A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DA INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DA INFORMAÇÃO São Paulo 2002

2 FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DA INFORMAÇÃO Andréia Gonçalves Silva Antonia Regina Q. de Oliveira Carlos Eduardo da Silva Débora Ferreira dos Santos Henrique M. Coimbra Ferreira Sadrac Leite Silva Sônia Duarte D'Ambrosio Trabalho de conclusão de curso - TCC, apresentado à Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação - FaBCI, da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo - FESPSP, como exigência parcial para obtenção do grau de Bacharel em Biblioteconomia. Coordenador: Prof. Cláudio Marcondes de Castro Filho Orientadora: Prof. Telma de Carvalho São Paulo 2002

3 G393 A gestão do conhecimento e a atuação do profissional da informação / Andréia Gonçalves Silva... [et al.]; coordenador Cláudio Marcondes de Castro Filho; orientadora Telma de Carvalho f. :il. ; 29 cm Demais autores: Antonia Regina Q. de Oliveira, Carlos Eduardo da Silva, Débora Ferreira dos Santos, Henrique M. Coimbra Ferreira, Sadrac Leite Silva, Sônia Duarte D'Ambrosio. Coordenador Cláudio Marcondes de Castro Filho; orientadora Telma de Carvalho. Trabalho de conclusão de curso (Bacharel) - Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. 1. Gestão do conhecimento. 2. Profissional da Informação. 3. Bibliotecário. 4. Tecnologia da Informação. 5. Sociedade do Conhecimento. 6. Conhecimento. 7. Capital Intelectual. I. Silva, Andréia Gonçalves. II. Oliveira, Antonia Regina Q. de. III. Silva, Carlos Eduardo da. IV. Santos, Débora Ferreira dos. V. Ferreira, Henrique M. Coimbra. VI. Silva, Sadrac Leite. VII. D' Ambrosio, Sônia Duarte. CDD

4 Dedicamos a Deus, a nossos pais, familiares, amigos, professores e todos que colaboraram direta e indiretamente para a realização deste trabalho.

5 Agradecimentos Agradecimentos A Deus, por nos conceder a capacidade de realizar este trabalho. Ao saudoso Professor Jaime Teixeira Filho, responsável pelo estudo da GC no Brasil. Foi uma das primeiras pessoas que contatamos quando buscávamos entender o que era a GC. Infelizmente, o prof. Jaime nos deixou de maneira repentina. Hoje, só nos resta na lembrança a sua dedicação e competência, no desenvolvimento deste tema de tão grande importância e, sua simplicidade e prontidão em nos atender sempre que foi necessário. Ao Professor Cláudio Marcondes de Castro Filho, pelas orientações, sugestões e críticas que nos incentivaram a realizar um trabalho de boa qualidade. À Prof. Telma, pelas orientações e sugestões. À Prof. Auta Barreto, pelas sugestões, explicações e envio de seus artigos. À Yara Rezende (Natura), pelas diversas leituras críticas, sugestões, envio de bibliografia e por ter nos concedido a entrevista. À Marinete (Promon), pela entrevista concedida. À Cristiane Giacomini (Promon), por fazer nosso contato com o Sr. Sérgio Alfredo. À Ana Maria Freire (Tozzini e Freire), pela entrevista concedida. À Alice Nonaka (Tozzini e Freire), pelo envio de informações referentes à biblioteca do escritório. À Nádia Hommerding, pelo envio de sua Tese - que foi de grande importância e pelas sugestões.

6 Agradecimentos À Elisabete Neves, pela tese, sugestões, leituras críticas, incentivos e por ter se colocado à nossa disposição. À Elisabety Vargas, pelas indicações e sugestões. À Elisabety Braga Moreira (ACB), pelo envio do artigo solicitado. À Aracy Campos, pelo envio de referências e sugestões da literatura em GC. À Prof. Concilia Teodosio, pelos incentivos de sempre e revisão da ficha catalográfica. À Prof. Elisa, pelos elogios e sugestões. Ao corpo docente da FaBCI, cujos conhecimentos compartilhados ao longo de nossa formação contribuíram de forma fundamental para a execução deste trabalho Ao Prof. Fernando Duran, pelas leituras e releituras críticas, e por suas sugestões que foram de grande importância, contribuindo para a clareza deste trabalho. Ao Prof. Alfonso, pela leitura do capítulo referente à filosofia. Ao Gustavo Jacob (Andrade Gutierrez), pela entrevista concedida. Ao Sérgio Alfredo (Promon), pela entrevista concedida. Ao Cláudio Wilberg (Tozzini), por nos conceder a entrevista, enviar material referente a TI e realizar a revisão deste capítulo. Ao Dr. José Aníbal, pela revisão do português. Aos futuros bibliotecários - Marcos e Juliana - pela paciência que eles têm que ter com os alunos do 4º ano.

7 Bem-aventurado o homem que acha sabedoria e o homem que adquire conhecimento. Melhor é a sabedoria do que as jóias; tudo o que se deseja, nada se compara com ela. - Provérbios de Salomão

8 SUMÁRIO RESUMO / ABSTRACT LISTA DE ILUSTRAÇÃO APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivos gerais Objetivos específicos JUSTIFICATIVA METODOLOGIA CONHECIMENTO: VISÃO FILOSÓFICA Tipos de conhecimento Diferenças entre conhecimento, informação e dados Sociedade do conhecimento... 32

9 6 GESTÃO DO CONHECIMENTO = KNOWLEDGE MANAGEMENT CAPITAIS DO CONHECIMENTO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATUAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO NAS EMPRESAS: MUDANÇAS DE ATITUDES Atuação do profissional da informação na Gestão do Conhecimento A formação do bibliotecário: necessidade de atualização e aperfeiçoamento curricular CASES DE EMPRESAS QUE IMPLANTARAM A GESTÃO DO CONHECIMENTO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ANEXOS GLOSSÁRIO CURRÍCULOS

10 Resumo - Abstract RESUMO Este trabalho apresenta os conceitos e temas relacionados à Gestão do Conhecimento 1 (GC), revelando os aspectos teóricos do conhecimento à época dos antigos filósofos e sob a ótica dos gerentes, pesquisadores e consultores empresariais da sociedade do conhecimento. Relata os objetivos buscados pelas empresas ao implantarem a GC, expondo as etapas, técnicas e ferramentas necessárias para a efetivação desse processo. Analisa a inserção dos bibliotecários no ambiente da GC, apontando o quão importante é para o profissional da informação redefinir seus objetivos, possuir uma nova postura, desenvolver determinadas habilidades comportamentais exigidas pela GC e investir em seu aperfeiçoamento curricular. Demonstra ainda a experiência de algumas empresas que implantaram a GC e a participação do bibliotecário nesse contexto. Palavras-chave: Gestão do Conhecimento Profissional da Informação Bibliotecário Tecnologia da Informação Sociedade do Conhecimento Conhecimento Capital Intelectual ABSTRACT This report contains the concepts and subjects related to Knowledge Management (KM). It demonstrates theoretical aspects of the knowledge that were developed by former philosophers. It also reveals how they have been analysed the knowledge society s managers, researchers, and enterprise consultants. The goals that enterprises has to be intented in introducing KM, indicating the necessary stages, techniques and tools for reaching up this process. It also analyses the librarian s insertion to the KM enviroment showing the importance of the information professional in redefining his intention, getting a new approach, developing specific behave skills required on KM, and investing in his career growing. Finally, demonstrate the experience taken from some enterprises which introduce the KM to their company structure, and the librarian s participation in this context as well. Keywords: Knowledge Management - Information Professional - Librarian - Information Technology - Knowledge Society Knowledge Intellectual Capital 1 No decorrer do trabalho o termo "Gestão do Conhecimento" será substituído pela sigla GC.

11 Lista de Ilustrações LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Teoria da conversão do conhecimento... p. 24 Figura 2 A transformação de dados e informação em conhecimento... p. 31 Figura 3 Gestão do Conhecimento nas organizações... p. 43 Figura 4 Diagrama da Gestão do Conhecimento... p. 45 Figura 5 Benefícios esperados pelas empresas com a implantação de um projeto de Gestão do Conhecimento... p. 49 Figura 6 Resultados esperados com a implantação da Gestão do Conhecimento... p. 50 Figura 7 Os quatros capitais do conhecimento... p. 54 Figura 8 Implantação da TI - Efeitos... p. 64 Figura 9 As formas de educação continuada... p. 84

12 Lista de Ilustrações LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 Exemplo didático para compreensão das diferenças entre dados, informação e conhecimento... p. 28 Quadro 2 Os princípios da organização do conhecimento... p. 35 Quadro 3 Tecnologia para a Gestão do Conhecimento... p. 61 Quadro 4 Evolução e características das bibliotecas nas empresas.. p. 69 Quadro 5 Perfil desejado para o profissional da informação... p. 71 Quadro 6 Comparação entre os perfis e atitudes dos tradicionais e dos atuais profissionais da informação... p. 73

13 Apresentação Descobrir consiste em olhar para o que todo mundo está vendo e pensar uma coisa diferente - Albert Szent-Gyorgy Prêmio Nobel de Medicina APRESENTAÇÃO O presente trabalho trata de um tema que está mobilizando gerentes, diretores, consultores empresariais e profissionais da informação/bibliotecários: a Gestão do Conhecimento - GC. A cada dia crescem a demanda de seminários, congressos e palestras que visam a discutir as questões relacionadas à GC. Deste modo, constata-se que o mercado necessitará de profissionais capacitados para atuarem no comando e implantação dessa nova ferramenta empresarial. Assim, inicia-se este trabalho com uma introdução sobre o contexto da GC e, em seguida, apresentam-se os objetivos, justificativas e metodologias aplicadas (capítulos, 2, 3 e 4). No capítulo 5 demonstram-se os temas e as definições necessárias ao estudo da GC e, o capítulo 6 trata dos conceitos, elementos e princípios da GC. O capítulo 7 aborda os fatores internos e externos que influenciam os processos da GC (capitais do conhecimento). A importância da Tecnologia da Informação para a GC é enfatizada no capítulo 8. O capítulo 9 aponta as competências e habilidades do profissional da informação, revelando a necessidade de uma nova postura diante do ambiente da GC. A experiência de algumas empresas com a GC é relatada nos cases (capítulo 10). Na conclusão, expõem-se alguns comentários e considerações sobre o tema abordado, com base nas premissas apresentadas nos capítulos anteriores.

14 Introdução 12 O novo paradigma da sociedade do conhecimento é ver o mundo pelo ponto de vista do conhecimento. - Karl Sveiby 1 INTRODUÇÃO As organizações sempre se preocuparam em implantar ferramentas e instrumentos administrativos a fim de melhorar resultados, comportamentos, lucros e posição no mercado. Ao fazer uma retrospectiva na história da Administração de Empresas, constata-se que as práticas administrativas sempre acompanharam a existência das empresas, tais como: a Qualidade Total (TQM); o Downsizing; a Reengenharia e a Empowerment. Agora, a ferramenta administrativa implantada nas organizações é a chamada Gestão do Conhecimento GC. Hoje, os métodos de produção de lucros e riquezas concentram-se no uso, controle e domínio da informação e conhecimento. Os ativos que outrora traziam riquezas (terra, trabalho, capital) não desapareceram, porém, tornaram-se secundários. Assim, informação e conhecimento transformaram-se em matériaprima para as empresas, sendo o novo motor da economia. No entanto, para que a informação e o conhecimento sejam de fato instrumentos para obtenção de riquezas, é necessário que os mesmos sejam gerenciados e, em seguida, compartilhados entre todos os membros da organização. Nesse contexto, surge a GC, cuja finalidade é identificar, coletar, armazenar e disponibilizar o conhecimento relevante para a empresa. Na prática a GC é uma ferramenta que habilita as empresas a identificarem o conhecimento tácito que circula entre seus diversos setores, deixando-o explícito

15 Introdução 13 para toda a organização, isto é, as empresas identificam o conhecimento que está na cabeça das pessoas, as experiências e os talentos disponibilizando-os, por meio de banco de dados, portais do conhecimento ou páginas amarelas. Ao utilizar os processos da GC, a empresa aprende a aproveitar os recursos já existentes, aplicando as melhores práticas, sem precisar reinventar a roda. Este é um dos motivos que levam as organizações a aplicarem os ensinamentos da GC, uma vez que a dinâmica da sociedade, a concorrência e a competitividade do mercado não deixam espaço para aquelas empresas que não tenham soluções e criações rápidas. Entretanto, para que a GC produza bons frutos dentro da organização é necessário que esta seja gerenciada de uma maneira eficaz. Desta forma, surge a figura do gerente do conhecimento. Neste trabalho, pretende-se demonstrar que, apesar de não se encontrar na literatura autores que indicam a formação do gerente do conhecimento, o bibliotecário, assim como outros profissionais, poderá obter capacitação para atuar na GC. Todavia, do mesmo modo que a economia, o mercado e as organizações mudaram e se adaptaram à realidade da sociedade do conhecimento, o bibliotecário corporativo também deve fazê-lo. Logo, é fundamental que o profissional da informação adapte seu perfil a essa nova realidade, tenha uma postura agressiva e dinâmica, seja empreendedor, criativo, inovador e invista em seu aperfeiçoamento curricular. Com estas atribuições, acredita-se que o bibliotecário poderá ocupar uma vaga no mundo das oportunidades que estão surgindo no mercado.

16 Capítulo 2 Objetivos 14 Não há vento a favor, quando não se sabe para onde vai - Sêneca 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivos gerais Apresentar os conceitos e temas relacionados a Gestão do Conhecimento - GC, demonstrando-o como um novo campo de atuação para o profissional da informação/bibliotecário. 2.2 Objetivos específicos Relatar os aspectos teóricos do conhecimento e a evolução da sociedade do conhecimento; Demonstrar as atividades, funções e habilidades do profissional da informação/bibliotecário, diante do contexto da GC, apontando a necessidade de seu aperfeiçoamento curricular; Identificar as características e competências necessárias ao profissional que almeja atuar como gerente do conhecimento, Expor algumas experiências de empresas que incorporaram os ensinamentos da GC, por intermédio de estudos de casos.

17 Justificativa 15 Será útil, sem ser nocivo a ninguém. - Descartes 3 JUSTIFICATIVA A principal razão em estudar a atuação do profissional da informação/bibliotecário no cenário da GC, justifica-se no fato do bibliotecário possuir formação acadêmica compatível e favorável às práticas da GC. Entretanto, possuir uma formação propícia não é o suficiente para inseri-lo no mercado da GC, tendo em vista que, neste novo contexto a habilidade deixa de ser técnica para se tornar comportamental. Tão logo, é fundamental que o bibliotecário desenvolva algumas habilidades comportamentais exigidas pela GC, redirecionando seus objetivos e se adaptando às transformações ocorridas na sociedade do conhecimento. Além disso, é essencial que o bibliotecário redefina alguns conceitos, aprimore e atualize seu currículo, assuma uma postura mais agressiva e inovadora, seja flexível para interagir com as mudanças que estão ocorrendo e esteja atento a evolução das Tecnologias da Informação. Para a área da Ciência da Informação, esta pesquisa visa a contribuir para os estudos sobre os novos desafios e perspectivas do profissional da informação/bibliotecário.

18 Capítulo 4 - Metodologia 16 Não recearei dizer, porém, que julgo haver tido muita sorte em ter-me encontrado, desde a mocidade, em certos caminhos que me conduziram a considerações e máximas com as quais formei um método pelo qual, parece, tenho um meio de aumentar gradualmente o meu conhecimento. - Descartes 4 METODOLOGIA Para a execução deste trabalho, buscou-se na literatura os conceitos, princípios e temas relacionados à GC. Em seguida, efetuou-se revisão de literatura na área da Ciência da Informação, com o intuito de revelar o perfil, características, postura, competências e habilidades necessárias para o profissional da informação/bibliotecário atuar diante das oportunidades que estão surgindo no mercado. Utilizando o método de estudo de casos, retratou-se a experiência de empresas que implantaram a GC, demonstrando na prática o papel, funções e atividades do profissional que atua como gerente do conhecimento. De acordo com GIL (1997, p. 90) o estudo de caso consiste em apresentar fatos ou resumos narrativos de situações ocorridas em empresas, órgão públicos ou em outras instituições.... Assim sendo, com o objetivo de narrar a situação das empresas que estão atuando na GC, realizou-se uma série de contatos com bibliotecários que de alguma forma estavam envolvidos com o estudo da GC. Para direcionar o enfoque do estudo de caso utilizou-se a monografia 2 da bibliotecária Nádia 2 Ganhadora do IV Prêmio de Biblioteconomia Paulista "Laura Russo".

19 Capítulo 4 - Metodologia 17 Hommerding que descreveu em sua dissertação de mestrado a experiência da KPMG, onde a bibliotecária Maria Luiza da Silva participou da implantação da GC. Logo após, foram mantidos contados com empresas que estavam aplicando a doutrina da GC, em seus negócios. Dentre as empresas contatadas escolheu-se o escritório de advocacia Tozzini, Freire, Teixeira e Silva e as empresas, Natura, Promon e Andrade Gutierrez. O estudo de caso foi realizado por meio de visitas às empresas quando se entrevistou o bibliotecário ou o responsável pela implantação da GC. Em algumas empresas o contato foi realizado com os dois profissionais. (Roteiro de entrevista - ANEXO A). GIL (1997) afirma ainda, que a entrevista identifica valores e padrões de ação. Desta maneira, no decurso das entrevistas coletaram-se dados referentes ao histórico da instituição, área de atuação, objetivos e expectativas quando da implantação da GC, enfatizando a participação do bibliotecário nesse processo. Para a revisão de literatura, realizou-se um levantamento bibliográfico em: livros e periódicos das áreas de Ciência da Informação, Administração e Tecnologia da Informação, Teses e Anais de Congressos de Biblioteconomia. Na Web pesquisou-se na Biblioteca Virtual nas áreas de Biblioteconomia e Ciência da Informação, nos sites voltados para a divulgação e estudo da GC, nas bases de dados do Sibi/Usp, na base da Biblioteca Digital Brasileira (link Revista Ciência da Informação) e no site de busca Google. Os descritores utilizados para elaboração da pesquisa foram: Bibliotecário e perfil e formação; Gestão e conhecimento; Gestão e conhecimento e profissional e informação; Informação e conhecimento; Profissional e informação e educação e continuada; Profissional e informação e atualização;

20 Capítulo 4 - Metodologia 18 Profissional e informação e aperfeiçoamento; Profissional e informação e empresas; Profissional e informação e formação; Sociedade e conhecimento; Tecnologia e informação. O referido levantamento bibliográfico foi desenvolvido durante um período de seis meses. Convém ressaltar ainda, que além dos ensinamentos extraídos da literatura, buscou-se informações por intermédio de contatos pessoais com autores, pesquisadores, consultores e estudiosos da GC. Dentre eles, os professores Jayme Teixeira Filho e Auta Barreto, as bibliotecárias Yara Rezende, Elisabete Neves, Aracy Campos, a consultora Elisabety Vargas, entre outros. Deste modo, por meio destas atividades metodológicas iniciou-se a elaboração da pesquisa proposta.

21 Capítulo 5 Visão filosófica 19 "Sábio não é aquele que conhece muitas coisas, mas o que conhece coisas úteis" - Ésquilo a.c. 5 CONHECIMENTO: VISÃO FILOSÓFICA O termo Conhecimento sempre esteve presente nos trabalhos de muitos filósofos e pensadores, tais como: Platão, Aristóteles, René Decartes, Jonh Locke, Kant, Francis Bacon, Hegel entre outros. Segundo Nonaka e Takeuchi (1997) Platão foi quem inicialmente desenvolveu uma elaborada estrutura sobre o conhecimento, definindo-o como crença verdadeira justificada. Na Antigüidade (séc. V e IV a.c.), o conhecimento era considerado fonte de sabedoria e Atenas era o centro cultural, onde aconteciam as reuniões dos grandes filósofos no Areópago. O pensamento filosófico desse período pode ser caracterizado nas palavras de Pitágoras: o filósofo não é movido por interesses comerciais - não coloca o saber como propriedade sua, como uma coisa para ser comprada e vendida no mercado; também não é movido pelo desejo de competir - não faz das idéias e dos conhecimentos uma habilidade para vencer competidores ou "atletas intelectuais", mas é movido pelo desejo de observar, contemplar, julgar e avaliar as coisas, as ações, a vida; em resumo, pelo desejo do saber (CHAUÍ, 2002, p. 20). Chauí (2002, p. 112) explica que Platão distinguiu quatro formas ou graus de conhecimento que vão do grau inferior ao superior: crença, opinião, raciocínio e intuição intelectual, sendo que os dois primeiros graus deveriam ser afastados da filosofia - são conhecimentos ilusórios ou das aparências - e somente os dois últimos poderiam ser considerados válidos.

22 Capítulo 5 Visão filosófica 20 Aristóteles também estudou as questões relacionadas ao conhecimento, distinguindo seis formas ou graus de conhecimento: sensação, percepção, imaginação, memória, raciocínio e intuição. Ao contrário de Platão, Aristóteles afirmava que o conhecimento vai sendo formado e enriquecido por acumulação das informações trazidas por todos os graus, de modo que, em lugar de uma ruptura entre o conhecimento sensível e intelectual, Aristóteles estabeleceu uma continuidade entre eles. Embora o conhecimento tenha provocado reflexões na Antigüidade e na Idade Média, ele só se tornou uma disciplina independente da filosofia na Idade Moderna. Entre o período dos séculos XVII e XVIII a história assistiu ao apogeu da ciência, e o conhecimento passou a ser questionado pelos filósofos. René Descartes, considerado pai da filosofia moderna, iniciou os primeiros estudos sobre a capacidade e possibilidade do ser para o erro e a verdade, que resultou em um método de verificação controlável. Para Descartes a verdade definitiva só poderia ser deduzida a partir da verdadeira existência de um eu pensante. É de sua autoria a famosa frase Penso, logo existo. (NONAKA; TAKEUCHI, 1997). Francis Bacon, contemporâneo de Descartes, tinha um lema que o diferenciava dos filósofos anteriores: "Saber é poder". Bacon buscava no conhecimento não apenas um saber que não tivesse um fim em si, mas um saber instrumental que possibilitasse a dominação da natureza, isto é, o poder propriamente dito (ARANHA; MARTINS, 1993). Destas discussões surge, então, a disciplina que estuda o conhecimento sob a ótica da filosofia a Teoria do Conhecimento ou Epistemologia - apresentada pela primeira vez pelo filósofo John Locke em sua obra "Ensaios sobre o entendimento humano", publicada em Conforme Aranha e Martins (1993, p. 23) a Teoria do Conhecimento é uma disciplina filosófica que investiga quais são os problemas decorrentes da relação entre sujeito e objeto do conhecimento, bem como as condições do conhecimento verdadeiro".

23 Capítulo 5 Visão filosófica 21 Foram muitas as correntes que tentaram resolver as questões relacionadas ao conhecimento. Porém, duas se destacaram e influenciaram os filósofos da Idade Moderna, ao apresentarem soluções significativas para a problemática do conhecimento: Racionalismo: afirmavam que a fonte do conhecimento verdadeiro é a razão operando por si mesma, sem o auxílio da experiência sensível (...). Para eles o verdadeiro conhecimento não é produto da experiência sensorial, mas sim um processo mental ideal (CHAUÍ, 2002, p. 117). Segundo a visão dos racionalistas existe um conhecimento a priori que não precisa ser justificado pela experiência sensorial (NONAKA; TAKEUCHI, 1997). Empirismo: acreditavam que a fonte de todo e qualquer conhecimento é a experiência sensível, responsável pelas idéias da razão e controlando o trabalho da própria razão (...). Suas principais formas são a sensação e a percepção. Eles alegam não existir conhecimento a priori e que a única fonte de conhecimento é a experiência sensorial (CHAUÍ, 2002, p. 117). Como se pode observar e conforme declaram Nonaka e Takeuchi (1997, p. 27-8) as duas principais correntes filosóficas (racionalistas e empiristas) diferemse nos seus conceitos em relação à constituição da fonte do conhecimento. Jonh Locke não concordava com a posição dos racionalistas de que a mente humana já vem equipada com idéias ou conceitos inatos. Locke comparava a mente humana a uma tábula rasa ou uma folha de papel em branco, sem nenhuma idéia a priori. Por outro lado, Kant não concordava com os empiristas, os quais argumentavam que a experiência seria a única fonte de conhecimento. Kant afirmava que embora todo conhecimento comece com a experiência isso não quer dizer que todo conhecimento surja da experiência (p. 28). Além destas diferenças, os racionalistas e empiristas se divergem também no que diz respeito ao método pelo qual se obtém conhecimento. O racionalismo argumenta que se pode obter conhecimento por dedução (através de conceitos, leis ou teorias) e o empirismo

24 Capítulo 5 Visão filosófica 22 defende que o conhecimento é obtido por indução (por meio de experiências sensoriais específicas). Assim, estas foram algumas das inúmeras divergências que surgiram entre os filósofos que se posicionavam entre a razão dos racionalistas ou na experiência sensível dos empiristas. Naquela época os filósofos buscavam compreender a origem e a forma de se chegar ao conhecimento. Se era por meio da razão ou percepção, se a mente humana já nascia com algum conhecimento, ou se este era adquirido por meio de experiências. A preocupação maior era chegar ao verdadeiro caminho da fonte do conhecimento. Nos dias atuais, busca-se novamente entender as origens e conceitos do conhecimento, uma vez que este passou a ser um bem de valor na chamada sociedade do conhecimento. Nesta sociedade, o conhecimento é chamado de capital intelectual, o qual pode ser definido como a soma de experiência, talentos e conhecimentos dos indivíduos. Na ótica da sociedade do conhecimento, existem dois tipos de conhecimento: o tácito e o explícito. O conhecimento tácito é o que está na mente das pessoas e, o explícito é o conhecimento codificado, aquele encontrado em livros, manuais, memória de computador, entre outros. Percebe-se que, mesmo possuindo uma nova finalidade, as atuais definições de conhecimento são influenciadas pela visão dos antigos filósofos. As seis formas ou graus de conhecimento, segundo os estudos de Aristóteles - sensação, percepção, imaginação, memória, raciocínio e intuição - estão presentes na teoria dos consultores e estudiosos da sociedade do conhecimento, quando estes se referem ao conhecimento tácito. Desta forma, justifica-se a razão de estudar as bases filosóficas do conhecimento antes de iniciar a apresentação do verdadeiro objetivo deste trabalho, que é abordar os temas relacionados à GC. Destarte, o conhecimento é objeto de estudo desde os tempos dos antigos filósofos. Ao estudá-lo eles buscavam o entendimento do ser, tentando descobrir a origem do conhecimento. Logo, o conhecimento era visto como fonte de

25 Capítulo 5 Visão filosófica 23 sabedoria. Hoje, o conhecimento é novamente fator de discussão, sendo estudado não apenas por filósofos, mas por consultores, diretores e gerentes empresariais que contemplam o conhecimento com uma visão diferente daquela exposta por Pitágoras, quando afirmava que o conhecimento não deveria ser usado para vencer competidores. Na sociedade empresarial o conhecimento é, sim, fonte para vencer competidores e gerar riquezas. Constata-se que há divergência entre a concepção do conhecimento da Antigüidade comparando-a com a atual sociedade. Entretanto, as bases filosóficas continuam influenciando os estudos da humanidade, inclusive as teorias da sociedade do conhecimento. Assim, o conhecimento tem hoje uma outra finalidade, permanecendo de maneira implícita a essência da filosofia. Nos próximos capítulos, apresenta-se a definição e conceito de conhecimento sob o ponto de vista da GC. 5.1 Tipos de conhecimento Dando prosseguimento aos conceitos relacionados à GC, expõe-se neste capítulo os tipos de conhecimentos importantes à compreensão deste tema. Segundo literatura consultada, estes conhecimentos são classificados em: tácito e explícito. O conhecimento tácito ou implícito é aquele que está na mente das pessoas, as experiências e insights. O conhecimento explícito é encontrado em relatórios, livros, banco de dados e palestras. É o conhecimento que outrora foi tácito e ao ser explicitado é compartilhado com todos os funcionários da instituição.

26 Capítulo 5.1 Tipos de conhecimento 24 Teixeira Filho (2001, p. 23) afirma que o conhecimento tácito é aquele que as pessoas possuem, mas não está descrito em nenhum lugar, residindo apenas em suas cabeças e, o conhecimento explícito é aquele que está registrado de alguma forma e, assim, disponível para as demais pessoas. Na visão de Neves (2002) o conhecimento tácito é a verdadeira chave para resolver problemas e está associado a experiências, emoções e valores do indivíduo, enquanto o conhecimento explicito é considerado um suporte para a organização. Nonaka e Takeuchi (1997, p ) argumentam que o conhecimento é criado por meio da interação entre o conhecimento tácito e explícito; assim, os autores criaram a teoria da conversão do conhecimento, conforme demonstra a Figura 1. Conhecimento tácito em Conhecimento explicito Conhecimento Tácito Socialização Externalização do Conhecimento explícito Internalização Combinação Figura 1: Teoria da conversão do conhecimento Socialização: conversão do conhecimento tácito em tácito: Na socialização, o indivíduo adquire conhecimento a partir da experiência de outros, sem utilizar a linguagem. Por exemplo, os aprendizes trabalham com seus mestres e aprendem sua arte, por meio de observação e não fazendo uso da linguagem.

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA Maria de Fátima Soares Ribeiro Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Gestão Empresarial para a Indústria Química GETIQ pela Escola de Química da

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Banco de Dados para BI: José Roberto Escodeiro 10/10/2011 1. Linha do Tempo 2. Era do Conhecimento Índice 3. Ativos Tangíveis e intangíveis

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado do Ceará GESTÃO DO CONHECIMENTO ARNOUDO ALVES, MsC ETICE Empresa de Tecnologia da Informação do Estado / SEPLAG DAE Departamento de Arquitetura e Engenharia

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior Resumo: Diante da sociedade do conhecimento na qual vive, torna-se

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Hirotaka Takeuchi: professor e reitor da Universidade de Hitotsubashi. Já lecionou em Harvard. Ikujiro Nonaka: professor na Universidade de Hitotsubashi. Autor

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

Gestão do Conhecimento na área jurídica. Cátia Martins Jorge Murata 31/03/2012

Gestão do Conhecimento na área jurídica. Cátia Martins Jorge Murata 31/03/2012 Gestão do Conhecimento na área jurídica Cátia Martins Jorge Murata 31/03/2012 Ciclo de Palestras Parceria: E Ciclo de Palestras Programação 2012 28/04/2012 - Entendendo a linguagem jurídica - Andréia Gonçalves

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004 OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL - 2004 Sumário Mudanças na Sociedade Industrial - fatores e tendências Novos caminhos da organização Elementos críticos do diferencial competetitivo Os recursos

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a.

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade José Renato S. Santiago Júnior Para Pensar a Respeito... A Inovação tem se tornado um dos principais fatores de geração de riqueza e valor das organizações; Atualmente

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

IX Encuentro de Directores y VIII de Docentes de Escuelas de Bibliotecología y. Ciencia de la Información del Mercosur

IX Encuentro de Directores y VIII de Docentes de Escuelas de Bibliotecología y. Ciencia de la Información del Mercosur IX Encuentro de Directores y VIII de Docentes de Escuelas de Bibliotecología y Ciencia de la Información del Mercosur Montevideo, 3,4 y 5 de octubre de 2012 A Disciplina de Gestão do Conhecimento no Currículo

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Ementa da Disciplina Fundamentos da teoria

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Arquivologia:

Gestão do Conhecimento e Arquivologia: Gestão do Conhecimento e Arquivologia: entrelaçamentos e possibilidades na formação do profissional arquivista. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira DCI/FABICO/UFRGS Arquivologia Salvador, 2013. Apresentação

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL Marilene Lobo Abreu Barbosa 21 de outubro de 2013 Arquivos, bibliotecas e museus Foram os primeiros sistemas de informação e, inicialmente,

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 149 26/07/2015 Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos João Lucas Nunes de Souza Analista

Leia mais

A disciplina de Gestão do Conhecimento no currículo do Curso de Biblioteconomia: a experiência da UFRGS/BRASIL.

A disciplina de Gestão do Conhecimento no currículo do Curso de Biblioteconomia: a experiência da UFRGS/BRASIL. A disciplina de Gestão do Conhecimento no currículo do Curso de Biblioteconomia: a experiência da UFRGS/BRASIL. Profa. Maria do Rocio F. Teixeira DCI/FABICO/UFRGS IX Encuentro de Directores y VIII de Docentes

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA

Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA Divisão do Conhecimento Ciências Econômicas, Friedrich Hayek (1945) Para ele, como pode a combinação

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

Guia CARREIRAS E SALÁRIOS

Guia CARREIRAS E SALÁRIOS Guia CARREIRAS E SALÁRIOS em contabilidade Guia Carreiras e Salários Se você é gestor de alguma empresa contábil, está procurando melhorar sua posição profissional ou é dono de um escritório de contabilidade:

Leia mais

Sociedade da Informação

Sociedade da Informação Sociedade da Revolução Tecnológica Revolução industrial: ampliação dos músculos m dos homens em forma de equipamentos Mecanização ão. Responsável por mudanças as nas formas de produção existentes Revolução

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais