FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL"

Transcrição

1 Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação. O Departamento de Pesquisas da IBM desenvolveu a SQL como forma de interface para o sistema de BD relacional denominado SYSTEM R, início dos anos 70. Em 1986 o American National Standard Institute (ANSI), publicou um padrão SQL. Nesta quinta unidade abordaremos um estudo prático sobre a Linguagem SQL, aprendendo a desenvolver consultas com filtros, a extrair dados de várias tabelas e a manipular estruturas internas do banco. Para iniciarmos, é fundamental que você seja apresentado a linguagem SQL, conhecendo a sua divisão. 2.1 SQL STRUCTURED QUERY LANGUAGE SQL apresenta uma série de comandos que permitem à definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language), composta pelo comando Create, que é destinado à criação no Banco de Dados, das Tabelas que o compõe, além das relações existentes entre as tabelas. Como exemplo de comandos da classe DDL, podemos citar os comandos Create, Alter e Drop. Os comandos da série DML (Data Manipulation Language), destinados à consultas, inserções, exclusões e alterações em um ou mais registros de uma ou mais tabelas de maneira simultânea. Como exemplo de comandos da classe DML, podemos citar os comandos Select, Insert, Update e Delete. Vamos ver cada um deles! I- COMANDOS DDL 1- CRIANDO UMA TABELA DE DADOS Para criar uma tabela de dados através de um script SQL é necessário utilizar a seguinte sintaxe: Create Table <Tabela> ( Definição dos atributos ) Create Table Convenios ( Con_Codigo Integer Not Null Primary Key, Con_Descricao Char(40) Not Null ) Conforme o modelo relacional, existem algumas restrição que devem ser definidas na criação da tabela, tais como: primária, unicidade, estrangeira e domínio. Chave primária: CONSTRAINT nomerestrição primary key (nomecoluna [,nomecol2[...,nomecoln]])

2 Unicidade: CONSTRAINT nomerestrição UNIQUE (nomecoluna [,nomecol2[...,nomecoln]]) Estrangeira: CONSTRAINT nomerestrição FOREIGN key (nomecoluna [,nomecol2[...,nomecoln]]) REFERENCES Tabela-Referenciada (refcol1[,refcol2[,..[,refcoln]]]) on delete [cascade noaction] Domínio: CONSTRAINT nomerestrição CHECK (expressão booleana) 2- ALTERANDO UMA TABELA DE DADOS Para alterar uma tabela de dados através de um script SQL é necessário utilizar a seguinte sintaxe: Sendo que: Alter Table <Tabela> <Operação> Operação = ADD (para adicionar), DROP (para excluir) e ALTER (para alterar) Ex 1.: Alter Table Convênios ADD Con_Endereco Char(40) Ex 2.: Alter Table Convênios ALTER Con_Endereco Varchar(60) Ex 3.: Alter Table Convênios DROP Con_Endereco 3- EXCLUINDO UMA TABELA DE DADOS Para excluir uma tabela de dados através de um script SQL é necessário utilizar a seguinte sintaxe, Caso haja um chave estrangeira apontando para a tabela, tem-se que, primeiramente, eliminar a chave estrangeira (alter table.. Drop ), Só pode ser realizado por usuário com autorização: owner, grupo sysadmin : Drop Table <Tabela> Drop Table Pacientes

3 II- COMANDOS DML 1- INCLUSÃO DE REGISTROS EM UMA TABELA Para incluir registros em uma tabela é necessário utilizar a seguinte sintaxe: Insert Into <Tabela> (<Campo 1>, <Campo 2>,..., <Campo N>) values (<Valor 1>, <Valor 2>,..., <Valor N>) (<Campo 1>, <Campo 2>,..., <Campo N>) são os campos que terão seus dados informados (pode haver qualquer quantidade de campos). É opcional, e nesse caso você deve especificar todos os campos na ordem em que foram gravados no banco de dados. Os valores após values devem obrigatoriamente ser do mesmo tipo do seu campo respectivo e estar entre aspas (caso sejam do tipo caractere). A quantidade de itens em values deve ser igual ao de campos e estar em suas respectivas posições (um campo para um valor). Insert into pacientes (Pac_Mat, Pac_Nome, Pac_End) values (4, CÁSSIO, RUA BOA VENTURA ) 2- CONSULTAS NAS TABELAS 2.1- Seleção Simples Sintaxe: Onde: Select <atributos> From <tabelas> Select Indica quais as informações de cada registro que serão retornadas como resultado. From Indica em quais tabelas serão realizadas a consulta. Pacientes (Utilizaremos esta tabela para todos os exemplos deste material) Pac_Mat Pac_Nome Pac_End Pac_Bairro Pac_Idade Pac_Sexo Pac_Fumante 001 JOÃO AV.NAZARÉ NAZARÉ 32 M S

4 002 MARTA RUA SEN. LEMOS 003 CARLA TRAV. 09 DE JANEIRO UMARIZAL 26 F N UMARIZAL 31 F S Select Pac_Mat, Pac_Nome Ex. 2 : Select * (neste caso, todos os atributos serão selecionados) 2.1- Seleção Condicionada Sintaxe: Onde: Select <atributos> From <tabelas> Where <Condições> Where Indica as condições que serão testadas para trazer um grupo de registros específicos da tabela consultada. Select Pac_Nome Where Pac_Sexo = F Para se realizar uma consulta com mais de uma condição, é necessário utilizar os operadores AND e OR. Ex. 2 : Select * Where Pac_Sexo = F and Pac_Fumante = S OBS: Utilizam-se de operadores: o relacionais : >,<,=,<=,>=,!= o sobre conjunto: IN, EXISTS, [NOT] o BETWEEN conectores lógicos: AND, OR

5 2.3- Cláusula DISTINCT Utiliza-se a cláusula distinct para evitar que registros repetidos sejam selecionados como resultado da consulta realizada. Select Distinct Pac_Bairro Where Pac_Fumante = S 2.4- Comando ORDER BY Utiliza-se a comando order by para ordenar o resultado obtido, por qualquer atributo da tabela consultada. Select Pac_Nome Where Pac_Bairro = UMARIZAL Order By Pac_Nome 2.5- Funções de Grupo a) FUNÇÃO AVG( ) Utiliza-se a função AVG para encontrar a média de valores dos atributos. Select AVG(Pac_Idade) Where Pac_Sexo = F b) FUNÇÃO COUNT( ) Utiliza-se a função COUNT para contar o número de registros que satisfazem a condição especificada. Select COUNT(*)

6 Where Pac_Fumante = S c) FUNÇÃO SUM( ) Utiliza-se a função SUM para somar os valores de atributos especificados. Select SUM(Pac_Idade) d) FUNÇÃO MIN( ) Utiliza-se a função MIN para encontrar o menor valor de um atributo entre os registros da tabela consultada. Select MIN(Pac_Idade) Where Pac_Sexo = F e) FUNÇÃO MAX( ) Utiliza-se a função MAX para encontrar o maior valor de um atributo entre os registros da tabela consultada. Select MAX(Pac_Idade) Where Pac_Fumante = S 2.6- Comando GROUP BY Utiliza-se a comando group by quando se deseja agrupar conjuntos de valores como resultado da consulta realizada. Select Pac_Sexo, Count(*) Group By Pac_Sexo

7 2.7- Comando LIKE Utiliza-se o comando like para realizar consultas fonéticas, através de palavras-chaves. Para realizar as consultas, podemos utilizar dois parâmetros: _ - Substitui um caractere. % - Substitui um conjunto de caracteres. Select * Where Pac_Nome Like J% Ex. 2 : Select * Where Pac_Nome Like %A% Ex. 3 : Select * Where Pac_Nome Like %A 2.8- UNIÃO, INTERSEÇÃO, DIFERENÇA Os comandos são baseados na teoria de conjuntos, porém os SGBD MYSQL e SQL Server não aceitam esses comandos. União : realiza a união dos resultados de duas consultas, sem duplicidade. -União sem duplicidade select nrmatric,nmprof from professor where dstitulo= adjunto UNION select nrmatric,nmfunc from administrativo where dsfunção= supervisor -União com duplicidade select nrmatric,nmprof from professor where dstitulo= adjunto UNION ALL select nrmatric,nmfunc from administrativo where dsfunção= supervisor

8 Interseção: a resposta da consulta apresenta os elementos que são comum entre os resultados das consultas. -Intersecão sem duplicatas select nrmatric,nmprof from professor INTERSECT select nrmatric,nmfunc from administrativo -Intersecão com duplicatas select nrmatric,nmprof from professor INTERSECT ALL select nrmatric,nmfunc from administrativo Diferença: a resposta da consulta apresenta os elementos que estão na primeira consulta e não estão na segunda consulta. Pode-se usar o comando MINUS ou EXCEPT. select nrmatric,nmfunc from administrativo MINUS select nrmatric,nmprof from professor 2.9- CONSULTA EM MAIS DE UMA TABELA (produto cartesiano) Para realizar consultas em mais de uma tabela deve-se listar as diversas tabelas na cláusula From; Ex: Select P.pac_nome, C.conv_nome From pacientes P, convenios C; OBS1: Caso haja o mesmo nome em diferentes tabelas o prefixo (nome da tabela) faz a distinção; Se há mais de uma coluna na lista de select com o mesmo nome, deve-se preceder o seu nome com o nome da tabela original; Ex: SELECT f.nome,d.nome FROM funcionario f, departamento d OBS2: Pode-se alterar o nome dos atributos com a opção AS Ex: SELECT f.nome AS Nome Funcionário, d.nome AS Nome Departamento FROM funcionario f, departamento d

9 Representa uma dentre as seguintes operações binárias da álgebra relacional: Produto cartesiano, Junção, Diferença e Interseção; Para o PRODUTO CARTESIANO: Ex: Select P.pac_nome, C.conv_nome From pacientes P, convenios C; Para JUNÇÃO: usa-se a sintaxe: Select <tabela.atributo> From <tabela 1>,<tabela 2>,<tabela n> Where <condição>; OBS: Na condição a chave-primária da Tabela Primária com a chave estrangeira da tabela Relacionada. Ex1: listar o nome dos pacientes que possuem convênios: Select P.pac_nome From pacientes P, convênios C Where P.con_codigo = C.con_codigo; Ex2: listar o nome dos paciente que possuem o convênio SUS. Select pacientes.pac_nome From pacientes, convenios Where pacientes.con_codigo = convenios.con_codigo and convenios.con_descricao = SUS Um Caso interessante: Quais os nomes dos colegas (trabalham no mesmo departamento) da Vânia

10 Select t1.nome From empregado t1, empregado t2 Where t1.cddept=t2.cddept and t1.mnemp <> t2.nmemp and t2.nmemp like VANIA% ; Tabelas podem ser juntadas utilizando-se de operadores de comparação: >,<,!=,<=,>=; Ex: candidato (idcand,nmcandidato,vlidade) cargo (cdcargo,dscargo,vlidade) Baseado no exemplo de banco acima, Informar os cargos a que cada candidato esta habilitado a postular: Select dscargo,nmcandidato From candidato cn,cargo cg Where cn.vlidade <= cg.vlidade ; Usando a expressão JOIN Expressão usada para unificar tabelas que possuem colunas em comum. As colunas (em comum) são separadas em tabelas distintas pelo processo de normalização; e normalmente representam a chave primária da tabela primária e a chave estrangeira da tabela relacionada. Este processo é fundamental para eliminar a redundância e evitar inconsistência; Esse é o processo mais eficiente dos relacionados a consultas em tabelas. OBS: No SQL Server o JOIN pode ser feito tanto no FROM como no WHERE; Temos 3 tipos de join: 1 - INNER JOIN; 2 - OUTER JOIN (LEFT E RIGHT); 3 - FULL JOIN; Vamos imaginar um sistema de RH, quem possui duas tabelas (EMPREGADO E DEPARTAMENTO). Neste sistema, 3 situações podem acontecer: 1. Existem DEPARTAMENTOS que ainda não possuem nenhum EMPREGADO; 2. Existem EMPREGADOS que não estão lotados em nenhum DEPARTAMENTO; 3. Existem EMPREGADOS que foram lotados em DEPARTAMENTOS.

11 INNER JOIN: O Inner Join é utilizado nas situações em que você quer selecionar os registro das duas tabelas, desde que as mesmas possuam informações cruzadas (relacionadas). No nosso exemplo, é o JOIN que resolve a situação 3: a consulta vai retornar os empregados lotados em departamento. SELECT E.NOME, E.SALARIO, D.DESCRICAO FROM EMPREGADO E JOIN DEPARTAMENTO D ON E.DEPARTAMENTO = D.ID Condição de junção ORDER BY E.NOME Condição de ordenação O resultado seria exatamente o desejado, ou seja uma lista de meus funcionários e salários com a respectiva descrição do departamento OUTER JOIN: O Outer join possui o funcionamento um pouco diferente do anterior. Ao usar o Outer join, além de podermos retornar os registros das duas tabelas seguindo alguma relação, ainda podemos retornar registros que não entram nesta relação, que é a situação mais usada. LEFT OUTER JOIN (ou simplesmente LEFT JOIN): Aplica o conceito de Outer Join na tabela que se encontrar à esquerda da relação (ou seja, o resultado vem da tabela à esquerda). No nosso exemplo, é o JOIN que resolve a situação 2: a consulta retorna os EMPREGADOS que ainda não estão lotados em DEPARTAMENTO. SELECT E.NOME, E.SALARIO, D.DESCRICAO FROM EMPREGADO E LEFT JOIN DEPARTAMENTO D ON E.DEPARTAMENTO = D.ID ORDER BY E.NOME Um LEFT-JOIN define que todos os registros da tabela à esquerda do operador farão parte do resultado, portanto a condição apresentada no modificador ON não será feita na tabela EMPREGADOS, isso faz com que o funcionário seja incluso no resultado mesmo não pertencendo a algum departamento. RIGHT OUTER JOIN (ou simplesmente RIGHT JOIN): Aplica o conceito de Outer Join na tabela que se encontrar à direita da relação (ou seja, o resultado vem da tabela à direita). No nosso exemplo, é o JOIN que resolve a situação 1: a consulta retorna apenas as DEPARTAMENTOS que não possuem EMPREGADOS lotados. SELECT E.NOME, E.SALARIO, D.DESCRICAO FROM EMPREGADO E RIGHT JOIN DEPARTAMENTO D ON E.DEPARTAMENTO = D.ID ORDER BY E.NOME

12 Um RIGHT-JOIN define que todos os registros da tabela à direita do operador farão parte do resultado, agora a condição apresentada no modificador ON não será feita na tabela DEPARTAMENTO, isso faz com que um departamento seja listado, mesmo não possuindo nenhum funcionário FULL JOIN: Mostra os dados das duas tabelas SELECT E.NOME, E.SALARIO, D.DESCRICAO FROM EMPREGADO E FULL JOIN DEPARTAMENTO D ON E.DEPARTAMENTO = D.ID ORDER BY E.NOME 2.10 CONSULTA ANINHADAS OU SUB-QUERY Uma subquery é uma instrução SELECT dentro de outra instrução. Ex: SELECT * FROM t1 WHERE column1 = (SELECT column1 FROM t2); No exemplo acima, SELECT * FROM t1... é a consulta principal (ou instrução principal), e (SELECT column1 FROM t2) é a subquery. Dizemos que a subquery está aninhada na consulta principal, e de fato é possível aninhar subqueries dentro de outras subqueries, a uma grande profundidade. uma subquery deve estar sempres dentro de parenteses. OBS: A partir da versão 4.1. o MySQL suporta todas as formas de subqueries e operações que o padrão SQL exige, assim como alguns recursos que são especificos do MySQL. A principal vantagem das subqueries são: elas permitem consultas que estão estruturadas assim é possível isolar cada parte de uma instrução, elas fornecem modos alternativos de realizar operações que, de outra forma, exigiriam joins e unions complexos, elas são, na opinião de muitas pessoas, legíveis. De fato, foi a inovação das subqueries que deu às pessoas a idéia original do nome SQL ``Structured Query Language''. Resultado de uma sub-consulta utiliza os seguintes operadores: um valor escalar - neste caso pode-se usar operadores escalares de comparação: =, >, <; uma relação com um só atributo - usa-se operadores de conjuntos: IN, ALL, ANY; uma relação com vários atributos - EXISTS / NOT EXISTS

13 Detalhando mais: Exists - verifica se a relação produzida na sub-consulta não é vazia; ALL - garante que a comparação é válida para todos as tuplas da subconsulta; ANY - garante que a comparação é válida para pelo menos uma tupla do conjunto gerado pela sub-consulta (tb. Implementado como some); Obs: todos podem ser negados com NOT ; 1- EXISTS: Pode-se selecionar tuplas baseado na existência, ou não, de um conjunto. Select * from empregado where EXISTS ( select * from projeto where nrmatric=nrchefeproj) 2- IN Com sub-consultas pode-se verificar a pertinência de um valor no conjunto definido por uma consulta mais externa: Informar os empregados que são chefes de projetos: select nrmatric from empregado where nrmatric IN (select nrchefeproj from projeto) 3- ALL Verifica-se de cada tupla atende a comparação com todos os valores da subconsulta: select nrmatric from empregado e1 where e1.vlsalario > all ( select e2.vlsalario from empregado e2 where e1.cddept=e2.cddept and e1.nrmatric!= e2.nrmatric) A seguinte tabela mostra algum exemplo do operador ANY e ALL Valor 1 Operador Valor 2 Resultado 3 > ANY (2,5,7) Certo 3 = ANY (2,5,7) Falso 3 = ANY (2,3,5,7) Certo 3 > ALL (2,5,7) Falso 3 < ALL (5,6,7) Falso A operação =ANY é equivalente ao operador IN, ambos devolvem o mesmo resultado.

14 4- Diferença na SUBQUERY (Minus ou Except) Listar nome dos departamentos que não possuam empregados que ganhem mais de Select nmdept from dept d Where NOT EXISTS (Select * from emp e Where e.cddepto=d.cddepto and vlsalario > 1000) 5- Usando Funções de agregação As funções de grupo também podem ser usadas, como MAX(), MIN(), COUNT(), SUM(), AVG(). Ex: Select item, COUNT(*) from (Select material as item From Venda v where v.cdcliente=10) I group by item Ex: Select max (total_venda) from ( select cd_dept,sum (totalvendido) from venda group by cd_dept)) as venda_vendedor (cod_dept,total_venda) where cod_dept in ( D1, D2, D3, D4 ) 3- EDIÇÃO DE REGISTROS EM UMA TABELA Para editar registros em uma tabela é necessário utilizar a seguinte sintaxe: Update <Tabela> set <campo 1 = expressão 1>,..., <campo N = expressão N> where <condições> Sempre use a cláusula where, a não ser que queira alterar TODOS os registros da tabela. E não se esqueça de definir um campo chave que tenha um valor único para cada campo. Update Pacientes Set Pac_Bairro = FÁTIMA Where Pac_bairro = UMARIZAL

15 Todas as linhas que qualificam para o predicado têm seus valores alterados nas colunas referenciadas; UPDATE empregado SET vlsalario=vlsalario * 1.2 WHERE cddept= d1 ; 4- DELETANDO REGISTROS EM UMA TABELA Para deletar registros em uma tabela é necessário utilizar a seguinte sintaxe: Delete from <Tabela> where <condição> Sempre use a cláusula where, a não ser que queira excluir TODOS os registros da tabela. Delete from Pacientes Where Pac_Mat = 4 5- CRIANDO VISÕES Views são definidas através de comandos SELECT, que explicitam a visão desejada Vendas p/ vendedor Visão externa Esquema externo Esquema externo Esquema externo Vendedor Itens Nota fiscal Notas Fiscais Visão conceitual relacional Esquema conceitual Vend.dat Vend.ind Visão Interna Esquema Interno Podem ser usadas para :

16 Implementar nas aplicações as visões lógicas da informação Minimizar modificações nas aplicações decorrentes de alterações na base, através de views básicas Prover segurança de acesso e atualização Homogeneizar o acesso a base de dados Facilitar documentação das aplicações Provendo segurança Ex: select nome, departamento from professor; Provendo visões lógicas da informação Ex: select v. nome, nf.nr_nota, nfi.cdproduto from vendedor v, nota_fiscal nf, item_nota nfi where v.cd_vend = nf.cd_vend and nf.nr_nota = nfi.nr_nota; Fornecendo independência de consultas às aplicações Ex: select * from vendedor Usa-se a seguinte sintaxe: Create view nomeview [(viewcol1,viewcol2,...)] as select statement [with check option] Ex: create view Vendas_v01 (nome_vend,num_nota,cod_prod) as select v. nome, nf.nr_nota, nfi.cdproduto from Vendedor v, Nota_fiscal nf, Item_nota nfi where v.cd_vend = nf.cd_vend and nf.nr_nota = nfi.nr_nota Pode realizar consultas nas VIEWS Ex: select nome_vend, cod_prod from vendas_v01 where nr_nota > 1000 ;

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta,

Leia mais

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo )

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo ) PRONATEC - Programador de Sistemas Banco de Dados 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas utilize o comando INSERT INTO INSERT INTO tabela [ ( coluna [, coluna,...] ) ] VALUES

Leia mais

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação Enfoques de SQL Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Linguagem interativa de consulta (ad-hoc): usuários podem definir consultas independente

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

SQL S Q L. Introdução. Enfoques de SQL. SQL - Origem/Histórico. Usos de SQL. SQL - Vantagens. Banco de Dados. Fernando Fonseca Ana Carolina

SQL S Q L. Introdução. Enfoques de SQL. SQL - Origem/Histórico. Usos de SQL. SQL - Vantagens. Banco de Dados. Fernando Fonseca Ana Carolina Introdução Banco de Dados SQL Fernando Fonseca Ana Carolina SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta, permitindo definição (DDL)

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

BANCO DE DADOS Parte 4

BANCO DE DADOS Parte 4 BANCO DE DADOS Parte 4 A Linguagem SQL Introdução Desenvolvida pelo depto de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R) Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language)

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language) SQL BÁSICO Prof. Suelane Garcia Introdução 2 Linguagem SQL (Structured Query Language) Linguagem de Consulta Estruturada padrão para acesso a Banco de Dados. Usada em inúmeros Sistemas de Gerenciamento

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Fundamentos de SQL Structured Query Language Aula2 Apresentado por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685

Leia mais

SQL TGD/JMB 1. Projecto de Bases de Dados. Linguagem SQL

SQL TGD/JMB 1. Projecto de Bases de Dados. Linguagem SQL SQL TGD/JMB 1 Projecto de Bases de Dados Linguagem SQL SQL TGD/JMB 2 O que é o SQL? SQL ("ess-que-el") significa Structured Query Language. É uma linguagem standard (universal) para comunicação com sistemas

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 2.3. Linguagens Relacionais SQL Structured Query Language Linguagem para o modelo relacional: Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 Adoptada em 1987 como um standard internacional

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte Programação SQL INTRODUÇÃO II parte Programação SQL SELECT; INSERT; UPDATE; DELETE. Este conjunto de comandos faz parte da sublinguagem denominada por DML Data Manipulation Language (Linguagem de manipulação

Leia mais

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER Gerenciando Tabelas: DDL - DATA DEFINITION LANGUAG Criando uma tabela: CREATE TABLE CLIENTES ID VARCHAR4 NOT NULL, NOME VARCHAR30 NOT NULL, PAGAMENTO DECIMAL4,2 NOT NULL;

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Aplicações - SQL. Banco de Dados: Teoria e Prática. André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013

Aplicações - SQL. Banco de Dados: Teoria e Prática. André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013 Aplicações - SQL Banco de Dados: Teoria e Prática André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013 Picture by Steve Kelley 2008 SQL SQL Structured Query Language Originalmente:

Leia mais

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DML Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br SQL - DML Os exemplos da aula serão elaborados para o esquema de dados a seguir: Empregado(matricula, nome, endereco, salario, supervisor,

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Aula Prática

Structured Query Language (SQL) Aula Prática Structured Query Language (SQL) Aula Prática Linguagens de SGBD Durante o desenvolvimento do sistema R, pesquisadores da IBM desenvolveram a linguagem SEQUEL, primeira linguagem de acesso para Sistemas

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Linguagem de Consulta - SQL

Linguagem de Consulta - SQL SQL Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada; Originou-se da linguagem SEQUEL (1974); Revisada e chamada de SQL em 1976/77; Em 1986, padronizada pelo ANSI/ISO - chamada SQL-86; Em 1987

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Engenharia de Computação / Engenharia de Produção. Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira

Engenharia de Computação / Engenharia de Produção. Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Unidade 3 SQL Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José Pereira Contexto na Disciplina

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

SQL. Banco de Dados I. Componentes de SQL

SQL. Banco de Dados I. Componentes de SQL Banco de Dados I Adrovane Marques Kade 1 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia adrovane.kade@bento.ifrs.edu.br 2011/1 ( Structured Query Language

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Structured Query Language (SQL) Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ambiente Simplificado de um SGBD 2 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

SQL (Linguagem de Consulta Estruturada)

SQL (Linguagem de Consulta Estruturada) SQL (Linguagem de Consulta Estruturada) M.Sc. Cristiano Mariotti mscmariotti@globo.com Introdução à SQL 1 Visão Geral Introdução Comandos de Definição de Dados Comandos de Manipulação de Dados Introdução

Leia mais

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL Linguagem SQL Sub-linguagem DDL A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language para suas

Leia mais

SQL. Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes. Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados

SQL. Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes. Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados SQL Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados Roteiro O que é SQL? Breve Histórico da SQL Usos da SQL Comandos SQL DDL Comandos SQL DML Comandos para consultas

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

3) Palavra-chave distinct (select-from). Obter apenas os pibs distintos entre si.

3) Palavra-chave distinct (select-from). Obter apenas os pibs distintos entre si. NOME: BRUNO BRUNELI BANCO DE DADOS - ADS create database ProducaoMinerais use ProducaoMinerais create table Mineral( nome varchar(15) primary key, preco real) create table Pais( nome varchar(30) primary

Leia mais

Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3

Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3 ÍNDICE o -INTRODUÇÃO Sumário 1 0.1 Introdução 1 0.2 Breve História da Linguagem SQL l 0.3 Características da Linguagem SQL 3 0.4 A Composição deste Livro 3 0.5 Sistemas Utilizados 6 0.5.1 Access 2003 (Microsoft)

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5 Bases de Dados 2005/2006 Aula 5 Sumário -1. (T.P.C.) Indique diferenças entre uma tabela e uma relação. 0. A base de dados Projecto 1. SQL Join (variantes) a. Cross Join b. Equi-Join c. Natural Join d.

Leia mais

Unidade III - BD Relacional

Unidade III - BD Relacional Structured Query Language (SQL) Conceitos Iniciais Álgebra Relacional - muito formal Cálculo Relacional de Tupla SEQUEL (Structured English QUEry Language) IBM - Sistema R SQL-86 SQL-92 SQL-3 102 Structured

Leia mais

Memória de aula Semanas 15 e 16

Memória de aula Semanas 15 e 16 FMU Curso: Ciência da Computação Disciplina: Banco de Dados I Professor: Ecivaldo Matos Memória de aula Semanas 15 e 16 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas utilize o comando

Leia mais

Linguagem SQL. Comandos Básicos

Linguagem SQL. Comandos Básicos Linguagem SQL Comandos Básicos Caetano Traina Júnior Grupo de Bases de Dados e Imagens Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos caetano@icmc.sc.usp.br Comando

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2. Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello

Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2. Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2 Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello Introdução Como vimos, um SGBD possui duas linguagens: DDL: Linguagem de Definição de Dados. Usada

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Operação de União JOIN

Operação de União JOIN Operação de União JOIN Professor Victor Sotero SGD 1 JOIN O join é uma operação de multi-tabelas Select: o nome da coluna deve ser precedido pelo nome da tabela, se mais de uma coluna na tabela especificada

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados SQL-Consultas Comando SELECT Prof. Luiz Antônio Vivacqua C. Meyer (la.vivacqua@gmail.com) Sintaxe Geral SELECT [ALL/DISTINCT] coluna1, coluna2,..., colunan FROM nome_tabela1,

Leia mais

4.6. SQL - Structured Query Language

4.6. SQL - Structured Query Language 4.6. SQL - Structured Query Language SQL é um conjunto de declarações que é utilizado para acessar os dados utilizando gerenciadores de banco de dados. Nem todos os gerenciadores utilizam SQL. SQL não

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

António Rocha Nuno Melo e Castro

António Rocha Nuno Melo e Castro António Rocha Nuno Melo e Castro SQL- Strutured Query Language é a linguagem mais usada nas bases dados relacionais. Originalmente desenvolvida pela IBM Actualmente é um standard, o mais recente é o SQL:2003

Leia mais

Banco de Dados I SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Banco de Dados I SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Esta classe se aplica aos usuários do Banco de Dados Oracle8i,

Leia mais

SQL. Introdução. Por que SQL? Setenças Select-From-Where

SQL. Introdução. Por que SQL? Setenças Select-From-Where Introdução SQL Bancos de Dados I Altigran Soares da Silva IComp/UFAM 2013/02 Adaptado do Material do Professor Jeffrey Ullman Originalmente proposta para o System R desenvolvido nos laboratórios da IBM

Leia mais

SQL: Consultas, Programação, Gatilhos

SQL: Consultas, Programação, Gatilhos SQL: Consultas, Programação, Gatilhos Capítulo 5 1 Introdução O que é SQL? Structured Query Language Linguagem comercial de banco de dados mais utilizada no mercado. Origem Originalmente chamada de SEQUEL

Leia mais

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes SQL Hélder Antero Amaral Nunes 2 Introdução Desenvolvida pelo departamento de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R); Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

PROGRAMA. Aquisição dos conceitos teóricos mais importantes sobre bases de dados contextualizados à luz de exemplos da sua aplicação no mundo real.

PROGRAMA. Aquisição dos conceitos teóricos mais importantes sobre bases de dados contextualizados à luz de exemplos da sua aplicação no mundo real. PROGRAMA ANO LECTIVO: 2005/2006 CURSO: LICENCIATURA BI-ETÁPICA EM INFORMÁTICA ANO: 2.º DISCIPLINA: BASE DE DADOS DOCENTE RESPONSÁVEL PELA REGÊNCIA: Licenciado Lino Oliveira Objectivos Gerais: Aquisição

Leia mais

Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. (http://bidu.lab.ic.unicamp.br/~celio/metasql.php)

Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. (http://bidu.lab.ic.unicamp.br/~celio/metasql.php) Clínica Todos os exemplos apresentados utilizam o SGBD Postgre - open source Documentação: http://www.postgresql.org/docs (http://bidu.lab.ic.unicamp.br/~celio/metasql.php) Ambulatorios(numero, andar,

Leia mais

Principais Instruções em SQL. Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados.

Principais Instruções em SQL. Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados. Principais Instruções em SQL Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados. Atenção: Esta apostila foi desenvolvida com o auxílio on-line do banco MS-ACCESS,

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Objetivos: Criar restrições para atributos, chaves primárias e estrangeiras; Explorar consultas SQL com uso de

Leia mais

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where.

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where. Introdução a Banco de Dados O.K. Takai; I.C.Italiano; J.E. Ferreira. 67 8 A Linguagem SQL A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial que usa uma combinação de construtores em Álgebra

Leia mais

SQL - Criação de Tabelas

SQL - Criação de Tabelas SQL - Criação de Tabelas André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) SQL - Criação de Tabelas February 24, 2012 1 / 25 Sumário 1 Introdução 2 Tabelas

Leia mais

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados EXERCÍCIOS PRÁTICOS Banco de Dados Introdução ao uso do SQL Structured Query Language, considerando tanto DDL Data Definition Language quanto DML Data Manipulation Language. Banco de Dados selecionado:

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 Ao nível das linguagens de manipulação de dados (Data Manipulation Language - DML) o SQL

Leia mais

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] FROM [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda.

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] <campos> FROM <tabela> [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda. SQL comando SELECT Uma das tarefas mais requisitadas em qualquer banco de dados é obter uma listagem de registros armazenados. Estas tarefas são executadas pelo comando SELECT Sintaxe: SELECT [DISTINCT]

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Introdução ao SQL. Aécio Costa

Introdução ao SQL. Aécio Costa Aécio Costa A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial e possui as seguintes partes: Linguagem de definição de dados (DDL) Linguagem interativa de manipulação de dados (DML) Definição

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Linguagem SQL: Introdução; Construção/Definição de tabelas. 2 Linguagem SQL SQL - Structured Query Language;

Leia mais

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados SQL (Structured Querie Language) SQL é mais que uma linguagem de interrogação estruturada. Inclui características para a definição da estrutura de dados, para alterar os dados de uma base de dados, e para

Leia mais

Memória de aula Aulas 11 e 12

Memória de aula Aulas 11 e 12 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: B1SGB - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Memória de aula Aulas 11 e 12 1) Revisão a. Cláusula join (inner e outer) 2) Cláusula GROUP

Leia mais

SQL92 DDL( RIS, ACTUALIZAÇÕES E VISTAS) DML (QUERIES, SUBQUERIES,JUNÇÕES, E OPERAÇÕES SOBRE CONJUNTOS)

SQL92 DDL( RIS, ACTUALIZAÇÕES E VISTAS) DML (QUERIES, SUBQUERIES,JUNÇÕES, E OPERAÇÕES SOBRE CONJUNTOS) SQL92 DDL( RIS, ACTUALIZAÇÕES E VISTAS) DML (QUERIES, SUBQUERIES,JUNÇÕES, E OPERAÇÕES SOBRE CONJUNTOS) SQL SQL, é uma linguagem de programação que foi desenvolvida para questionar bases de dados relacionais

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva SQL (MySql) ROTEIRO I PARTE - INTRODUÇÃO AO SQL COMANDOS E SUAS PARTES DA LINGUAGEM SQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES

Leia mais

SQL. Structured Query Language. Copyright 2003 2014 Prof. Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.

SQL. Structured Query Language. Copyright 2003 2014 Prof. Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti. SQL Structured Query Language Copyright 2003 2014 Prof. Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Sumário 1.CREATE TABLE... 5 1.1. Sintaxe... 5 1.2. A instrução CREATE TABLE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 3 Linguagem SQL Linguagem de manipulação de dados (DML) DISCIPLINA: Banco de

Leia mais

A Linguagem SQL. Introdução a Banco de Dados DCC 011

A Linguagem SQL. Introdução a Banco de Dados DCC 011 A Linguagem SQL Introdução Originalmente proposta para o System R desenvolvido nos laboratórios da IBM na década de 70 SEQUEL (Structured English QUEry Language) Objeto de um esforço de padronização coordenado

Leia mais

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003 Bases de Dados Introdução à linguagem SQL História Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R Renomeada para SQL (Structured Query Language) Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89,

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 A Linguagem SQL As raízes da linguagem SQL remontam a 1974, altura em que a IBM desenvolvia

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS)

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Exemplo - pedido Diagrama Entidade-Relacionamento N Pedido N possui N Produto N faz tira 1 Cliente 1 Vendedor

Leia mais

PROGRAMA. Objectivos Gerais :

PROGRAMA. Objectivos Gerais : PROGRAMA ANO LECTIVO : 2005/2006 CURSO : ENGENHARIA MULTIMÉDIA ANO: 2.º DISCIPLINA : SISTEMA DE GESTÃO DE BASE DE DADOS DOCENTE RESPONSÁVEL PELA REGÊNCIA : Licenciado Lino Oliveira Objectivos Gerais :

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML Linguagem de Consulta:SQL contéudo Structured Query Language Originalmente SEQUEL Structured English Query Language Projeta e Implementada pela

Leia mais