Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade"

Transcrição

1 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade Projeto FEUP 2013/2014 Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores: Armando Sousa José Fidalgo Supervisor: Nuno Fidalgo Equipa 11.1: Monitor: Filipe Lopes Estudantes & Autores: André Morais Bruno Conceição Diogo Tavares André Pinto David Campos José Brito Nuno Freitas Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 1/22

2 Resumo A Unidade Curricular Projeto FEUP tem como objetivo principal a ambientação ao método de trabalho e à cooperação entre os alunos, essenciais ao sucesso nesta instituição. Pondo em prática as boas metodologias que caracterizam esta disciplina, realizamos um relatório que aborda o tema das tarifas de eletricidade em Portugal com o intuito de esclarecer o relativo desconhecimento sobre este tema. Partindo de uma ambição de conhecer metodicamente esta matéria, iniciámos uma pesquisa em inúmeras fontes credíveis, culminando num relatório que começa por analisar as diversas componentes de uma tarifa elétrica, expondo as parcelas que constituem o preço a pagar aos fornecedores e as várias tarifas disponíveis ao consumidor, retirando-se conclusões interessantes e construtivas. Em seguida procedemos a uma breve comparação entre as tarifas disponíveis no mercado liberalizado. Finalmente utilizamos simuladores de tarifas com a finalidade de disponibilizar alguns cenários significativos que se adequem ao consumidor, através de simulações representativas, simples e esclarecedoras. Palavras-Chave Eletricidade; Tarifas de eletricidade; Faturas elétricas. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 2/22

3 Índice Lista de figuras... 4 Lista de tabelas... 4 Lista de acrónimos Introdução Principais componentes da tarifa Tarifa de Uso Global do Sistema Aplicação Objetivos Tarifa de Uso da Rede de Transporte Aplicação Objetivos Tarifa de Uso da Rede de Distribuição Aplicação Objetivos Tarifa de Energia Aplicação Objetivos Tarifa de Comercialização Aplicação Objetivos Componentes da fatura da eletricidade Comparação das tarifas dos vários fornecedores de energia Escolha de comercializador Análise de consumos e faturas utilizando simuladores Poupança de energia Potência contratada ideal Conclusões Referências bibliográficas Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 3/22

4 Lista de figuras Figura 1: Gráfico elaborado pela ERSE representando as várias tarifas... 7 Figura 2: Primeira página de uma fatura elétrica Figura 3: Segunda página de uma fatura elétrica Lista de tabelas Tabela 1: Exemplo de um consumo anual médio por uma família com quatro elementos Tabela 2: Exemplo de uma tarifa simples e respetivo preçário Tabela 3: Exemplo de uma família que reduz o consumo energético em cinquenta por cento Tabela 4: Relação entre a potência contratada com os aparelhos elétricos de que necessitámos Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 4/22

5 Lista de acrónimos AT Alta Tensão BT Baixa Tensão BTN Baixa Tensão Normal CUR Comercializador de Último Recurso ERSE Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos MAT Muito Alta Tensão MIBEL Mercado Ibérico de Eletricidade MT Média Tensão RAA Região Autónoma dos Açores RAM Região Autónoma da Madeira REN Rede Elétrica Nacional kw Quilowatt MW Megawatt GW - Gigawatt kva Quilovolt-ampere kwh Quilowatt/hora MWh Megawatt/hora GWh Gigawatt/hora Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 5/22

6 1. Introdução A eletricidade é um bem comum a toda a população, sendo conveniente procurar as melhores ofertas do mercado, consoante as necessidades de cada consumidor. Partindo do referido, estipulamos vários objetivos nos quais procuramos trabalhar de forma esclarecedora para uma fácil compreensão por parte do público ao qual é destinado este trabalho. Nos dias de hoje, os preços de eletricidade são frequentemente contestados por serem por vezes incomportáveis para o consumidor. Apesar da recente liberalização do setor energético a qual permitiu a livre escolha do fornecedor de energia ainda existe algum desconhecimento sobre esse facto. Por essa razão, é necessário uma maior informação sobre um dos grandes encargos financeiros dos portugueses, e daí vem a nossa preocupação de desmistificar e expor em pormenor este tema, procurando uma melhor formação cívica do consumidor, para que fique mais elucidado e pronto a gerir os seus gastos energéticos e monetários, numa conjuntura económica difícil. Não menos importante é a educação ambiental de todos nós, especialmente no que toca ao consumo energético proveniente de algumas fontes poluentes. Por essa razão, procuramos sensibilizar o utilizador de forma a ajudá-lo a reduzir o consumo e expor as implicações dessa redução na fatura elétrica. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 6/22

7 2. Principais componentes da tarifa Em Portugal a liberalização do setor da energia elétrica ocorreu na produção e na comercialização, sendo que as atividades de transporte e de distribuição mantiveram-se reguladas. Assim, a Tarifa de Venda a Clientes Finais em Portugal divide-se em três partes: - Tarifa de Acesso às Redes; - Tarifa de Energia; - Tarifa de Comercialização. A Tarifa de Acesso às Redes, aprovada pela ERSE, é composta pela Tarifa de Uso Global do sistema, pela Tarifa de Uso da Rede de Transporte e pela Tarifa de Uso da Rede de Distribuição, pagas por todos os consumidores finais. Os clientes que optarem pelo mercado liberalizado pagam, como os restantes, a Tarifa de Acesso às Redes, negociando com o comercializador as restantes tarifas. Em baixo encontra-se um gráfico (disponível no site oficial da ERSE) que resume todas as componentes da tarifa. Podemos verificar que as tarifas referem-se a diferentes atividades, como a Produção, o Transporte e a Distribuição. De um modo geral podemos afirmar que as diferentes tarifas que os consumidores pagam derivam dos custos dessas atividades. Figura 1: Gráfico elaborado pela ERSE representando as várias tarifas Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 7/22

8 2.1 Tarifa de Uso Global do Sistema Esta tarifa está relacionada com a gestão do sistema, com medidas de interesse económico e de políticas energéticas e é a que menos se relaciona com a produção, com o transporte ou com a venda de energia elétrica. O valor da tarifa é resultado da soma das três parcelas que a constituem (UGS I, UGS II, UGS III). A primeira parcela (UGS I) está associada aos custos com a gestão do sistema. A segunda parcela (UGS II) deve recuperar os custos decorrentes de medidas de política energética, ambiental e de interesse económico. Estão aplicados nesta parcela os desvios dos custos de aquisição de energia pelo CUR como também os custos dos terrenos das centrais ou as rendas dos défices tarifários. Por fim, a última parcela (UGS III) é composta por preços de energia em horas de ponta e em horas cheias e permite recuperar os custos com a garantia de potência associados à promoção da disponibilidade das centrais existentes e de nova capacidade de produção (Paulo Rocha 2012). Esta tarifa constitui um peso considerável na fatura final de eletricidade paga pelos consumidores Aplicação A Tarifa de Uso Global do Sistema é aplicada: - Pelo operador da rede transporte, a REN, e paga pelos operadores das redes de distribuição; - Pelos operadores das redes de distribuição, concessionários de transporte e distribuição da RAA e da RAM e paga pelos clientes em MAT, AT, MT e BT Objetivos O valor da Tarifa de Uso Global do Sistema pretende remunerar as entidades envolvidas, devido aos custos que estas suportam, tais como: - Custos relacionados com a gestão do sistema pelo operador da rede de transporte; - Custos decorrentes da política energética, ambiental ou de interesse económico. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 8/22

9 2.2 Tarifa de Uso da Rede de Transporte Em termos gerais, esta tarifa remete para os custos que existem na atividade responsável pelo transporte da energia elétrica. A Tarifa de Uso da Rede de Transporte reúne 4 termos diferentes: 1º Termo Potência contratada que procura realçar os custos que se referem aos troços das redes próximos dos pontos de entrega; 2º Termo Potência média em horas de ponta, que tem como objetivo realçar os diferentes custos dos troços mais centrais das redes que são usados por um grande número de clientes; 3º Termo Energia reativa fornecida e energia reativa recebida, que não se aplica aos clientes BTN. Este termo procura a diminuição dos custos globais do sistema; 4º Termo Valor dos preços da energia ativa que tem como objetivo esclarecer os consumidores dos custos dos investimentos efetuados nas redes, demonstrando uma redução de perdas (Paulo Rocha 2012) Aplicação Esta tarifa é aplicada: - Pelo operador da rede de transporte (MAT e AT) e paga pelos operadores das redes de distribuição; - Pelos operadores de rede de distribuição (MAT e AT) e pelas concessionárias do transporte e distribuição da RAA e da RAM (AT) e paga pelos consumidores em MAT, AT, MT e BT Objetivos O valor desta tarifa tem como objetivo a remuneração das entidades envolvidas, devido aos custos que estas suportam, tais como: - Custos de exploração e de capital; - Custos de gestão dos planos de promoção do desempenho ambiental. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 9/22

10 2.3 Tarifa de Uso da Rede de Distribuição Esta tarifa está relacionada com o custo que existe na atividade de distribuição da energia elétrica. A Tarifa de Uso da Rede de Distribuição apresenta os mesmos 4 termos da Tarifa de Uso da Rede de Transporte. Os valores dos termos obtêm-se a partir de um fator multiplicativo aos seus custos incrementais, tendo um valor em AT e MT e outro em BT Aplicação Esta tarifa é aplicada: - Pelos operadores das redes de distribuição em AT e MT e paga pelos clientes em AT, MT e BT; - Pelas concessionárias do transporte e distribuição das RAA e RAM em AT, MT e BT e pagas pelos clientes em AT, MT e BT. - Ao distribuidor em BT e paga pelos clientes em BT Objetivos O valor da Tarifa de Uso da Rede de Distribuição pretende a remuneração das entidades envolvidas, devido aos custos que estas suportam, tais como: - Componente fixa e variável dos proveitos permitidos; - Custos com rendas de concessões a pagar aos respetivos municípios; - Custo de reestruturação de efetivos; - Custo de gestão dos planos de promoção do desempenho ambiental. 2.4 Tarifa de Energia É com base nesta tarifa que se refletem os custos de aquisição de energia do CUR. A estrutura dos preços da Tarifa de Energia deve refletir a estrutura de preços praticados no mercado grossista, respeitando-se a estrutura dos custos marginais de energia. Para tal, os custos marginais são escalados de modo a assegurar-se a recuperação dos proveitos permitidos na atividade de Compra e Venda de Energia Elétrica. Com entrada em ação, a Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 10/22

11 partir de 2007, do MIBEL, considera-se a existência de um só mercado entre Portugal e Espanha (ERSE 2012) Aplicação elétrica. Esta tarifa é aplicada pelo CUR e paga por todos os consumidores finais de energia Objetivos O objetivo da Tarifa de Energia é renumerar o CUR devido aos custos e ajustes inerentes à atividade, tais como: - Despesas na compra de energia elétrica nos mercados organizados, através de contratos bilaterais e nos leilões (exceto os sobrecustos); - Custo de funcionamento. 2.5 Tarifa de Comercialização A Tarifa de Comercialização é constituída por dois fatores. Um termo de energia e um termo fixo. O termo de energia depende essencialmente da energia ativa entregue nos pontos de medição, sendo que o tarifário fixo depende do número de clientes. Os termos são obtidos com base nos custos médios de referência, que são multiplicados tanto pelo número de clientes, quer pela energia, proporcionando os proveitos permitidos. Adicionalmente podem existir outros custos fixos, mas que não têm qualquer relação nem com o número de clientes, nem com a energia Aplicação Estas tarifas são aplicadas pelo CUR, pela concessionária do transporte e distribuição da RAA e da RAM e paga pelos clientes dos CUR em MAT, AT, MT, BTE e BTN. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 11/22

12 2.5.2 Objetivos O principal objetivo destas tarifas é a remuneração das entidades envolvidas, como na Tarifa de Energia, devido aos custos que estas suportam, tais como: - Custos com planos de reestruturação de efetivos; - Remuneração do diferencial entre prazos de pagamentos e de recebimentos. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 12/22

13 3. Componentes da fatura da eletricidade Uma fatura é um documento comercial que representa a venda para clientes habitados em território nacional. Na fatura consta uma lista dos diversos serviços fornecidos pelo vendedor ao cliente. Obrigatoriamente, uma fatura terá que conter várias informações do cliente, nomeadamente a sua identificação, a identificação fiscal, entre outros. Existem várias maneiras para ajudar a reduzir a fatura de eletricidade, sendo que, para além de se poupar na fatura, muitas destas maneiras contribuem ao mesmo tempo para a sustentabilidade do planeta, tal como será apresentado mais adiante. Os constituintes de uma fatura de eletricidade encontram-se legendados em seguida (esta informação foi obtida na página oficial da EDP na internet). Figura 2: Primeira página de uma fatura elétrica Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 13/22

14 Figura 3: Segunda página de uma fatura elétrica Legenda: 1 - Contactos a utilizar: - Atendimento comercial para dúvidas contratuais e acerca da faturação; - Assistência técnica para dúvidas associadas à qualidade do serviço técnico. 2 - Nome e morada de envio do titular do contrato ou responsável de pagamento. 3 - Código de Identificação do Local (CIL). Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 14/22

15 4 - Dados e características gerais: - Identificação do cliente: titular, morada e NIPC; - Modalidades contratuais: tipo de tarifa e ciclo; - Potências: requisitada, instalada (ou máxima) e contratada. 5 - Contactos do seu Gestor de Cliente ou Equipa Comercial. 6 - Código do Ponto de Entrega (CPE): código universal identificador da instalação. 7 - Resumo de movimentos da conta corrente: saldo, pagamentos efetuados e faturas em dívida. 8 - Dados gerais da fatura: número da fatura, data de emissão, período de faturação, data limite de pagamento e valor a pagar. 9 - Quadro resumo sobre a valorização da fatura, em euros Espaço de disponibilização de informação/comunicação com os clientes Talão de informação sobre o pagamento, variável consoante a modalidade de pagamento escolhida pelo cliente Detalhes da fatura, que diferem consoante o tipo de contrato celebrado: - Energia ativa; - Potência contratada; - Potência média em horas de ponta; - Termo tarifário fixo: Este termo é fixo, ou seja, não se vai alterar. Mais à frente vamos concluir que se reduzirmos o consumo em cerca de cinquenta por cento não vamos conseguir uma poupança de cinquenta por cento porque este termo fixo vai estar sempre presente na fatura; - Energia reativa (este termo associa-se mais a consumidores de grandes empresas); - O fator de Multiplicação Quadro resumo de leituras/consumos no caso de instalação sem telecontagem. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 15/22

16 fatura Informação adicional: espaço de disponibilização de informação relacionada com a Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 16/22

17 4. Comparação das tarifas dos vários fornecedores de energia No atual mercado de eletricidade, os clientes poderão optar por escolher o seu fornecedor de energia. Os preços dependem essencialmente dessa mesma escolha do consumidor. Como referimos nas principais componentes da tarifa, a Tarifa de Acesso às Redes é paga de igual modo por todos os consumidores enquanto as restantes tarifas são negociadas com o fornecedor daí a diferença de preços nas faturas dos diferentes fornecedores. 4.1 Escolha de comercializador Todos os clientes têm direito de escolher o seu fornecedor de energia elétrica. Assim poderão decidir entre os seguintes contratos: - Fornecimento de energia elétrica com comercializadores no mercado liberalizado; - Fornecimento de energia elétrica com comercializadores de último recurso; - Contratação de energia elétrica nos mercados organizados ou através de contratação bilateral, aplicável aos clientes com estatuto de agente de mercado. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 17/22

18 5. Análise de consumos e faturas utilizando simuladores As inúmeras possibilidades de escolha de tarifas elétricas podem ser encontradas em várias páginas da internet. Estes simuladores permitem ao utilizador ter acesso aos inúmeros cenários de preços oferecidos pelos fornecedores de energia bastando apenas introduzir valores referentes ao consumo energético, à tarifa escolhida e à potência contratada. Vejamos um exemplo baseado num consumo anual médio de uma família com cerca de quatro elementos (os valores apresentados nas horas de vazio e fora de vazio estavam disponíveis no site da ERSE e são usados com o intuito de simular o preço da fatura; esses mesmos valores podem ser alterados): Tabela 1: Exemplo de um consumo anual médio por uma família com quatro elementos Escalão de Potência contratada Discriminação de contagem Consumo em horas de vazio Consumo em horas fora de vazio 6,90 kva Bi-horária 2083 kwh 2917 kwh Preços 970, ,53 O consumo combinado neste caso é de 5000 kwh. A tarifa bi-horária oferece diferentes preços por kwh consoante a utilização em horas de vazio ou fora de vazio, o que permite uma pequena redução do preço em horas de maior consumo energético (horas de vazio), nomeadamente de noite ou em fins-de-semana. Já a utilização de uma tarifa simples implicará um pequeno acréscimo no preço final, como se verifica na seguinte simulação: Tabela 2: Exemplo de uma tarifa simples e respetivo preçário Escalão de Potência contratada Discriminação de contagem Consumo total 6,90 kva Simples 5000 kwh Preços 989, ,92 * * Variação de preços entre os valores indicados consoante o fornecedor. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 18/22

19 5.1 Poupança de energia Analisemos uma situação em que a mesma família acima referida é capaz de reduzir o consumo energético em cinquenta por cento: Tabela 3: Exemplo de uma família que reduz o consumo energético em cinquenta por cento Escalão de Potência contratada Discriminação de contagem Consumo total 6,90 kva Simples 2500 kwh Preços 578,61-621,81 Conclui-se assim que uma poupança de cinquenta por cento não implica uma redução do preço da mesma ordem, já que a tarifa de eletricidade possui elementos fixos que não são influenciáveis pelo consumo de energia, como já tínhamos referido anteriormente. 5.2 Potência contratada ideal Como referido anteriormente, a escolha de uma determinada tarifa de eletricidade implica também a escolha da potência máxima que o consumidor está disposto a utilizar no seu domicílio, adequando-a às suas necessidades energéticas. Essa potência máxima é controlada por um disjuntor diferencial, portanto, caso seja ultrapassada, o aparelho interrompe a corrente automaticamente. Em geral, é possível prever a potência ideal através do conhecimento do número de aparelhos elétricos em casa. Constata-se também que o uso em simultâneo de certos eletrodomésticos podem levar a exceder a potência máxima. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 19/22

20 Tabela 4: Relação entre a potência contratada com os aparelhos elétricos de que necessitámos Potência contratada 1,15 kva 3,45 kva 6,90 kva 10,35 kva Aparelhos elétricos Iluminação, frigorífico, televisão e rádio; Ferro de engomar, secador de cabelo (desde que não funcionem em simultâneo com os anteriores). Iluminação, frigorífico, televisão e rádio, máquina de lavar a roupa; Ferro de engomar, secador de cabelo, micro-ondas (desde que não funcionem em simultâneo com os anteriores). Iluminação, frigorífico, televisão e rádio, máquina de lavar a roupa, micro-ondas, computador; Ferro de engomar, secador de cabelo, máquina de secar a roupa, máquina de lavar a loiça, aquecimento (desde que não funcionem em simultâneo com os anteriores). Iluminação, frigorífico e arca congeladora, televisão e rádio, máquina de lavar a roupa, micro-ondas, computador, aquecimento, termoacumulador; Ferro de engomar, secador de cabelo, máquina de secar a roupa, máquina de lavar a loiça, forno elétrico (desde que não funcionem em simultâneo com os anteriores). Esta tabela apresenta uma avaliação meramente estimada e pouco exata, servindo apenas de guia para uma noção geral da relação entre os eletrodomésticos que se possui e a potência a contratar. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 20/22

21 6. Conclusões Com a realização deste relatório, concluíram-se diversos aspetos bastante relevantes acerca das tarifas elétricas. A abordagem dos diferentes constituintes da tarifa elétrica permitiram concluir que existem vários componentes fixos e variáveis do preço a pagar, o que implica que o preço final não depende apenas do consumo final, facto reforçado pelas simulações realizadas. Daí surge a importância de um gasto energético responsável e adequado às necessidades, algo que deve ser tido em conta antes da escolha da tarifa, a fim de se obter uma tributação justa dos gastos pensando também, obviamente em termos ecológicos, numa sociedade que viu o consumo energético disparar na última década. Recentemente, a liberalização do mercado energético permitiu o fim do monopólio da eletricidade, permitindo ao consumidor uma maior liberdade de escolha e o estabelecimento de uma concorrência positiva entre as várias companhias fornecedoras. Sendo assim, existem hoje condições para que o consumidor comum tenha acesso a toda a informação necessária, podendo formar assim um espírito crítico sobre esta matéria e ponderar sobre a sua situação, utilizando instrumentos como simuladores, a fim de adequar a sua situação aos seus gastos, não deixando que se verifiquem injustiças nos preços praticados. Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 21/22

22 Referências bibliográficas [1] ERSE. Tarifas e preços. Disponível em: precos/paginas/default.aspx. Data de consulta: 12 de outubro de [2] ERSE. Tarifas e preços para a energia elétrica e outros serviços em Disponível em: 20SE% pdf. Data de consulta: 12 de outubro de [3] Avaliação do sistema tarifário português na perspetiva de incentivo à eficiência energética. Dissertação de Paulo Adelino Rocha, Data de consulta: 12 de outubro de [4] GALP ENERGIA. O negócio da eletricidade em Portugal. Disponível em: s/negocio-da-electricidade-em-portugal.aspx. Data de consulta: 12 de outubro de [5] EDP. Fatura da EDP Comercial. Disponível em: precolivre/factura/pages/facturadaedpcomercial.aspx. Data de consulta: 14 de outubro de [6] ERSE. Simuladores. Disponível em: Simuladores.aspx. Data de consulta: 13 de outubro de Tarifas de eletricidade e de gás Tarifas de eletricidade 22/22

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015 Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01

Leia mais

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural Perguntas e respostas frequentes Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural 1. O que significa a extinção das tarifas reguladas? A extinção de tarifas reguladas significa que os preços de

Leia mais

Tarifas bi-horária e tri-horária

Tarifas bi-horária e tri-horária Tarifas bi-horária e tri-horária O ritmo de vida dos consumidores, sejam eles domésticos, indústrias ou serviços, e a sua dependência face aos serviços de energia elétrica faz com que as necessidades variem.

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 15/2014

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 15/2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 15/2014 Tarifas e preços para a energia elétrica e outros serviços em 2015 e parâmetros para o período de regulação 2015-2017 Nos termos dos seus

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Nos termos regulamentarmente previstos, o Conselho de Administração da ERSE apresenta, a 15 de outubro de cada ano, uma proposta

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006 Novembro 2005 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010 Diário da República, 2.ª série N.º 80 26 de Abril de 2010 21945 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 7253/2010 O artigo 276.º do Regulamento de Relações Comerciais (RRC), aprovado

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR

O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR INFORME-SE BEM PARA DECIDIR BEM Uma iniciativa: LIGUE 808 100 808 VISITE WWW.ESCOLHAASUAENERGIA.PT FALE COM A SUA EMPRESA DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL Parceiros: MINISTÉRIO

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Nos termos regulamentarmente previstos, designadamente no artigo 185.º do Regulamento Tarifário, o Conselho de Administração da ERSE

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural. Guia Prático: perguntas com respostas

Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural. Guia Prático: perguntas com respostas Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural Guia Prático: perguntas com respostas Nota introdutória A liberalização dos mercados de eletricidade e do gás natural e a sequente extinção das tarifas

Leia mais

Proposta de protocolo Benefícios aos associados

Proposta de protocolo Benefícios aos associados Proposta de protocolo Benefícios aos associados A LUZBOA A LUZBOA Comercialização de Energia Lda é uma empresa de comercialização de electricidade no mercado liberalizado sedeada em Viseu, que opera para

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa coletiva

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 Dezembro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, residente em com o número de contribuinte, adiante designado(a) abreviadamente por Produtor; e EDP Serviço Universal, S.A., com sede

Leia mais

Comunicado. Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014

Comunicado. Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014 Comunicado Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014 Para efeitos da determinação das tarifas e preços de gás natural a vigorarem entre julho de 2013 e junho de 2014, o Conselho de Administração

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, com sede em, com o capital social de ( Euros), matriculada na Conservatória do Registo Comercial de, com o número de matrícula e

Leia mais

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 Despacho nº 15/2010 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, RT Regulamento tarifário RRC Regulamento de Relações comerciais Tarifário

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Cláudio Monteiro (FEUP / SYSTEC) cdm@fe.up.pt Índice Complemento sobre enquadramento do novo regime de produção distribuída (autoconsumo).

Leia mais

40568 Diário da República, 2.ª série N.º 249 26 de dezembro de 2012

40568 Diário da República, 2.ª série N.º 249 26 de dezembro de 2012 40568 Diário da República, 2.ª série N.º 249 26 de dezembro de 2012 Diretiva n.º 20/2012 Tarifas e preços para a energia elétrica e outros serviços em 2013 As tarifas e preços regulados para a energia

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2015 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2015-2017

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2015 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2015-2017 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2015 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2015-2017 Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado

Leia mais

do Orçamento Familiar

do Orçamento Familiar Iniciativa Sessões de esclarecimento para consumidores Parceria Gestão MUDAR DE COMERCIALIZADOR DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL do Orçamento Familiar Susana Correia Olhão 4, Fevereiro de 2013 Liberalização

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

Atributos da Proposta e Preço Contratual

Atributos da Proposta e Preço Contratual Atributos da Proposta e Preço Contratual António José da Silva Coutinho, portador do cartão de cidadão nº. 08419828, com domicílio profissional na Rua Castilho, 165, 4º, 1070-050 Lisboa, na qualidade de

Leia mais

A liberalização do mercado de Eletricidade e de Gás Natural o Como e quando mudar de Comercializador

A liberalização do mercado de Eletricidade e de Gás Natural o Como e quando mudar de Comercializador A liberalização do mercado de Eletricidade e de Gás Natural o Como e quando mudar de Comercializador GAI Gabinete de Apoio à Instituição julho 2012 Mercado de Eletricidade e de Gás Natural Este documento

Leia mais

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI Análise da proposta de condições gerais do Contrato de Uso das Redes - RARI Junho de 2006 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa coletiva

Leia mais

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Álvaro Gomes Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Conjunto de regras, opções tarifárias, horários e preços que regem a facturação dos fornecimentos

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

ALERTA LEGAL. Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro

ALERTA LEGAL. Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro ALERTA LEGAL Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro No dia 20 de outubro de 2014 foi publicada em Diário da República, I Série, o Decreto-Lei n.º 153/2014 que estabelece o regime jurídico aplicável

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010

INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010 INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010 Julho 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

Introdução. Projecto EDSF / APF. Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia

Introdução. Projecto EDSF / APF. Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia Projecto EDSF / APF Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia Introdução O custo de produção de um kwh de energia eléctrica depende da hora a que é produzido, tal variação deve-se ao facto de a

Leia mais

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS Índice Enquadramento Novo regime de autoconsumo Mercado do autoconsumo doméstico Análise energética/técnica Análise económica Futuros modelos de negócios

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE NOVEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE NOVEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento NOVEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva N.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva N.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva N.º 20/2013 Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico O Regulamento da Qualidade de Serviço do setor elétrico (RQS) prevê que

Leia mais

Saber mais sobre o Serviço Público Essencial da Eletricidade

Saber mais sobre o Serviço Público Essencial da Eletricidade Saber mais sobre o Serviço Público Essencial da Eletricidade A liberalização do mercado da energia exige aos consumidores maior atenção e conhecimento das novas regras e condições da prestação do serviço

Leia mais

MERCADO REGULADO TARIFÁRIO 2013

MERCADO REGULADO TARIFÁRIO 2013 MERCADO REGULADO TARIFÁRIO 2013 1. CLIENTES BTE - MÉDIAS UTILIZAÇÕES CLIENTES BTE - MÉDIAS UTILIZAÇÕES Termo Tarifário Fixo (EUR/dia) e POTÊNCIAS (EUR/kW.dia) ENERGIA REACTIVA (EUR/kVArh) TERMO TARIFÁRIO

Leia mais

Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013

Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013 Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013 1 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Contextualização... 3 3.1 Processos de liberalização energética noutros mercados... 3 3.2 Energia Elétrica... 4 3.3 Gás Natural...

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento JULHO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de 2006,

Leia mais

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Jorge Esteves, XI Reunião Ibero-Americana de Reguladores de Energia Madrid, 18 de Junho de 2007 Entidade Reguladora dos Serviços

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER Braga, 26 de Outubro de 2012 Luis Alexandre Silva Porquê a presença no Mercado Elétrico? Expansão de Negócios Estratégia de diversificação (novos mercados) Crescimento nos

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento DEZEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS SETOR ELÉTRICO. Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS SETOR ELÉTRICO. Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SETOR ELÉTRICO Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc:

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc: Ana Oliveira De: Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: erse@erse.pt Cc: anacris@isr.uc.pt Assunto: Comentarios Anexos: ERSE-Revisão dos Regulamentos.doc;

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Valorizamos a sua energia ÍNDICE AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO AR COMPRIMIDO CORREÇÃO FATOR DE POTÊNCIA DIAGNÓSTICO E AUDITORIA ENERGÉTICA ILUMINAÇÃO MONITORIZAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Acumuladores de Calor

Acumuladores de Calor Acumuladores de Calor Em virtude da atividade de muitas pessoas se desenvolver, diariamente, no interior de edifícios, tal obriga a que as condições de conforto, principalmente as relacionadas com a qualidade

Leia mais

Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes. O consumismo de energia

Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes. O consumismo de energia Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes O consumismo de energia Consumo de Energia O consumo da energia no mundo está resumido na sua maioria pelas fontes tradicionais como o petróleo, carvão

Leia mais

MANUAL DE FORMAÇÃO. PME s- Força de Vendas D2D. Liberal Energia SETEMBRO/2013

MANUAL DE FORMAÇÃO. PME s- Força de Vendas D2D. Liberal Energia SETEMBRO/2013 MANUAL DE FORMAÇÃO PME s- Força de Vendas D2D Liberal Energia SETEMBRO/2013 Plano Tema da sessão: Força de Vendas D2D Duração: 4 horas Destinatários: Equipa de Vendas D2D Segmento PME s Objectivos No final

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Agosto 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

O REGIME ECONÓMICO DA COGERAÇÃO (Produção em Regime Especial)

O REGIME ECONÓMICO DA COGERAÇÃO (Produção em Regime Especial) O REGIME ECONÓMICO DA COGERAÇÃO (Produção em Regime Especial) Diferencial de custos com a aquisição de energia eléctrica e impacto na Tarifa de Venda a Clientes Finais Julho 2009 Regime económico das instalações

Leia mais

Regulamento. Prémio Eu Reduzo

Regulamento. Prémio Eu Reduzo Regulamento Prémio Eu Reduzo Almada, Portugal 2015 PRÉMIO EU REDUZO Regulamento Artigo 1 (Projeto Missão Reduzir) a) Missão Reduzir é um projeto que visa sensibilizar, mobilizar e capacitar os munícipes

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

Eficiência Energética AUTOCONSUMO. PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE: 210 105 935 geral@solarwaters.pt. Eficiência Energética

Eficiência Energética AUTOCONSUMO. PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE: 210 105 935 geral@solarwaters.pt. Eficiência Energética AUTOCONSUMO Produção de energia para consumo próprio. ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA O QUE É O AUTOCONSUMO? O autoconsumo é a utilização de painéis solares fotovoltaicos para produção de energia para consumo

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS Eliminado: Maio REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS Junho 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico Diário da República, 2.ª série N.º 227 22 de novembro de 2013 34305 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva n.º 20/2013 Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Regulamento n.º 468/2012. Alteração ao Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Regulamento n.º 468/2012. Alteração ao Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico Diário da República, 2.ª série N.º 218 12 de novembro de 2012 36849 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Regulamento n.º 468/2012 Alteração ao Regulamento de Relações Comerciais do Setor

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica A perceção dos problemas da energia nunca foi tão grande como nos nossos dias. Atualmente, é ponto assente que o crescimento do consumo de energia, verificado durante muitos

Leia mais

TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008

TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008 TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008 12 de Dezembro de 2007 1 Agenda 1. Qual é o enquadramento legal que condiciona a fixação das tarifas para 2008? 2. O que mudou no sector eléctrico que condiciona

Leia mais

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Resultados principais Novembro de 2014 Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação 1 22 Após décadas de preços de electricidade

Leia mais

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Energia Eólica e Impactes Tarifários Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação dos custos da Produção em Regime Especial 3. O Sobrecusto

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL Janeiro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

E os consumidores economicamente vulneráveis? O que lhes acontece?

E os consumidores economicamente vulneráveis? O que lhes acontece? " opte pela melhor proposta não esquecendo de analisar, também, as condições contratuais apresentadas; " celebre o contrato com o novo comercializador que deverá tratar de todas as formalidades relativas

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉCTRICA

MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉCTRICA MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉCTRICA CTC CÁVADO-MINHO LIMA-OURENSE COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO CÁVADO AGÊNCIA DE ENERGIA DO CÁVADO Setembro, 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 SEMINÁRIO Energia Solar Passiva...

Leia mais

tomadas na revisão regulamentar Julho 2008

tomadas na revisão regulamentar Julho 2008 Justificação das principais pa opções tomadas na revisão regulamentar Julho 2008 Agenda Processo de consulta pública Principais decisões e sua justificação Incentivos à melhoria dos serviços prestados

Leia mais

Escritório Virtual. Manual do utilizador Marketing para o setor grossista

Escritório Virtual. Manual do utilizador Marketing para o setor grossista Escritório Virtual Manual do utilizador Marketing para o setor grossista Escritório Virtual Introdução No Escritório Virtual da Gas Natural Fenosa estão reunidas todas as informações que podem interessar-lhe

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez milhões

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721

Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721 Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721 b) Os perfis de consumo aplicáveis a instalações em Média Tensão (MT), Baixa Tensão Normal (BTN) e Baixa Tensão Especial (BTE), e o diagrama

Leia mais

CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12. Assunto: Protocolo ERSE CCP. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12. Assunto: Protocolo ERSE CCP. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12 Assunto: Protocolo ERSE CCP Exmos. Senhores, Através da circular 40/2012, a CCP deu conhecimento do protocolo celebrado com a ERSE e que teve por objectivo reforçar

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico

O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico Breves notas O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico O aprofundamento dos esforços de criação do Mercado Eléctrico de Electricidade (MIBEL) prevê a necessidade de compatibilizar o quadro

Leia mais

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL (ARTIGO 13(6) DO REGULAMENTO 347/2013 1 ) Setembro 2015 1 Regulamento (UE) N.º 347/2013

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM AT (Alta Tensão) CONDIÇÕES GERAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM AT (Alta Tensão) CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM AT (Alta Tensão) CONDIÇÕES GERAIS 1ª - Objeto do Contrato. 1. O presente Contrato tem por objeto o fornecimento de energia elétrica pela EDP Serviço Universal

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

Demonstrações Financeiras das Atividades Reguladas do Exercício de 2014 Em conformidade com as regras estabelecidas no Regulamento Tarifário

Demonstrações Financeiras das Atividades Reguladas do Exercício de 2014 Em conformidade com as regras estabelecidas no Regulamento Tarifário Demonstrações Financeiras das Atividades Reguladas do Exercício de 2014 Em conformidade com as regras estabelecidas no Regulamento Tarifário Relatório Sumário 30 de abril de 2015 Este texto foi escrito

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015 Nos termos dos seus Estatutos aprovados pelo Decreto-Lei n.º 97/2002, de 12 de

Leia mais

É assim, essencial para as empresas controlarem e gerirem os seus consumos.

É assim, essencial para as empresas controlarem e gerirem os seus consumos. A eletricidade, gás, água e outros tipos de consumos são elementos fundamentais para o funcionamento da generalidade das empresas e que poderão ter um peso bastante relevante nos seus custos. É assim,

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de eletricidade em regime de mercado livre para Portugal Continental

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de eletricidade em regime de mercado livre para Portugal Continental PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO Acordo Quadro para o fornecimento de eletricidade em regime de mercado livre para Portugal Continental ÍNDICE CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DO CONCURSO... 3 Artigo 1.º Identificação

Leia mais

PREÇOS DE REFERÊNCIA NO MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NATURAL EM PORTUGAL CONTINENTAL

PREÇOS DE REFERÊNCIA NO MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NATURAL EM PORTUGAL CONTINENTAL PREÇOS DE REFERÊNCIA NO MERCADO LIBERALIZADO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NATURAL EM PORTUGAL CONTINENTAL ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 1 DE OUTUBRO DE 2012 Os preços apresentados neste documento são comunicados à

Leia mais

COMENTÁRIOS AO PARECER DO CONSELHO TARIFÁRIO À PROPOSTA DE TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014

COMENTÁRIOS AO PARECER DO CONSELHO TARIFÁRIO À PROPOSTA DE TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 COMENTÁRIOS AO PARECER DO CONSELHO TARIFÁRIO À PROPOSTA DE TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 Dezembro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 4494-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 123 26 de junho de 2015 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Portaria n.º 190-A/2015 de 26 de junho No âmbito do regime jurídico dos Fundos Europeus Estruturais

Leia mais