Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Fevereiro 2017 Semana Operativa de 04/02/2017 a 10/02/2017

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Fevereiro 2017 Semana Operativa de 04/02/2017 a 10/02/2017"

Transcrição

1 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Fevereiro 2017 Semana Operativa de 04/02/2017 a 10/02/ APRESENTAÇÃO No início da semana de 28/01 a 03/02/2017 a precipitação ficou restrita às bacias hidrográficas do subsistema Sul, ao Paranapanema, ao Tietê e ao Tocantins. No final da semana as demais bacias do subsistema Sudeste/Centro-Oeste e o alto São Francisco apresentaram pancadas de chuva em pontos isolados. No início da semana de 04 a 10/02/2017 deve permanecer a condição de pancadas de chuva nas bacias dos rios São Francisco, Paranaíba e Tocantins. No final da semana deve ocorrer chuva fraca nas bacias hidrográficas das regiões Sul e Sudeste. Na revisão 1 do PMO de Fevereiro/2017, o valor médio semanal do Custo Marginal de Operação CMO dos subsistemas SE/CO e Sul passou de R$ 80,44/MWh para R$ 94,58/MWh, do subsistema Norte passou de R$ 80,44/MWh para R$ 84,48/MWh e do subsistema Nordeste permaneceu R$ 176,69/MWh. 2. NOTÍCIAS Em 23 e 24/02/2017 será realizada a reunião de elaboração do PMO Março de 2017 no auditório do Escritório Central do ONS, com transmissão ao vivo através do site do ONS. 3. INFORMAÇÕES CONJUNTURAIS PARA ELABORAÇÃO DO PMO 3.1. Informações Hidrometeorológicas Condições Antecedentes A precipitação ficou restrita às bacias hidrográficas do subsistema Sul, ao Paranapanema, ao Tietê e ao Tocantins no início da semana devido a atuação de áreas de instabilidade sobre essas regiões. No final da semana as demais bacias do subsistema Sudeste/Centro-Oeste e o alto São Francisco apresentaram pancadas de chuva em pontos isolados (Figura 1). 1 Figura 1 - Precipitação observada (mm) no período de 28/01 a 03/02/17

2 ENA (MWmed) Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação A Tabela 1 apresenta as energias naturais afluentes das semanas recentes. São apresentados os valores verificados na semana de 21/01 a 27/01/2017 e os estimados para fechamento da semana de 28/01 a 03/02/2017. Tabela 1 Tendência hidrológica das ENAs na revisão 1 do PMO de Fevereiro/2017 Rev.1 do PMO de FEVEREIRO/ ENAs Subsistema 21/1 a 27/1/ /1 a 3/2/2017 MWmed %MLT MWmed %MLT SE/CO S NE N Previsão para a próxima semana A condição de pancadas de chuva permanece nas bacias dos rios São Francisco, Paranaíba e Tocantins no início da próxima semana devido a atuação de um sistema de baixa pressão no Paraguai e nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. No final da semana uma frente fria avança pelos estados das regiões Sul e Sudeste ocasionando chuva fraca nas bacias hidrográficas dessas localidades (Figura 2). Cabe ressaltar que nas bacias dos rios Paranapanema, Grande, Paranaíba e Iguaçu, e parte das bacias dos rios São Francisco, Uruguai e Paraná, esta previsão é utilizada como insumo nos modelos do tipo chuva-vazão, para a previsão de afluências para a próxima semana. Em comparação com os valores estimados para a semana em curso, prevê-se para a próxima semana operativa, redução nas afluências de todos os subsistemas, com exceção do subsistema Norte. A previsão para as afluências médias mensais do mês de fevereiro indica a ocorrência de afluências abaixo da média histórica para todos os subsistemas. Tabela 2 Previsão de ENAs da revisão 1 do PMO de Fevereiro/2017 PMO de FEVEREIRO/ ENAs previstas Subsistema 4/2 a 10/2/2017 Mês de FEVEREIRO MWmed %MLT MWmed %MLT SE/CO S NE N As figuras a seguir ilustram as ENAs semanais previstas na revisão 1 do PMO de Fevereiro/ REGIÃO SUDESTE - ENAs - FEVEREIRO/ RV ENA semanal prevista no PMO ENA semanal prevista ENA semanal estimada ENA semanal verificada 0 31/12-06/01 07/01-13/01 14/01-20/01 21/01-27/01 28/01-03/02 04/02-10/02 11/02-17/02 18/02-24/02 25/02-03/03 Figura 3 - Energias Naturais Afluentes ao Subsistema Sudeste/Centro-Oeste PMO de Fevereiro/2017 Figura 2 - Precipitação acumulada prevista pelo modelo ETA (CPTEC/INPE) para o período de 04/02 a 10/02/2017

3 ENA (MWmed) ENA (MWmed) Probabilidade acumulada ENA (MWmed) Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação REGIÃO SUL - ENAs - FEVEREIRO/ RV subsistemas, as amplitudes e as Funções de Distribuição Acumulada dos cenários de ENA SUBSISTEMA SUDESTE - AMPLITUDE DOS CENÁRIOS DE ENAs GERADOS PARA O PMO FEV/ ENA semanal prevista no PMO ENA semanal prevista ENA semanal estimada ENA semanal verificada 31/12-06/01 07/01-13/01 14/01-20/01 21/01-27/01 28/01-03/02 04/02-10/02 11/02-17/02 18/02-24/02 25/02-03/ Figura 4 - Energias Naturais Afluentes ao Subsistema Sul PMO de Fevereiro/ REGIÃO NORDESTE - ENAs - FEVEREIRO/2017-RV Figura 5 - Energias Naturais Afluentes ao Subsistema Nordeste PMO de Fevereiro/ /12-06/01 07/01-13/01 14/01-20/01 21/01-27/01 28/01-03/02 04/02-10/02 11/02-17/02 18/02-24/02 25/02-03/ ENA semanal prevista no PMO ENA semanal prevista ENA semanal estimada ENA semanal verificada REGIÃO NORTE - ENAs - FEVEREIRO/ RV1 2 Sem_01 Sem_02 Sem_03 Sem_04 Sem_05 VE(MAR) Figura 7 - Amplitude dos Cenários de ENA para o Subsistema Sudeste, em %MLT, para o PMO Fevereiro/ REVISÃO 0 REVISÃO 1 SUBSISTEMA SUDESTE - FUNÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ACUMULADA DE ENAs GERADAS PARA MAR/ PMO Figura 8 - Função de Distribuição Acumulada dos Cenários para o Subsistema Sudeste para o PMO Fevereiro/2017 RV SUBSISTEMA SUL - AMPLITUDE DOS CENÁRIOS DE ENAs GERADOS PARA O PMO FEV/ ENA semanal prevista no PMO ENA semanal prevista ENA semanal estimada ENA semanal verificada 31/12-06/01 07/01-13/01 14/01-20/01 21/01-27/01 28/01-03/02 04/02-10/02 11/02-17/02 18/02-24/02 25/02-03/ Figura 6 - Energias Naturais Afluentes ao Subsistema Norte PMO de Fevereiro/2017 Sem_01 Sem_02 Sem_03 Sem_04 Sem_05 VE(MAR) REVISÃO 0 REVISÃO 1 Figura 9 - Amplitude dos Cenários de ENA para o Subsistema Sul, em %MLT, para o PMO Fevereiro/ Cenários de ENAs para o PMO de Fevereiro/2017 As figuras a seguir apresentam as características dos cenários de energias naturais afluentes gerados no PMO de Fevereiro /2017, para acoplamento com a FCF do mês de Março/2017. São mostradas, para os quatro

4 Probabilidade acumulada Probabilidade acumulada Probabilidade acumulada Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação SUBSISTEMA SUL - FUNÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ACUMULADA DE ENAs GERADAS PARA MAR/ PMO Figura 10 - Função de Distribuição Acumulada dos Cenários para o Subsistema Sul para o PMO Fevereiro/ SUBSISTEMA NORDESTE - AMPLITUDE DOS CENÁRIOS DE ENAs GERADOS PARA O PMO FEV/2017 Sem_01 Sem_02 Sem_03 Sem_04 Sem_05 VE(MAR) Figura 11 - Amplitude dos Cenários de ENA para o Subsistema Nordeste em %MLT, para o PMO Fevereiro/ Figura 12 - Função de Distribuição Acumulada dos Cenários para o Subsistema Nordeste para o PMO Fevereiro/2017 RV1 REVISÃO 0 REVISÃO 1 SUBSISTEMA NORDESTE - FUNÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ACUMULADA DE ENAs GERADAS PARA MAR/ PMO RV SUBSISTEMA NORTE - AMPLITUDE DOS CENÁRIOS DE ENAs GERADOS PARA O PMO FEV/2017 Sem_01 Sem_02 Sem_03 Sem_04 Sem_05 VE(MAR) REVISÃO 0 REVISÃO 1 Figura 13 - Amplitude dos Cenários de ENA para o Subsistema Norte, em %MLT, para o PMO Fevereiro/ SUBSISTEMA NORTE - FUNÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ACUMULADA DE ENAs GERADAS PARA MAR/ Figura 14 - Função de Distribuição Acumulada dos Cenários para o Subsistema Norte para o PMO Fevereiro/2017 Os valores da MLT (Média de Longo Termo) das energias naturais afluentes para os meses de fevereiro e março são apresentados na tabela a seguir. Tabela 3 MLT da ENA nos meses de fevereiro e março 3.2. Limites de Intercâmbio entre Subsistemas PMO MLT das ENAs (MWmed) Subsistema FEVEREIRO SE/CO S NE N Os limites elétricos de intercâmbio de energia entre subsistemas são de fundamental importância para o processo de otimização energética, sendo determinantes para a definição das políticas de operação e do CMO para cada subsistema. Estes limites são influenciados por intervenções na malha de transmissão, notadamente na 1ª Semana Operativa. O diagrama a seguir ilustra os fluxos notáveis do SIN e os limites aplicados nesta revisão do PMO. RV1 MARÇO

5 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Tabela 4 Limites de intercâmbio de energia considerados na revisão 1 do PMO fevereiro/2017 LIMITES DE INTERCÂMBIO (MWmed) Figura 15 Interligações entre regiões Fluxo RNE FNS FSENE+FMCCO FNE EXPORT. NE FMCCO FCOMC FSENE FSM RSE FORNEC. SUL RECEB. SUL ITAIPU 50 Hz ITAIPU 60 Hz FNE + FCOMC (EXP. N) Patamar 04/02 a Demais 10/02/2017 Semanas Pesada Média (A) (B) Leve Pesada Média Leve (C) Pesada Média Leve Pesada Média Leve Pesada Média Leve Pesada Média Leve Pesada Média Leve Pesada Média Leve Pesada Média Leve Pesada Média Leve Pesada Média Leve Pesada Média Leve Pesada Média (D) Leve Pesada Média Leve Pesada Média (B) Leve (A) BS 500 kv 462 MVAr RIB. GONCALVES (B) RT 500 kv 99,1 MVAr MILAGRES RT2 (C) Barra A1 Itaipu 50Hz e Barra B1 Itaipu 50Hz (D) Síncrono 4 Ibiúna, Barra D Foz 50Hz e CV8 Ibiúna e Foz

6 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 3.3. Previsão de Os baixos desempenhos da indústria e da atividade do setor de comércio e serviços continuam impactando o comportamento do consumo de energia no país, resultando em taxas de crescimento das cargas previstas para o mês de fevereiro/2017, relativamente ao mesmo mês do ano anterior, de 1,3% no subsistema Sudeste/Centro-Oeste e de 0,6% no subsistema Sul. O crescimento previsto da carga do subsistema Nordeste, em fevereiro/2017, é de 6,6%, compatível com o comportamento sazonal da carga no bimestre janeirofevereiro. Ressalta-se que a carga verificada em fevereiro/2016 se encontrava, ainda, sob o efeito das chuvas do início daquele ano incidentes na região. Para o subsistema Norte, é esperada uma variação negativa da carga de 1,5% no mês de fevereiro/2017, relativamente ao mesmo mês do ano anterior. Tabela 5 Evolução da carga no PMO de fevereiro/ Armazenamentos Iniciais por Subsistema Tabela 6 Armazenamentos iniciais, por subsistema, considerados na revisão 1 do PMO fev/17 Armazenamento (%EARmáx) - 0:00 h do dia 04/02/2017 Subsistema Nível previsto na Revisão 0 do PMO fev/2017 A primeira coluna da tabela acima corresponde ao armazenamento previsto no PMO de fevereiro/2017, para a 0:00 h do dia 04/02/2017. A segunda coluna apresenta os armazenamentos obtidos a partir dos níveis de partida informados pelos Agentes de Geração para seus aproveitamentos com reservatórios. 4. PRINCIPAIS RESULTADOS 4.1. Políticas de Intercâmbio Partida informada pelos Agentes para a Revisão 1 do PMO fev/2017 SE/CO 38,4 37,9 S 60,4 58,3 NE 17,7 17,7 N 23,7 24,7 Para a semana operativa de 04/02/2017 a 10/02/2017, está prevista a seguinte política de intercâmbio de energia entre regiões: Região SE/CO Exportadora de energia; 6 Região Sul Intercâmbio dimensionado em função do 3.4. Potência Hidráulica Total Disponível no SIN O gráfico a seguir mostra a disponibilidade hidráulica total do SIN, para o mês de fevereiro, de acordo com o cronograma de manutenção informado pelos agentes para a revisão 1 do PMO de fevereiro/2017. fechamento do balanço energético; Região NE Importadora de energia; Região Norte Exportadora de energia Custo Marginal de Operação CMO A figura a seguir apresenta os Custos Marginais de Operação, em valores médios semanais, para as semanas operativas que compõem o mês de fevereiro. Figura 16 Potência hidráulica disponível no SIN Figura 17 CMO do mês de fevereiro em valores médios

7 EAR (%EARmax) Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação A tabela a seguir apresenta o custo marginal de operação, por subsistema e patamar de carga, para a próxima semana operativa. Tabela 7 CMO para 2ª semana operativa do mês fevereiro/ GERAÇÃO TÉRMICA O gráfico a seguir apresenta, para cada subsistema do SIN, o despacho térmico por modalidade, para a semana operativa de 04/02/2017 a 10/02/2017. Patamares de CMO (R$/MWh) SE/CO S NE N Pesada 95,51 95,51 179,74 84,50 Média 95,51 95,51 179,74 84,50 Leve 92,96 92,96 171,33 84,44 Média Semanal 94,58 94,58 176,69 84, Energia Armazenada O processo de otimização realizado pelo programa DECOMP indicou os armazenamentos mostrados na figura a seguir para as próximas semanas operativas do mês de fevereiro/ ENERGIAS ARMAZENADAS DA REV.1 DO PMO - FEVEREIRO/2017 Inic Sem_1 Sem_2 Sem_3 Sem_4 Sem_5 VE[MAR] SUDESTE 37,9 37,9 39,3 41,2 43,2 45,4 53,0 SUL 58,3 58,3 57,5 57,0 56,6 57,3 54,2 NORDESTE 17,7 17,7 18,0 18,5 19,4 20,8 25,0 NORTE 24,7 24,7 24,9 25,6 26,4 29,4 57,2 Figura 18 Energias Armazenadas nas semanas operativas do mês de fevereiro/2017 Os armazenamentos da figura anterior estão expressos em percentual da Energia Armazenável Máxima de cada subsistema, que são mostradas na tabela a seguir. Tabela 8 Energia Armazenável Máxima por subsistema no PMO de Fevereiro/2017 ENERGIA ARMAZENÁVEL MÁXIMA (MWmed) Subsistema FEVEREIRO MARÇO SE/CO S NE N Figura 19 Geração térmica para a 2ª semana operativa do mês fevereiro/2017 Ressalta-se que o montante de despacho térmico indicado para o subsistema Norte considera a geração de 409 MW de UTEs dos Sistemas Manaus e Macapá. Indicação de despacho antecipado por ordem de mérito de custo para a semana 08/04/2017 a 14/04/2017: Tabela 9 UTEs com contrato de combustível GNL Nome UTE Cod CVU (R$/MWh) Pesada Benefício (R$/MWh) Média Leve SANTA CRUZ ,71 89,05 (2) 89,05 (2) 88,18 (2) LUIZORMELO ,11 89,05 (2) 89,05 (2) 88,18 (2) (1) Comandado o despacho antecipado por ordem de mérito de custo nesse patamar (2) NÃO foi comandado o despacho antecipado por ordem de mérito de custo nesse patamar Assim sendo, não há previsão de despacho antecipado, por ordem de mérito de custo, para as UTEs Santa Cruz Nova e Luiz O. R. Melo para a semana operativa de 08/04/2017 a 14/04/2017. Porém, visando a segurança elétrica da área Espírito Santo, existe a necessidade de uma geração na UTE Luiz O. R. Melo de, pelo menos, 100 MW. Desta forma, respeitando a geração mínima contratual da usina, a UTE L. O. R. Melo deverá ser despachada, na referida semana, em 102 MW. 7

8 EAR ou ENA (%) CMO (R$/MWh) EAR ou ENA (%) CMO (R$/MWh) EAR ou ENA (%) CMO (R$/MWh) EAR ou ENA (%) CMO (R$/MWh) Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 6. ESTIMATIVA DE ENCARGOS OPERATIVOS A tabela a seguir apresenta a expectativa de custo de despacho térmico por restrição elétrica para a semana operativa de 04/02/2017 a 10/02/2017. Tabela 10 Expectativa de custo de despacho térmico por RE UTE Potência Instalada (MW) CVU (R$/MWh) Pesada Geração (MWmed) Média Leve LUIZORMELO (204) R$ 253, R$ ,00 TOTAL SE/CO R$ ,00 P. ITAQUI (360) R$ 174,63 TOTAL N R$ ,08 R$ ,08 7. RESUMO DOS RESULTADOS DO PMO As figuras a seguir apresentam um resumo dos resultados do PMO de fevereiro/2017, com informações da Energia Natural Afluente (ENA), da Energia Armazenada (EAR) e do Custo Marginal de Operação (CMO) nos subsistemas do Sistema Interligado Nacional (SIN). São apresentados os valores semanais observados e previstos e o valor esperado dos cenários gerados para o mês de março. REVISÃO 1 DO PMO - SE/CO - FEVEREIRO/ Inic Sem_1 Sem_2 Sem_3 Sem_4 Sem_5 ESS ELÉTRICO VE[MAR ] CMO (R$/MWh) 80,44 94,58 93,23 92,58 91,07 83,86 EAR(%EARmax) 37,9 37,9 39,3 41,2 43,2 45,4 53,0 ENA(%mlt) 85,0 78,2 84,3 86,4 88,7 86,7 Figura 20 Resumo Fevereiro/2017 para o Subsistema Sudeste REVISÃO 1 DO PMO - S - FEVEREIRO/ Inic Sem_1 Sem_2 Sem_3 Sem_4 Sem_5 VE[MAR ] CMO (R$/MWh) 80,44 94,58 93,23 92,58 91,07 83,86 EAR(%EARmax) 58,3 58,3 57,5 57,0 56,6 57,3 54,2 ENA(%mlt) 95,0 84,1 89,3 94,2 103,1 87,8 Figura 21 Resumo Fevereiro/2017para o Subsistema Sul REVISÃO 1 DO PMO - NE - FEVEREIRO/ ,0 4 35,0 3 25,0 2 15,0 1 5,0 Inic Sem_1 Sem_2 Sem_3 Sem_4 Sem_5 VE[MAR] CMO (R$/MWh) 176,69 176,69 165,27 153,85 143,82 234,70 EAR(%EARmax) 17,7 17,7 18,0 18,5 19,4 20,8 25,0 ENA(%mlt) 26,0 23,7 3 34,4 43,4 36, Figura 22 Resumo Fevereiro/2017 para o Subsistema Nordeste REVISÃO 1 DO PMO - N - FEVEREIRO/ Inic Sem_1 Sem_2 Sem_3 Sem_4 Sem_5 VE[MAR] CMO (R$/MWh) 80,44 84,48 80,18 74,91 66,35 47,92 EAR(%EARmax) 24,7 24,7 24,9 25,6 26,4 29,4 57,2 ENA(%mlt) 52,0 54,7 62,1 65,5 72,6 81,3 Figura 23 Resumo Fevereiro/2017 para o Subsistema Norte 8. ANÁLISE DA VARIAÇÃO SEMANAL DOS CUSTOS MARGINAIS DE OPERAÇÃO A análise da variação semanal dos custos marginais de operação em função da atualização dos dados desta revisão do PMO Fevereiro/2017 foi realizada a partir de cinco estudos. O caso inicial foi construído a partir do PMO Fevereiro/2017, excluindo os dados da semana operativa de 28/01 a 03/02/2017. Em sequência foram atualizados os seguintes blocos de dados: carga prevista (2º caso), níveis de partida (3º caso), previsão de vazões (4º caso) e as restrições conjunturais de limites sobre os fluxos de intercâmbio de energia entre os subsistemas (5º caso). Os valores médios do CMO observados em cada estudo foram reproduzidos graficamente a seguir

9 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1ª semana operativa 28/01 a 03/02/2017 2ª semana operativa 04/02 a 10/02/2017 Ressaltamos que a sequência de atualização dos dados, conforme detalhado anteriormente, tem influência nos resultados desta análise, ou seja, nos valores de CMO observados. 9. ARMAZENAMENTOS OPERATIVOS Figura 24 - Análise da variação do CMO nos subsistemas SECO e Sul De forma a permitir uma melhor avaliação de diversos cenários hidrometeorológicos, notadamente, aqueles de curto prazo e suas influências nas previsões de vazões para as regiões SE/CO e NE, os resultados desta revisão do PMO continuarão a contemplar cenários de afluências visando melhor representar a ocorrência de precipitação e, consequentemente, seus efeitos sobre as afluências e armazenamentos. 1ª semana operativa 28/01 a 03/02/2017 2ª semana operativa 04/02 a 10/02/2017 Logo, além dos resultados sistemáticos associados ao valor esperado das previsões de afluências, as simulações operativas também serão realizadas com os limites superior e inferior das previsões de afluências. Para pronta referência, apresentamos os resultados obtidos com a aplicação dos referidos cenários de afluência. Tabela 11 Previsão de ENA dos cenários de sensibilidade 9 Figura 25 - Análise da variação do CMO no subsistema Nordeste 1ª semana operativa 28/01 a 03/02/2017 2ª semana operativa 04/02 a 10/02/2017 Subsistema ENERGIAS NATURAIS AFLUENTES Previsão Mensal LI VE LS (MWmed) %MLT (MWmed) %MLT (MWmed) %MLT SUDESTE SUL NORDESTE NORTE Tabela 12 Previsão de %EARmáx para o final do mês Subsistema NÍVEL PMO % EARmáx - 28/2 NÍVEL OPERATIVO VE LI VE LS SUDESTE 44,5 39,5 44,5 50,3 SUL 57,0 48,8 57,0 58,4 NORDESTE 20,2 17,4 20,2 23,5 NORTE 28,1 24,7 28,1 32,4 Figura 26 - Análise da variação do CMO no subsistema Norte

10 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 10. RESERVATÓRIOS EQUIVALENTES DE ENERGIA A seguir são apresentadas as previsões de Energia Natural Afluente para a próxima semana operativa e para o mês de fevereiro, bem como as previsões de Energia Armazenada nos Reservatórios Equivalentes de Energia REE, da Revisão 1 do PMO Fevereiro/2017. Tabela 13 Previsão de ENA por REE Valor Esperado das Energias Naturais Afluentes REE Previsão Semanal Previsão Mensal 04/02/2017 a 10/02/2017 fev/17 (MWmed) %MLT (MWmed) %MLT SUDESTE MADEIRA TELES PIRES ITAIPU PARANÁ SUL NORDESTE NORTE BELO MONTE cenários de sensibilidade a partir da próxima semana operativa. Tabela 15 ENAs consideradas nos cenários de sensibilidade ENA MENSAL SE/CO S MWmed %MLT MWmed %MLT MWmed %MLT MWmed %MLT LS % % % % VE % % % LI % % % % A seguir estão esquematizados os valores de CMO obtidos nos resultados dos estudos. NE N Tabela 14 - Previsão de %EARmáx por REE REE % Energia Armazenável Máxima Previsão Semanal 10-fev (%EARmáx) Previsão Mensal 28-fev (%EARmáx) SUDESTE 22,4 24,4 MADEIRA 48,0 43,7 TELES PIRES - - ITAIPU 73,9 10 PARANÁ 44,8 51,0 SUL 57,5 57,0 NORDESTE 18,0 20,2 NORTE 24,9 28,1 BELO MONTE 32,5 38,8 Figura 27 CMO (R$/MWh) dos cenários de sensibilidade 12. CONSIDERAÇÕES FINAIS Esclarecimentos adicionais, se necessário, através do contato da Gerência de Programação Energética GPD1, pelo SENSIBILIDADE A partir da consideração da ocorrência do valor esperado da previsão de vazões para a 2ª semana operativa de fevereiro, foram feitos estudos de sensibilidade para os CMO, considerando os cenários de limite inferior, valor esperado e limite superior da previsão de vazões para as demais semanas operativas do mês de fevereiro. A tabela a seguir mostra a ENA média mensal de dezembro com a consideração da ocorrência dos