Resolução: 4 Uma bola de bilhar de massa 0,15 kg, inicialmente em repouso, Δ t = m ΔV F m 1, = 0,15 4,0. Aonde : 60 d =

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resolução: 4 Uma bola de bilhar de massa 0,15 kg, inicialmente em repouso, Δ t = m ΔV F m 1,0 10 2 = 0,15 4,0. Aonde : 60 d ="

Transcrição

1 80 PRTE II DINÂMIC Tópico 8 1 U ciclista, juntaente co sua bicicleta, te assa de 80 kg Partindo do repouso de u ponto do velódroo, ele acelera co aceleração escalar constante de 1,0 /s Calcule o ódulo da quantidade de oviento do sistea ciclista-bicicleta decorridos 0 s da partida (I) MUV: v v 0 + αt v 1,0 0 (/s) (II) Q v Q 80 0 kg s Q 1, kg s v 0 /s a) intensidade do ipulso da força referida no enunciado, suposta constante, é calculada por: I F Δt Sendo F 0 N e Δt 10 s, calculeos I: I 0 10 (N s) I,0 10 N s b) força aplicada na partícula é a resultante Por isso, o ipulso exercido por ela deve ser igual à variação da quantidade de oviento da partícula (Teorea do Ipulso): F t 1 0 v 1 F v t 10 s I ΔQ I Q Q 1 I v v 1 I (v v 1 ) Sendo I,0 10 N s, 8,0 kg e v 1 5,0 /s, calculeos v :,0 10 8,0 (v 5,0) v 30 /s Resposta: 1, kg s Considere duas partículas e e oviento co quantidades de oviento constantes e iguais É necessariaente correto que: a) as trajetórias de e são retas divergentes b) as velocidades de e são iguais c) as energias cinéticas de e são iguais d) se a assa de for o dobro da de, então, o ódulo da velocidade de será etade do de e) se a assa de for o dobro da de, então, o ódulo da velocidade de será o dobro do de a) Incorreta Se Q e Q são constantes e iquais, os ovientos das partículas e ocorre e retas paralelas, no eso sentido b) Incorreta Isso só ocorre no caso particular e que c) Incorreta Isso tabé só ocorre no caso particular e que d) Correta Q Q v v Se : v v Resposta: d v v 3 ER Ua partícula de assa 8,0 kg desloca-se e trajetória retilínea, quando lhe é aplicada, no sentido do oviento, ua força resultante de intensidade 0 N Sabendo que no instante de aplicação da força a velocidade da partícula valia 5,0 /s, deterine: a) o ódulo do ipulso counicado à partícula, durante 10 s de aplicação da força; b) o ódulo da velocidade da partícula ao f i do intervalo de tepo referido no ite anterior 4 Ua bola de bilhar de assa 0,15 kg, inicialente e repouso, recebeu ua tacada nua direção paralela ao plano da esa, o que lhe ipriiu ua velocidade de ódulo 4,0 /s Sabendo que a interação do taco co a bola durou 1,0 10 s, calcule: a) a intensidade édia da força counicada pelo taco à bola; b) a distância percorrida pela bola, enquanto e contato co o taco a) Teorea do Ipulso: I ΔQ F Δ t ΔV F 1,0 10 0,15 4,0 onde : F 60 N b) Teorea da Energia Cinética: τ ΔE c F d v 60 d 0,15 (4,0) Donde: d 0,0,0 c Respostas: a) 60 N ; b),0 c 5 (Cefet-MG) U corpo de assa 10 kg se ovienta sobre ua superfície horizontal perfeitaente polida, co velocidade escalar v 0 4,0 /s, quando ua força constante de intensidade igual a 10 N passa a agir sobre ele na esa direção do oviento, poré e sentido oposto Sabendo que a influência do ar é desprezível e que quando a força deixa de atuar a velocidade escalar do corpo é v 10 /s, deterine o intervalo de tepo de atuação da força Teorea do Ipulso: I v v 0 FΔt (v v 0 ) 10Δt 10 ( 10 4,0) Δt 14 s Resposta: 14 s

2 Tópico 8 Quantidade de oviento e sua conservação 81 6 ER U corpo de assa 38 kg percorre u eixo orientado co velocidade escalar igual a 15 /s No instante t 0 0, aplica-se sobre ele ua força resultante cujo valor algébrico varia e função do tepo, confore o gráf ico seguinte: F (N) ,0 4,0 6,0 8, t (s) 10 ditindo que a força seja paralela ao eixo, calcule a velocidade escalar do corpo no instante t 14 s Deterineos, inicialente, o valor algébrico do ipulso que a força resultante counica ao corpo de t 0 0 a t 14 s Isso pode ser feito calculando-se a área destacada no diagraa a seguir: F (N) ,0 4,0 6,0 8, t (s) 10 (1 + 8,0) 0,0 ( 10) I I 190 N s plicando ao corpo o Teorea do Ipulso, ve: I Q 14 Q 0 v 14 v 0 Sendo I 190 N s, 38 kg e v 0 15 /s, calculeos v 14, que é a velocidade escalar da partícula no instante t 14 s: (v 14 15) v 14 0 /s (II) I 8, ,0,0 6,0 I v 4,0 v 0 0 4,0 14 N s 14,0 v 4,0 v 4,0 7,0 /s (III) I ,0,0 ( 6,0) I v 6,0 v 0 0 6,0 8,0 N s 8,0,0 v 6,0 v 6,0 4,0 /s Respostas: a) 4,0 /s ; 7,0 /s e 4,0 /s 8 U garoto chuta ua bola e esta descreve ua trajetória parabólica, coo representa a f igura, sob a ação exclusiva do capo gravitacional, considerado unifore: Indique a alternativa cuja seta elhor representa a variação da quantidade de oviento da bola entre os pontos e : a) b) c) g 7 U carrinho de assa,0 kg encontra-se inicialente e repouso sobre u plano horizontal se atrito partir do instante t 0 0, passa a agir sobre ele ua força F de direção constante, paralela ao plano, cujo valor algébrico é dado e função do tepo, confore o gráf ico abaixo: F (N) 6,0 4,0,0 0,0 4,0 6,0 t (s),0 4,0 6,0 Desprezando a influência do ar, deterine as velocidades escalares do carrinho nos instantes t 1,0 s, t 4,0 s e t 3 6,0 s I (ÁRE) fxt e I v v 0 (I) I 0,0 (6,0 +,0),0 I v,0 v 0 0,0 8,0 N s 8,0,0 v,0 v,0 4,0 /s d) e) Falta dados para ua conclusão possível Teorea do Ipulso: ΔQ I ΔQ P Δt Sendo Δt u escalar positivo, ΔQ e P (verticais para baixo) Resposta: d terão a esa direção e sentido 9 Ua partícula percorre certa trajetória e oviento unifore a) Podeos af irar que a energia cinética da partícula é constante? b) Podeos af irar que a quantidade de oviento da partícula é constante? a) Si energia cinética (grandeza escalar) é constante e qualquer oviento unifore b) Não quantidade de oviento (grandeza vetorial) só será constante se o oviento unifore ocorrer e trajetória retilínea Respostas: a) Si; b) Não

3 8 PRTE II DINÂMIC 10 (Ufa) U enino faz girar ua pedra presa a ua haste rígida e de assa desprezível de aneira que ela descreva u oviento circular unifore nu plano vertical, nu local onde a aceleração da gravidade é constante Sobre esse oviento, considere as seguintes grandezas relacionadas co a pedra: I Quantidade de oviento II Energia potencial de gravidade III Energia cinética IV Peso Dentre essas grandezas, as que varia, enquanto a pedra realiza seu oviento, são: a) apenas I e IV c) apenas II e III e) apenas I e III b) apenas I e II d) apenas III e IV I quantidade de oviento ( Q v ) é variável, pois, ebora tenha intensidade constante, varia e direção ao longo da trajetória II energia potencial de gravidade (E p g h) é variável, já que h é variável III energia cinética E c v é constante, ua vez que o oviento é unifore IV O peso ( P g ) é constante Resposta: b 11 Ua foriga F sobe co velocidade escalar constante a rosca de u grande parafuso, colocado de pé sobre u solo plano e horizontal, coo indica a f igura E relação a u referencial no solo, podeos af irar que: F Solo a) as energias cinética e potencial de gravidade da foriga peranece constantes b) a energia cinética e a quantidade de oviento da foriga peranece constantes c) a energia cinética da foriga peranece constante, as sua energia potencial de gravidade auenta d) a quantidade de oviento da foriga peranece constante, as sua energia potencial de gravidade auenta e) a energia ecânica total da foriga peranece constante Energia cinética: constante Energia potencial de gravidade: crescente Quantidade de oviento: variável (e direção) Energia ecânica: crescente E c Q Q Q E E Se 4 : Q 4 Q 4 Donde : Q Q Resposta: e 13 u pequeno bloco que se encontra inicialente e repouso sobre ua esa horizontal e lisa aplica-se ua força constante, paralela à esa, que lhe counica ua aceleração de 5,0 /s Observa-se, então, que, 4,0 s após a aplicação da força, a quantidade de oviento do bloco vale 40 kg /s Calcule, desprezando o efeito do ar, o trabalho da força referida desde sua aplicação até o instante t 4,0 s (I) I ΔQ F Δt Q Q 0 F 4,0 40 F 10 N (II) F a 10 5,0 (III) τ E C E C0 τ Resposta: 4,0 10 J,0 kg Q (40),0 (J) τ 4,0 10 J 14 ER Ua partícula de assa igual a,0 kg, inicialente e repouso sobre o solo, é puxada verticalente para cia por ua força constante F, de intensidade 30 N, durante 3,0 s dotando g 10 /s e desprezando a resistência do ar, calcule a intensidade da velocidade da partícula no f i do citado intervalo de tepo penas duas forças age na partícula: F e P (peso) t 3,0 s v? g F P t 0 0 v 0 0 plicando o Teorea do Ipulso, teos: I total Q Q 0 Resposta: c lgebricaente: I ( F ) + I (P ) Q Q 0 1 Considere duas partículas e e oviento co energias cinéticas constantes e iguais É necessariaente correto que: a) as trajetórias de e são retas paralelas b) as velocidades de e tê ódulos iguais c) as quantidades de oviento de e tê ódulos iguais d) se a assa de for o quádruplo da de, então o ódulo da quantidade de oviento de será o quádruplo do de e) se a assa de for o quádruplo da de, então o ódulo da quantidade de oviento de será o dobro do de F Δt g Δt v v 0 Sendo F 30 N, Δt 3,0 s,,0 kg, g 10 /s e v 0 0, calculeos o valor de v: 30 3,0,0 10 3,0,0 v v 15 /s Nota: Este problea tabé poderia ser resolvido aplicando-se a a Lei de Newton

4 Tópico 8 Quantidade de oviento e sua conservação (Unicap-SP) s histórias de super-heróis estão sepre repletas de feitos incríveis U desses feitos é o salvaento, no últio segundo, da ocinha que cai de ua grande altura Considere a situação e que a desafortunada garota caia, a partir do repouso, de ua altura de 81 e que nosso super-herói a intercepte 1,0 antes de ela chegar ao solo, deorando 5,0 10 s para detê-la, isto é, para anular sua velocidade vertical Considere que a assa da ocinha é de 50 kg e despreze a influência do ar a) Calcule a força édia aplicada pelo super-herói sobre a ocinha para detê-la dote g 10 /s b) Ua aceleração 8 vezes aior que a da gravidade (8 g) é letal para u ser huano Deterine quantas vezes a aceleração à qual a ocinha foi subetida é aior que a aceleração letal a) MUV: v v + α Δs 0 v v 40 /s I total Q f Q i (F g) Δt 0 v (F 50 10) 5, Donde: F 40,5 kn b) MUV: α Δv Δt α α /s /s 5,0 10 α 10 a letal Respostas: a) 40,5 kn; b) 10 vezes 16 Ua bola de assa igual a 40 g, ao chegar ao local e que se encontra u tenista, te velocidade horizontal de ódulo 1 /s bola é golpeada pela raquete do atleta, co a qual interage durante,0 10 s, retornando horizontalente e sentido oposto ao do oviento inicial Supondo que a bola abandone a raquete co velocidade de ódulo 8,0 /s, calcule a intensidade édia da força que a raquete exerce sobre a bola 1 /s x 1 ntes + 8,0 /s x 1 Depois Teorea do Ipulso: I ΔQ F Δt v v 1 F n Δt (v v 1 ) Coo o oviento da bola ocorre exclusivaente e ua única direção (horizontal), a equação acia pode ser reduzida a ua equação algébrica, a exeplo do que fazeos a seguir: F, [8,0 ( 1)] F, Donde: F 40 N Resposta: 40 N 17 ER Ua bola de tênis de assa é lançada contra o solo, co o qual interage, refletindo-se e seguida se perdas de energia cinética O esquea abaixo representa o evento: v i v f Sabendo que v i V e que a interação te duração Δt, calcule a intensidade édia da força que o solo exerce na bola Coo não há perdas de energia cinética, teos: v i v f V plicando à bola o Teorea do Ipulso, ve: I ΔQ I Δv (I) Mas: I F Δt (II) Coparando (I) e (II), segue que: F Δt Δv F Δv Δt E ódulo: F Δv Δt Co base no diagraa vetorial abaixo, deterinaos Δv : v f v i Δv v f v i O triângulo forado pelos vetores é equilátero, o que perite escrever: Δv v i v f V ssi, f inalente, calculaos F : F V Δt 18 Considere u carro de assa igual a 8,0 10 kg que entra e ua curva co velocidade v 1 de intensidade 54 k/h e sai dessa esa curva co velocidade v de intensidade 7 k/h Sabendo que v é perpendicular a v 1, calcule a intensidade do ipulso total (da força resultante) counicado ao carro v 1 v Δv I ΔQ I Δv I Δv (Δv v v 1 ) Teorea de Pitágoras: Δv (15) + (0) Δv 5 /s Logo: I 8, (N s) I, N s Resposta:, N s Δv

5 84 PRTE II DINÂMIC 19 U carro de assa igual a 1,0 tonelada percorre ua pista coo a esqueatizada na f igura, deslocando-se do ponto ao ponto e oviento unifore, co velocidade de intensidade igual a 90 k/h Pista (vista aérea) Sabendo que o copriento do trecho é igual a 500, calcule: a) o intervalo de tepo gasto pelo carro no percurso de até ; b) a intensidade da força capaz de provocar a variação de quantidade de oviento sofrida pelo carro de até a) MU: v Δs Δt 90 3,6 500 Δt b) I ΔQ F Δt Δv F Δv Δt 60 v v v Δt 0 s O triângulo ao lado é equilátero; logo: Δv v v 5 /s ssi: F (N) 0 Respostas: a) 0 s; b) 1 50 N Δv F 1 50 N 0 o cobrar ua falta, u jogador de futebol chuta ua bola de assa igual a 4,5 10 g No lance, seu pé counica à bola ua força resultante de direção constante, cuja intensidade varia co o tepo, confore o seguinte gráf ico: F (10 N) 4,0, ,0,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 t (10 s) Sabendo que e t 0 0 (início do chute) a bola estava e repouso, calcule: a) o ódulo da quantidade de oviento da bola no instante t 1 8,0 10 s (f i do chute); b) o trabalho realizado pela força que o pé do jogador exerce na bola a) I (ÁRE) f t I (8,0 + 1,0) 10 4,0 10 Teorea do Ipulso: ΔQ I ΔQ 18 kg s b) Teorea da Energia Cinética: τ Q Q 0 (18) τ (J) 4, τ 360 J 3,6 10 J Respostas: a) 18 kg s 18 N s ; b) 3,6 10 J 1 (UFRN) lguns autoóveis dispõe de u ef iciente sistea de proteção para o otorista, que consiste de ua bolsa inflável de ar Essa bolsa é autoaticaente inflada, do centro do volante, quando o autoóvel sofre ua desaceleração súbita, de odo que a cabeça e o tórax do otorista, e vez de colidire co o volante, colide co ela f igura a seguir ostra dois gráf icos da variação teporal da intensidade da força que age sobre a cabeça de u boneco que foi colocado no lugar do otorista Os dois gráf icos fora registrados e duas colisões de testes de segurança única diferença entre essas colisões é que, na colisão I, se usou a bolsa e, na colisão II, ela não foi usada F (N) II (Se a bolsa de ar) I (Co a bolsa de ar) t (s) Da análise desses gráf icos, indique a alternativa que elhor conclui a explicação para o sucesso da bolsa coo equipaento de proteção: a) bolsa diinui o intervalo de tepo da desaceleração da cabeça do otorista, diinuindo, portanto, a intensidade da força édia que atua sobre a cabeça b) bolsa auenta o intervalo de tepo da desaceleração da cabeça do otorista, diinuindo, portanto, a intensidade da força édia que atua sobre a cabeça c) bolsa diinui o ódulo do ipulso total transferido para a cabeça do otorista, diinuindo, portanto, a intensidade da força áxia que atua sobre a cabeça d) bolsa diinui a variação total do oento linear da cabeça do otorista, diinuindo, portanto, a intensidade da força édia que atua sobre a cabeça e) bolsa auenta a variação total do oento linear da cabeça do otorista, diinuindo, portanto, a intensidade da força édia que atua sobre a cabeça Nos dois casos, o ipulso de retardaento exercido sobre a cabeça do otorista te a esa intensidade (as áreas sob os dois gráf icos iplica ipulsos de 800 Ns)

6 Tópico 8 Quantidade de oviento e sua conservação 85 Utilizando-se a bolsa de ar (gráf ico I) a frenage ocorre durante u intervalo de tepo aior do que se esse equipaento (gráf ico II) e, por isso, no prieiro caso, a força édia de retardaento te enor intensidade que no segundo, o que justif ica o sucesso da utilização da bolsa de ar a) d) Resposta: b Considere o esquea a seguir, e que, inicialente, tanto o hoe quanto o carrinho estão e repouso e relação ao solo No local não há ventos e a influência do ar é desprezível O carrinho é livre para se over para a esquerda ou para a direita sobre trilhos horizontais, se atrito b) e) c) E deterinado instante, o hoe sai do ponto e dirige-se para o ponto, ovendo-se na direção do eixo longitudinal do carrinho ditindo que, ao chegar a, o hoe para e relação ao carrinho, analise as seguintes proposições: (01) quantidade de oviento total do sistea constituído pelo hoe e pelo carrinho é nula e qualquer instante (0) Enquanto o hoe dirige-se do ponto para o ponto, sua quantidade de oviento é não-nula e oposta à do carrinho (04) Enquanto o hoe dirige-se do ponto para o ponto, sua velocidade é não-nula e oposta à do carrinho (08) o atingir o ponto, o hoe pára e relação ao carrinho e este, por sua vez, pára e relação ao solo (16) pós a chegada do hoe a, o sistea prossegue e oviento retilíneo e unifore, por inércia Dê coo resposta a soa dos núeros associados às proposições corretas (01) Correta 0 (0) Correta Q H + Q C 0 Explosão: sistea isolado de forças externas Q 1 + Q + Q 3 0 Coo Q 1 Q Q 3, a única alternativa que produz soa vetorial nula é a d Resposta: d 4 ER Sobre u plano horizontal e perfeitaente liso, repousa, frente a frente, u hoe e ua caixa de assas respectivaente iguais a 80 kg e 40 kg E dado instante, o hoe epurra a caixa, que se desloca co velocidade de ódulo 10 /s Desprezando a influência do ar, calcule o ódulo da velocidade do hoe após o epurrão Q H Q C (04) Incorreta Isso só ocorre no caso particular de as assas do hoe e do carrinho sere iguais (08) Correta E qualquer instante, a quantidade de oviento total do sistea deve ser nula (16) Incorreta Resposta: 11 3 Ua boba, inicialente e repouso, explode, fragentando-se e três partes que adquire quantidades de oviento coplanares de intensidades iguais Qual das alternativas a seguir elhor representa a situação das partes da boba iediataente após a explosão? Iediataente antes v H Iediataente após Nos eleentos coponentes do sistea (hoe e caixa), a resultante das forças externas é nula Por isso, o sistea é isolado, o que perite aplicar o Princípio da Conservação da Quantidade de Moviento: Coo Q inicial 0 (o sistea estava inicialente e repouso), teos que: 0 Daí, ve: Q H + Q C 0 Q H Q C v C

7 86 PRTE II DINÂMIC Considerando apenas os ódulos das quantidades de oviento, pode-se escrever: Q H Q C H v H C v C Então: v H v C C H Sendo v C 10 /s, C 40 kg e H 80 kg, calculeos v H : v H v 5,0 /s H Nota: Nesse caso e e situações siilares, as velocidades adquiridas pelos corpos tê intensidades inversaente proporcionais às respectivas assas 5 (UFPE) U casal participa de ua copetição de patinação sobre o gelo E dado instante, o rapaz, de assa igual a 60 kg, e a garota, de assa igual a 40 kg, estão parados e abraçados frente a frente Subitaente, o rapaz dá u epurrão na garota, que sai patinando para trás co ua velocidade de ódulo igual a 0,60 /s Qual o ódulo da velocidade do rapaz ao recuar, coo consequência desse epurrão? Despreze o atrito co o chão e o efeito do ar Q R + Q G 0 Q R Q G E ódulo: Q R Q G R v R G v G v R G v G R v R 0, v 0,40 /s R Resposta: 0,40 /s 6 U hoe de assa 70 kg, sentado e ua cadeira de rodas inicialente e repouso sobre o solo plano e horizontal, lança horizontalente u pacote de assa,0 kg co velocidade de intensidade 10 /s Sabendo que, iediataente após o lançaento, a velocidade do conjunto hoe-cadeira de rodas te intensidade igual a 0,5 /s, calcule a assa da cadeira de rodas Q H,C + Q P 0 Q H,C Q P E ódulo: Q H,C Q P ( H + C ) v P v P ( 70 + C ) 0,5,0 10 C 10 kg Resposta: 10 kg 7 U astronauta de assa 70 kg encontra-se e repouso nua região do espaço e que as ações gravitacionais são desprezíveis Ele está fora de sua nave, a 10 dela, as consegue over-se co o auxílio de ua pistola que dispara projéteis de assa 100 g, os quais são expelidos co velocidade de 5,6 10 /s Dando u único tiro, qual o enor intervalo de tepo que o astronauta leva para atingir sua nave, suposta e repouso? Q + Q P 0 Q Q P E ódulo: Q Q P v P v P Δs Δt v P P ,10 5,6 10 Δt Δt 150 s in 30 s Resposta: in 30 s 8 (cafe-sc) Nu rinque de patinação, dois patinadores, João, co assa de 84 kg, e Maria, co assa 56 kg, estão abraçados e e repouso sobre a superfície do gelo, ligados por u f io inextensível de 10,0 de copriento Desprezando-se o atrito entre os patinadores e a superfície do gelo, é correto af irar que, se eles se epurrare, passando a descrever ovientos retilíneos unifores e sentidos opostos, a distância, e etros, percorrida por Maria, antes de o f io se roper, é: a) 4,0 b) 5,0 c) 6,0 d) 8,0 e) 10,0 (I) Q J + Q M 0 Q M Q J E ódulo: Q M Q J M v M J v J D M Δt D J J Δt 56 D M 84 D J D M 3D J (1) (II) D J + D M 10,0 D J 10,0 D M () Substituindo-se () e (1): D M 3 (10,0 D M ) D M 30,0 3D M 5D M 30,0 DM 6,0 Resposta: c 9 (UFPE) Ua enina de 40 kg é transportada na garupa de ua bicicleta de 10 kg, a ua velocidade constante de ódulo,0 /s, por seu irão de 50 kg E dado instante, a enina salta para trás co velocidade de ódulo,5 /s e relação ao solo pós o salto, o irão continua na bicicleta, afastando-se da enina Qual o ódulo da velocidade da bicicleta, e relação ao solo, iediataente após o salto? dita que durante o salto o sistea forado pelos irãos e pela bicicleta seja isolado de forças externas a) 3,0 /s c) 4,0 /s e) 5,0 /s b) 3,5 /s d) 4,5 /s

8 Tópico 8 Quantidade de oviento e sua conservação 87 + Coo M é u escalar positivo, os vetores e v T tê a esa direção e sentido,0 /s Resposta: a,0 /s v 31 ER U canhão, juntaente co o carrinho que lhe serve de suporte, te assa M Co o conjunto e repouso, dispara-se obliquaente u projétil de assa, que, e relação ao solo, desliga- -se do canhão co ua velocidade de ódulo v 0, inclinada de u ângulo θ co a horizontal f igura abaixo retrata o evento: Q 1 + Q Coo os ovientos ocorre exclusivaente nua única direção (horizontal), a equação vetorial acia pode ser reduzida a ua equação algébrica, a exeplo do que fazeos a seguir: ( ) v + 40 (,5) ( ),0 60v v 5,0 /s Resposta: e 30 (FMC-SP) Duas esferas idênticas, que desliza se atrito sobre ua superfície plana e horizontal, estão prestes a se chocar f igura representa, para cada esfera, as posições ocupadas nos instantes 3, e 1 segundos que antecede ao choque ditindo-se que o choque entre elas seja perfeitaente elástico e que o oviento seja unifore antes e depois do choque, qual dos vetores seguintes elhor representa a direção e o sentido do vetor quantidade de oviento total do sistea forado pelas esferas após o choque? v 0 θ Plano horizontal Desprezando os atritos, deterine o ódulo da velocidade de recuo do conjunto canhão-carrinho Segundo a direção horizontal, o sistea é isolado de forças externas, o que perite aplicar a essa direção o Princípio da Conservação da Quantidade de Moviento: as Q inicial 0 (o conjunto estava inicialente e repouso), logo: 0 Q C + Q P 0 Daí: Q C Q P (ovientos horizontais e sentidos opostos) 1 1 E ódulo: Q C Q P M v C v 0h Na últia equação, v 0h é o ódulo da coponente horizontal de v 0 (Vetor nulo) a) b) c) d) e) Colisão: sistea isolado de forças externas M v 1 + M v M ( v 1 + v ) Sendo v 0h v 0 cos θ, ve: M v C v 0 cos θ v C M v 0 cos θ Nota: Na direção vertical, o sistea canhão-projétil não é isolado de forças externas Isso ocorre devido à força ipulsiva exercida pelo solo no ato do disparo Essa força, que atua apenas durante o curtíssio intervalo de tepo da explosão, te intensidade signif icativa, produzindo u ipulso considerável que odif ica sensivelente a quantidade de oviento nessa direção v v T v 1 v T v /s v 1 1 /s 3 U garoto de assa 48 kg está de pé sobre u skate de assa,0 kg, inicialente e repouso sobre o solo plano e horizontal E deterinado instante, ele lança horizontalente ua pedra de assa 5,0 kg, que adquire ua velocidade de afastaento (relativa ao garoto) de ódulo 11 /s Sendo v G e v P, respectivaente, os ódulos da velocidade do garoto e da pedra e relação ao solo iediataente após o lançaento, calcule v G e v P

9 88 PRTE II DINÂMIC (I) Q G + Q P 0 Q G Q P E ódulo: Q G Q P G v G P v P 50 v G 5,0v P Donde: v P 10v G (I) (II) v G + v P 11 (II) Substituindo (I) e (II): v G + 10 v G 11 v G 1,0 /s De (I): v P 10 /s Respostas: v G 1,0 /s; v P 10 /s 33 (Unicap-SP) Iagine a seguinte situação: u dálata corre e pula para dentro de u pequeno trenó, até então parado, caindo nos braços de sua dona E consequência, o trenó coeça a se ovientar Considere os seguintes dados: I assa do cachorro é de 10 kg; II assa do conjunto trenó + oça é de 90 kg; III velocidade horizontal do cachorro iediataente antes de ser agarrado por sua dona é de 18 k/h a) Desprezando-se o atrito entre o trenó e o gelo, be coo a influência do ar, deterine a velocidade horizontal do sistea trenó + oça + cachorro iediataente após o cachorro ter caído nos braços de sua dona b) Deterine a variação da energia cinética do sistea no processo Q conjunto Q cachorro ( M + T + C ) V C v C a) 100 V ,6 V 0,50 /s b) ΔE C E Cf E Ci ( ΔE C M + T + C ) V 100 (0,50) ΔE C ΔE C 11,5 J 10 (5,0) C V C Respostas: a) 0,50 /s; b) 11,5 J 34 (EEM-SP) U canhão ontado e u carro de cobate e repouso dispara u projétil de assa,50 kg co velocidade horizontal v 00 /s O conjunto canhão-carro te assa M 5,00 10 kg Meso co as rodas travadas, o carro recua, arrastando os pneus no solo, percorrendo ua distância L 0,50 até parar aceleração local da gravidade é g 9,75 /s Calcule o coef iciente de atrito cinético entre os pneus e o solo (I) Q C Q P 5,00 10 v C,50 00 v C 1,00 /s (II) plicando o teorea da energia cinética para o canhão, ve: τ Fat E Cf E Ci µ M g L 0 M v C µ 9,75 0,50 (1,00) µ 0,05 Resposta: 0,05 35 ER Dois blocos e, de assas respectivaente iguais a,0 kg e 4,0 kg, encontra-se e repouso sobre u plano horizontal perfeitaente polido Entre os blocos, há ua ola de assa desprezível, copriida, que está ipedida de expandir-se devido a u barbante que conecta os blocos arbante E deterinado instante, queia-se o barbante e a ola se expande, ipulsionando os blocos Sabendo que o bloco adquire velocidade de intensidade 3,0 /s e que a influência do ar é desprezível, deterine: a) a intensidade da velocidade adquirida pelo bloco ; b) a energia potencial elástica arazenada na ola antes da queia do barbante a) O sistea é isolado de forças externas, o que perite aplicar o Princípio da Conservação da Quantidade de Moviento: Co o sistea inicialente e repouso, poré, teos: Q inicial 0 Logo: 0 Q + Q 0 Donde: Q Q (ovientos e sentidos opostos) E ódulo: Q Q v v Sendo,0 kg, 4,0 kg e v 3,0 /s, calculeos v :,0 v 4,0 3,0 v 6,0 /s b) energia elástica arazenada inicialente na ola pode ser calculada soando-se as energias cinéticas adquiridas pelos blocos: E e E e E c + E c E e v,0 (6,0) 4,0 (3,0) + + v E e 54 J 36 Na f igura, os blocos 1 e tê assas respectivaente iguais a,0 kg e 4,0 kg e acha-se inicialente e repouso sobre u plano horizontal e liso Entre os blocos, existe ua ola leve de constante elástica igual a 1,5 10 N/, copriida de 0 c e ipedida de distender-se devido a ua trava:

10 Tópico 8 Quantidade de oviento e sua conservação 89 nteparo 1 nteparo d (1) () E dado instante, a trava é liberada e a ola, ao se distender bruscaente, ipulsiona os blocos, que, depois de percorrere as distâncias indicadas, colide co os anteparos Não considerando o efeito do ar, deterine: a) a relação entre os intervalos de tepo gastos pelos blocos 1 e para atingire os respectivos anteparos; b) as energias cinéticas dos blocos depois de perdere o contato co a ola a) v 1 v 1 3d d Δt 3 d Δt 1 4,0,0 Δt 1 Δt 1 3 b) E e K (Δx) 1,5 10 (0,0) E e 3,0 J E C1 + E C E e E C1 + E C 3,0 I Q 1 Q Q 1 Q E 1 C 1 E C,0 E C1 4,0 E C E C1,0 E C II De (I) e (II): E C1,0 J e E C 1,0 J Respostas: a) Δt 1 Δt 1 ; b) loco 1:,0 J, loco : 1,0 J 3 37 (UFV-MG) Dois blocos, e, feitos de ateriais idênticos, u co assa M e o outro co assa M, encontra-se inicialente e repouso sobre ua superfície plana e co atrito, separados por ua carga explosiva de assa desprezível situação inicial do sistea está ilustrada na f igura abaixo Carga explosiva (M) (M) pós a explosão da carga, o bloco percorre ua distância L, deslizando pela superfície até parar É correto af irar que a distância percorrida pelo bloco será: a) 4L b) L c) L d) (I) Explosão: sistea isolado de forças externas Q + Q 0 Q Q E ódulo: Q Q Mv Mv v v (II) Teorea da Energia Cinética: τ Fa t v v 0 µgd 0 v 0 L e) L 4 d v d μg μg v d v () d v d (1) e () : v L v Donde: d Resposta: e L 4 38 (Unesp-SP) f igura representa duas esferas, 1 e, de assas 1 e, respectivaente, copriindo ua ola e sendo antidas por duas travas dentro de u tubo horizontal 1 Trava Trava Quando as travas são retiradas siultaneaente, as esferas 1 e são ejetadas do tubo, co velocidades de ódulos v 1 e v, respectivaente, e cae sob a ação da gravidade esfera 1 atinge o solo nu ponto situado à distância x 1 0,50, t 1 segundos depois de abandonar o tubo, e a esfera, à distância x 0,75, t segundos depois de abandonar o tubo, confore indicado na f igura seguinte x 1 0,50 x 0,75 Desprezando a assa da ola e quaisquer atritos, deterine: a) as razões t e v ; b) a razão t 1 v 1 1 a) s duas esferas realiza ovientos verticais idênticos, co tepos de queda calculados por: MUV: y g t t y t 1 q q g t 1 x v t x v x 0, x 1 0,50 t 1 Donde: v v 1 3 b) Q Q 1 v 1 v 1 Logo: v 1 v Donde: d v 0 μg Respostas: a) t t 1 1; v v 1 3 ; b) 3

11 90 PRTE II DINÂMIC 39 (Unicap-SP) O chaado parachoque alicate foi projetado e desenvolvido na Unicap co o objetivo de iniizar alguns probleas co acidentes No caso de ua colisão de u carro contra a traseira de u cainhão, a alha de aço de u parachoque alicate instalado no cainhão prende o carro e o ergue do chão pela platafora, evitando, assi, o chaado efeito guilhotina Iagine a seguinte situação: u cainhão de kg está a 54,0 k/h e o autoóvel que o segue, de assa igual a 000 kg, está a 7,0 k/h O autoóvel colide contra a alha, subindo na rapa pós o ipacto, os veículos peranece engatados u ao outro Malha de aço CM CM a) Qual o ódulo da velocidade dos veículos iediataente após o ipacto? b) Qual a fração da energia cinética inicial do autoóvel que foi transforada e energia potencial gravitacional, sabendo-se que o centro de assa do veículo subiu 50 c? dote g 10 /s E deterinado instante, o garoto coeça a cainhar de para co velocidade de ódulo 1, /s e relação à prancha ditindo que o sistea garoto-prancha seja isolado de forças externas e que o garoto pare de cainhar ao atingir a extreidade, calcule: a) o ódulo da velocidade da prancha e relação ao solo enquanto o garoto cainha de para ; b) a distância x entre a extreidade da prancha e o uro no instante e que o garoto atinge a extreidade a) Sendo o sistea garoto-prancha isolado de forças externas, aplica-se o Princípio da Conservação da Quantidade de Moviento Q inicial Co o sistea inicialente e repouso, poré, teos: Q inicial 0 Logo: 0 Q G + Q P 0 Q G Q P (ovientos e sentidos opostos) E ódulo: Q G Q P G v G P v P Sendo G 40 kg e P 10 kg, ve: 40 v G 10 v P v G 3 v P (I) Mas: v G + v P 1, (II) a) Colisão: sistea ecânico isolado de forças externas ( 1 + ) v 1 v 1 + v ( ) v , ,0 Donde: v 58,5 k/h b) (I) e (II): 3 v P + v P 1, v P 0,30 /s ou v P 30 c/s b) f E P E c f g Δh v 1 g Δh v 1 f 0,05 5% 10 0,50 7,0 3,6 Início x y Respostas: a) 58,5 k/h; b) 0,05 ou 5% 40 ER Na situação esqueatizada na f igura, u garoto de assa 40 kg está posicionado na extreidade de ua prancha de adeira, de assa 10 kg, dotada de rodas, que te sua extreidade e contato co u uro vertical O copriento da prancha é igual a 6,0 6,0 x Fi No esquea, x e y caracteriza, respectivaente, as distâncias percorridas pela prancha e pelo garoto e relação ao solo Solo plano e horizontal x + y 6,0 Q G Q P G v G P v P (III)

12 Tópico 8 Quantidade de oviento e sua conservação 91 Coo as velocidades do garoto e da prancha são constantes, teos: H ΔS H Δt ΔS P P Δt 40 y Δt 10 x Δt Substituindo (IV) e (III), ve: x + 3x 6,0 y 3x (IV) x 1,5 41 f igura abaixo representa u hoe de assa 60 kg, de pé sobre ua prancha de adeira, de assa 10 kg, e repouso na água de ua piscina Inicialente, o hoe ocupa o ponto, oposto de, onde a prancha está e contato co a escada 60 ΔS H 10 ΔS P ΔS H ΔS P (II) Substituindo (II) e (I), teos: ΔS P + ΔS P 1,5 ΔS P 0,50 Logo: x ΔS P 0,50 c) O deslocaento do hoe e relação à escada é: ΔS H ΔS P 0,50 ΔS H 1,0 v H, E ΔS H Δt 1,0,0 s v H, E 0,50 /s E relação à prancha, o hoe desloca-se de para, percorrendo 1,5 v H, P Δt 1,5,0 s v H, p 0,75 /s Respostas: a) Q H Q P 1; b) 50 c; c) 0,50 /s e 0,75 /s E deterinado instante, o hoe coeça a andar, objetivando alcançar a escada Não levando e conta os atritos entre a prancha e a água, ventos ou correntezas, e considerando para a prancha copriento de 1,5, calcule: a) a relação entre os ódulos das quantidades de oviento do hoe e da prancha, enquanto o hoe não alcança o ponto ; b) a distância x do hoe à escada, depois de ter atingido o ponto ; c) o ódulo da velocidade escalar édia do hoe e relação à escada e e relação à prancha, se, ao se deslocar de até, ele gasta,0 s 4 (Vunesp-SP) U tubo de assa M contendo ua gota de éter de assa desprezível é suspenso por eio de u f io leve, de copriento L, confore ilustrado na f igura No local, despreza-se a influência do ar sobre os ovientos e adota-se para o ódulo da aceleração da gravidade o valor g Calcule o ódulo da velocidade horizontal ínia co que a rolha de assa deve sair do tubo aquecido para que ele atinja a altura do seu ponto de suspensão g a) Q f Q i Q H + Q P 0 Q H Q P E ódulo: Q H Q P Q H Q P 1 b) L 1,5 Conservação da quantidade de oviento do sistea pêndulo-rolha: v M V V M v (I) Conservação da energia ecânica do pêndulo: V M M g L V g L (II) Substituindo (I) e (II): 1 M v g L v M g L Resposta: M g L ΔS H ΔS P Da f igura: ΔS H + ΔS P L ΔS H + ΔS P 1,5 (I) Por outro lado: H v H P v P 43 (Un-DF) Novos sisteas de propulsão de foguetes e de sondas espaciais estão sepre sendo estudados pela Nasa U dos projetos utiliza o princípio de atirar e receber bolas de etal para ganhar ipulso O sistea funcionaria da seguinte fora: e ua estação espacial, u disco, girando, atiraria bolas etálicas, a ua velocidade de

13 9 PRTE II DINÂMIC 7 00 k/h Ua sonda espacial as receberia e as andaria de volta ao disco da estação Segundo pesquisadores, esse sistea de receber e atirar bolas de etal poderia ser usado para dar o ipulso inicial a naves ou sondas espaciais que já estivesse e órbita (daptado de: Jornal Folha de SPaulo) Estação espacial v 5 V S E Sonda espacial Considere ua sonda espacial co assa de 1 tonelada, e repouso e relação a ua estação espacial, confore ilustra a f igura acia Suponha que a sonda receba, pela entrada E, ua bola de 10 kg, atirada a 7 00 k/h pelo disco da estação, e a devolva, pela saída S, co u quinto do ódulo da velocidade inicial Calcule, e /s, o ódulo da velocidade da sonda e relação à estação no instante e que a bola é devolvida Sistea isolado de forças externas: v 5 S Donde: v S 4 /s v S 86,4 k/h Resposta: 4 /s 44 U barco de assa M, pilotado por u hoe de assa, atravessa u lago de águas tranquilas co velocidade constante v 0 E dado instante, pressentindo perigo, o hoe atira-se à água, desligando-se do barco co velocidade v 0, edida e relação às argens do lago Nessas condições, a velocidade do barco iediataente após o hoe ter-se atirado à água é ais be expressada por: a) M v 0 b) M v 0 (M + 3) c) v M 0 (M ) d) M v 0 (M + ) e) v M 0 Sistea isolado de forças externas: 45 Considere ua espaçonave e oviento retilíneo, co velocidade escalar de, /s nua região de influências gravitacionais desprezíveis E deterinado instante, ocorre ua explosão e a espaçonave se fragenta e duas partes, e, de assas respectivaente iguais a M e M Se a parte adquire velocidade escalar de 8, /s, qual a velocidade escalar adquirida pela parte? Explosão: Sistea isolado de forças externas M 8, M V 3 M, V 1, /s Resposta: 1, /s 46 Ua boba, e queda vertical nas proxiidades da superfície terrestre, explode no instante e que a intensidade de sua velocidade é 0 /s boba fragenta-se e dois pedaços, e, de assas respectivaente iguais a,0 kg e 1,0 kg Sabendo que, iediataente após a explosão, o pedaço se ove para baixo, co velocidade de intensidade 3 /s, deterine: a) a intensidade e o sentido da velocidade do pedaço iediataente depois da explosão; b) o auento da energia ecânica do sistea devido à explosão a) Q f Q i, ,0 v 3,0 0 v 4,0 /s b) ΔE E Cf E Ci ΔE Donde:,0 (3) + ΔE 43 J (oviento para cia) 1,0 (4,0) 3,0 (0) Respostas: a) 4,0 /s para cia; b) 43 J 47 Na f igura, o bloco (assa 4M) e a esfera (assa M) encontra-se inicialente e repouso, co apoiado e u plano horizontal: g C Q f Q i v 0 + M v (M +) v 0 v (M + 3 ) v 0 M Resposta: (M + 3 ) v 0 M Largando-se a esfera na posição indicada, ela desce, descrevendo ua trajetória circular ( 1 4 de circunferência) de 1,0 de raio e centro e C Desprezando todos os atritos, be coo a influência do ar, e adotando g 10 /s, deterine os ódulos das velocidades de e de no instante e que a esfera perde o contato co o bloco

14 Tópico 8 Quantidade de oviento e sua conservação 93 (I) Q Q 4 M v M v v 4 v (I) Segundo a direção Oy, podeos escrever: (II) E C + E C E P 4 M v + M v M g R v + v 10 (II) De (I) e (II): v 1,0 /s e v 4,0 /s Respostas: (): 1,0 /s; (): 4,0 /s 48 Ua caixa de assa 1,0 10 kg, inicialente vazia, desloca-se horizontalente sobre rodas nu plano liso, co velocidade constante de 4,0 /s E dado instante, coeça a chover e as gotas, que cae verticalente, vão-se depositando na caixa, que é aberta a) Qual a velocidade da caixa depois de ter alojado 3,0 10 kg de água? b) Se no instante e que a caixa conté 3,0 10 kg parar de chover e for aberto u orifício no seu fundo, por onde a água possa escoar, qual será a velocidade f inal da caixa depois do escoaento de toda a água? a) O sistea é isolado na direção horizontal Logo, aplicando-se o princípio da conservação da quantidade de oviento a essa direção, ve: Q f Q i ( c + a ) v c v 0 (1, ,0 10 ) v 1,0 10 4,0 Donde: v 1,0 /s b) assa óvel na horizontal não se alterará; por isso, a caixa anterá a velocidade calculada no ite a v 1,0 /s Respostas: a) 1,0 /s; b) 1,0 /s 49 ER Na situação do esquea seguinte, u íssil ove-se no sentido do eixo Ox co velocidade v 0, de ódulo 40 /s E dado instante, ele explode, fragentando-se e três partes, e C de assas M, M e M, respectivaente: y v Q y + Q y + Q yc Q y + Q y + Q yc M v y + M v sen 60 M v sen 60 0 M v y 0 v y 0 O últio resultado leva-nos a concluir que, segundo a direção Oy, a velocidade vetorial do fragento não apresenta coponente iediataente após a explosão Segundo a direção Ox, podeos escrever: Q x + Q x + Q xc Q x + Q x + Q xc M v x + M v cos 60 + M v cos 60 5M v 0 v x + 4v cos 60 5v 0 v x + 4v 1 5v 0 v x 5v 0 v Sendo v 0 40 /s e v 110 /s, calculeos v x, que é a coponente, segundo Ox, da velocidade vetorial do fragento iediataente após a explosão: v x v x 0 /s Tendo e vista os valores obtidos para v y e v x, deveos responder: Iediataente após a explosão, o fragento te velocidade na direção do eixo Ox, sentido oposto ao do referido eixo e ódulo de 0 /s 50 (PUC-SP) O rojão representado na f igura te, inicialente, ao cair, velocidade vertical de ódulo 0 /s o explodir, divide-se e dois fragentos de assas iguais, cujas velocidades tê ódulos iguais e direções que fora entre si u ângulo de 10 Dados: sen 30 cos 60 0,50; cos 30 sen 60 0,87 0 x Iediataente antes da explosão v C v C Iediataente depois da explosão Sabendo que, iediataente após a explosão, as velocidades das partes e C vale v v C 110 /s, deterine as características da velocidade vetorial da parte, levando e conta o referencial Oxy Coo a explosão do íssil constitui u sistea isolado de forças externas, podeos aplicar o Princípio da Conservação da Quantidade de Moviento: 10 O ódulo da velocidade, e /s, de cada fragento, iediataente após a explosão, será: a) 10 c) 30 e) 50 b) 0 d) 40

15 94 PRTE II DINÂMIC Conservação da quantidade de oviento total do sistea na direção vertical: Q yf Q inal yinicial Mv cos 60 Mv 0 v 1 0 v 40 /s Resposta: d 51 (Unisa-SP) U navio que se encontra inicialente e repouso explode e três pedaços Dois dos pedaços, de assas iguais, parte e direções perpendiculares entre si, co velocidades de ódulo 100 k/h Supondo que a assa do terceiro pedaço seja o triplo da assa de u dos outros dois, qual o valor aproxiado do ódulo de sua velocidade iediataente após a explosão? Explosão: Sistea isolado de forças externas Q f Q i Q f 0 Q 1 + Q + Q 3 0 Q 1 + Q Q 3 M V cos 45 + M V cos 45 3 M V M M M V M M V Donde: V 47 k/h Resposta: 47 k/h 5 (UEP) E u cruzaento da cidade de Capina Grande, durante ua anhã de uita chuva, u autoóvel copacto co assa de kg que se deslocava de Oeste para Leste, co ua velocidade de ódulo 30 /s, colidiu co ua picape (caionete) co assa de 400 kg que se deslocava do Sul para o Norte, avançando o sinal verelho, co ua velocidade de ódulo 15 /s, confore a f igura a seguir Felizente, todas as pessoas, nesses veículos, usava cintos de segurança e ningué se feriu Poré os dois veículos se engavetara e passara a se over, após a colisão, coo u único corpo, nua direção entre Leste e Norte Desprezando-se o atrito entre os veículos e a pista, o ódulo da velocidade dos carros unidos após a colisão, e /s, foi de: 30 /s θ Por Pitágoras : Por Pitágoras: Q i Q Q i Q + Q C Q Q i (4, ) + (3, ) Donde : Q i 6, kg s (II) Colisão: Sistea isolado de forças externas Q f Q i ( + C ) v Q i ( ) v 6, v 15 /s Resposta: a 53 Ua partícula colide frontalente co ua partícula, na ausência de forças externas resultantes respeito dessa situação, indique a alternativa correta: a) energia cinética da partícula auenta b) O ódulo da quantidade de oviento da partícula auenta c) energia ecânica (total) do sistea forado pelas partículas e peranece constante no ato da colisão d) quantidade de oviento total do sistea forado pelas partículas e peranece constante no ato da colisão e) s partículas e adquire deforações peranentes devido à colisão Resposta: d 54 (Cesgranrio-RJ) Duas bolas de gude idênticas, de assa, ovienta-se e sentidos opostos (veja a f igura) co velocidades de ódulo v: v v Indique a opção que pode representar as velocidades das bolas iediataente depois da colisão: v a) b) v v 15 /s c) d) v v 3v a) 15 b) 16 c) 18 d) 0 e) (I) Q v , kg s Q C C v C , kg s e) v v (I) Deve ocorrer conservação da quantidade de oviento total No caso: 0

16 Tópico 8 Quantidade de oviento e sua conservação 95 (II) energia cinética f inal pode superar a energia cinética inicial E Cf inal E Cinicial No caso: E Cf inal v Resposta: e 55 Nas situações representadas nas f iguras seguintes, as partículas realiza colisões unidiensionais Os ódulos de suas velocidades escalares estão indicados Deterine, e cada caso, o coef iciente de restituição da colisão, dizendo, ainda, se a interação ocorrida foi elástica, totalente inelástica ou parcialente elástica a) b) c) d) 15 /s 30 /s ntes ntes 5 /s 0 /s 10 /s Repouso 7 /s ntes ntes ntes 3 /s e) Projétil 400 /s loco a) e v raf v rap /s 1 /s Repouso e 0,5; parcialente elástica b) e v raf v 0 r ap e 0; totalente inelástica c) e v raf v 10 r 10 ap e 1; elástica d) e v raf v rap e 0,6 ; parcialente elástica e) e v raf v 0 r 400 ap e 0 ; totalente inelástica Depois Depois Repouso Depois 10 /s /s 4 /s Depois Depois Projétil + loco 10 /s Respostas: a) e 0,5; parcialente elástica; b) e 0; totalente inelástica; c) e 1; elástica; d) e 0,6; parcialente elástica; e) e 0; totalente inelástica 56 ER No esquea seguinte, estão representadas as situações iediataente anterior e iediataente posterior à colisão unidiensional ocorrida entre duas partículas e : 3 /s 6 /s ntes 5 /s 4 /s Depois Sendo conhecidos os ódulos das velocidades escalares das partículas, calcule a relação / entre suas assas Qualquer colisão ecânica constitui u sistea isolado de forças externas, o que perite a aplicação do Princípio da Conservação da Quantidade de Moviento: 3 /s 6 /s 5 /s 4 /s (+) (+) ntes Q f + Q f Q i + Q i Depois Coo a colisão é unidiensional, levando e conta a orientação atribuída à trajetória, raciocineos e teros escalares: Q f + Q f Q i + Q i v f + v f v i + v i ( 5) + (4) (3) + ( 6) Os carrinhos representados nas f iguras a seguir, ao percorrer trilhos retilíneos, colide frontalente Os ódulos de suas velocidades escalares antes e depois das interações estão indicados nos esqueas Calcule, para as situações dos itens a e b, a relação 1 / entre as assas dos carrinhos (1) e () a) b) 8 /s /s 1 8 /s ntes /s 1 ntes a) Q Q f inal inicial 1 () + (8) 1 (8) + () /s 8 /s 1 Depois /s 4 /s 1 Depois

17 96 PRTE II DINÂMIC b) Q Q f inal inicial 1 ( ) + (4) 1 (8) + ( ) ,6 Respostas: a) 1 1; b) 1 0,6 58 ER U vagão (I) de assa M, ovendo-se sobre trilhos retos e horizontais co velocidade de intensidade v 0, colide co u vagão (II) de assa, inicialente e repouso Se o vagão (I) f ica acoplado ao vagão (II), deterine a intensidade da velocidade do conjunto iediataente após a colisão Os esqueas seguintes representa as situações iediataente anterior e iediataente posterior à colisão: Repouso v v 0 I II ntes Depois plicando o Princípio da Conservação da Quantidade de Moviento, teos: (M + ) v M v 0 v M M + v 0 Destaqueos que a colisão é totalente inelástica e que v < v 0 59 Ua locootiva de assa 00 t ovendo-se sobre trilhos retos e horizontais co velocidade de intensidade 18,0 k/h colide co u vagão de assa 50 t inicialente e repouso Se o vagão f ica acoplado à locootiva, deterine a intensidade da velocidade do conjunto iediataente após a colisão Q Q f inal inicial (M + )v M v 0 ( ) v 00 18,0 Donde v 14,4 k/h Resposta: 14,4 k/h 60 (Fuvest-SP) Dois patinadores de assas iguais desloca-se nua esa trajetória retilínea, co velocidades escalares respectivaente iguais a 1,5 /s e 3,5 /s O patinador ais rápido persegue o outro o alcançá-lo, salta verticalente e agarra-se às suas costas, passando os dois a deslocare-se co velocidade escalar v Desprezando o atrito, calcule o valor de v Q Q f inal inicial I II 61 (UFP) f igura a seguir apresenta os gráf icos da velocidade versus tepo para a colisão unidiensional ocorrida entre dois carrinhos e : v (/s) Carrinho Carrinho 0 0, 0,5 t (s) Supondo que não exista forças externas resultantes e que a assa do carrinho valha 0, kg, calcule: a) o coef iciente de restituição da colisão; b) a assa do carrinho 6 /s 1 /s /s 5 /s e v raf v r ap ntes e 0,6 (Colisão parcialente elástica) b) Q Q f inal inicial 0,(5) + () 0,(1) + (6) 4 0,8 0, kg Respostas: a) 0,6; b) 0, kg Depois 6 (UFRN) f igura a seguir ostra dois pequenos veículos, 1 e, de assas iguais, que estão prestes a colidir no ponto P, que é o ponto central do cruzaento de duas ruas perpendiculares entre si Toda região e torno do cruzaento é plana e horizontal Iediataente antes da colisão, as velocidades dos veículos tê as direções representadas na f igura, tendo o veículo ua velocidade que é 1,5 vez aior que a do veículo 1 1 V 1 P V Setor I Setor II Setor III Setor IV ( + )v v 1 + v v (1,5 + 3,5) Donde: v,5 /s Resposta:,5 /s pós a colisão, os veículos vão deslizar juntos pela pista olhada, praticaente se atrito

18 Tópico 8 Quantidade de oviento e sua conservação 97 Co base nessas inforações, pode-se af irar que o setor ao longo do qual os veículos vão deslizar juntos é o: a) Setor I c) Setor III b) Setor II d) Setor IV v ntes v v' Depois v' Deve ocorrer conservação da quantidade de oviento total do sistea Q f inal Q inicial Q 1 + Q Supondo conhecidos os ódulos de v e v (v e v ), deterine os ódulos de v' e v' (v e v ) plicando ao choque o Princípio da Conservação da Quantidade de Moviento, ve: Q v Q 1 + Q Escalarente: Q + Q Q + Q Q + Q Q + Q tg α 1,5 α 56º Setor II Resposta: b α Q 1 v 1 63 (Fuvest-SP) Sobre ua esa horizontal de atrito desprezível, dois blocos e de assas e, respectivaente, ovendo-se ao longo de ua reta, colide u co o outro pós a colisão, os blocos se antê unidos e desloca-se para a direita co velocidade V, coo indicado na f igura O único esquea que não pode representar os ovientos dos dois blocos antes da colisão é: Depois da colisão V v + v v + v Donde: v + v v + v (I) Sabeos tabé que: e v raf v v v r v ap v Sendo o choque perfeitaente elástico, teos e 1, decorrendo que: 1 v v v v v v v v (II) Resolvendo o sistea constituído pelas equações (I) e (II), obteos: v v e v v Cabe aqui ua observação iportante: Nu choque unidiensional e perfeitaente elástico entre partículas de assas iguais, estas troca suas velocidades a) b) c) V 1,5V V 0 V V V V V 3V Q Q 3 v inicial f inal V 3V d) e) V V V V V 1,5V V 0,5V No caso da alternativa d, Q inicial v + v 5 v, o que não traduz a conservação da quantidade de oviento do sistea Resposta: d 64 ER Duas pequenas esferas de assas iguais realiza u choque unidiensional e perfeitaente elástico sobre ua esa do laboratório No esquea abaixo, ostra-se a situação iediataente anterior e a iediataente posterior ao evento: 65 Duas bolas de boliche e, de assas iguais, percorre ua esa canaleta retilínea onde realiza u choque perfeitaente elástico Se as velocidades escalares de e iediataente antes da colisão vale v,0 /s e v 1,0 /s, quais as velocidades escalares v e v de e iediataente depois da colisão?,0 /s 1,0 /s ntes (I) Q Q f inal inicial v + v (,0) + ( 1,0) v + v 1,0 1 (II) e v raf v rap 1 v v,0 + 1,0 v + v 3,0 1 + : v 4,0 v' Depois v'

19 98 PRTE II DINÂMIC e v,0 /s v 1,0 /s Respostas: v 1,0 /s ; v,0 /s 66 (UFPI) f igura representa duas partículas idênticas, 1 e, abas de assa igual a, e abas e repouso nas posições indicadas, P 1 e P O ódulo da aceleração da gravidade no local é g 10 /s partícula 1 é então abandonada e sua posição inicial, indo colidir elasticaente co a partícula 1 8,0 P 1 P P 3 3,0,0 Na ausência de qualquer atrito, qual a intensidade da velocidade da partícula ao atingir a posição P 3? Coo ocorre nua colisão elástica entre assa iguais, as partículas 1 e troca de velocidades, por isso, tudo se passa coo se tivésseos ua única partícula deslocando-se de P 1 até P 3 E 3 E 1 E C3 E P1 (PHR e P 3 ) v 3 g (h 1 h 3 ) Donde: v 3 10 /s Resposta: 10 /s v 3 10 (8,0 3,0) g 68 (Mack-SP) Na f igura, representaos ua esa perfeitaente lisa e duas esferas e que vão realizar ua colisão unidiensional e perfeitaente elástica esfera te assa e, antes da colisão, se desloca co velocidade constante de 60 /s esfera te assa e, antes da colisão, está e repouso 60 /s Repouso Não considere a rotação das esferas Seja E a energia cinética de antes da colisão e E a energia cinética de após a colisão Indique a opção correta: a) E 4 9 E d) E 9 8 E b) E 8 9 E e) E E c) E E (I) Q Q f inal inicial v + v 60 v + v 60 1 e v raf v rap 1 v v 60 v + v : 3v Considere a ontage experiental representada a seguir, e que a esfera 1 te assa M e as deais (, 3, 4 e 5) tê assa M: (II) v 40 /s E E (v ) v (1) () (3) (4) (5) bandonando-se a esfera 1 na posição indicada, ela desce, chegando ao ponto ais baixo de sua trajetória co velocidade v 0 Supondo que todas as possíveis colisões seja perfeitaente elásticas, podeos af irar que, após a interação: a) a esfera 5 sai co velocidade v 0 b) as esferas, 3, 4 e 5 sae co velocidade v 0 c) as esferas 4 e 5 sae co velocidade v 0 d) as esferas, 3, 4 e 5 sae co velocidade v 0 e) todas as esferas peranece e repouso Deve ocorrer conservação da quantidade de oviento do sistea e tabé da energia ecânica total Para tanto, as esferas 4 e 5 deve sair co velocidade de v 0 Resposta: c E E Donde : v v Resposta: b E 8 9 E 69 Três blocos,, e C, de diensões idênticas e assas respectivaente iguais a M, M e M, estão inicialente e repouso sobre ua esa horizontal se atrito, alinhados nu abiente e que a influência do ar é desprezível O bloco é então lançado contra o bloco co velocidade escalar de 9,0 /s, confore indica a f igura 9,0 /s Repouso Repouso C

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO IMPULSO E QUNTIDDE DE MOVIMENTO 1. Ua bolinha se choca contra ua superfície plana e lisa co velocidade escalar de 10 /s, refletindo-se e seguida, confore a figura abaixo. Considere que a assa da bolinha

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas www.engenhariafacil.weebly.co Resuo co exercícios resolvidos do assunto: Sisteas de Partículas (I) (II) (III) Conservação do Moento Centro de Massa Colisões (I) Conservação do Moento Na ecânica clássica,

Leia mais

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo Eliana S. de Souza raa Índice Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico... Exercícios... Gabarito... Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico Lançaento horizontal x oiento ertical queda

Leia mais

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli 1. A figura abaixo mostra o mapa de uma cidade em que as ruas retilíneas se cruzam perpendicularmente e cada quarteirão

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I PDRÃO DE RESPOST - FÍSC - Grupos H e a UESTÃO: (, pontos) valiador Revisor Íãs são frequenteente utilizados para prender pequenos objetos e superfícies etálicas planas e verticais, coo quadros de avisos

Leia mais

Exercício de Física para o 3º Bimestre - 2015 Série/Turma: 1º ano Professor (a): Marcos Leal NOME:

Exercício de Física para o 3º Bimestre - 2015 Série/Turma: 1º ano Professor (a): Marcos Leal NOME: Exercício de Física para o 3º Bimestre - 2015 Série/Turma: 1º ano Professor (a): Marcos Leal NOME: QUESTÃO 01 O chamado "pára-choque alicate" foi projetado e desenvolvido na Unicamp com o objetivo de minimizar

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA FEP2195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I LISTA 05

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA FEP2195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I LISTA 05 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA FEP2195 - Física Geral e Experiental para Engenharia I LISTA 05 Rotação de corpos rígidos 1. A hélice de u avião gira a 1900 rev/in. (a) Calcule a velocidade

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

Física Experimental I. Impulso e quantidade de. movimento

Física Experimental I. Impulso e quantidade de. movimento Física xperimental I Impulso e quantidade de movimento SSUNTOS BORDDOS Impulso Quantidade de Movimento Teorema do Impulso Sistema Isolado de Forças Princípio da Conservação da Quantidade de Movimento Colisões

Leia mais

LISTA 04 Capítulo 09

LISTA 04 Capítulo 09 01 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201) LISTA 04 Capítulo 09 1. (3E) Quais as coordenadas

Leia mais

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Centro de Massa O centro de massa de um sistema de partículas é o ponto que se move

Leia mais

Capítulo 4 Trabalho e Energia

Capítulo 4 Trabalho e Energia Capítulo 4 Trabalho e Energia Este tema é, sem dúvidas, um dos mais importantes na Física. Na realidade, nos estudos mais avançados da Física, todo ou quase todos os problemas podem ser resolvidos através

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

joranulfo@hotmail.com http://ranulfofisica.blogspot.com/

joranulfo@hotmail.com http://ranulfofisica.blogspot.com/ 04. (UFPE 2006/Fís. 3) Dois blocos A e B, de massas m A = 0,2 kg e m B = 0,8 kg, respectivamente, estão presos por um fio, com uma mola ideal comprimida entre eles. A mola comprimida armazena 32 J de energia

Leia mais

a) o momento linear que o carrinho adquire no instante t=3 s; b) a distância percorrida pelo carrinho no terceiro intervalo de tempo.

a) o momento linear que o carrinho adquire no instante t=3 s; b) a distância percorrida pelo carrinho no terceiro intervalo de tempo. 1 - (PUC-PR-2002) Há alguns anos, noticiou-se que um avião foi obrigado a fazer um pouso de emergência em virtude de uma trinca no parabrisa causada pela colisão com uma pedra de gelo. a) o momento linear

Leia mais

As histórias de super-heróis estão sempre repletas de feitos incríveis. Um desses feitos é o salvamento, no último segundo, da mocinha que cai de uma

As histórias de super-heróis estão sempre repletas de feitos incríveis. Um desses feitos é o salvamento, no último segundo, da mocinha que cai de uma As histórias de super-heróis estão sempre repletas de feitos incríveis. Um desses feitos é o salvamento, no último segundo, da mocinha que cai de uma grande altura. Considere a situação em que a desafortunada

Leia mais

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções:

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções: FÍSICA DADOS 9 N. g = 0 k 0 = 9,0 0 s C 8 c = 3,0 0 v so = 340 /s T (K) = 73 + T( o C) s 0) d = d 0 + v 0 t + at 4) E p = gh 6) 0) v = v 0 + at 5) E c = v 03) v = 04) T= f 05) 0 PV P V = 38) T T V = k0

Leia mais

Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON

Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON Aluno (a): N Série: 1º Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 Disciplina: FÍSICA EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON 01. Explique a função do cinto de segurança de um carro, utilizando o

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais

Exercícios sobre Movimentos Verticais

Exercícios sobre Movimentos Verticais Exercícios sobre Movimentos Verticais 1-Uma pedra, deixada cair do alto de um edifício, leva 4,0 s para atingir o solo. Desprezando a resistência do ar e considerando g = 10 m/s 2, escolha a opção que

Leia mais

CORTESIA Prof. Renato Brito

CORTESIA Prof. Renato Brito INSTITUTO TECNOÓGICO DE AERONÁUTICA VESTIBUAR 987/988 PROVA DE FÍSICA 0. (ITA- 88 ) U disco gira, e torno do seu eixo, sujeito a u torque constante. Deterinando-se a velocidade angular édia entre os instante

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN NOME: TURMA: PROFESSOR: G:\2014\Pedagógico\Documentos\Exercicios\Est_Comp_Rec_Parcial\1ª Série\Física.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN NOME: TURMA: PROFESSOR: G:\2014\Pedagógico\Documentos\Exercicios\Est_Comp_Rec_Parcial\1ª Série\Física. NOME: TURMA: PROFESSOR: 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS MOVIMENTOS Movimento: Um corpo está em movimento quando a posição entre este corpo e um referencial varia com o tempo. Este é um conceito relativo, pois

Leia mais

Capítulo 8. Conservação do momento. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 8. Conservação do momento. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo 8 Conservação do momento Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Até agora consideramos o movimento de uma única partícula submetida à ação de uma força resultante. Esta descrição

Leia mais

LANÇAMENTO OBLÍQUO (PROF. VADO)

LANÇAMENTO OBLÍQUO (PROF. VADO) LANÇAMENTO OBLÍQUO (PROF. VADO) 01) PUCSP- Suponha que em uma partida de futebol, o goleiro, ao bater o tiro de meta, chuta a bola, imprimindo-lhe uma velocidade V 0 cujo vetor forma, com a horizontal,

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 32 COLISÕES REVISÃO

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 32 COLISÕES REVISÃO FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 32 COLISÕES REVISÃO Fixação 1) Duas partículas A e B, de assas A = 1,0 kg e B = 2,0 kg, ove-se inicialente sobre a esa reta, coo ilustra a figura, onde estão assinalados os sentidos

Leia mais

7] As polias indicadas na figura se movimentam em rotação uniforme, ligados por um eixo fixo.

7] As polias indicadas na figura se movimentam em rotação uniforme, ligados por um eixo fixo. Colégio Militar de Juiz de Fora Lista de Exercícios C PREP Mil Prof.: Dr. Carlos Alessandro A. Silva Cinemática: Vetores, Cinemática Vetorial, Movimento Circular e Lançamento de Projéteis. Nível I 1] Dois

Leia mais

FIS-14 Lista-09 Outubro/2013

FIS-14 Lista-09 Outubro/2013 FIS-14 Lista-09 Outubro/2013 1. Quando um projétil de 7,0 kg é disparado de um cano de canhão que tem um comprimento de 2,0 m, a força explosiva sobre o projétil, quando ele está no cano, varia da maneira

Leia mais

Exemplos de aceleração Constante 1 D

Exemplos de aceleração Constante 1 D Exemplos de aceleração Constante 1 D 1) Dada a equação de movimento de uma partícula em movimento retilíneo, s=-t 3 +3t 2 +2 obtenha: a) A velocidade média entre 1 e 4 segundos; e) A velocidade máxima;

Leia mais

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos:

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos: CINEMÁTICA ESCALAR A Física objetiva o estudo dos fenômenos físicos por meio de observação, medição e experimentação, permite aos cientistas identificar os princípios e leis que regem estes fenômenos e

Leia mais

Q = m. I t. I tem mesma direção. DINÂMICA de PARTÍCULAS Impulso, Quantidade de Movimento e Colisões. MOMENTO LINEAR: (de uma partícula)

Q = m. I t. I tem mesma direção. DINÂMICA de PARTÍCULAS Impulso, Quantidade de Movimento e Colisões. MOMENTO LINEAR: (de uma partícula) MOMENTO LINEAR: (de uma partícula) Num parque de diversões um dos brinquedos mais disputados pelos frequentadores é o autopista, também conhecido como carrinhos batebate. Quem já brincou num desses sabe

Leia mais

horizontal, se choca frontalmente contra a extremidade de uma mola ideal, cuja extremidade oposta está presa a uma parede vertical rígida.

horizontal, se choca frontalmente contra a extremidade de uma mola ideal, cuja extremidade oposta está presa a uma parede vertical rígida. Exercícios: Energia 01. (UEPI) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas das frases abaixo. O trabalho realizado por uma força conservativa, ao deslocar um corpo entre dois pontos é da

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 13:46. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 13:46. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor em Física pela Universidade Ludwig Maximilian de Munique, Alemanha Universidade Federal

Leia mais

Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo

Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo Física II Professor Alexandre De Maria Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo COMPETÊNCIA 1 Compreender as Ciências Naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas,

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

A figura a seguir representa um atleta durante um salto com vara, em três instantes distintos

A figura a seguir representa um atleta durante um salto com vara, em três instantes distintos Energia 1-Uma pequena bola de borracha, de massa 50g, é abandonada de um ponto A situado a uma altura de 5,0m e, depois de chocar-se com o solo, eleva-se verticalmente até um ponto B, situado a 3,6m. Considere

Leia mais

2 LISTA DE FÍSICA SÉRIE: 1º ANO TURMA: 2º BIMESTRE NOTA: DATA: / / 2011 PROFESSOR:

2 LISTA DE FÍSICA SÉRIE: 1º ANO TURMA: 2º BIMESTRE NOTA: DATA: / / 2011 PROFESSOR: 2 LISTA DE FÍSICA SÉRIE: 1º ANO TURMA: 2º BIMESTRE DATA: / / 2011 PROFESSOR: ALUNO(A): Nº: NOTA: Questão 1 - A cidade de São Paulo tem cerca de 23 km de raio. Numa certa madrugada, parte-se de carro, inicialmente

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C Questão 46 O movimento de uma partícula é caracterizado por ter vetor velocidade e vetor aceleração não nulo de mesma direção. Nessas condições, podemos afirmar que esse movimento é a) uniforme. b) uniformemente

Leia mais

que faz a velocidade angular de um corpo mudar. Como, então, explicar que a velocidade angular do martelo dessa Figura permanece constante?

que faz a velocidade angular de um corpo mudar. Como, então, explicar que a velocidade angular do martelo dessa Figura permanece constante? Exercícios Sears & Zeanski, Young & Freedan Física 0ª Edição Editora Pearson Capítulo 0 Torque e Moento angular QUESTÕES PAA DISCUSSÃO Q0. Ao apertar os parafusos da cabeça do otor de u autoóvel, a grandeza

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

SuperPro copyright 1994-2011 Colibri Informática Ltda.

SuperPro copyright 1994-2011 Colibri Informática Ltda. mesmo percurso. 1. (Ufpe 2005) Um submarino em combate lança um torpedo na direção de um navio ancorado. No instante do lançamento o submarino se movia com velocidade v = 14 m/s. O torpedo é lançado com

Leia mais

4 Uma força de intensidade 20 N atua em uma partícula na mesma. Resolução: τ = F d ω s θ No caso, θ = 0º e cos θ = 1 τ = F d τ = 20 3,0 (J) τ = 60 J

4 Uma força de intensidade 20 N atua em uma partícula na mesma. Resolução: τ = F d ω s θ No caso, θ = 0º e cos θ = 1 τ = F d τ = 20 3,0 (J) τ = 60 J Tópico 6 Trabalho e potência 9 Tópico 6 1 Na f igura abaixo, embora puxe a carroça com uma força horizontal de 1, 1 3 N, o burro não consegue tirá-la do lugar devido ao entrave de uma pedra: 4 Uma força

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON 1. (Pucrj 2013) Sobre uma superfície sem atrito, há um bloco de massa m 1 = 4,0 kg sobre o qual está apoiado um bloco menor de massa m 2 = 1,0 kg. Uma corda puxa o bloco menor com uma força horizontal

Leia mais

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA F Í S I C A II - DINÂMICA ALUNO: RA: 1 - OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DINÂMICA A Dinâmica é a parte da Mecânica que estuda os movimentos e as causas que os produzem ou os modificam.

Leia mais

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 9

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 9 Questão 1: a) Ache as coordenadas do centro de massa (CM) da placa homogênea OABCD indicada na figura, dividindo-a em três triângulos iguais; b) Mostre que se obtém o mesmo resultado calculando o CM do

Leia mais

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton Exercícios 6 plicações das Leis de Newton Primeira Lei de Newton: Partículas em Equilíbrio 1. Determine a intensidade e o sentido de F de modo que o ponto material esteja em equilíbrio. Resp: = 31,8 0,

Leia mais

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima Física Geral Série de problemas Unidade II Mecânica Aplicada Departamento Engenharia Marítima 2009/2010 Módulo I As Leis de movimento. I.1 Uma esfera com uma massa de 2,8 10 4 kg está pendurada no tecto

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Física Fácil prof. Erval Oliveira. Aluno:

Física Fácil prof. Erval Oliveira. Aluno: Física Fácil prof. Erval Oliveira Aluno: O termo trabalho utilizado na Física difere em significado do mesmo termo usado no cotidiano. Fisicamente, um trabalho só é realizado por forças aplicadas em corpos

Leia mais

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos ª aula Suário: licação da conservação da energia ecânica a ovientos e caos gravíticos. nergia oteial elástica. Forças não conservativas e variação da energia ecânica. licação da conservação da energia

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples.

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples. Eercícios Movimento Harmônico Simples - MHS 1.Um movimento harmônico simples é descrito pela função = 7 cos(4 t + ), em unidades de Sistema Internacional. Nesse movimento, a amplitude e o período, em unidades

Leia mais

GABARITO DO SIMULADO DISCURSIVO

GABARITO DO SIMULADO DISCURSIVO GABARITO DO SIMULADO DISCURSIVO 1. (Unifesp 013) O atleta húngaro Krisztian Pars conquistou medalha de ouro na olimpíada de Londres no lançamento de martelo. Após girar sobre si próprio, o atleta lança

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 3 Física Unidade 6. Questão 1. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Física

Atividade extra. Fascículo 3 Física Unidade 6. Questão 1. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Física Atividade extra Fascículo 3 Física Unidade 6 Questão 1 Do ponto mais alto de uma rampa, um garoto solta sua bola de gude. Durante a descida, sua energia: a. cinética diminui; b. cinética aumenta; c. cinética

Leia mais

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial.

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial. INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRGS 1 a Lista de FIS01038 Prof. Thomas Braun Vetores 1. Três vetores coplanares são expressos, em relação a um sistema de referência ortogonal, como: sendo as componentes dadas

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MECÂNICA - NOTURNO. Sejam 3 vetores a, b e c dados por.

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MECÂNICA - NOTURNO. Sejam 3 vetores a, b e c dados por. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MECÂNICA - NOTURNO Questão 1 Sejam 3 vetores a, b e c dados por a = (2, 1, 3), b = ( 1, 1, 0) e c = (0, 2, 1). Determine: a)

Leia mais

UNIDADE 10 ESTUDOS DE MECÂNICA - INÍCIO LISTA DE EXERCÍCIOS

UNIDADE 10 ESTUDOS DE MECÂNICA - INÍCIO LISTA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO À FÍSICA turma MAN 26/2 profa. Marta F. Barroso UNIDADE 1 LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE 1 ESTUDOS DE MECÂNICA - INÍCIO Exercício 1 Movendo-se com velocidade constante de 15 m/s, um trem, cujo

Leia mais

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica.

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica. Lista para a Terceira U.L. Trabalho e Energia 1) Um corpo de massa 4 kg encontra-se a uma altura de 16 m do solo. Admitindo o solo como nível de referência e supondo g = 10 m/s 2, calcular sua energia

Leia mais

Mecânica e FÍSICA Ondas

Mecânica e FÍSICA Ondas Mecânica e FÍSICA Ondas Energia e Trabalho; Princípios de conservação; Uma bala de massa m = 0.500 kg, viajando com velocidade 100 m/s atinge e fica incrustada num bloco de um pêndulo de massa M = 9.50

Leia mais

ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / SEDE:

ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / SEDE: Professor: Edney Melo ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / SEDE: 01. As pirâmides do Egito estão entre as construções mais conhecidas em todo o mundo, entre outras coisas pela incrível capacidade de engenharia

Leia mais

A Unicamp comenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES

A Unicamp comenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES A Unicap coenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES As questões de Física do Vestibular Unicap versa sobre assuntos variados do prograa (que consta do Manual do Candidato). Elas são foruladas

Leia mais

9) (UFMG/Adap.) Nesta figura, está representado um bloco de peso 20 N sendo pressionado contra a parede por uma força F.

9) (UFMG/Adap.) Nesta figura, está representado um bloco de peso 20 N sendo pressionado contra a parede por uma força F. Exercícios - Aula 6 8) (UFMG) Considere as seguintes situações: I) Um carro, subindo uma rua de forte declive, em movimento retilíneo uniforme. II) Um carro, percorrendo uma praça circular, com movimento

Leia mais

Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA

Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA 1. Procedimento de segurança, em auto-estradas, recomenda que o motorista mantenha uma distância de 2 segundos do carro que está à sua frente, para que, se necessário, tenha

Leia mais

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA Leis de Newton INTRODUÇÃO Isaac Newton foi um revolucionário na ciência. Teve grandes contribuições na Física, Astronomia, Matemática, Cálculo etc. Mas com certeza, uma das suas maiores contribuições são

Leia mais

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1 CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1. Introdução Seja u vetor à nu sistea de coordenadas (x, y, z), co os versores T,], k, de odo que - - - A = A 1 i + A 2 j + A 3 k. A derivada

Leia mais

(Desconsidere a massa do fio). SISTEMAS DE BLOCOS E FIOS PROF. BIGA. a) 275. b) 285. c) 295. d) 305. e) 315.

(Desconsidere a massa do fio). SISTEMAS DE BLOCOS E FIOS PROF. BIGA. a) 275. b) 285. c) 295. d) 305. e) 315. SISTEMAS DE BLOCOS E FIOS PROF. BIGA 1. (G1 - cftmg 01) Na figura, os blocos A e B, com massas iguais a 5 e 0 kg, respectivamente, são ligados por meio de um cordão inextensível. Desprezando-se as massas

Leia mais

LISTA UERJ 1ª FASE LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 1ª FASE LEIS DE NEWTON 1. (Uerj 2013) Um bloco de madeira encontra-se em equilíbrio sobre um plano inclinado de 45º em relação ao solo. A intensidade da força que o bloco exerce perpendicularmente ao plano inclinado é igual

Leia mais

Revisão de Física Vestibular ITA 2011

Revisão de Física Vestibular ITA 2011 Vestibular ITA 011 Questão 1 Um cilindro oco, feito de material isolante, é fechado em uma das extremidades por uma placa metálica fixa e na outra por um pistão metálico bem ajustado livre para se mover.

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

Estudaremos aqui como essa transformação pode ser entendida a partir do teorema do trabalho-energia.

Estudaremos aqui como essa transformação pode ser entendida a partir do teorema do trabalho-energia. ENERGIA POTENCIAL Uma outra forma comum de energia é a energia potencial U. Para falarmos de energia potencial, vamos pensar em dois exemplos: Um praticante de bungee-jump saltando de uma plataforma. O

Leia mais

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N Disciplina de Física Aplicada A 2012/2 Curso de Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora Ms. Valéria Espíndola Lessa DINÂMICA FORÇA: LEIS DE NEWTON A partir de agora passaremos a estudar a Dinâmica, parte

Leia mais

1 Introdução a Cinemática

1 Introdução a Cinemática 1 Introdução a Cinemática A cinemática é a parte da mecânica que estuda e descreve os movimentos, sem se preocupar com as suas causas. Seu objetivo é descrever apenas como se movem os corpos. A parte da

Leia mais

Questões do capítulo oito que nenhum aluno pode ficar sem fazer

Questões do capítulo oito que nenhum aluno pode ficar sem fazer Questões do capítulo oito que nenhum aluno pode ficar sem fazer 1) A bola de 2,0 kg é arremessada de A com velocidade inicial de 10 m/s, subindo pelo plano inclinado. Determine a distância do ponto D até

Leia mais

-----> V = 73,3V. Portanto: V2 = 73,3V e V1 = 146,6V, com isso somente L1 brilhará acima do normal e provavelmente queimará.

-----> V = 73,3V. Portanto: V2 = 73,3V e V1 = 146,6V, com isso somente L1 brilhará acima do normal e provavelmente queimará. TC 3 UECE 01 FASE POF.: Célio Normando Conteúdo: Lâmpadas Incandescentes 1. A lâmpada incandescente é um dispositivo elétrico que transforma energia elétrica em energia luminosa e energia térmica. Uma

Leia mais

Energia potencial e Conservação da Energia

Energia potencial e Conservação da Energia Energia potencial e Conservação da Energia Disciplina: Física Geral I Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: Como usar o conceito de energia potencial

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 5

Problemas de Mecânica e Ondas 5 Problemas de Mecânica e Ondas 5 P 5.1. Um automóvel com uma massa total de 1000kg (incluindo ocupantes) desloca-se com uma velocidade (módulo) de 90km/h. a) Suponha que o carro sofre uma travagem que reduz

Leia mais

Leis de Newton 2013/2014

Leis de Newton 2013/2014 Leis de Newton 2013/2014 1. (G1 - ifce 2014) Considere as afirmações sob a luz da 2ª lei de Newton. I. Quando a aceleração de um corpo é nula, a força resultante sobre ele também é nula. II. Para corpos

Leia mais

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo.

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo. (MECÂNICA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA E MECÂNICA DOS FLUIDOS) 01) Um paraquedista salta de um avião e cai livremente por uma distância vertical de 80 m, antes de abrir o paraquedas. Quando este se abre, ele passa

Leia mais

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ.

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ. Leis de Conservação Em um sistema isolado, se uma grandeza ou propriedade se mantém constante em um intervalo de tempo no qual ocorre um dado processo físico, diz-se que há conservação d a propriedade

Leia mais

INTRODUÇÃO À MECÂNICA CLÁSSICA. Folhas de Problemas

INTRODUÇÃO À MECÂNICA CLÁSSICA. Folhas de Problemas INTRODUÇÃO À MECÂNIC CLÁSSIC 2001/2002 Folhas de Probleas Paulo Sá, Maria Inês Carvalho e níbal Matos (recolha de probleas de diversas fontes) Bibliografia principal. Bedford, W. Fowler, Engineering Mechanics

Leia mais

Mais aplicações das Leis de Newton

Mais aplicações das Leis de Newton Mais aplicações das Leis de Newton Disciplina: Física Geral I Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: A natureza dos diversos tipos de força de atrito

Leia mais

Exercícios de Física Dinâmica Impulsiva

Exercícios de Física Dinâmica Impulsiva Exercícios de Física Dinâmica Impulsiva 1-Um corpo de peso igual a 100 N é lançado verticalmente para cima, atingindo a altura máxima em 1,0 s. O impulso aplicado a esse corpo pela força da gravidade,

Leia mais

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR TC 3 UECE - 03 FASE MEICINA e EGULA SEMANA 0 a 5 de dezembro POF.: Célio Normando. A figura a seguir mostra um escorregador na forma de um semicírculo de raio = 5,0 m. Um garoto escorrega do topo (ponto

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3.º

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3.º ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3.º teste sumativo de FQA 16.dezembro.01 11.º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 8 páginas e termina

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, IST 2 - Pro. Jason Gallas, IF UFRGS 2 de Dezebro de 200, às 13:08 Exercícios Resolvidos de Dinâica Clássica Jason lredo Carlson Gallas, proessor titular de ísica teórica, Doutor e Física pela Universidade

Leia mais

Exemplo E.3.1. Exemplo E.3.2.

Exemplo E.3.1. Exemplo E.3.2. Exeplo E.1.1. O bloco de 600 kn desliza sobre rodas nu plano horizontal e está ligado ao bloco de 100 kn por u cabo que passa no sistea de roldanas indicado na figura. O sistea parte do repouso e, depois

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Uece 2014) Considere uma esfera metálica em queda livre sob a ação somente da força peso. Sobre o módulo do momento linear desse corpo, pode-se afirmar corretamente que a) aumenta durante a queda.

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

Roteiro de estudo Recuperação Final. Física. Professor Geraldo Barbosa

Roteiro de estudo Recuperação Final. Física. Professor Geraldo Barbosa Roteiro de estudo Recuperação Final Física Professor Geraldo Barbosa 1 Ano Assuntos: 1. Vetores Lista 01 1 Bimestre 2. Leis de Newton Lista 02 1 Bimestre 3. Força de atrito Lista 03 2 Bimestre 4. Plano

Leia mais

Lista de Exercícios de Física

Lista de Exercícios de Física Lista de Exercícios de Física Assunto: Dinâmica do Movimento Circular, Trabalho e Potência Prof. Allan 1- Um estudante, indo para a faculdade, em seu carro, desloca-se num plano horizontal, no qual descreve

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

NTD DE FÍSICA 1 a SÉRIE ENSINO MÉDIO ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / /

NTD DE FÍSICA 1 a SÉRIE ENSINO MÉDIO ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / NTD DE FÍSICA 1 a SÉRIE ENSINO MÉDIO Professor: Rodrigo Lins ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: 1) Na situação esquematizada na f igura, a mesa é plana, horizontal e perfeitamente polida. A

Leia mais