CONTROLADORIA ESTRATÉGICA. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLADORIA ESTRATÉGICA. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis claudia.marchioti.reis@gmail.com"

Transcrição

1 CONTROLADORIA ESTRATÉGICA Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis Rio de Janeiro Agosto/2014

2 Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis Curso: Controladoria Estratégica Carga Horária: 24 horas/aula PLANO DE ENSINO DO CURSO OBJETIVO: Proporcionar a análise de ferramentas de controle úteis ao processo decisório, com o propósito de oferecer suporte às escolhas que gerem valor para a empresa. EMENTA DA DISCIPLINA: O papel da Controladoria no processo de gestão. Principais funções do controller. Estrutura de uma controladoria. Governança corporativa e conflito de agência. Planejamento estratégico, BSC e Controladoria. Resultado Financeiro X Econômico. Sistemas de controles internos. PROGRAMA: 1 Contextualização: Função da Controladoria; Ambiente da área de Controladoria; Funções do Controller e Estrutura de uma Controladoria. 2 Teoria da Agência; Governança Corporativa; Resultado Econômico X Resultado Financeiro. 3 Gestão e Controladoria: Visão Sistêmica da Empresa e Modelo de Gestão. 4 Sistemas de Controles Internos. 5 Planejamento Estratégico. 6 Planejamento Orçamentário. 7 Avaliação de Desempenho. 8 Balanced Scorecard (BSC). 9 Sistemas de informações gerenciais. PUBLICO ALVO: Contadores e estudantes que tenham como objetivo ratificar conceitos, reciclar conhecimentos e aperfeiçoar o processo de apoio na tomada de decisões. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 2

3 METODOLOGIA DE AULA O curo será desenvolvido por meio de aulas expositivo-dialogadas, complementadas por discussões de leituras, debates e exercícios práticos. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: NASCIMENTO, Auster M.; REGINATO, Luciane. Controladoria: um enfoque na eficácia organizacional. 3 ed. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: ANTHONY, Robert. N; GOVINDARAJAN, Vijay. Sistemas de Controle Gerencial. 12. ed. São Paulo: McGraw-Hill, ATKINSON, Anthony A.; BANKER, Rajiv D., et al. Contabilidade Gerencial. 3. ed. São Paulo: Atlas, CREPALDI, Silvio Aparecido. Contabilidade Gerencial: teoria e prática, 6. ed. Rio de Janeiro: Atlas, FREZATTI, Fábio. Orçamento Empresarial: Planejamento e controle gerencial. 5. ed. São Paulo: Atlas, KARPLAN, Robert; NORTON, David. Balanced scorecard a estratégia em ação. São Paulo: Campus, NASCIMENTO, Auster M.; REGINATO, Luciane; SOUZA, Marcos Antônio. Planejamento operacional. In: Controladoria: um enfoque na eficácia organizacional. NASCIMENTO, Auster M.; REGINATO, Luciane. (org.). São Paulo: Atlas, PADOVEZE, Clóvis L. Controladoria estratégica e operacional: conceitos, estrutura, aplicação. 2 ed. São Paulo: Cengage Learning, SZUSTER, N. et al. Contabilidade Geral: introdução à Contabilidade Societária. 4. ed. São Paulo: Atlas, Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 3

4 Sumário: Parte I: UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Função da Controladoria Ambiente da área de Controladoria Funções do Controller Características do Controller Tipos de Estrutura Organizacional Controller e a unidade... 9 UNIDADE 2 TEORIA DA AGÊNCIA E GOVERNANÇA CORPORATIVA Teoria da agência Governança corporativa Accountability Congruência de objetivos Descentralização Resultado Econômico X Resultado Financeiro Gestão de Capital de Giro UNIDADE 3 VISÃO SISTÊMICA DA EMPRESA E MODELO DE GESTÃO A Empresa como um Sistema Aberto Os Subsistemas do Sistema Empresa Características comuns dos sistemas abertos Eficiência e Eficácia UNIDADE 4 SISTEMAS DE CONTROLES INTERNOS Dimensão de controles e procedimentos internos Princípios de controle interno Vantagens e limitações dos controles internos UNIDADE 5 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Conceito de Planejamento Estratégico Modelo SWOT Modelo de Porter Vantagens e Desvantagens do Planejamento Estratégico Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 4

5 UNIDADE 6 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Conceito de Planejamento Operacional Orçamento Empresarial Vantagens e Desvantagens da adoção do orçamento na empresa Tipos mais comuns de orçamentos UNIDADE 7 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO O ambiente organizacional e a avaliação de desempenho Administração por centro de responsabilidades UNIDADE 8 BALANCED SCORECARD (BSC) Entendendo o Balanced Scorecard (BSC) UNIDADE 9 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Modelo de Informação Sistemas de informações Parte II - Exercícios: UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO UNIDADE 2 GOVERNANÇA CORPORATIVA E TEORIA DA AGÊNCIA UNIDADE 3 VISÃO SISTÊMICA DA EMPRESA E MODELO DE GESTÃO UNIDADE 4 SISTEMAS DE CONTROLES INTERNOS UNIDADE 5 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UNIDADE 6 PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO UNIDADE 7 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO UNIDADE 8 BALANCED SCORECARD (BSC) UNIDADE 9 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 5

6 Parte I: UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO 1.1. Função da Controladoria Primeiramente, é necessário esclarecer que o controller não é o gerente contábil. Szuster et al. (2013) definem a Contabilidade como uma ciência social que tem por objetivo medir, para poder INFORMAR, os aspectos quantitativos e qualitativos do patrimônio de quaisquer entidades. Constitui um instrumento para gestão e controle, além de comunicar a sociedade sobre o resultado da aplicação dos recursos conferidos às entidades. Atualmente, a Contabilidade faz parte da Controladoria, mas é uma ciência autônoma que não se confunde com a Contabilidade, apesar de se utilizar com proeminência das informações contábeis, a Controladoria tem funções muito mais gerenciais do que a Contabilidade. Anthony e Govindarajan (2008) comentam que o controle gerencial é o processo pelo qual os executivos influenciam outros membros da organização a obedecer às estratégias adotadas pela empresa. Para controlar é preciso um sistema de controle. Um sistema de controle é um mecanismo que afere o quanto se pode estar perto ou longe da estratégia. A Controladoria é a área da empresa responsável por projetar, atualizar e garantir a eficiência e confiabilidade dos mecanismos que dão suporte à implantação da estratégia. Para Crepaldi (2012) é responsabilidade da controladoria a veracidade das informações, bem como garantir que os dados examinados sejam importantes e indispensáveis para a continuidade da organização. Nesse contexto, a missão da controladoria é de garantir a otimização do resultado econômico, sendo responsável pelo fornecimento de informações relevantes no processo decisório empresarial, ou seja, é de responsabilidade da controladoria projetar os mecanismos de controle, mas a decisão é função do gestor Ambiente da área de Controladoria A Controladoria é o departamento que registra os fatos ocorridos e sua inovação consiste em projetar a situação real da empresa a partir dos registros realizados. Com isso, tem como objetivo os pontos estratégicos a fim de apoiar a tomada de decisões. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 6

7 A Controladoria pode atuar tanto como órgão administrativo (garantia de qualidade nas informações e auxílio aos administradores e executivo) como também, no apoio à contabilidade (elaboração e continuidade do sistema de informações) (CREPALDI, 2012). A Controladoria tem a função de interagir constantemente com o processo decisório da empresa e se utiliza principalmente dos sistemas de mensuração, informação e de controles internos. Nesse contexto, as dimensões de controle organizacional são ampliadas sob as perspectivas de Controle de Gestão; Dados e Informações e Procedimentos Internos e servem de base para o permanente monitoramento das operações da empresa pela Controladoria, cujos funcionamentos e interações são interdependentes, conforme observado na figura 1, a seguir: Figura 1 Dimensões do controle organizacional Modelo de Gestão Dimensão de Controle de Gestão - Processo de Gestão Planejamento estratégico Planejamento operacional Execução Controle Dimensão de Controle de Dados e Informações Controle Contábil Controle de Custos Controle fiscal Controle de ativo Dimensão de Controles e Procedimentos Internos Sistema de Controles Internos Sistema de Informações Fonte: Nascimento e Reginato (2013, p. 5). Pode-se observar na figura 1 acima, que a visão dimensional de controle é constituída a partir do modelo de gestão, ou seja, fundamenta-se nas crenças e valores dos líderes da empresa. Controle de Gestão: representa a instância onde são tomadas as decisões que se traduzem nos resultados esperados pelos executivos da organização e compreende o Planejamento Estratégico e Operacional, Execução e Controle. Controle de Dados e Informações: compreende o sistema de informações da empresa sobre o controle contábil, de custos, fiscal e de ativos necessários para propiciar o exercício pleno da área de controladoria. Representa a fonte de dados e informações que oferecem o conhecimento detalhado e global dos componentes físicos e econômicos da empresa. Controles e Procedimentos Internos: tem como propósito garantir a integridade das informações realizadas na empresa. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 7

8 A sinergia e a integração das dimensões de controle enfocam o ambiente de controle organizacional, que por sua vez, representa a plataforma para atuação da área de controladoria Funções do Controller O controller é o principal executivo da Controladoria. Segundo Anthony e Govindarajan (2008), geralmente o controller exerce as seguintes funções como responsável do projeto e operação do sistema de controle gerencial: Projetar e operar as informações e sistemas de controle; Preparar demonstrações; relatórios financeiros e relatórios não financeiros; Confeccionar e analisar os relatórios de desempenho; Supervisionar a auditoria interna e procedimentos de controle contábil; Desenvolver a capacidade do pessoal de sua área e participar do aperfeiçoamento do pessoal de nível gerencial em assuntos relativos à função de Controladoria. Crepaldi (2012) destaca que a função básica do controller é de definir e controlar todo o fluxo de informações da empresa, de modo que as informações corretas cheguem aos interessados no prazo adequado e que a alta administração receba tão somente informações úteis ao processo decisório. O controller não é responsável pela elaboração das informações, mas sim de sua compilação, síntese e análise. Sendo assim, o controller é responsável pelo projeto e operação do sistema, porém, sendo membro da equipe, não toma decisões gerenciais Características do Controller Conforme Crepaldi (2012) o controller é o executivo de normas, controle, metas, objetivos, orçamentos, contabilidade finanças e informática. Sua função essencial é de obter, gerar e interpretar as informações úteis na formulação e prioritariamente, na execução da política empresarial. As características fundamentais de um controller são: Capacidade em prever e antecipar-se dos problemas; Linguagem sofisticada dos executivos de primeira linha (tabelas estatísticas, gráficos de tendências e balanços projetados); Ter uma visão voltada para o futuro; Estar bem informado; Ser estudioso e apaixonado pelo processo científico; Deve ser ético, imparcial e honesto; Saber negociar e gerenciar pessoas. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 8

9 1.5. Tipos de Estrutura organizacional A estrutura organizacional tem impacto relevante no sistema de controle gerencial. As três estruturas mais comuns e suas características básicas são: Funcional: cada executivo é responsável por uma função determinada, sendo a especialização um fator valorizado. Unidade de negócios ou divisional: cada executivo de negócio é responsável pela maioria das atividades, como parte semi-independente da empesa. Matricial: as unidades funcionais possuem dupla responsabilidade e utiliza o conceito de gerente de projetos Controller e a unidade Os tipos mais comuns de subordinação do controller da unidade são: Subordinação indireta ao controller corporativo e direta ao gerente da unidade: Linha Tracejada; Subordinação direta ao controller corporativo e indireta ao gerente da unidade: Linha Sólida. Na figura abaixo os relacionamentos do controller com a unidade são demonstrados. Figura 2: Alternativas de Relacionamentos para o Controller Linha Tracejada Controller Corporativo Linha Sólida Controller Corporativo Gerente da Unidade de Negócio Gerente da Unidade de Negócio Controller da Unidade de Negócio Controller da Unidade de Negócio Fonte: Anthony e Govindarajan (2008, p. 112). A linha tracejada significa subordinação indireta. A linha sólida significa subordinação direta; Estrutura de subordinação indireta Linha Tracejada Na estrutura de subordinação indireta, o gerente geral da unidade de negócio é o chefe imediato do controller. O aspecto favorável é que o controller da unidade é visto como um parceiro da unidade e baseia-se numa forte linha de comunicação funcional. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 9

10 Já o aspecto desfavorável, é que o controller corporativo pode não ter tanta confiança em suas informações Estrutura de subordinação direta Linha Sólida Na estrutura de subordinação direta, o controller da unidade reporta-se diretamente ao controller corporativo, isto é, o controller corporativo é o seu chefe imediato. O aspecto favorável é que o controller corporativo tende a confiar mais nos relatórios do controller da unidade. Quanto ao aspecto negativo dessa estrutura, pode-se destacar o potencial conflito entre o controller e as outras áreas da unidade, pois o controller da unidade pode ser visto como um espião do escritório ao lado. Independente das relações de subordinação, o controller tem responsabilidades éticas globais inerentes à sua função e não contempla práticas contrárias na disposição e transmissão das informações. UNIDADE 2 TEORIA DE AGÊNCIA E GOVERNANÇA CORPORATIVA 2.1. Teoria da Agência A Teoria da Agência é percebida na relação na qual se estabelece um contrato no qual uma ou mais pessoas (principal) engajam outra pessoa (agente) para desempenhar alguma tarefa em seu favor, envolvendo a delegação de autoridade para a tomada de decisão pelo agente. Os interesses do gestor, no entanto, nem sempre estão alinhados com os do proprietário, resultando em um conflito de agência ou conflito agente-principal. É a partir do contrato entre os interessados da entidade, como, acionistas, credores e gerentes, que surge a assimetria da informação, pois o agente, ou seja, aquele que detém informações privilegiadas e exerce atividade que influenciam os demais, normalmente, é o beneficiado em detrimento dos interesses do principal Governança Corporativa A governança corporativa surgiu para superar o conflito de agência interesses conflitantes originários da separação entre a propriedade e gestão empresarial. Para o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC: Governança Corporativa é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre proprietários, conselho de administração, diretoria e órgãos de controle. As boas práticas de governança corporativa convertem princípios em recomendações objetivas, alinhando interesses com a finalidade de preservar e otimizar o valor da organização, facilitando seu acesso ao capital e contribuindo para a sua longevidade. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 10

11 Sendo assim, as boas práticas de governança corporativa vislumbram aumentar o valor da empresa e contribuir para a sua perenidade e a existência de uma área de controladoria na empresa, exercendo o seu papel de forma cientificamente declarada, pode auxiliar fortemente na segurança de todas as partes envolvidas com a empresa Accountability O termo accountability impõe a prestação de contas do órgão administrativo ou representatvio a instâncias controladoras ou a seus representados. As boas práticas de governança corporativa preveem: A transparência; A prestação de contas accountability; A equidade; A responsabilidade corporativa Congruência de objetivos A principal meta dos mecanismos que seguem o princípio da accountability é fazer com que a empresa tenha congruência de objetivos, ou seja, fazer com que objetivos individuais e corporativos sejam os mesmos. Entre as formas de propiciar o aumento da congruência dos objetivos, as organizações estão promovendo treinamentos e sistemas de controle aperfeiçoados, pois embora o princípio da congruência possa parecer simples, a sua realidade pode apresentar dificuldades. Há situações comuns em que pessoas ou unidades empresariais recebem responsabilidade sobre o orçamento, por exemplo, entretanto, não possui autoridade suficiente para influenciá-lo Descentralização Devido ao ambiente dinâmico, muitas empresas demandam por tomadas de decisões responsáveis, designadas de descentralização. Descentralização é a delegação de autoridade no processo decisório nos níveis mais baixos da organização. No contexto organizacional, a autoridade, ou seja, o direito de agir não se confunde com o poder, já que esse é definido como a influência de um indivíduo ou grupo no processo de tomada de decisões. No que tange a delegação, este é o processo de designar deveres aos subordinados, através da atribuição da autoridade que deve fazer cumprir estes deveres. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 11

12 2.6. Resultado Econômico X Resultado Financeiro No contexto da Contabilidade e das Finanças Empresariais, os termos econômico e financeiro não apresentam o mesmo significado. O termo Econômico: Refere-se à riqueza, em sentido estático, e à renda, em sentido dinâmico. Capital representa um estoque de riqueza em algum tempo. Lucro é um fluxo de renda gerado pelo capital durante determinado período e que poderá ser usufruído. O termo Financeiro: Tem relação com disponibilidade, dinheiro, capacidade de pagamento, liquidez. Estático: saldo de caixa. Dinâmico: variação do caixa Gestão de Capital de Giro Diversas são as definições de Capital de Giro, o conceito abordado nesse estudo dará enfoque sobre o Capital de Giro como sendo o valor líquido investido pela entidade em sua atividade operacional de curto prazo. Portanto, o Capital de Giro representa a diferença entre os itens do Ativo Circulante aplicados na atividade genuinamente operacional e os itens do Passivo Circulante que financiam a atividade genuinamente operacional. Contas do Ativo Circulantes que representam as atividades operacionais: Clientes; Estoques; Despesas Antecipadas e Outras Contas a Receber relacionadas com a atividade fim da empresa. Contas do Passivo Circulantes que representam as atividades operacionais: Fornecedores; Obrigações Fiscais; Obrigações Trabalhistas; Adiantamentos de Clientes e Outas Contas a Pagar relacionadas com a atividade fim da empresa. Quanto Menor a Necessidade de Capital de Giro, Melhor. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 12

13 UNIDADE 3 VISÃO SISTÊMCIA DA EMPRESA E MODELO DE GESTÃO 3.1. A Empresa como um Sistema Aberto Conforme Padoveze (2011) uma empresa é considerada como um sistema aberto por interagir com a sociedade e essa interação ocasionar influências nas pessoas, no aumento nos padrões de vida e no desenvolvimento da sociedade. A empresa como um sistema aberto e a existência de variáveis que podem influenciar a gestão e consequentemente, a tomada de decisões pode ser visualizada na figura abaixo: Figura 3: A empresa como um sistema aberto. Ambiente Remoto Sociedade Clientes Ambiente próximo Cultura Tecnologia Concorrentes Clima Política Comunicação Recursos naturais Entradas Materiais Equipamentos Energia Pessoas Informações Sindicatos Processamento A empresa Acionistas Demografia Governo Saídas Produtos Bens Serviços Comunidades Legislação e Tributos Fornecedores Educação Economia Fonte: Padoveze (2009, p. 13.) A perspectiva sistêmica da empresa não se limita a análise do ambiente externo, conforme demonstrado na figura 3. Sendo assim, faz-se necessário também uma abordagem das variáveis do ambiente interno, por meio dos subsistemas Os Subsistemas do Sistema Empresa A empresa é formada por seis subsistemas que trabalham e interagem as informações entre si. 1. Subsistema institucional: representa o pensamento da alta administração da empresa (crenças e valores dos proprietários) e que irá impactar todos os demais subsistemas, através das diretrizes da visão, missão, valores e estratégia. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 13

14 2. Subsistema organizacional: refere-se à estrutura organizacional da empresa, ou seja, agrupamentos das atividades em departamentos, amplitude administrativa, grau de descentralização e definições de autoridade e responsabilidade. 3. Subsistema de gestão: representa o processo administrativo ou processo de planejamento, execução e controle das atividades empresariais. 4. Subsistema de informação: trata-se de um sistema que coleta e processa os dados, gerando informações que atendam às necessidades de seus usuários. 5. Subsistema físico: caracteriza-se pelas instalações físicas e equipamentos do sistema da empresa (excluindo-se as pessoas) necessários à operacionalização. 6. Subsistema social: compreende o conjunto de pessoas que formam a empresa em todos os seus escalões, com todas as variáveis associadas aos indivíduos de forma isolada em grupo Características comuns dos sistemas abertos: Entre as características mais comuns e aplicáveis aos sistemas abertos no ambiente organizacional, destacam-se: Importação de energia: pode ser compreendida com os inputs do sistema, força motriz da operação. Nas atividades empresariais são representados por matérias-primas, mão de obra, recursos financeiros, informações geradas, entre outros. Transformação: os sistemas abertos transformam a energia obtida do meio ambiente através de seu processamento, permitindo a geração de produtos que são em seguida exportados para esse meio. Produto: os outputs são representados pelos produtos fabricados, pelos serviços prestados ou pelas informações geradas. Sistemas Como Ciclo De Eventos: a repetição dos ciclos de eventos pode ser similar, mas não necessariamente conduzirá aos mesmos resultados. Entropia negativa: de acordo com o princípio da entropia, originário da teoria geral dos sistemas, toda forma de organização tende à desorganização, à deterioração e, em última instância, à morte. A partir do desenvolvimento da chamada entropia negativa, os sistemas abertos possuem meio para combater o processo entrópico, ou seja, o sistema é capaz de acumular energia além daquela que ele consome fato este que permite o armazená-la para seu uso posterior, em momentos em que este elemento estiver escasso. Feedback: são sinais vitais emitidos pelo ambiente. Permite ao sistema corrigir desvios. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 14

15 Estado Firme e Homeostase Dinâmica: o sistema deve agir no sentido de reduzir a variabilidade na troca de energias, buscando manter um estado firme. Homeostase dinâmica é a capacidade de auto regulação. Diferenciação: propõe que padrões difusos e globais de um sistema sejam substituídos por funções mais especializadas. Equifinidade: diz respeito à variação de caminhos de que um dado sistema dispõe para alcançar um mesmo objetivo, isto é, a direção que escolhe não o impede de atingir o estado final desejado Eficiência e Eficácia A eficácia é o grau de que um determinado objetivo ou meta é atingido. Já a eficiência diz respeito a método, a modo certo de fazer as coisas. É definida pela relação entre volumes produzidos/recursos consumidos. UNIDADE 4 SISTEMAS DE CONTROLES INTERNOS 4.1. Dimensão de controles e procedimentos internos O controle organizacional tem o propósito de garantir a eficácia empresarial, de modo a verificar se os recursos colocados à disposição da empresa foram utilizados com vistas a atender as expectativas dos seus proprietários. A fim de garantir a sua eficácia é necessário estabelecer planos que abranjam a totalidade das operações que estejam integrados entre si. A dimensão de controle e procedimento pode ser definida com o conjunto de normas e procedimentos e de controles internos formais, estabelecidos com o propósito de padronizar o comportamento administrativo em todos os seus níveis, proporcionando meios seguros para o acompanhamento das ações dos membros da organização e possibilitando o rastreamento das transações realizadas na empresa em relação ao uso e manuseio de seus ativos Princípios de controle interno O controle interno é cada procedimento estabelecido e executado individualmente. Já o sistema de controles internos representa a organização dos mecanismos de controle que interagem entre si, de modo, a garantir a salvaguarda dos ativos da empresa, a melhoria da eficiência operacional, a integridade e transparência das informações econômico-financeiras e garantir a conformidade com as leis e regulamentos aplicáveis. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 15

16 O Controle Interno é um processo planejado, implementado e mantido pelos responsáveis da governança, administração e outros empregados para fornecer segurança razoável quanto à realização dos objetivos. Há dois tipos de controle, a saber: Controle preventivo: tem por objetivo inibir qualquer tipo de desvio, erro ou fraude. Controle de detecção: tem por finalidade identificar e corrigir a existência de uma ocorrência. Mecanismos dos controles internos: Sistemática de revisões; Manual de rotinas e procedimentos; Distribuição de tarefas e responsabilidade; Segregação de funções; Rodízio de funcionários e cargos e Limitação de acesso físico a ativos e registros Vantagens e limitações dos controles internos Uma sólida estrutura de controles internos, em conjunto com a eficácia das atividades de controladoria, podem proporcionar as seguintes vantagens empresarias: Aumento da eficiência operacional; Melhoria nas decisões operacionais; Aperfeiçoamento das avaliações de desempenho; Diminuição do risco de ocorrência de erros e fraudes; Valorização da imagem e conquista da confiança do mercado. Analisando por outro lado, a falta de controle ou a existência de controles ineficientes pode gerar efeitos contrários, ocasionando, prejuízos à empresa, tais como: Conluio de funcionários na apropriação e desvio de bens da empresa; Ocorrência de erros por falta de informação do funcionário; Ocorrência de erros provenientes da negligência de funcionários; Maior exposição à fraude; Penalidade impostas pelos órgãos regulamentadores; Publicidade desfavorável; Redução de investimentos e queda do valor das ações no mercado. A Controladoria alimenta todo o processo de gestão da organização, por essa razão, os controles internos devem ser adequados a fim de prover informações seguras e consistentes. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 16

17 UNIDADE 5 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 5.1. Conceito de Planejamento Estratégico Representa a etapa inicial do processo de gestão, e é nesse instante que a empresa formula ou reformula suas estratégias empresariais de modo a alcançar sua visão. A elaboração do Planejamento Estratégico é uma tarefa dispendiosa e complexa e tem influência direta na reputação ou imagem da empresa, como por exemplos, na qualidade, estilo de produtos, estilo de administração, e demais fatores. É no planejamento estratégico que as políticas, as diretrizes e objetivas estratégicas são definidas e o seu produto final é o equilíbrio dinâmico das interações da empresa com suas variáveis ambientais conforme pode ser observado a seguir: Figura 4: Diagrama simplificado do processo de planejamento estratégico Necessidade e possibilidade de se fazer o planejamento estratégico 1º Estágio Análise Interna (Pontos Fortes e Pontos Fracos) Análise Externa (Oportunidades e Ameaças) Definição de Objetivos e Metas Formulação de Estratégias Alternativas Estabelecimentos de Critérios Seleção de Estratégias 2º Estágio Implementação da Estratégia Execução do Plano Estratégico Avaliação e Controle Fonte: Nascimento; Reginato (2013, p. 153). Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 17

18 5.2. Modelo SWOT A análise SWOT é uma técnica muito utilizada pelas organizações que utilizam a administração estratégica para compreender as relações da organização com o seu ambiente organizacional. Tal técnica significa a análise dos pontos fortes e pontos fracos, no ambiente interno, e das oportunidades e ameaças, no ambiente externo Modelo de Porter O Modelo de Porter desenvolveu cinco forças competitivas que devem formatar a estratégia, sendo necessário que a empresa encontre uma posição capaz de se defender contra essas forças ou influenciá-las em seu favor. Essas forças competitivas são: 1. Ameaças de novos entrantes; 2. Poder de negociação dos fornecedores; 3. Produtos e serviços substitutos; 4. Poder de negociação do cliente; e. 5. Rivalidade Vantagens e Desvantagens do Planejamento Estratégico Podem-se destacar como as principais vantagens do Planejamento Estratégico os seguintes fatores: Estímulo à comunicação; Motivação do funcionário; Estabelecimento de padrões de desempenho; Encorajamento de atitudes a favor da renovação; Determinação de prioridades organizacionais; Gestão proativa; Alocação de recursos de forma criteriosa; Manutenção do equilíbrio da empresa no ambiente; Conciliação das oportunidades, forças e fraquezas; Já como desvantagens, são observadas os itens a seguir: Administração inflexível; Processo dispendioso; Gestores intranquilos; Inquietação entre os membros por causa das mudanças na operacionalização; Comprometimento arriscado com uma escolha específica; Normalmente, é conduzido por equipes que estão longe do detalhe operacional. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 18

19 UNIDADE 6 PLANEJAMENTO OPERACIONAL 6.1. Conceito de Planejamento Operacional O Planejamento Operacional é a representação quantitativa das diretrizes emanada do planejamento estratégico e embasada nas premissas operacionais que redundaram da melhor alternativa de viabilizar operacionalmente aquelas diretrizes. O Planejamento Operacional tem como produto o Orçamento, que por sua vez, estimula o potencial de lucro e geralmente, cobre o período de um ano Orçamento Empresarial O Orçamento é a parcela mais detalhada do plano de negócios da empresa, iniciado a partir da realização do planejamento estratégico, quando são reavaliadas a missão e a visão da empresa e estabelecidos os seus objetivos. Uma das regras básicas de um orçamento é sua exequibilidade, ou seja, ele deve ser adequadamente dimensionado ao volume de operações da empresa Vantagens e Desvantagens da adoção do orçamento na empresa Dentre as vantagens da adoção do orçamento empresarial verificam-se os seguintes tópicos: Disciplina quanto ao nível de gastos compatível com o resultado econômico esperado; Visibilidade; Definição da responsabilidade de gestores; Avaliação de desempenho; Instrumento de validação estratégica; Quanto às desvantagens, são observados os itens a seguir: Premissas erradas podem induzir a decisões equivocadas; Administração criativa por conveniência dos gestores; Requer um controle forte; Análise subjetiva; 6.3. Tipos mais comuns de orçamentos Os desenvolvimentos teóricos sobre a elaboração de orçamento dos orçamentos envolvem várias modalidades, cada uma com suas características, utilidades, vantagens e desvantagens. A figura 5 a seguir apresenta as modalidades mais frequentemente utilizadas: Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 19

20 Figura 5 Modalidades Orçamentárias: Orçamento Base zero Orçamento Contínuo Métodos orçamentários Orçamento Flexível Orçamento perpétuo Fonte: Nascimento, Reginato e Souza (2007, p.141). A partir dos modelos orçamentários mais utilizados descritos na figura 5 acima, as características básicas desses métodos podem ser assim definidos: Orçamento Contínuo: corresponde a adicionar continuamente um mês seguinte projetado em substituição ao mês decorrido. Orçamento Perpétuo: tem como premissa a não alteração do nível de atividade adotado na elaboração do orçamento. Orçamento Base Zero: tem como perspectiva a não existência de um passado, da inexistência da própria empresa. Redunda em um constante instrumento de reengenharia. Orçamento Flexível: prevê o conhecimento da estrutura de custos dos produtos fabricados ou serviços prestados, compreendendo: custos fixos e variáveis. Ademais, sobre o planejamento operacional, quanto mais curto for o período abrangido, mais detalhados devem ser os planos de ações e as demonstrações projetadas que eles devem proporcionar. O desempenho financeiro real é comparado com o orçamento e com as variações analisadas e explicadas. Docente: Claudia Marchioti Nicolau dos Reis - 20

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciências Contábeis 7ª série Controladoria e Sistemas de Informações Contábeis A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

CONTROLES INTERNOS UTILIZANDO BALANCED SCORECARD COMO INSTRUMENTO DE GOVERNANÇA COPORATIVA

CONTROLES INTERNOS UTILIZANDO BALANCED SCORECARD COMO INSTRUMENTO DE GOVERNANÇA COPORATIVA 1 CONTROLES INTERNOS UTILIZANDO BALANCED SCORECARD COMO INSTRUMENTO DE GOVERNANÇA COPORATIVA Autor: Scaramussa, Sadi Alberto; Bieger, Marlene Designação: Iniciação Científica Instituição: Facultad de Ciências

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Gestão Empresarial Márlio Lúcio Ribeiro Gomes Coorientador: Prof. Evânio de Carvalho Cruz Universidade do Vale do Sapucaí RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO Beatriz Alves Paes CONSORTE 1 - RGM 071627 Benedito Fernando FAVARETTO¹ - RGM 028811 Daniel Gazal ZUPO¹ - RGM 085144 Kaleo Carlos Felix BARROSO¹ - RGM 071294

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 2 SUMÁRIO: 1) INTRODUÇÃO A GESTÃO FINANCEIRA a. A IMPORTANCIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS b. O CONTEXTO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA c. A FUNÇÃO DO ADMINISTRADOR

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Fernando Ferreira Dias Filho Leila de Fátima Sales

Fernando Ferreira Dias Filho Leila de Fátima Sales O orçamento como instrumento contábil de controle e apoio à gestão das organizações modernas: um estudo com concessionárias de veículos leves de Belo Horizonte Fernando Ferreira Dias Filho Leila de Fátima

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa Balanced Scorecard Balanced Scorecard O Balanced Scorecard, sistema de medição de desempenho das empresas, foi criado por Robert Kaplan e David Norton, professores da Harvard Business School. Tendo como

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Material Institucional. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre

Material Institucional. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Material Institucional accent consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Sobre a Accent Somos uma empresa brasileira que possui conhecimento especializado em auditoria, impostos, consultoria de gestão

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO

NORMAS CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO NORMAS CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.128, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008 25.11.2008 Aprova a NBC T 16.1. Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação. promover a convergência das Normas Brasileiras

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia Balanced Scorecard Da estratégia às ações do dia-a-dia Perspectivas Em se tratando de gerenciamento de desempenho, perspectivas são os grandes vetores debaixo dos quais são agrupados objetivos, indicadores

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS DA FUNÇÃO CONTROLADORIA

OS NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS DA FUNÇÃO CONTROLADORIA Ribeirão Preto -SP OS NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS DA FUNÇÃO CONTROLADORIA Palestrante Luís Valíni Neto Técnico Contábil - Administrador de Empresas pela Universidade de Ribeirão Preto - Pós - graduado

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais