EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL"

Transcrição

1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL Campo Grande/MS, 12 de julho de 2015 Processo: Ação: Procedimento Ordinário Requerente: CINTHIA PEREIRA DE ALEMÃO Requerido: SHOPPING CENTER 26 DE AGOSTO. APRESENTAÇÃO PERITO ASSISTENTE TÉCNICO MAYCON BISPO CARDOSO, indicado pela parte requerente dos autos, brasileiro, casado, contador, com domicilio comercial na Rua Américo Marques, n. 625, Res. Flamingos Bl D2 Apto 14, Vila Sobrinho, em Campo Grande, MS, devidamente registrado no Conselho Regional de Contabilidade sob o n /O-8, participação no Curso Prático de Cálculo e Legislação Trabalhista (ênfase em Liquidação de Sentença) pela ESA, Pós Graduando em Perícia e Auditoria Contábil pela Universidade Católica Dom Bosco - UCDB, telefone (67) , vem, respeitosamente, apresentar o seu PARECER TÉCNICO, informando a V. Exa. que, discorda do Laudo Técnico da ilustre empresa de Parecer Técnico Processo: Página 1

2 Perícia Técnica VINICIUS COUTINHO CONSULTORIA E PERÍCIA S/S LTDA, peritos desse respeitável Juízo, ofereço, a seguir, as suas razões. I DOS CÁLCULOS APRESENTADOS PELA EMPRESA DE PERÍCIA A renomada empresa de Perícia, nomeada nos autos, apresentou como valores devidos de prestação mês a mês a planilha a seguir descrita: Tabela apresentada pelo Perito do Juiz A planilha de cálculo apresentada pelo ilustre Perito requer as seguintes correções e observações: 1) O contrato prevê a correção das parcelas pelo IGPM acumulado, a partir do mês 12/2010, sobre o valor inicial de R$ 2.062,50, mas o ilustre Perito acabou equivocando-se ao acumular parcela + juros do mês, ou seja, na parcela n. 2 a prestação base foi o valor de R$ 2.104,16($2.062,50 + IGPM 1,01% + JUROS 1%) sendo que a parcela base deveria ser o valor de R$ 2.083,33 ($2.062,50 + IGPM 1,01%). Com isso a evolução da planilha Parecer Técnico Processo: Página 2

3 encontra-se prejudicada, sendo assim solicitamos a sua alteração, pois o IGPM, deve incide somente na parcela corrigida, sem os juros; 2) As parcelas de número 9 e 10 merecem correções no quesito atualização, pois numericamente os índices estão corretos (0,18% e 0,12%), mas sua posição correta seria negativa, ou seja, deflação (- 0,18% e -0,12%) e não a de inflação conforme calculado pelo ilustre Perito; 3) Com relação a exclusão da taxa de boleto, concordamos com o renomado Perito, pois não havia previsão legal no contrato assinado pelas partes; 4) O Perito não considerou todas as prestações pagas, sendo assim cabe correção. Segue abaixo a relação das parcelas pagas e o número do boleto; N. do Boleto Data de Vencimento Valor 1/T-D18E18 15/12/2010 R$ 2.108,16 2/T-D18E18 15/01/2011 R$ 2.137,18 3/T-D18E18 16/02/2011 R$ 2.191,61 4/T-D18E18 15/03/2011 R$ 2.228,76 5/T-D18E18 13/05/2011 R$ 2.323,24 6/T-D18E18 15/06/2011 R$ 2.458,17 7/T-D18E18 13/07/2011 R$ 2.387,85 8/T-D18E18 15/08/2011 R$ 2.335,47 9/T-D18E18 15/09/2011 R$ 2.436,01 10/T-D18E18 15/10/2011 R$ 2.397,90 Parecer Técnico Processo: Página 3

4 5) Com base nos pontos 1 e 2 acima observados, apresentamos abaixo o recálculo dos valores calculados pelo Ilustre Perito do Juiz. n. Data de Venc Saldo Devedor Valor da Parc IGPM do Mês Valor do IGPM Juros Cont. Juros Fixo 1% Taxa de Boleto Total da Parc. (a) (b) (c) (d) (e) (f) (g) (h) (i) (j) 00 27/10/20120 R$ ,00 R$ ,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ , /12/2010 R$ ,00 R$ 2.062,50 1,01% R$ 20,83 1,000% R$ 20,83 R$ 0,00 R$ 2.104, /01/2011 R$ ,50 R$ 2.083,33 1,45% R$ 30,21 1,000% R$ 21,14 R$ 0,00 R$ 2.134, /02/2011 R$ ,17 R$ 2.113,54 0,69% R$ 14,58 1,000% R$ 21,28 R$ 0,00 R$ 2.149, /03/2011 R$ ,63 R$ 2.128,12 0,79% R$ 16,81 1,000% R$ 21,45 R$ 0,00 R$ 2.166, /04/2011 R$ ,51 R$ 2.144,94 1,00% R$ 21,45 1,000% R$ 21,66 R$ 0,00 R$ 2.188, /05/2011 R$ ,57 R$ 2.166,38 0,62% R$ 13,43 1,000% R$ 21,80 R$ 0,00 R$ 2.201, /06/2011 R$ ,19 R$ 2.179,82 0,45% R$ 9,81 1,000% R$ 21,90 R$ 0,00 R$ 2.211, /07/2011 R$ ,37 R$ 2.189,63 0,43% R$ 9,42 1,000% R$ 21,99 R$ 0,00 R$ 2.221, /08/2011 R$ ,75 R$ 2.199,04 - -R$ 3,96 1,000% R$ 21,95 R$ 0,00 R$ 2.217,03 0,18% 10 15/09/2011 R$ ,70 R$ 2.195,08 - -R$ 2,63 1,000% R$ 21,92 R$ 0,00 R$ 2.214,37 0,12% Somatória Geral R$ ,38 R$ 129,95 R$ 215,92 R$ 0,00 R$ ,25 6) Pelos motivos expostos, cabe a retificação dos cálculos demonstrados pelo Ilustre Perito, na planilha denominada de: Planilha de Cálculo Prestação Devida. Com a correção dessa planilha deve o Perito mudar sua posição relação a alegação de que não houve diferenças significativas nas prestações. Segue abaixo a tabela demonstrando a real diferença entre a prestação recalculada e a prestação cobrada pela requerida, totalizando o montante de R$ 1.734,72 no decorrer de 10 parcelas; Parecer Técnico Processo: Página 4

5 Valores Cobrados Valores Contratados n. Data de Venc. Valor do IGPM Juros Cobrados Taxa de Boleto Total Valor do IGPM Juros fixo 1% Taxa de Boleto Total Diferença (a) (b) (c) (d) (e) (f) (g) (h) (i) (j) (l) 00 27/10/20120 $0,00 $0,00 $0,00 $0,00 $0,00 $0,00 $0,00 $0,00 $0, /12/2010 $20,83 $20,83 $4,00 $45,66 $20,83 $20,83 $0,00 $41,66 $4, /01/2011 $51,04 $21,14 $2,50 $74,67 $30,21 $21,14 $0,00 $51,34 $23, /02/2011 $65,62 $60,99 $2,50 $129,11 $14,58 $21,28 $0,00 $35,86 $93, /03/2011 $82,44 $81,33 $2,50 $166,26 $16,81 $21,45 $0,00 $38,26 $128, /04/2011 $103,88 $101,12 $2,50 $207,50 $21,45 $21,66 $0,00 $43,11 $164, /05/2011 $117,32 $121,10 $2,50 $240,92 $13,43 $21,80 $0,00 $35,23 $205, /06/2011 $127,13 $141,21 $2,50 $270,84 $9,81 $21,90 $0,00 $31,71 $239, /07/2011 $136,54 $153,93 $2,50 $292,97 $9,42 $21,99 $0,00 $31,41 $261, /08/2011 $132,58 $182,16 $2,50 $317,24 -$3,96 $21,95 $0,00 $17,99 $299, /09/2011 $129,95 $202,95 $2,50 $335,40 -$2,63 $21,92 $0,00 $19,29 $316,11 Somatória Geral $967,33 $1.086,76 $26,50 $2.080,59 $129,95 $215,92 $0,00 $345,87 $1.734,72 7) Como o ilustre Perito tomou como base a Planilha de Cálculo Prestação Devida para elaborar o seu anexo II Planilha de Cálculo Apuração do Saldo Remanescente, esta merece correção, o qual foi demonstrado por esse Assistente no Anexo I deste Parecer Técnico denominada Planilha 1 - Apuração do Saldo Devedor - Pelo Assistente Técnico II DAS RESPOSTAS DOS QUESITOS Tendo em vista os apontamentos acima relacionados cabe a revisão das respostas do Ilustre Perito, aos quesitos formulados pela Requerente, conforme a seguir comentados: Quesito 1: Como foi aplicado o IGPM nos cálculos? Resposta do Perito do Juiz: Mensalmente sobre as prestações Parecer Técnico Processo: Página 5

6 Comentário do Perito Assistente: Não concordamos com a resposta do Ilustre Expert, pois os cálculos realizados não foram feitos de acordo com o contrato, e os nossos cálculos apresentados neste Parecer, demonstra que o Requerido aplicou qualquer índice ou aplicou de forma equivocada a dos termos contratados. Quesito 2: Qual o critério de atualização estabelecida no contrato celebrado entre as partes? Resposta do Perito do Juiz: Vide resposta do quesito 1 Comentário do Perito Assistente: Realmente, a resposta do Perito procede, pois, o índice pactuado foi o IGPM, mas conforme já demonstrado nesse Parecer a correção não foi dentro dos padrões contratuais. Quesito 3: Qual o critério de atualização estabelecida de fato nos valores cobrados? Resposta do Perito do Juiz: Vide resposta do quesito 1 Comentário do Perito Assistente: Pelos motivos relatados até aqui, existe a necessidade de rever a resposta do Perito, tendo em vista que os cálculos apresentados não estão de acordo com os termos pactuados, os quais já demonstramos nesse Parecer, sendo assim solicitamos que o Perito refaça a sua resposta, evidenciado qual seria a correção aplicada. Quesito 4: Houve variação da taxa de juros nos cálculos das parcelas? Resposta do Perito do Juiz: As parcelas foram recalculadas a partir da data do contrato, acrescendo a correção monetária pelo IGP-M/FGV e juros de 1% ao mês Parecer Técnico Processo: Página 6

7 Comentário do Perito Assistente: O quesito foi formulado na expectativa que o Ilustre Expert, demonstra-se os valores de cada parcela, ou seja, o que seria amortização, correção, juros e possíveis adicionais na prestação, mas como já relatado há necessidade de refazer os cálculos, já que o Perito acumulou correção com juros remuneratórios, e conforme já relatado o procedimento não procede com o contrato. Quesito 5: Como foi pactuada a incidência de Juros? Resposta do Perito do Juiz: A taxa de 1% ao mês, capitalizada mensalmente sobre as prestações. Comentário do Perito Assistente: A resposta do Perito está perfeita, contudo os procedimentos em seu cálculo não foram assim, já que os juros mensais foram aplicados sobre a parcela atualizada acrescidas dos juros do mês anterior, gerando assim o chamado Anatocismo (cobrança de juros sobre juros) e de forma Atualizada. Quesito 6: Existindo a diferença de juros pactuados com os juros cobrados, pedimos ao Perito que demonstre qual o valor dessa diferença mês a mês? Resposta do Perito do Juiz: Vide relatório e planilhas anexas Comentário do Perito Assistente: Novamente cabe retificação por parte do Perito, pois os cálculos apresentados nas iniciais encontram-se prejudicadas. Quesito 7: É possível afirmar que o contrato pactuado entre as partes foi aplicado corretamente? Quais são os pontos divergentes? Parecer Técnico Processo: Página 7

8 Resposta do Perito do Juiz: Pelo exposto neste relatório, observa-se diferença mínima das parcelas recalculadas e as pagas, sendo umas inferiores e outras superiores. Comentário do Perito Assistente: Ilustre Perito, conforme comprovado matematicamente nesse Parecer Técnico, os cálculos elaborados pela Requerida foram bem além do que deveria ser pelos termos contratuais, sendo assim pedimos que verifique a procedência de acumular correção com juros para a próxima correção monetária, isso realmente procede? Qual o embasamento desse feito? Qual a cláusula contratual? Quesito 8: Qual a diferença do valor pago e cobrado do que foi pactuado? Resposta do Perito do Juiz: Conforme exposto neste relatório tem-se diferença mínima, que podem ser visualizadas na tabela no item Cálculos. Comentário do Perito Assistente: Conforme a resposta anterior, cabe retificação pelo Perito. Quesito 10: Há cobrança de um mesmo valor por duas instituições financeiras diferentes? Resposta do Perito do Juiz: Vide reposta ao quesito 9. Comentário do Perito Assistente: Nesse quesito gostaríamos que o Perito observasse na a duplicidade de cobrança, mas que houve no decorrer da cobrança a mudança de agente arrecadador, tal feito pode ser observado examinando os boletos nos autos. III - CONCLUSÃO Parecer Técnico Processo: Página 8

9 Concluímos que o Laudo Técnico da Ilustre Empresa VINICIUS COUTINHO CONSULTORIA E PERÍCIA S/S LTDA, encontra-se prejudicada, pois os cálculos foram feitos de forma equivocada, ao acumular Correção Monetária IGPM + Juros do mês anterior com base de correção para a prestação do mês seguinte. Tal procedimento gera uma elevação grande no valor da prestação. Cabe o perito explicar qual base legal para o procedimento de correção aplicada em seus cálculos. IV - ENCERRAMENTO O presente PARECER TÉCNICO está transcrito em 09 (nove) folhas. Constam de forma indissociável do presente parecer um anexo. Anexo: Planilha 1 - Apuração do Saldo Devedor - Pelo Assistente Técnico. O perito assistente permanece à disposição do Juízo e das partes para qualquer esclarecimento que se fizer necessário, Cordialmente subscrevemo-nos, Contador Maycon Bispo Cardoso CRC/MS nº /O8 Perito Assistente Parecer Técnico Processo: Página 9

10 ANEXO I - Planilha 1 - Apuração do Saldo Devedor - Pelo Assistente Técnico Parecer Técnico Processo:

11 n. Data de Venc Data de Pgto Dias de Atraso Planilha 1 - Apuração do Saldo Devedor - Pelo Assistente Técnico Prestação Índice Prestação Multa Juros Devida IGPM Atualizada Moratória Moratórios 1% Valor Devido Valor Pago Diferença de Pagamento (a) (b) (c) (d) (f) (g) (h) (i) (j) (l) (m) (n) 00 27/10/ /11/ R$ ,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,00 R$ , /12/ /12/ R$ 2.104,16 1, R$ 2.104,16 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 2.104,16 R$ 2.108,16 R$ 4, /01/ /01/ R$ 2.130,68 1, R$ 2.130,68 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 2.130,68 R$ 2.137,18 R$ 6, /02/ /02/ R$ 2.142,90 1, R$ 2.142,90 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 2.142,90 R$ 2.191,61 R$ 48, /03/ /03/ R$ 2.117,68 1, R$ 2.117,68 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 2.117,68 R$ 2.228,76 R$ 111, /04/ /05/ R$ 2.076,97 1, R$ 2.085,52 R$ 41,54 R$ 0,00 R$ 2.127,06 R$ 2.323,24 R$ 196, /05/ /06/ R$ 2.005,43 1, R$ 2.007,94 R$ 40,11 R$ 0,00 R$ 2.048,04 R$ 2.458,17 R$ 410, /06/ /07/ R$ 1.801,40 0, R$ 1.798,84 R$ 36,03 R$ 0,00 R$ 1.834,87 R$ 2.387,85 R$ 552, /07/ /07/ R$ 1.668,05 1, R$ 1.668,05 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 1.668,05 R$ 2.335,47 R$ 667, /08/ /09/ R$ 1.549,61 1, R$ 1.558,07 R$ 30,99 R$ 0,00 R$ 1.589,06 R$ 2.436,01 R$ 846, /09/ /10/ R$ 1.367,42 1, R$ 1.375,99 R$ 27,35 R$ 0,00 R$ 1.403,33 R$ 2.397,90 R$ 994, /10/ /05/ R$ 1.229,55 1, R$ 1.266,00 R$ 24,59 R$ 0,00 R$ 1.290,59 R$ 0,00 -R$ 1.290, /11/ /05/ R$ 3.529,16 1, R$ 3.615,16 R$ 70,58 R$ 0,00 R$ 3.685,74 R$ 0,00 -R$ 3.685, /12/ /05/ R$ 5.936,18 1, R$ 6.069,30 R$ 118,72 R$ 0,00 R$ 6.188,02 R$ 0,00 -R$ 6.188, /01/ /05/ R$ 8.449,71 1, R$ 8.633,62 R$ 168,99 R$ 0,00 R$ 8.802,61 R$ 0,00 -R$ 8.802, /02/ /05/ R$ ,58 1, R$ ,61 R$ 221,23 R$ 0,00 R$ ,84 R$ 0,00 -R$ , /03/ /05/ R$ ,46 1, R$ ,07 R$ 275,55 R$ 0,00 R$ ,62 R$ 0,00 -R$ , /04/ /05/ R$ ,88 1, R$ ,18 R$ 331,54 R$ 0,00 R$ ,71 R$ 0,00 -R$ , /05/ /05/ R$ ,71 1, R$ ,91 R$ 387,75 R$ 0,00 R$ ,67 R$ 0,00 -R$ ,67 Contador Maycon Bispo Cardoso CRC/MS nº /O8 Perito Assistente Parecer Técnico Processo: Página 1

INSTITUTO Caetano Andrade Rio de Janeiro. São Paulo EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ

INSTITUTO Caetano Andrade Rio de Janeiro. São Paulo EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ PROCESSO n : 2006.202.000000-0 AÇÃO AUTORA RÉU : DECLATÓRIA : JOCE DASILVA : BANCO DO POVO CAETANO ANTONIO DE ANDRADE, perito

Leia mais

Parte Contrária: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS APRESENTAÇÃO

Parte Contrária: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS APRESENTAÇÃO LAUDO PERÍCIA EXTRAJUDICIAL Parte Interessada: Parte Contrária: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS APRESENTAÇÃO AGISPEC CONSULTORIA E PERÍCIA CONTÁBIL, empresa especializada em perícia da área

Leia mais

MBCARDOSO Perícia e Auditoria Contábil

MBCARDOSO Perícia e Auditoria Contábil LAUDO PERÍCIA EXTRAJUDICIAL Campo Grande/MS, 19 de agosto de 2013. Parte Interessada: Mariane Magazine LTDA Parte Contrária: Estado de Mato Grosso do Sul. APRESENTAÇÃO Contador Maycon Bispo Cardoso, brasileiro,

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle 2061

Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle 2061 Adir Jacob 1 Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 2 ª Vara Cível Fórum João Mendes Jr. Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Adir Jacob Contador Perito Judicial. Tel. 223-6488 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR.

Adir Jacob Contador Perito Judicial. Tel. 223-6488 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. 1 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. Ação # 000.00.575079-2 MONITÓRIA Banco do Estado de São Paulo S/A CONTRA Agência Center S/C Ltda. controle *001480 Adir Jacob CRC# 105.027 de

Leia mais

Telefone p/contato: 22159822

Telefone p/contato: 22159822 Telefone p/contato: 22159822 Apresentação Turma Especial aos Sábados CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA O CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA abordará

Leia mais

Ciclano da Silva Advogados Associados

Ciclano da Silva Advogados Associados Ciclano da Silva Advogados Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE ALTA FLORESTA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BAIXA FLORESTA/PR. FULANO DE TAL, pessoa

Leia mais

LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO

LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO Tipo de Contrato: Número do Contrato: LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO Financiado: Agente Financeiro: Curitiba, 16/10/013 xxxxx xxxxxx Cédula de

Leia mais

Economista, Perito. Tel 11 223 6488 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

Economista, Perito. Tel 11 223 6488 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação# 01.105922-2 ORDINÁRIA. WMF COMÉRCIO DE ALIMENTOS LTDA. contra BANKBOSTON BANCO MÚLTIPLO S/A. Controle 1958. Joel

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office

Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office São Paulo, 06 de maio de 2009. Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office Relatório da Administração Abril/2009 ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA Em 29 de abril de 2009 realizamos a Assembléia Geral Ordinária

Leia mais

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO Rio, Janeiro / 2014 * Elaborado por Pedro Schubert. Administrador, Sócio Fundador da BMA Informática & Assessoramento Empresarial Ltda. 1 ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL Processo: Tipo: Autor/Requerente: Réu/Requerido: ESCRITÓRIO DE PERÍCIAS CONTÁBEIS Nº Ordinária Revisão de Contrato Gildeones Bandeira Nunes de Castro Banco do Brasil e Financiamentos S/A PARECER TÉCNICO

Leia mais

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126 1 DO TRABALHO PERICIAL Tomando por base os dados constantes da planilha apresentada pelo Banco, a perita reconstituiu as condições contratuais, a seguir: Em 22/11/1999 a Sra. WALKYRIA STORER e o HSBC BANK

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Leonel Kern 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação N.º 99.889213-0 ordinária. GERSON VIANA DA SILVA contra BANCO ITAÚ S/A. Leonel Kern Ernesto, contabilista,

Leia mais

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições:

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições: CONTRATO DE MÚTUO Prelo presente instrumento particular, [O Estudante, pessoa física proponente de empréstimo com determinadas características ( Proposta )], identificado e assinado no presente contrato

Leia mais

TABELA PRICE A POLÊMICA CONTINUA LUIZ DONIZETE TELES Economista

TABELA PRICE A POLÊMICA CONTINUA LUIZ DONIZETE TELES Economista Afinal de contas, ocorre ou não a capitalização composta dos juros na Tabela Price? A polêmica não deveria continuar, mas continua. E chegou a tal ponto que os mais renomados autores de livros de matemática

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL, entidade fechada de previdência complementar, com sede na Praia de Botafogo, nº

Leia mais

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF 1. Partes 1.1. Cliente - é o cliente do Personnalité e solicitante da abertura de crédito em conta corrente de

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE OURO FINO MINAS GERAIS

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE OURO FINO MINAS GERAIS Ambiental e Advogado, Portador da carteira do Conselho de Biologia nº 13806-4 4ª Região, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência, para dizer que aceita o honroso cargo de perito para o qual

Leia mais

ADENDO A ADESÃO DE FORMATURA ENGENHARIA CIVIL 2010

ADENDO A ADESÃO DE FORMATURA ENGENHARIA CIVIL 2010 ADENDO A ADESÃO DE FORMATURA ENGENHARIA CIVIL 2010 CLAUSULA PRIMEIRA DO OBJETO DO CONTRATO 1.1 O presente contrato tem como objeto a criação de um FUNDO DE ARRECADAÇÃO de recursos ( Fundo ) para a realização

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO...., brasileiro, casado, médico, portador da Cédula de Identidade RG nº... - SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº... com

Leia mais

Vamos lá... *** a) Artigo 168: No caso de interrupção de pagamento de débito parcelado, o saldo proporcional

Vamos lá... *** a) Artigo 168: No caso de interrupção de pagamento de débito parcelado, o saldo proporcional Olá pessoal, tudo bem? Muitos estudos? Espero que sim. Vou começar a trabalhar com vocês alguns aspectos importantes da Legislação do ICMS RJ que podem ser cobrados no próximo concurso para Auditor Fiscal

Leia mais

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS Pela presente CÉDULA DE CRÉDITO BANCARIO, doravante designada como CÉDULA, pagarei ao Banco Ibi S.A. Banco Múltiplo, com sede na Alameda Rio Negro, 585,

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

JUROS NA INCORPORAÇÃO

JUROS NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA JUROS NA INCORPORAÇÃO Inicialmente, é importante esclarecer de forma bastante sintética, que os juros na incorporação imobiliária, consistem na remuneração do capital que os incorporadores

Leia mais

CONTRATO QUE DISCIPLINA A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DE GRUPOS DE CONSÓRCIO REFERENCIADOS EM BENS IMÓVEIS.

CONTRATO QUE DISCIPLINA A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DE GRUPOS DE CONSÓRCIO REFERENCIADOS EM BENS IMÓVEIS. CONTRATO QUE DISCIPLINA A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DE GRUPOS DE CONSÓRCIO REFERENCIADOS EM BENS IMÓVEIS. Cláusula 1ª - A Proposta de Adesão é o instrumento pelo qual o proponente, doravante denominado

Leia mais

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo.

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. O SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE NÃO PRATICA ANATOCISMO. Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. No caso em questão, sem a definição

Leia mais

Ex.mo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 2ª Vara Cível Fórum João Mendes Jr.

Ex.mo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 2ª Vara Cível Fórum João Mendes Jr. 1 Ex.mo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 2ª Vara Cível Fórum João Mendes Jr. Ação 000.00.537532-0 ORDINÁRIA - Andréa Natalia Ferreira Turi contra CGN Construtora Ltda. Controle 734 Joel Pereira de Sousa, CORECON

Leia mais

Workshop de Perícia Econômico-Financeira. Indenização: Uso e Depreciação de Bens Retidos em Contrato de Concessão

Workshop de Perícia Econômico-Financeira. Indenização: Uso e Depreciação de Bens Retidos em Contrato de Concessão Workshop de Perícia Econômico-Financeira Indenização: Uso e Depreciação de Bens Retidos em Contrato de Concessão Economista Maria Paula Merlotti mpm@mpmpericias.com.br 1 Dados do Processo Autora: Empresa

Leia mais

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo)

Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) Exemplos de Preenchimento dos Atributos relativos ao Fluxo Financeiro (caráter meramente exemplificativo) 1. Contrato com prazo total de 120 meses, sendo 24 de carência, com pagamento trimestral de juros

Leia mais

SENTENÇA. Processo Digital nº: 1059894-56.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo Digital nº: 1059894-56.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 332 SENTENÇA Processo Digital nº: 1059894-56.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Marcelo Monea e outro Requerido: Vila

Leia mais

CALC PERÍCIA, AUDITORIA E CONSULTORIA

CALC PERÍCIA, AUDITORIA E CONSULTORIA LAUDO DA PERÍCIA JUDICIAL CONTÁBIL VARA CÍVEL DA COMARCA DE MEDIANEIRA PR Autos nº: Autor: Réu: 354/2008 COBRANÇA LUIZ RIBOLDI HSBC BANK BRASIL S/A BANCO MULTIPLO Medianeira (PR), 30 de julho de 2010.

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação Revisional de Contratos com Pedido de Antecipação de Tutela Inibitória sob nº 01.325.109-0. Belicor Comercial Ltda

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS

PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS O Sindicato dos Administradores, dando continuidade aos procedimentos para ajuizar ação judicial contra a Caixa Econômica Federal, na Justiça

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

U U +E U U E Sendo E e U dois algarismos não nulos e distintos, a soma E + U é igual a

U U +E U U E Sendo E e U dois algarismos não nulos e distintos, a soma E + U é igual a Resoluções comentadas das questões de Raciocínio Lógico-Matemático da prova para escriturário do Banco do Brasil Realizada pela Cesgranrio em 15/03/2015 11. Observe a adição: U U +E U U E Sendo E e U dois

Leia mais

O QUE DEVO SABER PARA CONTRATAR O MEU FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO?

O QUE DEVO SABER PARA CONTRATAR O MEU FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO? TERMOS QUE VOCÊ DEVE CONHECER Financiamento é o valor emprestado pelo Banco para ajudá-lo a adquirir o seu imóvel. Juros é o custo do financiamento. Informe-se na sua agência da Caixa ou no correspondente

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO E RECURSO ADESIVO N. 2001997051712-0/001 Relator Des. José Di Lorenzo Serpa 1 Apelante Banco do Nordeste do Brasil

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER PARECER Referência: 99902.002114/2013-11 Assunto: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação Restrição Não se aplica de acesso: Ementa: Taxa de juros e informações sobre correção

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE FIANÇA CURSO DE MEDICINA BACHARELADO FAMINAS-ME

INSTRUMENTO PARTICULAR DE FIANÇA CURSO DE MEDICINA BACHARELADO FAMINAS-ME INSTRUMENTO PARTICULAR DE FIANÇA CURSO DE MEDICINA BACHARELADO FAMINAS-ME 1. (FIADOR), naturalidade:, estado civil:, profissão:, data de nascimento: / /, residente e domiciliado na cidade de:, estado:,cep:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional

O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional O que devo saber para contratar meu Financiamento Habitacional O que devo saber para contratar o meu financiamento imobiliário? Termos que você deve conhecer Financiamento é o valor emprestado pelo Banco

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU 1 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU A) CONTRATANTE: Aluno (a) identificado (a) no REQUERIMENTO DE MATRÍCULA fornecido pelas Contratadas, cujo documento

Leia mais

Curso (Prático) de Perícia Financeira

Curso (Prático) de Perícia Financeira Apresentação Objetivos Curso (Prático) de Perícia Financeira Contábil e O Curso de Perícia Contábil aborda as matérias necessárias aos profissionais que atuam como perito, para que interpretem adequadamente

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015 Institui o Programa de Recuperação Fiscal REFIS do Município de Jaboticabal, e dá outras providências. Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Fica instituído, nos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Programa de Parcelamento de Débitos Fiscais no âmbito do Sistema CFMV/ CRMVs, destinado à regularização de débitos de anuidades, multas, taxas, emolumentos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO FEDERALCAP MENSAL (PM 60 PADRÃO)

CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO FEDERALCAP MENSAL (PM 60 PADRÃO) CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO FEDERALCAP MENSAL (PM 60 - PADRÃO) 1. INTRODUÇÃO 1.1. A FEDERAL CAPITALIZAÇÃO S.A., a seguir denominada EMITENTE, é uma sociedade especializada na instituição e administração

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009.

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o procedimento a ser adotado para a formalização e controle dos processos de parcelamentos de arrematação ocorrida nas hastas

Leia mais

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento UNIDADE 4 Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento 109 Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você será levado a: diferenciar os dois tipos de sistema de amortização;

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA CLÁUSULAS GERAIS, que regem o Contrato de Abertura de Credi-Rápido, que são

Leia mais

Laudo do cálculo. Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A

Laudo do cálculo. Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A Laudo do cálculo Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A Teste, celebrou contrato de Aquisição de veículo por pessoa física com o XXXX Financiamento S/A em 02/06/2012. No

Leia mais

2.3.3 Vencimento das parcelas. X2 2.4 Taxa de juros remuneratórios 2.5 IOF (R$) 2.6 Tarifa de 2.4.1 Ao mês 2.4.2 Ao ano 2.4.

2.3.3 Vencimento das parcelas. X2 2.4 Taxa de juros remuneratórios 2.5 IOF (R$) 2.6 Tarifa de 2.4.1 Ao mês 2.4.2 Ao ano 2.4. Saldo Parcelado Itaú Aditamento a Cédula de Crédito Bancário/Contrato - Abertura de crédito em conta corrente e financiamento de encargos Nr. XXXXXXXX10 Cliente XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX30 E os co-emitentes,

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS 1 Os débitos de qualquer natureza para com a Fazenda Nacional podem ser parcelados em até 60 (sessenta) prestações

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento Básico. Fundação

Leia mais

REDE VITAL HELP CONTRATO DE CREDENCIAMENTO E ADESÃO DE ESTABELECIMENTO

REDE VITAL HELP CONTRATO DE CREDENCIAMENTO E ADESÃO DE ESTABELECIMENTO REDE VITAL HELP CONTRATO DE CREDENCIAMENTO E ADESÃO DE ESTABELECIMENTO Por este instrumento particular, a Empresa devidamente qualificada na respectiva Proposta de Adesão e Credenciamento de Estabelecimentos

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N 1.057/05 Aprova a NBC P 2.4 Honorários O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

CALC PERÍCIA, AUDITORIA E CONSULTORIA

CALC PERÍCIA, AUDITORIA E CONSULTORIA LAUDO DA PERÍCIA JUDICIAL CONTÁBIL VARA CÍVEL DA COMARCA DE SANTA MARIANA (PR) Autos nº: Requerentes: Requerido: 150/2005 CONSTITUTIVA-NEGATIVA DE NULIDADE GENÉSIO ANDRADE CAMOLESE E OUTROS BANCO DO BRASIL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000853162 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1012384-11.2014.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que é apelante ALEX VOLTOLINI, é apelado MOLISE

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

DELPHOS INFORMA CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002

DELPHOS INFORMA CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002 DELPHOS INFORMA ANO 8 - Nº 35 ABRIL / 2002 CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO Nº 133, DE 26 DE ABRIL DE 2002 Ementa: Aprovar o Regulamento do Parcelamento de Débitos

Leia mais

Paulo Eduardo Armiliato. NOVO REFIS Lei 12.996, de 2014

Paulo Eduardo Armiliato. NOVO REFIS Lei 12.996, de 2014 Paulo Eduardo Armiliato NOVO REFIS Lei 12.996, de 2014 São Paulo, 14/8/2014 VISÃO GERAL DE PARCELAMENTO TIPOS DE PARCELAMENTO Normais: - Quantidade máxima de parcelas: 60 - Pedido a qualquer tempo Especiais:

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office

Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office São Paulo, 03 de setembro de 2009. Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office Relatório da Administração Agosto/2009 LOCAÇÃO: Encontra-se disponível para locação 431,34m². A principal locatária

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 24170-3 (FL. 1/4) SF 06/11 Via única CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Estas são as condições gerais do Empréstimo Pessoal, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA Condições Gerais Abaixo estão as Condições Gerais do

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Estas são as condições gerais do Empréstimo, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições gerais, que serão aplicáveis durante todo o período

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. Assistido é o Participante ou seus beneficiários em gozo de Benefício de prestação continuada.

CONTRATO DE MÚTUO. Assistido é o Participante ou seus beneficiários em gozo de Benefício de prestação continuada. Página 1 de 7 CONTRATO DE MÚTUO Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus Participantes. Fundação Vale do Rio

Leia mais

A conta Caixa apresentava saldo de R$1.472,61 em 31 de dezembro de 2012.

A conta Caixa apresentava saldo de R$1.472,61 em 31 de dezembro de 2012. São Paulo, 25 de janeiro de 2013. A Associação Alphaville Residencial 11 Avenida Yojiro Takaoka, 6.720 CEP 06540-001 - Santana de Parnaíba - SP Att. Srs. Diretores Prezados Senhores: Conforme nossa proposta

Leia mais

1.3. Em quais casos é possível solicitar o parcelamento? 1.4. Como saberei se minha empresa possui débitos junto à Anvisa?

1.3. Em quais casos é possível solicitar o parcelamento? 1.4. Como saberei se minha empresa possui débitos junto à Anvisa? Atualizado: 07 / 10 / 2011 - FAQ AI 1. Parcelamento de débitos em cobrança administrativa não inscritos em dívida ativa 1.1. Tipos de parcelamento de débito 1.2. Parcelamento de débito de AFE / AE 1.3.

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO CCB CONV DESC VJ 04/2011 (540) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB Nº VIA: Negociável (CREDOR) Não Negociável (EMITENTE) I - EMITENTE Nome/Razão Social CPF /CNPJ Banco Agência Conta Corrente nº II TERCEIROS

Leia mais

CONCLUSÃO. Em 18 de junho de 2015, estes autos são conclusos ao MM. Juiz de Direito Titular II, Dr. Marco Antonio Botto Muscari.

CONCLUSÃO. Em 18 de junho de 2015, estes autos são conclusos ao MM. Juiz de Direito Titular II, Dr. Marco Antonio Botto Muscari. fls. 452 CONCLUSÃO Em 18 de junho de 2015, estes autos são conclusos ao MM. Juiz de Direito Titular II, Dr. Marco Antonio Botto Muscari. Processo nº: 1000819-86.2015.8.26.0003 Classe - Assunto Procedimento

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.08.286340-8/001 Númeração 2863408- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Marcos Lincoln Des.(a) Marcos Lincoln 02/10/2013 07/10/2013 EMENTA: < APELAÇÃO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office. Relatório da Administração. Março/2010

Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office. Relatório da Administração. Março/2010 Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office Relatório da Administração Março/2010 São Paulo, 07 de abril de 2010 1. Ocupação Em março de 2010: 96,55% Encontra-se disponível para locação 431,34m².

Leia mais

Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões difíceis: 0

Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões difíceis: 0 Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questão passível de anulação: 27 Porém, não acredito que a banca anulará, veja o comentário Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS ÍNDICE 1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS...Página 2 2.0 - DA MODALIDADE... 2 3.0 - DOS LIMITES... 2 4.0 - DA CONCESSÃO... 3 5.0 - DOS PRAZOS... 4 6.0 - DA AMORTIZAÇÃO... 4

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE JUROS SOBRE JUROS NO SISTEMA PRICE DE AMORTIZAÇÃO E O MÉTODO DE GAUSS 1

A INCIDÊNCIA DE JUROS SOBRE JUROS NO SISTEMA PRICE DE AMORTIZAÇÃO E O MÉTODO DE GAUSS 1 A INCIDÊNCIA DE JUROS SOBRE JUROS NO SISTEMA PRICE DE AMORTIZAÇÃO E O MÉTODO DE GAUSS 1 Maycon Bispo Cardoso 2 Leandro Tortosa Sequeira 3 RESUMO: A incidência de juros sobre juros ou como é conhecido no

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. 1 COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO Art. 1º - Este Regulamento estabelece as modalidades de empréstimos,

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Guia rápido de informações importantes - Faixas II e III

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Guia rápido de informações importantes - Faixas II e III O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O CONTRATO DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL FAIXAS II E III Antes de tudo, gostaríamos de parabenizá-lo pela COMPRA DO SEU IMÓVEL e assinatura do seu contrato de financiamento.

Leia mais

ANEXO 2 APRESENTAÇÃO E FORMA DE PAGAMENTO DO DOCUMENTO DE COBRANÇA

ANEXO 2 APRESENTAÇÃO E FORMA DE PAGAMENTO DO DOCUMENTO DE COBRANÇA ANEXO 2 APRESENTAÇÃO E FORMA DE PAGAMENTO DO DOCUMENTO DE COBRANÇA 1. CLÁUSULA PRIMEIRA - PRINCÍPIOS GERAIS 1.1. O presente Anexo tem por objetivo explicitar os procedimentos para a apresentação do Documento

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais