GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA UM ESTUDO DE CASO DO SETOR OFF SHORE LOCALIZADO NA CIDADE DE NITERÓI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA UM ESTUDO DE CASO DO SETOR OFF SHORE LOCALIZADO NA CIDADE DE NITERÓI"

Transcrição

1 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA UM ESTUDO DE CASO DO SETOR OFF SHORE LOCALIZADO NA CIDADE DE NITERÓI ABSTRACT GIL, Fernando Lapinha Agência de Desenvolvimento Regional Metropolitana III. Área de Negócios e Financiamento. Av. Amaral Peixoto, 55 - CEP , Niterói - RJ, Brasil FILHO, Aderbal Agência de Desenvolvimento Regional Metropolitana III. Área de Negócios e Financiamento. Av. Amaral Peixoto, 55 - CEP , Niterói - RJ, Brasil NETO, Antonio Batista Ribeiro SEBRAE/RJ - Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa Av. Calógeras, 15-7º andar - CEP , Rio de Janeiro - RJ, Brasil BASTOS, Glaudson Mosqueira Logike Associados S/C Ltda Rua Ipiranga, CEP , Rio de Janeiro - RJ, Brasil It is common sense that, in search of competitive advantage, organizations are trying to bring suppliers - especially first and second tier producers - up to a certain level of consistency around advanced manufacturing methods, product warranty and delivery capabilities. This article proposes an expert Supply Chain Management System based on a program of SEBRAE - Brazilian Micro and Small Business Support Service, that provide a supplier support team who assist suppliers in various ways by study groups, seminars, benchmarking visits, consulting, legal assistance, plant locations studies, and so on. The authors also seeks to encourage top management discussions about information systems, and critical collaboration between a manufacturer and its suppliers. Key-Words: supply management, purchasing, and business processes. RESUMO É do senso comum que, na busca por vantagem competitiva, as organizações estejam procurando atrair e elevar seus fornecedores - particularmente aqueles localizados nas primeiras e segundas camadas produtivas - para um determinado nível de consistência em termos de métodos avançados de fabricação, garantia dos produtos/serviços oferecidos e atributos do processo de fornecimento. Este artigo propõe um sistema especialista de Gerenciamento de Cadeia de Suprimentos, baseado em um programa do SEBRAE - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Brasileiras, que dispõe de uma equipe de Capacitação de Fornecedores capaz de apoiar os fornecedores de diversas formas, por meio de seminários e visitas técnicas, consultoria, assessoria legal, estudos de viabilidade para instalações fabris, etc. Os autores pretendem ainda, incentivar discussões acerca de temas como sistemas de informações gerenciais (SIG) e o processo de colaboração crítica na relação Cliente- Fornecedor. Palavras-Chave: gestão de suprimentos, compras, logística e processos empresariais. 1

2 1. INTRODUÇÃO As primeiras empresas a sentirem necessidade de uma definição da política para o desenvolvimento da relação cliente-fornecedor foram as japonesas. Isto aconteceu a partir da década de 70, em paralelo ao processo de adoção de novos sistemas gerenciais. Hoje, a exigência se generalizou e começam a ser definidos alguns princípios de referência também na indústria ocidental. David Hutchins (Just in Time, 1993), ao examinar na década de 90 diversas formas de relacionamentos entre empresas adquirintes e seus fornecedores, pode constatar, especialmente na indústria européia e norte-americana, uma inclinação para a ênfase em múltiplas fontes de fornecimento, preços competitivos, e o uso de contratos de curto prazo. Esta abordagem, conforme observada no trabalho de Hutchins, recebeu no Brasil a alcunha de "Modelo de Compras Tradicionais", quando das pesquisas de Vicente Plantullo publicadas em 2000 pela FGV-Fundação Getúlio Vargas (Economia em Compras, 2000), em razão de estar focalizada exclusivamente no aspecto preço de compra, sem levar em consideração adequadamente a questão da capabilidade¹ no longo prazo de fornecedores individuais. O modelo aqui proposto no entanto, baseado no estudo das ações de gerenciamento de cadeias de suprimentos desenvolvidas em Niterói, Rio de Janeiro, pela empresa norueguesa de off shore, DSND Consub S/A, em parceria com o SEBRAE/RJ, confronta com o cenário tradicionalista, exatamente por ofertar um modelo inovador - porém viável - de gerenciamento da cadeia de suprimentos, devendo, ao nosso ver, ir ao encontro do interesse dos profissionais responsáveis - no âmbito da iniciativa privada - pelos processos de compras corporativas, avaliação de ferramentas de sistemas logísticos integrados e implantação dos sistemas especialistas de Logística Integrada (EDIs, SCMs, IDGs, etc. 2 ), bem como de reponsáveis por estruturação de novas plantas ligadas a operações de construção e reparo naval e serviços de apoio a operações off shore. A reestruturação iniciada pela DSND Consub S/A, surgiu em resposta à escalada da competição no setor de off shore brasileiro, com menores ciclos de vida dos produtos, e à mudanças rápidas das expectativas do consumidor, "empurrando" a empresa para um processo de desenvolvimento de fornecedores a longo prazo, resultando em uma diminuição considerável no número de empresas fornecedoras, e dessa forma reestruturando sua cadeia de suprimentos. As decisões tomadas pela empresa, embora inovadoras no setor em que atua, toranaram-se clássicas na indústria automotiva brasileira, tendo como ícones principais, a FIAT Automóveis S/A que, após anos de dependência de variados fornecedores localizados em diversos estados, desenvolveu uma política de mineirização de fornecedores, tendo, hoje, um cinturão a 50 Km da fábrica com cerca de 100 fornecedores exclusivos (Antonio Batista, 2000) e a Fábrica de Caminhões e Ônibus da VOLKSWAGEN em Resende, situada a 160 km do Rio de Janeiro, que iniciou suas atividades funcionando dentro de um esquema de produção chamado de consórcio modular, onde um pequeno número de fornecedores de primeira linha são responsáveis pela inserção dos componentes fornecidos, cabendo à Volkswagen as atividades de coordenação, logística, controle da qualidade e desenvolvimento de produtos. 1 Capabidade - Vista aqui como habilidade na operacionalização de um planejamento estratégico de tecnologia, em direção às melhorias incrementais contínuas no processo de fornecimento (Aspectos de Gestão da Tecnologia - Jose Carlos Teixeira da Silva, Eng. Mec./USP) 2 EDI - Eletronic Data Interchange (Troca Eletrônica de Dados - Dicionário Price Waterhouse, Ed.Atlas, SP). SCM - Supply Chain Management (Gestão da Cadeia de Suprimentos - Wood Jr, Thomaz - FGV, SP). IDG (Índice de Desempenho Global de Fornecedores. Bastos, Montenegro e Batista - Sebrae/RJ, CCR e Logike s/c, RJ) 2

3 Estudos de Truzzi e Bento (Relocalização Industrial e Novas Formas de Organização do Trabalho, 1998) revelaram que do total de US$ 250 milhões investidos no "consórcio modular" de Resende, cerca de US$ 100 milhões ficaram a cargo dos fornecedores de chassis; suspensão e eixo; rodas e pneus; motor e transmissão; e pintura da cabines, instalados em galpões em torno da linha de montagem. A configuração de um modelo "modular" semelhante ao adotado pela indústria aumotiva, esteve em perspectiva por parte da DSND Consub S/A ao longo de suas ações de gerenciamento da cadeia de suprimentos, guardadas, naturalmente, algumas características típicas da indústria de off shore, como a imprevisibilidade das operações e consequente demandas de serviços por exemplo. A figura 1 ilustra as diferenças essenciais entre os modelos frequentemente observados na estrutura de relação Cliente-Fornecedor. Figura 1 - Estrutura de Relação Cliente-Fornecedor Modelo "Tradicional" - Múltiplas Fontes de Fornecimento - Negociação pelo Menor Preço Possível - Contratos de Curto Prazo Modelo "Modular" - Redução do Nº de Fornecedores - Negociação por Preços de acordo com Duração dos Contratos - Contratos de Longo Prazo 2. ASPECTOS RELEVANTES NA GESTÃO DE UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS 2.1. A Seleção do Sistema de Gerenciamento Logístico para o Setor Off Shore Qual o modelo de planejamento de operação dos sistemas logísticos mais apropriado para o setor naval/off shore localizado na cidade de Niterói, Estado do Rio de Janeiro? Atualmente, a existência de um número maior de possibilidades do sistema logístico provoca uma reavaliação das escolhas de elementos do sistema feitas no passado. Há poucas décadas, as opções quanto ao transporte se restringiam grandemente à ferrovia ou à navegação. Hoje, apesar de serem estas ainda muito importantes, abriram-se muitas oportunidades com os sistemas de carga aérea e rodoviária. Os sistemas logísticos diferem quanto à forma física - escolha do local e funções da fábrica, armazéns, meios de transporte, etc., e quanto à política e técnica de operação. As características, tanto físicas, quanto operacionais, são importantes; ambas devem ser examinadas no projeto de um sistema logístico. É importante destacar algumas variáveis importantes: Número e localização das unidades produtivas. Um sistema pode ter uma fábrica, uma usina, ou várias. A escolha pode ser determinada pela disponibilidade de material, ou pode ser feita visando reduzir a dependência da mão-de-obra. Se há mais de uma fábrica, estas podem servir diferentes mercados geográficos e podem implantar linhas de produto complementares; Número e localização dos armazéns. Podem ser mantidos armazéns em cada fábrica, ou estabelecer um ou uns poucos armazéns, como pontos centrais, para receber os 3

4 produtos dos fornecedores, ou para receber a produção das fábricas especializadas por produto, e para expedir lotes de produtos combinados. Armazéns de campo podem ser estabelecidos a fim de aumentar a velocidade de atendimento aos mercados e reduzir os custos de transporte. Sabe-se tambem que a mudança no número e localização dos armazéns de distribuição modificará o número de clientes que estão perto do armazém - isto é, a disponibilidade do produto - e modificará o custo total de armazenagem e estoque; Localização dos estoques dos produtos. Mesmo já tendo sido escolhida a configuração dos armazéns, a empresa pode resolver não estocar todos os itens em todos os armazéns. Na realidade, este sistema de estocar todos os itens em todos os armazéns é raro, devido à diferenças nos custos, índices de procura, exigências dos mercados, etc. Custos e prazos de entrega diferentes são conseqüência de opções diferentes da política de estocagem; Projeto do produto. É uma variável fundamental do sistema logístico. Através da escolha do projeto do produto a empresa pode permitir-se produzir itens diferentes em locais diferentes, empregar técnicas de produção econômicas ou flexíveis, adaptar facilmente os produtos a pedidos especiais, ou fazer a montagem final perto do consumidor. O papel da análise de sistemas logísticos é o de auxiliar a direção da empresa a esquematizar as opções do sistema com a finalidade de analisar as características de custo/eficácia destas opções, com relação à política logística da administração. A análise de sistemas logísticos pode também contribuir para a manutenção e aperfeiçoamento do sistema logístico, através da análise das características operacionais do sistema existente, e pela busca do aperfeiçoamento, através da introdução gradual de novos equipamentos ou conceitos técnicos Utilização dos Sistemas de Informações Gerenciais Os Sistema de Informações Gerenciais (SIG) podem ser definidos como um conjunto de procedimentos que coletam, processam, armazenam e disseminam informações para o suporte na tomada de decisões e para controle gerencial. Um sistema de informações gerenciais tem como entradas, fontes de dados internas e externas à organização. A mais importante fonte interna é o próprio sistema de registro das transações e operações diárias ocorridas dentro da organização, podendo, - e devendo -, incluir as fontes geradas pela entidade "fornecedor". Na figura 2 estamos apresentando, de maneira sintética, um conjunto de elementos capazes de alimentar o SIG, possibilitando a ocorrência eficiente de um controle sobre o processo de fornecimento. As saídas típicas de um sistema deste incluem relatórios periódicos, relatórios por demanda ou relatórios de exceção. Relatórios periódicos servem para o acompanhamento e controle sistemático das ações da organização, como por exemplo um relatório de indicadores-chave, que sumariza as atividades do dia anterior, colocado a disposição do gerente de suprimentos ou logística, diariamente, na primeira hora da manhã. Relatórios por demanda são emitidos ou desenvolvidos a pedido dos gerentes e visam atender uma necessidade de informação em particular, normalmente fora dos procedimentos padrões de operação da organização. Relatórios de exceção são automaticamente produzidos quando uma situação não é usual ou requer uma ação/decisão específica da gerência. 4

5 Figura 2 - Elementos Para Composição de um Sistema de Controle de Processo de Fornecimento Desempenho da Entrega do Fornecedor (Entrega Pontual, Entrega Completa, etc.) Demanda Sinalizada X Demanda Real Paradas Programadas e Paradas Não Programadas X Paradas Geradas por Ineficiência do Fornecedor Nível de Estoque de Materiais e Produtos Acabados Resultado do Controle de Processos = Nível de Serviços Logísticos A partir da maior experiência com o uso dos SIGs logísticos, experiência acumulada desde a metade da década de 90, é que foi possível identificar algumas funções ou tarefas específicas que um sistema de informações logísticas deve desempenhar, as quais podem ser resumidas da seguinte forma: Planejamento: refere-se à necessidade de informação que possibilita o planejamento apropriado da operação dos sistemas logísticos; Coordenação: refere-se à facilidade de comunicação que tais sistemas proporcionam. Essa comunicação é importante tanto interna quanto externamente no relacionamento com clientes, transportadores, fornecedores, etc; Monitoração e controle: função que permite o acompanhamento e o controle das operações logísticas; Operação (operacional): diz respeito a aspectos mais detalhados de informação e comunicação que são essenciais às atividades diárias. 3. ANÁLISE DA RELAÇÃO CLIENTE-FORNECEDOR Somente a partir do exame das relações cliente-fornecedor, que no estudo de Batista (Antonio Batista, 2000) estiveram classificadas como formais (através de um contrato) e informais (combinações verbais) é possível entender as decisões tomadas pela DSND ConsubS/A em conjunto com o SEBRAE/RJ que resultaram nos projetos de gerenciamento de cadeias de suprimentos através do uso de tecnologias como Processo Colaborativo CPFR 3 e Programas de Capacitação de Fornecedores (conforme encontra-se detalhado nos capítulos 4 e 5 deste estudo). Basicamente, após a definição concreta da relação empresa-fornecedor como uma relação de convergência de interesses mútuos na conquista de um objetivo estratégico, claramente delineado; DSND ConsubS/A e SEBRAE/RJ formataram um projeto de fortalecimento desta relação cliente-fornecedor, na qual o envolvimento e a interação se dariam através de um regime de intensa cooperação produtiva. 3 CPFR Collaborative Planning, Forecasting & Replenishment (Planejamento colaborativo visando um Sistema de Previsão no Fluxo dos Dados de uma Demanda e Reposição de bens/serviço neste fluxo). 5

6 3.1. A importância do Fortalecimento da Relação Cliente-Fornecedor A visão tradicional de compras admite que manter a concorrência de preços entre vários fornecedores, contribui para a redução e/ou manutenção do nível de preços dos materiais comprados. Tal visão baseia-se na hipótese de que se os fornecedores permanecerem sob a ameaça constante de perderem as encomendas conseqüentemente serão obrigados a "segurar" ou reduzir seus preços para ganhar os pedidos. Esse estilo de compras gera uma diversidade de controles burocráticos no setor, em função da multiplicidade de fornecedores para um determinado item e das constantes negociações de compra. No entanto, é preciso considerar que comprar apenas baseado no preço não significa necessariamente menores custos, pois podem ocorrer aumentos significativos no custo total do material comprado devido a: rejeições, inspeções, paradas de máquinas, quebras de ferramentas, retrabalhos, refugos e devoluções. Ou seja, podem ocorrer custos adicionais que permanecem ocultos pela falta de preocupação ou deficiência em mensurá-los Análise dos Fatores de Desempenho do Fornecedor Diversos fatores causam o baixo desempenho do fornecedor. Dentre eles: Quando a empresa insiste em negociar preços e demais condições de tal maneira que seus fornecedores não obtenham lucro, impedindo-os de conseguir investir em melhorias ou ainda se manterem no negócio; Quando a empresa, por qualquer razão, retém informações sobre o planejamento da produção e das compras, fazendo com que o fornecedor protege, compre, monte e entregue tarde ou cedo demais. Tal atitude certamente, poderá afetar seu desempenho econômico financeiro; Quando o pessoal técnico não especifica detalhadamente as respectivas características do componente a ser comprado, nem tampouco, como e onde será aplicado, para que o fornecedor possa controlar a qualidade na fonte; A empresa não compartilha seu conhecimento sobre as melhores práticas de negócios, de modo que o fornecedor não consegue melhorar ou manter um bom nível tanto técnico como comercial. O comprador tradicional continua apostando na prática típica de efetuar concorrências de compras baseadas em "leilões de preços ", utilizando-se para tanto, da habitual e estratégica ameaça de troca de fornecedores, resultando, conforme tem se observado, em uma sucessão contínua de reinícios; isto é, a existência de um ciclo interminável de entrada de fornecedores "novatos", sem nenhum progresso no aprendizado. Estas atitudes demonstram desinteresse e desprezo pelo empenho do fornecedor e não agregam nenhum valor às relações técnicas nem comerciais para ambos os lados. As relações decorrentes deste tipo de postura são de desconfiança, e, conseqüentemente, as partes envolvidas são tratadas como adversárias, pois seus objetivos são opostos, típicos da filosofia de curto prazo: você perde eu ganho. Os executivos da área de suprimentos encontram dificuldades para implementar relações de parceria. As pessoas envolvidas no processo de desenvolvimento de fornecedores, de ambas as partes da própria empresa, da empresa cliente e a do fornecedor muitas vezes não tem claro 6

7 os aspectos que englobam a filosofia de parceria. Isto dificulta o trabalho de desenvolvimento e limita a geração de fontes potenciais de suprimentos, o que reflete no desempenho competitivo da empresa. A definição clara dos objetivos, a responsabilidade, a cooperação na troca de informações e o alto grau de profissionalização são condições essenciais para se efetuar uma boa parceria. A parceria pode ser considerada como um estágio avançado do processo de cooperação entre empresas, para criar valor nos negócios e dividir riscos. E, portanto, significa que a partir do momento em que as organizações decidem formar uma parceria, o sucesso desta nova relação, dependerá do empenho dos gestores do processo para consolidá-la. Os resultados a serem obtidos podem ser significativos: a. Transferência de parte da fabricação para o parceiro. b. Desenvolvimento conjunto de projetos. c. Transferência de máquinas para as instalações do parceiro. d. Implantação de programas de otimização de custos. e. Financiamento de projetos, máquinas e equipamentos. f. Melhoria de processos produtivos. g. Treinamento de pessoal. h. Consultoria técnica e i. Aval financeiro para empréstimos junto a entidades públicas e privadas Análise das Vantagens Competitivas Ao longo do tempo as vantagens vão surgindo naturalmente. Num ambiente de acirrada concorrência, a tarefa de desenvolvimento de fornecedores, mais do que nunca, adquire dimensão estratégica. Seu objetivo básico é dar orientação e suporte à área de suprimentos, mediante a avaliação e seleção de fontes potenciais de fornecimento, com o propósito de assegurar a conquista e a manutenção da competitividade da empresa. De modo amplo, desenvolver um fornecedor consiste na prestação de serviços de consultoria e de acessoria, visando auxiliá-lo na identificação e análise de problemas relacionados com políticas empresariais, organização administrativa, adequação de métodos e processos de fabricação. Normalmente, esse é um processo lento, que exige disponibilidade de tempo para conhecer instalações fabris dos fornecedores, trocar informações para analisar sua capacitação técnica e comercial e diagnosticar seus problemas, para recomendar medidas apropriadas, bem como prestar assistência na sua aplicação Evolução no processo de relacionamento Cliente-Fornecedor Para efeito de estabelecimento de metas em termos de fortalecimento da relação clientefornecedor, DSND Consub S/A e SEBRAE/RJ tomaram por base o modelo de Martin Christopher (Christopher, 1997), articulado em quatro níveis de desenvolvimento, tendo uma visão da evolução do relacionamento em termos mais globais. Tabela 1 - Modelo Articulado em Níveis de Desenvolvimento PRIMEIRO NÍVEL SEGUNDO NÍVEL TERCEIRO NÍVEL QUARTO NÍVEL ABORDAGEM CONVENCIONAL Slogan: "Compramos pelo melhor preço." MELHORIA DA QUALIDADE Slogan: "Fazer a qualidade junto aos Fornecedores." INTEGRAÇÃO OPERACIONAL Slogan: "O processo produtivo começa na casa do fornecedor". INTEGRAÇÃO ESTRATÉGICA Slogan: "Fazer negócios juntos." 7

8 Um desdobramento dos níveis de evolução no fortalecimento da relação cliente-fornecedor, e suas respectivas abordagens pode ser visto e comparado a seguir: Primeiro Nível (abordagem convencional) Prioridade aos preços e Abordagem/relacionamento entre adversários em contraposição de interesses, baseado em relações de força; Avaliação de fornecedores quanto a preços e garantia (entregas, qualidade); Inspeção de recebimento (100 % dos lotes) baseada nas amostragens estatísticas; Certificados formais e Controle por inspeção dos fornecedores. Segundo Nível (melhoria da qualidade) Prioridade à e Início de relacionamento a longo prazo; Redução do número de fornecedores; Início da autocertificação de fornecedores; Compra de sistemas e não de componentes (com o controle por parte dos projetistas). Início de fornecimento JIT. Terceiro Nível (integração operacional) Controle dos processos dos fornecedores e dos processos globais; Avaliação de fornecedores levando em conta a aptidão dos processos; Alguns investimentos comuns em P&D; Programas de melhoramento com os fornecedores; Ampliação do JIT/início de fornecimentos sincronizados; Sistemas de garantia da qualidade. Quarto Nível (integração estratégica) Gerenciamento comum dos procedimentos de negócios. Avaliação global dos fornecedores (tecnológica e estratégica). Feedback do mercado transmitido diretamente ao fornecedor. Parcerias nos negócios com alguns dos fornecedores mais importantes. Feedback do mercado em tempo real com diagnósticos diretos do campo. Ampliação dos fornecimentos sincronizados. Acordos sobre estratégias e políticas em nível máximo. Sistemas de garantia de globais (integrados). 4. MODELO PROPOSTO: GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS COM O USO DO PROGRAMA CAPACITAÇÃO DE FORNECEDORES DO SEBRAE 4.1. O programa do SEBRAE para fortalecimento da relação Cliente-Fornecedor O Programa de Capacitação de Fornecedores é um produto que o Sistema SEBRAE disponibiliza para empresas de grande porte que desejam fortalecer a relação com seus fornecedores, e estruturar sua cadeia produtiva. Entretanto, este programa restringe-se a fornecedores de micro e pequeno porte. Para efeito deste estudo, isto é perfeitamente considerável em função que as microempresas e empresas de pequeno porte representam cerca de 90% do total de empresas presentes na cadeia de suprimentos localizada no eixo Niterói-Macaé, polo off shore do estado do Rio de Janeiro. 8

9 Objetivos do Programa proposto à DSND Consub S/A Promover a capacitação tecnológica das micro e pequenas empresas (MPEs) fornecedoras ou parceiras da empresa; Capacitar as MPEs para que atendam aos requisitos de qualidade e produtividade formulados pelos departamentos da empresa; promover a efetiva sinergia entre a empresa e as MPEs fornecedoras, como elos que são da mesma cadeia produtiva Estruturação do Programa A figura 3 representa a estruturação básica do Programa de Capacitação de Fornecedores. O Programa Capacitação de Fornecedores esteve articulado sinergicamente, envolvendo na busca de aumento da competitividade, aumento da eficiência, redução de custos e melhoria no nível de serviços, as instituições "Grande Empresa", no caso em particular analisado, a DSND Consub S/A, "Sebrae" e "Cadeia de Fornecedores". Figura 3 - Estruturação Básica do Programa Capacitação de Fornecedores do SEBRAE Pressupostos Organizacionais Básicos da Articulação A concepção tecnológica do Programa Capacitação de Fornecedores esteve baseada em seis características organizacionais em todas as fases de desenvolvimento. Estas características (pressupostos organizacionais básicos), acabaram por reger os processos de articulação, relacionamento e envolvimento dos participantes com o programa (figura 4). Figura 4 - Pressupostos Organizacionais do Capacitação de Fornecedores do SEBRAE 9

10 Plano de Fortalecimento da Rede de Suprimentos DSND Consub S/A Para orientar as empresas na forma como poderiam tratar seu relacionamento com fornecedores, obtendo para si vantagens competitivas de qualidade, custos, técnica, etc., foi necessário recorrermos às seguintes etapas de desenvolvimento de fornecedores: Tabela 2 - Etapas de Desenvolvimento de Fornecedores ETAPA 1 ETAPA 2 ETAPA 3 ETAPA 4 Avaliação Técnica, Pré-seleção das Elaboração do Plano Comercial e da Diagnóstico Fontes Potenciais de Desenvolvimento Gestão Empresarial Etapa 1: Pré-seleção das Fontes Potenciais A pré-seleção consistiu na coleta de informações técnicas e comerciais sobre o fornecedor, tais como: produtos que fabrica, tipos de máquinas que possui, principais clientes e fornecedores, data da fundação, número de funcionários da área de produção, controle de qualidade, engenharia, etc. Esta coleta de informações foi efetuada através do preenchimento de um formulário encaminhado ao fornecedor. Para avaliar este potencial foi feita uma visita, útil para esboçar o roteiro da avaliação técnica que seria feito posteriormente. Etapa 2: Avaliação Técnica, Comercial e da Gestão Empresarial A avaliação técnica de fornecedores operou como uma ação preventiva em que o comprador, através do exame de evidências objetivas, passou a assegurar-se de que o fornecedor continuaria apto a fornecer um determinado material com a qualidade requerida. Planejamento para a avaliação técnica: Dentre as atividades típicas do planejamento da avaliação técnica estiveram sendo aplicados: a. Estudo das características específicas do material através da análise e interpretação de normas técnicas, livros, catálogos, ou outras publicações técnicas; b. Estudos de processos de fabricação e de controle de qualidade do material. c. Estabelecimento dos padrões de garantia/controle da qualidade que deverá ser exigido ao fornecedor; d. Preparação de uma lista de verificação (check list), para facilitar a execução da auditoria nos sistemas de garantia/controle da qualidade, averiguação da capacitação fabril e a análise do potencial de engenharia do produto; e. Preparação do programa seqüencia das atividades que serão desenvolvidas durante a avaliação; f. Comunicação ao fornecedor da data, dos objetivos e dos nomes dos avaliadores. Aspectos considerados na avaliação: A metodologia empregada na avaliação técnica consistiu no exame da capacidade física e de produção, em termos de projeto do produto, sistemas de gestão da qualidade, de quantidade, organização industrial, normalização técnica, laboratórios de ensaios e testes, tecnologia utilizada e grau de nacionalização, nível da equipe técnica, tipo e estado das máquinas e 10

11 equipamentos, manutenção de equipamentos, instrumentos de medidas, aspectos referentes à higiene e segurança do trabalho, pátios, depósitos e condições de armazenagem. A avaliação comercial visou conhecer os aspectos mercadológicos, análise do volume de vendas do material, estratégias de comercialização adotadas pelo fornecedor, suas fontes de suprimentos de matérias-primas, suporte em termos de assistência técnica, idoneidade junto aos bancos e entidades governamentais de financiamento, etc. Em relação à gestão empresarial, a avaliação concentrou-se na capacidade e responsabilidade da direção da empresa, em relação à existência ou não de planos estratégicos, políticas de gestão dos recursos humanos, planos de investimentos, políticas da qualidade. Emissão do laudo de avaliação técnica: Os resultados da avaliação técnica foram expressos pela DSND Consub S/A em um laudo útil para a elaboração do diagnóstico SEBRAE/RJ, subsidiando a elaboração do plano de desenvolvimento do fornecedor. A emissão do laudo - feita através de um sistema de pontuação - teve atribuído um peso relativo, em função da estrutura da empresa avaliada e do material a ser comprado. Etapa 3: Diagnóstico As inspeções consistiram em uma análise minuciosa dos dados obtidos para determinar os pontos fortes e fracos nos sistemas organizativos da empresa. Neste processo a participação de representantes do fornecedor permitiu uma análise conjunta com o cliente, verificando oportunidades de melhoria em seus sistemas, promovendo reflexos positivos para estabelecer relações de parceria. Os diagnósticos consistentes converteram-se em instrumentos de alta valia para a implantação e o aprimoramento do sistema de qualidade do fornecedor. Etapa 4: Elaboração do Plano de Desenvolvimento O plano de desenvolvimento DSND ConsubS/A e SEBRAE/RJ foi elaborado por uma equipe composta por membros da Consub e do fornecedor. Eles analisaram o diagnóstico, priorizando as ações necessárias para o estabelecimento das melhorias dos sistemas organizativos do fornecedor. Os planos de melhoria contemplaram ações, em fases, referentes a: a. Palestras. b. Cursos de formação. c. Treinamentos. d. Visitas técnicas às instalações do cliente. e. Visitas técnicas às instalações de outros fornecedores do cliente. f. Execução de estudos de racionalização de processos. g. Criação de programas específicos de qualidade e produtividade. h. Estudos de rearranjo do lay-out industrial. i. Implantação de programas de eliminação de desperdícios, etc. 11

12 5. UM ESTUDO DE CASO DO MODELO PROPOSTO: O PROGRAMA CAPACITAÇÃO DE FORNECEDORES DO SEBRAE EM PARCERIA COM A DSND CONSUB S/A 5.1. Perfil da Grande Empresa : DSND Consub S/A Com uma sede de 20 mil m2 na Ilha da Conceição, Niterói, estado do Rio de janeiro, hoje a empresa se destaca nas áreas de Oceanografia, Geofísica, Survey, Manutenção e Lançamento de Cabos Flexíveis, Linhas Rígidas e Flexíveis, Operações Navais e demais aplicações de tecnologia subaquática civil (óleo e gás) e militar. A DSND CONSUB S/A possui bases operacionais nas cidades de Macaé-RJ, Vitória-ES, Aracajú-SE, Natal-RN, Paracurú-CE e São Luiz-Ma, permitindo a empresa de capital norueguês a conduzir operações navais e offshore ao longo dos Kms da costa brasileira. Segundo a edição do Balanço Anual publicado pela Gazeta Mercantil em julho de 2000, contendo referências aos principais grupos conglomerados atuantes no Brasil (311 holdings e empresas), a DSND CONSUB S/A obteve a 1ª classificação na categoria "Serviços Diversos" do setor de Construção. Entre as principais áreas de atuação da DSND Consub S/A destacam-se os seguintes projetos regulares e outros especiais em andamento: Embarcações Especiais: Integração, mobilização e operação de embarcações especiais como ROV Support vessels (operação de veículo por controle remoto e intervenções submarinas), Diving Vessels (operações de mergulho e levantamentos oceanográficos em profundidade até metros) e Pipe Laying Vessels (lançamentos de linhas flexíveis); Modfrag: Modernização das Fragatas da Marinha do Brasil, com desenvolvimento e produção de hardware, sistemas de combate, adaptações de obras navais e logística; Tecnologia OffShore: Projeto e fabricação de sistemas de robótica, vasos de pressão, hidráulica e equipamentos para produção e exploração de hidrocarbonetos em lâminas d`água profundas Diagnóstico Específico Sobre a Cadeia de Suprimentos Visando estabelecer o raio de ação sobre a cadeia de suprimentos, tanto em termos de gerenciamento, como no que tange a eixo geográfico, o Sebrae e a DSND Consub S/A definiram primeiramente um "cinturão de fornecedores" entre Niterói e Macaé, e elencaram um conjunto de demandas críticas, a saber: Caldeiraria, Fina e Pesada, R$ / ano Mecânica, Elétrica e Eletrônica, R$ / ano Peças Soldadas e Usinadas (AISI 4140, SCR 50 e ASTM A36), valor não estimado Tubos/Aço Inox (AISI 316L / 16mm), valor não estimado 12

13 Após estas etapas, foi aplicado um novo diagnóstico em conjunto com as áreas internas (requisitantes de bens e serviços), consideradas no processo como "clientes da logística". Os gráficos 1 e 2 retratam os resultados deste diagnóstico. Gráfico 1 - Principais Dificuldades para Contratação Dentro do Cinturão de Fornecedores. Gráfico 2 - Principais Não Conformidades Dentro do Cinturão de Fornecedores Plano de Ação Realizado o cruzamento para identificação dos fornecedores responsáveis pelo abastecimento às demandas consideradas como críticas, estabeleceu-se a posição de um organismo independente, denominado "Grupo Gestor", constituído por representantes da área de Capacitação de Fornecedores do Sebrae com base em Niterói, da área de Logística e Suprimentos da DSND Consub e igualmente representantes das empresas fornecedoras cadastradas no sistema. Com base na interpretação do diagnóstico, coube ao Grupo Gestor a elaboração do Plano de Ação (conforme tabela 3) e que acabou por definir as seguintes metas de Capacitação de Fornecedores: Ampliar a base de fornecedores com certificação ISO, ou dotados de dispositivos de um sistema de implantação de um pré-sistema de Gestão pela, dando ênfase aos Requisitos do Sistema da 4.3, 4.17 e 4.19 (Norma de referência - NBR ISO 9001:94); Ampliar a base de fornecedores capazes de apresentar mecanismos de Suporte Técnico e Garantia após o fornecimento; Ampliar a base de fornecedores com extrema Disponibilidade de Recursos e extrema Velocidade na Mobilização de Mão-de-Obra para atender solicitações de urgência. 13

14 Tabela 3 - Plano de Ação do Programa de Capacitação de Fornecedores Semana A Semana B Semana C Semana D Semana A/E Mês 1 Integração do Grupo/ Nivelamento Conceitual Política da Preparação Política de Garantia da Requisitos ISO 9000 Política de Garantia da Requisitos ISO 9000 Reunião Grupo Gestor Mês 2 Política de Garantia da Requisitos ISO 9000 Política de Garantia da Requisitos ISO 9000 Política de Garantia da Requisitos ISO 9000 Política de Garantia da Requisitos ISO 9000 Reunião Grupo Gestor Mês 3 Política de Meio Ambiente, Aspectos e Impactos Ambientais Política de Segurança no Trabalho, NR7, NR9 e NR15 Política da Atendimento a Clientes Política da Atendimento a Clientes Política da Manual da Mês 4 Política da Manual da Política da Manual da Reunião Grupo Gestor Reunião Grupo Gestor Resultados 6. RESULTADOS DO PROGRAMA CAPACITAÇÃO DE FORNECEDORES COM A DSND CONSUB S/A E CONSIDERAÇÕES FINAIS Avaliando os resultados obtidos junto aos fornecedores de 1ª camada da DSND Consub S/A, participantes do Programa de Capacitação de Fornecedores realizado em 2000, percebe-se claramente que a recuperação dos setores produtivos constituídos por fornecedores setoriais ou regionais, ocorre em uma sequência intimamente relacionada com a aplicação de modelos sistemáticos de gerenciamento sobre a cadeia de suprimentos, semelhantes ao proposto neste estudo. Apesar de sua tangibilidade complexa, alguns resultados do Programa de Capacitação de Fornecedores com a DSND Consub S/A puderam ser medidos e encontram-se expostos na tabela 4. Ainda que, conforme pudemos observar, determinadas cadeias produtivas ligadas ao setor off shore (reparo naval por exemplo) permanecem em forte dependência do equilíbrio da taxa de câmbio e do aprofundamento das medidas de ajuste fiscal - a começar pela redução da incidência cumulativa de tributos atrelados a produção - o fato é que um conjunto considerável de necessidades correntes de desenvolvimento já se encontra sendo atendido por intermédio de iniciativas de gerenciamento sobre a cadeia de suprimentos da DSND Consub S/A. 14

15 Tabela 4 - Resultados Medidos Pelos Fornecedores da DSND Consub S/A no Programa de Capacitação de Fornecedores Aumento médio da área útil em cerca de 30% (principalmente em áreas como recepção, montagem e expedição); Percepção de uma Redução média de 60% no Índice de Reclamações Externas; Redução média de 6% no set up (preparação de equipamentos/pessoal) para fabricação; Aumento percebido de 70% na utilização de Matrizes de Responsabilidades e Fluxogramas de Processo por parte da liderança das empresas fornecedoras; Melhor interpretação das Normas de Segurança do Trabalho e Permissões para Trabalhos Especiais. Pela perspectiva da Grande Empresa, no caso do modelo estudado em questão, a DSND Consub S/A, fica evidente o ganho adquirido em termos de consistência de sua cadeia de suprimentos de 1ª camada, apesar de ser este resultado, de tangibilidade muito mais complexa. Ao implantar o Programa de Capacitação de Fornecedores do Sebrae como forma de gerenciamento de sua cadeia, a DSND Consub S/A procurou estabelecer no mercado um diferencial competitivo com foco na competição entre cadeias de abastecimento, o que vem habilitando a empresa continuamente, como uma das principais colaboradoras da PETROBRÁS na área de construção submarina, a exemplo das instalações de componentes nos 3 primeiros poços no campo do Roncador, e dos sistemas de pressurização, fechamento, energia e controle do Laboratório Hiperbárico encomendado pelo Centro de Pesquisas da PETROBRÁS no ano de 2000, evidenciando assim ter adquirido uma nova fonte de Vantagem Competitiva. 15

16 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BALLOU, RONALD H.. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, BALLOU, RONALD H.. Logística Empresarial Control y Planificación. Madrid: Editora Diaz de Santos S.A., BASSO, JOSÉ LUIZ & LIMA, MARIA APARECIDA BRANDÃO. TAG Times Autogerenciáveis. São Paulo: IMAM, CAMPOS, VICENTE FALCONI. TQC: Gerenciamento da Rotina do Trabalho do Dia-a-Dia. Rio de Janeiro: Bloch, HUTCHINS, DAVID. Just in Time. São Paulo: Atlas, JONES, DANIEL T. ROOS, DANIEL & WOMACK, JAMES P. A Máquina que Mudou o Mundo. Rio de Janeiro: Campus, MAGEE, JOHN F. Logística Industrial: Análise e Administração dos sistemas de suprimento e distribuição. São Paulo: Pioneira Administração e Negócios, REVISTA ISTO É. "Revolução Industrial", pp , outubro, REVISTA TECNOLOGÍSTICA. "Mineirização viabiliza Just in Time na Fiat", pp , novembro/dezembro, SILVA, JOÃO ESMERALDO DA SILVA. "As Relações entre Fornecedores e as Montadoras automobilísticas na década de 90". Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo,

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás O que é? Conteúdo Local é a relação entre o valor dos bens produzidos e serviços prestados no país para executar o contrato e o valor total dos

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Currículo Vitae. Rua Sapiranga, 06 Quadra 24 Boa Vista Recife PE. CEP 50.060-390 e-mail - jbmanutencao@hotmail.com Fone: 81 3231-4532 / 99371916

Currículo Vitae. Rua Sapiranga, 06 Quadra 24 Boa Vista Recife PE. CEP 50.060-390 e-mail - jbmanutencao@hotmail.com Fone: 81 3231-4532 / 99371916 João Bosco Lopes da Silva Currículo Vitae Rua Sapiranga, 06 Quadra 24 Boa Vista Recife PE. CEP 50.060-390 e-mail - jbmanutencao@hotmail.com Fone: 81 3231-4532 / 99371916 Escolaridade Ensino superior gestão

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Sistemas de Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Conteúdo Programático Introdução aos sistemas de garantia da qualidade. Normas de qualidade e certificação. Sistemas ISO 9000, ISO 14000, QS

Leia mais

ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS

ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS 135 ANEXO 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS Curso: PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO LOGÍSTICA DE EVENTOS Objetivo: Capacitar profissionais para atuarem no segmento de Logística de Eventos,

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais