AS IMPORTAÇÕES NO PERÍODO 1995/2002

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS IMPORTAÇÕES NO PERÍODO 1995/2002"

Transcrição

1 AS IMPORTAÇÕES NO PERÍODO 1995/2002 Novembro de 2002

2 AS IMPORTAÇÕES NO PERÍODO 1995/ Sumário e Principais Conclusões...5 As Importações no Período As Importações, Segundo as Categorias de Uso...13 Quem Reagiu À Mudança Cambial?...15 As Importações em A Relação entre Importação e Produção...37 Análise de Setores Selecionados...39 Material Eletroeletrônico...39 Setor Automotivo...41 Outros Produtos Químicos e Produtos Farmacêuticos...46 Indústria Têxtil...47 Coeficientes de Importação e de Importação de Intermediários...48 Bens de Capital...53 Anexo Emerson Marçal, Mauro Thury e, especialmente, Gustavo Britto colaboraram no levantamento dos dados. Fernando Sarti e Gustavo Britto elaboraram um texto de análise sobre o conteúdo importado na indústria brasileira (Evolução do Conteúdo Importado Setorial da Indústria Brasileira nos Anos 90, IEDI, 2002) que foi a base do item Análise de Setores Selecionados. A coordenação e redação final do presente estudo é de responsabilidade de Julio Gomes de Almeida. As Importações no Período 1995/2002 1

3 Quem Substituiu Importações Após a Mudança da Política Cambial? O presente estudo procurou identificar a sensibilidade das importações de diferentes segmentos da indústria às mudanças de preços relativos provocadas pela desvalorizações do real ocorridas desde a introdução do Câmbio flutuante em janeiro de De modo geral, no setor de bens de consumo as importações apresentaram grande sensibilidade à mudança cambial, tendo ocorrido um processo de substituição. Nos demais segmentos da indústria isso não ocorreu de forma generalizada. No caso dos bens de capital, ela verificou-se no ramo da fabricação de máquinas e equipamentos, mas não nos segmentos de material elétrico e nos equipamentos eletrônicos classificados como bens de capital. E foi pouco significativa dentre os bens intermediários. A análise selecionou os ramos industriais de bens intermediários, bens de consumo e de capital, onde uma significativa redução das importações, entre 1999 e 2001, é indício de um processo de substituição de importações. Em bens intermediários, seriam os casos de: produtos minerais não metálicos; produtos metalúrgicos; fios têxteis e tecidos naturais (algodão); papel, celulose e papelão; e, entre os bens intermediários para a indústria de alimentos, arroz, farinha de trigo e óleos vegetais. Em bens de consumo: equipamentos eletrônicos (eletrônica de consumo); automóveis; papel, papelão e artefatos de papel; artigos de vestuário e outros produtos têxteis; produtos de couro e calçados; produtos de madeira e mobiliário; e bens alimentícios, como arroz beneficiado, carne bovina, laticínios. Em bens de capital, a redução das importações nos segmentos de fabricação de máquinas e equipamentos e tratores após a mudança da política cambial sugere que nesses itens pode ter ocorrido uma substituição de importações. Considerando a média de importações nos anos em que a economia voltou a crescer, ou seja, 2000/2001, tendo 1998 como ano-base, a redução de importações foi de US$ 3,7 bilhões em bens de consumo, US$ 1,7 bilhão em bens intermediários e US$ 1,6 bilhão em bens de capital. O montante de US$ 7 bilhões pode ser tomado como valor de referência para a substituição de importações ocorrida após a mudança da política cambial em Note-se que nesse total, onde se destaca o segmento de bens de consumo, não está incluído o ano de 2002, sabidamente um ano em que as importações acusaram expressiva queda e que é objeto das considerações a seguir. As Importações no Período 1995/2002 2

4 2002 A Substituição Fácil de Importações Acabou A análise das importações em 2002 mostrou diferenças importantes com relação ao período : a redução das compras externas ocorreu sobretudo em bens intermediários, em menor escala em bens de capital e muito pouco em bens de consumo, excluídos desses as importações de automóveis. A conclusão geral é que a forte queda das importações em 2002 reflete, sem dúvida, a estagnação da economia e a escalada da desvalorização do real nesse ano. A outra conclusão é que devido ao estímulo da mudança de preços relativos o grande encarecimento dos produtos importados devido à desvalorização cambial a substituição de importações será incentivada. Bastará o incentivo cambial para que ela ocorra em alguns segmentos, mas em outros, que constituem a maioria e são os mais relevantes em termo dos valores importados, especialmente nos segmentos de bens intermediários, será necessária a complementação de políticas para incentivar investimentos e atrair empresas, incluindo grandes empresas globais. Convém destacar o efeito significativo sobre as importações da retração de alguns setores econômicos altamente demandantes de importações de bens intermediários. De fato, a redução de importações de vários itens de bens intermediários, que, diga-se de passagem, inicia-se claramente já em 2001, não decorre tanto de fatores relacionados às variações cambiais de Decorreu, sim, do fim de um ciclo de expansão muito vigoroso do setor de telecomunicações no Brasil entre os anos de 1998 e 2000, além da queda acentuada do setor de informática e da eletrônica de consumo ocorrida desde a segunda metade de 2001 com a crise de energia, fatores que deprimiram a demanda por bens intermediários importados. Somos de opinião de que há espaço para a substituição de importações em bens intermediários e que a desvalorização cambial de 2002 (desde que não ocorra acentuada revalorização do real) constitui um forte incentivo para que o processo seja desencadeado. Porém, nesse caso, em geral, a condição básica para a substituição de importações continua sendo a realização de investimentos que ainda não estão em curso, a atração de empresas globais e a execução de políticas setoriais (como por exemplo, para os setores de química, farmacêutica, eletrônica e material elétrico). Caso contrário, as importações retomarão o curso anterior a 2001, certamente não de forma imediata se a economia recuperar o crescimento, mas com um retardo de dois ou três anos devido à retração de setores como os que foram assinalados. É neste período de trégua de importações de bens intermediários que podem atuar as políticas mencionadas, cujo alcance é de médio prazo. Para finalizar, segundo as evidências reunidas na pesquisa, a substituição de importações mais fácil, em bens de consumo, já se esgotou com exceção do segmento de automóveis. As Importações no Período 1995/2002 3

5 O Núcleo Duro das Importações e as Políticas Necessárias O trabalho também aprofundou a análise de cinco setores: material eletroeletrônico; automóveis, caminhões e ônibus e autopeças; químicos diversos; produtos farmacêuticos e perfumaria; setor têxtil, além de bens de capital. Em geral, nesses casos, com exceção de têxtil, fatores estruturais poderosos impediram que a substituição de importações decorresse da mera mudança de preços relativos provocada pelas desvalorizações cambiais. São fatores relacionados à escala de produção, acesso à tecnologia e custo tributário e de capital, cuja superação é difícil e pressupõe políticas industriais específicas voltadas para a área de tecnologia e para a atração de investimentos de grandes empresas, incluindo as empresas globalizadas, além de reformas para a redução do custo tributário do produto nacional em relação ao importado e redução do custo de capital interno. Políticas industriais e de atração de investimentos, além de ações para equiparar os custos tributário e de capital do investimento interno com os custos do investimento realizado no exterior, são as principais medidas sugeridas nesse trabalho. A desvalorização cambial de 2002 pode beneficiar a execução dessas políticas, mas não as substitui. As Importações no Período 1995/2002 4

6 Sumário e Principais Conclusões A análise das categorias de uso mostra que o aumento muito expressivo das importações de bens intermediários na primeira metade dos anos 1990 continuou em marcha no período 1995/2001, acompanhando o ritmo de atividade da indústria e a despeito da desvalorização cambial de De fato, o valor dessas importações, que caiu em 1999, voltou a crescer com a retomada do crescimento industrial em 2000, superando o pico de Portanto, ao contrário do esperado, não ocorreu uma redução das necessidades de importações de partes, peças e componentes após a realização dos investimentos em modernização e ampliação da capacidade instalada nos anos 90, mesmo após a correção dos preços relativos provocada pela desvalorização cambial. Há exceções a esse movimento geral, que o trabalho identifica, como veremos adiante. Já no caso dos bens de consumo as importações declinaram fortemente com a mudança no câmbio. Após atingir um valor máximo em 1998, as compras externas de bens de consumo caíram de US$ 9 bilhões para US$ 5,3 bilhões (média do biênio ). As importações de bens de capital, após acumularem US$ 11,7 bilhões em 1998, retrocederam em (US$ 8,5 bilhões nesse último ano), crescendo com vigor em 2001 (US$ 10 bilhões) em função do crescimento industrial e das compras de equipamentos para energia, dado o racionamento de energia elétrica. A análise identificou os principais ramos dos segmentos de bens intermediários, bens de consumo e de capital onde uma significativa redução das importações após a desvalorização cambial de 1999 pode estar indicando um processo de substituição de importações. Em bens intermediários, seriam os casos de: produtos minerais não metálicos; produtos metalúrgicos; fios têxteis e tecidos naturais (algodão); papel, celulose e papelão; e, entre os bens intermediários para a indústria de alimentos, arroz, farinha de trigo e óleos vegetais. As Importações no Período 1995/2002 5

7 Importações Brasileiras por Categoria de Uso em US$ Milhões Var. PIB Industrial 2,9 2,0 2,1 3,1 (3,4) (2,6) 5,4 0,6 Bens Intermed , , , , , , , ,1 Bens de Capital 2.180, , , , , , , ,9 Bens de Consumo 1.504, , , , , , , ,0 Mat. Transp. Industrial 130, , , , , , ,0 866,0 Total , , , , , , , ,3 Acumulado (%) Contrib. 2 Bens Intermed ,2 61,7 63,8 Bens de Capital ,8 20,0 23,2 Bens de Consumo ,4 15,2 10,9 Mat. Transp. Industrial 9.303,9 2,8 2,1 Total ,9 100,0 100,0 Fonte: Notas: Elaboração própria a partir de dados e informações da Secex e do IBGE. 1 Não inclui importações de combustíveis e lubrificantes. 2 Contribuição das categorias na variação das importações totais entre Em bens de consumo: equipamentos eletrônicos (eletrônica de consumo); automóveis; papel, papelão e artefatos de papel; artigos de vestuário e outros produtos têxteis; produtos de couro e calçados; produtos de madeira e mobiliário; e bens alimentícios, como arroz beneficiado, carne bovina, laticínios. Em bens de capital, a redução das importações nos segmentos de fabricação de máquinas e equipamentos e em tratores após a mudança da política cambial sugere que nesses segmentos pode ter ocorrido uma substituição de importações. Considerando a média de importações nos anos em que a economia voltara a crescer, ou seja, 2000/2001, tendo 1998 como ano base, a redução de importações foi de US$ 3,7 bilhões em bens de consumo, US$ 1,7 bilhões em bens intermediários e US$ 1,6 bilhões em bens de capital. O total, que se eleva a US$ 7,0 bilhões, pode servir de valor base para a substituição de importações ocorrida após a mudança da política cambial em Esse valor, no qual desponta o segmento de bens de consumo, não inclui o ano de 2002, que apresentou um comportamento particular, marcado pela desaceleração da economia e por uma enorme desvalorização da moeda nacional. A análise também identificou segmentos cujas importações foram insensíveis à mudança de preços relativos provocada pela desvalorização cambial. Nesses casos certamente não houve substituição de importações ou, se houve, foi em montante relativamente pequeno e em determinados ramos. Em geral, nesses casos fatores estruturais poderosos impediram que a substituição de importações decorresse da mera mudança de preços relativos provocada pelas desvalorizações cambiais. São fatores relacionados à escala de produção, acesso à tecnologia e custo tributário e de capital, cuja superação é difícil e pressupõe políticas industriais específicas voltadas para a área de As Importações no Período 1995/2002 6

8 tecnologia e para a atração de investimentos, incluindo as empresas globalizadas, além de reformas para a redução do custo tributário do produto nacional em relação ao importado e redução do custo de capital interno. Redução de Importações em Itens Selecionados - Média de 2000/01 com Relação a 1998 Valor % Bens Intermediários ,9 Bens de Capital ,1 Bens de Consumo ,1 Total ,0 Fonte: Elaboração própria a partir de dados e informações da Secex e do IBGE. Políticas industriais e de atração de investimentos, além de ações para equiparar o custos tributário e de capital do investimento interno com os custos do investimento realizado no exterior, são as principais medidas sugeridas nesse trabalho. O estudo também procurou identificar os casos de importações insensíveis à mudança cambial, que seriam em bens intermediários: trigo; produtos metalúrgicos não-ferrosos; material elétrico; outros veículos e peças, resinas, adubos, tintas e artigos de plásticos; produtos farmacêuticos e de perfumaria; produtos químicos e petroquímicos tecidos artificiais; produtos derivados da borracha; equipamentos eletrônicos. Em bens de consumo: produtos farmacêuticos e de perfumaria; óleos vegetais refinados. Em bens de capital: material eletroeletrônico; material elétrico e partes; peças para bens de capital. A análise das importações em 2002, quando estas acusaram expressiva queda, mostrou que a redução acumulada no período janeiro/setembro, de US$ 7,3 bilhões, contou com um recuo expressivo das importações de bens intermediários (US$ 4,3 bilhões) e, em menor escala, com a redução das As Importações no Período 1995/2002 7

9 compras externas de bens de capital (US$ 1,1 bilhões), combustíveis (US$ 1 bilhão) e bens de consumo (US$ 835 milhões). Esses números já indicam uma mudança importante na composição da redução das importações nesse ano com relação ao período 1999/01, quando bens de consumo lideraram as quedas verificadas nas importações. A primeira observação relevante quanto ao principal item de redução das importações em 2002, os bens intermediários, é que esta queda é iniciada não como resultado dos acontecimentos de 2002, mas ocorre já em 2001, a partir do terceiro trimestre desse ano. A segunda, é que podemos descartar de imediato dois relevantes segmentos de bens intermediários das possíveis causas do declínio das importações dessa categoria de uso. As compras externas de produtos intermediários químicos (excluído elementos químicos não petroquímicos) declinaram relativamente pouco (de US$ 4 bilhões para US$ 3,7 bilhões) entre 2001 e Em produtos intermediários farmacêuticos e de perfumaria, as importações aumentaram (de US$ 978 milhões para US$ milhões) no mesmo período. O que os resultados da pesquisa mostram é que 6 segmentos explicam 77% da redução das importações de bens intermediários e 45% da queda total das importações brasileiras. Em outros veículos e peças, onde se destaca autopeças, mas inclui também itens como aviões e peças para a fabricação de aeronaves, o que explica a queda de importações é a redução da produção doméstica e das exportações de aeronaves. Em auto-peças, é possível a substituição, mas isso dependerá de decisões estratégicas das empresas globais que operam no setor e de decisões futuras de investimentos. Em equipamentos eletrônicos e material elétrico, a margem de substituição de importações é relativamente pequena se não houver uma política deliberada de atração de investimentos de grandes empresas globais e de ampliação dos investimentos de empresas que já atuam no setor. A redução de importações, que, nesses casos, inicia-se claramente já em 2001, não decorre tanto de fatores relacionados às variações cambiais de 2002, mas, sim, do fim de um ciclo de expansão muito vigoroso do setor de telecomunicações no Brasil entre os anos de 1998 e 2000, além da queda acentuada do setor de informática e do setor de eletrônica de consumo ocorrida desde 2001 com a crise de energia, o que deprimiu a demanda de importação. As importações de bens intermediários de equipamentos eletrônicos e material elétrico poderão permanecer baixas no próximos dois ou três anos, mas a condição disto é que os setores referidos acima continuem relativamente deprimidos. Quanto às importações de bens intermediários para a fabricação e manutenção de máquinas e equipamentos e de produtos metalúrgicos não ferrosos, estas estão associadas à queda da demanda interna, com poucas chances de substituição de importações no primeiro caso. As Importações no Período 1995/2002 8

10 Importações no Periodo Jan./Set e US$ Bilhões Total Bens Intermediários - Total 6 segmentos - Outros veículos e peças - Equipamentos eletrônicos - Material elétrico - Elem. químicos não petroq. - Fab. e manut. de máq. e equip. - Prod. metalúrgicos não ferrosos Bens de Capital - Fab. e manut. de máq. e equip. - Equipamentos eletrônicos Bens de Consumo - Automóveis Combustíveis Total 10 Segmentos Inc. Comb. 3,7 2,9 3,6 2,6 1,8 1,0 1,6 1,3 1,5 1,3 1,0 0,8 7,5 6,4 2,7 2,4 2,6 1,4 4,0 3,2 1,2 0,6 5,8 4,8 9,9 13,2 19,0 20,6 24,9 25,4 35,7 43, Participação (em %) na Redução de Importações Entre Jan./Set. de 2001 e Jan./Set. de US$ Bilhões (Redução das Importações no Período: US$ 7,3 bilhões ou 17%) Total 100 Bens Intermediários 59 - Total 6 segmentos 45 - Outros veículos e peças - Equipamentos eletrônicos - Material elétrico Elem. químicos não petroq. - Fab. e manut. de máq. e equip. - Prod. metalúrgicos não ferrosos Bens de Capital 16 - Fab. e manut. de máq. e equip. 4 - Equipamentos eletrônicos 16 Bens de Consumo 11 - Automóveis 8 Combustíveis 13 Total 10 Segmentos Inc. Comb A conclusão é que em bens intermediários há espaço para a substituição de importações e que a desvalorização cambial de 2002 é forte incentivo para que o processo seja desencadeado. Porém, a condição fundamental continua sendo a realização de investimentos que ainda não estão em curso, a atração de empresas globais e a execução de políticas setoriais (como por exemplo, para os setores de química, farmacêutica, eletrônica e material elétrico). Caso contrário, As Importações no Período 1995/2002 9

11 as importações retomarão o curso anterior a 2001, certamente não de forma imediata se a economia recuperar o crescimento, mas com um retardo de dois ou três anos devido à retração de setores como os que foram assinalados. É neste período de trégua de importações de bens intermediários que podem atuar as políticas mencionadas, cujo alcance é de médio prazo. Um outro fato revelado pela pesquisa é que em bens de consumo, se forem excluídas as importações de automóveis, não ocorreu significativa redução de importações em 2002, a despeito da enorme desvalorização cambial. De fato, entre 2001 e 2002 (períodos de janeiro a setembro) as importações de bens de consumo caíram de US$ 4 bilhões para US$ 3,2 bilhões, uma queda que em quase toda a sua totalidade é explicada pela redução de automóveis (de US$ 1,2 bilhões para US$ 0,6 bilhões). Isso indica que as importações de bens de consumo, que sofreram grandes reduções quando das desvalorizações de 1999 e 2001 e onde se processara uma intensa substituição de importações, estão no osso, de forma que, salvo em automóveis, não há mais ou há pouco espaço para substituição de importações. Finalmente, em bens de capital, onde também em rodadas anteriores de desvalorizações cambiais houve substituição de importações, há perspectivas de que o processo tenha continuidade, exceto em equipamentos eletrônicos classificados nessa categoria, onde as mesmas políticas recomendadas para bens intermediários se fazem necessárias. A análise foi aprofundada para setores selecionados: material eletroeletrônico; automóveis, caminhões e ônibus e autopeças; químicos diversos; produtos farmacêuticos e perfumaria; têxtil; bens de capital. O setor de material eletroeletrônico é um setor chave na dinâmica das importações brasileiras, seja por sua elevada participação no total, seja pela grande rigidez demonstrada após Os dados confirmam a tendência de crescimento das importações após 1996, indicando que o consumo de material eletroeletrônico importado pela indústria nacional foi crescente no período. Este setor, que representava cerca de 10% das importações brasileiras em , em 2001 foi responsável por 16% do total importado. Após 1999, o valor importado de material eletroeletrônico volta a crescer de maneira substantiva, atingindo o máximo de US$ 8,3 bilhões em 2000, o que corresponde a 17,6% das importações totais. Isso mostra que, passada a desvalorização cambial e com a retomada dos níveis de atividade, esse setor retomou as importações em ritmo muito superior ao restante da indústria de transformação. 2 O total importado exclui combustíveis e lubrificantes. As Importações no Período 1995/

12 Convém observar que parte da elevação dos valores importados no biênio pode ser explicada pela necessidade de cumprimento de metas por parte das operadoras de telefonia fixa e celular. Essa constatação tem por implicação que, uma vez cumpridas as metas do setor, as importações tenderam a reduzir-se para o nível de Como já se observou, a partir de 2001 (sobretudo no segundo semestre) caiu a importação do setor, porém sem evidências de substituição de importações. A análise para o setor automotivo abrange o segmento de automóveis, caminhões e ônibus e de outros veículos, peças e acessórios. As importações de bens intermediários de outros veículos e peças cresceram no período , enquanto as importações de automóveis, caminhões e ônibus, classificadas como bens de consumo, se reduziram significativamente após A evolução das importações do setor automotivo na segunda metade da década pode ser dividida em dois períodos. Entre 1995 a 1999 é implementado o regime automotivo e aumenta o comércio intra-indústria no âmbito do Mercosul. O período de 1999 a 2001 é marcado por uma grande instabilidade, iniciada com a crise cambial e potencializada pela crise Argentina. Após a desvalorização cambial, as importações de veículos se estabilizaram em torno de US$ 2 bilhões. As importações de autoveículos chegaram a representar 34% das importações totais de bens de consumo em 1995; desde então a participação vem se reduzindo, atingindo cerca de 27% em No período de 1995 a 2001, as importações de outros veículos e peças aumentaram constantemente, com pequena interrupção apenas em Após a desvalorização, o valor importado voltou a superar o nível verificado em 1998, ficando, contudo, praticamente estável em torno de US$ 5,2 bilhões. Para captar a importação de autopeças, foram obtidas informações junto ao Sindipeças e ao Ministério do Desenvolvimento (MDIC). A nova classificação de autopeças (autopeças, chassis e pneumáticos), que inclui também importações de setores como plásticos, mecânica e outros, registra importações de US$ 5,2 bilhões em 1998, antes da desvalorização. Após a desvalorização houve uma queda acentuada em torno de US$ 1,2 bilhão no valor importado anual, devido mais à retração do nível de atividade do que à desvalorização. No máximo teria ocorrido uma pequena substituição de importações em autopeças. As novas desvalorizações cambiais de 2001/2002, podem ampliar esse processo. A evolução das importações produtos químicos diversos sugere que a tendência observada na primeira metade da década se manteve na segunda. As importações, que somaram US$ 721 milhões em 1989, subiram para US$ 1,8 bilhão em 1996, saltando no ano seguinte para cerca de US$ 2,3 bilhões. De 1998 em diante as importações se estabilizaram em torno a US$ 2,5 bilhões, mesmo após a desvalorização cambial. A participação do setor nas importações totais cresceu de 3,5% em 1995 para 5,5% em O setor de produtos farmacêuticos e de perfumaria também apresentou uma mudança significativa de importações ao longo da segunda metade dos anos 90. Este segmento apresenta a peculiaridade de compreender, além de bens As Importações no Período 1995/

13 intermediários, produtos destinados diretamente ao consumo. As importações classificadas como bens intermediários mostraram grande estabilidade após 1996, situando-se em torno de US$ 1,3 bilhão até Esse é um caso de importações insensíveis à variação cambial que ocorreu no triênio As importações classificadas na categoria de bens de consumo mostraram um grande crescimento em relação ao nível pré-abertura. Seguindo a tendência das importações de bens intermediários, as importações totais de produtos farmacêuticos se estabilizaram entre US$ 2,2 bilhões e US$ 2,5 bilhões a partir de Como conseqüência destes fatores, a participação dos produtos farmacêuticos nas importações totais, que foi de 4,3% em 1996 chegou a 5,3% em 2001, após alcançar 6% em As importações de produtos têxteis, que compreendem em sua maioria bens intermediários, aumentaram expressivamente entre 1989 e 1996/97 (de US$ 376 milhões para US$ 1,8 bilhão), representando 4,4% das importações totais (2,9% em 1989). Note-se que essa participação superou a de produtos farmacêuticos. A observação relevante é que já em 1999 a importação de produtos têxteis começou a declinar, atingindo US$ 950 milhões no final do período, indicando a ocorrência de substituição de importações. Mesmo assim, o valor importado em 2001 foi quase três vezes superior às importações em Três comentários importantes podem ser retirados das análises setoriais: Para todos os setores selecionados (exceção para o setor de produtos têxteis), a evolução das importações totais e de bens intermediários entre 1996 e 1999 seguiu a tendência de crescimento da primeira metade da década. Embora a mudança da política cambial em 1999 tenha levado à redução das importações da maioria dos setores, verificou-se que esse efeito foi limitado, de forma que com o reaquecimento da economia no biênio as importações voltaram a elevar-se, com as exceções já registradas. Essas constatações são evidências que confirmam a hipótese de que a reestruturação industrial que acompanhou a abertura comercial introduziu um forte componente estrutural nas importações; componente expresso no elevado nível e rigidez das importações de bens intermediários e segmentos de bens de capital. As Importações no Período 1995/

14 As Importações no Período As Importações, Segundo as Categorias de Uso A análise aqui feita utiliza dados da Secex. As informações básicas estão classificados por produto pela Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), mas foi possível agregá-los por categoria de uso, através da Classificação de Grandes Categorias Econômicas 3 (CGCE). Para isso foi utilizado um tradutor NCM-CGCE fornecido pelo IBGE. Essa nomenclatura permite classificar os produtos importados segundo sua destinação econômica: bens de consumo, bens intermediários ou bens de capital 4. Os dados estão disponíveis para 1989, o ano anterior ao processo de abertura comercial, e para o período 1995/2002. Nessa seção a análise irá até o ano Na seguinte, serão tratadas as mudanças em 2002, com base também em dados que seguem a mesma metodologia. A primeira observação relevante diz respeito ao impacto da abertura sobre as importações brasileiras. Estas evoluem de US$ 13,7 bilhões em 1989 (não incluindo as importações de combustíveis) para US$ 48 bilhões em 2001, mais de três vezes e meia o valor inicial. O auge das importações ocorreu em 1997 (US$ 54 bilhões), caindo nos dois anos subseqüentes, em função da retração da economia entre meados de 1998 e 1999 e da desvalorização cambial em Após atingir o nível mais baixo desde 1995 (US$ 43,7 bilhões), voltam a crescer no biênio , devido ao maior crescimento econômico. Em 2002, sofrem nova queda acentuada. A análise do ponto de vista das categorias de uso destaca a participação dos bens intermediários na pauta de importação. Em 1989, sua participação já era grande, fato explicado em parte pela estrutura tarifária vigente à época, que adotava uma escala crescente de acordo com o grau de elaboração do produto importado (bens intermediários, bens de capital e bens de consumo). Importante notar que em as importações de intermediários superaram em valor o pico de importações verificado em 1997, atingindo cerca de US$ 32 bilhões. Essa elevação se deu mesmo após as significativas desvalorizações cambiais ocorridas em 1999 e em Em 2002, a redução das importações de bens intermediários constituiriam a principal causa da grande queda das importações totais brasileiras nesse ano. 3 Ver lista das categorias em anexo. 4 A CGCE foi agregada em categorias de uso da seguinte forma: (i) Bens Intermediários: insumos industriais elaborados e básicos; peças e acessórios para bens de capital; peças para equipamentos de transporte; alimentos e bebidas básicos e elaborados destinados à indústria. (ii) Bens de Consumo: bens de consumo duráveis, semi-duráveis e não duráveis; automóveis de passageiros; alimentos e bebidas básicos e elaborados destinados ao consumo doméstico. (iii) Bens de Capital: bens de capital. (iv) Material de Transporte: equipamento de transporte industrial e não industrial. As Importações no Período 1995/

15 Importações Brasileiras por Categoria de Uso em US$ Milhões Var. PIB Industrial 2,9 2,0 2,1 3,1 (3,4) (2,6) 5,4 0,6 Bens Intermed , , , , , , , ,1 Bens de Capital 2.180, , , , , , , ,9 Bens de Consumo 1.504, , , , , , , ,0 Mat. Transp. Industrial 130, , , , , , ,0 866,0 Total , , , , , , , ,3 Acumulado (%) Contrib. 2 Bens Intermed ,2 61,7 63,8 Bens de Capital ,8 20,0 23,2 Bens de Consumo ,4 15,2 10,9 Mat. Transp. Industrial 9.303,9 2,8 2,1 Total ,9 100,0 100,0 Fonte: Notas: Elaboração própria a partir de dados e informações da Secex e do IBGE. 1 Não inclui importações de combustíveis e lubrificantes. 2 Contribuição das categorias na variação das importações totais entre A participação dos bens intermediários na pauta de importações pode ser ilustrada considerando-se que, entre 1995 e 2001, esses produtos responderam por US$ 207 bilhões dos US$ 335 bilhões de importações acumuladas no período, o equivalente a 62%. A propósito, as importações de bens de capital, o segundo mais relevante item segundo as categorias de uso, após atingirem um valor máximo em 1998, têm queda no biênio , retomando com vigor em 2001, quando somam US$ 10 bilhões. De acordo com a metodologia utilizada, verifica-se que, de 1995 a 2001, o país importou cerca de US$ 67 bilhões de bens de capital (20% do total). As categorias de material de transporte industrial e bens de consumo foram as que apresentaram redução do valor importado compatível com a mudança no câmbio. Em ambos os casos, as importações caíram após atingirem o máximo de importações em Para bens de consumo a redução foi muito significativa 5 : de US$ 9 bilhões para uma média de US$ 5,3 bilhões no biênio , um recuo de 41%. Essas constatações são importantes. Os dados mostram que o aumento do consumo intermediário importado foi mantido para além do período pós-mudança da política cambial em Mais ainda, o valor dessas importações voltou a aumentar com a retomada do crescimento industrial em 2000 e primeira metade de 2001, superando o recorde de importações registrado em Isso significa dizer que, ao contrário do esperado por diversos analistas, não ocorreu uma redução das necessidades de importações de partes, peças e componentes após a realização dos investimentos em modernização e ampliação da capacidade instalada nos anos 90, mesmo após a correção dos preços relativos. 5 Apesar da redução do valor importado de bens de consumo após a desvalorização cambial de 1999, o valor importado em 2001 foi bastante superior ao valor verificado em As Importações no Período 1995/

16 Quem Reagiu À Mudança Cambial? Essas conclusões correspondem a uma análise agregada das categorias de uso. Uma abordagem mais pormenorizada mostra que, mesmo em categorias de bens intermediários, houve significativa redução de importações em determinados segmentos após a desvalorização cambial de 1999, as quais não voltaram a crescer mesmo com a recuperação da economia em 2000 e primeira metade de Nesses casos, pode ter ocorrido a substituição de importações. Vamos analisar separadamente as importações de bens intermediários, bens de consumo e bens de capital. Bens Intermediários Como foi observado, as importações de bens intermediários aumentaram desde a mudança cambial, numa indicação que esse segmento como um todo foi insensível à mudança da política cambial de Ainda assim, em diversos casos pode ter ocorrido significativa substituição de importações. Para um grupo selecionado de bens intermediários, as importações caíram de US$ 6,8 bilhões em 1998 para US$ 5 bilhões em Apesar da recuperação da economia e do aumento das importações totais de bens intermediários em 2000 e 2001, as importações desse grupo não voltaram a crescer significativamente. Somaram US$ 5,3 bilhões e US$ 5,1 bilhões nesses dois anos. 6 De fato, em vários itens, a queda de importações foi significativa e permaneceu após a recuperação do crescimento em 2000/2001, como em: produtos minerais não metálicos; produtos metalúrgicos; fios têxteis e tecidos naturais (algodão); papel, celulose e papelão; e, entre os bens intermediários para a indústria de alimentos: arroz; farinha de trigo; óleos vegetais. 6 Esse grupo inclui: Prod. minerais não met., Laminados de aço, Outros prod. Metalúrgicos, Fab.e manut. de máq. e equip., Madeira e mobiliário, Papel, cel., papelão e artef., Fios têxteis naturais, Tecidos naturais, Outros produtos têxteis, Arroz beneficiado, Farinha de trigo, Outros produtos veg. Benef., Carne bovina, Óleos vegetais em bruto, Óleos vegetais refinados. As Importações no Período 1995/

17 Os gráficos a seguir, mostram a evolução das importações desses segmentos que foram sensíveis à desvalorização cambial. Importações de Bens Intermediários - US$ Milhões Itens Selecionados TOTAL Importações de Bens Intermediários - US$ Milhões Prod. minerais não met Laminados de aço Outros prod. metalúrgicos Fab.e manut. de máq. e equip As Importações no Período 1995/

18 Importações de Bens Intermediários - US$ Milhões Madeira e mobiliário Papel, cel., papelão e artef Fios têxteis naturais Tecidos naturais Outros produtos têxteis Importações de Bens Intermediários - US$ Milhões Arroz beneficiado Farinha de trigo Outros produtos veg. Benef Carne bovina Óleos vegetais em bruto Óleos vegetais refinados As Importações no Período 1995/

19 Ao lado desses segmentos, cujas importações reagiram à mudança cambial, outros não experimentaram essa reação. Inclusive em alguns casos relevantes, concorreram para elevar as importações de bens intermediários quando a economia voltou a crescer. Os casos em que as importações não foram reduzidas ou aumentaram, foram: trigo; produtos metalúrgicos não-ferrosos; material elétrico; outros veículos e peças, resinas, adubos, tintas e artigos de plásticos; produtos farmacêuticos e de perfumaria; produtos químicos e petroquímicos tecidos artificiais; produtos derivados da borracha; equipamentos eletrônicos. Nesses casos, certamente não houve substituição de importações, ou se houve (como em artigos de plástico) foi em relativo pequeno montante. Em geral, aqui foram fatores estruturais poderosos que impediram que a substituição de importações decorresse da mera mudança de preços relativos provocada pelas desvalorizações cambiais. São fatores relacionados à escala de produção, acesso à tecnologia e custos tributário e de capital, cuja superação é difícil e pressupõe políticas industriais específicas voltadas, sobretudo, para a área de tecnologia e para a atração de investimentos de grandes empresas, incluindo as empresas globalizadas, além de reformas tanto para a redução do custo tributário do bem produzido em território nacional em relação ao estrangeiro, quanto para a redução do custo de capital interno. Note-se que as importações de equipamentos eletrônicos caíram significativamente em 2001, porém, não como resultado de uma substituição de importações, mas, sim, devido ao fim de um ciclo de expansão muito forte em telecomunicações, o qual se esgotou nesse ano, e à retração em outros segmentos demandantes de importações como os de informática e bens eletrônicos de consumo. O tema será retomado. As Importações no Período 1995/

20 Importações de Bens Intermediários - US$ Milhões Trigo em grão Milho em grão Importações de Bens Intermediários - US$ Milhões Prod. Metal. não ferrosos Material elétrico Equip. eletrônicos Outros veíc. e peças As Importações no Período 1995/

21 Importações de Bens Intermediários - US$ Milhões Elem. Quím. não petroq Prod. petroq. básicos Resinas Adubos Tintas Outros prod. Quím Produtos farm. e de perf Importações de Bens Intermediários - US$ Milhões Prod. deriv. da borracha Artigos de plástico Tecidos artificiais As Importações no Período 1995/

22 Bens de Consumo Foi em bens de consumo que ocorreu de forma generalizada e acentuada a redução das importações e no qual há sinais mais claros de substituição de importações. Para um conjunto selecionado de itens de bens de consumo 7, as importações caíram nada menos do que 50% entre 1999 e 2001 (de US$ 7,5 bilhões em 1998 para uma média de US$ 3,6 bilhões em 2000/01). Foram esses itens que lideraram a queda global das importações de bens de consumo que atingiu 42%. Destacam-se: equipamentos eletrônicos (eletrônica de consumo); automóveis; papel, papelão e artefatos de papel; artigos de vestuário e outros produtos têxteis; produtos de couro e calçados; produtos de madeira e mobiliário; e bens alimentícios, como arroz beneficiado, carne bovina, laticínios. As importações de bens de consumo que não caíram significativamente ou aumentaram no período, foram: produtos farmacêuticos e de perfumaria e óleos vegetais refinados. 7 Esse grupo inclui: Outros produtos agropecuários; Equipamentos eletrônicos; Automóveis, caminhões e ônibus; Madeira e mobiliário; Papel, celulose, papelão e artefatos;, Artigos de plástico; Outros produtos têxteis; Artigos do vestuário; Produtos de couro e calçados; Arroz beneficiado; Outros produtos vegetais beneficiados;, Carne bovina; Leite beneficiado; Outros laticínios; Outros produtos alimentares, inclusive rações; Bebidas; Produtos diversos. As Importações no Período 1995/

23 Importações de Bens de Consumo - US$ Milhões Itens Selecionados TOTAL Importações de Bens de Consumo - US$ Milhões Equipamentos eletrônicos Autom., caminhões e ôn Papel, celul., papelão e artef As Importações no Período 1995/

24 Importações de Bens de Consumo - US$ Milhões Madeira e mobiliário Artigos de plástico Outros produtos têxteis Artigos do vestuário Prod. de couro e calç Importações de Bens de Consumo - US$ Milhões Arroz beneficiado Outros prod. Veg. benef Carne bovina Out. prod. alim. Incl. rações As Importações no Período 1995/

25 Importações de Bens de Consumo - US$ Milhões Leite benef Outros laticínios Importações de Bens de Consumo - US$ Milhões Prod. farmac. e de perf Óleos veg. refinados As Importações no Período 1995/

26 Bens de capital Em bens de capital, a redução das importações no segmento de fabricação de máquina e equipamentos e de tratores após a mudança da política cambial sugere que nesses segmentos pode ter ocorrido uma substituição de importações (ver os gráficos a seguir). As observações complementares são que: a substituição de importações nesse segmento foi acompanhada de aumento da importação de partes e peças (um item de bem intermediário) para bens de capital; em material elétrico e equipamentos eletrônicos classificados como bens de capital não há indício de substituição de importações. Importações de Bens de Capital - US$ Milhões Imp. de bens de cap Imp. de peças p/ bens de cap As Importações no Período 1995/

27 Importações de Bens de Capital - US$ Milhões Fabr. manutenção de máquinas e equip Tratores e máquinas terraplanagem Material elétrico Equipamentos eletrônicos Convém fazer um balanço geral dos itens que destacamos como segmentos de importações sensíveis. Considerando a média de importações nos anos em que a economia voltou a crescer, ou seja, 2000/2001, tendo 1998 como ano base, a redução de importações desses segmentos foi de US$ 3,7 bilhões em bens de consumo, US$ 1,7 bilhões em bens intermediários e US$ 1,6 bilhões em bens de capital. O total, que eqüivale a US$ 7,0 bilhões, pode servir de valor base para a substituição de importações ocorrida após a mudança da política cambial em Convém sublinhar que esse valor, no qual desponta o segmento de bens de consumo, não inclui o ano de 2002, que é objeto das considerações a seguir. Redução de Importações em Itens Selecionados - Média de 2000/01 com Relação a 1998 Valor % Bens Intermediários ,9 Bens de Capital ,1 Bens de Consumo ,1 Total ,0 Fonte: Elaboração própria a partir de dados e informações da Secex e do IBGE. As Importações no Período 1995/

28 As Importações em 2002 Em 2002, o declínio das importações brasileiras foi o destacado fator para que o saldo comercial brasileiro registrasse aumento tão expressivo. O saldo comercial passou de US$ 1,2 bilhões entre janeiro e setembro de 2001 para US$ 7,9 bilhões no mesmo período de 2002, um aumento em valor de US$ 6,7 bilhões. A queda das importações, de US$ 7,3 bilhões (ou 17%), mais do que compensou o declínio das exportações. A análise das importações em 2002, tem, portanto, um significado todo especial, particularmente, em torno às seguintes questões: Em que segmentos a queda das importações foi mais intensa? Essa redução das importações corresponde à grande desvalorização da moeda nacional ocorrida em 2002 (entre janeiro e setembro de 2002, a desvalorização nominal da moeda frente ao dólar alcançou 41%) e à estagnação da economia ou está refletindo mudanças mais profundas na economia? Em outras palavras, é sustentável essa redução de importações em um quadro de maior crescimento da economia e recuo da cotação do dólar? Em especial, a queda das importações em 2002 reflete um processo em curso de substituição de importações? Uma análise preliminar mostra que a retração acumulada no período, de US$ 7,3 bilhões, contou com um recuo expressivo das importações de bens intermediários (US$ 4,3 bilhões) e, em menor escala, de bens de capital (US$ 1,1 bilhões), combustíveis (US$ 1 bilhão) e bens de consumo (US$ 835 milhões). Esses números já indicam uma mudança importante na composição da redução das importações nesse ano com relação ao período 1999/01, quando bens de consumo lideraram as quedas verificadas nas importações. Uma outra observação relevante diz respeito ao principal item de redução das importações em 2002, os bens intermediários: os dados mostram que esta queda foi iniciada não como resultado dos acontecimentos de 2002, mas sim em 2001, a partir do terceiro trimestre desse ano (ver os gráficos abaixo 8. Podemos descartar de imediato dois relevantes segmentos de bens intermediários das possíveis causas para o declínio das importações dessa categoria de uso. Como se pode observar nos dois primeiros gráficos a seguir, as compras externas de produtos intermediários químicos (excetuando-se elementos químicos não petroquímicos) declinou relativamente pouco (de US$ 4 bilhões para US$ 3,7 bilhões) entre 2001 e Em produtos intermediários farmacêuticos e de perfumaria, as importações aumentaram (de US 978 milhões para US$ milhões) no mesmo período. O que os resultados da pesquisa mostram é que 6 segmentos explicam 77% da redução das importações de bens intermediários e 45% da queda total das importações em O aumento das importações no terceiro trimestre de 2002 deve ser tomado com reservas. Em julho, as importações foram particularmente elevadas em função do fim de uma greve na alfândega. Assim, uma parte das importações nesse mês correspondem de fato a importações dos meses anteriores. As Importações no Período 1995/

29 Importações no Periodo Jan./Set e US$ Bilhões , , , , ,0 3,2 7,5 6,4 5,8 4,8 0 Total Bens Intermediários Bens de Consumo Bens de Capital Material de Transporte 0,7 0,5 Combustíveis 0,3 0,1 Não especificados Importações - US$ Milhões I II III IV I II III Bens Intermmediários Bens de Consumo Bens de Capital Combustíveis Total As Importações no Período 1995/

30 Em outros veículos e peças, no qual se destaca o ramo de autopeças, mas inclui também itens como aviões e peças para a fabricação de aeronaves, a queda das importações é explicada pela redução da produção doméstica e das exportações de aeronaves. Em autopeças, é possível a substituição, mas isso dependerá de decisões estratégicas das empresas globais que operam no setor e de decisões futuras de investimentos. Em equipamentos eletrônicos e de material elétrico, a margem de substituição de importações é relativamente pequena caso não haja uma política deliberada de atração de investimentos de grandes empresas globais e de ampliação dos investimentos de empresas nacionais do setor. A redução de importações, que, nesses casos, inicia-se claramente já em 2001, não decorre tanto de fatores relacionados às variações cambiais, mas, sim, do fim de um ciclo de expansão muito vigoroso do setor de telecomunicações no Brasil entre os anos de 1998 e 2000, além da queda acentuada dos setores de informática e de eletrônica de consumo desde 2001, deprimindo a demanda de bens importados. As importações de bens intermediários desses segmentos poderão permanecer baixas no próximo ano e, talvez, em 2004, mas a condição para tanto é que os setores referidos acima continuem relativamente deprimidos. Quanto às importações de bens intermediários para a fabricação e manutenção de máquinas e equipamentos e de produtos metalúrgicos não ferrosos, estas estão associadas à queda da demanda interna, com poucas chances de substituição de importações no primeiro caso. A conclusão é que em bens intermediários há espaço para a substituição de importações e que a desvalorização cambial de 2002 é forte incentivo para que o processo seja desencadeado. Porém a condição fundamental continua sendo a realização de investimentos que ainda não estão em curso, a atração de empresas globais e a execução de políticas setoriais (como por exemplo, para os setores de química, farmacêutica, eletrônica e material elétrico). Caso contrário, as importações retomarão o curso anterior a 2002, certamente não de forma imediata se a economia recuperar o crescimento, mas com um retardo de dois ou três anos devido à retração de setores como os que foram assinalados. É neste período de trégua de importações de bens intermediários que podem atuar as políticas mencionadas, cujo alcance é de médio prazo. Um outro fato revelado pela pesquisa é que, em bens de consumo, se forem excluídas as importações de automóveis, não ocorreu significativa redução de importações a despeito da enorme desvalorização cambial. De fato, entre 2001 e 2002 (períodos de janeiro a setembro), as importações de bens de consumo caíram de US$ 4 bilhões para US$ 3,2 bilhões, uma queda explicada em quase toda a sua totalidade pela redução de automóveis (de US$ 1,2 bilhões para US$ 0,6 bilhões). Isso indica que as importações de bens de consumo, que sofreram grande declínio nas desvalorizações de 1999 e 2001 período em que se processara uma intensa substituição de importações estão no osso. Dessa forma, salvo em automóveis, não há mais espaço para substituição de importações. As Importações no Período 1995/

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Agosto

TÓPICO ESPECIAL Agosto Jan-94 Dec-94 Nov-95 Oct-96 Sep-97 Aug-98 Jul-99 Jun-00 May-01 Apr-02 Mar-03 Feb-04 Jan-05 Dec-05 Nov-06 Oct-07 Sep-08 Aug-09 Jul-10 Jun-11 May-12 Apr-13 Mar-14 Feb-15 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11 Jul-11

Leia mais

Impactos da Desvalorização do Real nas MPEs Paulistas

Impactos da Desvalorização do Real nas MPEs Paulistas SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS Impactos da Desvalorização do Real nas MPEs Paulistas (Relatório de Pesquisa) Realização: Maio de 1999 Sondagem

Leia mais

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 Ano IV No 2 O nosso

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23%

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Índice de Preços ao Produtor Fonte IBGE Base: Setembro de 2011 Por Ricardo Bergamini Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Em setembro de 2011, o Índice de Preços ao Produtor (IPP)

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 A crise financeira internacional continua afetando negativamente o comércio exterior paranaense: apesar das exportações terem aumentado 43,44% em março,

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

Indústria de Transformação Cearense em 2013: Algumas Evidências para os Resultados Acumulados até o Terceiro Trimestre

Indústria de Transformação Cearense em 2013: Algumas Evidências para os Resultados Acumulados até o Terceiro Trimestre Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS As recentes divulgações dos principais indicadores de desempenho da economia brasileira mostram

Leia mais

INOVAÇÕES NA PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

INOVAÇÕES NA PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Ano I, Nº 1, AGOSTO DE 2002 INOVAÇÕES NA PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Fernando J. Ribeiro Ricardo Markwald A dinâmica da pauta de exportações é um aspecto relevante para explicar o desempenho das vendas

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras.

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras. 73% das indústrias gaúchas exportadoras que concorrem com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. 53% das indústrias gaúchas de grande porte importam da China Sendo que, esse percentual

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas NOTA TÉCNICA MERCOSUL* - Agronegócio, Eletrônica e TIC e Biotecnologia 2010-2014 * Mercado Comum do Sul, composto pela República Federativa do Brasil, República da Argentina, República do Paraguai, República

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro Desafios do Comércio INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Balança Comercial Brasileira INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Evolução da Balança Comercial

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O INFORME-SE ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O SETORES INTENSIVOS EM MÃO-DE-OBRA: Uma atualização do Modelo de Geração de Emprego do BNDES O Modelo de Geração

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007

Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007 Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007 Claudinei Ramos de Oliveira UEPG Eziquiel Gu e r r e i r o UEPG Jú l i o Cé s a r Bilik UEPG Resumo: Este trabalho

Leia mais

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio NOTAS ECONÔMICAS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 11 Número 2 12 de julho de 2010 www.cni.org.br Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio Brasil

Leia mais

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 31MARÇO 2015.

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 31MARÇO 2015. PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 31MARÇO 2015. Cotação (31/03/15) PLAS3 - R$ 0,18 Valor de mercado em 31/03/15 (MARKET CAP BOVESPA) R$ 45 milhões Campinas, SP, 27 de abril de 2015 Plascar Participações Industriais

Leia mais

PROJETO ESTRATÉGICO DO GÁS NATURAL POTENCIAL ECONÔMICO DO GÁS NATURAL NO BRASIL COM BASE NA EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL

PROJETO ESTRATÉGICO DO GÁS NATURAL POTENCIAL ECONÔMICO DO GÁS NATURAL NO BRASIL COM BASE NA EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL PROJETO ESTRATÉGICO DO GÁS NATURAL POTENCIAL ECONÔMICO DO GÁS NATURAL NO BRASIL COM BASE NA EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL Outubro de 2012 Objetivos O estudo da FIPE analisou os impactos sobre a economia brasileira

Leia mais

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano?

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? SUMÁRIO EXECUTIVO O estudo está dividido em duas partes: 1. A primeira faz uma análise mais

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades Tecnologia da Informação No, 72,34% das empresas industriais pesquisadas afirmaram utilizar computadores. As categorias fabricação e refino de petróleo e álcool, fabricação de máquinas, aparelhos e material

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente anterior, na série livre de influências

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008 Resultados do 1T08 14 de maio de 2008 Destaques do Trimestre Desenvolvimento dos Negócios Início dos desembolsos das operações de FINAME e BNDES Automático Bim Promotora de Vendas fase piloto das operações

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul

Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul São Leopoldo, setembro de 2015 Cenário do Setor - 2015 1. Sumário Executivo 2. A economia brasileira em 2015 O setor de borracha

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA O Índice de Preços ao Consumidor da Classe Média de Curitiba - IPC-FAE, medido

Leia mais

11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV. Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários.

11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV. Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários. 11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários. Resultados das negociações coletivas gradativamente superaram o INPC e têm aumento real aproximado de

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais