados. (Sim) 2- Só podemos instalar o SQL Server Express se tivermos

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

RYLY - Query Analizer: Ferramenta de Visualização e de Análise do Plano de Execução de Consultas ORACLE

RYLY - Query Analizer: Ferramenta de Visualização e de Análise do Plano de Execução de Consultas ORACLE RYLY - Query Analizer: Ferramenta de Visualização e de Análise do Plano de Execução de Consultas ORACLE Luzia A. Mendes 1, Rodrigo C. Barros 2, Bruno Visioli 1, Leandro Pompermaier 1 1 Faculdade de Informática

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Sistema de Gerenciamento Remoto www.pevermelho.art.br

Sistema de Gerenciamento Remoto www.pevermelho.art.br Sistema de Gerenciamento Remoto www.pevermelho.art.br 1 - SOBRE O SGR Este manual irá lhe ajudar a entender o funcionamento do SGR (Sistema de Gerenciamento Remoto) permitindo assim que você possa atualizar

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

XXIV SEMANA MATEMÁTICA

XXIV SEMANA MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Minicurso: Criação e Desenvolvimento de Cursos Online via Moodle Projeto de Extensão: Uma Articulação entre a Matemática e a Informática como Instrumento para a Cidadania

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente Nereu Agnelo Cavalheiro contato@nereujr.com Tutorial UFMG Virtual Primeiros passos do docente Este

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010 Construção de Compiladores Prof. Raimundo Santos Moura (http://www.ufpi.br/rsm) Construção de Compiladores Livro-Texto: AHO, Alfred V.; ULLMAN, Jeffrey D.; SETHI, R. Compiladores: princípios, técnicas

Leia mais

Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos

Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos Ana Paula Cavalheiro Oliveira (man05103@feg.unesp.br) Diego Teixeira de Souza (man05109@feg.unesp.br) Rodrigo Alexandre Ribeiro (man04023@feg.unesp.br)

Leia mais

INF220 - Banco de Dados I

INF220 - Banco de Dados I Banco de Dados - Introdução Bibliografia INF220 - Banco de Dados I Prof. Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática - UFV Notas de Aula (jugurta@dpi.ufv.br) ELMASRI, R; NAVATHE, S. Fundamentals of

Leia mais

LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO. Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto

LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO. Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto Conceitos de Linguagens de Roteiro: Apresentação do plano de ensino; Apresentação do plano de

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO ANA PAULA CARVALHO LORENZONI MICHELINE PARIZOTTO PROFESSORA. MILENE SELBACH SILVEIRA ORIENTADORA

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Documento de Visão Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Junho de 2011 Histórico de revisão: DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 19/02/2011 1.0 Versão inicial. João Ricardo, Diogo Henrique. 24/02/2011 2.0 Modificação

Leia mais

Bancos de Dados Aula #1 - Introdução

Bancos de Dados Aula #1 - Introdução Bancos de Dados Aula #1 - Introdução Prof. Eduardo R. Hruschka * Slides baseados no material elaborado pelas professoras: Cristina D. A. Ciferri Elaine P. M. de Souza Motivação Operações bancárias; Compras

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo Manual do Usuário Índice Conheça o Projeto...3 Apresentação...3 Finalidade...3 Objetivo...3 Histórico...4 Usando o Portal...5 Efetuando o cadastro na biblioteca digital...5 Logando na Biblioteca Digital...6

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

Sistema de Inteligência Patrimônial. Especificação dos Requisitos

Sistema de Inteligência Patrimônial. Especificação dos Requisitos Sistema de Inteligência Patrimônial Especificação dos Requisitos Especificação dos Requisitos Data Versão: 18 / 11 / 2015 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autor 23 / 11/ 2015 1.0 Versão Inicial

Leia mais

Processamento e Otimização de Consultas

Processamento e Otimização de Consultas Introdução Processamento e Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM 1 Processamento

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa

GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa GEADA Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa 1 1 Introdução O GEADA (Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos)

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROGRAMAS. PROGRAMADOR Joel Victor. Introdução

ESPECIFICAÇÃO DE PROGRAMAS. PROGRAMADOR Joel Victor. Introdução Página 1 de 16 Introdução Documento para especificação de programa do Caso de Uso Manter Usuários. Além da descrição de programa o documento terá o diagrama de classes e o diagrama de sequência. Caso de

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

Gerador de aplicativos Oracle PL/SQL WEB baseado na estrutura das tabelas do. Wagner da Silva Orientando Prof. Alexander Roberto Valdameri Orientador

Gerador de aplicativos Oracle PL/SQL WEB baseado na estrutura das tabelas do. Wagner da Silva Orientando Prof. Alexander Roberto Valdameri Orientador Gerador de aplicativos Oracle PL/SQL WEB baseado na estrutura das tabelas do banco de dados Oracle Wagner da Silva Orientando Prof. Alexander Roberto Valdameri Orientador Roteiro Introdução e Objetivos;

Leia mais

Algoritmos para Processamento e Otimização de Consultas. Adriano Douglas Girardello Ana Paula Fredrich Tiago Alexandre Schulz Sippert

Algoritmos para Processamento e Otimização de Consultas. Adriano Douglas Girardello Ana Paula Fredrich Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Algoritmos para Processamento e Otimização de Consultas

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 2. Tela Inicial... 2 3. Abrindo uma nova Solicitação... 3 4. Acompanhando as solicitações abertas... 4 5. Exibindo Detalhes da Solicitação... 6 6.

Leia mais

Moodle - CEAD Manual do Estudante

Moodle - CEAD Manual do Estudante Moodle - CEAD Manual do Estudante Índice Introdução 3 Acessando o Ambiente 4 Acessando o Curso 5 Navegando no Ambiente do Curso 5 Box Participantes 5 Box Atividades 5 Box Buscar nos Fóruns 5 Box Administração

Leia mais

Manual de Utilização do GLPI

Manual de Utilização do GLPI Manual de Utilização do GLPI Perfil Usuário Versão 1.0 NTI Campus Muzambinho 1 Introdução Prezado servidor, o GLPI é um sistema de Service Desk composto por um conjunto de serviços para a administração

Leia mais

.: NAPRO :. NÚCLEO DE APOIO APRENDIZAGEM DE PROGRAMAÇÃO

.: NAPRO :. NÚCLEO DE APOIO APRENDIZAGEM DE PROGRAMAÇÃO Software Visualg 2.0 Bruno Tonet ELABORADO POR BRUNO TONET Sumário 1 - VISUALG - EDITOR E INTERPRETADOR DE ALGORITMOS... 3 1.1. OBJETIVOS... 3 2 - INSTALAÇÃO E REQUERIMENTOS DE HARDWARE... 4 3 - A TELA

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

GERENCIADOR DE CONTEÚDO

GERENCIADOR DE CONTEÚDO 1/1313 MANUAL DO USUÁRIO GERENCIADOR DE CONTEÚDO CRISTAL 2/13 ÍNDICE 1. OBJETIVO......3 2. OPERAÇÃO DOS MÓDULOS......3 2.1 GERENCIADOR DE CONTEÚDO......3 2.2 ADMINISTRAÇÃO......4 Perfil de Acesso:... 4

Leia mais