Dificuldades na Implantação da Tecnologia CRM: Um Estudo de Caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dificuldades na Implantação da Tecnologia CRM: Um Estudo de Caso"

Transcrição

1 Dificuldades na Implantação da Tecnologia CRM: Um Estudo de Caso Autoria: Klaus Gustavo Benner, Elisa Thomazi Bratti Coelho, Heitor Takashi Kato Resumo O objetivo deste artigo é identificar as principais dificuldades e características da implantação de um sistema Customer Relationship Management (CRM) em uma organização, e relatar que resultados efetivos sua implantação tem apresentado a esta empresa. Na forma de uma pesquisa descritiva, um estudo de caso, o artigo apresenta um relato da implantação de um sistema CRM em uma empresa têxtil do estado de Santa Catarina. Tal estudo se torna importante para o desenvolvimento dos estudos organizacionais que foquem o relacionamento com o cliente, pois o CRM é uma ferramenta tecnológica recente, ainda não muito utilizada pelas organizações, mas que pode ser importante no processo de fidelização do mesmo, no sentido de obter um maior controle das variáveis que afetam o consumidor. Com a análise realizada, pode-se observar que a implementação do CRM não é tarefa fácil e que uma das principais dificuldades é a mudança da cultura da empresa. Outra barreira encontrada foi a questão tecnológica e ainda a dificuldade de transformação das informações em ações específicas. 1 INTRODUÇÃO As transformações que ocorrem no mercado de bens e serviços enfatizam a constante necessidade de reavaliação do posicionamento e estratégias implementadas pelas organizações, buscando manter seu diferencial competitivo. Falar em mercados globalizados é redundante, visto a facilidade que os consumidores dispõem hoje para atender suas necessidades de compra, oferecidas através da rede mundial de computadores a internet, aonde encontramos desde serviços mais simples de customizações até os mais complexos produtos industrializados com alto valor agregado. Segundo Kotler (2002), atualmente existe uma necessidade básica de adaptação por parte das organizações, face a um cenário de grandes transformações. Este cenário provoca alterações consideráveis na cultura de compra. Uma questão recorrente nas estratégias organizacionais é justamente o bom atendimento, a fidelização e retenção de clientes - que estão cada vez mais exigentes e suscetíveis às abordagens de novos fornecedores e produtos concorrentes. Paralelamente, busca-se atingir a percepção do cliente com relação à qualidade, satisfação e empenho, tornando-o o principal bem da organização (ZENONE, 2001). Desta forma, as organizações passam a tentar compreender cada vez mais seus clientes, buscando um relacionamento mais próximo, desencadeando a necessidade de compreender seu comportamento. E é neste novo contexto que surge a redescoberta do cliente como papel central da organização, contrapondo-se com a administração voltada ao produto ou serviço oferecido. Entretanto, segundo Rocha e Christensen (1999), compreender o comportamento do consumidor é algo complexo, pois envolve varias áreas do conhecimento, a exemplo da economia, psicologia, sociologia entre outras. A crescente busca por alcançar vantagens e diferenciais competitivos proporcionou a evolução de teorias de relacionamento com o cliente, que possui um papel essencial. E é através do Customer Relationship Management (CRM) que se busca este novo posicionamento de mercado, transformando-o numa ferramenta de decisão estratégica. Para McGee et. al. (1994), a utilização da informação e da tecnologia pode contrabalançar qualquer vantagem competitiva.

2 A partir destes pressupostos, este estudo se caracteriza por ser um estudo de caso que busca avaliar as dificuldades e efeitos da implantação de um sistema CRM. Tal estudo pode contribuir para o desenvolvimento de estudos organizacionais que foquem o relacionamento com o cliente, pois o CRM é uma ferramenta recente, ainda não muito utilizada pelas organizações. O CRM pode ser importante no processo de fidelização dos clientes de uma empresa, no sentido de obter um maior controle das variáveis que afetam o cliente, e assim compreender melhor o comportamento de compra e garantir uma participação efetiva no mercado. O artigo apresenta um relato da implantação e da utilização prática do CRM em uma empresa têxtil do estado de Santa Catarina, mostrando as dificuldades da implantação do mesmo, e que resultados efetivos sua implantação tem apresentado a esta empresa. 2 Customer Relationship Management (CRM) Apesar de que cada sistema administrativo global possui um foco único, todos os sistemas compartilham capacidades similares de captura, armazenamento, organização, acesso e apresentação dos dados (HOLLEY, 2006). Outro fator comum é que esses sistemas gerenciais possibilitam que as empresas tenham vantagem competitiva em diversas áreas, uma vez que eles desempenham suas funções com segurança e simultaneamente dentre os diversos departamentos de uma empresa, ou até mesmo pelo mundo. O CRM, assim como outros sistemas gerenciais disponibilizam informações para os administradores tornando-os mais aptos a fazer escolhas estratégicas que possibilitem o aumento do desempenho dos processos, produtos e serviços de suas empresas. Ao analisarmos as diversas literaturas e definições disponíveis a respeito de CRM, também conhecido como Marketing de Relacionamento com Clientes, constata-se que não há uma definição comum. Conforme Serra (2002), falar em CRM é referir-se à um conceito amplo, complexo e que ainda está em construção. Por vezes, é descrito como um processo, uma estratégia, uma metodologia ou até mesmo como uma solução de software. O único consenso é a comunicação e a interação com o cliente, permitindo às empresas a seleção e administração de seus clientes, tendo por finalidade a maximização de resultados a longo prazo, tendo o cliente como o centro das atenções. Ekstam et. al. (2008), afirmam que este fato requer a adoção de uma filosofia voltada a processos de negócios e que esteja focado no cliente, que efetivamente suporte o marketing e as vendas, bem como os processos entre os departamentos que atuam, direta ou indiretamente, com os canais de interação com os clientes. Segundo Giuliani (2001), a melhor estratégia é satisfazer com qualidade e eficiência o gosto do cliente. Entretanto, é perceptível que um grande número de administradores não consegue converter estas orientações em prática. Ao abraçarem este novo desafio, os administradores e profissionais de marketing deparam-se com um novo cliente que, segundo Vavra (1993), está amadurecido no que diz respeito à tomada de decisão em suas compras. O mesmo baseia-se em experiências anteriores com produtos e serviços, influenciados pelas mudanças ocorridas entre os fornecedores, provocando desta forma um enfraquecimento no grau de lealdade, devido ao ceticismo e interesses individuais. É neste ponto que se constituem os principais objetivos do CRM, envolvendo a fidelização de clientes de maior valor, bem como minimizando o risco de perdêlos (RYALS, 2002). Isto seria feito através da identificação de atributos que agregam valor ao cliente, gerando conseqüentemente a fidelização. Para Hughes (2002), o objetivo do CRM é construir e manter relacionamentos com possíveis e atuais clientes, baseando-se no conhecimento e informações relevantes para eles, valendo-se desta informação e da coleta de informações no mercado para elaborar a oferta certa, para o cliente certo, no tempo certo, a fim de maximizar as vendas e satisfazer os clientes. 2

3 Conforme Serra (2002), o CRM engloba a captura dos dados dos clientes ao longo de toda a empresa, consolidando-os em um banco de dados central, a análise e distribuição dos resultados da análise para todos os pontos da organização, de forma que as informações possam ser utilizadas na interação com o cliente em qualquer parte da empresa. A idéia central é que na busca pela fidelização do cliente, todos os conhecimentos adquiridos nos contatos com a empresa devem ser utilizados e devem estar disponíveis em tempo real. Holley (2006), afirma que, as bases de dados devem ser específicas e possuir informações pessoais do cliente, contatos, interesse de produtos e histórico de comunicação com a empresa. Como exemplos podem ser citados os dados de freqüência de compra, gastos médios, pontualidade de pagamento, e, com base nisso, decidir quais clientes interessa manter e para qual grupo específico de clientes deve-se investir determinado produto ou serviço. 2.1 CRM MARKETING DE RELACIONAMENTO Ao atribuir-se CRM como uma ferramenta para proporcionar a aproximação do fornecedor ao seu cliente, bem como servir de base para aplicação do marketing de relacionamento, busca-se compreender e antecipar as necessidades de consumo, oferecendo bens e serviços capazes de atrair novos clientes, além de fidelizar e reter os clientes que compõem sua carteira, disponibilizando um diferencial competitivo singular para a organização. Gordon (1999) afirmou que o Marketing de Relacionamento torna-se uma abordagem prática e apropriada para os profissionais de marketing, assumindo uma posição de condutores estratégicos dentro da empresa. Desta forma, alguns profissionais da área avaliam questões relacionadas à segmentação do mercado, ao planejamento de novos produtos que venham atender às preferências individuais, a forma mais direta de comunicação com seu público alvo bem como abrir canais de comunicação para que seus clientes participem no desenvolvimento de novos produtos e serviços, participando inclusive na formulação dos preços a serem praticados. Vale salientar que estas estratégias podem ser amparadas através da tecnologia disponível sistemas de CRM, mas que, contudo, não devem ser norteadas pelas mesmas (LEE, 2000). Estes softwares de suporte para a aplicação do Marketing de Relacionamento são definidos pelo mercado como ferramentas de CRM. Já para Gumesson (2005), são os valores e estratégias do marketing de relacionamento com ênfase particular nos relacionamentos com os clientes transformadas em aplicações práticas não se abordando aqui características, vantagens ou desvantagens de softwares. Tanto as empresas de consultoria quanto os desenvolvedores de sistemas têm apregoado as vantagens da implantação do CRM software como recurso para geração de vantagens competitivas, cada qual abordando o assunto sob diferentes prismas, mas com um único propósito: oferecerem suas soluções milagrosas, entenda-se caras. Ocorre, entretanto, uma discussão no meio acadêmico em que a questão central é se o CRM é realmente uma nova e grande idéia, ou se é apenas mais um modismo oportunista para impulsionar as vendas de softwares e consultorias na área de marketing (GRABNER- KRAEUTER; MOEDRITSCHER, 2002). Autores como Brown (2001), Dyche (2008), Gordon (2001) e Hughes (2002) demonstram a mesma preocupação sobre o tema, buscando compreender o significado do CRM, que por um longo período não foi fonte de pesquisa. Fato unânime entre a maioria dos pesquisadores sobre o assunto é a desvinculação do CRM como sendo apenas uma ferramenta, sistema ou simplesmente uma metodologia, afinal sua implantação requer transformações no ambiente empresarial, mudanças de cultura, investimentos em tecnologia e sistemas de informação, bem como um elaborado estudo a 3

4 respeito dos processos da organização e treinamentos, e isto tudo requer tempo e capital humano. Infelizmente muitos empresários enxergam a adoção do CRM como sendo uma tábua de salvação para seus empreendimentos, o que muitas vezes poderá provocar o efeito contrário. Inúmeros são os exemplos que podem ser constatados de projetos que naufragaram, devido ao mau planejamento e dimensionamento do CRM. De nada serve um abarrotamento de dados se estes não forem compilados e transformados em informações precisas e úteis. O modismo do CRM tem encantado diversas organizações e muito se tem investido na implantação de uma estratégia para o bom aproveitamento do Marketing de Relacionamento. Em pesquisa publicada pelo Gartner Group (2001), os autores apontam que 55% da totalidade dos projetos de CRM não produzem resultados satisfatórios, sendo que os dois pontos que merecem destaque são: a) a falta de um projeto de implantação de CRM que esteja acompanhado de uma estratégia empresarial previamente definida e bem estabelecida; e b) a falta de mecanismos para avaliar o retorno sobre o investimento (ROI). Atualmente o CRM pode ser comparado ao que era feito na virada do século pela mercearia do bairro, que tinha poucos fregueses e justamente por isso era possível conhecer a preferência de todos. Podemos afirmar que CRM trata de pessoas e relacionamentos e não apenas de tecnologia, pois conforme supracitado seu objetivo é o de criar relacionamentos com os clientes que sejam reciprocamente benéficos e duradouros. Jüttner; Wehrli (1994) apontam o surgimento do marketing de relacionamento como uma forma de compreender as atuais exigências do ambiente mercadológico, o qual apresenta limites pouco definidos entre as indústrias e o mercado, estando em constante processo de fragmentação, onde produtos apresentam ciclos cada vez mais curtos de vida útil e clientes cada vez mais bem informados e em constante processo de mutação nos padrões de compra. Para que as organizações sobrevivam neste cenário, é fundamental compreender e atender as atuais exigências de consumo apresentadas pelos seus clientes, transformando a administração voltada para produto em administração voltada para o cliente. Para que uma organização assuma uma posição de vantagem competitiva, a mesma deve fortalecer o relacionamento de longo prazo com seus clientes, independente do produto ou serviço que esteja oferecendo, visto que o valor do cliente é crescente com o passar do tempo, afinal suas necessidades e preferências mudam, assim como os produtos, os serviços e tecnologias ofertadas (RYALS, 2002; DAY, 2003). Em uma pesquisa realizada entre os anos de 1983 à 2000, Berry (2002) concluiu que o CRM pode ser aplicado em qualquer tipo de organização, mas que sua utilização em empresas de serviço apresenta os melhores resultados, uma vez que a recorrência de sua prestação para o mesmo cliente proporciona uma curva de aprendizagem extremamente útil permitindo sua oferta de forma personalizada. Ele ainda enfatiza que atrair novos clientes deve ser considerado como uma função secundária do marketing de relacionamento, haja visto que a manutenção e retenção é fundamental para gerar valor a longo prazo. Para que possamos ter uma melhor compreensão a respeito das vantagens e desvantagens da implantação de um CRM, serão abordadas na próxima seção algumas questões importantes relacionadas com este assunto. 2.2 IMPLANTANDO CRM Uma das vantagens mais visíveis de se implementar um sistema de relacionamento com o cliente como o CRM, é o fato de que os colaboradores estarão muito mais aptos a resolverem os problemas com os clientes, já no primeiro contato que realizam com a organização. Como os dados ficam disponíveis a todos, os colaboradores de diferentes 4

5 departamentos podem responder às perguntas dos clientes sem ter que passar a ligação para frente. Porém é certo que a implantação de um sistema de administração de relacionamento com o cliente não é uma tarefa simples. Vaeth (2008) apresenta os principais desafios quanto à implantação do CRM: a) Integração Cultural: faz-se necessário estabelecer novas relações interdepartamentais dentro da organização, como por exemplo: marketing e o serviço de atendimento ao cliente (SAC). Enquanto marketing está focado em obter novos clientes, o SAC está preocupado na relação pós-venda, relacionada com a retenção. Permitir que um ou outro objetivo acabe predominando o CRM pode resultar em fracasso. Vale lembrar que o objetivo deve estar centrado no cliente, buscando compreender todas as questões sobre o relacionamento dele com a organização. b) Integração de Dados: os dados dos clientes podem ser registrados de diversas formas e para as mais diversas aplicações. Informações importantes para um departamento, podem não ter a mesma importância para outro. Integrar os dados nos registros de clientes de forma coerente e administrável é um desafio. c) Converter Dados em percepção e ação: mesmo que a integração dos dados das mais diversas origens seja compilada de forma harmoniosa, as organizações enfrentam sérias dificuldades de análise para identificar ações apropriadas. Dados como: demografia do cliente, histórico de compra, experiência pós-compra, comportamento, precisam ser unificados ao ponto de permitir a percepção da mesma forma que a percepção pessoal, a exemplo o dono da mercearia do bairro. Com base nesta percepção que os clientes poderão ser agrupados de acordo com necessidades e preferências específicas, possibilitando o desenvolvimento de estratégias personalizadas para estes grupos. d) Distinguindo entre cliente e consumidor: empresas podem atuar comercialmente em duas formas básicas: vendendo seus produtos para distribuidores ou varejistas. Devem, portanto estratificar sua abordagem de CRM em dois níveis: cliente direto e consumidor final, gerando políticas internas e desafios estratégicos. Mais importante que implantar o CRM, é definir claramente seus objetivos, desenvolvendo indicadores que orientem e dêem sustentabilidade ao projeto. Vale lembrar os conceitos de Harrington (1995), ao afirmar que toda estratégia de negócio deve ser monitorada através de indicadores de desempenho que mostrarão se o caminho que está sendo percorrido pela organização está na direção certa, rumo aos objetivos traçados, ou não. 2.3 DIFICULDADES NA IMPLANTAÇÃO DE SOFTWARES Quando se fala em implantação de softwares, é possível verificar na literatura existentem muitos relatos de experiências vividas por profissionais que passaram por este processo. As empresas detentoras destas tecnologias criam uma grande expectativa para os administradores das empresas ao trazerem o material que seria a solução dos problemas enfrentados nas organizações, apontando benefícios inúmeros relacionados com maior satisfação de clientes, funcionários, aumento de lucratividade, redução de custos, entre outros. Conforme Pedron; Damacena (2004), os responsáveis pela implementação dos sistemas de 5

6 software fazem uma analogia com uma pedra no seu estado bruto que após realizado o seu trabalho, deverá virar a mais bela estátua da empresa, em termos de sistemas de informação. Certamente que com o mercado acelerado e competitivo que se apresenta, as empresas necessitam rever seus processos e informatizar muitas de suas atividades, no sentido de conseguir respostas mais rápidas, integradas e precisas internamente, e para o público externo. A utilização de softwares vem contribuir com as organizações justamente neste sentido. Porém, nem sempre a implementação dessas tecnologias é um procedimento fácil, muito contrariamente, existem várias dificuldades que aparecem durante o processo. Uma das dificuldades mais recorrentes na implantação de softwares é a falta de preparo da equipe de funcionários da empresa. Para Rocha; et. al. (2004), esta dificuldade se relaciona com o nível baixo de formação em informática da equipe que será diretamente influenciada pelo processo, seja pelo conhecimento específico adquirido nas universidades ser fraco, ou ainda, quando grande parte dos colaboradores não possui curso superior. Ou seja, quando a equipe não possui muitos conhecimentos de softwares, a maioria dos procedimentos necessitará ser ensinada gradualmente. Uma conseqüência da falta de conhecimento da equipe é a pouca motivação e comprometimento com a empresa, no que se refere à implantação do novo sistema. Como as dificuldades encontradas pela equipe são grandes, seu empenho em aprender sobre as novas práticas não é algo estimulante. Xavier (2006), afirma que as atitudes dos funcionários refletem o seu nível de comprometimento com a implantação, levando-os a serem mais resistentes quando não percebem uma vantagem coletiva ou individual. Quando as pessoas não conseguem visualizar potenciais benefícios na implementação da nova tecnologia, ocorre de não disporem muito de seu tempo para desenvolver as atividades que foram incumbidas a elas, priorizando a manutenção de suas atividades anteriores. Na realidade, o que se pode verificar é que o processo de implementação de um software trará uma mudança substancial na empresa, inclusive na sua cultura. Segundo Peres (2003), quando a empresa passa por um processo de implantação de softwares, existe a necessidade de reeducar as áreas de negócio da organização, adequando as demandas das áreas, com o objetivo de ajustar a empresa à velocidade e ao formato Web (on-line). Essa mudança, que envolve a organização como um todo, fica mais dificultada quando já existe na empresa uma cultura que não vai de encontro com os procedimentos exigidos na utilização de ferramentas tecnológicas. Existem ainda, algumas outras condições que afetam a implementação de sistemas de software como a estrutura da empresa. Quando a estrutura que a empresa possui apresenta alta rotatividade de pessoas o processo fica muito comprometido, pois quando o grupo começa a dominar as atividades, saem alguns indivíduos e os novos entrantes precisam passar por todo o treinamento novamente. Assim como empresas com uma rigidez de hierarquia apresentam dificuldades adicionais pelo fato de a comunicação normalmente ser mais burocratizada, e ainda a integração vertical e horizontal serem menores. A integração entre os processos e entre os setores da empresa podem ser objeto de entrave do processo de implementação das novas tecnologias também. É necessário que haja uma integração entre as atividades para que os resultados planejados sejam realmente efetivos. Verifica-se, portanto, que a implementação de softwares apresenta variadas dificuldades que devem ser levadas em consideração pela empresa na sua análise e decisão em adotar novas tecnologias, e principalmente, devem ser fatores que necessitam ser acompanhados durante o processo de implantação. 6

7 3 METODOLOGIA A metodologia a ser utilizada na pesquisa foi subdividida em dois tópicos para facilitar seu entendimento: caracterização da pesquisa e forma como foram coletados e tratados os dados. 3.1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA A pesquisa realizada teve como objetivo fazer uma análise do processo de implantação da ferramenta CRM, a partir do estudo de caso em uma empresa do ramo têxtil de Santa Catarina e apresentar os resultados através deste artigo. Desta maneira, pode-se caracterizar o estudo como uma pesquisa descritiva, uma vez que esse tipo de pesquisa tem por objetivo estudar, analisar, registrar e interpretar os fatos do mundo físico sem a interferência do pesquisador. 3.2 COLETA E TRATAMENTO DOS DADOS Para coleta dos dados, foram realizadas entrevistas que abordaram questões capazes de produzir resultados que geraram uma análise e reflexão do objeto da pesquisa. Estas entrevistas foram aplicadas com os gerentes da empresa e com alguns de seus clientes, utilizando-se o critério de conveniência, onde se buscou selecionar os gerentes que possuíam maior envolvimento com a implementação da ferramenta e os clientes com maior tempo de relacionamento com a empresa. 4 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS A empresa Alfa (nome fictício), atuante no segmento têxtil, está localizada no estado de Santa Catarina, teve origem no ano de 1922, caracterizada pelo trabalho artesanal na confecção de acolchoados. Decorrente da crescente demanda do produto, a empresa fundou sua primeira unidade de processo fabril em 1946, e desde então seu crescimento tem sido constante, superando a cada ano os resultados obtidos no ano anterior. Atualmente, a empresa é especializada na confecção de roupa de cama, banho e travesseiros. Sua moderna estrutura industrial é valorizada pela tecnologia, que une a vanguarda da criação e à riqueza em produzir detalhes. Decorrente do processo de abertura do mercado interno, a empresa Alfa, assim como toda cadeia produtiva do setor têxtil, passou por graves crises desde a década de 90. Produtos asiáticos são ofertados com um custo sensivelmente menor, comparados com os produtos industrializados no mercado brasileiro. O consumidor brasileiro demonstra baixos índices de fidelidade à marca, atendo sua atenção no preço do produto, este fato é percebido nitidamente na indústria têxtil focada em produtos de cama e mesa. Portanto entender o mercado e principalmente, compreender o processo de compra do cliente final, foram situações que levaram a empresa Alfa em 2004, a lançar o desafio de implantar um novo sistema de gestão empresarial. Diversas foram as razões para tomada desta decisão, mas a atenção deste estudo está voltada à questão da implantação do CRM. Nesta oportunidade a empresa lançou um desafio aos gerentes das diversas áreas da empresa, apresentando o projeto batizado de Criando Melhores Relacionamentos, uma analogia ao CRM. 7

8 Segundo o Diretor Administrativo, a empresa atravessava uma fase complicada, a falta de informação estratégica era um agravante, em suas palavras: Nossa empresa já atravessou diversas crises, provocadas por planos econômicos, recessões, entre tantas outras mazelas provocadas pela interferência do governo na política econômica do país, mas nada comparado à abertura do mercado e respectiva entrada dos produtos asiáticos. O mercado têxtil foi invadido com uma avalanche de produtos com baixa qualidade e preços extremamente agressivos. Desde 1990, sentimos a pressão do mercado, que exigia qualidade e preços baixos, pontualidade nas entregas, inovação em design, tudo o que não era ofertado pela concorrência internacional, mas que nós deveríamos oferecer. Para tornar-se competitiva, a empresa Alfa necessitava de mudanças urgentes em sua estrutura organizacional. Mudar o foco da empresa que até aquele momento estava voltada a produção, fazia-se necessário. Conforme cita o diretor administrativo: Tínhamos conhecimento de nossas dificuldades administrativas, vivíamos em um novo momento, tanto de mercado quanto da própria administração. Até aquele momento, o mercado ainda suportava uma administração voltada à produção, característica da empresa pautada nos princípios promulgados na indústria nascida da revolução industrial. Mas o cenário mudou, o cliente estava mais exigente do que nunca, suas limitações financeiras o empurravam em busca de produtos similares e com menor valor de compra. Nós sabíamos disso, mas não tínhamos recursos tecnológicos para obter a informação necessária para a tomada de decisão. Nosso sistema de informação gerencial estava voltado para a produção, sabíamos com exatidão a quantidade de matéria-prima necessária para atender a demanda, quais os custos desde a entrada da matéria-prima, passando pela produção e conseqüente faturamento, mas não sabíamos o que o cliente do nosso cliente queria comprar, ou melhor, sequer sabíamos o que ele estava comprando. Isto nos deixava as cegas. Partindo deste cenário, que a empresa Alfa lançou seu projeto de inovação tecnológica, baseado principalmente na aquisição de um novo sistema gerencial ERP associado à implantação do CRM. Para a empresa, estava claro que era preciso canalizar seu foco no cliente final, políticas que buscam o relacionamento com o mercado, com base na filosofia One-To-One, mesmo que seu posicionamento é B2B, onde normalmente os grandes magazines ditam a norma. O primeiro passo dado pela empresa foi à contratação de uma consultoria externa, capaz de conduzir a análise e aquisição da melhor ferramenta disponível no mercado. Esta questão é apresentada pelo diretor administrativo: Uma questão era unânime dentro da empresa, sabíamos que nossa competência era limitada, não detínhamos Know How para decidir, ou sequer escolher, qual era o melhor sistema para nossa organização. Afinal o mercado dispõe de diversas soluções, e a maior dificuldade que sentíamos era quanto ao produto final oferecido por estes sistemas. Creio que as software houses brasileiras também não estavam preparadas para este momento. Era claro que o produto disponível, ainda tinha fortes características voltadas para o controle produtivo, ou quando detinham expertise voltada ao mercado, não dispunham de recursos para administrar a produção. Já sistemas que foram desenvolvidos em outros mercados, como o Europeu, não dispunham de recursos para administrar dentro da realidade 8

9 do mercado brasileiro, principalmente na questão legal do fisco. Estávamos numa situação difícil, e apelamos para a contratação de uma consultoria externa, capaz de nos conduzir através desta situação nebulosa. Os trabalhos foram iniciados em 2004, com a análise de todos os processos desenvolvidos dentro da organização. Foram montados comitês, responsáveis pelo acompanhamento, discussão, análise e melhoria dos processos, tendo como principal objetivo a disponibilização da informação necessária para atender o cliente. A cada processo levantado eram realizadas reuniões para definir a melhor forma operacional, melhorias foram detectadas e implantadas. Todo este processo foi necessário para avaliar qual a real necessidade da empresa em relação ao sistema a ser adquirido. Ao alcançar a etapa para a seleção do sistema, foram utilizadas metodologias da ISO dando suporte na tomada de decisão. Após a aquisição do sistema, foi dado início a um intenso programa de desenvolvimento e adequação dos recursos humanos da organização: Precisávamos mudar nossa cultura... foram implantados programas de treinamento e adequação dos nossos recursos humanos... confesso que não acredito ser este nosso maior entrave, afinal toda nossa equipe é extremamente competente. (Diretor Administrativo) Esta visão foi reforçada pelo posicionamento da Gerente de Gestão de Pessoas (GGP), que observa como sendo o maior desafio apresentado para a organização, a mudança da cultura organizacional, afinal até aquele momento estavam com toda atenção dos empregados voltada à produção e atendimento dos pedidos: Agora nosso foco é o cliente, é complicado incutir isto na mentalidade de um funcionário que estava voltado à produção... Foi necessário desenvolver um programa de treinamentos para conscientização de todos os colaboradores, pois eles precisam acreditar nesta nova filosofia, todos serão propagadores desta nova cultura (Gerente de GP). Esta questão vem reforçar o que já havíamos abordado em nossa revisão teórica, afinal a implantação de um CRM afeta todos os colaboradores da organização, pois de algum modo, todos desenvolvem atividades que de alguma forma acabam se relacionando direta ou indiretamente com o cliente. Para o diretor administrativo, o desafio da implantação do CRM é recordado como um grande desafio, que ainda não foi superado, em suas palavras: Ainda estamos envoltos numa nuvem de incertezas, conquistamos etapas importantes, barreiras foram ultrapassadas, já conseguimos distinguir algumas características importantes sobre o perfil de nossos clientes, mas o principal objetivo está distante... Hoje nossa maior barreira é a tecnológica, muito se promete, e pouco se obtém. Uma das metas do projeto estava alicerçada na integração das bases de dados, na utilização das informações como fonte de decisão estratégica. A empresa ainda enfrenta este desafio, identificado pela empresa de consultoria como sendo uma falta de foco em definir quais informações são realmente importantes para cada departamento, convergindo para o nível estratégico da organização. Segundo o diretor administrativo, os responsáveis pela implantação apontam constantemente as principais dificuldades na questão operacional, o que assinala a tecnologia como uma barreira. Todos os colaboradores passam por treinamentos para a correta utilização 9

10 da ferramenta, mas quando estão em seus postos de trabalho, acabam mantendo vícios antigos, deparando-se com inúmeros problemas de mudanças na realização de suas atividades. Com isto, diversas alterações, como de parâmetros e adaptações são solicitadas diariamente aos analistas do sistema. Com base nos relatos, pode-se observar que um aspecto foi destacado e relatado como problemático no processo de implantação do CRM: o mapeamento e análise minuciosa dos processos, seu detalhamento, exposição, discussão e posterior adaptação tanto aos objetivos da organização. Quanto ao sistema, mesmo tendo sido realizado, lacunas deixam escapar aspectos importantes, como a flexibilidade exigida pelas constantes transformações do mercado, o que pode ser constatado pela percepção das constantes mudanças de parâmetros e adaptações do sistema frente a realidade da rotina operacional. O que acaba acarretando a falta de informação estratégica. Esta situação fica clara nas palavras do diretor administrativo que afirma: Hoje dispomos de muitos dados, e poucas informações. A cada dia deparamo-nos com uma situação diferente, hoje estamos numa situação muito diferente da realidade que era apresentada nos idos de 1990, nosso consumidor dispõe de recursos financeiros, continua exigente, mas sabe distinguir qualidade. Mas esta é uma percepção nossa, não conseguimos extrair esta percepção das informações disponibilizadas pelo sistema. Reforço que ainda temos um longo caminho pela frente, temos muito com o que aprender. Torna-se claro certo grau de descontentamento com o projeto e seus resultados, pois quando se sai da teoria e vai-se para o chão de fábrica, os conceitos de CRM mudam, e segundo a Gerente de Gestão de Pessoas, fica difícil manter o nível de motivação dos colaboradores. Os gestores estão dando maior importância à ferramenta tecnológica do que propriamente aos conceitos de Marketing e CRM propriamente ditos. Conforme exposto neste estudo, a atenção deve estar voltada aos princípios do CRM, em outras palavras, à filosofia aplicada, o sistema deve ser considerado uma ferramenta de apoio e não a base para o desenvolvimento e aplicação do CRM. 5 DISCUSSÃO Buscou-se através deste estudo avaliar os desafios apresentados por Vaeth (2008) no processo de implantação do CRM. Pôde-se constatar que as questões culturais conflitam com questões tecnológicas, tornando-se variáveis de maior ou menor gravidade e conseqüente, gerando implicações conforme o objetivo de cada departamento da organização. Isto fica claro ao observar a preocupação do departamento de recursos humanos que busca mudar a cultura através de programas de treinamento e adequação do pessoal à nova realidade, em contraposição com a diretoria administrativa que está focada nos resultados, e atribui à tecnologia a maior responsabilidade pelas barreiras a serem superadas. Tomando por base os quatro desafios apresentados por Vaeth (2008) este estudo de caso permite-nos confrontar a teoria com a realidade vivida pela empresa analisada, conforme segue: 10

11 A) Integração cultural Apesar de existir uma preocupação em estabelecer uma cultura na organização, as relações interdepartamentais ainda apresentam resistências, cada qual buscando estabelecer suas prioridades, mantendo uma visão focada em processo, relegando a visão focada no cliente. Esta com certeza é uma das dificuldades a serem enfrentadas pela organização: a unificação de foco. B) Integração de dados Ficou claro neste estudo que as prioridades de informações ainda estão focadas em prioridades departamentais, e há pouca preocupação com as informações que realmente são importantes para a organização, principalmente as informações que possam gerar conhecimento estratégico, o que por sua vez traria um considerável diferencial competitivo a organização. C) Converter dados em percepções e ação Como supracitado, esta dificuldade é decorrente da integração dos dados. Podemos aqui afirmar que a empresa dispõe de informações soltas que pouco auxiliam na tomada de decisão. Esta etapa está longe de ser atingida na organização analisada. Percebe-se que este é um dos principais objetivos do projeto da empresa Alfa, pois é demonstrado através do depoimento do diretor administrativo. D) Distinguindo entre clientes e consumidores Como a empresa ainda não atua de forma direta, ou seja, atua apenas na condição B2B, esta etapa foi de fácil superação, proporcionando uma melhor qualificação de sua atual carteira de clientes, proporcionando um redirecionamento de estratégias específicas. Day (2003), em seu estudo, já observou que a implantação de um CRM muitas vezes acaba por dificultar ainda mais o relacionamento com os clientes, observando os aspectos relacionados principalmente à tecnologia (mudança e implantação de um sistema) bem como a questão relacionada ao treinamento do pessoal na utilização deste novo recurso e cultura. No Brasil, deparamo-nos com um mercado ainda imaturo, em relação ao conhecimento e aplicação dos conceitos de CRM. Freqüentemente organizações apelam para softwares disponíveis no mercado, que são comercializados e implantados de forma padronizada, que pouco ou nenhum resultado efetivo trazem com sua implantação. Grande parte dos empresários não sabe exatamente o que de fato vem a ser CRM, com isto focam muito esforço no lado tecnológico, esquecendo-se das demais variáveis necessárias para o sucesso da utilização, como a correta capacitação de pessoal. Muitas vezes indica-se a contratação de uma consultoria especializada na área, com a finalidade de avaliar a real necessidade do CRM, dimensionando o suporte, auxiliando na avaliação e desenho dos processos internos e externos da organização, avaliando sistemas, elaborando a estratégia mais adequada, acompanhamento da implantação e treinamento do pessoal. A experiência adquirida em diversos projetos diferencia a consultoria externa da utilização de recursos internos, a começar pela formação técnica, poupando-se desta forma o desperdício de tempo e recursos financeiros. O grau de dificuldade na implantação do CRM varia de acordo com a elaboração de um bom projeto, análise dos processos e adequação tecnológica. Desta forma, vários são os aspectos a serem considerados. Cabe, portanto, um estudo mais aprofundado para que se possa responder com maior clareza uma questão que surge a partir deste estudo: Como obter sucesso na implantação de uma estratégia de CRM? 11

12 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS E RECOMENDAÇÕES No cenário atual, que se mostra competitivo, globalizado e com a qualidade sendo uma exigência necessária, as organizações têm despendido grandes esforços para garantir sua estabilidade no mercado. Para que as empresas continuem se mantendo ativas e com prestígio, devem estar com o foco voltado às pessoas que fazem delas sucessos consagrados: os clientes. Assim, proporcionar um atendimento de qualidade, desde o momento da escolha por parte do consumidor, até suas necessidades posteriores à venda é fundamental. Se as organizações mantiverem um bom relacionamento com seus clientes, e oportunizarem a eles novos momentos de satisfação, a probabilidade de mantê-los e conquistar novos clientes é maior. É justamente essa a função central das estratégias de relacionamento com o cliente, como o CRM, que possui como intuito de sua aplicação nas empresas, permitir que a resolução de problemas seja facilitada, pois a empresa fica mais preparada devido ao conhecimento maior que tem de seu cliente. Assim, a gestão do relacionamento com o cliente é fator preponderante na condução dos negócios. Apesar das controvérsias existentes quanto à aplicabilidade e retorno proporcionado pelo CRM, atualmente as organizações já não discutem mais a respeito da importância de sua utilização. Atualmente o foco recai sobre qual a melhor forma de aplicá-lo (GREENBERG, 2001). Autores como Feinberg e Trotter (2001), Peppers & Rogers Group (2001) e Bolonha (2008) afirmam que o sucesso do CRM depende mais da estratégia do que propriamente do investimento realizado em tecnologia. Alguns autores defendem a idéia de que CRM é apenas sustentável por empresas de grande porte, em virtude das barreiras de disponibilidade de recursos para investimentos por parte de empresas de pequeno é médio porte. Esta visão é totalmente distorcida se considerarmos que o CRM é um conceito e que, quando implementado deve gerar uma mudança de visão e de atitudes, sendo que estas envolvem baixo recurso financeiro. Sob este prisma e contando com o auxílio de uma metodologia mais simplista, atribuindo a maior sustentação nos recursos humanos e não na tecnologia empregada, empresas de qualquer porte podem planejar e desenvolver suas estratégias de marketing de relacionamento com os seus clientes. Implantar estratégias de CRM não é tarefa para aventureiros ou curiosos, esta é uma atividade que deve ser desempenhada por profissionais que possuem domínio do assunto, devido a sua complexidade, sendo extremamente personalizável conforme o perfil da empresa, projetos de implantação invariavelmente alteram uma boa parte da estrutura departamental da organização, onde todos os processos devem estar muito bem definidos, o que é extremamente raro no Brasil. Não há, portanto uma fórmula mágica ou metodologia padronizada para implantação da estratégia de CRM, afinal empresas do mesmo segmento de mercado possuem processos e objetivos estratégicos distintos e os caminhos para alcançar tal diferencial também diverge. 12

13 REFERÊNCIAS BERRY, Leonard L. Relationship marketing of services: perspectives from 1983 and Journal of Relationship Marketing. jan BOLONHA, J. C. As armadilhas do Customer Relationship Management. Developers Magazine Disponível em: <http://www.developers.com.br/artigos>. Acesso em 14 abr BROWN, Stanley A. CRM Customer Relationship Management: uma ferramenta estratégica para o mundo e-business. São Paulo: Makron-Books, DAY, George S. Winning the competition for customer relationships. Sloan Management Review. apr./jul DYCHE, Jill. The CRM handbook: a business guide to Customer Relationship Management. Chapter 7. Disponível em: <www.crmcommunity.com>. Acesso em: 14 abr EKSTAM, H.; KARLSSON, D; ORCI, T. Customer Relationship Management: a maturity model. Disponível em: <http://www.crm-forum.com>. Acesso em: 15 abr FEINBERG, R.; TROTTER, M. Immaculate deception: the unintended negative affects of the CRM revolution. CRM Project, v. 2, GARTNER GROUP REPORT. CRM economics: figuring out the ROI on customer initiatives. Working Paper, GIULIANI, Antônio C. Administração: evolução, desafios e tendências. São Paulo: Cobra, GORDON, Ian. Marketing de relacionamento: estratégias, técnicas e tecnologias para conquistar clientes e mantê-los para sempre. 4. ed. São Paulo: Futura, Customer relationship management: conflict to collaboration. Ivey Business Journal. may/jun, GRABNER-KRAEUTER, Sonja; MOEDRITSCHER, Gernot. Alternative approaches toward measuring CRM performance. Atlanta: 6th Research Conference on Relationship Marketing and Customer Relationship Management, jun. 9-12, GREENBERG, Paul. CRM na velocidade da luz: conquista e lealdade de clientes em tempo real na Internet. Rio de Janeiro: Campus, GUMMESSON, Evert. Marketing de relacionamento total: gerenciamento de marketing, estratégia de relacionamento e abordagens de CRM para a economia de rede. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, HARRINGTON, H. J. Total improvement management: the next generation in performance improvement. New York: McGraw-Hill Inc.,

14 HOLLEY, Don. Enterprising ways to create competitive advantage. Academic Research Library. Feb HUGHES, Arthur M. Editorial: the mirage of CRM. Journal of Database Marketing. Jan JÜTTNER, Uta; WEHRLI, Hans Peter. Relationship marketing from a value system perspective. International Journal of Service Industry Management, v.5, n.5, p.54-73, KOTLER, P. Marketing para o século XXI. São Paulo: Futura, LEE, R.A. The Customer Relationship Marketing deployment guide and planning guide. St. Paul, MN, USA: HYM Press, MCGEE, J. V.; PRUSAK, L. e PYBURN, P. J. Managing information strategically. New York: John Wiley & Sons Editors, PEDRON, Cristiane Drebes; DAMACENA, Cláudio. CRM: um sistema de gestão empresarial ou uma estratégia de negócios? In: XVII CONGRESSO LATINO- AMERICANO DE ESTRATÉGIA, Itapema, PEPPERS & ROGERSGROUP. Esqueça os obstáculos da tecnologia: o CRM a toda a velocidade. White Paper, PERES, Danielle Freitas. CRM no setor bancário: um estudo de caso em uma agência do banco do Brasil na cidade de Londrina. Dissertação de Mestrado. Florianópolis: UFSC, ROCHA, Ana Regina Cavalcanti da; et. al.. Fatores de sucesso e dificuldades na implementação de processos de software utilizando o MR-MPS e o CMMI. ProQualiti: Qualidade na Produção de Software, v. 1, p , ROCHA, Ângela; CHRISTENSEN, Carl. Marketing teoria e prática no Brasil. São Paulo: Atlas, RYALS, Lynette. Are your customers worth more than money? Journal of Retailing and Consumer Services. v. 9, p , SERRA, Laércio. A essência do business intelligence. São Paulo: Berkeley, VAETH, Jr. John P.. Consumidor moderno: CRM qual o motivo de tanto barulho. Disponível em: < Acesso em: 15 de abr VAVRA, Terry. Marketing de relacionamento. São Paulo: Atlas, XAVIER, Raquel Oliveira; DORNELAS, Jairo Simião. O papel do gerente numa mudança organizacional baseada em tecnologia. Rio de Janeiro: Revista de Administração Contemporânea. v. 10. n. 1, p. 9-30,

15 ZENONE, Luiz Claudio (Coord.). Customer Relationship Management (CRM) conceitos e estratégias: mudando a estratégia sem comprometer o negócio. São Paulo: Atlas,

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos por Mario Trentim em http://blog.mundopm.com.br/2013/01/21/pmo-de-sucesso-precisa-terfoco/ Caro amigo leitor, que tal

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS Como conquistar e manter clientes Marketing de Relacionamento Visa a orientar como utilizar as ferramentas do marketing de relacionamento para aumentar as vendas e fidelizar clientes. Público-alvo: empresários

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 PROBLEMAS PARA CLIENTES SÃO PROVOCADOS POR: PROPRIETÁRIOS GERENTES SUPERVISORES SINTOMAS DE MAU ATENDIMENTO VOCÊ PODE TER CERTEZA

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

Item 2- Marketing. Atendimento

Item 2- Marketing. Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Processo usado para determinar quais produtos ou serviços poderão interessar aos consumidores e qual a melhor estratégia a ser utilizada nas

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

C.R.M. Prof. Fulvio Cristofoli. Customer Relationship Management. Parte 2. fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br

C.R.M. Prof. Fulvio Cristofoli. Customer Relationship Management. Parte 2. fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br C.R.M. Customer Relationship Management Parte 2 Prof. Fulvio Cristofoli fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br Mudança a Organizacional Mudança na cultura organizacional. Todas as áreas

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

21 - O Líder Ágil. Na última passagem de ano, lembrei-me e refleti sobre uma frase tosca, mas real, proferida por um

21 - O Líder Ágil. Na última passagem de ano, lembrei-me e refleti sobre uma frase tosca, mas real, proferida por um 21 - O Líder Ágil Luiz Otavio Nascimento Na última passagem de ano, lembrei-me e refleti sobre uma frase tosca, mas real, proferida por um amigo: - A vida é como papel higiênico. Quando está próxima do

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

A Gestão do Conhecimento para o sucesso no atendimento ao cliente

A Gestão do Conhecimento para o sucesso no atendimento ao cliente A Gestão do Conhecimento para o sucesso no atendimento ao cliente É um fato. Se você não oferecer a seus clientes ou funcionários a opção de auto-atendimento na web, você já ficou para trás. Os benefícios

Leia mais