ULTI RESUMOS AMBIENTES COMPUTACIONAIS ULTIRESUMOS.COM.BR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ULTI RESUMOS AMBIENTES COMPUTACIONAIS ULTIRESUMOS.COM.BR"

Transcrição

1 ULTI RESUMOS AMBIENTES COMPUTACIONAIS ULTIRESUMOS.COM.BR Sistema Operacional

2 Sistema Computacional = hardware + software Tipos de Software: Programas do sistema: gerenciam a operação do computador Programas de aplicação: programas de usuário Sistema Operacional: principal programa do sistema, que controla todos os recursos do computador (dispositivos físicos e funções de software). DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O Sistema Operacional é responsável por alocar recursos de hardware e escalonar tarefas. Ele também deve prover uma interface para o usuário - ele fornece ao usuário uma maneira de acesso aos recursos do computador. Sobell. Um Sistema Operacional pode ser definido como um gerenciador dos recursos que compõem o computador (processador, memória, I/O, arquivos, etc). Os problemas centrais que o Sistema Operacional deve resolver são o compartilhamento ordenado, a proteção dos recursos a serem usados pelas aplicações do usuário e o interfaceamento entre este e a máquina. Stemmer. PRINCIPAIS ATRIBUTOS Abstração de Hardware Máquina Virtual apresenta ao usuário uma máquina mais simples S.O. é a porção de software que roda em modo kernel ou modo supervisor protege o hardware da ação direta do usuário Estabelecer critérios de uso dos recursos e ordem de acesso aos mesmos, impedindo violação de espaço de memória de processos concorrentes e tentativas de acesso simultâneo a um mesmo recurso gerência e proteção dos dispositivos. Ferramentas IDE (ambiente integrado de desenvolvimento) Delphi

3 O Delphi nada mais é que um simples IDE, IDE você já deve saber é um ambiente integrado para desenvolvimento composto por compilador, editor de texto, ferramenta de depuração e algumas frescurinhas a mais. O Delphi é RAD, isto é, a medida em que os componentes vão sendo selecionados, o Delphi escreve o código fonte para você. Os componentes em geral, incluem classes e propriedades muito utilizadas e que se relacionam com outros objetos. Tudo que nele existe foi pensando em velocidade de desenvolvimento. Possui um compilador extremamente rápido Possui um ambiente intuitivo e amigável de desenvolvimento Gera executável isolado (não há necessidade de distribuição de runtime) Possibilita entender sua biblioteca através de criação de novos componentes Possibilita a criação de DLLs (Dinamic Link Library) Possui um depurador de progama integrado (Integrated Debugger) Possibilita a criação de aplicações multi-threads Microsoft Visual Studio Express O Microsoft Visual Studio Express é um conjunto de ambientes de desenvolvimento integrados que incluem diversas linguagens de programação: Visual Basic Visual Web Developer Visual C# Visual C++ SQL Server Express DBdesigner

4 Tela Principal do DBDesigner Na área de trabalho são inseridas as tabelas e seus respectivos relacionamentos. a paleta de Ferramentas contém os componentes mais utilizados na criação e manutenção das tabelas. A navegação permite o controle da visualização da área de trabalho possibilitando navegar no diagrama. Os tipos de dados mostram os tipos possíveis de dados e o db model apresenta as tabelas com seus campos e os relacionamentos com outras tabelas. Fragmento de modelo de dados de uma Locadora Para demonstrar as funcionalidades da DBdesigner, é apresentada a construção de um fragmento do modelo de dados de uma locadora, representando suas tabelas com atributos e relacionamentos, não tendo o objetivo de ser um exemplo completo e complexo. O fragmento é composto pelas tabelas categoria, filme, estrela, ator, dvd, locação e cliente, com seus relacionamentos. Inserindo as tabelas A primeira etapa para construir o estudo de caso deste artigo é inserir as tabelas e seus atributos. O primeiro passo é criar a tabela curso. Deve-se

5 inserir na área de trabalho uma tabela (ícone new table localizado na tools palette). Para definir as propriedades como nome da tabela e seus atributos, dentre outras características de uma tabela, deve-se clicar duas vezes sobre o objeto criado. Feito isto, uma janela para a alteração de propriedades da tabela é aberta. O DBdesigner é uma ferramenta para a construção de modelos de dados, fácil de usar, com um aprendizado relativamente rápido, e que proporciona uma boa produtividade na sua utilização. Tudo isto com a vantagem de ser uma ferramenta gratuita e com o código fonte aberto. A possibilidade de sincronismo entre o modelo e o banco é de grande importância para o sucesso desta ferramenta. Isso faz com que manutenções futuras no banco sejam feitas de maneira rápida e eficiente. E o fato de salvar e recuperar arquivos no padrão xml é importante para a possibilidade de comunicação entre diferentes ferramentas. MySQL

6 O MySQL é um sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD), que utiliza a linguagem SQL (Linguagem de Consulta Estruturada, do inglês Structured Query Language) como interface. É atualmente um dos bancos de dados mais populares, com mais de 10 milhões de instalações pelo mundo. Entre os usuários do banco de dados MySQL estão: NASA, Friendster, Banco Bradesco, Dataprev, HP, Nokia, Sony,Lufthansa, U.S. Army, U.S. Federal Reserve Bank, Associated Press, Alcatel, Slashdot, Cisco Systems, Google e outros Características Portabilidade (suporta praticamente qualquer plataforma atual) Compatibilidade (existem drivers ODBC,JBDC e.net e módulos de interface para diversas linguagens de programação, como Delfhi, Java, C/C++, C#, Visual Basic Studio, Python, Perl,PHP, ASP e Ruby) Excelente desempenho e estabilidade Pouco exigente quanto a recursos de hardware Facilidade de uso É um Software livre com base na GPL Contempla a utilização de vários Storage Engines como MyISAM, InnoDB, Falcon, BDB, Archive, Federated, CSV, Solid Suporta controle transacional; Suporta Triggers; Suporta Cursors (Non-Scrollable e Non-Updatable);

7 Suporta Stored Procedures e Functions; Replicação facilmente configurável; Interfaces gráficas (MySQL Toolkit) de fácil utilização cedidos pela MySQL Inc. Wamp Wamp é um completíssimo pacote de software que serve para instalar e configurar facilmente no seu sistema o famoso servidor Apache, juntamente com a linguagem de programação PHP e o servidor de base de dados MySQL. Tudo o que você precisa para montar uma base de dados web em uma única aplicação. BANCO DE DADOS É uma coleção de dados inter-relacionados, representando informações sobre um domínio específico Exemplos: Lista Telefônica Fichas do acervo de uma biblioteca

8 Sistema de Banco de Dados Consiste em uma coleção de dados inter-relacionados e uma coleção de programas para prover o acesso a esses dados. O objetivo principal de um sistema de banco de dados é possibilitar um ambiente que seja adequado e eficiente para uso na recuperação armazenamento de informações. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Consistem em uma coleção de dados inter-relacionados e de um conjunto de programas para acessá-los Objetivo dos SGBD Prover um ambiente que seja conveniente e eficiente para recuperar e armazenar informações de Bancos de Dados Eliminar ou Reduzir Redundância e inconsistência de dados Dificuldade no acesso aos dados Isolamento dos dados Eliminar ou reduzir (Cont.) Anomalias de acesso concorrente Problemas de segurança Abstração de dados Simplifica a interação do usuário com o sistema Vantagens da utilização de Banco de Dados Rapidez na manipulação e no aceso a informação Redução do esforço humano (desenvolvimento e utilização) Disponibilização da informação no tempo necessário Controle integrado de informação distribuído fisicamente

9 Redução de redundância e de inconsistência de informações Compartilhamento de dados Desvantagens da utilização de Banco de Dados Complexos, difíceis e demorados de projetar Custos iniciais de software e hardware altos Danos no banco de dados afetam virtualmente todos os programas Necessidade de segurança Custos altos para conversão de sistemas baseados em arquivos para banco de dados Treinamento inicial necessário aos programadores e usuários. Abstração de Dados A característica que permite a independência entre programa e dados e independência entre programa e operação. Um SGBD fornece aos usuários uma representação conceitual de dados que não inclui muitos detalhes relativo ao modo como os

10 dados estão armazenados ou como operações são implementadas. Modelagem de dados Principal objetivo: o desenvolvimento de um modelo que contenha entidades e relacionamentos, e com isso seja possível representar as especificações das informações do negócio. Ajuda a organizar a forma de pensamento sobre os dados, demonstrando o significado e a aplicação prática deles Deve fornecer ao desenvolvedor: Representar o ambiente Documentar e normalizar Fornecer processos de validação Observar processos de relacionamentos entre objeto Tipos de modelagem de dados Modelo conceitual: é a forma mais natural dos fatos e está mais próxima da realidade do ambiente do cliente.o cliente deverá ser envolvido a fim de obter o levantamento de dados que darão o suporte à construção do modelo. Construção do diagrama de dados chamado Diagrama de Entidade e relacionamento, no qual deverão ser identificados todas as entidades e relacionamentos entre elas.

11 Modelo Lógico: Leva em conta algumas limitações e implementa recursos como adequação de padrão e nomenclatura. Define as chaves primárias e estrangeiras. Deve ser criado à partir do modelo conceitual. Modelo físico: Fazemos a modelagem física do modelo de bando de dados, levam-se em conta as limitações do SGBD. Descreve como os dados serão armazenados, estruturas complexas de baixo nível. Entidade O conceito fundamental da abordagem ER é o conceito de entidade entidade = conjunto de objetos 1 da realidade modelada sobre os quais deseja-se manter informações no banco de dados Uma entidade representa, no modelo conceitual, um conjunto de objetos da realidade modelada. Como o objetivo de um modelo ER é modelar de forma abstrata um BD, interessam-nos somente os objetos sobre os quais deseja-se manter informações. Vejamos alguns exemplos. No sistema de informações industrial que usamos no Capítulo 1, alguns exemplos de entidades poderiam ser os produtos, os tipos de produtos, as vendas ou as compras. Já em um sistema de contas correntes, algumas entidades podem ser os clientes, as contas correntes, os cheques e as agências. Observe que uma entidade pode representar tanto objetos concretos da realidade (uma pessoa, um automóvel), quanto objetos abstratos s (um departamento, um endereço²). Em um DER, uma entidade é representada através de um retângulo que contém o nome da entidade. Pessoa Departamento Como dito acima, cada retângulo representa um conjunto de objetos sobre os quais deseja-se guardar informações. Assim, no exemplo, o primeiro retângulo

12 designa o conjunto de todas as pessoas sobre as quais se deseja manter informações no banco de dados, enquanto o segundo retângulo designa o conjunto de todos departamentos sobre os quais se deseja manter informações. Caso seja necessário referir um objeto particular (uma determinada pessoa ou um determinado departamento) fala-se em ocorrência de entidade (alguns autores usam também o anglicismo instância de entidade). Atributos Toda entidade possui atributos, ou seja, características que informam sobre a entidade. A entidade Inquilino contém informações sobre Nome, Endereço, Cidade, Data de Nascimento de cada Inquilino, identificado entre os outros por uma chave primária, no caso pode ser um atributo Código. Tipos de atributos Atributo Simples Atributo Concatenado Chave Primária Chave Estrangeira Um único atributo representa uma característica Mais de um atributo representam uma característica Um atributo que é sempre único dentro de uma Entidade Atributo que se identifica com a chave primária em outra

13 Entidade Exemplo: Rg do Inquilino Exemplo: Endereço (Logradouro, Número,Cidade, Cep, UF) Exemplo: CPF atributo que não se repete entre os Inquilinos Exemplo: Codigo do Inquilino na Entidade Aluguel. Relacionamento Relacionamento é a interação entre os objetos que indicam a dinâmica dos negócios. Os Relacionamentos são identificados por verbos porque representam as ações que uma entidade exerce sobre outra. Como exemplo, O Inquilino aluga imóvel. MER Sistema de Imobiliária Diagrama Entidade-Relacionamento (DER) O Diagrama Entidade-Relacionamento descreve toda estrutura lógica do banco de dados. É possível construí-lo a partir de um MER, identificando assim a partir de um conceito do mundo real como os dados serão armazenados de fato. O DER tem como ênfase os dados e os relacionamentos. Sua representação utiliza os símbolos: Retângulos representam as entidades; Elipses representam os atributos; Losangos representam os relacionamentos entre as entidades; Linhas unem os atributos aos conjuntos de entidades e os conjuntos de entidades aos conjuntos de relacionamentos; Elipses duplas atributos multivalorados.

14 Na construção de um projeto de banco de dados é necessário saber quais são os objetos e os relacionamentos para elaborar o DER, ou seja, descobrir quais os atributos que compõem as tabelas (objetos). Atributo Composto Exemplo: Endereço. Seu conteúdo poderá ser dividido em vários outros atributos, como: Rua, Número, Complemento, Bairro, Cep e Cidade. Este tipo de atributo é chamado de atributo composto. Veremos mais de sua aplicação no post sobre normalização de dados. Funcionário (RG, Nome, Sexo, CIDADE, UF) RG UF SEXO Funcionário CIDADE Local NOME

15 Atributos Multivalorados Criamos uma nova relação R que inclui o atributo multivalorado A mais a chave primária K da relação que representa a entidade (ou relacionamento) que tem A como atributo A chave primária de R é a combinação de A e K Se o atributo multivalorado é composto => incluir seus componentes atômicos Nome RG Sexo Funcionários Fone Funcionário (RG, Sexo, Nome) Telefones_func (RG, Fone) Atributos Derivados

16 Resumo Representações de Atributos

17 Atributos de Conjunto de Relacionamentos Exemplos de diagramas ER exceto atributo

18 MER entidade fracas

19 Cardinalidade A cardinalidade é um conceito importante para ajudar a definir o relacionamento, ela define o número de ocorrências em um relacionamento. Para determinar a cardinalidade, deve-se fazer a pergunta relativa ao relacionamento em ambas as direções. Um departamento possui quantos empregados? - no mínimo 1 e no máximo N. Um empregado está alocado em quantos departamentos? - no mínimo em 1 e no máximo em 1 Somando-se as cardinalidades, definimos o resultado final do relacionamento, ou seja, 1:N Tipos de relacionamento

20 Existem três tipos de relacionamento entre entidades: um-para-um um-para-muitos muitos-para-muitos Relacionamento um-para-um O relacionamento um-para-um é usado quando uma entidade A se relaciona com uma entidade B e vice-versa. Este relacionamento é representado pelo sinal: 1:1 Relacionamento um-para-muitos O relacionamento um-para-muitos é usado quando uma entidade A pode se relacionar com uma ou mais entidades B. Este relacionamento é representado pelo sinal: 1:N Relacionamento muitos-para-muitos O relacionamento muitos-para-muitos é usado quando várias entidades A se relacionam com várias entidades B. Este relacionamento é representado pelo sinal: N:N ou N:M

21 Definições e Tipos de dados Numéricos: Existem tipos de dados numéricos, que se podem dividir em dois grandes grupos, os que estão em vírgula flutuante (com decimais) e os que não. TinyInt: é um número inteiro com ou sem signo. Com signo a margem de valores válidos é desde -128 até 127. Sem signo, a margem de valores é de 0 até 255. Bit ou Bool: um número inteiro que pode ser 0 ou 1. SmallInt: número inteiro com ou sem signo. Com signo a margem de valores válidos é desde até Sem signo, a margem de valores é de 0 até MediumInt: número inteiro com ou sem signo. Com signo a margem de valores válidos é desde até Sem signo, a margem de valores é de 0 até BigInt: número inteiro com ou sem signo. Com signo a margem de valores válidos é desde até Sem signo, a margem de valores é de 0 até Float: número pequeno em vírgula flutuante de precisão simples. Os valores válidos vão desde E+38 até E-38,0 eté desde E-38 até E+38. xreal, Double: número em vírgula flutuante de dupla precisão. Os valores permitidos vão desde E+308 até E-308, 0 e desde E-308 até E+308.

22 Decimal, Dec, Numeric: Número em vírgula flutuante desempacotado. O número armazena-se como uma cadeia. Tipo Data: Na hora de armazenar datas, há que ter em conta que MySQL não verifica de uma maneira estricta se uma data é válida ou não. Simplesmente comprova que o mês está compreendido entre 0 e 12 e que o dia está compreendido entre 0 e 31. Date: tipo data, armazena uma data. A margem de valores vai desde o 1 de Janeiro de 1001 ao 31 de dezembro de O formato de armazenamento é de ano-mes-dia. DateTime: Combinação de data e hora. A margem de valores vai desde o 1 ed Janeiro de 1001 às 0 horas, 0 minutos e 0 segundos ao 31 de Dezembro de 9999 às 23 horas, 59 minutos e 59 segundos. O formato de armazenamento é de ano-mes-dia horas:minutos:segundos TimeStamp: Combinação de data e hora. A margem vai desde o 1 de Janeiro de 1970 ao ano O formato de armazenamento depende do tamanho do campo:

23 Time: armazena uma hora. A margem de horas vai desde -838 horas, 59 minutos e 59 segundos. O formato de armazenamento é 'HH:MM:SS'. Year: armazena um ano. A margem de valores permitidos vai desde o ano 1901 ao ano O campo pode ter tamanho dois ou tamanho 4 dependendo de se queremos armazenar o ano com dois ou quatro algarismos. Tipos de cadeia: Char(n): armazena uma cadeia de longitude fixa. A cadeia poderá conter desde 0 até 255 caracteres. VarChar(n): armazena uma cadeia de longitude variável. A cadeia poderá conter desde 0 até 255 caracteres. Dentro dos tipos de cadeia pode-se distinguir dois subtipos, os tipo Test e os tipo Blob (Binary Large Object) A diferença entre um tipo e outro é o tratamento que recebem na hora de ordenálos e compará-los. No tipo test ordena-se sem ter importância as maiúsculas e as minúsculas e no tipo blob ordena-se tendo em conta as maiúsculas e minúsculas.

24 Diferença de armazenamento entre os tipos Char e VarChar Descrição de tabelas E descrita em um quadro toda a estrutura da tabela a ser criada, especificando todos os seus campos, o tipo de cada campo e o tamanho adotado para cada campo, e uma observação descrevendo o campo da tabela. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL) A Linguagem de Definição de Dados da SQL (SQL-DDL) é um conjunto específico de instruções SQL que fornece meios para a definição e modificação de esquemas de relação, remoção de relações e criação de índices. Criando tabelas Uma tabela (ou relação) SQL é definida usando o comando create table: create table r (A1 D1, A2 D2,...,An Dn) onde r é o nome da relação, Ai é o nome de um atributo no esquema da relação r e Di é o tipo do atributo Ai. create table cliente ( nome char(30), sexo char(1), CPF number(11), endereco char(30), cidade char(30) ); Uma relação é criada inicialmente vazia. O comando insert pode ser usado para carregar os dados para a relação. Removendo uma Tabela

25 Para remover uma relação de um banco de dados SQL, usa-se o comando drop table. O comando drop table remove todas as informações sobre a relação. O comando drop table r onde r é o nome de uma relação (tabela) existente. Alterando uma Tabela O comando alter table é usado para adicionar, excluir ou alterar atributos em uma relação existente. Para inserir um novo atributo em uma tabela é usada a cláusula add. Todas as tuplas na relação são assinaladas como null para o valor do novo atributo. alter table r add ( A1 D1, A2 D2,... ) onde r é o nome de uma relação existente e A1 D1, A2 D2,... é uma lista contendo nome do atributo (A) a ser adicionado e o tipo do atributo (D), respectivamente. Para excluir colunas de uma tabela utiliza-se a cláusula drop. drop A1, A2,... onde r é o nome de uma relação existente e A1, A2,... é uma lista dos atributos a serem removidos. Para alterar o nome de um atributo de uma tabela utiliza-se a cláusula rename. alter table r rename A N/A onde r é o nome de uma relação existente, A é o nome do atributo a ter o seu nome alterado para NA. Para alterar o tipo de um atributo utiliza-se a cláusula modify. alter table r modify A1 D1, A2 D2,... onde r é o nome de uma relação existente, A1 D1, A2 D2,... é uma lista contendo o nome do atributo (An) a terá o seu tipo alterado para (Dn). Restrições de Integridade

26 Evitando valores nulos É muito comum definirmos atributos que não podem conter valores nulos. Isto é, o seu preenchimento é obrigatório para que se mantenha a integridade dos dados no sistema. Para evitar que em algum momento uma coluna de uma tabela possa conter valor nulo (ou não conter valor algum) deve-se utilizar a cláusula NOT NULL após a definição da coluna. Exemplo: create table cliente ( nome char(30) NOT NULL, sexo char(1), CPF number(11), endereco char(40), cidade char(20) ) No exemplo acima, a atribuição de um valor à coluna nome é obrigatório. Caso o usuário se esqueça de preenche-lo, o SGBD apresentará uma mensagem de erro. Mostrar campos de uma tabela Para mostrar os campos de uma tabela, basta usar o comando DESC <TABELA>. Chave Primária A função da chave primária é identificar univocamente uma linha da tabela. Cada tabela deve possuir uma chave primária. Quando se define um atributo como chave primaria, fica impl ícito as cláusulas UNIQUE e NOT NULL para este atributo, não sendo necessária a especificação destas. create table cliente ( codigo number(5) primary key, nome char(30) not null, sexo char(1), CPF number(11) UNIQUE, endereco char(40), cidade char(20) DEFAULT Maceio ) Opcionalmente pode-se definir a chave primária após a especificação de todos os atributos da tabela. Linguagem de Manipulação de Dados

27 A principal estrutura da SQL DML consiste em três cláusulas: select, from e where. select A1, A2, A3,..., An from r1, r2,..., rm where P onde Ai representa um atributo r1 é uma tabela P é um predicado (condição/critério de seleção). select Fcodigo, status from Fornecedor where cidade = Paris A condição (ou predicado) que segue where pode incluir operadores de comparação =, <> (diferente), >, >=, < e <=; os operadores booleanos AND, OR e NOT. Select Fcodigo, nome from Fornecedor where cidade = Paris and status > 20 Fcodigo nome 3 Blake A lista A1, A2,..., An de atributos pode ser substituída por um asterisco (*) para selecionar todos os atributos de todas as relações presentes na cláusula from. select * from Fornecedor O resultado da consulta acima será uma cópia da relação Fornecedor. O resultado de uma consulta SQL é uma relação. select status from Fornecedor Linguagens de consultas formais são baseadas em noções matemáticas de relação. Assim, nunca deveriam aparecem tuplas duplicadas nas relações. Na prática, a eliminação de duplicação é uma relativa perda de tempo. Todavia, a SQL permite duplicações em relações. Nos casos em que queremos forçar a eliminação de duplicações, inserimos a palavra distinct depois de select. select distinct status from Fornecedor comandos Outer Joins com mais de duas tabelas O funcionamento é o mesmo. O cruzamento será feito na seqüência em que você lista as tabelas na sua consulta.

28 Consulta: SELECT p.nome, e.nome, l.nome FROM programadores p INNER JOIN empresas e ON p.id_empresa = e.id_empresa INNER JOIN programadores_linguagens pl ON pl.id_programador = p.id_programador INNER JOIN linguagens l ON l.id_linguagens = pl.id_linguagens Como eu quero os programadores e o nome da empresa em que trabalha fiz uma junção entre as duas tabelas: > programadores p INNER JOIN empresas e ON p.id_empresa = e.id_empresa Em seguida, fiz uma junção para saber quais a linguagens que o programador está vinculado: > INNER JOIN programadores_linguagens pl ON pl.id_programador = p.id_programador Finalmente, como preciso do nome das linguagens de programação, vinculei também a tabela linguagens: > INNER JOIN linguagens l ON l.id_linguagens = pl.id_linguagens Resultado:

29 Repare que os programadores Gabriel e Pinter não aparecem no resultado, isso acontece por que, ao fazer a junção com a tabela programadores_linguagens eu utilizei a junção INNER JOIN, neste caso, faço com que o programador obrigatoriamente esteja relacionado à pelo menos uma linguagem de programação. Como resolver? Simples basta trocar o INNER JOIN por LEFT JOIN, ou seja, estou dizendo que quero todos os programadores independente se eles estão ou não relacionados a uma linguagem de programação Mas o que irá aparecer no campo nome da programação no resultado da consulta? O retorno será NULL. Veja: SELECT p.nome, e.nome, l.nome FROM programadores p INNER JOIN empresas e ON p.id_empresa = e.id_empresa LEFT JOIN programadores_linguagens pl ON pl.id_programador = p.id_programador LEFT JOIN linguagens l ON l.id_linguagens = pl.id_linguagens Resultado:

30 Em ambos os resultados, eu (Paulinha) fui listada duas vezes, isso ocorre por que eu estou vinculada a duas linguagens de programação. É possível eliminar essa repetição usando os comandos GROUP BY e GROUP_CONCAT. SELECT p.nome, e.nome,group_concat(l.nome) FROM programadores p INNER JOIN empresas e ON p.id_empresa = e.id_empresa LEFT JOIN programadores_linguagens pl ON pl.id_programador = p.id_programador LEFT JOIN linguagens l ON l.id_linguagens = pl.id_linguagens GROUP BY p.id_programador HAVING Consulta para listar todos os s duplicados em uma tabela, mas serve para qualquer coluna. SELECT FROM tabela GROUP BY HAVING count( ) > 1 ORDER BY DISTINCT Palavra chave que elimina valores duplicados na saída.

31 Ex.: SELECT DISTINCT estado_cli FROM clientes; Estado_cli MG RJ SP LIMIT O comando LIMIT é quase que obrigatório para sistemas que possuem grandes bases de informações. Pois você precisa limitar a quantidade de resultados ao fazer uma consulta no banco. SELECT * FROM nome_da_tabela LIMIT 50 COUNT Estabelece um limite de registros a serem mostrados no resultado de sua consulta. Ex.: SELECT COUNT(*) FROM Clientes; COUNT(*) 10

32 Sum Este comando calcula a somatória de todos os valores de uma coluna Ex: select sum(cli_salario) as valor_total from clientes; select sum(cli_salario) as valor_total from clientes where cli_sexo = 'F'; min Esta função sql retorna o valor mínimo encontrado em uma coluna Ex: select min(cli_salario) as valor_minimo from clientes; select min(cli_salario) as salario_minimo from clientes where cli_codigo in(1,3) max Esta função sql retorna o valor máximo encontrado em uma coluna Ex: select max(cli_salario) as valor_minimo from clientes; select max(cli_salario) as salario_minimo from clientes where cli_codigo in(1,3) avg Este comando calcula o valor médio de uma determinada coluna Ex: select avg(cli_salario) as media_salarial from clientes; ABS(X) Retorna o valor absoluto de determinado valor ou coluna de valores. Ex: select nome _cli, ABS(valor_cli) FROM clientes WHERE valor_cli < 0; ROUND(X,D) Arredonda um valor para o inteiro mais próximo, Pode ser passado como argumento o numero de casas decimal. Ex:

33 select nome_cli, ROUND(valor_ped,2) FROM clients JOIN pedidos ON cod_cli = cod_cli_ped WHERE valor_ped > 100; TRUNCATE(X,D) Retorna o número X, truncado para D casas decimais. Se D é 0, o resultado não terá ponto decimal ou parte fracionária: Ex: select nome_cli, truncate(valor_ped,1) from clientes join pedidos on cod_cli = cod_cli_ped where valor_ped > 100 order by nome_cli;

BANCO DE DADOS II. AULA MySQL.

BANCO DE DADOS II. AULA MySQL. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA MySQL. DISCIPLINA: Banco de Dados II PROF.: ROMULO VANZIN Data: 27/06/2014 Banco

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC DR. EMILIO HERNANDEZ AGUILAR

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC DR. EMILIO HERNANDEZ AGUILAR CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC DR. EMILIO HERNANDEZ AGUILAR DOUGLAS CABRAL Nº. 12 FELIPE DIAS XAVIER Nº. 17 GABRIEL PASQUALINI Nº. 18 GILMAR BARROS Nº. 20 GUILHERME RODRIGUES

Leia mais

DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS.

DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS. DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS. PROFESSOR: DOUGLAS DUARTE DISCIPLINA: LPBD 5º SEMESTRE AULA 02 MYSQL O MySQL é um sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD), que utiliza

Leia mais

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva SQL (MySql) ROTEIRO I PARTE - INTRODUÇÃO AO SQL COMANDOS E SUAS PARTES DA LINGUAGEM SQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5 Capítulo 5 Complemento Fundamentos de Bancos de Dados: Modelo de Entidade e Relacionamento - MER 5.1 Laudon, Cap. 5 Modelo mais utilizado: simplicidade e eficiência. Banco de dados relacional. Base: percepção

Leia mais

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS Prof. Msc. Hélio Esperidião BANCO DE DADOS Podemos entender por banco de dados qualquer sistema que reúna e mantenha organizada uma série de informações relacionadas a um determinado

Leia mais

1. Domínio dos Atributos

1. Domínio dos Atributos Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Domínio dos Atributos Por domínio, ou tipo, pode-se entender como a maneira como determinado atributo (ou campo, se tratando

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127 Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Modelos de banco de dados Modelo de banco de dados é uma descrição dos tipos de informações que estão armazenadas

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 1 1- Bancos de dados compreendem desde agendas telefônicas até sistemas computadorizados. (Sim) 2- Só podemos instalar o SQL Server Express se tivermos

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS(MYSQL) E PHP

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS(MYSQL) E PHP INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS(MYSQL) E PHP Prof. Msc. Hélio Esperidião BANCO DE DADOS Podemos entender por banco de dados qualquer sistema que reúna e mantenha organizada uma série de informações relacionadas

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

MYSQL: TIPOS DE DADOS. Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com

MYSQL: TIPOS DE DADOS. Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com MYSQL: TIPOS DE DADOS Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com TIPOS DE DADOS Bancos de dados, como falamos anteriormente, armazenam dados dentro de tabelas, na forma de linhas e colunas.

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS Prof. Msc. Hélio Esperidião BANCO DE DADOS Podemos entender por banco de dados qualquer sistema que reúna e mantenha organizada uma série de informações relacionadas a um determinado

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Operação de União JOIN

Operação de União JOIN Operação de União JOIN Professor Victor Sotero SGD 1 JOIN O join é uma operação de multi-tabelas Select: o nome da coluna deve ser precedido pelo nome da tabela, se mais de uma coluna na tabela especificada

Leia mais

Principais Comandos SQL Usados no MySql

Principais Comandos SQL Usados no MySql Principais Comandos SQL Usados no MySql O que é um SGBD? Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (como no Brasil) ou Sistema Gestor de Base de Dados (SGBD) é o conjunto de programas de computador (softwares)

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS Esclarecimento Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2012 da NRSYSTEM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA-ME, consiste de uma compilação de diversos materiais entre livros,

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Banco de Dados II. Introdução Revisão - normalização -modelagem - sql básico

Banco de Dados II. Introdução Revisão - normalização -modelagem - sql básico Banco de Dados II Introdução Revisão - normalização -modelagem - sql básico Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I

Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I Prof. Eduardo Ribeiro www.eduardo.trisolution.com.br eduardo@ trisolution.com.br Introdução Banco de Dados Dados x Informações Dados = É um elemento que mantém

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Arquitetura e Terminologia Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelo de Dados e Esquemas O modelo de Banco de Dados é como um detalhamento

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Linguagem SQL: Introdução; Construção/Definição de tabelas. 2 Linguagem SQL SQL - Structured Query Language;

Leia mais

Instituto Educacional de Castro Tecnologia em Sistemas para Internet

Instituto Educacional de Castro Tecnologia em Sistemas para Internet Instituto Educacional de Castro Tecnologia em Sistemas para Internet Profº. Luciano R. Rocha INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE BANCO DE DADOS TIPOS DE DADO Nome Aliases Descrição bigint int8 inteiro de oito bytes

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Sistema de Processamento de Arquivos

Sistema de Processamento de Arquivos Banco de Dados Banco de Dados; Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados; Modelo Entidade-Relacionamento; Banco de Dados Relacional; Banco de Dados Distribuído; Banco de Dados Federado; Projeto de Banco

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS

Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS 1.1 - BANCO DE DADOS - INTRODUÇÃO...2 1.1.1- Dados...2 1.1.2- Hardware...3 1.1.3- Software...3 1.1.4- Usuários...4 1.2 - SISTEMAS DE ARQUIVOS CONVENCIONAIS...5 1.3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA RESUMO DE AULA CRIAÇÃO E MANIPULAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados Capitulo 2 1. MODELO LÓGICO DE BANCO DE DADOS... 2 1.1 Definição... 2 1.2 Mapeando o modelo conceitual para o modelo lógico... 2 1.2 Dicionário de dados... 3 2. MODELO FÍSICO DO BANCO DE DADOS... 4 2.1

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação. O Departamento de Pesquisas da IBM desenvolveu a SQL como forma de interface para

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL IRMÃ AGOSTINA Kauê Silva Bento,Nº 16 Luiz Henrique Borges Bendito, Nº19 Pedro Henrique Ferreira Santos, Nº26

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL IRMÃ AGOSTINA Kauê Silva Bento,Nº 16 Luiz Henrique Borges Bendito, Nº19 Pedro Henrique Ferreira Santos, Nº26 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL IRMÃ AGOSTINA Kauê Silva Bento,Nº 16 Luiz Henrique Borges Bendito, Nº19 Pedro Henrique Ferreira Santos, Nº26 Gerenciamento de Treinos São Paulo 2012 Sumário Introdução... 1 Capitulo

Leia mais

Linguagem SQL Parte I

Linguagem SQL Parte I FIB - Centro Universitário da Bahia Banco de Dados Linguagem SQL Parte I Francisco Rodrigues Santos chicowebmail@yahoo.com.br Slides gentilmente cedidos por André Vinicius R. P. Nascimento Conteúdo A Linguagem

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML Linguagem de Consulta:SQL contéudo Structured Query Language Originalmente SEQUEL Structured English Query Language Projeta e Implementada pela

Leia mais

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande Pós-Graduanda Formação Pedagógica de Professores (FAQI) Conceito de BD Um banco de dados

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Introdução Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ementa do Curso n Banco de Dados n Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) n ORACLE BANCO DE DADOS (BD) n Modelo Entidade

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS)

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Exemplo - pedido Diagrama Entidade-Relacionamento N Pedido N possui N Produto N faz tira 1 Cliente 1 Vendedor

Leia mais

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional e as Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional Conceitos do Modelo Relacional Representa o banco de dados como uma coleção de relações. Comparação

Leia mais

18/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

18/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 2 Introdução à SQL 2.1 Conceitos

Leia mais

Banco de Dados. Modelagem de Dados. Prof.: Salustiano Rodrigues

Banco de Dados. Modelagem de Dados. Prof.: Salustiano Rodrigues Banco de Dados Modelagem de Dados Prof.: Salustiano Rodrigues OBJETIVOS: Dados x Informação; O que é um Banco de Dados? Estrutura de um projeto de Banco de Dados; O que é um mini mundo? O que é o Modelo

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Modelagem de Dados Coleção de ferramentas conceituais para descrever dados, suas relações e restrições Modelo Conceitual:

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

MySQL - Operações com SQL básico

MySQL - Operações com SQL básico MySQL - Operações com SQL básico Para testar se o MySQL esta instalado corretamente, execute a seguinte linha no prompt do DOS: c:\mysql\bin\mysql Se tudo estiver nos seus devidos lugares você vai receber

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados StructuredQuery Language- SQL Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 A Origem Em 1970, Ted Codd (pesquisador da IBM) publicou o primeiro

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados EXERCÍCIOS PRÁTICOS Banco de Dados Introdução ao uso do SQL Structured Query Language, considerando tanto DDL Data Definition Language quanto DML Data Manipulation Language. Banco de Dados selecionado:

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Modelagem de Dados Aula 01 Revisão Modelos de Dados Existem modelos para diferentes níveis de abstração de representação de dados modelos conceituais modelos lógicos

Leia mais

Mysql. Quanto mais informações você busca, mais você evolui. Vitor Ramos. Disciplina de Banco de Dados

Mysql. Quanto mais informações você busca, mais você evolui. Vitor Ramos. Disciplina de Banco de Dados Mysql Quanto mais informações você busca, mais você evolui. Vitor Ramos SQL Structured Query Language - Linguagem de Consulta Estruturada Desenvolvida pela IBM, nos anos 70; Inicialmente chamada SEQUEL

Leia mais

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS)

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) BANCO DE DADOS SQL (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) Prof. Edson Thizon Histórico Entre 1974 e 1979, o San José Research Laboratory da IBM desenvolveu um SGDB relacional que ficou conhecido como Sistema

Leia mais

Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares;

Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares; Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares; Específicos: - criar um banco de dados para armazenar registros sobre internações hospitalares; - produzir

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Banco de Dados I. O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! Unidade I

MODELAGEM DE DADOS. Banco de Dados I. O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! Unidade I O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! 1 Etapas do Projeto do BD Análise de Requisitos Coleta de informações sobre os dados e seus relacionamentos na organização Projeto

Leia mais

Principais características

Principais características .Net Framework O que é.net? Proprietário da Microsoft Versão simplificada para Linux Versão compacta para dispositivos móveis Plataforma de desenvolvimento e execução Interface com usuário, conectividade

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais