Central de Recursos Microbianos da UNESP CRM-UNESP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Central de Recursos Microbianos da UNESP CRM-UNESP"

Transcrição

1 Rede CRB-Br Petrópolis, 17/09/13 Central de Recursos Microbianos da UNESP CRM-UNESP Profa. Dra. Lara Durães Sette Gerente Executiva CRM-UNESP

2 Histórico A CRM- UNESP está alocado no Instituto de Biociências da UNESP Campus Rio Claro 3 laboratórios: LM, LAMAI e LESF A coleção foi iniciada em 2006 e era conhecida como Coleção de Microorganismos do Centro de Estudos de Insetos Sociais (CEIS) Reconhecimento Institucional (Portaria IB/UNESP n 4/2013) Cria a CRM-UNESP Designa seus membros Registro WFCC: WDCM 1043 Fiel Depositária (02/04/13) 085/2013/SECEX/CGEN

3 Objetivo Atuar como um Centro de Recursos Biológicos, dando suporte científico e tecnológico para a indústria, academia e sociedade. Acervo Micro-organismos (fungos filamentosos, leveduras e bactérias) pertencentes ao grupo de risco biológico 1 e 2 (classificação da OMS) provenientes de diferentes amostras ambientais: Total ~ isolados Leveduras Fungos filamentosos Bactérias Insetos sociais Marinhos Antártica

4 Equipe Pesquisadores/Docentes Profa. Lara Sette Biotecnologia e Microbiologia aplicada (Pq CNPq - 2) Gerente Executiva Prof. Fernando Pagnocca Taxonomia e Ecologia de leveduras (Pq CNPq 1C) Curador coleção de leveduras Prof. André Rodrigues Taxonomia e Ecologia de fungos filam. (Pq CNPq - 2) Curador da coleção de fungos filamentosos Prof. Henrique Ferreira Biologia molecular e Engenharia genética Curador da coleção de bactérias Alunos/Técnicos/Bolsistas 1 técnico em bioinformática (Felipe Gonçalves, bolsista DTI/CNPq ) 2 técnicos coleção (Ana Maria Correia e Julio Flávio Osti, bolsistas DTI/CNPq) 2 alunos mestrado e 1 de IC (Juliana Aparecida dos Santos, Danilo Polezel e Aline Yoshida)

5 Equipe - Produção Indicadores de Produção: Projetos fomentados pela Fapesp, CNPq e Comunidade Européia 80 artigos publicados ( ) + 17 em 2013 >40 RH formados (PG) Descrição de 16 sp novas (+ 7 em andamento) e mais de 10 a serem descritas Patente: Produção de lacase por fungo basidiomiceto marinho A enzima purificada (18 U/mL) apresentou eficiente estabilidade frente a diferentes valores de ph e temperatura, além da resistência a íons metálicos e foi capaz de descolorir 70 % do corante PR 5 sem adição de mediadores após 5 h. Novos estudos: escalonamento da produção, obtenção de lacase recombinante (OGMs), aplicação na deslignificação de biomassa vegetal, remoção casca da castanha do Pará, descoloração de corantes e efluentes têxteis.

6 Desafios e Oportunidades Transformação da CRM-UNESP em um Centro de Recursos Biológicos

7 Desafios Transformar a CRM-UNESP em um Centro de Recursos Biológicos Ações em andamento e/ou que devem ser realizadas: Atendimento aos requisitos da OCDE Implantação da ISO Implantação de sistema informatizado de gerenciamento de acervo Captação de recursos humanos (nível técnico) Infraestrutura física adequada

8 Oportunidades CHAMADA INFRA PROINFRA FINEP 01/2013 Subprojeto: Central de Recursos Microbianos da UNESP: infraestrutura de apoio à pesquisa para o desenvolvimento científico e tecnológico Coordenador : Prof. Dr. Mario Sérgio Palma (CEIS) Vice-Coordenador : Prof. Dr. Fernando C. Pagnocca (Depto Bioq e Micro) Objeto da proposta: Consolidar a CRM-UNESP alocada no Instituto de Biociências de Rio Claro como um Centro de Recursos Biológicos visando ampliação e exploração biotecnológica de seu acervo, bem como promover a identificação taxonômica acurada e a sua preservação adequada. Solicitações: Infraestrutura física (Obra): prédio de aproximadamente 400 m 2 R$ 1.000,000 Equipamento: MALDI-TOF R$ 600,00

9 Oportunidades CHAMADA INFRA PROINFRA FINEP 01/2013 Subprojeto: Central de Recursos Microbianos da UNESP: infraestrutura de apoio à pesquisa para o desenvolvimento científico e tecnológico Coordenador : Prof. Dr. Mario Sérgio Palma (CEIS) Vice-Coordenador : Prof. Dr. Fernando C. Pagnocca (Depto Bioq e Micro)

10 A CRM-UNESP na UNESP Dar suporte ao desenvolvimento científico e tecnológico da instituição como um todo, realizando pesquisa e apoiando os projetos de relevância na área microbiana, tais como o BIOEN, Temáticos da Fapesp, CEPID, INCT, os quais podem derivar material biológico microbiano vinculado a processos de patentes e/ou bioprodutos. BIOEN: O Instituto de Bioenergia da UNESP terá sua sede em Rio Claro e congregará vários laboratórios satélites que fazem uso de micro-organismos para transformação da biomassa em energia ou outros insumos que se enquadram dentro da biorrefinaria. Em adição, o Programa de Pós-Graduação em Bioenergia (UNESP, UNICAMP e USP) já é uma realidade e a primeira turma terá início em 2014.

11 A CRM-UNESP na UNESP Centralização da preservação e caracterização taxonômica dos micro-organismos com potenciais usos em Microbiologia Industrial e Biotecnologia. Estruturação de plataforma polifásica para identificação de micro-organismos: taxonomia molecular, convencional e proteômica (MALDI-TOF) visando descrição das espécies novas para a ciência. Estruturação de plataforma de triagem de médio/alto desempenho para a prospecção de enzimas de interesse ambiental e industrial.

12 Planta de situação

13 Projeto arquitetônico (preliminar)

14 Oportunidades CHAMADA MCTI/CNPq nº 45/2012 Sistema de Informações sobre a Biodiversidade Brasileira (SiB-Br) - Coleções Biológicas Projeto: Informatização e disponibilização dos dados associados ao acervo do Central de Recursos Microbianos da UNESP Coordenador: Profa. Dra. Lara Durães Sette (Depto Bioq e Micro) ( ) Objeto da proposta (Metas): Informatização completa do acervo da coleção principal de micro-organismos do CRM-UNESP, incluindo a estruturação de um banco de imagens e a obtenção de sequências gênicas (identificação/autenticação); Migração dos dados do sistema atual de gerenciamento do acervo do CRM-UNESP (SIGA) para o software µsicol, o qual contempla todos os requisitos exigidos para um CRB; Disponibilização dos dados do acervo do CRM-UNESP pela integração do µsicol ao SIColNet e à rede specieslink.

15 Oportunidades Atuação junto à Empresa Júnior de Ciências Biológicas do Instituto de Biociências da UNESP: Bio Logus Jr. A Bio Logus Jr. tem como objetivo promover o crescimento dos membros através de capacitação, cursos complementares e eventos. Além disso, oferecer serviços de qualidade e a baixo custo levando para o mercado as aplicações que o curso de ciências biológicas pode ter, e também trazendo para o Instituto de Biociências reconhecimento e maiores oportunidades para os alunos. Estabelecimento de cooperação com micro-cervejarias da região.

16 Oportunidades Inserção da CRM-UNESP na Rede Brasileira de Centro Recursos Biológicos (CRB-Br) OUTRAS CC Inserção da Central de Recursos Microbianos da UNESP (CRM-UNESP) na Rede Brasileira de CRBs (CRB-Br) e a relação com a Rede Global de CRBs (GBRCN) e com o Centro Brasileiro de Material Biológico (CBMB)

17 A inserção da CRM-UNESP na Rede CRB-Br, permitirá: Visibilidade nacional (e internacional) da UNESP; Avanços na gestão da qualidade, plano de negócios e sistema de informatização com vistas à transformação da coleção em um CRB; Atuação em consonância com os pares na área de ambiente e indústria. A Participação da CRM-UNESP na Rede CRB-Br (Ambiente e Indústria), poderá resultar na: Soma de competências nas áreas de microbiologia, biotecnologia, sistemática e taxonomia, bem como em operação e gerenciamento de coleções de cultura; Agregação de novos acervos à Rede visando disponibilização dos mesmos para prospecção de compostos de interesse nos setores ambiental e industrial; Ampliação da expertise da Rede com vistas a atender a demanda nacional dos setores ambiental e industrial, mediante prestação de serviços especializados e treinamentos; Suporte ao estabelecimento de cooperações internacionais (protocolo de Nagoia).

18

Padre Jesus Santiago Moure

Padre Jesus Santiago Moure REDE PARANAENSE DE COLEÇÕES BIOLÓGICAS Luciane Marinoni e Vania Aparecida Vicente Universidade Federal do Paraná/Curitiba SETEMBRO/2013 INÍCIO EM 2006 COM 9 COLEÇÕES ATUALMENTE 33 COLEÇÕES ESTÃO NA REDE

Leia mais

MATERIAL BIOLÓGICO DE INTERESSE BIOTECNOLÓGICO

MATERIAL BIOLÓGICO DE INTERESSE BIOTECNOLÓGICO MATERIAL BIOLÓGICO DE INTERESSE BIOTECNOLÓGICO Construção das bases para o Plano Qüinqüenal da Rede Brasileira de Centros de Recursos Biológicos (Rede CRB-Brasil), Dezembro de 2009. 1. Sumário Executivo

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

Coleções FIOCRUZ. Coleção de Malacologia Médica Centro de Pesquisas René Rachou. Sistema de Gestão Unificado

Coleções FIOCRUZ. Coleção de Malacologia Médica Centro de Pesquisas René Rachou. Sistema de Gestão Unificado Coleções FIOCRUZ Coleção de Malacologia Médica Centro de Pesquisas René Rachou Sistema de Gestão Unificado Cristiane Lafetá Pesquisas financiadas com recursos públicos são bens públicos e que informações

Leia mais

Requisitos Boas Práticas/OCDE. Memorando de Entendimento. Rede de Informações. Gestão da Rede Global. Elementos Principais da Rede Global

Requisitos Boas Práticas/OCDE. Memorando de Entendimento. Rede de Informações. Gestão da Rede Global. Elementos Principais da Rede Global Plano de Acreditação das Atividades dos Centros de Recursos Biológicos no Brasil Elizabeth Cavalcanti, Waldemar Souza, Renata Almeida Inmetro/Cgcre/Dconf Petrópolis 16,17,18 set 2013 Elementos Principais

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ESTUDOS INTEGRADOS DA BIODIVERSIDADE AMAZÔNICA NÚCLEO SINOP - MT

INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ESTUDOS INTEGRADOS DA BIODIVERSIDADE AMAZÔNICA NÚCLEO SINOP - MT INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ESTUDOS INTEGRADOS DA BIODIVERSIDADE AMAZÔNICA NÚCLEO SINOP - MT Domingos J. Rodrigues sub-rede Amazônia Meridional Programa de Pesquisa em Biodiversidade PPBio Amazônia

Leia mais

Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos

Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos e externos) ligados a C,T&I e a formação de RH pós-graduados.

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA INTERNA MCT / FINEP / CT-INFRA PROINFRA 01/2011 DETALHAMENTO DOS SUBPROJETOS

CHAMADA PÚBLICA INTERNA MCT / FINEP / CT-INFRA PROINFRA 01/2011 DETALHAMENTO DOS SUBPROJETOS CHAMADA PÚBLICA INTERNA MCT / FINEP / CT-INFRA PROINFRA 01/2011 DETALHAMENTO DOS SUBPROJETOS 1. Identificação do Sub-Projeto Siglas do Sub-projeto 2. Título do Subprojeto Informar o título do subprojeto

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

Integração de Sistemas de Informação

Integração de Sistemas de Informação microsicol micro ICole SIColNet Integração de Sistemas de Informação Sidnei de Souza De Coleções de Culturas a Centros de Recursos Biológicos: implantação e consolidação da rede CRB-Br Petrópolis, Setembro

Leia mais

Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas

Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas Avaliação Triênio 2004-2006 Prof. Marcelo Menossi Teixeira coordgbm@unicamp.br Processo de avaliação Anualmente cada PPG

Leia mais

EDITAL Nº 02/2012 PROPP/UEMS/MCT/FINEP/CT- INFRA PROINFRA 01/2011

EDITAL Nº 02/2012 PROPP/UEMS/MCT/FINEP/CT- INFRA PROINFRA 01/2011 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIVISÃO DE PESQUISA EDITAL Nº 02/2012 PROPP/UEMS/MCT/FINEP/CT- INFRA PROINFRA 01/2011 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO

Leia mais

Eloi S. Garcia - Dipro Assessor da presidência

Eloi S. Garcia - Dipro Assessor da presidência O Inmetro Metrologia e Avaliação da Conformidade em Biologia Eloi S. Garcia - Dipro Assessor da presidência Objetivo Geral - Dipro -Ser depositária de produtos biológicos objetos de patentes concedidas

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RECURSOS GENÉTICOS PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA- Área Micro-organismo * 18/11/2014 - Terça-Feira

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RECURSOS GENÉTICOS PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA- Área Micro-organismo * 18/11/2014 - Terça-Feira III CONGRESSO BRASILEIRO DE RECURSOS GENÉTICOS PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA- Área Micro-organismo * 18/11/2014 - Terça-Feira 16h às 19h00 19h00 ás 19h30 19h30 às 20h30 Atividades Entrega de material Abertura

Leia mais

Marilia de Freitas Calmon

Marilia de Freitas Calmon Marilia de Freitas Calmon U N E S P UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de São José do Rio Preto INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS Programa de Pós Graduação em Genética Marilia de Freitas

Leia mais

Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União

Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União Classificação dos Cargos Tecnologista Requisito: Graduação ou Graduação com Especialização, Residência

Leia mais

Núcleo PPBio Rondônia

Núcleo PPBio Rondônia Núcleo PPBio Rondônia Ângelo Gilberto Manzatto Coordenador Adeilza Felipe Sampaio Gerente da Grade Cuniã Programa de Pesquisa em Biodiversidade PPBio Amazônia Ocidental http://ppbio.inpa.gov.br Histórico

Leia mais

Bem estar animal em cursos de pós-graduação: uma proposta. Marcos Macari Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Unesp Campus de Jaboticabal

Bem estar animal em cursos de pós-graduação: uma proposta. Marcos Macari Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Unesp Campus de Jaboticabal Bem estar animal em cursos de pós-graduação: uma proposta Marcos Macari Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Unesp Campus de Jaboticabal Crescimento populacional - Estimativa de uma população

Leia mais

Plano Diretor do CNPEM (2013-2016) Apoio ao Planejamento do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais - CNPEM

Plano Diretor do CNPEM (2013-2016) Apoio ao Planejamento do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais - CNPEM 1 Plano Diretor do CNPEM (2013-2016) Apoio ao Planejamento do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais - CNPEM Aprovado na 66ª Reunião do Conselho de Administração, em 29/08/2013. 2 Sumário APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Laboratório de Desenvolvimento de Novas Formulações - LDNF Universidade Federal Fluminense

Laboratório de Desenvolvimento de Novas Formulações - LDNF Universidade Federal Fluminense Laboratório de Desenvolvimento de Novas Formulações - LDNF Universidade Federal Fluminense Spin-off especializada em otimização de processos industriais de obtenção de produtos naturais de origem vegetal

Leia mais

UE EMBRAPA AGROENERGIA Bioquímica de Renováveis

UE EMBRAPA AGROENERGIA Bioquímica de Renováveis UE EMBRAPA AGROENERGIA Bioquímica de Renováveis A Embrapa Agroenergia Fundada em 2006; Missão Viabilizar soluções tecnológicas inovadoras para o desenvolvimento sustentável e equitativo do negócio da agroenergia

Leia mais

Programa de Capacitação em Taxonomia (MCT/CNPq/CAPES)

Programa de Capacitação em Taxonomia (MCT/CNPq/CAPES) Programa de Capacitação em Taxonomia (MCT/CNPq/CAPES) Contatos no CNPq: Helena Luna (Coordenadora Geral do Programa de Pesquisa em Ciências da Terra e Meio Ambiente) Carlos Carvalho Contatos no MCT: Ione

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ATUAÇÃO DO CBA

FUNDAMENTOS DA ATUAÇÃO DO CBA O QUE É O CBA O CBA é um Centro Tecnológico, voltado para a promoção da inovação tecnológica a partir de processos e produtos da biodiversidade amazônica, por meio de: Ação integrada com universidades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 13 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital 029/2010 Popularização da Ciência Educação Científica - financiamento de projetos institucionais de educação científica que propiciem a difusão e

Leia mais

ACESSO AO PATRIMÔNIO GENÉTICO E AO CONHECIMENTO TRADICIONAL ASSOCIADO

ACESSO AO PATRIMÔNIO GENÉTICO E AO CONHECIMENTO TRADICIONAL ASSOCIADO ACESSO AO PATRIMÔNIO GENÉTICO E AO CONHECIMENTO TRADICIONAL ASSOCIADO THIAGO AUGUSTO ZEIDAN VILELA DE ARAÚJO Departamento do Patrimônio Genético Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio

Leia mais

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTAÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUÍS ROSSLER PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/FEPAM

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTAÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUÍS ROSSLER PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/FEPAM FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTAÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUÍS ROSSLER PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/FEPAM A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (FEPAM), órgão estadual do meio

Leia mais

Relatório da Reunião do CA-QU Realizada no Período de 03 a 07 de novembro de 2014

Relatório da Reunião do CA-QU Realizada no Período de 03 a 07 de novembro de 2014 Relatório da Reunião do CA-QU Realizada no Período de 03 a 07 de novembro de 2014 O Comitê Assessor de Química do CNPq (CA-QU) reuniu-se de 03 a 07 de novembro de 2014 no CNPq em Brasília, para avaliar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 95/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

Patrimônio Genético - Cadastramento de Instituições e Autorização de Acesso e Remessa

Patrimônio Genético - Cadastramento de Instituições e Autorização de Acesso e Remessa Patrimônio Genético - Cadastramento de Instituições e Autorização de Acesso e Remessa RN-017/2010 O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq, no uso das atribuições

Leia mais

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ I - Objetivos do PADIQ O Plano Conjunto BNDES-FINEP de Apoio à Diversificação e Inovação da Indústria

Leia mais

Material biológico compreende todo material vivo ou morto de importância técnico-científica que faz parte do acervo das coleções.

Material biológico compreende todo material vivo ou morto de importância técnico-científica que faz parte do acervo das coleções. D O C U M E N T O I N S T I T U C I O N A L P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O D E P O L Í T I C A D E C O L E Ç Õ E S B I O L Ó G I C A S N A F U N D A Ç Ã O O S W A L D O C R U Z ( F I O C R U Z

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO

PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" FACULDADE DE ENGENHARIA - CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO APLICAÇÃO DA PARCELA PARA CUSTOS DE INFRA- ESTRUTURA INSTITUCIONAL PARA

Leia mais

PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ. Consulta aos Potenciais Interessados

PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ. Consulta aos Potenciais Interessados PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ Consulta aos Potenciais Interessados Agenda Objetivos Linhas temáticas Etapas Consulta a parceiros e potenciais clientes

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOTECNOLOGIA

CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOTECNOLOGIA CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOTECNOLOGIA Departamento de Biotecnologia, Genética e Biologia Celular Centro de Ciências Biológicas Universidade Estadual de Maringá Coordenador: Prof. Dr. João Alencar Pamphile

Leia mais

ANEXO II. Título <>

ANEXO II. Título <<que resuma o objetivo geral do subprojeto (Texto limitado a 150 caracteres)>> Título Sigla da Proposta Área Geográfica de Execução

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4. Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco

SUAPE GLOBAL GT 4. Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco SUAPE GLOBAL GT 4 Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco Instituição: Universidade Católica de Pernambuco Agenda Proposta para o Primeiro Semestre

Leia mais

BIOECONOMIA: OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. Prof. Dr. Omar Jorge Sabbag

BIOECONOMIA: OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. Prof. Dr. Omar Jorge Sabbag BIOECONOMIA: OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Prof. Dr. Omar Jorge Sabbag BRASIL - liderança no agronegócio mundial Tabaco 1º Lugar Suco de Laranja 1º Lugar Etanol 1º Lugar Carne

Leia mais

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05 RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: Eixo dos Arranjos Produtivos Locais APL s - GRUPO DE TRABALHO 07: Oportunidades para Desenvolvimento Tecnológico na Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA:

Leia mais

Núcleo Acre: conhecendo a biota regional e preenchendo. lacunas na informação sobre biodiversidade

Núcleo Acre: conhecendo a biota regional e preenchendo. lacunas na informação sobre biodiversidade Núcleo Acre: conhecendo a biota regional e preenchendo SIMPÓSIO DE INTEGRAÇÃO PPBIO-CENBAM - OUT/2010 lacunas na informação sobre biodiversidade Marcos Silveira - coordenador Flávio Obermuller - bolsista

Leia mais

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Núcleo de Inovação Tecnológica REPITTec INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Pedido Nº 5272/2005 1. INSTITUIÇÃO PROPONENTE DE VINCULO DO COORDENADOR DA PROPOSTA Instituição: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA

Leia mais

II 4BIOTEC 4 dias pela biotecnologia

II 4BIOTEC 4 dias pela biotecnologia II 4BIOTEC 4 dias pela biotecnologia 01 a 04 de Agosto Auditório Bento Prado Júnior Universidade Federal de São 03/08/2010 02/08/2010 Horário Atividade 08:30 12:00 Entrega do Material 14:00 15:30 Conferência

Leia mais

Coordenação de Sociedade, Ambiente e Saúde - CSAS

Coordenação de Sociedade, Ambiente e Saúde - CSAS Coordenação de Sociedade, Ambiente e Saúde - CSAS Nome do GP Líderes Membros Micobactérias e Fungos da Amazônia dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0105676077084911 Julia Ignez Salem, Dra. (INPA) Mauricio Morishi

Leia mais

Boas-Vindas aos Novos Alunos de Biologia 2014/2015

Boas-Vindas aos Novos Alunos de Biologia 2014/2015 Boas-Vindas aos Novos Alunos de Biologia 2014/2015 Departmentos Biologia (DBA,) > DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL http://www.fc.ul.pt/pt/dbv http://www.fc.ul.pt/pt/dba > DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO ATA RESUMO DA 4ª REUNIÃO DE FECHAMENTO REALIZADA EM 20 DE SETEMBRO DE 2012 REFERENTE AO PDI 2012-2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO ATA RESUMO DA 4ª REUNIÃO DE FECHAMENTO REALIZADA EM 20 DE SETEMBRO DE 2012 REFERENTE AO PDI 2012-2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO ATA RESUMO DA 4ª REUNIÃO DE FECHAMENTO REALIZADA EM 20 DE SETEMBRO DE 2012 REFERENTE AO PDI 2012-2016 Dando continuidade aos trabalhos de fechamento do PDI 2012-2016,

Leia mais

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP. Implantação do Centro de Gerenciamento de Projetos na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP. Implantação do Centro de Gerenciamento de Projetos na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Implantação do Centro de Gerenciamento de Projetos na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP FMRP/USP Campus Ribeirão Preto (Dez/2010) FFCLRP FMRP FEARP

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO Novembro 2009 1 Introdução A Biomm se dedica ao desenvolvimento de processos de produção baseados na biotecnologia, área em que a sua equipe foi pioneira no Brasil desde os anos 1970.

Leia mais

FEIT-UEMG II Curso de Aperfeiçoamento Profissional em Controle Microbiológico do Processo de Fermentação Etanólica

FEIT-UEMG II Curso de Aperfeiçoamento Profissional em Controle Microbiológico do Processo de Fermentação Etanólica FEIT-UEMG II Curso de Aperfeiçoamento Profissional em Controle Microbiológico do Processo de Fermentação Etanólica Período: De 08 a 11 de maio de 2012 (diurno) Local: Fundação Educacional de Ituiutaba/Universidade

Leia mais

CT-INFRA 2014 REUNIÃO PREPARATÓRIA

CT-INFRA 2014 REUNIÃO PREPARATÓRIA CT-INFRA 2014 REUNIÃO PREPARATÓRIA 16/12/2014 NÃO HOUVE CHAMADA PÚBLICA Captação de Recursos UFPE 9.724.183,00 9.880.179,00 9.065.426,00 8.429.287,00 6.467.840,00 6.999.856,00 3.678.329,00 3.628.678,00

Leia mais

BIOTA/FAPESP com base em. pesquisadores que coordenaram

BIOTA/FAPESP com base em. pesquisadores que coordenaram Análise crítica do Programa BIOTA/FAPESP com base em questionários respondidos por pesquisadores que coordenaram projetos do Programa. Carlos A. Joly Questionários respondidos: 52(76) = 69% Considerando

Leia mais

Rede Nordeste de Biotecnologia RENORBIO

Rede Nordeste de Biotecnologia RENORBIO PESQUISA E FORMAÇÃO DE RH Rede Nordeste de Biotecnologia RENORBIO José Ferreira Nunes Méd. Vet. CRMV CE Nº 0189, Dr., Coordenador do Programa RENORBIO Endereço para correspondência: Universidade Estadual

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

Relatório de Gestão 2006

Relatório de Gestão 2006 Relatório de Gestão 2006 1. PROGRAMA:- Ciência, Tecnologia e Inovação para a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) - ( 1388 ). 1.1.OBJETIVOS: 1.1.1.Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/USP. Pró-Reitoria de Pesquisa

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/USP. Pró-Reitoria de Pesquisa EDITAL 2015/2016 A Pró-Reitoria de e o Comitê Institucional do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo PIC/PIBITI USP, tornam público o presente Edital de abertura de

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 16 - MEDICINA II IES: 33009015 - UNIFESP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Programa: 33009015033P0 - PSICOBIOLOGIA Modalidade: Acadêmico Curso Nível

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL ANEXO I DEMOSTRATIVO DE CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO,, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: TECNOLOGISTA JUNIOR Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE ÁREA 32 Arquitetura 12 Conservação e restauração de conjuntos

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Seminario de Avaliação do PPBio. Gestão do programa na Amazonia oriental. Marlucia Martins Coordenadora de inventarios. www.museu-goeldi.

Seminario de Avaliação do PPBio. Gestão do programa na Amazonia oriental. Marlucia Martins Coordenadora de inventarios. www.museu-goeldi. Seminario de Avaliação do PPBio Gestão do programa na Amazonia oriental www.museu-goeldi.br/ppbio Marlucia Martins Coordenadora de inventarios Belem 8/06/2009 Desafios para se estabelecer um programa de

Leia mais

Ambiente de Inovação. Biotecnologia. Micro e Pequenas Empresas

Ambiente de Inovação. Biotecnologia. Micro e Pequenas Empresas P&D e Inovação para Micro e Pequena Empresas do Estado do Rio de Janeiro: Como criar um ambiente de inovação nas empresas Estudo Setorial de Biotecnologia Prof a Adelaide Antunes Escola de Química da UFRJ

Leia mais

Mestrado: Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais

Mestrado: Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais Mestrado: Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais Informações Gerais Nível do Curso: Mestrado Profissional (Pós-graduação stricto sensu) Área Básica: Meio Ambiente e Agrárias Área de

Leia mais

PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Coordenador: Guilherme Ary Plonski

PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Coordenador: Guilherme Ary Plonski PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Coordenador: Guilherme Ary Plonski Setembro 2014 1 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de trabalho visa à continuidade do apoio para

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS Classe: 1º TERMO A 1ª PROVA 19:20 Psicologia da Educação Ricardo Hernandes 2ª PROVA 21:15 Metodologia Científica Ester Luiza 1ª PROVA 19:20 Bioestatística Larissa 2ª PROVA 21:15 Educação Ambiental Jorge

Leia mais

ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA

ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA Título do Projeto: REGISTRO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO DA FLORA ARBÓREA URBANA DA REGIÃO CENTRAL DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

PESQUISA: Linha de Pesquisa Ecofisiologia Vegetal atuante na produção de pesquisa na área de botânica.

PESQUISA: Linha de Pesquisa Ecofisiologia Vegetal atuante na produção de pesquisa na área de botânica. SELEÇÃO PROFESSORES PARA O MÓDULO II CURSO LICENCIATURA EM CIÊNICAS BIOLÓGICAS PARFOR COMPONENTE CURRICULAR: BIO 120 BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR Lia D Afonseca Pedreira de Miranda Vinculo efetivo (1997

Leia mais

Mestrado (1966) Doutorado (1994) CONCEITO 4

Mestrado (1966) Doutorado (1994) CONCEITO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO ICE- DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ORGÂNICA Mestrado (1966) Doutorado (1994) CONCEITO 4 COORDENADORA: Profa. Dra. Rosane Nora

Leia mais

PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002

PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002 PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002 A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições, e considerando a Lei nº 9.279 de 14/05/96, que regula os direitos e obrigações relativos

Leia mais

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Hospital de Clínicas de Porto Alegre Administração Central Responsável: Sérgio Carlos Eduardo

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 32020015 - CEFET/MG - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECN. DE MINAS GERAIS Programa: 32020015004P3 - ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

DISPONIBILIZAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES EM COMUNICAÇÃO EM TEXTO COMPLETO: projeto de pesquisa 3. Ida Regina C. Stumpf PPGCOM/UFRGS

DISPONIBILIZAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES EM COMUNICAÇÃO EM TEXTO COMPLETO: projeto de pesquisa 3. Ida Regina C. Stumpf PPGCOM/UFRGS DISPONIBILIZAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES EM COMUNICAÇÃO EM TEXTO COMPLETO: projeto de pesquisa 3 Ida Regina C. Stumpf PPGCOM/UFRGS RESUMO - O projeto objetiva desenvolver uma metodologia que viabilize

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

Relatório da Oficina. O papel das Coleções Biológicas no Cenário do Protocolo de Nagoia. Diálogos Setoriais/União Europeia-Brasil.

Relatório da Oficina. O papel das Coleções Biológicas no Cenário do Protocolo de Nagoia. Diálogos Setoriais/União Europeia-Brasil. Relatório da Oficina O papel das Coleções Biológicas no Cenário do Protocolo de Nagoia Diálogos Setoriais/União Europeia-Brasil. Luciane Marinoni Consultora do Projeto Brasília 09 e 10 de maio 2013 2 SUMÁRIO

Leia mais

Recomendações para Operação e Gerenciamento de Coleções de Culturas de Microrganismos

Recomendações para Operação e Gerenciamento de Coleções de Culturas de Microrganismos Proposta de Consenso Recomendações para Operação e Gerenciamento de Coleções de Culturas de Microrganismos Coordenadora: Lara D. Sette Coordenadora da área de Coleções de Culturas da SBM Curadora da Coleção

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Uso dos recursos genéticos RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa Pesquisa A pesquisa no INCA compreende atividades de produção do conhecimento científico, melhoria dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos do câncer e formação de recursos humanos em pesquisa oncológica.

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DA INVENÇÃO

NOTIFICAÇÃO DA INVENÇÃO NOTIFICAÇÃO DA INVENÇÃO 1- TÍTULO DA INVENÇÃO: (Identificar um título breve que descreva de forma clara a invenção) 2- CARACTERIZAÇÃO DA INVENÇÃO 2.1 Descrever de forma sucinta a solução técnica proposta

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Uso dos recursos genéticos RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

POLITICAS PUBLICAS APLICADAS AOS RECURSOS GENÉTICOS NO BRASIL. Marcos Gimenes Presidente da Sociedade Brasileira de Recursos Genéticos

POLITICAS PUBLICAS APLICADAS AOS RECURSOS GENÉTICOS NO BRASIL. Marcos Gimenes Presidente da Sociedade Brasileira de Recursos Genéticos POLITICAS PUBLICAS APLICADAS AOS RECURSOS GENÉTICOS NO BRASIL Marcos Gimenes Presidente da Sociedade Brasileira de Recursos Genéticos DESAFIOS PARA A CONSERVAÇÃO E USO DE RECURSOS GENÉTICOS NO BRASIL Marcos

Leia mais

Graduação em Química Universidade de São Paulo. Claudimir Lucio do Lago Julho de 2007

Graduação em Química Universidade de São Paulo. Claudimir Lucio do Lago Julho de 2007 Programa de Pós-GraduaP Graduação em Química Universidade de São Paulo Claudimir Lucio do Lago Julho de 2007 História Os cursos de mestrado e doutorado do IQ-USP foram iniciados em fevereiro de 1970 nas

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS E-ARQ BRASIL REPOSITÓRIOS

Leia mais

PANORAMA PPGCOM-ESPM. Coordenadora: Rose de Melo Rocha Vice-Coordenadora: Tânia Hoff

PANORAMA PPGCOM-ESPM. Coordenadora: Rose de Melo Rocha Vice-Coordenadora: Tânia Hoff PANORAMA PPGCOM-ESPM Coordenadora: Rose de Melo Rocha Vice-Coordenadora: Tânia Hoff Quem somos Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu com Cursos de Doutorado (desde 2013) e Mestrado Acadêmico (desde 2006)

Leia mais

O Processo de Diagnóstico das Coleções de Microrganismos da Embrapa com relação à Norma ABNT NBR ISO/IEC 17025

O Processo de Diagnóstico das Coleções de Microrganismos da Embrapa com relação à Norma ABNT NBR ISO/IEC 17025 O Processo de Diagnóstico das Coleções de Microrganismos da Embrapa com relação à Norma ABNT NBR ISO/IEC 17025 Luzia Helena Corrêa Lima, Clarissa Silva Pires de Castro, Marise Ventura Coutinho, Heloísa

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA CIENTÍFICA AMBIENTAL

CURSO DE FOTOGRAFIA CIENTÍFICA AMBIENTAL Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes Departamento de Biofísica e Biometria Laboratório de Radioecologia e Mudanças Globais e CENBAM - Centro de Estudos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

A gestão do conhecimento em biodiversidade como requisito para o seu uso sustentável e repartição dos benefícios

A gestão do conhecimento em biodiversidade como requisito para o seu uso sustentável e repartição dos benefícios A gestão do conhecimento em biodiversidade como requisito para o seu uso sustentável e repartição dos benefícios Rodrigo Medeiros Universidade Federal Rural do RJ Laboratório de Gestão Ambiental & Instituto

Leia mais

Planejamento Estratégico na Gestão de Coleções Biológicas: Coleção de Febre Amarela, um Estudo de Caso

Planejamento Estratégico na Gestão de Coleções Biológicas: Coleção de Febre Amarela, um Estudo de Caso Planejamento Estratégico na Gestão de Coleções Biológicas: Coleção de Febre Amarela, um Estudo de Caso Barbara Dias Coleção de Febre Amarela - Laboratório de Patologia Instituto Oswaldo Cruz, FIOCRUZ Rio

Leia mais

PLANO CONJUNTO BNDES-FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INDUSTRIAL DOS SETORES SUCROENERGÉTICO E SUCROQUÍMICO PAISS

PLANO CONJUNTO BNDES-FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INDUSTRIAL DOS SETORES SUCROENERGÉTICO E SUCROQUÍMICO PAISS Anexo I ao Acordo de Cooperação Técnica entre BNDES e FINEP ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE BNDES E FINEP - ANEXO I PLANO CONJUNTO BNDES-FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INDUSTRIAL DOS SETORES

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais