Boas Práticas para Otimização de Consultas a Bancos de. Dados usando SQL Server 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boas Práticas para Otimização de Consultas a Bancos de. Dados usando SQL Server 2005"

Transcrição

1 Boas Práticas para Otimização de Consultas a Bancos de Dados usando SQL Server 2005 LEONARDO FERREIRA SOARES* IREMAR NUNES DE LIMA** RESUMO Este trabalho apresenta algumas das formas utilizadas para o aprimoramento ou otimização das consultas a bancos de dados utilizando o SQL Server Palavras-chave: Banco de Dados. Otimização *Graduando em Tecnologia em Informática pelo Unicentro Newton Paiva **Professor/Orientador - Unicentro Newton Paiva 1. Introdução Em meio a um mercado extremamente competitivo as empresas vêem cada vez mais apostando em sistemas informatizados que dêem apoio à melhoria de seus processos. Dentro desse contexto os Sistemas Gerenciados de Bancos de Dados (SGBD`s) vêem com o intuito de armazenar e gerenciar as informações garantindo sua disponibilidade de forma rápida e eficaz. Mas, em geral, SGBD`s não são ferramentas auto suficientes no que diz respeito a otimização de consultas a banco de dados. Exitem vários fatores que podem influenciar o desempenho de consultas submetidas aos SGBD`s Esse artigo tem como objetivo descrever quais variáveis podem afetar o desempenho de consultas a bancos de dados utilizando o Microsoft SQL Server Antes de abordar alguns pontos sobre a otimização das consultas a banco de dados é necessário ter em mente que não existe uma fórmula exata para obter sucesso na

2 otimização de um banco de dados. Existem sim, algumas regras de boa conduta que deverão ser seguidas para que o objetivo final seja cumprido aproximando-se ao máximo do que se pode chamar de um banco de dados otimizado. Serão tratados assuntos como indexação de tabelas, fator de preenchimento (fillfactor) e análise do plano de execução de consultas SQL. 2. Otimização de Consultas A metodologia para a otimização de um banco de dados envolve identificar as consultas que consomem mais recursos, e então otimizá-las. Em geral, um número pequeno de consultas pode são responsáveis pela maior parte das atividades que ocorrem em um banco de dados (Linha de Código, 2006). É preciso lembrar que toda e qualquer consulta deve primeiro atender os requisitos de quem a usa garantindo a disponibilidade, escalabilidade e segurança das informações (Linha de Código, 2006). A seguir será mostrado algumas ferramentas importantes que ajudam na otimização das consultas. 2.1 Índices Segundo Paulo Riberio, índices são estruturas que possuem algoritmos otimizados para acessar dados em um banco de dados. Tais estruturas constituem uma ferramenta poderosa para o projetista do Banco de Dados no intuito de auxiliá-lo na melhora do desempenho das consultas. O principal papel de um índice é reduzir o número de operações de I/O (leitura e escrita) necessários para localizar os dados solicitados por uma consulta. Sendo assim, ao fazer uso dos índices, o SQL Server 2005 rapidamente localizará e disponibilizará os dados de uma consulta através de um número de I/O muito menor. Ao não utilizar índices, o SQL Server precisa realizar uma operação conhecida como Table Scan, para localizar os dados solicitados. Uma operação Table Scan é uma leitura seqüencial de todos os registros da tabela, o que implica muito mais operações de I/O no disco. As operações de

3 I/O em disco são normalmente bastante lentas quando comparadas com operações de leitura e escrita em memória (BATTISTI, 2005). Os índices podem ser criados em qualquer coluna da tabela, inclusive em uma coluna com valores calculados. O corpo de um índice é formado pelas colunas de uma tabela cujos dados se deseja classificar seguido de uma referencia conhecida como ponteiro, que serve para localizar a página de dados da tabela (BATTISTI, 2005). 2.2 Index Clustered Um clustered index armazena os dados ordenados de acordo com os valores do campo onde o índice foi definido. Ao definir um clustered index, o mesmo organiza os dados da página de acordo com sua chave. Neste caso, o índice está alterando a ordem aleatória da tabela. Este tipo de índice é bastante rápido eficiente para agilizar as operações de localização de registros. Somente podemos ter um clustered index por tabela, pois só poderemos armazenar os dados em ordem de um determinado critério (RIBEIRO). Embora o índice melhore o desempenho das consultas, existe um pequeno overhead para operações de atualização, inserção e exclusão de registro, pois estas operações podem fazer com que a ordem dos registros seja alterada, e que estes tenham que ser reposicionados para manter a ordem definida pelo índice (BATTISTI, 2005). 2.3 Non-Clutered Index Ao se criar um índice não-cluster cria-se na verdade uma estrutura que, através de ponteiros, ligará a linha do índice à correspondente página da tabela sem alterar sua ordem. Os registros estarão armazenados em uma ordem aleatória, porém poderão ser facilmente localizados através do ponteiro (RIBEIRO). A utilização desse tipo de índice é indicada quando os dados podem ser pesquisados por diferentes critérios, uma vez que podemos criar vários nonclustered index em uma tabela. Uma novidade do SQL Server 2005 é a possibilidade de ampliar a funcionalidade de um nonclustered index, através de colunas que não são chaves, como parte do último

4 nível ou camada de nós da folha de dados. Esta opção poderá melhorar consideravelmente o desempenho das consultas (BATTISTI, 2005). O SQL Server 2005 usa a chave clusterizada na página de índice para colocar o ponto do índice, e uma chave armazenando o local da informação. Tabelas que contém índices cluster e índices não cluster são muito comuns. O melhor nessas situações é criar o índice cluster primeiro (que irá organizar os dados e o índice em ordem ascendente) e depois criar o índice não clusterizado nas colunas que forem necessárias como FK`s, ou colunas muito acessadas. Deve-se tomar cuidado com a utilização dos dois tipos de índices em uma única tabela. Nesse caso o SQL acaba por utilizar os dois meios de busca gerando um I/O muito grande. 2.4 Index Keys Index Keys são as colunas utilizadas para a definição de um índice. A chave do índice é um valor que permite que o registro correspondente seja facilmente localizado. Nesse caso o valor a ser procurado será exatamente igual ao valor da chave (RIBEIRO). 2.5 Index Uniqueness Nesse tipo de índice não há unicidade nos valores armazenados. Um índice não único permite valores repetidos para a chave, porém será proporcionalmente mais efetivo quanto mais variarem os valores para o campo (RIBEIRO). 2.6 FILL FACTOR A opção fill factor determina qual a porcentagem de uma página de dados deve ser preenchido com o índice e quanto deve ser mantido em branco, reservado para inclusões e alterações. Por exemplo, se utilizarmos o fill factor igual a 80%, então o SQL Server irá apenas preencher 80% de cada página com os índices. Se alterarmos ou incluirmos dados, o SQL consegue reorganizar os índices de uma maneira mais rápida, pois ele tem 20% de espaço em branco em cada página de dados para poder preencher (Linha de Código, 2006). A decisão de usar ou não fill factor depende do número de inclusões e alterações

5 que se espera receber em uma tabela. Se o banco for utilizado somente para consulta, então a melhor coisa a se fazer é colocar o fill factor 100%, pois não há necessidade de deixar espaço em branco nas páginas de índices, já que eles jamais serão reorganizados (RIBEIRO). Imagine que uma tabela tem de registros e que, diariamente, novos registros são adicionados ou modificados. Se colocado o fill factor igual a 90%, muito provavelmente em dez dias o espaço em branco que o SQL Server reservou já foi tomado. Nesse contexto haverá uma queda de desempenho na hora de incluir registros na tabela. Agora, se colocado o fill factor igual a 70%, não teremos queda de performance durante um mês (Linha de Código, 2006). Quanto maior o fill factor maior será o tempo entre manutenções do índice do banco de dados. O fill factor ideal de um índice será aquele que causar menos fragmentação para um determinado período de analise 2.8 DBCC Database Consistency Cheker No SQL Server 2005, através da linguagem transacional, temos uma série de comando que podem ser de grande utilidade na manutenção de tabelas e índices. Entre os vários comando DBCC existentes, alguns merecem atenção maior quando falamos de otimização de consultas. Abaixo veremos quais são eles divididos por quatro categorias Comandos de Manutenção Comandos para manutenção preventiva ou corretiva no banco de dados: DBCC DBREINDEX Reconstrói os índices de uma tabela. Muito útil para manutenção de índices. DBCC DBREPAIR Apaga um banco corrompido. Use DRP DATABASE ao invés de DBCC DBREPAIR. DBCC Desfragmenta um ou mais índices de uma tabela. Melhora a

6 INDEXDEFRAG performance do índice. Fonte: PICHILIANI Comandos Gerais Possuem diversas funcionalidades, como alocação de tabela na memória, ajuda sobre outros comandos DBCC e pinagem de tabela: DBCC HELP DBCC PINTABLE Retorna a sintaxe de algum outro comando DBCC Pina a tabela, ou seja, faz o SQL Server não liberar da memória algumas informações de uma tabela. Se utilizado com cuidado, há ganho de performance. DBCC UNPINTABLE Faz o SQL Server liberar da memórias algumas informações de uma tabela que foi pinada como comando DBCC PINTABLE. DBCC ROWLOCK Simplesmente incluída por compatibilidade. A funcionalidade que este comando proporcionava já é embutida automaticamente no SQL Server 2000 DBCC TRACEON Habilita um flag de trace que é necessário para outros comandos DBCC. DBCC TRACEOFF Desabilita um flag de trace setado como comando DBCC TRACEON Fonte: PICHILIANI Comandos de Status Fazem algumas verificações de algumas configurações do banco de dados: DBCC OPENTRAN Mostra informações sobre a transação mais velha ( mais tempo executando ) em um banco de dados. DBCC SHOWCONTIG Mostra várias informações sobre os índices de uma tabela, inclusive o nível de fragmentação do índice. DBCC SHOW_STATISTICS Mostra as informações sobre as estatísticas de uma tabela. Estatísticas são muito importantes para a melhora de performance.

7 DBCC TRACESTATUS Mostra a situação dos flags de trace que foram setados com o DBCC TRACEON. Estes traces controlam configurações internas do SQL Server Fonte: PICHILIANI Comandos de validação Checagem de alguns objetos do banco de dados como tabelas, valores das colunas IDENTITY e constraints: DBCC CHECKALLOC Verifica o espaço para as estruturas de alocações internas do SQL Server. Permite alguns reparos em caso de erro. DBCC CHECKCATALOG Somente checa a consistência de algumas tabelas de sistema do SQL Server ( que compõem o Database Catalog ). Não faz reparos DBCC CHECKCONSTRAINTS DBCC CHECKDB Checa os relacionamentos de uma determinada constraint no banco de dados. Não faz reparos. Verifica erros de alocação e de consistência em vários objetos do banco de dados. Pode efetuar reparos importantes em caso de erro. DBCC CHECKFILEGROUP Muito parecido com o DBCC CHECKDB, porém só faz a verificação no nível do filegroup de um database. Não faz reparos DBCC CHECKIDENT Chega e corrige, caso necessário, valores de colunas que possuem a propriedade IDENTITY. Pode inclusive resetar o valor inicial ( seed ) da coluna que possui a propriedade IDENTITY. DBCC CHECKTABLE Checa e corrige a integridade das páginas de dados, índices, ntext, text e image para uma tabela ou uma indexed view DBCC NEWALLOC Idêntica à DBCC CHECKALLOC. Foi mantida por Fonte: PICHILIANI compatibilidade.

8 2.9 SQL Server Profiler Profiler é uma ferramenta que monitora a atividade de uma ou mais instâncias de um servidor SQL Server. Entende-se por atividade desde uma conexão efetuada por um usuário até comandos executados através de uma conexão. Com a utilização do Profiler temos a possibilidade de capturar e uma série de comandos enviados por uma determinada instância do SQL Server e armazena-las para testes futuros. Imaginando que uma aplicação faça uso de constantes consultas ao banco de dados, pode-se então armazená-las e após a criação ou reestruturação de índices, ou definição de diferentes porcentagens de fill factor, teremos a possibilidade de fazer a analise em conjunto das alterações realizadas facilitando a tomada de decisões. À captura destes comandos ou eventos dá-se o nome de trace. O trace poderá ser configurado de acordo com as necessidades do administrador do banco Configurando o Trace Após a execução da ferramenta Profiler, clicar no menu FILE NEW TRACE. Surgirá uma janela perguntando qual instância do servidor SQL Server deseja-se monitorar conforme figura 1. Após a seleção do Servidor surge a janela de propriedades do trace. Nesta janela podemos definir qual o modelo de trace será utilizado e personalizar algumas

9 características, conforme indicado na figura 1.2. Para iniciar a captura dos eventos será necessário um duplo clique no botão Run. Na figura 1.3 pode-se ver o evento de consulta Select executado no banco de dados Estatisticas de I/O As estatísticas de I/O podem ser um ótimo indicador de desempenho no processo de criação de uma consulta. Para fazer a verificação das estatísticas de uma consulta, basta, antes da

10 execução do comando transacional SQL, inserir o comando Set Statistcis IO ON. Dessa forma, após a execução da consulta estarão detalhadas as informações de estatística da mesma. Segue algumas das informações fornecidas: - Logical Reads : informa o número de páginas lidas em memória. (RIBEIRO, 2006). - Physical Reads: número de páginas lidas em disco. Se as páginas requeridas por um comando não estão em memória, devem ser lidas do disco para a memória. Quando você executa um comando pela primeira vez, podem ocorrer leituras físicas. Se você executar o mesmo comando repetidas vezes, irá notar que leituras físicas são convertidas em leituras lógicas. As leituras físicas desaparecem, permanecendo somente as leituras lógicas (RIBEIRO, 2006). - Read Ahead Reads: páginas lidas por antecipação. O SQL Server 2000 lê páginas adicionais para efeito de otimização, mantendo-as em cache para agilizar sua utilização por outras queries (RIBEIRO, 2006). - Scan Count: número de vezes que a tabela foi acionada. Dependendo da maneira como escrevemos a query, o mesmo pelo modêlo de join utilizado, uma mesma tabela pode ser acessada repetidas vezes exemplo: uma subquery na linha do select exige um acesso para cada linha lida na tabela principal, portanto o scan count das tabelas presentes na subquery será igual ao número de linhas retornadas pelo select (RIBEIRO, 2006). Server Profiler. Tais informações também poderão ser verificadas através da ferramenta SQL 3.0 Conclusão O SQL Server 2005 possui um conjunto de soluções vastas e complexas para a otimização de consultas a bancos de dados. Porém, entendendo alguns conceitos sobre criação de índices, análise de estatísticas, fator de preenchimento das páginas dos índices e outros comandos ou ferramentas apresentadas ao longo do artigo, já se pode obter um grande ganho na otimização das consultas a banco. Seja na construção ou verificação de consultas já desenvolvidas por outras

11 pessoas, percebe-se que, apesar de ser o objetivo central das consultas, não basta apenas obter as informações desejadas. É necessário que as informações sejam retornadas no menor tempo possível para que se atinja um nível de satisfação aceitável com os usuários de sistemas informatizados. REFERÊNCIAS BATTISTI, Júlio SQL Server 2005: Administração e Desenvolvimento: Curso Completo. Janeiro: Axcel Books, Linha de Código: SQL Server Índices. Disponível em Acesso em 02 Out RIBEIRO, Paulo: SQL Magazine; Entendendo e utilizando índices na otimização de queries no SQL Server. RIBEIRO, Paulo: SQL Magazine; Otimização e Tunning Parte 1. 2ª Edição. RIBEIRO, Paulo: SQL Magazine; Otimização e Tunning Parte 2. 2ª Edição RIBEIRO, Paulo: SQL Magazine; Tuning Estatísticas de I/O. Disponível em Acesso em 18 Nov PICHILIANI, Mauro: IMaster; Comandos DBCC no SQL Server. Disponível em Acesso em 18 Nov

ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 IREMAR NUNES DE LIMA 2

ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 IREMAR NUNES DE LIMA 2 ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 RAMON FELIPE MOREIRA DIAS DE SOUZA 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo identifica e discute diversas estratégias que podem ser utilizadas

Leia mais

Um objeto de estatística contém informações de distribuição de valores de uma ou mais colunas de uma tabela ou view indexada

Um objeto de estatística contém informações de distribuição de valores de uma ou mais colunas de uma tabela ou view indexada Desvendando Estatísticas do SQL Server Parte 1 Nesta série de artigos vamos dar um mergulho profundo nas Teorias Probabilísticas (mais conhecido como estatísticas) do SQL Server. Introdução Estatísticas

Leia mais

Fox Gerenciador de Sistemas

Fox Gerenciador de Sistemas Fox Gerenciador de Sistemas Índice 1. FOX GERENCIADOR DE SISTEMAS... 4 2. ACESSO AO SISTEMA... 5 3. TELA PRINCIPAL... 6 4. MENU SISTEMAS... 7 5. MENU SERVIÇOS... 8 5.1. Ativação Fox... 8 5.2. Atualização

Leia mais

Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A

Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A Índice ANTES DE VOCÊ COMEÇAR... 4 PRÉ-REQUISITOS... 4 SCREEN SHOTS... 4 A QUEM SE DESTINA ESTE MANUAL... 4 COMO UTILIZAR ESTE MANUAL... 4 Introdução... 5 INSTALANDO

Leia mais

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional.

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. Arquitetura Oracle e seus componentes Hoje irei explicar de uma forma geral a arquitetura oracle e seus componentes. Algo que todos os DBA s, obrigatoriamente, devem saber de cabo a rabo. Vamos lá, e boa

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO Antes de criarmos um novo Banco de Dados quero fazer um pequeno parênteses sobre segurança. Você deve ter notado que sempre

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Iniciando o MySQL Query Brower

Iniciando o MySQL Query Brower MySQL Query Brower O MySQL Query Browser é uma ferramenta gráfica fornecida pela MySQL AB para criar, executar e otimizar solicitações SQL em um ambiente gráfico. Assim como o MySQL Administrator foi criado

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

CONTENÇÕES NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2

CONTENÇÕES NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 CONTENÇÕES NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 ROMULO RUBENS CUNHA JUNIOR 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo aborda os tipos de contenções que podem ocorrer no Sistema Gerenciador de Banco de

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

Projeto de Banco de Dados: Empresa X

Projeto de Banco de Dados: Empresa X Projeto de Banco de Dados: Empresa X Modelo de negócio: Empresa X Competências: Analisar e aplicar o resultado da modelagem de dados; Habilidades: Implementar as estruturas modeladas usando banco de dados;

Leia mais

Cursos Guia DBA Pacote Curso SQL Server 2014 e o passo a passo para otimização SQL Server 2016

Cursos Guia DBA Pacote Curso SQL Server 2014 e o passo a passo para otimização SQL Server 2016 2015 Cursos Guia DBA Pacote Curso SQL Server 2014 e o passo a passo para otimização SQL Server 2016 O pacote inclui os dois cursos mais simulados para a prova de certificação, exercícios, e-book e app

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados Ricardo Henrique Tassi - Departamento de Replicação Índice 1- Introdução... 03 2- Quais são os bancos de dados mais conhecidos hoje em dia...04 3- Quais são os tipos de banco...05

Leia mais

Manter estatísticas atualizadas é uma das regras de ouro na busca por performance.

Manter estatísticas atualizadas é uma das regras de ouro na busca por performance. Atualização de Estatísticas Um objeto de estatística pode ser atualizado manualmente pelo usuário, através dos comandos SP_UPDATESTATS e/ou UPDATE STATISTICS. Enquanto que a procedure SP_UPDATESTATS atualiza

Leia mais

Microsoft Access XP Módulo Um

Microsoft Access XP Módulo Um Microsoft Access XP Módulo Um Neste primeiro módulo de aula do curso completo de Access XP vamos nos dedicar ao estudo de alguns termos relacionados com banco de dados e as principais novidades do novo

Leia mais

Aula 2 Arquitetura Oracle

Aula 2 Arquitetura Oracle Aula 2 Arquitetura Oracle Instancia Oracle Uma instância Oracle é composta de estruturas de memória e processos. Sua existência é temporária na memória RAM e nas CPUs. Quando você desliga a instância em

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA

AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA 2.1 Desfragmentador de Disco (DFRG.MSC): Examina unidades de disco para efetuar a desfragmentação. Quando uma unidade está fragmentada, arquivos grandes

Leia mais

Edidoc. Copyright 2005-2010, ProDesk Consultoria e Treinamento. Porto Alegre/RS, Brasil.

Edidoc. Copyright 2005-2010, ProDesk Consultoria e Treinamento. Porto Alegre/RS, Brasil. Manual do usuário Edidoc Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-UsoNãoComercial-Compartilhamento pela mesma licença. Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5/br/

Leia mais

PRÁTICAS E FERRAMENTAS PARA OTIMIZAÇÃO DO DESEMPENHO DE BANCO DE DADOS SQL SERVER

PRÁTICAS E FERRAMENTAS PARA OTIMIZAÇÃO DO DESEMPENHO DE BANCO DE DADOS SQL SERVER PRÁTICAS E FERRAMENTAS PARA OTIMIZAÇÃO DO DESEMPENHO DE BANCO DE DADOS SQL SERVER Renan Gonçalves JAYME1 Ana Paula Ambrosio ZANELATO2 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo descrever algumas práticas

Leia mais

Guia de início rápido do Powersuite

Guia de início rápido do Powersuite 2013 Ajuste e cuide do desempenho de seu computador com um aplicativo poderoso e ágil. Baixando e instalando o Powersuite É fácil baixar e instalar o Powersuite geralmente, demora menos de um minuto. Para

Leia mais

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Características do Software Urano Integra 2.2 Data: 12/05/2014

Leia mais

MySQL Query Browser. Professor Victor Sotero SGD

MySQL Query Browser. Professor Victor Sotero SGD MySQL Query Browser Professor Victor Sotero SGD 1 DEFINIÇÃO O MySQL Query Browser é uma ferramenta gráfica fornecida pela MySQL AB para criar, executar e otimizar solicitações SQL em um ambiente gráfico.

Leia mais

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela Certamente você já ouviu falar muito sobre triggers. Mas o quê são triggers? Quando e como utilizá-las?

Leia mais

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle PL/SQL Developer é um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) que foi especialmente destinado ao desenvolvimento de programas armazenados em

Leia mais

Manual de uso do Gerente

Manual de uso do Gerente Manual de uso do Gerente Manual do Hypnobox: www.hypnobox.com.br/manual Índice Acessar o Hypnobox Endereço o www Login e Senha Tela Principal Perfil de acesso Editar Dados pessoais Fila de corretores Gerenciar

Leia mais

Editor de Questões E24H

Editor de Questões E24H Editor de Questões E24H Conteúdo: Apresentação O que é o Editor de Questões Objetivos Potencialidades Vantagens adicionais Visualização no site (Quem acessa o Editor de Questões) (não Para quem o Editor

Leia mais

Auslogics BoostSpeed 5 Manual

Auslogics BoostSpeed 5 Manual Página 1 Auslogics BoostSpeed 5 Manual [ Instalando e usando o Auslogics BoostSpeed 5 ] Página 2 Sumário O que é o Auslogics BoostSpeed?... 3 Recursos... 3 Comparando edições... 4 Instalação do programa...

Leia mais

1.INDÍCE... ERROR! BOOKMARK NOT DEFINED. 3.CONSULTA CIRCULARES... 6 5.PROMOÇÕES E EVENTOS... 8. Consultando Promoções e Eventos 8.

1.INDÍCE... ERROR! BOOKMARK NOT DEFINED. 3.CONSULTA CIRCULARES... 6 5.PROMOÇÕES E EVENTOS... 8. Consultando Promoções e Eventos 8. Indíce 1.INDÍCE... ERROR! BOOKMARK NOT DEFINED. 2.QUADRO DE AVISOS... 4 3.CONSULTA CIRCULARES... 6 4.CONSULTA NOTÍCIAS... 7 5.PROMOÇÕES E EVENTOS... 8 Consultando Promoções e Eventos 8 6.CONSULTAS GERAIS...

Leia mais

Manual Comunica S_Line

Manual Comunica S_Line 1 Introdução O permite a comunicação de Arquivos padrão texto entre diferentes pontos, com segurança (dados criptografados e com autenticação) e rastreabilidade, isto é, um CLIENTE pode receber e enviar

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

AUDITORIA NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2. Resumo: Este artigo discute o processo de auditoria no Sistema Gerenciador de

AUDITORIA NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2. Resumo: Este artigo discute o processo de auditoria no Sistema Gerenciador de AUDITORIA NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 WADSON DUARTE MONTEIRO 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo discute o processo de auditoria no Sistema Gerenciador de Banco de Dados SQL Server 2008

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

Gestão de Ativos. Manual do Usuário. Treinamento Fase 1 (TRN 01)

Gestão de Ativos. Manual do Usuário. Treinamento Fase 1 (TRN 01) Gestão de Ativos Manual do Usuário Treinamento Fase 1 (TRN 01) Índice 1. Introdução... 3 2. Movimentações de Ativos... 4 2.1. Monitoração... 4 2.1.1. Monitor de Movimentação de Ativos...4 2.2. Transações...15

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro O MySQL Cluster é versão do MySQL adaptada para um ambiente de computação distribuída, provendo alta disponibilidade e alta redundância utilizando

Leia mais

4 Implementação e Resultados Experimentais

4 Implementação e Resultados Experimentais 4 Implementação e Resultados Experimentais Com o objetivo de fazer a criação automática de visões materializadas, ou seja, prover uma solução on-the-fly para o problema de seleção de visões materializadas,

Leia mais

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis.

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis. UNISA Universidade de Santo Amaro http://www.unisa.br Material de Estudo Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server http://www.unisa-sis.info Junho/2010 Objetivo do Workshop Compartilhar e apresentar

Leia mais

II Torneio de Programação em LabVIEW

II Torneio de Programação em LabVIEW Desenvolvimento da Aplicação II Torneio de Programação em LabVIEW Seção I: Requisitos Gerais A aplicação submetida deverá atender, pelo menos, às exigências de funcionamento descritas na Seção II deste

Leia mais

3.000.000 de registros de candidatos e respondentes de pesquisa, número que continua crescendo.

3.000.000 de registros de candidatos e respondentes de pesquisa, número que continua crescendo. SUMÁRIO 1 1 - Conceitos Gerais O CRQ é um sistema de controle de qualidade utilizado na etapa de recrutamento de estudos de natureza qualitativa. Ele é um banco de dados que tem como principal objetivo

Leia mais

Manual Integra S_Line

Manual Integra S_Line 1 Introdução O é uma ferramenta que permite a transmissão Eletrônica de Resultado de Exames, possibilitando aos Prestadores de Serviços (Rede Credenciada), integrarem seus sistemas com os das Operadoras

Leia mais

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP PMAT Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações Manual 1 Índice 1. O que é o Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações PMAT... 3 2. Acessando o sistema pela primeira vez Download... 3 3. Fluxogramas

Leia mais

Worldwide Online TechDay. 30 - Outubro

Worldwide Online TechDay. 30 - Outubro 30 - Outubro 1 Como funciona um banco de dados Microsoft SQL Server? Fabricio Catae Premier Field Engineer Microsoft Certified Master Twitter: @fcatae WebSite: http://blogs.msdn.com/fcatae/ 2 Nossos Parceiros

Leia mais

Treinamento Auditor Fiscal. Instrutor: Jaime Naves Gestora: Adriana Nunes

Treinamento Auditor Fiscal. Instrutor: Jaime Naves Gestora: Adriana Nunes Treinamento Auditor Fiscal Instrutor: Jaime Naves Gestora: Adriana Nunes Conceito: O Auditor Fiscal WEB é uma solução que permite a usuários de qualquer segmento empresarial realizar auditorias sobre os

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte.

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. MANUAL DE SUPORTE Controle de Suporte Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. SUMÁRIO Considerações Iniciais... 3 Acesso... 4 Controle de Suporte... 5 1. Solicitação de Atendimento...

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

JDBC Java Database Connectivity

JDBC Java Database Connectivity 5 JDBC Java Database Connectivity Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Trabalhar com bancos de dados em aplicações web em JSP através das classes

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Sphinx iq2 Utilização da ferramenta SphinxMobile

Sphinx iq2 Utilização da ferramenta SphinxMobile Sphinx iq2 Utilização da ferramenta SphinxMobile Pré-requisitos: Lista de variáveis Hospedagem ativa em um Servidor da SPHINX Brasil Módulo Mobile Offline ativo na conta Aplicativo SphinxMobile instalado

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA DE MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Empresas Especiais Suporte 2.01. Cadastro das empresas 2.02. Relação das empresas 2.03. Controle das emissões 2.04. Exclusão

Leia mais

Manual de Utilização Chat Intercâmbio

Manual de Utilização Chat Intercâmbio Manual de Utilização Chat Intercâmbio 1 INDICE 1 Chat Intercâmbio... 6 1.1 Glossário de Termos Utilizados.... 6 1.2 Definições de uma Sala de Chat... 7 1.3 Como Acessar o Chat Intercâmbio... 8 1.4 Pré-requisitos

Leia mais

T-SQL Mitos. Vamos criar uma tabela para os nossos exemplos e, em seguida, comparar planos de execução. Mãos à obra.

T-SQL Mitos. Vamos criar uma tabela para os nossos exemplos e, em seguida, comparar planos de execução. Mãos à obra. T-SQL Mitos Mito T-SQL: COUNT(1) é mais rápido que COUNT(*) Já escutei algumas pessoas afirmarem, inclusive DBAs, que usar COUNT(1) é mais performático que COUNT(*). Além disso, também ouço programadores

Leia mais

Guia Rápido. Copyright 2011 - Todos os direitos reservados.

Guia Rápido. Copyright 2011 - Todos os direitos reservados. Guia Rápido Copyright 2011 - Todos os direitos reservados. SUMÁRIO 1. Informações Gerais...5 1.1 EasyPass... 5 1.2 Vantagens do uso... 6 1.3 Necessidade do re-cadastro... 6 2. Conceitos Básicos...7 2.1

Leia mais

MODEM USB LTE LU11. Manual do Usuário

MODEM USB LTE LU11. Manual do Usuário MODEM USB LTE LU11 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo Manual do Usuário... 1 1 Introdução... 3 2 Instalação... 4 3 Descrição da Interface do Cliente... 5 3 Conexão... 8 5 Mensagens SMS... 10 6 Contatos...

Leia mais

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação.

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação. Mecanismo usado para mais fácil e rapidamente aceder à informação existente numa base de dados. Bases de Dados de elevadas dimensões. Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de

Leia mais

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO BLOG DO CONHECIMENTO APRESENTAÇÃO O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma ferramenta de COLABORAÇÃO que tem como objetivo facilitar

Leia mais

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP Obrigado por utilizar os produtos Dimy s. Antes de operar o equipamento, leia atentamente as instruções deste manual para obter um desempenho adequado. Por favor,

Leia mais

Android e Bancos de Dados

Android e Bancos de Dados (Usando o SQLite) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS GUIA DE BOAS PRÁTICAS Sumário Requisitos para um bom funcionamento...3 Menu Configurações...7 Como otimizar o uso da sua cota...10 Monitorando o backup...8 Manutenção de arquivos...12 www.upbackup.com.br

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Manual do e-dimed 4.0

Manual do e-dimed 4.0 Manual do e-dimed 4.0 Instalação e Configuração - Módulo Cliente Após a instalação do e-dimed ser efetuada, clique no atalho criado no desktop do computador. Será exibida a janela abaixo: A instalação

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup MANUAL DO USUÁRIO Software de Ferramenta de Backup Software Ferramenta de Backup Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL;

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL; Boletim Técnico EP3 11/07 Utilizando Funções e Blocos Funcionais de usuário pelo software A1 19 de outubro de 2007 O objetivo deste boletim é mostrar como utilizar o recurso de Funções (Functions) e Blocos

Leia mais

Manual Recurso - Criar Tabela Instrução SQL. FullCopyConvert Data

Manual Recurso - Criar Tabela Instrução SQL. FullCopyConvert Data Manual Recurso - Criar Tabela Instrução SQL. FullCopyConvert Data Revisão: Janeiro / 2014 Sumário Bem-vindo ao FullCopyConvert Data! Estas instruções irão guiá-lo para criação de uma tabela através de

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.2 1 2 Material usado na montagem dos Slides Bibliografia

Leia mais

COMO INSTALAR O CATÁLOGO

COMO INSTALAR O CATÁLOGO Este guia tem por finalidade detalhar as etapas de instalação do catálogo e assume que o arquivo de instalação já foi baixado de nosso site. Caso não tenho sido feita a etapa anterior favor consultar o

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO. Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11.

TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO. Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11. TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11. 1.0 Alocação de memória Antes de utilizar o cartão, é necessário conhecer a forma como a linha CP1 aloca as memórias

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Manual Prescrição Fácil

Manual Prescrição Fácil TH Sistemas Web Manual Prescrição Fácil HTTP:// Sumário Prescrição Fácil... 3 Como cadastrar no sistema?... 3 Tela Inicial... 5 Configuração Parâmetro... 5 Configuração - Alterar Senha... 6 Prescrição

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Projeto: Camada Independente de Dispositivo

Projeto: Camada Independente de Dispositivo Projeto: Camada Independente de Dispositivo Introdução Esse documento tem como finalidade demonstrar como será implementada a Camada Independente de Software. Estrutura A camada independente de software

Leia mais

TELA PRINCIPAL. Exibe uma lista de configurações de efeitos disponíveis. A visualização pode ser filtrada por: Aplicação, Cliente e Categoria.

TELA PRINCIPAL. Exibe uma lista de configurações de efeitos disponíveis. A visualização pode ser filtrada por: Aplicação, Cliente e Categoria. TELA PRINCIPAL 1 Lista de Efeitos: Exibe uma lista de configurações de efeitos disponíveis. A visualização pode ser filtrada por: Aplicação, Cliente e Categoria. 2 Aplicações: Exibe uma lista de tipos

Leia mais

Tutorial 02 Promovendo o Windows 2000/2003 Server a um Controlador de Domínio

Tutorial 02 Promovendo o Windows 2000/2003 Server a um Controlador de Domínio Tutorial 02 Promovendo o Windows 2000/2003 Server a um Controlador de Domínio Muitos tutoriais iniciam a explicação do processo em uma fase adiantada, ou seja, considerando que o leitor já sabe algumas

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

0079 - Relatórios Protheus

0079 - Relatórios Protheus Relatórios Todos os direitos autorais reservados pela TOTVS S.A. Proibida a reprodução total ou parcial, bem como a armazenagem em sistema de recuperação e a transmissão, de qualquer modo ou por qualquer

Leia mais

Gabarito - Programação C# com Visual Studio - Intermediário - 05/08/2013 AULA 01. 1 Perguntas e Respostas

Gabarito - Programação C# com Visual Studio - Intermediário - 05/08/2013 AULA 01. 1 Perguntas e Respostas Gabarito - Programação C# com Visual Studio - Intermediário - 05/08/2013 1 Perguntas e s AULA 01 1- A ferramenta responsável pelo auto incremento chama- se Identity. (Sim) 2- A ferramenta responsável pelo

Leia mais

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização TRANSMISSOR ECF Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista Manual de Utilização 1. Histórico de alterações Data Versão Alteração 04/12/2012 1 Criação do documento 28/02/2013 2 Revisão 2. Proposta

Leia mais

PCKeeper. Inteligência humana

PCKeeper. Inteligência humana PCKeeper Inteligência humana O é um aplicativo completo que une de forma inovadora a precisão do software e a compaixão do ser humano. Os especialistas certificados pela Microsoft do PCKeeper avaliam pessoalmente

Leia mais

O que há de novo. Audaces Idea

O que há de novo. Audaces Idea O que há de novo Audaces Idea Com o propósito de produzir tecnologia de ponta, o principal requisito da Política de Qualidade da Audaces é buscar a melhoria contínua de seus produtos e serviços. Inovadora

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 1) No sistema operacional Microsoft Windows 8, uma forma rápida de acessar o botão liga/desliga é através do atalho: a) Windows + A. b) ALT + C. c) Windows + I. d) CTRL +

Leia mais

LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS

LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/36 LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS Macro Imprimir Neste exemplo será criada a macro Imprimir que, ao ser executada, deverá preparar a

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD Em sua versão inicial, o aplicativo RDB2LOD foi desenvolvido para instalação e execução em ambiente de máquina virtual Java, e oferece suporte aos SGBDs

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Versão 1.0 CARBON SYSTEM. Manual do Software Ponto Legal. Manual do PONTO LEGAL

Versão 1.0 CARBON SYSTEM. Manual do Software Ponto Legal. Manual do PONTO LEGAL Versão 1.0 CARBON SYSTEM Manual do Software Ponto Legal Manual do PONTO LEGAL S O F T W A R E P A R A E M I S S Ã O D O R E L A T Ó R I O E S P E L H O D E P O N T O Manual do Ponto Legal Versão 1.0 Carbon

Leia mais

Autenticação de dois fatores no SonicOS

Autenticação de dois fatores no SonicOS Autenticação de dois fatores no SonicOS 1 Observações, cuidados e advertências OBSERVAÇÃO: uma OBSERVAÇÃO indica informações importantes que ajudam a usar seu sistema da melhor forma. CUIDADO: um CUIDADO

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes GESTOC Versão 9.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Introdução... 2 2. Escopo... 2 3. Implementações... 2 0002061: Emissão de notas de remessa com vasilhames e embalagens... 3 0002062: Emissão

Leia mais

Escritório Virtual Administrativo

Escritório Virtual Administrativo 1 Treinamento Módulos Escritório Virtual Administrativo Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual e módulo Administrativo do sistema Office 2 3 1. Escritório

Leia mais