ANALISTA EM A ANALIST SSUNTOS SOCIAIS I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANALISTA EM A ANALIST SSUNTOS SOCIAIS I"

Transcrição

1 ASSISTENTE SOCIAL

2 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo. 24 abr. 2007, p. E5. Ilustrada. QUESTÃO 01 Nos quadrinhos, pode-se interpretar da criação do 13º trabalho de Hércules que (A) o esforço físico do herói foi proporcional ao seu esforço intelectual. (B) o trabalho burocrático também requer um esforço de herói. (C) os heróis gregos despendiam mais energia que os trabalhadores atuais. (D) os gregos atribuíam ao trabalho burocrático um caráter divino. QUESTÃO 02 Na seqüência dos quadrinhos, o efeito de humor é construído com o auxílio da (A) metáfora. (B) ironia. (C) polissemia. (D) intertextualidade. Leia o texto para responder às questões de 03 a 07. Simplicidade é a norma Grande parte dos produtos de sucesso no setor de eletrônicos [...] compartilha uma característica: a facilidade de uso. Design e desempenho continuam a ser trunfos importantes para atrair o consumidor, mas o plug and play ou seja, o aparelho que entra em funcionamento assim que é ligado na tomada e se aperta o botão liga é um argumento de venda mais poderoso do que nunca. Muito mais que oferecer as tecnologias de ponta ou os aparelhos mais sofisticados, toda a indústria deve facilitar a vida de quem usa tais tecnologias, diz Flávio Gomes, diretor-geral da divisão de fotografia da K. para a América Latina. A área em que Gomes trabalha é um bom exemplo das virtudes da simplicidade. No século XIX, o francês Louis-Jacques Daguerre inventou um processo de fixação de imagens, o daguerreótipo, precursor da fotografia moderna. Mas ela só se popularizou meio século depois, quando o americano George Eastman criou um processo simples de tirar e revelar fotos, o rolo de filme, que prevaleceu até o surgimento da fotografia digital, há uma década. Hoje as máquinas digitais são cheias de recursos, mas as mais populares são as que simplificam a transferência das fotos para o computador e a impressão. Nem tudo é tão fácil no mundo digital prova disso é a variedade de formatos de arquivos de áudio e de vídeo, capaz de confundir o mais bem informado consumidor, mas cada vez mais eletrônicos lidam com esses padrões diferentes sem a necessidade de intervenção do usuário. VEJA, São Paulo: Abril, no. 52, nov. 2005, p. 50. Edição Especial. QUESTÃO 03 A aplicação da norma da simplicidade ao mundo da alta tecnologia é justificada pela (A) dificuldade de acesso das pessoas às novas tecnologias. (B) satisfação de necessidades imediatas dos consumidores. (C) alta popularidade alcançada pelas máquinas fotográficas digitais. (D) adaptação dos eletrônicos aos diferentes formatos de arquivos. QUESTÃO 04 Na organização do texto, a progressão das idéias se realiza segundo o esquema (A) geral / particular / geral. (B) facilidade / dificuldade. (C) causa / conseqüência. (D) exemplo / citação / conjectura. LÍNGUA PORTUGUESA

3 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 QUESTÃO 05 A fala de Flávio Gomes referenda os argumentos do autor do texto, pois (A) prevê uma nova realidade no mundo da tecnologia de ponta. (B) inibe a produção de aparelhos plug and play pela indústria tecnológica. (C) traduz a autoridade proveniente de sua atividade profissional. (D) pressupõe o lucro como o interesse principal da indústria. QUESTÃO 06 No texto, um contra-argumento à tendência do mundo tecnológico para a busca da simplicidade é: (A) O surgimento de máquinas digitais cheias de recursos. (B) A existência de vários formatos de arquivos de áudio e vídeo. (C) A invenção do rolo fotográfico pelo americano George Eastman. (D) O fato de design e desempenho serem grandes trunfos para vender produtos. QUESTÃO 07 Na constituição do nome plug and play observa-se uma estratégia metonímica, mostrada na relação de proximidade entre (A) o inventor do aparelho e o aparelho inventado. (B) o mundo tecnológico e os recursos digitais. (C) as ações do usuário e o modo de funcionamento do aparelho. (D) as funções do aparelho e a conquista do público consumidor. Leia o texto a seguir para responder às questões de 08 a 10. Conde Empreiteira de Mãos Obra Ltda Av: Santos Dumont telefax: Londrina - Pr. CGC/MF / Prezado Sr (a) Síndico (a) 1 Venho por esta vos comunicar-lhe que nossa empresa é especializada, em serviços de pinturas de edifícios, residências, salas comerciais, com finíssimo acabamento. 2 Nossos funcionários são todos profissionais treinados em suas funções, com seguro de vida, para oferecerlhes á nossos clientes, proficionalismo, segurança de quem tem 10 anos de tradição em pinturas. 3 Nos garantimos nossos serviços prestados aos nossos clientes por um período de 05 anos. 4 Responsabilizaremos pelas obrigações trabalhista e fiscais, de modo em que nosso pessoal que prestará os serviços de mão-de-obra, sob seu comando. 5 A responsabilidade civil, trabalhista e penas de danos pessoais, acidentes de trabalho, serão por conta de nossa empresa prestadora de serviços. 6 Faremos seu orçamento sem compromisso 7 Consulte-nos pelo fone (043) falar com Sr. Marcelino. Conde Empreiteira de Mão de Obra LTDA LOPES, H. V. et al. Língua portuguesa. São Paulo: Editora do Brasil, p QUESTÃO 08 No primeiro parágrafo, a redundância no uso pronominal tem por conseqüência (A) estabelecimento inadequado do interlocutor. (B) informações limitadas a respeito das especialidades da empresa. (C) incoerência entre os objetivos da carta e o conteúdo comunicado. (D) ocultação do referente sujeito na frase inicial. QUESTÃO 09 Os argumentos usados para convencer o síndico a aderir aos serviços da empreiteira (A) são recorrentes em gêneros textuais oficiais. (B) são apropriados aos fins a que a carta se destina. (C) prejudicam a composição da imagem da empresa. (D) desconsideram o tipo de cliente visado. QUESTÃO 10 No segundo parágrafo, entre os vários problemas de desvio das normas da escrita, pode-se apontar como prejudicial à conexão sintática: (A) A grafia errada da palavra profissionalismo. (B) A utilização imprópria da crase. (C) O tempo de experiência expresso em numeral. (D) O uso incorreto da vírgula. LÍNGUA PORTUGUESA

4 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 Para responder às questões 11 e 12, leia o texto que segue. Para mim brincar Nada mais gostoso do que mim sujeito de verbo no infinitivo. Pra mim brincar. As cariocas que não sabem gramática falam assim. Todos os brasileiros deviam falar como as cariocas que não sabem gramática. As palavras mais feias da língua portuguesa são quiçá, alhures e amiúde. BANDEIRA, M. Seleta em prosa e verso. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, p. 19. QUESTÃO 11 Segundo o texto, a beleza das palavras está em pertencerem (A) à fala coloquial. (B) ao dialeto carioca. (C) às mulheres. (D) aos brasileiros. QUESTÃO 13 Segundo o texto, o que contraria as suposições da avó de Gilberto Freyre? (A) A máxima de que toda regra tem exceções. (B) A demora do menino em aprender a escrever. (C) A precocidade e a qualidade da formação do neto. (D) A morte da avó quando ele ainda era menino. QUESTÃO 14 Infradotado faz parte de um grupo semântico diferente da palavra (A) infrator. (B) infra-assinado. (C) infranasal. (D) infra-som. QUESTÃO 15 QUESTÃO 12 Qual regra da gramática normativa as pessoas contrariam quando dizem pra mim brincar? (A) Verbos no infinitivo não exigem sujeito. (B) Pronomes oblíquos exercem função de objeto. (C) Advérbios podem se comportar como preposição. (D) Pronomes átonos dispensam preposição. Leia o texto para responder as questões 13 e 14. A preocupação da avó de Freyre As avós, com as exceções de toda regra, torcem pelo sucesso dos netos. E se preocupam muito se eles têm alguma dificuldade. A avó paterna do sociólogo Gilberto Freyre ( ) morreu quando ele tinha nove anos, muito preocupada porque ele estava demorando a aprender a escrever. Supunha ela, até, que o neto fosse infradotado, quando depois da morte dela se constatou que, pelo contrário, ele era superdotado. Pois, aos 14 anos, o pernambucano Gilberto Freyre não apenas escrevia muito bem em seu idioma, como ensinava inglês, e, antes de fazer 18 anos, ensinaria também francês e sabia grego. Bacharelou-se em ciências e letras aos 16 anos, aos 18 anos foi estudar nos Estados Unidos, diplomando-se em sociologia na Universidade de Baylor, no Texas. Entre suas amizades da juventude, incluíam-se os poetas Willian Yeats e Rabindranath Tagore. O POPULAR, Goiânia, 5 mai p. 12. Política. Disponível em: Acesso em: 6 abr O cartum traz uma crítica à bioengenharia, pois questiona (A) a cientificidade dos métodos usados nas experiências com células humanas. (B) a aplicação dos recursos financeiros de incentivo às pesquisas em genética. (C) o uso de crianças como cobaias em experiências com células-tronco. (D) a interferência de suas descobertas no desenvolvimento natural da espécie humana. LÍNGUA PORTUGUESA

5 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 16 Compreender e identificar estratégias de enfrentamento da chamada questão social, na defesa dos direitos humanos e sociais, constitui o principal desafio para os profissionais de serviço social. Sendo assim, a questão social pode ser definida como (A) inexistência dos direitos de cidadania para todas as pessoas, característica típica da sociedade capitalista, e a negligência histórica do Estado em dar respostas a essa questão por meio das políticas sociais. (B) ações, projetos e programas de várias políticas sociais, como saúde, habitação, assistência social e outras, que buscam garantir os direitos da população e são operacionalizadas, em sua maioria, por assistentes sociais. (C) conjunto das expressões das desigualdades sociais, engendradas na sociedade capitalista madura, materializadas nas disparidades econômicas, políticas e culturais das classes sociais, mediatizadas por relações de gênero, características étnico-raciais e formações regionais. (D) planejamento de ações e programas que visam ao enfrentamento da pobreza de grande parte da população brasileira, buscando sua integração no mercado de trabalho e outras condições que garantam seus direitos e sua cidadania. QUESTÃO 17 Na sociedade capitalista, a gênese da questão social (A) é determinada pelo traço próprio e peculiar da relação capital/trabalho a exploração com uma acumulação da miséria relativa à acumulação do capital. (B) constitui um elemento próprio da sociedade burguesa, onde a exclusão social, a pobreza e a subalternidade são situações geradas pelo grau de esforço e capacidade da população. (C) é expressa a partir da institucionalização do serviço social como profissão, do processo de industrialização e da constituição da classe trabalhadora assalariada, nos grandes centros urbanos. (D) é fruto do fracasso do Welfare State com a junção da globalização e do neoliberalismo, que coloca uma grande parcela da população em situação de desemprego, insegurança social e empobrecimento. RASCUNHO QUESTÃO 18 O atual Código de Ética do assistente social - Resolução CFESS nº 273/93 - foi definido (A) pela diretoria do Conselho Federal de Serviço Social, após ampla discussão com a categoria e com os usuários do Serviço Social, em eventos específicos. (B) por meio de um processo de debates em âmbito nacional, envolvendo as entidades da categoria e referendado no Encontro Nacional do conjunto CFESS/CRESS. (C) pelo Congresso Nacional e depois regulamentado pelo Conselho Federal de Serviço Social, após a- preciação da categoria em Encontro específico. (D) pelo presidente da república, a partir da proposta elaborada pelo CFESS e aprovada no Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais. QUESTÃO 19 No processo de renovação profissional do serviço social, relacionado à dinâmica da sociedade brasileira e aos avanços das lutas democráticas, o atual Código de Ética dos assistentes sociais representa (A) a negação do Código de 1986, que expressava a concepção de neutralidade e o conservadorismo profissional. (B) a reafirmação dos valores do código anterior com ênfase nos interesses corporativos da profissão. (C) a luta pela valorização da categoria, articulando-se ao movimento social e sindical para ampliar as conquistas dos trabalhadores. (D) a ampliação das conquistas ético-políticas do Código de 1986, recolocando-as em novos patamares e vinculando-as a um projeto social democrático. QUESTÃO 20 Os valores e princípios éticos, transformados em normas de ação no Código de Ética em vigor, instrumento objetivo de fiscalização da prática profissional do assistente social, visam principalmente (A) à defesa dos direitos dos usuários, indicando a instrumentalidade técnico-operativa do serviço social, com vistas ao fortalecimento da participação e do controle social. (B) ao controle da qualidade dos serviços prestados, tendo em vista a realização dos interesses e necessidades dos usuários, entendidos como trabalhadores e cidadãos. (C) à preservação dos interesses dos profissionais, estimulando sua organização e luta por melhores condições de trabalho. (D) à punição do profissional que não cumprir os princípios do código, não manter em dia a anuidade do conselho, impedindo-o do exercício profissional.

6 QUESTÃO 21 O Código de Ética em vigor indica quais são os valores éticos e políticos fundantes do projeto profissional consolidado historicamente pelo Serviço Social: a liberdade e a justiça social. Esse projeto tem como pressupostos a (A) participação e a representação. (B) pobreza e a exclusão social. (C) cidadania e as políticas sociais. (D) eqüidade e a democracia. QUESTÃO 22 A reforma do Estado no Brasil dos anos 90, desencadeada a partir das pressões para a adaptação do país à dinâmica internacional do capitalismo contemporâneo, sob a égide do ideário neoliberal, engendra uma visibilidade nova para a filantropia e congêneres, no âmbito das políticas sociais. A principal característica dessa direção política dada ao Estado Brasileiro pode ser identificada como (A) o fortalecimento das políticas sociais com a efetivação da primazia da responsabilidade do Estado para com os deveres de cidadania, reforçados pela conquista de mecanismos de controle social como os conselhos e conferências. (B) a privatização, a terceirização e a publicização das políticas sociais, com ênfase na descentralização, regionalização e hierarquização dos serviços, a fim de que o Estado e o terceiro setor possam trabalhar para melhorar a realidade brasileira. (C) a implementação de um novo projeto de intervenção sobre as múltiplas expressões da questão social, no qual o chamado terceiro setor assume maiores responsabilidades, no mesmo passo em que o Estado repassa seus deveres, sob a pressão do ajuste fiscal. (D) a descentralização das políticas sociais, com definição de papéis entre os três entes federados, cofinanciamento e participação democrática da sociedade civil, apesar da focalização e seletividade dos serviços. QUESTÃO 24 Alguns dos mecanismos que configuram a viabilidade institucional das práticas da democracia participativa são os conselhos. No Brasil, a institucionalização dos conselhos gestores de políticas públicas teve como marco legal a Constituição de Esses Conselhos constituem importante conquista enquanto espaço público, podendo ser compreendidos como (A) espaços de exercício do poder popular, legitimados por processos políticos comprometidos com a construção e a gestão democrática das políticas públicas. (B) instâncias que buscam (re)significar a idéia da partilha do poder, sob o ponto de vista da parceria público-privado para a gestão das políticas públicas. (C) arenas de negociação entre disputas políticas diversificadas, podendo representar tanto o compromisso com a construção e gestão democrática das políticas públicas, como reafirmar e reproduzir antigas práticas herdeiras do fisiologismo. (D) fóruns de discussão, controle, avaliação e planejamento das políticas públicas, composto por representantes do governo e da sociedade civil, com caráter exclusivamente consultivo. QUESTÃO 25 A Lei Orgânica da Assistência Social - LOAS, com mais de 13 anos de aprovação, encontra-se ainda em processo de efetivação. Nesse sentido, foi aprovada em 2004 uma Política Nacional de Assistência Social que traz a proposta de (A) construção de um Sistema Único da Assistência Social (SUAS) em todos os municípios brasileiros. (B) implementação dos artigos relativos ao Benefício de Prestação Continuada - BPC, previsto na Lei Orgânica da Assistência Social - LOAS. (C) superação da LOAS e a necessidade de novas definições no campo da política pública de assistência social. (D) integração da Assistência Social no conjunto das políticas que compõem a Seguridade Social brasileira. QUESTÃO 23 A partir dos anos 1990, o ideário neoliberal faz prevalecer no campo das políticas sociais brasileiras, principalmente, o trinômio: (A) privatização, focalização e descentralização. (B) universalização, estatização e federalização. (C) participação, democratização e universalização. (D) descentralização, hierarquização e regionalização. QUESTÃO 26 O Fórum Nacional de Assistência Social, de acordo com sua Carta de Princípios divulgada na Revista Serviço Social e Sociedade, norteia-se, dentre outros, pelo seguinte princípio: (A) defesa da contratação de mais assistentes sociais para efetivar os serviços relativos a essa política. (B) autonomia do terceiro setor na definição de seus serviços e projetos financiados pelos Fundos de Assistência Social. (C) implementação da co-responsabilidade paritária entre governo e entidades da sociedade civil, no enfrentamento das questões sociais. (D) fomento da efetiva participação dos usuários nas definições e no controle social dessa política pública.

7 QUESTÃO 27 A Resolução do Conselho Federal de Serviço Social nº 493/2006, de 21 de agosto de 2006, que dispõe sobre as condições do exercício profissional, tem por objetivo (A) assegurar melhoria salarial para a categoria, com fixação de piso e data-base, bem como a definição de honorários a serem aplicados em todo o país, preservando a autonomia dos Conselhos Regionais para considerar sua realidade local. (B) definir o espaço de atuação próprio do assistente social, considerando sua relação com outras áreas, na perspectiva da interdisciplinaridade e a prevalência de uma hierarquização entre as profissões nas diversas políticas públicas. (C) garantir as condições éticas, técnicas e físicas, para que o exercício da profissão do assistente social se realize de forma qualificada, em respeito aos usuários e aos princípios éticos que norteiam a profissão. (D) ampliar o mercado de trabalho para o assistente social, dado o aprofundamento da crise social, política e econômica porque passa o país e da necessidade de mais políticas públicas para dar respostas às demandas da população. QUESTÃO 28 Constitui um dos princípios fundamentais do Código de Ética do Assistente Social: (A) consolidação das políticas sociais como forma de ampliar a cidadania e garantir a democracia. (B) defesa do aprofundamento da democracia, enquanto socialização da participação política e da riqueza socialmente produzida. (C) erradicação da pobreza e de toda forma de exclusão social e/ou discriminação relacionada à condição de classe, a gênero, religião e outros. (D) respeito entre os profissionais, tanto do serviço social quanto de outras áreas, a fim de melhor atender a população. QUESTÃO 29 De acordo com o Código de Ética do Assistente Social constitui dever desse profissional: (A) abster-se, no exercício da profissão, de práticas que caracterizem a censura, o cerceamento da liberdade, o policiamento dos comportamentos, denunciando sua ocorrência aos órgãos competentes. (B) transgredir qualquer preceito desse Código, bem como da Lei de Regulamentação da Profissão, quando se tratar de interesse da população em matéria do serviço social. (C) fazer inquéritos sociais com a finalidade de subsidiar intervenções de outras áreas profissionais. (D) comunicar óbitos e providenciar sepultamentos quando se tratar de população carente. QUESTÃO 30 Segundo o Código de Ética próprio, no que se refere às relações com as instituições empregadoras e outras, o Assistente Social deve (A) tratar com imparcialidade todas as situações encaminhadas ao serviço social, a fim de garantir uma postura ética e justa. (B) integrar comissões interdisciplinares, de acordo com interesses e objetivos definidos pela instituição empregadora. (C) exercer sua autoridade de maneira a impedir o a- cesso às informações sobre os usuários, por outros profissionais, sobretudo de área distinta. (D) empenhar-se na viabilização dos direitos sociais dos usuários, por meio dos programas e políticas sociais. QUESTÃO 31 Uma profissão surge quando ela se torna socialmente necessária e as práticas profissionais gestam-se no labor cotidiano. Assim, o Serviço Social como profissão (A) tem origem na assistência prestada aos pobres, por mulheres piedosas, alguns séculos atrás. É fruto da união da cidade com a indústria, no âmbito do sistema capitalista. (B) apresentava como objetivos originários a imposição da paz política, por meio da benevolência, tendo a igreja e a polícia como aliados e, como método de intervenção, o aconselhamento. (C) construiu seus princípios em 1869 com a criação da sociedade de organização da caridade, em Londres, que trabalhava com os desocupados. (D) institucionalizou-se em 1936, com a criação da Legião Brasileira de Assistência Social - LBA, voltada para a organização das instituições de caridade. QUESTÃO 32 A primeira instituição pública importante, criada por decreto-lei, na área da assistência social no Brasil, foi (A) a Secretaria Nacional do Bem-Estar Social, em (B) o Ministério da Previdência e Assistência Social, em (C) a Legião Brasileira de Assistência, em (D) o Conselho Nacional de Serviço Social, em RASCUNHO

8 QUESTÃO 33 A IV Conferência Nacional de Assistência Social, realizada em dezembro/2003, em Brasília/DF, apontou como principal deliberação a construção e a implementação do Sistema Único da Assistência Social - SUAS. Esse sistema (A) propõe um novo modelo de assistência social para o país, bastante mais avançado que a LOAS, e é regulamentado por lei própria, onde são descritos seus princípios e diretrizes específicos. (B) dá continuidade ao inaugurado pela Constituição de 1988 e materializa o conteúdo da LOAS/1993, para cumprir seus princípios, diretrizes e objetivos, buscando resultados que consagrem direitos de cidadania e inclusão social. (C) reformula a política de assistência social no País, mudando seus conteúdos, financiamento e formas de controle social, bem como as bases da relação público-privado, criando instâncias de gerenciamento e avaliação. (D) fortalece o serviço social, pois abre um amplo mercado de trabalho para a categoria e reconhece o assistente social como o principal profissional, na divisão do trabalho, capaz de operacionalizá-la com qualidade. QUESTÃO 34 A intervenção do assistente social no campo sociojurídico concretiza-se no sentido de trazer à tona a dimensão de totalidade do sujeito social por meio de diversos instrumentos. Entre esses instrumentos, destaca-se o relatório social que (A) se traduz na apresentação descritiva e interpretativa de uma situação ou expressão da questão social e que, no sistema judiciário, é requisitado para informar, esclarecer, subsidiar e documentar um auto processual. (B) tem por finalidade conhecer com profundidade, e de forma crítica, uma determinada situação ou expressão da questão social, objeto da intervenção profissional. (C) diz respeito a avaliação, exame ou vistoria, solicitados sempre que a situação exigir um parecer técnico ou cientifico de uma determinada área do conhecimento, que contribua para o juiz formar a sua convicção para a tomada de decisão. (D) é utilizado no meio judiciário como mais um elemento de "prova" com a finalidade de dar suporte à decisão judicial, a partir de uma determinada área do conhecimento. RASCUNHO QUESTÃO 35 O crescente domínio do mercado nos processos econômicos e sociais, a partir do final dos anos 70, desencadeou novas formas de expressão da questão social que se concretizam (A) nas intervenções públicas que vão desde a assistência aos indigentes à regulação estatal da organização do trabalho e da mobilidade espacial dos trabalhadores. (B) no surgimento de um novo tipo de regulação social que se rege pelo estatuto do direito do cidadão e do dever do Estado. (C) no desmonte da cidadania social e no abalo da utopia de construção de uma sociedade livre de incertezas e desamparos sociais. (D) no estabelecimento de um mínimo nacional de proteção social pública como direito básico e como investimento em recursos humanos. QUESTÃO 36 A proteção social prevista no SUAS consiste no conjunto de ações, cuidados, atenções, benefícios e auxílios ofertados e tem por direção o desenvolvimento humano e social e, por garantia, a segurança (A) contra a violência individual e coletiva. (B) social de renda. (C) da redução de danos. (D) do exercício do controle social. QUESTÃO 37 As crianças e os adolescentes são submetidos cotidianamente a situações constrangedoras e vexatórias. Conforme a Lei nº 8.069, constitui crime submeter criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento. Para os que cometerem esse crime está prevista pena de (A) detenção de seis meses a dois anos. (B) detenção de dois a seis meses ou multa. (C) reclusão de dois a seis anos. (D) reclusão de um a cinco anos. QUESTÃO 38 A Lei Orgânica da Assistência Social estabelece que a assistência social, direito do cidadão e dever do Estado, tem entre seus objetivos (A) ser uma política contributiva realizada por meio de um conjunto de ações de iniciativa pública e privada. (B) garantir a oferta de salário mensal como auxílio à alimentação para os incapacitados para o trabalho. (C) proteger a família, a maternidade, a infância, a adolescência e a velhice. (D) respeitar a dignidade da pessoa, a sua autonomia e o seu direito a benefícios e serviços.

9 QUESTÃO 39 Os valores e princípios ético-políticos radicalmente humanos do projeto hegemônico do Serviço Social, iniciado na transição das décadas de 1980 e 1990 e presente nos dias atuais, sofrem uma ameaça real na chamada cultura do neoliberalismo, pois a ofensiva neoliberal promove (A) a liquidação dos direitos sociais, a privatização do Estado, o sucateamento dos serviços públicos e a implementação de uma política macroeconômica lesiva à maioria. (B) as condições para que toda a população tenha a- cesso a bens e serviços, dispensando a intervenção do Assistente Social. (C) a justiça social à medida em que muda o arcabouço legal, estabelecendo condições de autonomia para os cidadãos. (D) a liberdade do cidadão, criando mecanismos de intervenção estatal burocrática no cotidiano da população, para diminuir desigualdades sociais. QUESTÃO 40 A política de atendimento dos direitos da criança e do adolescente far-se-á por um conjunto articulado de ações governamentais e não-governamentais, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. É uma das diretrizes da política de atendimento: (A) criação de políticas e programas de assistência social, em caráter supletivo, para aqueles que deles necessitem. (B) organização de proteção jurídico-social por entidades de defesa dos direitos da criança e do adolescente. (C) mobilização da opinião pública no sentido da indispensável participação dos diversos segmentos da sociedade. (D) criação de serviços especiais de prevenção e atendimento médico e psicossocial às vítimas de negligência, maus tratos e abuso. QUESTÃO 41 No SUAS, há entre seus princípios a efetivação de um sistema democrático e participativo de gestão e de controle social por meio de diversos mecanismos. Dentre esses mecanismos, destacam-se os (A) Conselhos e Conferências, paritários, em todas as esferas de governo, compostos por 50% de usuários, 25% de agentes operadores do sistema e 25% de gestores do sistema. (B) Conselhos paritários e Conferências realizadas conforme a necessidade definida em plenário do Conselho Nacional de Assistência Social. (C) Conselhos paritários de monitoramento de direitos fundamentais, eleitos por voto direto, com composição definida em legislação específica em cada esfera de Governo. (D) Conselhos e Conferências de Assistência Social realizadas a cada biênio, organizadas e sustentadas pela respectiva esfera de governo. QUESTÃO 42 Erguer os pilares sustentadores da política de assistência social como pública passa, necessariamente, por diversas mudanças. Dentre essas mudanças, destaca-se a seguinte: (A) romper com os núcleos institucionais das relações elitistas, das primeiras-damas, do nepotismo e com a diversidade de nomes fantasias, unificando a nomenclatura. (B) conquistar novo status para a assistência social, excluindo-a do conjunto da Seguridade Social, para dar a ela a mesma importância e grau de autonomia que as demais. (C) mudar o paradigma da relação de parceria, com instauração de rede/sistema onde o público deve assumir um caráter complementar aos serviços privados. (D) buscar a retomada do poder e responsabilidade nacional no pacto federativo, pois a municipalização acabou por fragilizar a execução da Loas. QUESTÃO 43 As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o Sistema Único de Saúde - SUS são desenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas no artigo 198 da Constituição Federal, obedecendo, ainda, ao princípio da (A) participação, no âmbito da competência do SUS, em estudos, pesquisas, avaliação e controle dos riscos e agravos potenciais à saúde existentes no processo de trabalho. (B) integralidade da assistência, entendida como um conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema. (C) descentralização administrativa, preservada a autonomia dos estados e municípios para o estabelecimento das formas de comando em cada esfera. (D) supremacia do atendimento às necessidades humanas sobre as exigências de identificação jurídicosocial, sem discriminação de qualquer espécie. QUESTÃO 44 Os Conselhos Gestores de políticas públicas têm o papel de instrumento mediador na relação sociedade/estado e estão inscritos na Constituição de 1988 e em outras leis do país na qualidade de instrumentos de expressão, representação e participação da população. Conforme a Lei federal 8.742/1993, (A) Conselhos de Assistência Social são instâncias deliberativas do sistema descentralizado e participativo de assistência social, de caráter permanente e composição paritária entre governo e sociedade civil. (B) Conselho de Saúde, em caráter permanente e deliberativo, é órgão Colegiado composto por 50% de usuários, 25% de profissionais de saúde e 25% de gestores e prestadores de serviço. (C) Conselho dos Direitos da Criança é o órgão permanente e autônomo encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente, definidos em lei. (D) Conselho do Idoso tem competência para promover a revogação de instrumento procuratório do idoso, quando necessário ou o interesse da pessoa idosa justificar.

10 QUESTÃO 45 Participação é uma das palavras mais utilizadas no vocabulário político, científico e popular da modernidade. Na concepção democrático-radical, a participação (A) é orientada para a satisfação das necessidades individuais por meio do fortalecimento da sociedade civil em termos de integração dos órgãos representativos da sociedade aos órgãos deliberativos e administrativos do Estado. (B) objetiva o fortalecimento da sociedade civil para evitar as ingerências do Estado, seu controle, tirania e interferência na vida dos indivíduos. (C) é orientada para a integração e o controle social da sociedade e da política e por programas que visam a diluir os conflitos sociais. (D) objetiva fortalecer a sociedade civil para a construção de caminhos que apontem para uma nova realidade social, sem injustiças, exclusões, desigualdades e discriminações. QUESTÃO 46 O SUAS comporta quatro tipos de gestão: dos Municípios, do Distrito Federal, dos Estados e da União. Os Municípios podem ser classificados, quanto ao nível, gestão (A) inicial, na qual o município deve responsabilizar-se pela oferta de programas, projetos e serviços socioassistenciais que fortaleçam vínculos familiares e comunitários. (B) plena, na qual o município deve responsabilizar-se por organizar a proteção social básica e especial em seu município, prevenir situações de risco e proteger as situações de violação de direitos. (C) semiplena, na qual o município deve responsabilizarse por comunicar e manter atualizadas as bases de dados dos subsistemas e aplicativos da REDE SUAS, componentes do Sistema Nacional de Informação. (D) compartilhada, na qual o município deve responsabilizar-se por instalar e coordenar o sistema regional de monitoramento e avaliação e estabelecer indicadores de todas as ações de Assistência Social. QUESTÃO 47 Na perspectiva da avaliação, as políticas sociais públicas são (A) formas de prestar serviços sociais públicos para as pessoas em situação de pobreza, miséria e/ou exclusão social a fim de promover sua cidadania e contribuir com a redução da desigualdade social. (B) o atendimento de todas as necessidades humanas relativas à saúde, previdência, assistência social, cultura, ao esporte/lazer, à habitação, ao meio ambiente e outras, por meio de ações do governo ou da sociedade civil. (C) o planejamento de todas as ações do governo ou do terceiro setor no campo dos direitos sociais da população, por meio de amplo debate e participação da sociedade por intermédio dos conselhos gestores e de fóruns de políticas públicas. (D) decisões governamentais que geram impacto tangível e mensurável ou substantivo, alterando as condições de vida ou produzindo mudanças em atitudes, comportamentos e opiniões em um grupo ou população. QUESTÃO 48 As pesquisas avaliativas têm se voltado para a verificação do cumprimento de objetivos ou de impactos, tendo como critérios a eficiência, a eficácia e a efetividade. A efetividade é (A) a relação entre os custos despendidos e os resultados do programa. (B) a relação entre resultados e objetivos (medida de impacto). (C) o grau em que os objetivos e metas foram alcançados num determinado período. (D) a continuidade da avaliação, mesmo depois de encerrar as atividades do programa. QUESTÃO 49 A elaboração de planos, programas e projetos sociais passa por uma programação, ou seja, um processo de organização e racionalidade das ações de uma proposta, visando a alcançar seus objetivos e metas. Nesse processo, a avaliação sistemática consiste (A) na constante discussão com a população sobre suas demandas, suas necessidades, a fim de que sejam, gradativamente, incorporadas aos planos programas e projetos do governo. (B) na inclusão gradativa de uma agenda de discussão com os segmentos organizados da sociedade, a fim de que novas propostas sejam encaminhadas ao governo, com base nas opiniões sobre os serviços prestados. (C) no ato de verificar e, sobretudo, de julgar essa racionalidade pela identificação de objetivos, metas, resultados e impactos, podendo ocorrer antes, durante e depois da implementação do trabalho. (D) no constante debate entre os profissionais envolvidos, de todas as áreas afins, sobre dados levantados por meio de questionários, entrevistas, reuniões, visitas domiciliares e outros para produção de relatórios. QUESTÃO 50 Estabelecer ao usuário o poder de ter direitos foi um dos apontamentos da IV Conferência Nacional de Assistência Social, considerando que essa política pública tem como conteúdo básico dois grupos de direitos, a saber: (A) direito ao programa bolsa família e direito ao trabalho. (B) direito à porta de entrada e de saída no sistema. (C) direito aos benefícios eventuais e ao Benefício de Prestação Continuada. (D) direito à subsistência e direito à proteção social básica e especial.

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ASSISTENTE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2007 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo.

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

ANALISTA EM CUL ANALIST TURA A EM CUL E DESPORTOS I

ANALISTA EM CUL ANALIST TURA A EM CUL E DESPORTOS I PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo. 24 abr. 2007,

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR).

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR). PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 6 o, 13, 14, 15, 16, 17, 20, 22 e

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS Janice Merigo Docente UNISUL Assistente Social FECAM social@fecam.org.br POLÍTICA SOCIAL Ações coletiva que concretiza direitos

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica.

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica. ASSISTENTE SOCIAL 01. Considerando que o Serviço Social foi introduzido no Brasil nos anos 30, é correto afirmar que a primeira escola de Serviço Social, criada em 1963, no seu inicio sofreu forte influência:

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br. Escola de Governo Novembro/15

Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br. Escola de Governo Novembro/15 Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br Escola de Governo Novembro/15 AÇÃO SOCIAL COM FORTE ATUAÇÃO DA IGREJA ENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE CIVIL AUSÊNCIA DO ESTADO AÇÕES FOCALIZADAS E FRAGMENTADAS

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

ANALISTA EM CUL ANALIST TURA A EM CUL E DESPORTOS I

ANALISTA EM CUL ANALIST TURA A EM CUL E DESPORTOS I PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo. 24 abr. 2007,

Leia mais

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos Programa úmero de Ações 12 0153 Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Objetivo Indicador(es) Promover a ampla defesa jurídico-social de crianças e adolescentes Taxa de Municípios com

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS Curitiba, 11 de junho de 2010. Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS 1. SUAS WEB O SUAS-Web é um sistema informatizado que o Ministério do

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor RODRIGUES, Camila Moreira (estágio II), e-mail:camila.rodrigues91@hotmail.com KUSDRA, Rosiele Guimarães (supervisora), e-mail:

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 Luis Otavio Farias Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social Departamento de Gestão do SUAS Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural Universidade Federal da Paraíba - UFPB / Centro de Ciências Agrárias - CCA / Campus II Areia, Paraíba - 27 a 30 de outubro de 2014. Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

OS PROJETOS DE LEI EM TRAMITAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL QUE INCIDEM SOBRE A AGENDA INSTITUINTE DO SNE

OS PROJETOS DE LEI EM TRAMITAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL QUE INCIDEM SOBRE A AGENDA INSTITUINTE DO SNE OS PROJETOS DE LEI EM TRAMITAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL QUE INCIDEM SOBRE A AGENDA INSTITUINTE DO SNE Suely Melo de Castro Menezes Maria Beatriz Mandelert Padovani Projetos de Lei em trâmite para a criação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS

EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS Objetivos específicos Avaliar do ponto de vista do controle social os processos de acompanhamento da gestão dos benefícios e transferência de renda, Avaliar e fortalecer

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS

VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS Prof a. Dr a. Dorisdaia Carvalho de Humerez FORÇA DE TRABALHO NA ENFERMAGEM Na Saúde, 65% da Força de Trabalho é formada por profissionais

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA NOVOS PARÂMETROS DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CONANDA) Carlos Nicodemos DOUTRINA DA INDIFERENÇA Até 1899: Ausência

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais