Fatores críticos de sucesso na implantação de um sistema CRM em uma empresa de telecomunicações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fatores críticos de sucesso na implantação de um sistema CRM em uma empresa de telecomunicações"

Transcrição

1 Fatores críticos de sucesso na implantação de um sistema CRM em uma empresa de telecomunicações Anderson Pereira da Silva Rocha (PUCPR) Roberto Max Protil (PUCPR) Resumo Este artigo tem por objetivo identificar os fatores críticos de sucesso na implantação do sistema CRM Customer Relationship Management - em uma indústria de grande porte. Trata- se de um estudo de caso exploratório que tem por objetivo promover a discussão sobre a complexidade da gestão de um projeto de implementação da tecnologia da informação em um ambiente organizacional complexo. Neste estudo de caso foram descritos os fatores críticos de sucesso na implantação de uma solução tecnológica através da comprovação das hipóteses apresentadas por Souza e Saccol (2003) e que foram determinantes para o sucesso do processo de implantação do CRM na empresa em estudo. Conclui-se que a implantação de soluções tecnológicas exige comprometimento da alta gerencia da empresa, competência técnica, avaliação de riscos, gestão de: escopo, prazos e custos, além de um envolvimento pleno de todos os stakeholders do projeto. Palavras-chave: Tecnologia da Informação; CRM; Gestão de. 1. Introdução Atualmente as organizações estão convivendo com um cenário cada vez mais instável e turbulento, acentuado pela globalização que deixa as empresas freqüentemente expostas a muitas mudanças radicais e imprevisíveis no meio ambiente que as cercam. O cenário em que as organizações estão contextualizadas necessita de informações oportunas e conhecimentos personalizados que são indispensáveis para facilitar os processos decisórios e contribuir com as decisões e ações do corpo diretivo da organização (REZENDE, 2002, p.26). Brown (2000) afirma que, "colocando objetivamente, não há escolha sobre investir ou não em tecnologia. A única escolha - se a empresa quer se manter no negócio - é no tipo e na amplitude do investimento no processo tecnológico". Este artigo pretende justificar esta afirmativa aplicando os critérios definidos por Souza e Saccol (2003) em um estudo de caso de uma empresa no setor de telecomunicações. 2. Conceituação e caracterização dos sistemas CRM Para Poser (2001), CRM pode ser interpretado como um modelo estratégico para facilitar o gerenciamento do conhecimento e tomadas de decisões de ações que almejem as premissas do marketing de relacionamento. Antes de qualquer conceituação é importante entender que CRM não é apenas um software, um programa de milhagem, muito menos uma atividade exclusiva do setor de atendimento, mas também um processo holístico de antecipar e satisfazer as expectativas dos clientes. Para Plata (2003) o gerenciamento do relacionamento com o cliente é uma estratégia cujo propósito é transformar os processos de negócios para conservar e conseguir mais clientes. Já Swift (2001) aborda o conceito não como uma estratégia, mas com uma ferramenta administrativa para entender e influenciar o comportamento dos clientes, por meio de comunicações significativas para melhorar além da retenção, as compras, lealdade e a lucratividade. Compendiando as definições acima, pode-se afirmar que CRM é a administração de uma estratégia que envolve toda a organização com o 1

2 objetivo de atender bem seus clientes para trazer maiores lucros a longo prazo. Pode-se apontar, segundo Swift (2001) pelo menos dois grandes benefícios, para a própria organização, com a implantação do CRM: primeiramente, em decorrência de produtos mais convenientes e clientes mais satisfeitos, além da preocupação e carinho demonstrado, que aumentam a lealdade e confiança, consequentemente serão obtidas maiores receitas; em segundo lugar geram-se menores custos, pois os esforços e verbas são mais direcionados, o que melhora muito a alocação de recursos e eficiência da empresa. Além dos benefícios diretos para a organização ao assumir o CRM, não se pode esquecer, conforme cita Blackwell (2004), dos benefícios obtidos na cadeia de fornecimento, pois a empresa que define sua estratégia competitiva com o foco no consumidor, e conseqüente priorização do relacionamento, estará agregando valor emocional e financeiro não só para os seus consumidores como também para os clientes de toda a cadeia em que atua. 3. Fatores críticos de sucesso na implementação de sistemas CRM Entre as diversas abordagens existentes para tentar garantir o sucesso de um projeto, está a abordagem dos Fatores Críticos de Sucesso, a qual determina que a presença de certo grupo de fatores, considerados críticos, possui grande influência no projeto e aumenta suas chances de sucesso, conforme Kwon e Zmud (1987) apud Souza e Saccol (2003).Vários autores citam diversos fatores que seriam críticos para o sucesso em ERP. Conforme Souza e Saccol (2003), deve-se ressaltar que esses fatores não são necessariamente estáticos ou imutáveis, mas podem variar em importância durante as diversas fases do projeto. Em pesquisa realizada por Souza e Saccol (2003), foram enunciadas 10 hipóteses sobre a criticidade de fatores sobre o sucesso na implementação de Sistemas ERP. Estas hipóteses foram testadas através de análise exploratória em empresas operando no Brasil que estivessem desenvolvendo um projeto para implementação de um pacote de software ERP ou tivessem encerrado este no últimos 36 meses, contados em relação ao momento da coleta dos dados da referida pesquisa. Participaram da amostra para a pesquisa de Souza e Saccol (2003) 43 empresas com pelo menos um questionário válido cada. Dessas empresas, algumas participaram com mais de um questionário respondido, motivo pelo qual existem mais questionário que empresas na pesquisa. As empresas que participaram da pesquisa eram usuárias de sistemas ERP das empresas Baan, Datasul, Marcam (Prism), Microsiga, Oracle e SAP. As hipóteses enunciadas por Souza e Saccol (2003) são: H 1 : As motivações para o projeto não tem seus objetivos alcançados.h 2 : A existência de missões claras e definidas não é um fator crítico para o sucesso do projeto. H 3 : A existência de apoio da alta administração não é um fator crítico para o sucesso do projeto. H 4 : A existência de usuários capazes e envolvidos não é um fator crítico para o sucesso do projeto. H 5 : A existência de um planejamento detalhado do projeto não é um fator crítico para o sucesso do projeto. H 6 : A existência de um gerente do projeto com habilidades necessárias não é um fator crítico para o sucesso do projeto. H 7 : A existência de uma empresa de consultoria externa não é um fator crítico para o sucesso do projeto. H 8 : A existência de mudanças nos processos de negócios não é um fator crítico para o sucesso do projeto. H 9 : Não existe relação entre a satisfação dos usuários com os sistemas existentes e o sucesso do projeto. H 10 : não existe relação entre a disposição da empresa para mudança e o sucesso do projeto. 4. Metodologia Para o estudo de caso selecionou-se uma empresa no ramo de Telecomunicações e que notabiliza-se pelos grandes investimentos em pesquisa e desenvolvimento. Presente no Brasil desde 1967 com extenso portfólio de produtos, a companhia encerrou o ano fiscal de

3 com receita líquida global de US$ 87 bilhões. Com uma preocupação de foco no cliente a empresa em questão resolveu adotar uma solução de CRM. "Em junho de 2000, decidimos pelo mysap Customer Relationship Management - CRM, para dar maior consistência às informações disponíveis para as equipes de pós-vendas, com o objetivo de fidelizar clientes com a excelência de serviços de assistência técnica e manter o service level agreement mais adequado a cada um deles", diz o gerente de da Empresa na qual foi realizado o estudo de caso. Para a utilização do método do estudo de caso foi utilizada uma abordagem descritiva, analítica e qualitativa, sem contudo deixar de utilizar métodos de validação dos questionários e a estatística descritiva para a consolidação dos resultados. Conforme Gil (1999), pesquisas descritivas tem como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis. A adoção de uma abordagem através de procedimentos qualitativos permite, conforme Richardson (1999), descrever a complexidade de determinado problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos vividos por grupos sociais. A pesquisa foi realizada através de um levantamento de dados e informações, levantamento este do tipo transversal. O nível de análise foi organizacional e a unidade de análise foi o grupo de gerentes e analistas da empresa envolvidos nas atividades de implementação do sistema CRM. 4.1 População e Amostra A população foi composta pelo grupo de gerentes e analistas da empresa envolvidos nas atividades de implementação do sistema CRM. Os elementos que foram extraídos desta população e que representaram a amostra foram definidos através do método de amostragem intencional ou de seleção racional. Neste tipo de seleção, conforme Richardson (1999), os elementos que formam a amostra relacionam-se intencionalmente de acordo com certas características estabelecidas no plano do pesquisador Se o plano possuir características que definam a população, é necessário garantir a presença do sujeito-tipo. Assim, este método possibilita a escolha de elementos característicos da população de interesse da investigação, considerando que não foi empregado um método probabilístico para tal. A pré-disposição da empresa à realização do trabalho de pesquisa em suas dependências permitiu a definição de doze elementos para comporem a amostra, sendo seis gerentes de diretamente ligados ao processo de implementação do sistema CRM, dois engenheiros de produtos e quatro analistas de sistemas considerados seniores pela organização e diretamente relacionados ao processo de implementação do sistema CRM. 4.2 Coleta e tratamento dos dados A pesquisa foi realizada através da coleta de dados por meio de questionário estruturado. O acesso aos dados através dos questionários, foi por meio uma abordagem junto as pessoas que partiparam ativamente no projeto em questão, visando uma aderência adequada a pesquisa realizada. O tratamento dos dados foi efetuado de forma descritiva e analítica para garantir a coerência com a abordagem qualitativa previamente definida no delineamento da pesquisa apresentada.após a conclusão das atividades de coleta e análise das informações, estas foram tratadas de forma objetiva, considerando a utilização de técnicas estatística apropriadas, de maior ou menor complexidade, de forma a conferir um ordenamento, inter relacionamento e simplicidade a modelos relevantes criados a partir das informações de valor em questão. 3

4 4.3 Elementos de análise e elaboração do questionário Com base nos trabalhos de Souza e Saccol (2003) foi definida a Categoria de Análise Fatores críticos de sucesso na implantação de CRM para ser pesquisada na amostra selecionada. Os seguintes elementos de análises foram pesquisados: Missão, Apoio da alta administração, Envolvimento dos usuários, Planejamento do Projeto, e Consultoria externa. Para a elaboração do questionário optou-se pela escala de Likert, que segundo Günther (2003) é uma das mais utilizadas nas ciências sociais, uma vez que permite o levantamento de atitudes, opiniões e avaliações. O questionário foi elaborado utilizando-se questões hétero-referentes, com quatro alternativas, cujas opções foram balanceadas, uma vez que foi uma estratégia da pesquisa não oferecer opção de neutralidade. Na escala de Likert para se obter a medida de favorabilidade de cada indivíduo, soma-se o valor dos pontos aos itens. Nesta pesquisa foi atribuído os valores 1,2,3 e 4 para discordo totalmente, discordo parcialmente, concordo parcialmente e concordo totalmente respectivamente. Como as atribuições foram dadas com escalas adjacentes, a escala de Likert proposta nesta pesquisa é do tipo ordinal; o que está em conformidade com o tipo de análise que será realizada por meio da estatística descritiva. Cabe alertar, no entanto, que por se tratar de um estudo de caso não é possível a generalização dos resultados (GIL, 1999), o que é um tipo de limitação do delineamento de pesquisa proposto. As sentenças e perguntas dos questionários foram elaboradas de forma a haverem três questões englobando um mesmo elemento de análise. Esta redundância foi necessária uma vez que o critério escolhido para validação da confiabilidade do questionário foi o Coeficiente Alfa de Cronbach e no processo de validação questões podem ser descartadas. Assim, o resultado de um elemento de análise será obtido pela média de suas questões não descartadas. As questões foram numeradas de forma alternada, para que um mesmo elemento de análise não tivesse questões contíguas. 4.4 Validação do questionário Para determinar a confiabilidade dos resultados obtidos em cada questão e no questionário como um todo, optou-se pela verificação do Coeficiente Alfa de Cronbach.. Índices alfas superiores a 0,60 são bastante aceitáveis em estudos com natureza semelhante a do presente trabalho, segundo Hair et al (1995), e suas escalas poderiam ser utilizadas na análise desta pesquisa sem ressalvas. George e Mallery (2003) propõe a seguinte regra heurística para validação do coeficiente alfa: α > 0.9 igual a excelente, α > 0.8 igual a bom, α > 0.7 igual a aceitável, α > 0.6 igual a questionável, α > 0.5 igual a pobre, α < 0.5 igual a inaceitável. Foi com base neste coeficiente e nesses valores que os resultados foram validados e algumas questões foram descartadas, de forma a termos um resultado classificado como o mais confiável possível. Neste trabalho optou-se pela construção dos formulários na planilha Excel, realizando cálculos de médias, desvios padrões e variâncias mediante a utilização das funções de estatística e cálculo final do Coeficiente Alfa de Cronbach. 5. Análise dos dados Todos os questionários foram compilados em uma planilha única, tabela 1 no anexo 1, na qual foi calculado a média e o desvio padrão das alternativas para cada questão. As questões indicadas com.x referem-se à opinião dos respondentes quanto a importância da questão anterior para a implantação do CRM. Assim, a análise dos dados proporcionou 4

5 duas visões sobre a implantação do CRM na Empresa em questão. A primeira diz respeito à concordância ou discordância de que um determinado aspecto da fundamentação teórica foi utilizado ou esteve presente na implantação do CRM e o segundo é de que este aspecto teve importância, na opinião do respondente, para a respectiva implantação. Como são dois aspectos independentes, os questionários foram separados para uma análise distinta, embora na apresentação e discussão final dos resultados as referências serão feitas às mesmas questões. Para testar as questões relativas à presença dos elementos de análise aplicou-se, então, o Coeficiente Alfa de Cronbach. A tabela 1 apresenta o resultado final destes cálculos, cabendo, porém, uma explicação dos passos intermediários no processo de qualificação do formulário. Primeiramente as questões foram reagrupadas de forma a representarem os seus respectivos elementos de análises. O elemento Missão está representado pelas questões 1, 7 e 13; Apoio da alta administração está representado pelas questões 2, 8 e 14; Envolvimento dos usuários está representado pelas questões 3, 9 e 15; Planejamento do projeto está representado pelas questões 4, 10 e 16; está representado pelas questões 5, 11 e 17 e a Consultoria externa pelas questões 6, 12 e 18. Em segundo lugar foram calculadas as médias das questões relativas a cada elemento de análise. Em seguida, utilizou-se a fórmula do Alfa de Cronbrach, apresentada nos tópicos anteriores, para o agrupamento dos elementos de análise. Aqui encontra-se o ponto principal da utilização da metodologia e da modelagem deste trabalho de pesquisa. Como todos os passos anteriormente indicados estavam interligados por fórmulas utilizando uma planilha Excel (Microsoft), quando eliminamos uma questão automaticamente o coeficiente alfa é modificado. Procedendo diversas simulações de eliminação de questões, foi possível chegar a um coeficiente alfa que George e Mallery (2003) consideram satisfatório; este procedimento é indicado para o refinamento da pesquisa, eliminando questões que influenciem negativamente a confiabilidade geral da amostra. Elementos de Análise Média Desvio Padrão Variância Alfa de Cronbach Missão 3,56 0,26 0,07 0,72 Apoio da Administração 3,00 0,00 0,00 0,84 Envolvimento dos Usuários 3,11 0,16 0,03 0,73 Planejamento do Projeto 2,58 0,32 0,10 0,66 Gerente do Projeto 2,86 0,33 0,11 0,74 Consultoria Externa 3,04 0,14 0,02 0,86 Total 18,15 1,00 1,01 0,81 Tabela 1: Importância da fundamentação teórica Para chegar a um Alfa de Cronbach com o valor de 0,81, que, segundo os critérios heurísticos de George e Mallery (2003), é considerado bom, foi necessário excluir as questões 2, 6 e 8, que resultaram, respectivamente, nos seguintes alfas: 0,64, 0,74 e finalmente 0,81. Apenas como exemplo da metodologia, caso todas as questões referentes à Consultoria Externa fossem eliminadas, o coeficiente alfa do questionário seria de 0,86; porém eliminar todo um elemento de análise não traria contribuições para a conclusão do trabalho. Comparando-se as médias finais dos elementos de análise pode-se concluir que, no caso estudado, o elemento mais significativo para o sucesso da implantação do projeto CRM foi a Missão. Em seguida vieram o Envolvimento dos Usuários, Consultoria Externa, Apoio da administração, Gerente do Projeto e por último o Planejamento do Projeto. Procedendo-se os mesmos passos executados anteriormente, desta vez para determinar o 5

6 Coeficiente Alfa de Cronbach para a opinião dos respondentes quanto a importância dos elementos de análise para a implantação do CRM, chega-se aos resultados da tabela 2. Elementos de Análise Média Desvio Padrão Variânci a Alfa de Cronbach Missão 3,50 0,00 0,00 0,69 Apoio da Administração 3,58 0,15 0,02 0,65 Envolvimento dos Usuários 3,96 0,14 0,02 0,57 Planejamento do Projeto 2,67 0,00 0,00 0,69 Gerente do Projeto 2,29 0,26 0,07 0,43 Consultoria Externa 3,47 0,30 0,09 0,49 Total 19,47 0,67 0,44 0,66 Tabela 2: Importância dos elementos de análise Para chegar a um Alfa de Cronbach com o valor de 0,66, que, segundo os critérios heurísticos de George e Mallery (2003), é considerado questionável, foi necessário excluir as questões 5, 7 e 15, que resultaram, respectivamente, nos seguintes alfas: 0,57, 0,64 e finalmente 0,66. Inicialmente o coeficiente alfa era ainda pior, 0,35, e as diversas simulações realizadas não foram capazes de gerar um alfa com valor muito melhor do que o apresentado na última simulação. Para a obtenção de um alfa superior a 0,7 seria necessário eliminarmos elementos de análise inteiros, por exemplo, eliminando-se Missão e Planejamento de Projeto o alfa seria 0,73, mas isto não contribuiria para pelo menos ter uma idéia do que representa estes elementos de análises na opinião dos respondentes. Optou-se, então, por aceitar o resultado de alfa com a eliminação de três questões e colocar como ressalva que para futuros trabalhos e recomendações, o pesquisador utilize mais do que 3 questões para representar cada elemento de análise. Comparando-se as médias finais dos elementos de análise pode-se concluir que, no caso estudado, o elemento de maior importância para a implantação do CRM, segundo os respondentes, foi o envolvimento dos usuários. Em seguida vieram o apoio da administração, missão, consultoria externa, gerente do projeto e por último o planejamento do projeto. O cruzamento das duas análises aponta a missão e o envolvimento dos usuários como os elementos de análises mais importantes para a implantação do CRM. Na 19ª Questão, que foi livre para a opinião dos respondentes, observou-se que dos 12 respondentes, 8 mencionaram que o comprometimento e o envolvimento dos usuários foram fatores que contribuíram para a implantação do CRM na Empresa em questão. 6. Conclusões O sistema CRM (Customer Relationship Management) é um instrumento que, alinhado aos planos estratégicos organizacionais, confere à empresa agilidade e confiabilidade na gestão para resultados. O desafio destas corporações é conduzir a implementação deste tipo de iniciativa de forma efetiva no que se refere a tempo de instalação, custos de implementação e adequação da ferramenta às necessidades da organização. Esta efetividade de implementação foi traduzida por SOUZA e SACCOL (2003) em fatores críticos de sucesso na implementação de sistemas CRM, os quais foram utilizados neste trabalho para analisar o caso de uma empresa de telecomunicações que possui uma de suas filiais internacionais em Curitiba. Assim, aplicou-se um questionário para verificar: (a) a presença destes elementos no projeto 6

7 em questão e; (b) a opinião dos componentes da equipe do projeto sobre a importância destes elementos para o sucesso do projeto. Antes das análises dos dados, procedeu-se o cálculo do Coeficiente Alfa de Cronbach o qual, após a eliminação de algumas questões, demonstrou a consistência das respostas. Esta consistência proveu maior confiabilidade na geração das constatações da presente investigação. Para as respostas referentes à presença dos fatores críticos de sucesso no projeto em questão, obteve-se um Coeficiente Alfa de Cronbach de 0,81, considerado bom, e para as respostas referentes à opinião dos componentes da equipe do projeto sobre a importância dos fatores críticos de sucesso do projeto obteve-se um coeficiente alfa de Cronbach de 0,66, considerado questionável segundo George e Mallery (2003), porém aceitável segundo Hair et al (1995). Uma evidente constatação é que o projeto contou com a presença marcante de uma Missão claramente definida pela alta administração da empresa, que guiou os passos estratégicos do desenvolvimento do projeto. Além disto, o envolvimento da equipe do projeto com os usuários do sistema também ocorreu de forma ostensiva, sendo preponderante para sucesso da iniciativa. Coincidentemente com as pesquisas realizadas por e Souza e Saccol (2003), a presença de gerente do projeto e o planejamento do projeto tiveram uma presença de menor importância no contexto de implementação da iniciativa. Os respondentes consideraram de menor importância no sucesso do projeto a presença de um gerente do projeto e o planejamento do projeto. Assim, esta pesquisa demonstrou que a definição de uma missão clara e objetiva, o envolvimento dos usuários em projeto desta natureza e a presença da alta administração nas decisões críticas do projeto são elementos fundamentais para o sucesso de de implementação de sistemas CRM (Customer Relationship Management). Referências BROW, S. Manufacturing the Future: strategic resonance for enlighted manufacturing. Prentice Hall, BLACKWELL, R.. O abc do consumo. Disponível em: Acesso em: 20 jan DÉTRIE, J.P. et al. Strategor: Estrategia, estructura, decisión, identidad: Política general de empresa. Masson, Barcelona, GEORGE, D., MALLERY, P. SPSS for Windows Step by Step: S Simple Guide and Reference update. 4 th Ed. Boston: Ally & Bacon, GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Editora Atlas, GÜNTHER, H. Como Elaborar um Questionário. Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, nº 1. Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental, HAIR JR, J. F. et al. Multivariate Data Analysis. 4ed. New Jersey: Prentice Hall, POSER, D. CRM: conceitos e estratégias. In: ZENONE, L. C., São Paulo: Atlas, PLATA, S. De acordo com a vontade do cliente. Disponível em: Acesso em: 20 dez REZENDE, D. A.. Tecnologia da Informação integrada à inteligência empresarial: alinhamento estratégico e análise da prática nas organizações. São Paulo: Atlas, RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Editora Atlas, SOUZA, C. A; SACCOL, A. Z. Sistemas ERP no Brasil (Enterparise Resource Planning): Teoria e casos. São Paulo: Editora Atlas, SWIFT, Ronald. CRM: Customer Relationship Management, o revolucionário marketing de relacionamento com o cliente. Rio de Janeiro: Prentice Hall,

8 ANEXOS GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPO 3 RESULTADOS Form Cargo Nome Entrevistado 1 Entrevistado 2 Entrevistado 3 Entrevistado 4 Entrevistado 5 Entrevistado 6 Engenheiro de produtos Entrevistado 7 Consultora de processos Entrevistado 8 Analista de processos Entrevistado 9 Analista de sistemas Entrevistado 10 Analista de sistemas Entrevistado 11 Analista de sistemas Entrevistado 12 Média Desvio padrão ,25 0, ,00 0, ,83 0, ,75 0, ,33 0, ,92 0, ,33 0, ,00 0, ,17 0, ,08 0, ,75 0, ,67 0, ,42 0, ,42 0, ,58 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,08 0, ,00 0, ,08 0, ,58 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,42 0, ,00 0, ,33 0, ,58 0, ,00 0, ,17 0,39 8

9 Tabela 1. Questionários compilados. 9

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial. Contextualização. Aula 4. Organização da Disciplina. Organização da Aula. Área Funcional

Sistemas de Informação Gerencial. Contextualização. Aula 4. Organização da Disciplina. Organização da Aula. Área Funcional Sistemas de Informação Gerencial Aula 4 Contextualização Prof. Me. Claudio Nogas Organização da Disciplina Buscaremos, por meio da apresentação de conceitos, exemplos de como gerar conhecimentos sobre

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

CRM Conceitos e Métodos de Aplicação no Marketing de Relacionamento

CRM Conceitos e Métodos de Aplicação no Marketing de Relacionamento CRM Conceitos e Métodos de Aplicação no Marketing de Relacionamento Atílio Garrafoni Júnior (UNIMEP) garra@terra.com.br Hélio Oliva Santade (UNIMEP) helio.santade@terra.com.br Nadia Kassouf Pizzinatto

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE: O CASO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

REFLEXÕES SOBRE SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE: O CASO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR 1300 REFLEXÕES SOBRE SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE: O CASO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR José Eduardo Fernandes 1, Silmara Pereira Brites de Moura 2, Caroline Kraus Luvizotto 3 1 Discente do

Leia mais

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos.

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros A experiência da Copel na implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros COPEL Projeto

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Margareth Carneiro, PMP, MSc PMI GovSIG past-chair PMA Diretora Executiva Wander Cleber da Silva, PhD Fundação Funiversa 1 O Guia do PMBoK O Guia

Leia mais

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS Autores: Alexandre Costa Quintana Daniele Pereira Mesquita RESUMO A forma de estruturação das demonstrações contábeis é fundamental

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Uma Análise da Confiabilidade da Aplicação de um Questionário na Equipe de TI de uma Instituição de Saúde

Uma Análise da Confiabilidade da Aplicação de um Questionário na Equipe de TI de uma Instituição de Saúde Uma Análise da Confiabilidade da Aplicação de um Questionário na Equipe de TI de uma Instituição de Saúde Aluna: Karina Aparecida da Cruz Pinto Orientadora: Ms. Maria Ludovina Aparecida Quintans Sistemas

Leia mais

O CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL EM EQUIPES VIRTUAIS: UM ESTUDO DE CASO NA EQUIPE DE HELP DESK DA COPEL

O CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL EM EQUIPES VIRTUAIS: UM ESTUDO DE CASO NA EQUIPE DE HELP DESK DA COPEL RESUMO O CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL EM EQUIPES VIRTUAIS: UM ESTUDO DE CASO NA EQUIPE DE HELP DESK DA COPEL Autoria: Sergio Augusto Mota Caracas, Joazir Nunes Fonseca Os objetivos deste trabalho foram

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 3 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte I) Flávio I. Callegari O perfil do profissional de negócios Planejamento

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo apresenta-se a pesquisa realizada, abrangendo o tipo de pesquisa, os critérios para a seleção de sujeitos, o processo de coleta de dados e o tratamento de dados. 3.1. Tipo

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS Marcelo Bandeira Leite Santos (LATE/UFF) Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SELMA MARIA DA SILVA (IFG) profasms@hotmail.com Sandrerley Ramos Pires (UFG)

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

Aula 6 -Customer Relationship Management (CRM) Gestão do relacionamento com o cliente Prof.: Cleber A. de Oliveira

Aula 6 -Customer Relationship Management (CRM) Gestão do relacionamento com o cliente Prof.: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 6 -Customer Relationship Management (CRM) Gestão do relacionamento com o cliente Prof.: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados sobre ERP são primordiais

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE RECURSOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Entrega valor por meio de uma abordagem de estratégia em primeiro lugar para selecionar o conjunto ideal de investimentos Aproveita

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM. Prof. Wilson Míccoli, MsC

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM. Prof. Wilson Míccoli, MsC IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM 1 Fase 1: Contextualização Fase 2: Revisão do Plano Estratégico da Organização Fase 3: Revisão do Portfólio de Produtos Fase 4: Definição da Visão e dos Objetivos do CRM Fase

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO 1 GOLVEIA, Francielli José Primo. 2 DA ROSA, MsC. Wanderlan Barreto. RESUMO Nesta pesquisa, será abordada a importância

Leia mais

MAC: SAP ECC 6.0 reestrutura gestão interna

MAC: SAP ECC 6.0 reestrutura gestão interna Picture Credit Customer Name, City, State/Country. Used with permission. MAC: SAP ECC 6.0 reestrutura gestão interna Geral Executiva Nome da MAC Construtora e Incorporadora Indústria Construção Civil Produtos

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Desenvolver, Comprar ou Terceirizar.

Desenvolver, Comprar ou Terceirizar. Tema da Aula Desenvolver, Comprar ou Terceirizar. Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Desenvolver, Comprar ou Terceirizar. A solução dos problemas de informatização nas empresas possui

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração.

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração. . Quem somos //Sobre A Oficina1 é uma consultoria direcionada à tecnologia da informação, com foco na implementação dos ERPs Protheus e OpenBravo, além do aplicativo de Service Desk SysAid, abrangendo

Leia mais

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Relatório de pesquisa Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Via Consulting Maio de 2009 1 Caro leitor, Gostaria de convidá-lo a conhecer o resultado de uma pesquisa patrocinada pela Via Consulting

Leia mais

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO 122 A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO Edilene Mayumi Murashita Takenaka, Sérgio Luís Destro, João Vitor Minca Campioni, Dayane Magalhães Fernandes, Giovana Maria

Leia mais

MBA Executivo Internacional

MBA Executivo Internacional MBA Executivo Internacional Informações* Dias e horários das aulas: Quinzenalmente. Sextas e sábados. Das 08h30 às 17h30. Carga horária: 612 Horas *As informações podem sofrer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014 1 Auditando uma implantação de ERP (Enterprise Resource Planning) em empresas

Leia mais

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec Teoria geral do Sistemas O Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes

Leia mais

Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios

Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios Projeto para a disciplina Sistemas de Informação Gerencial Curso: MBA em Gestão e Negócios UNIMEP Elaborada por: Profº. Ms Flávio Ibelli Callegari

Leia mais

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 7

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 7 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 7 Estudo de Viabilidade Técnico-econômica (EVTE) Determina a melhor solução técnica para determinado problema, avaliando a questão econômica; Considerando

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Fábio Favaretto (PUCPR) fabio.favaretto@pucpr.br Rosana Adami Mattioda (PUCPR) mattioda@brturbo.com Resumo O

Leia mais

Palavras-chave: Gestão de qualidade, Sistema de Informação, Processo, Normas, ISO/IEC 17025

Palavras-chave: Gestão de qualidade, Sistema de Informação, Processo, Normas, ISO/IEC 17025 PROPOSTA DE MELHORIA DE QUALIDADE EM ORDENS DE SERVIÇO COM USO DE SOFTWARE APLICANDO A ISO 17025 - ESTUDO DE CASO Bruno Renato de Oliveira 1 ; Marcos Roberto Xavier Guimarães 1 ; Maxwel Silva Matos 1 ;

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista Business Intelligence para Computação TítuloForense Tiago Schettini Batista Agenda Empresa; Crescimento de Dados; Business Intelligence; Exemplos (CGU, B2T) A empresa Empresa fundada em 2003 especializada

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI

FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI Com o crescimento acelerado, uma das mais tradicionais empresas do Brasil em produtos agrícolas precisava

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

Parte 1: Definindo PLM Visão Estratégica

Parte 1: Definindo PLM Visão Estratégica the product development company White Paper Parte 1: Definindo PLM Visão Estratégica O GUIA COMPLETO PARA A ALOCAÇÃO INTELIGENTE DE INVESTIMENTOS EM SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO DO CICLO DE VIDA DO PRODUTO

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos

Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO NACIONAL CONTRATO Nº 9225/2007 Outubro 2007 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DE ESCRITÓRIO

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais