Aula 1. Tópicos Especiais em Análise de Sistemas. O Professor. Apresentação dos alunos. TEAN Tópicos Especiais em Análise de Sistemas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 1. Tópicos Especiais em Análise de Sistemas. O Professor. Apresentação dos alunos. TEAN Tópicos Especiais em Análise de Sistemas."

Transcrição

1 O Professor Aula 1 Formado em Engenharia Civil pela UFG e Processamento de Dados pelas Faculdades Objetivo Pós- graduado com especializção em Análise e Projeto de Sistemas pela UNIP Especialização em Administração de Redes Linux pela UFLA Sócio- diretor da Casa das Carretas Apresentação dos alunos Quais as disciplinas correlatas que já foram vistas? Como TEAN se relaciona com outras disciplinas? Alguém já trabalha na área de informática? Em desenvolvimento? Alguém tem contato com algum banco de dados? Qual o conhecimento sobre modelagem de sistemas? E de dados? TEAN Tópicos Especiais em Análise de Sistemas Será visto basicamente banco de dados modelagem, implementação e extração de dados. Alguns conceitos especiais banco de dados distribuído, concorrência, segurança Critérios de avaliação. Filme AS- 400 Bibliografia Livro texto: KORTH, Henry F. e SILBERSCHATZ, Abraham. Sistemas de bancos de dados. São Paulo; Editora Makron Books ª edição. Referências: CHEN, Peter P. O modelo entidade- relacionamento. São Paulo. Ed. McGraw- Hill, SALEMI, Joe. Banco de dados cliente/servidor.são Paulo: IBPI Press YOURDON, Joe. Análise estruturada moderna. Rio de Janeiro: Editora Campus GANE, Chris e SARSIB, Trish. Análise estruturada de sistemas. São Paulo: Editora LTC, MEILIR, Page- Jones. Projeto estruturado de sistemas. São Paulo: Editora McGraw- Hill, Sites Internet MySQL PostgreSQL

2 Oracle IBM Microsoft Sistema Rau tu (Unicamp)

3 Organização de Arquivos Por que ver organização de arquivos? Aula 2 Os bancos de dados armazenam os dados em arquivos Algumas linguagens fazem acesso a arquibos (Clipper, Cobol) Dispositivos limitam escolha da organização Meios de armazenamento RAM ideal, rápida porém de alto custo e volátil Dispositivos externos custo menor, maior capacidade e não volátil Aspectos a considerar na escolha do meio: Capacidade ou tamanho em MB Portabilidade (transporte da mídia) Forma de acesso ao dispositivo Velocidade Fitas magnéticas Capacidade de compartilhamento Pioneirismo primeiro meio de armazenamento em massa utilizado Ideal para backup e transporte Baixo custo e grande capacidade Baixa velocidade Permite apenas acesso seqüencial Disco flexível (disquete) Ainda muito utilizado para transporte e backup de pequena quantidade de dados Baixo custo e facilidade de transporte Baixa velocidade e não é muito confiável Vem sendo substituídos por outros discos removíveis (Zip, Jazz) Disco rígido Utilizado no ambiente de produção Grande velocidade e capacidade de armazenamento Importante para o Sistema Operacional utilizado como expansão da memória principal (memória virtual) num processo chamado de swap. Interfaces de comunicação: IDE mais barata, com boa relação custoxbenefício, indicado para processamentos com pequeno volume de dados

4 SCSI mais caro, com alta performance, indicado para aplicações de banco de dados com grande volume de dados. Disco ótico (CD, DVD) Grande capacidade Alta velocidade, porém menor que a do HD A gravação é feita da parte mais interna para a externa em espiral Muito utilizado para backup e transporte de dados Discos removíveis (Zip, Jazz) Grande capacidade (> 100MB) Excelente meio para backup e transporte de dados A mídia é muito cara

5 Revisão Por que ver sistema de arquivos Sistema de arquivos x Banco de dados Meios de armazenamento Métodos de acesso Aula 3 Arquivo seqüencia de registros gravados no discos Acessos possíveis Seqüencial os registros são lidos um a um desde o início Direto um registro em qualquer posição no arqvuiso pode ser lido diretamente Indexado existe um arquivo auxiliar contendo ponteiros para os registros de dados Tipos de consultas Influencia na escolha do acesso ao arquivo Simples valor definido para procura. Ex. estado='go' Faixa de valores limita um conjunto de valores. Eex. codigo entre 3 e 16 Booleana combinação de consultas simples ou faixa de valores. Ex. (estado='go') e (codigo entre 3 e 16) Processamento O tipo do processamento também influencia no modo de acesso online os dados devem ser acessados rapidamente batch tempo de processamento maior podendo ser seqüencial misto arquivo de transações online e arquivo mestre atualizado em processamento batch Acesso Seqüencial Primeiro tipo de arquivo implementado Ordem lógica é igual à ordem física Para ler um registro qualquer, todos os anteriores devem ser lidos Indicado para processamento em série, pois o próprio sistema de arquivos ao ler um registro já se posiciona para ler o próximo Em média 50% do arquivo deve ser acessado para encontrar um valor. Pode estar ordenado por algum valor de chave. Problemas de manutenção inclusão em arquivo sem ordem: basta incluir no final do arquivo. Inclusão em arquivo ordenado: o problema é manter a ordem Pode- se copiar o arquivo até o ponto de inserção, inserir e continuar

6 a cópia Pode- se fazer inclusões em lote Pode- se incluir no final do arquivo de depois reordená- lo Exclusão requer o deslocamento dos registros seguintes para ocupar o registro excluído Pode- se marcar os registros e excluí- los posteriormente Alteração sem ordem basta ler, atualizar e regravar Atualização ordenada exige que os registros adjacentes sejam movidos para manter a ordem Pode ser feita atualização batch. Acesso direto Existe uma relação entre chave e endereço O sistema posiciona o ponteiro no registro e faz a leitura Pode ter endereçamento absoluto (a partir do início) ou relativo (a partir do registro atual). Arquivo indexado Funciona como em um livro (índice indicando páginas). Existe um arquivo auxiliar contendo as chaves de pesquisa e o endereço do registro no arquivo principal. Pode- se ter um ou mais arquivos de índices para um mesmo arquivo de dados. Índice denso existe uma chave para cada registro de dados Possui tempo de resposta melhor Índice esparso apenas alguns registros de dados tem chave no índice Requer menos espaço de armazenamento Necessita de menos manutenção na inclusão e exclusão Índices pequenos devem ser mantidos na memória Com o crescimento pode- se aumentar o número de níveis de indexação (índice para índice)

7 Revisão Aula 4,5 O que influencia na escolha do métido de acesso Métodos de acesso Seqüencial Direto Indexado Métodos de indexação Lista encadeada um registro aponta para o outro Lista duplamente encadeada um registro aponta para o próximo e para o anterior Pesquisa binária método muito rápido e eficiente de pesquisa Árvore binária Se bem criada é tão eficaz como a pesquisa binária No pior caso se comporta como uma lista encadeada Arquivos indexados em árvore B Os métodos anteriores apresentam queda de performance com o crescimento do banco de dados As árvores B requerem menos reindexações Uma árvore B de ordem m deve satisfazer as condições: Todo nó tem no máximo m descendentes. Todo nó, exceto a raiz e os nós terminais tem no mínimo m/2 (arredondando para mais) descendentes. A raiz tem pelo menos 2 descendentes a menos que seja nó terminal. Todos os nós terminais aprecem no mesmo nível e não tem nenhuma informação. Um nó interno com k descendentes contém k- 1 valores de chave. Pesquisa se inicia na raíz até encontrar um valor em um nó folha Inserção é feita das folhas para a raiz dividindo nós cheios A árvore cresce para cima e não para baixo A exclusão pode resultar em underflow (nó muito vazio) Ocorrem trocas para juntar nós irmãos (troca intermediada pelo pai) Indexação por hashing Um subconjunto de valores de chave é utilizado Exite uma função de hashing que transforma o valor de chave em um endereço físico A função deve ser escolhida de forma a dar o menor número de

8 conflitos possível Uma função perfeita mapeia cada valor de chave em um endereço A pior função mapeia todas as chaves para um único endereço Inserção: é feita uma pesquisa para encontrar onde o registro deve ser inserido e o acrescenta Se houver conflito, o registro é acrescentado ao final da lista daquele endereço Exclusão: é feita a pesquisa para encontrar o regitro e então ele é removido A função de hash pode ser estática ou dinâmica Estática é definida no início e não pode ser alterada Dinâmica pode ser alterada conforme o banco de dados se altera Comparação entre hash e árvore Árvore trabalha bem para pesquisas por faixa de valores e o hashing para consultas simples (valor definido) A árvore tem menor eficiência, porém é mais fácil de implementar A inclusão e exclusão é mais fácil utilizando hashing O processamento seqüencial é mais fácil na árvore B A maioria dos bancos de dados utilizam a indexação em árvores B No PostgreSQL o projetista do banco de dados pode escolher entre árvore ou hash

9 Exercícios Aula 6 Comente sobre a importância do sistema de arquivos para o administrador de banco de dados Além dos dispositivos apresentados na apostila, existem outros interessante, como smart cards, e até dispositivos que se parecem com chaveiros. Faça uma pesquisa (internet, revistas, catálogos, lojas on- line, fabricantes) e cite as características (capacidade, velocidade, comunicação, preço) de alguns destes dispositivos (pelo menos 3). Um problema que ocorre no sistema de arquivo é a fragmentação. Pesquise porque ela acontece e como o sistema operacional gerencia um arquivo fragmentado. Considere um sistema para registro de ponto, onde um funcionário chega no computador e registra suas entradas e saídas diárias. Este sistema suporta um processamento seqüencial? Justifique. Considere agora um sistema para emissão de etiquetas de endereço (mala direta) ordenada por cidade. O processamento seqüencial é indicado? Explique. Num supermercado, existe um depósito onde as mercadorias são armazenadas antes de ir para a prateleira. O estoque das prateleiras é reposto uma vez durante o dia antes do início do expediente e com quantidade suficiente para o dia inteiro de venda. Antes de abastecer porém as quantidades devem ser atualizadas e conferidas. Depois de abastecidas as prateleiras, o supermercado é aberto e as vendas são realizadas durante todo o dia. Comente como seria o processamento (on- line, batch) de cada um destes processos (atualização, conferência, venda). Explique o problema da inclusão de registros em um arquivo de clientes seqüencial em que os registros estão em ordem alfabética. Explique como um índice denso pode melhorar a performance de resposta em pesquisas. Explique por que o índice esparso resulta em economia de espaço.

10 Introdução ao Banco de Dados Objetivos do banco de dados Primeiras técnicas: arquivos indexados Aula 7 Existiam arquivos diferentes para cada aplicação Resolver problemas das técnicas anteriores: Abstração de dados Redundância dados repetidos em diferentes arquivos Inconsistência dados redundantes incoerentes Dificuldade de adaptação das aplicações Extração de informações dos arquivos Multiplos usuários transações concorrêntes podem gerar inconsistências Segurança políticas de restrição de acessos Integridade dificuldade em implementar restrições de integridade O banco de dados deve esconder os detalhes de armazenamento dos dados Proporcionar uma visão abstrata dos dados Níveis de abstração: Modelos de dados Físico baixo nível (conjunto de bytes) Conceitual definição de um registro de dados Visão parte dos dados visível pelo usuário Ferramentas para descrição de dados, relacionamentos, restrições Modelo Entidade- Relacionamento Modelagem de objetos do mundo real em entidades Entidade - objeto que existe e é distinguível de outros objetos A distinção é feita pelo conjunto de atributos da entidade Relacionamento associação entre duas ou mais entidades Restrições informações para validação dos dados O modelo pode ser expresso pelo Diagrama de Entidade- Relacionamento Retângulos entidades Losangos relacionamentos Elipses atributos Modelos baseados em registros Descrição dos dados nos níveis conceitual e visão

11 Modelo relacional Entidades e relacionamentos são mapeados em tabelas onde as linhas representam cada objeto do mundo real e as colunas são os atributos Modelo de redes Coleções de registros e ligações representando os relacionamentos O resultado são diagramas de grafos indicando os registros e seus relacionamentos Modelo hierárquico Semelhante ao de redes, porém ao invés de formar grafos, os registros são organizados em árvore

12 Revisão Introdução ao banco de dados Abstração de dados Modelos de dados Entidade- Relacionamento Relacional Redes Hierárquico Aula 8 Introdução ao banco de dados - continuação Esquema x Instância Esquema é a definição do banco de dados e não muda freqüentemente Instância é uma coleção de dados em particular (um objeto do mundo real) Dicionário de dados Definição do esquema do banco de dados O dicionário é consultado antes dos arquivos de dados Contém metadados, ou seja, dados acerca de dados Manipulação dos dados Linguagem procedimental indica os dados desejados e como obtê- los Linguagem não procedimental indica apenas os dados e o banco de dados define a estratégia para obtê- los Gerenciador do Banco de Dados Interface entre o sistema de arquivos e o usuário Garante a integridade dos dados (restrições de integridade) Segurança dos dados implementa políticas de acessos Recuperação de dados falhas ou paradas não devem gerar inconsistências Controle de concorrência informações confiáveis para todos os usuários Administrador do banco de dados (DBA) Definição do esquema do banco de dados Escolha da estrutura de armazenamento Organização dos dados armazenados Usuário do banco de dados Programador de aplicações Ocasional interagem com o banco de dados sem escrever programas Simples usuário das aplicações geradas pelos programadores

13 Exercícios Cite algumas diferenças entre um sistema de processamento de arquivos e um sistema gerenciado de banco de dados. Relacione algumas responsabilidade do gerenciador do banco de dados Quais as principais funções de um adminsitrador de banco de dados Qual a diferença entre esquema e instância?

14 Revisão Introdução ao banco de dados Exercícios Aula 9 Usuários do SGBD administrador, programador, usuário Apresentação do trabalho 1 Objetivo do trabalho Avaliar um sistema gerenciador de banco de dados do mercado Entrega Trabalho escrito relatório do grupo Apresentação / debate apresentação do banco de dados Tarefa O grupo deverá fazer uma pesquisa e elaborar um documento contendo as características, recursos e custos de um sistema gerenciador de banco de dados disponível no mercado. Deverão ser apontadas as principais vantagens de se utilizar tal banco de dados, prováveis problemas e como poderiam ser contornados tais problemas. Alguns pontos que podem ser tocados no trabalho Características técnicas do produto Recursos básicos Recursos adicionais Facilidade de uso e aprendizado Performance do banco de dados Interfaces com linguagens de programação Custos de aquisição Disponibilidade de assistência técnica Posicionamento no mercado, citando empresas que o utilizam Tipo de aplicação que melhor se adequa Para a apresentação o grupo deve se preparar como se fossem representantes do banco de dados escolhido e conseqüentemente irá defender sua adoção. Considere o professor como um cliente em potencial, que tem uma empresa tradicional no mercado de desenvolvimento de sistemas e procura um banco de dados para portar suas aplicações, atualizando seus clientes. A linguagem de programação a utilizar na empresa ainda não está definida. O grupo deve estar preparado para responder algumas questões do banco de dados e também para enfrentar os argumentos dos concorrentes (outros grupos). Além do conhecimento do banco de dados, o debate também será avaliado.

15 Sugestões de banco de dados para pesquisa PostgreSQL MySQL Interbase / / / MS- SQL Server / brasil/sql / Oracle IBM DB2 Sybase / O modelo Entidade- Relacionamento / www - 3.ibm.com/software/data/ db2/ / Percepção de um universo formado por objetos (entidades) e seus relacionamentos Entidade objeto que existe e é distinguível de outros objetos Pode ser concreto como uma pessoa, um livro ou abstrata como um feriado, um conceito. Uma entidade é representada pelos seus atributos Relacionamento associação entre duas ou mais entidades Papel é a função que a entidade representa num relacionamento Relação trabalha para, uma entidade faz o papel de gerente e outra de subordinado Um relacionamento também pode ter atributos descritivos Uma data numa relação entre cliente e conta indicando a última movimentação O preço de venda em uma relação entre venda e produto vendido Restrições de mapeamento conjunto de regras para os relacionamentos entre entidades Cardinalidade dadas duas entidades A e B, ela indica a quantos elementos de B um elemento de A pode se ligar Especialmente útil para relacionamentos binários Um para um um elemento de A só pode se ligar a um elemento de B Um para muitos um elemento de A pode se ligar a vários elemento de B Muitos para um vários elementos de A podem se ligar a um único elemento de B Muitos para muitos vários elementos de A podem se ligar a vários elementos de B

16 Revisão Apresentação do trabalho O Modelo Entidade- Relacionamento Aula 10 Entidades, relacionamentos, atributos Restrições de mapeamento O modelo Entidade- Relacionamento (continuação) Dependência existencial um elemento de uma entidade existe se existir um elemento de outra entidade Relacionamento departamento/ funcionário, projeto/cliente Chave primária Se um elemento da primeira entidade for removido, todos os relacionados da segunda também serão removidos Superchaves chaves que identificam um único elemento Chaves candidatas chaves que podem ser primária Chave primária é a chave escolhida pelo administrador para identificar um elemento da entidade Pode ser composta por mais de um atributo ou pode ser criada se nenhum for boa escolha. Uma entidade cujos atributos não conseguem identificar um único elemento, são chamadas entidades fracas. As entidades fracas importam a chave primária da entidade forte relacionada e fazem uma composição com um de seus próprios atributos. Considere que uma entidade Conta tenha chave primária Número_conta, e a entidade transação tenha a estrutura (Número_transação, Data, Valor). A entidade transação não consegue identificar uma única transação pois para contas diferentes há números de transação iguais. A solução é a entidade transação importar a chave de conta ficando assim a sua estrutura (Número_conta, Número_transação, Data, Valor). A chave primária seria agora a composição entre Número_conta e Número_transação. Entidade fraca sempre é dependente existencialmente da entidade forte relacionada. Generalização e especialização Generalização é a composição de duas entidades formando uma entidade de mais alto nível, mais genérica. Ex. Cliente, Fornecedor = Pessoa. Especialização é a decomposição de uma entidade em entidades mais específicas. Ex. Conta = Conta_corrente e Conta_poupança Agregação Existem situações em que um relacionamento depende de outro relacionamento.

17 Agregação é, resumidamente, um relacionamento entre relacionamento Exemplo: Funcionário participante de um projeto e utiliza instrumentos.

18 Chave primária Aulas 11, 12 e 13 exercícios Generalização e especialização Agregação Lista de exercícios Uma empresa de informática quer implementar um sistema de atendimento ao cliente para atender dúvidas e colher sugestões de melhoria nos softwares que ela comercializa. Para isto ela precisa manter o cadastro de clientes atualizado e um histórico dos contatos efetuados. Para cada ligação recebida, guardar alguns dados como a data, hora, funcionário que atendeu a ligação, o tipo de contato e o teor da conversa. O sistema também deve associar o cliente com o software específico que o cliente adquiriu, e os dados acerca desta venda como a data e o vendedor que realizou a venda. Elabore um DER para a empresa implementar este sistema. Para ter um maior controle de sua frota de veículos e serviço de entregas, uma empresa deseja informatizar o seu departamento de expedição. Para isto devem ser guardadas informações acerca das saídas dos entregadores, para onde eles foram, a hora de saída e chegada, qual o veículo que ele utilizou e quais os documentos foram levados. Também é um requisito do sistema controlar o consumo dos veículo e para isto deverão ser guardadas informações sobre os abastecimentos realizados como data, posto, quantidade de litros e preço pago. Faça o DER correspondente. Ao fazer uma análise em uma empresa, foi passado um relatório com a seguinte estrutura: Lançamento (DATA, DESCRIÇÃO, NÚMERO NOTA, ATENDENTE, FORMA PAGTO, VALOR TOTAL). Elabore um provável DER do qual seja possível extrair tais informações. Uma seguradora de automóveis possui um grupo de clientes cada um deles com diversos carros próprios. Cada carro possui um registro de ocorrências associadas a ele. Construa um DER para esta seguradora. Um biólogo trabalha em um projeto para catalogar as diversas espécies de plantas nativas em determinadas regiões e suas propriedades medicinais. Para isto, ele precisa catalogar a região onde a espécie vive, quais as prováveis doenças curadas pela planta e as diversas receitas para extração destes remédios. Elabore um DER para o biólogo. Em uma imobiliária, existe um sistema que não atende os requisitos de funcionamento da empresa e eles decidiram por implementar um novo sistema. Porém há alguns relatórios que eles acham muito importante que seja mantido no novo sistema. Um deles contém o seguinte layout: RELAÇÃO DE INQUILINOS EM CONTRATO ATIVO PÁGINA 1

19 DATA CONTRATO ENDEREÇO DO IMÓVEL NOME DO INQUILINO NOME DO PROPRIETÁRIO VENCIM ALUGUEL VENCIM CONTRATO 14/05/95 RUA 15, 644 CENTRO JOSÉ ARMANDO SILVEIRA ANANIAS GONÇALVES MOTTA 14 14/05/03 23/07/99 AV. CASTELO BRANCO, 6994 BAIRRO IPIRANGA 14/04/02 RUA 17-B, QD.45 LT. 3 BAIRRO SÃO SIMÃO MARCELLO RHIAMAR DE OLIVEIRA MIGUEL ZEFFERINNO ALEVIM 12 23/06/04 ANDRÉ SOARES NOGUEIRA ALTEVIR DA GLÓRIA BASTOS 5 17/04/03 Elabore um provável DER que consiga gerar o relatório acima. Em um restaurante, deseja- se automatizar o controle de consumo das mesas e para isto o sistema deve trabalhar considerando o processo descrito a seguir. Os produtos são divididos em grupos para facilitar a pesquisa e controle de consumos, bem como refletir o que está impresso no cardápio. Assim existem grupos como bebidas, entradas, pratos quentes e frios, etc. O cadastro dos produtos contém apenas informações simples como o nome e preço de venda. As mesas do restaurante são todas cadastradas, informando a sua localização, número e quantidade de lugares. Para servir, o garçom faz a anotação dos pedidos em comandas que contém o produto pedido, a quantidade, a mesa servida e o garçom responsável. Quando o cliente pede a conta, é feito um fechamento onde as comandas são totalizadas e é armazenada a hora de fechamento (emissão da conta), a hora do pagamento (que o garçom traz o dinheiro) o valor total pago, a comissão do garçom e o número de pessoas da mesa. Elabore um DER para o restaurante. Construa um DER para uma empresa de treinamento. A empresa mantém cadastrados os cursos, as disciplinas ministradas em cada curso, os professores, horários de aula, as matrículas dos alunos em determinados cursos, e os dados do próprio aluno. Cada aluno somente pode se matricular em um único curso e um professor pode ministrar mais de uma disciplina. Em uma empresa de consultoria, existem os representantes de vendas que trabalha com diversos clientes e tem acesso a diversos consultores da empresa. Um contrato de consultoria com um cliente pode envolver vários consultores diferentes. Durante a vigência do contrato, são elaborados diversos relatórios de consultoria informando os procedimentos tomados na visita ao cliente. Nesta fase, o vendedor não é envolvido e os consultores tratam diretamente com o cliente. Elabore um DER para esta empresa

20 O Modelo Relacional Aula 18 A linguagem SQL usada nos bancos de dados relacionais são fundamentadas no modelo relacional. Representa o banco de dados como uma coleção de tabelas. Um exemplo de banco de dados com três tabelas seria o seguinte: Fornecedor Peça Código Nome Cidade Código Nome Preço 1 Silveira Londrina 1 Solução 8,2 2 Juvercino Porangatu 2 Mangueira 20 3 Ademar Vila Velha 3 Bobina 16 4 Bartolomeu Rio Claro 4 Câmera 170 Fornecimento Fornecedor Peça Fornecedor tabela que armazena o código, o nome e a cidade de um fornecedor Peça armazena o código, descrição e preço de uma peça Vendas armazena que peça é vendida por qual fornecedor. As tabelas Fornecedor e Peça representam entidades e a tabela Vendas um relacionamento. Cada tabela tem um nome único e uma estrutura similar à apresentada no MER Formalidades do modelo relacional O fundamento matemático para o modelo relacional é o conceito de relação, um subconjunto do produto cartesiano de uma lista de domínios. Formalmente, um domínio é um conjunto de valores. Ex.: o conjunto de inteiros é um domínio, assim como o conjunto de caracteres de tamanho 20, e o conjunto dos números reais.

21 Exemplo de produto cartesiano: Suponha um domínio D1={0,1} e um domínio D2={a,b,c} então o produto cartesiano D1 D2 será {(0,a),(0,b),(0,c),(1,a),(1,b), (1,c)}. Os membros de uma relação são chamados de tuplas. Uma relacão pode ser vista como uma tabela, onde cada tupla é representada por uma linha e cada coluna corresponde a um componente da tupla. Dando nomes (atributos) a estas colunas, nos leva a definir um esquema relacional. Um esquema de relação R é um conjunto finito de atributos A1, A2,... Ak. Existe um domínio Di, para cada atributo Ai, 1 <= i <= k, de onde o valor do atributo é tirado. Um esquema de uma relação R pode ser escrito da seguinte forma: R (A1, A2,... Ak). Um esquema para uma tabela de clientes seria Cliente- esquema = (nome, endereço, cidade, estado, cep, ddd, telefone, , rg, cpf) Diferenciar esquema de instância esquema concepção lógica do banco de dados instância conjunto de valores no banco de dados em um determinado momento Transformando DER em tabelas Cada entidade equivale a uma tabela no banco de dados. Nos relacionamentos um para muitos, não é necessário criar tabelas adicionais, basta exportar a chave primária da entidade do lado um para a entidade do lado muitos. Os relacionamentos muitos para muitos obrigatoriamente geram tabelas extras no banco de dados contendo no mínimo as chaves primárias que participam do relacionamento. Relacionamentos que necessitam de atributos geram tabelas adicionais no banco de dados pela presença dos atributos. As tabelas mostradas no exemplo de modelo relacional foram tiradas do seguinte DER:

22 Revisão Formalidades do Modelo Relacional Aula 14 Baseado na teoria de conjunto Conceito de relação Tabela x Relação, Linha x Tupla, Domínio x Tipo de dado 2. Operações no Modelo Relacional O que fazer para extrair informações das tabelas? Dois tipos de notações de operações em relações: Álgebra relacional notação algébrica onde as consultas são expressas aplicando- se operadores especializados às relações Cálculo relacional notação por restrições lógicas que a resposta a uma consulta deve satisfazer. Álgebra relacional Consiste de uma série de operadores que, aplicados nas relações, resultam em um conjunto de dados satisfazendo algumas condições. Alguns operadores complexos podem ser expressos pela composição de outros operadores simples. Operadores da álgebra relacional: SELEÇÃO ( ): extrai as tuplas de uma relação que satisfazem alguma condição. Codigo=3 (Fornecedor) Código Nome Cidade 3 Ademar Vila Velha PROJEÇÃO ( ): mostra apenas os atributos (colunas) selecionadosde uma relação. Exemplos Nome(Fornecedor) Silveira Juvercino Ademar Bartolomeu Nome Extrair uma lista de fornecedores cujos códigos são maiores que 4 Emitir uma lista de produtos cujos preços são menores que 100 Emitir a mesma lista de produtos anterior, mostrando apenas a descrição e o preço

23 Emitir uma lista completa de fornecedores, mostrando apenas o nome e a cidade Em um banco de dados, listar a descrição, a quantidade e o preço dos produtos com quantidade maior que zero Numa empresa de consultoria, mostrar o código e o nome de todos os funcionários cuja função seja Atendente Numa empresa de informática, mostrar os nomes e preços dos softwares onde a plataforma seja Windows e Unix (vale somente os que rodam nas duas plataformas).

24 Revisão Aula 15 Álgebra Relacional Operadores de seleção e projeção Operadores da álgebra Relacional (continuação) PRODUTO (x): Faz o produto cartesiano entre duas relações. Fornecedor x Peça Código Nome Cidade Código Nome Preço 1 Silveira Londrina 1 Solução 8,2 1 Silveira Londrina 2 Mangueira 20 1 Silveira Londrina 3 Bobina 16 1 Silveira Londrina 4 Câmera Juvercino Porangatu 1 Solução 8,2 2 Juvercino Porangatu 2 Mangueira 20 2 Juvercino Porangatu 3 Bobina 16 2 Juvercino Porangatu 4 Câmera Ademar Vila Velha 1 Solução 8,2 3 Ademar Vila Velha 2 Mangueira 20 3 Ademar Vila Velha 3 Bobina 16 3 Ademar Vila Velha 4 Câmera Bartolomeu Rio Claro 1 Solução 8,2 4 Bartolomeu Rio Claro 2 Mangueira 20 4 Bartolomeu Rio Claro 3 Bobina 16 4 Bartolomeu Rio Claro 4 Câmera 170 UNIÃO ( ): Faz a união de duas relações. As duas relações devem ter o mesmo número de atributos e estes atributos devem ser de tipos compatíveis. INTERCEÇÃO ( ): Faz a interceção entre duas relações. O resultado serão todas as tuplas comuns às duas relações. Assim como na união as relações devem ter o mesmo número de atributos. DIFERENÇA (- ): Faz a diferença entre duas relações. O resultado serão todas as tuplas que estão em uma relação porém não estão na outra. JUNÇÃO ( ): Conecta duas relações através de seus atributos comuns. O resultado são todas as tuplas combinadas onde o atributo comum tem o mesmo valor nas duas relações. R S (R,S) A B C C D E R.A R.B R.C S.C S.D S.E a b a b c d c d

Organização de arquivos

Organização de arquivos Organização de arquivos Por que ver sistema de arquivos? O sistema de arquivos é quem realmente se responsabiliza por guardar os dados que um aplicativo ou mesmo o banco de dados gerencia. Não é tarefa

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados Modelo Entidade- Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Modelo Entidade- Proposto por Peter Chen, em 1976 Baseado na percepção do mundo real Consiste de um conjunto de objetos básicos

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

Unidade 5 Armazenamento e Indexação

Unidade 5 Armazenamento e Indexação Unidade 5 Armazenamento e Indexação Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 1 1- Bancos de dados compreendem desde agendas telefônicas até sistemas computadorizados. (Sim) 2- Só podemos instalar o SQL Server Express se tivermos

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo )

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo ) Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: B1SGB - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Memória de aula Aula 10 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 Coleção de operações usadas para manipular relações Grupos de operações Operações relacionais Seleção; projeção; junção Operações de conjunto

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 04 SGBD Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Conceitos Básicos DADOS: são fatos em sua forma primária. Ex: nome do funcionário,

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Fundamentos de SQL Structured Query Language Aula2 Apresentado por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

Memória de aula Semanas 15 e 16

Memória de aula Semanas 15 e 16 FMU Curso: Ciência da Computação Disciplina: Banco de Dados I Professor: Ecivaldo Matos Memória de aula Semanas 15 e 16 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas utilize o comando

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Everson Santos Araujo everson@por.com.br Conceitos Dado - Um fato que pode ser armazenado Banco de dados (BD) - Coleção de dados interrelacionados Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Principais Instruções em SQL. Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados.

Principais Instruções em SQL. Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados. Principais Instruções em SQL Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados. Atenção: Esta apostila foi desenvolvida com o auxílio on-line do banco MS-ACCESS,

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

Junções e Índices em Tabelas

Junções e Índices em Tabelas Junções e Índices em Tabelas Prof. Fernanda Baião fernanda.baiao@uniriotec.com.br SGBD Considerados MySQL (http://www.mysql.org) SGBD gratuito e simples, sem muitos recursos avançados Fácil de instalar

Leia mais

Conceitos básicos de Banco de Dados

Conceitos básicos de Banco de Dados Modelagem de Banco de Dados Conceitos básicos de Banco de Dados Professor: Anderson D. Moura Março, 2009 Banco de Dados Bancos de dados, (ou bases de dados), são conjuntos de dados com uma estrutura regular

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS

Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS 1.1 - BANCO DE DADOS - INTRODUÇÃO...2 1.1.1- Dados...2 1.1.2- Hardware...3 1.1.3- Software...3 1.1.4- Usuários...4 1.2 - SISTEMAS DE ARQUIVOS CONVENCIONAIS...5 1.3

Leia mais

MODELO RELACIONAL - UFMA

MODELO RELACIONAL - UFMA MODELO RELACIONAL Universidade Federal do Maranhão - UFMA Departamento de Informática Projeto de Banco de Dados Profª.MSc Simara Rocha simararocha@gmail.com/simara@deinf.ufma.br www.deinf.ufma.br/~simara

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento.

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento. Roteiro Modelo de Dados Relacional Posicionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Introdução

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende:

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende: ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário USUÁRIO A performance do sistema depende: da eficiência das estruturas de dados utilizadas; como o sistema opera

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL. www.pedrofcarvalho.com.br contato@pedrofcarvalho.com.br São José do Rio Preto

Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL. www.pedrofcarvalho.com.br contato@pedrofcarvalho.com.br São José do Rio Preto Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL Objetivos Revisando a sintaxe SQL SELECT, UPDATE, INSERT, DELETE Manipulando expressões Funções matemáticas, etc Condições de Pesquisa Funções de Agregação

Leia mais

Sistema de Aprendizado de Linguagem de Acesso à Dados em um Simulador Compacto de Banco de Dados (Ferramenta Tupan)

Sistema de Aprendizado de Linguagem de Acesso à Dados em um Simulador Compacto de Banco de Dados (Ferramenta Tupan) Sistema de Aprendizado de Linguagem de Acesso à Dados em um Simulador Compacto de Banco de Dados (Ferramenta Tupan) Daniel, H. S. Atilio 1, Gabriel, C. Arroyo 1, Luis, A. da Silva 1 1 Curso de Tecnologia

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo )

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo ) PRONATEC - Programador de Sistemas Banco de Dados 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas utilize o comando INSERT INTO INSERT INTO tabela [ ( coluna [, coluna,...] ) ] VALUES

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

Banco de Dados I 2007 Módulo III: Linguagens de Consulta. (Aula 9) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007 Módulo III: Linguagens de Consulta. (Aula 9) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo III: Linguagens de Consulta (Aula 9) Clodis Boscarioli Agenda: QBE (Query-by-Example) Histórico e Características; Notações; Exemplos da linguagem; Ferramentas que suportam

Leia mais

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R. Fabricio Breve Banco de Dados I Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R Fabricio Breve O Modelo E-R Representação do mundo real por meio de Entidades e dos Relacionamentos entre as entidades Desenvolvido originalmente

Leia mais

Treinamento sobre SQL

Treinamento sobre SQL Treinamento sobre SQL Como Usar o SQL Os dois programas que você mais utilizara no SQL Server são: Enterprise Manager e Query Analyzer. No Enterprise Manager, você pode visualizar e fazer alterações na

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS Unidade 1 - Introdução Dados; Banco de Dados; Base de Dados; Projeto de Banco de Dados.

Leia mais

f. Vocês podem selecionar todos os campos indicando-os, ou seja, sem usar * (boa prática) g. Muito relevante na manutenção de BD e de aplicações.

f. Vocês podem selecionar todos os campos indicando-os, ou seja, sem usar * (boa prática) g. Muito relevante na manutenção de BD e de aplicações. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: B1SGB - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Memória de aula Aula 11 1) Cláusulas SELECT e FROM a. Apesar de ser a primeira, ela é a

Leia mais

CONCORRÊNCIA. 1. Introdução. Recursos exclusivos. Não necessita controle. Abundância de recursos compartilhados. Controle necessário mas mínimo

CONCORRÊNCIA. 1. Introdução. Recursos exclusivos. Não necessita controle. Abundância de recursos compartilhados. Controle necessário mas mínimo CONCORRÊNCIA 1. Introdução Recursos exclusivos Não necessita controle Abundância de recursos compartilhados Controle necessário mas mínimo Harmonia, provavelmente não haverá conflito Recursos disputados

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados. (Aula 1) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados. (Aula 1) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados (Aula 1) Clodis Boscarioli Agenda: Apresentação do Plano de Ensino; Aspectos Históricos; Estrutura Geral de um SGBD; Profissionais

Leia mais

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 7.1 Definição Consiste em mapear o mundo real do sistema em um modelo gráfico que irá representar o modelo e o relacionamento existente entre os dados.

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS Esclarecimento Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2012 da NRSYSTEM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA-ME, consiste de uma compilação de diversos materiais entre livros,

Leia mais

Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados. Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados

Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados. Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 1 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 2 1 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 3 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 4 2 Exemplo de

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Projeto e Implementação

Projeto e Implementação Felipe Nery Rodrigues Machado Banco de Dados Projeto e Implementação 2 Edição 4 Reimpressão São Paulo 2011 Editora Érica Ltda. 3 Projeto Sumário Capítulo 1 O Que É Projeto de Banco de Dados 15 Modelagem

Leia mais

Introdução ao SQL Avançado

Introdução ao SQL Avançado Introdução ao SQL Avançado Introdução as consultas, manipulação e a filtragem de dados com a linguagem SQL Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

Banco de Dados. Modelagem de Dados. Prof.: Salustiano Rodrigues

Banco de Dados. Modelagem de Dados. Prof.: Salustiano Rodrigues Banco de Dados Modelagem de Dados Prof.: Salustiano Rodrigues OBJETIVOS: Dados x Informação; O que é um Banco de Dados? Estrutura de um projeto de Banco de Dados; O que é um mini mundo? O que é o Modelo

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA 1. COMPETÊNCIAS O aluno deverá ser capaz de analisar situações e realizar todo o projeto de banco de dados. 2. HABILIDADES Conhecer o ciclo de vida de um projeto de banco de dados; Conhecer os conceitos

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

SQL. Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno. Faculdade de Informática de Taquara. Igrejinha - RS Brazil

SQL. Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno. Faculdade de Informática de Taquara. Igrejinha - RS Brazil SQL Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno Faculdade de Informática de Taquara Igrejinha - RS Brazil jacirdeoliveira@faccat.br, alencar@philler.com.br Resumo. Este artigo irá descrever a linguagem de

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Modelo Entidade-Relacionamento. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Modelo Entidade-Relacionamento Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Conteúdo Contexto Histórico A Importância da Modelagem de Dados Projeto de Banco de Dados Modelagem Conceitual Projeto Lógico Projeto

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

Prof. Ronaldo R. Goldschmidt. ronaldo@de9.ime.eb.br rribeiro@univercidade.br geocities.yahoo.com.br/ronaldo_goldschmidt

Prof. Ronaldo R. Goldschmidt. ronaldo@de9.ime.eb.br rribeiro@univercidade.br geocities.yahoo.com.br/ronaldo_goldschmidt Prof. Ronaldo R. Goldschmidt ronaldo@de9.ime.eb.br rribeiro@univercidade.br geocities.yahoo.com.br/ronaldo_goldschmidt Prof. Ronaldo Ribeiro Goldschmidt REVISÃO DE BD RELACIONAIS E SQL! "" #!$ #%! $& #

Leia mais