MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM: UM ESTUDO DE CASO EM UM PLANO DE SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM: UM ESTUDO DE CASO EM UM PLANO DE SAÚDE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS CCJE INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO COPPEAD MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM: UM ESTUDO DE CASO EM UM PLANO DE SAÚDE Flávia Campos Kickinger Mestrado em Administração Orientador: Letícia Moreira Casotti, D. Sc. Rio de Janeiro 2003

2

3 ii MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM: UM ESTUDO DE CASO EM UM PLANO DE SAÚDE Flávia Campos Kickinger Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração COPPEAD, da Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciências (M.Sc.). Aprovada por: Prof. Letícia Moreira Casotti COPPEAD/ UFRJ Presidente da Banca Prof. Ângela da Rocha COPPEAD/ UFRJ Prof. Valdecy Faria Leite FACC/ UFRJ Rio de Janeiro 2003

4 iii Kickinger, Flávia Campos Marketing de Relacionamento e CRM: um estudo de caso em um plano de saúde / Flávia Campos Kickinger. Rio de Janeiro: COPPEAD/ UFRJ, 2003 x, 132 p. il. Dissertação Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD. 1. Marketing de Relacionamento. 2. CRM (Customer Relationship Management). 3. Dissertação (Mestrado COPPEAD/ UFRJ). I. Título.

5 ii

6 iv

7 v Aos meus pais, minhas irmãs e a todos que tornaram este trabalho possível.

8 v AGRADECIMENTOS A todos da Dix que me deram todo o incentivo para a elaboração deste trabalho. Especialmente ao Sr. Paulo Marcos Senra Souza, que abriu as portas da empresa para mim. A minha orientadora por ter aceito minha proposta de dissertação e pelas contribuições ao trabalho. Aos membros da banca, Dr. Ângela Rocha e Dr. Valdecy Leite, pelas críticas e sugestões para fazer um trabalho melhor. E também ao Dr. Kleber Figueiredo cujo auxílio foi de grande valia, muito obrigada. A meu pai e minha mãe, por tudo, mas em especial por todo o encorajamento que sempre me deram em todas as etapas da minha educação. A eles também pela dedicação e o amor incondicional. Às minhas irmãs que me apoiaram nos momentos mais difíceis e que sempre me deram motivos para rir. A meu namorado que me aturou durante estes dois anos de mestrado. Às minhas avós pelo aconchego de sempre. Obrigada a todos pelo carinho, pelo amor e pela paciência.

9 vi RESUMO DA DISSERTAÇÃO APRESENTADA À COPPEAD/ UFRJ COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS (M.Sc.). MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM: UM ESTUDO DE CASO EM UM PLANO DE SAÚDE FLÁVIA CAMPOS KICKINGER Fevereiro de 2003 ORIENTADORA: PROFª LETICIA MOREIRA CASOTTI PROGRAMA: ADMINISTRAÇÃO O presente trabalho visa analisar o processo de implementação do CRM (Customer Relationship Management), em uma empresa de planos de saúde no Brasil. Para tanto, buscou-se averiguar qual é a visão da empresa acerca da relação entre Marketing de Relacionamento e CRM, bem como quais são as possíveis vantagens e desvantagens, na percepção da empresa, decorrentes da utilização do conceito de CRM. Além disso, buscouse verificar quais são as etapas previstas, assim como as condições necessárias e os principais obstáculos que estão sendo enfrentados na implementação do CRM nesta empresa. A análise foi realizada com base na literatura sobre Marketing de Relacionamento e CRM, sendo a partir de então desenvolvida a estrutura de estudo. Um modelo conceitual, contendo os principais aspectos da literatura, foi elaborado e utilizado como referencia para a

10 vii montagem do roteiro e realização das entrevistas. Esta pesquisa possui caráter exploratório e foi desenvolvida utilizando-se a metodologia do estudo de casos. ABSTRACT OF THESIS PRESENTED TO COPPEAD/ UFRJ AS PARTIAL FULFILLMENT FOR THE DEGREE OF MASTER OF SCIENCES (M.Sc.). MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM: UM ESTUDO DE CASO EM UM PLANO DE SAÚDE FLÁVIA CAMPOS KICKINGER Fevereiro de 2003 SUPERVISOR: PROF. LETICIA MOREIRA CASOTTI DEPARTAMENT: BUSINESS ADMINISTRATION This work aims to study and analyze the implementation process of CRM (Customer Relationship Management) in a health care company in Brazil. In order to achieve this goal we tried to evaluate and analyze which is the company s opinion about the association of Relationship Marketing and CRM, and also about the possible advantages and disadvantages of the CRM concept. In addition, the study seeks to verify the implementation s steps, the necessary conditions and the most important obstacles faced during the implementation process in the company. The Marketing Relationship and CRM literatures were used to structure the study and to develop the analysis. A conceptual model, containing the most important issues of the

11 vii literature, was elaborated and used to make the interview guide. In this exploratory research, the case study methodology was adopted. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO RELEVÂNCIA DO ESTUDO DELIMITAÇÃO DO ESTUDO ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO 5 2. REFERENCIAL TEÓRICO MARKETING DE RELACIONAMENTO ELEMENTOS VIABILIZADORES DO MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO: NOVO PARADIGMA DE MARKETING? DO MARKETING DE TRANSAÇÃO PARA O MARKETING DE RELACIONAMENTO VANTAGENS DO MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO E LEALDADE AQUISIÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) OBJETIVOS E VANTAGENS DO CRM CARACTERÍSTICAS E ELEMENTOS VIABILIZADORES DO CRM IMPLEMENTAÇÃO DO CRM FALHAS COMUNS EM CRM MODELO CONCEITUAL METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA PERGUNTAS DA PESQUISA SUJEITOS DA PESQUISA COLETA DE DADOS ANÁLISE DOS DADOS LIMITAÇÕES DO MÉTODO DESCRIÇÃO DO CASO HISTÓRICO DA EMPRESA DIX RELATIONSHIP MARKETING - DRM SURGIMENTO DO DRM OBJETIVOS VANTAGENS E DESVANTAGENS FUNCIONAMENTO DO DRM 77

12 ix SISTEMA DE CONTACT CENTER ETAPAS DE IMPLEMENTAÇÃO DO DRM PROGRAMAS EM CURSO TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NA EMPRESA FATORES IMPORTANTES PARA O CRM PROBLEMAS ENFRENTADOS LIÇÕES JÁ APRENDIDAS ANÁLISE E DISCUSSÃO DO CASO QUAL A VISÃO DA EMPRESA SOBRE MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM? QUAIS OS OBJETIVOS E AS VANTAGENS DO CRM? QUAIS AS ETAPAS PREVISTAS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO CRM? QUAIS AS CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA O CRM? QUAIS OS PRINCIPAIS OBSTÁCULOS ENFRENTADOS? CONSIDERAÇÕES FINAIS SUGESTÃO PARA PESQUISAS FUTURAS BIBLIOGRAFIA ANEXOS ANEXO I: ROTEIRO DAS ENTREVISTAS ANEXO II: ESPIRAL DE ANÁLISE DE DADOS 133

13 x Lista de Figuras e Quadros FIGURA 1: O MARKETING DE RELACIONAMENTO 15 FIGURA 2: O EFEITO DAS ESTRATÉGIAS DE ADIÇÃO DE VALOR NOS RELACIONAMENTOS DE LONGO PRAZO 25 FIGURA 3: O PROCESSO DE VALOR 37 FIGURA 4: O CICLO DO PROCESSO DE CRM 40 FIGURA 5: O CICLO DO PROCESSO DE DRM DA DIX 77 FIGURA 6: O CICLO DO WORKFLOW 79 QUADRO 1: CONTINUUM DO MARKETING 19 QUADRO 2: PRINCIPAIS QUESTÕES DA LITERATURA 48

14 1 1. Introdução 1.1. Objetivo O objetivo desta dissertação é analisar o processo de implementação de uma ferramenta de CRM (Customer Relationship Management), em uma empresa de planos de saúde destinados às classes média e média baixa da população brasileira. Além disto, há o intuito de averiguar quais são as condições necessárias para que ocorra a implementação do CRM, assim como inferir quais são, na percepção da empresa, as possíveis vantagens e desvantagens, bem como os prováveis ganhos e perdas decorrentes da utilização do conceito do Marketing de Relacionamento. A análise das vantagens e desvantagens da política de relacionamento da empresa, levará em consideração também as novas possibilidades de serviços a serem oferecidos pelo plano de saúde em função da utilização de uma ferramenta de CRM. Logo, torna-se relevante verificar como a empresa planeja usar as informações que serão coletadas a partir da implementação do CRM. O entendimento das etapas previstas para a implementação do CRM na empresa estudada e a averiguação dos principais obstáculos que estão sendo enfrentados no decorrer deste processo são também objetivos de estudo desta dissertação. O estudo do processo de implementação do CRM em um plano de saúde brasileiro e a análise das vantagens obtidas procura consolidar a idéia de que a tecnologia aplicada, isoladamente, pode não garantir a melhoria das relações cliente-empresa. Esta dissertação

15 2 aborda os aspectos acima mencionados, procurando esclarecer possíveis dúvidas e contradições acerca dos conceitos envolvidos na busca da lealdade dos clientes através da implementação do CRM Relevância do Estudo Ao longo dos últimos anos tem se intensificado a busca pelo estabelecimento de relacionamentos com os consumidores. Isto parece ter sido decorrente da conscientização das empresas, acerca da real importância de se conhecer os clientes e de manter uma relação duradoura, com aqueles que são mais lucrativos. Esta não foi uma transformação que aconteceu de repente. Na realidade, a partir da década de 1990, começou a ocorrer uma mudança no pensamento de marketing, originada pelo processo de globalização e pela conscientização do valor da retenção dos consumidores (Grönroos, 1994). Esta alteração da transferência do foco na aquisição de clientes para a retenção destes (além da criação e manutenção de relacionamentos duradouros), também apresentada por Palmer (1996), pode ter sido, na opinião deste autor, causada pela reestruturação do ambiente de negócios nos anos 90, o que fez com que as empresas alterassem a maneira como viam seus clientes. Os clientes passaram a ser mais valorizados, como revela Brown (2001). O crescente interesse das empresas pelo estabelecimento de relacionamentos com os clientes, segundo Palmer (1996) pode ter sido também decorrente do aumento da

16 3 competitividade nos mercados que gerou a necessidade de criação de vantagens competitivas e que fez com o que os clientes ficassem cada vez mais exigentes e do aparecimento de bases de dados poderosas e de tecnologia capaz de auxiliar as empresas a conhecerem melhor seus clientes. Para atender a estas transformações ocorridas no mercado, surgiram conceitos como o Marketing de Relacionamento (Gordon, 2000; Grönroos, 1994, 1996; Gummesson, 1994, 1997; McKenna, 1993; Stone e Woodcock, 1998; Vavra, 1993) e CRM - Customer Relationship Management 1 (Brown, 2001; Caufield, 2001; Payne, 2000; Peppers, Roger e Dorf, 1999; Swift, 2001). Ambos os conceitos, apesar de já estarem difundidos no meio acadêmico, estão, atualmente, iniciando sua aplicação no meio empresarial. Conseqüentemente, muitas empresas, de acordo com Gummesson (1994), ainda não estão certas a respeito dos conceitos e parecem associar Marketing de Relacionamento a atividades exclusivas dos funcionários de marketing e de contato com o cliente como, por exemplo, os Serviços de Atendimento ao Consumidor, o que não está de acordo com a opinião de alguns autores como Gordon (2000), que afirma, o Marketing de Relacionamento se concentra nos processos e no que é necessário para aprimorar o relacionamento com o cliente, não apenas nos envolvimentos da linha de frente com ele (p. 44). Um ponto importante a respeito do Marketing de Relacionamento é que ele está focado na questão da fidelização do cliente. Conforme relata Payne (2000), a retenção dos 1 Na literatura foram encontradas traduções deste termo como: Gerência de Relacionamento com os Clientes e Gerenciamento de Relacionamento com os Clientes. Entretanto, é mais comum encontrar o termo não traduzido, portanto, ao longo da dissertação utilizarei CRM Customer Relationship Management.

17 4 consumidores impacta a lucratividade das organizações, logo estas necessitam de ferramentas que auxiliem o desenvolvimento da lealdade, elevando assim as taxas de retenção. Dentre as abordagens para aumentar a retenção de consumidores é comum encontrar na literatura a adoção do CRM. Fato este descrito por Brown (2001, p. XVI) como, O CRM não é nada mais que o Marketing de Relacionamento um a um e a desintermediação. Payne (2000) acredita que a explosão de empresas que começaram a utilizar o CRM é oriunda do reconhecimento de que relacionamentos de longo prazo com os clientes são um dos ativos mais importantes das organizações. Além disto, a criação de vantagem competitiva e a melhoria da lucratividade da empresa, em decorrência de uma implementação do CRM com sucesso, tem contribuído para a difusão deste instrumento de Marketing de Relacionamento. Existem discordâncias acerca do conceito de CRM. Segundo Peppard (2000), o CRM é uma prática que possibilita que as empresas forneçam, simultaneamente, serviços personalizados, diferenciados, preços baixos e variedade a seus clientes, através do uso eficaz das tecnologias de comunicação e da informação. Contudo, o pensamento de que o CRM é simplesmente um software parece ser bastante usual, como revelam Isaac e Tooker (2001). Pensar que CRM é um só software faz com que muitas empresas não consigam aproveitar a potencialidade das iniciativas de CRM, não sendo capazes, portanto, de incrementar o serviço prestado aos clientes ou mesmo não conseguindo realizar um gerenciamento efetivo de sua base de clientes selecionando e diferenciando aqueles clientes que são mais lucrativos ou, eventualmente, abrindo mão de determinados clientes que não

18 5 são vantajosos para a empresa. Logo, como revela Peterson (2001), é preciso alertar que, mais do que uma ferramenta, o CRM é uma filosofia que deve permear toda a organização. Logo, é contundente a escolha deste tema bastante atual que está causando impactos no mundo empresarial, e que está afetando a maneira como as empresas percebem, se relacionam com consumidores e direcionam seus esforços para atuar no mercado cada vez mais competitivo Delimitação do Estudo Nesta dissertação não serão abordados aspectos relativos ao funcionamento de softwares de CRM, assim como não será realizada nenhuma comparação entre os diversos produtos existentes no mercado. Os métodos quantitativos utilizados na extração de conhecimento em bases de dados, também não serão apresentados, apesar da importância dos resultados da utilização destas técnicas para o CRM Organização do Estudo O presente trabalho é composto por seis capítulos. São eles: Introdução, Referencial Teórico, Metodologia, Descrição do Caso, Análise do Caso e Considerações Finais. O capítulo de Introdução descreve os objetivos da dissertação, a relevância desta e suas limitações.

19 6 O segundo capítulo apresenta o referencial teórico estudado sobre o tema. Este capítulo é subdividido em dois itens de estudo e um modelo conceitual. Os itens de estudo são: Marketing de Relacionamento e CRM (Customer Relationship Management). O modelo conceitual, por sua vez, fornece uma consolidação das informações mais relevantes contidas no capítulo, separadas de acordo com o tópico estudado. No capítulo de metodologia são apresentadas as perguntas da pesquisa, assim como, o método de estudo utilizado e suas limitações, os sujeitos da pesquisa e também as abordagens para coleta e análise dos dados. O caso estudado é descrito no quarto capítulo, iniciando-se com a apresentação do histórico da empresa e a seguir relatando as informações coletadas através das entrevistas, acesso a documentos e observações. Neste capítulo não é realizada nenhuma análise da situação, o que só é feito no capítulo seguinte, o quinto do trabalho. O último capítulo traz as considerações finais acerca do estudo e algumas sugestões para pesquisas futuras.

20 7 2. Referencial Teórico Este capítulo apresenta os resultados da pesquisa bibliográfica realizado sobre o tema da pesquisa. O capítulo está dividido em dois itens: Marketing de Relacionamento e CRM (Customer Relationship Management) Marketing de Relacionamento Segundo Grönroos (1994, 1996), uma nova abordagem de marketing baseada no estabelecimento e gerenciamento de relacionamentos surgiu na década de 70, decorrente de pesquisas e estudos desenvolvidos por duas correntes distintas: a Escola Nórdica (Nordic School of Service) e a Escola Européia (IMP Group) também citadas por Gummesson (1997). A primeira analisava o marketing sob a forma de serviços, ao passo em que a segunda o avaliava sob a ótica industrial. Conforme revela Grönroos (1994, 1996), apesar de algumas diferenças, ambas as correntes Nórdica e Européia possuíam alguns pontos em comum, como o entendimento de que o marketing é mais do que apenas uma função e que a construção de relacionamentos deve ser prezada em contraposição às transações. De acordo com Sheth e Parvatiyar (1995), o termo Marketing de Relacionamento foi utilizado pela primeira vez na década de 80. Apesar de algumas concordâncias acerca do Marketing de Relacionamento, atualmente, parecem existir discordâncias quanto ao conceito. Não há consenso sobre a definição do termo, conforme afirmam Gummesson (1994), Grönroos (1996) e Palmer

21 8 (1996). Gummesson (1997) corrobora esta idéia ao afirmar que algumas definições foram apresentadas por diversos autores porém, que nenhuma delas conseguiu reunir todos os aspectos relevantes. Grönroos (1996) vai além ao atentar para o fato de que apesar das semelhanças e elementos comuns entre as definições, existem diferenças de escopo entre elas. As interpretações dos diversos autores quanto ao significado do termo variam de acordo com as seguintes descrições: o Marketing de Relacionamento pode ser visto como uma forma de incentivo de vendas, como indica Palmer (1996); muitas vezes é apresentado como um novo pacote promocional a ser vendido ao consumidor ou como uma maneira de o vendedor manipular o consumidor (Gummesson, 1997); é freqüentemente associado à compra de lealdade (Palmer, 1996); pode ser visto como uma maneira de capturar clientes, aprisionando-os de uma forma efetiva e dissuadindo-os da idéia de desertar, utilizando para isso ameaças de ações corretivas, como revelam Worthington e Horne (1998); é apresentado como sinônimo de Direct Marketing ou Database Marketing, ou apenas como um instrumento do Marketing Mix (Grönroos, 1996). Entretanto, como revela Gummesson (1993), muitas destas abordagens do Marketing de Relacionamento o colocam como uma tática de curto prazo, descrevendo cada interação entre a empresa e o consumidor como um relacionamento, porém, de forma única e independente do comprometimento afetivo entre as partes envolvidas. Palmer (1996) ratifica esta afirmação ao alegar que é corriqueira a consideração do Marketing de Relacionamento como uma tática de curto prazo e que isto não possibilita que a empresa obtenha vantagens estratégicas que a beneficiariam a longo prazo.

22 9 Além da idéia de curto prazo, Gummesson (1993) relata que o Marketing de Relacionamento é visto também como uma filosofia fundamental do marketing, cujo cerne é o foco no cliente. Berry (1995) descreve o Marketing de Relacionamento em três níveis: o tático, o estratégico e o filosófico. No primeiro, o Marketing de Relacionamento é visto como uma ferramenta para auxiliar as vendas. No segundo, o Marketing de Relacionamento é abordado como sendo uma forma do fornecedor aprisionar o cliente utilizando para tal barreiras legais, tecnológicas, econômico-financeiras, geográficas e muitas vezes até o tempo. No último nível apresentado pelo autor, o filosófico, o Marketing de Relacionamento atua na essência do conceito do marketing, valorizando e explorando a proximidade com o consumidor, a fim de gerar vantagens para todas as partes envolvidas no relacionamento. A literatura mostra, portanto, críticas e divergências sobre o conceito de Marketing de Relacionamento e sugere que algumas descrições como as apresentadas até aqui são bastante simplistas. Por isso, torna-se relevante destacar algumas definições mais aprofundadas do termo como, por exemplo, a de Gummesson (1994, 1997), segundo a qual, o Marketing de Relacionamento é o marketing visto como relacionamentos, redes e interações e a de Grönroos (1996) que aponta o gerenciamento de relacionamentos como característica principal do marketing, sendo responsável por todas as interações entre a empresa e o ambiente que a cerca. Este último autor, define marketing sob a perspectiva do Marketing de Relacionamento como: Marketing é estabelecer, manter e melhorar relacionamentos com os consumidores e outros parceiros, de forma lucrativa, até que sejam

23 10 alcançados os objetivos das partes envolvidas. Isto é conseguido através da troca mútua e do cumprimento de promessas realizadas. (Grönroos, 1994, p.9). Quanto ao cumprimento das promessas Grönroos (1994) revela que a empresa deve estar preocupada não só em criá-las, com o intuito de atrair novos consumidores e com isso iniciar um relacionamento mas também deve buscar realizá-las, pois esta é a única forma de construir efetivamente e manter um relacionamento. Ao cumprimento das promessas deve ser dada tanta importância quanto à busca de satisfação do consumidor, retenção deste e à lucratividade a longo prazo. Gummesson (1994) corrobora a questão da lucratividade de longo prazo ao relatar que o Marketing de Relacionamento deve almejar a construção de relacionamentos lucrativos de longo prazo entre o fornecedor e o cliente. Como revela o autor, estes relacionamentos de longo prazo tendem a ser mais vantajosos para todas as partes envolvidas. Contudo, a lucratividade parece ser um fator crítico pois, conforme mencionado por Grönroos (1994) e ratificado por Gummesson (1994), o relacionamento deve ser benéfico para todos os participantes. Quanto a este aspecto, Parvatiyar e Sheth (1995), além de Gummesson (1994, 1997) afirmam que o Marketing de Relacionamento deve se restringir a ações cooperativas e colaborativas também mencionado por Grönroos (1994) como troca mútua com o intuito de satisfazer as necessidades do consumidor, logo o Marketing de Relacionamento deve direcionar suas atividades para criar situações do tipo ganha-ganha. Ao abordar o tema da cooperação e da colaboração, Parvatiyar e Sheth (1995) introduzem o conceito de valor e a idéia de processo, sinalizando que o Marketing de

24 11 Relacionamento é um processo contínuo, cooperativo e colaborativo, que deve criar valor para as partes envolvidas a um custo reduzido. Esta idéia é confirmada por Gummesson (1994) ao afirmar que o valor deve ser gerado para (e por) todos, através de uma interação de processos entre fornecedor, clientes, competidores e outros participantes, onde deve haver um esforço conjunto dos envolvidos no processo. Uma rede de relacionamentos deve ser estabelecida para que haja a geração de valor (Gummesson, 1997). Gordon (2000) corrobora o que foi apresentado pelos outros autores, ao afirmar: O Marketing de Relacionamento é o processo contínuo de identificação e criação de novos valores com clientes individuais e o compartilhamento de seus benefícios durante uma vida toda de parceria. Isso envolve a compreensão, a concentração e a administração de uma contínua colaboração entre fornecedores e clientes selecionados para a criação e o compartilhamento de valores mútuos por meio de interdependência e alinhamento organizacional. (Gordon, 2000, p.31) Grönroos (1996) aborda, também, o aspecto da cooperação no Marketing de Relacionamento em conjunto com a questão da confiança, que é também bastante citada por outros autores. Alguns autores enfatizam a importância do papel exercido por conceitos como comprometimento e confiança no Marketing de Relacionamento, como Morgan e Hunt (1994), que apresentam a confiança e o compromisso como variáveis relevantes. Já Murphy, Wood, Lacznial (1996) apud Gummesson (1997), relatam a relevância da confiança, honestidade, benevolência, comprometimento entre outros no desenvolvimento e manutenção de um relacionamento duradouro.

25 12 Gordon (2000), apresenta algumas dimensões do Marketing de Relacionamento, dentre as quais são evidenciadas: o papel desempenhado pelo Marketing de Relacionamento na criação e compartilhamento de um novo valor entre o cliente e a empresa; a percepção de que clientes individuais são peças chaves na definição do valor que desejam; planejamento e alinhamento dos processos de negócios, comunicações, tecnologia e pessoal da empresa a fim de possibilitar a manutenção da satisfação dos clientes; atuação em tempo real, através da manutenção de uma troca contínua e colaborativa entre cliente e empresa; valorização do estabelecimento de relacionamento entre a empresa e os clientes, reforçado através da avaliação destes últimos levando-se em conta seu período de vida de consumo; aspiração da construção de uma cadeia de relacionamentos intra e interorganizacional. As dimensões apresentadas por Gordon (2000), sugerem a importância de serem identificados os elementos viabilizadores do Marketing de Relacionamento Elementos Viabilizadores do Marketing de Relacionamento Para que seja bem sucedido, o Marketing de Relacionamento deve conter no mínimo dois atores dispostos a possuir algum relacionamento. São eles: o consumidor e o fornecedor (Gummesson, 1994). Porém, como ressalta o mesmo autor, é importante que haja o envolvimento de toda a organização, ou seja, as funções e atividades do Marketing de Relacionamento não devem se restringir às áreas de marketing e vendas da empresa. Grönroos (1996) enfatiza esta idéia ao argumentar que a filosofia do Marketing de Relacionamento deve permear todas as camadas da empresa e, para que isto ocorra, deve haver uma alteração da abordagem competitiva para a cooperativa, já que é necessário que

26 13 haja colaboração não só entre as partes envolvidas diretamente no relacionamento, mas entre todos da empresa. Logo, conforme Grönroos (1996) afirma, deve ser criada a figura dos part-time marketers, que são aqueles que trabalham em outras áreas da empresa que não o marketing, mas que também estão engajados em construir um relacionamento com os clientes. Se uma empresa almeja adotar a estratégia do Marketing de Relacionamento, é importante cuidar da interface interna entre marketing,operações e demais áreas da empresa, sem esquecer das pessoas (Grönroos, 1994). Nesta mesma linha de pensamento exposta, encontra-se Gummesson (1994) que ressalta que o Marketing de Relacionamento, para ser implementado de forma satisfatória, necessita de alterações na estrutura organizacional. Isto ocorre pois demanda um novo tipo de organização, com um novo tipo de gestão, diferente da forma hierarquizada ainda popular em muitas organizações. Acerca da importância de toda a organização no processo de implementação do Marketing de Relacionamento, Palmer (1996) frisa que este não pode ser introduzido sem que haja um profundo conhecimento e entendimento do negócio da organização. Esta preocupação também é demonstrada por Grönroos (1996). Além dos elementos importantes que já foram apontados, a confiança e o poder também são relevantes, como revelam Grönroos (1994) e Gummesson (1994) respectivamente. Gummesson (1994) ressalta ainda que dificilmente um relacionamento entre partes distintas será simétrico já que uma parte geralmente será mais forte, poderosa ou se

27 14 beneficiará mais do que a outra porém esta situação de assimetria, principalmente se ela for gritante, não será tolerada em um mercado perfeito ou por um grande período de tempo. De acordo com Grönroos (1996) existem quatro recursos principais que são centrais para o desenvolvimento de um sistema de serviço ao cliente de sucesso esta orientação ao cliente é uma das táticas do Marketing de Relacionamento. São eles: empregados, tecnologia, clientes e tempo. Gordon (2000), menciona três elementos capacitadores do Marketing de Relacionamento, são eles: tecnologia da fabricação, conhecimento do cliente e acesso ao cliente. Estes três componentes, conjuntamente, possibilitam que a empresa compreenda, motive e atenda às necessidades de clientes individuais, criando mais valor para cada cliente específico. O objetivo é passar do mercado de massa para o mercado individual, seguindo a lógica da segmentação até que o segmento seja composto por um único indivíduo. A Tecnologia de Informação é vista por alguns autores, dentre os quais Palmer (1996) e Gordon (2000), como um viabilizador da estratégia do Marketing de Relacionamento. Para o último autor, a tecnologia facilita, por exemplo, o acesso ao cliente, o conhecimento de suas necessidades, a análise de custo, lucratividade e valor de cada cliente da empresa. Stone e Woodcock (1998) também ressaltam o valor da tecnologia de informação no contexto do Marketing de Relacionamento. Estes autores relatam que o gerenciamento do relacionamento com os clientes no decorrer dos muitos contatos, possivelmente em vários locais diferentes seria impossível, não fosse o desenvolvimento relativamente recente da tecnologia de informação, particularmente nas áreas de telecomunicação e gerenciamento de banco de dados (p.165).

28 15 Cabe aqui ressaltar os oito componentes do marketing de Relacionamento, segundo Gordon (2000), são eles: Cultura e Valores; Liderança; Estratégia; Estrutura; Pessoal; Tecnologia; Conhecimento e Percepção; Processos. O autor afirma que o alinhamento destes componentes entre a empresa e as outras partes envolvidas, é o objetivo da filosofia do Marketing de Relacionamento. Cultura e valor Liderança Estratégia Estrutura Pessoal Tecnologia Conhecimento Processo e percepção Marketing de Relacionamento Cultura e valor Liderança Estratégia Estrutura Pessoal Tecnologia Conhecimento Processo e percepção Fornecedor Cliente Fonte: Gordon, 2000, p.46 Figura 1: O Marketing de Relacionamento A partir da figura acima, pode-se inferir que: os recursos humanos, ou seja, as pessoas da organização, a cultura organizacional e a tecnologia são requisitos fundamentais para o Marketing de Relacionamento. Além destes, a comunicação, muito enfatizada por McKenna (1993) e Vavra (1993), também constitui elemento de primordial importância, pois é através dela que a empresa consegue captar quais são os desejos e as necessidades dos clientes. Além disto, segundo os autores, é por intermédio do diálogo que as relações são construídas.

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Profa. Reane Franco Goulart

Profa. Reane Franco Goulart Sistemas CRM Profa. Reane Franco Goulart Tópicos Definição do CRM O CRM surgiu quando? Empresa sem foco no CRM e com foco no CRM ParaqueCRM é utilizado? CRM não é tecnologia, CRM é conceito! CRM - Customer

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Marketing 4ª Série Gestão do Relacionamento com os Consumidores A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares Capítulo 4 Balanced Scorecard Disciplina : Avaliação de Desempenho Prof. Robson Soares À medida que são verificados os diversos conceitos e concepções ligados a avaliação de desempenho, torna-se necessário

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL Prof. Dr. José Alberto Carvalho dos Santos Claro Mestrado em Gestão de Negócios Universidade

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

O QUE É CRM? NARCISO SANTAELLA

O QUE É CRM? NARCISO SANTAELLA O QUE É CRM? CRM, na realidade, não é nada de novo. Esse acrônimo significa Customer Relationship Management (Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente) e é uma aplicação da filosofia do marketing

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011 Disciplina: Administração de Departamento de TI Professor: Aldo Rocha Aula III - 25/08/2011 ITIL 1.A Central de Serviços; 1.1 Necessidade da Central de Serviços; 1.2 Dilema do Suporte; 1.3 Evolução do

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade José Renato S. Santiago Júnior Para Pensar a Respeito... A Inovação tem se tornado um dos principais fatores de geração de riqueza e valor das organizações; Atualmente

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais