8VDQGRDVRSo}HVGH64/DYDQoDGRGR %URZVHGR&ODULRQ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8VDQGRDVRSo}HVGH64/DYDQoDGRGR %URZVHGR&ODULRQ"

Transcrição

1 8VDQGRDVRSo}HVGH64/DYDQoDGRGR %URZVHGR&ODULRQ -XOLR&pVDU3HGURVR No Clarion 6 na janela %URZVH %R[ %HKDYLRU, uma nova guia foi adicionada, e tenho certeza, poucos programadores já fizeram uso dela, ou melhor, muito poucos sabem a utilidade da mesma. Basicamente o propósito desta aba parece ser mostrar campos calculados, como por exemplo, SUM, AVG, COUNT (Somar, Médias, Contar), mas estes campos podem mostrar diversas informações de alto nível SQL, tais como 6WRUH 3URFHGXUHV e /RRNXSV de tabelas não relacionadas com o uso de comandos SQL. O objetivo deste artigo é desmistificar um pouco este assunto. Vamos explicar como usar esta guia e as propriedades SQL relacionadas com ela tais como 35231$0(, )LJXUD 3523:+(5(, '(5 e 3523*5283%<. Vamos demonstrar o uso de um totalizador otimizado em um Browse ABC. Trata-se de uma idéia muito simples: Você configura uma lista de campos para o engine da View e especifica os valores para estes campos. Imagine uma tabela SQL de Ordens de compra, com o prefixo Ord, onde temos os campos: Campo1, Campo2 e Campo3 com ações diferenciadas e valores diferenciados para cada um deles, como demonstra a tabela abaixo: Campo Sentença SQL Significado Ord:campo1 Sum(b.total) Soma os itens das linhas Ord:campo2 (Select codcli from clientes where codcli = a.codcli ) Mostra campos não relacionados ao invés de campos relacionados. Ord:campo3 1 1 Se você tiver uma 9LHZ, com os campos acima (por ora vamos ignorar a coluna 9DOXH), a RTL do Clarion irá criar uma sentença SELECT semelhante a: Select A.campo1, A.campo2, A.campo3 FROM Ordens A join, Where etc.. etc.. RTL = Run Time Library (ou livraria em tempo de execução). Porém, com os valores especificados acima, os templates irão gerar códigos de atribuição para as sentenças SQL (onde for especificado), para cada campo. Explicaremos na seqüência a sintaxe deste código, mas a idéia básica é usar a nova propriedade 35231DPH, para substituir um campo na sentença SELECT por uma sentença SQL definida pelo usuário. Com este

2 novo recurso você pode embutir sub selects e agregar funções nas sentenças SQL que serão enviadas ao EDFNHQG pelo seu programa Clarion. Observemos um exemplo bem simples. Nosso desafio é uma coisa bastante comum. Queremos mostrar o total de vendas por produto. Vamos usar a tabela 2UGHUBGHWDLOV, que vem com o exemplo do Banco de Dados Northwind do MS SQL Server (não sei por que todo mundo usa esse banco como exemplo, deve ser por preguiça mesmo!). Quem já trabalhou com este exemplo do MS SQL Server, sabe que esta tabela não armazena os totais em uma coluna chamada total, e, portanto eu não posso simplesmente criar um SUM(TOTAL), o que seria muito fácil se a coluna existisse. Desta forma a sintaxe para obter as somas por produto é: SELECT a.productid, b.productname, SUM(a.UnitPrice * a.quantity - a.unitprice * a.quantity * a.discount) AS Total FROM [Order Details] a INNER JOIN Products b ON b.productid = a.productid GROUP BY a.productid, b.productname A figura 1 mostra a guia Advanced SQL para os Browses do Clarion, com diversas atribuições de campo. A razão de se atribuir o valor 1 para o campo OrderId e ProductId é a forma como os campos são projetados pelo Clarion quando se ligam a outras tabelas. os campos ligados em ambas as tabelas são projetados e o engine SQL não permite isso. Atribuindo um valor 1 para o campo, faz com que a Query seja vista como: Select Sum etc, 1,1, b.productid, b.productname group by... O que resulta numa sentença ilegal para o SQL. O exemplo da figura 1 não irá funcionar portanto. Muitas queries são ilegais por que o campo da chave primária é projetado na estrutura da View. Isto foi resolvido no Clarion 6, quando marcamos o checkbox 'R QRW LQFOXGH3ULPDU\.H\LQYLHZ na guia ([WHQG 2SWLRQV dos Browses do Clarion 6 (hum... então é pra isso que serve este checkbox!), mas ainda existem várias outras armadilhas de sintaxe que podem comprometer o nosso trabalho. O campo da chave primária é também preferencialmente o campo da cláusula ORDER B, a menos que seja sobrescrito por uma sentença '(5, em $GGLWLRQDO 6RUW )LHOG. Ainda, quando se exibe o resultado de uma consulta do tipo total em um browse este browse deve ser configurado para )LOH/RDGHG, uma vez que não é possível para o Clarion )LJXUD )LJXUD

3 executar um UHIUHVK, neste caso, sem atualizar todo o browse. Antes de continuarmos, se você não possui o SQLSERVER e o Banco de dados Northwind, você pode instalar o uma versão grátis do SQL Server 2005 Express Edition da url Depois de instalar o SQL Server 2005 Express Edition, você vai notar que o NorthWind não faz parte do pacote, mas você poderá baixa-lo em um download separado da url 46a0-8da2-eebc53a68034&displaylang=en. E pronto, agora podemos continuar a nossa matéria. A guia 64/ $GYDQFHG abrange as novas propriedades 35231$0(, 3523*5283%< e 3523+$9,1*, as quais requerem a sintaxe SQL correta assim como /. No início é um pouco difícil entender a importância destas propriedades, uma vez que estamos acostumados a utilizar / para codificar a grande maioria das nossas sentenças SQL. Com o passar do tempo vamos entendendo esta nova forma de escrever SQL dentro da aba 64/ $GYDQFHG. Vamos analisar um exemplo do mundo real (abstração). 8PDRSHUDomRGHVRPDWUDGLFLRQDOVHP5HVHWIURP9LHZ No padrão do Clarion (não SQL Advanced), totalizar significa escanear todos os registros na view. Isto é um procedimento normal para a maioria das relações de arquivos do tipo pai-filho, mas mata a performance em browses não filtrados e também quando mesmo existindo um filtro, este não pode ser avaliado no servidor. Quem não conhece a lentidão dos browses com totalizadores? É claro que posso fazer a totalização condicional, mas infelizmente não posso mudar o filtro condicionalmente, do tipo ordens deste mês, ou todas as ordens, sem que tenha que mudar também a totalização. Duvido que haja alguma maneira de condicionar a totalização para um milhão de registros em cada conjunto de resultados, com uma boa performance. Quem já tentou resolver isto desta forma, tenho certeza encontrou um grande problema. O que se pode fazer é uma View semelhante à View do Browse, mas com uma quantidade mínima de campos, usando os filtros do browse e recuperando os totais em uma View filtrada. Para que os filtros sejam válidos podemos ter um -RLQ com algumas tabelas relacionadas, as quais fatalmente ocasionam falhas na implementação do -2,1 do Clarion. Quando você projeta um -RLQ Clarion, todos os campos da tabela são projetados para a View, a menos que você especifique os campos individualmente com um 352-(&7FDPSR). Quando combinado com 35231$0(, usando uma função de agregação, a sentença 6(/(&7 é inválida. Considere esta View: View:Orders View(Orders) Project(Ord:Total) JOIN(Cus:K_CustomerId,Ord:CustomerId) Project(Cus:Name) Agora, vamos usar 35231$0(, para substituir Ord:Total por uma sentença SUM.

4 View:Orders{ Ord:Total,Prop:Name}= Sum(Total) Este código irá resultar em uma senteça SELECT semelhante a: Select Sum(Total),b.Name from orders... Naturalmente esta sentença SQL não é válida pois combina uma função de agregação com um campo não agregado (b.name), e não foi especificada a clásula GROUP BY. Se, entretanto, eu adicionar esta sentença: View:Orders{'Cus:Name',Prop:Name}=1 Será enviada para o banco uma sentença: Select Sum(Total),1 From Orders Join Customers on... O que será totalmente válido, do ponto de vista do %DFN(QG. Abaixo temos um código de exemplo que substitui o método 5HVHW)URP9LHZ para totalizar alguns campos em uma tabela relacionada. Também é feita uma contagem no conjunto de resultados para mostrar o número de registros ao usuário. Filtros inválidos irão reportar os totais em toda a tabela, e então eu posso tomar a ação adequada se o número de registros totalizados for igual ao número total de registros da tabela. BRWOrders.ResetFromView PROCEDURE!Variável que guarda o status do arquivo. LStat Ushort!Declara uma view, alguns joins como views do browse view, mas com!poucos campos View:Orders View(Orders) Project(Ord:OrderId) Project(Ord:Total) JOIN(Cus:K_CustomerId,Ord:CustomerId) Project(Cus:Name) CODE LStat = Self.Primary.me.SaveFile()!salva o ponteiro View:Orders{Prop:Filter}=Self.View{Prop:Filter}!Copy Filter!ordena pelo primeiro campo para suprimir o campo da chave primária View:Orders{Prop:Order}='SQL(1)' Open(View:Orders)!Abre a view View:Orders{'Ord:Total',Prop:Name}='Sum(Total)' View:Orders{'Ord:OrderId',Prop:Name}='Count(OrderId)' View:Orders{'Cus:Name',Prop:Name}=1 Set(View:Orders) Next(View:Orders) Recs = Ord:OrderId Total = Ord:Total Close(View:Orders) Self.Primary.Me.RestoreFile(lStat) Return

5 Esta codificação me retorna o total imediatamente, ao invés de pendurar a aplicação (como ocorre em processos normais com uma grande quantidade de registros). A única coisa que não acontece é a manipulação da totalização condicional Isto pode se resolvido, repetindo a seqüência por cada condição e pela junção do filtro ao filtro normal DPH PROP:Name não é uma nova propriedade, mas, no espírito do Clarion, ela é H[WHQGLGD para as estuturas VIEW. Considere a seguinte View: View:Orders VIEW(Orders) PROJECT(Ord:Total) Como foi dito anteriormente com a propriedade 35231$0( podemos mudar o valor recuperado a partir do %DFNHQG. View:Orders{ Ord:Total',PROP:NAME} = Sum(Total)' Este código irá transformar a consulta de: Select Total From Orders Para: Select Sum(Total) From Orders 35231$0( pode ser usada com qualquer valor, contanto que esse valor seja um sql válido. 3523*5283%< Esta propriedade seta a sentença SQL pela cláusula *URXS%\, a qual permite agrupar os dados de acordo com certas condições. Se H[WHQGHUPRV a visão anterior para incluir o código do cliente, a consulta irá retornar um erro do tipo column is invalid in the select list because it is not contained in aggregate function and there is no *5283%< clause. Traduzindo para o tupiniquim. A coluna é inválida na lista select por que ela não está contida na função de agregação e não existe na cláusula *5283%<. Podemos usar a propriedade 3523*URXS%\ para mostrar os registros totalizados por cliente. View::Orders{Prop:GROUPBY}='Codcli' 3523+$9,1* +DYLQJ é um elemento de filtragem aplicado à consultas, que pode ser usado para limitar o resultado para um determinado critério. Por exemplo:! mostra somente clientes que possuam! ordens em valor superior a ,00. View:Orders{PROP:HAVING}='Sum(Total)>10000' Este é um exemplo básico, e pode não funcionar. Isto porque o SQL é meio burro, e o Clarion sozinho não será capaz de domesticá-lo o programador precisa conhecer tanto de Clarion como de SQL para obter sucesso. Quando usamos 3URS+DYLQJ temos que avaliar (evaluate) um dos campos da lista da query, e algumas vezes temos que relembrar o prefixo usando letras A, B, C, D, etc... baseadas na posição do campo no arquivo. (isto pode ser alterado pela propriedade 3523$/,$6). Recentemente adquiri o habito de colocar prefixo em todos os campos, independente do número de tabelas na view, de modo que o código não será quebrado se eu adicionar mais tabelas.

6 64/H352325'(5 64/ é uma nova função no Clarion 6. Ela é um substituto para as sentenças 3URS6TO)LOWHU e 3URS6TO2UGHU, ambas usadas para concatenar uma expressão regular do clarion com uma expressão SQL. Assim, ela pode ser usada tanto em campos de filtro quanto em campos de ordenação nas Views do Clarion. Uma das suas utilidades é a possibilidade de fazer tabelas de ORRNXSV com (;,676 ou,1 ou invés de ligar todas as tabelas possívels. Por exemplo, se eu precisar enviar s para todos os leitores da News Clarion Brasil, do meu cadastro, eu uso uma query para estabelecer um filtro em tempo de execução, para, por exemplo, filtrar somente aqueles que tenham comprado alguma coisa relacionadas com a revista. Mas, usamos '(5 há muito tempo, não usamos? De fato, mas se você tentar usar PROP:NAME sem uma cláusula ORDER válida, a consulta irá falhar. A razão é que o Clarion espera por uma clausular ORDER como parte de uma sentença de processamento da View. Se você não fornecer uma Ordem, o Clarion irá adicionar os campos da chave primária como parte de uma cláusula 25'(5%<, e isto causará um erro do tipo column is invalid. Uma solução é setar o $GGLWLRQDOVRUWRUGHU para o mesmo que as colunas 3523*5283%<, onde se aplicar. Uma outra solução é usar a função 64/, como no exemplo abaixo: View:Orders{Prop:Order}='SQL(1)' Com o MSSQL o número referencia a lista do select, então o servidor irá agrupar pelo primeiro elemento da query, neste caso, SUM(Total), ordenando pelo menor valor primeiro. Isto simplifica a codificação em certas circunstâncias. O time de desenvolvimento da SoftVelocity considera esta a melhor maneira para evitar a má formação de sentenças '(5. 3RUTXHQmRXVDU352364/" Depois do que foi exposto acima, vem a pergunta: Porque usar esta propriedade ao invés do aproach comum com /? Acredite ou não, é simplificação. Estas propriedades podem ser usadas em conjunto com todas as diferentes propriedades da View, de forma que podemos combinar 680(), $9*(). &2817(), por exemplo, com um 3523),/7(5, usando o melhor dos dois mundos. Tendemos a cometer erros ( já cometi muitos) quando usamos filtros de data em sentenças /. Se eu escolher filtrar por uma data no Clarion, usando 3523),/7(5, a 5XQ7LPH/LEUDU\ irá transformar isso para mim em algo parecido com: View:Orders{Prop:Filter}='Ord:CustomerId=1 And ' & 'Ord:OrderDate_Date>=Date(1,1,Year(Today()))' View:Orders{ Ord:Total',Prop:Name}='Sum(Total)' O que os dois aproachs tem em comum, é que o filtro enviado para o backend é uma sentença SQL Válida, mas, o filtro funcionará? Trará o resultado esperado? O Clarion não consegue traduzir tudo, mas o engine da View irá manipular os filtros inválidos no cliente. Isto não funcionará com as funções de agregação da forma como estas são avaliadas no servidor. Imagine uma situação onde um usuário cria um filtro usando 0217+(), <($5() e 72'$<(). É uma forma inteligente de construção de filtro, mas a combinação

7 resultante na aplicação cliente é a apresentação de um Total de toda a tabela, ao invés do resultado filtrado. Podemos então, mudar o filtro para algo como: Ord:OrderDate>=Date(Month(Today()),1,Year(Today())) Agora a RTL irá entender corretamente. Uma outra diferença é que quando usamos /, não podemos usar SET(view). Esta diferença é outra coisa que nos faz pensar a respeito das técnicas aqui abordadas, dependendo sempre, das condições e convenções que queremos implementer. O approach antigo / e as novas propriedades aqui mostradas, compartilham o mesmo problema: pelo fato de você estar usando constants do tipo string para os nomes dos campos, qualquer alteração no dicionário de dados não sera carregada automaticamente para as suas sentenças SQL. 3523:+(5( Atualmente, 3523:+(5( é uma propriedade de arquivo, não uma propriedade de VIEW. Ele funciona da mesma maneira que um /),OWHU em uma View, só que no caso, atuando sobre um arquivo. O uso prático disso pode ser visto em conjunção com /223 1(;7 (File). Em qualquer lugar onde você usa uma sentença &</&( na estrutura /223, você pode usar um 3523:+(5( ; a diferença é que você terá a avaliação da sentença no lado servidor, reduzindo consideravelmente o tráfego de rede. Além do mais, a propriedade 3523:+(5(, pode ser configurada no seu Dicionário de dados, como uma string de driver, mas desde que isto não afete o engine da View. Veja e analise o código abaixo: Clear(File) Ord:CustomerId = Cus:CustomerId Set(Ord:K_CustomerId,Ord:K_CustomerId)!Pegar as ordens deste ano Orders{Prop:Where}='Year(OrderDate)=Year(GetDate())' Loop Until Access:Orders.Next()!Bloco de código obsoleto If Year(Ord:OrderDate_Date)<>Year(Today()) Cycle! final do código obsoleto. Do ActionPerRecord &RQFOXVmR A guia 64/ $GYDQFHG dos Browses do Clarion 6 é uma das novas implementações em Clarion que tem sido vista como uma coisa desnecessária e complicada. Este artigo procura mostrar as vantagens de seu uso o outro lado da resolução de problemas usando essa tecnologia. As propriedades envolvidas disponibililizam uma interface comum para o SQL engine. Uma vez que elas podem ser combinadas entre si, o desenvolvedor pode facilmente expandir o código existente sem a necessidade de reescrevê-lo. Quando usado em codificação manual, o código é fácil de ser entendido, e como conseqüência propicia uma fácil manutenção. Não subestime as funções desta guia. Estude-as e verá que ela pode melhorar, e muito, o desenvolvimento de seu aplicativo.

8 5HIHUrQFLDV%LEOLRJUiILFDV - Manual do Clarion 6 - Revista News Clarion Brasil - Revista Clarion Magazine - Programando em Clarion com PostgreSQL.

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR 8VDQGRSDUkPHWURV

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR 8VDQGRSDUkPHWURV 8VDQGRSDUkPHWURV O envio de parâmetros para um relatório é uma das funções mais úteis do Report Manager, com eles você pode: Permitir que o usuário final altere palavras ou sentenças de um relatório; Atribuir

Leia mais

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Objectivos: Funções de agregação Agrupamento e sumário de dados Funções de agregação Nesta tarefa orientada iremos formular consultas que sumariam os

Leia mais

NOME SEXO CPF NASCIMENTO SALARIO

NOME SEXO CPF NASCIMENTO SALARIO Tutorial SQL Fonte: http://www.devmedia.com.br/articles/viewcomp.asp?comp=2973 Para começar Os Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Relacionais (SGBDr) são o principal mecanismo de suporte ao armazenamento

Leia mais

Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza

Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza O Sql Server possui um recurso extremamente poderoso que é muito pouco utilizado pelos administradores e programadores. Com certeza, sendo

Leia mais

Múltiplas Tabelas. Disciplina de Banco de Dados

Múltiplas Tabelas. Disciplina de Banco de Dados Múltiplas Tabelas Uma das grandes características de um sistema de banco de dados relacional é a capacidade de interagir com múltiplas tabelas, como se elas fossem apenas uma. Para exemplificar esse tipo

Leia mais

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle PL/SQL Developer é um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) que foi especialmente destinado ao desenvolvimento de programas armazenados em

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre consultas no SAP Business One.

Bem-vindo ao tópico sobre consultas no SAP Business One. Bem-vindo ao tópico sobre consultas no SAP Business One. 1 Neste tópico, você aprenderá a criar consultas SQL utilizando as ferramentas de consulta do SAP Business One Assistente de consultas e Gerador

Leia mais

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS LINGUAGEM SQL PARA CSULTAS EM MICROSOFT ACCESS Objetivos: Neste tutorial serão apresentados os principais elementos da linguagem SQL (Structured Query Language). Serão apresentados diversos exemplos práticos

Leia mais

DML - SELECT Agrupando Dados

DML - SELECT Agrupando Dados DML - SELECT Agrupando Dados 1. Apresentação Já conhecemos os comandos básicos de manipulação de dados: insert; delete; update e select. O comando de consulta select utilizado até aqui era aplicado sobre

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Consultas SQL Parte II

Consultas SQL Parte II CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA COMPONENTE CURRICULAR: BANCO DE DADOS PROFESSOR (A): Josiane Ferri TURMA: 11/1 - Tarde Consultas SQL Parte II Outras cláusulas que o comando select apresenta são DISTINCT,

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Fundamentos de SQL Structured Query Language Aula2 Apresentado por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685

Leia mais

Sistemas de Bases de Dados Relacionais Introdução ao SQL. Interrogações diversas sobre a Base de Dados Northwind

Sistemas de Bases de Dados Relacionais Introdução ao SQL. Interrogações diversas sobre a Base de Dados Northwind SQL (01) Sistemas de Bases de Dados Relacionais Introdução ao SQL Interrogações diversas sobre a Base de Dados Northwind /* Introdução ao SQL - Parte I =========================== Folha de Exercícios Resolução

Leia mais

António Rocha Nuno Melo e Castro

António Rocha Nuno Melo e Castro António Rocha Nuno Melo e Castro SQL- Strutured Query Language é a linguagem mais usada nas bases dados relacionais. Originalmente desenvolvida pela IBM Actualmente é um standard, o mais recente é o SQL:2003

Leia mais

Treinamento sobre SQL

Treinamento sobre SQL Treinamento sobre SQL Como Usar o SQL Os dois programas que você mais utilizara no SQL Server são: Enterprise Manager e Query Analyzer. No Enterprise Manager, você pode visualizar e fazer alterações na

Leia mais

Introdução ao SQL Avançado

Introdução ao SQL Avançado Introdução ao SQL Avançado Introdução as consultas, manipulação e a filtragem de dados com a linguagem SQL Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 Í N D I C E Capítulo 1 - O Início de Tudo 1 Reunindo todas as informações necessárias 2 Instalando o Visual FoxPro 2 Configurando o Visual FoxPro 7 Capítulo

Leia mais

Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL. www.pedrofcarvalho.com.br contato@pedrofcarvalho.com.br São José do Rio Preto

Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL. www.pedrofcarvalho.com.br contato@pedrofcarvalho.com.br São José do Rio Preto Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL Objetivos Revisando a sintaxe SQL SELECT, UPDATE, INSERT, DELETE Manipulando expressões Funções matemáticas, etc Condições de Pesquisa Funções de Agregação

Leia mais

Tuning em queries em Banco de Dados

Tuning em queries em Banco de Dados Tuning em queries em Banco de Dados Alison K. L. Leite 1, Izabella C. A. M. S. Bosco 1, Juliana M. Massoni 1, Patrícia B. Ribeiro 1 1 Curso de Tecnologia em Banco de Dados - Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS LINGUAGEM SQL PARA CSULTAS EM MICROSOFT ACCESS Objetivos: Neste tutorial serão apresentados os principais elementos da linguagem SQL (Structured Query Language). Serão apresentados diversos exemplos práticos

Leia mais

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos.

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos. Wireshark Lab: HTTP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Tendo molhado os nossos pés com o Wireshark no laboratório

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa CPD - Central de Processamento de Dados Divisão de Desenvolvimento de Sistemas

Universidade Federal de Viçosa CPD - Central de Processamento de Dados Divisão de Desenvolvimento de Sistemas Universidade Federal de Viçosa CPD - Central de Processamento de Dados Divisão de Desenvolvimento de Sistemas Manual de padrões e convenções para desenvolvimento de sistemas PHP Versão Conteúdo 1.

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas

ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas Confuso com tantos conceitos novos, com tantas siglas e acrósticos? Qual provedor usar? Devo usar DataSet ou DataReader? Se essas e outras dúvidas te atormentam,

Leia mais

Revisão / Exercícios. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noited}@marciobueno.com

Revisão / Exercícios. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noited}@marciobueno.com Revisão / Exercícios Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noited}@marciobueno.com Especificando Campos Apelidos de campo SELECT DEI" + "-UNICAP" as Centro, Universidade = UNICAP" Expressões como campos Podem

Leia mais

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER Gerenciando Tabelas: DDL - DATA DEFINITION LANGUAG Criando uma tabela: CREATE TABLE CLIENTES ID VARCHAR4 NOT NULL, NOME VARCHAR30 NOT NULL, PAGAMENTO DECIMAL4,2 NOT NULL;

Leia mais

FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA. Módulo de Programação Prof. Bruno Maciel

FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA. Módulo de Programação Prof. Bruno Maciel FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA Módulo de Programação Prof. Bruno Maciel Competências a serem trabalhadas nessa aula Criação da Base de Dados (MySQL) Criação de Tabelas Tipo de Dados Chave Primária

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g

Banco de Dados Oracle 10g 2010 Banco de Dados II Líder: George Petz... 19 Bruno Aparecido Pereira... 07 Gustavo da Silva Oliveira... 24 Luis Felipe Martins Alarcon... 32 Rubens Gondek... 41 Professor: Gilberto Braga de Oliveira

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 03 AT03 Diversos II Page 1 of 25 Indice EXEMPLOS COM GROUP BY E COM A CLÁUSULA HAVING - TOTALIZANDO DADOS... 3 GROUP BY... 3 Cláusula HAVING com GROUP BY... 5 ENTENDENDO

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

Criação Visual de Consultas. Curso: Técnico em Informática (Integrado) Disciplina: Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.

Criação Visual de Consultas. Curso: Técnico em Informática (Integrado) Disciplina: Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu. Criação Visual de Consultas Curso: Técnico em Informática (Integrado) Disciplina: Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br Introdução A complexidade dos sistemas informatizados atuais

Leia mais

Iniciando o MySQL Query Brower

Iniciando o MySQL Query Brower MySQL Query Brower O MySQL Query Browser é uma ferramenta gráfica fornecida pela MySQL AB para criar, executar e otimizar solicitações SQL em um ambiente gráfico. Assim como o MySQL Administrator foi criado

Leia mais

SQL UMA ABORDAGEM INTERESSANTE

SQL UMA ABORDAGEM INTERESSANTE SQL é uma linguagem de consulta estruturada, do inglês Structured Query Language. É uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Android e Bancos de Dados

Android e Bancos de Dados (Usando o SQLite) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Junções e Índices em Tabelas

Junções e Índices em Tabelas Junções e Índices em Tabelas Prof. Fernanda Baião fernanda.baiao@uniriotec.com.br SGBD Considerados MySQL (http://www.mysql.org) SGBD gratuito e simples, sem muitos recursos avançados Fácil de instalar

Leia mais

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR &ULDQGRXPUHODWyULRVLPSOHV

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR &ULDQGRXPUHODWyULRVLPSOHV &ULDQGRXPUHODWyULRVLPSOHV Vamos criar o nosso primeiro relatório usando o PostgreSQL e o Report Manager. Estando com o Report Manager aberto, a partir do menu $UTXLYR, escolha a opção 1RYR. Será aberta

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela Certamente você já ouviu falar muito sobre triggers. Mas o quê são triggers? Quando e como utilizá-las?

Leia mais

BANCO DE DADOS II LINGUAGEM SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE. Prof.: Elvis Bloemer Meurer

BANCO DE DADOS II LINGUAGEM SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE. Prof.: Elvis Bloemer Meurer BANCO DE DADOS II LINGUAGEM SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Prof.: Elvis Bloemer Meurer ORLEANS, 2011 1 CAPITULO 6: FUNÇÕES DE GRUPO...4 6.1 OBJETIVOS DESTE CAPÍTULO...4 6.2 FUNÇÕES DISPONÍVEIS...4 6.3

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel Avançado Trabalhando com VBA Descubra a linguagem de programação do Microsoft Office e torne-se um expert no desenvolvimento de funções, macros e planilhas eletrônicas Nas edições anteriores da revista

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Construção de Comandos SQL com boa performance

Construção de Comandos SQL com boa performance Construção de Comandos SQL com boa performance Em bancos de dados relacionais as informações são guardadas em tabelas. Para recuperar uma informação necessaria ao usuário, deve-se buscá-la em várias tabelas

Leia mais

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Editora Carlos A. J. Oliviero Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Orientado por Projeto 1a Edição 2 Reimpressão São Paulo 2011 Érica Ltda. Noções Livrarse Preparação muitas muita Sumário

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Manual QuotServ Todos os direitos reservados 2006/2007

Manual QuotServ Todos os direitos reservados 2006/2007 Todos os direitos reservados 2006/2007 Índice 1. Descrição 3 2. Instalação 3 3. Configurações 4 4. Usando arquivo texto delimitado 5 5. Usando arquivo texto com posições fixas 7 6. Usando uma conexão MySQL

Leia mais

Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela

Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela Objectivos: Consultar dados de uma tabela Utilizar operadores aritméticos, relacionais, lógicos, de concatenação de cadeias de caracteres, LIKE

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

2008.2. SQL Avançado Continuação. Renata Viegas

2008.2. SQL Avançado Continuação. Renata Viegas SQL Avançado Continuação Renata Viegas Cláusula COMPUTE Sintaxe: SELECT FROM ORDER BY COMPUTE BY Para que serve? Gerar totalizadores

Leia mais

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 1 1- Bancos de dados compreendem desde agendas telefônicas até sistemas computadorizados. (Sim) 2- Só podemos instalar o SQL Server Express se tivermos

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Projeto e Implementação

Projeto e Implementação Felipe Nery Rodrigues Machado Banco de Dados Projeto e Implementação 2 Edição 4 Reimpressão São Paulo 2011 Editora Érica Ltda. 3 Projeto Sumário Capítulo 1 O Que É Projeto de Banco de Dados 15 Modelagem

Leia mais

Tolerância a Falhas em sistemas distribuídos (programação)

Tolerância a Falhas em sistemas distribuídos (programação) Tolerância a Falhas em sistemas distribuídos (programação) Arthur Zavattieri Cano Lopes Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Maio de 2009. Resumo

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL 1) Visão Geral A PL/pgSQL é uma linguagem de programação procedural para o Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados SQL-Consultas Comando SELECT Prof. Luiz Antônio Vivacqua C. Meyer (la.vivacqua@gmail.com) Sintaxe Geral SELECT [ALL/DISTINCT] coluna1, coluna2,..., colunan FROM nome_tabela1,

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA RESUMO DE AULA CRIAÇÃO E MANIPULAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

Sumário. Introdução... 1. 1 O Problema... 3

Sumário. Introdução... 1. 1 O Problema... 3 Sumário Introdução... 1 1 O Problema... 3 1.1 Definição do Problema... 3 1.2 A Solução... 3 1.2.1 Projeto Conceitual...4 1.2.2 Projeto Lógico... 5 1.2.3 Projeto Físico... 6 2 Criação de Bancos de Dados...

Leia mais

PROGRAMA. Objectivos Gerais :

PROGRAMA. Objectivos Gerais : PROGRAMA ANO LECTIVO : 2005/2006 CURSO : ENGENHARIA MULTIMÉDIA ANO: 2.º DISCIPLINA : SISTEMA DE GESTÃO DE BASE DE DADOS DOCENTE RESPONSÁVEL PELA REGÊNCIA : Licenciado Lino Oliveira Objectivos Gerais :

Leia mais

1.264 Aula 7. Introdução ao SQL

1.264 Aula 7. Introdução ao SQL 1.264 Aula 7 Introdução ao SQL Linguagem Estruturada de Consulta (SQL) Aula 7 SELECT, INSERT, DELETE, UPDATE Junções Aula 8 Subconsultas Visões (tabelas virtuais) Índices Transações Segurança Desempenho

Leia mais

Criando um banco de dados

Criando um banco de dados Após ter projetado o banco de dados, você pode criá-lo utilizando a interface ou com a linguagem. É possível que você queira adicionar tabelas existentes ao banco de dados e depois modificá-las para aproveitar

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães O ASP.NET que é a camada de desenvolvimento de aplicações web da plataforma.net vem agradando em muito os desenvolvedores de todo o mundo desde o

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br www.pedrofcarvlho.com.br. As cláusulas ROLLUP, CUBE e GROUPING

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br www.pedrofcarvlho.com.br. As cláusulas ROLLUP, CUBE e GROUPING As cláusulas ROLLUP, CUBE e GROUPING A conjugação das funções de grupo com a cláusula GROUP BY permite obter contagens, somas ou médias sobre os valores dos elementos de um grupo. As cláusulas ROLLUP e

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

SQL Comandos para Relatórios e Formulários. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Comandos para Relatórios e Formulários. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Comandos para Relatórios e Formulários Laboratório de Bases de Dados SELECT SELECT FROM [ WHERE predicado ] [ GROUP BY ]

Leia mais

CE-240 ListEx 1. Lista de Exercícios 1. Relatório

CE-240 ListEx 1. Lista de Exercícios 1. Relatório CE-240 ListEx 1 Lista de Exercícios 1 Relatório Autor: Daniela América Da Silva Data: 10/04/2007 Versão 2.0 Página 1 de 5 1. Objetivo da Listex 1 Este relatório descreve a execução de operações básicas

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

PostgreSQL Performance

PostgreSQL Performance PostgreSQL Performance André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) PostgreSQL Performance February 24, 2012 1 / 45 Sumário 1 Armazenamento 2 Índices

Leia mais

3) Palavra-chave distinct (select-from). Obter apenas os pibs distintos entre si.

3) Palavra-chave distinct (select-from). Obter apenas os pibs distintos entre si. NOME: BRUNO BRUNELI BANCO DE DADOS - ADS create database ProducaoMinerais use ProducaoMinerais create table Mineral( nome varchar(15) primary key, preco real) create table Pais( nome varchar(30) primary

Leia mais

Usando o do-file editor Automatizando o Stata

Usando o do-file editor Automatizando o Stata Usando o do-file editor Automatizando o Stata 1 O QUE É O EDITOR DE DO-FILE O Stata vem com um editor de texto integrado, o do-file editor (editor de do-files, em português), que pode ser usado para executar

Leia mais

1. Assinale as afirmações que são verdadeiras e as que são falsas, corrigindo-as:

1. Assinale as afirmações que são verdadeiras e as que são falsas, corrigindo-as: Curso Profissional Técnico de Informática de Gestão 10ºB Prof. Pedro Lopes S i s t e m a s d e I n f o r m a ç ã o M ó d u l o : L i n g u a g e m S Q L T e s t e s u m a t i v o d u r a ç ã o 8 0 m i

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados. PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.ºH CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO MULTIMÉDIA ANO LECTIVO 2013/2014 6. LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO IV Pré-requisitos: - Planificar e estruturar bases

Leia mais

T-SQL Mitos. Vamos criar uma tabela para os nossos exemplos e, em seguida, comparar planos de execução. Mãos à obra.

T-SQL Mitos. Vamos criar uma tabela para os nossos exemplos e, em seguida, comparar planos de execução. Mãos à obra. T-SQL Mitos Mito T-SQL: COUNT(1) é mais rápido que COUNT(*) Já escutei algumas pessoas afirmarem, inclusive DBAs, que usar COUNT(1) é mais performático que COUNT(*). Além disso, também ouço programadores

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

2 echo "PHP e outros.";

2 echo PHP e outros.; PHP (Hypertext Preprocessor) Antes de qualquer coisa, precisamos entender o que é o PHP: O PHP(Hypertext Preprocessor) é uma linguagem interpretada gratuita, usada originalmente apenas para o desenvolvimento

Leia mais

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language Programação SQL Manipulação de Dados DML Data Manipulation Language Manipulação de Dados (DML) Os comandos INSERT, UPDATE, DELETE, são normalmente classificados como pertencendo a uma sublinguagem da linguagem

Leia mais

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas 1 de 5 21-08-2011 22:15 Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas Adição de Colunas com Valores Calculados: Vamos, inicialmente, relembrar, rapidamente alguns conceitos básicos sobre Consultas

Leia mais

DICIONÁRIO DE DADOS. Contém detalhes dos objetos pertencentes ao usuário.

DICIONÁRIO DE DADOS. Contém detalhes dos objetos pertencentes ao usuário. DICIONÁRIO DE DADOS Podemos dizer que dicionário de dados, é um conjuto de tabelas e views somente leitura, utilizado pelo banco de dados Oracle. Este conjunto é criado e mantido pelo Oracle e contém informações

Leia mais

Esse artigo foi escrito tendo como base o Banco de Dados MSSQLServer 2000. &KDPDQGR6WRUHG3URFHGXUHVDSDUWLUGR&ODULRQ

Esse artigo foi escrito tendo como base o Banco de Dados MSSQLServer 2000. &KDPDQGR6WRUHG3URFHGXUHVDSDUWLUGR&ODULRQ ,QWURGXomR Esse artigo foi escrito tendo como base o Banco de Dados MSSQLServer 2000. &KDPDQGR6WRUHG3URFHGXUHVDSDUWLUGR&ODULRQ Para chamar uma Stored Procedure em Clarion, utilizamos a sentença Call, como

Leia mais

Tarefa Orientada 14 Subconsultas

Tarefa Orientada 14 Subconsultas Tarefa Orientada 14 Subconsultas Objectivos: Subconsultas não correlacionadas Operadores ALL, SOME e ANY Subconsultas correlacionadas Operador EXISTS Subconsultas incluídas na cláusula FROM de uma consulta

Leia mais

WecDB - 1 - WecDB Consulta Web Facilitada ao Banco de Dados

WecDB - 1 - WecDB Consulta Web Facilitada ao Banco de Dados WecDB - 1 - WecDB Consulta Web Facilitada ao Banco de Dados WecDB (Web Easy Consultation Database) é uma ferramenta para criação e disponibilização de consultas à Bancos de Dados na Internet. É composto

Leia mais

MySQL Query Browser. Professor Victor Sotero SGD

MySQL Query Browser. Professor Victor Sotero SGD MySQL Query Browser Professor Victor Sotero SGD 1 DEFINIÇÃO O MySQL Query Browser é uma ferramenta gráfica fornecida pela MySQL AB para criar, executar e otimizar solicitações SQL em um ambiente gráfico.

Leia mais

8PSHTXHQRSURJUDPDSDUDEDL[DUDUTXLYRVGHXP)73

8PSHTXHQRSURJUDPDSDUDEDL[DUDUTXLYRVGHXP)73 8PSHTXHQRSURJUDPDSDUDEDL[DUDUTXLYRVGHXP)73 Por Júlio Cesar Pedroso $QWHVGH,QLFLDU O FTP (File Transfer Protocol - Protocolo de transferência de arquivos) oferece um meio de transferência e compartilhamento

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DML Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br SQL - DML Os exemplos da aula serão elaborados para o esquema de dados a seguir: Empregado(matricula, nome, endereco, salario, supervisor,

Leia mais

SQL. Structured Query Language

SQL. Structured Query Language SQL Structured Query Language Construções básicas Junção de Tabelas Join O uso da operação JOIN numa cláusula FROM especifica como se deseja que as tabelas sejam vinculadas. Use INNER JOIN para associar

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais