Logweb. revista. Peculiaridades do transporte de alimentos e bebidas. þ Supply Chain. Management. referência em logística

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Logweb. revista. Peculiaridades do transporte de alimentos e bebidas. þ Supply Chain. Management. referência em logística"

Transcrição

1 rvista þ Lgística þ upply Chain þ Multimdal þ Cmérci Extrir þ Mvimntaçã þ Armaznagm þ Autmaçã Embalagm Lgwb þ diçã nº88 junh 2009 rfrência m lgística Pculiaridas d transprt alimnts bbidas upply Chain Managmnt Ft: Cnfnar

2 2 Lgwb diçã nº88 Jun 2009

3 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 3 rvista Lgwb rfrência m lgística Publicaçã mnsal, spcializada m lgística, da Lgwb Editra Ltda. Part intgrant d prtal Rdaçã, Publicida, Circulaçã Administraçã: Rua ds Pinhirs, cnj ã Paul - P Fn/Fax: Nxtl: ID: 15*7582 Rdaçã: Nxtl: ID: 15*7949 Cmrcial: Nxtl: ID: 15*7583 Editr (MTB/P 12068) Wanrly Gnlli Gnçalvs Rdaçã Carl Gnçalvs André alvagn Dirtria Excutiva Valria Lima Dirtria Cmrcial Divid Rbrt ants Markting Jsé Luíz Nammur Administraçã/Finanças Luís Cláudi R. Frrira Prjt Gráfic Diagramaçã Fátima Rsa Prira Rprsntants Cmrciais: Maria Zimmrmann Cl.: Nivald Manzan Cl.: (11) Paul César Caraça Cl.: (11) lma Martins Hrnans Cl.: (11) Taís Cimbra Cl.: Os artigs assinads s anúncis nã xprssam, ncssariamnt, a piniã da rvista. Editrial Alimnts bbidas m staqu Nsta diçã, nss guia transprtadras pradrs lgístics dá staqu as strs alimnts bbidas. Além da inclusã infrmaçõs divrsas mprsas, há uma rprtagm cm uma assciaçã das indústrias alimntaçã uma cnfraçã das rvndas uma gran mprsa fabricant bbidas das mprsas lgística distribuiçã, qu analisam s prblmas sus rspctivs strs, as sluçõs, s difrnciais lgístics nstas áras a lgística rvrsa. Também mrcu gran staqu nsta diçã assunt upply Chain Managmnt. Em uma ampla matéria, rprsntants cnsultrias mprsas snvlvdras sftwars para a ára, além utras instituiçõs, analisam papl d upply Chain m um mmnt cris, as suas vantagns cmptitivas, cm a strutura custs lgístics impacta dirtamnt n CM, quand implmntar, qu cnsirar quais s rcurss ncssáris, cm é fita a implmntaçã m trms sistma, s prblmas na implmntaçã, cm sã slucinads s bnfícis. Cm s p ntar, trata-s uma anális cmplta st cnjunt stratégias qu tm prprcinad ganhs significativs às mprsas qu adtam. Outrs nfqus também nsta diçã junh: cintas para amarraçã lvaçã cargas, scart batrias tracinárias intrmdalida n Brasil, cm fc m cntêinrs frrvias. Tdas stas a lad utras matérias rprtagns qu bm mnstram smpnh d str lgística qu, a spit da cris cnômica, tm s mstrad bastant ativ mvimntad, stacand fusõs mprsas, invstimnts, lucrs significativs, tc. Lmbrams as qu têm s cnhcimnt sbr nss str qu prtal Lgwb é atualizad tds s dias inclui as mais rcnts ntícias ds sgmnts lgística, upply Chain, multimdal, cmérci xtrir, mvimntaçã, armaznagm, autmaçã mbalagm. E artigs sbr s mais divrss assunts ligads nã smnt as strs citads, mas também a grnciamnt das mprsas a snvlvimnt prfissinal, além d prgrama Lgística m Fc, qu, fit para TV insrid smanalmnt n prtal, também discut s mais intrssants assunts. Wanrly Gnlli Gnçalvs Editr

4 4 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 umári Entrvista Antni Wrblski Filh cmnta a infrastrutura transprts n Brasil... 6 Anális Cnáris cnômics para str lgística... 8 Inauguraçã Marcamp abr filial m Marília a próxima srá m Ribirã Prt Mtais anitáris Dcl inaugura CD m Jinvill, C Empilhairas Prjts lcaçã sã s staqus da af. 12 Rdas Rdízis chippa incrmnta imprtaçõs Cintas para amarraçã lvaçã cargas Planjar, sguir as nrmas inspcinar Assciaçã ABEPL cara nva: a mta é rprsntar a lgística m td Brasil Mrcad Cisp Jundiaí cria Célula Lgística Alimnts & Bbidas Transprt As pculiaridas d transprt alimnts bbidas Uma assciaçã, n cas ds alimnts, uma cnfraçã, nas bbidas, analisam qu há difrnciad na lgística sts strs, as tcnlgias usadas, xprtis xigid ds pradrs lgístics das transprtadras para atuar nst sgmnt mais, muit mais Anális Lgística & Mi Ambint Batrias tracinárias: s cuidads n scart Multimdal Intrmdalida Cm fc m cntêinrs frrvias, mprsáris discutm a intrmdalida n Brasil upply Chain Managmnt Qum planja nã tm, prspra Parcria LI Lgística Exprss Mirassl firmam jint vntur Transprt Brasil Prjcts atua cm cargas spciais psadas rviçs Pstais rviç -bx é staqu da Mail Bxs Etc. n Brasil Psquisa GVClg raliza psquisa cm mprsas brasiliras xprtadras Transprt marítim Dficiências prjudicam lgística n Brasil Transprt at Lg cria PGR para atuar m prts arprts Ntícias Rápidas... 7, 22, 27, 45, 54, 60 Ngóci Fchad...26 Agnda vnts... 62

5 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 5

6 6 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 Entrvista Antni Wrblski Filh cmnta a infrastrutura transprts n Brasil Q u nsta ára a situaçã nss país nã é das mlhrs, td mund sab. Agra, para abrdar s aspcts técnics st cnári, bm cm apntar qu stá rrad, qu falta sr fit, sbrtud, qum p mlhrar a situaçã atual da infrastrutura transprts brasilira, a Lgwb cnvrsu cm ngnhir Antni Wrblski Filh, cnsultr m lgística cm pós-graduaçã m Finanças M.B.A. pla N.Y.U. qu tm gran xpriência na indústria autmtiva n assunt infrastrutura transprts, além cnhcimnt sbr tmas cm macrcnmia Mrcsul. Dntr utrs aspcts, l staca a avançada ida média da frta brasilira caminhõs 18 ans diz qu a falta infrastrutura pnaliza a frta cm custs mais alts manutnçã m crrência d muit tmp us, um fatr agravad ainda mais plas más cndiçõs das nssas stradas. Inflizmnt, nss cas, ntrvistad acrdita qu atual panrama nã frc spaç para timism, pis str qu já sfr cm falta financiamnt p s cmplicar mais na cris, qu atingiu justamnt as praçõs financiras, cm a libraçã crédit. Cnfira qu l pnsa sbr utrs aspcts da fasada infrastrutura transprts n país. Lgwb: Atualmnt, quais sã s principais gargals prsnts na infrastrutura transprts brasilira? D qu manira ls impactam u pm impactar n snvlvimnt d país? Wrblski: N Brasil, s três mairs gargals da infrastrutura transprts sã, m primir lugar, a falta planjamnt cumprimnt das dtaçõs rçamntárias; m sgund, a plítica suprt financir, qu é inaquada a str;, m trcir, a falta ntndimnt pririzaçã ds mdais. Os impacts sts ntravs sã vints. Para prcbê-ls frma clara, basta bsrvar cas qu s trnu trânsit nas grans cidas brasiliras. E a tndência é pirar. Nst panrama, faz-s imprtant lmbrar qu, até utubr, quand a cris mstru sus primirs sinais, a cida ã Paul rcbia quas mil vículs nvs a dia pr um lng tmp, inpnnt qualqur nv cnári cnômic, ls cntinuarã a circular plas msmas ruas stradas daqui a dis ans, quand a cris tivr passad. Lgwb: Quais sã as ncssidas mais urgnts para qu s gargals sjam slucinads u, a mns, aliviads? Wrblski: Pririzaçã ds ntravs mais urgnts a srm slucinads financiamnts mais acssívis. Além diss, nã s p pnsar m sluçõs para s ntravs lgístics d Brasil sm falar na cnstruçã anéis viáris na mlhra da malha frrviária. Pr xmpl: tmand pr bas apnas indicadr lgístic tmp trânsit, qu m ficiência cust, nquant a vlcida média um caminhã carrgad sja ns Estads Unids é 80 km/h, na rgiã ust d Brasil, n s ncntra a mlhr malha viária d país, ssa vlcida cai para 50 km/h quas 40% infrir. n ust cnári é st, é pssívl trms uma dimnsã d prblma nas utras rgiõs, cuja infrastrutura transprt é ainda mais ficitária. Lgwb: O qu prcisa sr fit n qu tang a stradas rdvias? Wrblski: N qu diz rspit às stradas rdvias brasiliras, é imprtant frisar qu nã basta privatizar. Há ncssida s safgar trânsit cnstruir blsõs lgístics para mlhrar a distribuiçã da prduçã brasilira. Lgwb: O qu prcisa sr fit rfrnt a transprt frrviári? Wrblski: É ncssári qu transprt frrviári brasilir sja rpnsad para s prmvr a intrligaçã cm utrs mdais. Além diss, tms ntnr as ncssidas frcr pçõs à iniciativa privada, pis xist uma cncntraçã absurda nst sgmnt. Lgwb: O qu prcisa sr fit m rlaçã a transprt aquaviári, incluind prts, ris, tc.? Wrblski: N qu tang a transprt aquaviári, é ncssári abrir ttalmnt st mrcad à iniciativa privada prmvr a vinda grans mprsas intrnacinais, cm, pr xmpl, crr n Prt Amstrdã, na Hlanda. Lgwb: Para um país mrgnt, cm Brasil é vist lá fra, qual a imprtância s tr uma infrastrutura transprts m bas cndiçõs? Wrblski: O fat s tr uma ba infrastrutura transprt é cndiçã primária snvlvimnt sustntávl, além sr uma gran saída para atrairms invstimnts cnsistnts m tds s strs. Lgwb: É pssívl alavancar a infrastrutura transprts n Brasil m quant

7 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 7 tmp? D qu frma iss p sr fit qum sã s principais rspnsávis pr iss? Wrblski: É pssívl alavancar pririzand invstimnts para rslvr s pnts mais crítics. Nst sntid, pms mudar nss prfil m 10 ans. A gran rspnsávl smpr srá a scida mprsarial brasilira, m um trabalh cnjunt cm gvrn. Lgwb: Qual papl d PAC n qu diz rspit a assunt infrastrutura transprts? Os invstimnts anunciads pl Prgrama nsta ára vêm snd cumprids? Cas nã, pr quê? Wrblski: O PAC é fundamntal imprtância pr sr a luz stratégica nrt, mas as grans dificuldas, talvz burcráticas, nã prmitm clar. Falta mais nvlvimnt da scida mprsarial. Tda a scida v prssinar as autridas para agilizar a libraçã ds invstimnts. Embra nã aparça frma clara, a lgística tm rflx m tda a caia cmpsiçã ds prçs, cm impact dirt sbr a cmptitivida das mprsas. Lgwb: Cm é pssívl mantr s invstimnts msm m tmps cris? Wrblski: Cm pririzaçã rdircinamnt. Val lmbrar qu, sm snvlvimnt cnômic, as próprias qustõs sciais acabam ficand rlvadas a um sgund plan. Msm qu a cris rduza ritm crscimnt d PIB brasilir, qu p nã chgar a 5%, algumas indústrias pm ixar crscr a uma taxa 25% para crscr 10%, qu ainda é um índic psitiv faz aparcr a nssa carência infrastrutura, principalmnt transprt, qu s ncntra n limit. Lgwb: O qu p acntcr n cas s invstimnts prgramads srm adiads u até msm canclads? Wrblski: Os invstimnts d PAC nã pm sr pstrgads. Cas iss crra, rinará cas, cm strangulamnt nas malhas viárias, frrviárias infrastrutura arprtuárias. Para s tr uma idéia d cnári atual, uma situaçã próxima d ial para a indústria nacinal xigiria a aplicaçã crca 5% d PIB na cnstruçã duplicaçã stradas, ampliaçã mrnizaçã ds prts, tc. Prém, sts aprts nã chgam a 1% d PIB, st 1%, apnas 10% fram librads m funçã da burcracia gvrnamntal utrs ntravs. Iss ns lva a qustinar n stá PAC m qu mdida crscimnt d Brasil stá snd ralmnt aclrad. Lgwb: Cm vcê prjta cnári infrastrutura transprts n Brasil m curt, médi lng prazs? Wrblski: A mlhrar a infrastrutura transprt rduzir custs, há rduçã prç d vícul a cnsumidr, qu p rprsntar um xclnt stímul a crscimnt da indústria, cm graçã divisas cnsqunt rflx scial cm a criaçã manutnçã mprgs. Prjt cnári cm muita sprança na cnscintizaçã ntndimnt das ncssidas primárias uma scida qu almja bm-star scial mnr sigualda. Ntícias Rápidas Nv brç d TECONVI ntra m praçã Part das bras xpansã d TECONVI n Prt Itajaí (Fn: ), m anta Catarina, nv brç atracaçã nmad APMT1 ntru m praçã m abril últim. Esta primira fas d APMT 1 pssui 215 m xtnsã. Quand ttalmnt cncluíd, trá 285 m aumntará para m a xtnsã cais n prt itajains. O brç rcém-cnstruíd cnta cm a msma strutura tcnlgia mprgada ns principais trminais prtuáris da APM Trminals n mund a partir d sgund smstr trá dis prtêinrs d tip Pst- Panamax (ship t shr - T) prand. Quand finalizadas as bras xpansã, TECONVI frcrá um nv prtã cm três linhas saída para caminhõs uma nva ára para armaznagm cm 744 tmadas para cntêinrs rfrigrads, além nvs quipamnts.

8 8 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 EU PRODUTO ONDE QUEM COMPRA VÊ Anális Cnáris cnômics para str lgística Lgística m Fc n Canal 25 da Nt Jundiaí Prgrama Inédit, cm ntrvistas junt as principais xcutivs d str, tdas as quintas-firas, às 20h30 Raprsntaçõs: gunda: às 12h30 às 18h30 Trça: às 12h às 22h30 Quarta: às 10h às 14h30 Quinta: às 14h às 21h xta: às 8h30 às 14h30 ábad: às 8h30, às 14h30 às 18h30 Dming: 19h Entr nss prgrama! PORTAL Fal cnsc: Lgwb A multimídia a srviç da lgística Rua ds Pinhirs, cnj ã Paul - P Fn/Fax: Cmrcial: Nxtl: ID: 15*7583 L gística ducaçã: gran capital é human. Invstimnts financirs nã bastam. Esta é a fras utilizada pr Hlna Biastt, dirtra Administraçã Rcurss Trcirs da Banrisul Crrtra (Fn: ), para mnstrar qu nã adianta apnas tr rcurs para invstir, adquirir crscr. Para la, é prcis apstar nas pssas, além cntar cm um bm suprt financir. Um xmpl diss é a Omnilink (Fn: ), qu n últim an, cm a ajuda d fund Pátria Invstimnts, adquiriu quatr mprsas cncrrnts, passu pr um prcss fusã cm Tltrim Grabr aumntu 8 mil para mais 200 mil vículs rastrads. gund prsint da mprsa, Cilnu Nuns, a tapa mais difícil m td st príd é mmnt sclarcr as mudanças as funcináris passar tranquilida prant a nva situaçã. Nã quríams mais sr uma mprsa média, pis nã acrdit qu as mprsas médias tnham futur. Após as aquisiçõs huv um ganh muit gran sinrgia, rsultad já pr sr vist nst an, cmmra Nuns, qu xplica, ainda, qu as aquisiçõs fram fitas m parclas, mas prcss macrcnômic surg muit rápid. Cnsguims tr rsultads tangívis m curt praz, rvla. Frnand Trrs, dirtr financir da AGV Lgística (Fn: ) qu adquiriu duas mprsas m 2008 (ntr las a Dlta Rcrds), cm auxíli um aprt financir da Equity Intrnatinal cmpartilha da piniã d prsint da Omnilink, afirma qu nã há mais spaç para sr pqun. Na visã Trrs, mrcad lgístic ainda é fragmntad, mas st quadr irá mudar. El cnta qu a AGV smpr viu mrcad capitais cm um mi atingir bjtiv alavancar s ngócis, rssalta a imprtância cnsultar spcialistas nsta ára, para nã cmtr quívcs. É alg prfissinal, qu nã p sr fit manira atabalhada. O mrcad financir brasilir stá muit saudávl, nfatiza, rspaldad pr Hlna, da Banrisul, qu afirma qu prcss clcaçã rcurss nã é alg tã simpls quant p parcr. Ainda stacand s cnáris cnômics para str lgística, Hlna infrma qu a cmbinaçã mrcad intrn m xpansã, str prdutiv sfisticad sistma financir sólid clcu Brasil m 64º lugar ntr s 134 paíss analisads pl Wrld Ecnmic Fórum WEF, n an passad. A prspctiva para a cnmia nacinal é um crscimnt impulsinad pl cnsum intrn, bnficiand transprts pr cabtagm, frrviári rdviári, prvê. Para ncrrar, a dirtra da Banrisul rvla qu s principais ntravs qu s aprsntam para prgrss sã s tributs, a infrastrutura inaquada a falta prfissinalizaçã. O gran gargal na infrastrutura nacinal é transprt cargas, staca.

9 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 9

10 10 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 Inauguraçã Marcamp abr filial m Marília a próxima srá m Ribirã Prt D pis das cidas Campinas n stá lcalizada a matriz Hrtlândia, ambas n intrir ã Paul, a Marcamp (Fn: ), mprsa vltada para frncimnt quipamnts mvimntaçã armaznagm, acaba inaugurar uma filial m Marília prjta abrir, m julh próxim, utra m Ribirã Prt, ambas também n intrir paulista. Pl qu cnta Clin Luiz Tirlni, dirtr cmrcial da mprsa, a ba fas mnstrada pls invstimnts m nvas filiais nã stá acntcnd a acas. Na cntramã da mairia das mprsas, an 2008 fi sptacular para a Marcamp, assim cm s três ans antrirs. Nss príd, a Marcamp alcançu um crscimnt muit significativ. Grams nvs mprgs tms hj uma rspnsabilida scial qu ns impulsina a crscr cada vz mais, rgulha-s. Para l, bm mmnt pl qual a Marcamp stá passand p sr rsumid m uma fras: la é uma mprsa qu mvimnta matriais infrmaçõs. Trabalhams spcialmnt s aspcts técnics aplicaçã cada sistma, cm studs vltads para a mlhr aplicaçã das struturas armaznagm, das Fachada da Marcamp Marília, inaugurada na primira quinzna mai últim mpilhairas transpaltiras, das prtas nivladras dcas, da utilizaçã cltrs dads intificaçã através ds códigs barras tds s sus acssóris, intgrand td sistma pracinal, justifica. br as nvas unidas, Tirlni cmnta qu a Marcamp Marília, inaugurada na primira quinzna d últim mês mai, cnta inicialmnt cm sis prfissinais, snd qu três ls atuam na ára técnica para atndimnt pós-vnda, dis sã rspnsávis pla ára cmrcial um pla administrativa. D acrd cm l, sta filial irá atuar m tda a rgiã nrst d Estad ã Paul trá cm bjtiv principal diminuir cust pós-vnda as clints daqula rgiã, qur sja n aspct dirt frncimnt pças srviçs, cm também na agilida rapiz atndimnt. O dirtr cmrcial xplica qu utra gran vantagm frcida as clints da rgiã pr mi das nvas instalaçõs da Marcamp é a dispnibilida quipamnts para a lcaçã. Até ntã, vid à gran distância, iss s trnava inviávl. Prém, agra prms frcr mlhrs cndiçõs lcaçõs, fstja. A Marcamp Ribirã Prt srá inaugurada m julh st an cm s msms prpósits da Marcamp Marília, cada uma atuand m suas rspctivas rgiõs. guind timism basad pls númrs psitivs ds últims ans, Tirlni acrdita qu para 2009, msm diant das dificuldas impstas pla cris financira mundial, a Marcamp mantrá su ritm crscimnt. Estams técnica prfissinalmnt capacitads para nvs safis, garant, lmbrand qu diant sta ralida a mprsa incrmntu mais prduts, cm stants, mzanins, divisórias industriais, pnts rlants, braçs giratóris carrtas industriais, s quais nã faziam part da linha quipamnts até an passad. Trnams-ns mais cmplts m trms sluçõs qu pms aprsntar as nsss clints, afirma. Dstacand as duas nvas filiais n intrir ã Paul, dirtr cmrcial acrdita qu a Marcamp passa a frcr as clints Marília, Ribirã Prt adjacências mais agilida n atndimnt suprt pós-vndas, além mair tranqüilida, pl fat a mprsa star mais próxima fisicamnt.

11 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 11 Mtais anitáris Dcl inaugura CD m Jinvill, C P ara incrmntar sua praçã lgística gstã n varj nacinal, n atn a ljas, n mrcad xtrn, n ating mais 30 distribuidrs, a Dcl (Fn: ), fabricant mtais sanitáris, inauguru um nv Cntr Distribuiçã anx à planta Jinvill, C. gund Yndisn da ilva Olivira, grnt lgística da mprsa, a mta m curt praz é agilizar ainda mais cicl pdid. Para garantir a timizaçã almjada, n lcal fi implantad istma Grnciamnt Armaznagm (WM). Olivira cnta qu a Dcl trabalha cm cinc parcirs lgístics para distribuiçã ds prduts m td Brasil apnta qu agrgar quantida, hrári ntrga d prdut m prfitas cndiçõs significa um aumnt stimad m 30% prdutivida. Além frcr mlhrs cndiçõs rgnômicas mais sgurança as pradrs, nv CD prmit flxibilizar atndimnt acrd cm as cndiçõs d mrcad pics stcagm. Pr xmpl, agra é A mprsa invstiu R$ 4 milhõs n nv CD m Jinvill, C Ft: André Kpsch pssívl ralizar carrgamnt váris caminhõs simultanamnt, xplica. El rssalta qu a Dcl ntn sr fundamntal imprtância aprimramnt ds srviçs lgístics vltads para distribuiçã física prduts staca as mlhrias ftuadas n nv CD. Os avançs pracinais da lgística cnsistm basicamnt m aumnt d pé-dirit, lcalizaçã d CD mais próxim da fábrica, instalaçã tlhas térmicas qu rduzm cnsum nrgia létrica cnstruçã dcas (platafrmas móvis) spcíficas para cargas utras para scargas funcinand simultanamnt, cmnta. Ainda acrd cm grnt lgística, prjt visa a rduzir sprdíci matriais, tmp stqu. Para iss, sgu princípi LEAN, qu bjtiva aumnt da vlcida atndimnt ds pdids rduz a mvimntaçã matriais. Cm uma ára intrna m 2, mais spaç manbra páti, lcal rcbu invstimnt R$ 4 milhõs. Fram 18 mss snvlvnd prjt lgístic dimnsinamnt, capacida, distribuiçã ds itns n CD, prjt d WM, mvimntaçã ds matriais, rcbimnt, stcagm mais 12 mss para prjt civil (xcuçã), cnta Olivira. El rvla qu a ampliaçã da ára vm slucinar, principalmnt, a ltaçã spaç qu CD aprsntava. Em trms strutura física havia limitaçõs pé-dirit, ára circulaçã carrgamnt cm ficiência cmprmtida pla ausência das platafrmas móvis, apnta. Cm a criaçã d nv CD, a capacida armaznamnt dbru para mais 900 tnladas a prdutivida crscu m 30%, cmmra. Guilhrm Brtani, dirtr cmrcial, afirma qu st invstimnt é um ds rsultads da plítica cmrcial da Dcl, qu ns últims ans vm pririzand snvlvimnt parcrias sólidas cm as rs varj a mrnizaçã da strutura lgística. Assim, srms mais cmptitivs s rvndrs, pr sua vz, também prã rspnr mais rapidamnt à manda ds cnsumidrs, prjta.

12 12 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 Empilhairas Prjts lcaçã sã s staqus da af A tuand cm lcaçã, vnda assistência técnica n mrcad mpilhairas s 1993, a af Empilhairas (Fn: ) tm prcurad nã s atr apnas a sts srviçs, apsta muit m difrnciais na ára lcaçã, bm cm n snvlvimnt sluçõs prjts spciais para mvimntaçã matriais. Alm Luiz Mricni, dirtr da mprsa, sdiada m Jundiaí, P, xplica qu alguns ans pra cá a af vm s aprimrand pr mi invstimnts m tcnlgia, quipamnts, sistmas cntrl mã bra qualificada. Agra stams criand um partamnt cmrcial para star na rua, mais próxim a clint. Iss prqu nã frcms só s srviçs tradicinais n mrcad, mas também aquams sluçõs spciais difrnciadas, argumnta. Para lucidar qu s invstimnts vêm grand bns fruts, dirtr da af rvla qu a média crscimnt da mprsa ns últims ans fi 15 a 20%, cm um suprt muit gran da ára lcaçã. Um ds principais fcs da mprsa a lcaçã mpilhairas GLPs, létricas rtrátis, patladas, trilatrais pantgráficas, slcinadrs pdids transpaltiras létricas, divrsas marcas, nvas sminvas cnta cm uma nvida qu, sgund Mricni, é um gran difrncial mrcad: qu s vê pr aí sã cntrats alugul muit xtnss, dis três ans. Na af, além cntrats lngs, nós também pssibilitams qu clint raliz lcaçõs mnsais, smanais, até msm, diárias, staca. Tud pn da ncssida d cntratant. Outr difrncial apntad pl dirtr da af é snvlvimnt pças quipamnts para prjts spciais. Prstams cnsultria para snvlvimnt sluçõs rsluçã prblmas cm quipamnts spcífics. Tms técnics qu vã até s clints sugrm as adaptaçõs qu vm sr fitas para aquar as máquinas às ncssidas, cmnta. Outr srviç frcid pla af é a rfrma quipamnts, qu visa a mlhrar a rlaçã cust-bnfíci quipamnts antigs, dand uma sbrvida a ls, prmitind qu a cmpra máquinas nvas sja pstrgada. Ainda, para s cntrats manu- A mprsa faz adaptaçõs m quipamnts, aquand-s às ncssidas ds clints tnçã prvntiva u crrtiva, a mprsa dispõ carrs-ficina quipads cm pças rpsiçã frramntas. N stqu pças, a af cnta cm mais itns rpsiçã, tant riginais cm fabricaçã própria. E pr falar m fabricaçã própria, além pças, a mprsa também prduz quipamnts, cm as paltiras létricas cm pradr mbarcad u nã, qu pssum mastr panrâmic, ampla visã da carga mvimntada sã prjtadas para palts abrts padrã PBR, pnd atuar m crrdrs strits. Para as máquinas fabricaçã própria, a af pssibilita qu s intrssads façam aquisiçõs via BNDE Finam, m até 36 vzs, rssalta Mricni. Expctativas Para dirtr da mprsa, 2009 é um an cautla prparaçã. El acrdita qu cm tud na vida é passagir, a cris também srá. Pr iss, tms qu star prparads para a rtmada d mrcad. Em mmnt algum ixams fazr qu stava prgramad antrirmnt cntinuams apstand na vluçã quipamnts, já qu é um mmnt s criar altrnativas, pina. Estams snvlvnd alguns quipamnts qu srã lançads n an qu vm, infrma. N str lcaçã, as xpctativas sã muit psitivas, prqu a af ntn qu n atual cnári cnômic mrcad tn a lcar mais quipamnts, cnsirand qu a lgística acaba snd uma das áras qu rcbm muita atnçã, pis pssibilita rduçã custs ganh prdutivida.

13 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 13 Rdas Rdízis chippa incrmnta imprtaçõs C nsirada a mair fabricant rdas rdízis da América d ul, a chippa (Fn: ) qu cmplta 59 ans m agst próxim tm incrmntad as suas xprtaçõs para tds s paíss d cntinnt, cntand cm um prfissinal xclusiv para atnr st mrcad. Também sms frts ns Estads Unids, n tms, há it ans, um distribuidr, a chippa Nrth Amrica, qu pssui um CD m Michigan distribui s nsss prduts para utrs distribuidrs mnrs, cnta Mari chippa Nt, grnt markting intrnacinal da mprsa. El infrma, ainda, qu a mprsa também stablcu uma nva parcira para a vnda ds prduts pr catálg, atingind paíss cm Méxic, Canadá China, as prspctivas aumnt das vndas para s Estads Unids sã 50%. Mari também diz qu a mprsa tm pntraçã n mrcad urpu Prtugal, França, Espanha, Itália Hlanda, pr xmpl através distribuidrs. Cm também participams, há dis ans, da Arab Halt, fira sbr str hspitalar qu s raliza m Dubai, tms distribuidrs n Irã n Kuwait, além clints n Egit na Índia. Cm stams fcads n Orint Médi, pms distribuir nsss prduts também para a Ásia, lmbra. Cris? Mari: tivms um primir trimstr mlhr qu 2008 Cm s p ntar, a cris cnômica qu afta mund nã parc tr chgad à mprsa. Pl cntrári, tivms um primir trimstr mlhr qu Tivms aumnt vndas 25%, m razã da alta d dólar nvs clints cnquistads ns Estads Unids. a cris cntinuar, acrditams qu vams vltar as padrõs O qu prcbms é qu pssal stá rcs da situaçã, nã faznd stqus só cmpra quand têm uma clcaçã pdids. D uma frma gral, mrcad cmçu a cmprar mais m cima da hra, pr ncssida, para atnr as pdids, cm ntrga para ntm. Esprams um aumnt vndas 20% m 2009, xplica grnt markting intrnacinal, stacand qu difrncial da mprsa é a rapiz n atndimnt. Quant às mtas da chippa, Mari xplica qu a primira é cntar cm nvs distribuidrs, para s trnar frt n mund. Também faz part das mtas a criaçã utras cntrais distribuiçã. A prduçã das rdas rdízis cntinuaria n Brasil afinal, cnfiams na matériaprima, na mã bra ns frncdrs lcais nstas cntrais príams fazr algumas mntagns. Ou sja, tríams um cntr distribuiçã própri, cm quip vndas própria para a mntagm das rdas rdízis acrd cm mrcad. Afinal, já sms cnhcids m muits lugars cm uma das três mairs mprsas d str n mund, staca l, lmbrand qu as xprtaçõs rprsntam crta 10% d faturamnt da mprsa qu a mta é atingir 30%. Mari também lmbra qu a chippa stá prnta para iniciar a cnstruçã da nva fábrica, m Caiiras, ã Paul. Afinal, já tm prjt um trrn m 2, ds quais m 2 srã cupads pla fábrica. Finalizand, grnt markting intrnacinal fala sbr a tcnlgia utilizada pla mprsa. Tms um partamnt frramntaria qu cstumams chamar a crja d bl. Ali sã snvlvimnts prjts prduts cm bas m sftwar própri frramntal aquad. O gran difrncial é qu também fabricams s mls as frramntas para prduzir as rdas s rdízis, difrntmnt das utras mprsas, qu trcirizam sta praçã. Ou sja, pms snvlvr qu s nsss clints pdirm. E também fabricams s quipamnts ncssáris para a autmatizaçã da nssa linha prduçã, cmplta.

14 14 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 Cintas para amarraçã lvaçã cargas Planjar, sguir as nrmas inspcinar Est é caminh da sgurança, nã só cm rlaçã a cintas, mas também m difrnts sgmnts quand s fala m vitar acints. Afinal, prvnir é smpr a mlhr pçã. E, nas praçõs lvaçã amarraçã cargas, s prblmas pm sr gran impact s stas açõs nã frm lvadas a séri. D and cntinuida a assunt sgurança, abrdad na diçã passada cm rlaçã às struturas armaznagm, st númr da rvista Lgwb aprsnta s cuidads qu nvlvm a sclha a aplicaçã cintas acssóris para amarraçã lvaçã cargas. Planjamnt As cintas planas para lvar u amarrar mnstram sr mi mais indicad para minimizar s riscs rlacinads a transprt cargas prigsas instávis s qu s nvlvids stjam bm trinads apts a amarrar lvar as cargas da frma crrta. Mais 90% ds acints cm cintas sã causads pr mau us pradrs mal trinads. Prtant, é imprscindívl liminar riscs através cnscintizaçã trinamnts, salinta André Cnscintizaçã trinamnts liminam riscs n manusi Mais 90% ds acints cm cintas sã causads pr mau us pradrs mal trinads Lavinas D Angl, grnt cmrcial da Fixflx Manufaturads Têxtis (Fn: ). Td dispsitiv, sja lvaçã u amarraçã, v star ttalmnt intificad cm suas caractrísticas, tip, capacida carga fabricant visívis. Já n cas utilizaçã guindasts, pnts rlants talhas, v-s atntar para as inspçõs spcíficas sts quipamnts para garantir a sgurança vitar imprvists. Os prjts vm sr avaliads pr um prfissinal cm vast cnhcimnt, a prvnçã s inicia na cnscintizaçã ds nvlvids, assinala Ednald ilva, assistnt técnic da Tcntxtil Indústria Cmérci Cintas (Fn: ). Cm rlaçã à carga, cnvém cnhcr suas dimnsõs, ânguls nvlvnts, ps, pnts ancragm lcal aprpriad para cnctar s quipamnts içamnt amarraçã para nã danificá-la. Ests pnts cnxã (lhais) vm tr rsistência suficint sr aquads para ralizar a tarfa cm sgurança, além starm intificads cm sua capacida carga. Atnçã spcial cm as pças qu pssum mbalagns frágis. Os lcais vm star vidamnt sinalizads s nvlvids vidamnt prparads para smpnhar stas funçõs, lmbrand qu para td tip quipamnt xistm nrmas técnicas fabricaçã, utilizaçã cm sgurança inspçã, lmbra ngnhir Frnand Furts, dirtr xcutiv da Amarraçã rviçs Publicida Cnsultria Técnica m Cargas (Fn: ), administradra d prtal amarraçãcargas.cm.br, atuant m trinamnts cnsultria para lvaçã amarraçã cargas. Outras açõs imprtants sã analisar ambint vrificar cntats cm suprfícis áspras /u crtants (rqur prtçã spcífica). Também é prcis atntar-s para a utilizaçã cintas crtificadas, cnfrm nrmas strangiras a NBR da ABNT Assciaçã Brasilira Nrmas Técnicas. Ela trmina s rquisits ssnciais para prjt, fabricaçã vrificaçã para cintas planas utilizadas na lvaçã cargas, assgurand qu situaçõs risc sjam minimizadas a máxim. As cintas acssóris têm uma margm sgurança chamada Fatr gurança (F), qu é a quantida mínima vzs qu um cmpnnt v rsistir acima sua Carga Máxima Trabalh. O Fatr gurança adtad n Brasil m cintas lvaçã cargas planas tubulars é 7:1, ns cnjunts cintas (cm acssóris mtálics) é 4:1 nas cintas amarraçã cargas, é 2:1. É imprtantíssima a bsrvaçã da tiquta na utilizaçã das cintas, para qu as difrnts frmas utilizaçã suas capacidas sjam ncntradas. Agrgad a iss, a nrma brasilira adtu códig crs, cm cada uma s rfrind a uma capacida carga nminal. Acima 10 tnladas, as cintas sã tdas laranjas, para stacar a ncssida mair atnçã cuidad na praçã.

15 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 15 Furts, da Amarraçã Cargas, staca qu atndimnt stas nrmas stá dirtamnt rlacinad cm uma gran part da sgurança na aplicaçã. Outra parcla da sgurança srá smpnhada pl usuári ds quipamnts, assim cm a manutnçã inspçã sts quipamnts. Mas smnt a xistência nrmas técnicas nã rslv prblma, na piniã d prfissinal. Pr xmpl, xistm nrmas técnicas da ABNT para a fabricaçã crdas para uss grais. Quais fabricants sgum sta nrma? mnt vms crdas rcicladas amarrand cargas!, diz. Cm rlaçã as mais quipamnts amarraçã (cintas, cabs aç crrnts) cnsira qu s crr msm risc. O mrcad prssina s fabricants para rduzir prçs sts rduzm muitas vzs a rsistência ds quipamnts. A durabilida é xtrmamnt baixa é muit cmum vrms Qualida sgurança vm prvalcr m tds s sgmnts cass n há rupturas cnstants prda da carga. Para Furts, algumas rgras funcinam quand passam a sr brigatórias. Talvz algumas nrmas técnicas tnham sr incluídas m prtarias frais para qu sjam sguidas. Finalizand st tópic, também imprtant para a sgurança é utilizar s vids prttrs m cargas cm cants vivs, tnd cuidad durant a praçã vitar trancs (chqus) nas cintas a lvar abaixar as cargas, bsrvar a frma utilizaçã a capacida prprcinal à msma. As cargas vm sr unitizadas amarradas frma sgura para armaznamnt transprt. On cmça a sgurança A cnstruir prduts dircinads à mvimntaçã cargas, fabricant v utilizar as nrmas técnicas, qu trminam: cncits finiçõs, spcificaçõs cnstruçã d própri prdut, métds nsais prcdimnts da frma crrta incrrta usar prdut, além frcr as clints infrmaçã utilizaçã, inspçã, cnsrvaçã armaznagm. Entrtant, cnfrm salinta ilva, da Tcntxtil, mrcad ainda adquir prduts pnsand m prçs, nã na sgurança. Prçs têm suas cnsquências. Qualida sgurança vm prvalcr m tds s sgmnts, xpõ. El lmbra, ainda, qu a btr um prdut fra Nrma, a mprsa adquirnt assum a rspnsabilida m cas acints. Nã s v adquirir

16 16 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 ituaçõs prig na amarraçã cargas Lcal Carga (Prduts unitizads u a granl) Vícul (Transprt rdviári) Equipamnt amarraçã Usuári Prig Amarraçã carga cm mair pssibilida slizamnt m funçã d matrial sua suprfíci. Amarraçã insuficint u frma incrrta, acarrtand slizamnt durant a mvimntaçã. Má distribuiçã d ps da carga amarrada durant a mvimntaçã. Tmbamnt da carga. Frnagm. Os pnts fixaçã na carrcria nã suprtam s pnts amarraçã. Cants vivs rbarbas crtand as fitas durant a mvimntaçã. Equipamnts inaquads a trabalh. Pnts amarraçã insuficints. Prblmas funcinais ds mis tnsã durant praçã. O quipamnt nã atn na sua ttalida a ps prvist. O Fatr gurança nã é rspitad pl frncdr das cintas u nã é utilizad pl usuári. Dscnhcimnt ttal u parcial da funcinalida ds quipamnts. As nrmas aprsntadas na tiquta d prdut nã sã rspitadas. Fatr gurança sprzad. Falta cnhcimnt na aquisiçã d prdut. Fnt: Mvtrans/Fitacab prduts rigm duvidsa, qu nã tnham a intificaçã d fabricant. Também tca n assunt prç Ligia Gurra, dirtra da Mvtrans/Fitacab (Fn: ) prfssra armaznagm mvimntaçã carga da Fatc da Faculda Anchita, m ã Paul, P. gund la, fabricant v rintar vidamnt sus distribuidrs, mas quand a mprsa s para cm mrcad buscand sluçõs cnômicas, qu gram riscs para pssas cargas, a situaçã s agrava. Iss prqu sgurança implica m custs adicinais nm smpr clint stá dispst a invstir nst str, prém, a lng uma praçã, a sgurança aplicada m sua máxima traz rsultads mais cmpnsatóris d qu aquls qu cim pr situaçõs curt praz cm cnmia aparnt, clara. D fat, sgund Furts, da Amarraçã Cargas, xistm n mrcad mprsas qu nã fazm a mínima qustã adquirir matriais crtificads qu stjam m cnfrmida cm nrmas técnicas, visand apnas a mnr cust. Na amarraçã cargas é cmum vrms muitas supsiçõs qu nada vai crrr as pssas substimarm as frças físicas qu agm m curvas, aclraçõs frnagns, culminand m acints, assinala. El diz, ainda, qu xistm quipamnts m circulaçã qu nã pssum qualqur tip intificaçã ncntram-s m péssim stad cnsrvaçã vi as statísticas acints. Furts acrscnta qu há prtarias d Cntran para transprt rdviári prduts sirúrgics, tras maira blcs rcha. Além stas prtarias brigatórias, v-s sguir nrmas técnicas cálcul das tnsõs qu stã m fas final aprvaçã na ABNT utilizar s quipamnts dispnívis (cintas têxtis, cabs aç, crrnts acssóris) rspitand suas cargas trabalh um crngrama inspçã,, também, adquiri-ls m cnfrmida cm as nrmas da ABNT, xpõ. gund prfissinal, a mairia ds vículs transprt nã pssui pnts amarraçã aquads, qu frc um gran risc acints. Amarraçã O Brasil tm um nrm prjuíz anual cm mrts pr acints cm cargas mal amarradas, mal transprtadas tmbadas, lmbra D Angl, da Fixflx. Cansams vr tds s dias nas ruas cargas pnnd para s lads caminhõs m péssimas cndiçõs. A nrma brasilira cintas amarraçã cargas, qu stá snd labrada na ABNT, trará uma luz para ss str, qu já tm n Cntran uma rsluçã (293) brigand us cintas amarraçã carga 100 mm largura para a amarraçã bbinas matrial sirúrgic, qu mstra a ficiência d matrial nsss cass, clara. Quant à amarraçã, Ligia, da Mvtrans/Fitacab, diz qu a mprsa, a studar as situaçõs prig na carga, n tip transprt, n quipamnt utilizad n usuári, rfin nvs critéris, a fim liminar s riscs minnts d prcss, clcand sts pnts m discussã cm a quip técnica. O slcamnt carga u parts da carga através amarraçã imprópria u prduts sm spcificaçã técnica acarrta um risc dirt u indirt à vida pssas, animais u mrcadrias n vícul. Assim, a cmpra utilizaçã matrial crrt é ssncial. br cm s usuáris pm sr infrmads quant às spcificaçõs crrtas na aquisiçã st prdut, s ntrvistads claram qu é ncssári cnsultar um fabricant cintas u técnic spcializad para indicaçã da quantida distribuiçã crrta cintas amarraçã cargas. Clint fabricant vm snvlvr junts um prdut

17 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 17 aquad à praçã as quipamnts utilizads. Também é imprtant smpr qu mdificar a praçã u s quipamnts cnsultar técnic as qustõs adaptaçã d prdut xistnt para nv prcdimnt. Para ilva, da Tcntxtil um ds prblmas d str é intrprtativ: vja bm. N qu s rfr a cargas prigsas (lgislaçã própria), tda mvimntaçã carga é prigsa, nã apnas prduts tóxics, inflamávis crrsivs. cmçarms a tr uma cultura sgurança, vltada xclusivamnt para usuáris trcirs, prms tr rsultads xprssivs na rduçã acints, clara. Ainda sgund l, a amarraçã cargas inflizmnt viv mits: mtristas qu prfrm amarrar a carga na ripa d caminhã, prqu s tivr algum incnvnint pr a carga, nã caminhã, xmplifica. Embra a Nrma Brasilira traga um códig crs, é fundamntal avaliar uma séri utrs qusits, pis nm smpr a clraçã é suficint para garantir a sgurança da mvimntaçã amarraçã da carga nã atnua risc acints. Alguns rquisits sã fundamntais para garantir a utilizaçã crrta da cinta: Dispnibilida instruçã trinamnt; Nã xcr as spcificaçõs técnicas; a cinta crrspn a qu fi slicitada n pdid; Nã sbrcarrgar sistma u quipamnt lvaçã; Vrificar balancamnt da carga; Nunca utilizar cintas avariadas u raprvitadas; As cintas vm sr prtgidas brdas crtants, abrasã fricçã; gurança é fundamntal A tiquta rtulagm das cintas v trazr infrmaçõs mínimas, tais cm a carga máxima trabalh (CMT), m lvaçã vrtical, cst frca, a cmpsiçã da cinta, cmprimnt nminal, nm d fabricant, símbl, a marca rgistrada u utra intificaçã sm ambiguida, códig fabricaçã, csturad intrnamnt, númr an sta nrma, ntr utrs váris rquisits qu vm sr bsrvads na nrma brasilira m vigência. Outr pnt fundamntal para qu a cinta sja utilizada cm a máxima sgurança é a inspçã d quipamnt, qu v sr fita pridicamnt ants pis da utilizaçã das cintas. A inspçã também v sr fita m tds s acssóris quipamnts qu sã utilizads junt cm a cinta. Usuári O usuári v star capacitad para trabalhar cm cintas planas na amarraçã lvaçã carga, primiramnt, m funçã da trca crdas cabs aç pr um métd qu rqur utras habilidas n manusi. Prém, m alguns cass, usuári stá inapt pr scnhcimnt da funcinalida, qu acarrta m scart d quipamnt a crtá-l u dar nós nas cintas planas. É qu xpõ Ligia, da Mvtrans/Fitacab. gund la, usuári v cnhcr tnsinadr sua frma aplicaçã, bm cm tr cnhcimnts d assunt xpriência prática para cnduzir uma inspçã avaliaçã ds dispsitivs durant trajt, pis a cinta plana p sfrr um alngamnt natural plas intmpéris. Outrs fatrs sã imprtants, cm rcnhcr a cinta

18 18 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 O qu cmprmt a sgurança Aquisiçã prduts rigm duvidsa nã crtificads; Cintas cm crts suprirs a 10% sua largura; Falta intificaçã rastrabilida; Falta inspçã intificaçã ds quipamnts; Falta trinamnt ds prfissinais qu utilizam s quipamnts; Fazr mã amiga ; Fazr slda próxima da cinta (rsping); Má armaznagm; Oprar cm matrial fra d pnt quilíbri; Oprar cm nós m cintas, sinais abrasivida ataqu pr prduts químics; Trancs u fradas bruscas guinchs, talhas pnts rlants. A nrma brasilira cintas trará uma luz para str plana pla tiquta, snd azul para cintas m pliéstr (PE), vr para cintas pliamida (PA) marrm para cintas pliprpiln (PP), bm cm as rintaçõs nlas cntidas. O usuári p avaliar as cintas planas para amarraçã lvaçã cargas para intificar tmar açõs crrtivas qu liminm cndiçõs insguras trabalh faznd vistrias priódicas ants pis da utilizaçã, vrificand dans crts causads na praçã. Também é ncssári bdiência a tmp cndiçõs us. O scart v sr fit após um númr x us, nunca s v ultrapassá-l. ilva, da Tcntxtil, acrscnta qu, acrd cm as nrmativas, pl mns uma vz pr an tds s dispsitivs vm sr avaliads pr um prfissinal qualificad (sja funcinári da mprsa u cntratad). Também é rcmndávl qu a inspçã sja rduzida m cas utilizaçã das cintas m turns (us frqunt). Os acints u incints Furts, da Amarraçã: há mprsas qu nã fazm qustã adquirir matriais crtificads crrm pr falta inspçõs priódicas ns dispsitivs, frisa. A gran qustã nst assunt, acrd cm Furts, da Amarraçã Cargas, é qu m uma gran quantida indústrias mprsas transprt simplsmnt st cncit inspçã nã xist. Utiliza-s s quipamnts até sua ttal xaustã falha, snd qu muitas vzs ist crr durant a utilizaçã, causand acints.

19 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 19

20 20 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 Assciaçã ABEPL cara nva: a mta é rprsntar a lgística m td Brasil I númras nvidas. É qu prmt para 2009 a ABEPL Assciaçã Brasilira Emprsas Prfissinais Lgística qu, fundada m 2006, m Jundiaí, P, a partir da iia frcr a sgmnt lgístic uma ntida qu rprsntass, agra já cmça a arriscar sus vs mais alts s ntã. Aristis Frt Júnir, vicprsint da Assciaçã, afirma qu pact mudanças prgramadas para st an é um divisr águas nã só na história da ntida, mas também da lgística n Brasil. Uma das principais nvidas é qu a ABEPL acaba ganhar um braç na capital d Estad as atividas stã snd iniciadas m junh. Valéria Lima, xcutiva da Lgwb Editra, é a dirtra da filial, a qual cnta cm a grência Fabia Hlna Prira, qu ixu partamnt Markting da Lgwb para iniciar a nva mpritada. Est safi surg m um mmnt xclnt. Cm nssa xpriência prms fmntar muits ngócis na Gran ã Paul, clara Fabia. Valéria, pr sua vz, cmnta qu s sua fundaçã, m 2006, a ntida tm fit um bl trabalh m Jundiaí nas cidas da rgiã, afirma qu spra fazr msm m ã Paul. Prtnms qu a Assciaçã tnha um frmat bm prfissinal, staca. É uma gran rspnsabilida, mas pms clabrar para crscimnt da ABEPL, ndssa. Frt Júnir staca qu st é iníci d prcss rginalizaçã da Assciaçã d Estad ã Paul acrdita qu Valéria stá dand um pass pinir. Nada acntc pr acas. É prcis tr iniciativas Da squrda para a dirita: Frt Júnir, Fábia Hlna Valéria aprsntam as nvidas a Valéria tm uma história mprndrism na Lgwb. rá uma cnvrgência capacidas m prl da lgística n país, garant. É imprtant stacar qu a Valéria stará usand a sua xpriência prfissinal na ABEPL, qu a Lgwb nã trá nnhum víncul cm a Assciaçã, mantnd a sua inpndência caractrística qu marca a mprsa s a sua fundaçã. A ligaçã é smnt parcria, cm já vm crrnd s a fundaçã da ntida. Outra nvida é a mta da Assciaçã, qu spra atingir a marca assciads m janir 2010, através d prjt nminad Campanha Assciativista ABEPL Ainda, até març d an qu vm, a prjçã é assciads. Para iss, prsint Lucian Rcha cnta qu a dirtria aprvu a criaçã d Assciad Participant, para prmitir facilitar sm ônus nvlvimnt prfissinais, studants mprsas qualqur sgmnt, para qu s nvlvam participm das açõs da ABEPL. Estams cnvncids qu st é um pass pinir, tant para str, quant para prcss assciativista: frcr a participaçã d assciad sm qualqur ônus a prtunida s ngajar m nssa luta para fnr, prmvr divulgar str, cmmra. El diz, ainda, qu api mprsas d pr públic é imprtantíssim para a ABEPL, qu tm um papl fundamntal m um str qu crsc 12% a an já rprsnta 15% d PIB nacinal. Tms cnsciência nss papl diant da indústria. Irms prmvr rlacinamnts para aumnt ntwrking, acss irrstrit a prtal da Assciaçã, além prstar assssria jurídica gratuita, infrma. D acrd cm Rcha, a ABEPL prtn incntivar a participaçã das mprsas m fóruns, viagns técnicas curss capacitaçã, ntr utrs vnts. Há também prjt Cmpras Crprativas, para facilitar prcss cmpras ds assciads; a r gratuita bnfícis para s clabradrs suas famílias, cmplmnta. Bnfícis As principais stratégias da GN Gstã uprt para Ngócis, gran parcira da ABEPL nss prcss mudanças, giram trn divulgar a marca ABEPL para públic intrssad ns assunts lgística; aumntar númr assciads; filizar s assciads; criar prtunidas ngóci para parcirs mantndrs; grar xpriências invadras criativas a assciad;, manira rsumida, s fazr prsnt na vida d assciad. gund prsint da GN, Igr Furnil, a prpsta nã é frcr bnfícis sm sntid, mas qu tnham uma stratégia pr trás. O bnfíci inicial prgramad para assciad é kit bas vindas, cmpst pr uma snha acss a prtal, manual usuári, asiv, insígnia cartã crédit u débit prsnalizad. Vams criar também uma rvista xclusiva bimstral, qu srá utilizada cm frramnta cmunicaçã divulgaçã, dispnibilizand spaç para mprsas assciads, infrma Furnil. Rcha: pass pinir para str prcss assciativista

21 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 21

22 22 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 Bnfícis qu starã dispnívis a partir agst 2009 Expansã da r crnciads, frcnd scnts utrs difrnciais; Lja virtual ABEPL (cantas, agndas, camistas, tc.); Curss n xtrir; Curss línguas; Curss palstras atualizaçã prfissinal; A ducaçã rcb atnçã spcial O prsint da ABEPL anuncia a criaçã um curs pós-graduaçã m Gstã Pssas, qual bjtiva aprimrar a habilida humana mprsáris gstrs. A pós é rcnhcida pl MEC dividida m 32 móduls, num ttal 360 hras, rvla crnadr d curs, prfssr Luiz Carls Garcia. Fms atrás um aprimramnt d cnhcimnt para s prfissinais lgística, spcialmnt aquls qu stã n cmand das mprsas, cmplmnta Frt Júnir, da ABEPL. gund Garcia, curs é frut uma parcria ntr a GN, a Alubrat Assciaçã Lus-Brasilira Transpssal (tntra ds dirits autrais) a Faculda Camps Elíss. O prjt fi snvlvid pr prfssrs da Unicamp, mprsáris, cnsultrs a faculda Camps Elíss. Já fi tstad m Campinas, P, ã Paul, P, Bl Hriznt, MG, Frtalza, CE, Blém, PA, acrscnta, lmbrand qu curs é vltad para aluns qualqur graduaçã, spcialmnt pssas qu xrçam cargs gstã. O bjtiv da pós-graduaçã m Gstã Pssas é frmar prfissinais cmprmtids cm a ética, frcr spcializaçã cunh tóric-prátic pssibilitar autsnvlvimnt, transmitind nvas tcnlgias gstã ptncializand a criaçã. Nã é um curs Curss nlin (sluçã - larning): a GN já stá snvlvnd alguns curss ncmndads pla ABEPL; Prgrama CONCIERGE: assssria para lazr, viagns, ncssidas simpls d dia-a-dia, cmpras spciais, mmnts spciais; técnic. É vltad para a habilida humana, staca prfssr. El cnta qu s rspnsávis pr ministrar as aulas sã prfissinais cm larga xpriência m gstã, cm mprsáris, prfssrs da Unicamp, da Alubrat dis prfssrs intrnacinais, smpr mantnd fc m pssas lirança stratégica. Ainda sm lcais finids, as aulas vm tr iníci m agst próxim. gund Frt Júnir, havrá uma turma m Jundiaí utra m ã Paul. D acrd cm vicprsint da ABEPL, utras nvidas stã pr vir na ára da ducaçã. Há um prjt para 2010 qu prvê uma pós m Gstã Lgística a Assciaçã stá insrida num prcss qu visa a criaçã uma faculda xclusivamnt vltada à lgística. Ela stá snd snvlvida cm um Cntr Exclência, também, cm uma platafrma nsin à distância, diz. Api intrnacinal O cônsul ds Estads Unids, Migul Hrnánz, Rdrig Mta, spcialista m snvlvimnt ngócis d Cnsulad nrt-amrican, stivram prsnts a vnt lançamnt das nvidas cmntaram a imprtância da assciaçã as nvas prspctivas. Vams trabalhar junt da ntida para fmntar rlaçõs cmrciais m lgística ntr Brasil Estads Unids, Parcrias cm cntadrs, advgads, assssrias, cnsultrias, tc.; Platafrma nlin para crtificaçã IO 9000, alg inédit qu srá iniciad cm a ABEPL nfca as pqunas mprsas qu nã têm cndiçã implantar um sistma crtificaçã qualida. afirmu Hrnánz. O gvrn nrt-amrican qur ajudar as assciaçõs lcais prqu Brasil tm uma cnmia muit frt, acrscntu Mta, na casiã. Para Valéria, stas palavras sam cm música, já qu a rspnsávl pla ABEPL na capital paulista acrdita qu iniciar uma assciaçã m ã Paul nã é nada simpls. Pr iss, é xtrmamnt imprtant api d Cnsulad para a ralizaçã firas, vnts, visitas técnicas mprsas brasiliras as Estads Unids, também, mprsas nrtamricanas a Brasil, afirmu. Já vic-prfit Jundiaí, Luiz Frnand Machad, s mstru rcptiv a iia da cida rcbr invstimnts intrnacinais, spcialmnt pr part ds Estads Unids. Em virtu da infrastrutura das ótimas cndiçõs lgísticas Jundiaí é muit imprtant qu a ABEPL fmnt invstimnts nssa ára. Ess tip cntat é imprtant para capacitaçã m strutura mã bra ns ixa muit flizs, ncrru. Em cntat cm cônsul, vic-prfit Jundiaí clcu a cida cm candidata a visitar firas participar vnts técnics para cnhcr autridas nrt-amricanas. Ainda, l nã ixu rssaltar a imprtância da ABEPL para a cida. A Assciaçã tm atuad cm uma facilitadra para invstimnts m lgística na cida. Ntícias Rápidas Tamid frc sistma para cmpras n varj A Tamid (Fn: ) traz um sistma bastant intrssant para cmpras n varj. Cm l, varjista p dispnibilizar apnas uma unida cada prdut, qu pssibilita qu a lja cup um spaç rduzid scarta a ncssida s tr um stqu n lcal. O clint faz as cmpras cm litr autmátic, faz pagamnt aguarda qu sjam ntrgus, xplica rprsntant da Tamid, David Lé Eisncraft. Dssa frma, é pssívl qu varjista tnha, pr xmpl, a lja m um bairr nbr stqu m utr lcal. El nã prcisa tr mais uma unida cada prdut n lcal, pis as cmpras d clint srã ntrgus m dmicíli, apnta. Autlad Brasil lança sftwar para lgística A Autlad Brasil (Fn: ) anuncia lançamnt d sfwar para lgística Autlad Pr!. Cm fc m planjamnt timizaçã cargas, é uma frramnta paltizaçã planjamnt cargas m 3D para divrss tips mbalagm: caixas, tambrs, cilindrs, carrtéis, ngradads, racks, palts, caminhõs, cntêinrs aérs marítims. Obcnd a cmplxas rgras carga, trmina cm prcisã a quantida vículs ncssária para ftuar um carrgamnt ótim, tant m ps cm m vlum, timizand prcss ntr 10 20% m bass grais. us bjtivs sã: autmatizar prcss planjamnt carga palts vículs; mlhrar a ficiência n mpilhamnt manusi cargas, minimizand as avarias m trânsit; aumntar ps vlum utilizaçã ds vículs, rduzind custs transprt; aumntar a ficiência das ntrgas, cm cargas bm planjadas, xplica imn Viira, da quip Autlad Brasil.

23 diçã nº88 Jun 2009 Lgwb 23

24 24 Lgwb diçã nº88 Jun 2009 Mrcad Cisp Jundiaí cria Célula Lgística A cntcu n dia 27 mai últim lançamnt ficial da Célula Lgística d Cisp Jundiaí (Fn: ), na própria ntida. A nva Célula qu faz part d partamnt Cmérci Extrir d Cisp Jundiaí é crnada pl mprsári atuant na ára, Gilsn Pichili. O lançamnt crru durant cnfratrnizaçã pl dia da Indústria, qu cntu cm a prsnça David Nlman, prsint da Azul Linhas Aéras Brasiliras. O xcutiv, qu já s stacu n str transprt aér ds Estads Unids Canadá qu fi rspnsávl pr várias invaçõs na indústria aviaçã, cm a invnçã d bilht ltrônic da TV a viv a brd suas arnavs, fz uma palstra sbr su spírit mprndr, qu lvu a fundar rcntmnt n Brasil, m mi a uma cris cnômica, a Azul Linhas Aéras Brasiliras, cuja bas pracinal é arprt Viracps, m Campinas, P. O vnt cntu cm a prsnça 300 pssas, incluind rprsntants divrss sgmnts mprsariais, bm cm autridas públicas lcais das cidas prtncnts a Cisp Jundiaí. Objtivs O bjtiv da Célula Lgística é prstar as assciads assssria suprt m qustõs técnicas plíticas m lgística, abrangência individual u cltiva. E, ainda, rganizar smináris, palstras ncntrs, prpiciand a trca iias frmulaçã prpstas sbr tmas gran imprtância para a mair cmptitivida das mprsas. Os bjtivs também sã assssrar a dirtria da ntida na articulaçã plítica junt as órgãs públics m fsa ds intrsss das mprsas da rgiã rprsntaçã, afirma Mauritius Risky, dirtr Cmx d Cisp Jundiaí, stacand s mtivs qu lvaram à criaçã da Célula Lgística: a crscnt manda das mprsas da rgiã, assciadas u nã a Cisp, pla criaçã uma célula n pssam sr batids assunts ligads à lgística, m Risky Pichili: a Célula prstará assssria suprt as assciads spcial a infrastrutura atndimnt. br s bnfícis para assciad, Risky cita: participar smináris, palstras, ncntrs para trca iias frmulaçã prpstas sbr tmas rlvância xtrma imprtância para mair cmptitivida d su ngóci; participar, através d Cisp, câmaras, cnslhs, cmissõs audiências públicas, qu tratm frma prmannt /u pntual s tmas qu aftam prçs, qualida u marcs rgulatóris; intificaçã, pr part da ntida, das situaçõs críticas qu pm aftar a cmptitivida das indústrias, atuand frma prvntiva rintativa; dispr sbr mapa lgístic da rgiã (infrastrutura, mprsas, strs, tc.). Pól lgístic Pichili salinta qu Jundiaí é cnsirada atualmnt um pól lgístic. É uma rgiã rica, cm um parqu industrial divrsificad um frt apl para cmérci xtrir, além d mrcad intrn, diz. El também staca qu as 11 cidas qu fazm part da rgiã abrangência d Cisp Jundiaí Cabrúva, Cajamar, Camp Limp Paulista, Itatiba, Itupva, Jarinú, Jundiaí, Luvira, Mrungaba, Várza Paulista Vinhd pssum uma infrastrutura cmplta, cm acss às mlhrs rdvias frrvias, prximida a arprt Viracps, fácil acss a prt ants uma unida da rcita fral instalada na cida. m infrastrutura, nã tms pr n circular as mrcadrias, a rgiã cnta cm iss, cmplmnta.

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia brlim sã l brlim santg rcif curi sul punta dl st rma sul nrnha r rcif rcif garpabacapa nrnha mntvidéu r barilch punta dl st mació sã paul mació sul capadóc r mnt SUPER sã l ngóci gramad turism FÉRIAS crprat

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Smstr/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana d Parnaíba Cmpnnt Curricular: Gstã Emprsarial Módul: 1 Eix Tcnlógic: Sgurança C. H. Smanal: 2,5 Habilitaçã

Leia mais

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt FÍSICO-QUÍMICA 9. ANO Manual Tabla Priódica (frta a alun) Fichas (frta a alun) Apis Áudi (fichirs mp para dwnlad) Cadrn d Atividads (inclui Fichas d Labratóri) Cadrn d Labratóri Matriais Manipulávis Dssir

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. "Kenko Hoken" Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. Kenko Hoken Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações Numraçã 8-4-2 Nívl d cnsulta 3 Classificaçã Dnças Assunt Sgur Públic para Assistência Médica Tma "Knk Hkn" Sgur d Saúd 1 Exmpls d Situaçõs Estu trabalhand m uma mprsa japnsa. Dsj sabr s há algum sgur para

Leia mais

w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995

w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995 (2-4- LIDO HOJE AS COMISSÕES DE: S E I 995 nnnnnnnnnnnnnnnnnnnn w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995 Dnmina "Praça Marcus França Trrs" a Praça VI, cadlg 46.573-9, situada n Distrit d Jaraguá - JAR.

Leia mais

CUIDADOS COM SEU CAMINHÃO:

CUIDADOS COM SEU CAMINHÃO: CUIDADOS COM SEU CAMINHÃO: cnmizand através d cuidad cm pnus! O pnu é indiscutivlmnt um ds itns mais imprtants d caminhã. Além sr um rspnsávl dirt pls custs d transprt rdviári nas planilhas ds carrtirs,

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

Uma introdução à Política de Coesão da UE para 2014-2020

Uma introdução à Política de Coesão da UE para 2014-2020 Uma intrduçã à Plítica d Csã UE para 2014-2020 Junh d 2014 Plítica d Csã O qu é a Plítica d Csã? A Plítica d Csã é a principal plítica d invstimnt UE Está dircina para ts as rgiõs cids Uniã Eurpia cm vista

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Identificação Veicular

Identificação Veicular >> O INSTITUTO DE INFORMÁTICA (INF) >> OS PROJETOS > SIGMA Sistma Infrmaçã Ggráfica para Mnitramnt Ambintal frma, srá invstigad as qustõs prtinnts a utilizaçã tiqutas RFID para rastramnt vículs, talhs

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Logweb. revista. Retomada: empresas já fazem planos e preveem investimentos para 2010

Logweb. revista. Retomada: empresas já fazem planos e preveem investimentos para 2010 rvista Lgwb www.lgwb.c.br diç nº91 stbr 2009 þ Lgística þ upply Chain þ Multidal þ Cérci Extrir þ Mvintaç þ Araznag þ Autaç þ Ebalag rfrência lgística Rtada: prsas já faz plans prv invstints para 2010

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

A Influência do Capital Intelectual sobre a Performance dos Projetos de Software

A Influência do Capital Intelectual sobre a Performance dos Projetos de Software Influência Intlctual sbr Prfrmanc s Prjt Sftwar MUNIÇÃ DS RESULTDS D drian r, ran B. T. Mrals, Dr. (rintar), Paul M. Slig, Dr. (crintar) PRGRM DE PÓS-GRDUÇÃ EM ENGENRI E GESTÃ D NEIMENT UNIVERSIDDE FEDERL

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

1) Determine o domínio das funções abaixo e represente-o graficamente: 1 1

1) Determine o domínio das funções abaixo e represente-o graficamente: 1 1 ) Dtrmin dmíni das funçõs abai rprsnt- graficamnt: z + z 4.ln( ) z ln z z arccs( ) f) z g) z ln + h) z ( ) ) Dtrmin dmíni, trac as curvas d nívl sbc gráfic das funçõs: f (, ) 9 + 4 f (, ) 6 f (, ) 6 f

Leia mais

Contrastes no desenvolvimento e África: um continente de contrastes

Contrastes no desenvolvimento e África: um continente de contrastes Ggrafia LIVR 8 valiaçã Capítuls 6 7 Cntrasts n dsnvlvimnt África: um cntinnt d cntrasts MP PR QUTÕ 1 1 distribuiçã d rnda n mund 18 15 12 9 6 3 3 6 9 12 15 18 Círcul Plar Ártic Trópic d Câncr TLÂNTIC PCÍFIC

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006 PLUGUES E TOMADAS Padrão NBR 14.136 Painl Storial INMETRO 11 abr 2006 1 NBR para (P&T) 2 ABNT NBR NM 60884-1 tomadas para uso doméstico análogo Part 1: Rquisitos grais - Fixa as condiçõs xigívis para P&T

Leia mais

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO 9 CONGRESSO INTERNACIONAL DA QUALIDADE E COMPETITIVIDADE FIERGS POA/RS O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D DE 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO Aod Cunha d Moras Junior

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

Gestão de Saúde Empresarial

Gestão de Saúde Empresarial Gstão Saú Emprsarial Uma parcria indispnsávl para a sua tranquilida As soluçõs m Gstão Saú Emprsarial do Imtp foram criadas sob mdida para garantir a saú do su capital humano. Imtp tornou-s rfrência m

Leia mais

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 17 d abril d 2015 Sxta-Fira - # 1.528 Rio Grand do Nort trá maior ofrta d nrgia ólica

Leia mais

GIBI R Glossário de Imagens Básicas para Identificações de Riscos [ no caso, riscos de contaminação de um sistema municipal de suprimento de água ]

GIBI R Glossário de Imagens Básicas para Identificações de Riscos [ no caso, riscos de contaminação de um sistema municipal de suprimento de água ] GIBI R Glossário Imagns Básicas para Intificaçõs Riscos [ no caso, riscos contaminação um sistma municipal suprimnto água ] A - - Mapa Mapa rgional. rgional. Projção Projção horizontal horizontal corrta

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Para a sua Casa Para a sua Casa A Shamah sabe a dificuldade que s clientes têm em arrumar uma empresa de cnfiança para slucinar a manutençã da sua casa, sabems a dificuldade de hráris que nsss clientes

Leia mais

grandes empresas ajustados s às pequenas e médias empresas do Sector mobiliário nos concelhos de Paredes e Paços de Ferreira

grandes empresas ajustados s às pequenas e médias empresas do Sector mobiliário nos concelhos de Paredes e Paços de Ferreira MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS Os indicadrs d avaliaçã d dsmpnh utilizads plas grands mprsas ajustads s às pqunas médias mprsas d Sctr mbiliári ns cnclhs d Pards Paçs d Frrira CECÍLIA NATÁLIA ROCHA

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009 Cartão o d Crédito: Concntraçã ção o Custos Câmara dos Dputados - Comissão d Finanças Tributação 8 d outubro d 2009 Agnda 2 Indústria d cartõs d pagamntos Concntração Infra-strutura Estrutura d custos

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Máquinas de lavar louça e de utensílios

Máquinas de lavar louça e de utensílios Máquinas d lavar luça d utnsílis 230 COMPACT (cód. 0800.35.002) 1.406, 00 Máquina d lavar luça Dimnsõs (LPH) 450x455x485 mm Prduçã (csts/h) 30 Ptência 2.180 W Dimnsã cst 350x350 mm Altura útil 190 mm Ps

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach Vem Ser Mulher Prgrama de caching e inteligência relacinal para mulheres Pr Thirza Reis, Master Cach Sbre Thirza Reis Thirza Reis é master cach, especialista em Inteligência Relacinal; Cm mestrad em desenvlviment

Leia mais

Logweb. revista. Logística in-house. Rodovias: para concessionárias, segurança em 1º lugar. Guia de transportes na indústria automotiva

Logweb. revista. Logística in-house. Rodovias: para concessionárias, segurança em 1º lugar. Guia de transportes na indústria automotiva rvista Lgwb þ þ Lgística þ upply Chain þ Multidal þ Cérci Extrir þ Mvintaçã þ Araznag þ Autaçã Ebalag www.lgwb.c.br diçã nº92 utubr 2009 rfrência lgística Ft: CCR NvaDutra Rdvias: para cncssinárias, sgurança

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 2º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

MAN 66-10 (cód. 0108.353.004) 1.363, 00. Armário frigorífico de conservação. MAB 66-10 (cód. 0106.353.005) 1.589, 00

MAN 66-10 (cód. 0108.353.004) 1.363, 00. Armário frigorífico de conservação. MAB 66-10 (cód. 0106.353.005) 1.589, 00 Armáris Armáris d cnsrvaçã Intrir xtrir m aç inxidávl; islamnt m pliurtan injctad a alta prssã, sm CFC s; sistma d vntilaçã cm vapradr instalad nas cstas; frmas xtrirs cants intrirs arrdndads; juntas magnéticas

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO CONTROLE INTERNO NO ESTADO DE SANTA CATARINA

A EXPERIÊNCIA DO CONTROLE INTERNO NO ESTADO DE SANTA CATARINA A EXPERIÊNCIA DO CONTROLE INTERNO NO ESTADO DE SANTA CATARINA Valdr Ângl Mntagna ALGUMAS DEFINIÇÕES GERAIS CONTROLE significa a fiscalizaçã xrcida sbr as atividads d pssas, órgãs, dpartamnts, u sbr prduts,

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

Custos das Operaçõ. ções no Brasil. Audiência Pública Câmara dos Deputados CFT dezembro de 2009

Custos das Operaçõ. ções no Brasil. Audiência Pública Câmara dos Deputados CFT dezembro de 2009 Cartão o d Crédito: Custos das Opraçõ çõs no Brasil Audiência Pública Câmara dos Dputados CFT dzmbro d 2009 Instrumntos d Pagamnto Quantidad d transaçõ çõs Evoluçã ção Milhõs d transaçõ çõs 2 Intrbancários

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 3º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

cargo Programa de Visitas CAC Atendimento NEWSLETTER

cargo Programa de Visitas CAC Atendimento NEWSLETTER NEWSLETTER cargo 02 2013 Para ampliar a comunicação com os usuários clints, o GRU Airport Cargo criou o novo portal www.grucargo.com.br. No sit é possívl conhcr a strutura dos armazéns, srviços disponívis,

Leia mais

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária Alunos dos 1 anos participam concurso xposiçõs sobr Inovação Sustntabilida na Agropcuária Na última trçafira, 23 junho, as turmas Curso 1 anos Técnico do m Agropcuária participaram do concurso xposiçõs

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

e n e e A SIPAT Integrada 2012 Teófilo Otoni 07 a 11-05-2012

e n e e A SIPAT Integrada 2012 Teófilo Otoni 07 a 11-05-2012 In a n a m t a rn d Prv n çã o d A SIPAT Intgrada 2012 Tófilo Otoni 07 a 11-05-2012 ci d nt S Fnord Cmig Tófilo Otoni Projcl Engnharia Ltda. Rdl Eltrificaçõs Fundação Educacional Nordst Miniro s Gast tmpo

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE Programa Brasiliro da Qualida Produtivida m Softwar PBQPS - Ciclo 2005 Encontro da Qualida Produtivida m Softwar RECIFE Data: 26 27 stmbro 2005 Local: Hotl Villa Rica Promoção: Ministério da Ciência Tcnologia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

A presentação. Identificação do Veículo Data da aquisição. Número de série. Modelo do veículo. Identificação do Proprietário Nome.

A presentação. Identificação do Veículo Data da aquisição. Número de série. Modelo do veículo. Identificação do Proprietário Nome. A prsntaçã Intificaçã d Vícul Data da aquisiçã Númr séri T.M.A. Ml d vícul Intificaçã d Prpritári Nm Enrç Númr Cmplmnt Cida UF DDD Tlfn CEP E-mail Intificaçã d Distribuidr Códig Nm Cida UF DDD Tlfn E-mail

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS 1 Introdução ao tma Exist todo o intrss na abordagm dst tma, pois prmit a rsolução d um conjunto d situaçõs qu s aprsntam rgularmnt na vida das organizaçõs. Estas qustõs

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

FACULDADE NOVOS HORIZONTES Mestrado Acadêmico em Administração

FACULDADE NOVOS HORIZONTES Mestrado Acadêmico em Administração 1 FACULDADE NOVOS HORIZONTES Mstrad Acadêmic m Administraçã MODELO PARA ANÁLISE DE RESULTADOS DE PROMOÇÕES COM COMPRAS COLETIVAS Fabríci Lana Pssa Bl Hriznt 2012 2 Fabríci Lana Pssa MODELO PARA ANÁLISE

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

Lean na Reciclagem de Materiais da Cooperativa Aliança

Lean na Reciclagem de Materiais da Cooperativa Aliança Lan na Rciclag Matriais a Cprativa Aliança Brun Battaglia Lan Institut Brasil O bjtiv st artig é strar c a aplicaçã alguns cncits lan ajuu a lhrar a prutivia, a rna abint trabalh na Cprativa Aliança Suaré-SP.

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais