Instituto Superior de Engenharia do Porto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Superior de Engenharia do Porto"

Transcrição

1 Instituto Superior de Engenharia do Porto Engenharia Informática Computadores e Sistemas Arquitectura de SQL Server 2000 por Pedro Miguel de Almeida Sousa orientador Eng. João Rocha

2 TABELA DE CONTEÚDOS Tabela de Conteúdos ii Lista de Figuras iv Prefácio 1 Agradecimentos 2 Introdução 3 1. Capítulo 4 1.1) Evolução do Microsoft SQL Server: 1989 a ) O início do SQL Server ) O lançamento do SQL Server ) O papel do OS/ ) SQL Server ) Lançamento do OS/2 2.0 adiado ) Lançamento da versão ) SQL Server para NT ) O final do desenvolvimento conjunto ) SQL Server ) Nome de Código Sphinx ) Finalmente o SQL Server Capítulo ) A Arquitectura do SQL Server ) O motor do SQL Server ) O Net-Library ) Open Data Services ) Buffers de input e output do ODS ) As Net-Libraries por defeito do ODS ) O Relational Engine e o Storage Engine ) O Parser de comandos ) O Optimizer ) O SQL Manager ) O Expression Manager ) O Query Executor ) Comunicações entre o relational engine e o storage engine ) O Access Methods Manager ) O Row Operations Manager e o Index Manager _ ) O Row Operation Manager ) O Index Manager ) O Page Manager e o Text Manager ) O Transaction Manager 36 Página ii

3 ) Uncommited Read ) Commited Read ) Repeatable Read ) Serializable ) O Lock Manager ) Outros Gestores ) A Gestão de Memória ) O Buffer Manager e Memory Pools ) Acesso a In-Memory Pages ) Acesso a Free Pages (Lazywriter) ) Manter páginas em cache permanentemente _ ) Checkpoints ) Acesso a Páginas utilizando o Buffer Manager ) Questões Relacionadas com Grandes Quantidades de Memória ) Read Ahead ) Merry-Go-Round Scans ) O Log Manager ) Registo de Transacções e Recuperação ) Locking e Recuperação ) Páginas LSN e Recuperação ) O Kernel do SQL Server e Interacção com o Sistema Operativo ) Threading e Multiprocessamento Simétrico ) O Worker Thread Pool ) E/S de Disco no Windows NT/ Conclusão 63 Bibliografia 64 Página iii

4 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Esquema Geral da Arquitectura 16 Figura 2: Arquitectura Net-Library do SQL Server Figura 3: Um Nonclustered Index com bookmarks no nível folha. _ 33 Figura 4: Um Clustered Index com os dados no nível folha. 34 Figura 5: O Merry-Go-Round do SQL Server 2000 Enterprise Edition 51 Figura 6: Três fases de recuperação do SQL Server 55 Figura 7: Comparação do LSN para verificar o processamento da entrada do registo. 57 Figura 8: Design de múltiplas threads num único processo do SQL Server 60 Página iv

5 PREFÁCIO Ao longo da minha vida profissional e de estudante, tive contacto com vários sistemas SGBDR. No primeiro curso de informática que fiz, aprendi a trabalhar com dbase e comecei a compreender o modo de criação e estruturação de uma base de dados. O raciocínio e planeamento de uma base de dados é algo que obriga a um estudo profundo de um problema e constitui a base para a implementação de uma boa solução. Posteriormente, com o surgir do sistema operativo Windows, comecei a trabalhar com Microsoft Access, mas, apesar das diferenças para o dbase, ainda faltava algo. A utilização do minisql no meu projecto de Bacharelato veio acrescentar o SQL à minha lista de necessidades para um bom SGBDR. Até que, na cadeira de Bases de Dados 2 leccionada pelo Eng. Melo e Castro, conheci o SQL Server na sua versão 7 (beta). Finalmente tinha conhecido uma base de dados que me fornecia ferramentas e funcionalidades à medida do que eu esperava de um bom sistema SGBDR. Fui convidado, nesse mesmo ano, pelo Eng. Melo e Castro, para trabalhar num projecto desenvolvido pelo IDT Instituto para o Desenvolvimento Tecnológico, tendo como base o SQL Server 6.5. Foi nesse projecto que aprendi o que realmente é o SQL Server e a gostar ainda mais da linguagem SQL. No ano passado obtive uma bolsa de estudos para frequentar os cursos do percurso oficial Microsoft com vista a atingir o grau de Microsoft Certified Systems Engineering, que concluí com sucesso. Actualmente lecciono cursos desse mesmo percurso na área de Sistemas e pretendo obter as certificações em SQL Server Como gosto de conhecer as tecnologias com que trabalho a fundo, surgiu a ideia deste trabalho em Arquitectura de SQL Server Página 1

6 AGRADECIMENTOS Este projecto só foi possível com a ajuda do meu coordenador, o Eng. João Rocha, que tenho o prazer de ter aceite o meu convite para orientar pela segunda vez um trabalho meu. O facto de já nos conhecermos há alguns anos fez com que o entendimento entre ambos tenha sido mais fácil. Tenho a agradecer a liberdade de escolha e decisão que me deu desde início, quer para a escolha do tema, quer para a abordagem do mesmo. Sem dúvida que o Eng. Melo e Castro teve também um papel importante na escolha deste tema, uma vez que foi ele quem me ensinou as bases para aquilo que sei hoje em dia sobre o SQL Server. Ao Eng. Alexandre Bragança, por me ter esclarecido algumas dúvidas que tive ao longo do projecto. E também à TecniData e ao coordenador de Formação, Nuno Velho, pela ajuda a nível de recolha de informação e esclarecimento de dúvidas e a disponibilidade de máquina para fazer testes e experiências. Página 2

7 INTRODUÇÃO O objectivo deste trabalho é descrever quais os principais componentes do SQL Server 2000, as suas funcionalidades e interligação. Não se pretende uma descrição pormenorizada das suas ferramentas, nem da criação e manutenção de bases de dados, mas sim do que está por trás de tudo isso. Numa primeira fase teremos uma perspectiva histórica da evolução do SQL Server até aos nossos dias. Segue-se uma descrição dos seus componentes base e a sua interligação. Página 3

8 1. Capítulo 1.1) EVOLUÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER: 1989 A 2000 Em 1985, a Microsoft e a IBM anunciaram um acordo de desenvolvimento conjunto de longo termo de um sistema operativo e outros produtos de software. Este anuncio era o início do OS/2, o sucessor do sistema operativo Microsoft MS-DOS. O OS/2 seria um sistema operativo mais completo e robusto. Iria explorar os novos poderosos computadores pessoais baseados no processador Intel E iria permitir aplicações multitarefa, cada uma com o seu espaço de endereçamento de memória e cada em execução no safe ring 3 do esquema da Intel four-ring protection scheme do O OS/2 foi formalmente anunciado em Abril de 1987, com promessas de lançamento para o final desse mesmo ano (O OS/2 versão 1.0 foi lançado a 16 de Dezembro de 1987). Mas logo após a declaração conjunta, a IBM anunciou uma versão especial do OS/2 denominada OS/2 Extended Edition. Esta versão mais poderosa iria incluir de base o sistema operativo OS/2 mais um sistema SQL SGBDR chamado OS/2 Database Manager. O OS/2 Database Manager seria útil para pequenas aplicações e parcialmente compatível com o DB/2 da IBM e com o menos utilizado SQL/DS ) O início do SQL Server Em 1986, a Microsoft era uma empresa pequena e os seus produtos eram essencialmente focados em sistema desktop, sendo o MS-DOS o seu principal produto. Aplicações cliente/servidor não faziam parte do desenvolvimento da Microsoft. A gestão de dados estava no seu início e a maioria das pessoas tinha os dados nos seus PCs na folha de cálculo Lotus O dbase da Ashton-Tate tinha também começado a ser popular. Embora existissem outros produtos, como o Paradox da Ansa Software, o dbase era claramente líder nos produtos de gestão de dados em PCs. Em 1986, a Microsoft não tinha nenhum produto de gestão de dados (Em 1992 atingiu um grande sucesso com o Access e o FoxPro). Página 4

9 A Microsoft virou-se para a Sybase como rampa de lançamento para a entrada no mercado de SGBDs. A primeira versão do DataServer ainda não tinha sido lançada, mas a sua pré-release tinha obtido boa reputação por conter capacidades inovadoras, tais como os stored procedures e triggers, e porque tinha sido desenhada para um novo paradigma da computação: os ambientes cliente/servidor. Uma vez que a capacidade de processamento de transacções do OS/2 não era esperada que fosse alta, a Sybase poderia utilizar o sistema para preparar o mercado para futuras vendas dos sistemas Unix mais poderosos. A Microsoft podia distribuir o produto em volumes mais elevados do que a Sybase; simplesmente não era economicamente possível para o grupo de vendas da Sybase distribuir a primeira versão de uma base de dados aos utilizadores de PCs. Este acordo foi assinado a 27 de Março de 1987 pelo presidente da Microsoft Jon Shirley e pelo co-fundador e presidente da Sybase Mark Hoffman. No mundo das bases de dados em PCs, o dbase da Ashton-Tate ainda tinha a reputação e grande fatia do mercado, apesar do dbase e o DataServer da Sybase oferecerem capacidades extremamente diferentes. Para ganhar aceitação, este novo e altamente capaz SGBD da Microsoft (licenciado pela Sybase) necessitaria de agradar à comunidade dbase. A melhor forma de o fazer era garantir o patrocínio da Ashton-Tate e assim a Microsoft tratou de o conseguir. Em 1988, um novo produto foi anunciado com o complicado nome de Ashton-Tate/Microsoft SQL Server. Apesar de não fazer parte do título do programa, a Sybase tinha um papel importante na informação que acompanhava o produto. Este produto era uma porta de entrada do DataServer no OS/2, comercializado por Ashton-Tate e Microsoft. A Ashton-Tate prometeu que o seu produto dbase IV também iria estar disponível numa edição servidor que iria utilizar as ferramentas de desenvolvimento e linguagem do dbase IV como uma plataforma cliente e que armazenaria os dados no novo SQL Server. Esta nova característica cliente/servidor prometia dar ao dbase novos níveis de poder que permitiriam suportar alguns utilizadores concorrentes que poderiam ser suportados pela sua existente arquitectura de ficheiros-partilhados. A Ashton-Tate, a Microsoft e a Sybase trabalharam em conjunto para lançar o SQL Server no OS/2 (Esta era a primeira vez que o nome SQL Server era utilizado. Posteriormente a Sybase renomearia o seu DataServer para Unix e VMS como Sybase SQL Server. Nos nossos dias o servidor de base de dados da Sybase chama-se Sybase Adaptive Server). A primeira versão do beta do SQL Server da Microsoft e da Ashton-Tate foi lançado no Outono de Página 5

10 1.1.2) O lançamento do SQL Server Em 1990, o acordo de marketing e distribuição conjunta com a Ashton-Tate, que pretendia ligar o SQL Server à grande comunidade dbase, simplesmente não estava a funcionar. Até a versão desktop do dbase IV estava bastante atrasada e tinha a reputação de conter vários bugs quando lançada em A edição servidor, que iria tornar mais simples desenvolver aplicações de alta-performance para SQL Server utilizando dbase, não estava perto de estar pronta. O desenvolvimento de aplicações mono-utilizador, orientadas a registos é muito diferente de desenvolver aplicações para vários utilizadores onde questões de concorrência, consistência e latência de rede tem que ser consideradas. As primeiras tentativas de juntar o SQL Server com as ferramentas do dbase não resultou, pois tratava o SQL Server como se fosse utilizado um método de acesso sequencial indexado (ISAM). Este tipo de acesso era o que os utilizadores do dbase estavam habituados, mas não tirava partido da potencialidades do SQL Server. Para se listar um conjunto de linhas tinham que ser invocados comandos SQL para cada linha. O dbase não tinha ainda a capacidade de saltar de registo para registo, saltar registo para a frente ou para trás, etc. Ainda não existiam os cursores (scrollable cursors). Apenas dois anos antes, a Ashton-Tate era líder de mercado com o seu produto, mas agora atravessava um mau período e tinha que lutar pela sua sobrevivência. A Microsoft lançou o OS/2 LAN Manager com o seu nome, e necessitava do SQL Server para criar uma base de ferramentas de desenvolvimento em arquitecturas cliente/servidor. Assim a Microsoft e a Ashton-Tate terminaram a sua parceria de distribuição e marketing. O SQL Server iria ser reempacotado e relançado como Microsoft SQL Server. A versão 1.1 do Microsoft SQL Server foi lançado no Verão de 1990 como um upgrade da versão 1.0 da Asthon-Tate/Microsoft SQL Server que havia sido lançada em A versão 1.1 do SQL Server da Microsoft tinha as mesmas características da versão 1.0, tendo no entanto várias correcções de bugs. Mas a versão 1.1 também continha suporte para uma nova plataforma cliente, o Windows 3.0 da Microsoft que havia sido lançado em Maio de Este suporte para computadores a correr Windows 3.0 foi uma das chaves do sucesso do SQL Server. Página 6

11 1.1.3) O papel do OS/2 Em 1991, a Microsoft lançou a versão 1.11, uma versão de manutenção. A arquitectura cliente/servidor não estava ainda muito desenvolvida, mas novos convertidos apareciam todos os dias. A nível de vendas não era um grande sucesso, em parte devido ao desapontamento com o OS/2. No entanto, o Windows 3.0 tinha sido um grande sucesso e os utilizadores estavam a migrar de MS-DOS para Windows 3.0, e não para OS/2. Simultaneamente, a Microsoft estava a desenvolver uma versão do SQL Server que servia para sincronizar com o novo produto da Sybase para Unix, versão 4.2. Quando a versão 1.0 da Microsoft foi lançada, o produto da Sybase era designado versão 3.0. Eles acrescentaram algumas características necessárias para o mercado de PCs, tais como tipos de dados de texto e imagem e modos de visualização. A Sybase subsequentemente lançou a versão 4.0 para várias plataformas, seguida da versão 4.2 num lançamento mais limitado. Entretanto, em Maio de 1991, a Microsoft e a IBM anunciaram o fim da sua parceria de desenvolvimento do OS/2. A Microsoft decidiu apostar e concentrar esforços nas novas versões do Windows e aplicações para Windows. A Microsoft estava bem lançada no desenvolvimento de um novo sistema operativo baseado num microkernel denominado internamente como NT ( New Technology ). Este novo sistema era para ser uma futura versão de OS/2 e foi várias vezes denominado OS/2 versão 3.0. Depois da ruptura com a IBM, o projecto NT foi alterado para integrar o interface do sistema Windows e as APIs de programação Win32, e ficou conhecido como Microsoft Windows NT. A primeira versão do Windows NT só era esperada daí a dois anos. O SQL Server seria eventualmente migrado para Windows NT. No entanto, a Microsoft tinha que continuar o desenvolvimento do SQL Server em OS/2, apesar de este agora ser um programa que competia com a Microsoft. Página 7

12 1.1.4) SQL Server 4.2 A Microsoft estava a desenvolver o SQL Server 4.2 para o futuro OS/2 2.0, a primeira versão de 32-bits do OS/2. Como o SQL Server 4.2 também estava desenhado para ser uma versão de 32-bits, migrar o produto da versão de Unix seria mais fácil uma vez que a segmentação de memória não seria um problema. Na teoria, o SQL Server a 32-bits também seria mais rápido. O principal ganho de performance esperado devia-se ao endereçamento de memória. Uma vez que o endereçamento de memória é tão comum, alguns cálculos rápidos mostravam que as versões de 32-bits poderiam ter um aumento de performance de até 20% ou mais, mesmo que todas as outras operações se mantivessem ) Lançamento do OS/2 2.0 adiado A versão do OS/2 2.0 foi subitamente adiada no fim de De facto, não havia a certeza se a IBM seria capaz de lançar o produto. Assim, a Microsoft teve que migrar novamente o SQL Server para 16-bits e lançá-lo para OS/ Esta alteração custou à equipa de desenvolvimento da Microsoft 3 meses. No entanto, outro problema surgiu com o lançamento do OS/2 1.3, uma vez que este só funcionava com máquinas IBM. Na teoria, os fabricantes podiam licenciar uma versão do OS/2 OEM da Microsoft e inclui-lo nos seus produtos, mas tal não aconteceu e os pedidos de OS/2 desceram. Pela primeira vez, a Microsoft lançou um produto denominado OS/2 versão 1.3, com o nome de código Tiger. O Tiger incluía o SQL Server e o LAN Manager, minimizando o problema do produto estar a ser lançado para um sistema operativo morto ) Lançamento da versão 4.2 O SQL Server versão 4.2 entrou em fase beta no Outono de 1991, e em Janeiro de 1992, o CEO da Microsoft, Bill Gates, anunciou formalmente o produto numa conferência para programadores de SQL Server em San Francisco. A versão 4.2 tinha sido na realidade um esforço de desenvolvimento conjunto entre a Microsoft e a Sybase. O motor da base de dados tinha sido migrado de Unix da Página 8

13 versão 4.2, com os engenheiros da Microsoft e da Sybase a trabalhar em conjunto na migração e correcção de erros. Adicionalmente, a Microsoft ainda produziu bibliotecas para interface cliente de MS- DOS, Windows e OS/2, e pela primeira vez incluiu uma ferramenta de administração com um GUI Windows. O código fonte do motor da base de dados foi adicionado nas instalações da Sybase, com ficheiros a serem transferidos via modem e fitas magnéticas. O SQL Server 4.2 foi lançado em Março de As críticas eram boas e o feedback dos clientes era positivo. Faltava o lançamento de uma versão de 32-bits do SQL Server ) SQL Server para NT O desenvolvimento de uma versão completa de 32-bits nunca foi abandonado pela Microsoft. Nos inícios de 1992, a equipa de desenvolvimento da Microsoft tinha alguns problemas a resolver. Por um lado, tinha os seus clientes baseados em OS/2, mas esses mesmos clientes tinham deixado clara a necessidade de uma versão de 32-bits. A ideia era claramente lançar uma versão para Windows NT, pois esse sistema operativo representava o futuro. Seria a solução de sistema operativo de grande porte da Microsoft, e de um ponto de vista de desenvolvimento, apresentava uma série de vantagens sobre o OS/2, incluindo I/O assíncrono, multiprocessamento simétrico e portabilidade para arquitecturas RISC. Embora a Microsoft tenha decidido em 1991 retornar a versões de 16-bits do SQL Server, o desenvolvimento de uma versão de 32-bits não parou. Aquando do lançamento do OS/2 2.0, os testes das versões de 16-bits e 32-bits do SQL Server não tinham a performance esperada. Aliás a versão de 16-bits era mais rápida no Tiger (OS/2 1.3) Chegou-se a uma etapa em que o desenvolvimento de duas versões, uma para OS/2 e outra para NT, complicava o desenvolvimento. Em primeiro lugar, aumentar o número de pessoas da equipa de desenvolvimento era uma má solução (normalmente representava o problema e não a solução no desenvolvimento de software). O desenvolvimento para os dois sistemas iria necessitar da construção de um nível (camada) de abstracção, o que levaria muito tempo de reengenharia do produto, além de que não se iria tirar partido das características e potencialidades dos dois sistemas. Assim foi decidido parar o desenvolvimento da versão para OS/2 e concentrar os esforços de desenvolvimento para fazer evoluir a versão para Windows NT. Página 9

14 Por esta altura a Sybase estava a trabalhar numa nova versão do seu produto, que iria receber o nome de System 10. Existia assim uma agenda de prioridades diferentes entre a Microsoft e a Sybase. Por um lado a Sybase necessitava do sucesso do seu novo System 10, a Microsoft apostava na migração do seu produto para NT o mais rápido possível. Assim a Microsoft migrava o SQL Server de OS/2 para NT, ficando a Sybase com os clientes que pretendiam continuar em OS/2 e a Sybase teria no NT um sistema operativo que seria dos primeiros a suportar o System 10. A equipa de desenvolvimento concentrou-se apenas na migração para NT, tendo como um dos principais objectivos o seu lançamento logo 90 dias após o lançamento de Windows NT. Não houve qualquer preocupação em criar uma layer de abstracção, uma vez que só desenvolviam para uma plataforma, o NT. O próprio sistema operativo estava desenhado para ser portável, suportando diferentes tipos de arquitecturas; ou seja, a layer de abstracção do SQL Server seria o próprio NT. O SQL Server estaria intimamente ligado ao NT a nível de gestão, tal como o lançamento de eventos, a instalação baseada num serviço e a exportação de estatísticas para o Performance Monitor do Windows NT. A utilização de DLLs pelo NT, permitiu a criação de um suporte que permitisse aos programadores a criação de aplicações que estendessem as capacidades do SQL Server. No final, esta nova versão do SQL Server acabou por ser mais do que uma simples migração, uma vez que todo o kernel foi rescrito para a API Win32. Um outro objectivo era a capacidade de migração das versões de OS/2 para esta nova versão e sistema operativo. Era necessário que existisse uma forma de migração das aplicações SQL Server versão 4.2 para OS/2 sem alteração para a nova versão a correr em NT. Uma das características do NT era a capacidade de dual-boot com OS/2 ou MS-DOS. A nova versão do SQL Server tinha que permitir a leitura e escrita de bases de dados directamente da versão OS/2. As alterações foram efectuadas apenas no núcleo interno do SQL Server, acrescentando novas características a nível de gestão, suporte de rede e extensões, sem alterar o núcleo externo do motor da base de dados o que iria comprometer a compatibilidade. Em Julho de 1992, a Microsoft distribuiu numa conferência para programadores sobre Windows NT uma versão pré-beta do Windows NT e, apesar do SQL Server ainda não se encontrar em fase beta, disponibilizou bibliotecas que permitissem ao programadores iniciar a migração de OS/2 ou Windows 16-bits para NT. Para dar ênfase à compatibilidade entre esta versão e a versão 4.2 baseada em OS/2, a Microsoft designou esta nova versão como SQL Server 4.2. Página 10

15 Em Outubro de 1992, a Microsoft lançou a primeira versão beta do SQL Server para Windows NT. Esta versão beta apresentava quase todas as características de um produto final e fornecia versões Win32 completas de todos os componentes. Foi lançada em 100 sites beta, o que era algo sem precedentes para uma base de dados: normalmente seriam aproximadamente 10. Em Dezembro de 1993, quase todos os clientes baseados em OS/2 tinham já migrado para esta nova versão e para o Windows NT. Isto deveu-se não só ao facto da migração ser feita quase sem problemas e sem alterações, mas principalmente porque apresentavam um ganho de performance ) O final do desenvolvimento conjunto O sucesso da Microsoft levou a que as relações com a Sybase de deteriorassem, uma vez que desde 1987 até 1993 muito havia mudado a nível competitivo e de mercado. Ambas as empresas haviam crescido imenso no mercado e as razões para o seu acordo inicial tinham deixado de existir. Também a equipa de desenvolvimento do SQL Server tinha crescido ao longo dos anos, de um grupo de algumas pessoas para mais de 50. Esta equipa tinha os conhecimentos e experiência de desenvolvimento para Windows NT que era necessária para desenvolver ainda mais o SQL Server, mas as condições do acordo com a Sybase impediam que a Microsoft implementasse novas características ou alterações sem o acordo da Sybase. A Sybase tinha necessidades e prioridades diferentes das da Microsoft, nomeadamente algumas novas características que se poderiam implementar, tais como integração de messaging utilizando MAPI e que não eram possíveis pois eram específicas dos sistemas operativos da Microsoft. As duas versões do SQL Server, para Windows NT da Microsoft e para Unix/NetWare/VMS da Sybase estavam a competir no mesmo mercado, levando a perda de clientes e vendas por parte da Sybase. Como seria de esperar, a 12 de Abril de 1994 a Sybase e a Microsoft anunciaram o fim do seu acordo. Cada empresa iria desenvolver separadamente a sua versão do SQL Server. Estava aberto o caminho para acrescentar novas características ao produto e mudar o rumo do desenvolvimento. Ambas as versões teriam compatibilidade com as versões anteriores, mas a partir deste ponto o seu desenvolvimento divergiu e as novas versões apresentaram características diferentes. Começavam assim a competir directamente uma com a outra. Página 11

16 1.1.7) SQL Server 95 No início de 1995, estava planeado que a nova versão do SQL Server acrescentasse novas características do System 10, mas o fim do acordo de desenvolvimento veio alterar este cenário. O lançamento do System 10 no final desse ano fez com que a Microsoft perdesse clientes. Iniciava-se uma corrida para o lançamento de uma nova versão com muitas características novas e melhorias a nível de performance. Foi denominada SQL95 adoptando a designação da nova versão do Windows a ser lançada por essa altura. Nesta altura o problema de replicação estava na moda, tornando-se uma característica chave desta versão. Os scrollable cursors, que se achava necessário incluir, eram outra característica importante. Uma outra característica a ser incluída passava por um novo sistema de gestão com o nome de código StarFighter (conhecido hoje como SQL Server Enterprise Manager) que também estava em desenvolvimento. A primeira versão beta foi lançada nos finais de Outubro de 1994, ainda com o StarFighter incompleto, mas com o motor da base de dados final. A 14 de Junho de 1995, o produto final era lançado com o nome de SQL Server 6.0. Logo após o lançamento desta versão, começou o trabalho numa nova versão que iria ser conhecida com SQL Server 6.5. Devido ao lançamento de uma versão como a 6.0, cheia de novas características, algumas funcionalidades foram adiadas e novas necessidades surgiram. Por exemplo, a explosão da Internet e do Data Warehousing. Estas características seriam incluídas no SQL Server 6.5. A primeira versão beta foi lançada a 15 de Dezembro de 1995 e a versão final em Abril de ) Nome de Código Sphinx Ainda antes do lançamento do SQL Server 6.5 uma equipa de desenvolvimento já preparava separadamente o futuro. Em 1993, a Microsoft havia decidido que as bases de dados eram uma área chave e, em finais de 1994, começou a contratar profissionais da DEC e de outras grandes companhias para trabalhar com as equipas de desenvolvimento do Microsoft JET e do SQL Server numa nova geração de tecnologias de bases de dados. Durante 1995, o período de lançamento do SQL Server 6.0 e 6.5, esta equipa construiu um novo motor de consultas (query processor) que daria origem ao Microsoft Data Engine (MSDE). Página 12

17 O desenvolvimento do MSDE foi complementado com o desenvolvimento simultâneo do OLE BD, que permitiu que elementos base do SQL Server fossem desenvolvidos como componentes independentes. Estes componentes podiam assim comunicar utilizando a layer de OLE BD. Nos finais de 1995, o novo componente de processamento de consultas foi integrado no código base do SQL Server e o desenvolvimento do novo SQL Server, denominado Sphinx, começou. O desenvolvimento desta nova versão tinha um objectivo primordial: rescrever o motor da base de dados de forma a que o SQL Server pudesse ser escalável até às necessidades dos utilizadores. Isto significava capacidade para tirar partido de maior quantidade e velocidade dos processadores e da memória que o sistema operativo conseguisse suportar. Este crescimento implicava a capacidade de suportar alterações aos seus componentes de uma forma modular. Também seria alterado de forma a correr em plataformas mais leves como desktops e portáteis. Existiam dois objectivos principais: Full row-level locking 1 com um novo gestor de smart lock; Um novo motor de processamento de queries que permitisse tecnologias como processamento de queries heterogéneas distribuídas e processamento eficiente de ad hoc queries (necessário para a Internet e Data Warehousing). A versão beta 1 do SQL Server 7.0 foi lançada numa edição limitada nos finais de 1997, sendo lançado em Dezembro de 1997 a versão beta 2. Devido à nova arquitectura, todas as bases de dados e estruturas de dados contidas tiveram que ser completamente reconstruídas no processo de upgrade. Havia um compromisso com os clientes de que as suas bases de dados seriam completamente actualizáveis na migração da versão 6.5 para a versão 7.0. Foi instituído um programa designado 1K Challenge, em que 1000 clientes foram convidados a enviar cópias das suas bases de dados para a equipa de desenvolvimento para serem migradas para a versão 7.0. Foi instalado um laboratório para efectuar estas migrações e onde equipas de desenvolvimento convidadas efectuaram testes de compatibilidade das suas aplicações com a nova versão. Estes testes permitiram que a detecção e correcção de problemas com a nova versão ainda antes dela ser lançada como 1 Mecanismo de bloqueio. 2 Comandos de interrogação à base de dados. Página 13

18 produto final e a discussão de estratégias para tirar partido das novas funcionalidades do produto. Em Junho de 1998, foi lançada a versão beta 3 a partir do site SQL Server Web, conjuntamente com exercícios que demonstravam as novas características e capacidades do produto. A 16 de Novembro de 1998, na COMDEX em Las Vegas foi publicamente apresentado o novo produto, que seria lançado no mercado em Janeiro de ) Finalmente o SQL Server 2000 Como seria de esperar, o desenvolvimento do SQL Server não parou por aqui. Muitas características que não tinham sido incluídas na versão 7.0 passariam a fazer parte da nova versão em desenvolvimento. Nesta altura estavam planeado duas novas versões, o Shiloh que seria uma actualização da versão 7.0 para 7.5 e o Yukon que seria a próxima grande versão a ser lançada. As expectativas em relação ao Shiloh não eram muitas, uma vez que era esperado que a maior parte dos clientes não instalassem esta versão por a considerarem uma versão que necessitaria de alguns service packs até atingir estabilidade. No entanto, isto não se verificou. Na realidade o SQL Server 7.0 recebeu uma boa aceitação e a maior parte dos problemas pode ser resolvido através de alguns Service Packs simples, não existindo necessidade para uma versão.5. Inclusive os clientes pediam novas características há muito prometidas e sempre adiadas, como suporte para cascade deletes e updates, melhorias a nível de partitioned views. Existia também um desafio lançado pela Oracle Corporation que evidenciava características que estavam incluídas no Oracle e não no SQL Server. Assim foi decidido que a versão 7.5 seria não apenas uma actualização da versão 7.0, mas uma nova versão completa, acrescentando novas características. Com um período de desenvolvimento de 18 meses, a objectivo inicial passava por melhorias a nível de performance (o objectivo era um aumento de pelo menos 20%). Uma vez que era um objectivo pouco concreto, a equipa de desenvolvimento decidiu concretizar essa melhoria para o processamento de queries do SAP R3, o que implicaria melhorias também para muitas outras aplicações. Na apresentação do Windows 2000 em Fevereiro de 2000, San Francisco, foram anunciados os resultados do teste efectuado com 6700 utilizadores no Sales and Distribution benchmark do SAP R3 em comparação com o SQL Server 7.0 que apenas atingiu os 4500 utilizadores (testes realizado com o Página 14

19 mesmo hardware, uma máquina com 8 processadores Pentium-III 550 MHz). Isto representava uma melhoria de 48%, superando os objectivos iniciais. Secretamente uma nova característica estava a ser acrescentada ao SQL Server que não foi anunciada, nem incluída nas primeiras versões beta. Só aquando do lançamento do Windows 2000 é que foi revelado a inclusão de partitioned views no SQL Server e que tinham permitido atingir as melhorias da performance anunciadas. Esta característica foi denominada internamente por Coyote. A versão Beta 1 do SQL Server foi lançada em Setembro de 1999 apenas para um grupo restrito de clientes e beta testers. Pouco depois a Microsoft anunciava que o nome definitivo do produto seria SQL Server Existiam duas razões para esta alteração de nome. Em primeiro lugar, as características deste produto faziam com que não fosse apenas uma versão intermédia, mas um produto completamente novo. Em segundo lugar, se o produto adoptasse o nome de versão 8.0, seria o único produto do BackOffice que não utilizava o nome Para se enquadrar com os restantes produtos da mesma linha foi decidido que adoptaria as mesmas linhas guia. No entanto, internamente esta versão ainda utiliza o número visível através da função Do ponto de vista do utilizador esta versão introduziu uma série de novas funcionalidade, ainda mais do que a sua antecessora. A versão 7.0 teve várias alterações, a rescrita do motor da base de dados e outras alterações internas, mas a nível externo as alterações ou novidades foram poucas. O SQL Server 2000 acrescentou novas funcionalidades a nível de suporte multilíngue e alterações a objectos tais como constraints de tabelas, vistas, triggers. Devido às poucas alterações a nível do motor interno, foram apenas previstas duas versões beta, sendo a Beta 2 lançada em Abril de A 6 de Agosto de 2000, a equipa de desenvolvimento deu o código por terminado e compilou a versão final, que entraria em produção três dias mais tarde. Se analisarmos a história deste produto vemos que ela passa por uma série de alterações e acrescentar de características que os utilizadores necessitam, sendo previsível que no futuro sejam lançadas novas versões que devem estar hoje em desenvolvimento. Página 15

20 2. Capítulo 2.1) A ARQUITECTURA DO SQL SERVER 2000 Este capítulo pretende descrever quais os componentes da arquitectura do motor do SQL Server ) O motor do SQL Server A Figura 1 mostra um esquema geral da arquitectura. A partir deste esquema serão descritos os vários componentes estudados para este trabalho. Figura 1: Esquema Geral da Arquitectura Página 16

Worldwide Online TechDay. 30 - Outubro

Worldwide Online TechDay. 30 - Outubro 30 - Outubro 1 Como funciona um banco de dados Microsoft SQL Server? Fabricio Catae Premier Field Engineer Microsoft Certified Master Twitter: @fcatae WebSite: http://blogs.msdn.com/fcatae/ 2 Nossos Parceiros

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a

A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a Transações A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a base de dados d servir várias clientes simultaneamente. Em SQL é possível definir explicitamente os limites de uma transação.

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

SOFTWARE. A parte lógica do Computador. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006

SOFTWARE. A parte lógica do Computador. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006 Introdução à Informática SOFTWARE A parte lógica do Computador Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006 Conceito de Software Parte lógica do sistema de

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

Windows NT 4.0. Centro de Computação

Windows NT 4.0. Centro de Computação Windows NT 4.0 Centro de Computação Tópicos Introdução Instalação Configuração Organização da rede Administração Usuários Servidores Domínios Segurança Tópicos È O sistema operacional Windows NT È Características:

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Sistemas Operacionais. Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias

Sistemas Operacionais. Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias Sistemas Operacionais Microsoft Windows R Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias Histórico Início da década de 80 MS-DOS (vai evoluindo, mas sem nunca deixar de ser um SO orientado à linha

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Operating System Concepts, Abraham Silberschatz, Peter Baer Galvin, 6ª Ed., Addison-Wesley, 2002 [cap.1, 2 e 3] Operating Systems, Third Edition Harvey M. Deitel, Prentice

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Sistemas Operativos. Princípios de sistemas operativos. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt)

Sistemas Operativos. Princípios de sistemas operativos. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Sistemas Operativos Princípios de sistemas operativos Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Agenda objectivos de um computador objectivos de um sistema operativo evolução dos sistemas operativos tipos de sistemas

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

Arquitecturas de Sistemas de Base de Dados

Arquitecturas de Sistemas de Base de Dados Arquitecturas de Sistemas de Base de Dados Sistemas Centralizados Sistemas Cliente-Servidor Sistemas Paralelos Sistemas Distribuídos Sistemas Centralizados Correm sobre um único computador e não interagem

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos

Comunicação em Sistemas Distribuídos Comunicação em Sistemas Distribuídos Sockets Aplicações Protocolo de Aplicação FTP, SMTP, HTTP, Telnet, SNMP, etc. sockets TCP, UDP IP Data Link Ethernet, Token Ring, FDDI, etc Física Conjunto de APIs

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento de Informática Ficha prática nº 7 SGBD Microsoft Access e SQL Server Objectivo: Criação de uma aplicação em arquitectura

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4 REFLEXÃO 4 Módulos 0776, 0780, 0781, 0786 e 0787 1/10 8-04-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0776 - Sistema de informação da empresa, 0780 - Aplicações

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Informação Útil Já disponível o SP1 do Exchange Server 2003

Informação Útil Já disponível o SP1 do Exchange Server 2003 Novidades 4 Conheça as principais novidades do Internet Security & Acceleration Server 2004 Membro do Microsoft Windows Server System, o ISA Server 2004 é uma solução segura, fácil de utilizar e eficiente

Leia mais

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas SiDEI Sistema de Avaliação Automática de Alunos Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Disciplina de Engenharia de Software Instituto Superior de Engenharia do Porto Alunos: André Serafim

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS SERVER 2003

INTRODUÇÃO AO WINDOWS SERVER 2003 INTRODUÇÃO AO WINDOWS SERVER 2003 1 FUNÇÕES DE UM SERVIDOR Um servidor é um computador que tem como função disponibilizar serviços numa rede. Uma das funções do Windows Server 2003 é gerir um domínio da

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Introdução Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência entre processos (i.e., a execução de um processo

Leia mais

Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR

Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR Serviços HP Care Pack Dados técnicos O Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR fornece implementação do produto

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

A SOLUÇÃO MAIS DETALHADA E EFICIENTE PARA DOCUMENTAÇÃO TOTAL DA INFORMAÇÃO DA EMPRESA E ANÁLISE DE IMPACTO NA INSTALAÇÃO EM AMBIENTE OS/390 OU zos

A SOLUÇÃO MAIS DETALHADA E EFICIENTE PARA DOCUMENTAÇÃO TOTAL DA INFORMAÇÃO DA EMPRESA E ANÁLISE DE IMPACTO NA INSTALAÇÃO EM AMBIENTE OS/390 OU zos A SOLUÇÃO MAIS DETALHADA E EFICIENTE PARA DOCUMENTAÇÃO TOTAL DA INFORMAÇÃO DA EMPRESA E ANÁLISE DE IMPACTO NA INSTALAÇÃO EM AMBIENTE OS/390 OU zos O DOCET é uma solução que integra toda a informação obtida

Leia mais

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Banco de Dados Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos)

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Bases de Dados Distribuídas

Bases de Dados Distribuídas Introdução Devido ao ambiente de grande competitividade em que as organizações de hoje têm que actuar, estas são forçadas a distribuir-se geograficamente, procurando as condições locais mais favoráveis

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Arquitetura Cliente/Servidor. Uma visão. analítica sobre Bancos de Dados. Banco de Dados. Prof. Enzo Seraphim

Arquitetura Cliente/Servidor. Uma visão. analítica sobre Bancos de Dados. Banco de Dados. Prof. Enzo Seraphim Arquitetura Cliente/Servidor Uma visão Banco de Dados analítica sobre Bancos de Dados Prof. Enzo Seraphim Modelo Cliente Servidor Protocolo Cliente Faz pedido de serviços ao Servidor Servidor Processa

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Leia mais

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP)

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Existem inúmeras ferramentas (software) baseadas em RdP que permitem desenvolver modelar e analisar sistema de RdP. Algumas

Leia mais

Curso Técnico de Informática de Sistemas

Curso Técnico de Informática de Sistemas Curso Técnico de Informática de Sistemas Módulo: 772 Sistemas Operativos Formador: Henrique Fidalgo Objectivos da UFCD: Instalar e configurar sistemas operativos. Instalar e configurar utilitários sobre

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Tópicos Avançados de Bases de Dados Instituto Politécnico da Guarda, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, 2005/2006

Tópicos Avançados de Bases de Dados Instituto Politécnico da Guarda, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, 2005/2006 Programa de TABD 2004/2005 Componente teórica Tópicos Avançados de Bases de Dados Revisão e complemento de bases de dados relacionais Revisão de conceitos básicos Transacções e controlo de concorrência

Leia mais

Gonçalo Amador Ricardo Alexandre. Bases de Dados Distribuídas

Gonçalo Amador Ricardo Alexandre. Bases de Dados Distribuídas Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Gonçalo Amador Ricardo Alexandre Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Bases de Dados Distribuídas 1 Modelos de Bases de Dados 2 Conceitos

Leia mais

CICS Resumo. Acerca deste resumo: Introdução (1-2) Arquitectura (3-4)

CICS Resumo. Acerca deste resumo: Introdução (1-2) Arquitectura (3-4) CICS Resumo Acerca deste resumo: Este é o resumo da matéria estudada para apresentar o sistema IBM CICS, o monitor transaccional mais utilizado. Cada secção diz respeito a um conjunto de acetatos que são

Leia mais

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Objectivos: Criar uma base de dados vazia. O Sistema de Gestão de Bases de Dados MS Access Criar uma base dados vazia O Access é um Sistema de Gestão de Bases

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas das Tecnologias

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO ADO.NET (DESCONECTADO)

INTRODUÇÃO AO MODELO ADO.NET (DESCONECTADO) INTRODUÇÃO AO MODELO ADONET (DESCONECTADO) O modelo ADONET (Activex Data Objects NET) consiste num conjunto de classes definidas pela NET framework (localizadas no namespace SystemData) que pode ser utilizado

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 06/07 Sérgio Sobral Nunes mail: sergio.nunes@fe.up.pt web: www.fe.up.pt/~ssn Sumário Definição

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Correcção da ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Sistemas Operacionais Distribuídos e Multiprocessados

Sistemas Operacionais Distribuídos e Multiprocessados Tópicos em Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Distribuídos e Multiprocessados Por André Macedo, Marcelo Moraes, Thaís Fernandes Sumário Teoria: Sistemas Multiprocessados Estudo de caso:k42 Teoria:

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Servidor de Dados. Sistemas de Informação Módulo 4

Servidor de Dados. Sistemas de Informação Módulo 4 Servidor de Dados Sistemas de Informação Módulo 4 Módulo 4 Arquitectura Cliente/Servidor Administração de um Servidor/Base de Dados Conteúdos do Módulo 4 Conceitos Gerais sobre a arquitectura Cliente/Servidor;

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados. (Aula 1) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados. (Aula 1) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados (Aula 1) Clodis Boscarioli Agenda: Apresentação do Plano de Ensino; Aspectos Históricos; Estrutura Geral de um SGBD; Profissionais

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Aula 05 Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br)

Leia mais

Capítulo 8. Software de Sistema

Capítulo 8. Software de Sistema Capítulo 8 Software de Sistema Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos Conhecer o ciclo de desenvolvimento da linguagem Java

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux Update 5 Guia da Instalação Índice 1 Antes da instalação...3 1.1 Componentes do Acronis Backup & Recovery 10... 3 1.1.1 Agente para Linux... 3 1.1.2 Consola

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

António Rocha Nuno Melo e Castro

António Rocha Nuno Melo e Castro António Rocha Nuno Melo e Castro !"#$ Excepção: condição de erro; quando ocorre o erro é levantada uma excepção que interrompe o fluxo normal de execução do programa e o direcciona para uma rotina de tratamento

Leia mais